P. 1
Relatorio Final Pronto

Relatorio Final Pronto

|Views: 2.624|Likes:
Publicado porvalgts_ta

More info:

Published by: valgts_ta on Apr 04, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/19/2013

pdf

text

original

INTRODUÇÃO

Trata-se de análise de texto ³Um aspecto da diversidade do caboclo amazônico: a religião´, originalmente publicado na obra intitulada ³Diversidade biológica da Amazônia´, organizada pela professora Célia Guimarães e outros, numa publicação do Museu Paraense Emílio Goeldi, no ano de 2001 (pp. 253-272).

Produzido pelo renomado autor paraense Raymundo Heraldo Maués, autor de diversas obras (como ³A ilha encantada: medicina e xamanismo numa comunidade de pescadores´, publicada pela editora da Universidade Federal do Pará, em 1990), é uma visão antropológica sobre o assunto religião, baseado na experiência de seu trabalho de campo e em outras obras de pesquisadores.

O autor ao abordar o tema acerca dos aspectos religiosos da cultura cabocla, e como corolário as crenças e práticas, inserido no contexto de uma área amazônica, especificamente no município de Vigia, nordeste do estado do Pará, na região do Salgado, afirma existir um substrato comum que permite certa generalização , não obstante a grande riqueza de mitos, concepções, crenças e práticas. Para isso se utilizou de informantes caboclos (pessoas do interior ou de origem rural).

O estudo tem foco no pequeno povoado da Vila Itapuá, localidade do município de Vigia/Pa, quando o autor ali chegou em 1995, para realizar trabalho de campo e
1

estudar os hábitos e as ideologias alimentares, bem como as concepções sobre doenças e a forma como eram curadas.

2

DESENVOLVIMENTO

Atento ao tema religião, como uma das abordagens do estudo que fez, de pronto constatou no local uma forte aversão ao protestantismo, exemplificado também pelo fato da mal-sucedida tentativa de instalação de uma sede da igreja Assembléia de Deus na sede do município de Vigia.

Observou uma forte repressão às crenças e práticas ligadas à pajelança pela Igreja Católica. Somente após um mês residindo no vilarejo foi ter notícia da existência dos xamãs ou pajés. Os moradores do local declaravam-se católicos e omitiam suas práticas xamãnicas, talvez pelo fato de que os inquisidores da igreja ali estiveram à caça dos pajés.

Concorda, o autor com os populares do local em declaram-se católicos e omitirem suas práticas xamãnicas, pois, afinal vai concluir que tais práticas e crenças estão incorporadas ao catolicismo ³local´.

O catolicismo popular dessas populações amazônicas, na região do Salgado, e outras investigadas (não especificadas no texto) centra-se na crença e no culto de santos. Na localidade de Itapuá, os principais santos que o povo cultua são Nossa Senhora de Nazaré, São Benedito, o Menino Deus e São Pedro.

3

A concepção a respeito dos santos é a de pessoas que viveram neste mundo, e por processos diversos, se santificaram após a morte. Há também o que chama de ³santos populares´, nos cemitérios, para os quais se acendem velas e dos quais se recebem ³graças´ ou ³milagres´.

Há, pela população cabocla da Amazônia, a distinção entre o ³santo do céu´, que, como o nome refere é o que está no céu, e ³suas semelhanças´ ou imagens que foram ³deixadas por Deus na terra´. Essas imagens estão imbricadas com o poder do santo do céu. Existindo imagens para um mesmo santo há as mais ³poderosas´ ou ³milagrosas´ que outras.

Cita o São Benedito Achado, imagem cultuada na cidade de Curuça/PA, como a mais milagrosa de todas. Compara as imagens de Nossa Senhora do Nazaré depositadas na Basílica de Nazaré, em Belém, com a da igreja Madre de Deus, em Vigia/PA, dizendo ser difícil precisar qual delas é a mais poderosa, porém que seriam de incomparável grande poder em relação às numerosas réplicas. O poder dos santos estaria relacionado com dois fatores: com suas imagens e com os locais de culto onde são venerados.

O autor relata concepções mais particulares dos caboclos amazônicos que dizem respeito à pajelança rural ou de origem rural (cabocla), que tem como crença fundamental a concepção dos ³encantados´.

4

Ao contrário dos santos, os encantados são seres humanos que não morreram, mas se ³encantaram´. Como exemplos, citam dois ³encantados´: Cobra Norato e o rei Sebastião, com suas lendas.

Cobra Norato, narrada como uma cobra grande, teria sido uma criança de nome Antônio Norato, que se transformou no animal pelo encantamento, e afinal matou a própria irmã gêmea, também encantada como Maria Caninana e seu enamorado, pois temia que com o namoro deles, não pudessem os gêmeos desencantarem-se, qual era seu desejo.

Rei Sebastião remonta a estória de Dom Sebastião que morrera durante a batalha de Alcácer-Quibir, no século XVI, na guerra que levou Portugal ao domínio espanhol por sessenta anos, em 1580, segundo a qual acreditavam que não morrerá realmente, mas se encantara, e deveria retornar para libertar seu povo do domínio estrangeiro. Segundo à lenda da região do Salgado, o Rei Sebastião habita três moradas: a ilha de Maianduea e a ilha de Fortaleza, no estado do Pará; e a ilha do Lençois, no litoral do Maranhão.

Fora dos dois casos citados, relata que o encantamento não abarca o mérito moral; sendo que as pessoas se encantariam porque são atraídas por outros encantados para o ³encante´, seu local de morada, encontrando-se ³no fundo´, normalmente, dos rios e lagos, em cidades subterrâneas ou subaquáticas.

Há também a idéia de que os grandes pajés são levados pelos encantados para o fundo, onde aprendem a sua arte; mas neste caso, eles retornam à superfície como xamãs, para poderem praticar a pajelança.

5

Os encantados são normalmente ³invisíveis´ aos olhos dos simples mortais e manifestam-se de formas diversas. São pensados em três contextos, recebendo assim denominações diferentes: bichos de fundo, oiaras, e por fim, chamados de caruanas, guias ou cavalheiros.

Os caruanas incorporam-se nas pessoas em três situações, seja naquelas que tem o dom ³de nascença´ para serem xamãs, quer sejam as de quem ³se agradam´, quer sejam os próprios xamâs (pajés) já formados, vindo, neste caso, durante sessões xamanísticas e para praticar o bem, sobretudo para curar doenças. Não é a alma ou espírito do caruana que se incorpora nos pajés, mas é o encanto por completo (³espírito´ e ³matéria´), nenhum informante dos quais o autor se utilizou sabia bem explicar a lenda.

Por outro lado, relata que os encantados podem ser perigosos e cita o boto encantando que, transformando-se num belo rapaz, seduzia as mulheres, mantendo relações sexuais com elas. Na região do Salgado o autor não encontrou relatos de que o boto possa engravidar a mulher com quem se relaciona, comum em outras lendas, mas sim sugar o sangue dela levando-a à morte, caso o boto não seja impedido a tempo. Ao lado disso há uma homologia (homologia significa origem evolutiva comum) e uma complementaridade entre santos e encantados, nas crenças e representações do caboclo amazônico, sendo que tais entidades situam-se em pólos opostos no mapa cognitivo dessas populações: os santos no alto e os encantados no fundo (em baixo). Mas ambos também podem existir na superfície.

Outra crença muito forte na região do Salgado, que parece ser banstante disseminada, pelo menos em parte, em outras regiões da Amazônia, é a que diz respeito aos chamados ³fadistas´, pessoas que tem o fado (destino ou sina) de se

6

transformar em animais, que são: a matintapereira e o ³labisônio´ (lobisomem), conforme sejam mulheres ou homens. Os fadistas são vistos como pessoas que fizeram um pacto com Satanás em troca de algum tipo de vantagem, dinheiro ou poderes excepcionais, que além de ter entregado sua alma ainda são punidos com o destino de transformarem-se em animais durante a noite.

A todas essas crenças correspondem práticas que se traduzem em formas de culto, festas e rituais, sendo somente os santos objetos de culto, expressado frequentemente por meio de festas. Já aos encantados não se prestam culto, não se fazem festas ± mas a eles estão associados importantes rituais xamanísticos, dos quais os mais notáveis são as sessões de cura.

Aos santos se presta culto particular, nas residências, onde existe sempre uma estampa de santo, ou uma ou várias imagens, ressaltando que há quem diga que é mais importante orar diante das imagens de santos particulares do que ir à igreja assistir a cerimônias. Nesse sentido ³donos de santo´ assumem importância especial quando se trata de uma imagem considerada especialmente ³milagrosa´. Cita o caso de uma imagem de São Benedito, do ³dono de santo´ chamado Zizi, na Vila de Itapuá.

O exemplo mais notável na Amazônia é o do caboclo Plácido que ³achou´, no final do século XVII, a imagem de Nossa Senhora de Nazaré, cultuada ainda hoje em Belém, e em cuja homenagem se faz o Círio de Nazaré e a Festa de Nazaré.

Ao tratar dos rituais dos encantados é necessário compreender mais acerca dos pajés. Para tornar-se pajé ou curador a pessoa precisa ter um dom, que pode ser ³de nascença´ ou ³de agrado´, ambos tendo uma carreira muito semelhante com os xamãs:

7

A carreira começa com um período de crise de vida, sofrendo com incorporações descontroladas, necessitando passar por um treinamento para controlar a situação de quando, onde e qual espírito ou caruana deva incorporar. Deve aprender com um pajé experiente, sobre o controle dos espíritos e caruanas; também acerca dos remédios, orações, técnicas, etc, para afinal, ser ³encruzado´, ou seja, cerimoniosamente morrer para renascer como xamã e tratar de seus próprios doentes e ter seus discípulos.

As concepções ligadas à pajelança cabocla podem ser comparadas a diversas formas de xamanismo que tem sido descrito em várias partes do mundo, distanciandose do xamanismo siberiano, no aspecto em que a incorporação tem menor importância, pois é o xamã que vai ao mundo dos espíritos para combater aqueles espíritos culpados do mal que aflige à pessoa. Na pajelança cabocla, com origem indígena nos Tupis, a incorporação tem total importância pois não é o xamã que cura, mas sim os encantados ou caruanas que agem.

Em depoimento ao autor, o principal pajé de Itapuá disse que a pajelança tinha sido uma arte deixada na terra por Jesus Cristo, que também curava os doentes de seu tempo com fazem os curadores caboclos.

Não obstante ao entendimento do depoente, a pajelança tem sido combatida pela Igreja Católica na Amazônia desde o período colonial. Narra o autor que há casos em que a pajelança para acontecer tinha que ser autorizada pelo delegado de polícia local, sob pena de enquadrar o praticante em crime de curandeirismo ou exercício ilegal da medicina.

8

CONCLUSÃO

Conclui o renomado professor Raymundo Heraldo Maués, que apesar do combate pela Igreja Católica, a pajelança cabocla continua muito viva no interior da Amazônia, e integrada ao catolicismo, passando por transformações como todo o processo social que tem grande influência na vida das populações rurais desta região.

De nosso ponto conclui-se que a religião, como um aspecto da diversidade cultural do caboclo amazônico, pelos argumentos do autor do texto analisado, se constitui numa espécie de catolicismo popular, que mantém relações com o ³xamanismo nativo´ - a pajelança cabocla -, e que se originou de antigas práticas e crenças dos índios Tupinambás, que habitaram parte da região amazônica no período colonial, bem como de influências portuguesas e africanas.

9

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

MAUÉS, Raimundo Heraldo. Um aspecto da diversidade cultural do caboclo amazônico: a religião. Belém, EDUFPA, 2005. VIEIRA, Célia Guimarães et. al. (orgs.). Diversidade biológica da Amazônia. Belém, Museu Paraense Emílio Goeldi, 2001, pp. 253-272.

10

BIBLIOGRAFIA

ALVES, Isidoro. O Carnaval devoto: um estudo sobre a festa de Nazaré, em Belém. Petrópolis, Vozes, 1980. BETENDORF, João Felipe. ³Chronica da Missão dos Padres da Companhia de Jesus no estado do Maranhão´. Revista do IHGB, t. LXXII, parte I (1909). Rio de Janeiro, Imprensa Oficial, 1910. BRAGA DOS SANTOS, Pedro. O sebstianismo no Maranhão. São Luís, Ipes, 1983. CRAVALHO, Mark. An Invisible Universe of Evil: Supernatural Malevolence and Personal Experience among Amazon Peasants. Tese de doutorado em Antropologia. San Diego, University of California, 1993. CUNHA, Euclides da. Os sertões (Campanha de Canudos). Em Obra Completa. Edição organizada sob a direção de Afrânio Coutinho, vol. II. Rio de Janeiro, Nova Aguilar, 1995 (reimpressão da 1ª ed. de 1966). FIGUEIREDO, Aldrin Moura de. A cidade dos encantados: pajelanças, feitiçarias e religiões afro-brasileiras na Amazônia. A constituição de um campo de estudo (18701950). Dissertação de mestrado, Campinas, Unicamp, 1996.

11

FIGUEIREDO, Napoleão. ³Pajelança e catimbó na região bragantina´. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas, n. 32, 1976, pp. 41-52. FIGUEIREDO, Napoleão e A. VERGOLINO E SILVA. Festas de santos e encantados. Belém, Academia Paraense de Letras, 1972. GABRIEL, Chester E. Communications of the Spirits: Umbanda, Regional Cults in Manaus and the Dynamics of Mediumistic Trance. Tese de doutorado, McGill University, 1980. GALVÃO, Eduardo. ³A vida religiosa do caboclo da Amazônia´. Boletim do Museu Nacional, N.S., Antropologia, n. 15, 1953. __________. Santos e visagens: um estudo da vida religiosa de Itá, Baixo Amazonas. São Paulo, Nacional, 1955 (Coleção Brasiliana). LAPA, J. R. Amaral. Livro da Visitação do Santo Ofício da Inquisição ao Estado do Grão-Pará (1763-1769). Apresentação de J. R. Amaral Lapa. Petrópolis, Vozes, 1978. LEACH, Edmund. ³Nascimento virgem´. Em Edmund Leach ± Antropologia. São Paulo, Ática, 1983a. __________. ³Aspectos antropológicos da linguagem: categorias animais e insulto verbal´. Em Edmund Leach ± Antropologia. São Paulo, Ática, 1983b. __________. Sistemas políticos da Alta Birmânia: um estudo da estrutura social Kachin. São Paulo, Edusp, 1996. LEWIS, Ioan M. Êxtase religioso: um estudo antropológico da possessão por espírito e do xamanismo. São Paulo, Perspectiva, 1977. LIMA-AYRES, Déborah de. The Social Category Caboclo: History, Social Organization,

12

Identity and Outsider¶s Social Classification of the Rural Population of an Amazonian Region (The Middle Solimões). Tese de doutorado. University of Cambridge, 1992. LIMA, Zeneida. O mundo místico dos caruanas e a revolta de sua ave. 4a ed., Belém, Cejup, 1998. LUSTOSA, D. Antônio de Almeida. Dom Macedo Costa (Bispo do Pará). Rio de Janeiro, Cruzada da Boa Imprensa, 1939. __________. No estuário amazônico (³À margem da vida pastoral´). Belém, Conselho Estadual de Cultura, 1976 (1932-1938). MAUÉS, R. Heraldo. A ilha encantada: medicina e xamanismo numa comunidade de pescadores. Belém, EDUFPA, 1990 (Coleção Igarapé). __________. Padres, pajés, santos e festas: catolicismo popular e controle eclesiástico. Belém, Cejup, 1995. MAUÉS, R. Heraldo e G. M. VILLACORTA. ³Pajelança e encantaria amazônica´. Trabalho apresentado nas VIII Jornadas sobre Alternativas Religiosas na América Latina, São Paulo, 22-25 set. 1998. POSEY, Darrel e P. BRAGA DOS SANTOS. ³Concepts of Health, Illness, Curing and Death in Relation to Medicinal Plants and the Appearance of the Messianic King on the Island of Lençóis, Maranhão´. Em PARKER, E. P. (ed.). The Amazon Caboclo: Historical and Contemporary Perspectives. Williamsburg, Virginia, Department of Anthropology, College of William and Mary, 1985, pp. 279-313. SALLES, Vicente. Ritos populares: pajelança e catimbó (mimeo.), s.d. __________. ³Cachaça, pena e maracá´. Brasil açucareiro, vol. 27, n. 74, Rio de Janeiro, 1967, pp. 46-55.

13

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->