Você está na página 1de 70

Identificação

Nome da Gestante: _______________________________

_______________________________________________

Data de nascimento: ______________________________

Mãe: ___________________________________________

Pai: ____________________________________________

Escolaridade: ____________________________________

Endereço: _______________________________________

Bairro: CEP: __________

Tel. comercial: ___________________________________

Tel. residencial: __________________________________

Tel. celular: ______________________________________

Em caso de emergência avisar: ______________________

Telefone: ________________________________________

Alergia à: _______________________________________
GESTANTE

Você está recebendo a sua carteira de pré-natal.


Nela serão anotadas todas as informações sobre a sua gravidez:

4 consultas, resultados de exames, peso, altura, pressão arterial e vaci-


nações.
Você também vai encontrar nesta carteira algumas orientações so-
bre a gestação, parto e o período pós-parto.
Por isso não se esqueça de levar a sua carteira da gestante em todas
as consultas de pré-natal, para o hospital, em qualquer atendimento e
na hora do parto. Guarde-a após a gravidez, ela é um documento, e
poderá ser usada novamente em uma próxima gestação pois tem es-
paço para a realização de dois pré-natais.
Compareça às consultas agendadas do seu pré-natal e pós-parto,
siga os conselhos do seu Médico e da Equipe de Saúde. Peça ajuda
quando tiver dúvidas.
Gravidez e nascimento são acontecimentos naturais, mas algumas
vezes podem trazer riscos para a mãe e para a criança, daí a importân-
cia do acompanhamento durante este período, para minimizá-los.
Para a sua gravidez ter uma boa evolução, necessita da atenção dos
profissionais de saúde e do seu empenho em realizar as orientações
recebidas no pré-natal.
Leia com atenção. É bom para você e bom para o seu filho.
PROCURE IMEDIATAMENTE ATENDIMENTO
MÉDICO, SE DURANTE A GRAVIDEZ OCORRER:

• Qualquer sangramento vaginal

• Perda de líquido pela vagina

• Dores abdominais

• Febre
5
• Dor /ardência para urinar

• Vômitos persistentes

• Dores de cabeça fortes ou contínuas

• Perturbações da visão

• Inchaço nas pernas, rosto, braços e mãos

• Corrimento vaginal com odor fétido/ardência

• Diminuição dos movimentos fetais


1. Antecedentes pessoais
PATOLOGIAS
NÃO SIM
Hipertensão arterial
Cardiopatia
Lúpus eritematoso

6
Asma brônquica
Diabetes
Doenças da tireóide
Infecção do trato urinário
Doença hepática
Doença mental
HIV
Sífilis
Clamídia
Gonorréia
Tromboembolismo
Cirurgia ginecológica
Outras

USO DE MEDICAMENTOS:
anti-hipertensivo anticoagulantes
anticonvulsivantes corticóides
diuréticos insulina
outros _____________________________________
USO DE SUBSTÂNCIAS QUE GERAM DEPENDÊNCIA
FÍSICA OU PSÍQUICA:

Álcool Cigarro Outros_____________

2. Antecedentes Familiares
NÃO SIM
7
Anomalias congênitas
Tromboembolismo
Tuberculose
Neoplasias
Gemelaridade
Outras

3.Antecedentes Obstétricos
RESULTADOS OBSTÉTRICOS ANTERIORES
Data Aborto Parto Cesárea Gravidez Imunoglobulina Complicações
(IG) (IG) (IG) ectópica anti-RhD

IG = Idade Gestacional
RESULTADOS PERINATAIS DE GESTAÇÕES ANTERIORES
Gestação Peso Parkin Apgar Nativivo Natimorto Sexo Complicações

8
4.Antecedentes Vacinais
VACINA ANTI-TETÂNICA:
1ª Dose _____________ Data ____ /____/____
2ª Dose _____________ Data ____ /____/____
3ª Dose _____________ Data ____ /____/____
1º Reforço ___________ Data ____ /____/____
2º Reforço ___________ Data ____ /____/____

VACINA PARA HEPATITE B:


1º Dose _____________ Data ____ /____/____
2ª Dose _____________ Data ____ /____/____
3ª Dose _____________ Data ____ /____/____

OUTRAS VACINAS:
_____________________ Data ____ /____/____
_____________________ Data ____ /____/____
PRÉ-NATAL 1

PRÉ-NATAL 1
Local de realização do Pré-natal 1
Telefone do local de atendimento
Nº do SISPRENATAL (usuária do SUS)
Nº de Registro/Prontuário
Dados do(os) profissional(ais) de saúde que realiza(am) o Pré-natal nesta
gestação:

Nome carimbo

Nome carimbo
9
Maternidade de Referência

AGENDAMENTO DO PRÉ-NATAL 1
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
PRÉ-NATAL 1

Data da 1ª consulta ____ /____/____


G_______ P_______ C_______ A______ ECTÓPICA ______
DUM ____ /____/____
DPP ____ /____/____
DPP por ecografia ____ /____/____
(vide quadro de dados ecográficos pág. 20)
RISCO GESTACIONAL

10

EXAME FÍSICO:

Estatura Peso pré-gestacional IMC


Cabeça /pescoço
Tórax
Aparelho Cardio-circulatório
Pulmões
Abdome
Membros
Sistema nervoso
PRÉ-NATAL 1

EXAME
GINECOLÓGICO/OBSTÉTRICO:
Avaliação na primeira consulta do pré-natal data ____ /____/____

Alterações NÃO SIM


Mamas
Vulva
Vagina

11
Útero
Especular/Colo uterino
Colpocitologia oncótica
Outras alterações:

Avaliação entre a 24ª.e 26ª. semana data ___/____/_____

Alterações NÃO SIM


Mamas
Vulva
Vagina
Útero
Especular/Colo uterino
Outras alterações:
PRÉ-NATAL 1

EXAMES LABORATORIAS
1. GRUPO SANGUÍNEO ABO _______ RhD _________

2. COOMBS INDIRETO ( se Mãe RhD negativo)

1ª consulta 24a /26asem 28a/29a sem Pós-parto

Data ____/____/____ ____/____/____ ____/____/____ ____/____/____

Coombs indireto NR R NR R NR R NR R

Titulação

Imunoglobulina Entre a 28ª e 34ª sem

12 Anti-RhD

Data ____/____/____

(R-reagente NR- não reagente)

3. VDRL /FTA-Abs

VDRL 1ª consulta 24a / 26asem 34a / 37asem Parto

Data ____/____/____ ____/____/____ ____/____/____ ____/____/____

Titulação NR R NR R NR R NR R

FTA-Abs Data ____/____/____ NR R

Tratamento VDRL - controle

Data Medicação e posologia Data Titulação

Tratamento Não Sim data, medicação e posologia


do parceiro

(R-reagente NR- não reagente)


PRÉ-NATAL 1

4.HIV1 / HIV2 - CD4/Carga viral

1ª consulta Início do 3º trimestre

HIV1/HIV2 Data ____/____/____ Data ____/____/____


Negativo Positivo Indeterminado Negativo Positivo Indeterminado

Data ____/____/____ Data ____/____/____

CD4

Carga viral

Tratamento: data, medicação e posologia


13

Sorologia para HIV no parto

Teste rápido - HIV Teste HIV1/HIV2 (convencional)

Data ____/____/____ Data ____/____/____


Negativo Positivo Negativo Positivo Indeterminado
PRÉ-NATAL 1

5. TOXOPLASMOSE

1º exame IgG NR R
____/____/_____ IgM NR R
2° exame IgG NR R
____/____/_____ IgM NR R
3° exame IgG NR R
____/____/_____ IgM NR R
Avidez de IgG Forte
____/____/_____ Intermediária
Fraca
Data: Tratamento : medicação e posologia

14
(R-reagente NR- não reagente)

Importante:
Gestante, se o resultado do seu exame de toxoplasmose for
não reagente para IgG e IgM, você é suscetível, corre o risco
de pegar a toxoplasmose durante a gestação. Para que isto não
aconteça você deve tomar os seguintes cuidados:

• Evite contato com gatos;


• Não coma carne crua ou mal cozida (em especial carneiro e
porco);
• Use luvas ao manusear a carne crua e depois lave bem com
água e sabão todos os utensílios utilizados;
• Lave bem frutas e verduras antes de consumi-las;
• Mantenha a sua casa limpa, livre da presença de moscas,
baratas e ratos;
• Use luvas para manusear a terra durante jardinagem e tam-
bém para recolher fezes de animais domésticos.
PRÉ-NATAL 1

6. HEMOGRAMA/PLAQUETAS

Data Hb/VG Plaquetas VCM Outros

7. GLICEMIA DE JEJUM E CURVA GLICÊMICA – 2 DOSAGENS ORAL

Data Glicemia de jejum Curva glicêmica 2 dosagens oral:


1a. consulta de
15
glicemia de jejum e glicemia 2 h após sobrecar-
pré-natal ga oral de 75 g de glicose
(entre a 24 a semana e 32ª semana)

8.PERFIL GLICÊMICO:

Glicemia de jejum Glicemia 2h após o café Glicemia 2h após o almoço


Data VR < 105mg/dl VR < 130mg/dl VR < 130mg/dl

VR = valor de referência
PRÉ-NATAL 1

9. PESQUISA DE ELEMENTOS ANORMAIS/SEDIMENTO NA URINA


(parcial de urina)

Data _____/_____/_____

16
Data _____/_____/_____

Data _____/_____/_____
PRÉ-NATAL 1

10. UROCULTURA:

Data Urocultura
1ª urocultura Negativa Positiva - Agente Bacteriano:
_____/_____/_____
Tratamento:

Urocultura /controle de cura após Negativa Positiva - Agente Bacteriano:


7 dias do término do tto
_____/_____/_____ Tratamento:

2ª urocultura Negativa Positiva - Agente Bacteriano:


_____/_____/_____
Tratamento:

Urocultura /controle de cura após Negativa Positiva - Agente Bacteriano:


17
7 dias do término do tto
_____/_____/_____ Tratamento:

3ª urocultura: Negativa Positiva - Agente Bacteriano:


_____/_____/_____
Tratamento:

Urocultura /controle de cura após Negativa Positiva - Agente Bacteriano:


7 dias do término do tto
_____/_____/_____ Tratamento:

Obs: Se ocorrer infecção urinária por Estreptococo Beta-Hemolítico


do Grupo B (Agalactiae), não há necessidade de antibiograma.
Tratar de acordo com o Protocolo e anotar no gravidograma para
ser realizada a profilaxia da sepse neonatal, antes do parto, na
Maternidade.
PRÉ-NATAL 1

11. COLPOCITOLOGIA ONCÓTICA (Papanicolaou)

Data da coleta: _____/_____/_____


Resultado:

12. TUBERCULOSE

18 Mantoux Positivo Negativo

Mãe bacilífera Sim Não

13. OUTROS EXAMES


PRÉ-NATAL 1

MOBILOGRAMA (realizar com orientação médica)

FORMULÁRIO PARA REGISTRO DIÁRIO DE MOVIMENTOS FETAIS


1º - Alimentar-se antes de começar o registro;
2º - Em posição semi-sentada, com a mão no abdome;
3º - Marcar o horário de início;
4º - Registrar seis movimentos e marcar o horário do último;
5º - Se em uma hora o bebê não mexer seis vezes, parar de
contar os movimentos. Repetir o registro. Se persistir a
diminuição, procurar o Serviço de Saúde.

Dia Hora/início Movimentos fetais Hora/término

1 2 3 4 5 6

19

Fonte: Ministério da Saúde, 2005


20
Data Data
PRÉ-NATAL 1

Idade
Reativo
gestacional
espontâneo
Localização e
Reativo após maturidade
estímulo mecânico placentária
ou vibro-acústico
Líquido

2. CARDIOTOCOGRAFIA
amniótico - ILA
Não reativo
1. ECOGRAFIA OBSTÉTRICA

BCF

Contrações uterinas Apresentação


fetal

Peso fetal

Sinais de alerta
Sinais de alerta
Exames Complementares
Nome da gestante: PRÉ-NATAL 1 Idade: G: P: A: Ectópica:
DUM:_____/ _____/_____ DPP:_____/ _____/_____ DPP(eco):_____/_____/_____ Risco gestacional: ABO/RhD:

GRAVIDOGRAMA DO PRÉ-NATAL 1

Apresentação fetal
Data da consulta

Pressão Arterial

Circunferência
IG cronológica

Altura uterina
IG ecográfica

Cárdio-fetais

Movimentos
Batimentos
Máxima

Edema
fetais
Peso
Intercorrências e Tratamentos
durante a gestação

1.

2.

3.

4. 21
5.

6.

7.

8.

9.

10.

AVALIAÇÕES APÓS A 40ª SEMANA DE GESTAÇÃO


11.

12.

13.

14.

Realizar a profilaxia da sepse neonatal por Estreptococo Beta-Hemolítico do Grupo B (Agalactiae), antes do parto, na Maternidade
PRÉ-NATAL 1

GRÁFICO DO CRESCIMENTO UTERINO


ALTURA UTERINA ( cm )

22

SEMANA DE GESTAÇÃO

Fonte: Centro Latino-americano de Perinatologia e Desenvolvimento Humano, 1996


PRÉ-NATAL 1

EXAME ODONTOLÓGICO

Data da Avaliação Clínica Avaliação Orientações /


consulta (cárie) periodontal Encaminhamentos

23

A gestante pode e deve procurar o dentista durante a gravi-


dez. Se houver necessidade de tratamento, este poderá ser reali-
zado sem nenhum risco para o bebê ou para a mãe. O dentista
saberá conduzi-lo da melhor forma. As orientações por ele dadas
são muito importantes para a sua saúde e a de seu bebê.

Em Curitiba a água de abastecimento é fluoretada, portanto


não há necessidade de tomar medicamentos com flúor. Os den-
tes do bebê serão mais fortes se você se alimentar corretamente.
PRÉ-NATAL 1

REFERÊNCIA PARA MATERNIDADE

Data____/____/____
De: Serviço de Saúde
Para: Especialidade/Maternidade
Motivo do encaminhamento

24 Profissional responsável pelo atendimento/carimbo

CONTRA-REFERÊNCIA ou PROCURA DIRETA

Maternidade:
Data do atendimento:____/____/____
Registro do atendimento:

Internamento: Não Sim


Profissional responsável pelo atendimento/carimbo
PRÉ-NATAL 1

REFERÊNCIA PARA MATERNIDADE

Data____/____/____
De: Serviço de Saúde
Para: Especialidade/Maternidade
Motivo do encaminhamento

Profissional responsável pelo atendimento/carimbo 25

CONTRA-REFERÊNCIA ou PROCURA DIRETA

Maternidade:
Data do atendimento:____/____/____
Registro do atendimento:

Internamento: Não Sim


Profissional responsável pelo atendimento/carimbo
PRÉ-NATAL 1

REFERÊNCIA PARA MATERNIDADE

Data____/____/____
De: Serviço de Saúde
Para: Especialidade/Maternidade
Motivo do encaminhamento

26 Profissional responsável pelo atendimento/carimbo

CONTRA-REFERÊNCIA ou PROCURA DIRETA

Maternidade:
Data do atendimento:____/____/____
Registro do atendimento:

Internamento: Não Sim


Profissional responsável pelo atendimento/carimbo
PRÉ-NATAL 1

REFERÊNCIA PARA MATERNIDADE

Data____/____/____
De: Serviço de Saúde
Para: Especialidade/Maternidade
Motivo do encaminhamento

Profissional responsável pelo atendimento/carimbo 27

CONTRA-REFERÊNCIA ou PROCURA DIRETA

Maternidade:
Data do atendimento:____/____/____
Registro do atendimento:

Internamento: Não Sim


Profissional responsável pelo atendimento/carimbo
PRÉ-NATAL 1

RESULTADO OBSTÉTRICO E PERINATAL

1- MATERNO:
Maternidade
Aborto:
data ___/___/___ semanas de gestação

Complicações Não Sim

Parto:
data ___/___/___ semanas de gestação

Único Gemelar

28 Vaginal
espontâneo induzido fórceps

episiotomia Não Sim

Cesárea Indicação:

Complicações durante o trabalho de parto/parto/puerpério

Condições maternas na alta:


Boas Necessita de cuidados
Com seqüelas

2-RECÉM-NASCIDO
Sexo F M
Nativivo/idade gestacional semanas
Natimorto/idade gestacional semanas
Malformações _______________________________________
Peso g Comprimento cm
Apgar 1ºmin 5ºmin 10ºmin
Alojamento conjunto Sim Não
Intercorrências neonatais
_________________________________________________________
PRÉ-NATAL 1

3-PROFILAXIAS REALIZADAS NO PRÉ-PARTO/


PÓS-PARTO
Profilaxia da sepse neonatal pelo Estreptococo ß Hemolítico (Agalactiae)
Medicação e posologia:
Data
____/____/____

Profilaxia da transmissão vertical do HIV ante-parto


Medicação e posologia:
Data
____/____/____
29
Profilaxia da Doença Hemolítica Perinatal

Coombs indireto Pós-parto:_____________ Data ____/____/____

Imunoglobulina anti-RhD Pós-parto Data____/____/____

Recém-nascido de Mãe RhD negativo

Data Tipagem Fator Coombs direto


____/____/___ ABO RhD NR
R___________

(R-reagente NR- não reagente)

Profissional responsável pelo registro/carimbo


PRÉ-NATAL 1

CONSULTAS PUERPERAIS
• Por ocasião da alta da maternidade a mãe deverá ter sua primeira
consulta do puerpério previamente agendada.
• Em caso de intercorrências no parto ou com o recém-nascido tais
como: parto prematuro, hemorragia, infecção, eclampsia/pré-
eclampsia, distress respiratório e dificuldade na amamentação,
agendar a consulta puerperal em até 5 dias
• Se não houver intercorrências, agendar consulta em 7 a 10 dias do
parto

CONSULTA PUERPERAL PRECOCE

30
Data ____/____/____
Evolução normal anormal
Amamentação:
Exclusiva
Mista
Aleitamento artificial
Complicações maternas:
Infecção Hemorragia
Pré-eclampsia
Outras

CONSULTA PUERPERAL TARDIA


Data ____/____/____
Amamentação:
Exclusiva
Mista
Aleitamento artificial
Risco reprodutivo
Método anticoncepcional
PRÉ-NATAL 2

PRÉ-NATAL 2
Local de realização do Pré-natal 2
Telefone do local de atendimento
Nº do SISPRENATAL (usuária do SUS)
Nº de Registro/Prontuário
Dados do(os) profissional(ais) de saúde que realiza(am) o Pré-natal nesta
gestação:

Nome carimbo

Nome carimbo

Maternidade de Referência

31
AGENDAMENTO DO PRÉ-NATAL 2
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
Data ____ /____/____ Horário _________ Atendimento____ /____/____
PRÉ-NATAL 2

Data da 1ª consulta ____ /____/____


G_______ P_______ C_______ A______ ECTÓPICA ______
DUM ____ /____/____
DPP ____ /____/____
DPP por ecografia ____ /____/____
(vide quadro de dados ecográficos pág. 42)
RISCO GESTACIONAL

32
EXAME FÍSICO:

Estatura Peso pré-gestacional IMC


Cabeça /pescoço
Tórax
Aparelho Cardio-circulatório
Pulmões
Abdome
Membros
Sistema nervoso
PRÉ-NATAL 2

EXAME
GINECOLÓGICO/OBSTÉTRICO:
Avaliação na primeira consulta do pré-natal data ____ /____/____

Alterações NÃO SIM


Mamas
Vulva
Vagina
Útero
Especular/Colo uterino
Colpocitologia oncótica
Outras alterações: 33
Avaliação entre a 24ª.e 26ª. semana data ___/____/_____

Alterações NÃO SIM


Mamas
Vulva
Vagina
Útero
Especular/Colo uterino
Outras alterações:
PRÉ-NATAL 2

EXAMES LABORATORIAS
1. GRUPO SANGUÍNEO ABO _______ RhD _________

2. COOMBS INDIRETO ( se Mãe RhD negativo)

1ª consulta 24a /26asem 28a/29a sem Pós-parto

Data ____/____/____ ____/____/____ ____/____/____ ____/____/____

Coombs indireto NR R NR R NR R NR R

Titulação

Imunoglobulina Entre a 28ª e 34ª sem


Anti-RhD

Data ____/____/____

34 (R-reagente NR- não reagente)

3. VDRL /FTA-Abs

VDRL 1ª consulta 24a / 26asem 34a / 37asem Parto

Data ____/____/____ ____/____/____ ____/____/____ ____/____/____

Titulação NR R NR R NR R NR R

FTA-Abs Data ____/____/____ NR R

Tratamento VDRL - controle

Data Medicação e posologia Data Titulação

Tratamento Não Sim data, medicação e posologia


do parceiro

(R-reagente NR- não reagente)


PRÉ-NATAL 2

4.HIV1 / HIV2 - CD4/Carga viral

1ª consulta Início do 3º trimestre

HIV1/HIV2 Data ____/____/____ Data ____/____/____


Negativo Positivo Indeterminado Negativo Positivo Indeterminado

Data ____/____/____ Data ____/____/____

CD4

Carga viral

Tratamento: data, medicação e posologia

35

Sorologia para HIV no parto

Teste rápido - HIV Teste HIV1/HIV2 (convencional)

Data ____/____/____ Data ____/____/____


Negativo Positivo Negativo Positivo Indeterminado
PRÉ-NATAL 2

5. TOXOPLASMOSE

1º exame IgG NR R
____/____/_____ IgM NR R
2° exame IgG NR R
____/____/_____ IgM NR R
3° exame IgG NR R
____/____/_____ IgM NR R
Avidez de IgG Forte
____/____/_____ Intermediária
Fraca
Data: Tratamento : medicação e posologia

36
(R-reagente NR- não reagente)

Importante:
Gestante, se o resultado do seu exame de toxoplasmose for
não reagente para IgG e IgM, você é suscetível, corre o risco
de pegar a toxoplasmose durante a gestação. Para que isto não
aconteça você deve tomar os seguintes cuidados:

• Evite contato com gatos;


• Não coma carne crua ou mal cozida (em especial carneiro e
porco);
• Use luvas ao manusear a carne crua e depois lave bem com
água e sabão todos os utensílios utilizados;
• Lave bem frutas e verduras antes de consumi-las;
• Mantenha a sua casa limpa, livre da presença de moscas,
baratas e ratos;
• Use luvas para manusear a terra durante jardinagem e tam-
bém para recolher fezes de animais domésticos.
PRÉ-NATAL 2

6. HEMOGRAMA/PLAQUETAS

Data Hb/VG Plaquetas VCM Outros

7. GLICEMIA DE JEJUM E CURVA GLICÊMICA – 2 DOSAGENS ORAL

Data Glicemia de jejum Curva glicêmica 2 dosagens oral:


1a. consulta de glicemia de jejum e glicemia 2 h após sobrecar-
pré-natal ga oral de 75 g de glicose
(entre a 24 a semana e 32ª semana)

37

8.PERFIL GLICÊMICO:

Glicemia de jejum Glicemia 2h após o café Glicemia 2h após o almoço


Data VR < 105mg/dl VR < 130mg/dl VR < 130mg/dl

VR = valor de referência
PRÉ-NATAL 2

9. PESQUISA DE ELEMENTOS ANORMAIS/SEDIMENTO NA URINA


(parcial de urina)

Data _____/_____/_____

Data _____/_____/_____

38

Data _____/_____/_____
PRÉ-NATAL 2

10. UROCULTURA:

Data Urocultura
1ª urocultura Negativa Positiva - Agente Bacteriano:
_____/_____/_____
Tratamento:

Urocultura /controle de cura após Negativa Positiva - Agente Bacteriano:


7 dias do término do tto
_____/_____/_____ Tratamento:

2ª urocultura Negativa Positiva - Agente Bacteriano:


_____/_____/_____
Tratamento:

Urocultura /controle de cura após Negativa Positiva - Agente Bacteriano:


7 dias do término do tto
_____/_____/_____ Tratamento:
39
3ª urocultura: Negativa Positiva - Agente Bacteriano:
_____/_____/_____
Tratamento:

Urocultura /controle de cura após Negativa Positiva - Agente Bacteriano:


7 dias do término do tto
_____/_____/_____ Tratamento:

Obs: Se ocorrer infecção urinária por Estreptococo Beta-Hemolítico


do Grupo B (Agalactiae), não há necessidade de antibiograma.
Tratar de acordo com o Protocolo e anotar no gravidograma para
ser realizada a profilaxia da sepse neonatal, antes do parto, na
Maternidade.
PRÉ-NATAL 2

11. COLPOCITOLOGIA ONCÓTICA (Papanicolaou)

Data da coleta: _____/_____/_____


Resultado:

12. TUBERCULOSE

Mantoux Positivo Negativo

40
Mãe bacilífera Sim Não

13. OUTROS EXAMES


PRÉ-NATAL 2

MOBILOGRAMA (realizar com orientação médica)

FORMULÁRIO PARA REGISTRO DIÁRIO DE MOVIMENTOS FETAIS


1º - Alimentar-se antes de começar o registro;
2º - Em posição semi-sentada, com a mão no abdome;
3º - Marcar o horário de início;
4º - Registrar seis movimentos e marcar o horário do último;
5º - Se em uma hora o bebê não mexer seis vezes, parar de
contar os movimentos. Repetir o registro. Se persistir a
diminuição, procurar o Serviço de Saúde.

Dia Hora/início Movimentos fetais Hora/término

1 2 3 4 5 6

41

Fonte: Ministério da Saúde, 2005


42
Data
Data
PRÉ-NATAL 2

Idade
Reativo gestacional
espontâneo
Localização e
Reativo após maturidade
estímulo mecânico placentária
ou vibro-acústico
Líquido

2. CARDIOTOCOGRAFIA
amniótico - ILA
Não reativo
1. ECOGRAFIA OBSTÉTRICA

BCF

Contrações uterinas Apresentação


fetal

Peso fetal

Sinais de alerta
Sinais de alerta
Exames Complementares
Nome da gestante: PRÉ-NATAL 2 Idade: G: P: A: Ectópica:
DUM:_____/ _____/_____ DPP:_____/ _____/_____ DPP(eco):_____/_____/_____ Risco gestacional: ABO/RhD:

GRAVIDOGRAMA DO PRÉ-NATAL 2

Apresentação fetal
Data da consulta

Pressão Arterial

Circunferência
IG cronológica

Altura uterina
IG ecográfica

Cárdio-fetais

Movimentos
Batimentos
Máxima

Edema
fetais
Peso
Intercorrências e Tratamentos
durante a gestação

1.

2.

3.

4.

5.

6.
43
7.

8.

9.

10.

AVALIAÇÕES APÓS A 40ª SEMANA DE GESTAÇÃO


11.

12.

13.

14.

Realizar a profilaxia da sepse neonatal por Estreptococo Beta-Hemolítico do Grupo B (Agalactiae), antes do parto, na Maternidade
PRÉ-NATAL 2

GRÁFICO DO CRESCIMENTO UTERINO


ALTURA UTERINA ( cm )

44

SEMANA DE GESTAÇÃO

Fonte: Centro Latino-americano de Perinatologia e Desenvolvimento Humano, 1996


PRÉ-NATAL 2

EXAME ODONTOLÓGICO

Data da Avaliação Clínica Avaliação Orientações /


consulta (cárie) periodontal Encaminhamentos

45

A gestante pode e deve procurar o dentista durante a gravi-


dez. Se houver necessidade de tratamento, este poderá ser reali-
zado sem nenhum risco para o bebê ou para a mãe. O dentista
saberá conduzi-lo da melhor forma. As orientações por ele dadas
são muito importantes para a sua saúde e a de seu bebê.

Em Curitiba a água de abastecimento é fluoretada, portanto


não há necessidade de tomar medicamentos com flúor. Os den-
tes do bebê serão mais fortes se você se alimentar corretamente.
PRÉ-NATAL 2

REFERÊNCIA PARA MATERNIDADE

Data____/____/____
De: Serviço de Saúde
Para: Especialidade/Maternidade
Motivo do encaminhamento

Profissional responsável pelo atendimento/carimbo

46
CONTRA-REFERÊNCIA ou PROCURA DIRETA

Maternidade:
Data do atendimento:____/____/____
Registro do atendimento:

Internamento: Não Sim


Profissional responsável pelo atendimento/carimbo
PRÉ-NATAL 2

REFERÊNCIA PARA MATERNIDADE

Data____/____/____
De: Serviço de Saúde
Para: Especialidade/Maternidade
Motivo do encaminhamento

Profissional responsável pelo atendimento/carimbo

47
CONTRA-REFERÊNCIA ou PROCURA DIRETA

Maternidade:
Data do atendimento:____/____/____
Registro do atendimento:

Internamento: Não Sim


Profissional responsável pelo atendimento/carimbo
PRÉ-NATAL 2

REFERÊNCIA PARA MATERNIDADE

Data____/____/____
De: Serviço de Saúde
Para: Especialidade/Maternidade
Motivo do encaminhamento

Profissional responsável pelo atendimento/carimbo

48
CONTRA-REFERÊNCIA ou PROCURA DIRETA

Maternidade:
Data do atendimento:____/____/____
Registro do atendimento:

Internamento: Não Sim


Profissional responsável pelo atendimento/carimbo
PRÉ-NATAL 2

REFERÊNCIA PARA MATERNIDADE

Data____/____/____
De: Serviço de Saúde
Para: Especialidade/Maternidade
Motivo do encaminhamento

Profissional responsável pelo atendimento/carimbo

49
CONTRA-REFERÊNCIA ou PROCURA DIRETA

Maternidade:
Data do atendimento:____/____/____
Registro do atendimento:

Internamento: Não Sim


Profissional responsável pelo atendimento/carimbo
PRÉ-NATAL 2

RESULTADO OBSTÉTRICO E PERINATAL

1- MATERNO:
Maternidade
Aborto:
data ___/___/___ semanas de gestação

Complicações Não Sim

Parto:
data ___/___/___ semanas de gestação

Único Gemelar

espontâneo induzido fórceps


Vaginal

50
episiotomia Não Sim

Cesárea Indicação:

Complicações durante o trabalho de parto/parto/puerpério

Condições maternas na alta:


Boas Necessita de cuidados
Com seqüelas

2-RECÉM-NASCIDO
Sexo F M
Nativivo/idade gestacional semanas
Natimorto/idade gestacional semanas
Malformações _______________________________________
Peso g Comprimento cm
Apgar 1ºmin 5ºmin 10ºmin
Alojamento conjunto Sim Não
Intercorrências neonatais
_________________________________________________________
PRÉ-NATAL 2

3-PROFILAXIAS REALIZADAS NO PRÉ-PARTO/


PÓS-PARTO
Profilaxia da sepse neonatal pelo Estreptococo ß Hemolítico (Agalactiae)
Medicação e posologia:
Data
____/____/____

Profilaxia da transmissão vertical do HIV ante-parto


Medicação e posologia:
Data
____/____/____

Profilaxia da Doença Hemolítica Perinatal

Coombs indireto Pós-parto:_____________ Data ____/____/____


51
Imunoglobulina anti-RhD Pós-parto Data____/____/____

Recém-nascido de Mãe RhD negativo

Data Tipagem Fator Coombs direto


____/____/___ ABO RhD NR
R___________

(R-reagente NR- não reagente)

Profissional responsável pelo registro/carimbo


PRÉ-NATAL 2

CONSULTAS PUERPERAIS
• Por ocasião da alta da maternidade a mãe deverá ter sua primeira
consulta do puerpério previamente agendada.
• Em caso de intercorrências no parto ou com o recém-nascido tais
como: parto prematuro, hemorragia, infecção, eclampsia/pré-
eclampsia, distress respiratório e dificuldade na amamentação,
agendar a consulta puerperal em até 5 dias
• Se não houver intercorrências, agendar consulta em 7 a 10 dias do
parto

CONSULTA PUERPERAL PRECOCE

Data ____/____/____
Evolução normal anormal
Amamentação:

52 Exclusiva
Mista
Aleitamento artificial
Complicações maternas:
Infecção Hemorragia
Pré-eclampsia
Outras

CONSULTA PUERPERAL TARDIA


Data ____/____/____
Amamentação:
Exclusiva
Mista
Aleitamento artificial
Risco reprodutivo
Método anticoncepcional
ORIENTAÇÕES À
GESTANTES:
“Mulher, concha aconchegante onde se gesta a vida.”
Marialice Pedotti-2002

A gravidez é um momento de comemoração e cuidados. Procure


o seu Médico ou a Unidade de Saúde mais próxima da sua residên-
cia, para fazer o pré-natal e assim garantir a sua saúde e a de seu
bebê.
Se a sua menstruação não descer depois de 7 dias da data espera-
da, ou você desconfiar que está grávida, procure o Serviço de Saúde
ou o seu Médico, o mais rápido possível para agendar consulta médi-
ca/enfermagem.
O pré-natal é um conjunto de atividades que você, grávida, deve
realizar sob orientação dos Profissionais de Saúde, que tem o objetivo
de acompanhar o desenvolvimento do bebê e também prevenir e 53
tratar complicações que possam acontecer neste período.
Você deve saber que algumas gestações apresentam maior risco,
isto acontece em apenas 10% delas, estas grávidas necessitam de um
acompanhamento mais intenso por toda a equipe de assistência obs-
tétrica.

1. NO PRÉ-NATAL:
• Durante o pré-natal você vai receber informações sobre as mu-
danças e os cuidados com as mamas, cuidados de saúde bucal,
vacinas, alimentação, desenvolvimento da gravidez, exercícios,
atividade sexual, uso de medicamentos e parto. Também deve ti-
rar as suas dúvidas e as de seu esposo/companheiro.
• A cada consulta você será avaliada quanto à pressão arterial, esta-
do clínico, nutricional e crescimento uterino. O controle dos
batimentos do coração do bebê será realizado a partir do 3º mês.
Você fará ainda vários exames para verificar se está tudo bem com
a sua saúde e a do seu bebê.
• Realizará o exame de prevenção do câncer do colo do útero e
receberá as vacinas que se fizerem necessárias.
• Não tome medicamentos sem prescrição médica, evite fumar, to-
mar bebidas alcoólicas e fazer uso de qualquer tipo de drogas ilíci-
tas durante a gestação e amamentação.
• Participe das atividades de oficinas ou cursos dos Serviços de Saú-
de, das visitas ao hospital onde seu parto vai acontecer e leia os
folhetos distribuídos
• É importante a presença e a participação do pai do bebê durante o
pré-natal, parto e puerpério.
• As Unidades de Saúde desenvolvem várias oficinas para orientá-la,
abordando os seguintes temas:
a) Mudanças e cuidados maternos durante a gestação;
b) Preparação para o Parto e cuidados com o recém - nascido;
c) Puerpério e Planejamento Familiar.

2. ORIENTAÇÕES PARA O 1º TRIMESTRE DE GESTAÇÃO:


O seu bebê: nos primeiros meses de gravidez o embrião vai cres-
cer rapidamente. Ao final do primeiro mês ele está do tamanho de um
grão de arroz. O cérebro, sistema nervoso, coluna vertebral e coração

54 estão se formando. Aos dois meses o bebê já tem a cabeça bem gran-
de em relação ao corpo, já aparecem os olhos, as orelhas e a boca. O
coração já faz circular o sangue. Entre dois e três meses de gestação, o
cérebro, os órgãos internos, o esqueleto e os músculos do bebê estão
mais desenvolvidos e ele passa a se chamar feto que quer dizer “Fei-
to”.
Náuseas e vômitos: Pela ansiedade e mudanças hormonais é co-
mum acontecerem náuseas e vômitos no início da gravidez. Estes sin-
tomas tendem a diminuir ou até desaparecer a partir do 3º mês. Pro-
cure alimentar-se com pequenas quantidades várias vezes ao dia. Dê
preferência a alimentos pastosos ou secos. Evite alimentos gordurosos
e condimentados e não beba líquidos durante as refeições. Alimente-
se nos momentos em que não estiver sentindo enjôo.
Seios: No início da gestação os seios crescem e podem se tornar
doloridos, procure usar um sutiã de alças mais largas e que dê uma
boa sustentação. A aréola que é o círculo em volta do bico do seio fica
mais escura e nela aparecem bolinhas, que são glândulas sebáceas
que ajudam a lubrificá-la.
Tonturas: Como no início da gravidez a pressão tende a baixar,
procure levantar-se devagar, não fique muito tempo sem se alimentar
e procure tomar mais líquidos. Quando se sentir tonta, procure dei-
tar-se.
Mudanças de humor: As alterações hormonais podem fazer com
que você fique mais sensível, sentir desânimo, tristeza, irritabilidade e
ansiedade, podendo rir ou chorar por qualquer coisa. Pode ser que
você fique insegura e preocupada quanto à hora do parto, com a
saúde do bebê e com a capacidade de “dar conta” de tudo. Os senti-
mentos podem ficar confusos e é comum isto ocorrer. Se necessário
procure ajuda de um Profissional de Saúde.
Sono excessivo: Nesta fase a necessidade de sono da grávida au-
menta, procure descansar sempre que possível.
Proteção da pele: Proteja-se do sol e use um filtro solar para evitar
as manchas escuras no rosto. O aparecimento de estrias está relacio-
nado a uma característica individual de pele. Você pode minimizar o
aparecimento de estrias evitando o ganho de peso excessivo e man-
tendo a pele hidratada com cremes neutros ou mesmo usando óleo
de amêndoas.
Vontade de urinar: O útero vai apertando a bexiga com o cresci-
mento do bebê, por isso você sente vontade de urinar a toda hora,

55
mas se você sentir dor ou ardência para urinar, procure imediata-
mente um Serviço de Saúde porque são sinais de infecção na urina.
Atividade sexual: Durante a gravidez o desejo sexual pode au-
mentar ou diminuir. Não há nenhuma restrição quanto a você manter
relações sexuais na gestação, porém estas devem ser evitadas se a
gestante apresentar contrações prematuras, sangramento, perda de
líquido e dilatação do colo uterino.
Cólicas, perda de líquido e de sangue: A cólica no início da gra-
videz é um sintoma bastante comum, porém quando acompanhado
de sangramento ou perda de líquido necessita de imediata avaliação
médica.

3. ORIENTAÇÕES PARA O 2º TRIMESTRE DE GESTAÇÃO:


O seu bebê: Em torno do 4º mês você vai sentir o seu bebê mexer
dentro da sua barriga; nesta fase o bebê já começa a engolir o líquido
amniótico, chupa os dedos, faz caretas, abre e fecha os olhos e ouve
os sons ao seu redor.
Laços amorosos: Os primeiros laços entre o bebê e os seus pais já
começam durante a gravidez. O bebê, ainda muito cedo, já pode
perceber as emoções de sua mãe e reconhecer a sua voz. O pai tam-
bém pode conversar com ele. Criar um cordão de amor ainda na
barriga da mãe, é o melhor presente que você pode dar ao seu bebê.
Visita à Maternidade: Você deve visitar a maternidade onde irá
ter o seu bebê entre o 5º e 7o. mês de gestação.
6º mês: A sua barriga já está aparecendo bem, em conseqüência
do crescimento do útero e da alteração na curvatura da sua coluna
lombar. Procure caminhar sempre que puder. Para aliviar o inchaço e
as dores nas pernas deite-se colocando os pés para cima. Procure usar
roupas que não pressionem nem o abdome nem a virilha e calçados
de solado baixo com bom amortecimento. Para sentar, busque sem-
pre apoiar toda a coluna no encosto da cadeira. Evite erguer objeto
pesado, mas se for necessário, agache para apanhá-lo e mantenha-o
próximo ao corpo para erguer-se. Não permaneça muito tempo em
pé; na impossibilidade de sentar-se, alterne o apoio dos pés colocan-
do um deles em um local levemente mais alto.
Varizes: Para preveni-las, converse com seu médico sobre meias
elásticas próprias para gestante. Às vezes aparecem hemorróidas, que
são varizes na parte final do intestino; isto geralmente acontece por-
que o intestino está mais preso. Para regular o intestino faça caminha-

56
das, tome bastante líquidos e procure comer alimentos ricos em fibras
como pão integral, mamão, ameixa preta e laranja. Você pode tam-
bém fazer uma mistura de farelo de trigo, farelo de aveia e farelo de
arroz, que devem ser levemente torrados e peneirados. Use uma co-
lher das de sopa ao dia adicionada aos alimentos.
No Trânsito: Ao andar de carro, você deve sempre usar o cinto de
segurança de três pontos, mesmo que seja por pequenas distâncias.
Use o cinto abdominal o mais baixo possível na altura das virilhas, e o
cinto diagonal ajustado conforme a posição do assento, passando en-
tre as mamas e na lateral do abdome.

4.ORIENTAÇÕES PARA O 3º TRIMESTRE DE GESTAÇÃO:


7º mês: O seu bebê já está bem grandinho, mede cerca de 40
centímetros, pesa aproximadamente um quilo, percebe os sons e sen-
te dor. Ele vai ficar muito feliz se você conversar com ele, ouvir uma
música ou mesmo cantar.
Se você tem outros filhos: Prepare-os para a chegada do novo
irmãozinho. Explique de forma clara e adequada sobre a gestação e o
nascimento do novo membro da família.
Pressão alta e edema: Caso você sinta dor de cabeça, alterações
na visão e inchaço nas pernas, pés, mãos ou rosto, procure o Serviço
de Saúde ou a Maternidade de Referência para medir a sua pressão e
fazer exames de sangue e urina. Este inchaço, associado à pressão alta
e perda de proteínas na urina são sinais de pré-eclampsia. A pré-
eclampsia, se não adequadamente cuidada, pode se transformar em
eclampsia, que é uma situação grave para a mãe e para o bebê.
No 8º e 9º mês: O útero aumentado empurra as suas costelas e
por isso você pode ter a sensação de falta de ar, fôlego curto e cansa-
ço. O bebê coloca-se na posição de nascimento, podendo surgir do-
res em baixo ventre causadas pelo peso do útero grávido. Há uma
tendência maior de inchar e travar as pernas. Para aliviar estes des-
confortos você deve descansar várias vezes ao dia, deitada sobre o seu
lado esquerdo, com as pernas mais elevadas. Para dormir deite-se
sempre sobre o seu lado esquerdo, esta posição facilita a circulação
do sangue entre você e o bebê. Não é bom dormir de barriga para
cima, porque o peso do útero aperta os vasos sanguíneos e você pode
sentir tontura e falta de ar.

Sinais de trabalho de parto:


A perda do tampão mucoso: Ocorre no período em que se inici-
am as contrações no pré-parto, este tampão sai pela vagina e parece
um muco de cor clara, mas pode ser um pouco sanguinolento; 57
Contrações no útero: A sensação de contração começa nas cos-
tas, podendo ou não ser acompanhada de dor e vai para a parte baixa
da barriga, que fica dura por 30 a 60 segundos e depois relaxa. Quan-
do aparecer mais de uma contração em 10 minutos, é hora de ir ao
hospital. Se a sua gestação não está no final e você sentir contrações
freqüentes, procure imediatamente a Maternidade de Referência.
O que levar ao hospital: Não esqueça de levar seus documentos,
a sua carteira de gestante e os exames que foram importantes no seu
pré-natal. Leve também material de higiene pessoal (toalhas, absor-
ventes, sabonete, escova e pasta de dentes), roupas adequadas (suti-
ãs, calcinhas, camisolas ou pijamas) além de roupas e fraldas para o
bebê.

5.O PARTO
O Parto é o momento do nascimento do bebê:
O parto é um dos momentos especiais da vida da mulher e da
família. Depois de tanta espera, ela vai dar à luz um novo ser. É direito
da gestante ter um acompanhante neste momento.
Este momento é aguardado com ansiedade, expectativa e às ve-
zes até com certo medo, e tudo deve ser feito para que este momento
seja tranqüilo.
Existem dois tipos de parto:
• Natural ou normal
• Cesárea
Parto natural ou normal: é o parto que acontece pela via vaginal.
É a melhor alternativa para a mãe e o bebê. O risco de complicações
é menor para os dois, e a recuperação da mãe é mais fácil. Pode ser
feito em diferentes posições: deitada, sentada e de cócoras.
Parto cesáreo: é o parto cirúrgico, realizado em situações especi-
ais, que vão ser identificadas pela equipe de saúde durante a gestação
ou no momento da internação ou durante o trabalho de parto ou até
mesmo no momento do parto. A sua indicação deve ser criteriosa.

Parto humanizado:
É o parto normal ou cesáreo com bom atendimento técnico e su-
porte emocional, em que a mãe e o bebê são respeitados acima de
tudo e a aproximação mãe e filho acontece o mais precoce possível.

58
Os seguintes fatores contribuem para o parto humanizado:
• A presença de pelo menos uma pessoa de confiança (marido,
companheiro, familiar ou amiga) para apoiá-la durante o período de
internação hospitalar;
• Um ambiente tranqüilo, acolhedor e seguro;
• O bebê ser colocado junto à mãe para que comece a mamar,
após os cuidados imediatos;
• “Alojamento conjunto”,o berço do bebê ao lado da cama da
mãe.

6. O BEBÊ CHEGOU!
Depois de um pré-natal caprichado e de um parto bem assistido,
você e o bebê começam a se conhecer. O seu bebê precisa de alguns
cuidados: além de proporcionar o leite materno, tente criar em casa
um ambiente tranqüilo, alegre, afetivo e seguro; que vai ajudá-lo a
sentir-se aceito para crescer com saúde e feliz.
As consultas do bebê no primeiro ano de vida são muito importan-
tes para o crescimento e desenvolvimento dele. Você pode tirar as
suas dúvidas na caderneta da criança e com os Profissionais de Saúde
que farão o atendimento do seu bebê.

7. DEPRESSÃO PÓS-PARTO
As mudanças hormonais associadas à gravidez e ao nascimento po-
dem causar depressão pós-parto, fazendo com que você sinta-se inca-
paz, desanimada, com vontade de chorar, ansiosa, sem coragem e sem
vontade de cuidar do seu bebê. Estes sentimentos podem ser passagei-
ros e se persistirem, procure a Equipe de Saúde para lhe dar orientação.
O pai também precisa cuidar da sua saúde emocional nesse mo-
mento. A cobrança para o bom desempenho é muito grande, mas não
é necessário ser um “super-homem”. Os mesmos sentimentos e an-
gústias da mãe podem surgir no pai que tem na Equipe da Unidade
de Saúde, uma grande possibilidade de ajuda.

8. AMAMENTAÇÃO:
Durante a gestação é importante saber que:
O desejo de amamentar é um dos pontos mais importantes para
um bom aleitamento.
No pré-natal:

59
• A mama não necessita de preparo para o aleitamento, tal como
exercícios nos mamilos e massagens com buchas ou qualquer superfí-
cie áspera sobre a mama. Atualmente esta prática é considerada ine-
ficaz (Ministério da Saúde);
• O tipo do mamilo não é importante, mas sim a forma cônica da
aréola que é oferecida ao bebê; porque é atrás da aréola que os ductos
que contêm o leite estão agrupados à espera da sucção;
• Pode ser usada no final da gestação uma “concha” de silicone
que torna a aréola um “cone”, auxiliando a “pega” correta do bebê.
Ao adquirir a concha, é importante verificar a qualidade do material,
que deve ser maleável e macio para não cortar ou causar dor à mama.

Amamentação na Maternidade:
Na Maternidade você será orientada para as situações que causam
dúvidas e insegurança às mães, a “pega” adequada da aréola, os inter-
valos das mamadas e como prevenir as rachaduras e as dores mamilares.
• Se possível, inicie a amamentação na sala de parto.
• Comece a amamentar logo que o bebê chegar ao quarto sempre
que ele solicitar. O bebê não deve ficar mais de 4 horas sem mamar;
• Lave bem as mãos com água e sabão sem perfume antes e de-
pois das mamadas e evite passar as mãos no nariz durante a
amamentação;
• Você deve entender que cada bebê tem a sua forma própria de
mamar, tempo de sucção, períodos de descanso e força de sucção.
Portanto o intervalo entre as mamadas para cada criança é diferente.
• Antes das mamadas, massageie a aréola e retire um pouco de
leite, use esse leite para limpar o mamilo e a aréola.
• Ofereça uma mama e deixe o bebê sugar até que ele a solte
espontaneamente, assim ele aproveitará o leite do final da mamada
que tem mais gordura e proteínas do que o leite do começo.
• Se o bebê parar de sugar e não soltar a mama, coloque o seu
dedo mínimo no canto da boca do bebê, entre as gengivas para soltar
o mamilo sem machucá-lo.
• Alguns bebês podem querer mamar mais depois de esgotarem uma
mama. Neste caso pode-se oferecer a outra mama; na próxima mamada
inicie oferecendo a última mama ofertada pois estará mais cheia.
• O tempo e a freqüência da sucção nos primeiros dias de vida do bebê,
são responsáveis pela produção do hormônio que mantém a amamentação.

A amamentação em casa:

60
• No terceiro dia, se a sucção não estiver adequada, as mamas
estarão muito aumentadas, endurecidas, doloridas e avermelhadas,
necessitando ser ordenhadas para serem oferecidas ao bebê.
• Se tiver dor, solicite ao seu médico a medicação para aliviá-la.
Durante a amamentação, evite tomar remédios por conta própria.
• Existem grupos de apoio para auxiliar as mães que estão com
dificuldades na amamentação, eles são formados por profissionais trei-
nados, (PROAMA - Tel: 3225-6407 e 24hs 9951-3987).
• Após a primeira semana já estarão superadas as maiores dificul-
dades da amamentação e o bebê estará com uma rotina estabelecida,
o que dará mais tranqüilidade para a mãe e família.
• As infecções da mama são raras, acontecem a partir da segunda
semana após o parto, por isso você deve sempre observar se nas
mamas, surgem áreas avermelhadas e dolorosas acompanhadas de
febre e mal estar geral. Nesse caso procure seu Médico ou a Materni-
dade de Referência para ser tratada e orientada.
• Se você não se sente preparada para amamentar, procure orien-
tação adequada com o seu Médico ou a Equipe de Saúde.
• Amamentar significa transmitir ao seu bebê segurança e afeto,
além de promover a construção de um forte vínculo entre você e ele,
e permitir a transferência de substâncias importantes que ele ainda
não consegue produzir (anticorpos) auxiliando-o na defesa contra vá-
rias doenças.
• Enquanto estiver amamentando não tome medicações sem con-
sultar o seu Médico;
• Caso você tenha excesso de leite, poderá doá-lo a um Banco de
leite: Hospital de Clínicas -Tel: 3360-1867 ( de 2ª à 6ª feira das 8h às
18h) e Hospital Evangélico -Tel: 3240-5117 (de 2ª à 6ª feira das 8h ás
17:00 h).
• No caso de seu bebê ser prematuro ou apresentar algum proble-
ma de sucção, estas informações descritas acima podem não ser sufi-
cientes para auxiliá-la; neste caso você necessitará de um acompa-
nhamento mais intenso da Equipe de Saúde.

9. PUERPÉRIO:
• Em 7 a 10 dias após o parto:Você deve comparecer à Unidade
de Saúde ou ao Consultório do seu Médico para realizar a sua consul-
ta puerperal. O puerpério é mais conhecido como dieta ou resguardo
e é o nome dado ao período que vai do parto até o 40º dia após o

61
parto. É neste período que se fazem as “revisões pós- parto” para de-
tectar eventuais complicações.
• Se o parto foi normal e foi realizado um corte e a sutura do
períneo que é a episiorrafia, lave a região com água e sabonete e
enxugue com toalha limpa, cada vez que urinar e ou evacuar.
• Se o parto foi cesáreo, observe as condições do corte, lave-o
com água e sabonete e mantenha-o limpo e seco.
• Evite manter relações sexuais ou realizar banhos de imersão no
período do puerpério.
• Observe o sangramento vaginal, que deve diminuir a cada dia e
não deve apresentar odor fétido.
• Próximo ao fim de sua dieta, entre 30 e 40 dias de pós-parto,
você deverá fazer nova consulta para, além da avaliação do seu esta-
do de saúde, iniciar um método anticoncepcional.

10.ORIENTAÇÕES PARA A GESTANTE ADOLESCENTE


A gravidez na adolescência é um momento de muitos desafios,
descobertas e aprendizados para a adolescente, seu parceiro, familia-
res e adultos próximos.
Há necessidade de uma reorganização da rotina de vida, princi-
palmente para os futuros pais. A adolescente deve iniciar o Pré-natal o
mais precocemente possível para ter uma gestação tranqüila. A ges-
tante adolescente pode ter um parto normal, mesmo tendo menos de
15 anos de idade, pois a sua estrutura física já está bem desenvolvida,
e não há necessidade de fazer uma cesárea só por ser adolescente.
Em geral o trabalho de parto e o parto ocorrem normalmente, pois as
adolescentes, na maioria das vezes, não têm problemas de saúde.
Você adolescente faça uma consulta puerperal entre 7 e 10 dias
após o parto, nesta ocasião a consulta puerperal tardia de trinta dias
será agendada. Além de avaliar a sua saúde, inicie seu método anti-
concepcional. É preciso um tempo para que seu corpo se recupere
totalmente das modificações que ocorreram na gestação e para você(s)
organizarem suas novas tarefas de mãe /pai, e a vida familiar, a vida
escolar / profissional/ social; daí a importância de não engravidar logo
em seguida.

Vida escolar / Profissional / Projeto de vida

62 É importante você não desistir dos seus estudos, mesmo que precise
interromper por um período. Lembre-se que você está só começando
sua vida, aprendendo ter sua própria opinião e decidir por você mes-
ma.
Por isso, os conhecimentos adquiridos na escola são importantes
para sua vida pessoal, profissional e independência financeira.
Ter um projeto de vida e investir nos seus sonhos e planos é uma
das maiores provas de amor que você oferece para si mesma.
Caso o seu parceiro também esteja com dificuldades para continuar
os estudos, as orientações são as mesmas para ele. Lembrem-se que
agora vocês são modelos de comportamento para seu filho(a).

11. PATERNIDADE RESPONSÁVEL


Você pai, pode e deve contribuir com todos os cuidados que o bebê
necessita após o nascimento e durante todo o período de crescimento
e desenvolvimento. O seu apoio nesta fase é fundamental.
Você pode participar das atividades relacionadas ao bebê como:
ninar para dormir, colocá-lo para arrotar, trocar as fraldas, banhá-lo,
levar para tomar sol e para vacinar, acompanhar as consultas médicas,
entre outras. Estas são ações facilitadoras para a construção de víncu-
los afetivos com o bebê, além de aliviar um pouco a carga da sua
esposa, e comprovam o quanto você, pai, é necessário e importante.
O apoio e estímulo ao aleitamento materno é um dos principais
cuidados que você, pai, pode realizar neste momento. Por isso apon-
tamos algumas dicas referentes ao aleitamento:
• Seja paciente e compreensivo, neste período a mulher provavel-
mente não conseguirá manter em ordem todas as tarefas do lar e nem
sempre estará bem arrumada em todos os períodos do dia.
• Às vezes ela estará impaciente, com sono, insegura ou cansada e
o apetite sexual sofrerá modificações para mais ou para menos. Esta é
uma ocasião para o casal vivenciar novas experiências e hábitos sexu-
ais, adaptando-se ao momento.
• Caso haja outros filhos, procure ocupar-se mais deles para permi-
tir que a sua mulher dedique-se mais ao recém nascido.

12. DIREITOS DA GESTANTE


Direitos do trabalho (Garantidos pelas leis trabalhistas – CLT).
• Sempre que a mulher for às consultas de pré-natal ou fizer algum
exame necessário ao acompanhamento de sua gravidez, o Serviço de
Saúde deve fornecer um atestado médico. Apresentando este atesta-
63
do à sua chefia a gestante terá sua falta justificada no trabalho.
• A gestante tem o direito de mudar de função ou setor no seu
trabalho, caso o mesmo possa provocar problemas para a sua saúde
ou a do seu bebê. Para isso, deve apresentar à gerência um atestado
do seu médico comprovando que precisa mudar de função.
• Enquanto estiver grávida e até cinco meses após o parto, a gestan-
te tem estabilidade no emprego e não pode ser demitida; a não ser
por “ justa causa”, isto é , nos casos previstos pela legislação trabalhis-
ta.
• A gestante tem direito a uma licença-maternidade de 120 dias,
recebendo salário integral e benefícios legais, a partir do oitavo mês
de gestação.
• Até o seu bebê completar seis meses, a mulher tem direito de ser
dispensada do seu trabalho todos os dias, por dois períodos de trinta
minutos, para amamentar.
• O pai tem direito a uma licença–paternidade de cinco dias, logo
após o nascimento do seu bebê.
• É direito da gestante ter um acompanhante no momento do par-
to.

Direitos escolares da gestante:

Os direitos escolares são garantidos pela lei nº 6.202, de 17 de abril


de 1975:
• Art. 1º A partir do oitavo mês de gestação e durante três meses a
estudante em estado de gravidez ficará assistida pelo regime de exer-
cícios domiciliares instituído pelo Decreto-lei nº 1.044, 21 de Outu-
bro de 1969.
• Parágrafo Único. O início e o fim do período em que é permitido
o afastamento serão determinados por atestado médico a ser apresen-
tado à direção da escola.
• Art. 2º Em casos excepcionais devidamente comprovados medi-
ante atestado médico, poderá ser aumentado o período de repouso,
antes e depois do parto.
• Parágrafo Único. Em qualquer caso, é assegurado às estudantes
em estado de gravidez o direito à prestação dos exames finais.

64 13. ORIENTAÇÕES DE SAÚDE BUCAL


• Cuide de sua saúde bucal na gravidez, realizando uma higiene
bucal mais cuidadosa. A limpeza dos dentes após as refeições é fun-
damental. Use escova macia e fio dental e não esqueça de higienizar
a língua.
• A gestação não enfraquece os dentes nem as gengivas. O bebê
não retira nem utiliza o cálcio dos dentes da mãe para formar os seus
ossos. Uma boa higiene bucal evitará problemas bucais.
• Não coloque chupeta no enxoval do bebê. O uso de chupetas
“entorta” dentes e arcadas. Se você decidir utilizá-las, dê preferência
às ortodônticas que causam desvios dentários menores e procure retirá-
las até os dois anos e meio de idade da criança.
• Quando o bebê nascer, amamente-o ao seio. Além da importân-
cia afetiva e de ser o alimento ideal para ele, estimula um desenvolvi-
mento correto das arcadas e de toda a face. A mamadeira só deverá
ser utilizada se o médico pediatra indicar.
• Leve seu filho(a) ao dentista logo nos primeiros meses de vida,
mesmo que ainda não tenha dentinhos.
A sua saúde bucal influenciará muito a saúde bucal do seu bebê,
portanto receba-o com um lindo e saudável sorriso!

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO


SAUDÁVEL NA GESTAÇÃO
Gestante, neste momento especial da sua vida, é necessário uma
alimentação adequada e saudável para:
• Satisfazer as suas necessidades nutricionais e promover o desen-
volvimento e crescimento adequado do seu bebê;
• Preparar o seu organismo para o momento do parto;
• Preparar o seu organismo para o aleitamento materno.
Embora você não precise “comer por dois”, a qualidade do que
você come será duas vezes mais importante neste período.

1. VARIE O CONSUMO DE FRUTAS, VERDURAS E LEGUMES:


Consuma 5 porções diárias desses alimentos, procure comer 3 a 4
frutas e mais 6 a 8 colheres de sopa de legumes por dia; os vegetais
folhosos podem ser consumidos à vontade. Quanto mais colorida for a
sua refeição mais saudável ela será. Dica: Procure acrescentar frutas nas
saladas, como por exemplo: alface com manga, repolho com maçã ou
65
abacaxi; beterraba com laranja; alface, rúcula, agrião e tangerina; abacate
em tiras, alface crespa e cenoura ralada. Utilize suco de limão para
temperar saladas. O limão diminui as náuseas e enjôos comuns na ges-
tação. Utilize frutas e verduras da época.

2. CONSUMA FEIJÃO PELO MENOS 1 VEZ POR DIA, NO


MÍNIMO 4 VEZES POR SEMANA.
O feijão é uma boa fonte de ferro e auxilia na prevenção da anemia.
Para melhorar a absorção do ferro é importante ingerir suco de limão,
laranja ou acerola, que são fontes de vitamina C. Para variar, pode-se
substituir o feijão por lentilha, grão de bico ou soja. Dica: Antes do
cozimento deixe o feijão de molho por 4 horas, troque a água, e cozi-
nhe normalmente. Utilize pouco óleo e pouco tempero. Este procedi-
mento auxilia na redução dos gases e flatulência.
3. REDUZA O CONSUMO DE ALIMENTOS GORDUROSOS,
COMO CARNES COM GORDURA APARENTE, SALSICHA,
MORTADELA, FRITURAS E SALGADINHOS, PARA NO MÁXIMO 1
VEZ POR SEMANA.
Dê preferência para alimentos assados, grelhados ou cozidos ao in-
vés dos fritos. A gordura da carne, a pele do frango e o couro do peixe
devem ser retirados. Evite consumir manteiga, banha de porco e gordu-
ra hidrogenada (leia os rótulos dos alimentos e evite estes ingredientes).
Dê preferência para o azeite de oliva, óleo de canola, de girassol, de
milho ou de soja, mas evite o excesso. Para uma família de 4 pessoas
recomenda-se o consumo de 1 lata de óleo por mês. Dica: O consumo
destes alimentos contribui para o aumento do peso, do colesterol, da
pressão arterial, além de aumentar a incidência de náuseas, enjôos,
vômitos e azias.

4. MODERE O USO DE SAL. TIRE O SALEIRO DA MESA.


O sal em excesso pode contribuir para o aumento da pressão arteri-
al (hipertensão). Os temperos prontos, alimentos enlatados, carnes sal-
gadas e embutidos como mortadela, presunto, lingüiça, etc. devem ser
evitados, pois contém muito sal. Dica: Substitua o sal do saleiro por

66 uma mistura de ervas como orégano, sálvia, manjerona, salsinha,


cebolinha, etc e utilize limão para dar mais sabor aos alimentos.

5. PROCURE FAZER 6 REFEIÇÕES POR DIA (CAFÉ DA MANHÃ,


MERENDA, ALMOÇO, LANCHE, JANTAR E CEIA).
Para os lanches e sobremesas prefira as frutas. Ao levantar-se dê
preferência para biscoitos tipo água ou torrada, e procure incluir ali-
mentos integrais nas suas refeições (pães, arroz, aveia, farelos, germe de
trigo), eles auxiliam no funcionamento normal do intestino prevenindo
a constipação. Dica: O consumo de menores quantidades de alimen-
tos mais vezes ao dia auxiliará no controle do peso e diminuição da azia
e dos enjôos. O consumo de alimentos mais frios ao invés de mais
quentes também reduz os enjôos e vômitos.

6. EVITE O CONSUMO DE DOCES, BOLOS, BISCOITOS E


OUTROS ALIMENTOS RICOS EM AÇÚCAR, CONSUMINDO-OS NO
MÁXIMO 2 VEZES POR SEMANA.
O consumo excessivo desses alimentos, ricos em “açúcar e gordura”,
pode levar ao excesso de peso, prejudicial para você e para seu bebê.
Dica: Caso tenha vontade de comer um doce, dê preferência para gela-
tinas e picolés de frutas no palito, pois são menos calóricos. Alimentos
frios ou gelados auxiliam na diminuição das náuseas e vômitos.

7. EVITE O CONSUMO DIÁRIO DE REFRIGERANTES. A


MELHOR BEBIDA É A ÁGUA.
Beba no mínimo 2 litros de água por dia ou mais. Podem-se utili-
zar chás de ervas (camomila, erva doce, funcho) e sucos naturais. Con-
suma moderadamente café, chá mate e chá preto. Não utilize bebi-
das alcoólicas durante a gestação. Dica: Procure não ingerir líquidos
com as refeições, para minimizar os enjôos e azias.

8. APRECIE A REFEIÇÃO, COMA DEVAGAR E MASTIGUE BEM


OS ALIMENTOS.
Procure fazer das refeições um ponto de encontro da família. Evite
se alimentar assistindo televisão, trabalhando ou discutindo. Isto tam-
bém auxiliará na redução de enjôos e azias. Dica: Procure não deitar
imediatamente após as refeições, isto reduzirá as náuseas, enjôos e azias.

9. PROCURE MANTER O PESO DENTRO DOS LIMITES


67
SAUDÁVEIS PARA A IDADE GESTACIONAL.
Preste atenção no seu ganho de peso, pois não é bom nem para
você nem para o seu bebê que você fique muito magra ou com excesso
de peso. A Equipe de Saúde orientará você quanto ao ganho de peso
adequado para a sua idade gestacional. Dica: acompanhe seu ganho
de peso todo mês.

10. SEJA ATIVA!


Procure fazer no mínimo 30 minutos de atividade física diária que
lhe dê prazer, como uma caminhada, por exemplo. Não passe muitas
horas assistindo televisão ou no computador. Dica: Deve-se evitar exer-
cícios de impacto e que sejam inadequados para a gestação. Pergunte
ao seu médico qual a atividade física recomendada para você.
Evite fumar ou usar drogas no período de gestação e amamentação.

Fonte: Ministério da Saúde adaptado pela Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba.


VITAMINAS E MINERAIS IMPORTANTES NA
GESTAÇÃO
• Vitamina A
Ajuda o desenvolvimento do bebê no útero, fortalece o corpo da
mãe contra infecções.
Onde encontrar: ovos, leite e derivados, carnes, fígado, peixes, ma-
mão, abóbora, cenoura, manga, pitanga, vegetais de folhas, verde es-
curas.

• Vitamina C
Protege contra infecções, gripes e resfriados. Ajuda o organismo a
absorver o ferro proveniente dos vegetais e das leguminosas.
Onde encontrar: mamão, laranja, goiaba, morango, limão, acerola,
abacaxi, caju, pimentão verde, tomate, batata, couve-flor, brócolis.

• Ácido Fólico
Importantes na formação das células brancas e vermelhas do san-

68
gue, na prevenção da anemia megaloblástica e defeito no tubo neural.
Onde encontrar: fígado, leite, ricota, iogurte, feijão, frutas cítricas,
vegetais verde escuros, feijões e ervilhas secas, cereais integrais.

• Ferro
Previne a anemia ferropriva e o nascimento de crianças com baixo
peso.
Onde encontrar: Carnes vermelhas, fígado, ameixa e frutas secas,
leguminosas (feijão, ervilha seca, lentilha, grão de bico e soja) bróco-
lis, couve.

• Cálcio
Importante na formação dos ossos e dentes, previne as câimbras e
também esta associado a diminuição da pressão arterial em gestantes
hipertensas.
Onde encontrar: Leite e derivados, vegetais verde escuros, sardi-
nha, amêndoas.
ALIMENTAÇÃO DURANTE A AMAMENTAÇÃO

• Mantenha uma alimentação equilibrada, seguindo as recomenda-


ções dos 10 passos para uma alimentação saudável.

• O consumo de líquidos auxilia na produção do leite. Procure inge-


rir 2 a 3 litros de líquidos diariamente.

• Não faça dietas rigorosas durante a amamentação, pois isto poderá


diminuir a produção de leite e prejudicar o aleitamento do seu filho.

• O ganho de peso durante a gestação é uma reserva de energia que


a natureza fez para ser usada durante a amamentação.

• A amamentação ao seio faz seu corpo queimar muitas calorias, pois


a produção do leite materno exige um gasto calórico que chega a ser
quase três vezes maior do que o gasto calórico na gestação.

• Você voltará ao seu peso normal se, durante a amamentação, co-


mer de forma equilibrada.

• As bebidas alcoólicas e o cigarro podem prejudicar a amamentação,


69
portanto procure evitá-los.

• Evite o café, chá preto, refrigerantes à base de cola e chocolate.


Estes alimentos poderão reduzir o teor de ferro do leite materno.

Fonte: Coordenação de Vigilância Nutricional da Secretaria Municipal da Saúde


ANOTAÇÕES:

70
71