P. 1
Técnicas de Avaliação de Agentes Ambientais backup

Técnicas de Avaliação de Agentes Ambientais backup

|Views: 3.802|Likes:
Publicado porviniterranova

More info:

Published by: viniterranova on Apr 04, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPTX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/07/2013

pdf

text

original

Introdução a Higiene Ocupacional

y Definição da American Industrial Hygiene Association (AIHA), citada pela (OIT): Ciência e arte devotada ao reconhecimento, à avaliação e ao controle dos fatores e estressores ambientais, presentes no local de trabalho

ou oriundos deste, os quais podem causar doença, degradação da saúde ou bem-estar, ou desconforto significativo e ineficiência entre os trabalhadores ou cidadãos de uma comunidade .

Higiene Ocupacional Aspecto legal
y A legislação brasileira através da Lei 6514/78, que alterou o título II, do Capítulo V da CLT, dar amparo legal dado a HO, nos seus artigos 191, 192, 194, 195 e 196. y Esses artigos tratam da questão da insalubridade, sua eliminação, neutralização, adicional pecuniário. y Portaria 3214, criou em consonância com a Lei 6514/78 as Normas Regulamentadoras, criando a NR-9(Riscos Ambientais), NR-15 (Atividades e Operações Insalubres) relativas a Higiene Ocupacional.

Higiene Ocupacional Aspecto legal

er

y Conseqüências das demonstrações ambientais y Para fins de Aposentadoria Especial para quem laborou em

y y y y y

condições especiais durante 15 (quinze), 20 (vinte) e 25 (vinte e cinco anos). Condições especiais Agentes nocivos, químicos, físicos ou biológicos. Depende de comprovação pelo empregado Comprovação feita a partir do PPP (Perfil Profissiográfico Profissional) Documento base : Antes de 01/07/2003 LTCAT Depois PPRA, PCMSO, PCMAT *

Higiene Ocupacional Aspecto legal
y Normas de Higiene Ocupacional y Criadas pela Fundacentro y Estabelecem critérios técnicos para avaliação de Agentes Ambientais quando não presentes nas NR´s. y Reconhecida pela Previdência como critério técnico legal. Decreto Federal 4882 de 18/11/2003 para avaliações ambientais.

Higiene Ocupacional Aspecto legal
y De: Mala Direta - Fundacentro

Bloquear endereço Para: mala.direta@fundacentro.gov.br Data: 26/11/2003 13:13 Assunto: Normas de Higiene Ocupacional da Fundacentro no 3.048, de 6 de maio de 1999, passa a vigorar com as seguintes alterações:

y Art. 1o O Regulamento da Previdência Social, aprovado pelo Decreto

§ 11. As avaliações ambientais deverão considerar a classificação dos agentes nocivos e os limites de tolerância estabelecidos pela legislação trabalhista, bem como a metodologia e os procedimentos de avaliação estabelecidos pela Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho - FUNDACENTRO." (NR)

Higiene Ocupacional Aspecto legal
y NHO-1 Ruído y NHO-2 Análise Qualitativa Vapores Orgânicos y NHO-3 Aerodispersóides y NHO-4 Fibras y NHO-5 Raio X y NHO-6 Calor y NHO-7 Método de Calibração Bolha de Sabão y NHO-8 Coleta de Particulado Sólido

Análise Gravimética

Higiene Ocupacional Aspecto legal

c
y y y y y

y PPRA

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Visar a preservação da saúde do trabalhador Antecipação Reconhecimento Riscos Ambientais Avaliação Controle

Higiene Ocupacional
y Antecipação é...

Considerações

Antecipar é trabalhar, com equipes de projeto, modificações ou ampliações, visando à detecção precoce de fatores de risco ligados a agentes ambientais e adotando opções de projeto que favoreçam sua eliminação ou controle;

Higiene Ocupacional
y Reconhecimento é...

Considerações

y É Reconhecer os fatores ambientais que

podem influir sobre a saúde dos trabalhadores, o que implica num conhecimento profundo dos produtos, métodos de trabalho, processos de produção e instalações industriais (avaliação qualitativa).

Higiene Ocupacional

Considerações

y Avaliação é... y Avaliar quantitativamente os riscos a curto e longo prazo através de medições das concentrações dos contaminantes ou das intensidades dos agentes físicos e comparar estes valores com os respectivos limites de tolerância. Para isto será necessário aplicar técnicas de amostragem e analises das amostras em laboratórios competentes ou efetuar medições com aparelhos de leitura direta.

Higiene Ocupacional

Considerações

y Controlar os riscos, de acordo com os dados

obtidos nas fases anteriores, as medidas de controle serão efetuadas de acordo com a aplicação do método mais viável, geralmente, baseado em procedimentos de engenharia, respeitadas as limitações do processo e recursos econômicos.

Higiene Ocupacional

Considerações

y O reconhecimento é um alerta; a adequada avaliação deve levara uma decisão de tolerabilidade; os riscos intoleráveis devem sofrer uma ação de controle; y Para se conhecer sobre a intolerabilidade, valores de referência devem existir. É o conceito dos limites de exposição (legalmente, limites de tolerância)

Higiene Ocupacional Limite de tolerância
y É a intensidade/concentração máxima, relacionada com a natureza e o tempo de exposição ao agente físico/químico, que não causará danos à saúde da maioria dos trabalhadores expostos, durante a sua vida laboral.

Higiene Ocupacional
y Grupo Homogêneo de Exposição

GHE

y Corresponde a um grupo de trabalhadores que experimentam exposição semelhante, tanto do ponto de vista das condições ambientais como das atividades físicas desenvolvidas. y O resultado assim fornecido de parte do grupo é representativo da exposição de todos os trabalhadores que compõem o grupo.

Higiene Ocupacional Limite de Exposição
y TWA (Time Weighted Average -Média Ponderada)

Concentração média pelo tempo para uma jornada de de 8 horas diárias e 40 horas semanais, para a qual a maioria dos trabalhadores pode estar exposto, dia após dia sem sofrer complicações a saúde.

Higiene Ocupacional Limite de Exposição
y STEL (Short Term Exposure Limit Exposição de Curta duração) Exposição média ponderada pelo tempo durante 15 minutos, que não pode ser excedida em momento algum da jornada de trabalho, mesmo que a concentração média ponderada esteja dentro dos limites de exposição.

Higiene Ocupacional Limite de Exposição
y TLV C (Ceiling Valor Teto) É a concentração máxima permitida que não pode ser ultrapassada em momento algum durante a jornada de trabalho. Normalmente é indicado para substâncias de alta toxicidade e baixo limite de exposição.

Higiene Ocupacional Limite de Exposição
Risco Grave

TLV ± C
Concentração Insalubridade TLV ± STEL

TLV-TWA

Salubridade

Tempo (horas) 1 2 4 6 8

Higiene Ocupacional Agentes Físicos
y Formas de energia a que possam estar expostos os trabalhadores.

Ruído de Intermitente Ruído de Impacto Vibrações Temperaturas Extremas (Calor/Frio) Radiações ionizantes Radiações Não-ionizantes

Higiene Ocupacional Agentes Químicos ra
y Substâncias, compostos ou produtos que possam penetrar no organismo pela via respiratória. y Poeiras, Gases, Fumos, Névoas, Neblinas, Vapores. y Ou ainda pela natureza da atividade de exposição, possam ter contato ou ser absorvido pela organismo através da pele ou por ingestão.

Higiene Ocupacional Agentes Biológicos
y Bactérias, Fungos, Bacilos, parasitas, protozoários, vírus, entre outros. Animais e insetos peçonhetos

Higiene Ocupacional Avaliação de Calor
Mecanismos de Trocas Térmicas y A sobrecarga térmica no organismo humano é resultante de duas parcelas de carga térmica: uma carga externa (ambiental) e outra interna (metabólica). y A carga externa é resultante das trocas térmicas com o ambiente e a carga metabólica é resultante da atividade física que exerce

Higiene Ocupacional Avaliação de Calor
y Tipos de Trocas Térmicas y Condução y Convecção y Radiação y Evaporação y Metabolismo Basal

Higiene Ocupacional Avaliação de Calor
y Fatores que influenciam nas trocas térmicas entre o Ambiente e o Organismo: y Temperatura do Ar (dada pelo Tbs) y Umidade Relativa do ar (dada pelo Tbn) y Velocidade do Ar y Calor Radiante (Termômetro de Globo) y Tipo de Atividade

Higiene Ocupacional Avaliação de Calor
y Equilíbrio Homeotérmico y y y y y y

Onde temos: M- Calor Produzido por metabolismo C- Calor Ganho ou perdido por condução R - Calor Ganho ou perdido por radiação E Calor Perdido por evaporação S Calor acumulado no organismo (sobrecarga térmica.) O trabalhador somente estará em equilibrio térmico quando S for igual a zero

M sC s RE ! S

Higiene Ocupacional Avaliação de Calor
y Efeitos do Calor no organismo

Vasodilatação Periférica

Implica num maior fluxo de sangue na superfície do corpo, com conseqüente aumento da temperatura da pele. O fluxo de sangue transporta o calor do núcleo do corpo para a superfície, onde ocorrem as trocas térmicas.

Higiene Ocupacional Avaliação de Calor
y Ativação da Glândulas Sudoríparas

É a atividade das glândulas sudoríparas,. proporcionalmente ao desequilíbrio térmico. A quantidade de suor em curtos períodos pode a tingir até 2 litros por hora. Em períodos de várias horas não excede a 1 litro por hora, o que representa uma transferência de 600 Kcal/h, para o meio ambiente.

Higiene Ocupacional Avaliação de Calor
y Conseqüência da hipertermia y Exaustão pelo calor y Desidratação y Câimbras de calor y Choque térmico

Higiene Ocupacional Avaliação de Calor
y Metodologia Utilizada pelo Brasil y Índice de Bulbo Úmido y Anexo 3 NR -15 CLT artigos 176, 177, 178.

IBUTG

Ambientes Internos ou externos sem carga solar IBUTG = O,7Tbn + O,3Tg Ambientes Externos com carga solar, IBUTG = O,7Tbn+o,1Tbs+0,2Tg Amparada pelos artigos da CLT: 176, 177, 178.

Higiene Ocupacional Avaliação de Calor
MEDIR AS TEMPERATURAS

DEFINIR TIPO DE EXPOSIÇÃO
SEM CARGA SOLAR IBUTG = 0,7 tbn + 0,3 tg COM CARGA SOLAR IBUTG = 0,7 tbn + 0,1 tbs + 0,2 tg

DEFINIR REGIME DE TRABALHO (VIDE QUADRO Nº 1)

Higiene Ocupacional Avaliação de Calor
y O IBTUG leva em consideração o tipo de atividade
LEVE MODERADA PESADA

y A legislação prevê um regime de trabalho (Trabalho/Descanso) em

função do valor do IBUTG e do tipo de atividade para duas situações:

y Regime de trabalho intermitente com períodos de descanso no próprio

local y Regime de trabalho intermitente com descanso em outro local. y Os tempos de descanso são períodos trabalhados para todos os fins legais.

Higiene Ocupacional Avaliação de Calor

Higiene Ocupacional Avaliação de Calor

Higiene Ocupacional Avaliação de Calor c
y Instrumentos de Medição y Existem duas formas de se avaliar o calor pela NHO 06 y Usando instrumentos de medição convencionais y Termômetro de Bulbo Úmido y Termômetro de Globo y Termômetro de Bulbo Seco

Higiene Ocupacional Avaliação de Calor

Higiene Ocupacional Avaliação de Calor
y Usando instrumentos de medição não convencionais (eletrônicos) y Equipamentos eletrônicos desde que (...) apresentem resultados equivalentes

Higiene Ocupacional Avaliação de Calor
Medidor de stress térmico digital portátil
y Termômetro de Globo

y Termômetro de Bulbo y Seco y Termômetro de Bulbo Úmido

Ergonomia Avaliação de temperatura para conforto térmico
y Leva em consideração a metodologia da Temperatura Efetiva. y Utilizada em locais onde se desenvolvem trabalhos intelectuais: Laboratórios, Salas de desenho, etc. y Utilizar: Temperatura de Bulbo Úmido

Temperatura de Bulbo Seco Velocidade do Ar

Higiene Ocupacional Avaliação de temperatura para conforto térmico
y A NR 17 em seu item 17.5 estabelece os condições de conforto térmico. y Índice de temperatura efetiva entre 20 e 23oC y Velocidade do ar não superior a 0,75 (Anemômetro.) y Umidade relativa do ar não inferior a 40%. (Dada pelo psicrômetro. ) y Com os dados da temperatura de bulbo seco(Tbs), Temperatura de bulbo úmido(Tbn) e velocidade do ar consultamos o ábaco para determinação da TE.

Higiene Ocupacional Avaliação de temperatura para conforto térmico
y Anêmometro c/ luxímetro e termo-higrômetro WM-1850

Psicrômetro Digital, modelo PY5080

Higiene Ocupacional Avaliação de temperatura para conforto térmico
y ábaco Temperatura

Efetiva

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y O ruído é um dos principais agentes físicos presentes nos ambientes de trabalho, em diversos tipos de instalações ou atividades profissionais.

Por sua enorme ocorrência e visto que os efeitos à saúde dos indivíduos expostos são consideráveis, é um dos maiores focos de atenção dos higienistas e profissionais voltados para a segurança e saúde do trabalhador.

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y Som Originado por uma vibração mecânica, (cordas de violão), que se propaga no ar e atinge o ouvido. Quando essa vibração estimula o aparelho auditivo, ela é chamada vibração sonora.

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y Aspectos Técnicos-Legais

Portaria nº 3.214/1978 do Ministério do Trabalho NR-15, Anexo 1, os Limites de Tolerância para exposição a ruído contínuo ou intermitente são representados por níveis máximos permitidos, segundo o tempo diário de exposição, ou, alternativamente, por tempos máximos de exposição diária em função dos níveis de ruído existentes. Esses níveis serão medidos em dB(A), resposta lenta.

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y Aspectos Técnicos-Legais y Limites de Tolerância (LTs ou TLVs Threshold Limit Values). y Em relação ao ruído, referente aos níveis máximos de exposição para ouvido desprotegido. São níveis os quais se acredita que a maioria das pessoas pode ficar repetidamente exposta, dia após dia, sem efeitos adversos á saúde

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y Nível Base do Critério (Criterion Level) / Critério de Referência (CR). y É o nível de ruído que será usado como critério base, para estabelecer uma dose de 100% para 8 horas de exposição y Fator Duplicativo de Dose (FDD ou Exchange Rate) / Incremento de Duplicação de Dose. y É o fator duplicativo de dose de ruído. O critério brasileiro é 5 dB (NR-15), nos EUA (ACGIH) e para FUNDACENTRO o critério é de 3 dB. As opções são: 3, 4, 5 ou 6 dB.

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y Limiar Mínimo de Leitura (Threshold Level). y É o valor mínimo usado no cálculo da tabela de limites de tolerância para efeito de dose de ruído.

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y Lavg y É o nível sonoro médio integra para 8 horas de exposição. É baseado

nos valores 4, 5 ou 6 para o fator duplicativo de dose (FDD).

y y Leq y É o nível sonoro médio integrado para 8 horas de exposição. É baseado

no valor 3 de fator duplicativo de dose (FDD).

y y TWA

tempo) y É o nível de ruído acumulado para o tempo medido. y - Se o período medido for menor que 8 horas, o TWA será sempre menos que o Lavg . y - Se o período medido for maior que 8 horas, o TWA será sempre maior que o Lavg.

Projected Time Weighted Average. (Média ponderada no

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y Dose de Ruído

O potencial de danos à audição de um dado ruído depende não somente de seu nível, mas também de sua duração. Uma exposição de 1 minuto a 100 dB não é tão prejudicial quanto uma exposição de 60 minutos a 90 dB. Para quantificar tais exposições utiliza-se o conceito da DOSE, resultando em uma ponderação para diferentes situações acústicas, de acordo com o tempo de exposição e o tempo máximo permitido, de forma cumulativa na jornada.

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
D = C1 + C2 + C3 + ...+ CN T1 + T2 + T3 + ...+ Tn D = Dose C = Tempo de exposição T = Tempo de exposição permitido Ex.:

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
Um trabalhador executa sua atividade num local cujo NPS =90 dB(A) durante uma hora. No restante da jornada, ele permanecer em um local onde o NPS é de 86 dB(A). Pergunta-se o limite de tolerância foi ultrapassado. Nível de Ruído dB(A) Tempo de Exposição (horas) Máxima Exposição Diária

90

1 3

4 7

86

1 3  ! 0,25  0,45 ! 0,7 1 4 7

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y Com o cálculo da dose, é possível determinar a exposição do indivíduo em toda a jornada de trabalho, de forma cumulativa. y Se o valor da dose for menor ou igual à unidade (1), ou 100%, a exposição é admissível. Se o valor da dose for maior que 1, ou 100%, a exposição ultrapassou o limite, não sendo admissível. Exposições inaceitáveis denotam risco potencial de surdez ocupacional e exigem medidas de controle.

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído de Impacto.
y Picos de energia acústica de duração inferior a 1s. y Medido no circuito linear(dB)

Ou caso não seja possível no circuito resposta rápida fast, circuito de compensação C y Leituras feitas na zona auditiva do trabalhador. y Limite de tolerância: 130 (dB) y Insalubridade 140 (dB) Linear e 130 (dB) Fast.

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y Aspectos Técnico-Legais entre a NR- 15 e a NHO 01 Quadro Comparativo

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y Nível de Pressão Sonora Decibel y Mede a intensidade do som, cuja unidade é o decibel (dB);

Um (1) dB é a menor variação que o ouvido humano pode perceber. y Como o ouvido humano pode detectar uma gama muito grande de pressão sonora, que vai de 20 Pa até 200 Pa (Pa = Pascal), seria totalmente inviável a construção de instrumentos para a medição da pressão sonora. y Para contornar esse problema, utiliza-se uma escala logarítimica de relação de grandezas, o decibel (dB). O decibel não é uma unidade, e sim uma relação adimensional definida pela seguinte equação:

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído

P l ! 20 log P0

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y L = nível de pressão sonora (dB) y Po = pressão sonora de referência, por convenção, 20 Pa y P= Pressão sonora encontrada no ambiente (Pa)

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y Audibilidade / Sensação Sonora

Tendo em vista que o parâmetro estudado é a pressão sonora, que é uma variação de pressão no meio de propagação, deve ser observado que variações de pressão como a pressão atmosférica são muito lentas para serem detectadas pelo ouvido humano. Porém, se essas variações ocorrerem mais rapidamente no mínimo 20 vezes por segundo (20 Hz) , elas podem ser ouvidas.

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y O ouvido humano responde a uma larga faixa de freqüências (faixa audível), que vai de 16-20 Hz a 16-20 KHz. Fora dessa faixa, o ouvido humano é insensível ao som correspondente. y Estudos demonstram que o ouvido humano não responde linearmente às diversas freqüências, ou seja, para certas faixas de freqüência ele é mais ou menos sensível.

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y Curvas Isoaudíveis

Um dos estudos mais importantes que revelaram tal não-linearidade foi a experiência realizada por Fletcher e Munson, que resultaram nas curvas isoaudíveis.

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y Foto Curvas isoaudíveis

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y Para compensar essa peculiaridade do ouvido humano, foram introduzidos nos medidores de nível sonoro filtros eletrônicos com a finalidade de aproximar a resposta do instrumento à resposta do ouvido humano. São chamadas Curvas de Ponderação (A,B,C). Vide ilustração a seguir.

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y Atenuações Relativas dos circuitos de Compensação A, B e C.

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y Respostas Dinâmicas. y Os medidores de ruído dispõem de um computador para as velocidades de respostas, de acordo com o tipo de ruído a ser medido. A diferença entre tais posições está no tempo de integração do sinal, ou constante

de tempo.

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y slow resposta lenta avaliação ocupacional de ruídos contínuos ou intermitentes, avaliação de fontes não estáveis

fast resposta rápida avaliação ocupacional legal de ruído de impacto (com ponderação dB (C)), calibração y impulse resposta de impulso para avaliação ocupacional legal de ruído de impacto (com ponderação linear)
y

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y Dosímetro y Também chamado de

Integrador de Uso Pessoal

Higiene Ocupacional Avaliação de Ruído
y Decibelímetro P 8005

Higiene Ocupacional Avaliação de Poeira e Outros Particulados
y Definições y Aerossol suspenso no ar e que pode ser nocivo à saúde . y Os particulados sólidos são classificados em: y Poeiras (Fibras) y Fumos y Os particulados líquidos se dividem em: y Névoas e Neblinas

Higiene Ocupacional Avaliação de Poeira e Outros Particulados
y Conceito de Poeira Partículas solidas produzidas por ruptura mecanica de um solido, limpeza de uma bancada, ou pela operação mecanica (trituração, moagem, peneiramento, polimento. y Ex.: Poeira de Sílica, Asbesto, Carvão. y Conceito de Fumo - Particulas solidas resultantes de vapores ou reação quimica, em geral após a volatização de metais fundidos.

Fumos de Pb Ponteamento de arames Fumos de Zn - Galvanoplastia

Higiene Ocupacional Avaliação de Poeira e Outros Particulados
y Conceito de Neblinas e Névoas

Partículas liquidas, produzidas pela ruptura mecânica de um liquido ou por condensação de vapores de substancias que são liquidas a temperatura ambiente. y Conceito de Fibras Partículas solidas produzidas por ruptura mecanica de um solido que se diferenciam das poeiras porque tem forma alongada, com comprimento de 3 a 5 vezes superior ao seu diâmetro.

Higiene Ocupacional Avaliação de Poeira e Outros Particulados
y Exemplos de Fibras:

Animal Lã, seda, pêlo de cabra e camelo Vegetal algodão, linho e canhamos Mineral Asbesto*, Sílica*, Vidro, Cerâmica *NR-15 ± Anexo 12 ± Limites para poeiras minerais. Asbestos Avaliação feita pelo método de filtro de membrana. NBR 13158 NHO -04 Método de Coleta e Análise de Fibras em locais de Trabalho

Higiene Ocupacional Avaliação de Poeira e Outros Particulados
y Exposição a Sílica Mineral encontrado em abundância na crosta terrestre. y Sílica cristalizada é encontrada sob a forma de:

Quartzo, Cristobalita, Tridmita. A nocividade varia de acordo com a forma. Cristobalita e Tridmita tem maior potencial fibrogênio do que o quartzo.

Higiene Ocupacional Avaliação de Poeira e Outros Particulados
y Fatores que influenciam o risco de exposição (Fibrogênese)

Concentração, Sílica na poeira, Forma cristalizada das Partículas Tamanho das partículas Duração da Exposição

Higiene Ocupacional Avaliação de Poeira e Outros Particulados
y Ocorrência y Mineração de Ouro, Ferro, Extração de Calcário, Construção civil, Siderúrgicas.

Higiene Ocupacional Avaliação de Poeira e Outros Particulados
y Exposição a Asbestos y Trabalhadores expostos ao mineral crisólita (considerado o menos nocivo). y Causar Asbestose Tipo de câncer, resultado de acúmulo nos alvéolos. y Exposição contínuada pode resulta em um pulmão fibroso e sem elasticidade. Caso de exposição Aguda Bombeiros e policiais que trabalharam na emergência do Atentado ao World Trade Center, em 2001.
y

Higiene Ocupacional Avaliação de Poeira e Outros Particulados
y Classificação quanto ao tamanho da Partícula

Higiene Ocupacional Avaliação de de Poeira e Outros Particulados
y Classificação quanto ao efeito no Organismo Pneumoconiótica Pode Provocar algum tipo de Pneumoconiose Ex.: Silicose, Asbestose, Antracose, Bissinose. Tóxica Pode causar enfermidade tanto pela inalação quanto por ingestão. Ex. Metais como chumbo, Mércurio, Arsênico. Alérgica Aquela que pode produzir algum tipo de processo alérgico. Inerte Produz enfermidades leves e reversíveis (Resfriados)

Higiene Ocupacional Avaliação de Poeira e Outros Particulados
y Dispositivos de Amostragem
In alable Dust Sa pler

Bo ba de A ostrage GilAir-3

Bo ba de A ostrage BDX-II ttp://

GilAir-

.skcinc.co /prod/225-7 .asp

Higie e cupaci al valiaçã eira e utr s articula s

e

Higie e cupaci al valiaçã eira e utr s articula s

e

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores
y Definição de Gás y Gases - chamam-se gases as substâncias que a 25 graus centígrados e pressão barométrica de 760 mm de Hg encontram-se no estado gasoso. Um gás pode ser liquefeito por resfriamento ou aumento da pressão

ou, então, por combinação de ambos os processos. Alguns gases são: monóxido de carbono, dióxido de carbono, nitrogênio, fosfina, arsina, fosfogênio.

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores
y Definição de Vapor

Quando uma substância normalmente é líquida ou sólida a 25 graus centígrados e 760 mm de Hg e passa ao estado gasoso por mudanças de temperatura ou pressão, ou ambos ao mesmo tempo, dizemos que se trata de um vapor.

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores
y Definição de Vapor (Continuação)

Logo, um vapor é um gás, o qual está próximo do seu ponto de condensação. Alguns exemplos incluem vapores de benzeno, tolueno, percloroetileno, metanol, mercúrio, disulfeto de carbono, acetona etc.

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores
y Pressão de Vapor

Tendência natural de um líquido de passar a fase de vapor. Depende da natureza do líquido Temperatura. Não depende da quantidade de líquido disponível Ex. GLP mantém a mesma pressão no interior do recipiente até as últimas gotas

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores
y Classificação Fisiológica dos Gases e Vapores

Os gases e vapores são classificados segundo a sua ação sobre o organismo humano em três grupos importantes: y Irritantes y Anestésicos y Asfixiantes

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores an
y Gases e Vapores irritantes y produzem inflamação nos tecidos com os quais entram em

y y y

y

contato direto, tais como a pele, a conjuntiva ocular e as vias respiratórias. Gases e Vapores Anestésicos Tem ação depressiva sobre o sistema nervoso central. Introduzidas em nosso organismo pela via respiratória, alcançando o pulmão, do qual são transferidas para o sangue, que as distribuirá para o resto do corpo. Podem penetrar pela pele intacta, alcançando a corrente sanguínea.

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores
y Gases e Vapores Asfixiantes y Asfixiantes simples : deslocam o O2, reduzindo a concentração desse gás o ambiente. Anexo 11, NR -15.

Exemplos: Acetileno, Metano, CO2, Propano, Nitrogênio, Butano. y Asfixiantes Químicos: impedem a entrada de Oxigênio, no tecidos do organismo. y Exemplo: Fosfeto de Hidrogênio

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores A
y Unidades de medidas

Não podemos falar sobre avaliação química sem mencionar as unidades de medida, as utilizadas para gases e vapores, o ppm (partes de vapor ou gás por milhão de ar contaminado, em volume) ou mg/m³ (miligramas por metro cúbico de ar).

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores
Tipo de Amostragem - Amostragem Instantânea Realizada em um curto espaço de tempo Resultados correspondem a concentração existente nesse intervalo medido Tempo total da coleta inferior a 5 minutos

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores
Tipo de Amostragem - Amostragem de Curta duração Tem duração de 15 minutos. Útil quando se desejar estima a exposição em um trabalhador com diferentes atividades. Concentrações mais precisas do que a amostragem instantânea

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores m
y Tipo de Amostragem

Amostragem Contínua Realizadas em um período de tempo superior a 15 minutos. Vantagem - Fornece como resultado a média ponderada das condições existentes no período de avaliação no ambiente. Desvantagem Não mostra as variações de concentração durante o período. Impossibilita a determinação máximas concentrações.

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores
y Métodos de Coleta- Coleta de amostra individual y O amostrador acompanha ao trabalhador durante todo o período de trabalho e é colocado próximo à região respiratória. É o tipo mais indicado de amostragem para caracterizar a exposição.

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores
y Métodos de Coleta- Coleta de Amostra ambiental

Pode ser utilizado em complementação ao anterior, quando se deseja verificar a eficácia de medidas de controle existentes. Estudar as fontes geradoras de contaminante.

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores
y Estratégia de Amostragem

Amostra única de período completo Uma única amostra de ar é coletada continuamente, cobrindo um período de coleta correspondente à jornada diária de trabalho.

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores
y Estratégia de Amostragem

Amostras consecutivas de período completo Várias amostras de ar são coletadas, sendo que o período de coleta deverá corresponder à jornada diária de trabalho.

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores
y Estratégia de Amostragem

Amostras de período parcial Uma única amostra de ar é coletada continuamente ou várias amostras são coletadas com iguais ou diferentes tempos de coleta. O período total de coleta deverá corresponder a, pelo menos, 70% da jornada diária de trabalho.

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores
y Instrumentos de medição y Amostradores Classificados como : y Ativos - Sistema que força a passagem do ar por meio de um dispositivo que realiza a detecção direta do contaminante ou permitar a coleta deste para posterior análise laboratorial y Passivos Amostrador que permite a coleta de contaminante, para posterior análise laboratorial, sem forçar a passagem do ar por meio do coletor; A coleta é baseada na difusão

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores
Amostragem Instantânea - Leitura direta)
- Tubos reagentes

(colorímetros) - Aparelhos eletrônicos com sensores eletrônicos

Amostragem Contínua

- Dosímetros passivos (leitura direta e Indireta) Amostratador Gravimétrico Utilizado como meio de retenção: Carvão ativado, ou silica gel, impinger com solução absorvente , filtros de PVC ou éster celulose.

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores
y Bomba Gravimétrica BDX-II

Higiene Ocupacional Avaliação de Gases e Vapores
y Tubos Colorímetros

Referências
y www.cpn-

nr18.com.br/.../tcnicas_de_avaliao_de_agentes_ambien tais_.pdf y Manual Prático de Avaliação e Controle de Calor ± Tuffi Messias Saliba. y Segurança e Medicina do Trabalho ± Manual de Legislação Atlas 62ª edição. y Manual Prático de Avaliação e Controle de Poeira e Outros Particulados ± Tuffi Messias Saliba.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->