Você está na página 1de 5
Por Fania Rodrigues E: tempos em que direitos consttucio ais bisicos sio desrespetades, see rivamente,€ com o avango de pautas conservadoras no Congesso Nacional com apoio de pace da sociale, um dos maioresjuristas do Bras ilo Batista, na contramao, abort of ldo sistema perl, fundado em um conceit pu nitvo, adotado muitas vezes inclusive pea pro priacsquerd Justiga com as préprias mos, reduc da rmairidade penal, criminalizagio. da pobreza, viokéncia da Policia Militar. Fatores que cont louem para 0 nosso tempo de barbie em que tudo €criminalizado ese bus das prises, quan- do estas deveriam sero timo recurs, segundo o advogado, Nilo Batista € hoje profesor de Direito Pe. nal Brasileiro na Universidade Federal do io de Janeiro (UFR) e Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Foi govemador do estado no ano de 1994, substituindo Leone Brizola que ira co: comers eleigbs presdencais Lea a entrevista, caros amigas | outubro 2015 NILO BATISTA “A SITUAGAO CARCERARIA NO BRASIL E PATOLOGICA® Ojurista Nilo Batista defende desencarceramento massivo e 0 uso de sangdes menos drasticas Caros Amigos A pesquisa inttladaPresospro- isis danospermanents,cordenada pela socib- logaJulta Lemarvber, mostra que 54% das prises provisirias no fio em 2013, foram indevidas.Ose- nhornio acha que aio estéerado ness sistema? Nilo Batista ~ Tem muita coisa errada, 0 siste- rma penal é, em si um problema para o Estado de Direc. abuso do sistema penal é um mau si nal. Sempre, a olhar para oséulo 20 e encontrar um sistema penal muito operative, com muitas prises, dligéncas espahafatosas,cetralidaes das agencias policiais...AAlemanha nazista, a Ilia fasesta até mesmo alguns maus momen- ts da Uni Sovitica, Na América Latina foram (os regimes de seguranga nacional Ent, quan- do houver muita gente fazendo operaao poi esconfe da sade do regime politico. Isso € es ‘rutual, esti ligado a uma mudanga econémica. No neolibealsmo as mercadorias tm trnsitoli- ‘re, mas os produtores no, O mexicano, co so- no €lavar uma ltrina no Texas, um trabalha- dor, pode ser moro pela guarda de roneira. Ema Europa tem uma tragédia em curs. Como esa economia neoliberal pode afetar 0 sistema penal? 0 sistema penal mudou com a transigio eco mica para oneolibealsmo, Primo porquc os programas plios de asistencia foram desmo bilizads, nessa lgica do encolhimento do Esa do, Encolhew naquilo que Piere Bourdieu cha mmava de "a mdo esquerda do Esta”, que dava asslstncl, Masa mo dicta seestendeu eo con tole que fl feito sobre esas populagbes fa pe nal. De repente,comegou ase criminalizar tudo, Prendemos muito mals na demoeracia do que na tadura. Generalzamos os modes de tort aquelasbrtalidadesaplicadas pelo DOPS, DOI- CODI 0 Brasil hoje tem a quarta maior popula- 0 de presos do mundo ‘6 pene para os Estados Unidos, Cina, equal Eo teria? Rissia. Porkm, até nos Estados Unis as pes- soa ase tocaram desseencarcramento massivo. (presidente Barack Obama enrou agora no tema ‘coulongou a gaca(indulo} a 46 presos (em julho desse ana). Ha pouco tempo, foi da & Califr- nia 0 prazo para soltar 30 mil presos. Enquan- ‘aqui no Brasil sé queremos saber de construir mas pesto. No que diz respito& curva cres- cente da populagio carceritia,o Brasil val ga~ nando. Como o senhor avalia ese grande nimero de pessoas presas por trio de drogas? ‘Tem mais de $0 mil pessoas cumprindo pena ‘no Brasil por terem vendo maconha ou cocaina, sem nenhuma amma. Assim como outas 50 mil rests por furto, que € um rime sem o emprego ‘de violencia inrivel que inclusive partidos de ‘squerda partcpem desse movimento Hd uma confusso da esqurda a respeto des~ se tema? Acho que hi mats uma confuéncia da esquer- da coma drcita Tenho maior respit plas po- litcassocais das governos do PT. Mas a politi= a criminal do partido & um desasre. & incrivel, como 0 PT nio fi capaz de conceber uma politi- «actiinal que olocasse steno sobre as opes- Ses que recaem sobre as cesses populares, por melo da criminalzag, Estamos em um estigio muito elementar, prova diss ¢ 0 nivel da dscus- ‘lo no Supremo Tibunal Federal. Precisamos f- zeraquilo que o mundo esti fazendo, inlusive os Estados Unidos. ‘senor est flan da legalizio droge? Sim, da legalzagi. 0 qu o Supemo est f 2endo ni nenhum avano. a reeuperagio mi nima do atraso em qu a gente continua mers. ‘Anda assim, 0 Supremo parece um poueo mais ‘moderna que 0 Congress No acha? (0 Congressopiorou com essa bancads da bala, a bancada relgisa, muito mal orentada, e tem também o conservaorismo. A gente nao discu- ‘te mas poltca. As discusses juridcase penais substuiram a politica, A manera como aguee Aeputado votou conta 0 povo brasileiro, dexou de ser importante. 0 que importa agora € que 0 fulano reeebeu RS 500 mil para a campanha Os vpotosantipopulares desse deputado no sto d= tides. Isso abstraio debate politico, que interes- 8 multo ao conservadorismo Voltando na discussio sobre a piso provisé- via € 0 papel da PM nesseencareramento sem jul- gamento.. és abusamos da piso. Ea pristo devera ser timo recurso. Até mesmo quanto pena eno apenas na medida cautelar. No Breil, a prisio Joga muito com a antecipagio de pena ea midia {em um pope! importante nese proceso. A pena 0 resultado de um processo que em eu tempo, |sso inita enormementeo, assim chamado,joma- lismo invstgativ. E a flexblizagdo das garan- tias mio aconteceram s6 com a5 trabalhitas, mas com s individuals também. Em que sentido? (Juco crow dificaldades para oemprego de habeas corpus, quand cabivel de recurso, Ad ferenga € que o recurso habeas corpus demora ses ‘meses enquantoo habeas corpus demoraquinze is, Or, seo habeas corpus € apenas asubmis- so @um tribunal para constatara legalidade ou a iegalidade da prisio porque impedir que isso sn deciido em quize das? Essa decisio foi to- ‘mada pelos tibunais superiors, no ano passado, (ual € objetivo dessa deciso? Estender as prises. Retardar o conhecimento da Corte Suprema e do Superior Tribunal de Ju tiga de prises ilegais,Fsse fio caso dos atvis- tas que esto send criinalizados no Rio de Ja- rneiro.Tive que fazer um recurso habeas corpus, em ours tempos, habeas corpus ea deco que levou seis meses teria sido em quinze dias. O Igor Mendes no tera feadopreso oito meses pouco. CO senhoracha que essa decisio do Jiro de ifieutar © habeas corpus comegou na época dos protests de 2013? CComesou antes de 2013.0 sistema penal bra- sito € um poucoesquizofiénico,Existe um sis {ema penal para 08 consumidores falhos. io os «casos daqulesgarotos que para ter um boné da Nike 6 trando de outro. Tem uma fase de ur europe, que na itima década do séulo 19 pro- ‘punha a suspensio consttucional da pena, que ‘iz 0 segunte: a pena cut, sendo insuficiente ara corgi € bastante para perverter. A priva ‘ho dalibeniade nunca serviu para rssocalizar hinguém. Todas as utopias resocalizadoras es- to comprovadamente falda, Iso € demonstra do pea reincidéncta peiténciai, ou sj, quem passa pela prisio tem muito mas chance de vol- ‘ara cometer crimes do que aquea pessoa que ‘no passa, E tem outro sistema penal para os c= mes hediondos, que a privaco de lberdadetam- bm ndo consegue resscilizar. Mas agora, nes- se novo sistema penal pos-modemo, a pena é de Segurang, para rete 0 cara ual seria eto a solo jf que 0 nes de reincidncias so altos? Em primeiro lugar precisariamos ter um pro- Jeo de desencarceramento massivo, Os conde- nados por furtos simples, pelo coméciovarejista de drogas,tinham que sair da carceragem. Ti- nhamos que usar sistema de Numerus Clauss. Vi ele ser propos a primeira vez, vinte anos ats, por um deputado franeés em uma CPI so ‘bre as prisdes. Ele funcionaria da seguint for- ‘ma: no estado do Rio de Janeiro tem, vamos su- por, 18 mil vagas. Na hora que entrar 0 preso rnimero 18,01, 0 que tver as melhores condi- ‘Bes para progresso de regime, sai, Se iver 18 rl vagas,s6 pode tr 18 mil press. Em segun- do lugar, precisamos ter uma reformalegislati- va séria, Temos crimes demais, penas demais. [Nao funciona, Nés gastamos no sistema penal tum dinheiro que estaria muito melhor se inves- tido na educasto, Para estar que as pesos fssem pra 2 ris. Sim, claro Ereduziedrasticamenteo empre= 0a prvago da iberdadecomo pense waba- Tharcom ours sages. Menos risties Pogue pena tinge o cara ea fai inti. A Const tui diz que a pena no pode ir além da pesca 4oinfator, mas ma verdad ela ltrapassa ese - mite Setivr divides via uma visita em Bang E tem gente querendo const mas prises. ‘Querem mais prsdes, Recentemente, 0 PSol ‘eve inciatva de pedir que fose decarada a in- constitucionalidade de um monte de cols. A tn «a coisa que foi declaradainconsttucional fi o Aescontingenciamento dos recurss pata a cons tragio de pestis. Tinha um monte de cosa im portant ness lista, mas também fol ingenuida- ‘de do PSol boar esse pedo so pido em que istncia da Justia? No Supremo Tribunal Federal (no més de se- fembro. Essa foi uma decisio do ministro Luiz Fux. Constrair mas presiios? No Brasil temos muitos press. A siuaglo carcerria brasileira {J € patolgica, Quando € que a gente vai superar esse paradigma de char que pena resolve tudo? ( jomalismo todo pensa assim. (use todo, Bom, sim, quase todo. A midiaconservadora toda defende oencarceramento, Gostaria de falar do caso do cinegrafita da Band, Santiago Andrade, em que os ativstas Fi- tio Raposo e Caio Siva sdo aeusads de homici- io trplamente quaificado. Essa pera foi desqua~ lifcada em parte pla tese que o senor defend. (Come fi isso? Fiz um jirisimulado, na Faculdade Nacio- nal de Direto (UFR), sobre o caso, quando ain ‘ano estavaresovido, Convidel para esse it ‘ Ricardo Molina, que € urn superperit, a pre- ‘ident do Sindicato de Jomalista do Rio de nero, Paula Maira, que € uma joralista extra- ‘ordiniria, a Cectia Coimbra (psicdloga e grupo Tortura Nunca Mais) o Joel Birman (psiquatrae paicanalisa,ocorone Jonge daSilva, Marcelo ‘Yuka, o pastor Antnio Carlos e o Amir Haddad O jr estava compost de sete pessoas que, sem ‘ivida nenhuma, representam a sociedade do Rio de Janeiro (ua fo o resultado dese jr informal? Mandel para o Molina uma dizia de rojes iguais 20s que tinham sido usados. Sem hate Os {garotos sltaram aquele rojo na dirego da po- licia que estava espancando gente do outro lado Sé que o desventurado cinegrafisa esta entre ese aconteceu aqui. 0 petit soltou,fmou € ‘depois colocou em grific, Os dex rojtes que cle fro 2018 | cares amigos sou explodiram em vitas dregs, um inclusive voltou em uma rtacio de 18, ou sa, € abso- Tutamenteimpossivel prever a diesdo dessesr0- Jes Inclusive eserevi um texto chamatlo ‘As duas faces do dominio do fato. Sé pode ser acusado de crime dloso (quando ha a intengdo de matar) ‘quando a pessoa domina o curso causal 0 senhor pode explicar como funciona essa ‘questo do curso causal no Dirt? Um exemplo tradicional disso, na tora eri- minalistica formulada por um professor ale- mao, a histria do sobrinho ambicioso. Ee vé ‘uns ros car na montana edz ao tio, do qual hereto, que ele deveria passear por la para apreciar a paisagem. Eu “carioquise” essa his teria Tempos ati al- Eno caso do Igor Mendes? tue na Hbertaglo dele. Nao funcionei no proceso, s6 na causa da liberdade, Pediram-me ara entrar no meio do caminho nize e jude. O que o senhoracha desse proceso contra 0s 23 tivistas do Rio de Janeiro, acusados de come- ter crimes durante as manifetagbes de 2013 ¢ 2014, que ainda estéem curso? Bu acho um absurdo, Ali esto send crimina- lizados grupos politicos de esquerda E um absur- do. Uma coisa antidemocrtca Esse proceso pode abrir um precedente? Espero que nfo, Nao sabemasse oui va con- denar ou absolver os acusados, mas acho que 0 ‘Tribunal de Jusigaab- fu buns FBS “NYA pOgSO.COMPARAR AS ‘Io éum sour facauteasnijee GUESTOES DE SEGURANCA’ Sn aana Fintiom alge su. PUBLICA DEUM PAIS” Peart fe is vviu falar em inquérito. COMPOSTO TOTALMENTE POR defensivos contra a abeno. por crime de CLASSE MEDIA, COMO EO CASO explasto? O deegsdo DA ALEMANHA, POR EXEMPLO, COM A TRAGEDIA SOCIAL BRASILEIRA. NOS TEMOS QUE fe jata 0 8° DECIFRAR A ESFINGE DO NOSSO AUTORITARISMO, DA NOSSA_ CRUELDADE” deveria estar distaido raguela ocasido, En brinho ambicioso leva 0 tio, ocolaca em cima de um bueiro da Light, na esquina da Avenida Vieira Souto com a Joaquim Nabuco (praia de Ipanema) ¢ diz ao to que essa é a melhor vis- {a do Rio contando com a explosio do bucto? ‘Se ocorrera explosio, no pode serimputado a ‘© homieidio porque ele nto tinha dominio so- ‘re asituaso, Do mesmo jeto que ele nao sabe ‘nile va ear o rai, ele no sabe qual vai sero Dueiro da Light que vai explodi. Como alguém pode pensar que a explosao de um raj, sem haste que nfo tem a capacidade de ter dire- cionamento, pode atngir uma pessoa de forma intencional?Entéo, tempos depois dese ji si- mulado, a acusagao de homiciio culposo fot descassificada. 0 senhor teve alguma partcp os dois acusaos? No. Organize’ oj simulado e a peicia fot citada no process. 0-na defesa O senhor nunca atuou come advogado do Caio Silva edo Fibia Raposo? Se voet perguntar iso a eles, acho que vo Azer que fui 0 advogado informal dele, quan do onsanizei esse ri na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Porque fui advogado de defe- ‘no julgamento simulado. Um procurador do Minisiio Piblico aposentado foi o acustdor. 0 tual procurador, Adelino Moreira Neto, pediu a desclassificagdo da acusag, ou sea, nem no Ministério Pblico a hipétese de homicidio do- oso era acita, 1g sme nc 18 ‘brutalidade poi, ‘que foi uma constan- te daquelas manifesta- bes. Basta ver aque- Jes espancamentos que aconteceram em fren tea Cimara Municipal do Rio de Janeiro, O que unifcou os grupos tio Aistantes, como 0s anaruistas, outros de orien- ‘agdo moist, fi a britaldade poi. Porque 4 participagdo naqueas manifstagbes era uma salada mista ‘A violencia polcial e seus crimes & uma tra- gta €fala-se muito em desmltarizar a polica, Como o senhorenxerga essa questo? ‘Se, por desmilitarizago, entendemos que @ policia no pose ser uma espicie de quarto de Aespejo de equipamentos militares obsoletos, = tou totalmente de acordo. Até nos EUA esse de- ‘ate fo’ abet. Tenho muitas dividas se devemos tirara discplina militar da PM, Porque, com uma isciplina rigorsa nis temos na PM os proble- ‘mas que temos, Claro que temos que mudar algu- ‘mas coisas. Sou contra priséodiciplinar de rita dias, mas de cinco dias no sou. Com essa res salva, su favorivel a desmiltarizacio da polcia. Hi um exemplo que o Brasil posse mirar no combate & violncia policial? Na prépria prgunta tem apalavra combat. Te- ‘ho um texto em que do conslhos as jovers que ‘vo entrar na vida pica. Ainda corendoo ts- code parecer excntrico, no empregue a pala combate, Nio ha combate sem morte. Nao posso ‘compararas questes de segurang plea de um ais composto totalmente por classe média, como 0 caso da Alemanka, por exemplo, com a tra ia social brasileira. Nis temos que decir a es Finge do noso atoitarismo, da nossa crude E aqulo que 0 Darcy Ribeiro flava: “cada brast- Jeo €a mao que tortura eo corpo trturado” so {ema ver também com ofato de temas so pe- nto paisa abot o escravismo, Todo escravis- ‘mo supde poder punitive domistico. Supe o poder punitivo nas mins do pater, propitrio e bran- 0 (na Roma antiga o pater familias, pai de fai Ta tnka vite necisquepotstas —o “poder da vida eda mote", (Como isso funcionava na pritca? No artigo 60 do Céigo Criminal do Impéio, 4 1830, 0 "senor era um digo de exccuio penal. Quando o escravo era castgadlo com ago tes, ele era entregue a0 "senhor", que supervi- sonava o que o ju tinha determinado. Essa é ‘uma tradio que a Primeira Replica conseguit ‘manter porque ela dscobriu formas de explora- ‘capitalist to ou mais cutis que o escravis- ‘mo, No ciclo da borraca, a dvida do emprega~ do era uma forma de escravidio legal. O tempo de vida de um trabalhadordaquela época nao era muito diferente do de um escravo. 0 que temas aque fazer € decir € refletie sobre iso, Nio & ‘como direito penal que vamos contolara poi. No Rio de Janeiro foram exonerados muitos poliiais nos titimos anos. Como o senor ava ss questo? Sempre que oug oseretro de seguranga do Rio de Jancir, Mariano Betrame, dizer que fo- am exoneratos cerca de dois mil pois, fico preocupado. A exonerago de um polcial deve- tia ser uma coisa excepconal e acompanhada Esse mundo ¢ um continuo. Do que vai vver um policial? ‘Qual 2 sus opin sobre as Unidades de Pi- cia Pacificadoras (UPPS)? A implantacdo dessa experiéncia antidemo- tia teria qu ser dectarado Estado de Siti, t- mmanka a quantidade de garantis que sio cor- tadas, sem base nenhuma, Tanto que as avelas ‘onde hava presenga do Comando Vermelho fo ram privilegiadas na implantacao da UPP, ¢ as ailicias avangaram. Mas porque as favelasdominadas pelo Coman- do Vermetho foram privzadas? Qual a razio? Ex nio saberia te dizer. $6 estou mostrando a disfuncionalidade disso. Em torno das favelas, ‘existe um conjunto de demandas que produzem tuma economia informal. Vou abstrair 0 ca tulo das drogasiiitas que integra esa econo~ mia informal. Veja a questo do transport. Seia ‘com as kombis, que obrem os qulémetrs en- ‘ne o timo ponto de énibus das linhas autor- zadas aa comuniade, sea no caso dos moto ‘axistas. 0 transporte & um problema pblico. A ‘questo do gis também & um problema de abas- fecimento, entre outros exemples. Nessas co ‘munidades também tinha © gatonet, 0 gato de erga ltrca| Nas favelas com UPPS ests servis ji so ofe- recidos pela empresas. ‘Sim. Tanto que a Net Ligh, logo depois que ‘scarps desciam no crrnho de mo (na ocupa- {0 da PM) elas chegavam para vender seus set- Vigos Em uma entrevista a um jomal econdmico, 0 presidente da Ligth disse que o faturamento da empresa aumentou em 108 depois das UPPs. Na mao de alguém essa economia informal esti. Se no for controlada pela rapaziada do trifico va- reita de drogas, seri pr aguma milicia Vai na Bovespa e pergunia se uma economia fica sem comando, Em alguns casos muito graves a pr ‘pra UPP & quem conroa os espagos comers. sso estava acontecendo na Rocinha. A UPP co- ‘mega a partcpar também, formando uma espé- cle de mila chapa branca Em muitos casos de vilénia poll hi com ponentes como oracismo,dsriminagio deses- ito com pessoas pobre. Como lidar com compo- rents ultras no trato poli? sistema penal funciona seletivamente. A criminalizagdo secundira, aquela que comege com policia, €feita a partir do esteredtpo eri- minal. Se dois garotos pobres vo em um ca. ro meio velho para a regio dos agos, a PM vai paré-los, va revistar. Mas se eu estiver passan- do com 20 quilos de cocaina no banco de tri, indo para Bizis, vou abrir a janea eperguntar “sargento, tudo bem, estdprecsando de algu- sma coisa?” Ele vl dizer: “no douor, po favor, passe”. Funciona por esteretipo O criminal 0 ‘aroto pobre negro, ese & 0 estreétipo, Para ‘se tera ela alsa de que o sistema penal €igua- Tito, alguns rico sto pesos de vex em qua 4o, com grande alarde. Fd também a impres- slo de que & possvel a mobilidade social. Via uma penitencra,abra a porta € ole o patio ‘Veja como é mentirosa essa ideia de que o sist ma penal €igualitrio, Sendo a Jstiga uma ferraments controls pela clase dominant, ela é sada para controlar sas classes populares? Minha concepgio de Estado arranca naguela concepgio que foram exposes logo nas primei- ra paginas de um livrinho chamado leologia semi (Mary. 0 Estado & um sparcho, est eseri- to la, € uma “comunidade uséra” de interes, ( Juticiriodevera sero espago do aparelho de Estado, mais comprometido com a rupura dessas formas que negam, na pritica sonoma, aque- Ja que garante que todos somos iguais perante a lei. Na sabtina de Lue Bison Fachin (novo mi- nistro do Supremo Tribunal Federal ele teve que ‘se comprometer com a familia, com a propreda- de privaga e quase com a tradigdo, Se eu tivesse aque situar o Fachin dra que ele esti no campo