Você está na página 1de 6
138 Cosmologia* Por A. E. Taylor Através de um breve resumo de um ou dois dos principios mais importantes da cosmologia platénica, assim como sio dadas no Time. {que posso concluir esse esbogo. Como temos visto, Plato mantém que © fato sensivel eal, como ele sed, no pode ser objeto da ciéncia exata; temos que nos contentar em lidar com o mundo fisico nos termos de ‘opinides proviveis Sendo assim, a cosmologia do Timew 6 formalmente anunciada como sendo grandemente mesclada com o mito. Enem sempre 6 fGcil estabelecer onde0 mito consciente desaparece e onde o que Patio cconsideracomoumtelato pelomenosprovéveldo fatondomiticocomega. ‘Alémdisso, ndo ésurpreendente que mesmona propria Academia ivesse havido uma variedade considerivel de opiniges sobre as reais vibes de Platdo concermentes ao mundo fisico. De minha part, julgo sero mais desejével aquiexporoque Plato diz, semmuitoadentrarnasintermingveis, disputas sobre o significado do que ele quer dizer. O Timeu é,em sua forma, ndo apenas uma cosmologia, mas também uma cosmiogonia. Ele no descreve apenas a estrutura do universo fisico, mas pretende contar a histéria de sua formacéo. O mundo sensivel, de acerdo cam anarrativa, no é eterno, pois é algo que se torna isto é, que estésujeito mudanga incessante, Ouniversoteve,portanto,umcomegoeumacauisa. ssacausa aparece no Timteu como uma divindade personificade, 0 Demiurgo ou feitor do mundo. A razao para a feitura deve ser relscionada a bondade de seu feitor; sendo em si mesmo bom, Demiurgo desejou comunicar sua propria perfeigdo a algo fora de si. Por essa razdo, ele, tanto quanto {oj possivel, moldou 0 mutével mundo dos sentidas em fungao do imutavel mundo das idéias eternas. A partir da unidade deste modelo, Platto deduza unidade daquele. a cépia, ouniversofsicoe, portanto, declara-se contra a doutrina da pluralidade de mundos.' Mas Plato vai mais longe: rio apenas € o mundo visivel um e, portanto, nao sto muitos, mas também é um organismo vivo, dotado de alma e corpo proprios. E, pois, um Gnico ‘animal’, o qual abraga dentro de si mesmo todas as formas _menores de vida animal, assim como o modelo a partir do qual o mundo dos sentidos foi copiado é um ‘animal inteligivel, ou uma ‘idéia de animal’, que, em toda a sua extensdo I6gica, compreende todos os mais variados‘tipos'de espécie animais. latdo,entdo, prossegue nadescricao * Cipitl1V de The Mino Plato, Ana Abr Univesity of Mishigas Press, 190; Pata, Londo Comite, 1923) Principios UFRN Natal v7.8 pISB-143.—_jansdez 2000 399 da formagao de ambos a alma e 0 corpo do grande animal-mundo. Em ambos os casos. a formagio no & uma eriagio a partir do nada; o que Demiurgo faz écombinar em proporgGes fixas ea partrde leis definidas elementos eujas existéncias jé sdo pressupostas. A ‘alma’ do mundo é construida a partir de trés elementos, quais sejam, Semelhanga, Dessemelhanga.e uma entidade que édescrita como proveniente de uma tunido preliminar das duas primeiras. Aqui, parece que tems uma referéncia,em forma mitica, aos résniveisdecogniciopor nés conhecidos desde a Repiiblica: a apreensao das Idéias imutaveis, as ‘opi respeito da incalculavel variedade dos fatos existentes ¢ a apreensio da classe intermedidria dos objetos ‘matemisticos.' © corpo do universo & ccompostodastradicionaisquatroclementos de Empédocles:fogo,ar. gua ce terra Plato, todavia, no aceita tas elementos como algo defisitivoe ddesnecessirio de andlises. Ble tenta, de forma notével, estabelecer as fundagdes de uma matemética puramente fisica aoteduzir as diferengas entre os ‘elementos’ &s diferengas entre as suas estruturas geométsicas. ‘As moléculas-como agora devemos chamé-las-das quatro substAncias clementares sio feitas para correspondentes respectivamente 60s quatro sélidos geométricos regulares: o tetraedro, 0 octaedro, 0 icasaedro e 0 csubo, As arestas dos ts primeiros sdldos podem todas ser construidas a0 se colocarem juntos 20 mesimo tempo os tridngulos retos cujas hipotenusasmecamodobrodesua menoraresta;paraaconstrugd0da face quadrada do cubo, Platio utiliza quatro triggulos retos isdsceles. Essa diferenga na caracteristca dos tridngulos elementares,a partir dos quais cs slidos regulares slo construds,€usada para explicarofatoconsiderada or Platio como arazlo pela qual fogo, are {gua Ho conversiveis um no outro, mas ndo em terra. A andlise matematica da matéris como forma geométrica aleanga seu ponto mais alto quando Platio explicitamente identifica a 'matriz' ou ‘substrato' da mudanga fisica com 0 espago, antecipando, assim, a teoriafisica de Descartes, da mesma forma em {que, com a teora ‘reminiscénea’,Platdo antecipa a concepgio de ‘idéia inata’ do mesmo filésofo. Para estabelecer a superioridade da alma sobre 0 vorpo, Platao afirma queantes docorpodomundo ser moldado porDemiurgo,ele moldou a alma daquele, assim como, em um estégio posterior da narrativa, cencontramos a alma humana construida muito antes da data destinada & sua. encamagio em um corpo humano. Da alma, uma vez formada,diz-se, figurativamente falando,estardifusa por todoespago, deacordocomséries ‘mateméticas, as quais tém 0 intuito de expressar as distincias rlativas dos varios corpos celestes da tersa,a qual € tomads como 0 centro de Principios UFRN Nal 878 pis 143 Janda. 2000 140 todo o sistema. Ao trazer & existéncia 0 ordenado sistema dos corpos celestes, tempo, medida regular de duragio, também passa a existir. Nos detalhes do sistema astronémico platonico e nas questbes de suas relagdes com a ciéncia pitagérica, no podemos adentrar no que cconcere ao escopo deste breve esbovo. (Oqueprocededacosmogonia propriado Tiewéconsiderara formago <éa alma ecorpo humanos. As almas imortais' dos futuros seres humanos sio feitas pelo proprio Demiurgodo mesmo material que ele previamente sou para construir a alms do mundo; as duas almas ‘mortais'inferiores, das quais nds falamos quando tratamos da psicologia de Plato, sao entio rmoldadas eadicionadas alma imortal plas divindades menores, as quai, por suas vezes, encontram-se entre as primeiras criagGes depois da alma do ‘mundo. Mais uma vez, teremos de transpor os muito ineressantes detalhes da fsiologia sensorial eda pscioisica patSnicas. No que concerne as quesises excessivamentedifices que sparecem quando tentamos interpretar o grande mito cosmogOnico de Platao, possoapenas dizer uma ou dus palavras. Tem havido um grande niimero de discussdes sobre se Demiurgo ¢ para serpensado como uma divindade pessoal ou como uma personificagio puramente imaginativa do bem.” ‘Talver a verdadeira resposia seja que ele nem é um nem outro. A distingdo agugada que possuimos, ou, pelo menos, julgamos possuir, enirepessoaleimpessoaldificilmentejéexistiaemalgumpensador grego antigo; sua pr6pria lingua, de fato, no possui nenhum termo que possa expressar tal distingao. E, novamnente, o ‘bem’ aparece de forma tao manifesta no Timeu quanto 0 modelo contemplado pelo artista divino nz cconstrugio do seu trabalho, onde nao podemos, alheios &s confuses intelectuais, identifies-lo com o artifice. (Em uma sentenga, a dima do 4islogo, onde, de acordo com alguns manuscritos, a identificagio ¢ feita, palavrapoihton é claramente uma leituraequivocada de nohton, Dresente em outros manuscritos. Esse erro se dé, provavelmeite, pelo ‘mal entendimento da construgdo da palavra.) A inferéncia natural, proveniente da bem conkecida visto da alma como origem de todos os movimentos, seria a que reza que a atividade de Demiurgo € uma representagéoimaginativado grande pensamentode Anaxdgoras,dequem foi 2 mente que colocou tudo em ordem., Perguntar se esta mente é ‘pessoal é cometer um anacronismo. Desde o tempo de Xenécrates, pupilo imediato de Plato, em diame, existe uma efervescente disputa quanto & questio se Platio zealmente pretendeuatribuir ao universofisicoumcomegoouseeletinhaem mente apenas um artificio para, através de uma ficeo narrativa, apresentar Pricipios UFRN Natl v7 mB p3g- 143 jandez.2000 141 uma andlise l6gica do mundo fisicoa partir de seus fatores constituintes. Esta ltima opinido foi definitivamente aceita como correta por toda a ‘escola neoplatOnica, a qual estava ansiosa por encontrar em Plato a