Você está na página 1de 7
IV Congresso Jovens Investigadores em Geociénc LEG 2014 11-12.outubro.2014 . Pélo de Estremoz da Universidade de Evora ate L£e>°" HE IVCIG, LEG 2014 Polo de Ester da Utvora, 11-12 outubro 2014 LInvestigadores em Geociéncias, LEG 2014 thro de Actas indice Mensagem dos Editores.... Programa... Conferéncias de Oradores Convidados... Signature of Persistent Forcing and lithological controls on the evolution ofthe rivers long profiles. Analysis of The Tejo and Douro rivers tributarie.. 5 Evolugéio Geoldgica do Varisco no NW Ibérico ~ um caso de estudo no bordo Oriental do Macigo de Morais ¢ éreas vizinhas. Modelos geoligicos de depésitos minerals, como sto construidos e para que servem?...13 ‘As Geociéncias Marinhas e a Extensdio da Plataforma Continental: desafios e oportunidades iru. Gondwana, a aventura de explorar la vide marina en los mérgenes de un continente desaparecido. Comunicagées Orais.. Do rifting continental 6 abertura do Oceano Rheic; evidéncias de cariz multidisciplinar na Zona Ossa-Morena .. 21 Evolucéo geodinémica do Complexo Anatéctico de Figueira de Castelo Rodtige- -Lumbrales Potencial para “Plays” de “Shale Gas” da Formagao de Mira (Corbénico, Sul de Portugal)... Método para o estudo da permeabilidade ao ar na superficie de pearos carbonatadas.. Estude qeoarqueoléaico com recurso @ georradar e magnetémetria no povoudo do Outeiro do Circo (Mombeja, Beja). ‘Magnetometria e georadar aplicados 4 arqueologia — 0 caso da Horta da torre. ‘Nascentes cérsicas permanentes no bordo do Macico Calcério Estremenho: inventariagéio; classificacdo e avaliagéo.. ‘Avaliaeao do rsco de instabilidade em arvibas rochosas: uma proposta metodolégica. Petrogénese dos basaltos do Monte Submarino Pico Pia (Elevarto Madeira-Tore) do para o conhecimento da Plataforma Continental 53 Mineralogical and Carbon isotope characterization of a pre-CAMP sedimentary sequence: evidence for an earlier eruptive CAMP-related event 57 Aspetos petrogréfices do topo da Formago de Coimbra na regio de S. Pedro de Moel (Portugal). 3 61 Coracterizacdo petroaréfica de rochas gnalsso-migmatiticas da Madalena (Vila Nova de Gaia)... 65, 1 i IVcuiG, LEG 2014 Geoparque Arouca: seis anos ao servi¢o da promogao do patrimdnio geologico e do desenvolvimento sustentéve . Portal GeoVariscoPT — progressos na platoforma oniine do estudo do Varisco Portugués. . Aplicagdo de Sistemas de Informagdo Geogrdfica @ Geo Arqueologta: um caso de estudo, Dentes de seldceos do Miocénico do praia de Carcavelos (Cascats, Portugal) iip'co-22s paleoambientais. A preliminary evaluation of Diplodocidae record from the Upper Jurassic of Basin (W, Portugal) Novas evidéncies de dinossdurios terdpodes do Jurdssico Superior da Bacio Lusiténica. Nota preliminar sobre os equinodermes da Formacao Cabeco do Ped (Or Superior) da regido de Mado (Portugal) Trilobites da Formacao Ribeira da Laje do Berouniano de Macao (Ordov Portugal). Comunicagées em Painel.. 101 Geopercurso numa indistria de extragdo e transformagdo da ped. 103 Ensino de modelos de estrutura interna da Terra com recurso a factos da histéria da Ciénca(contribits de Inge Lehmann) fiedo (me “Ice Age for Continental Drift") - 107 Geohistéria no Porque da Paz trilnando o temo geolégico.. 111 Desempenho e durabliiade de cerémicos de construpdo fabricados com misturas de argila comum e residuos de centrais termoelétricas. sone AS Ostracodos e microfécies de depésites margo-carbonatados do Cenomaniano de Lousa- wl19 Salemas, regido de Lisboo.... ZN Wag, 1&6 2014 IV Congresso Jovens. oie de Erremor da Utvera, 1-12 outubro 2014 Investigadoree em Geocléncias, LEG 2016 Uwe de Actas Método para o estudo da permeabilidade ao ar na superficie de pedras carbonatadas ‘A method to study the air permeability of carbonate stones . Sena da Fonseca", A.S. Castela ™, K.G. Duarte", R. Neves’, MF, Montemor* ICEMS-0F0, Instituto Superior Téenico, ULsboa, 1049-001 Lisbos, ortugl STBarrero, Instituto Politéenic de Setial, 2839-001 Barri, Portugal ‘senadaforseca @zmilcom Resumo: Este trabalho analisa a viabilidade da determinac3o do coeficiente de permesbilidade a0 ar em pedras carbonatadas através de utilizacSo de um ensaio no destrutivo com possibilidade de realizac3o in situ. Este método tem sido amplamente utilizado na caracterizagao de outros materials de construcéo, nomeadamente, no betdo. Para testar a sua exequibilidade em pedras, quinze pedras, carbonatadas com porosidades entre 0,2 17,256 foram submetidas av ensaio, Os coeficientes de permeabilidade a0 ar provenientes de medicdes em pedras com porosidade aberta superior a 2% revelaram-se estatisticamente precisos e confidveis. Poder ser um método alternative ou complementar aos convencionais, uma vez que foram encontradas relagées préximas entre este coeficiente e outras propriedades fisicas. Palavras-chave: Pedras carbonatadas, permeabilidade ao ar, ensaio no destrutivo, porosidade. Abstract: This work analyzes the viability on assessing the air permeability coefficient of stones by using a non-destructive and in-situ test. This method has been widely used in the characterization of other construction materials, namely, in concrete. To test its feasibility in stones, fifteen carbonated stones with different open porosities between 0.2 and 17.2% were subjected to this test. The coefficient of air permeability measurements in stones with open porosity above 2% revealed to be accurate and reliable. Since close relations between this coefficient and other physical properties were found, it could be an alternative or complementary method to the traditional ones, Key words: Dimension stone, air-permeability, non-destructive test, porosity. InTRODUGKO ‘As pedras tém sido amplamente utilizadas como materiais de construgéo, nomeadamente em fachadas ou pavimentos de etificios modernos, mas também tém um papel essencial patriménio edificade, monumentos @ escuituras. Quando em servigo, est¥o expostas 8 ado de agentes de degradago quimicos e/ou fisicos sendo a gua o mais importante factor abistico na sua degradagéo. Assim, a sua durabilidade esté muito dependente das caractristias porosas Existem varias normas para 2 determinacdo destas caracteristicas e so freauentemente utilizadas como indicadores da alterabilidade (Rodrigues-Navarro & Doehne, 1999) ‘A permeabilidade dos materiais € definida peles propriedades que caracterizam 2 penetracio de ‘gua e gases e depende principalmente das ceracteristicas do meio poroso. Varios métodos equipamentos tém sido utiizados na medigio in-situ da permeabilidade ao ar do beto, por ex. 33 IVculG, LEG 2014 Torrent Permeability Test. No entanto, em 30 & pouco comum e a literatura sobre sua aplicacdo é reduzida presente trabalho visa estudar a viabilidade e 2 precisao deste ensaio em pedras carbonatadas. A fim de avallar as relagBes, os resultados obtidos furain comparados cum oulras propriedades ffsicas, Estas caracteristicas s80 comumente utlizadas como indicadores de durabilidade e portanto o Coeficiente de permeabilidade ao ar também poder fornecer informagées Uteis associadas & suscetibilidade de degradagio. MATERIAIS E METODOS Selecinnaram-se quiinze variedades de perdras carhanatadas cam o intuito de obter distintos meias iciais dos nomes comerciais foram adotados. porosos. Por questées préticas a © equipamento utilzado na determinac3o do coeficiente de permeabilidade a0 ar (kT) tem a denominagao de PermeaTORR, (OKT fol determinado em placas de 150x150x20mm’; utlizaram-se dois provetes de cada variedade e foram executadas quatro medigSes om superficies polidas e quatro em superficies com o acabamento amaciado/serrade Avaliou-se a preciso do método de teste, repetibilidade e veriac#o de amostras dentro da mesma + itologia. Para este efeito foi utilizado 0 teste de Wilcoxon que é um teste ndo-paramétrico de hipéteses para amostras emparelhadas (Hollander & Wolfe, 1999). Para verifcar se os resultados de KT sGo normalmente distribuidos, uilizou-se teste de hipétese Shapiro-Wilk (Shapiro & Wilk, 1965). Os valores da porosidade aberta (P,) e absorcio de agua & pressdo atmosférica (As) foram determinados de acordo com a norma EN 1936 © EN 13755 em trés amostras de cada litologia (50x50x20mm). A absorgéo de agua por capilaridade (AC) fol realizada de acordo com a norma EN. 115801 em trés amostras de cada variedade (50x50x20mm), A anélise de correlagio entre os valores do KT e os outros parémetros foi realizada utilizando 0 software XLSTAT 2013. 0 teste de correlagéo proposto por Urdan (2005) foi efetuado pare avaliar se 05 coeficientes de correlacdo sdo estatisticamente significativos. RESULTADOS E DISCUSSAO A figura 1 exibe 05 valores da P, Ay @ AC. Foram obtidesdiflerencas signfiatvas entre porosidades nas quinze variedades, de 0,24% a 17,19%, No que dit respeito & sequéncia de valores de absorgo de gua obtide, esta & semelhante a registada nos valores de porosidade aberta, Os valores de AC das ltologas revelaram uma ampla gama de valores, entre 0,18 e 81,62 g/m?.s'™ o que realga as diferentes caracterstcas do sistema poroso © consequentemente as suas propriedades de ‘transporte. 4 2V Congresso Jovens ie de Esremos da UEvora, 1-12 outubro 2014 Investigadores om Geocldncias, LEG 2014 Livro de Actas ‘As medigBes de KT revelaram, nas pedras L, EC, AV € AA, valores inferiores a 0.001x10™ m?, que esté abaixo do valor imo de leltura do equipamento, Assim, este método néo é aplicdvel em pedra com valores de A, igual ou inferior a 0,8% e porosidades abertas de 2,2% (AV). Nas restantes (ver figura 2 e 3), foi obtida uma gama de valores entre 0,003x10" m? (GBI) e 7.3x10"" im? (RA), o que realga as diferencas entre as caracteristicas dos sistemas porosos em estudo. Para pares de medigoes na mesma amostra e na mesma posigdo as diferencas entre os valores das duas medidas parecem 1 irelevantes. O teste de Wilcoxon indicou uma diferenga oa nuula entre primeiro e segundo yy conjuntos de medigées (valor =0,432}. Assim, em pedras cam valores de permeabilidade na gama testada, 0 ensaio de 0 SLES EF VS GL SS ES Permeabilidade a0 ar permite CPE SNL SE EL SS medigoes precisase repetives Figura 1—Valores de Py, A, @ AC. Comparando as medigées em superficies com diferentes tipos de acabamento (polido e amaciado/serrado), foi também possivel observar que as diferencas entre medigdes em ambas as superficies séo irelevantes. O teste de Wilcoxon, aplicado 20s conjuntos de medidas, indicou uma diferenca nula entre o kT na superficie polida e amaciada (valor-p=0,302). A relacao entre os resultados das mecigtes efetuadas na mesma variedade, mas em diferentes amostrag revela uma maior dispersdo, exibindo alguma heterogeneidade tipica de materiais naturals. No entanto, 0 teste de Wilcoxon aplicado ao conjunto de medigdes indicou uma diferenga nula entre KT em ambas as amostras da mesma pedra (valor-p=0,383). A hipétese de que os resultados kT Seguem uma distribuigde normal fol testada pelo teste de Shapiro-Wilk com um nivel de significdncia de 5%, Uma vex que néo havia diferengas entre medigdes KT, 2 permeabilidade de cada pedra é Tepresentada por um conjunto de 8 valores. A hipétese testada fol rejeitada em sete dos onze conjuntos. Neves et a. (2012) encontraram resultados semelhantes quando se aplica 0 método em amostras de betéo ¢ em tais casos é proposto o uso de mediana como uma medida da localizago de amostras em resuitados de kT. Arelagho entre a permeabilidade © porosidade pode ser descrita em termos mateméticos, por ulna curva exponencial (Lima, 2000). A figura 2 mostra esta correlagdo experimental, que revela uma relacgo ngo-linear estruturada entre os dois parémetros. A curva exponencial foi graficamente alustada aos dados experimentais apresentando uma boa carrelacaa (r=0,98; t(9}= 25,7; p<0,08). Fot encontrada relaco semelhante entre KT e absorcao de gua (figura 2). 35 IVCIG, LEG 2014 A figura 3 mostra a relagdo entre os valo’ '2ca a interligago entre estes dois pardmetros (r=0,99; t(9)=22,2; p<0,05) sendo evolucao linear. © coeficiente de absorcio capilar tem a contribuigo de outras caracteristicas do sistema poroso, complexidade, geometria e sua trajetéria (Nikitsin & Backiel-Erzozowska, 2013). Conhecendo o valor de kT é possivel calcular com uma boa preciso do AC de pedras carbonatadas. so 809 ¢ 4} =rjuste ’ oo aa /kT (Po / kT ws an oo 300) 00 900 Cock. capitaridade Porosidade abertae Nbsors30 Figura 2—Relagio entre valores de KT e porosidade Figura 3~ Relagdo entre valores de KT ecoeficiente ‘aberta e absorsao de égua. de suegdo capllar. conctus6es As pedras carbonatadas em estudo revelam uma ample variedade de caracteristicas fisicas, 0 que permite a sua selegao de acordo com as caracteristicas do ambiente circundante, © equipamento para determinacso KI provou ser adequado, realizando medicoes precisas € repetiveis em pedras com porosidade aberta superior a 2%. Uma vez que revelou ser ume técnica muito sensivel para medir as variages na estrutura porosa de pedras, este ensaio simples € répido pode constituir um método complementar ou alternative aos convencionais. Além disso, ¢ um método nao destrutivo, que pode ser utilizado tanto em condigdes laboratoriais como in-situ. ‘Agradecimentos (0s autores agradecem ao Dr. Pedro Cabral da DIMPOMAR, LDA. e 20 Eng. Thomas Kleba da MAGRATEX, LDA, que generosamente forneceram as pedras utilizadas neste trabalho, Bibliografia - Hollander, M., Wolfe, D., 2999. Nonparametric statistical methods. John Wiley & Sons, New York. Lima, O.A.L, Niwas, S., 2000. Estimation of hydraulic parameters of shaly sandstone aquifers from geoelectrical measurements. Journal of Hydrology 235. 12-26. Neves, R., Branco, F, de Brito, J, 2012. About the statistical interpretation of air permeability assessment results, Materials and Structures 45 (4). 29-539. Nikitsin, Vi, Backiel-Brrorowska, B, 2013. Determination of capillary tortuosity coefficient In calculations of moisture transfer in building materials. nt. Journal. of Heat and Mass Transfer 56, 30-34, Rodrigues-Navarro, C., Doehne, E, 1999, Salt Weathering: Influence of Evaporation Rate, Supersaturation and crystallization Pattern. Earth Surface Processes and Landforms 24. 191-203, Shapiro, S,, Wilk, M., 1965. An analysis of variance test for normality (complete samples). Biometrika 52, (344) 591-61 Urdan, T, 2005 Statistics in Plain English - Second Edition. Lawrence Erlabaum Associates, Publishers. Mahwah, New Jersey. 184p, 36