Você está na página 1de 2

Da parcela quebra de caixa

A reclamante requer o recebimento da parcela quebra de caixa por entender que mesmo
no exercendo a atividade de caixa bancrio, tal direito lhe devido por se encontrar em
isonomia a que exerce tal atividade.

Ocorre que a da smula 294 do TST pronuncia que no deve ser pago a parcela quebra
de caixa, por se ser tal parcela criada por norma interna da reclamada e no esta no
assegurada em lei, constituindo assim, alterao contratual.

Do exposto, requer que o referido pedido seja julgado improcedente.

Das frias

A reclamante pleiteia o pagamento de frias referente ao perodo de 2009 e 2010, tendo


ajuizado reclamao, pelo rito ordinrio contra a reclamada em 13/09/2014.

Visto que o artigo 7. , inciso XXIX da Constituio Federal de 1998 somente assegura
direitos de ao trabalhistas aos crditos oriundos da relao de trabalho, at o limite de
dois anos aps a extino do contrato de trabalho.

Desde modo, por se ter decorrido mais de dois anos entre a data de extino do contrato
de trabalho e a data de ajuizamento da ao, requer que o referido seja julgado
improcedente.

Dos honorrios advocatcios


A reclamante requer o pagamento de honorrios advocatcios de sucumbncias.

Ocorre que a Lei 5.584/70 informa que em aes pleiteada na Justia do Trabalho
somente admitem os honorrios advocatcios na hiptese assistenciais e no
sucumbenciais.

Do exposto, requer que o pedido seja julgado improcedente.

Da equiparao salarial
A reclamante pleiteia pagamento da diferena da equiparao salarial por considerar que
exerceu funo idntica de Gerente Geral de Agncia do Sr Osmar Maleta, ou seja, que
estava dentro do mesmo paradigma.

Ocorre que segundo o artigo 461, paragrafo 4. da CLT , informado que o trabalhador
readaptado uma nova funo por rgo competente da Previdncia Social no servir
de paradigma para fins de equiparao salarial.

Do exposto, requer que o pedido seja julgado improcedente.