AGRUPAMENTO DE ESCOLAS EMÍDIO NAVARRO

NORMAS E PROCEDIMENTOS
DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES

2014 -2018

Preâmbulo

O Manifesto da IFLA/UNESCO para as Bibliotecas Escolares e o Programa da
Rede de Bibliotecas Escolares definem princípios orientadores da missão e
finalidades das bibliotecas escolares centradas no desenvolvimento de
competências para a aprendizagem ao longo da vida, que permitam aos alunos
tornarem-se cidadãos responsáveis. Definem também diretrizes específicas
nas quais o presente documento se baseia, procurando que as Bibliotecas do
Agrupamento satisfaçam, no contexto atual da sociedade de informação e do
conhecimento, um importante pólo de interesse na vida social, cultural e
educativa do meio escolar.
No agrupamento existem cinco Bibliotecas Escolares integradas na Rede de
Bibliotecas Escolares.
As Bibliotecas da Escola Secundária Emídio Navarro e da Escola Básica D.
António da Costa datam, praticamente, da criação das respetivas Escolas e
desde 1998 e 2001, respetivamente, integram a Rede de Bibliotecas Escolares.
Há a realçar que a Biblioteca da Escola Secundária Emídio Navarro, apesar de
hoje se encontrar num outro local com outras características, conta também
com o primeiro espaço, ainda preservado, mantendo os armários de madeira
que guardam o acervo mais antigo da instituição. A partir de 2001 foram
instaladas as bibliotecas escolares do 1º ciclo, estas já implantadas no âmbito
da Rede de Bibliotecas Escolares. Assim, em 2001, foi criada a Biblioteca na
Escola Básica da Cova da Piedade, em 2008 na Escola Básica de Almada e
em 2012 na Escola Básica nº 3 da Cova da Piedade. No quadro do atual
agrupamento pretende-se implantar uma nova biblioteca, na Escola Básica dos
Cataventos da Paz, aguardando-se a sua entrada na Rede de Bibliotecas
Escolares. Esta escola e a Escola Básica n.º 3 de Almada continuará a
beneficiar do serviço de biblioteca escolar em regime de itinerância, pelo que
serão implementadas algumas das actividades decorrentes do Plano Anual de
Actividades das bibliotecas do agrupamento.
Os objectivos das bibliotecas escolares do agrupamento têm em conta o
Projeto Educativo do Agrupamento e os domínios de intervenção definidos pelo
programa da Rede de Bibliotecas Escolares: apoio ao desenvolvimento
curricular, leitura e literacia, projectos e parcerias e gestão da biblioteca
escolar.
O presente documento elaborado com um horizonte temporal de quatro anos
letivos, constituir-se-á como elemento orientador e unificador da actividade das
Bibliotecas Escolares do Agrupamento, podendo sofrer reformulações anuais.

PARTE 1
Regulamento Interno das bibliotecas escolares

CAPÍTULO I
Âmbito
Art.1º
Definição
A biblioteca escolar (BE) é um recurso essencial do processo educativo que
presta um serviço à Comunidade Educativa. Pretende ser um espaço de
interação vocacionado para atividades específicas desenvolvidas no âmbito
das várias disciplinas, para projectos de natureza interdisciplinar ou
transdisciplinar e ainda para ocupação dos tempos livres e trabalho autónomo.
É um espaço disponível a toda a comunidade educativa e vocacionada para
objectivos informativos, culturais e lúdicos. É constituída por um conjunto de
equipamentos adequados e de suporte de informação (escritos, audiovisuais e
informáticos) organizados de modo a facilitar a sua plena utilização pela
comunidade escolar.

Art. 2º
Objectivos
a) Apoiar e promover os objectivos educativos;
b) Dar apoio ao desenvolvimento curricular e à aprendizagem.
c) Criar e manter o hábito e o prazer da leitura, da aprendizagem e da
utilização das bibliotecas;
d) Proporcionar oportunidades de utilização e produção de informação que
possibilitem

a

aquisição

de

conhecimentos,

a

compreensão,

o

desenvolvimento da imaginação e o lazer;
e) Apoiar os alunos na aprendizagem e na prática de competências de
pesquisa, avaliação e utilização da informação;
f) Providenciar acesso aos recursos (locais, regionais, nacionais e globais) e
às oportunidades que confrontem os alunos com ideias, experiências o
opiniões diversificadas;

3

g) Organizar actividades que favoreçam a consciência e a sensibilização para
as questões de ordem científica, ecológica, cultural e social;
h) Evidenciar que a liberdade intelectual e o acesso à informação são
essenciais à construção de uma cidadania efectiva e responsável e à
participação na democracia;
i) Promover a leitura, os recursos e serviços da biblioteca junto da
comunidade escolar e fora dela;
j) Trabalhar com a comunidade educativa de modo a cumprir a missão da
escola.

CAPÍTULO II
Organização Funcional das Bibliotecas Escolares

Art.3º
Áreas Funcionais
As bibliotecas do Agrupamento estão organizadas por zonas restritas ao
funcionamento interno e zonas gerais acessíveis aos utilizadores que
habitualmente se organizam nas seguintes áreas funcionais, em função do
espaço e especificidade de cada escola/biblioteca:
A. Zona de recepção/tratamento técnico documental
B. Zona de novidades/informações
C. Zona de leitura informal
D. Zona de leitura e de consulta de documentos impressos
E. Zona multimédia
F. Zona de informática
G. Zona de produção gráfica
H. Outras zonas restritas

Art. 4º
Recursos materiais
1. Nas bibliotecas existe mobiliário, equipamentos específicos e fundo
documental, devidamente inventariados.
2. A documentação está organizada conforme o suporte de informação.

4

3. Toda a documentação está arrumada por assuntos, segundo a Classificação
Decimal Universal (CDU) e identificada pelo código de cores.

Art. 5º
Horário das Bibliotecas Escolares
1. O horário das bibliotecas escolares é definido todos os anos, no início do
ano lectivo de acordo com o horário/regime de funcionamento de cada escola e
os recursos humanos existentes, privilegiando a maior amplitude de
disponibilização deste serviço.
2. Sempre que ocorra alguma alteração será dado conhecimento aos
utilizadores através de informação afixada à entrada da biblioteca.
CAPÍTULO III
Recursos Humanos e Funcionamento

Art. 6º
Gestão dos recursos humanos
A designação, competências, gestão e organização dos recursos humanos das
bibliotecas escolares - professores bibliotecários, assistentes operacionais,
professores colaboradores e voluntários - encontram-se definidas nos
seguintes artigos do Regulamento Interno do Agrupamento:
Art.º 71 Organização, gestão e dinamização
1. O agrupamento integra as bibliotecas da ESEN, da EDAC, da EB de
Almada, da EB Cova da Piedade e da EB N.º 3 Cova da Piedade.
2. As bibliotecas funcionam em espaços próprios, organizados para o efeito.
3. A organização, gestão e dinamização das bibliotecas é da responsabilidade
de uma equipa de professores bibliotecários. Em cada biblioteca ou conjunto
de bibliotecas o professor bibliotecário responsável poderá ser coadjuvado por
uma equipa constituída por assistentes operacionais, professores e
colaboradores em regime de voluntariado, desde que devidamente autorizados.
Os professores que integram a equipa da biblioteca são designados pelo
diretor, de entre os que disponham de competências nos domínios pedagógico,
de gestão de projetos, de gestão da informação, das ciências documentais e
das tecnologias de informação e comunicação.
4. Na constituição da equipa responsável pela BE deverá ser ponderada a
titularidade de formação que abranja as diferentes áreas do conhecimento, de
modo a permitir uma efetiva complementaridadede saberes.
Art.º 72 Competências do professor bibliotecário
1. Ao professor bibliotecário compete:

5

a. Assegurar o serviço de biblioteca para todos os alunos do agrupamento;
b. Promover a articulação das atividades da biblioteca com os objetivos do
projeto educativo e do projeto curricular de agrupamento;
c. Assegurar a gestão dos recursos humanos afetos às bibliotecas;
d. Garantir a organização do espaço e assegurar a gestão funcional e
pedagógica dos recursos materiaisafetos à biblioteca;
e. Definir e operacionalizar uma políticade gestão dos recursos de informação,
promovendo a sua integração nas práticas de professores e alunos;
f. Apoiar as atividades curriculares e favorecer o desenvolvimento dos hábitos e
competências de leitura, de literacia, de informação e de competências digitais,
trabalhando colaborativamente com todas as estruturas do agrupamento;
g. Apoiar atividades livres, extracurriculares e de enriquecimento curricular
incluídas no plano de atividades ou no PEA;
h. Estabelecer redes de trabalho cooperativo, desenvolvendo projetos de
parceria com entidades locais;
i. Implementar processos de avaliação dos serviços e elaborar um relatório
anual de autoavaliação, a remeter ao Gabinete Coordenador da Rede de
Bibliotecas Escolares (GCRBE).
2. O professor bibliotecário pode ser exonerado no final do ano letivo por
despacho fundamentado do diretor.
3. O mandato do professor bibliotecário pode cessar a requerimento do
interessado, dirigido ao diretor, fundamentado em motivos devidamente
justificados.
Art.º 73 Competências da equipa da biblioteca
À equipa da biblioteca compete coadjuvar o professor bibliotecário nas suas
funções.
Art.º 74 Coordenador da equipa das bibliotecas
1. O coordenador da equipa das bibliotecas é designado pelo diretor, de entre
os professores bibliotecários.
2. Compete ao coordenador:
a. Promovera articulação entre as atividades das bibliotecas do agrupamento;
b. Coordenar a gestão funcional e pedagógica dos recursos e materiais
existentes nas bibliotecas;
c. Representar as bibliotecas no conselho pedagógico;
d. Coordenar a implementação de processos de avaliação;
3. O coordenador das BE pode ser exonerado a todo o momento por despacho
fundamentado do director.

Art. 7º
Reuniões
A equipa de professoras bibliotecárias reúne sempre que existam assuntos que
o justifiquem, por convocatória da professora bibliotecária coordenadora ou a
pedido de qualquer dos elementos da equipa.

6

CAPÍTULO IV
Utilização das Bibliotecas Escolares

Art. 8º
Serviços
De acordo com o ponto 4, do artº 70 do Regulamento Interno do Agrupamento
os serviços oferecidos pelas bibliotecas escolares são os seguintes:
a. Consulta, leitura e visionamento de documentos e outros recursos
educativos em regime de acesso livre e/ou em regime de requisição, de acordo
com a natureza do documento/recurso;
b. Empréstimo domiciliário e interbibliotecas;
c. Acesso a equipamentos informáticos e Internet;
d. Informação on-line, catálogo digital e blogue.

Art. 9º
Utilizadores da Bibliotecas
De acordo com o artº 206 do Regulamento Interno do Agrupamento, os
Utilizadores das Bibliotecas são os seguintes:
a. Alunos, professores e funcionários da escola;
b. Membros da associação de pais e encarregados de educação dos alunos de
cada escola, previamente autorizados pelo professor bibliotecário, pela
coordenação da escola ou pelo diretor;
c. Alunos e professores de outras escolas do agrupamento, desde que
previamente autorizados pelo professor bibliotecário, pela coordenação da
escola ou pelo diretor;
d. Membros da comunidade educativa, desde que previamente autorizados
pelo professor bibliotecário, pela coordenação da escola ou pelo diretor.

Art. 10º
Direitos dos Utilizadores
De acordo com o artº 207 do Regulamento Interno do Agrupamento, os Direitos
dos Utilizadores das Bibliotecas são os seguintes:
a. Usufruir dos recursos e serviços prestados pelas bibliotecas;
b. Pesquisar nos catálogos a informação pretendida e aceder a outras fontes
de informação;
c. Retirar das estantes as obras em acesso livre;
d. Solicitar qualquer documento que pretenda visionar ou ouvir;
e. Requisitar obras para consulta domiciliária;
f. Participar nas atividades promovidas pela biblioteca;

7

g. Solicitar o apoio dos funcionários/professores, sempre que necessário;
h. Propor a aquisição de nova documentação, apresentar sugestões de
atividades ou reclamações.

Art. 11º
Deveres dos Utilizadores
De acordo com o artº 208 do Regulamento Interno do Agrupamento, os
Deveres dos Utilizadores das Bibliotecas são os seguintes:
a. Cumprir as normas estabelecidas no regulamento da biblioteca;
b. Manter em bom estado de conservação as espécies documentais que lhe
são cedidas;
c. Manter em bom estado o equipamento da biblioteca;
d. Manter uma conduta adequada à função do espaço (não comer, correr,
gritar…);
e. Entregar no balcão de atendimento a documentação depois de utilizada;
f. Cumprir os prazos para devolução dos documentos requisitados para leitura
domiciliária;
g. Indemnizar a biblioteca pelos danos ou perdas que forem da sua
responsabilidade de acordo com o previsto no presente regulamento e nas
normas específicas das bibliotecas do agrupamento.

Art. 12º

8

Empréstimos
1. Todas as bibliotecas do agrupamento funcionam em regime de acesso
livre sendo que o empréstimo domiciliário é efectuado através de
requisição.
2. O

leitor ou o

seu

encarregado de educação

assume

inteira

responsabilidade pela conservação dos documentos que a biblioteca lhe
emprestar.
3. Em caso de perca ou dano do documento, o leitor reporá um exemplar
igual e novo, no prazo de 30 dias ou o seu valor comercial para que a
Biblioteca proceda à sua aquisição.
4. Se o leitor não proceder à devolução do(s) documento(s) requisitado(s)
no prazo estabelecido, será avisado para o fazer com a máxima
brevidade.
5. Para todos os utilizadores da biblioteca o não cumprimento dos prazos
implicará a suspensão do empréstimo.

6. A BE reserva-se o direito de recusar novo empréstimo a utilizadores
responsáveis pela perda, dano ou posse prolongada e abusiva de obras.
7. A biblioteca pode partilhar recursos com outras Bibliotecas Escolares.
Art. 13º
Empréstimos Domiciliários
1. Nas escolas do 1º ciclo:
a. As maletas pedagógicas não estão disponíveis para consulta
domiciliária a alunos;
b. Cada aluno poderá requisitar uma só obra de cada vez e, por um
período máximo de 7 dias úteis, renovável;
c. Para efectuar requisições domiciliárias os alunos devem dirigir-se
à biblioteca em grupos previamente estabelecidos com o
professor da turma;
d. Nos últimos 10 dias úteis anteriores a cada interrupção lectiva só
se procedem a entregas de obras, não havendo requisições,
salvo excepções devidamente fundamentadas e autorizadas pelo
responsável da biblioteca.
2. Na ES Emídio Navarro e na EB D. António da Costa:
a. Poderão ser requisitados para leitura domiciliária todos os fundos
da biblioteca à excepção de obras de referência e periódicos;
b. A requisição de documentação para leitura domiciliária permite ao
leitor requisitar um ou dois documentos por um período máximo
de 10 dias úteis, renovável caso as obras não tenham, entretanto,
sido solicitadas por outro leitor.
Art. 14º
Outros Empréstimos
1. Outros empréstimos poderão ser considerados de acordo com a
justificação apresentada e ao critério dos responsáveis pelas bibliotecas.
2. Poderá ser requisitada e emprestada documentação para sala de aula,
clubes, outros sectores da escola e outras escolas.
3. No caso da documentação emprestada para a sala de aula será
devolvida no final da (s) aula(s).

9

4. Os documentos serão requisitados por um período a estabelecer com o
utilizador, de acordo com o tipo de documento e de utilização, renovável
caso as obras não tenham, entretanto, sido solicitadas por outro leitor.
Art. 15º
Regras de Utilização da Biblioteca Escolar
Para além das regras estabelecidas no regulamento interno do agrupamento
nas bibliotecas deve ser preservado um ambiente adequado de trabalho e
leitura, respeitando sempre os outros utilizadores, estando interdito o consumo
de alimentos e/ou bebidas, o uso de telemóveis e outros equipamentos
electrónicos, circular e movimentar-se de forma desadequada, assim como
permanecer no espaço sem um objectivo que se coadune à sua função.
O aluno cujo comportamento for considerado perturbador para o trabalho dos
leitores/utilizadores da biblioteca terá de sair da sala, de acordo com as
indicações da funcionária ou do professor responsável.
1. A utilização da biblioteca contempla ainda as seguintes situações:
a. Informar-se sobre o funcionamento dos vários serviços antes de os
10

utilizar.
b. Seguir

as

indicações

dos

funcionários

e/ou

professores

responsáveis.
c. Obrigatoriedade de registo, em documento próprio, com indicação do
nome e da tipologia de trabalho a realizar nas diferentes zonas da
biblioteca (registo da frequência diária);
d. A biblioteca poderá ser utilizada pelos docentes com a sua turma
mediante uma marcação prévia, tendo o dever de deixar o espaço e
material arrumado;
e. As zonas da biblioteca de uso geral podem ser pontualmente
polivalentes

com actividades de

curta

duração,

desde

que

previamente marcadas e acordadas com a professora bibliotecária;
f. Todo o empréstimo de equipamento e material não livro será feito
mediante requisição prévia, sendo o utilizador responsável por
qualquer dano nos aparelhos requisitados. Qualquer material
danificado por falta de cuidado ou mau uso, obrigará o(s)

requisitante(s) à reposição de material idêntico novo ou ao
pagamento de montante correspondente ao dano provocado.
g. Qualquer infracção pode ser punida com privação de uso.
2. Na zona de informática:
a. Cada computador deve ser utilizado individualmente ou em grupo de
dois alunos;
b. A realização de trabalhos tem prioridade sobre qualquer outro tipo de
utilização.
c. Qualquer anomalia verificada durante a utilização dos equipamentos
deve ser registada numa folha de ocorrências pelo responsável;
d. Não é permitido instalar aplicações e alterar as configurações de
equipamentos;
e. A utilização da Internet destina-se à pesquisa e realização de
trabalhos educativos.
f. Os utilizadores devem proceder à eliminação dos ficheiros criados,
após garantirem a salvaguarda dos mesmos, em cópia para si.
g. A utilização dos computadores pessoais deverá fazer-se nas mesas
de trabalho.
3. É possível a impressão, fotocópia e digitalização de documentos.:
a. Pode ser realizada por professores, de acordo com as regras
estabelecidas no agrupamento e alunos, para trabalhos decorrentes
da actividade escolar;
b. Nas bibliotecas do 1º ciclo a impressora da zona de receção destinase ao uso exclusivo do professor bibliotecário.
c. De acordo com a lei não são possíveis fotocópias integrais de
documentos. No entanto, será possível efetuar fotocópias de
algumas páginas ou partes de livros.
4. Na ES Emídio Navarro:
a. O arquivo e gabinete de trabalho são consideradas zonas restritas só
podendo ser acedidas por elementos exteriores desde que
acompanhados por um membro da equipa;
b. O Clube de Xadrez (Desporto Escolar) desenvolve a sua actividade
com horário marcado na Zona de leitura e de consulta de
documentos impressos. O uso do tabuleiro pode ser requisitado fora

11

do horário, desde que sejam cumpridas as regras de jogo estipuladas
pelo clube de Xadrez;
c. A Sala UNESCO, ao estar integrada na biblioteca escolar, é uma
sala de trabalho aberta à comunidade educativa mediante reserva
prévia, privilegiando as seguintes áreas:
i. Projectos e actividades de âmbito disciplinar (turmas) ou de
complemento curricular;
ii. Ações promovidas pela biblioteca escolar e pelo Centro
UNESCO;
iii. Sessões organizadas pela e para a comunidade educativa,
nomeadamente do Centro de Formação e da Associação de
Pais e Encarregados de Educação.
A utilização da sala para a realização de reuniões só poderá ser
efectuada pelos seguintes órgãos/estruturas: Direção, Conselho
Geral, Conselho Pedagógico, Centro UNESCO e Bibliotecas
Escolares.
5. Na EB D. António da Costa

12

a. As áreas de trabalho e equipamentos das zonas de atendimento e de
trabalho técnico da equipa da biblioteca são consideradas zonas
restritas só podendo ser acedidas pelos seus elementos.
b. Obrigatoriedade de deixar em cacifos próprios ou bengaleiros os
casacos ou outros agasalhos, bem como pastas, mochilas ou sacos.
c. Consulta de material audiovisual: cada televisor poderá ser utilizado
individualmente ou em pequenos grupos, mediante a utilização de
auscultadores ou mantendo o som muito baixo.
6. Nas escolas do 1º ciclo:
a. Não é autorizada a permanência de alunos na biblioteca sem a
presença de um adulto.
b. É disponibilizado, anualmente pelo professor bibliotecário, um horário
de

utilização

da

BE

que

contempla

actividades

de

animação/dinamização e apoio a projectos com intervenção directa
do mesmo professor.

CAPÍTULO V
DISPOSIÇÕES FINAIS
Artigo 16º

1. O presente regimento deve ser considerado como um documento aberto,
sujeito a alterações, sempre que elas digam respeito a uma adequação
legal ou à necessidade de clarificar situações e contextos.
2. O presente regimento entra em vigor após a sua aprovação pelos órgãos
competentes para o efeito.
Tem a duração de quatro anos, sendo nessa altura revisto e reformulado
em conformidade com os interesses e as necessidades das bibliotecas
escolares, dos seus utilizadores e das escolas do agrupamento.
3. Neste caso, entrará em vigor após revisão e aprovação pelos órgãos
competentes.
4.

Qualquer situação omissa nestas normas será resolvida pelo professor
bibliotecário de cada escola, pelo coordenador de estabelecimento ou pelo
diretor do agrupamento.

13