Você está na página 1de 4

Causas da crise económica de 1929.

-Superprodução agrícola: formou-se um excedente de produção agrícola nos EUA, principalmente de
trigo, que não encontrava comprador, interna ou externamente.

- Diminuição do consumo: a indústria americana cresceu muito; porém, o poder aquisitivo da
população não acompanhava esse crescimento. Aumentava o número de indústrias e diminuía o de
compradores. Em pouco tempo, várias delas faliram.

- Livre Mercado: cada empresário fazia o que queria e ninguém se metia.

- Quebra da Bolsa de Nova York: de 1920 a 1929, os americanos compraram ações de diversas
empresas. De repente o valor das ações começou a cair. Os investidores quiseram vender as ações, mas
ninguém queria comprar. Esse quadro desastroso culminou na famosa “Quinta-Feira Negra” (24/10/1929
- dia que a Bolsa sofreu a maior baixa da história).

Localizar no tempo o crash da bolsa de Nova York e avaliar as suas consequências.

(24/10/1929) Quinta-Feira “Negra”

Consequências:

A quebra da bolsa trouxe medo, desemprego e falência. Milionários descobriram, de uma hora para
outra, que não tinham mais nada e por causa disso alguns se suicidaram. O número de mendigos
aumentou.

Se o valor das acções de uma empresa está a cair, o empresário tem medo de investir capital nessa
empresa. Se ele investe menos, produzirá menos; produz menos, então, não há motivo para tantos
empregados, o que levará o empresário a despedir o pessoal.

Muitos empresários não sobreviveram à crise e foram à falência, assim como vários bancos que
emprestaram dinheiro não receberam de volta o empréstimo e faliram também.

Explicar a propagação mundial da crise económica e as suas consequências.
A rápida propagação da crise à Europa deveu-se, sobretudo à retirada de capitais, uma vez que desde a
I Guerra, os bancos americanos faziam importantes investimentos na Europa e, além disso concediam
importantes empréstimos. Com a eclosão da crise, os americanos procuram fazer regressar os seus
capitais provocando uma grande perturbação na Europa. Muitos bancos, sobretudo na Áustria, Alemanha
e na Inglaterra, faliram ou conheceram sérias dificuldades, o mesmo aconteceu com as empresas que
necessitavam de empréstimos bancários para sobreviverem.
Praticamente todos os países, da América do Norte, à Europa e ao Japão, da África à América Latina,
acabaram por ser afetados de uma forma ou de outra pela crise. O desemprego atingiu em todo o
mundo limites quase incalculáveis.

atingiu-as a todas de forma muito violenta. Crash – Queda profunda e inesperada do valor das acções. no artesanato e na indústria. Superprodução – Produção em grande quantidade Especulação – Deflação .diminuição de índice de preços do consumidor. escassez de crédito. Compreender o avanço dos Regimes Políticos de Extrema-direita no contexto da crise dos anos 30.consiste num longo período caracterizado por numerosas falências de empresas. baixos níveis de produção e investimento. Depressão económica . As classes médias viram-se afetadas pela multiplicação das falências no comércio. .Esta crise não deixou nenhuma classe social de parte. crescimento anormal do desemprego elevado. A própria burguesia foi afetada por numerosas bancarrotas. redução das transacções comerciais.

Caracteriza o Fascismo Italiano Descreve Totalitarismo Hitleriano na Alemanha .

Caracteriza a Ditadura Salazarista .