P. 1
Apostila Matemática CEFET PDF

Apostila Matemática CEFET PDF

4.69

|Views: 46.215|Likes:

More info:

Published by: Matemática Mathclassy on May 15, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/14/2014

pdf

text

original

Sections

CENTRO FEDERAL DE

EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA
DE MINAS GERAIS



C
C
u
u
r
r
s
s
o
o
P
P
r
r
ó
ó
-
-
T
T
é
é
c
c
n
n
i
i
c
c
o
o


Disciplina:
Matemática
T Te ex xt to o E Ex xp pe er ri im me en nt ta al l – – 1 1
a a
E Ed di iç çã ão o


Antonio José Bento Bottion e
Paulo Henrique Cruz Pereira



Varginha – Minas Gerais
Dezembro de 2006


Álgebra


Fonte: http://community.learnnc.org/dpi/math/archives/AlgArt.gif


Geometria

Fonte: http://ww2.wdg.uri.edu:81/testsite/fileadmin/advance_client/mathematics.gif

............................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais – Campus VIII - Varginha

Curso Pró-Técnico - Disciplina: Matemática – Professores Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

MATEMÁTICA I
Prof. Antônio José Bento Bottion

ÍNDICE
1. TEORIA DOS CONJUNTOS.................................................................................................................... 6
1.1. SIMBOLOGIA....................................................................................................................................... 6
1.2. CONCEITOS PRIMITIVOS ...................................................................................................................... 6
1.3. REPRESENTAÇÕES DE UM CONJUNTO.................................................................................................. 7
1.4. MAIS DOIS POSTULADOS ..................................................................................................................... 8
1.5. DEFINIÇÃO DE SUBCONJUNTO.............................................................................................................. 8
1.6. TEOREMAS......................................................................................................................................... 9
1.7. COMPLEMENTAR............................................................................................................................... 10
1.8. CONJUNTO UNIVERSO....................................................................................................................... 10
1.9. UNIÃO.............................................................................................................................................. 11
1.10. INTERSECÇÃO .................................................................................................................................. 12
1.11. DIFERENÇA ...................................................................................................................................... 13
1.12. PAR ORDENADO................................................................................................................................ 15
1.13. PRODUTO CARTESIANO..................................................................................................................... 15
2. CONJUNTOS NUMÉRICOS .................................................................................................................. 17
2.1. NÚMEROS NATURAIS E NÚMEROS INTEIROS........................................................................................ 17
2.2. NÚMEROS RACIONAIS........................................................................................................................ 17
2.3. NÚMEROS IRRACIONAIS..................................................................................................................... 19
2.4. NÚMEROS REAIS............................................................................................................................... 19
2.5. TEOREMAS....................................................................................................................................... 19
2.6. OUTRAS NOTAÇÕES.......................................................................................................................... 21
2.7. INTERVALOS..................................................................................................................................... 21
3. ARITMÉTICA DOS INTEIROS............................................................................................................... 23
3.1. MÚLTIPLO E DIVISOR......................................................................................................................... 23
3.2. NÚMERO PAR ................................................................................................................................... 23
3.3. TEOREMA......................................................................................................................................... 25
3.4. NÚMERO PRIMO................................................................................................................................ 26
3.5. NÚMERO COMPOSTO ........................................................................................................................ 26
3.6. TEOREMA......................................................................................................................................... 26
3.7. FORMA FATORADA............................................................................................................................ 28
3.8. DIVISÃO EUCLIDIANA......................................................................................................................... 30
3.9. MÁXIMO DIVISOR COMUM .................................................................................................................. 31

............................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais – Campus VIII - Varginha

Curso Pró-Técnico - Disciplina: Matemática – Professores Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

3.10. NÚMEROS PRIMOS ENTRE SI .............................................................................................................. 32
3.11. MÍNIMO MÚLTIPLO COMUM................................................................................................................. 32
3.12. TEOREMA......................................................................................................................................... 33
4. TÉCNICAS DE FATORAÇÃO................................................................................................................ 34
4.1. EXPRESSÃO ALGÉBRICA.................................................................................................................... 34
4.2. VALOR NUMÉRICO............................................................................................................................. 34
4.3. FATORAR – DESENVOLVER ............................................................................................................... 35
4.4. CASOS DE FATORAÇÃO ..................................................................................................................... 36
5. POTENCIAÇÃO...................................................................................................................................... 46
5.1. DEFINIÇÃO ....................................................................................................................................... 46
5.2. DEFINIÇÕES ..................................................................................................................................... 47
5.3. SIMPLIFICAÇÃO DE EXPRESSÕES ....................................................................................................... 49
5.4. PROPRIEDADES DAS POTÊNCIAS........................................................................................................ 50
5.5. EQUAÇÕES EXPONENCIAIS................................................................................................................ 53
5.6. NOTAÇÃO CIENTÍFICA........................................................................................................................ 55
5.7. RESUMO .......................................................................................................................................... 56
6. RADICIAÇÃO......................................................................................................................................... 58
6.1. INTRODUÇÃO.................................................................................................................................... 58
6.2. GENERALIZAÇÃO .............................................................................................................................. 58
6.3. DEFINIÇÃO ....................................................................................................................................... 59
6.4. PROPRIEDADES DOS RADICAIS........................................................................................................... 61
6.5. REDUÇÃO DE RADICAIS AO MESMO ÍNDICE.......................................................................................... 64
6.6. RACIONALIZAÇÃO DE DENOMINADORES.............................................................................................. 65
6.7. POTÊNCIA DE EXPOENTE RACIONAL ................................................................................................... 66
6.8. RADICANDO NEGATIVO...................................................................................................................... 67
6.9. PROPRIEDADE.................................................................................................................................. 68
7. EQUAÇÃO DO 2º GRAU ....................................................................................................................... 69
7.1. DEFINIÇÃO ....................................................................................................................................... 69
7.2. RAIZ DA EQUAÇÃO ............................................................................................................................ 69
7.3. CONJUNTO SOLUÇÃO........................................................................................................................ 70
7.4. FÓRMULA RESOLUTIVA...................................................................................................................... 70
7.5. OBSERVAÇÕES................................................................................................................................. 70
7.6. EQUAÇÕES INCOMPLETAS................................................................................................................. 72
7.7. A FORMA FATORADA......................................................................................................................... 72
7.8. SOMA E PRODUTO DAS RAÍZES........................................................................................................... 73
7.9. EQUAÇÕES BIQUADRADAS................................................................................................................. 75
8. TEORIA DAS FUNÇÕES ....................................................................................................................... 77
8.1. FUNÇÃO DE A EM B .......................................................................................................................... 77

............................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais – Campus VIII - Varginha

Curso Pró-Técnico - Disciplina: Matemática – Professores Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

8.2. UMA OUTRA NOTAÇÃO....................................................................................................................... 78
8.3. DOMÍNIO DE UMA FUNÇÃO REAL DE VARIÁVEL REAL............................................................................. 80
8.4. CONJUNTO IMAGEM .......................................................................................................................... 81
8.5. GRÁFICO.......................................................................................................................................... 83
8.6. CRESCIMENTO DE UMA FUNÇÃO......................................................................................................... 85
8.7. CONJUNTO SIMÉTRICO...................................................................................................................... 87
8.8. PARIDADE DE UMA FUNÇÃO............................................................................................................... 87
9. A FUNÇÃO DO 1° GRAU....................................................................................................................... 89
9.1. FUNÇÃO DO PRIMEIRO GRAU ............................................................................................................. 89
9.2. TEOREMA......................................................................................................................................... 92
10. A FUNÇÃO DO 2° GRAU .................................................................................................................. 94
10.1. FUNÇÃO DO SEGUNDO GRAU............................................................................................................. 94
10.2. A PARÁBOLA..................................................................................................................................... 94
10.3. CONSIDERAÇÕES.............................................................................................................................. 96




............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 6
1. Teoria dos conjuntos

1.1. Simbologia

Para termos uma linguagem precisa e concisa, serão utilizados os seguintes símbolos:

Símbolo Leia-se
( ) x ∀ para todo x
( ) x ∃ existe x
( )
x ∃ existe um único x
P Q ⇒ se P, então Q
P Q ⇔ P se, e somente se, Q

Na implicação P Q ⇒ , deve-se entender que, parindo da proposição P, deduz-se a
proposição Q. Assim, por exemplo, sendo x um número real, a sentença ( ) ( ) x 5 x 3 > ⇒ > é
VERDADEIRA, pois todo número maior que 5 é maior que 3, enquanto que a sentença
( ) ( ) x 3 x 5 > ⇒ > é FALSA, pois existem números maiores que 3, que não são maiores que 5.
A bi-implicação P Q ⇔ é equivalente à sentença ( ) ( ) P Q Q P ⇒ ∧ ⇒ .
Assim, por exemplo, x 5 x 1 6 = ⇔ + = é uma sentença verdadeira, pois as sentenças
x 5 x 1 6 = ⇒ + = e x 1 6 x 5 + = ⇒ = são ambas verdadeiras.

1.2. Conceitos primitivos

O ponto de partida da teoria dos conjuntos consiste nos seguintes conceitos primitivos:

− conjunto
− elemento de um conjunto
− igualdade de conjuntos

Para indicar que x é um elemento do conjunto A, escrevemos x A ∈ (leia-se também x
pertence a A.)
A notação x A ∉ significa que x não é elemento do conjunto A.
É importante observar que acima não consta o conceito de “elemento”, e sim o conceito de
“elemento de um conjunto”. Assim, não há sentido em discutir se x é elemento ou não. Discute-se
apenas se x é ou não elemento de um dado conjunto.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 7

1.3. Representações de um conjunto

Além de se representar um conjunto por uma letra (na maioria das vezes maiúscula), são
usadas as seguintes representações:

− {e
1
, e
2
, ..., e
n
}, onde e
1
, e
2
, ..., em é a lista dos elementos do referido conjunto
dispostos numa ordem qualquer, com ou sem repetição.
− ( ) { }
x A:S x ∈ , onde S(x) é uma propriedade sobre a variável x, que tem por
finalidade selecionar elementos de A; por exemplo, { } x A:x 5 ∈ > .

Adotaremos também o seguinte postulado:

Se todo elemento de A é elemento de B e todo elemento de B é elemento de A, então os
conjuntos A e B são iguais.

Exemplo 1
{ } { } 1, 2 2,1 = e { } { } 1, 2 1, 2,1, 2, 2 =

Exemplo 2
Sendo { } 0,1, 2,...,10,11,... = ℕ o conjunto dos números naturais, quantos são os
elementos do referido conjunto: { } x :2x 5 17 ∈ + ≤ ℕ ?
2x 5 17 2x 12 + ≤ ⇒ ≤ e 2x 12 x 6 ≤ ⇒ ≤
Tem-se então que x 6 ≤ e { } x 0,1, 2, 3, 4, 5, 6 ∈ .
Logo, os elementos do referido conjunto são 0, 1, 2, 3, 4, 5 e 6, e, portanto, este possui 7
elementos.

Resposta: 7.

Exemplo 3
Quais são os elementos do conjunto ℕ dos números naturais que satisfazem à condição
S(x) : x 2 1 + ≤ ?
x 2 1 x 1 + ≤ ⇒ ≤ −
Repare que não há número natural que satisfaz tal condição.

Resposta: Nenhum.


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 8

1.4. Mais dois postulados

Para que possamos operar com conjuntos, sem correr o risco de ficar operando com o
“nada”, como no último exemplo, vamos estabelecer que:

Existe um conjunto sem elementos, que chamamos de conjunto vazio e que indicaremos,
sem preferência por { } ou por ∅ (Postulado).

Sendo assim, podemos voltar ao item 2 e obter maior precisão, se ficar estabelecido que:

Dados um conjunto A e uma sentença S(x), na qual a variável x ocorre pelo menos uma
vez sem ser introduzida por “existe x”, nem por “para todo x”, existe sempre um conjunto B tal que
( ) { }
B x A: S x = ∈ (Postulado).

Assim,
{ } { } x :2x 5 17 0,1, 2, 3, 4, 5, 6 ∈ + ≤ = ℕ e
{ } { } x :x 2 1 ∈ + ≤ = = ∅ ℕ

1.5. Definição de subconjunto

Dados os conjuntos A e B, dizemos que B é subconjunto de A se , e somente se, todo
elemento de B é elemento de A.
Notação: B A ⊂ (leia-se B está contido em A).

A
B


( )( ) B A x x B x A ⊂ ⇔ ∀ ∈ ⇒ ∈

Obs: A representação gráfica usada aqui foi proposta pelo matemático Venn.

Por outro lado, tem-se que B A ⊄ se, e somente se, existir pelo menos um elemento de
B que não é elemento de A.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 9

Em símbolos:
( ) ( ) B A x x B e x A ⊄ ⇔ ∃ ∈ ∉

Exemplo 4
Dado o conjunto { } { }
A 1, 2, 3, 3, 4 = , classificar em verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma
das seguintes proposições:

a) A possui quatro elementos ( )
b) 1 A ∈ e 2 A ∈ ( )
c) { } 1, 2 A ⊂ ( )
d) { } 3, 4 A ⊂ ( )
e) { } { }
3, 4 A ⊂ ( )
O conjunto A possui 4 elementos, a saber, os números 1, 2, 3 e o conjunto binário { } 3, 4 ;
portanto, tem-se que 1 A ∈ , 2 A ∈ , 3 A ∈ e { } 3, 4 A ∈ .
{ } 1, 2 A ⊂ , pois 1 e 2 são elementos de A
{ } 3, 4 A ⊄ , pois 4 não é elemento de A
{ } { }
3, 4 A ⊂ , pois { } 3, 4 é elemento de A
Sendo assim, a única afirmação falsa é a (d).

1.6. Teoremas

Qualquer que seja o conjunto A, tem-se que o conjunto vazio é subconjunto de A.

Pois, se não o fosse, deveria existir pelo menos um elemento do conjunto vazio que não
pertencesse a A (o que é absurdo).

Qualquer que seja o conjunto A, tem-se que A é subconjunto de A.

Pois todo elemento de A é elemento de A.
Tem-se então que ( )( ) A A A ∀ ⊂ , mesmo com A = { }.
Repare ainda que a expressão “todo elemento de A” não implica que o conjunto A tenha
elementos. Assim, por exemplo, a afirmação “Toda tarefa deve ser cumprida.” não implica que
haja tarefa.


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 10
Sendo A e B conjuntos, tem-se que:
A B ⊂ e B A ⊂ se, e somente se, A = B.
Sendo A um conjunto finito com n elementos, prova-se que o número de subconjuntos de
A é 2
n
.
O conjunto de todos os subconjuntos de A é chamado “o conjunto das partes de A” e será
indicado por P(A).

Exemplo 5
Dado o conjunto { } A 1, 2, 3 = , obter o conjunto das partes de A.
Como o número de elementos de A é 3, conclui-se que o número de seus subconjuntos é
2
3
= 8. Os subconjuntos de A são:

{ }
{1} {2} {3}
{1,2} {1,3} {2,3}
A

Resposta:
O conjunto das partes de A é
P(A)= {{ }, {1}, {2}, {3}, {1,2}, {1,3}, {2,3}, A}

1.7. Complementar

Dados os conjuntos A e B, com B A ⊂ , chama-se de complementar de B em relação a A
ao conjunto:
A
B


{ }
A
CB x A:x B = ∈ ∉

1.8. Conjunto universo

Em qualquer discussão na teoria dos conjuntos devemos fixar sempre um conjunto U, que
contém todos os conjuntos que possam ser envolvidos. O conjunto U será chamado de conjunto
universo.


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 11


Sendo u o conjunto universo e A um conjunto qualquer, chama-se complementar de A ao
conjunto:
A
U


{ }
U
A CA x U:x A = = ∈ ∉
Exemplo 6
Considerando como universo o conjunto { } U 0,1, 2, 3, 4, 5, 6 = , e dados os conjuntos
{ } A 1, 2, 3, 4 = e { } B 2, 4 = , tem-se que:

O complementar de B em relação a A é { }
A
CB 1, 3 = .
O complementar de A em relação a A é { }
A
CA = .
O complementar de B é { } B 0,1, 3, 5, 6 = .
O complementar de A é { } A 0, 5, 6 = .

1.9. União

Dados os conjuntos A e B num Universo U, chama-se de união (ou reunião) de A com B
ao conjunto dos elementos que pertencem a pelo menos um dos conjuntos A ou B.

A
U
B

{ } A B x U:x A ou x B ∪ = ∈ ∈ ∈

Exemplo 7
a) { } { } { } 1, 2, 3, 4 3, 4, 5 1, 2, 3, 4, 5 ∪ =
b) { } { } { } 3, 4, 5 1, 2, 3, 4 1, 2, 3, 4, 5 ∪ =

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 12
c) { } { } { } 1, 2, 3, 4 3, 4 1, 2, 3, 4 ∪ =
d) { } { } { } 1, 2, 3, 4 1, 2, 3, 4 ∪ =

Propriedades:

A B B A ∪ = ∪
B A A B A ⊂ ⇒ ∪ =
{ } A A ∪ =
( ) ( ) A B C A B C A B C ∪ ∪ = ∪ ∪ = ∪ ∪

1.10. Intersecção

Dados os conjuntos A e B num universo U, chama-se de intersecção de A com B ao
conjunto dos elementos comuns a A e B.

A
U
B

{ } A B x U:x A e x B ∩ = ∈ ∈ ∈

Exemplo 8

a) { } { } { } 1, 2, 3, 4 3, 4, 5 3, 4 ∩ =
b) { } { } { } 3, 4, 5 1, 2, 3, 4 3, 4 ∩ =
c) { } { } { } 1, 2, 3, 4 3, 4 3, 4 ∩ =
d) { } { } { } 1, 2, 3, 4 ∩ =

Propriedades:

A B B A ∩ = ∩
B A A B B ⊂ ⇔ ∩ =
{ } { } A∩ =
( ) ( ) ( ) ( ) A B C A B C A B C A B A B ∩ ∩ = ∩ ∩ = ∩ ∩ ∩ ⊂ ∪

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 13
1.11. Diferença
Dados os conjuntos A e B num universo U, chama-se de diferença entre A e B, nesta
ordem, ao conjunto dos elementos de A que não são elementos de B.

A
U
B

{ } A B x U:x A e x B − = ∈ ∈ ∉
Observe que aqui, ao contrário do que ocorreu na definição de complementar de B em
relação a A, não é exigido que B seja subconjunto de A.

Exemplo 9
a) { } { } { } 1, 2, 3, 4 3, 4, 5 1, 2 − =
b) { } { } { } 3, 4, 5 1, 2, 3, 4 5 − =
c) { } { } { } 1, 2 1, 2 − =
d) { } { } { } 1, 2 − =

Propriedades:
( ) A B A − ⊂
{ } A A − =
{ } { } A − =
A
B A A B CB ⊂ ⇔ − =
( ) A A B A B − ∩ = −

Exemplo 10
Dados os conjuntos { } A 1, 2, 3, 4 = e { } B 3, 4, 5, 6, 7 = , obter os conjuntos A B ∩ ,
A B ∪ , A B − e B A − .
{ } A B 3, 4 ∩ =
{ } A B 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 ∪ =
{ } A B 1, 2 − =
{ } B A 5, 6, 7 − =

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 14

Exemplo 11

Sejam A e B conjuntos num universo U tais que: o complementar de A é { } A e, f , g, h, i =

{ } A B a, b, c, d, e, f , g ∪ =
{ } A B c, d ∩ =

Obter os conjuntos A e B.
{ } A B c, d ∩ = ⇒ c e d são os únicos elementos que A e B têm em comum.
a A a A ∉ ⇒ ∈ e ( ) a A B ∉ ∩
Logo, ( ) a A B ∈ − .
Analogamente, conclui-se que ( ) b A B ∈ − .
e A e A ∈ ⇒ ∈ e
( ) e A B ∉ ∪
Logo, ( ) e B A ∈ − .
Analogamente para f, g.
Repare que h e i não pertencem a A nem a B, pois não pertencem a A B ∪ .

Resposta: { } A a, b, c, d = e { } B c, d, e, f , g =

Exemplo 12

Numa prova de Matemática caíram apenas dois problemas. Terminada a sua correção,
constatou-se que:
300 alunos acertaram somente um dos problemas
260 acertaram o segundo
100 acertaram os dois
210 erraram o primeiro

Quantos alunos fizeram esta prova?




............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 15
Resolução:
Prb-1
U
Prb-2
x
y
z

Sendo x, y, z e w o número de elementos de cada partição indicada no diagrama acima,
segue que:
( )
( )
( )
( )
x z 300 1
y z 260 2
y 100 3
z w 210 4
+ = ¦
¦
+ =
¦
´
=
¦
¦
+ =
¹

Das equações (3) e (2) tem-se que z = 160.
Substituindo z por 160 nas equações (1) e (4), obtêm-se respectivamente, os valores de x
e w; x = 140 e w = 50.
O número total de alunos que fizeram esta prova é x+y+z+w = 450.

1.12. Par ordenado
Sabemos que { } a, b representam o mesmo conjunto.
No entanto há situações em que é conveniente que haja uma ordem entre a e b. Para isto
existe o conceito de par ordenado.
Definição: ( ) { } { } { }
a, b a , a, b =
Observe aí a maneira sutil com que foi introduzida a noção de ordem, pois pela definição,
é fácil concluir que, se a b ≠ , então ( ) ( ) a, b b, a ≠ , pois ( ) { } { } { }
b, a b , b, a = , que é diferente
de { } { } { }
a , a, b .

1.13. Produto cartesiano
Dados os conjuntos A e B, chama-se de produto cartesiano de A por B, nesta ordem, ao
conjunto de todos os pares ordenados (x,y), onde x é elemento de A e y é elemento de B.
( ) { }
A B x, y : x A e y B × = ∈ ∈

Exemplo 13
Dados os conjuntos { } A 1, 2, 3 = e { } B 4, 5 = , obtenha os produtos cartesianos AXB,
BXA e B
2
=BXB.


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 16
( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) { }
A B 1, 4 , 1, 5 , 2, 4 , 2, 5 , 3, 4 , 3, 5 × =
( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) { }
B A 4,1 , 4, 2 , 4, 3 , 5,1 , 5, 2 , 5, 3 × =
( ) ( ) ( ) ( ) { }
2
B 4, 4 , 4, 5 , 5, 4 , 5, 5 =

Repare que o produto cartesiano é uma operação não comutativa, isto é, AXB pode não
ser igual a BXA.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 17
2. Conjuntos numéricos
2.1. Números naturais e números inteiros

O conjunto dos números naturais { } 0,1, 2,... , n, ... será representado por ℕ, e o
conjunto dos números inteiros { } ..., 2, 1, 0,1, 2, ... − − , por ℤ. Repare que todo natural é inteiro,
isto é, ℕ éum subconjunto de ℤ.

2.2. Números racionais

Chamamos de número racional a todo número que pode ser expresso na forma
a
b
, onde
a e b são inteiros quaisquer, com b 0 ≠ .

Assim, os números 5
5
1
| |
=
|
\ ¹
e -0,333333...
1
3
− | |
=
|
\ ¹
são dois exemplos de números
racionais.
O conjunto dos números racionais é expresso por ℚ.
Como todo inteiro é racional, podemos afirmar que ℤ ⊂ ℚ.






Exemplo 1
Obter uma representação decimal para os números:
a)
3
16
b)
9
7


Resolução:


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 18
a) 3, 16
30 0,1875
140
120
80
0

b) 9, 7
20 1, 285714285714...285714...
60
40
50
10
30
20


Uma vez entendido o exemplo acima, é fácil concluir que todo número racional pode ser
expresso por uma dízima exata (existe um último algarismo à direita) ou por uma dízima periódica
infinita (não existe um último algarismo à direita, mas, sim, uma repetição indefinida de uma
seqüência de algarismos).
Exemplo 2
Representar as seguintes dízimas por frações de inteiros (frações geratrizes):
a) -1,23456
b) 5,644444...4...
c) 5,645454545...45...

Resolução:
a)
1, 23456 123456
f
1 100000
− −
= =
b) Seja f = 5,644444...4... (I); então, multiplicando por 10, segue que 10f = 56,44444...4... (II).
Calculando a diferença (II) – (I):
10f 56, 44444...4...
f 5, 644444...4...
9f 50, 8
=
= −
=

e, portanto,
50, 8 508
f
9 90
= =
c) Seja f = 5,6454545454545...45... (I); então, multiplicando por 100, segue que
100f=564,54545454... (II). Calculando a diferença (II) – (I):
100f 564, 54545454...
f 5, 64545454...
99f 558, 9
=
= −
=

e, portanto,
558, 9 5589
f
99 990
= =

Resposta:


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 19
a)
123456
100000

b)
508
90
c)
5589
990


Com estes exemplos, podemos perceber que toda dízima periódica é um número racional.

Outro fato que pode chamar atenção é que a dízima periódica 0,999...9... é uma outra
representação do número 1 (um).

2.3. Números irracionais

Existem dízimas infinitas e não periódicas; são os números irracionais. Como exemplos de
números irracionais, podemos citar:

3,1415926535...
2 1, 4142135623...
3 1, 7320508075...
π=
=
=

Os números irracionais não podem ser expressos na forma
a
b
, com a e b inteiros e
b 0 ≠ .

2.4. Números reais

A reunião do conjunto dos números irracionais com o dos racionais é o conjunto dos
números reais ( ℝ).
Dada uma reta, podemos estabelecer uma relação entre seus pontos e os números reais,
de tal modo que a todo ponto corresponda um único real e a todo real corresponda um único
ponto. Desta maneira podemos identificar todos os números reais por pontos da reta dada. A idéia
é construir uma espécie de régua em que constam também os números negativos.
Chamamos esta régua de reta (ou eixo) real.

0
0
,
5 1
1
,
5 2
-
0
,
5
-
1





2.5. Teoremas

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 20

− Sendo m e n naturais quaisquer, tem-se que m+n, m ⋅ n e m
n
são todos naturais. (Lembre-se
de que 0
0
= 1.)
− Sendo h e k inteiros quaisquer, tem-se que h + k, h - k, h ⋅ k são todos inteiros.
− Sendo r e s racionais quaisquer, r + s, r – s, r ⋅ s e
r
s
são todos racionais. (Em
r
s
, devemos ter
s 0 ≠ .)
− Sendo r um número racional e x um número irracional, tem-se que r + x é irracional.
− Sendo r, r 0 ≠ , um racional e x um número irracional, tem-se que r ⋅ x é irracional.
− Sendo x um irracional qualquer não nulo, tem-se que
1
x
é irracional.
− Entre dois números racionais existem infinitos outros números racionais e infinitos números
irracionais.
− Entre dois números irracionais existem infinitos outros números irracionais e infinitos números
racionais.

Exemplo 3
Quantos são os elementos do conjunto
{ }
x /10 2 x 10 3 ∈ < < ℕ ?
Resolução:
2 1, 41... 10 2 14,1... e
3 1, 73... 10 3 17, 3...
= ⇒ =
= ⇒ =

Entre 14,1... e 17,3... existem 3 números naturais, a saber 15, 16 e 17.

Resposta: 3

Exemplo 4
(G. V.) Quaisquer que sejam o racional x e o irracional y, pode-se dizer que:

a) x ⋅ ⋅⋅ ⋅ y é irracional
b) y ⋅ ⋅⋅ ⋅ y é irracional
c) x + y é racional
d) x y 2 − + é irracional
e) x + 2y é irracional

Resolução:

Vejamos cada uma das alternativas:
a) (FALSA) Se x for igual a zero, x ⋅ y = 0, que é racional.
b) (FALSA) Se considerarmos, por exemplo, y 3 = , segue que y ⋅ y = 3 que é racional.
c) (FALSA) Para qualquer x racional e para qualquer y irracional, x + y é irracional.
d) (FALSA) Se y 2 = , x y 2 x − + = , que é racional.
e) (VERDADEIRA) Para qualquer irracional y, tem-se que 2y é irracional. Logo, x + 2y é irracional.
Resposta: e

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 21
Exemplo 5
Mostre que o número 3 2 2 3 2 2 + + − é irracional.

Resolução:

Seja x 3 2 2 3 2 2 = + + − .
Observe que x é um número real positivo.

Segue que:
( ) ( )
2
x 3 2 2 3 2 2 2 3 2 2 3 2 2 = + + − + + −
( )( )
2
x 6 2 3 2 2 3 2 2 = + + −
2
x 6 2 9 8 = + −
2
x 8 =
E como x > 0, tem-se que x 2 2 = , que é irracional.

2.6. Outras notações
Sendo A um dos conjuntos ℤ, ℚ ou ℝ, usaremos ainda as seguintes notações:
A

para indicar { } x A/ x 0 ∈ ≠
A
+
para indicar { } x A/ x 0 ∈ ≥ (os não negativos)
A

+
para indicar { } x A/ x 0 ∈ > (os positivos)
A

para indicar { } x A/ x 0 ∈ ≤ (os não positivos)
A


para indicar { } x A/ x 0 ∈ < (os negativos)

Assim, por exemplo,
+
ℝ é o conjunto de todos os números reais não negativos, isto é, o
conjunto { } x / x 0 ∈ ≥ ℝ .

2.7. Intervalos

Sendo a e b (a<b) números reais quaisquer, temos os seguintes subconjuntos de ℝ,
chamados de intervalos:


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 22
| | { } a, b x | a x b = ∈ ≤ ≤ ℝ (intervalo fechado)
| | { } a, b x | a x b = ∈ < < ℝ (intervalo aberto)
| | { } a, b x | a x b = ∈ ≤ < ℝ (intervalo fechado só à esquerda)
| | { } a, b x | a x b = ∈ < ≤ ℝ

| | { } a, x | x a +∞ = ∈ ≥ ℝ
| | { } a, x | x a +∞ = ∈ > ℝ

| | { } , a x | x a −∞ = ∈ ≤ ℝ
| | { } , a x | x a −∞ = ∈ < ℝ

Exemplo 6
Obter | | | | 2,10 5,12 ∩ .

Resolução:

2 10
5 12
5 10
| | 2,10 :
| | 5,12 :
| | | | 2,10 5,12 ∩


Resposta: | | 5,10

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 23
3. Aritmética dos inteiros

3.1. Múltiplo e divisor

Dados dois números m e d, dizemos que m é um múltiplo de d se, e somente se, existir
um inteiro k tal que m = k ⋅ d.
Nestas condições, também se diz que d é um fator (ou divisor) de m.

3.2. Número par

Um número inteiro a é dito par se, e somente se, ele for múltiplo de 2.
Todo número inteiro que não é par é dito número ímpar.

Exemplo 1
Determinar quantos são os múltiplos de 7 compreendidos entre os números -50 e +500.

Resolução:

Se considerarmos estes números em ordem crescente, temos a P.A. (-49, -42, -35, ... , a
n
), cujo
primeiro termo é a
1
= -49, cuja razão é r = 7 e cujo último termo é a
n
.
Precisamos obter o maior valor possível de n tal que seja satisfeita a condição na < 500.
Como ( )
n 1
a a n 1 r = + − ⋅ , segue que:

-49 + (n – 1) ⋅ 7 < 500
-49 + 7n < 556

O maior valor possível de n que satisfaz tal condição é 79.

Resposta: 79

Exemplo 2
Decompor o inteiro 1995 numa soma de cinco ímpares consecutivos.

Resolução:

Considere a seqüência destes ímpares em ordem crescente e seja x o termo médio. Deste modo,
tem-se que
( ) ( ) ( ) ( ) x 4 x 2 x x 2 x 4 1995 − + − + + + + + =

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 24
5x 1995 = , ou ainda, x = 399.

Resposta: 395 + 397 + 399 + 401 + 403

Exemplo 3
Seja um inteiro tal que a
2
é ímpar. Prove que a é ímpar.


Demosntração:

(Método indireto) Suponhamos que a seja um número par, isto é, a = 2k, com k inteiro.
Segue que a
2
= 4n
2
, ou seja, a
2
é par, o que é ABSURDO, pois contraria a hipótese.

Observações importantes:
Todo número ímpar, isto é, um inteiro não múltiplo de 2, pode ser representado,
indiferentemente, pela expressão 2k + 1, ou por 2k – 1, com k inteiro, pois sempre existem dois
números pares tais que ele seja o sucessor de um deles e o antecessor do outro.
Assim, por exemplo, o número ímpar 17 é o sucessor de 16 e o antecessor de 18.
Consideremos, agora, um inteiro x, não múltiplo de 3.
Repare que há uma diferença entre afirmar que x é da forma 3k + 1 e afirmar que x é da
forma 3k – 1, onde k é um inteiro.
Assim, por exemplo, o número 4 é da forma 3k + 1 e não da forma 3k – 1, enquanto o
número 5 é da forma 3k – 1, sempre considerando k inteiro.
Observe que todo inteiro não múltiplo de 3, ou é da forma 3k + 1, ou é da forma 3k–1.
Verifique a seguinte afirmação, com k inteiro:
- Todo inteiro não múltiplo de 5 é de uma e apenas uma, das seguintes formas:
5k + 1, 5k – 1, 5k + 2, 5k - 2

Exemplo 4
Sendo a um inteiro, não múltiplo de 5, mostre que o antecessor de a
2
ou o sucessor de a
2

é um múltiplo de 5.

Demosntração:

Tem-se que a é da forma 5k + 1 ou da forma 5k + 2.
No primeiro caso, tem-se que:
2 2
a 25k 10k 4 = + + , isto é,
( )
2 2
a 1 5 5k 2k − = +
No segundo caso, tem-se que:
2 2
a 25k 10k 4 = + + e, portanto:

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 25
( )
2 2 2
a 1 25k 10k 5 5 5k 2k 1 (c.q.d.) + = + + = + +
3.3. Teorema
Sejam x, y e d inteiros. Se d é divisor de x, e d é divisor de (x + y), então d é divisor de y.



Justificativa:
Existe um inteiro k
1
tal que x = d ⋅ k
1

Existe um inteiro k
2
tal que x + y = d ⋅ k
2

Logo, d ⋅ k
1
+ y = d ⋅ k
2

y = d ⋅ k
2
- d ⋅ k
1

y = d ⋅ (k
2
– k
1
)

Como k
2
– k
1
é inteiro, tem-se que d é divisor de y.
(c.q.d.)

Exemplo 5
Obter os valores inteiros de n de modo que n + 3 seja um divisor de n + 13.

Resolução:
n + 3 é divisor de n + 11
n + 3 é divisor de n + 3 + 8 (*)
n + 3 é divisor de n + 3 (**)

De (*) e (**) segue que:

n + 3 é divisor de 8

Portanto,
{ } n 3 1, 2, 4, 8, 1, 2, 4, 8 + ∈ − − − −
{ } n 2, 1,1, 5, 4, 5, 7, 11 ∈ − − − − − −
Resposta: -2, -1, 1, 5, -4, -5, -7 e -11.

Exemplo 6
Mostre que um inteiro ℕ com quatro algarismos é múltiplo de 3 se, e somente se, a soma
dos algarismos for múltiplo de 3.
Demosntração:

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 26
Seja ( ) a, b, c, d = ℕ , isto é, a é o algarismo dos milhares, b o das centenas, c o das
dezenas e d o das unidades.
1000a 100b 10c d = + + + ℕ
999a 99b 9c a b c d = + + + + + + ℕ
( ) 3 333a 33b 3c a b c d = + + + + + + ℕ

1a parte: se a + b + c + d = 3m, então ℕ é obviamente múltiplo de 3.

2a parte: se ℕ for um múltiplo de 3, isto é, ℕ = 3h, então
( ) 3h 3 333a 33b 3c a b c d = + + + + + +
( ) 3h 3 333a 33b 3c a b c d − + + = + + +
Logo, a + b + c + d é múltiplo de 3. (c.q.d.)

Observação:

Esta regra de divisibilidade por 3 vale para todos os inteiros, independentemente do
número de algarismos. A mesma regra vale para a divisibilidade por 9.

3.4. Número primo

Um inteiro p é dito número primo, ou simplesmente primo, se, e somente se, ele possuir
quatro e apenas quatro divisores distintos. (Os quatro divisores em questão são 1, -1, p e –p.)

3.5. Número composto

Os números inteiros não nulos que têm mais do que 4 divisores distintos são chamados de
números compostos.
Observações:

− Os números 1, -1 e 0 não são primos nem compostos.
− Os números 2 e -2 são os únicos números primos e pares.
− Todo inteiro k positivo e diferente de 1 admite pelo menos um divisor primo positivo.

3.6. Teorema

Existem infinitos números primos.


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 27
Demosntração:

Suponhamos que exista só um número finito de primos positivos p
1
, p
2
, p
3
, ... , p
n
e
consideremos o número p = p
1
⋅ p
2
⋅ p
3
... ⋅ p
n
+ 1.
Como p é maior que qualquer um dos números primos enumerados, segue que p é um
número composto e, portanto, um destes primos deve ser o divisor de p.
Seja p
k
, com 1<k<n, este divisor.
Como p
k
é divisor de p
1
⋅ p
2
⋅ p
3
... ⋅ p
n
e p
k
é divisor de p, conclui-se que p
k
é divisor de 1,
o que é absurdo, pois os únicos divisores de 1 são os números 1 e -1. (c.q.d.)

Exemplo 7
Verificar se 251 é primo.

Resolução:
O seguinte procedimento de verificar a primalidade de um número é conhecido como o
crivo de Erastótenes.
Constrói-se uma tabela de todos os inteiros maiores que 1 cujos quadrados não superem
o número 251.
2
2 3 4 5
6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 (Note que 16 251) >

O próximo passo consiste em verificar se um dos números desta tabela é um divisor do
número 251. Isto pode ser feito de maneira relativamente rápida, pois se um dado número não for
divisor, então seus números também não o serão.
Note que 2 não é divisor de 251 e, portanto, os números 4, 6, 8, 10, 12 e 14 também não
serão. Vamos “eliminar” o número 2 e todos os seus múltiplos.
2 3 4 5
6 7 8 9 10
11 12 13 14 15

Note que 3 não é divisor de 251 e, portanto, também podemos “eliminar” todos os
múltiplos de 3.
Prosseguimos desta maneira até encontrar um divisor, ou então até “eliminar” todos os
números da tabela. Se for encontrado um divisor, então o número em questão é composto; caso
contrário, o número é primo.
2 3 4 5
6 7 8 9 10
11 12 13 14 15



............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 28
Resposta: 251 é primo

Observação:

A elegância deste procedimento chama a atenção pelo seguinte:
Consideremos o produto d
1
⋅ d
2
.
Se d
1
> 15 e d
2
> 15, então d
1
⋅ d
2
> 251.
Logo, se 251 admitisse um divisor d
1
, d
1
> 15, deveríamos ter um inteiro d
2
, d
2
< 15, de
modo que d
1
⋅ d
2
= 251, isto é, 251 teria um divisor menor ou igual a 15.
Porém, isto é absurdo, pois, como foi verificado na tabela, 251 não admite divisor menor
ou igual a 15.

Exemplo 8
Obter todos os inteiros a tais que a
4
+ a
2
+ 1 seja um número primo.

Resolução:
( )
( )( )
4 2 4 2 2
2
2 2
2 2
a a 1 a 2a 1 a
a 1 a
a 1 a a 1 a
+ + = + + −
= + −
= + − + +

Repare que para este produto ser um número primo é necessário (mas não sufuciente) que um
dos seus fatores seja igual a 1 ou igual a -1. Vejamos:
2
2
2
2
a 1 a 1 a 1 ou a 0
a 1 a 1 a não é int eiro
a 1 a 1 a 1 ou a 0
a 1 a 1 a não é int eiro
+ − = ⇒ = =
+ − = − ⇒
+ + = ⇒ = − =
+ + = − ⇒

Os valores encontrados foram 1, -1 e 0.
Substituindo, conclui-se que a
4
+ a
2
+ 1 é primo somente para a = 1 ou a = -1.

Resposta: 1 e -1

3.7. Forma fatorada

Todo inteiro a, não nulo, diferente de 1 e diferente de -1, pode ser expresso na forma:
3 1 2 n
1 2 3 n
a p p p ...p , se a 0
α α α α
= + > , ou
3 1 2 n
1 2 3 n
a p p p ...p , se a 0
α α α α
= − <

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 29
onde p
1
, p
2
, ... e p
n
são primos positivos e dois a dois distintos, e os expoentes α
1
, α
2
, ...,
α
n
são números naturais não nulos.

Exemplo 9
Qual a forma fatorada de 528?


Resolução:
528 2
264 2
132 2
66 2
33 3
11 11
1


Resposta: 2
4
⋅ 3 ⋅ 11

Exemplo 10
Quantos divisores possui o número 5
3
⋅ 11
4
?

Resolução:
Consideremos os conjuntos:
{ }
0 1 2 3
1
D 5 , 5 , 5 , 5 = e
{ }
0 1 2 3 4
2
D 11 ,11 ,11 ,11 ,11 =
Repare que todo produto do tipo d
1
⋅ d
2
com
1 1
d D ∈ ,
2 2
d D ∈ e apenas estes produtos são
divisores positivos de 5
3
⋅ 11
4
.
Para d
1
, temos (1 + 3) opções, e para d
2
há (1 + 4) opções.
Logo, existem (1 + 3)(1 + 4) = 20 divisores positivos.
Consequentemente há 20 divisores negativos. Há, portanto, 40 divisores de 5
3
⋅ 11
4
.

Resposta: 40

Observação:


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 30
Sendo
3 1 2 n
1 2 3 n
p p p ...p
α α α α
a forma fatorada de um número natural n, pode-se concluir que
o número de divisores positivos de n é ( )( ) ( )
1 2 n
1 1 ... 1 α + α + α + .

3.8. Divisão euclidiana
Dados dois inteiros n e d, com d 0 ≠ , efetuar a divisão de n por d significa obter dois
inteiros q e r tais que n = d ⋅ q + r e 0 r d ≤ < .

Os números n, d, q e r são, nesta ordem, chamados de dividendo, divisor, quociente e
resto. Pode-se provar que para cada par (n,d), o quociente e o resto são únicos.

Exemplo 11
Efetuar a divisão de:
a) 29 por 4
b) 29 por -4
c) -29 por 4

Resolução:
29 4
a)
1 7

29 4
b)
1 7



29 4
c)
3 8



Observe que, em cada caso, o resto é não negativo e é menor que o módulo do divisor!

Resposta:
a) quociente 7, resto 1
b) quociente -7, resto 1
c) quociente -8, resto 3

Exemplo 12
Seja d um divisor comum dos inteiros não nulos x e y. Mostre que d é um divisor do resto
da divisão de x por y.
Demonstração:
Sejam q e r, respectivamente, o quociente e o resto da divisão de x por y. Então:
x y q r = ⋅ +
Sendo x a d = ⋅ e y b d = ⋅ , segue que:
( ) r x y a d b d d a b = − = ⋅ − ⋅ = − (c.q.d.)

Exemplo 13
Obter o conjunto dos inteiros positivos menores que 180 e que, quando divididos por 27,
deixam um resto igual ao quociente.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 31
Resolução:
x 27r r = + com 0 r 27 ≤ ≤ e x 180 <
x 28r =
{ } r 1, 2, 3, 4,..., 26 ∈
{ } x 28, 56, 84,112,140,168,196,... ∈
Como devemos ter x < 180, tem-se que o conjunto pedido é: { } 28, 56,84,112,140,168 .
Resposta: { } 28, 56,84,112,140,168

3.9. Máximo divisor comum

Sendo a e b inteiros, não ambos nulos, chama-se de máximo divisor comum de a e b ao
maior dos divisores que eles têm em comum.
Notação: mdc(a,b)

Exemplo 14
Calcular mdc(1750,1400).

Resolução:

1a maneira:
1 3 1
1750 2 5 7 = ⋅ ⋅ e
3 2 1
1400 2 5 7 = ⋅ ⋅
O maior divisor (ou fator) comum é
1 2 1
2 5 7 350 ⋅ ⋅ = .

2a maneira (por divisões sucessivas):
Efetua-se a divisão de um número pelo outro e, daí em diante, divide-se sucessivamente o último
divisor obtido pelo resto, até obter um resto nulo. (Os quocientes são abandonados.)

1750 1400 350
restos: 350 0

(O exemplo 12 justifica a validade deste processo.)

Resposta: 350




............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 32
Exemplo 15
Calcular mdc(2048,1935).

Resolução:

2048 1935 113 14 1
restos: 113 14 1 0

Resposta: 1


3.10. Números primos entre si

Dois inteiros quais quer são ditos primos entre si se, e somente se, o seu mdc for 1.

Exemplo 16
Os números 2048 e1935 são primos entre si.

Exemplo 17
Verificar se existe um inteiro k tal que 3k + 1 e 2k + 1 não sejam primos entre si.

Resolução:
Seja d, d > 0 um divisor comum; então tem-se que:
3k 1 a d ( 2)
2k 1 b d (3)
+ = ⋅ − ¦
´
+ = ⋅
¹

( )
6k 2 2a d
6k 3 3b d
1 3b 2a d
− − = − ⋅ ¦
´
+ = ⋅ +
¹
= − ⋅

Como d=1, conclui-se que os números 3k + 1 e 2k + 1 são primos para todo inteiro k.

(Tente resolver este exercício pelo método das divisões sucessivas.)

Resposta: não

3.11. Mínimo múltiplo comum

Sendo a e b inteiros, não ambos nulos, chama-se de mínimo múltiplo comum de a e b ao
menor dos múltipos positivos que eles têm em comum.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 33
Notação: mmc(a,b)

Exemplo 18
Calcular mmc(1750,1400).

Resolução:
1 3 1
1750 2 5 7 = ⋅ ⋅ e
3 2 1
1400 2 5 7 = ⋅ ⋅
O menor dos múltiplos positivos que estes números têm em comum é
3 3 1
2 5 7 ⋅ ⋅ .

Resposta: 7000

3.12. Teorema

Sendo a e b inteiros, não ambos nulos, tem-se que: ( ) ( ) mdc a, b mmc a, b a b ⋅ = ⋅ .

Exemplo 19
Obter k, dado que o mdc e o mmc de k e 20 são, nesta ordem, iguais a 4 e 160.

Resolução:
20 k 4 160 k 32 ⋅ = ⋅ ⇒ = e
3 2 1
1400 2 5 7 = ⋅ ⋅

Resposta: 32 e -32





............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 34
4. Técnicas de fatoração

4.1. Expressão algébrica

Para estabelecer conceitos, definições, axiomas, teorema, etc., na Álgebra, usaremos,
quase sempre, seqüências de caracteres, que podem ser letras, algarismos, sinais de operação,
parênteses, colchetes ou chaves, dispostos numa ordem determinada. Seqüências desse tipo, em
que pelo menos um dos caracteres é uma letra, são chamadas expressões algébricas.
O uso de expressões algébricas traz várias conveniências, entre elas a precisão e a
concisão de linguagem.
Observe o quadro abaixo:
Exemplo: Expressão Algébrica:
O dobro de um número 2x
O quadrado da soma de dois números (a + b)
2

A soma dos quadrados de dois números a
2
+ b
2

A soma do quadrado de um número com o
seu dobro
n
2
+ 2n

4.2. Valor numérico

Quando, numa expressão algébrica, cada letra for substituída por um número e as
eventuais operações puderem ser efetuadas, obter-se-á um resultado chamado de valor numérico
da expressão algébrica.

Exemplo 1
Obter o valor numérico de a
2
– b
2
+ ab para:
a) a = 1 e b = 2 b) a = 2 e b = 1
Solução:
a) Substituindo a por 1 e b por 2, obtemos:
( )( )
2 2
1 2 1 2 1 4 2 1 − + = − + = − .

b) Substituindo a por 2 e b por 1, obtemos:
( ) ( )
2 2
2 1 2 1 4 1 2 5 − + = − + = .

Exemplo 2
Sendo a = 3 e b = 4, obter o valor numérico de ( )( ) ( ) a 2 ab 1 a ab 2b 1 + + − + +

Solução:

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 35
Substituindo a por 3 e b por 4, obtemos:
( ) ( ) ( ) ( )( ) ( )( ) 3 2 12 1 3 12 8 1 5 13 3 21 2 + + − + + = − = .

Exemplo 3
Mostrar que o valor numérico de ( )( ) ( ) a 2 ab 1 a ab 2b 1 + + − + + independe dos valores
de a e b.

Solução:
Efetuando os produtos indicados, obtemos:
2 2
a b a 2ab 2 a b 2ab a 2 + + + − − − = .
Portanto para quaisquer valores de a e b a expressão terá valor numérico 2.

EXERCÍCIOS
Sendo a = 5 e b = 2, obter os valores numéricos de:
1) ( )
2
a b +
2)
2 2
a b +
3) ( )
2
a b −
4) ( )
2
b a −
5)
2 2
a b −
6) Mostrar que o valor numérico da expressão abaixo não depende do valor de b.
( )( ) ( )
2
a b ab 1 b a ab 1 + + − + + .

4.3. Fatorar – Desenvolver

Consideremos as expressões:
( )( ) F x 2y 2x 3y = + + e
2 2
D 2x 7xy 6y = + +
Repare que:
( ) ( )
2 2
2 2
x 2y 2x 3y 2x 3xy 4xy 6y
2x 7xy 6y
+ + = + + +
= + +


Denomina-se:
• ( ) ( ) x 2y 2x 3y + + de FORMA FATORADA

2 2
2x 7xy 6y + + de FORMA DESENVOLVIDA


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 36
Repare que, em geral, desenvolver um produto requer apenas mão-de-obra e, portanto,
não oferece maiores dificuldades. O que pode dar problemas é a passagem no sentido contrário.
Como fatorar? Isto é, como passar da forma desenvolvida para a forma fatorada?
A seguir veremos algumas identidades fundamentais, que serão ferramentas
indispensáveis para a técnica de fatoração.

4.4. Casos de fatoração

1° caso: o fator comum
Pela propriedade distributiva, temos que ( ) a b c ab ac + = + e portanto:
( ) a b a c a b c ⋅ + ⋅ = +

Observe que no membro esquerdo da igualdade acima h’uma soma (adição ou subtração)
de produtos que, neles, a é um fator comum. No membro direito diremos que o fator comum a foi
colocado em “evidência”.
A igualdade acima pode ser ilustrada da seguinte maneira:

b c
a
b+c
ab ac


A área da região hachurada é igual a ( ) a b c ab ac + = + .
Exemplo 4
Fatorar 2x xy ax + − .

Solução:
Como x é fator comum, segue que:
( ) 2x xy ax x 2 y a + − = + −

Exemplo 5
Fatorar
2
8x 4x − .


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 37
Solução:
Observe que 4x é fator comum!
( )
2
8x 4x
4x 2x 4x 1
4x 2x 1
− =
= ⋅ − ⋅
= −


Exemplo 6
Fatorar
3 2 2 3 6 5
x y x y x y − + .

Solução:
O fator comum é
2 2
x y :
( )
3 2 2 3 6 5
2 2 2 2 4 2 2 3
2 2 4 3
x y x y x y
xx y x y y x x y y
x y x y x y
− + =
= − +
= − +


EXERCÍCIOS
Fatorar as seguintes expressões:
7)
2
a ab a + −
8) ( ) ( ) a x y b x y + + +
9) ( ) ( ) a 3x 2 b 3x 2 − − −
10) ( ) ( ) x a b y a b − + −
11) ( ) x a b b a − + −

OBSERVAÇÃO
Pode haver aplicações repetidas deste caso. Vejamos um exemplo básico.
( ) ( )
( ) ( )
( )( )
ax ay bx by
ax ay bx by
a x y b x y
a b x y
+ + + =
= + + +
= + + +
= + +


Exemplo 7
Fatorar ax ay bx by + − − .

Solução:

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 38
( ) ( )
( ) ( )
( )( )
ax ay bx by
ax ay bx by
a x y b x y
a b x y
+ − − =
= + − +
= + − +
= − +


Exemplo 8
Fatorar ax ay bx by − − + .

Solução:
( ) ( )
( ) ( )
( )( )
ax ay bx by
ax ay bx by
a x y b x y
x y a b
− − + =
= − − −
= − − −
= − −


EXERCÍCIOS
Fatorar:
12)
2 2
ab a b a b − − +
13)
2
x 3x bx 3b − + −
14) ap by bp ay − + −
15)
2
x ax bx ab + + +
16) ( )
2
x a b x ab + − −

2° caso: diferença de dois quadrados
( ) ( )
2 2
a b a b a b − = + −
Assim, por exemplo, 5
2
– 3
2
é igual a ( )( ) 5 3 5 3 + − (verifique!).
É claro que podemos justificar essa identidade partindo do membro direito e,
desenvolvendo o produto, chegar ao membro esquerdo. Como ficaria se quiséssemos partir do
membro esquerdo e, fatorando, chegar no direito?
Repare que em
2 2
a b a a b b − = ⋅ − ⋅ não há fator comum!
Observe então a seguinte seqüência em que é usado um pequeno artifício: somando e
subtraindo ab, obtemos fatores comuns sem alterar o valor da expressão.
( ) ( )
( )( )
2 2 2 2
a b a ab ab b
a a b b a b
a b a b
− = + − −
= + − +
= + −

Veja na seguinte ilustração como podemos verificar a identidade em questão.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 39
b
b
a
2 2
a b −
b
a - b
a
( )( ) a b a b + −
a


As regiões hachuradas têm áreas iguais e ilustram o fato de que
( ) ( )
2 2
a b a b a b − = + − .

Exemplo 9
Fatorar
2
x 25 − .

Solução:
( ) ( )
2
2 2
x 25
x 5
x 5 x 5
− =
= −
= + −


Exemplo 10
Fatorar
4 4
a b − .

Solução:
( ) ( )
( )( )
( )( )( )
4 4
2 2
2 2
2 2 2 2
2 2
a b
a b
a b a b
a b a b a b
− =
= −
= + −
= + + −


(Observação: No conjunto dos números reais, a expressão a
2
+ b
2
não é fatorável!)


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 40

EXERCÍCIOS

Fatorar as seguintes expressões em ℝ:
17)
2
x 1 −
18)
4
x 1 −
19)
2 2
a b ax bx − + +
20)
2 2
a b b a + + −
21)
2 2 2
a b a ab − + −
22)
2 2
a b b a − + −
23)
3 2
x 3x 4x 12 − − +


3° caso: trinômio quadrado perfeito

( )
( )
2
2 2
2
2 2
a 2ab b a b
a 2ab b a b
+ + = +
− + = −


Veja:

( ) ( )
( ) ( )
( )( )
( )
2 2
2 2
2 2
2
a 2ab b
a ab ab b
a ab ab b
a a b b a b
a b a b
a b
+ + =
= + + +
= + + +
= + + +
= + +
= +


( ) ( )
( ) ( )
( ) ( )
( )
2 2
2 2
2 2
2
a 2ab b
a ab ab b
a ab ab b
a a b b a b
a b a b
a b
− + =
= − − +
= − − −
= − − −
= − −
= −


Ilustrando:


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 41
b
b
a
2
a
2
b ab
ab
a
a + b
( )
2
a b +
a + b


Exemplo 11
Desenvolver
( )
2
2
2x 3y + .

Solução:
( )
( ) ( )( ) ( )
2
2
2
2
2 2
2 2 4
2x 3y
2x 2 2x 3y 3y
4x 12xy 9y
+ =
= + +
= + +


Exemplo 12
Desenvolver
2
1
x
x
| |

|
\ ¹
.

Solução:
( )
2
2
2
2
2
1
x
x
1 1
x 2 x
x x
1
x 2
x
| |
− =
|
\ ¹
| | | |
= − +
| |
\ ¹ \ ¹
= + +



............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 42
Exemplo 13
Fatorar
2 2 4
4a 20ab 25b + + .

Solução:
( ) ( ) ( ) ( )
( )
2 2 4
2
2
2 2
2
2
4a 20ab 25b
2a 2 2a 5b 5b
2a 5b
+ + =
= + +
= +


EXERCÍCIOS
24) Desenvolver:
2
1
x
x
| |
+
|
\ ¹


Fatorar as seguintes expressões em ℝ:
25)
2
x 6x 9 + +
26)
2
x 10x 25 − +
27)
3 2
x 16x 64x − +
28)
2
x 20x 100 − + −
29)
2
2x 1 x − −
30)
4 2
1
a a
4
+ +
31)
2 2 2
a 2ab b c + + −
32)
2 2
x 2x 1 y + + −
33) ( )
2
2
x y 1 − −
4° caso: soma e diferença de cubos
( ) ( )
( )( )
3 3 2 2
3 3 2 2
a b a b a ab b
a b a b a ab b
+ = + − +
− = − + +

Justificativa:
( )( )
2 2
3 2 2 2 2 3
3 3
a b a ab b
a a b ab a b ab b
a b
+ − + =
= − + + − +
= +


( ) ( )
2 2
3 2 2 2 2 3
3 3
a b a ab b
a a b ab a b ab b
a b
− + + =
= + + − − −
= −



............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 43
Exemplo 14
Fatorar
3
x 8 + .
Solução:
( )( )
( )( )
3
3 3
2 2
2
x 8
x 2
x 2 x 2x 2
x 2 x 2x 4
+ =
= +
= + − +
= + − +


Exemplo 15
Fatorar
3
27x 1 − .
Solução:
( )
( ) ( ) ( ) ( )
( )( )
3
3
3
2
2
2
27x 1
3x 1
3x 1 3x 3x 1 1
3x 1 9x 3x 1
− =
= −

= − + +

= − + +

Exemplo 16
Fatorar
3 3 2 2
a b a b a b − + − + − .
Solução:
( ) ( ) ( )
( ) ( ) ( ) ( ) ( )
( ) ( ) ( )
( ) ( )
3 3 2 2
3 3 2 2
2 2
2 2
2 2
a b a b a b
a b a b a b
a b a ab b a b a b 1 a b
a b a ab b a b 1
a b a ab b a b 1
− + − + − =
= − + − + −
= − + + + + − + −

= − + + + + +

= − + + + + +


EXERCÍCIOS

34) a) Fatorar x
3
- 1
b) Sendo x = 0,1, obter o valor numérico de
3
x 1
x 1




35) Fatorar:
a)
9 9
x y +
b)
9 9
x y −


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 44
5° caso: cubo da soma e cubo da diferença

( )
( )
3
3 2 2 3
3
3 2 2 3
a 3a b 3ab b a b
a 3a b 3ab b a b
+ + + = +
− + − = −


Justificativa:
( ) ( ) ( )
( )( )
3 2
2 2
3 2 2 2 2 3
3 2 2 3
a b a b a b
a 2ab b a b
a a b 2a b 2ab ab b
a 3a b 3ab b
+ = + +
= + + +
= + + + + +
= + + +


( ) ( ) ( )
( )( )
3 2
2 2
3 2 2 2 2 3
3 2 2 3
a b a b a b
a 2ab b a b
a a b 2a b 2ab ab b
a 3a b 3ab b
− = − −
= − + −
= − − + + −
= − + −


Exemplo 17
Desenvolver ( )
3
2x 5 + .
Solução:
( )
( ) ( ) ( ) ( )( )
3
3 2 2
3
3 2
2x 5
2x 3 2x 5 3 2x 5 5
8x 60x 150x 125
+ =
= + + +
= + + +

Exemplo 18
Desenvolver ( )
3
x 2y − .
Solução:
( )
( ) ( ) ( )
3
2 3
3 2
3 2 2 3
x 2y
x 3x 2y 3x 2y 2y
x 6x y 12xy 8y
− =
= − + −
= − + −

Exemplo 19
Fatorar
3 2
x 3x 3x 1 + + + .

Solução:

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 45
( )
3 2
3 2 2 3
3
x 3x 3x 1
x 3x 1 3x 1 1
x 1
+ + + =
= + ⋅ + ⋅ +
= +

EXERCÍCIOS

36) Desenvolver as expressões:
a)
( )
3
2
x yz + b) ( )
3
2x 1 −

Fatorar as expressões:

37)
3 2 2 3
x 3x y 3xy y + + +
38)
3 2 2 4 6
x 6x y 12xy 8y + + +
39)
3 2
x 9x 27x 27 − + −
40)
3 2 2 3 3
a 3a b 3ab b c + + + +

RESUMO

1. ( ) ab ac ad a b c d + − = + + −
2. ( ) ( )
2 2
a b a b a b − = + −
3. ( )
2
2 2
a 2ab b a b + + = +
4. ( )
2
2 2
a 2ab b a b − + = −
5. ( ) ( )
3 3 2 2
a b a b a ab b + = + − +
6. ( )( )
3 3 2 2
a b a b a ab b − = − + +
7. ( )
3
3 2 2 3
a 3a b 3ab b a b + + + = +
8. ( )
3
3 2 2 3
a 3a b 3ab b a b − + − = −

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 46
5. Potenciação

5.1. Definição

Dado um número a, a ∈ℝ, e um número inteiro n, n > 1, chama-se potência enésima de
a, que se indica por a
n
, ao produto de n fatores iguais a a. Assim:

n
a a a a ... a
n fatores
= ⋅ ⋅

O número a é chamado de base e n, de expoente.
Exemplo 1

a)
3
2 2 2 2 8 = ⋅ ⋅ =
b) ( ) ( ) ( ) ( )
3
2 2 2 2 8 − = − ⋅ − ⋅ − = −

Exemplo 2

Obter o valor de cada expressão:
a) ( )
2
2
4 3 + − b)
3
2
1
10
10
| |

|
\ ¹
c)
2 3
2 3
3 2
− | | | |

| |
\ ¹ \ ¹

Solução:
a) ( ) ( ) ( )
2
2
4 3 4 4 3 3 16 9 25 + − = ⋅ + − ⋅ − = + =
b)
3
2
1 1 1
10
10 10 10
| | | |
⋅ = ⋅
| |
\ ¹ \ ¹
1
10
| |

|
\ ¹
10
| |

|
\ ¹
10 ⋅
1
10
= ^
c)
2 3
2 3 2
3 2
| | | |
⋅ − =
| |
\ ¹ \ ¹ 3
2

3
3
⋅ −
2
3
| |
⋅ −
|
\ ¹
2
3 3
2 2
| |
| |
⋅ − = −
| |
\ ¹
\ ¹


OBSERVAÇÕES

1) ( )
2
2
2 2 − ≠ − pois:
( ) ( ) ( )
2
2 2 2 4 − = − ⋅ − = e ( )
2
2 2 2 4 − = − ⋅ = −
2) ( )
n
1 1 − = , se n é par
( )
n
1 1 − = − , se n é ímpar



............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 47
EXERCÍCIOS

1) Calcular:

a)
4
1

d)
3
4 g)
2
4 −
b)
4
0

e) ( )
2
4 − h)
2
2
3
| |
|
\ ¹

c)
2
4

f) ( )
3
4 − i)
2
2
3
| |
− −
|
\ ¹

2) Calcular:

a) ( )
2
2
4 3 − −
b)
3
4
1
10
10
| |
− ⋅
|
\ ¹

c)
2 2
2 3
3 2
| | | |
⋅ −
| |
\ ¹ \ ¹


5.2. Definições

Considere, por exemplo, a potência 2
5
, que é 32.
Observe que, ao diminuirmos de 1(uma) unidade o expoente, o valor da potência fica
dividido por 2, que é o valor da base. Veja:

5
2 32 = ,
4
2 16 = ,
3
2 8 = ,
2
2 4 =

Continuando-se o raciocínio anterior, vem:

1
2 2 = ,
0
2 1 = ,
1
1
2
2

= ,
2
1
2
4

= e assim por diante.

Tais resultados sugerem as definições:

1
a a =

0
a 1 =

n
n
n
1 1
a , a 0
a a

| |
= = ≠
|
\ ¹


Exemplo 3

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 48
a)
1
3 3 =
e)
2
2
1 1
3
3 9

= =
b) ( )
1
3 3 − = − f)
3
3
1 1
3
3 27

= =
c)
0
3 1 =
g) ( )
( )
2
2
1 1
3
9
3

− = =


d) ( )
0
3 1 − =
h) ( )
( )
3
3
1 1
3
27
3

− = = −




Exemplo 4
Calcular:
a)
4
1

b)
2
2
3

| |
|
\ ¹
c)
2
2
3

| |

|
\ ¹
d)
2 2
2 2


Solução:

a)
4
4
1
1 1
1

= =
b)
2 2
2 3 9
3 2 4

| | | |
= =
| |
\ ¹ \ ¹

c)
2 2
2 3 9
3 2 4

| | | |
− = − =
| |
\ ¹ \ ¹

d)
2 2 2
2
1
2 2 2 1
2

⋅ = ⋅ =

EXERCÍCIOS

3) Calcular:

a)
1
5 d) ( )
1
5 − g)
1
1
5
| |
|
\ ¹
j)
2
3
4

| |
|
\ ¹

b)
0
5 e) ( )
0
5 − h)
0
1
5
| |
|
\ ¹
k)
2
3
4

| |

|
\ ¹

c)
1
5

f) ( )
1
5

− i)
1
1
5

| |
|
\ ¹
l)
2
3
4

| |
− −
|
\ ¹


4) Calcular:

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 49

a)
1
1
1
2
2



| |
+

|
\ ¹


b)
2 1
2 1
3 3
− −

| | | |
− −

| |
\ ¹ \ ¹




5) Calcular o valor de
( )
1
1 1
x y

− −
+ , sabendo que x = 0,1 e y = 0,9.





5.3. Simplificação de expressões

Numa expressão numérica com parêntesis ( ), colchetes [ ] e chaves { }, efetuamos
inicialmente as operações que estão entre parênteses, depois as que estão entre colchetes e por
fim aquelas que estão entre chaves, obedecendo à seguinte ordem de cáculo:
1) as potenciações;
2) as multiplicações ou divisões na ordem em que aparecem;
3) as adições ou subtrações na ordem em que aparecem.

Exemplo 5

Simplificar a expressão:

( )
{ }
2 1 2 2 0 2
3 x 4 6 : 2 7 3

+ − +



Solução:

Efetuando as operações entre parênteses na ordem dada:

( )
{ }
( )
{ }
{ }
2 1 2
2 1 2
2 1 2
3 x 4 36: 4 1 3
3 x 4 9 1 3
3 x 4 8 3
+ − +

= + − +

= + +



Efetuando as operações entre colchetes na ordem dada:


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 50
| | { }
{ }
2 2
2 2
3 x 4 8 3
3 x12 3
+ +
= +


Efetuando as operações entre chaves na ordem dada:

{ }
2
2
9x12 3
108 3
108 9
117
+
= +
= +
=



EXERCÍCIOS

6) Calcular:

a)
( )
{ }
2 0 3
20: 3 2 2 : 8 1

+ + −


b)
( )
{ }
1 4 0 1 1
3 1 2 2 : 2
− − −

+ − −


c)
( )
{ }
2 1 3 0
10 x 10 : 6: 3 2 : 2


+



5.4. Propriedades das potências

Observe os cálculos:
( ) ( )( )
( )
( )
4 2 4 2
A 2 2 2 2 2 2 2 2 2 B
4 2 fatores
+
⋅ = ⋅ ⋅ ⋅ ⋅ =
+

( )
4
2
2
2
A
2
=
2 ⋅
( )
2 2
2
⋅ ⋅
2 ⋅
( ) ( )

( )
4 2
4 2
fatores
2 2 2 B


= ⋅ =
( ) ( ) ( ) ( )
( )
( )
2
4 4.2
A 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 B
4.2 fatores
= ⋅ ⋅ ⋅ ⋅ ⋅ ⋅ =

( ) ( )
2
2
2
2 2 2 2 2 2
A B
3 3 3 3 3 3
⋅ | |
= ⋅ = =
|

\ ¹

( ) ( ) ( )( ) ( )
2
2 2
A 2 3 2 3 2 3 2 2 3 3 2 3 B ⋅ = ⋅ ⋅ = ⋅ ⋅ ⋅ = ⋅


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 51
Imprimiremos maior rapidez aos cálculos se passarmos diretamente do estágio (A) para o
estágio (B) e vice-versa. Tal passagem é garantida pelas chamadas propriedades das potências.
Para todo a ∈ℝ, b∈ℝ, m e n inteiros, prova-se:

( )
( )
m n m n
m
m n
n
n
m m n
m
m
m
m
m m
P1. a a a
a
P2. a , a 0
a
P3. a a
a a
P4. , b 0
b b
P5. a b a b
+


⋅ =
= ≠
=
| |
= ≠
|
\ ¹
⋅ = ⋅


Exemplo 6
a)
7 3 7 3 10
2 2 2 2
+
⋅ = = (P1)
b)
( ) 7 3 2 7 3 2 8
2 2 2 2 2
+ + − −
⋅ ⋅ = = (P1)
c)
7 3 7 3 4
2 : 2 2 2

= = (P2)
d)
( )
3
5 15
2 2 = (P3)
e)
4
4
4
2 2
3 3
| |
=
|
\ ¹
(P4)
f) ( )
3
3 3
2 5 2 5 ⋅ = ⋅ (P5)
Exemplo 7

1. Calcular:

a)
( )
2
3 7
18
5 5
5

b)
4
4
3
5
5
| |

|
\ ¹
c)
( )
3
1 7
10
10 10
10
− −




Solução:

a)
( ) ( )
2 2
3 7 10
20
2
18 18 18
5 5 5
5
5 25
5 5 5

= = = =
b)
4
4
4 4 4
4
3 3
5 5 3 81
5 5
| |
⋅ = ⋅ = =
|
\ ¹

c)
( )
( )
3
1 7
3 7 10
10 10 0
10 10 10
10 10
10 10 10
10 10 1
10 10 10
− −
− − −
− − −
− − −


= = = = =


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 52
2. Calcular:

a) ( )
1
2
0, 01

b)
1
4
1
3
9

| |

|
\ ¹
c)
3
2
3

Solução:

a) ( ) ( )
1 1
1
1
2 2
2 1
2
2
2
1 1
0, 01 10 10 10
100 10
− −



| | | |
= = = = =
| |
\ ¹ \ ¹

b)
( )
1 1
1
4 4 4 2 4 2 6
2
1 1
3 3 3 3 3 3 3 729
9 3
− −


| | | |
⋅ = ⋅ = ⋅ = ⋅ = =
| |
\ ¹ \ ¹

c)
( )
3
3 2
2 8
3 3 3 6561 = = =

OBSERVAÇÕES

1)
( )
2 2
4 4
2 2 ≠ , pois
( )
2
2 4
4 16
2 2 2 = = e
( )
2
4 8
2 2 =
2) ( )
2
2 2
2 3 2 3 + ≠ + , pois ( )
2
2
2 3 5 25 + = = e
2 2
2 3 4 9 13 + = + =

EXERCÍCIOS

7) Transformar cada expressão abaixo numa única potência de base 2.

a)
5 4 2
2 2 2

⋅ ⋅ d)
4
8
b)
6
2
2
e)
4 2
8 : 2


c)
( )
4
3
2 f)
3
3
1
8 :
2


| |
|
\ ¹


8) Transformar cada expressão abaixo em uma única potência de base 10.

a)
3
10 100 ⋅ c)
200
500
1
10
100

| |

|
\ ¹

b) ( )
2
3
100 :10
d)
2
3
10

9) Calcular o valor de cada expressão.


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 53
a)
( )
2
2
0, 001 100
0,1


b) ( )
2
3
1000 0, 001 ⋅

10) A expressão ( )
199
200
5 0, 2 ⋅ é equivalente a:

a) 5 d)
1
10

b) 10 e) 100
c)
1
5


11) Assinalar V (verdadeira) ou F (falsa)

a)
3 4 12
2 2 4 ⋅ = ( )
b)
2 2 4
5 5 5 + = ( )
c)
8 4 2
10 :10 10 = ( )
d)
( )
3
2 6
10 10 = ( )
e)
3
2 8
10 10 = ( )
12) Assinalar V (verdadeira) ou F (falsa)

a)
x 3 x
2 8 2
+
= ⋅ ( )
b)
x
x 1
2
2
2

= ( )
c) ( )
3
3
2x 8x = ( )

13) Se
6
2, 4 a = e
7
2, 4 b = , então
13
2, 4 é igual a:

a) a + b d) a – b
b) a ⋅ b e) 42
c) 6a + 7b

5.5. Equações exponenciais
Sendo b > 0 e b 1 ≠ , tem-se
1 2
x x
1 2
b b x x = ⇔ =

Exemplo 8
x 5
2 2 x 5 = ⇔ =


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 54
Exemplo 9
Resolver em ℝ

a)
2x 1 7
3 3

=

Solução:

Sendo 3 > 0 e 3 1 ≠ , temos que:
2x 1 7 2x 8 x 4 − = ∴ = ∴ =
Logo: S = {4}

b)
x 3 2
1 1 1
2 2 2
| | | | | |
= ⋅
| | |
\ ¹ \ ¹ \ ¹


Solução:
x 5
1 1
2 2
| | | |
=
| |
\ ¹ \ ¹

Sendo
1
0
2
> e
1
1
2
≠ , temos que x = 5.
Logo: S = {5}

c)
x
9 9 27 ⋅ =
Solução:
( )
1 x
1 x 2 3 2 2x 3
1
9 27 3 3 3 3 2 2x 3 x
2
+
+ +
= ∴ = ∴ = ∴ + = ∴ =
Logo: S =
1
2
¦ ¹
´ `
¹ )


d)
2
x
1
3
3

=
Solução:
2 x 2
x
1
3 3 3
3
− − −
= ⇔ =
Sendo 3 > 0 e 3 1 ≠ , temos que:
x 2 x 2 − = − ∴ =
Logo: S = { } 2


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 55
OBSERVAÇÃO
Se a base for zero, um ou negativa, não se poderá concluir a igualdade entre os
expoentes. De fato:

1)
4 7
1 1 = e no entanto 4 7 ≠
2)
3 5
0 0 = e no entanto 3 5 ≠
3) ( ) ( )
2 4
1 1 − = − e no entanto 2 4 ≠

EXERCÍCIOS
14) Resolver em ℝ

a)
x 3
5 5 =
f)
x
1
9
3
=
b)
x 3
5 5

= g)
x
3 3 27 = ⋅
c)
x
5 25 = h)
x
8 8 4 ⋅ =
d)
x
25 125 = i)
x 1 x
3 6 3 27
+
+ ⋅ =
e)
x
1
5
5

| |
=
|
\ ¹

j)
2
x 2x 2
2 4

=

5.6. Notação científica

Todo número N, não nulo, pode ser representado numa das formas:
m
N a 10 = ⋅ ou
m
N a 10 = − ⋅
( ) 1 a 10 ≤ ≤ e ( ) m∈ℤ
conforme N seja positivo ou negativo, respectivamente. Essa forma de se escrever um número é
chamada de notação científica e é bastante utilizada na Química, Física, Matemática, etc.
Por exemplo, os números 3 ⋅ 10
7
e -3 ⋅ 10
7
estão em notação científica.
Para se escrever um número em notação científica, devem-se observar as seguintes
propriedades:
1) Multiplicar um número por
p
10 , p > 0, é o mesmo que deslocar a vírgula para a direita de p
“casas” decimais. Se p é negativo, desloca-se a vírgula para a esquerda.
Assim:
a)
4
0, 00037 10 3, 7 ⋅ =
b)
3
2500 10 2, 5

⋅ =
2) O valor de um número não se altera ao ser multiplicado por
p p
10 10

⋅ . De fato:
p p 0
10 10 10 1

⋅ = = .


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 56
As duas propriedades acima permitem escrever um número em sua notação científica.

Exemplo 10
a)
6 6 6
5000000 5000000 10 10 5 10

= ⋅ ⋅ = ⋅
b)
5 5 5
170000 170000 10 10 1, 7 10

= ⋅ ⋅ = ⋅
c)
4 4 4
60200 60200 10 10 6, 02 10

− = − ⋅ ⋅ = − ⋅
d)
4 4 4
0, 00032 0, 00032 10 10 3, 2 10
− −
= ⋅ ⋅ = ⋅

EXERCÍCIOS
15) Escrever em notação científica os números

a) 230 e) 8000
b) 23 f) 8237
c) 2 g) -354,2
d) 0,2 h) 0,01

16) A carga de um elétron é 0,0000000000000000016 C. Escreva este número em notação
científica.
17) A vida na terra existe há aproximadamente 10 bilhões de anos. Escreva este número em
notação científica.

5.7. Resumo

DEFINIÇÕES OBSERVAÇÕES
b , n ∈ ∈ ℝ ℕ
1)
n
nfatores
b b b b ... b, n 2 = ⋅ ⋅ ≥

2)
1
b b =
3)
0
b 1 =
4)
n
n
n
1 1
b , b 0
b b

| |
= = ≠
|
\ ¹

1) ( )
2
2 4 − =
2)
2
2 4 − = −
3) a) ( )
n
1 1 − = , se n é par
b) ( )
n
1 1 − = , se n é ímpar


PROPRIEDADES OBSERVAÇÕES
A , b , m e n int eiros ∈ ∈ ℝ ℝ

1)
2 2
2 3 13 + =
2) ( )
2
2 3 25 + =
3)
( )
2
5 10
3 3 =

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 57
( )
( )
m n m n
m
m n
n
n
m m n
m
m
m
m
m m
P1. a a a
a
P2. a , a 0
a
P3. a a
a a
P4. , b 0
b b
P5. a b a b
+


⋅ =
= ≠
=
| |
= ≠
|
\ ¹
⋅ = ⋅

4)
2
5 25
3 3 =


EQUAÇÃO EXPONENCIAL OBSERVAÇÃO
b 0, b 1 > ≠
1 2
x x
1 2
b b x x = ⇔ =

Se a base for zero, um ou negativa, nada
se poderá concluir.

NOTAÇÃO CIENTÍFICA
m
N a 10 = ⋅ ou
m
N a 10 = − ⋅
( ) 1 a 10 ≤ < e ( ) m∈ℤ


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 58


6. Radiciação


6.1. Introdução

Consideremos o seguinte problema:
Qual é a medida do lado de um quadrado com 5 cm
2
de área?
Para resolvermos esse problema, vamos supor que a medida do lado do quadrado seja x
(x>0).
x
x x
x


A área desse quadrado é dada por x
2
, e pelo enunciado devemos ter:
2
x 5 =
Nessas condições, o problema estará resolvido somente quando determinarmos o valor
positivo de x que torne verdadeira a sentença x
2
= 5.
O número x, não negativo, cujo quadrado é igual a 5, será indicado por
2
5 , que deve ser
lido: “raiz quadrada de cinco”. Assim,
2
x 5 =
Portanto, o lado do quadrado mede
2
5 cm.


6.2. Generalização

Suponhamos a sentença x
n
=a onde n

∈ℕ e a 0 ≥ . O valor não negativo que satisfaz tal
igualdade será indicado por
n
a e deve ser lido: “raiz enésima de a”. Adotaremos a seguinte
nomenclatura para o novo símbolo apresentado:
n
a é o radical
n é o índice do radical
a é o radicando

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 59

Exemplos
Leitura Radical Índice Radicando
5
4
Raiz quinta de
quatro
5
4
5 4
3
8
Raiz terceira ou
Raiz cúbica de oito
3
8
3 8
2
9
Raiz segunda ou
Raiz quadrada de
nove
2
9
2 9

Observação
Devido à raiz quadrada de um número não negativo a, isto é,
2
a , ser utilizada com muita
freqüência, é comum denotá-la simplesmente, por a , suprimindo-se por comodidade, o índice 2.

6.3. Definição
Sendo a 0 ≥ e n

∈ℕ , tem-se:
n n
a b b a = ⇔ = e b 0 ≥
onde b é um número real chamado raiz enésima de a.

Exemplo 1
Usando a definição temos:
a) 9 3 = , pois
2
3 9 = e 3 0 ≥
b)
3
64 4 = , pois
3
4 64 = e 4 0 ≥
c)
4
16 2 = , pois
4
2 16 = e 2 0 ≥
d)
1
7 7 = , pois
1
7 7 = e 7 0 ≥
e)
4 2
9 3
= , pois
2
2 4
3 9
| |
=
|
\ ¹
e
2
0
3


Exemplo 2
O volume de um cubo de aresta x é dado por x
3
.
x
x
x


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 60

Calcular a medida da aresta de um cubo de volume 64 cm
3
.

Solução:

Sendo x a medida da aresta do cubo, devemos ter:
3
x 64 = e x 0 > .
Pela definição de raiz, temos:

3
x 64 4 = = , pois
3
4 64 = e 4 0 ≥ .

Portanto a aresta do cubo mede 4 cm.

Exemplo 3

Obter a medida do lado de um quadrado de área 25 cm
2
.

Solução:
Sendo x a medida do lado do quadrado, devemos ter:
2
x 25 = e x 0 > .
Pela definição de raiz, temos que:
x 25 5 = =
Portanto, a medida do lado do quadrado é 5 cm.


Observação

Existem dois valores de x que tornam verdadeira a sentença x
2
=25:
5 ou -5
O valor positivo 5 é indicado por 25 , e o valor negativo -5 é indicado por 25 − .

Assim,
2
x 25 x 25 = ⇒ = ±

De modo geral, para a 0 ≥ e n par:
n n
x a x a = ⇒ = ±



............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 61

Exercícios

1) Calcular, usando a definição, o valor de cada uma das raízes.
a)
1
3 e)
5
1
b) 25 f)
6
0
c)
3
8 g)
9
4

d)
4
16


2) Obter a medida, em cm, do lado de um quadrado de área:
a) 36 cm
2
b) 64 cm
2
c) 81 cm
2


3) Obter a medida, em cm, da aresta de um cubo de volume:
a) 8 cm
3
b) 27 cm
3
c) 125 cm
3


4) Assinalar V (verdadeiro) ou F (falso)
a) 9 3 = ( )
b) 9 3 = − ( )
c) 9 3 = ± ( )
d)
2
x 9 x 9 = ⇒ = ± ( )
e)
3 3
x 8 x 8 = ⇒ = ± ( )
f)
3 3
x 8 x 8 = ⇒ = ( )

6.4. Propriedades dos radicais
Sendo a e b números reais não negativos, e os índices números naturais não nulos,
temos:
( )
n n n
n
n
n
np
mp m n
m
m n n
n m nm
P1. a b a b
a a
P2. b 0
b b
P3. a a
P4. a a
P5. a a
⋅ = ⋅
= ≠
=
=
=



............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 62
Exemplo 4
a)
P1
3 3 3 3
2 5 2 5 10 ⋅ = ⋅ =
b)
5
P2
5
5
5
8 8
2
4 4
= =
c)
P3
27 27 9 9 9 9 3
5 5 5
÷ ÷
= =
d)
( )
P4 P3 12
3 3 3 12 12 3 4 3
2 2 2 2
÷ ÷
= = =
e)
P5
3 4 12
2 2 =
f)
3
P2
3
3
1 1 1
125 5 125
= =
g)
( )
P4 5
3 5 5 3
8 8 2 = =

Exercícios
5) Simplificar as expressões:
a)
5 5
2 3 ⋅ f)
3
3
1
2
| |
|
\ ¹

b)
5 5
2 2 3 ⋅ g)
3
1
8

c)
5 5
2 2 6 3 ⋅ h)
16
9

d)
3 3
10 : 5 i)
( )
5
15
2
e)
3 3
18 10 : 3 5 j)
( )
8
4
3

6) Simplificar os radicais:
a)
12 6
2 c)
3 3
5
b)
8 4
3 d)
3
64

Exemplo 5
Simplificar os radicais:
a)
3
320 b) 32 c)
4
160


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 63
Soluções:
a) Decompondo 320 em fatores primos, temos:
320 2
160 2
80 2
40 2
20 2
10 2
5 5
1

6
320 2 5 = ⋅

Assim,
3 3 1 6 6 2 3 3 3 3
320 2 5 2 5 2 5 4 5 = ⋅ = ⋅ = ⋅ =

b) Decompondo 32 em fatores primos, temos
5
32 2 = . Assim,
5 4 2
32 2 2 2 4 2 4 2 = = ⋅ = ⋅ =

c) Decompondo 160 em fatores primos, temos
5
160 2 5 = ⋅ . Assim,
4 5 4 4 4 4 4 4 4
160 2 5 2 2 5 2 2 5 2 10 = ⋅ = ⋅ ⋅ = ⋅ ⋅ =

Exercícios
7) Simplificar os radicais:
a) 12 e)
4
80
b) 18 f) ( )
5 13
a a 0 ≥
c)
3
40 g) ( )
3 5
16a a 0 ≥
d)
3
625 h) ( )
3 6 9
8a b c a 0, b 0, c 0 ≥ ≥ ≥

Exemplo 6
Efetuar:
a) 2 5 4 5 +
Como 5 é fator comum às duas parcelas, temos ( ) 2 5 4 5 2 4 5 6 5 + = + = .

b) 6 2 3 2 2 − +

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 64
Como 2 é fator comum às três parcelas, temos
( ) 6 2 3 2 2 6 3 1 2 4 2 − + = − + = .

Exercícios
8) Efetuar:
a) 3 5 7 5 + d)
3 3 3
9 40 5 2 625 + −
b)
3 3
4 2 2 − e) ( )
3 3 4 4
5 a 64a a 0 + ≥
c) 5 12 2 75 27 + −



6.5. Redução de radicais ao mesmo índice
Em algumas situações, é necessário transformar dois ou mais radicais de índices
diferentes em outros equivalentes e que possuam um índice comum.


Exemplo 7
Reduzir ao mesmo índice os radicais
3
2 ,
4
5 e 3 .

Solução:
Tomando como índice comum o mmc(2,3,4)=12, temos:
P3
3 4 3 12 1 1 4 4
P3
3 4 1 1 3 3 4 12
P3
2 6 1 1 6 6 2 12
5 2 2
5 5 5
3 3 3
⋅ ⋅
⋅ ⋅
⋅ ⋅
= =
= =
= =


Exemplo 8
Comparar os radicais:
3
5 e
3
2 .

Solução:
Entre dois radicais de mesmo índice e radicandos não negativos, será maior aquele que
tiver o maior radicando. Assim,
3 3
5 2 > .

Exemplo 9
Comparar os radicais:
6
3 e
4
2 .


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 65
Solução:
Reduzindo os radicais ao mesmo índice, temos: mmc(6,4)=12
Sendo
12 12
9 8 > , temos
4 6
3 2 > .

Exercícios
9) Escrever em ordem crescente os números
3
5 ,
3
2 e
3
9 .
10) Escrever em ordem decrescente os números
4
5 , 2 e
3
3 .

Exemplo 10
Calcular
3
2 3 ⋅ .

Solução:
Reduzindo ao mesmo índice, temos:
6 6 6 2 3 2 3 3 6
2 3 2 3 2 3 108 ⋅ = ⋅ = ⋅ =


Exercício
11) Calcular
a)
4
2 3 ⋅
b)
3
3
3


6.6. Racionalização de denominadores
Vejamos agora como, em algumas situações, podemos evitar a divisão por números
irracionais, minimizando assim os possíveis erros propagados pelos cálculos.

Exemplo 11
Racionalizar o denominador de:
a)
2
3 3 2 3 2 3 2
2 2 2 2
2
⋅ ⋅ ⋅
= = =


b)
3 2 3 3
3 3 3 2 3 3
5 5 7 5 49 5 49
7 7
7 7 7
⋅ ⋅ ⋅
= = =



Exercício
12) Racionalizar o denominador de:

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 66
a)
3
5
d) ( )
5 2
3
a 0
a
>
b)
4
5
8
e) ( )
6 4
1
a 0
a
>
c)
4
3 2




Exemplo 12
Racionalizar o denominador de:
a)
( )
( )( )
( )
( )
( ) ( )
2
2
3 7 2 3 7 2 3 7 2 3 7 2
3
7 2
7 4 3 7 2
7 2 7 2
7 2
− − − −
= = = = = −
− +
+ −


b)
( )
( )( )
( )
( )
( ) ( )
2
2
5 2 3 1 5 2 3 1 5 2 3 1 5 2 3 1
5
12 1 11 2 3 1
2 3 1 2 3 1
2 3 1
+ + + +
= = = =
− −
− +



Exercícios

a)
2
5 2 +

d)
3
3 1 −

b)
2
5 3 −
e)
1
3 2 3 +

c)
2
2 3 1 +

f)
2 1
2 1
+




6.7. Potência de expoente racional
Já sabemos calcular potências do tipo 5
2
, 8
6
, 4
-2
, isto é, potências com expoentes inteiros.
Vejamos agora como interpretar uma potência do tipo
3
5
7 .
Chamando essa potência de x, temos
3
5
x 7 = .
Elevando à quinta potência ambos os membros da igualdade, temos:
5
3
5
5
x 7
| |
=
|
\ ¹
ou
3
5 5
x 7 =
5 ⋅


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 67
Daí,
5 3
x 7 = e, por definição de raiz, temos
5 3
x 7 = .
Assim,
3
5 3
5
7 7 = .
Isso sugere a seguinte definição:
m
m n
n
a a = , com a > 0, m e n inteiros e n > 0.

Observação
Para a=0 devemos ter m>0.

Exemplo 13
a)
2
3 2
3
5 5 =
b)
1
0,5
2
9 9 9 = =
c)
1
10 0,1 1
10
6 6 6

− −
= =

Exercícios
13) Escrever os radicais abaixo na forma de potência.
a)
4 3
2 b)
6 8
2
c) 3 d)
3
a (a 0) ≥

14) Calcular o valor da expressão:
1
0,5 0,75
3
100 8 16

+ −


6.8. Radicando negativo
A igualdade ( )
3
2 8 − = − sugere escrever
3
8 2 − = − .
Por isso, define-se
n n
a b b a = ⇔ = , a < 0 e n natural ímpar.

Exemplo 14
a)
3
64 4 − = −
b)
5
1 1 − = −




............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 68

6.9. Propriedade
Se n é um número natural ímpar, então
n n
a a − = − .

Exemplo 15
a)
3 3
8 8 − = −
b)
5 5
4 4 − = −


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 69

7. Equação do 2º grau

7.1. Definição

Chamamos de equação do segundo grau na incógnita x a toda equação que pode ser
reduzida à forma
2
ax bx c 0 + + = , a 0 ≠ .
a, b e c são reais chamados de coeficientes.

Exemplo 1
Quais são os coeficientes da equação:
2
2x 5x 2 0 − − =
Solução:
Comparando a equação com a forma:
2
ax bx c 0 + + =
temos que os coeficientes são a = 2, b = -5 e c = -2.

Exercício
1) Qual a soma dos coeficientes da equação
2
x 5x 1c 0 + + =


7.2. Raiz da equação
Um número r será chamado raiz, ou solução da equação
2
ax bx c 0 + + = , se, e somente
se, a sentença
2
ar br c 0 + + = for verdadeira.

Exemplo 2
Verificar se o número 2 é uma das raízes da equação
2
2x 5x 2 0 − + = .

Solução:
Substituindo x por 2 temos:
2
2 2 5 2 2 8 10 2 0 ⋅ − ⋅ + = − + =
portanto 2 é uma raiz da equação.

Exemplo 3
Determinar o coeficiente c de modo que
1
2
seja uma raiz da equação
2
2x 5x c 0 − + = .


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 70
Solução:
Substituindo x por
1
2
, segue que:
2
1 1
2 5 c 0
2 2
| | | |
⋅ − ⋅ + =
| |
\ ¹ \ ¹
, isto é,
1 5
c 0
2 2
− + = .
Daí devemos ter
1 5
c
2 2
= − + e, portanto, c = 2.

Exercícios
2) Obter o coeficiente c na equação
2
ax bx c 0 + + = , sabendo que a = 1, b = 2 e uma das
raízes é -1.
3) Obter a constante p na equação
2
x px p − = , sabendo que uma de suas raízes é o número 2.

7.3. Conjunto solução
Resolver a equação do 2º grau
2
ax bx c 0 + + = no conjunto universo U significa obter o
conjunto de todas as raízes dessa equação que pertencem a U.
O conjunto das raízes é chamado de conjunto solução, ou conjunto verdade da equação.
Assim, por exemplo, no conjunto universo ℝ, o conjunto solução da equação
2
x 4 = é
{ } 2, 2 − .

7.4. Fórmula resolutiva
Tendo como universo o conjunto ℝ dos números reais, pode-se provar que a equação
2
ax bx c 0 + + = ( ) a 0 ≠ com
2
b 4ac 0 − ≥ possui duas raízes, que indicaremos por x
1
e x
2
.
Estas podem ser obtidas pelas fórmulas:
2
1
b b 4ac
x
2a
− + −
= e
2
2
b b 4ac
x
2a
− − −
=
A expressão
2
b 4ac − , normalmente indicada pela letra grega ∆ (delta maiúscula), é
chamada de discriminante da equação.
Se 0 ∆ ≥ , podemos escrever de maneira resumida
1,2
b
x
2a
− ± ∆
= .
Mais adiante veremos que há situações particulares em que podemos obter as raízes sem
ter de recorrer a essa fórmula.

7.5. Observações
0 ∆ > ⇔ A equação possui duas raízes reais distintas.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 71
0 ∆ = ⇔ A equação possui duas raízes reais e iguais.
0 ∆ < ⇔ A equação não possui raízes reais.

Exemplo 4
Resolver em ℝ:
2
2x 5x 2 0 − + = .

Solução:
a = 2; b = -5; c = 2 ( ) ( )( )
2
2
b 4ac 5 4 2 2 9 ⇒ ∆ = − = − − =
Portanto
1,2
b 5 3
x
2a 4
− ± ∆ ±
= = ⇒ x = 2 ou
1
x
2
=
1
S , 2
2
¦ ¹
=
´ `
¹ )


Exemplo 5
Resolver em ℝ:
2
x 4x 4 0 − + − = .

Solução:
a = -1; b = 4; c = -4 ( ) ( ) ( )
2
2
b 4ac 4 4 1 4 0 ⇒ ∆ = − = − − − =
Portanto
1,2
b 4 0
x
2a 2
− ± ∆ − ±
= = ⇒

x = 2
Ambas as raízes são iguais a 2 (2 é raiz dupla)
{ } S 2 =

Exemplo 6
Resolver em ℝ:
2
x x 2 0 + + = .

Solução:
a = 1; b = 1; c = 2 ( ) ( )( )
2
2
b 4ac 1 4 1 2 7 ⇒ ∆ = − = − = −
Como 0 ∆ < , podemos afirmar que não há raízes reais.
{ } S = (o conjunto vazio)

Exercícios
4) Resolver em ℝ:
2
x x 2 0 − − =
5) Resolver em ℝ:
2
x 2x 1 0 + + =

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 72
6) Resolver em ℝ:
2
x 2x 2 0 + + =

7.6. Equações incompletas
A equação do 2º grau
2
ax bx c 0 + + = será chamada incompleta se, e somente se, pelo
menos um dos coeficientes b ou c for nulo. O conjunto solução dessas equações pode ser obtido
sem o uso da fórmula estudada anteriormente, como veremos nos exemplos a seguir.

Exemplo 7
Resolver em ℝ:
2
x 3x 0 − = .

Solução:
2
x 3x 0 − = se, e somente se, ( ) x x 3 0 − =
Portanto, x = 0 ou x – 3 = 0
Devemos ter então x = 0 ou x = 3
{ } S 0, 3 =

Exemplo 8
Resolver em ℝ:
2
x 9 0 − = .

Solução:
2
x 9 0 − = se, e somente se,
2
x 9 =
Devemos ter então x 9 3 = ± = ±
{ } S 3, 3 = −

Exercícios
Resolver em ℝ as seguintes equações:
7) x
2
– 7x = 0 8) x
2
+ 7x = 0
9) x
2
– 81 = 0 10) x
2
+ 81 =0
11) 2x
2
– 5x = 0 12) 7x
2
+ 3x = 0

7.7. A forma fatorada

Supondo que
2
b 4ac 0 − ≥ , tem-se que a expressão
2
ax bx c 0 + + = , a 0 ≠ ,
denominada trinômio do segundo grau, é idêntica ao produto ( ) ( )
1 2
a x x x x − − , onde x
1
e x
2
são
raízes da equação
2
ax bx c 0 + + = .

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 73
( ) ( )
2
1 2
ax bx c a x x x x + + = − −

Exemplo 9
Fatorar a expressão
2
2x 5x 2 − + .

Solução:
Resolvendo a equação
2
2x 5x 2 0 − + = , conclui-se que suas raízes são
1
1
x
2
= e
2
x 2 = ; logo,
segue que ( )
2
1
2x 5x 2 2 x x 2
2
| |
− + = − −
|
\ ¹


Exemplo 10
Sendo x = 3,14, obter o valor numérico de
2
2x 5x 2
2x 1
− +

.

Solução:
Repare que
2
1
2 x
2
2x 5x 2
2x 1
| |

|
− + \ ¹
=

( ) x 2
1
2 x
2

| |

|
\ ¹
x 2 = −
Logo, para x = 3,14, o valor numérico da expressão é 1,14.

Exercícios
Fatorar as expressões
13) 2x
2
– 2x – 4
14) 3x
2
+ 10x + 3
15) Simplificar a expressão
2
2
9x 6x 8
6x 16x 8
+ −
− +
supondo que seu denominador não seja nulo.

7.8. Soma e produto das raízes
Sendo x
1
e x
2
as duas raízes da equação
2
ax bx c 0 + + = , pode-se mostrar que a soma
e o produto dessas raízes são, respectivamente, iguais a:
1 2
b
S x x
a
= + = − e
1 2
c
P x x
a
= ⋅ =

Exemplo 11

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 74
A Equação Soma x
1
+ x
2
Produto x
1
.x
2
Conj. Sol. {x
1
,x
2
}
x
2
- 5x + 6 = 0 5 6 {2,3}
x
2
+ 5x + 6 = 0 -5 6 {-2,-3}
2x
2
- 5x + 2 = 0
5
2
1
1
, 2
2
¦ ¹
´ `
¹ )

x
2
- 4 = 0 0 -4 {-2,2}

Observe ainda que, se quisermos escrever uma equação do segundo grau cujas raízes
sejam x
1
e x
2
, bastará escrever
2
x Sx P 0 − + = , onde S e P são, respectivamente, a soma e o
produto de x
1
e x
2
.

Exemplo 12
Dada a equação
2
3x 7x 2 0 − + = , obter
a) a soma das raízes
b) o produto das raízes
c) o inverso da soma das raízes
d) a soma dos inversos das raízes
e) o quadrado da soma das raízes
f) a soma dos quadrados das raízes

Solução
Sendo x
1
e x
2
as raízes, segue que
a)
1 2
b 7
x x
a 3
+ = − =
b)
1 2
c 2
x x
a 3
⋅ = =
c)
1 2
1 3
x x 7
=
+

d)
2 1
1 2 1 2
x x 1 1 7
x x x x 2
+
+ = =


e) ( )
2
2
1 2
7 49
x x
3 9
| |
+ = =
|
\ ¹

f) Lembrando que ( )
2
2 2
1 2 1 2 1 2
x x x x 2x x + = + + , tem-se que
( )
2
2 2
1 2 1 2 1 2
x x x x 2x x + = + − =
49 4 37
9 3 9
= − =

Exercícios

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 75
16) Sendo r e s raízes da equação
2
x 8x 10 0 − + = , obter
a) r + s d) r
2
s + rs
2
b) r . s e) r
2
+ s
2

c) r
-1
+ s
-1


17) Obter os valores de m e n na equação
2
x mx n 0 + + = , sabendo que suas raízes são
2 3 + e 2 3 − .
18) Obter a constante k, tal que a equação ( )
2
k 2 x 3kx 1 0 − − + = tenha duas raízes cuja soma
é igual a seu produto.

7.9. Equações biquadradas

Chamamos de equações biquadradas àquelas que podem ser reduzidas à forma
4 2
ax bx c 0 + + = , a 0 ≠ .
a, b e c são constantes reais quaisquer.
Repare que, se substituirmos x
2
por y, obteremos a equação
2
ay by c 0 + + = .
Resolvendo essa última equação, obtemos os possíveis valores de y e, como y = x
2
,
podemos afirmar que x y = ± , para cada valor real não negativo de y.
É também fácil concluir que a equação biquadrada
4 2
ax bx c 0 + + = possui, no máximo,
quatro raízes reais.

Exemplo 13
Resolver em ℝ:
4 2
4x 5x 1 0 − + = .

Solução
Com x
2
= y, tem-se que
2
4y 5y 1 0 − + =
Resolvendo esta equação, obtém-se
1
y
4
= ou y = 1
2
1 1 1
x y x
4 4 2
= = ⇒ = ± = ±
2
x y 1 x 1 1 = = ⇒ = ± = ±
Logo,
1 1
S , , 1,1
2 2
¦ ¹
= − −
´ `
¹ )
.


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 76
Exemplo 14
Resolver em ℝ:
4 2
x 7x 18 0 + − = .

Solução
Com x
2
= y, tem-se que
2
y 7y 18 0 + − =
Resolvendo esta equação, obtém-se
y = -9 ou y = 2.
Note que a equação x
2
= -9 não tem raízes reais.
Por outro lado,
2
x 2 x 2 = ⇒ = ± e, portanto,
{ }
S 2, 2 = − .
Exercícios
Resolver em ℝ:
19)
4 2
x 7x 12 0 − + =
20)
4 2
x 4x 3 0 + + =

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 77

8. Teoria das funções
Muitas, ao observar fenômenos da nossa realidade, podemos caracterizar dois conjuntos
e alguma lei que associa os elementos de um dos conjuntos aos elementos do outro. Uma análise
destas três coisas, os dois conjuntos e a lei, pode esclarecer detalhes sobre a interdependência
dos elementos destes conjuntos e descrever o fenômeno em observação.

8.1. Função de A em B
Dados dois conjuntos A e B, vimos, na Teoria dos Conjuntos, que uma relação de A em B
é um conjunto qualquer de pares ordenados (x, y), onde x é um elemento de A e y é um elemento
de B. Chamemos, em cada par (x,y), y de conseqüente de x.
Adotaremos a seguinte definição:

Uma função de A em B é uma relação em que para cada x, x A ∈ , existe um único y,
y B ∈ , que seja conseqüente de x.
A B


− O conjunto A é chamado de domínio de f, e o conjunto B é chamado de contradomínio de f.
− Nas condições acima, x é chamado de variável independente, e y é chamado de variável
dependente (de x).
− Diz-se também que y é uma função de x.

Exemplo 1

Seja T um conjunto de pessoas num dado instante e seja ℕ o conjunto dos números
naturais. Ao associar a cada elemento de T a sua idade (que é um número natural), fica
estabelecida uma função de T em ℕ.
Repare que é possível, talvez até provável, que haja em T várias pessoas com a mesma
idade, mas há, pelo menos, dois aspectos matemáticos importantes:

− a todo elemento de T corresponde um elemento de ℕ, já que toda pessoa tem uma idade;
− nenhuma pessoa tem duas ou mais idades.
Em resumo, para cada elemento x de T, corresponde um único elemento y de ℕ.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 78

Exemplo 2
Considere os conjuntos { } A 1, 0,1, 2 = − e { } B 0,1, 2, 3, 4, 5 = .
Ao associar a cada elemento de A ao seu quadrado em B, estabelece-se uma função de A
em B, pois, assim, para cada elemento de A corresponde um único elemento de B.
A função é o conjunto de pares ordenados:
( ) ( ) ( ) ( ) { }
1,1 , 0, 0 , 1,1 , 2, 4 −
Sendo x um elemento de A e y o seu correspondente em B, podemos representar a
função acima descrita pela equação
2
y x = .


8.2. Uma outra notação
Para operar com os pares ordenados (x,y) de uma função dada, é muito comum escolher-
se uma letra, uma palavra ou alguma abreviatura, para indicar a função.
Assim, no exemplo 1, podemos indicar a idade de cada pessoa x, x T ∈ , por Idade(x).
Supondo que Alexandre, Tatiana e Juliana sejam elementos de T e que suas idades sejam
respectivamente 17, 14 e 9, escrevemos:
Idade(Alexandre) = 17
Idade(Tatiana) = 14
Idade(Juliana) = 9
Por outro lado, com a notação Idade: T → ℕ queremos dizer que Idade é, no caso,
uma função de T em ℕ.
No exemplo 2, se indicarmos o quadrado de x por q(x), isto é, ( )
2
q x x = , seguirá que:
Para indicar que se trata de uma função de A em B, usa-se a notação q : A B → .

Exemplo 3
Considere a função f : → ℝ ℝ, ( ) f x 2x 3 = + .
Obter:
a) ( ) ( ) ( ) f 0 f 1 f 2 + +
b) ( ) f 0 1 2 + +
c) x tal que ( ) f x 0 =


Resolução:

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 79
a) ( ) ( )( ) f 0 2 0 3 3 = + =
( ) ( )( ) f 1 2 1 3 5 = + =
( ) ( )( ) f 1 2 2 3 7 = + =
Logo, ( ) ( ) ( ) f 0 f 1 f 2 15 + + =

b) 0 1 2 3 + + =
( ) ( )
( )( )
f 0 1 2 f 3
2 3 3 9
+ + =
= + =

Logo, ( ) f 0 1 2 9 + + =

c) ( ) f x 0 2x 3 0 = ⇔ + =
3
2x 3 0 x
2
+ = ⇔ = −
Logo, ( )
3
f x 0 x
2
= ⇔ = −

Resposta: a) 15 b) 9 c)
3
2


Exemplo 4
Considere a função f :

+
→ ℝ ℝ tal que:
( ) f 1 5 =
( ) ( ) ( ) f u f v f u v ⋅ = + , para todo u e v
Obter:
a) f(2) d) f(-1)
b) f(3) e)
1
f
2
| |
|
\ ¹

c) f(0)

Resolução:
a) ( ) ( ) ( ) f 1 f 1 f 1 1 ⋅ = +
Como ( ) f 1 5 = , tem-se que ( ) f 2 25 =

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 80
b) ( ) ( ) ( ) f 1 f 2 f 1 2 ⋅ = +
Como ( ) f 1 5 = e ( ) f 2 25 = , tem-se que ( ) f 3 125 =

c) ( ) ( ) ( ) f 0 f 1 f 0 1 ⋅ = +
( ) ( ) ( ) f 0 f 1 f 1 ⋅ =
( ) f 0 5 5 ⋅ =
( ) f 0 1 =

d) ( ) ( ) ( ) f 1 f 1 f 1 1 − ⋅ = − +
( ) ( ) ( ) f 1 f 1 f 0 − ⋅ =
( ) f 1 5 1 − ⋅ =
( )
1
f 1
5
− =

e)
1 1 1 1
f f f
2 2 2 2
| | | | | |
⋅ = +
| | |
\ ¹ \ ¹ \ ¹

( )
2
1
f f 1
2
| |
=
|
\ ¹

2
1
f 5
2
| |
=
|
\ ¹

Como
1
f
2

+
| |

|
\ ¹
ℝ , segue que
1
f 5
2
| |
=
|
\ ¹


Resposta: a) 25 b) 125 c) 1 d) 1/5 e) 5

8.3. Domínio de uma função real de variável real

Sejam D um subconjunto não vazio de ℝ e f : D → ℝ uma função. Então sabemos
que, para todo x, x D ∈ , existe y, y∈ℝ, tal que ( ) y f x = .
Nestas condições, diremos que f é uma função real de variável real.



............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 81
Estabeleçamos ainda a seguinte convenção:
Quando o domínio D de uma função f real de variável real não for especificado, este será
o conjunto de todos os valores reais de x para os quais f(x) seja um número real, isto é,
( ) { }
D x | f x = ∈ ∈ ℝ ℝ .
Quando o contradomínio de uma função real de variável real não for especificado, deve-se
subentender que este seja o conjunto ℝ de todos os reais.

Exemplo 5
Qual o domínio da função ( )
1
f x
x
= ?

Resolução:
Devemos obter o conjunto de todos os valores reais de x para os quais
1
x
seja real.
Repare que a única condição para isto é que x seja diferente de 0 (zero).

Resposta: O domínio de f é o conjunto

ℝ .

Exemplo 6
Qual o domínio da função ( ) f x x = ?

Resolução
A condição para que x seja real é que x seja um número real não negativo, isto é, x
deve ser positivo ou nulo.

Resposta: O domínio de f é o conjunto
+
ℝ .

8.4. Conjunto imagem
Sendo A e B conjuntos e f :A B → uma função, sabemos que, para cada x, x A ∈ ,
existe um único y, y B ∈ , tal que ( ) y f x = .

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 82
A B
Im

Fica determinado assim um subconjunto de B cujos elementos são os correspondentes
dos elementos de A pela função f. Este subconjunto é chamado de conjunto imagem de f.
Em símbolos:
( ) ( ) ( ) { }
m
I y B| x x A e y f x = ∈ ∃ ∈ =

Exemplo 7
Sejam G um conjunto de pessoas e H o conjunto dos dias do ano de 1992. Se associamos
a cada elemento de G o seu dia de aniversário em H, teremos uma função em que:
− o domínio é o conjunto G
− o contradomínio é o conjunto H
− o conjunto imagem é o conjunto de todos os dias de 1992 (elementos de H) em que pelo
menos uma pessoa, elemento de G, faça aniversário.

Observação:
Determinar o conjunto imagem de uma função dada poderá exigir técnicas e conceitos
avançados. Nos próximos exemplos veremos apenas alguns casos simples e fundamentais.

Exemplo 8
Sejam { } A 1, 0,1, 2 = − e { } B 0,1, 2, 3, 4, 5 = . Obter o conjunto imagem da função
g :A B → , ( )
2
g x x = .

Resolução
( ) g 1 1 − = , ( ) g 0 0 = , ( ) g 1 1 = e ( ) g 2 4 =

Resposta: { } 0,1, 4

Exemplo 9
Obter o conjunto imagem da função f : → ℝ ℝ, ( )
2
f x x = .


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 83

Resolução

Devemos obter o conjunto de todos os reais y para os quais exista pelos menos um valor real de
x, tal que
2
y x = . Repare que é necessário e suficiente que y seja maior ou igual a zero, dado que
o expoente é um número par.

Resposta: Logo, o conjunto imagem é
m
I
+
= ℝ

Exemplo 10
Obter o domínio e o conjunto imagem da função ( )
3x 7
f x
x 10

=



Resolução
Como não se define divisão por zero, devemos ter x 10 0 − ≠ .
Logo, o domínio D de f é { } 10 − ℝ .
Para cada real x, x 10 ≠ , existe um real y tal que
3x 7
y
x 10

=

.
Segue que:
( ) y x 10 3x 7 − = −
xy 10y 3x 7 − = −
xy 3x 10y 7 − = −
( ) x y 3 10y 7 − = −
Observe que, para y=3, obtemos a equação x 0 23 ⋅ = , que não possui solução real.
Por outro lado, para todo real y, y 3 ≠ , segue que existe x e
10y 7
x
y 3

=



Resposta: Portanto, { } D 10 = − ℝ ; { }
m
I 3 = − ℝ

8.5. Gráfico

Sendo f uma função real de variável real, chama-se de gráfico de f ao conjunto de todos
pontos (x,y) do plano cartesiano em que y = f(x).

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 84
x
y
(x,y)


Exemplo 11
Esboce o gráfico da função ( ) f : , f x x → = ℝ ℝ

Resolução
x
y
(1,1) 1
1


O gráfico é o conjunto de todos os pontos (x,y) do plano cartesiano em que y = f(x) = x, isto é, a
bissetriz dos quadrantes I e III.

Exemplo 12
Esboce o gráfico da função ( ) f : , f x 2 → = ℝ ℝ
Resolução
x
y
(0,2)

O gráfico é o conjunto de todos os pontos do plano cartesiano com ordenada y igual a 2.

Exemplo 13
O gráfico abaixo representa a função ( ) f : , f x mx n → = + ℝ ℝ , onde m e n são
constantes reais.
Obter os valores de m e n.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 85

x
y
(2,2)
1
2
(0,1)

Resolução
( ) ( )
( )( )
0,1 f f 0 1
m 0 n 1
n 1
∈ ⇒ =
+ =
=

( ) ( )
( )( )
( )( )
2, 2 f f 2 2
m 2 n 2
m 2 1 2
1
m
2
∈ ⇒ =
+ =
+ =
=


Resposta:
1
m
2
= e n 1 =


8.6. Crescimento de uma função

Sejam A e B subconjuntos de ℝ e seja f uma função de A em B. Seja I um subconjunto
de A. Então:
− f é uma função crescente em I se, e somente se, para todo par de elementos de I, { }
1 2
x , x ,
2 1
x x > , tivermos ( ) ( )
2 1
f x f x > , isto é, quando x aumenta, f(x) aumenta.

x
y



............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 86
− f é uma função decrescente em I se, e somente se, para todo par de elementos de I, { }
1 2
x , x ,
2 1
x x > , tivermos ( ) ( )
2 1
f x f x < , isto é, quando x aumenta, f(x) diminui.
x
y

− f é uma função constante em I se, e somente se, para todo par de elementos { }
1 2
x , x de I,
tivermos ( ) ( )
1 2
f x f x = .
x
y


− f é uma função não crescente em I se, e somente se, para todo par de elementos de I,
{ }
1 2
x , x ,
2 1
x x > , tivermos ( ) ( )
2 1
f x f x ≤ , isto é, quando x aumenta, f(x) não aumenta.
x
y


− f é uma função não decrescente em I se, e somente se, para todo par de elementos de I,
{ }
1 2
x , x ,
2 1
x x > , tivermos ( ) ( )
2 1
f x f x ≥ , isto é, quando x aumenta, f(x) não diminui.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 87
x
y


8.7. Conjunto simétrico
Um conjunto A, A ⊂ ℝ , é dito simétrico se, e somente se, para todo x, x A ∈ , tivermos
x A − ∈ .
Assim, os conjuntos { } 3, 3 − , | | 3, 3 − , ℤ, ℚ e ℝ são exemplos de conjuntos simétricos,
enquanto os conjuntos | | 3, 4 − e ℕ não o são.


8.8. Paridade de uma função

Uma função f cujo domínio D é um conjunto simétrico é dita função par se, e somente se,
para todo x, x D ∈ , tivermos que ( ) ( ) f x f x − = .
Uma função f cujo domínio D é um conjunto simétrico é dita função ímpar se, e somente
se, para todo x, x D ∈ , tivermos que ( ) ( ) f x f x − = − .
Chamamos de função sem paridade àquela que não é par nem ímpar.

Exemplo 14
Verificar a paridade das seguintes funções:
a) ( ) f x 3 =
b) ( ) f x x =
c) ( )
2
f x x 7 = +
d) ( ) f x 2x 7 = +
e) ( ) ( ) ( ) f x g x g x = + − , onde g é uma função de ℝ em ℝ

Resolução
a) ( ) ( ) f x 3 f x − = = , logo f é uma função par
b) ( ) ( ) f x x f x − = = − , logo f é uma função ímpar

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 88
c) ( ) ( ) ( )
2
f x x 7 f x − = − + = , logo f é uma função par
d) ( ) f x 2x 7 − = − +
( ) ( ) f x f x − = e ( ) ( ) f x f x − = − , logo f não tem paridade
e) ( ) ( ) ( ) ( ) f x g x g x f x − = − + = , logo f é uma função par


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 89

9. A função do 1° grau

9.1. Função do primeiro grau

Sejam A e B subconjuntos de ℝ e seja f uma função de A em B. Diremos que f é uma
função do primeiro grau, ou uma função afim, se e somente se, existirem constantes reais m e n,
m 0 ≠ , tais que ( ) f x mx n = + , para todo x, x A ∈ .
Se nas condições acima tivermos n = 0, diremos que a função f é linear. Repare que,
neste caso, tem-se que:
( ) f 0 0 =
( ) ( ) ( ) f u v f u f v + = + , quaisquer que sejam u e v
( ) ( ) f k x k f x ⋅ = ⋅ , qualquer que seja a constante k
O gráfico de toda função deste tipo é um conjunto de pontos colineares e, em particular,
se A = ℝ, então o gráfico é uma reta.

x
y
(0,n)
θ


A constante m é igual à tangente do ângulo θ, indicado no gráfico, é chamada de
coeficiente angular da reta e consiste numa espécie de taxa de crescimento ou de decrescimento
da função.
Com m > 0, a função é crescente (0 < θ < 90°), e com m < 0, a função é decrescente (90°
< θ < 180°).
Por outro lado, a constante n indica onde a reta y = mx + n intercepta o eixo y. Esta
intersecção é o ponto (0,n).
No caso da função ser linear, isto é, n=0, o gráfico é uma reta que “passa” pela origem.

Exemplo 1
Esboçar o gráfico da função ( ) f : , f x x → = ℝ ℝ .


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 90
Resposta:
x
y
(1,1) 1
1


Exemplo 2
Esboçar o gráfico da função ( ) f : , f x x 2 → = + ℝ ℝ .

Resposta:
Como uma reta é determinada por dois pontos distintos, podemos atribuir simplesmente dois
valores a x para obter dois pares ordenados.

x
y
(1,3)
1
(0,2)
3
x y
0 2
1 3
1


Exemplo 3
Esboçar o gráfico da função ( ) f : , f x 2x → = ℝ ℝ .

Resposta:
x
y
(1,2)
2
x y
0 0
1 2
1



............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 91
Exemplo 4
Esboçar o gráfico da função ( ) f : , f x x → = − ℝ ℝ .

Resposta:
x
y
(-1,1)
1
x y
0 0
-1 1
-1


Exemplo 5
Esboçar o gráfico da função ( ) f : , f x 2x 3 → = − ℝ ℝ .



Resposta:
x
y
(0,-3)
1
x y
0 -3
1 -1
-1


Exemplo 6
Esboçar o gráfico da função ( )
x, se x 0
f : , f x
x 3, se x 0
≤ ¦
→ =
´
− + >
¹
ℝ ℝ .

Resposta:

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 92
x
y
(-1,-1)
3
-1
(0,3)
-1


9.2. Teorema
Sendo ( ) f x mx n = + (com m e n constantes) uma função em ℝ, tem-se que:
( ) ( ) f r f s
m
r s

=


para todo par de números reais r e s, r s ≠ .

A demonstração é imediata. Veja:
( ) f r mr n = + e ( ) f s ms n = + , logo ( ) ( ) ( ) f r f s mr n ms n m r s − = + − − = − .
Como, por hipótese, r s ≠ , segue que
( ) ( ) f r f s
m
r s

=

.

Exemplo 7
Identificar a função f dada pelo gráfico:
x
y
(2,3)
3
(6,5)
5
2 6


Resolução:
Como o gráfico é uma reta, a f é definida em ℝ e é tal que ( ) f x mx n = + , onde m e n são
constantes.
( ) ( ) f 6 f 2
m
6 2

=



............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 93
5 3
m
4

=
1
m
2
=
( )
1
f 2 2 n
2
| |
= +
|
\ ¹

3 1 n n 2 = + ⇒ =

2ª maneira:
Sendo ( ) f x mx n = + , segue que
( )
( )
f 6 5
f 2 3
= ¦
¦
´
=
¦
¹

Daí
6m n 5
2m n 3
+ = ¦
´
+ =
¹

Resolvendo este sistema, conclui-se que
1
m
2
= e n = 2.

Resposta: ( )
x
f : , f x 2
2
→ = + ℝ ℝ



............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 94


10. A Função do 2° Grau

10.1. Função do segundo grau
Sejam A e B subconjuntos de ℝ e seja f uma função de A em B.
Se existirem constantes reais a, b e c, com a 0 ≠ , tais que ( )
2
f x ax bx c = + + , para
todo x, x A ∈ , diremos que f é uma função do segundo grau (ou uma função quadrática).
Pode-se provar que o gráfico de uma função do segundo grau é um subconjunto de uma
parábola.
Se A∈ℝ, então o gráfico de f é uma parábola.

10.2. A parábola
Antes de prosseguir, vamos estudar o conceito de parábola.
Consideremos, num plano α, uma reta (d) e um ponto (F), F d ∈ .
Chama-se de parábola ao conjunto de todos os pontos do plano α que eqüidistam de (d) e
(F).
Observe, na figura abaixo, que os pontos V, P
1
e P
2
são eqüidistantes da reta (d) e do
ponto (F).
P
1
P
2
(F)
V
(d)

O roteiro a seguir mostra como obter outros pontos que eqüidistam de (d) e (F):
− considerar o semiplano α
F
como origem na reta (d) ao qual pertence o ponto (F).
− traçar em α
F
uma reta (r) paralela a (d), de modo que a distância h, de (r) a (d), seja maior que
a distância de (V) a (d).
− traçar uma circunferência λ de centro (F) e raio h.
− os pontos obtidos pela intersecção da circunferência com a reta (r) são eqüidistantes da reta
(d) e o ponto (F) e são, portanto, pontos da parábola.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 95
P1 P2
(F)
V
(d)
(r)
(e)
h
h
P
parábola
λ
α
F

Observe que:
− existem infinitos pontos na parábola.
− a parábola é uma figura simétrica em relação à reta (e) determinada pelos pontos (F) e (V).
− a reta (e) é chamada eixo da parábola.
− o ponto (V) é chamado vértice da parábola.

Exemplo 1
Esboçar, no mesmo plano, os gráficos das funções:
a) ( )
2
f x x =
b) ( )
2
g x x = −

Resolução:

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 96
x
y
(-1,-1)
(2,4)
1 2
(1,-1)
-1
-1
(1,1) (-1,1)
y = f(x)
y = g(x)
x f(x)
0 0
1 1
-1 1
2 4
-2 4
a)
x g(x)
0 0
1 -1
-1 -1
2 -4
b)


10.3. Considerações
− A parábola
2
y ax bx c = + + tem a concavidade no sentido do eixo y se, e somente se, a > 0,
e no sentido oposto se, e somente se, a < 0.
x
a > 0
x
a < 0


− A toda expressão
2
ax bx c + + corresponde um número
2
b 4ac ∆ = − , chamado
discriminante, que, como veremos, tem papel importante no estudo das funções.

− Quando 0 ∆ > , a parábola
2
y ax bx c = + + intercepta o eixo x em dois pontos distintos,
( )
1
x , 0 e ( )
2
x , 0 , onde x
1
e x
2
são as raízes da equação
2
ax bx c 0 + + = .
x
a > 0
x
a < 0 V
V
x
1 x
1
x
2 x
2


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 97
− Quando 0 ∆ = , a parábola
2
y ax bx c = + + é tangente ao eixo x, no ponto
b
, 0
2a
− | |
|
\ ¹
. Repare
que quando tivermos o discriminante 0 ∆ = , as duas raízes da equação
2
ax bx c 0 + + = são
iguais a
b
2a

.
x
a > 0
x
a < 0
x
1
= x
2
x
1
= x
2

− Se 0 ∆ < , a parábola
2
y ax bx c = + + não intercepta o eixo x.
x x
V
V

− Na parábola
2
y ax bx c = + + existem dois pontos em que y = c, e estes correspondem aos
pares ordenados ( ) 0, c e
b
, 0
2a
− | |
|
\ ¹
.
x
V
y
x
V
y
V
(0,c)

b
a
| |

|
\ ¹
b
,c
a

− A parábola é simétrica em relação a uma reta chamada eixo da parábola. Sobre esta reta se
encontra o vértice da parábola. Em todos os casos o vértice da parábola
2
y ax bx c = + + é o
ponto V, de abscissa
V
b
x
2a

= e ordenada
V
y
4a
−∆
= .

Que
V
b
x
2a

= é conseqüência direta da simetria da parábola, e para obter y
V
basta
lembrar que ( )
V V
y f x = :

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 98
= ⋅ + ⋅ +
− − | | | |
= +
| |
\ ¹ \ ¹
= ⋅ − +
2
V V V
2
2 2
2
y a x b x c
b b
a b c
2a 2a
b b
a c
4a 2a

= − +
− +
=
− +
=
−∆
=
2 2
V
2 2
2
b b
y c
4a 2a
b 2b 4ac
4a
b 4ac
4a
4a

Repare que, se x for uma variável real, então o vértice corresponde a um extremo
(máximo ou mínimo) da função
2
y ax bx c = + + .

Exemplo 2
Esboçar o gráfico da função f(x) = x
2
– 2x – 3, ( ) x∈ℝ e obter o seu conjunto imagem.
Resolução:
x
y
3
(1,-4)
-3
-1
raízes: 3 e -1
vértice:
( )

= =
= = −
V
V
b
x 1
2a
y f 1 4

Resposta: { } Im y | y 4 = ∈ ≥ − ℝ
Exemplo 3
Esboçar o gráfico da função f(x) = x
2
– 2x +3 e obter o valor mínimo de y.

Resolução:

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 99
x
y
(1,2)
2
1
V
V
8
b
x 1
2a
y 2
4a
∆ = −

= =
−∆
= =

Resposta: 2

Exemplo 4
Esboçar o gráfico da função f(x) = 3x - x
2
e obter o valor máximo de f(x).

Resolução:
x
y
0
3
V
V
b 3
x
2a 4a
3 9
y f
2 4

= =
| |
= =
|
\ ¹
3 9
,
2 4
| |
|
\ ¹

Resposta:
9
4


Exemplo 5
Qual a função representada pela parábola abaixo?
x
y
2
(1,4)
4
1 -1

Resolução:

1ª maneira:
Seja ( )
2
f x ax bx c = + + . Então temos que:

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 100
( ) ( )
( ) ( ) ( ) ( )
( ) ( )
2
2
2
1,4 f f 1 a 1 b 1 c 4
1,0 f f 1 a 1 b 1 c 0
2,0 f f 2 a 2 b 2 c 0
∈ ⇒ = ⋅ + ⋅ + =
− ∈ ⇒ − = − + − + =
∈ ⇒ = ⋅ + ⋅ + =

Resolvendo o sistema
a b c 4
a b c 0
4a 2b c 0
+ + = ¦
¦
− + =
´
¦
+ + =
¹

obtemos a = - 2, b = 2 e c = 4.
Logo, a função é f : B → ℝ , ( )
2
f x 2x 2x 4 = − + + , com B⊂ ℝ.

2ª maneira:
Lembrando que ( ) ( )
2
1 2
ax bx c a x x x x + + = − − , onde x
1
e x
2
são as raízes -1 e 2, tem-se que
( ) ( )( )
1 2
f x a x x x x = − − .
Por outro lado, de ( ) f 1 4 = segue que ( ) ( ) a 1 1 1 2 4 + − = isto é, 2a 4 − = , ou ainda a 2 = − .
Logo, ( ) ( ) ( )
2
f x 2 x 1 x 2 2x 2x 4 = − + − = − + + .

Resposta: f : B → ℝ , ( )
2
f x 2x 2x 4 = − + + , com B⊂ ℝ.

Exemplo 6
Um muro será usado como um dos lados de um galinheiro retangular. Para os outros
lados será usado um rolo de 25 metros de tela de arame. Determinar quais devem ser as
dimensões do galinheiro para que sua área seja máxima.

Resolução:
Sendo u e v as dimensões do galinheiro, tem-se que:
u 2v 25 + = ( ) u 25 2v = −
A área do galinheiro será igual a A = u . v, ou ainda
( )
2
A v 25 2v 2v 25v = − = − +


Abaixo temos o gráfico da área A em função de v.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 101
v v
u

É fácil concluir que a área será máxima para
b 25
v 6,25
2a 4
− −
= = =


Nestas condições, tem-se que u = 25 – 2v = 12,5.

Resposta: 12,5 m por 6,25 m



............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 102

Referências Bibliográficas

[1] TEIXEIRA, J. C. et al. Matemática, Livro 1, Assuntos Básicos. São Paulo: Gráfica e Editora
Anglo LTDA, 1990-1991. 58p. (Coleção Anglo)
[2] AMSON, G. A. J. V.; JAMAL, R. M. E.; TEIXEIRA, J. C. Matemática, Livro 2, Álgebra I. São
Paulo: Gráfica e Editora Anglo LTDA, 1990-1991. 91p. (Coleção Anglo)




















............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 103
MATEMÁTICA II
Prof. Paulo Henrique Cruz Pereira

ÍNDICE

1. RAZÕES E PROPORÇÕES: ..................................................................................................... 105
1.1. RAZÃO.................................................................................................................................. 105
1.2. RAZÃO DE DUAS GRANDEZAS: ................................................................................................ 106
1.3. PROPORÇÃO: ........................................................................................................................ 107
2. GRANDEZAS PROPORCIONAIS............................................................................................. 109
2.1. PROPORÇÃO DIRETA OU GRANDEZAS DIRETAMENTE PROPORCIONAIS:.................................... 109
2.2. PROPORÇÃO INVERSA OU GRANDEZAS INVERSAMENTE PROPORCIONAIS: ................................ 110
3. DIVISÃO PROPORCIONAL ..................................................................................................... 112
3.1. DIVISÃO EM PARTES DIRETAMENTE PROPORCIONAIS:............................................................... 112
3.2. DIVISÃO EM PARTES INVERSAMENTE PROPORCIONAIS: ............................................................ 112
3.3. DIVISÃO PROPORCIONAL COMPOSTA: ..................................................................................... 114
4. REGRA DE TRÊS...................................................................................................................... 116
4.1. REGRA DE TRÊS SIMPLES...................................................................................................... 116
4.2. REGRA DE TRÊS COMPOSTA.................................................................................................. 117
5. PORCENTAGEM....................................................................................................................... 119
5.1. CÁLCULOS DE PORCENTAGEM: .............................................................................................. 119
5.2. ELEMENTOS DOS CÁLCULOS PORCENTUAL............................................................................. 120
6. JUROS SIMPLES ...................................................................................................................... 123
6.1. INTRODUÇÃO......................................................................................................................... 123
6.2. RELAÇÃO ENTRE CAPITAL, JUROS SIMPLES E MONTANTE ....................................................... 124
6.3. EXERCÍCIOS RESOLVIDOS...................................................................................................... 124
7. SISTEMA MÉTRICO.................................................................................................................. 129
7.1. MEDIDAS DE COMPRIMENTO .................................................................................................. 129
7.2. UNIDADES DE POTÊNCIA DE 10 .............................................................................................. 129
7.3. MEDIDAS DE TEMPO.............................................................................................................. 123
ATIVIDADES EM GERAL.............................................................................................................. 124
8. GEOMETRIA.............................................................................................................................. 126
8.1. DEFINIÇÕES.......................................................................................................................... 126
8.2. CONHECENDO A GEOMETRIA PLANA....................................................................................... 127
8.2.1. Triângulos .................................................................................................................... 128

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 104
8.2.2. Quadriláteros ............................................................................................................... 129
8.2.3. Polígonos..................................................................................................................... 132
8.2.4. Circunferência (Círculo)............................................................................................... 135
8.2.5. Relações Métricas em um Triângulo........................................................................... 137
8.2.6. Retas, Paralelas e Ângulos ......................................................................................... 139
Fórmulas em Geral de Geometria......................................................................................... 143
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.............................................................................................. 145


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 105

1. RAZÕES E PROPORÇÕES:
Revisar o estudo de proporções é neste momento muito importante, já que todos
os temas a serem trabalhados ao longo do curso se baseiam nas grandezas proporcionais. Mas
para compreendermos o que é uma proporção, necessitamos, primeiramente, recordar o conceito
de razão em Matemática.
1.1. Razão
Você já deve ter ouvido expressões como: “De cada 20 habitantes, 5 são
analfabetos”, “De cada 10 alunos, 2 gostam de Matemática”, “Um dia de sol para cada dois dias de
chuva”.
Em cada uma dessas frases está sempre clara a comparação entre dois números. No
primeiro caso, destacamos 5 entre 20, no segundo, 2 entre 10, e no terceiro, 1 para cada 2.
Todas as comparações são matematicamente expressas por um quociente
chamado razão.Temos, então:
1) De cada 20 habitantes, 5 são analfabetos. Razão =
20
5
=
4
1

2) De cada 10 alunos, 2 gostam de Matemática. Razão =
10
2
=
5
1

3) Um dia de sol, para cada dois de chuva. Razão = 1/2
Portanto, razão entre dois números a e b (com b ≠0) é o quociente entre a e b.
Indica-se:
b
a
ou a : b e lê-se a para b.
O número a é chamado antecedente e o número b, conseqüente.
Exemplos:
1. A razão de 3 para 12 é:
12
3
= ¼
2. A razão de 20 para 5 é:
5
20
= 4
3. A razão de 5 e ½ é = 5 .
1
2
= 10

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 106
1.2. Razão de duas grandezas:
Considerando grandeza como tudo o que pode ser medido, podemos dizer que a
razão entre duas grandezas, dadas em uma certa ordem, é a razão entre a medida da primeira
grandeza e a medida da segunda grandeza.
- Se as grandezas são da mesma espécie, suas medidas devem ser expressas na
mesma unidade. Neste caso, a razão é um número puro.
Exemplos:
1. A razão de 2 m para 3 m é: =
m
m
3
2
3
2

2. A razão de 30 dm para 6 m =
m
dm
6
30
=
m
m
6
3
= ½
- Se as grandezas não são da mesma espécie, a razão é um número cuja unidade
depende das unidades das grandezas a partir das quais se determina a razão.
Exemplo:
Um automóvel percorre 160 Km em 2 horas. A razão entre a distância percorrida e o tempo
gasto em percorrê-la é:
h
km
2
160
= 80 Km/h
ATIVIDADES:
1.Calcule a razão entre as grandezas:
a) 256 e 960 b) 1,25 e 3,75 c) 5 e 1/3 d) 1/2 e 0,2 e) 27 m³ e 3 l de
álcool f) 24 Kg e 80 000 g g) 40 g e 5 cm³ h) 20 cm e 4 dm i) 20 d e 2 me 15 d
2.No vestibular de 2005 da Faculdade concorreram, para 50 vagas da opção Administração,150
candidatos. Qual a relação candidato vaga para essa opção?
3.Tenho duas soluções de água e álcool. A primeira contém 279 litros de álcool e 1 116 litros de
água. A segunda contém 1 155 litros de álcool e 5 775 litros de água. Qual das duas soluções tem
maior teor alcoólico?
4.Numa prova de matemática, um aluno acertou 20 questões e errou 5. Escreva a razão entre:
a) o número de acertos e o número de questões
b) o número de acertos e o número de erros

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 107
1.3. Proporção:
Existem situações em que as grandezas que estão sendo comparadas podem ser
expressas por razões com antecedentes e conseqüentes diferentes, porém com o mesmo
quociente. Assim, ao dizer que de 40 alunos entrevistados, 10 gostam de Matemática, poderemos
supor que, se forem entrevistados 80 alunos da mesma escola, 20 deverão gostar de Matemática.
Na verdade, estamos afirmando que 10 estão representando em 40 o mesmo que 20 em 80.
Escrevemos:
40
10
=
80
20

A esse tipo de igualdade entre duas razões dá-se o nome de proporção.
Portanto:
Dadas duas razões a/b e c/d com b e d ≠ 0, teremos uma proporção se a/b = c/d
A proporção também pode ser representada como a : b : : c : d
* Lê-se: a está para b assim como c está para d
* a e d são chamados extremos e b e c são chamados meios.
Propriedade fundamental das proporções:


Exemplo:

4
2
=
18
9
2 : 4 : : 9 : 18 2. 18 = 4. 9 36 = 36
Transformações de uma proporção:
Transformar uma proporção é escrever seus termos em uma ordem diferente de modo
que a igualdade dos produtos dos meios e extremos não sofra alteração.
Exemplo:
Dada a proporção 5/8 = 20/32, podemos transformá-la :
• alternando os extremos: 32/8 = 20/5 32 . 5 = 8 . 20 160 = 160
• alternando os meios: 5/20 = 8/32 5 . 32 = 20 . 8 160 = 160
Em toda proporção, o produto dos meios é igual ao produto dos extremos, e vice-versa.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 108
• invertendo os termos; 8/5 = 32/20 8 . 20 = 5 . 32 160 = 160
• transpondo as razões: 20/32 = 5/ 8 20 . 8 = 32 . 5 160 = 160
Propriedade fundamental para série de razões iguais ( ou proporção múltipla):


Exemplo:

3
6

5
10

6
12

4
8

4 6 5 3
8 12 10 6
+ + +
+ + +
=
3
6
ou
5
10
ou
6
12
ou
4
8

ATIVIDADES:
1.Verificar se são ou não proporções as seguintes igualdades:
a) 4/15 = 72/270 b) 0,75/ 0,25 = 3 c)
2
82 , 4 5 , 9 −
=
60
1 , 14
d)
3 / 2
9 / 5
=
8 , 0
3 / 2

2.Encontrar o valor de x nas proporções:
a) x/20 = 4/10 b 12/121 = 6/x c)
x
x 2 +
=
3
2


x

3.Escreva quatro proporções utilizando os números 3,4, 6 e 8.
4.Calcular x e y na proporção x/7 = y/12, sabendo que x + y = 76.
5.Na série de razões x/10 = y/120 = z/14, calcular x, y e z, sabendo que x + y + z = 88.
Em uma série de razões iguais , a soma dos antecedentes está para a soma dos
conseqüentes assim como qualquer antecedente está para o seu respectivo conseqüente.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 109
2. GRANDEZAS PROPORCIONAIS
A maioria dos problemas que se apresentam em nosso dia-a-dia liga duas grandezas de
tal forma que, quando uma delas varia, como conseqüência varia também a outra.
Assim, a quantidade de combustível gasto por um automóvel depende do número de
quilômetros percorridos. O tempo numa construção depende do número de operários
empregados. O salário está relacionado aos dias de trabalho.
A relação entre duas grandezas estabelece a lei de variação dos valores de uma em
relação à outra. Existem dois tipos básicos de dependência entre grandezas proporcionais: a
proporção direta e a proporção inversa.
2.1. Proporção Direta ou Grandezas Diretamente Proporcionais:
Se analisarmos duas grandezas como trabalho e remuneração, velocidade média e
distância percorrida, área e preço de um terreno, altura de um objeto e comprimento da sombra
projetada ..., veremos que aumentando ou diminuindo uma delas a outra também aumenta ou
diminui.
Então:



Exemplo 1:
Um grupo de pessoas se instalou num acampamento que cobra R$ 10,00, a diária
individual. Veja na tabela a relação entre o número de pessoas e a despesa diária.
Número de pessoas 1 2 4 5 10
Despesa diária 10,00 20,00 40,00 50,00 100,00
Percebemos que a razão de aumento do número de pessoas é a mesma para o aumento
da despesa. É, portanto, uma proporção direta. As grandezas número de pessoas e despesa
diária são diretamente proporcionais, ou seja, a razão entre o número de pessoas e a despesa
diária são iguais:
1/10 = 2/20 = 4/40 = 5/50 = 10/100
Duas grandezas variáveis são diretamente proporcionais quando,
aumentando ou diminuindo uma delas numa determinada razão, a outra aumenta ou
diminui nessa mesma razão. As razões de cada elemento da primeira por cada
elemento correspondente da segunda são iguais, ou seja, possuem o mesmo
coeficiente de proporcionalidade.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 110
↓ ↓ ↓ ↓ ↓
1/10 1/10 1/10 1/10 1/10
Exemplo 2:
Os números 3, 10 e 8 são diretamente proporcionais aos números 6, 20 e 16, nessa
ordem, porque possuem a mesma razão ou o mesmo coeficiente de proporcionalidade:
3/ 6 = 10/20 = 8/16
↓ ↓ ↓
½ = ½ = ½
2.2. Proporção Inversa ou Grandezas Inversamente Proporcionais:
Se analisarmos duas grandezas como tempo de trabalho e número de operários para a
mesma tarefa, velocidade média e tempo de viagem, número de torneiras e tempo para encher um
tanque..., veremos que aumentando uma grandeza , a outra diminuirá.
Então:




Exemplo 1:
Suponhamos que no exemplo analisado anteriormente (razão direta), a quantia gasta pelo
grupo de pessoas seja sempre R$ 200,00. Então, o tempo de permanência do grupo dependerá
do número de pessoas. Analise a tabela:
Número de pessoas 1 2 4 5 10
Tempo de permanência (dias) 20 10 5 4 2
Percebemos que, se dobrarmos o número de pessoas, o tempo de permanência se
reduzirá à metade. É, portanto, uma proporção inversa. As grandezas número de pessoas e
número de dias são inversamente proporcionais. A razão entre o número de pessoas é igual ao
inverso da razão do tempo de permanência:
Duas grandezas são inversamente proporcionais quando, aumentando (ou
diminuindo) uma delas numa determinada razão, a outra diminui (ou aumenta) na mesma
razão. As razões de cada elemento da primeira pelo inverso de cada elemento
correspondente da segunda são iguais. Em outras palavras, duas grandezas são
inversamente proporcionais quando os elementos da primeira grandeza forem
diretamente proporcionais ao inverso dos elementos da segunda grandeza.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 111
20 / 1
1
=
10 / 1
2
=
5 / 1
4
=
4 / 1
5
=
2 / 1
10
= 20
Exemplo 2:
Os números 9, 6 e 2 são inversamente proporcionais aos números 4, 6 e 18, nessa ordem,
porque a razão entre cada elemento da primeira sucessão e o inverso do elemento
correspondentes na segunda sucessão são iguais.
4 / 1
9
=
6 / 1
6
=
18 / 1
2
= 16
ATIVIDADES:
1.Verificar se os números 18, 6 e 3 são ou não diretamente proporcionais aos
números 6, 2 e 1.
2.Verificar se os números da sucessão (30,24,20) são ou não inversamente
proporcionais aos números da sucessão (4,5,6)
3.Encontrar x e y, sabendo que os números 20, x, y são diretamente proporcionais
aos números 4, 2 e 1.
4.Encontrar x, y e z sabendo que as sucessões (x, 3, z) e (9, y, 36) são inversamente
proporcionais com coeficiente de proporcionalidade igual a 36.
5.O número de dias gastos na execução de uma obra é direta ou inversamente
proporcional ao número de máquinas empregadas na obra? Por que?

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 112
3. DIVISÃO PROPORCIONAL
3.1. Divisão em partes diretamente proporcionais:
Duas pessoas, A e B, trabalharam numa determinada tarefa, sendo que A trabalhou
durante 6 horas e B durante 5 horas. Como elas irão dividir com justiça R$ 660,00 que serão
pagos por essa tarefa?
Na verdade, o que cada uma tem a receber deve ser diretamente proporcional ao
tempo gasto durante a realização da tarefa. Portanto:



No problema acima, devemos dividir 660 em partes diretamente proporcionais a 6 e
5 são as horas que as pessoas A e B trabalharam.
Chamamos de x o que A tem a receber e de y o que B tem a receber. Então:
x + y = 660 e x/6 = y/5
Aplicando as propriedades de proporção que vimos em aulas anteriores, podemos
resolver :
=
+
+
5 6
y x

6
x
=
5
y

11
660
=
6
x
=
5
y

Onde:

11
660
=
6
x

11
660
=
5
y

x = 360 y = 300
Concluindo, A deve receber R$ 360,00, enquanto B receberá R$ 300,00.
3.2. Divisão em partes inversamente proporcionais:
E se tivéssemos que efetuar uma divisão em partes inversamente proporcionais?
Por exemplo: Duas pessoas A e B trabalharam durante um mesmo período para fabricar e
vender por R$ 160,00 um certo artigo. Se A chegou atrasado ao trabalho 3 dias e B, 5 dias, como
efetuar essa divisão com justiça?
Dividir um número em partes diretamente proporcionais a outros números dados significa
encontrar parcelas desse número que são diretamente proporcionais aos números dados e
que, somadas, reproduzam esse número.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 113
O problema agora é dividir R$ 160,00 em partes inversamente proporcionais a 3 e 5, pois
deve ser levado em consideração que aquele que se atrasa mais deve receber menos.


Nesse problema, temos que dividir 160 em partes inversamente proporcionais a 3 e 5, que
são os números de atraso de A e B. Para realizar essa divisão, chamaremos de x o que A tem a
receber e de y o que B tem a receber.
x + y = 160

3 / 1
x

5 / 1
y

5 / 1 3 / 1 +
+ y x
=
15 / 8
160

15 / 8
160
=
3 / 1
x
x = 100

15 / 8
160
=
5 / 1
y
y = 60
Concluindo, A deve receber R$ 100,00 e B receberá R$ 60,00.
ATIVIDADES:
1. Dividir 720 em partes diretamente proporcionais a 4, 6 e 8. (160,240,320)
2. Dividir o número 260 em parte inversamente proporcionais aos números 2, 3 e 4. (120, 80 e
60)
3. Dois operários contratam um serviço por R$ 180,00. Como devem repartir essa quantia, se um
trabalhou 7 horas e o outro 8 horas, sendo a divisão diretamente proporcional ao tempo de
trabalho? (84 e 96)
4. A Federação Brasileira de futebol resolveu distribui prêmios num total de 320.000,00 para os
quatro jogadores brasileiros que tiveram o melhor ataque durante a Copa do Mundo, ou seja, para
aqueles que fizeram o maior número de gols na razão direta desses gols. Os jogadores premiados
fizeram 9, 6, 3 e 2 gols. Quanto recebeu cada jogador? (144 000, 96 000, 48 000 e 32 000)
5. Um pai deixou R$ 2 870 00 para serem divididos entre seus três filhos na razão inversa de suas
idades: 8, 12 e 28 anos. Quanto recebeu cada um? ( 1 470, 980, 420)
6. Um número foi dividido em partes diretamente proporcionais a 4 e 3. Sabendo que a parte
correspondente a 4 era 2 000, encontre esse número. (3 500)
Dividir um número em partes inversamente proporcionais a outros números dados
é encontrar parcelas desse número que sejam diretamente proporcionais aos inversos
desses números dados.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 114
3.3. Divisão proporcional composta:
Vamos analisar a seguinte situação:
Uma empreiteira foi contratada para pavimentar uma rua. Ela dividiu o trabalho em duas
turmas, prometendo pagá-las proporcionalmente. A tarefa foi realizada da seguinte maneira: na
primeira turma, 10 homens trabalharam durante 5 dias; na segunda turma, 12 homens
trabalharam durante 4 dias. Sabendo que a empreiteira tinha R$ 29 400,00 disponíveis, como
dividir com justiça essa quantia entre as duas turmas de trabalho?
Essa divisão não é da mesma natureza das anteriores. Trata-se de uma divisão composta em
partes proporcionais, pois os números obtidos deverão ser proporcionais a dois números de
homens e também a dois números de dias trabalhados. Analisando veremos que:
- Na primeira turma: 10 homens em 5 dias produzem o mesmo que 50 homens em um dia (10 .
5).
- Na segunda turma:12homens trabalhando 4 dias equivale a 48 homens num único dia (12 . 4 ).
Portanto:


Resolvendo o problemas, temos:

5 . 10
x
=
4 . 12
y
ou
50
x
=
48
y

48 50 +
+ y x
=
50
x

98
29400
=
50
x
x = 15 000
Como x + y = 29 400 y = 19 400 – 15 000 = 14 400
Assim, a primeira turma deverá receber R$ 15 000,00 da empreiteira e a segunda R$
14.400,00.
ATIVIDADES:
1. Dividir o número 4 680 em partes diretamente proporcionais a 3 e 6 e, em seguida, diretamente
proporcionais a 5 e 4. ( 1 800 e 2 880)
2. Dividir o número 2 640 em partes diretamente proporcionais a ¾ e ½ e inversamente
proporcionais a 5/6 e 2/3. ( 1 440 e 1 200)
3. Um milionário resolveu dividir parte de sua fortuna entre três sobrinhas, de modo que a divisão
fosse diretamente proporcionais às suas idades e inversamente proporcionais a seus pesos. As
moças tinha 16, 18 e 21 anos e pesavam, respectivamente, 52, 48 e 50 quilos. A quantia a ser
dividida entre elas era de R$ 5 734 000, 00. Quanto cada uma recebeu? ( 1 600 000, 1 950 000, 2
184 000).
Para dividir um número em partes, de tal forma que uma delas seja proporcional a m e
n e a outra a p e q, basta dividir esse número em partes proporcionais a m . n e p . q.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 115
4. (BB)A importância de R$ 20 650,00 foi dividida entre duas pessoas. A primeira recebeu na
razão direta de 8 e na razão inversa de 3; a segunda recebeu na razão direta de 9 e na razão
inversa de 4. Quanto recebeu cada pessoa? ( 11 200 e 9 450)
5. (TTN) Um comerciante deseja premiar, no primeiro dia útil de cada mês, os três primeiros
fregueses que chegarem ao seu estabelecimento. Para tanto, dividiu R$ 507,00 em partes
inversamente proporcionais a 2 ¼ ,
3
5
e 1,2. Nessas condições, qual o prêmio de menor valor a
ser pago? (120)
6. (TTN) Dividindo o número 570 em três partes, de tal forma que a primeira esteja para a segunda
como 4 está para 5 e a segunda esteja para a terceira como 6 está para 12. Qual o valor da 3ª
parte? (300)

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 116
4. REGRA DE TRÊS
Chamamos de regra de três uma regra prática que permite, através da comparação de
grandezas proporcionais, a resolução de diferentes situações-problema do dia-a-dia. Essas
grandezas formam uma proporção em que, conforme o nome já diz, três termos são conhecidos e
busca-se encontrar o quarto termo.
Temos dois tipos de regra de três: a simples, que trabalha com apenas duas grandezas, e
a composta, que envolve mais de duas grandezas.
4.1. Regra de Três Simples
A regra de três simples, como vimos anteriormente, envolve apenas duas grandezas
diretamente ou inversamente proporcionais. O processo consiste em montarmos uma tabela
colocando em cada coluna, ordenadamente, os valores da mesma grandeza e, daí, obtermos uma
equação através da aplicação da propriedade fundamental das proporções. Quando as grandezas
forem diretamente proporcionais, essa equação terá a mesma forma da tabela.
No caso de grandezas inversamente proporcionais, a montagem da equação será feita
invertendo-se a razão de uma das grandezas. Quando as grandezas forem diretamente
proporcionais dizemos que a regra de três é direta. Quando forem inversamente proporcionais,
dizemos que a regra de três é inversa.
Procedimentos para resolver problemas por regra de três simples:
1º) Montar a tabela: As quantidades correspondentes a uma mesma grandeza devem ser
expressas sempre na mesma unidade de medida
Comprimento(m) Preço(R$)
5 80,00
9 x
2º) Verificar se as grandezas são diretamente ou inversamente proporcionais:
- Se as grandezas forem diretamente proporcionais, coloca-se uma seta vertical na coluna
onde se encontra o x, na direção dele, e uma seta vertical de mesmo sentido na coluna
dos outros dados.
- Se as grandezas forem inversamente proporcionais, procede-se da mesma forma na
coluna do x, invertendo o sentido da seta na outra coluna.
3º) Determinar o valor de x, que é o termo procurado, através da propriedade fundamental
das proporções.
Exemplo:
Cinco metros de um tecido custam R$ 80,00. Quanto pagarei por 9 metros do
mesmo tecido?
Nesse exemplo temos uma regra de três simples e direta. Observe os procedimentos
acima:
Comprimento(m) Preço(R$)

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 117
5 80,00
9 x

9
5
=
x
80
x =
5
9 . 80
x = 144,00
ATIVIDADES:
1. Se 6 operários fazem certa obra em 10 dias, em quantos dias 20 operários fariam a mesma
obra?
2. Uma viagem foi feita em 12 dias, percorrendo-se 150 Km por dia. Quantos dias seriam
necessários para fazer a mesma viagem, percorrendo-se 200 Km por dia?
3. Três torneiras completamente abertas enchem um tanque em 1h30min. Quantas torneiras de
mesma vazão seriam necessárias para encher o mesmo tanque em 54min?
4. Um corte de tecido de 2m x 2,5m custa R$ 100,00. Quanto deverá ser pago por um corte do
mesmo tecido de 3m x 5 m?
5. Se 4/9 de uma obra foram feitos em 28 dias, em quantos dias a obra será concluída?
4.2. Regra de Três Composta
A regra de três composta envolve três ou mais grandezas relacionadas entre si. Os
procedimentos de resolução serão os mesmos da regra de três simples. Quando há dependência
inversa entre a grandeza que contém a variável com as demais grandezas, invertemos os
elementos da respectiva coluna. A equação será montada, relacionando a grandeza que contém a
variável com as demais grandezas.
Exemplo:
Três operários, trabalhando durante 6 dias, produzem 400 peças. Quantas peças desse
mesmo tipo produzirão sete operários, trabalhando 9 dias?
Nº de operários Nº de dias Nº de peças
3 6 400
7 9 x
Comparando a grandeza que contém o x com as outras duas grandezas, verificamos que
são diretamente proporcionais. Então:

x
400
=
9 . 7
6 . 3

x
400
=
63
18

x
400
=
7
2
2x = 2 800 x = 1.400 peças
ATIVIDADES:
1. Um ciclista percorre 120 Km em 2 dias, dirigindo 3 horas por dia. Em quantos dias percorrerá
500 Km, viajando 5 horas por dia?

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 118
2. Numa fazenda, 3 cavalos consomem 210 Kg de alfafa durante 7 diais. Para alimentar 8 cavalos,
durante 10 diais, quantos quilos de alfafa serão necessários?
3. Seis digitadores preparam 720 páginas em 18 dias. Em quantos dias 8 digitadores, de mesma
capacidade, prepararão 800 páginas?
4. Um automóvel, com velocidade média de 60 km/h, roda 8 horas por dia e leva 6 dias para fazer
certo percurso. Se a velocidade fosse 80 km/h e se rodasse 9 horas por dia, em quanto tempo ele
faria o mesmo percurso?
5. Uma torneira enche um tanque em 20 horas, com uma vazão de 1 litro por minuto. Quanto
tempo será necessário para que duas torneiras, com vazão de 2 litros por minuto, encham o
mesmo tanque?
6. Trabalhando 6 horas por dia durante 10 dias, 10 engenheiros executam projetos de 5 pontes.
Quantos engenheiros seriam necessários para projetar 8 pontes, trabalhando 8 horas por dia,
durante 15 dias?
7. Um livro de 120 páginas, com 25 linhas, é impresso em 4 horas. Quantas horas seriam
necessárias para imprimir um livro de 100 páginas com 30 linhas por página?
8. Uma pessoa que viajará para os Estados Unidos dispõe de R$ 2 500,00 para a viagem.Quantos
dólares conseguirá comprar?


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 119
5. PORCENTAGEM

Em nosso dia-a-dia estamos constantemente convivendo com expressões do tipo“ O
índice de reajuste salarial de maio é de 9,8%.” “ O rendimento da poupança foi de 1,58%.” “
Liquidação de inverno com 30% de desconto”...
Essas expressões envolvem uma razão especial chamada porcentagem. Porcentagem,
portanto, pode se definida como uma razão cujo conseqüente é 100 ou ainda como uma
razão centesimal, onde o conseqüente é substituído pelo símbolo %, chamado “por cento“.

100
80
= 0,80 = 80%
5.1. Cálculos de Porcentagem:
Existem vários recursos para resolver cálculos que envolvem porcentagens:
1º) POR UMA FORMA DIRETA ENVOLVENDO O ENTENDIMENTO DE FRAÇÕES:
Exemplo: Quanto é 20% de 800?
20% de 800, é o mesmo que dividir 800 em 100 partes iguais e tomar 20 delas.
20 % de 800 = 20/100 de 800 800 : 100 . 20 = 160
ou usando taxa unitária:
20% de 800 = 2 0/100 = 0,20 800 . 0,20 = 160
2º) POR UMA REGRA DE TRÊS SIMPLES E DIRETA:
Exemplo 1: Um trabalhador cujo salário era de R$ 2 000,00, recebeu um aumento de 5%. Quanto
passou a ser o seu novo salário?
Este problema pode ser resolvido por regra de três de dois modos:
1ª). 2000 100%
x 5% x =
100
5 . 2000
x = 100,00
Salário= 2 000,00 + 100,00 = 2
100,00
2ª) 2 000 100%
x 105% x =
100
105 . 2000


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 120
x = 2 100,00
Salário: 2 100,00
Exemplo 2: Ao comprar um automóvel por R$ 15 000,00, obtive um desconto de R$ 1 800,00.
Qual foi a taxa de desconto?
15 000 100%
1800 x x =
100
1800 . 100
x = 12%
Taxa de desconto: 12%
Exemplo 3: Uma taxa de 13% é aplicado num determinado capital, produzindo um valor
porcentual de 5 200,00. De quanto era o capital?
13% 5 200
100% x x =
100
5200 . 100
x = 40.000
Capital: R$ 40 000,00
5.2. Elementos dos Cálculos Porcentual
Pelos exemplos anteriores observamos que são três os elementos envolvidos no cálculo
de porcentagem:
Principal ou Capital: valor da grandeza da qual se calcula a porcentagem (P ou C)
Taxa porcentual: valor que representa a quantidade de unidades tomadas em cada 100
(i).
Porcentagem ou juros: resultado que se obtém quando se aplica a taxa de porcentagem
ou taxa porcentual (p ou j)
Concluímos também que a resolução por regra de três permite chegarmos ao seguinte
raciocínio:

Porcentagem =
100
. Pr taxa incipal
p =
100
.i P
, onde P =
i
p . 100
e i =
P
p . 100

Também poderemos encontrar em algumas literaturas:
100
.i C
j = , onde
i
j
C
100 .
= e
C
j
i
. 100
=

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 121
É mais prático usarmos a taxa unitária: 25% = 25/100 = 0,25
ATIVIDADES:
1. Calcular:
a) 20 % de 32 b) 3,5% de R$ 4 500 c) 4% de 550
2. Qual a taxa unitária de 20%?
3. Qual a taxa porcentual correspondente a 0,05?
4. Qual é o número principal em que 20 representa 3%?
5. Qual o número principal em que 800 representa 3/5%?
6. Qual a porcentagem em que 2 representa em 40?
7. Um comerciante vendeu um objeto por R$ 540,00 com um lucro de 15%. Quanto ganhou?
8. Em uma escola, as 1120 alunas representam 56% do total de alunos. Qual é esse total?
9. A média de reprovação em concursos públicos é de 82%. Quantos serão aprovados num
concurso público com 6 500 inscritos?
10. Walter pediu aumento salarial na empresa em que trabalha, alegando que um simples reajuste
(que naquele dissídio seria 7,5%) não cobriria suas reais necessidades. Na ocasião, seu salário
era de R$ 2.850,00 e sua proposta foi uma correção de 9 %. No final do mês, ele recebeu R$
3.092, 25. Calculando qual o índice de correção aplicado pela empresa, responda se o pedido foi
atendido.
11. Um comerciante comprou um automóvel de R$ 84 000,00 com desconto de 2%. Em seguida,
vendeu o automóvel por um valor 3% acima desse preço(valor inicial do automóvel). Qual foi a
taxa de lucro total, desde a venda até a compra, usada pelo comerciante?
12. Dois postos de abastecimento misturam água ao álcool que vendem. No primeiro deles foram
encontrados 7,5 l de água em 300 l de álcool e, no segundo, 13,5 l de água em 500 l de álcool.
Quanto por cento o álcool de um posto é mas aguado que o do outro/
13. Do que eu recebo, 30% vão para a poupança, 20% para o aluguel e 35% para a alimentação,
restando-me apenas R$ 450,00. Qual é o meu salário?
14. Numa cidade, 45% da população é composta por homens. Qual a população total dessa
cidade se nela residem 60 500 mulheres?
15. Uma certa quantia y tornou-se 2y após 1 ano e 3y após 2 anos. Com relação a quantia inicial,
calcule a taxa aplicada no primeiro e no segundo ano.
16. Que taxa devemos utilizar para transformar uma quantia x em 3x?
17. Um vendedor ganha 3% de comissão sobre as vendas que realiza. Tendo recebido R$ 300,00
de comissões, qual o total vendido por ele?
18. Comprei uma casa cujo preço era R$ 200 000,00. Tendo gasto 5% desse valor em impostos e
3% de comissão para o corretor, quanto efetivamente tive que desembolsar?

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 122
19. Uma turma tem 40 alunos. Destes, 60% são moças e 40% são rapazes. Em um determinado
dia, compareceram às aulas 75% das moças e 50% dos rapazes. Quantos alunos foram às aulas
nesse dia? Qual a porcentagem (taxa) que compareceu às aulas nesse dia?
20. Ao comprar uma automóvel por R$ 15 000,00 obtive um desconto de R$ 1 800,00. Qual foi a
taxa de desconto?

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 123

6. JUROS SIMPLES
6.1. Introdução
Juros simples é o regime de remuneração do capital onde a taxa de juros é aplicada
sempre sobre o capital inicial, tantas vezes quantos forem os períodos de aplicação.
Não se trata, portanto, de porcentuais acumulados, pois é calculado sempre sobre o
mesmo valor.
Exemplo: Um capital de R$ 1.000 é aplicado a 20% ao mês, durante o tempo de 4
meses. Quais os juros?
Solução: 20% de R$ 1.000 é igual a R$ 200. Como o capital foi aplicado por 4 meses, a
quantia total dos juros é de 4 x R$ 200 = R$ 800.
Podemos também calcular o porcentual total, ou 20% ao mês durante 4 meses resultam
80%. 80% de 1.000 resultam R$ 800.
O porcentual total é calculado portanto, multiplicando a taxa (i) pelo número de períodos
de tempo ( t ), tomados em unidades adequadas.
Exemplos:
a) i = 20% ao mês (a.m) t = 3 meses it = 20 x 3 = 60%
b) i = 45% ao ano (a.a.) t = 8 meses it = (45/12) x 8 = 30%

c) i = 25% ao mês (a.m.) t = 2 anos it = 25 x 24 = 600%

d) i = 30% ao ano (a.a.) t = 4 meses it = (3/12) x 4 = 1%


Observações: 1) Quando na taxa não vem explicando o período de tempo, considera-se o
período anual;

2) Para efeito comercial, considera-se: 1 mês = 30 dias e 1 ano = 360 dias


............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 124
6.2. Relação entre Capital, Juros Simples e Montante
Como o porcentual total (it) é aplicado sobre o capital (C), podemos montar as
seqüências diretamente proporcionais:
Capital C --------- 100%
Juros J ------- i t %
Montante M ---------- (100 + i t) %
lembrando que o montante M é a soma do capital mais juros.
6.3. Exercícios Resolvidos
a) Um capital de R$15.000 foi aplicado a uma taxa de 60% a.a., durante 4 meses. Quais os
juros?
Solução:
Calculando o porcentual total, temos: % 20 4
12
60
= = x it
Montando a proporção:
100
Cit
j =
100
20 15000x
j = 3.000
Resposta: Juros de R$ 3.000.
b) Um capital foi aplicado a 24% a.a. durante 8 meses, rendendo juros de R$ 1.600. Qual
o capital aplicado?
Solução:
Calculando o porcentual total, temos: % 16 8
12
24
= = x it
Montando a proporção:
100
Cit
j =
it
jx
C
100
= 000 . 10
16
100 1600
= =
x
C
Resposta: Capital de R$ 10.000.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 125
c) O capital de R$ 12.000 foi aplicado durante 9 meses, rendendo juros de R$ 4.320. Qual
a taxa de juros?
Solução:
Calculando porcentual total, temos: it = i x 9 = 9i%
Montando a proporção:
100
Cit
j =
C
jx
it
100
=
000 . 12
100 320 . 4
9
x
i = 9i = 36 i = 4% a.m.
Resposta: A taxa é de 4% ao mês (a.m.) ou 48%) ao ano (a.a.).
d) O capital de R$ 25.000 foi aplicado a 36% ao mês, rendendo juros de R$ 4.500. Qual o
tempo de aplicação?
Solução:
Calculando o porcentual total, temos: it = 36t.
Montando a proporção:
100
Cit
j =
C
jx
it
100
=
000 . 25
100 500 . 4
36
x
t = 36t = 18 t = ½ mês
Resposta: Tempo de 1/2 mês ou 15 dias.
e) Um capital foi aplicado a uma taxa de 18% a.m., durante 75 dias, gerando um montante
de R$ 7.250. Qual foi o capital aplicado?
Solução:
Calculando o porcentual total, temos: % 45 75
30
18
= = x it
Montando a proporção: M = C + j
100
) 100 ( it C
M
+
=
it
Mx
C
+
=
100
100

45 100
100 250 . 7
+
=
x
C
C = 5.000
Resposta: O capital foi de R$ 5.000.
f) 1/4 de um capital foi aplicado a 10% a.m., durante dois meses. O restante foi aplicado a
5% a.m., durante o mesmo tempo. O total de juros obtidos foi de R$ 1.250. Qual o capital
aplicado?

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 126
Solução:
Calculando os porcentuais totais, temos:
1) it= 10x2= 20%
2) it= 5x2= 10%,.
Vamos resolver o problema supondo o capital inicial de 100.
20%
1/4 25 5,0
100 12,5 (juros totais para 100)
3/4 75 7,5
10%
Ou seja, para um capital de 100 obtivemos juros totais de 12,5, que são números diretamente
proporcionais aos valores do problema.
100 -------------- 12,5
Por regra de 3 temos: donde:
5 , 12
100 250 . 1 x
x = = 10.000
X ------------- 1.250

Resposta: O capital total foi de R$ 10.000.
g) Dois capitais foram aplicados a 36% a.a. durante 4 meses. Os juros dos capitais diferem
de R$ 360. Qual a diferença entre os capitais?
Solução:
Se a diferença entre os juros é de R$ 360, esta foi devida à diferença dos capitais. Para
determinarmos a diferença dos capitais, basta determinar qual o capital que, na taxa e no tempo
dados, renderia juros de R$ 360.Temos portanto:

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 127
Porcentual total: % 12 4
12
36
= = x it na proporção
100
Cit
j =
it
jx
C
100
=
000 . 3
12
100 360
= =
x
C
Resposta: A diferença entre os capitais é de R$3.000.
h) Qual a taxa necessária para que um capital, em 4 anos, triplique de valor?
Solução:
Supondo um capital 100, teremos um montante de 300.
M = C + j
100
) 100 ( it C
M
+
=
it
Mx
C
+
=
100
100

i
x
4 100
100 300
100
+
= 4i = 300 – 100 i = 50
Resposta: A taxa necessária é de 50% ao ano.
ATIVIDADES
01) O capital de R$ 3.500, em 6 meses, a 4% a.a., produz juros, em Reais, de
a) 55. b)60. c) 65. d) 70. e) 75.
02) Um capital de R$ 1.500 produz juros de R$ 25, em 75 dias, a uma taxa de
a) 6% a.a. b) 7% a.a. c) 8% a.a. d) 9% a.a. e) 10% a.a.
03) O capital de R$ 48.000 produz R$ 11.160 de juros, a uma taxa de 9%, em
a) 2a 7m. b) 2a 6m. c) 2a 5m. d) 2a 4m. e) 2a 3m.
04) O capital que a taxa de 6,5% a.a., em 6 anos, produz um montante de R$ 2.085, em Reais, é
a) 1.350. b) 1.400. c) 1.450. d) 1.500. e) 1.600.
05) O capital que diminuído de seus juros de 5 anos, 4 meses e 12 dias, à taxa de .5% a.a., reduz-
se a R$ 96.580, em Reais, é
a) 128.000. b) 132.000. c) 135.000. d) 136.000. e) 144.000.
06) A taxa para que certo capital produza, em 5 anos, juros iguais a 2/3 de si mesmo, é

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 128
a) 12 1/2%. b) 12 1/3%. c) 13 2/3%. d) 13 1/2%. e) 13 1/3%.
07) Um capital foi aplicado a 10% a.m. durante 5 meses. Findo este prazo, o montante foi
reaplicado por um mesmo período, à taxa de 8% a.m., resultando em um montante final de R$
21.000. O capital, em Reais, era de:
a) 9.000. b) 9.500. c) 10.000. d) 10.500. e) 11.000.
08) Coloquei 1/5 de meu capital a 10%, e o restante a 5%. Recebi juros anuais de RS 3.600. Em
Reais, meu capital era de
a) 50.000. b) 55.000. c) 60.000. d) 65.000. e) 70.000.
09) Sabendo-se que um capital foi duplicado em 8 anos a juros simples, a taxa anual empregada
foi de
a) 10%. b) 12,5%. c) 15%. d) 17,5%. e) 20%.
10) O tempo para que um capital triplique de valor a 20% ao ano, no regime de juros simples, em
anos, é
a) 5. b)8. c) 10. d) 12. e) 15.
11) Dois capitais aplicados a 5% ao mês, durante 5 meses, rendem juros que diferem de R$ 750.
A diferença entre os capitais, em Reais, é de
a) 2.500. b) 2.750. c) 3.000. d) 3.250. e) 3.500.
12) Depositei certa quantia em um banco e recebi o montante de RS 6.342 no fim de 40 dias. Se a
aplicação foi feita à taxa de 6% ao ano, os juros são, em Reais, de
a) 40. b) 42. c) 44. d) 48. e) 52.
13) Um certo capital aplicado durante 5 meses resulta em um montante de R$ 12.500 e aplicado
durante 6 meses resulta em outro montante de R$ 13.000. O capital, em Reais, é
a) 8.000. b) 9.000. c) 9.500. d) 10.000. e) 12.000.
14) Dividindo R$ 360 em duas partes de tal forma que a primeira produza em 6 meses os mesmos
juros que a segunda em 3 meses, ambas com a mesma taxa de aplicação, a maior parte vale,
em Reais,
a) 200. b)210. c) 220. d) 230. e) 240.

............................................................. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII - Varginha

Curso Pro-Técnico - Disciplina: Matemática - Professores Antônio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira 129
7. SISTEMA MÉTRICO
7.1. Medidas de Comprimento
A unidade fundamental para medir comprimento é o metro e é representado pela letra
“m”. Outras unidades são:
1) Múltiplos do metro: quilômetro, hectômetro, decâmetro.
2) Submúltiplos do metro: decímetro, centímetro e milímetro.
A tabela abaixo de unidades representa um exemplo de conversão
Km hm dam m dm cm mm
1.000m 100m 10m 1m 0,1m 0,01m 0,001m
Cada unidade de comprimento é igual a 10 vezes a unidade imediatamente inferior, ou seja,
12,45 dm = 124,5 cm ou 1,245 x 10
3
mm
8,73 dam = 0,873 hm
7.2. Unidades de Potência de 10
Para facilitar a representação de números múltiplos de 10 existe as potências de 10, ou
seja, podemos substituir “os zeros” por letras que contenham a sua representação. As mais
utilizadas são:
G = 10
9
= 1.000.000.000 = Giga
M = 10
6
= 1.000.000 = Mega
K = 10
3
= 1.000 = Kilo
m = 10
-3
=
000 . 1
1
= mili
µ = 10
-6
=
000 . 000 . 1
1
= micro
n = 10
-9
=
000 . 000 . 1
1
= nano



................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

123
7.3. Medidas de Tempo

A unidade fundamental para medir tempo é o segundo e é representado pela letra “s”. Outras
unidades também utilizadas são:

a) Horas [h] = 3.600 s

b) Minutos [min] = 60 s

c) Dia = 24 h = 1.440 min = 86.400 s

d) Mês = 30 dias = 720 h (comercial)

e) Ano = 12 meses = 360 dias (comercial)

Observação: vale ressaltar que para o Sistema Internacional (SI) de medidas utilizamos o metro e o
segundo.
ATIVIDADES
1. Realize as seguintes conversões:
a) 12 m para hm, dm e mm
b) 15 Km para m, dam e cm
c) 10 m
2
para cm
2
d) 10 dm
3
para m
3

2. Realize as seguintes operações, em potência de 10:
a) 1,2G + 100M
b) 12m + 900µ
c) 1.200µ + 2m
d) 110K + 20.000
3. Realize as conversões de tempo:
a) 120 min = ? h
b) 2 h e 30 min = ? h

................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

124
c) 36 h e 40 min = ? h
d) 2,65 h = ? min
e) 465 s = ?? h e ?? min (resposta em XX h: YY min)

ATIVIDADES EM GERAL

01) Na fração a/b, o numerador vale um terço do denominador. Somando-se 10 ao numerador, a fração
torna-se equivalente a 1. Determine o valor de a + b.

02) Peguei 2/5 de R$ 10,20 e distribuí 1/3 para cada filho. Quanto recebeu cada um?

03) Certa chácara dista de São Paulo 2/5 da distância entre Rio e São Paulo. Quanto gasto em
combustível para ir e voltar da chácara?
Dados:
Distância Rio-São Paulo: 425km;
Consumo do carro: 11,1 / 3 km por litro;
Preço do combustível: R$ 0,66 por litro.

04) A soma de três números é 98. A razão entre o primeiro e o segundo (nesta ordem) é 2/3, e entre o
segundo e o terceiro é 5/8. O segundo número é:
a) 15
b) 20
c) 30
d) 32
e) 33

05) Um motorista dirige um carro em velocidade constante, de uma cidade A para outra B. sabendo-se
que faz 60km/h na ida e 80 km/h na volta e que gastou 9 horas e 20 minutos no percurso de ida e volta,
determinar a distância entre A e B.

06) Um fenômeno foi observado desde o instante 2h 30 min até o instante 7h 45 min. Quanto tempo durou
esse fenômeno?

07) Um livro possui 200 folhas, que totalizam uma espessura de 2cm. A massa de cada folha é de 1,2g e
a massa de cada capa do livro é de 10g.
a) Qual a massa do livro
b) Qual a espessura de uma folha?

08) Uma pessoa ganha R$ 500,00 por 10 dias de trabalho, quanto receberá por 200 dias de trabalho?

09) No mesmo instante em que uma casa de 5m de altura projeta uma sombra de 20 cm, qual será a
altura, em metros, de um prédio cuja sombra projetada mede 2m?

10) Para realizar uma obra, 20 operários levarão 150 dias, se o número de operários aumentar de 30, em
quantos dias a obra ficará pronta?

11) Para forrar as paredes de um salão, são necessárias 30 peças de papel com 70cm de largura cada
uma. Quantas peças seriam necessárias se as peças tivessem 1m de largura?


................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

125
12) Uma torneira aberta durante 4 horas enche uma banheira de 150 litros. Se a banheira tivesse metade
do volume, em quantos minutos a banheira estaria cheia?

13) A água do mar contém 2,5g de sal para cada 100g de água. Quantos gramas de sal terão em 5 kg de
água do mar?

14) Para cobrir 2m
2
de uma parede precisamos de 16 azulejos. Quantos azulejos serão necessários para
cobrir uma parece de 8m
2
?

15) Para realizar a metade de uma obra 10 operários levam 14 dias. Se forem empregados mais 18
operários, quantos dias levarão para terminar essa obra?

16) Uma roda de 20 dentes engrena com outra de 50 dentes. Quantas voltas darão esta última sabendo
que a primeira deu 120 voltas?

17) Sabemos que a carga máxima de um elevador é de 7 pessoas adultas com 80kg cada uma. Quantas
crianças, pesando 35 kg cada, atingiriam a carga máxima desse elevador?

18) Três torneiras completamente abertas enchem um tanque em 90 minutos. Quantas torneiras iguais a
essa encheriam o mesmo tanque em 54 minutos?

19) Uma torneira enche um tanque em 6 horas. Outra enche o mesmo tanque em 4 horas. Em quantas
horas as duas juntas encheriam o tanque?

20) Comprei 12 m de certo tecido e paguei R$ 48,00. Quanto cursta o metro do tecido?

21) 900 gramas de glicose contêm 360 gramas de carbono, 60 gramas de hidrogênio e 480 gramas de
oxigênio. Calcule quantos gramas de carbono, hidrogênio e oxigênio têm, respectiva-mente, em 300
gramas de glicose.
22) Uma banheira tem três formas de ser cheia. Uma torneira que enche em 3 horas, outra que leva 4 horas
para enchê-la e o chuveiro que demora 12horas para enchê-la. Se abrirmos tudo junto, em quanto tempo a
banheira ficará cheia?

................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

126
8. GEOMETRIA

A Geometria está apoiada sobre alguns postulados, axiomas, definições e teoremas, sendo que
essas definições e postulados são usados para demonstrar a validade de cada teorema. Alguns desses
objetos são aceitos sem demonstração, isto é, você deve aceitar tais conceitos porque os mesmos parecem
funcionar na prática!
A Geometria permite que façamos uso dos conceitos elementares para construir outros objetos mais
complexos como: pontos especiais, retas especiais, planos dos mais variados tipos, ângulos, médias,
centros de gravidade de objetos, etc.
8.1. Definições
Polígono: É uma figura plana formada por três ou mais segmentos chamados lados de modo que cada lado
tem interseção com somente outros dois lados próximos, sendo que tais interseções são denominadas
vértices do polígono e os lados próximos não são paralelos. A região interior ao polígono é muitas vezes
tratada como se fosse o próprio polígono

Polígono convexo: É um polígono construído de modo que os prolongamentos dos lados nunca ficarão no
interior da figura original. Se dois pontos pertencem a um polígono convexo, então todo o segmento tendo
estes dois pontos como extremidades, estará inteiramente contido no polígono. Um polígono é dito não
convexo se dados dois pontos do polígono, o segmento que tem estes pontos como extremidades, contiver
pontos que estão fora do polígono.

Polígono No. de lados Polígono No. de lados
Triângulo 3 Quadrilátero 4
Pentágono 5 Hexágono 6
Heptágono 7 Octógono 8
Eneágono 9 Decágono 10
Undecágono 11 Dodecágono 12

Polígono não convexo: Um polígono é dito não convexo se dados dois pontos do polígono, o segmento
que tem estes pontos como extremidades, contiver pontos que estão fora do polígono.

Segmentos congruentes: Dois segmentos ou ângulos são congruentes quando têm as mesmas medidas.

Paralelogramo: É um quadrilátero cujos lados opostos são paralelos. Pode-se mostrar que num
paralelogramo:


................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

127
Os lados opostos são congruentes;
Os ângulos opostos são congruentes;
A soma de dois ângulos consecutivos vale 180o;
As diagonais cortam-se ao meio.

Losango: Paralelogramo que tem todos os quatro lados congruentes. As diagonais de um losango formam
um ângulo de 90o.

Retângulo: É um paralelogramo com quatro ângulos retos e dois pares de lados paralelos.

Quadrado: É um paralelogramo que é ao mesmo tempo um losango e um retângulo. O quadrado possui
quatro lados com a mesma medida e também quatro ângulos retos.

Trapézio: Quadrilátero que só possui dois lados opostos paralelos com comprimentos distintos,
denominados base menor e base maior. Pode-se mostrar que o segmento que liga os pontos médios dos
lados não paralelos de um trapézio é paralelo às bases e o seu comprimento é a média aritmética das
somas das medidas das bases maior e menor do trapézio.

Trapézio isósceles: Trapézio cujos lados não paralelos são congruentes. Neste caso, existem dois ângulos
congruentes e dois lados congruentes. Este quadrilátero é obtido pela retirada de um triângulo isósceles
menor superior (amarelo) do triângulo isósceles maior.

Pipa ou papagaio: É um quadrilátero que tem dois pares de lados consecutivos congruentes, mas os seus
lados opostos não são congruentes. Neste caso, pode-se mostrar que as diagonais são perpendiculares e
que os ângulos opostos ligados pela diagonal menor são congruentes.

8.2. Conhecendo a Geometria Plana

Para se chegar à compreensão da necessidade de classificação de figuras, da forma como é usual
na Geometria Euclidiana, é necessário obter compreendido as suas vantagens matemáticas. Sem esta
compreensão, parece um jogo de palavras ter ouvido o professor afirmar que um triângulo isósceles é o que
tem os lados iguais, e depois ver o professor permitir que um triângulo com os três lados iguais seja também
isósceles. Só após o conhecimento de algumas propriedades das figuras é que os alunos compreenderão
as vantagens de optar por uma classificação.
Vamos optar por apresentar os diversos tipos de figuras em separado apenas por uma razão de
"arrumação".
Chamamos polígonos a qualquer porção do plano limitada por segmentos de reta que forma uma
linha poligonal fechada.

................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

128
8.2.1. Triângulos

Os triângulos são polígonos de três lados. Iremos classificar os triângulos de duas maneiras: quanto aos
lados e quanto aos ângulos.

Quanto aos lados:

Equilátero Isósceles Escaleno

todos os lados iguais dois lados iguais todos os lados diferentes

Quanto aos ângulos:

Acutângulo Obtusângulo Retângulo

Um ângulo agudo Um ângulo obtuso Um ângulo reto


8.2.1.1. Algumas propriedades:

- Se o triângulo tem dois lados iguais, os ângulos que lhes são opostos também são iguais.

- Num triângulo, ou em triângulos iguais, a lados iguais opõem-se ângulos iguais.

- Num triângulo, ou em triângulos iguais, a ângulos iguais opõem-se lados iguais.

- Num triângulo, ao maior lado opõem-se o maior ângulo.


8.2.1.2. Área de um Triângulo

Considere as seguintes figuras:

................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

129



Observe que, em qualquer uma das três figuras, a área do triângulo destacada é igual à metade da
área do retângulo ABCD.

Assim, de modo geral, temos:

área do triângulo: S = (b.h)/2

Neste caso, podemos considerar qualquer lado do triângulo como base (b). A altura (l) a ser
considerada é a relativa a esse lado.

8.2.2. Quadriláteros

- Os quadriláteros podem ser trapézios (com dois lados paralelos) e não trapézios (quando não tem lados
paralelos).

- Os trapézios podem ser paralelogramos (com lados opostos paralelos) e trapézios propriamente ditos
(apenas com dois lados paralelos).

Paralelogramos

Retângulo Losango Quadrado Paralelogramo




8.2.2.1. Propriedades:

Retângulo: - lados opostos iguais
- quatro ângulos retos

................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

130
- diagonais iguais que se cortam ao meio (bissteriz)
- dois eixos de simetria

Losango: - quatro lados iguais
- ângulos opostos iguais
- diagonais perpendiculares que se cortam ao meio (bissetriz)
- dois eixos de simetria

Quadrado: - quatro lados iguais
- quatro ângulos retos
- diagonais perpendiculares
- quatro eixos de simetria

Paralelogramo obliquângulo: - lados opostos iguais
- ângulos opostos iguais
- não tem eixos de simetria

Trapézios propriamente ditos

Isósceles Retangular Escaleno


Propriedades:

Isósceles: - dois lados iguais
- um eixo de simetria

Retângular: - um ângulo reto
- não tem eixos de simetria
Escaleno: - quatro lados diferentes
- não tem eixos de simetria


8.2.2.2. Área do Retângulo

Em um retângulo de lados a e b, figura abaixo, onde:

................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

131

a = medida do comprimento ou base
b = medida da largura ou altura
S = área total

temos que: área do retângulo: S = b.h

8.2.2.3. Área do Quadrado

Considerando que o quadrado é um caso particular do retângulo, onde todos os lados são iguais,
figura abaixo:

l = medida do comprimento ou base
l = medida da largura ou altura
S = área total

temos que: área do quadrado: S = l . l ou S = l
2

8.2.2.4. Área de um Losango

O quadrilátero abaixo é um losango onde vamos considerar:


1) O segmento PR representa a Diagonal Maior, cuja medida vamos indicar por “D”.

2) O segmento QS representa a Diagonal Menor, cuja medida vamos indicar por “d”.

Note que a área do losango PQRS é igual à metade da área do losango cujas dimensões são as
medidas D e d das diagonais do losango, então:


................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

132
área do losango: S = (D.d)/2

8.2.2.5. Área de um Trapézio

Considerando o Trapézio abaixo, podemos destacar:


1) MN é a base maior, cuja medida vamos representar por B.
2) PQ é a base menor, cuja medida vamos representar por b.
3) A distância entre as bases é a altura do trapézio, cuja medida indicaremos por h.

Se traçarmos a diagonal QN, por exemplo, obteremos dois triângulos, QPN e QMN, que têm a
mesma altura de medida h.

Da figura temos:

- área do trapézio MNPQ=área do triângulo QPN + área do triângulo QMN
- área do trapézio = (B.h)/2 + (b.h)/2
- área do trapézio = (B.h+b.h)/2
área do trapézio: S = (B + b).h/2
8.2.3. Polígonos
Pentágonos - São polígonos com cinco lados e cinco ângulos. Por exemplo:

Fonte: Matemática: Curso Completo – Nery, Chico e
Trotta, Fernando. Editora Moderna.1988.
Hexágonos - São polígonos de seis lados e seis ângulos. Por exemplo:

................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

133

Fonte: Matemática: Curso Completo – Nery, Chico e
Trotta, Fernando. Editora Moderna.1988.

Heptágonos - São polígonos de sete lados e sete ângulos. Por exemplo:

Fonte: Matemática: Curso Completo – Nery, Chico e
Trotta, Fernando. Editora Moderna.1988.

Octógonos - São polígonos de oito lados e oito ângulos. Por exemplo:

Fonte: Matemática: Curso Completo – Nery, Chico e
Trotta, Fernando. Editora Moderna.1988.

Os polígonos podem ser côncavos ou convexos.
Um polígono diz-se côncavo quando o prolongamento de pelo menos um dos seus lados corta o
polígono em duas partes.
Exemplo:

Fonte: Matemática: Curso Completo – Nery, Chico e
Trotta, Fernando. Editora Moderna.1988.

Um polígono diz-se convexo quando o prolongamento de qualquer dos segmentos que o determina
deixa o polígono de um só lado.
Exemplo:

................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

134

Fonte: Matemática: Curso Completo – Nery, Chico e
Trotta, Fernando. Editora Moderna.1988.

Os polígonos podem ser regulares ou não regulares.
Um polígono é regular se tem todos os lados e todos os ângulos iguais, caso contrário, diz-se não
regular.
Exemplo de polígonos regulares:

Fonte: Matemática: Curso Completo – Nery, Chico e
Trotta, Fernando. Editora Moderna.1988.

8.2.3.1. Área de um Polígono Regular

Considerando o polígono regular da figura abaixo, que é um pentágono.

A partir do centro vamos decompor esse pentágono em triângulos que são isósceles e congruentes,
em cada um desses triângulos temos:

1) base do triângulo, que corresponde ao lado do polígono e cuja medida vamos indicar por “l”.

2) altura relativa à base do triângulo, que corresponde ao apótema do polígono e cuja medida vamos
indicar por “a”.

A área de cada triângulo é dada por (l.a)/2.
Como são cinco triângulos, a área do polígono seria dada por: 5.(l.a)/2


................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

135
Logo, a área de um polígono regular, é dada por n.(l.a)/2, onde n = nº de lados do polígono.

área de um polígono regular = n.(l.a)/2

Sabendo, que 5.l representa o perímetro (2p) do pentágono regular considerado, a expressão 5.l/2
representa a metade do perímetro ou o semiperímetro (p) do pentágono.

Assim temos: área do pentágono = 5.l/2
Concluímos que para todos os polígonos regulares, podemos escrever:

área de um polígono regular = p.a
Observações:
1) O número de diagonais de um polígono convexo é determinado por:
2
) 3 ( −
=
n n
d
Onde: d = diagonal
n = número de lados

2) A soma dos ângulos internos de um polígono convexo é S
i
= (n-2) . 180
0
8.2.4. Circunferência (Círculo)
Circunferência é a figura geométrica formada por todos os pontos de um plano que distam
igualmente de um ponto fixo. Esse ponto fixo é denominamos de CENTRO da circunferência (ponto O). À
distância constante denominamos de RAIO (indicado por “r”).

Por exemplo:







Vejamos alguns elementos da circunferência:

1) Qualquer segmento que une o Centro a qualquer ponto da circunferência chama-se raio (r).
2) Qualquer segmento que une dois pontos quaisquer e distintos de uma circunferência chama-se CORDA.

r
o

................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

136


3) A corda que passa pelo centro da circunferência chama-se DIÂMETRO. Assim, o diâmetro é a maior
corda da circunferência e seu comprimento é igual ao dobro do comprimento do raio. Vamos indicar o
diâmetro por d, logo d=2r.

8.2.4.1. Área de um Circulo

Observe a seqüência de polígonos regulares inscritos numa Circunferência.


Fonte: Matemática: Curso Completo – Nery, Chico e
Trotta, Fernando. Editora Moderna.1988.

Repare que a medida que o número de lados aumenta, o polígono regular tende a se confundir com
a região limitada pela CINCUNFERÊNCIA, ou seja, o CÍRCULO.

Assim, termos:
1) O perímetro do polígono regular tende a se confundir com o comprimento da CIRCUNFERÊN-
CIA (C=2.pi.r).;

2) O semiperímetro do polígono tende ao valor 2.pi.r/2 = pi.r.;
3) O apótema do polígono tende a coincidir com a altura o raio do círculo, então:

área de um círculo: S = pi.r.r ou S = pi.r
2


................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

137
ATIVIDADES

1. Coloque V (verdadeira) ou F (falsa), conforme as sentenças seguintes:

a) Em qualquer losango as diagonais, cortam-se mutuamente ao meio ( )
b) Em qualquer parelelogramo, as diagonais são congruentes ( )
c) Em qualquer paralelogramo, as diagonais são bissetrizes dos ângulos internos ( )
d) Todo quadrado é inscritível e circunscritivel ( )
e) Todo retângulo
2. As bases de um trapézio ABCD medem: AB = 4 cm e CD= 10 cm, e a altura mede 12 cm. Calcule a
área deste trapézio.
3. Um triângulo ABC tem uma altura de 20 cm e sua base igual a 10 cm. Calcule sua área, em m
2
.
4. Um determinado círculo possui seu diâmetro igual a 24 cm. Calcule a área e o perímetro deste circulo.
8.2.5. Relações Métricas em um Triângulo
Seja um triângulo ABC retângulo em Â, e seja α a medida de um de seus ângulos agudos:




Temos:
a = hipotenusa c = cateto oposto b = cateto adjacente
Logo:
sen α =
hipotenusa
oposto cateto −

a
c
sen = α (seno)
cos α =
hipotenusa
adjacente cateto −

a
b
= α cos (cosseno)
tag α =
adjacente cateto
oposto cateto



b
c
sen = α (tangente)

A
B
C
α
c
a
b

................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

138
Também vale lembrar que: sen
2
α + cos
2
α = 1 e que
(hipotenusa)
2
= (cateto-oposto)
2
+ (cateto-adjacente)
2
a
2
= b
2
+ c
2
(Teorema de Pitágoras)
Para um triângulo qualquer temos:





1) Teorema dos cossenos: a
2
= b
2
+ c
2
– 2bc cos α
2) Teorema dos senos:
^ ^ ^
C sen
c
B sen
b
A sen
a
= = =
3) A soma dos ângulos internos de qualquer triângulo é 180
0
. â + ^b + ^c = 180
0

4) Num triângulo qualquer, um ângulo extreno é igual a soma dos dois ângulos internos não adjacentes a
ele.
ê = â + ^c
Nota: Tabela com alguns ângulos principais
Sen Cos Tag
30
0
2
1

2
3

3
3

45
0
2 / 2 2 / 2
1
60
0
2
3

2
1

3
90
0
1 0 infinito
ATIVIDADES
1. O lado de um triângulo eqüilátero mede a. Calcule a medida de sua altura.
2
3 a
h =
2. Calcule a medida do raio da circunferência inscrita num trapézio isóceles cujas bases medem 8 m e 18 m.
(r = 6m)
3. Sabendo que o lado de um quadrado mede a, calcule a medida de sua diagonal. (d = a 2 )
A
C
B
b
c
a
e

................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

139
4. O triangulo ABC tem base de 18 cm e altura de 12 cm. Calcule o perímetro do quadro inscrito.

5. Em relação ao triângulo ABC, qualquer, sabemos que: AB = 5 cm , BC = 8 cm e
^
B = 60
0
. Calcule:
a) A medida do lado AC (x=7cm)
b) A medida da altura AH.
(
2
3 5
= h cm)


6. Os lados do triângulo ABC medem: AB = 12 cm , BC = 4 7 cm e AC = 8 cm. Calcule a medida da
projeção do lado AC sobre o lado AB (base). (x=4 cm)

8.2.6. Retas, Paralelas e Ângulos

Consideremos duas retas paralelas r e s, cortadas por uma transversal t, conforme a figura abaixo:



A
B
C
B
A
C



H

................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

140

Onde: a
1
é colateral de b
4
e a
1
+ b
4
= 180
0


Pelo postulado de Euclides:

a
1
= a
2
= a
3
= a
4
(ângulos agudos)

e

b
1
= b
2
= b
3
= b
4
(ângulos obtusos)


Observação: Os ângulos a
2
e a
3
são chamados de alternados internos, assim como os ângulos b
2
e b
3
.




Ângulos na Circunferência

Ângulo Central: possui o vértice no centro da circunferência e, portanto, seus lados são raios. O ângulo
central e o arco determinado por ele têm a mesma medida.




Ângulo Inscrito: possui o vértice na circunferência e os seus lados são cordas da circunferência.

α
α

................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

141



Teorema: Se um ângulo central e um ângulo inscrito estiverem determinado num mesmo arco, numa
mesma circunferência, o ângulo central vale o dobro do inscrito.


α = 2β

Exemplo:

(UFMG-97) Observe a figura. Suponha que as medidas dos ângulos PSQ, QSR, SPR, assinalados na
figura, sejam 45°, 18° e 38°, respectivamente. A medida do ângulo PQS, em graus, é:

a) 38
b) 63
c) 79
d) 87





β
β
α
β

................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

142

Solução

O arco PQ = 90
0
(pois PQ = 2 x 45
0
)

Já o arco QR = 36
0
(2 x 18
0
)

Mais uma vez o arco RS = 76
0
(2 x 38
0
)

Logo: o arco PS = PQ + QR + RS PS = 90
0
+ 36
0
+ 76
0
PS = 202
0


Sabemos que o perímetro de uma circunferência ‘é de 360
0
, portanto:

PS + 202
0
= 360
0
PS = 360
0
– 202
0
PS = 158
0


Como a medida do arco é o dobro da medida do ângulo, que desejamos, teremos:

O ângulo PQS = 158/2 = 79
0
, ou seja, letra C.

ATIVIDADES

1. Dois lados de um triângulo medem 4 cm e 5 cm, e o ângulo formado por eles mede 30
0
. Calcule:
a) A área deste triângulo. (S = 5 cm
2
)
b) A altura relativa ao lado maior. (h = 2 cm)

2. Num losango, uma diagonal mede o triplo da outra. Calcule a área deste quadrilátero, sabendo que seu
perímetro é 40 m. (S=60m
2
)

3. Calcule a área da coroa circular seguinte, sabendo que seus raios medem 4 cm e 3 cm.












................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

143
Resp.: S
coroa
= π 7 cm
2


Fórmulas em Geral de Geometria

Fonte: Matemática: Curso Completo – Nery, Chico e Trotta, Fernando. Editora Moderna.1988.





................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

144



Fonte: Matemática: Curso Completo – Nery, Chico e Trotta, Fernando. Editora Moderna.1988.

................................................................................ Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Campus VIII – Varginha

Curso Pró-Técnico. Disciplina: Matemática – Professores: Antonio José B. Bottion e Paulo Henrique C. Pereira

145

Referências Bibliográficas

1. GUELLI, Oscar. Matemática: uma aventura do pensamento. São Paulo: Ática, 1999.

2. MORI, Iracema e ONAGA, Dulce Satiko. Matemática: idéias e desafios. São Paulo: Saraiva, 2000.

3. SPINELLI, Walter e SOUZA, Maria Helena. Matemática. São Paulo: Ática, 2001.

4. DANTE, Luiz Roberto. Tudo é Matemática. São Paulo: Ática, 2004.

5. NERY, Chico e TROTTA, Fernando. Matemática: Curso Completo. Rio de Janeiro: Moderna,
1988

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->