Você está na página 1de 3

Resende, Fernando.

O jornalismo e a enunciação:
perspectivas para um narrador jornalista.

Campo dos media: cria e recria práticas discursivas


que tanto desejam falar da sociedade como se
constituir enquanto saber acerca desta mesma
sociedade.

O jornalismo traz pressupostos pouco atentos às


práticas cotidianas e culturais da
contemporaneidade.

Enunciado e enunciação

Enunciado – fato narrado


Enunciação – ato de narrar

No jornalismo, o sujeito do enunciado (narrador), na


maioria das vezes, confunde-se com a enunciação
(autor/jornalista).

A enunciação é subordinada ao enunciado (fato em


si). O fato real tem preponderância sobre o texto
enquanto criação, produção, interpretação.

A enunciação, enquanto técnica de produção textual,


promove o APAGAMENTO do autor jornalista. Daí
surge uma aparente neutralidade.
MOTTA, Luiz Gonzaga. Jornalismo e configuração
narrativa da história do presente.

O jornalismo não é ficção, mas é narrativa; como


narrativa, pode ser interpretado como ficção.

Narração: relato de eventos que configuram o


desenvolvimento de uma ação temporal que estimula
a imaginação.

Descrição: descrição de momento único, estático,


temporalmente suspenso, ‘naturaliza’ o discurso,
cria efeito de real pelo excesso de informações
geradoras de verossimilhança.

1. O jornalismo tende mais à descrição do que à


narração, mas ambas estão presentes nos textos.
2. O jornalismo tende ao showing – dramatiza
fatos, personagens e falas, mas deixa as
conclusões éticas, morais e políticas para o
leitor/ouvinte. Jornalista como mediador
discreto.

Narração: ações, personagens, suceder temporal,


desenlace

Narratividade: continuidade/descontinuidade
(transformações)
Paul Ricoeur: as narrativas reconfiguram a nossa
confusa/ difusa experiência temporal. São uma
necessidade transcultural.

Os enunciados jornalísticos são a forma


contemporânea de domar o tempo. Mediar a relação
entre mundo temporal e ético pré-figurado e um
mudo refigurado pelo ato de leitura.

TEMPO – Mediação

AUTOR- MUNDO (pré-configuração)


OBRA- TEXTO (configuração)
LEITOR (refiguração)

Jornalismo:
• Narrativa da contemporaneidade
• Reconfiguração da cultura contemporânea por
meio dos atos de leitura das notícias.

“As notícias são fragmentos parciais de histórias, de


personagens e atores dos dramas e tragédias
humanas contados e recontadas diariamente,
pontuadas de lacunas e hiatos de sentido que
precisam ser permanentemente negociados pelo
receptor no ato da leitura” (Motta)