P. 1
Exercicios Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quinhentismo e Barroco Profª. Gizeli Costa [www.gizeli.tk]

Exercicios Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quinhentismo e Barroco Profª. Gizeli Costa [www.gizeli.tk]

|Views: 75.006|Likes:
Publicado porGizeli Costa
Exercicios Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quinhentismo e Barroco Profª. Gizeli Costa [www.gizeli.tk]
Exercicios Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quinhentismo e Barroco Profª. Gizeli Costa [www.gizeli.tk]

More info:

Published by: Gizeli Costa on Apr 18, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/13/2015

pdf

text

original

TROVADORISMO 01.

Assinale a afirmação falsa: a) A cultura portuguesa, no século XII, conciliava três matrizes contraditórias: a católica, a islâmica e a hebraica. b) A cultura católica, técnica e literariamente superior às culturas islâmica e hebraica, impôs-se naturalmente desde os primórdios da formação de Portugal. c) A expulsão dos mouros e judeus e a Inquisição foram os aspectos mais dramáticos da destruição sistemática que a cultura triunfante impôs às culturas opostas. d) O judeu Maimônides e o islamista Averróis são expressões do que as culturas dominadas produziram de mais significativo na Península Ibérica. e) Pode-se dizer que a cultura portuguesa esteve desde seu início assentada na diversidade e na contradição, do que resultaram alguns de seus traços positivos (miscibilidade, aclimatabilidade etc.) e negativos (tendência ao ceticismo quanto a idéias, desconfiança etc. 02. Assinale a afirmação falsa sobre as cantigas de escárnio e mal dizer: a) A principal diferença entre as duas modalidades satíricas está na identificação ou não da pessoa atingida. b) O elemento das cantigas de escárnio não é temático, nem está na condição de se omitir a identidade do ofendido. A distinção está no retórico do “equívoco”, da ambigüidade e da ironia, ausentes na cantiga de maldizer. c) Os alvos prediletos das cantigas satíricas eram os comportamentos sexuais (homossexualidade, adultério, padres e freiras libidinosos), as mulheres (soldadeiras, prostitutas, alcoviteiras e dissimuladas), os próprios poetas (trovadores e jograis eram freqüentemente ridicularizados), a avareza, a corrupção e a própria arte de trovar. d) As cantigas satíricas perfazem cerca de uma quarta parte da poesia contida nos cancioneiros galegoportugueses. Isso revela que a liberdade da linguagem e a ausência de preconceito ou censura (institucional, estética ou pessoal) eram componentes da vida literária no período trovadoresco, antes de a repressão inquisitorial atirá-las à clandestinidade. e) Algumas composições satíricas do Cancioneiro Geral e algumas cenas dos autos gilvicentinos revelam a sobrevivência, já bastante atenuada, da linguagem livre e da violência verbal dos antigos trovadores. 03. A língua portuguesa não é falada: a) no arquipélago dos Açores e na Ilha da Madeira; b) em Gibraltar e nas Ilhas Canárias; c) no arquipélago de Cabo Verde, nas ilhas de São Tomé e Porto Príncipe, na Guiné-Bissau em Angola e em Moçambique; d) em Macau e em dialetos crioulos de Goa, Damão, Sri Lanka (ex-Ceilao), Java e Málaca; e) no Timor Leste, parte oriental da ilha de Timor, próxima da Oceania, mas que os mapas geopolíticos atuais incorporam ao Sudeste Asiático. Questões 04 e 10 - Assinale V (verdadeiro) e F para (falso) 04. ( ) A Provença, região sul da França, chamada Langue d´Oc ou Languedo, foi o berço das primeiras manifestações de uma lírica sentimental, cortês, refinada, que fazia da mulher o santuário de sua inspiração poética e musical. 05. ( ) Enquanto no sul da Europa, nas proximidades do Mediterrâneo, alastrava-se o lirismo trovadoresco, voltado para a exaltação do amor, para a vassalagem amorosa, no norte predominava o espírito guerreiro, épico, que celebrava nas canções de gesta o heroísmo da cavalaria medieval. 06. ( ) No inicio do século XIII, a intransigência religiosa arrasou a Provença e dispersou seus trovadores, mas a lírica provençalesca já havia fecundado a poesia ocidental com a beleza melódica e a delicadeza emocional de sua poesia-música, impondo uma nova concepção do amor e da mulher. 07. ( ) A canção associava o amor-elevação, puro, nobre, inatingível, ao amor dos sentidos, carnal, erótico; a alegria da razão (o amor intelectual) à alegria dos sentidos. 08. ( ) A poesia lírica dos provençais teve seguidores na França, na Itália, na Alemanha, na Catalunha, em Portugal e em outras regiões , onde também os temas folclóricos foram beneficiados com a forma mais culta e elaborada que os trovadores disseminaram. 09. ( ) Foi o que ocorreu em Portugal e Galiza: a poesia primitiva, oral, autóctone, associada à musica e à coreografia e protagonizada por uma mulher, as chamadas cantigas de amigo, passaram a se beneficiar do contato com uma arte mais rigorosa e mais consciente de seus meios de realização artística. 10. ( ) O primeiro trovador provençal foi Guilherme IX, da Aquitânia (1071-1127). Bernart de Ventadorn e Jaufre Rudel representam a poesia mais simples, facilmente inteligível; Marcabru, Raimbaut d´Aurenga e especialmente Arnault Daniel representam a poesia mais elaborada, com imagens e associações inesperadas, capazes de encantar os mais rigorosos exegetas, de Dante Alighieri a Ezra Pound. 1- (Fuvest-SP) “Ai, flores, ai flores do verde ramo, / se sabedes novas do meu amado? / Ai, Deus, e u é?” / Escreva as palavras que completam os espaços. / Os versos acima pertencem a uma _____________, característica / do ____________ português, estética literária dos séculos XII, / XIII e XIV. / 2- (Fuvest–SP) Coube ao século XIX a descoberta surpreendente da nossa época lírica. Em 1904, com a edição crítica e comentada do Cancioneiro da Ajuda, por Carolina Michaëlis de Vasconcelos, tivemos grande visão de conjunto do valiosíssimo espólio descoberto. (Costa Pimpão) a) Qual é essa “primeira época lírica” portuguesa? b) Que tipos de composições poéticas se cultivam nessa época? 3- No contexto das cantigas de amor, o que significa a coita? 4- (UM-SP) Nas cantigas de amor, a) o trovador expressa um amor à mulher amada, encarando-a como um objeto acessível a seus anseios. b) o trovador velada ou abertamente ironiza personagens da época. c) o “eu-lírico” é feminino, expressando a saudade da ausência do amado. d) o poeta pratica a vassalagem amorosa, pois, em postura platônica, expressa seu amor à mulher amada. e) existe a expressão de um sentimento feminino, apesar de serem escritas por homens. 5“Ua dona, nom digu’eu qual, / non agoirou ogano mal / polas oitavas de Natal: / ia por as missa oir / e ouv’un corvo carnaçal, / e non quis da casa sair...” / (Joan Airas de santiago, século XIII) / O fragmento acima pertence a uma cantiga de escárnio. Por que / não pode ser classificado como uma cantiga de maldizer? / HUMANISMO 1- (Fuvest-SP) Na Farsa de Inês Pereira, Gil Vicente: a) Retoma a análise do amor do velho apaixonado, desenvolvida em O velho da horta. b) Mostra a humilhação da jovem que não pode escolher seu marido, tema de várias peças desse autor. c) Denuncia a revolta da jovem confinada aos serviços domésticos, o que confere atualidade à obra. d) Conta a história de uma jovem que assassina o marido para se livrar dos maus-tratos. e) Aponta, quando Lianor narra as ações do clérigo, uma solução religiosa para a decadência moral de seu tempo. 2- (UM-SP) Leia as três afirmações abaixo a respeito da Farsa de Inês Pereira. I- Pode ser colocada como representante do teatro de costumes vicentino. II- Encaixa-se na tradição da farsa medieval sobre o adultério feminino desenvolvida por Gil Vicente. III- Inês Pereira é uma moça que vive na vila e pretende subir de condição. a) Todas estão corretas. b) Todas estão incorretas. c) Apenas a I e a II estão corretas. d) Apenas a I e a III estão corretas. e) Apenas a II e a III estão corretas. 3- (Fuvest-SP) Aponte a alternativa correta em relação a Gil Vicente: a) Compôs peças de caráter sacro e satírico. b) Introduziu a lírica trovadoresca em Portugal. c) Escreveu a novela trovadoresca Amadis de Gaula. d) Só escreveu peças em português. e) Representa o melhor do teatro clássico português. 4- (UNESP) Vem o Anjo Custódio com a Alma e diz: “ Alma / Alma humana formada / De nenhuma cousa, feita / Mui preciosa, / De corrupção separada, / E esmaltada / Naquella frágoa perfeita / Gloriosa; / Planta neste valle posta / Pera dar celestes flores / Olorosas, / E pera serdes tresposta / Em a alta costa / Onde se crião primores / Mais que rosas; / Planta sois e caminheira, / Que ainda que estais, vos is / Donde viestes. / Vossa pátria verdadeira / He ser verdadeira / Da glória que conseguis: / Andae prestes”. / O texto acima transcrito pertence ao autor teatral de maior destaque na literatura portuguesa. Pelo próprio texto se pode identificar a época em que foi escrito. Assim, assinale, em uma das alternativas, a relação época-autor a que o texto pertence: a) teatro medieval – Gil Vicente b) teatro clássico – Luís de Camões c) teatro romântico – Almeida Garret d) teatro naturalista – Teixeira de Queirós

e) teatro moderno – Almada Negreiros 5- (UNIP) Seu teatro caracteriza-se, antes de tudo, por ser primitivo, rudimentar e popular, muito embora tenha surgido e se tenha desenvolvido no ambiente da Corte, para servir de entretenimento nos animados serões oferecidos pelo Rei. Entre suas obras destacam-se Monólogo do Vaqueiro, Floresta de enganos, O velho da horta, Quem tem farelos? Trata-se de: a) Martins Pena b) José de Alencar c) Gil Vicente d) Artur de Azevedo e) Sá de Miranda 01. Sobre o Humanismo, identifique a alternativa falsa: a) Em sentido amplo, designa a atitude de valorização do homem, de seus atributos e realizações. b) Configura-se na máxima de Protágoras: “O homem é a medida de todas as coisas”. c) Rejeita a noção do homem regido por leis sobrenaturais e opõe-se ao misticismo. d) Designa tanto uma atitude filosófica intemporal quanto um período especifico da evolução da cultura ocidental. e) Fundamenta-se na noção bíblica de que o homem é pó e ao pó retornará, e de que só a transcendência liberta o homem de seu insignificância terrena. 02. Ainda sobre o Humanismo, assinale a afirmação incorreta: a) Associa-se à noção de antropocentrismo e representou a base filosófica e cultural do Renascimento. b) Teve como centro irradiador a Itália e como precursor Dante Alighieri, Boccaccio e Petrarca. c) Denomina-se também Pré-Renascentismo, ou Quatrocentismo, e corresponde ao século XV. d) Representa o apogeu da cultura provençal que se irradia da França para os demais países, por meio dos trovadores e jograis. e) Retorna os clássicos da Antiguidade greco-latina como modelos de Verdade, Beleza e Perfeição. 03. Sobre a poesia palaciana, assinale a alternativa falsa: a) É mais espontânea que a poesia trovadoresca, pela superação da influência provençal, pela ausência de normas para a composição poética e pelo retorno á medida velha. b) A poesia, que no trovadorismo era canto, separa-se da música, passando a ser fala. Destina-se à leitura individual ou à recitação, sem o apoio de instrumentos musicais. c) A diversidade métrica da poesia trovadoresca foi praticamente reduzida a duas medidas: os versos de 7 sílabas métricas (redondilhas menores). d) A utilização sistemática dos versos redondilhas denominou-se medida velha, por oposição à medida nova, denominação que recebemos os versos decassílabos, trazidos da Itália por Sá de Miranda, em 1527. e) A poesia palaciana foi compilada em 1516, por Garcia de Resende, no Cancioneiro Geral, antologia que reúne 880 composições, de 286 autores, dos quais 29 escreviam em castelhano. Abrange a produção poética dos reinados de D. Afonso V (1438-1481), de D. João II (1481-1495) e de D. Manuel I – O Venturoso (1495-1521). 04. O Cancioneiro Geral não contém: a) Composições com motes e glosas. b) Cantigas e esparsas. c) Trovas e vilancetes. d) Composições na medida velha. e) Sonetos e canções. 05. A obra de Fernão Lopes tem um caráter: a) Puramente científico, pelo tratamento documental da matéria histórica; b) Essencialmente estético pelo predomínio do elemento ficcional; c) Basicamente histórico, pela fidelidade à documentação e pela objetividade da linguagem científica; d) Histórico-literário, aproximando-se do moderno romance histórico, pela fusão do real com o imaginário. e) Histórico-literário, pela seriedade da pesquisa histórica, pelas qualidades do estilo e pelo tratamento literário, que reveste a narrativa histórica de um tom épico e compõe cenas de grande realismo plástico, além do domínio da técnica dramática de composição. 06. (FUVEST) Aponte a alternativa correta em relação a Gil Vicente: a) Compôs peças de caráter sacro e satírico. b) Introduziu a lírica trovadoresca em Portugal. c) Escreveu a novela Amadis de Gaula. d) Só escreveu peças e português. e) Representa o melhor do teatro clássico português. 07. (FUVEST-SP) Caracteriza o teatro de Gil Vicente: a) A revolta contra o cristianismo. b) A obra escrita em prosa.

c) A elaboração requintada dos quadros e cenários apresentados. d) A preocupação com o homem e com a religião. e) A busca de conceitos universais. 08. (FUVEST-SP) Indique a afirmação correta sobre o Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente: a) É intricada a estruturação de suas cenas, que surpreendem o público com a inesperado de cada situação. b) O moralismo vicentino localiza os vícios, não nas instituições, mas nos indivíduos que as fazem viciosas. c) É complexa a critica aos costumes da época, já que o autor primeiro a relativizar a distinção entre Bem e o Mal. d) A ênfase desta sátira recai sobre as personagens populares mais ridicularizadas e as mais severamente punidas. e) A sátira é aqui demolidora e indiscriminada, não fazendo referência a qualquer exemplo de valor positivo. 09. (FUVEST-SP) Diabo, Companheiro do Diabo, Anjo, Fidalgo, Onzeneiro, Parvo, Sapateiro, Frade, Florença, Brísida Vaz, Judeu, Corregedor, Procurador, Enforcado e Quatro Cavaleiros são personagens do Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente. Analise as informações abaixo e selecione a alternativa incorreta cujas características não descrevam adequadamente a personagem. a) O Onzeneiro idolatra o dinheiro, é agiota e usurário; de tudo que juntara, nada leva para a morte, ou melhor, leva a bolsa vazia. b) O Frade representa o clero decadente e é subjugado por suas fraquezas: mulher e esporte; leva a amante e as armas de esgrima. c) O Diabo, capitão da barca do inferno, é quem apressa o embarque dos condenados; é dissimulado e irônico. d) O Anjo, capitão da barca do céu, é quem elogia a morte pela fé; é austero e inflexível. e) O Corregedor representa a justiça e luta pela aplicação integra e exata das leis; leva papéis e processos. 10. Leia com atenção o fragmento do Auto da Barco do Inferno, de Gil Vicente: Parvo - - Hou, homens dos breviários, / Rapinastis coelhorum / Et pernis perdigotorum / E mijais nos campanários. / Não é correto afirmar sobre o texto: a) As falas do Parvo, como esta, sempre são repletas de gracejos e de palavrões, com intenção satírica. b) Nesta fala, o Parvo está denunciando a corrupção do Juiz e do Procurador. c) O latim que aparece na passagem é exemplo de imitação paródia dessa língua. d) Por meio de seu latim, o Parvo afasta-se de seu simplicidade, mostrando-se conhecedor de outra línguas. e) Ao misturar um falso latim com palavrões, Gil Vicente demonstra a natureza popular de seu teatro e de seus canais de expressão. CLASSICISMO Os Lusíadas - Luís de Camões - Justifique a afirmação: O discurso do “Velho Restelo” está em oposição a certas concepções dominantes na sociedade portuguesa da época dos grandes descobrimentos, expressas pelo discurso que exalta a empresa navegadora posta em marcha pela Coroa Lusitana. 02. Identifique a alternativa que não contenha ideais clássicos de arte: a) Universalismo e racionalismo. b) Formalismo e perfeccionismo. c) Obediência às regras e modelos e contenção do lirismo. d) Valorização do homem (do aventureiro, do soldado, do sábio e do amante) e verossimilhança (imitação da verdade e da natureza). e) Liberdade de criação e predomínio dos impulsos pessoais. 03. O culto aos valores universais – o Belo, o Bem, a Verdade e a Perfeição – e a preocupação com a forma aproximaram o Classicismo de duas escolas literárias posteriores. Aponte a alternativa que identifica essas escolas: a) Barroco e Simbolismo; b) Arcadismo e Parnasianismo; c) Romantismo e Modernismo; d) Trovadorismo e Humanismo; e) Realismo e Naturalismo. 04. Não se relaciona à medida nova: a) versos decassílabos; b) influência italiana; c) predileção por formas fixas; d) sonetos, tercetos, oitavas e odes;

e) cultura popular, tradicional. 05. O Classicismo propriamente dito tem por limites cronológicos, em Portugal, as datas de: a) 1500 e 1601. b) 1434 e 1516. c) 1502 e 1578. d) 1527 e 1580. e) 1198 e 1434. 06. Assinale a incorreta sobre Camões: a) Sua obra compreende os gêneros épico, lírico e dramático. b) A lírica de Camões permaneceu praticamente inédita. Sua primeira compilação e póstumas, datada de 1595, e organizada sob o título de As Rimas de Luis de Camões, por Fernão Rodrigues Lobo Soropita. c) Sua lírica compõe-se exclusivamente de redondilhas e sonetos. d) Apesar de localizada no período clássico-renascentista, a obra de citações barrocas. e) Representa a amadurecimento de língua portuguesa, sua estabilização e a maior manifestação de sua excelência literária. 07. Ainda sobre Camões, assinale a incorreta: a) Não há um texto definitivo de lírica camoniana. Atribuemse-lhe cerca de 380 composições líricas, destacando-se os cerca de 200 sonetos, alguns de autoria controversa. b) Camões teria reunido sua lírica sob o titulo de O Parnaso Lusitano, que se perdeu, e do qual há algumas referências nas cartas do poetas. c) As redondilhas de Camões seguem os moldes da poesia palaciana do Cancioneiro Geral de Garcia de Resende e , mesmo na medida velha, o poeta superou seus contemporâneos e antecessores. d) A lírica na medida velha, tradicional, medieval, vale-se dos motes glosados, das redondilhas e são de cunho galante, alegre madrigalesco. e) A principal diferença entre a poesia lírica e a poesia épica é formal e manifesta-se da utilização de versos de diferentes metros. 08. Não são modalidade da medida nova: a) canção e elegia; b) soneto e ode; c) terceto e oitava; d) écloga e sextina; e) trova e vilancete. 09. (FUVEST-SP) Na Lírica de Camões: a) o verso usado para a composição dos sonetos é o redondilho maior; b) encontram-se sonetos, odes, sátiras e autos; c) cantar a pátria é o centro das preocupações; d) encontra-se uma fonte de inspiração de muitos poetas brasileiros do século XX; e) a mulher é vista em seus aspectos físicos, despojada de espiritualidade. 10. (MACKENZIE-SP) Sobre o poema Os Lusíadas, é incorreto afirmar que: a) quando a ação do poema começa, as naus portuguesas estão navegando em pleno Oceano Índico, portanto no meio da viagem; b) na Invocação, o poeta se dirige às Tágides, ninfas do rio Tejo; c) Na ilha dos Amores, após o banquete, Tétis conduz o capitão ao ponto mais alto da ilha, onde lhe descenda a “máquina do mundo”; d) Tem como núcleo narrativo a viagem de Vasco da Gama, a fim de estabelecer contato marítimo com as Índias; e) É composto em sonetos decassílabos, mantendo em 1.102 estrofes o mesmo esquemas de rimas. LITERATURA DE INFORMAÇÃO E DOS JESUÍTAS – QUINHENTISMO BRASILEIRO 1. (UFRN) Define-se a Literatura Informativa no Brasil como: a. as obras que visavam a tornar mais acessíveis aos indígenas os dogmas do cristianismo. b. a prova de que os autores brasileiros tinham em mente emancipar-se da influência européia. c. o reflexo de traços do espírito expansionista da época colonial. d. a prova do sentimento de religiosidade que caracterizou os primeiros habitantes da nova terra descoberta. e. a descrição dos hábitos de nomadismo predominantes entre os índios. 2. (UEL-PR) A curiosidade geográfica e humana e ao desejo de conquista e domínio corresponde, inicialmente, o deslumbramento diante da paisagem exótica e exuberante da terra recém-descoberta, testemunhado pelos cronistas portugueses: a. Gonçalves de Magalhães e José de Anchieta.

b. Pêro de Magalhães Gandavo e Gabriel Soares de Sousa. c. Botelho de Oliveira e José de Anchieta. d. Gabriel Soares de Sousa e Gonçalves de Magalhães. e. Botelho de Oliveira e Pêro de Magalhães Gandavo. 3. (FEI-SP) Dos oito (autos) que lhe são atribuídos, o melhor é o intitulado Na festa de São Lourenço, representado, pela primeira vez, em Niterói, em 1583. Seu autor é: a. Anchieta. b. Gregório de Matos. c. Bento Teixeira. d. Padre Manuel da Nóbrega. e. Gabriel Soares de Sousa. 4. (Fuvest-SP) Entende-se por Literatura Informativa no Brasil: a. o conjunto de relatos de viajantes e missionários europeus, sobre a natureza e o homem brasileiros. b. a história dos jesuítas que aqui estiveram no século XVI. c. as obras escritas com a finalidade de catequese do indígena. d. os poemas do padre José de Anchieta. e. os sonetos de Gregório de Matos. BARROCO 1. (UFRN) A obra de Gregório de Matos — autor que se destaca na literatura barroca brasileira — compreende a. poesia épico-amorosa e obras dramáticas. b. poesia satírica e contos burlescos. c. poesia lírica, de caráter religioso e amoroso, e poesia satírica. d. poesia confessional e autos religiosos. e. poesia lírica e teatro de costumes. 2. (Mack-SP) Assinale a alternativa incorreta: a. Julgada em bloco, a literatura brasileira do quinhentismo é uma típica manifestação barroca. b. Na poesia de Gregório de Matos, percebe-se o dualismo barroco: mistura de religiosidade e sensualismo, misticismo e erotismo, valores terrenos e aspirações espirituais. c. A literatura no Brasil colonial é clássica, tendo nascido pela mão dos jesuítas, com uma intenção doutrinária. d. Com António Vieira, a estética barroca atinge o seu ponto alto em prosa no Brasil. e. Não se deve dizer que a literatura seiscentista brasileira seja inferior por ser barroca, mas sim que é uma literatura barroca de qualidade inferior, com exceções raras. 3. (Mack-SP) Ao Barroco brasileiro pertencem: a. Camões e Gil Vicente. b. Manoel B. Oliveira e Gregório de Matos. c. Sóror Mariana Alcoforado e Gregório de Matos. d. Gandavo e Camões. e. Gil Vicente e Manoel B. Oliveira. 4.(UFRS) Considere as seguintes afirmações sobre o Barroco brasileiro: I. A arte barroca caracteriza-se por apresentar dualidades, conflitos, paradoxos e contrastes, que convivem tensamente na unidade da obra. II. O conceptismo e o cultismo, expressões da poesia barroca, apresentam um imaginário bucólico, sempre povoado de pastoras e ninfas. III. A oposição entre Reforma e Contra--Reforma expressa, no plano religioso, os mesmos dilemas de que o Barroco se ocupa. Quais estão corretas? a. Apenas I. b. Apenas II. c. Apenas III. d. Apenas l e III. e. I, II e III. 6. (UFRS) Com relação ao Barroco brasileiro, assinale a alternativa incorreta. a. Os Sermões, do padre António Vieira, elaborados numa linguagem conceptista, refletiram as preocupações do autor com problemas brasileiros da época,por exemplo, a escravidão. b. Os conflitos éticos vividos pelo homem .do Barroco corresponderam, na forma literária ao uso exagerado de paradoxos e inversões sintáticas. c. A poesia barroca foi a confirmação, no plano estético, dos preceitos renascentistas de harmonia e equilíbrio, vigentes na Europa no século XVI, que chegaram ao Brasil no século XVII, adaptados, então, à realidade nacional. d. Um dos temas principais do Barroco é a efemeridade da vida, questão que foi tratada no dilema de viver o momento

presente e, ao mesmo tempo, preocupar-se com a vida eterna. e. A escultura barroca teve no Brasil o nome de António Francisco Lisboa, o Aleijadinho, que, no século XVII, elaborou uma arte de tema religioso com traços nacionais e populares, numa mescla representativa do Barroco. Resposta: c 7. (PUCC-SP) “Que falta nesta cidade? Verdade”. / Que mais por sua desonra? Honra. / Falta mais que se lhe ponha? Vergonha. / O demo a viver se exponha, / Por mais que a fama a exalta, / Numa cidade onde falta / Verdade, honra, vergonha." Pode-se reconhecer nos versos acima, de Gregório de Matos, a. o caráter de jogo verbal próprio do estilo barroco, a serviço de uma crítica, em tom de sátira, do perfil moral da cidade da Bahia. b. o caráter de jogo verbal próprio da poesia religiosa do século XVI, sustentando piedosa lamentação pela falta de fé do gentio. c. o estilo pedagógico da poesia neoclássica, por meio da qual o poeta se investe das funções de um autêntico moralizador. d. o caráter de jogo verbal próprio do estilo barroco, a serviço da expressão lírica do arrependimento do poeta pecador. e. o estilo pedagógico da poesia neoclássica, sustentando em tom lírico as reflexões do poeta sobre o perfil moral da cidade da Bahia. TROVADORISMO 01. Resposta: B 02. Resposta: A 03. Resposta: B Questões 04 e 05 - Assinale V (verdadeiro) e F para (falso) 04. ResOLUÇÃO: v 05. RESOLUÇÃO: V Questões 06 a 10 - Assinale V (verdadeiro) ou F (falso) 06. RESOLUÇÃO: V 07. RESOLUÇÃO: V 08. RESOLUÇÃO: V 09. RESOLUÇÃO: V 10. RESOLUÇÃO: V 1- Respostas: Cantiga de amigo – Trovadorismo 2- Resposta: a) Trovadorismo b) Cantigas líricas e satíricas. 3- Resposta: Coita é o sofrimento amoroso, provocado pelo amor não correspondido. 4- Resposta: d 5- Resposta: Ele não pode ser considerado uma cantiga de maldizer porque não apresenta uma sátira direta, ou seja, não permite a identificação da pessoa criticada e também não apresenta um vocabulário chulo. 1- (Fuvest-SP) Respostas: Cantiga de amigo – Trovadorismo 2- (Fuvest–SP) Resposta: a) Trovadorismo b) Cantigas líricas e satíricas. 3- Resposta: Coita é o sofrimento amoroso, provocado pelo amor não correspondido. 4- (UM-SP) Resposta: d 5- Resposta: Ele não pode ser considerado uma cantiga de maldizer porque não apresenta uma sátira direta, ou seja, não permite a identificação da pessoa criticada e também não apresenta um vocabulário chulo. HUMANISMO 1- (Fuvest-SP) Resposta: c 2- (UM-SP) Resposta: a 3- (Fuvest-SP) Resposta: a 4- (UNESP) Resposta: a 5- (UNIP) Resposta: c 01. Resposta: E 02. Resposta: D 3. Resposta: A 04. Resposta: E 05. Resposta: E 06. Resposta: A 07. Resposta: D 08. Resposta: B 09. Resposta: E 10. Resposta: D CLASSICISMO Resolução: Esse velho, descontente com o empreendimento português de buscar do mundo novas partes, destrói ponto por ponto os ideais que levaram à epopéia das grandes navegações. Começa por desmitificar o ideal da fama, dizendo que ela nada mais é que a vontade de poder, fraude com que os poderosos atiçam as massas para fazê-las apoiar sua política expansionista. “Chamam-te Fama e Glória soberana / Nomes com que se o povo néscio engana. Esse desejo de mandar só produz

danos. Mostra que o projeto ultramarino será um desastre para a sociedade portuguesa, ocasionando o despovoamento e o enfraquecimento do país, já que os homens válidos estarão mortos ou em outras terras e, em Portugal, estarão os velhos, as mulheres, os órfãos. Para ele, a empresa navegadora produzirá somente pobreza, adultério, desamparo. Execra ainda os chamados heróis civilizadores, aqueles que fizeram progredir a sociedade humana, por exemplo: Prometeu, que roubou o fogo do céu e deu aos homens; Dédalo, grande arquiteto que fabricou para seu filho Ícaro umas asas, presas com cera nos ombros, com cujo auxílio pretendeu voar. Considera todo avanço técnico intrinsecamente mau, porque ocasionam a ruína de seus empreendedores. 02. Resposta: E 03. Resposta: B 04. Resposta: E 05. Resposta: D 06. Resposta: C 07. Resposta: E 08. Resposta: E 09. Resposta: D 10. Resposta: E LITERATURA DE INFORMAÇÃO E DOS JESUÍTAS – QUINHENTISMO BRASILEIRO 1. (UFRN) Resposta: c 2. (UEL-PR) Resposta: b 3. (FEI-SP) Resposta: a 4. (Fuvest-SP) Resposta: a BARROCO 1. (UFRN) Resposta: c 2. (Mack-SP) Resposta: a 3. (Mack-SP) Resposta: b 4.(UFRS) Resposta: d 6. (UFRS) Resposta: c 7. (PUCC-SP) Resposta: a

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->