Você está na página 1de 34
Supremo Tribunal Federal 20/08/2015 15:40 0040944 NOE MINISTERIO PUBLICO FEDERAL Procuradoria-Geral da Repiiblica EXCELENTISSIMO SENHOR MINISTRO. TEORI ZAVASCKI 2" TURMA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL N° /2015/GTLJ-PGR Inquérito n. 3893/DF Relator: Ministro Teori Zavascki Autor: Ministério Ptiblico Federal Denunciados: EDUARDO COSENTINO CUNHA e SOLANGE PEREIRA DE ALMEIDA (Plenario, art. 5°, 1, RISTF) “Quando me desespero, ett me lemtbio de que, dnaute toda « histéria, 0 caminho dir verdade © do anor sempre wrciaran, Thin existide tees ¢ assassines, ¢ por tans feanpo cles parecene inverstvcs, nas no final sempre cen Pence nisto: sempre.” (Mabsath thi) © PROCURADOR-GERAL DA REPUBLICA, no exetcicio da fangio institucional prevista no art. 129, inciso 1, da Constituigio de 1988, no art, 6°, inciso V, da Lei Complementar 1 75/1993 e no art. 24 do Cédigo de Processo Penal, tendo em vista 0s fatos apurados no Inquérito n° 3983-DR vem oferecer DENUNCIA em face de: PER Deniincia Inquérito w* 398% EDUARDO COSENTINO DA CUNHA, Deputado Federal, atualmente Presidente da Camara dos Deputados, nascido em 29/09/1958, no Rio de Janeiro, filho de ELZA COSENTINO DA CUNHA e ELCY TIXEIRA DA CU- NHA, CPF 504.479,717-00, RG 381135 , com enderego fincional na Praga dos Ties Poderes - Cimara dos Deputa dos Gabinete: 510 ~ Anexo: IV, Brasilia ~ DFse SOLANGE PEREIRA DE ALMEIDA, Prefeita do Mu- nicipio de Rio Bonito/RJ, nascida em 26.02.1961, filha de VINICIUS DE ALMEIDA e ZULEIKA PEREIRA DE ALMEIDA, CPF 260.979.580-72, enderego na Rua Dr. Wilson Kleber Moreira, n, 89, Centro, Rio Bonito/RJ Rua Monsenhor Anténio de Souza Gens, 23, Centro, Rio Bonito/RYJ. 1. Resumo das imputagdes No periodo compreendido entre 14 de junho de 2006 e ou tubro de 2012, com condutas praticadas ao menos no Rio de Ja- neiro/RJ e Brasilia/DE 0 denunciado EDUARDO CUNHA solicitou para si e para outrem e aceitou promessa de vantagem in. devida no montante aproximado de US$ 15.000.000,00 (quinze milhdes de dolares) de JULIO GERIM DE ALMEIDA CA- MARGO (‘JULIO CAMARGO"), em razio da contratagio pela TROBRAS do navio-sonda PETROBRAS 10000 com o es- taleiro SAMSUNG HEAVY INDUSTRIES CO., na Coreia do Sul, no valor de US$ 586.000.000,00, para perfiragio de aguas profundas a ser utilizado na Africa. EDUARDO CUNHA con- tou com a participagio de SOLANGE ALMEIDA, entio no rcicio de mandato de Deputada Federal, de FERNANDO. PI 2 dle 85 4 POR Dendncia Inquévito ® 3983 ANTONIO FALCAO SOARES (“FERNANDO SOARES") ¢ RVERO (“NESTOR CERVERO") -, este ltimo na qualidade de diretor da 4 internacional da Petré- Ico Brasileiro S.A. (“PETROBRAS”), na época ¢ em razio desta fungio exercida, todos agindo em concurso ¢ unidade de desfg- nios.' Em virtude da vantagem oferecida © recebida, NESTOR CERVERO tanto deixou de praticar atos de offcio a que estava t obrigado, como também os praticou infringindo dever funci Ademais, no periodo entre fevereito de 2007 e outubro de 2012, com condutas praticadas ao menos no Rio de Janeito/RJ Brasilia/DE o denunciado EDUARDO CUNHA solicitou ¢ aceitou promessa, para sie para outtem, direta ¢ indiretamente, vantagem indevida no montante aproximado de US$ 25.000.000,00 (vinte e cinco milhdes de délares) de JULIO CA- MARGO, a fim de que fosse realizada a contratagio do navio~ sonda VITORIA 10000 com o estaleiro SAMSUNG HEAVY INDUSTRIES CO., na Coreia, no valor de US$ 616.000.000,00, para perfuragio de 4guas profundas a ser utilizado no Golfo do México. Mais uma vez EDUARDO CUNHA contou com a participagiio de SOLANGE ALMEIDA, entio no exercicio de mandato de Deputada Federal, de FERNANDO ANTONIO FALCAO SOARES (“FERNANDO SOARES”) ¢ de NESTOR CUNAT CERVERO (“NESTOR CI RVERO”) 1 FERNANDO SOARES, NESTOR CERVERO e JULIO CAMAR foram denunciados e, inclusive, condenados por esses fatos no bojo ‘0s 5083838-59.2014,404.7000, perante a 13* Vara Federal de Curieil em razio dos desmembramento realizado pelo STR, conforme solicitado pelo PGR. Cépia integral da referida agio se encontta no Doc. 2 este dltimo Jide 85 PGR, Denineis Inquérito w” 3983 na qualidade de diretor da drea internacional da Petréleo Brasileiro S.A. (PETROBRAS”), na época em razio desta fangio exer- ida, todos agindo em concurso e unidade de designios. Em vir- tude da vantagem oferecida recebida, NESTOR CERVERO tanto deixou de praticar atos de oficio a que estava obrigado, como também os praticou infringindo dever funcional As vantagens indevidas (“propinas”), no valor total de US$ 40.000.000,00, foram estabelecidas apés negociagdes entre FER- NANDO SOARES ~ representando os interesses de EDU- ARDO CUNHA - c JULIO CAMARGO, sendo que tais vantagens indevidas foram oferecidas, prometidas ¢ pagas por JU- LIO CAMARGO a FERNANDO SOARES, NESTOR C! VERO e ao denunciado EDUARDO CUNHA. Nos dois navios-sonda, EDUARDO CUNHA era 0 “s6- cio oculto” de FERNANDO SOARES e também foi o destinatario final da propina paga,? tendo efetivamente re- cebido ao menos cinco milhées de délares - 0 equivalente atualmente a R$ 17.345.000,00 reais.’ A solicita¢io ¢ a aceitagio da promessa de vantagens indevi- das por EDUARDO CUNHA foi, em um primeiro momento, para g; tira manutengo do esquema ilicito implantado no am- bito da PETROBRAS, omitindo-se em interferir ou impedir a contratagio do estaleiro SAMSUNG, assim como para manter os 2 Nesse sentido foi © depoimento prestado em juizo por JULIO CA MARGO, _nos autos 5083838-59.2014.404.7000, Evento 553, no dia 16/07/2015. 3. Cotagio do dia 18.08.2015, 4 de 85 POR, Dentineis Inguiéeito n” 398 indicados politicos em seus cargos na referida sociedade de econo~ imia mista, Em um segundo momento, o recebimento de valores indevides — no montante de US$ 5.000.000,00 — foi para pressio- nar 0 retorno do pagamento das propinas, valendo-se de requeri~ mentos, formulados por interposta pessoa e com desvio de finalidade, perante 0 Congresso Nacional Por fim, uma vez j& consumados os delitos de corrupgio ativa, o denunciado EDUARDO CUNHA ocultou ¢ dissimulou a natureza, origem, localizagio, disposi¢io, movimentagio ¢ propri- edade de valores provenientes, direta © indiretamente, do crime contra a Administragio acima mencionado, mediante 0 recebi- mento fracionado de valores no exterior, em contas de empresas offshore e por meio de empresas de fachada, mediante simulagio de contratos de prestagio de servigos ¢, ainda, pagamento de propina sob a falsa alegagio de doagdes para Igreja. Para ARDO CUNHA teve 0 concurso de FERNANDO ANTO- NIO FALCAO SOARES, NESTOR CUNAT CERVERO, JULIO GERIN DE ALMEIDA CAMARGO (“JULIO MARGO”) © ALBERTO YOUSSEF (“YOUSSEF”)', todos tanto, EDU- agindo com unidade de designios, Em apertada sintese, PEERNANDO SOARES intermediou o agamento de propina de cerca de 40 milhdes de délares para 0 Diretor da Area Internacional da PETROBRAS, NESTOR CERVERO, assim como para o denunciado EDUARDO CU- 4 Ja denunciados © condenados também por estes fatos no bojo dos autos 5083838-59.2014.404.7000, perante a 13*Vara Federal de Curitiba, Bde 85 PGR, Denvineia Inquérite n° 3984 NHA.A finalidade do pagamento da propina foi facilitar ¢ viabili~ zar a contratagio do estaleiro sul coreano SAMSUNG HEAVY, INDUSTRIES CO. para construgio de dois navios-sonda pela PETROBRAS (de nome PETROBRAS 10000 © VITORIA 10000), inclusive sem licitagio, contratos que foram firmados em 2006 ¢ 2007. Nos dois casos,a propina foi no montante total apro- ximado de US$ 40.000.000,00 (quarcnta milhées de délares ame ricanos), paga por meio de JULIO CAMARGO, Para dar aparéncia licita 4 movimentagio das propinas acerta~ das, foram celebrados dois contratos de comissionamento entre a SAMSUNG ¢ a empresa PIEMONTE EMPREENDIMENTOS PIEMONTE”), de JULIO CAMARGO, que juntos totalizaram US$ 53.000.000,00. Dessas comissdes sairam as propinas prometi- das a FERNANDO SOARES, NESTOR CERVERO e¢ EDU- ARDO CUNHA. POR CERVERO levou a questio 4 Dirctoria Executiva da PETRO. Em razio do recebimento de vantagens indevidas, N BRAS, tendo obtido a aprovagio da construgio dos dois navio~ sonda, nos termos propostos pela SAMSUNG, cujos contratos fo~ ram de US$ 586 ¢ 616 milhées de délares respectivamente. A partir dai, iniciou-se 0 pagamento das vantagens indevidas, que seriam descontadas dos valores que JULIO CAMARGO x ceberia, a titulo de comissionamento, da SAMSUNG. Os paga- mentos se iniciaram através de transferéncias internacionais de offshore de JO~ alores, por intermédio da empresa PIEMONT 6 de 85 PGR Deniineia nguerite w" 3983 LIO CAMARGO. Em relagio ao navio-sonda PETROBRAS 10000, houve a transferéncia, pela SAMSUNG, de um total de US$ 13.750.000°, enquanto, em relagio ao navio-sonda VITTORIA 10000, houve o pagamento total de US$ 26.605.000,00." No total, com lastro nestes contratos, a SAMSUNG transferiu, em cinco parcelas pagas no exterior, entre 08/09/2006 © 28/09/2007, a quantia total de US§ 40.355.000,000 para JULIO CAMARGO, que em seguida transferiu, a partir da conta mantida em nome da offshore PIEMONTE INV. CORP. (“PIEMONTE”) no Banco Winterbothan, no Uruguai, parte destes valores para contas banci- rias, também no exterior, indicadas por FERNANDO SOAR as quais eram controladas por si proprio e por terceiros beneficii- rios do esqu na No entanto, a partir de determinado momento — mais espe- cificamente apés os recebimentos das sondas, ocorridos em 30 de julho de 2009 (navio-sonda PETROBRAS 10000} e 09 de julho de 2010 (navio-sonda VITORIA 10000) — a SAMSUNG deixou de pagar as comissdes para JULIO CAMARGO, acabando por ip- viabilizar o repasse da propina aos destinatrios finais, Lr 5 fo, em 08.09.2006, a quanitia de US$ 6.250.000,00 ¢, em 30.03.2007, a quantia de US$ 7.500.000,00 (conforme extratos da conta 2009071 da Pl- EMONTE INVESTMENT CORP no Wintbotham Merchant Bank, constantes do Doc. 6, nte deniincia). 6 As datas das transferéncias © valores sio, respectivamente: em 20.04.2007, a de US$. 10.230.000,0% 02.07.2007, a quantia de US$ 12.375,000,00; ¢, em 28.09.2007, a quantia de US$ 4.000.000,00 (con- forme extratos da conta 2009071 da PIEMONTE INVESTMENT CORP no Winthotham Merchant Bank, constantes do Doc. 6,em anexo i presente deniincia). T de 85 Par Dengue Inyuérite u” 3983 A partir de entio, EDUARDO CUNHA, como destinatirio de parte dos valores e a pedido de FERNANDO SOARES, passou a pressionar JULIO CAMARGO pelo retorno do paga~ mento das propinas, Para tanto, o denunciado EDUARDO CU- NHA se valeu de dois requerimentos perante a Comissio de Fiscalizagio Financeira e Controle da Camara dos Deputados (CFFC), solicitando informagdes sobre JULIO CAMARGO, SAMSUNG € 0 grupo MITSUI Os requerimentos foram feitos em julho de 2011 pela denunciada SOLANGE ALMEIDA, a pedido do denunciado EDUARDO CUNHA, tendo a entio Deputada cigncia de que os requerimentos seriam formulados com desvio de finalidade ¢ abuso da prerrogativa de fiscalizacio inerente ao mandato popular, para obtengio de vantagem indevida Um dos requerimentos solicitava informagdes ao Tribunal de Contas da Unilio, enquanto 0 outro as solicitava a0 Ministério de Minas ¢ Energias. Em ra da pressio exercida, os pagamentos foram retoma- dos, por volta de setembro de 2011, apds reuniio pessoal entre FERNANDO SOARES, JULIO CAMARGO e o denunciado EDUARDO CUNHA, ocorrida no Rio de Janeiro, em 18 de se~ tembro de 2011. O valor restante — cerca de dez milhdes de déla~ res — foi pago por meio de pagamentos no exterior, entregas em dinheiro em espécie, simulagio de contratos de consultoria, com emissio de notas frias, e transferéncias para Igreja vinculada ao de- nunciado EDUARDO CUNHA, sob a filsa alegacio de que se u tratava de doagdes religiosas. PER Dengineia Inquérita w" 3983 2. Da contextualizacio da Operagao. Lava Jato A intitulada “Operagio Lava Jato" desvendow um grande esquema de corrupgio de agerites piblicos © de lavagem de dinheiro relacionado 4 sociedade de economia mista federal Petréleo Brasileiro S/A — PETROBRAS. No decorrer das investigagdes sobre lavagem de dinheiro, detectaram-se elementos que apontavam no sentido da ocultagio de recursos provenientes de crimes de corrupgio praticados no mbito da PETROBRAS, O aprofundamento das apuragdes conduziu a indicios de que, no minimo entre os anos de 2004 ¢ 2012, as diretorias da sociedade de economia mista estavam divididas entre partidos politicos, que eram responsiveis pela indicagio ¢ manutengio de seus respectivos diretores. Por outro lado, as empresas que possuiam contratos com a PETROBRAS, notadamente as maiores construtoras brasileiras, am um cartel, que passou_a atuar de maneira mais efetiva a partir de 2004,’ we 7 Esse cartel era formado, dentre outras, pelas seguintes empreiteinis: GAL. VAO ENGENHARIA, ODEBRECHT, UTC, CAMARGO CORREA, TECHINT, ANDRADE GUTIERREZ, MENDES JUNIOR, PRO- MON, MPE, SKANSKA, QUETROZ. GALVAO, IESA, ENGEVIX, SE- TAL, GDK ¢ OAS. Eventualmente, participavam das fraudes as empresas ALUSA, FIDENS, JARAGUA EQUIPAMENTOS, TOME ENGENHA- RIA, CONSTRUCAP ¢ CARIOCA ENGENHARIA. Especialmente a partir de 2004, as empresas passaram a dividir enue si as obras da PETRO- BRAS, evitando que outras empresas mio pacticipantes do cartel fossem convidadas para os correspondentes processos seletivos, Referido cartel atuou 20 longo de anos, de maneira organizada, inclusive com “tegras” previamente estabelecidas, semelhantes ao regulamento de um campeonato de futebol, Havia, ainda, a reparti¢io das obras a0 modo da distribuigio de Ode 85 PGR Dentincia Inquérite 3983 As empresas privadas, pertencentes ou nio ao cartel, pai garantit a obtengio de vantagens indevidas, cooptaram agentes piblicos da PETROBRAS, especialmente os diretores', que possuiam grande poder de decisio no ambito da sociedade de economia mista. Isso foi facilitado em razio de os diretores, como jf ressaltado, terem sido nomeados com base no apoio de partidos, tendo havido comunhio de esforgos ¢ interesses entre os poderes econémico € politico para implantagio e fancionamento do esquema, Os funcionarios de alto escalio da PETROBRAS recebiam vantagens indevidas das empresas ¢, em contrapartida, atuavam ou se omitiam no interesse destas, quando fosse necessirio. Ademais, esses funciondrios permitiam negociagées diretas injustificadas, celel ravam aditivos desnecessirios € com precos excessivos, aceleravam contratagdes com supressio de etapas relevantes vazavam informagdes sigilosas, dentre outras irregularidades, todas em prol das empresas cartelizadas. Apurou-se que os valores indevidos, porém, destinavam-se no apenas aos diretores da PETROBRAS, mas também aos partidos politicos € aos parlamentaresresponsiveis pela manutengio dos diretores nos cargos. Tais quantias eram repassadas 208 agentes politicos de maneira periddica e ordiniria, e também prémios de um bingo. Assim, antes do inicio do certame, ji se sabia qual seria a empresa ganhadora, As demais empresas apresentavam propostas ~ em valores maiores do que os apresentados pela empresa que deveria ven: cer ~ apenas para dar aparéncia de legalidade a0 certame, em flagrante ofensa 3 Lei de Licitagées. 8A PETROBRAS, na época, possufa as seguintes Diretorias: Financeira; Gas nergia; Explorago ¢ Produgio; Abastecimento; Internacional; Servigas. 10 de 85 PR Deuincis nquérise 0" 3943 de forma episédica e extraordiniria, Esses politicos, por sua vez, conscientes das priticas indevidas que ocorriam no bojo da PETROBRAS, nio apenas patrocinavam a manutencio do diretor € dos demais agentes ptiblicos no cargo, como também niio terferiam no cartel existente. A. repartigio politica das diretorias da PETROBRAS revelou-se mais evidente em relagio a Diretoria de Abastecimento, 4 Diretoria de Servigos © 4 Diretoria Internacional, envolvendo sobretudo o Partido Progressista ~ PP, 0 Partido dos Trabalhadores = PT © © Partido do Movimento Democritico Brasileiro — PMDB, da seguinte forma: a) A Diretoria de Abastecimento, ocupada por PAULO ROBERTO COSTA entre 2004 © 2012, era de indicagio do PP, com posterior apoio do PMDB; b) A Diretoria de Servigos, ocupada por RENATO DUQUE entre entre 2003 ¢ 2012, era de indicagio do PT; c) A Direto: CERVERO entre 2003 e 2008, e por JORGE ZELADA, de 2008 Internacional, ocupada por NESTOR a 2012, que era de indicagio inicialmente do PT ¢ posteriormente, do PMDB. Para que fosse possivel transitar os valores desviados entre os dois pontos da cadein — ou seja, das empresas para os diretores € politicos ~ atuavam profissionais encarregados da lavagem de ativos, que podem ser chamados de “operadores” ou “jntermediarios”. Referidos operadores er arregavam-se de, mediante estratégias de ocultagio da origem dos recursos, lavar 0 de 11de as POR Demineia Inquériza w” 3983 dinheiro ¢, assim, permitir que a propina chegasse aos scus destinatirios de maneita insuspeita. © repasse dos valores dava-se em duas etapas. Primeiro, o dinheiro era repassado das empresas para o dperador. Pa tanto, havia basicamente trés formas: a) entzega de valores em espécie; b) depésito ¢ movimentagio no exterior; ¢) contratos simulados de consultoria com empresas de fachada’. Uma vez disponibilizado 0 dinheiro ao operador, iniciava a segunda etapa do branqueamento, na qual a vantagem indevida saia do operador e era enviada aos desti frios finais (agentes publicos e politicos), descontada a comissio do operador."” Feitos tais esclarecimentos, pass «A descri¢io pormenori- zada das imputacdes. 7 simolava-se a prestagio de servigos, com a emissio de nota fiscal pelas empresas de fichada, sendo que a cmpresa depositava os valores na contas das empresas de ‘em espécie © entregue ao operador, transferide para contas correntes em ‘or do operador ou eram efetuados pagamentos em favor do operador 10 Havia pelo menos quatro formas de os operadores repassarem os valores aos destinatirios finais das vantagens indevidas: a) A primeira forma — uma das mais comuns entre os politicos ~ consistia na entrega de valores em es fachada. O valor depositado era, em seguida, sacado, pécie, qu Zam ingen em voos comerciais, com valores ocultos no corpo, ou em voos fictados. b) A segunda forma era a realizagio de transfer hiicas para empresas ou pessoas indicadas pelos destinatirios ou, ainda, 0 pa~ gamento de bens ou contas em nome dos beneficiirios. c) A teteeira forma ocorria por meio de tansferéncias e depésitos em contas no exterior, em nome de empresas affliores de responsabilidade dos funcionarios pitblicos ow de seus familiares. d) A quarta forma era a realizagio de doagdes “ofici~ ais”, devidamente declaraclas, pelas construtoras ou empresas coligadas, di~ nente para os politicos ou para o diretério nacional ou estadual do partido respectivo, as quais, em verdade, consistiam em propinas pagas ¢ disfargadas do seu real propésito. era feita por meio de fancionirios dos operadores, os quais fa~ as eletrd~ 12 de 85 Par Dengincia Inquérite u" 3983 3. Das imputagdes Houve pagamento de propina em relagio A construgio de dois navios-sondas'!: 0 PETROBRAS 10000 ¢ o VITORIA 10000. 3.1. Do primeiro navio-sonda (PETROBRAS 10000) A partir de 2005, a MITSUI toma conhecimento de que a PETROBRAS necessitaria de navios-sondas de perfuragio de Aguas profiandas na Africa Assim, ainda em 2005, a MITSUI procurou JULIO CA- MARGO®, informando-o de que havia recebido a noticia de que a PETROBRAS precisaria de um navio-sonda. © interesse da MITSUL era verificar se a PETROBRAS realmente teria interesse em firmar sociedade na construgio da referida sonda, para posteri- ormente afretar referida sonda para a propria PETROBRAS. Quem ficaria responsivel pela construgio seria o estaleiro da em= presa coreana SAMSUNG HEAVY INDUSTRIES. Para lograr seus objetivos, JULIO CAMARGO, ainda no ano de 2005, agindo como representante (broke) da SAMSUNG, pro onda “6 um navio projetado para a perfuragio de pogos submari- nos. Sua torre de perfuragio localiza-se no centro do navi, onde uma abettura no casco permite a passagem da coluna de perfuragio. © sistema de posicionamento do navio-sonda, composto por sensores aciisticos, pro- pubores € computadores, anula os efeitos do vento, ondas € correntes que rendem a deslocar © navio de sua posigio”. Disponivel em http://pt.wiki pedia.org/wiki/ Plataforma_petrol¥C3%A Dfera. Acesso em 21.08.2015. 12[GLIO CAMARGO ji era representante da empresa TOYO, sécia da MITSUI, 2240 pela qual foi procarado por aquela empresa. 13 de 85 POR Deniincia Ingquérito y" 3983 curou © lobista FERNANDO SOARES (conhecido como FER- NANDO “BAIANO”), para apurar o interesse da PETROBRAS na parceria com a MITSUI na referida sonda: FERNANDO SOARES foi procurado justamente por ser conhecido “intermediirio” da Diretoria Internacional” e pelo “bom trinsito e relacionamento” e pelo “compromisso de confi- anga’" que possuia com o diretor da area internacional da PE~ TROBRAS na época, NESTOR CERVERO. Inclusive, ambos possufam amizade intima.'® O intuito era facilitar a contratagio da empresa SAMSUNG para a construgio do navio-sonda, sem qual- quer procedimento licitatério, Deve-se destacar que era sistemé- tico 6 pagamento de propina na Diretoria Internacional.“ FERNANDO SOARES, sempre representando os interesses do PMDB," iais especificamente do denunciado EDUARDO laracdes Complementar n, 2 de JULIO CAMARGO — Doc. 9 - € termo de depoimento de PAULO ROBERTO COSTA no Processo 5083838-59.2014.4.04.7000/PR, Evento 188, TERMO1, Pagina 26. 14.Cf. Termo de Colaboragio n. 04 de JULIO CAMARGO — Doc. 1 em anexo 3 presente dentincia 15 Segundo Termo de Declaragdes Complementar n, 01 de PAULO RO- BERTO COSTA (tomado 11.02.2015) ~ Doc. 44 om anexo 4 presente Itimo afirma que foi NESTOR CERVERO quem o apresentou a FERNANDO SOARES, em 2006. No mesmo sentido, termo de depoimento de PAULO ROBERTO COSTA perante a 13°Va Federal (Processo 5083838-59.2014.4.04.7000/PR, Evento 188, TERMOI, Pigina 2). Por fim, entre fevereiro de 2004 a janciro de 2008, FERNANDO SOARES visitow CERVERO por 72. vezes na PETRO- BRAS (Cf. Auditoria R-02.£,003/2015, em especial p. 11, feita pela PE- TROBRAS ~ Doc. 12 em anexo 4 presente dentinéia) 16 Ouvido em juizo, JULIO CAMARGO afirmou que o pagamento de pro~ pinas era sistemético no Ambito da PETROBRAS (Processo. 5083838- 59.2014.4.04.7000/PR, Evento 430, DESPADECI, Piginal) 17 Cf. interrogatério de ALBERTO YOUSSEF no Processo 5083838- dentin: 14 de 85 por, Dentineis tnquérite aw” 3983 CUNHA" ¢ wmbém de NESTOR CERVERO, solicitou, aceitou promessa ¢ recebeu vantagens indevidas em proveito dos trés, be- neficiarios tiltimos ao menos de parte dos valores indevidos.”” Ao contatar FERNANDO SOARES, JULIO CAMARGO propés uma “parceria” para o desenvolvimento desse_projeto, sendo que FERNANDO afirmou que verificaria, no prazo de 72 horas, o interesse da PETROBRAS.” No prazo mencionado, FERNANDO SOARES confirmou © interesse da Diretoria Internacional — miais especificamente com 59.2014.4.04,7000/ PR, Evento 415, TERMO| 18 Nesse sentido, ALBERTO YOUSSEF afirmou que “FERNANDO SOA- RES representava 0 deputado EDUARDO CUNHA, do PMDB” (Proceso 5083838-59.2014.4.04.7000/PR, Evento 415, TERMOI, Pi gina 14). Também JULIO CAMARGO afiemou que FERNANDO SO. ARES atuava em nome do PMDB ¢, dentre outros, de EDUARDO. CUNHA. Cf Termo de Declaragées Complementar n. 1 de JULIO CA- MARGO (Doe. 8 em anexo 4 presente dentincia). Em juizo, nos autos 5083838-59.2014.4.04.700, Evento 553, perante a 13* Vara Federal de tiba/PR, em audiéncia ocorrida no dia 16/07/2015, JULIO CA- MARGO afirmou que EDUARDO CUNHA “era “sécio oculto” de FERNANDO SOARES (Doc. 3 em anexo 4 presente dendincia) 19 Embora EDUARDO CUNHA tenia negado o fato perante seus pares, no ha dividas de que FERNANDO SOARES representou os interesses de EDUARDO CUNHA na obtengio de valores espiitios provenientes da PETROBRAS, conforme seri visto. Perante a CPI da PETROBRAS, EDUARDO CUNHA afitmou: “Delegado Waldir, estou dizendo para V.Exa., clara ¢ textualmente, as coisas bem concretas: 0 Sr. Fernando Soares nio representa 0 PMDB ¢ nao me representa; nio tenho qualquer tipo de conta em qualquer lugar que nio seja a conta que esta declarada no meu Imposto de Renda; ¢ nio recebi qualquer vant: ilicity ou qualquer vantagem com relagio a qualquer naturcza vind desse proceso”. (CPI da PETROBRAS, Audiéncia Péblica, REUNIAO. No: 0074/15, DATA: 12/03/2015, Notas taquigrificas, p. 26 — Doc. 7 em liente-se que EDUARDO CUNHA expressamente negou interesse em ser interogude no inguérito que instraiu a presente impuitagio (fls. 220 e petigao de fls. 292/294) 20Cf. Termo de £ agdes Complementar n. 2 de JULIO CAMARGO. (Doc. 9 em anexo i presente demincia). anexo 4 presente dentincia 15 de 85, PER Dendincia Inquérivo nw” 3983 NESTOR CERVERO ~ na sonda para 4guas profimdas na Africa € comunicou o fato a JULIO CAMARGO. A PETROBRAS aceitou nio apenas a sociedade com a MITSUI, mas também a SAMSUNG como construtora do navio. couse uma reuniio no gabinete de NESTOR CERVERO, na sede da PE- TROBRAS, no Rio de Jani As reunides se iniciam em junho de 2005. Ver ro, em 10 de junho de 2005, que contou com a presenga do proprio NESTOR CERVERO, do en- tio g cionais da estatal, LUIS CARLOS MOREIRA DA SILVA, de nte executivo para desenvolvimento de negécios interna~ pessoas ligadas 1 SAMSUNG e 4 MITSUI, assim como de FER- NANDO SOARES ¢ JULIO CAMARGO Nessa reunido, di 21 LUIS CARLOS MOREIRA DA SILVA, subordinado de NESTOR CERVERG, foi subscritor dos dois memorandos de entendimentos para investimento na construgio do navio-sonda~ PETROBRAS10000, conforme seri adiante descrito. 22 Esta reuniio consta da agenda eletrénica de NESTOR CERVERO e foi agendada _(Process05083838-59.2014.4.04.7000/PR, evento 396 = OUTI4 ~ pagina 04) tendo como assunto: “Reuniio ¢/Mitsui Brasileira Imp.c Exportagio ~ Sts. Kenta Hori, Rogério Soares Leite, Shunsuke Murai e Jilio Camargo. Ass.: Projeto Tamazunchale, Alianga entre PB & Mitsui ¢ Outros Projetos.” Acontece que essa reunito no conto apenss com a presenga de NESTOR CERVERO e representantes da MITSUI, mas também de FERNANDO SOARES ¢ JULIO CAMARGO, que estavai PETROBRAS no mesmo hoxirio, conforme aponta 0 relatério de acessos fornecido pela PETROBRAS para o dia 10 de junho de 2005 (anexo XV da Auditorin R-02.E.003/2015, p. 10 - Doc. 12 em anexo di presente deniincia). Da mesma forma, segundo a mesma Audito da Petrobras, consta reuniio na referida data (10 de junho de 2005) entre NESTOR CERVERO, FERNANDO ANTONIO FALCAO SOARES (epresentando a empresa IBERBRAS) e JULIO CAMARGO (pela MITSU) 10 de 85, POR Dentincia Luquérito wn” 4983 finiu-se o interesse de todas as partes envolvidas no negécio, assitn como foram ctiados dois grupos de trabalho. eguiram-se reunides, inclusive, para assinatura do Meinoran- dun of Undestanding* (MoU) com a SAMSUNG para tratar do tema em 02 de agosto de 2005. Em 12 de janeiro de 2006 ¢ em 24 de fevereiro de 2006 houve a assinatura do 1° ¢ do 2° "Memorandum of Undestanding* (MoU) de cariter nfo vineulante 23.Um para tratar das questées do consércio entre a PETROBRAS ¢ a MITSUL € 6 outro para questdes técnicas referentes i construgio do navio pela SAMSUNG ¢ posterior venda para 0 consércio. Nesse sentido, Termo de Declaragdes Complementar n, 2 de JULIO CAMARGO (Doc. 9 em anexo a presente dentincia). Entre junho de 2005 e abril de 2006, fincionirios da equipe técnica da Area internacional, sob a determinagio expressa de NESTOR CERVERO, passaram a acertar os detalhes: do navio-sonda ¢ os instrumentos contratuais necessarios pa investimento conjunto. O objetivo era verificar a adequagio da contra com © planejamento estratégico da companbia, tealizando estucos que indicassem a necessidade daqucla embarcagio para o desenvolvimento do plano de negécios da estatal, Portanto, a PETROBRAS somente iniciou os estudos para aferir a necessidade de contrat sido procurada pelas empresas estrangeitas, 0 governanga: 24Em 02 de agosto de 2005 houve reuniio com NESTOR CERVERO, combinada em 26 de julho de 2005, para assinatura do Memorandum of Undestanding* (MoU) da SAMSUNG, com a presenga de varios esentantes da empresa ¢ da PETROBRAS (Proceso 5083838- 59.2014.4.04.7000/PR, Evento 396, OUT14, Pigina 16). Em 26 de outubro de 2005 a MITSUI contata oficialmerite a ‘rea Internacional para desenvolver em conjunto projeto de construgio de um navio-sonda, com vaga (siot) em estaleiro para entrega em junho de 2009.A auditoria da PETROBRAS (Anexo | do Doc. 12 em anexo a presente dentin constatou que nesse dia (26 de outubro de 2005), um representante da MITSUI enviou e-niaif a Nilo Duarte, gerente de engenharia de pogo da rea internacional, agendando com empregados da irea de exploragio e producio da DINTER reuniio sobre “possibilidades de adiantar tratativas com a MITSUI, como por exemplo, simulagio de cenitios para unr potencial contratagio” (destacamos). Em O1 de novembro 2005 houve hova teuniio de CERVERO com os diretores da MITSUI de Toquio ¢ do. Brasil (Autos 5083838-59.2014.4.04.7000/PR, Evento 396, OUTI4, igina 17), io dos navios-sonda apés ter We contraria as regeas de boa 17 de 85 PGR Demineis Inquérito 9 2983 ("Non-binding”) agora entre MITSUI © PETROBRAS, inclusive estabelecendo cronograma para oferecimento, pela MITSUI, da proposta de neydcio © sua respectiva apreciagio pela PETRO- BRAS.” Apés outras reunides®, em 31 de marco de 2006, 2 SAM- SUNG/MITSUI apresentou sua proposta técnica 4. PETRO- BRAS. Nessa data é elaborado um Letter of Intent (Lol)~ uma carta de intengdes. Somente em 13 de abril de 2006 - aproximadamente um ano apés inicio das tratativas com a MITSUL e SAMSUNG -, a Diretoria Executiva da PETROBRAS emitiu-a necessaria aprova~ TOR CERVERO, da assinatura Gio, sob a recomendagio de N da Leiter of Intent (Lol) para a construgo do navio-sonda para ex- ploragio em aguas profindas, conforme Ata DE 4579.” Até entio, Z xo A presente 25 Anexo III da Auditoria da PETROBRAS (Doc. 12 dendncia) 26m 01 de fevereiro de 2006 houve teunitio de NESTOR CERVERO, JULIO CAMARGO ¢ INAGAKI, da MITSUI (Proceso 5083838- 59.2014.4.04.7000/PR, Evento 396, OUTI4, Pigina 19), Em 21 de feverciro de 2006 houve nova reunito, agora com a Comitiva do Japio da MITSUI, pata tratar do tema “Sonda de Perfura 5083838-59.2014.4.04.7000/PR, Evento 396, OUT14, Pagina 20) 27 A aprovagio se deu com base em documento interno da PETROBR, datado de 07 de abril de 2006, com solicita 4 Diretoria considerar a construgio de um navio sonda voltado para operagdes da Area Internacional em Jguas ultraprofundas, com inicio do operagio programado para junho de 2009. © navi sonda seria de propriedade cle uma SPC ("Special Purpose Company" estabeleciaa no exterior, provavelmente em conjunto com a Mititi & Co., Led.. A SP contrataria um Operador quilificado e prestaria servicos de perfuragio & Petrobras de forma exclusiva, Adicionalmente, 0 acordo potencial com a Mitsui oferece um adequado grau de flexibilidade operacional e financeito para a Petrobras”. O documento considerava, ainda, a necessidade de pelo menos duas sondas nos proximos cinco anos ¢ seis io” (Proceso seguinte sintese:“O DINTER ondas nos proximos 18 de 85 POR Deniineia Inquérive w 3983 Portanto, toda a negociagio conduzida pela Diretoria Internacio~ nal foi feita sem a imprescindivel autorizagio prévia da Diretoria Executiva da PETROBRAS. Importante apontar que no mesmo dia 13 de abril de 2006 ~ data em que houve a aprovacio pela Diretoria Executiva do Letter of Intent (Lol) para construgio do navio-sonda ~, NESTOR, CERVERO recebeu longa visita de FERNANDO SOARE com quem ficou das 10 horas até aproximadamente as 16 horas." Em 14 de abril de 2006 ha a assinatura da Letier Of Intent (Lol) ~ Carta de Intengdes ~ com a SAMSUNG HEAVY INDUSTRIES (SH1), pelo valor de US$ 551.000.000,00, na qual a SAMSUNG afirmou sua pretensio em construir, entregar ¢ vender 0 navio- sonda 4 PETROBRAS (shipbuilding contract), sendo 6 documento assinado por NESTOR CERVERO, como representante da PE: TROBRAS.” 4 dez anos e previa que 0 mercado de sondas par tendéncia estivel ou de alta a curto, médio ou longo prazos. Asseverava, ainda, que havia previsio de economia de cerca de US$ 100 milhdes de dilares, se comparado com alternativa de aftetamento direto. Referielo documento foi assinado pelo. Gerente Executive LUIZ CARLOS MOREIRA DA SILVA, subordinado de CERVERO, ¢ consta dos autos do Proceso 5083838-59.2014.4.04.7000/PR, Evento 156, OUTS 28 CE Auditoria R-02.E.003/2015, p. 10, feita pela PETROBRAS em reli- Ho a0 processo de contratagio ¢ execugie da referida sonda (Doc. 12 em anexo & presente denincia) 29 Anexo IV ao Relatorio de auditoria da PETROBRAS (Doe. 12 em anexo & presente deniincia). Referida carta de intengdes foi assinada por NESTOR CERVERO. Na ocasiio, a PETROBRAS (PIBBV) realizou 0 Pagamtento de um depésito inicial (“reservation fee") de US$ 10,000,000,00 4 SAMSUNG para reserva do estaleiro, 30. C6pia constante dos autos do Processo 5083838-59.2014.4.04.7000/PR, Byento 156, OUT7. A tradugio deste documento consta do Doc. 14, em anexo 3 presente dentineia, as ultraprofumdas teria 19 de 85 PGR, Denineia Inquérite n° 3983 Pouco antes de estarem acertados os detalhes técnicos para a construgio do navio-sonda ¢ finalizada a negociagio comercial — ow scja, aproximadamente entre janeiro e abril de 2006 — FER NANDO SOARES reuniu-se com JOLIO CAMARGO, pois “preci ia estabelecer os valores” e@ os “termos de nossa 'parceria’.*! Em outras alavras, deveriam fixar o valor da propina a ser paga, Nessa oportunidade, FERNANDO SOARES, representando sempre os interesses de NESTOR CERVERO e de EDUARDO CUNHA, afirmou: “JULIO, quero receber por esta parceria a quantia de US$ 15 milhies de délares.” Assim, a quantia de US$ 15.000.000,00 (quinze milhdes de délares) foi solicitada para que FERNANDO SOARES “'pudesse concluir a negociagio em bom éxito! junto @ Diretoria Internacional” Ainda afirmou a JULIO CA- MARGO que, certamente, com o pagamento deste valor, “nds va~ mos ter sucesso”.* Nada obstante as tentativas, FERNANDO. SOARES foi inflexivel em relago ao valor, falando para JULIO CAMARGO: “JULIO, cuida da sua parte que en cuido da minha, ew civido da area internacional” Py 31 Neste sentido, cf. Termo de Declaragdes Complementar n. 2 de JULIO CAMARGO (Doc. 9). 32Termo de Declaragées C %, 33 CE Termo de Colaboracio n. 4 ¢ Termo de Declaragdes Complem 2, ambos de JULIO CAMARGO (Doc. 1 ¢ Doc. 9, ambos em presente deniincia) i 34CE. Termo de Declaragées Complementar n, 2 de JULIO CAMARGO 9). mplementar n. 2 de JULIO CAMARGO (Doc. no de Declaragdes Complementar n. 2 de JULIO CAMARGO (Doe. 9), 20 de 85 PGR, Dendncia fnquériee u® 3983 Para o pagamento da propina, JULIO CAMARGO logrou aumentar a sua comissio pela intermediagio do contrato com a SAMSUNG para o valor de USS 20.000.000,00 (e nio mais US$ 15.000.000,00, como sinalizado anteriormente). JULIO C MARGO, entio, anuiu com o valor proposto por FERNANDO SOARES, oferecendo © pagamento dos US$ 15.000.000,00. soli- citados, como inica forma de fechar 0 negécio.* Apés reunides de CERVERO com representantes da MIT SUI ¢ da SAMSUNG”, foi apresentado, no dia 07 de julho de 2006, © resultado final das negociagdes entre PETROBRAS ¢ MITSUI/SAMSUNG.™ Interessante apontar que, conforme s 36 CF Termo de Declaragdes Complementar n. 2 de JULIO CAMARGO (Doc. 9 em anexo 4 presente denéincia) 37 Houve reuniio. dos representantes da MITSUI com NESTOR. CER. VERO, em 26 de maio de 2006, para tratar de sondas de perfuragio {Processo 5083838-59.2014.4.04.7000/PR, Evento 396, OUTI4, Pigina 22). Em 05 de junho de 2006 honve reuniio com representantes da SAMSUNG ~ dentte eles 0 Vice-Presidente HARRIS LEE ~ ¢ da MIT- SUI, para tratar de navio de perfuragio (Driling Ship) (Process 5083838- 59.2014.4.04.7000/PR, Evento 396, OUTI4, Pagina 26), Em 28 de ju nho de 2006 houve nova visita “de cortesia” dos representantes da MIT- SUI brasileira ¢ jeponesa, para tratar de sonda’ (drilling rig (Processo 5083838-59,201 4.4.04.7000/PR, Evento 396, OUT 14, Pagina 28) 38 Realmente, neste dia 07 de julho de 2006, a Unidade Internacional de Desenvolvimento de Negécios - INTER-DN, sob ditegio de NESTOR CERVERO, claborou 0 Documento Interne — DIP 150/2006 (anexo VI da Auditoria da PETROBRAS, constante do Doc, 12 em anexo 4 presente dentincia), que apresentou ao colegiado executivo da estatal o resultado f- nal das negociagSes entre a PETROBRAS ¢ a MITSUI/SAMSUNG, soli- citindo aprovagio de contrato de construgio do navio-sonda com o extileiro SAMSUNG HEAVY INDUSTRIES, assim como outras ques es relacionadas (Proceso 5083838-59.2014.4.04.7000/PR, Evento 156, OUTS). Nessa mesma data foi elborado parecer da geréncia executiva concluindo que as condigées juridicas seriam satisfatorias (Proceso 5083838-59.2014 4.04.7000/PR, Evento 156, OUTI3) 21 de 85 PGR Dentineia Inquérito w W983 visto, nesse mesmo dia 07 de julho foi assinado 0 contrato de co- missionamento de JULIO CAMARGO com a SAMSUNG. Em 13 de julho 2006, conforme extrato da ata da reuniio realizada da Diretoria Executiva (Ata DE 4.595), NESTOR CER. VERO sugeriu, submeteu ¢ teve aprovada pela referida Diretoria a estrutura da sociedade com a MITSUP”, bem como a recomen- dacio para que a empresa PETROBRAS International Braspetro B.V., empresa subsidiéria da PETROBRAS, celebrasse 0 contrato para a construgio do navio-sonda (Ship Building Contract - SBC) com a empresa SAMSUNG, conforme acordado com JULIO CAMARGO, pelo valor de US$ 586.000.000,00. Confira-se 0 trecho da ata: assunto a seguir, transcrito na integra: “UNIDADE. INTERNACIONAL | DESENVOLVIMENTO DE NEGOCIOS, (INTER-DN) - Construgado de Navio Sonda | Para Exploragao em Aguas Ultra Profundas_(DIP-INTER-DN-150/2006, de 7-7- 2008), - O-Diretor NEStor Cunat Cerveré submeteu a Diretoria Executtvere-matéria da | feleréncia, propondo: a) recomendar que a Petrobras International Braspetro B. | FIG BV celebre, em conjunto com a Japan Drillship Investment Co. Ltd., 0 contrat para constragac_canavio sonda "PETROBRAS-10000" com o-estaleins-Sdmsung | Heavy Industries Co., Ltd. na Corgia, no valor total de US$586.000.000,00, nos termos do subpardgrafo 4.4 do DIP em aprego, sendo de 50% a participagao de cada | Companhia; b) aprovar a emissao de Carta de Garantia Corporativa Financeira em | Da reuniio da Diretoria Executiva participaram os entio di- retores Guilherme Estrella, Ildo Luis Sauter, NESTOR CERVERO, ¢ PAULO ROBERTO COSTA“. LI 39.0 “Participation Agreement” entre PIB BV e Mitsui (50%-50%), com a incorporagio de uma Sociedade de Propésito Especifico (SPC) na Ho- Landa (P&M Drilling Ineernational B.V,~ P&M DI). 40 PAULO ROBERTO COSTA jé afirmou que, em outro caso, recebeu propinas para nio interferir nos negécias ilicitos conduzidos pela Diretoria Internacional ¢ pelo diretor NESTOR CERVERO, embors nao haja ele- de 85 Por Deniincia Inquérite w” 3983 Exatamente no dia seguinte 4 aprovagio pela Diretoria Exe- cutiva, conforme ji “planejado”, no dia 14 de julho de 2006, sexta-feira, foi firmado o respectivo contrato entre a PETRO- BRAS INTERNATIONAL BRASPETRO BV e JAPAN DRILLSHIP INVESTMENT CO. LTDA (subsidiaria da MIT- SUI) com a SAMSUNG HEAVY INDUSTRIES CO. LTDA, para a construgio do navio-sonda, no valor de US$ 586.000.000. Também se logrou estabelecer os termos da parceria entre PE- TROBRAS e MITSUI, exatamente nos moldes acertados. Houve inclusive ceriménia na PETROBRAS para assinatura, com partici pacio dos altos executivos das empresas cnvolvidas."” No dia 07 de julho de 2006, uma semana antes da aprova~ cio da compra pela diretoria executiva da PETROBRAS ~ que ocorreu no dia 13 de julho de 2006 —, mas j4 com a certeza de que © contrato seria aprovado”, JULIO CAMARGO, por meio a PIEMONTE EMPREENDIMENTOS LTDA, de sua empr mentos que comprovem que tenha recebido vantagens indevidas em rel io A presente imputagio. 41 Conforme — const 5083838-59.2014.4.04,7000/PR, Evento 396, OUTH,p.30. 42.A aprovacio da celebrag3o do contrato com a SAMSUNG/MITSUI era tio certa que DEMARCO EPIFANIO — Gerente Geral da Area nterna~ cional = no dia 5 de julho de 2006 ~ ou seja, oito dias antes da aprova~ cio pela Diretoria Executiva -, enviou e-mail ‘para LUIZ CARLOS MOREIRA DA SILVA, Getente Executivo da Area Internacional, afir~ mando que ava prevista para o dia 13 de julho a apreciagio da Dircto~ Exccutiva © que a assinatura do instrumento contratual ocorreria no dia seguinte, em 14 de julho de 2006 (Processo5083838- 59,201 4.4.04.7000/PR, Evento 396, OUTH, Pagina 32). Apés a funcio- naria perguntar a NESTOR CERVERO se MOREIRA havia conversado com ele, CERVERO afirmou: “O Moreira ja falou, vas assinar na 6" pela manha” (Proceso 5083838-59.2014.4.04.7000/ PR, Evento 396, OUTI4, P32) 23 dle 85 PGR Dendineia Inquérita n° 3988 firmou contrato de consultoria com a mpresa SAMSUNG HE- AVY INDUSTRIES CO. LTD.® Por meio do referido contrato de consultoria, a SAMS JING comprometeu-se a pagar o valor total de US$ 20.000.000,00 pela intermediagio do negécio (“Commission Agreement”) em relagio nente consta do “Commis- 4 primeira sonda.** Conforme expre sion Agreement”, os valores deveriam ser pagos pela SAMSUNG na conta n° 2009071 da offshore PIEMONT. INVESTMENT CORP. no Banco Winterbothan Trust Company Limited., no Uruguai, O valor seria recebido pelos seus “esforgos em induzir contribuir” para 0 contrato de construgio n. 1727, entre SAM- SUNG e PETROBRAS INTERNACIONAL BRASPETRO BY, juntamente com JAPAN DRILLSHIP INVESTMENT CO. LTD. Jé estava acertado que JULIO CAMARGO repassar FERNANDO SOARES a propina no exterior, i medida que re- cebesse 05 comissionamentos da SAMSUNG, 0 que efetivamente ocorren, por meio de transferéncias internacionais, conforme sera descrito abaixo, FERNANDO SOARES, entio, se encarregaria de dividir e transferir os valores devidos aos demais in sgrantes do es- quema, \ue-se, conforme visto, que 0 contrato € firmado no mesmo dia - 07 de julho de 2006 - em que a Unidade Internacional de Desenvalvi- mento de Negécios ~ INTER-DN sugeriu a aprovagio do contrato com a SAMSUNG para a Diretoria Executiva 44 Item 22 do Auto de apreensio de JULIO ©. 6 em anexo a presente deniincia).A tradu 4 presente dentincia MARGO, p. 66-69 (CE. Doe. consta do Doc. 14, em anexo 24 de 85 PGR Dendineis Inquérito uw 3988 Os valores da comissio da SAMSUNG deveriam ser pagos em ts parcelas, de US$ 6.250.000,00 (que foi paga em 8 de se~ tembro de 2006), de US$ 7.500.000,00 (que foi paga em 31 de margo de 2007) e US$ 6.250.000,000 (que seria paga quando da entrega da sonda) © pagamento das propinas transcorreu normalmente até a entrega do navio, ocorrida em 30 de julho de 2009. No entanto, a Giltima parcela do contrato de comissionamento acabou io sendo paga pela SAMSUNG 4 PIEMONTE EMPREENDI- MENTOS, pela suposta falta de cumprimento das condigées con- tratuais, dando origem a uma disputa arbitral em Londres, inclusive, 4 cessagio temporaria do pagamento da propina Em razio da cessagio do pagamento da propina, FER- NANDO SOARES acionou o denunciado EDUARDO CU- NHA, que passou a atuar perante 0 Congtesso, com a participagio de SOLANGE ALMEIDA, para pressionar 0 retorno do paga- mento da propina, conforme sera visto a seguir. Por fim, deve-se destacar que Auditoria feita pela PETRO- BRAS sobre 0 proceso de aquisi¢io do referido navio-sonda ve- rificou diversas irregularidades, entre clas: (i) necessidade de contratagio suportada por estudo baseado em premissas otimistas ¢ sem 0 embasamento em dados geolégicos ou negécios firm: previsdes, inclusive, que no se realizaram"; (ji) falta de processol 45CE. depoimento em juizo do auditor PAULO RANGEL (Processo 5083838-59.2014.4.04.7000/PR, Evento 513 ~ TERMOD). Inclusive, 0 navio-sonda PETROBRAS 10000 perfurou trés pogos secos em Angola - pais em que foi inicialmente designado - ¢ depois teve de ser realocado 25 de 85 PGR Denticia Inquérivo w* 398% competitive para suportar a escolha do estaleiro SAMSUNG para construgio do referide navio-sonda, sem qualquer selecio de pro- postas"® ~ e sem negociacio efetiva das condigdes comerciais inici- ais, que partiram da MITSUI/SAMSUNG, no existindo discussio real do prego (tanto assim que houve reajuste de 3% ~ US$ 19.000,000,00 ~ no. prego de construgio do navio PE’ 10000 pela SAMSUNG, TROBRAS m indicagio de qualquer objegio ou questionamento pela Area Internacional); (jii) elevada e indevida autonomia da Area Internacional, em especial representada pelo recebimento de propostas, negociagdes ¢ assinaturas de memoran= dos de entendimento sem prévia autorizagio da Diretoria Execu- Gva, conforme era necessirio”, além de outras irregularidades."* 3.2. Do segundo navio-sonda (VITORIA 10000) Cerca de trés meses aps concluido primeito negécio — ou seja, por volta de setembro/outubro de 2006 — FERNANDO SOARES procurou JULIO CAMARGO e informou sobre 0 in- teresse da PETROBRAS em adquirir um novo navio-sonda, agora J. para 0 Golfo do México. Nessa oportunidade, porém, a PETRO+ para operar no Brasil, tendo ficado ocioso por algum tempo. 4OCE depoimento em juizo do auditor PAULO RANGEL (Proceso 5083838-59.2014.4.04.7000/PR, Evento 313 -TERMO1), 47 Conforme visto, constatou-se auséncia de autorizagio formal da Diretoria Executiva para as negociagdes realizadas previamente com a MITSUI. antecedendo a0 MoU de 12 de janeiro de 2006, embora j correspondéncias trimestre de 2005 48 Alem disso, foram constatadas pela contrato de operacionalizagio (leasing © affetamento) do referide navio~ sonia, que no sio pertinentes ao fato ort imputado. houvese Fesentacdo de propostas da MITSUI desde o tiltimo auditoria outras irregularidades no 26 de 85 PGR Dentintcia Inquérito n” 3983 BRAS no tinha mais interesse em realizar a parceria com a MIT- SUL, embora aceitasse 2 SAMSUNG como construtora também dessa sonda.” Inicia-se, assim, 0 segundo procedimento de so- licitag%o, aceitagio de promessa e recebimento de vanta- gem indevida, agora referente ao navio-sonda VITORIA 10000, para o Golfo do México. FERNANDO SOARES, mais uma vez representando os in~ teresses de NESTOR CERVERO e do denunciado EDUARDO CUNHA, entabulou negociagio com JULIO CAMARGO «, desta vez ja no inicio das negociagdes, solicitou, apenas para este segundo navio-sonda, 0 pagamento de propina no montante de US$ 25.000.000,00 (¢ nio mais de US# 15.000.000,00, como su cedeu na primeiza tansagdo).” Houve, inclusive, reunides entre CERVERO, JULIO CAMARGO e FERNANDO SOARES na sede da PETROBRAS no periado.** W/ 49CE Termo de Declaragées Complementar n. 2 de JULIO CAMARGO. (Doc. 9 em anexo A presente dentincia} mentado pois, segundo FERNANDO SOA- RES, os custos do novo contrato seriam menores para a emprest SAM~ SUNG por se tratar de navio-sonda semethante a0 anterior. CFTermo de Declaragées Complementar n. 2 de JULIO CAMARGO (Doc. 9 em anexo 3 presente deniincia) : 51 Houve reunides de NESTOR CERVERO com JULIO CAMARGO ¢ com FERNANDO SOARES, na PETROBRAS, em 14 de setembro de 2006 (neste dia, FERNANDO SOARES entrou ¢ sain da PETRO- BRAS, para visitar CERVERO, por sete vezes, entre 11h09min e 18h41~ min, ef, Processo 5083838-59.2014.4.04.7000/PR, Evento 396, OUT34 p. 6) © 25 de setembro de 2006, em horirios diferentes. No dia 13 de novembro de 2006, porém, os és se refnem na PETROBRAS no mesmo horirio, ef, Auditoria R-02.F,003/2015, p. 10 (Doc. 12 em anexo 4 prese ), feita pela PETROBRAS em relacio ao processo de contratagio e execucio da referida sonda, No dia seguinte, em 14 de no- vembro de 2006 hi nova reuniio de NESTOR-CERVERO, agora com 50 0 valor da propina foi ce dentin, 27 de 85 Par. Denineis Inquérito u” JULIO CAMARGO levou, entio, a questio até o represen- tante da SAMSUNG HEAVY INDUSTRIES CO., conseguindo aumentar 6 montante da comissio. O valor total das comissdes para JULIO CAMARGO, pelos dois navios-sonda, passou a ser US$ 53.000.000,00, sendo US$ 40.000.000,00 a titulo de pro- pina pelos dois navios-sonda.” Assim, estabeleceu-se 0 valor de US$ 25.000.000,00 como ame- propina apenas pelo segundo contrato, valor este a ser pag a em- dida que as comissdes fossem pagas pe SAMSUNG pa presa PIEMONTE, de JULIO CAMARGO, O destinatirio final dos valores mais uma vez eram, pelo menos, 0 proprio PER NANDO SOARES, o entio Diretor da Area Internacional NES- TOR CERVERO ¢ 0 denunciado EDUARDO CUNHA. Acertado 0 valor da propina, NESTOR CERVERO tomou providéncias para viabilizar a aquisigio do segundo navio-sonda (‘navio-sonda VITORIA 10000), nos moldes acertados. Em 13 de dezembro de 2006 houve carta da SAMSUNG ofertando 1 vaga (slot) para construgio de um 2° navio-sonda, sendo a proposta apresentada no valor de USD 616.000.000.** Em 15 de janeiro de 2007, o gerente executivo para desen~ volvimento de negécios da drea internacional, LUIS CARLOS representantes da MITSUI do Japiio e do Brasil, com o intuito de “discutir virios projetos da Mitsui” (Proceso 5083838-$9.2014.4.04.7000/PR Evento 396, OUTI4, Pigina 41) 52 Neste sentido, cf. Teemo de Declaragdes Complementar n. 2 de JULIO CAMARGO (Doc. 9 em anexo a presente deniincia), 53 Processo 5083838-59.2014.4.04.7000/PR, Evento 157, OUT. 28 de 85 POR Dentineia faquérite »° 3983 MOREIRA DA SILVA, sob a chancela do diretor NESTOR. CERVERO, encaminhou 3 Diretoria Executiva documento solici tando considerar a construgio de um segundo navio-sonda vol- tado para as operagdes da Area Internacional em aguas ultraprofundas, com inicio de operag%o programada para junho de 2010, a ser construido no estaleiro SAMSUNG HEAVY INDUS- TRAES, “visando uma economia de escala e vantagens operacio~ nais no gerenciamento de unidades gémeas”. Interessante apontar que, mesmo se afirmando na justificativa da aquisigio dese navio- sonda que a operacio traria economia para a PETROBRAS, o va~ lor do novo navio é 5% superior ao do primeiro, sendo certo tam bém que nio houve praticamente nenhuma negociagio sobre 0 prego. Em 18 de janeiro de 2007 (cf. Ata de 4624) foi aprovada a Letter of Intent da PETROBRAS OIL AND GAS B.V. com o esta leiro SAMSUNG, que foi firmada em 26 de janeiro de 2007, pelo Diretor NESTOR CERVERO™ Nesse mesmo dia, FER- NANDO SOARES esteve por bastante tempo na PETROBRAS, em visita a CERVERO.” Em 05 de margo de 2007 o gerente executivo LUIS CAR- LOS MOREIRA DA SILVA encaminhou documento sobre o re~ 54 Proceso 5083838-59.2014.4.04.7000/PR, Evento 157, OUTS. 55 Realmente, em 26 de janeito de 2007, FERNANDO SOARES pasou Praticamente © dia inteiro em visita ao acusado NESTOR CERVERO, subscritor do documento, conforme atesta 0 relatérie de visitas trazido pela auditoria (anexo XV da Auditoria da PETROBRAS ~ Doe. 12 em anexo 3 presente deniincia). FERNANDO SOARES entrou is 15h15: € 86 saiu as 21h33niin do prédio da estatal, provavelmente estando presente atura do referido documento. no horirio da ass 29 de 85 PGR Demineis Inquérito uw” 3983 TOR CERVERO.* 06 de margo de 2007 houve reuniio entre JULIO CA- sultado final das negociagSes ao diretor N No di: MARGO e NESTOR CERVERO.” No dia 08 de marco de 2007, conforme extrato da ata da reuniio realizada (Ata Diretoria Executiva 4.632)", novamente NESTOR CERVERO submet teve aprovada pela Diretoria Executiva a recomendagio para que a empresa PETROBRAS Oil & Gas B.V. (PO&G), empresa subsidi- aria da PETROBRAS na época, celebrasse 0 contrato para a cons~ trugio do navio-sonda VITORIA 10000 com a empresa SAMSUNG, conforme anteriormente acordado com JULIO C MARGO, pelo valor total de US$ 616.000.000,00. Confira-se 0 trecho pertinente da a a YL 56 Documento intitulado DIP-INTER-DN 78/2007 - anexo XVIII da auditoria da PETROBRAS (Doc. 12 em anexo 3 presente dentincia) Neste documento, 0 Gerente Executive da Area Internacional, LUIZ CARLOS MOREIRA DA SILVA, subordinado a CERVERO, solicits 4 Diretoria Internacional considerar a construgio de um segundo navio- sonda voltido para operagdes em siguas profundas, mais uma vez a ser construido peli SAMSUNG HEAVY INDUSTRIES, visando economia nto de unidades tv (uma vez que a S NG também era responsivel pela prim aquisigio). © valor do contrato seria de USD 616 milhdes de délares, 5% superior ao anterior, em razio. de “supostas melhorias introduzidas a0 projeto € a0 aquecimento do mercado de sondas”. Mais uma vez documento sugere a constragio sob a justificativa de que o sondas de esc icionais no gerencia reacloy aria aquecido e em Fazio das altas taxas de ocupagio. Af que haveria necessidade de pelo menos 2. sondas nos proximos cinco anos sondas nos proximos dez anos e que © projeto tr icios, economia de US$ 72 milhées quando co alternativa. de afretamento—direto.— (Proceso. -5083838- 59.2014.4.04.7000/PR, Evento 157, OUT! © Proceso 5083838- 59,201 4.4.04.7000/PR, Evento 157, OUT13) 57 Provesso 5083838-59.2014.4.04.7000/ER, 58 Processo 5083838-59.2014.4.04.7000/PR, entre outros Fado com a ento 396, OUTIS, Pagina 4 vento 157, OUTI3. 30 de 85 Denies buquerite nt! 39838 outros, sobre o assunto a seguir, transcrito ma integra: “UNIDADE | INTERNACIONAL DESENVOLVIMENTO DE NEGOCIOS (INTER-DN) - Contrato [de Construgao do Navio-Sonda PETROBRAS 10000 (DIP-INTER-DN-78/2007, de-5-3-2607}"- 0 Diret stor Nestor Cufiat Cerveré submeteu a Diretoria Exétutiva-a. imatériada_sefer€ncia, propondo: a) aprovar_a emissdo de Carla.de-Garanta |\Corporativa em favor da Samsung Heavy Industries Co. Ltd. conforme descrito no | |o) necemenda® que a Petrobras Oil and Gas B.V. - POG BV assine com oestaleiro |Samsung Heavy Industries Co. Ltd., o instrumento do contrato de construgao de um US$616.000.000,00, nos termas-do-subyaragrato 10.5 do DIP em paula, e d) determinar 40 Diretor da Area Internacional que, no Em 09 de marco de 2007, dia imediatamente seguinte 3 autorizagio pela Diretoria Executiva, da mesma forma como ocorreu na primeira aquisigio, foi formalizado © respective con- trato para a construgio do navio-sonda VITOR IA 10000.” No dia 21 de margo de 2007, foi formalizado o segundo contrato de comissio (Comission Agreement for the 2nd Drillship of Petrobras — Hull n. 1766) entre JOLIO CAMARGO, através de sua empresa PIEMONTE, EMPREENDIMENTOS LTDA., ¢ a empresa SAMSUNG HEAVY INDUSTRIES CO., LTD. O valor da comissio foi, conforme previsto, majorado para USS. 33.000.000,00, a fim de cobrir 0 custo da’ propina (de USS 25.000.000,00, dividida entre FERNANDO SOARES, NES- TOR CERVERO e o denunciado EDUARDO CUNHA, mais a “comissio” de JULIO CAMARGO no montante de US$ ie 59 Processo 5OR3838-59.201 4.4.04.7000/PR, Evento 157, OUT22 60 Tradugio deste documento consta do Doc, 14, em anexo i presente demincia 31 de 85, PGR, Deutineia Inquérito "3988 8.000.000,00). © valor seria pago em 4 parcelas: (i) US$ 10.230.000,00; (ii) US$ 12.375.000,00; (iii) US$ 4.000.000,00; (iv) US$ 6.395.000,00 (este dltimo quando da entrega do navio). Ape nas as trés primeiras parcelas foram pagas.“* A forma de pagamento das comisses e posterior repasse das propinas ocorreu de maneira em tudo semelhante ao primeito navio-sonda, com pagamentos no exterior, em contas indicadas por FERNANDO SOARES, conforme sera visto. © pagamento das propinas transcorreu_normalmente até a entrega do navio, ocorrida em 09 de julho de 2010 — aproxima- damente um ano apés a entrega do primeiro navio-sonda.® Em razio de problemas contratuais, a dltima parcela do contrato — US$ 6.395.000,00 — também nio foi paga pela SAMSUNG, dando inicio a uma disputa arbitral em Londres ¢ & paralisagio do pagamento da propina. 61 Cinco dias apés a celebragio do contrato de comisio - em 26 de margo de 2007 - NESTOR CERVERO recebeu a visita de JULIO CA- MARGO, representante da MITSUI e, logo de FERS NANDO SOARES. Cf Processo 5083838-59,2014.4,04.7000/PR, Evento 396, OUTI3, Pigina 3, 62 Mais uma vez, conforme expressann diagio, os valores foram pagos pela SAMSUNG na conta n® 2009071 ch affhow PIEMONT INVESTMENT CORP, no Banco Winterbothan, no Unuguai.A medida gue foram recebidos os pagimentos de comissio pela SAMSUNG para JULIO CAMARGO, ocorreram as transfert FERNANDO SOARES, em relagdo as duas sondas. 63 Antes ~ em 03 de jutho de 2007 - ¢ depois da entrega - em 11 de ju- Iho de 2007 ~ houve visitas a NESTOR CERVERO na PETROBRAS. por JULIO CAMARGO, juntamente com mais um representante da MITSUI ¢ outros dois representantes da SAMSUNG (CE. Auditoria R- 02.£.003/2015, p. 19, feita pela PETROBRAS em relagdo ao proceso de contratagio © execugio da referida sonda - Doc. 12 em anexo A presente dentincia). re constou do contrat de incerme- 32 de 85 PGR. Dentincia lnaucrite n” 3983 Ji citado anteriormence, em razio da cessagiio do pagamento da propina, FERNANDO SOARES acionou 0 denunciado EDUARDO CUNHA, que passou a atuar perante 0 Congresso, com a participagio de SOLANGE ALMEIDA, para pressionar 0 retorno do pa amento da propina Por fim, deve-se destacar que Auditoria feita pela PETRO- BRAS sobre o proceso de aquisigio do navio-sonda VITTORIA 10000 também apurou diversas irregularidades, similares as consta- tadas no primeiro navio-sonda, dentre outras, as seguintes™: (i) fra gil comprovagio da necessidade de contratar, pois se valeu do mesmo estude que justificou a contratagio da PETROBRAS 10000, sem estudos geoldgicos, resultando em idéntica fragilidade em relagio real demanda de pocos; (ii) condugio de negociagdes visando & contratagio sem prévia anuéncia da autoridade compe- tente, pois as negociagdes com o estaleiro e a escolha de parceiro foram feitas antes de autorizagio ¢ aprovagio da Diretoria Execu- tiva para o negécio, contrariando a regra geral adotada na compa- nnhia; (fi) falta de proceso competitivo para suportar a escolha do estaleiro SAMSUNG para construgio do referido navio-sonda — sem realizagio de processos competitivos para selecio da proposta, aceitando-se uma dnica proposta, sem comissio de negociagio Te G4 Nese sentido, Auditoria R-02.£,003/2015, em especial pp. 14/19, feita peh PETROBRAS em rel ata referidh sonda (Doe. 12 em anexo 3 presente dev tido, depoimento do auditor PAULO RANGEL, responsivel por elaborar a auditoria, perante a 13(Processo 5083838-59.2014.4.04.7000/PR, Evento 513 ~TERMO1). para escola do estaleiro inexisténcia de atas de reunifo que ev 10 a0 processo de contratagio € execugio da incia). No. mesmo set 33 de 85 PGR Dendneis tnquérita n? 3983 denciassem as negociagSes. Ademais, na exposi¢io de motivos que justificou 0 negécio, dentre as raz6es para a escolha do estaleiro es taria a suposta economia de escala na supervisio, racionalizagio na compra de equipamentos e estoques para ambas as unidades, bem como assinatura de contrato semelhante ao do Navio-sonda PE- TROBRAS 10000. Porém, nada obstante tal justificativa, 0 prego pactuado superava © do primeiro navio-sonda em 5%. 3.3. Dos pagamentos da propina Apés a entabulagio dos acordos e do acerto do valor das pro- pinas, inicia-se 0 seu pagamento, no valor total de US$ 40.000.000,00, referentes 3s duas sondas. Os pagamentos dos valo~ res totais da propina se iniciaram em 16 de setembro de 2006 — dois meses apés a aprovagiio do primeiro contrato - ¢ se estenderam até outubro de 2012. Conforme visto, JULIO CAMARGO recebeu os valores da SAMSUNG, por meio da conta no Uraguai (Banco Winterbo than), em nome da da offshore PIEMONTE INV. CORP. (“PIE- MONTE”). No total a SAMSUNG repassou, em cinco parcelas, entre 08 de setembro de 2006 e 28 de sctembro de 2007, a quantia total de US$ 40, 55.000,000.° Em segnida, os valores da propina 65 Ainda em relag3o 4 primeira sonda, a SAMSUNG pagow duas parcelas na conti da empresa offshore PIEMONTE INVESTMENT CORP, no Uruguai, sendo US$ 6.250.000,00 em 8 de setembro de 2006, ¢ US$ 7.500,000,00 em 31 de margo de 2007, nos exatos termos do contravo de comissio. Conforme visto, havia a previsio, ainda, de US$ 6.250.000,000 quando da entrega da sonda, p ocorreu, cm razio de disputay contratuais, No to gamento esse que nio ante a segunda sonda, a 34 de 85