Você está na página 1de 148
xTiatira oe ay fenvaieel CRONOLOGIAS E ILUSTRACOES Inclui mapas, graficos, cronologias ¢ ilustragdes, esbogos dos livros da Biblia, versiculos-chave e maquetes das cidades e vilas MAPAS, GRAFICOS, CRONOLOGIAS E ILUSTRACOES PROPORCIONA, AUM CUSTO BAIXO, TODAS AS IMAGENS OlU AVOle aN Ue MM EOD AW LHL Como uTILIZAR ESTE LIVRO Muitas pessoas tém dificuldade em concentrar-se em discussdes e leitura de textos sobre a Biblia. Este livro capta e prende a atencdo com um visual atraente. E um instrumento indispensavel para grupos de estudos da Biblia, Siga os indicagdes de “Como fazer cépias autorizadas deete livro” que se encontram na pagina 2. As paginas podem também ser usadas num projetor opaco ou transformadas em transparéncias e usadas num retroprojetor. ‘Ao usar um projetor, ndo se esqueca da técnica de cobrir parte da pagina com um papel branco se desejar focalizar a atengao do grupo para uma se¢3o especifica. Por exemplo, vocé pode querer revisar uma ligfo de um livra em particular cobrindo a seco Objetivo/Tema e pedindo ao grupo para relembrar © contetido desses tépicos. Este livro é util também para uso pessoal. Algumas pessoas sao leitoras incurdveis de livros de reteréncia, Nav conseguern sulvirar uina palavia sem serem arrastadas @ uma duzia de outras no caminho. Elas podem entroter-se com uma enciclopédia assim enquanto outras Isem 1m romance. Se voce é dessas pessoas, aproveite este como qualquer outro livro cheio de referéncias fascinantes. Um planejamento de leitura didria da Biblia pode ser iniciado com este livro. Seus mapas e cronologias vao ajudé-lo a reter na memoria o cenario historico do text. Os resuimus & versivulos-cheve poderao lombré-lo doe pontos principais de cada livro ¢ evitar que, preso a detalhes, vocd perca a visin de Conjunto. Vocé pode procurar em “Objetos arqueolégicos mais importantes j4 encontrados do Novo Testamento” para ver 0 progress dos pesquisadores em descobrir 0 cendrio da Escritura. As frases do objetivo/tema e do versiculo-chave sao uma ajuda adicional para os que cultivam o habite de memorize as passagens favoritas das Fscrituras. Qualquer que seja a forma pela qual vocé utilize este quia, aproveite 0 impacto visual desta publicacdo, que traré ao estudo da Biblia algo da realidade concreta do momento em que as Escrituras originalmente apareceram. Terceira viagem missionGria de Paulo Tesealénica | Anfipole {Apotnia/ VFilipos — TRACIA NX ah ie Nea or Be | A x Koo oy 2 z wy ¥¢ Fle © Ses ny” nk OS % wns i Antioguie panel “bia Sioanos pee] |e & % aa fomeece tam Dome cerca de 53-9/ 4.0. (48 18.23-28.17) QUIOS - thas RHODES - Cidades, Portos Ne, Milhas 300, \ Km 0100-20030 Mapas, Graficos, Cronologias e Ilustracoes para estudar e compreender a Biblia toda Inclui mapase tabelas e graficos ecronologias dos acontecimentos biblicos eesbocos e ilustracdes e versiculos-chave eplano de leitura da Biblia & Todas as citagées biblicas, salve outras indicagécs, foram retiradas da Biblia Sagrada, Joo Ferreira de Almeida, 2 edigio revisea ¢ atualizads. As notas de estudo, gréficos, tabelas e mapas comentados so da The NIV Study Bible. Copyright © 1985 pela Zondervan. Reprodugio aurorizada. ustrayies: © tabernécule, O tenplo de Salome, © wemplo de Zorobabel, O emplo de Herodes, copyright © 1981: A Jerusaléun de Salomio, Jerusalém no tempo dos profetas, Jerusalém na volta do exilio. Jerusalém durante o ministério de Jesus, A semana da Paixao, A cidade dos jebuseus, A Jerusalém de Davi, copyright © 1982 por Hugh Claycombe, E permitida a xerocépia ou teprodugéo por outtos meios eletrénicos das paginas indicadas*, ilustrages ou atividades deste livro, no rode ou em parte, apenas para agueles gue possuem 0 livro original c 0 destinam a uso no comercial em uma igreja ou organizagio cris. £ proibida a reprodugio de qualquer parte do material deste livro para promogao comercial, antincio ou venda de um produto ou servico. E proibida também a cessio do material deste livro a outras igrejas ou organizacdes que no possuam ou controlem os dircitos deste livro, Todos os direitos reservados. “Paginas marcadas com o ascerisco padem ser reproduridas legalmente: © 1909 Edicora Culeura Cristi. Est aurorizada a reprodugio desea pagina apenas para uso em classe 1 edigdo 1999 - 3.000 exemplares I reimpressio 2004 - 3.000 exemplares Tradugio: Suzere Casclato Revisor Madalena Torcee Formatacio: SP! Editora Ltda. Capa: Magno Paganelli Mapas, grificos, cronologias e ilustracées M297 Mapas, gréficos, cronologias e ilustracdes ( Gospel Light Publications; tradugao Suzete Caselatto]. — |.ed. — So Poulo: Culture Crist’, 2004, 144p, ; 21x28em, ‘Tradugio de Reproducible maps, charts, ime lines & illustrations ISBN 85-7622-078-4 1 Estudo Biblico 2.Mapas, I. Titulo. DD 21ed. — 22091 Publicagio autorizada pelo Consclho Editorial (Clindio. Mara (Presidente), Alex Barhoss Vieira, André Tae Rams, Maura Fernanda Meister, Orivia Henrique de Sous, Ricardo Agreste, Sehastifo Bueno Olinto, Valdeci da Silva Santos. €DITORA CULTURA CAISTA ua Mig Toles sun, 394 ~ Cantuel (CPeetal 15.195 ~ Sao Paulo - SP — 0190-970 Teo ot) E07 7098 Fan O11 S008 ees ‘em sepon.or—cepcepogr Superintendente: Haveraldo Ferreira Vargas Editor: Cliudio Antonio Batista Marra INDICE Introdugéo - 4 Como usar este livro - 2° capa A Biblioteca do Antigo Testamento - 5 Datas dos acomecimentos do Antigo Testamento - 6 Os Livros da Lei - 7 Génesis Exodo Levitioe Numeros Deuteronémio Os Livros Histéricos - 22 dlosué Juizes Rute 1 Samuel 2 Samuel 1 Reis 2 Reis 1 Cronicas 2 Crénicas Esdras Neemias Ester Os Livens Préticns - 53 Jo Salmos Provérbios Eclosiastos Cantico dos Cénticos © Periodo dos Profetas - 59 Os Profetas Maiores - 60 Isaias Jeremias Lamentagées Ezequiel Daniel Os Profetas Menores - 70 Oséias Joel Amés Obadias Jonas Miauéias Naum Habacuque Sofonias Agen Zacarias Malaquias Entre os Testamentos - 85 Biblioteca do Novo Testamento - 86 Datas aproximadas dos acontecimentos do Novo Testamento - 87 A vida de Cristo - 88 Os Evangelhas - 90 Mateus Marcos Lucas Joao Histéria - 107 Atos Cartas de Paulo - 114 Romanos 1 Corinti 2 Cos Galatas Efésios Filipenses Colossenses 1 Tessaloniconses 2 Tessalonicenses 1 Timéteo 2 Timoteo Tito Filemom Cartas Gerais - 135 Hebreus Tiago 1 Pedro 2 Pedro 1 Joao 2 Joao 3 Joao Judas Profecia . 143 Apocalipse SSS aS IntRoDUCAO Quando nos encontramos em um lugar desconhecido, percebemos a necessidade de nos “orientarmos” — literalmente “voltar-nos para o oriente” — ou encontrar um ponto que nos sirva de referéncia. Quando estamos perdidos, uma orientagao correta pode ser o primeiro passo para encontrarmos 0 caminho de casa. Os cristos reconhecem a Biblia como 0 livro que mostra a um mundo perdido o caminho para Deus. Contudo este Unico volume é uma biblioteca completa — uma colecaia de 68 livros, escritos num periodo de 1600 anos. Com uma abrangéncia tao ampla, é possivel ficarmos desorientados com a prépria Biblia Foi pensando nessa possibilidade que idealizamos o material deste livro. Trata-se de um verdadeiro curso de orientacao biblica, que vai permitir que “nos voltemos para o oriente” desta vez, 0 Oriente Médio — em busca de uma referéncia para o estudo da Biblia. Ele vai nos aiudar a visualizar os cendrios das Escrituras com mapas e graficos, estabelecendo objetivos e temas, personagens principais, esquemas, ilustragdes e versiculos-chave — tudo para ajudar vocé a encontrar um ponto de apoio na vastiddo do Mundo de Deus. Este livro rene, em uma s6 fonte de pesquisa, o trabalho do artista grafico Hugh Claycombe, com larga experiéncia em representagdes em miniatura, tanto de grandes divisées, quanto de livros especificos da Biblia. Esta mistura de detalhamento, indices simplificados e dese- nhos histéricos tornam este guia de grande interesse para uma ampla gama de usuarios de diferentes grupos etarios e niveis de conhecimento da Biblia. O trabalho de Claycombe que apresentamos toi extraido de The NIV Study Bible. Muitas das informagdes sobre os cenarios @ os objetivos dos livros da Biblia poderéo ser guardados de meméria, uma vez que sdo apresentados de forma concisa. As cronologias simplificadas so muito Gteis para ajudar o estudante a relembrar como os personagens biblicos € seus escritos se relacionam com os demais acontecimentos da época. Muitas vezes & Uilicil estabelecer a data precisa em que muitos dos livros foram escritos, assim as cronologias se atém mais 4s datas aproximadas dos eventos do que 4 época em que o livro foi escrito. Esperamos que este livro de pesquisa do estudo da Biblia seja um guia Util na sua peregrina- 80 através do Mundo de Deus e o ajude a encontrar 0 caminho para Casa. A Faitora BRIMERO LVBO DE CRONICAS. 1010 4. 27046. A Bisuioteca po Antico TESTAMENTO A palavra “testamento” signitica vontade ou alianga. O termo “Antigo Testamento”, portan- to, refere-se antes de mais nada a alianca de Deus ou ao modo de Deus administrar sua Telago com a criacéo em geral e com o seu povo em particular. Mas com 0 tempo, passou a designar também os escritos sobre a Antiga Alianga, embora, rigorosamente falando, esses velhos livros sejam as Escrituras da Antiga Aliary As escrituras do Antigo Testamento registram a histéria do povo escolhido por Deus, Israel, e sua relaco de alianca com ele para, por seu intermédio, abencoar todas as demais nacdes. Livros da Lei J E sé oll alls alle|Sl| syle Bel eilslig S fla |] 3/2 1/6 Livros Histéricos Livros Poéticos 8 8 ai |e 3 sills 8 ali2 $6 3\ (8) (2112||8| (8 APE Be Sislie 8\|2)|5 21) 8) f2ii3l) 2) /Si) ol ls al}2|| Silo 2lig a} S| 3l/s]) 3] |S] 8] lel]. SUS Si/8 3/18] 121/21] 3 (£]| S| £} | Sl/s] 1318 £//3|/8\(= SiS] lel fz} | a] fe) |B parle fa] je | at $//S\lajfal/s Os Profetas Maiores @ 3 3 2)/ S| |3 Ells/|2}/a 8)/ 8] 2/13 |] 2 BS Eee Os Profetas Menores 3 8 2 8 @ 4 # 3|\8 5 so @lla| (2) c ct Sia teh z) eels (dl sii gi giz S|(S} je] |S Z/(E} (2) [2] (8) [2 6 [Neomias |} a ZReie | || 2Cronicas [-{ 1 Reis / — Provérbios || Céntico do antic { f DATA APROKIMADA EM QUE OCORREU CADA EVENTO RIRIICO {2 Samuat ‘Cronicas — [_saimos —|{" Ectesiastes | +4 Samuet Rute }| Juizes | jor] |_ Deuteronémio —Numeros pues _Exode vee DATAS DOS ACONTECIMENTOS 00 ANTIGO TESTAMENTO LIVROS DA LEI Deuteronémio Génesis Exodo Numeros = 3 4 Os cinco Livros da Lei so também chamados “o Pentateuco”, que significa “cinco volumes”. ‘Ao menos parte dessa antiga literatura foi escrita por Moisés (Lucas 24.27; Jodo 5.46). Esses livros descrevem a criaco do mundo, o chamado de Deus aos Hebreus, seu cativeiro e libertaco do Egito, as leis que as guiaram @ seu: caminho para a Terra Prometida; como Deus aben¢oou 0 povo quando eles Ihe foram obedientes e como os disciplinou quando the desohedeceram Datas dos acontecimentos 8 Génesis Génesis Livros da Lel = 2 € 5 Pale 3 8|| $i 8 2 =e} 2) 2 gl eelisila 8 \}d |] S|] 2/4 Objetivo/Tema: Génesis (que significa “o inicio”) registra a criagao do mundo e da nagao judaica. Versiculos-chave: “Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom” (1.31). “Disse o Senhor a Abrado: “Sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai e vai para a terra que te mostrarei; de ti farei uma grande nac&o, e te abengoarei... em ti seréo benditas todas as familias da terra.” (12.1-3) Personagens principai Ado e Eva; Noé; Abrado, Isaque e Jacé; José. Esboco: QA criagdo do mundo (Génesis 1, 2) 10 pecado no mundo (Génesis 3, 4) QNoé e 0 dilvio (Génesis 5-9) QA formac&o das nagées e das linguas (Genesis 10, 11) QA familia de Abrado: 0 povo de Deus e a terra prometida (Génesis 12-38) Q José: 0 povo de Deus a caminho do Egito (Génesis 39-50) Datas dos acontecimentos Génesis Quadro das na¢gdes core’ , Mle. Acarate, Descendentes de Noé (Gn 10): > Milhas 290 CAO. SEM. Jafé CUXE \ “Ry Kms. a 350 650 60 Terra de Abrado © Dota * Siquem Betel o ‘Salem ¢ _ Hebrom # Berseba © Gomorra ey, o Hard *Damasco 10 A viagem de Jacé Me oom tt Til Barsip S ‘Alaque * Al¢P° 2 ey vowel roy, ‘ es os XO destino de Jacé, ao fugir rq de seu irmao Esai, era a Q_ planicie dos rios Eufrates © << __Balique, chegando finalmen- 2) teAcasade seu tio mateo {(Labao), perto de Hara. =Damasco Ramote ‘A longa Jornada terminou ‘numa disputa com Labiio © ‘utra partida — desta vez em diego a Canaa. Sua rota também olevoua Alepo, en- tao para Damasco e Edrei entes de chogar a Peniel, no Fn. laboaqie Mihas ©2049 69 89190 Km O90 60 120 As Tribos de Israel Esposas de Abraéo w Peniel Q MSP? Fle e seus dependentes alcancaram a regio mont nhosa de Gileade antes que sua caravana fosse ata- cada por Labo. A alianca em Mispa foi celebrada sobre uma das colinas usadas mais Larde como fron- teira entre 08 territérios aramaico @ israclita Fle se detave em Sucote. entrou em Canaé e sequiu para Siquém, onde erigiu um altar para o Senhor. Esposas de Abraéo _Esat Patriarcas das aad bos Ge Iiael Esposas Raben Abraio ———— de Jaco Simeao REBECA Le SARA Jsaqu LIA Juda Issacar Jaco Zebulom lsrael) = A DINA + 0 nome de Jecé fai alterade simbolicamente para ler quando ele iutou com 0 visitante divino em Peniel, Como EEA 73) Gade Batrarea das 12 tibos, ele consighou seu nome 8.nova nagéo, Asor Ge. com frequéneia, ainda 6 pooticamente chamadta dn "aco" BILA Da ++ A tribe de Levi nso se mciu entre aquolas que recederam —_ (B0rva.de Raquel) Naftali occies de terra ands a conauiste de Canad (et. Gn 49.7). Em lugar disso, Mosés designou os levitas para se dedicarem a0 . focero0c'o|do povo de nrc! (Nin 3.14, 49). dosud os ro RAQUEL José compensou com 48 cidedes espalhadas pelo territério de Isra- Benjamin ft (Je 21.1-48}, Efraim Manassés ***José tomou-se o patriarca de duas tribos em israel, uma vez que Jacé adotou seus dois filhos Efraim @ Manassés, Exodo A Exopbo Livros da Lei = g = ell? 3 |) 3|/g elle} 5 || s ZV SSIES || 211 3 ils || a © |ja |] 3] 2 |] a 0 registro do Exodo (ou “partida”) dos judeus do cativeiro do Egito. Versiculos-chave: “Desci a fim de livré-lo da mao dos egipcios e pera fezé-lo subir daquela terre @ uma terra boa e ampla, terra que mana leite mel” (3.8) Personagens principais: Faraé; Moisés @ seu irmao, Ardo. Esboco: A escraviddo do povo de Deus (Exodo 1) 120 chamado de Moisés para ser o lider do povo de Deus (Exodo 2-4) (0 desafio do Farad para a libertacao do pova de Deus (Exodo 5-11) QA passagem do povo de Deus (Exodo 12,13) Q 0 éxodo do povo de Deus do Egito (Exodo 14-19) Q Uma lei 6 dada ao povo de Deus (Exodo 20-24) A constru¢&o do Taberndculo pelo povo de Deus (Exodo 25-40) Datas dos acontecimentos 1401 a.C. ane 9 GBS Exodo 12 CacenpArio vos Principals Eventos NUMERO DO MES NOME HEBRAICO —- EQUIVALENTE MODERNO = REFERENCIAS BIBLICAS = AGRICULTURA FESTAS: Vee 7 abil: Nisan waRaaR €:177.194,2348:3418, chwes tardas de vert, Péeora, Phos sens ee DIIS1 Ne2t E137 nicl da comet de cevaca pecs do inns 2 8 Dwar anranat wrest Colne da cova: nico da estado soca 3 @ Sian wavon nee Coheed wae Pontcocis (Semanae) 4 10 (lammunyt wun vue Cutvar a vio 5 ae WULAGO ‘racecar das pve, foe 8 acon 3 2 el AGOSET Nee 15 Processando was, gos e azetonas 7 1 8eaveno@ Ethanim (Tist ‘SET-OUT ARS 8.2 Primeiras chuvas de Outono ; arer a terra ‘Trombetas; Expiagao; al Tabernaculos (Tendas) a 2 Bul(MarcheshvanytOUT-NOW 1Rs 6.28 Semeaduradotigo eda ceveda 3 3 Kisley novinez Nein ze74 Icio das chivas de inven Hanokkah Dedieaot (nevada em algumas areas) i. 7 Teta F7-1AN Fata 7 = Shopat aa FeV Bei? oar FevMAR Errore ar Fiescineno dos ovendocias Porm Cie eiistz i921 cahete dos ats trons {este mes acicona ea (asar soy} sorwscentad aca tes Segundo Adar * Nomes em parénteses nao constam da Biblia ‘anos, para que 0 calendé: tio lunae covespondesse ‘20 calendério sola). Exodo O Exodo ‘As narrativas do &xodo e da conauista constituem odrama histérico e espiritual cléssico dos tempos do AT. AS occas subsequentes encaram esse pexfodo como de vivencia obediente e vitoriosa sob a orientacio diving Um exame mais apurado do ambiente e das circunstanc- 2s revelan também as érduas lutas, 0 pecado humano & 05 confltos sangrentos da época. Km Lagoerae saramo sistema de postos de fronteira egipcio, atravessa- Fam 0 Mar Vernal @ pee ‘atam no deserto. onde evi- taram 3s principais rotas m- ltares e de comercio que le- vavam através do Sinai, 20 norte. 0 *Caminbo do Mar”, ‘pouco utlizado, levava a uma remota regio de minaracdo da ‘wurquesa e do cobre, a noro- este do monte Sinai Em termos histéricos, 0 6xodo do Egito foi ignorado pelos scribes » histuriedores daquele pals. Nenhurn monumento importante menciona o fato, mas um monolito do Farad Memmepté (c. 1225 a. C.) registra que um povo chamado |srael fo encontrado pelas tropas egipcias ao norte de Canal £ problemético encontrar informacdes geogréticas @ cronols- lcas sobre esse periodo, mas novos dados tém surgido com estudio de diversas inserigfne n fragmenta aemuianlAgicns: Documentos cuneiformes dos hititas, por exemplo, asseme- Inamn-se @ antiga formula da alianea que selava 0 “contrato ddo pave" de lerael earn Deus na monte Sins ‘© fat da ra do Bronze {c. 1860-1200 a. C.) foi uma ép0ca de grandes migragBes de povos. O controle egipcio sobre o& seritas no delta noroeste do Nio era violento e cruel, com um sistema de cotas de confecc3o de tiolos imposta sobre a {orga de trabalho, em geral ec “Apiruc™, com terra a da claose social muito beixa. Diversas cidades caanitas foram vilenta- ‘mente destruldas, Novas populacées,incluindo os “povos do Mithas ° 22 ‘As twibos israelitas ultrapas 13 Mera -O8ss + Ramesés Coade oy ‘scsingaeto + Rota comerciais CANA asnoce /: of ge sbaquis 88 vEseK 10 - Oe tem Elm DESERTODO Sn %s oo fem Midi8, onde as autorida- ‘des egipcias no pudessem localiaélo. Ae décadae vivides “nas remotas Sinai regiées do deserto” foram ‘um importante periodo de DESERTO D0 SINAI foxmagao para a sua vida, Erodo 123 2 Devierondmio 34 12 “Resume. Nimeros 331-48} mar‘, marcaram pracanga na Anatélia, no Egite, ra Palestina, ne Transjordinia ¢ outres cidades ‘no MediterrSneo oriental. A correspondéncia entre os governantes das Cidades canaanitas e a corte egipcia no periodo 0 Aquenatom (¢. 1375 a, C.} revela ume frace estrutura de aliangas, com a presenca militar intermitente dos egipcios e a terrivel ameaca de um pove charade "habia" (Apiu") 14 O Tabernaculo Otucar: Exodo Sanisino que conte 2 rca da alana So coveoe quaaraocs (ea) ‘As novas ohservancias raligiosas transmitidas por Moisés no deserto, centravam-se em rituais ligados ‘0 taberndculo, e aumentaram aidéia de separagi Ue pureea @ unidade ny louver a Yahweh. Uns poucos santuérios foram encontrados no Sinai, ‘especialmente em Serabite el-Cademn, eem limna, no Neguove, « mostravam marcada influéncia egipcia, ‘Antecedentes culturais precisos de santuétios porta- teis carregados sobre varais e recobertos com tinas A Mobilia do Tabernaculo © simbotsmo da allanga redentora de Deus era preservado no ‘tabeméculo, onde cada objeto era uma lice para o adorador. Os cerdotes levitas, ineluindo alguns pom names # talvar trainamanta ‘egipcio, davam atengao meticulosa ‘808 fatos sobre o santuério. Are- construgéo da mobilio do tabernaculo $6 foi posstvel gracas As descriges extremamente detaha- {dae as medidas precisas registradas ‘om Exodo 25-40. $5 muito maie tarde 0 formato tradicional do candelabro péde ser arqueologicaanene compravado. ‘Armesa que recebia os pes da Propiciacao era feita de madeira recobarta com uma fina camada de our. Todos 0s objetos eram portéteis e possuiam argo- fas e varais para o transporte, pratica comum nas procissées rituais egipcias ainda no Antigo Império. (© Sania Lupa. com a mesa ge uo pata os (conna pee oa Provo (Ex 26 9). 0 cards lowe eo ater noanso camsrinarto 20 ebundos Tigi 10 cbvades do my a > Atardebrowe ‘camadas de ouro podem ser encontrados no antigo Egito em époces td ‘emotas quanto o Antigo império (2800-2250 a. C.), mas foram especi- ‘almente notdveis na 18° e na 19° dinastias (1570-1180 a. C.). Us me- Ihores exemplares no2 vém da tumbe de Tutanodmom, 0: 1260. Comparagéo entre os detalhes de construpao narrados om Exodo 25-40 ‘com as molduras, santusrios, varais, revestimentos, coberturas drapeadas, rosatae douradas @ figuras aladas que protegiam o santurio de Tutancimom so bastante instrutivas. O perfodo, a Idade do Bronze Tardia, 6 equivalente, de acordo com todos os sistemas de data, 20 perfodo mosaico e av Exodo, A area do Testemunho pode ser ‘compatada, grosso modo, com os santuérios contemporéneos e a mo- bila funoréria do rei Tutancémom (c.1350 a. C.) ave, juntamente com ‘0s marfins de Nimrud e da Semaria ‘de um period posterior, tém sido izadoe ne intorprotaese gréfioa dese texto, Ambas as fontes mos- tram a maneira convencional de re- tratar uma reveréncia extrema guards aladas pstadios frente a ARCA DA frente, em atitude de protegéo 20 ALIANGA lugar sagrado. ALTAR DE BRONZE ‘altar da oferta quoimada era de ma- deira revestida de bronze. As dimen- ‘des, cinco cévados quadrados etrés ‘cOvados de altura, corresponde as dos alteree encontrados na Arsde © na Berseba do periodo monérquico. Levitico 15 Levitico Os Livros da Lei 2 — & alellal eis eo] 2] 5 || § Elsi e|i sl] z O }lad |] S|} 2 |ia Objetivo/Tema: Assim chamado por causa de Levi, v chefe da tribo sacerdotal de Israel, este livro registra as diversas leis e rituais e o papel dos sacerdotes no sistema sacrificial dos judeus. Versiculo-chave: “Santificai-vos e sede santos, porque eu sou o Senhor, vosso Deus, Guardai os meus estatu- tos e cumpri-os. Eu sou o Senhor, que vos santifico.” (20.7,8) Personagens principais: O pove que Uazia as ufertas (o povo de Deus) e 0 povo que as oferecia em sacrificio (os sacerdotes). Esboco: Q Sacrificio e separago - Como pode uma pessoa impura aproximar-se de um Deus que 6 santo? (Levitico 1.1-6.7) Q O sacerdote - O sacerdote se dirigia a Deus com as preces e louvores do povo (Levitico 8-10) OQ Regras sobre a vida ia (Levitico 11-22) Q 0 Dia da Expiacao (Levitico 16) U As Festas (Levitico 23-25) Datas dos acontecimentos 1800 4. 1400 4-6, 16 Sacrificios do Antigo Testamento CLEMENTOS, Touro, cordeiro ou passaro macho (pombo para os pobrea); eonsumido totalmente; sem macula Levitico OBJETIVO Ato voluntario de adoragao, explagao pelos peuados nao- intencionais; expresso de devosdo. compromisso de total submissao @ Deus {6100 de oliva, incanea, pain ascada (bolos ou paes asmos), sal, sem fermento ou mel, acompanhado de fetta queimada e oferta pacifica, (com oferta de manjares) Ata voluntario de adoracgo: reco- nhecimento da divindade e da pro- visao de Deus; devocao @ Deus NOME REFERENCIA DOAT ‘OFERTA Lv 1,6.8-13;8.18-21 QUEIMADA = 15.24 orertaa Lea 6.14.29 DE GRAO Gréos, farinha fina, OFERTA Ly 3, 7.11-34 PACIFICA Qualquer animal sem macula de gado ou rebanno; variedade de paes ‘Ato voluntario de adoragae: agradecimento e ayau de gragas Gincluia uma rteicao em comuni- dade) OFERTAPELOS Lv 4.1-6.13: 6.24-30, PECADOS, 814-17; 16.322 1. Novilho: para o sumo sacerdote ea congregaao 2. Cabiito: para 0 lider 3. Cabra ou ovelha: para as pesso- ‘as comuns 4, Pombo: para o pobre ‘5. Um déeimo de ofa dc farinha fina: para os muito pobres Expiagdo obrigatéria por pecado specifica por ignorancia, cont ‘280 do pecado; pordao do pecs. do, purificagao das impurezas OFERTAPELA Lv5.14.6.7; 7.1.6 ‘CULPA Cordeiro ou ovetna ExpiagSe obrigatéria por pecado ‘ngo-intencional que reauer restit- (940; purificagdo das impurezas: fa- Zer arestituicao; pagar mulla de 20% Quando se apresentava mais de uma oferta (como em Nm 6.16.17). 0 procedimento era geraimente 0 seguinte: (1) sa- Crificio pelos pecados ou sacr- ficio pelas culpas, (2) oferta queimada, (3) ofertas pacificas @ ofertas de gros (conjunta- mente cor ofertas de manja- ros), Fsta saqiéncia enfatiza parte do significado do sistema sacrificial. Em primeiro lugar, tunna-se de expiar o pecado (ofer- ta pelos pecados ou oferta pelas culpas). A seguir, 0 ‘adorador” ‘comprometia-se totalmente com Deus (oreras yuennaues & ufer- tas de gros) Fm terceiro, pro- codia-se & ago de gragas € & comunhao entre o Senhor, 0 sa- cerdote e © adorador (oforta pa- cifica). Para colocar de outra for- ‘ma, havia sactificios de expiago (oferta pelos pecados ou oferta elas culpes), consagragses (ofer- tas queimadas e ofertas de gros) € comunhio (ofertas pacifices ~ que incluiam ofertas de promessas, ofer- tas ue ago de gragas ¢ ofertaa vo luntarias). Levitico Festas e outros dias santos do Antigo Testamento Nome REFERENCIAS NOT DAIAS NUAI EQUALENTE DESCRIGAD oBserivo REFERENCIAS NO NT ‘Sabauo Exmenswijwes hae ‘mesmo Dia de descaneo, sem vabatho Descanso para pessoas e aninais lea6 bisaa48 dpswarisaz claw. ‘Ano sabatico| 23.1041, 1v25 17 Tr ano omesme Ano dedascanso Descanso para a tora ‘Ano do jubew Ly 28855, 27.17.26, Nm 364 s0'eno——omesmo——_Cancelamento de divides: ‘Auda aos pots, estabzar Noeragae ae escravos, tras a sociedade ‘tavam pare seus dono otgnas Pascoa Bxi2 1-14, 238 emis MarAbr Mata a comee um eta, Lemeras a iberagso do 20.17; Mo 14.10 26 Nm 9.114; 2816; D116 1-30.47 (ani) 14 com eras amargas ovo do ato 0213. 1155,1 0057 (pies asmos, em cada casa woin2e Paes amos 1215.20, 193.10, 29, emis Marae Ingestao de pes asros Lembyar come 0 Sentor trou Me 14112: at125; 234.18, Lv 2868, New 28.17.25; (an 15.21 realzago de dversas reunites; os aaeltaa do Eglo i pressas, 100568 Dr 10.3, 4a.8 ‘expiagao oogatona Primicias wae emis Marae “Apresentar im malho com a8 Reconhecer@generoscade Rm 823 109 1520-23 (aon) 18 primiiss de primera coPeta, 80 Sector ‘movendo., fazer uma certs ‘Quem una certs de 808 ‘Semanas 28 16a; 34 22a, Lv 29.18.21, = ‘WabJun ‘Um festival debi, oenas Mostar alega e agraecimento ‘8121-4, 20.16, 100 16.8 Pentacoetos) Nm 2020-33, O18 612 Gian 6 orgatonase wauntinas. pela Dengaa do Senor @ canes (Colne) Iroluind ao primicgs do cotta do G0 Yrombetss (Mas v2825:29, Am 78.10 mes secou eunoem da dedescanso memo. Apreseniarisaeldiarie do Se tat en dandy fende com toques de trombetas © hur para tie sev fame ashanah — Ano hae Sates ‘Novo judeu) Dia ua Expo Lv; 29.208; NLT o ‘SeLOut Um dia de descanso, de jum e de Puriearos sacerdles eopovo dos sous RMS 2426, H 97. 103 (or Know) Thay steifcios para a exingdo pelos so- pruaiove puna Olay Sa wee Caedets pein pun» mepagan pa tabernzul e pele atar | | 7 Taberndciios 23 165, 34.228, 1v 2339-355, 3805, meg ——SePO ‘Uma semana decolebragdopelaco- Recorder a wagem do Egito para. Jo 727 (Cabanas) No 291294 Or'etoue ZEMIN Inala, permanecendo em tendas e Canad, agradecer pela fatura de slerecons sass Sanaa ul aa Sama convecapao Lv 23.260, Nm 20.5.38 Temes Setout Umaiade conocarao,descanso ese Celerapav do wncarameio do eco das panes alias festse Puce ~ei91ea2 ims Fev Mar ‘Um ds dealegia.festas etroca _—_-Recordar os lnraelas 9 salvacio (ida) 1415. se preseies ecinalnos das éarainna str Em25 de Kite (metade de dezemtxo) Hamukah, a festa da dediea¢o ou das hzes comemorava a pur ‘sayao vo wep € co ara no Periogo des WaCabeLe (184 8) Essa esta © mencionada em J030 10°22 18 Numeros Os Livros da Lei Exodo Levitico Numeros Deuteronémio Objetivo/Tema: Numeros Recebe esse nome por enumerar todo 0 povo de Israel e registra os 48 anos de caminhada pelo deserto antes de entrarem na Terra Prometida. Versiculo-chave: “Quando a nuvem se erguia de sobre a tenda, os filhos de Israel se punham em marcha; e, no lugar onde a nuvem parava, ai os filhos de Israel se acampavam.” (9.17) Personagens principais: Moisés, Arao, Josué, Calebe, Mirié e os sacerdotes Esboco: Os eventas do Livro dos Ntimerns se estendem por cerca de 40 anos. TA preparacdin nara a jornada (Nrimeros 1-10) Q A peregrinagao pelo deserto (Numeros 10-20) Q A jornada para Canaa (Numeros 21-36) Datas dos acontecimentos 4502.6 JOSUE, CALEBE 14001.0 MOISES, JOSE Nameros Acampamento das Tribos de Israel Nomeros 2.1-31:10.11-33 19 Os coatitas carre- | Os gersonitas | Os levitas, Naftali || Aser bar gma mohilia dn Jone maracas | _carragam a tadernaculo | carregamo arca tabemaculo Efcaim* dud Ds Efraim Rabon Juda Monassbs =) Issacar Aser ) Manassés\) = Simeso a Issacar Sa ‘TABERNACULO- Benjamin Zebulom| Naftali Benjani, Gade Zebulom Gade || Simeso|| Ruben*] — *Tribos lideres de cada grupo Ordem de marcha das tribos Cidades de refigio Numeros 35.6-34; Josué 20.1-9 A idéia de estabelecer cidades de reftigio (Js 20.1-9) para ofensas capitais tem sua ofi- gem na tensdo entre a lei tribal costumeira (retaliagéo ou vinganca, em que o sangue aparentado & obrigado a realizar a vinganca} © a lei da cidade fexeculada de maneira menos pessoal por uma assembitia, de acarde cam um cédigo-padréo de justica). Os feudos de sangue séo em geral associa- dos a grupos némades; os procedimentos legals, a vilas e cidades. Israel, uma socie- dade em processo de sedentarizacéy, julya necessério adotar um cstégio intermediério para regulamentar o homicidio, para que um inocente no seja executado antes de passar por um julgamento. A absolvigao s6 era possivel se realizada pela assembléia de sua cidade natal, e pela morte do sumo sacerdo- te, que liberlava 0 pecador da marcha ritual, y Quedes Aco Dor* Bete-San * «Gola -Ramote Peniel + Bezer Hesbom As seis cida- des de refigio ‘aparecem em destaque. 20 Deuteronédmio DEUTERONOMIO Os Livros da Lei Deuteronémio |¢ Génesis Exodo. Levitico Nameros Objetivo/Tema: O termo “Deuterendémio” refere se 4 segunda apresentagdo da Lei de Moisés. 0 livro relata ainda parte da historia dos judeus e registra alguns dos grandes discursos de Moisés. Versiculo-chave: “... que te propus a vida e a morte, a béngao e a maldicao; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendéncia.” (Dt 30.19) Personagens principais: Moisés, Josué Esboco: Q O primeiro discurso de Moisés ao povo “que olha para tras” (Deuterondmio 1-4) QO segundo discurso de Moisés ao povo “que olha para cima” (Deuteronémio 5-26) Q O terceiro discurso de Moisés para o povo que “olha para fora” (Deuteronémio 27-33) Q A morte de Moisés (Deuteronémio 34) Datas dos acontecimentos LAZ5 AC. Deuteronémio 21 Principais preocupacées sociais na Alianca 1, Individuatidade Toda pessoa deve ser protegida (Ex 20.13; Dt 8.17; Ex 21,16-21, 26-31; Lv 19.14; Dt 24.7; 27.18). 2. Falsa Acusagao Toda pessoa deve ser preservada contra a caltnia @ falsas acusagdes (Ex 20.1 Di 5.20; Ex 23.1-3; Lv 19.16; Dt 19.15- 21) 3. Mulheres Nao se tiraré vantagem de nenhuma mu- lher por seu estatus inferior na sociedade (Ex 21.7-11, 20, 26-32; 22.16,17; Dt 21, 10-14; 22.13-30; 24.1-5). 4. Punigio ‘A puniggo de més agdes néo deve ser excessiva a ponto de degradar 0 culpado (Dt 25.1-5). 5. Dignidade A dignidade e 0 direito de todo israelita de ser um homem livre e servo de Deus devem ser respeitados e assegurados (Ex 21.2,5-6; Lv 25; Dt 15.12-18) 6. Heranca A heranga de todo israelita na terra pro- metida deve ser assegurada (Lv 25; Nm 278-7; 36.1-9: Dt 25.5-1 0). 7. Propriedade A propriedade de todo individuo Ihe serd assegurada (Ex 20.15; Dt 5.19; Ex 21.33-36,1 22.1-15; 23.45; Lv 19.35-36; Dt 22.1-4; 25.13-15). 8. Fruto do Trabalho Todo individuo deve receber o fruto do seu trabalho (Lv 19.13; Dt 24.14; 25.4). 9. Fruto da Terra Todo individuo deve partilhar do fruto da terra (Ex 23. 10-11; Lv 19.9-10; 23.22; 25.3-55; Dt 14.28-29; 24.19-21). 10. Descanso do Sabado lodos, do mais humilde servo, ao estran- geiro residente, devern partilhar do descan- So Semanal do Sabado do Senhor (Ex 20.8-11; Dt 5.12-19; Ex 23.12). 11, Casamento © casamento deve permanecer inviolével (x 20.14; Dt 5.18; ver também Lv 18.6- 23; 20.10-21; Dt 22.13-30). 12, Exploragéo Ninguém, nao importa se incapacitado, pobre ou fraco, deve ser oprimido ou ex- plorado (Ex 22.21-27; Lv 19.14,33-34; 25.35-36; Dt 29.19; 24.6,12-15,17; 27.18). 13. Julgamento Justo Todo individuo deve ter livre acesso as cor- toe do justiga © deve receber um julgamen to justo (Ex 23.6,8; Lv 19.15; Dt 1.17; 10. 17-18; 16.18-20; 17.8-13; 19.15-21). 14. Ordem Social lugar dado por Deus a cada pessoa den- tro da ordem social deve ser respeitado (Fx 20.19; Dt 5.16; Ex 21.15,17; 22.28; Lv 19.3,32; 20.9; Dt 17.8-13; 21.15-21; 27.16). 15. Lei Ninguém deve estar acima da lei. nem mesmo o rei (Dt 17.18-20). 16. Animais A preocupacao com o bem-estar das cria- turas deve se estender ao mundo animal (Ex 23.5, 11; Lv 25.7; Dt 22.4,6-7; 25.4). 22 Os Livros Historicos sls 8 3112 Ig — S| al Ss ° 2 lellel) Sie Fea aes $113) ofS 5 Sse sls SSIS EN PIEIS ESTE Sie 5 ]|5 flac |] |e lo oo hs | Nhat Deus conduziu seu povo a uma nova terra. Ele 0 ajudou a derrotar seus inimigos e designou reis para governé-lo. As vezes 0 povo se lembrava de Deus e de suas leis. Em geral, fazia 0 que bem entendia, envolvendo-se em contlitos. A nacao acabou dividindo-se ao meio e ambas as partes se deixaram influenciar por seus inimigos. E entdo 0 povo recebeu a promessa de Deus de restaurar a nagao e the enviar 0 maior Rei de todos os tempos. Datas dos acontecimentos TEPUGALEM Sees. cot eo I 3} falls] |llé ° al |g a) |S} |S ° 2 s| jE 8) fa} je £138 5 Bl |e 2|/5 g “| |e =] [3 7 BE Primeiro Livro de Crénicas. [Segundo Livro] Josué 23 Josué Os Livros Histéricos ss 8 3ls|| || | En Ele iisis aay eye|s|s ellgiel/Silel sll al|z eee /2l evl2| sll aleigls SHS fz fe lselaie la alee Registrar a conquista pelos judeus da terra de Canad, sob [0 governo de] Josué, sucessor de Muisés, & descrever os limites das Uibus a nova terra, Versiculo-chave: “Escolhei, hoje, a quem sirvais|. Eu e a minha casa serviremos ao Senhor.” (24.15) Personagens principais: Josué,Raabe Esboco: OD A mobilizacdo do exército (Josué 1, 2) Q Acampanha do centro (Josué 1 0) Q A marcha adiante (Josué 3-5) Q A campanha do norte (Josué 1 1} Q A queda de Jericé (Josué 6) Q Os reis derrotados (Josué 12) Q A campanha de Ai (Josué 7, 8) Q A diviso da terra (Josué 13-22) Q A campanha do sul (Josué 9) O A despedida e morte de Josué (Josué 23, 24) Datas dos acontecimentos — RAABE B75 AL. 24 A Conquista de Canad Josué AL. a catannia Do wonre a dou do Bore Ta, Hagen fo inceniad por Josue (511.13). AS ‘escavag6ee revelaram wes camades {8 desinicso slaramenta datéves luma das quas pose fomecer ands ‘hoe 0 Indios mols fortes pare ume ‘data hstericamente comprovével de ‘congas (0 autor da escavepdo acrecta que 0 Incindio de Josus eorresponce 20 vel aie rscante 6.123020), en ‘Quanto outros sfirmam que Conespenider oo tals angor Jo bs rivals, 1400.6. Pamasco- CAMPANHA! 0 NORTE Aguas de» Merom // Mar sit IMegidé, San frasrequs .ibieain Dots Me. éba. & (05 midianistas para consolider seu controle sobre a reaido da Translorsini, ' ‘A conquista de Canad seguiu um curso que, em retospecto, parece te sido : planejado por um brihante estrategiet. A tomada do Jeticé dou a lerael © Hl controle de planicies, reas de romanso o estradas estratégicas como base de t | eperagoes. Mais tarde, ao assum o controle sobre Bete, GIDeOM © 479180 GO i | alo Beth Horom, Israel passou a dominar 0 centio da cordiheira norte sul | palestina. Em seguida, sae! subjugou os centres urbanos alados em cempanhas / distintas 20 norte © #0 si + Berseba 2. campasain cenrma A dostuiedo, tanto de Joie’ quanto do Ai lvou 8 grande \itdia sobre os canaaritas ne vale de Aijatom -a bata ‘dolongo aia" que perm 2 Josue prosseguir em ateque bs cidadas nas colnae cexdenta. Os indicios arqueol6gicos de conquista #80 confuses, fam pacta peeeia om peohiaman eranalégions nia foram solicionados. For outro lado, tSbuas de argla contendo Betel, ito Bete-/ i + Horom 7 NN ‘Gibeao { + Quiriate-Jearim ( + Bote-Somes Baixo Bete- VALE Do Avatom" ro noe Eglom- foram oncortrados em Tell aAmama,no Eat, las rmencicnam hordas de Habicu que amneegavam mutes Gas cidades da Palestina « cravam trror entre oF habitantes de CanaB. Por outro lado, numerosas Eades foram destuldas wn &. 1230 c., por assaltantes desconhecides, tides come os “paves dc Mer’, mas que possivelmente chiar os isractas. A ‘rondloga bbica. baseads am 1 Rs 6.1 parece exo rio, por volta do sBeulo XV 3. a cammanna vo sur Lani: ai Lina Ele Manse ue dade a rosin + Mebrom ges de Bete Samos o Azoca, ca localzacdo exata é dascormecds) - Texans captures por Jost wh sma ace re tere abe , coins, contolande as vias de acesso ae planato de Jud. Dversas y dessas cidades, mais notadamonte Laqus, contim evidéncias do Debir destruleSo ave ode estar relaconadas com a conavista dos israeltas, mas quanto.aJericé a As, os ndeios nO 580 laos. Juizes 25 - zlelelelsle Boa | 2 Hee 1516 ellglelglle|s|| lg ellel| SVESIETSIElelel. aE tell2] al Ef ale|stalale Objetivo/tema: FIFE EFI Depois de chegar a Canad, muitos judeus tornaram-se desobedientes a Deus. 0 livro dos juizes mostra como Deus suscitou lideres para chamé-los de volta & fidelidade e prosseguir a conquista da terra prometida. Versiculos-chave: “Quando o Senhor thes suscitava juizes, era com 0 juiz. e os livrava da mao dos seus inimigos [...] Sucedia, porém, que, falecendo 0 juiz, reincidiam e se tornavam piores do que seus pais.” (2.18,19) Os juizes. Os juizes principais foram Débora, Gidedo, Sansao e (no Primeiro Livro de Samuel) Samuel. U Os israelitas nao possuem toda a terra (Juizes 1, 2) U Deus envia juizes (Juizes 3-16) * Otniel e Eude (Juizes 3) « A fraqueza de Abimeleque (Juizes 9) * Débora (Julzes 4, 5) « Jefté (Julzes 10-12) * Gidedo (Juizes 6-8) * Sansdio (Juizes 13-16) Q Os israelitas ndo perseveram nas leis de Deus (Juizes 17-21) Datas dos acontecimentos (B75 2.6. 26 Juizes As Cinco Cidades dos Filisteus 7 Jona (Como um colar de peroias suntuosas ao longo aa costa meanerranes, as Cinco cidades dos flisteus compreendem uma ltania de nomes blolicos bastante familares: Gaze, Ascalom, Asdode, Ecrom @ Gate. Cada uma EEll ool sfalelelals ellSiel]Siiell$|| ol2 a siellelsietaielstel sis Shee lelelale la leyeia © registro da historia de Israel a partir do nascimento de Samuel, o Ultimo juiz, até.a morte de Saul, o primeiro rei, ¢ @ uncao de seu sucessor, Davi. “.. Teremos um rei sobre nés. Para que sejamos também como todas as nacées; 0 nosso rei poderé governar-nos, sair adiante de nés e fazer as nossas guerras.” (8.19,20) principais: Eli, Samuel, Saul, Davi Esboco: Samuel - O ultimo dos juizes (1 Samuel 1-8) Q Saul - O primeiro rei de Israel (1 Samuel 9-15) Q Davi - Um novo rei escoihido (1 Samuel 16-31) Datas dos acontecimentos MORTE DE SAUL 30 1 Samuel 2 . . Nove outros tilhos de Davi sao A Grvore genealégica de Davi els listados em 1Cr 36-8 ‘Abinadabe Siméia Natanaet [Espasa de Davi Radai Mical (filha de Saul) Ozém AINOA Amnom ABIGAIL Quileade Rute Boaz MAACA _ Absalfio \ TAMAR Jessé —— ™. HAGITE J.) Adonias S— pavi —— all ABITAL Sefatias EGLA ttreao BATE-SEBA ~— Salomao (mais trés outros filhos) ZERUIA Jessé—Homem BATE-SEBA - Mulher TAMAR — Denota ancestralidade e linhagem de sangue de Davi ~~ ABIGAIL \ Abisai Joabe Asael 1 Samuel 31 As Faganhas de Davi Milhas 2,5 9 10 km 1080 10 ‘Davise une aos fitsteus para atacar os Israelitas mas & rochagade, Viagens * Viagens apés a morte de aul As flechas indicarn a direglo @ a se- quencia des vagens mas no pre- tandem defini eetadse espoctions, {ue sBo em geral desconhecidas.. 2a Jebus 4 Verusalém Bolém Mar Morto en-seal Davi poupa a vida dese > GESURITAS. ato GIRZITAS: oes Li AMALEQUITAS 17 3 Davi, 0 Fugitivo <<, Gibea j 18m 1827 oan Sat © 7 vavieeine ism isa caw 8 tan aos fseus | = | * 1 : Asdode gg * (N Nobe FLORESTA ” aes pewerere 3, 2 4 DESERTO f Deze VALE DE ELA “Maon Davi mata Goliae, DEEERTO samiraest f Be NAON Mar Neto NN | As Setas Indicam a sequéncia das viagens mas no ~ pretender espeniicar as estada, em poral sco. teense \ ° dua [Mihas? 10s sate tant chamo- wanes 9 eB Eeporsops om 2234 Km 0 10 2 30 da Jerusalem Km o 2 EDOM 32 2 Samuel ls g 3/8 g eV sleitsisis Bla 2 fee 15110 ells|ielislelsil ols roll all Si SsiSie|Siisiell.. a/els |g ste lStsiale Sls }e lla aye Pele Registrar a historia de Israel sob o governo do Rei Davi, a quem Deus chamou para ser a origem de uma dinastia eterna e que culminou com o Messias. “Quando teus dias se cumprirem e descansares com teus pais, entao farei levantar depois de ti 0 teu descendente, que procedera de ti, e estabelecerei seu reino. Este edificaraé uma casa ao meu nome, e eu estabelecerei para sempre o trono do seu reino.” (7.12,13) Davi, Is-Bosete, Abner, Mefibosete, Urias, Bate-Seba, Nata, Joabe, Amnom, Absalao Esboco: QA ascens&o de Davi — rei e aovernador (2 Samuel 1 -10) QA queda de Davi - pecado e problemas (2 Samuel 11-20) 0 Os Ultimos dias de Davi — problernas na familia e no reinado de Davi (2 Samuel 21-24) 2 Samuel 1, A cidade dos Jebuseus e 2. A Jerusalém de Davi Provas histéricas substanciais, quer biblicas quer no, localizam o templo de Herodes (e antes dele o templo de Zorobabel ¢ 0 de Salmo) no lugar santo onde o rei Davi construiu um altar ao Senhor. Davi comprara aquela terra de Aratina,o jebuseu, que usava 0 leito de pedra ¢. 1000a.C. ‘Medindo apenas 12 acres, Jebus, uma cidade canaanita, estava bem protegida de ataques, com murathas que se erguiam sobre gargantas escarpadas © escavacées que atingiam fontes subterréneas de égue. Davi ccapturou a fortaleza em c. 1000 .C.,¢ transformou-a em capital do seu reino. 33 como eira (25m 24.18-25), A tradigo atribui uma santidade ainda mais antiga 20 lugar, associando-o com 0 altar de Abraio no monte Morié (Gn 22.1-19). 0 autor do Génesis eauipara o Morié ao "Monte do Senhor” outros santuarios do AT originaram-se de altares eregidos or Abraao. Jerusalém ¢ vista do alto e em perspectiva, portanto, as muralhas possuem formas diferentes daquolas apresentadas em planta baixa, nos mapas. 0s limites das muralhas foram detenninades por evidéncias arqueoldaicas: as construcoes ‘Go de conceprao do artista, © Hugh Claycombe 1982 Para referéncias mais detalhadas sobre o desenvolvimento de Jerusalém ver: pag. 38, A Jerusalém de Saloméo; pag. 51, Jerusalém na época do Retomo do Exilio; pag. 71, Jerusalém no periodo dos Profetas. 2 Samuel 5.6-10 Davi conquista Jorusalém 0 rei e seus homens marcharam para Jeru- salém para atacar os jebuseus, que ali vi am. Os jebuseus disseram a Davi: “Nao en- trarés aqui, porque os cegos e os coxos te repelirao”. “Ele néo poderé entrar aqui”, pensaram eles. Entretanto, Davi capturou a fortaleza de Sido, [que se tornou] a Cida- de de Davi. Naquele dia, Davi disse: “Aquele que dese- jar conquistar os jebuseus tera de subir pe- los canais de 4gua para atingir os cegos e COXos que sao inimigos de Davi”. E por isso que se diz: “Nem cego nem coxo entraré no palacio”. O rei entao estabeleceu residéncia na forta- leza e the chamou a Cidade de Davi. Edificou a area ao redor, partindo dos terracos de sustentagao, e tornou-se mais e mais pode- Toso, pois 0 Senhor Todo-poderoso estava com ele. AMONITAS: FAmnom, MOABITAS. AMALEQUITAS EDOMITAS 2 Samuel Milhas 0 29 40-60 00100 we? Zo 40 60 80 100 120 140 Depois de se tornar rei de toda Israel (25m 5.1-51, Davi 1. Conquistou a cidadela dos jebuseus chamada Sigal Jerusalém e tornou-a sua cidade real. {25m 6.6-10); 2. Recebeu o reconhecimento e garantia de amizade de Hirdo, rei dos fenicios (25m 5.11-12);, 3. _Derrotou definitivamente os filisteus. destruindo seu controle sobre o territ6rio israelitae eliminando a ameaca contra Israel (25m 5.17-25; 8.1); 4. Derrotou os moabitas ¢ impés a eles sua auluridade (2518.2), 5, Atrasou os reinos aramaicos de Hadadezer (ei de Zubd), Damasuu ¢ Meaca © us obrigou a pagar tributo (28m 8.3-8; 10.6-19). Talmai, 0 arameu, rei de Gesur, aparentemente fez as pazes ‘com Davi, enquanto este reinava em Hebrom, ¢ selou com ele alianca, dando-the sua tilha em casamento (25m 3.3; ver 1 Cr2.23); 6. Submeteu Edom e incorporou-a ao seu império (26m 0.19-14); 7. __ Derrotou os amonitas e os rouxe sob sujeigdo (28m 12.19 31); 8. Subjugou as demais cidades canaanitas que anteriormente haviam ce mantido livres @ hostis em relagao a Israel, como Bete-Sita (Bete-Sea), Mecido, Taanaque @ Dor. “Tendo Davi anteriormente derrotado os armalequitas, (1Sm 30.17), suas guerras completaram a conquista iniciada por Josué e reforcaram todas as fronteiras de Israel. Seu império (considerando-se Israel @ os reinos subjugados) se estendiam de Eziom-Geber, na margert oriental do Mar Verrnetho até 0 rio Eufrates. 1 Reis 35 Os Livros Historicos = sisi | gig EV El elisiisis aa | 2215/6 ellclsllelsll lle Lo || @ SISVENSHEl sl ell. aheleilell SEV SelSisisls peda aaa lesaltcaltealed re eng O Primeiro Livro dos Reis recorda a gléria da nagao judaica durante o reinado de Salomao, e a tragica divisio do reino em Israel, no norte, e Juda, no sul. £ tamhém o perindo am que surgem os profetas como uma poderosa forca religiosa. Versiculo-chave: “Coragem, pois, e sé homem! Guarda os preceitos do Senhor, teu Deus, para andares nos seus caminhos, para guardares os seus estatutos [...) para que prosperes em tudo quanto fizeres e por onde quer que fores.” (1 Rs 2.2,3) Davi, Salom&o, Robodo, Nata, Jerobodo, Acabe, Jezabel, Elias, Eliseu. OO reinado de Salomao (1 Reis 1 -10) QA morte de Salom&o e a divisdo do reino (1 Reis 11-16) 0 rei Acabe e sua esposa Jezabel introduzem a adoracao a Baal (1 Reis 16) 0 profeta Elias derrota os profetas de Baal (1 Reis 17,18) UW Acabe age com maldade (1 Reis 19-22) Datas dos acontecimentos —vzvecea —aerce nod eee esse esse et 78026, 92006 Abt ACAGE 10” EZABEL ELIAS ELAS ELISEU = ACABE 36 O templo.de Salomao 960-586 a.C. A origem dos materiais do temple depende de interpetacio académica e, portanto, a reconstrugao ‘anistica pode apresentar variagfies, camara a © templo de Salomao, localizado ao lado do palicio do rei, fun cionava como palécio real de Deus e centro nacional de adoracdo de Israel. © Senhor disse a Saloméo: “Santifiquei a casa que ‘eaiticaste, a tim de por ah o meu nome para sempre; os meus ‘olhoe @ 0 mou coracdo estardo ali todos 06 dias” {1 Re 9.3). Por ‘sua simbologia real e cosmoldgica, 0 santuério testemunha a ‘absoluta soberania de Deus sobre toda a criacio e sua especial autorivaue sobre Ise. AA planta baixa é um padrio que possui uma longe histéria na religio semitica, particularmente entre os semnitas orientass. Um antigo exemple da divieso tripartite om “ilam, hekal e debir fodr- tico, patio principal e santuéro) foi encontrado na Ebla siia (c. SS Se: 1 Reis Esta reconetrucio admite influéncias do tabernéculo do deserto, aceita a difusdo cultural do Orivite Proximo » rejeita os -imholns eanaanitas, notoriamen- te pagios. Vale-se de paralelos ‘arqueologicos para compiemen- tar ac informagées do texto o a ‘sume as dimensdes interiores estabelecidas em 1 Rs 6.17-20. 18 938 Suna yar (90 cbrados ea. tua} com mesas recberas decuro camo ao da Pood. Sedo" cancelatos de ours © Bardo noeree| 2900 #.C.} , muito mais tarde, mes contemporancamente 2 Saloméo, em Tell Tainate, na bacia do Orontes (c. 900 @.C.) ‘Como 0 templo de Salomao, este utimo possul tes divisbes, presenta duas colunas que sustentam a entrada e estélocaiizado 20 lado do palécio real Mulls patalotoniue aqueokigicos podem ser tragedos quanto ‘20s métodos de construcdo usados neste templo, como a “pedra € viga de cedro” técnica descrita em 1Rs 6.36. interessante notar ainda que as evidencias de uma industria de fundicao do bronze {8 encontradas na Palestina vam do mesmo local e period indica do nas Escrituras: Zareta, no vale do Jordio, c. 1000 a.C. A Mobilia do Templo Poaemes ter uma Idela dos ricos omamentos do templo de Saloméo aracas a recentes descober- tas que esclaracem 0 texto de 1 As 6-7. BACIAS MOVEIS DE BRONZE Um paralelo muito oxéximo acs tanques portéteis com red2s utiizados no patio do templo surgram de escava- (Oe nyseetigives eit Cliyne, Eola reprosentayah Fristure elementos do texto bibico com as provas arqueot6gicas. ‘MESA Dos PAES DA PROPOSIGAO Um aitar de incenso feito de pedra, tendo quatro chitres ro aantoe, fo encontrado em Magido. Be noe dé uma clare fla do formato do ater de incenso Teo de oUo que havia no templo. -A'mesa para os pies da proposi¢éo tambo aen enechertn don, Dez candelabros ficavam dentro do tempo, cinco 4, e cada lado do santuério (1 Rs 7.43), aos quals Dota, de pecas em bronze encontradas em escavasdes Querubins alados protegendo o ugar sagraao sao comprovacs peta arte aaiocia e fenicia, ARCA DA ALIANGA juntavam-ee dez moeas (2Cr 4.8). Lampadas Tiuais de sete dobras foram encontradas em diversas partes da Palestina, inckindo Hazor € 10 suporte da lAmpacta fal dasanhade a pact ‘em megico, CANDELABRIO INCENSO 4 Reis Governantes de Israel e de Juda EVENTOS F nATAS FMM ‘ORDEM CRONOLOGICA, 1 ARS 121-24, Rabodo (use) 2.1R5 1225-1820 Jorap040 se) 31S 181-5 Abies (uc) ARS16928 Asa cua) 5 1R8 192501 Navabe (sas) 2 4RS1532-467 Baase fee Pang seos4 Ci treet 2. 4Ro161620 Zu (rae) 9 sRe1s.2122 Tirso 10 1Re 1823.28 On (ero) 1 aks 16.2822 «0 Acabe (se 12 1Re 7241-50 Josats (08) 13. 1Rs 2251 —Acanias (ral RS 116 1a.2R8 117 dorde (srt) ‘ake 4 848 15 2Re8 1821 — Jeorde (ud) 16 2Rs 82529 Acazias (ud) 2h 0.28 17-2 920-106 Joa farsa ta. 2Re 1s ‘lata (ua) 19 aps 12 ose (ude) 70 2Rs1219 —Jeonens Care) 94 REA INI Joos fers) 16" oe Jeraboa0 20" oe Jess Perea ode Asa 20" dese 2M cease 2M ecsa si ee Ass sae Asa 60 Acabe 17° de Josata ‘6 seoto 16 do Josats edo sorte 12 ceorto yee s0180 Te Je S40 Jost Panos 3 anes. Pins anos Zanes 2 anes, “0.08 Simitince Ore Foto repo pove Simuttineo a Ti rein ofa 1 anes nice do reinado sata teinago otal: 21 anos covegencie com Asa roinago ofa lee do rina slits eve deordo coe regenie reinado ofc 1 ano deranaso roinode ofa 11 anc ni. de reinado sitio ‘enado oteal 7 anos Incuinéo 0 a0 a ascensio do Jerso Nao nelund @ ne ‘escenabo e Jerbo s30913 ssu909 913910 ‘1089 ‘909-308 00-098 05 205.200 295 185.800 285874 20 a74389 ere 27.848 269, 252-048 353.482 282 acne Bat ey aaa 241 296 135-706 our98 mere 22 2 2 ar a 2 3 3 38. 40 PRS 141-22 Amani (ud) 2R81420:29 Jerabode I (eel) DRS 181) Azania (1080) 2s 15812 Zacaras (sree) 2RS 151315 Salam (vom) 2h 1910.22 — Meson (ra) 2RS 1525-25 Pecalas 00) 2R6 1527-31 Poca (eae) 2R6 1592.98 Jott (Jud) 2s 1530, 28516 ‘cat (lua) 281690 Ostlas (ara DRE IA 1-001 Fela (td) 2RS21 1-18 Manassés (ud) 2R82119:25 Amom (Judd) 25 22.1-73:30 Josies (dé) 2Rs 233133 Jeoacar (Jud) 2Rs 23.34-247 Jeoaquim (Jud) 2824817 Joaquim (use) 2Rs 24 16-26 26 Zedequlas (Jud) 20 tease 19° de Amanas 208 serocoaa 38° ae Azaras 39" ue Acris 39" Ue Acie 50" de Azaias eae peca 7 wove Pee 2 n Oxdae 2Banos 4s anes seanos. meses ts 2 068 2080s Banos ean 55.anes 2anes ‘anes 3 meses 3 meses Hance Simutineo cor Azaris coregincia com Jeods ‘nado oi! ‘ni rsnado soto Senutneo com Amazias eenaco tit ‘8160 00 renaco sone oven en Samar enGieace anos de sobrapoecae enge9 1 covrogtnca com Azariat ‘esata oteal reinos até seu 2° anc nico da eovegenea reaco 20° ata 20°30 doo covepéncia com Ezequis reac oil 37 16-167 72-767 7s9-782 733.783 702 rs2767 ra-140 183 182 ranr40 792.740 12732 790735 70-792 neris 8 neris 702 rar seas 97-686 807-642 642.640 640.609 609 609.898 508-597 507-586 + Eases dados se apcesentar quando oreinaco de Oseas 6 depos 12 acs ales de sua posi histoca Nemes em taico — rere de Jud, Nemes em po e¢0100 — es a 17a ‘Atpiado a A Chrono bu Hebrew Kings by Eur R. Theke © 1977 by The Zande Compra to com permissio 38 1 Reis 950 a.C. ‘Salomao expandiuia cidade em direcdo ao norte e ali construiu um templo magnifico. Sua residéncia wal ficavanas proximidades; mas sua arauitetura e localizacdo so desconhecidas. Jessi 6 stad allo om perspactva, portant, ahs poxouer formas derrtes desu: soreentedos em planta baa, nes mapas, Osliites das ales teamstarmnadss por ev oereas erqueloge ‘as, a8 consign ao de consepo do rita. © Hugh Claycombe 1982 Para referincias mais detahadas sobre 0 desenvolvimento de Jorusaiém ver: pg. 33, 1. A cidade dos Jebuseus ¢ 2. A Jerusalém de Devi pag. 51, Jerusalém na epoca do Retorno do Exilo: pig. 71, Jerusalém no periodo dos Protetas Eliseu tes 988 Sidom XM ni y Damasco Eis ae Moms J oeserro oe Carmelo 2 Tro DAMASCO Suném para Abiagre da hotfa da éleo da viva rersusctar uma 9 Bliseu @ seu serve ungiram Azael o Depois de triunfer no Carmelo. belay alhiagiin Jet. completando Elias ordenou a0 povo que Bes fans ien ‘3 missdo de Elias dizimasse os profetes de Baal. Sarepta. em Horebe, Aloe Na vinta de ich suném $(~ — Ramote-Gleade quece Ramote- baign-inshni nt sane ; decree 3 Eliseu, como Elias, esree! Deus defrontou-se Vieko dae i restizou milograe « — bord A ig! eu ‘caruagens” Dota- Aber} foi chamado de “as ‘Tate Md? Por desta ce fogo Moots carragens 9 04 swe g) Avida de Elias Ries fea ete Gitgat 8, " Tae antes das betalhas. wncs\"( —@ de Eliseu jee? cage Un tapes esos set. \ Atomaba marl cone ohana, meas m9 pee Seeders Famrewaus pat cones tongues Han eecncaver ne ep we tae | 7 cureda Israel prevaleceu. culminou no expurgo sangrento dos orofetas de B20, Emestveito ; Naseido nas (owt, Ravina ‘inkagen de cabo fr poste ou promaga as Mas Masse ee ay eames a Guetta ‘olormen More dexepa monary tore ord, 0 prota ‘ecebeu onto pa ‘Angura sustra de Blas vorou-se o winks do profor freauentava os ‘ngtumarea geragio Mar ta ideal am tsrael, Jesus cumpriu 40 dias @ noites de Arad ‘Quir ou santuarios do Mte. elms polticose MOMo jeium no deserto, como fora Blas; mutes acedita Moape Carmelo v wm ‘ios Shae Jin ooe menses nn Re Giga. Cots, uma ‘here Sa, ne #2) tote) Elser tabi torouse um ay prospers edad do Berseba Imogen pare os profes. O mize ue des de ae MO Re ego Space, ero Inertar os § mf simie #0 de Ese, de smote provevelmente seu 100 pessoas com pouse mais de 20 pies local de residéncia, 1 Reis O Reino Dividido 930-586 a.C. A divisao do reino de Salomao se deveu a causas geogrificas © politicas, cujas raizes remontam as rivalidades entre as tribos. Israel estava mals proxima das cidades fenicias ede importantes rotas de ‘comércio do que Jud, cuja regio central era um. planalto mais elevado do que o dietrito ac redor de Samaria. Braco leste do Mar Vermettio 39 wee» @ ‘As guerras aramaicas foram contendas fe- rozes e desirutivas entre os reinos de Da- ‘masco 6 lerael durante a maior parte do culo IX a.C. Essas guerras chamadas ‘aramaico-efrairistastiveram fim com as con quistas de Jerobodo Ile urna era de grate ‘prosneridada para Israel ‘As campanhas de Tiglate-Pileser Ill, da Aasiria, foram oxtremamente destrutivas, sequindo um famoso padréo de cerco mi tar. Por volta de 732 a.C., oreino do norte Torou-se tributério dos asstios. A captura fina e destruigo da Samaria ocor- eu em 722/721 a.C., depois de um cerco prolongado. Os habitantes que sobrevive- ram foram exilados para reqides distantes do império assirio € novos colonizadores foram trazidos para Samaria. A fronteira benjamita foi ponte de confite entre Judé ¢ israel em sua historia mais ar ‘Depois de uma batalha entre Asa 2, @ fronteira foi finalmente fixeda a0 sul de Betel, no terrtério de Benjamim. (© papel desempenhado por Mesa, rei de Moabe, fci a principio o de vassale e mais, tarde o de rebelde, como esclarecem tanto o texto biblico quanto o monolito de Mesa. Toms . Os dois reinos foram caracterizados por fases de expansio ¢ contragao durante 0 periodo de 930-722 a.C. Até certo ponto, Judé foi privilegiada por sua geogra: fia, mas, por outro lado, Israel foi forcada a desenvolver uma eficiente infantaria ‘com substancial quantidade de carros para defencer-se dos ataques. Os regis- ‘ros assitios mencionam que Acabe, rei de Israel, forneceu 2 mil carros - com ccerteza 0 maior contingente - para a batalha de Qargar, em 853 a.C. Esse milta- rismo explica em parte a instabilidade da histéria dinastica de Israel, pois os uusurpadures eran, em yeral, oficiais do exsrcito, AA prosperidade de Jud nio conheceu interrupcdes e dependeu em arande parte do controle sobre as rotas de comércio para 0 Egito eo Mar Vermelho. Suas fronteiras fortiicadas no deserto vigiavam a aproximacao a partir de Edom. A “porta de antrada” de Juda era através de Laquis ¢ dali para o Hebrom e Jerus: lém. A capital foi sitiada diversas vezes, mais efetivamente pelos assirios em 701 a.C., e pelos babildnios em 597 e 586, levando a destruicao de Jerusalém por Nabucodonosor e determinando o final da monarauia Uma admicével devocdo a linhagam dindstica de Davi caracterizou o Reino do Sul ¢ fo| em parte responsdvel pela manutencdo da estabilidade, em contraste com 0 Heino do Norte, marcadamente mais instavel 40 2 Reis Josué Juizes Rute Primeiro Samuel ‘Segundo Samuel Primeiro Reis Primeito Cronicas ‘Segundo Cronicas Esdras Neemias Ester 0 Segundo Livro dos Rels foi escrito como registro dos itimos anos do povo judeu como nagéo, € sua captura pelos babilonios em 586 4.C. 7 Versiculo-chave: “Pelo que o Senhor rejeitou a toda a descendéncia de Israel, ¢ os afligiu, ¢ os entregou nas maos dos despojadores, até que os expulsou da sua presenga.” (17.20) Em Israel - Elias, Jed, Jeroboao II Em Judé - Jods, Acaz, Ezequias, Isaias, Manassés, Josias Esboco: Qo ministério de Elias (1 Reis 17-22; 2 Reis 1,2) Os ultimos dias de Israel (2 Reis 10-17) QO mi rio de Elicou (2 Roie 1 9. 13) Oe ultimos dias de Judd (2 Reis 18-25) Datas dos acontecimentos jo p-c00 ave LOA 8502.6. B4026, B8O1L F722 0.6. AE Se NA REDE — ELIASZELISEU JOAS Li /RAEL/JUDA ENO DO NORTE 700 4.6, eT EZEDINAG 10 AUC MANALI = _JOCIAS LD OLA DE DUCALEM 2 Reis Campanhas assirias contra Israel e Judé As invasdes dos asskios durante 0 aéculo Vill aC foram os acontocimentos polices mais traumdtices do toda a ristri.elrae © crvsl extto militar doe sectice setava boceado om ‘exrctos numarasos.fortementa armados com os sofsticado maqunéro de cerco « assalto 43 époce, ‘manipuledo por um eficente corpo de engenhes. Contudo, a ame mois eicaz dos atsiios ora 0 teror 1. CAMPANBIAS DE TGLATE. PILESER (645-732 0.6) (01s Taine Asse ‘octinean enigma ee, ‘rma exignso trbuto de Menaémn ', em soi, anexand Hrrate,a Tat «Gal, endo, « Ak Damasco 736-792 0.) dure ‘rend doPeca, O fez aseacre conta e toe deizou ‘totes apanase Mants Eton 2 cidade de Samoa, Nessa pose [tel era una eqvenaracae, nase por odo pb sont oe asses, matilos picnlbgicn. Fra eniimanta aplcade, cam compat ‘mpalados em estacas,caberas decaptadas dispostas fem pihac e pisionaros esflados vives, © impocto dos sangrontos corcos mitteres eplcados ohn Ika luc forten prnfineoe Ox pentotne ‘no cestavarn de vocterar contra os seus horrores, ‘a0 mesmo tempo exortando 0 povo & ver a mio de Deus em sua historia, e 2 reconnacer as causas cepwitune do cantgo precante S.CAMPANHA DE GENAQUCTHBE COWTRA JUOAI701 0.6.) se te tir rt a — oe aie, tes ers a sec i cat nants sun = wnat, edo Ege, wore = oe Sarena ole id ene Steen *s epee sauce de wtaner, Uzance mira @ tbr 9 ature sare. {net wan 700 9150 possess Fomers © mares, eaeoe, mules, jars, Privanaro om Jocuri, ae teoatrc fea como Um stro naga" Em partum vast, contudo, 0 qucfrina ests végietou ode” (725-7200) ‘© aero tic i), sla, conspirou con 2 pine ftoue outa aml dor ashe. Um poangado caro des ans gado po Somanesee etch Suot tannin dor Nagusletrpo, de acodo com os anne sstoscrhoe fr orge! "Eu, Sarge, aie! « concust! » Serer, levande como, como retire, 27.290 de sushabtan ‘ws nstaurel sce as restarts] um goverante® thes pus obit co antigo te cba. 42 2 Reis O Exilio do Reino do Norte URARTU * Mie. Ararate GIMIRRAI } (ARARATE) (GOMER) Lago Uma PA \ MEDIA Ecbatana Benistun ARABIA, “SAMARIA A politica assiria de deportagao em massa era parte go terror brutal e calculado a que deu Inicio ‘Aseurbanipal o que foi téo fielmente continuado por seus sucessores, A deportacdo fora idealizada para conter revoltas florestais mas, como todas as me- didas draconianas, serviu simplesmente para espa- Iinar miséria e engendrar 0 terror. Terminou por pre- cipitar a desintegragao do império assirio. Hé evidéncias de que Israel viveu sua primeira de- y portagdo sob Tiglate-Plleser Il (745-727 a.C.), uma yithas © 109 200 390 crueldade imitada por Sargdo Ina época da queda. Km 360”—« BOBO OO da Samaria. As inscrig5es deste ultimo [afirmam ue ele terial levado 27.290 pessoas como reféns. De acordo com 2 Reis 17.6, eles foram enviados para Haia (Cala?) na Assifia, para Goram, no rio Habor, aparentemente para as frontelras orlentals do império, para as cidades dos medos, mais prova: velmente a algum lugar nas proximidades de Muitas crencas desenvolveram-se em toro do tema das Ecbétana, a moderna Ramada. assim chamadas tribos perdidas de Israel. Um exame deta- Ihado dos registros assirios revela que as deportacces atin- A continuago do relato ewsté nas inscriges de giram uma porcentagem aproximadamente limitada da popu- Sargao: “Os 4rabes que vive em pleno deserto, _laco, em geral composta de familias nobres. Os agriculto- ‘ue no conhecem videntes ou aovernadores, eque res, sem duvida a grande maioria, foram deliberadamente ainda nao trouxeram seu tributo anenhum rei, euos _poupados para o trabalho nas colheitas (conforme a pratica deporte' |... Je os estabeleci na Samaria”. babildnica, 2 Reis 24.14; 25.12). 2 Reis A Campanha de Nabucodonosor contra Judé Co 1 comin so Bebop om 848 © prota Jeremias tol evedo ara o Ett por retugador de du que abandonavar arts ‘contolado pola Gabidna, Els olovaram pars Tafnesonde continu su9 605-586 ac. (Or soorecinnmos ed mucram cramateamee ‘nin s morte de Joti. 0 Fareé Nace urou de su \antagem para deporte o novo togentew apontar 9 segundo tho de Jesias,Joaquie a nove a ‘desenveverom ae fotas comarcisia mraves so None, Name. na pessoa de NSbucadonosr, 6.308 ‘adeus irae babséries gue se determirou Tnteonestes natoe 0 tite “loagam foi pago aassnci, sin au ole Soube da aproxmarso de Nabucadanosor Depos detuts ama ans veel Ue Babin. eles rebelou Ox habs ayameus, moabias eamontesresporderam Sinha importantes conexa 43 3G). Falmanta as orcas de ‘abucodonasoraeaumirenoconzle de {05 tenbna da costa ao nore do Was leana doe. ‘Ouande ore Joaquin, de czozo anos, compietou vis meses de ronado (597 .C), ‘enero pep babe taro etme ‘erualien, entenco orl cat na Babli Der mil pssoasferam denrtadas. eonaustar da Pra, Cro, por ‘ots de $49 8.C, Una dca antes (8.0 perio aeo-oeblona coe também em pocer dos parses, Ciro inteou uma grndiosa madanga de pote, staurando im governo |ideus assur posts de commando Pasirgata ‘AcONQUISTA DE JERUSALEM 297 a6, (Sep for 686 3.6) a Coe ‘Sra ce nears | Mar Monta 2 Reis O Exilio do Reino do Sul Carquemis Pouco se sabe sobre 0 destino dos prisioneiros de Israel e de Judé durante 0 periodo que se segue a captura da Samaria e a posterior destruigiio de Jerusalém. Os assitius & us babildnivs tratavam os povos subjugados essencialmente da mesma forma: a supremacia da forca militar aplicada de maneira a inspirar 0 terror psicolégico, com pesados tributos e deportacdes em massa. Trés deportagSes so mencionadas em Jr 52.28- 30, a maior delas composta por 3.023 judeus que foram levados para 4 Babilinia com o rei Joaquim em 597 a.C. Apos a destruicéo de Jerusalém por Nebuzadara, comandante do exército babilénico, centenas de exilados foram levados para Ribla “na terra de Hamate” onde, além dos filhos de Zedequias, pelo menos outros 61 foram executados. Jeoaquim e sua familia foram mantidos na Babildnia, onde foram encontrados recibos de argila em seu nome, em uma dramética contirma- go do relato biblico. Ezequiel 1.1-3 e 3.15 indicam que outros prisi neiros foram enviados a Tel Ahib e junto aor Quebar, ambos provavelmente na localidade de Nipur, assim como outros vilerejos mencionados em Ezequiel 2.59; 8.15, 17; Neemias 7.61. 44 Tabuas de argila denomina- das “Os arquivos Murasu” foram encontradas na Nipur do século V a.C. Elas docu- mentam as transacSes co- merciais entre as farntlias judias que permanecerem na Mesopotamia apos 0 retorno de Esdras a Jerusalém. Desconteve-se a localizagéo de: el Abib Tet Harsha + Quebar Querube Canal Ahava. = Adom: Casifia Imer Tel Mela, has. 0 Km, 0 1 Crénicas 45 - alls g 3\|3 2 Elallsiigiz 7 ||P | Nex |] |S allele isielhsie ella t fy sisi SHS SiSIElls STS ISTE SIEFeleglele SS flee YE foo | |e Noo | | Objetivo/Tema: Os dois livros de Crénicas recontam boa parte da histéria narrada no Primeiro e no Segundo Livros de Reis, em especial sobre os habitantes do Reino do Sul, Juda, que tiveram permissao de voltar do exilio na Babilénia. O Primeiro Livro de Crénicas se detém no reinado do rei Davi. Versiculo-chave: “Disse Davi a Salomao, seu filho; Sé forte e corajoso e faze a obra; nado temas, nem te desani- mes, porque o Senhor Deus, meu Deus, hd de ser contigo.” (28.20) principais: Adao, Abraao, Jac6, Saul, Davi D Lista das familias e dos lideres (1 Crénicas 1-9) QO reinado de Davi (1 Crénicas 10-29) *A morte de Saul (1 Crénicas 10) *Ascensao de Davi ao poder (1 Crénicas 11, 12) *A arcada alianca (1 Crénicas 13-16) *A promessa de Deus e a oracao de Davi (1 Crénicas 17) *As vitérias de Davi (1 Crénicas 18-20) *0 censo de Davi (1 Crénicas 21) *Preparagdes para o templo (1 Crénicas 22-27) *Os ultimos dias e morte de Davi (1 Crénicas 28,29) Datas dos acontecimentos PRWERO LIVRO DE CRONICAS. (O10 2.€. 46 2 Crénicas 2 CRONICAS Os Livros Histéricos Primeiro Cronicas ‘Segundo Cronicas Esdras Josué Juizes Rute Primeiro Samuel ‘Segundo Samuel Primeiro Reis ‘Segundo Reis Neemias Ester Prossegue com o relato da histéria de Juda, sob o reinado de Salomao, com especial atencao construcao do templo e a negligencia da verdadeira adoracao. “Mas, de fato, habitaria Deus com os homens na terra? Eis que us véus v alé o céu dos céus du le poder conter, quanto menos esta casa que eu edifiquei.” (6.18) Personagens principais: Salomo e 08 governantes de Judé Esboco: O Os numeros entre parénteses indicam nuimeros de capitulos. * Jeorfo (21) (0 reinado de Salamao (1-9) *Acazias, Atalia *O pedido de Salomao (1) *Joas(22-24) *O templo de Salomao (2-7) “Amazias (25) *O sucesso de Salomao (8,9) *Uzias (26) Q Os governantes de Juda (10-36) * Jotao (27) *Roboao (10-1 2) *Acaz (28) *Abias (13) *Ezequias (29-32) *Asa (14-16) *Manassés, Amom (33) *Josafa {17-20} *A queda de Jerusalém (36) Datas dos acontecimentos SEGUNDO LIVRO DE CROMEAS 6054.6. A A ORENODIVEDO — PRBIONEROS LEVADOS QUEDA DE ERUSALEM CRO PARA BALILONA Esdras AT Espras Os Livros Hist6ricos 7 a ge ells 8 lelelelels Celleal lala ° ole sal of Se) SI Seles arelalelsielslelslalsle SHS ye ye lalla |ale ls 2 i> 8 Os persas conquistam a Babilénia. Esses fatos sao narrados por Esdras, o sacerdote que recebe autorizacao para liderar 0 retorno a Palestina no século V a.C., para a reconstrugdo do Templo de Jerusalém. Versiculo-chave: se nos manifestou a graca da parte do Senhor, nosso Deus, para nos deixar alguns que escapem e para dar-nos estabilidade no seu santo lugar; para nos alumiar os olhos, 6 Deus nosso, € para nos dar um pouco de vida na nossa servidao.” (9.8) Personagens principais: Sesbazar, Esdras Esboco: Te 0 retomo sob Sesbazar (Esdras 1 6) Q Oretormo sob a orientaco de Esdras (Esdras 7-10) fl * A volta a Jerusalém (Esdras 7,8) * O decreto do rei da Pérsia (Esdras 1) i * O censo do nova (Fsdras 2) Ocupando-se dos pecados do povo (Esdras 9,10) * Areconstrucao do templo (Esdras 3-6). Datas dos acontecimentos BO aC, BBE aC, 48 2 Reis Cronologia de Edras e de Neemias [As datas absixo so apresontadas de acordo com o calendério judeu de Nisa a isd (ver tahels com 9 Calandra Harn, A pag. 12) Os algarismos romanos represertam os meses; Os algarismos ardbicos represen- tam 8 cles, 540 aC ANO MES DIA ACONTECIMENTO: REFERENCIA, 530 Ae 539 Out 12___Tomada da Babilbnia On 5.30 NSE Mar 24 — O primeiro ano de Ciro Ed 11-4 NS Mar_t4 \: 537(2) Retorno sob 0 govemo de Sesbazar Ed 1.11 \vst vu Construgo do altar Ed3.1 51 ma Inicio da construgao do templo Ed 3.8 9 YY ea ‘Oposigo durante o reinado de Ciro Ed 4.1 530-520 Interrupgao da construgao do templo Ed 4.24 520 Vi 24 Construgdo do templa retomada Ed 5.2; Ag 1.14 500 Set 21 _noreinado de Dario re NS 516 -Xil_—-3_—_—«‘Términodaconstrugaodotemplo £46.15 Mar 12 490 7 Tl) 458 Esdras deixa a Babilénia Ed 76-9 Esdras chega a Jerusalém Fd7 8. 480 POE Reunido do povo Ed 109 th Cemitéineia invectgordo Ed 1018 ZT Comité termina ainvestigaggo Ed 10.17 Yas 20° ano de Artaxarves| Nett 460 a 444 PaO EEE iY 445 Neemias diante do rei Ne21 Neemias chaga a Jerusalem Ne2tt 450 Término da construgdo dos muros_ Ne 6.15 LL Vilout 8 Assemiieia pobiica Wer7-87 a Nov 440 Vil, 15:22, Festa dos Tabemaculos Nesta 440 Out 22-28 Vil 24 Jejum Neot Out 30 a 430 aC, ASA 1 3? ano de Artaxernes, Ne 5.14; 13.6 ila catiassil 432 aAbr 19 Charnauu de Neemias € retorno Edras Retorno do Exilio + Hard MP S-Anestaunagho tem inicio £09 o ge Se Cro(S585308C).— ‘pe permite nos eilados voharem para Judé com a 7 to tears do tempo de { «Raba dos ‘ue haviem sido o | ‘Amonitas saqueados 2.CONSAGRAGKO do ‘temple, com pormiesso ‘espacial concecida por Dario (522-886 a. C1 + Duma 49 Minae 2 ____1t0__2u0__ap vo 200 bo abo ERILO PERSA Boomrmenciaesa: — * Ecbatana S$ ‘Sho de Artaxeres (465-42 "5, 2.0) para vottar com mais, Mey ‘xaos; Neos, para racorsuulr 05 ™uros Je 4,TABUAS DE ARGILA doe Jerusalem. {arquivos de Murasu, er Riou. ‘evelarn a prosengs de juseus remaneecertoe mao suo depos do Esdras. Susa 4 Deseannece sa ‘atzagso exata das r oan csedacos: Tey mola “7 Tel Hersha Querube Adon imer Templo de Zorobabel Plataformas moveis de bronze ‘A consurayau dv vegurdo tampo tve lo om 836 2. sobre a8 {undegdes do tempo de Salomio, demotde pelos babsonios mea século antes, As pessoas cue solembravam do antiga tempo chavavam a9 comparklos (E43 12) Fal somante ern B16 3.0 6 ara {do imperador Dario, da Pérsia, ue se completou @ constupso do ‘emoio, com v ethnuly Us Ayu w ds Zac El 0.13°18) Evidéncias arqusol6gicas confimarn que 0 pertado de dorinacéo ‘area salva a Palatina fo da ampebrecimento em termos cuturi Documentos aramaicos posterires do Elefanina edo Alo Egito ‘stra o processe oft de ubtorye de permissdo pera constr lum lugar de adorago para 0s judeus, a oposicao gerada pola presenca de civrsos [povos] mimyos durante esse perlodo WS Pl og, — ZZ ‘Aorigem dos materiis do temple depence de interpretagio académicae, porani, a cna artstiea Pouco ap sabe aobre © temple ou ave constupéo. Crtre as pouces vonstrupées da época,o palécio pers ers Laquse 0 monumento 3 Vobias, em Faq ehAmir podem servi de termo do comparaeso n ‘que di espeito 3 técriea ‘Ao contrria dae mio fomoaea constugses destuides arte 506 4.6. @ 704. © tample iniiado por Zorobsbel ndo soreu maxes anos, e 1% gracualmente reconstuido, duranta ur iongo period, Fnaimente, fo! totalmente substtldo belo magntico edfci de Herodes, 50 Neemias NEEMIAS Os Livros Histéricos _ 8 2 alle e\$ é : He E j= ‘Segundo Cronicas Esdras a2 sie sie Sie Neemias Ester s E lo i E l= Josué Juizes Rute Uns poucos anos apés Esdras haver servido como sacerdote durante a “restauracao” dos judeus da Babilénia, Neemias tornou-se governador. Este livro descreve sua lideranga na recoristuyao dos muros de Jerusalém e na renovagao da alianga. Versiculo-chave: “Assim, edificamos 0 muro, e todo © muro se fechou até a metade de sua altura; porque o povo tinha animo para trabalhar.” (4.6) Principal personagem: Neemias QA reconstrugay du mure de Jerusalém (Neemias 1-7) QA testauragao da alianca com Deus (Neemias 8-10) QA reforma da nagao (Neemias 11-13). Datas dos acontecimentos Neemias Depois de 458 a.C, Uma cidade menor foi recanstruida, com muro ot novos e mais altos na “Wp colina oriental. adoracdo toirestaurada com a constiugao de uni neve templo no antigo local. Nessa énoca deve ter sido iniciada a reconstrucao do muro oeste. wt ; , sete das We FAS torres WLS ssi 6 vat do tho © em posoecve, pnt, {e rarahes per oor ores as so Sets era bt, ros eps. OS Hess trrahas form anes por or oes Gas os corarier so de cocina do a © Hugh Cayccrrbe 1982 Pare rofornciae maic dotatadae sobre © desenvolvimento de Jerusalém ver: pg. $3, A Cidede das Uebuseus ¢ 0 veruselém de Devi: p63. 20. A Jerusalém de Salomio; pig. 71, Jerusalém no perlado dos Provetas Neemias 2.11-20 “Chequei a Jerusalém, onde estive trés dias. Entéo, & noite me levantei, e uns poucos homens, comigo; néo declarei a ninguém o que o meu Deus me pusera no coragao para eu fazer em Jerusalém. Nao havia comigo animal algum, sendo 0 que eu montava. De noite, sai pela Porta do Vale, para a banda da Fonte do Dragao e para a Porta do Monturo e contemplei os muros de Jerusalém, que eslavarn assulados, cujas: portas tinham sido consumidas pelo fogo. Passci 4 Porta da Fonte e ao acude do rei; mas nao havia lugar por onde passasse 0 animal que eu montava. Subi a noite pelo ribeira e contemplei ainda os muros; voltei, entrei pela Porta do Vale a tarnei para casa. Nao sabiam os magistrados aonde eu fora nem o que fazia, pois até aqui ndo havia eu declarado coisa alquma, nem aos judeus, nem aos sacerdotes, nem aos nobres, nem aos magistrados, nem aos mais que faziam a obra Entéo, lhes disse: Estais vendo a miséria em que estamos, Jerusalém assolada, ¢ as suas portas, queimadas; vinde, pois, reedifiquemos os muros de Jerusalém e deixemos de ser oprébrio. E Ihes declarei como a boa mao do meu Deus estivera comigo e também as palavras que o rei me falara, Entéo, disseram: Disponhamo-nos e edifiquemos. fortaleceram as maos para a boa obra. Porém Sambalé, o horonita, ¢ Tobias, o servo amonita, e Gesém, 0 arébio, quando © souberam, zombaram de nés, e nos desprezaram, @ disseram: Que 6 isso que fazeis? Quereis rebelar-vos contra 0 rei? Entdo, hes respondi: 0 Deus das eéus é ‘quem nos daré bom éxito: nés. seus ser- vos, nos disporemos e reedificaremos; v6s, todavia, nao tendes parte, nem direi- to, nem memorial em Jerusalém”. 52 Ester ESTER Os Livros Histéricos - alle s\|s allg ell |) a lalslelais elsielsilelsi oils bol f rs i Sasi Sl SiSiells STS ISHEIsisislelsialels SHS fee a fhe ee ff fe foo J | Objetivo/Tema: Registrar a preservacdo do povo judeu por parte de Deus através de Ester, uma judia que ce tornou rainha da Pérsia, e as origens da Festa de Purim para celebrar a libertacao, Se de todo te calares agora, de outra parte se levantaré para os judeus socorro e livramento, mas tu e a casa de teu pai perecereis; e quem sabe se para conjuntura como esta 6 que foste elevada a rainha?” (4.14). Personagens principais: Vasti, Ester, Mordecai, Hama, Assuero (Xerxes) Esboco: QA rejeicao de Vasti (Ester 1) QA coroagao de Ester (Ester 2) QA conspiracdo de Hama (Ester 3,4) QA coragem de Ester (Ester 5) QA libertagao dos judeus (Ester 6-10) Datas dos acontecimentos 53 Os Livros Po€ticos Céntico dos Canticos Provérbios Eclesiastes Salmos 2 3 Qs cinco Livros Poéticos do Antigo Testamento contém alguns dos mais inspirados escritos de toda a literatura. Sua forma nos lembra que a fé biblica é apropriadamente cantada e celebrada, nao apenas narrada como um fato histérico. Aqui as mais diversas emogées humanas sao colocadas diante de Deus. Ha queixas e lamentagées, questionamentos e furia, assim como louvor e adoracéo. Uma caracteristica peculiar dessa antiga poesia é que sua “rima” 6 construida pela repeticao dos pensamentos, em lugar dos sons. Uma linha atestaré a verdade de uma maneira, e a seguinte se desenvolverd a partir dessa verdade ou a declararé de modo levemente diverso. O Salmo 19.1 6 um bom exemplo disso: “Os céus prociamam a gléria de Deus; O firmamento anuncia a obra de suas maos”. Alguns desses livros sao talvez mais antigos do que qualquer outro escrito do Antigo Testamen- to. Alguns estudiosos, por exemplo, acreditam que 0 livro de J6 tenha sido escrito muito antes de 2000 a.C. Muitos dos Salmos toram escritos por Davi mil anos antes de Cristo, e boa parte dos Provérbios, por Salomédo, filho de Davi. Considerando que ha poucas referéncias historicas Nos livros poéticos, abstivemo-nos de tracar uma linha cronologica para eles. 54 J6 "9 fe go 8 Cantico dos Canticos Salmos Provérbios Eclesiastes Esta 6 a mais famosa tentativa da literatura ocidental de lidar com a questéo de por que as vezes pessoas boas sofrem. Uma parte da Antiga Alianga estabelece que Deus abengoard o que for fiel. J6 agoniza sobre o que parece constituir uma excegdo, tentando preservar tanto 0 poder quanto a justia de Deus. O livro conclui que, em uitima andlise, s6 Deus conhece a raz&o de tanto sofrimento. Versiculo-chave: “Tao certo como vive Deus, que me tirou o direito, e o Todo-poderoso, que amargurou a minha alma, enquanto em mim estiver a minha vida, e 0 sopro de Deus nos meus narizes, nunca os meus labios falardo injusti¢a, nem a minha lingua pronunciard engano.” (27.2-4) Personagens principais: J6, sua familia, seus amigos (Elifaz, Bildade, Zofar, Eliti). Esboco: QAs afligées de Jo (Jo 1,2) Q Os amigos de Jo (J6 3-37) QA conversa de Jé com Deus (J6 38-42) QA libertacdo de U6 (J6 42) Datas dos acontecimentos EM ALGUM PONTO ENTRE 2000 E1000 3.C. Salmos SALMOS Os Livros Poéticos = i & Oo all e|3 ell2|l8iis EWS sie Sale] ays A maioria dos salmos foi provavelmente escrita para ser musicadas e cantadas. Por sua utiliza¢éo no culto dos antigos judeus, o livro dos Salmos € as vezes chamado 0 livro de canticos do Antigo Testamento. Versiculo-chave: “Celebrai com jubilo ao Senhor, todas as terras. Servi ao Senhor com alegria, apresentai-vos diante dele com cantico.” (100.1,2) Esboco: O livro dos Salmos divide-se em cinco livros ou colegées de salmos. Livro Salmos Principal autor ou organizador 1 1-41 Davi 2 42-72 Daviffilhos de Coré 3 73-89 Asafe 4 90-106 Desconhecido 5 107-150 Davi/Desconhecido Asafe era o lider do coro de Davi. Os filhos de Coré eram uma familia dos miisicos oficiais Onde encontrar os Salmos de: Instrugao: 1; 19; 39 29; 93; 100 Agradecimento: 30; 65; 103; 107; 116 Esperanca: 42; 63; 80; 84; 137 Historia: 78; 105; 106 56 Provérbios PROVERBIOS Os Livros Poéticos = & oO 3il2||8 e lll 8 ile Salle gs Objetivo/Tema: 0 livro dos Provérbios € 4 parte da literatura “sapiencial” do Antigo Testamento. Na sua forma atual 6 uma colegdo de palavras sdbias de diversas origens, incluindo as do Rei Saloméo, apre- sentando regras praticas para uma vida correta baseada na reveréncia a Deus e nao na mera ssabedoria humana. Versiculo-chave: “O temor do Senhor € 0 principio da sabedoria, e o conhecimento do Santo é prudéncia.” (9.10) Alguns tépicos: O livro dos Provérbios contém palavras sdbias que todos devem ler e seguir. Essas palavras referem-se a diferentes problemas e situacdes. A maioria dos provérbios sao curtos e faceis de memorizar. Nao estao organizados de modo a reunir todas as referéncias sobre um mesmo tépico, Em vez disso, quase todos os versiculos apresentam uma idéia nova e importante. LU. respeito pelos mais velhos - Provérbios 1.8; 2.1; 3.1. QA busca do amor impuro - Provérbios 2.16-19; capitulo 5, QA recompensa de se aprender a sabedoria que ver de Deus - Provérbios 2.1-15; 3.1-6. 0 valor de disciplina - Provérbius 6.23, 10.17; 15.5. QO valor da honestidade - Provérbios 11.1,3; 20.10,23. [0 valor de uma boa reputago Provérbios 22.1 2.0 destino do ineneato - Provérbios 26.1,11,12. 20 valor do trabalho diligente - Provérbios 24.30-34; 26.13-16. 57 ECLESIASTES Os Livros Poéticos 8 8 3 = & 6 @ g 3 8 8 3 € 3s é Salmos Provérbios Eclesiastes Jo Este livro, em parte escrito por Salomao, 6 um teste no laboratério da vida “debaixo do sol” — ou seja, sem referéncia a Deus. Conclui que, sem ele, de nada valem o poder, as riquezas e a sabedoria — tudo é vaidade. Versiculo-chave: “De tudo 0 que se tem auvido, a siuma 6: Tame a Deus e guarda os seus mandamentos; porque isto 6 o dever de todo homem.” (12.13) Esboco: UO fracasso do mundo em satistazer nossos desejos (Eclesiastes 1- 4) GO valor da sabedoria e da reveréncia em meio a vaidade (Eclesiastes 5-10) O Conchusao (Eclesiastes 11,12) 58 Canticos dos Canticos CAntico pos CANTICOosS Os Livros Poéticos Céntico dos Canticos |q J6 ‘Salmos Provérbios Eclesiastes Este livro roméntico celebra o amor humano através de imagens vividas, caracteristicas das culturas orientais. Deve ter sido escrito por Salomdo, inspirado em sua esposa favorita. Versiculo-chave: .] porque 0 amor é forte como a morte, e duro como a sepullura, o cidime; as suas brasas 360 brasas de fogo, sdo veernentes labaredas.” (8.6) Q Mituas manifestacdes de amor (Cantico dos Canticos 1,2) QA dor da separacao (Cantico dos Canticos 3) Q Imagens de amor e beleza (CAntico dos Canticos 4-8) 59 O Periopo pos Proretas Os profetas maiores Os profetas menores 8 8 . 8 g ie 7 Bll o al} 8 El sllslla 2 al| Sil 2 3|/4 ie a) bl) 2) 8)/2 llall e312 al/2]/ 8|/||2 S|[S][a}|6 S}{S]l<]jo}js E}{Glle|| nN] [= Os profetas de Israe! séo parte integrante do caréter de “reforma” da fé do Antigo Testamento. A palavra “profeta” significa “proclamar” — /evar adiante a palavra de Deus tanto quanto predizer o futuro. Clamando pelo retomno ao Pacto, eles bradavam contra a hipocrisia, a injustica, a imoralidade e aiidolatria, advertindo o pove de Deus quanto ée maldic&ce da Alianga (Dt 30). Os profetes proclamaram também o tempo em que Deus traria o Messias através do qual todas as nagdes seriam abengoadas. (0402.6. 100 970 930 910 885 875 B50 BAO BIS BOO 790 NOTA: ALGUNE RE MENO- | RENODO zy ig g (RES FORAM ONTOS UL: UDA ; ig 8 NESTE ESOLENA | 3 330 30 B70 859 BBE 788 700 Peeper sos als GUEDA DO RENO DO ~ (8 ‘ NORE UAE! q ral Ceneas | (pacamae | JONAS. kaas | [sorawac, DANIEL | i a : aeacucee| zeae | ACEO) \ma acces _oseas nau | | OBADIAS = = [eeanas j e iy premuc4o vo] lg |g 5 8 : TEMELO EOE & 8 "eeusalen 3 |e PIO" —Fa0 735 Fis 6 om cod sao is 60 Os Proretas Maiores Isaias Jeremias ‘S S a Lamentacées Ezequiel O termo “maior” relativo a esses profetas indica simplesmente que esses cinco livros de profe- cias sio mais longos que os dos demais profetas do Antigo Testamento. Se, como muitos estudiosos acreditam, Jeremias fosse o autor de Lamentacées, haveria na realidade apenas quatro “profetas maiores” e cinco “grandes profecias”. EROBOAO Il AZARIASL ECA (UZIAS) JOTAO Os PROFEIAS OSEIAS, BAIAS E AMOLIEIAD PORTA 108 SEU MINE? ACAZII ZEQUASII = DESTRUCAODO MANASSESLI EXERCITO ASStaO B50. HABACUQUE (I SOFOMAS (I OMMETERIO DE EREMIAS CONTNUOU EREMASL p08 A UEDA DE ERUSALEM. "E10 JOIAD (I 600 4.6. 5B6a.C. Isaias 61 Isaias Os Profetas Maiores = 2 3 3 £|/2}/3 #8) 2)/8||2 2|(S}(S} Lo] [6 Objetivo/Tema: Isafas foi profeta em Juda durante 0 oitavo século, quando Israel, 0 reino do norte, foi conquista- do pelos assirios. Ele foi frequentemente chamado “o profeta messiénico” uma vez que sua mensagem sobre 0 julgamento futuro e a libertacdo prefigurava a vinda de Cristo. “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; 0 governo esta sobre os seus ombros; € 0 seu nome sera: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Principe da Paz.” (9.6) Personagens principais: Isalas; os reis judeus Uzias, Jotéo, Acaz, Ezequias ¢ Manassés. Esboco: U Mensagens divinas de julgamento (Isaias 1-39) * Sob o reinado de Uzias e Jot&o (Isaias 1-6) * Sob o reinado de Acaz (|saias 7-14) * Sob o reinado de Ezequias (Isaias 15-39) Q Mensagens divinas de consolacao (Isafas 40-66) *Deus promete libertar seu povo e leva-lo de volta a terra que ele Ihes dera {Isaias 40-52) *A vinda do Servo de Deus (Jesus Cristo) para ser o Rei Messias (Isaias 52,53) *A futura gloria do povo de Deus (Isaias 54-66) Datas dos acontecimentos 7907 B= py PORE annem poriaew Walaa) Mot LAG Lt EROBOAO NI AZARQASIL — ECA (UZAY JOTAOW OS PROFETAS AIAG & MIQUELAS COM TINUAM SEU /ANSTERIO. ACAZ UI EZEWUAS ID CESIRUCAD DO MANASSESLS EXERCITO ASSRIO 62 Jeremias JEREMIAS Os Profetas Maiores = 3 3 Sl zils 8)|§||2]| 2|/2 oles 7 2/(S|(S}[a}[s Este livro registra o infrutifero apelo do profeta Jeremias para que Juda abandonasse a idolatria e a imoralidade, escapando assim ao trégico destino do cativeiro da Babilnia; e suas predipdes de que o restante do povo de Deus seria salvo. “Mas, se isto no ouvirdes, a minha alma choraré em segredo por causa da vossa soberba; choraro os meus alhos amargamente e se desfaro em légrimas, porquanto 0 rebanho do Senhor foi levado cativo.” (13.17) Personagens principais: Jeremias; importantes reis judeus: Manassés, Josias, Zedequias O Antes da queda de Jerusalém (Jeremias 1-38) O Depois da queda de Jerusalém (Jeremias 39-52) NOTA: 0 livro de Jeremias nao segue a ordem dos acontecimentos. Jeremias e seu assistente, Baruque, escreveram as mensagens deste livro em um extenso pergaminho. E provavel que, enquanto escrevia uma mensagem, Jeremias se lembrasse de outra que pronunciara anteriormente. A mensagem anterior seria entao- acrescentada ao pergaminho no ponto em que ele teria suspendido a escrita, Essa mistura de mensagens antigas com as mais recentes toma muito dificl estabelecer a ordem em que foram pronunciadas. Datas dos acontecimentos eone TARA TT SOFONIAS ih O MINSTERID VE PROFETAS. in Copy fied UEREANAS (1) A200 A 21 FDA DE E- ‘alcp RUSALEM. JOSIAS tt SEOAQUIM (I ZEDEQUAS (I Lamentacées 63 LAMENTACOES Os Profetas Maiores 2||2 al|5|/2l/2|[2 3)/3][ $8) [a] [8 Objetivo/Tema: O Livro das Lamentacées é “um canto funebre sobre a desolacao de Jerusalém” (Halley) em 586 a.C., provavelmente escrito pelo profeta Jeremias. “Como jaz solitdria a cidade outrora populosa! Tornou-se como vitiva a que foi grande entre as nacées; princesa entre as provincias, ficou sujeita a trabalhos forgados!” (1.1) QA tragica situagao de Jerusalém (Lamentagdes 1) QA ira de Deus (Lamentagées 2) QA aflicéo de Jeremias (Lamentagdes 3) QA causa da tragédia (Lamentacées 4-5) 550 4.6. HABAQUQUE (1) SOFONAS th O MINISTERIO DE sce PPOs ae EREAMIAS CONTNUOU @) =A {LCi Jecewas wu (APOS A QUEDA DEE (B) =S4aLOWA O trp PURALF A Pele: JOSIAL 1) ad 600 2.6 DANEL (21 a ® 6 JEOAOLIAA 1 ZEPEQUIAL Lt QUEDA DE ERUCALEM 64 Ezequiel EZEQUIEL Os Profetas Maiores Jeremias Lamentagées Ezequiel \safas Daniel Objetivo/Tema: Ezequiel foi profeta durante o cativeiro da Babi Teve visées e sonhos referentes & queda de Jerusalém, & ira de Deus sobre as nagdes e ao retorno do remanescente do povo do cativeiro da Babilénia. Versiculo-chave: .. Fis que abrirei a vossa sepultura, e vos farei sair dela, 6 povo meu, e vos trarei a terra de Israel [...] Porei em vés 0 meu Espirito, e vivereis.” (37.12.14) Esboco: QA vocagao de Ezequiel (Ezequiel 1-3) Q Profecias de Ezequiel *contra Judé e Jerusalém (Ezequiel 4-24) *contra as nacées (Ezequiel 35-32) *sobre Israel nos ultimos dias (Ezequiel 33-48) Datas dos acontecimentos GOO 7.6 rena ae (ROPES: -EREMIAS LY DANIEL 16) @) = 204 wee (B) = PAeLcua ep REIS: ZEDEQUAS (I) S93 26. 2 FPFOLEL EOL poe. 586 2G 5GO2C. VADOS A BABLOMA, ELE PROCLAMOU A PALA/RA DE DEUS AOS CATIVOS. Ezequiel __ Datas em Ezequiel ini | nnn VN | DIA ai ATUAL 114 30 1.2 3.16 2 84 6 3. 20.12 4 24.1 5 261 11 6. 29.1 10 7 29.17 a7 8 3020 11 % 31411 10. 32.1 12 WM. 32.417 12 12. 33.21 12 13. 40.1 25 4 5 5 31 /jul /593 ac. 5 “No fim de sete dias” 6 5 10 10 1 4 3 12 10 1 5 10 10 1 12 15 5 10 17 Iset/ 592 14 fago/ 591 15 /jan/ 588 23 /abr! 587 a 13/abr/ 586 07 /jan/ 587 26 /abr! 571 29 /abr! 587 24 jun! 587 03 /mar/ 585 13/abr/586 a O1/abr/585 08 /jan/ 585 28/abr/573 40.1 "449 ana apds a queda da cidade” ACONTECIMENTO Primeira visao Transporte para Jerusalém Visao negativa da historia de Israel Inicio do cerco (ver também 2Rs 25.1) Ordaculo contra Tiro Oraculo contra o Egito Egito em troca de Tiro Oraculo contra o Faraé Ordculo contra o Farad Lamento sobre 0 Farad Morte do Egito Chegada do primeiro fugitive Visao do futuro 66 Neemias i " 2a, Saa pn Templo de Ezequiel Poe tera dopo 404845) doses tao s0a) . Tego 11,2) BB. Foros (48.19,20) A Muro (40.5 16-20) 4H. Atrio inteior 40.23), Santo dos Sorts (41.3.4) (CC. Cozinhas 46.21-24) B PortaLestsl40.6-14,16) | Portio Sul (40.24.26) S. Paredes do tempo (41.6-7.9,11) C Port interior 40.8) 4. Aitiointerot sal (40.27) T Furdamantos (41 8) Ezequiel utliza um cdvado longo ou 9, Attia water (60.17) i Porta (40.32-34), U. Aros aberts (41-10) “ras 20,4 pologadac ou 81,810 "um Favevonto 90.17) pone 032-38) Vato wkd 81.92, dvd © ato dedoo", Ce 40.8) om F. Aerio iter 40.19) M. Por 40.95.38) WW. Selas de sacaotas(42.1-10) __oposipfo & medida do cOvado habret G.PoraNone (20.20.22) N. Cimaras dos sacerdotes (40.44.45) X. Altar (43.13-17) (de 17-6 polegadas ou 44,7om. 8 fo realmente construldo camo os temples de Salomio, Zorobabel & Herodes. A ata deste muro {01 eve exagerada para rao ct sich eden Panta adaptada apart do desenno ubicado.om The Zendenvan tort Bie Dictonary, Copycght® 1975 or The Zondervan Corporation. Ute heacio autrizada awa cearnas 905 uato cantos Daniel 67 DANIEL Os Profetas Maiores Isafas Jeremias Lamentacées Daniel Objetivo/Tema: Este livro conta a histéria de alguns cativos hebreus que obtiveram o favor de Deus © de seus captores. As visées ¢ sonhos de Daniel simbolizam a soberania de Deus € seu reino vindouro acima de todos os reinos da terra. Versiculo-chave: “Mas, nos dias destes reis, o Deus do céu suscitard um reino que nao sera jamais destruido; este reino nfo passaré a outra pave; asmiticaré @ cansumiré todos estes reinas, mas ele mesmo subsistird para sempre.” (2.44) Personagens principais: Daniel, Sadraque, Mesaque, Abede-Nego; rei Nabucodonosor ia Babil6nia (Daniel 1-6) * O sonho de Nabucodonosor: uma grande * Daniel, um jovemn na Babilénia (Daniel 1) arvore (Daniel 4) * O sonho de Nabucodonosor: uma grande * Belsazar: a escritura na parede (Daniel 5) estétua (Daniel 2) * Daniel na cova dos ledes (Daniel 6) * A fomalha ardente (Daniel 3) Q Visées de Daniel (Daniel 7-12) Datas dos acontecimentos 650 4C. PROFETAS: JEREMIAS Lt DAMEL ELEVADO Rapa CANIELIED A BABLONIA COM OU- i. 6 g ==" Be LEIS OAQUIA (LL ZEDEQUAS (I aa EZEQUELIB! were B JUPEUD EXILADOD DARA A DAGLONMA — GUEDA DE ERUSALEM RETORNO LOS PLINEROS: Px apoe Daniel identificagio dos quatro reinos cronoiogia dos principais impérios em Danie! Visio em ‘Visdo em Visto erm TOENTIFIGAGAO eo Daniet Dene! Deniat BADILONIA — RABILONIA Can? ap.7 Cap. 8 248 ase = mevo-rérsia MeDo- persia uRso caRNeRO | 82000 — L- Grecia 1 = Gincksnd ptolomeus = eseleuedas) LEOPARDO sove | GRECIA 0 a (167 aC, macabeus = © hasmoneus) pH one BESTA x veRRveL_ ROMA ROMA |AMEDRONTADORA = “ =—a.c7 ESE BARRO 190 Queda de Jerusalém Oimpério da Nova Babilénia 626-539 a.C. inerivalrnaseimento da civiiza¢a0 sumero: acediana Uderados por Nabucodenosor {605-562 aC), 05 nao-babidnios desarvot \voram um programa de canas @ manures aS Harte Rota das rq extio dos J eo Nex / Desoto NN a hsbia gation sues css aman ftisiamados sobre scapta ca cidade, (ue abrange as dune rargens Go Eutaes: ‘mean purado por qua caval podria ‘anor sola ts mura. cu posse nas com pores A Ease ‘tgp, 0 onsoe sade Susana 9 ‘amon afore tmp, com 90 meses do ‘tue, segundo Herédto, diversas estatuas (Ge owe clos, posando rts orwades, Mar inferior (Golf Persico) ‘a, Oasibacas graces en gla conpovam ao tir 6 )) 8 Babine, Nebondo, eetiou para Toma, na aba, eBelsarer “SA / Shit a non cota Daniel 69 Ptolomeus e Seléucidas Ptolomeu | Lagos Soter Seléuco | Nicator (823-285 aC.) (311-280.a.c.) i Prolomeu i! Filadelfo i (285-246) Antioco | Soter | | (280-261) Prolomeu lll Evergeta | Berenice [desposou]... » Antioco I Teos.....« [desposou] Laodice (246-221) (261-246) Ptolomeu IV Filopator Seléuco Il Callinicus (221-203) (246-226) ~ 1 Antioco Ill (0 Grande) _—_‘Seleuco ltl Caronus (223-187) (226-228) Co rd Prolomeu V Epitanio ¢ ..... (desposou) Cleopatra | Antioco IV Epifénio _—_Seléuco IV Filopator (203-181) (175-164) (187-175) Ptolomeu VI Filometor Antloco V Eupator Demeétrio | (181-148) (163-162) (162-150) Logo apés a morte de Alexandre, © Grande, em 323 a. C., seus generais dividiram o império em quatro partes, duas das quais — 0 Egito e a Sitia — ficaram sob 0 controle dos, Prolomeus e dos Selducidas, respectivamente. A Palestina toi controlada pelo Egito, pela cinastia Ptolemaica de 323 a 198, ¢ foi eubsequentomonte governada pelos Soléucidae da Sia de 198 a 142. Os Diadoch, como foram chamados os sucessores de Alexandre, lutaram cruelmente pelo poder sobre seus dominios. A principio Ptolomeu | se apoderou dos distritos sob sua propria jurisdi¢go, no Egito no Norte da Africa, que possuiam excelentes recursos e defesas naturals, Seléuco ganhou a Siia © a Mezopotimia, © por volta de 301 a.C., Lisimaco tomou posse da Trécia @ da Asia Menor @ Cassandro governou a Macedénia. A situaglo mudou novamente por volta de 277, quando apenas tres reinos maioras se mantiveram na Egita, na Siria ana Maced6nia sob 0 governo de Antigonids (277168). Cada __Contnune ivaidades polticas um deles subsists até o triunfo final de Roma, levaram 0 goneal romana Pompeu a Daniel 11 menciona o "rei do Sul"e © “roi do Noro", ‘ari na Juda no ano de 83 0.6 Esse evento essingiou 0 fim da descrevendo seus confltos, querras@ alancas. Sua scoeanee pind gee nai hostiidade em relagio ao povo de Deus culminou na txceto por breves peiodos de “abomina¢o desoladora” (On 11.31), identificada histor: Sutoncmi durante 08 matogredes ‘eamente com a reino de Antioco 1V Epitnio (175-164) tovoltas ocoridas no pimeto © Seguiu-se a revolta dos macebeus, levando finalmente & segundo stculos deere eit fundago da dinastia hasmoneana. Fronteiras ¢e ©. PTOLOMEUS —— 280.20 SELEUCIDAS 70 Os Proretas Menores 3 2 7 3]| » || 8 2 ||, 3\|8 Sie 8 g||s = < || 3\| 21/31) 2} / 21) 8/2] /21| Bel S/| 3} <] (5) [|S 2/2] (8) <][S][= Esses doze livros de profecias do Antigo Testamento so chamados os “profetas menores” porque s40 menos extensos que os dos “profetas maiores” — néio porque sejam menos importantes. Lembre- se de que a palavra profeta significa “proclamar” a Palavra de Deus tanto quanto predizer o futuro. Datas dos acontecimentos 10408.C, 0 e70 220 90 BBS B75 ABO RAD BIS BOO 790 3 reno vonoere:| ' a ahi ala i = A NOTA: ALGLRE REO MENOKES | PENO DO SUL: FORM OMTDOS NESTE 0A ESGUEWA 790 750740 730 720 8 2oeoto 40a s02ArA Ec@AO Qo z x | QUEDA DO RENO : Souoere phy | Se md Bans cas pas EAE Socnsy rae | L 1 aie | fwazacuaee | exeaeaT || A0EY_) [waLaous | Ones Aaa CBADAS ' : 5 z Pf RTs gi y | | 3 resmucac | g R83 g DO TeMioe a | \ 8) 8 | ce eausasen | 290 P50) 755 FE BOS Bao I 25 540 48D AAR 71 Jerusalém no periodo dos Profetas ©. 760 686 a.c. Os refugiados chegaram = i tS a Jerusalém aproxima- «ig 2 eat damente na época da 23 queda do reino do Norte (722 a.C.). A cidade se espalhou pela colina foi construido para protegé-la. Ezequias mandou escavar em rocha sélida um aqueduto subterraneo para trazer para dentro da cidade um vasto suprimento de 4gua, 0 que permitiu que Jerusalém sobrevivesse a0 cerco de Senaqueribe, em 701. “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profe- tas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes quis eu reunir os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintinhos de- baixo de suas asas, e vés ndo o quisesses! OWveiras nna & vinta da it # on perpeetiv: portant, as muralhes apresentarn uma forma ilove agus presets ws pate bina, ‘nos mapas, A locazarao das musalnas fo determinada por ltades evidencis squeal ean at consinichng xin dn conocido itn ‘Hugh Claycombe 1982 Eis que a vossa casa vos ficara deserta. De- claro-vos, pois, que, desde agora, j4 nao me vereis, até que venhais a dizer: Bendito o que vem em nome do Senhor!” - Mateus 23.37-39. Para referéncias mais detalhadas sobre o desenvolvimento de Jerusalém ver: pag. 38, A Jerusalém de Salom4o; pag. 51, Jerusalém e 0 retorno dos epilados. 72 Oséias OsEIAS Os Profetas Menores = 3 2 a clie a}| & g & a||8 81/3 2ilailsllsl3l/ Sil el] Sis] allele SIRE Sl Sil ellallalis)| Silsiis oO} 5S} (¢](o]} [5] Le}, 2} [2] le] Lt} in] Le O profeta Oséias exortou o povo do reino do Norte de Israel ao arrependimento no século Vill a.C. Ele enfatizou a fidelidade de Deus ou 0 amor a alianga. Mas 0 povo nao lhe deu atengao e eles foram levados para a escravidao na Assiria, na metade do ministério de Oséias. “Quando, pela primeira vez, falou o Senhor por intermédio de Oséias, entao, o Senhor Ihe disse: Vai, toma uma mulher de prostituigdes e teras filhos de prostitui¢ao, porque a terra se prostituiu, desviando-se do Senhor.” (1.2) Personagens principais: Oséias; os reis de Israel, de Jerobodo I! a Oséias Esbogo: OA esposa de Oséias (Oséias 1-3) JU povo de Uselas (Useias 4-14) * A mensagem do julgamento (Oséias 4-1) * A mensagem de amor (Oséias 11-14) Datas dos acontecimentos 790 _3.C. PROFETAS: AMOS it OSEIAS ib RAIAS LI MIQUEIAS (I JEROBOAO Wi) AZARIAS |HPECA i) OSEIAS Fina DO REINO PO WUZIAG)— JOTAOLY NORTE 700 4.6. OS PROFETAS OSEIAS, BAIS EMBUELAS CON- TIJAM SEU MNSTERIO. ys wa a © ACAZ MW EZEQUAS (I PESTRUPAD DO | MANASCES Oséias 73. JOEL Os Profetas Menores Oséias, Joel ‘Amés Oba Jonas Miquéias Naum Habacuque Sofcnias ‘Ageu Zacarias. Malaquias Pouco antes de Oséias realizar sua misséo profética no reino do norte, Israel, Joel pregou no feino do sul, Juda. Ele previu uma praga de gafanhotos e a conseqiiente carestia, comparando as ao Dia do Julgamento do Senhor que estava por vir, mas que naquele dia também haveria 0 derramamento do Espirito de Deus. “... Derramarei o meu Espitito sobre toda a came; vossos filhos ¢ vossas filhas profetizarao, vossos velhos sonharao, e vossos jovens terdo visdes [...] todo aquele que invocer o nome do Senhor sera salvo...” (2.28,32) Personagens principais: Joel; possivelmente durante os reinados de Jods ou de Uzias. Esboco: ORevendo o julgamento de Deus (Joel 1) OPrevendo o Dia do Julgamento (Joel 2,3) Datas dos acontecimentos B50 a6. 8003.6. Ceh= 2 PROFETAS: ry (1) = sea a @ @W) = D4 @ REIS: o JEU iW) JOAS 74. Amés Amos Os Profetas Menores Oséias Joel Amos Obadias [Jonas Miquéias Naum Habacuque ‘Sofonias Ageu Zacarias Malaquias Objetivo/Tema: Amés 6 outro profeta do século Vill que dirige sua mensagem ao reino do norte, Israel, embora tenha vivido om Judd. Suas viedee 0 profeciac admosetavam tanto os judeue quanto o¢ cour poreeguidoros sobre 0 préximo julgamento de Deus, mas previu também a gléria do reino de Davi restaurado. “Aborreco, desprezo as vossas festas e com as vossas assembléias solenes nao tenho nenhum prazer [...] corra 0 julzo como as Aguas; @ a j coma ribeiro perene.” (5.21,24) Personagens principai Amés foi contemporaneo de Oséias e, no final de seu ministério, de Isaias e de Miquéias. O rei Uzias reinava sobre Judd e Jeroboao sobre Israel. Esboco: As profecias de Amés: aviso as nacdes (Amés 1. 2) Q Os sermées de Amés: falando sobre Israel (Amés 3-6) Q As vis6es de Amés: o futuro de Israel (Amés 7-9) Datas dos acontecimentos FO 4.6. POOEETAR: AMOR 0) OSEIAS It IRAIAS I MIQUEIAS Lt JEROBOAO It i) AZARIAS (HPECA tl) OSEIAS Wb (UziASy = JOTAOL O8 PROFETAS OSEIAS, ACAZ I EZEQUASS DESTRUCAO DO MANASSES (4 EXERCITO ASERIO Obadias 75 OBADIAS Os Profetas Menores = g o ® 3 a||8 g g g ol{Silel/$l] ell Stell sie Sf EI E/(El)] El {21] 31| 3|/ S| Sl/ alls StS} 88] 8] [| [3] (2) (8) (2h[ 8] [s Objetivo/Tema: Esta profecia foi dirigida aos edomitas. descendentes de Esau e inimigos de longa data dos israelitas. Edom era conhecida por seus promontérios de escarpas rochosas, que formavam uma fortaleza natural. Os edomitas foram invadidos pelos babilénios quando estes destrui- ram Jerusalém no século VI a.C., como previra Obadias. “A soberba do teu coracao te enganou, 6 tu que habitas nas fendas das rochas, na tua alta morada, e dizes no teu coracdo: Quem me deitara por terra?” (1.3) Esboco: Q Introdugao (v. 1) Q Julgamento de Edom (vs. 2-14) Q O Dia do Senhor (vs. 15-21) Datas dos acontecimentos 60026 6051 woe aC PROFETAS: JEREMIAS (i DANIEL (BI BF JEOAQUIM (J) DANIEL E OU- ZEDEQUIAS (J) EZEQUELEOUTROS QUEDA DE TROS SAO FEI SAO PRESOS EDUGALEM Tos caro 76 Jonas JONAS Os Profetas Menores = 3 @ g cz & g 8 3|8 8/5 4 g 3 2/|8 g s 2 El) 3]) sli $]/3//Ei ell 21) elle) iallet] gil elle SIS} <¢}[S}(S][E} 2] lz] la] eis] |= Jonas foi outro profeta do século Vili a.C. Deus 0 enviou a pregar para 0 povo de Ninive— uma cidade assiria, a mesma cidade que Deus escolhera para punir o reino do norte, Israel. Nao admira que Jonas tenha fugido, dando origem & famosa histéria de Jonas e do grande peixe. Versiculo-chave: “E no hei eu de ter compaixdo da grande cidade de Ninive, em que ha mais de cento e vinte mil pessoas, que ndo sabem discernir entre a mao direita e a mo esquerda, e também muitos animais?” (4.11) Esboco: U A tentativa de fuga de Jonas (Jonas 1) G A oragao de Jonas a Deus (Jonas 2) Q A pregacao de Jonas ao povo de Ninive (Jonas 3) Jonas aprende sobre o amor de Deus a todos os povos (Jonas 4) Datas dos acontecimentos ES 4C. 775 4.6. C= 2 PROFETAS: (1) = Breage a g % WJ) AUDA (uy = ARNE a ae 1 Ce emma ny JEROBOAO I AMAZIAS IL UZIAG La Jonas a7 Ninive e Tarsis representavam extremos opostos da estera comer- cial levantina nos tempos antigos. A histéria de Jonas se estende até 9s limites do conhecimento geugrd- fico do AT e oferece uma rara \ jo da vida dos marinheiros du- v : rante a Idade do Bronze. Inseri Wines 7 Ges em ceramicas encontradas na Espanha demonstram que o comér- Bs cio fenicio ligava os extremas do Mediterraneo, possivelmente desde © século XII a.c. Rotas usuais de viagem vi Grande Mar TARSIS? PRETENDIDAVIA- CEMA TARSIS— Mithas 200 400 600 #00 Km 300_600 _900_1200 Mithas 0 100 200 “mo 100 200 300 78 Miquéias MIoQuEIAS Os Profetas Menores = 8 2 ty g tlle o||s& g ol/Slleollsilell alle 2/3 al/3|/ 2/21 e| leila iiaiiel|s/giia 8) 3] | 8/5] (S]] 2/2] | 3} 2) [8] Objetivo/Tema: Por volta da época em que Isajas realizava sua pregacdo em Jerusalém, Miquéias profetiza- va em Judé. diriaindo suas exortacées também a Israel. “.., Nos ultimos dias, aconteceré que o monte da Casa do Senhor sera estabelecido no cume dos montes e se elevaré sobre os outeiros, e para ele afluirao os povos.” (4.1) Esboco: Q Miquéias profetiza que as nagdes e os governantes que nao obedeceram a Deus serao derrotados (Miquéias 1-3) Q Miquéias promete que Deus Ihes suscitara um novo rei (Miquéias 4, 5) Q Miquéias transmite ao povo a promessa de Deus de que eles serao perdoados (Miquéias 6,7) Datas dos acontecimentos 75046. OSEIAS D age npg BOREAS BAIAS LI MIQLEAS LI 68636 EZEQUAS LD Naum 79 Naum Os Profetas Menores = 3 2 g g g}|3 g\|s o S = = Sl}_Ilglisllaj/Sil ell slfsll ell sl|z SI SIE Sl Si /S/| all allsl| Sli siis 3} S}[<}( 5} [3] 2} 2} [2] [a] e]|s| je Naum prociamou a justiga e 0 amor de Deus. Como Jonas, ele avisou que Ninive seria destruida por sua iniglidade. Mais tarde, Deus restauraria seu povo na terra prometida. Versiculo-chave: “O Senhor é bom, é fortaleza no dia da anguistia e conhece os que nele se refugiam. Mas, com inundag&o transbordante, acabaré duma vez com o lugar desta cidade; com trevas, perseguiré o Senhor os seus inimigos.” (1.7,8) Esboco: Q O juiz de Ninive (Naum 1) Julgamento (Naum 2) 1 Instrugao (Naum 3) Datas dos acontecimentos 78O4.C. W= 27 — PROFETAS: Jouas A042 iy OSES 1b ® & 6 ag5 280 Sr repRnRRRrereeorpery Ore ecru ng PECA I OSEIAS ID EZEQUAS LI MANASSES LI AMOM LI JOSIAS LT (QUEDA DE JOTAOLE ACAZI NINE 80 Habacuque HABACUQUE Os Profetas Menores a & o 3 Habacuque Sofonias Malaquias Naum Ageu Zaci Oséias Joel Amés: Obadias Jonas Este livro foi escrito para demonstrar a justica de Deus, deixando que uma tio terrivel punigao se abatesse sobre Jud4 pelas maos de uma nao igualmente iniqua, a Babilénia. Dous assegura a Habacuque que os babilénios também sero punidos ¢ que ole salvard aqueles quo Ihe forem figie. “Tenho ouvido, 6 Senhor, as tuas declaragdes, e me sinto alarmado; aviva a tua obra, 6 Senhor, no decorrer dos anos, e, no decurso dos anos, faze-a conhecida; na tua ira, lembra-te da misericér- dia.” (3.2) Esboco: GO A primeira queixa (Habacuque 1.1-4) OG Aresposta de Deus (Habacuque 1.5-11) Q A segunda queixa (Habacuque 1.12—2.1) Q A resposta de Deus (Habacuque 2.2-20) Q Uma prece de louvor (Habacuque 3) Datas dos acontecimentos F301 HABACUQUE (I) 6093.C. Re proremae: “ZEAE — Nauians SOFONMAS (1 EREMAS A (D = sae AUDA NAVE eee eee ene ee EZEQUAS LI MANASSES LI AMOM LI JOSIAS I QUEDA DE ANIVE Sofonias 81 SOFONIAS Os Profetas Menores 8 2g ° 8 2) ol/S)f el] gil2i| (eile £ g SHE Sil 2/2] zi Sif Sli Bi si 8 Sllsl/Slle\| sl] alelis Si isj(o} (5) l=} l=) (2) le} L<}inj Le Sofonias pregou em Judé no século Vil a.C., apés a queda de Israel em poder dos assirios. Seus escritos alertavam os habitantes de Judd e das nagGes circunvizinhas para o “dia do Senhor” — um tempo de tribulagao que estava por vir, ¢ também de salvagao para o rema- nescente fiel a quem Deus restauraria em sua gléria. “Buscai o Senhor, vés todos os mansos da terra, que cumpris 0 seu juizo; buscai a justica, buscai a mansidao; porventura, lagrareis esconder-vos no dia da ira do Senhor.” (2.3) Esboco Q O julgamento de Deus contra Juda (Sofonias 1.1—2.3) Q O julgamento de Deus contra as nacées (Sofonias 2.4-15) Q A Redencéo do remanescente (Sofonias 3) Datas dos acontecimentos F73O0.4.C. MARACUQUE 1) 6093.6. MIQUEIAS §— ALIN @ ; ae PROFETAS: © 3°6 @ © 66 ee wo REI: EZEQUAS Lt MANASSES LF AMOM 2 JOBIAS LD QUEDA DE 82 Ageu AGEU Os Profetas Menores = 8 2 3)///2]] -|/zl4l) {2 8 el|Sl| 2 = SI Biz Syl elleiial/elis|(Si|s 6) (S} Le} o} {S| (E} [2] z] 13} le]|s Depois de setenta anos de cativerio na Babilénia, muitos judeus receberam permissao para voltar a Jerusalém e reconstruir 0 templo. A oposicao dos povos vizinhos interrompeu 0 traba- lho por cerca de quinze anos. A pregacdo de Ageu os compeliu a aco e os encorajou com suas visdes da gléria futura do templo. Versiculo-chave: “... Considerai 0 vosso passado, Tendes semeado muito e recolhido pouco [...] € 0 que recebe salario, recebe-o para pé-lo num saquitel furado (...] edificai a casa; dela me ayradarei e serei glorificado, diz o Senhor.” (1.5, 6, 8) Esboco: Q O templo deve ser reconstrufdo (Ageu 1) Q Um templo novo seré maior do que o reconstruido (Ageu 2.1-9) 1 Uma vez construido © templo, as béngdes do Senhor virdio (Agou 2.10-19) 0 Senhor derrotaré as nagdes e abencoar Zorobabel (Ageu 2.20-23) Datas dos acontecimentos SAO UC 5887.6. AGEU. ZACARAS 45246. o Zacarias 83 ZACARIAS Os Profetas Menores = 2° all lall_llellgi] llgl/4 2 8 g 2 2 Sil 5}]8){'/] 3] / 8)| S| Si] Sil all gle €//8/)5)/2 ‘5 3|/3 6}(S}L<}[s] [S$] [S| [2] [2] (8) Le][s|[z Um jovem contemporaneo de Ageu. Zacarias também encorajou 0 povo a reconstruir o templo. Suas visdes contém muitas predicdes da vinda do Messias. Versiculo-chave: “Alegra-te muito, 6 filha de Sido; exulta, 6 filha de Jerusalém: eis ai te vem o teu Rei, justo e salvador, humilde, montado em jumento, num jumentinho, cria de jumenta.” (9.9) Esbogo: Chamado para a conversao a Deus (Zacarias 1.1-6) As oito visées de Zacarias (Zacarias 1.7 —6.8) A coroacao de Josué como sumo sacerdote (Zacarias 6.9-15) A questo do jejum (Zacarias 7.1-3) As quatro mensagens de Zacarias (Zacarias 7.4—8.23) Os dois fardos de Zacarias (Zacarias 9-14) ooocoo REIDARIO ESDRAS NEEMIAS 84 Malaquias MALAQUIAS Os Profetas Menores $ 2 2 B\|e a || e s 5 ° 8 2 8 2 | 3 S||_/|glfsll alii] ell sll sllellsl/s SST ENS Sil Ziel Siy/s]| sleiis 6// S$} €}/6] [S$] [5/2] 2] (a ]le}}s}|s Malaquias foi o Ultimo profeta da “restaura¢éo”, quando os judeus receberam permisséo para volar da Babilonia para Jerusalém. Ele explica que as afligées do povo de Deus devem-se a sua infidelidade ¢ prevé a vinda do Messias, que traré @ solugao definitiva para 0 pecado. “Gis que eu envio o meu mensageiro, que prepararé o caminho diante de mim; de repente, viré 20 seu templo o Senhor, a quem vés buscais, o Anjo da Alianga, a quem vés descjais; cis que cle vem, diz o Senhor dos Exércitos.” (3.1) QO amor de Deus pelo povo de Israel (Malaquias 1.1-5) Q As queixas de Deus contra 0 povo de Israel (Malaquias 1.6—2.15) Q Antincio da vinda do Senhor (Malaquias 3.1—4.6) Datas dos acontecimentos 4504.6. 4442 48010 4202.6. & © Rh fet 9 Malaguias 420 8.6, ENTRE OS =:: TESTAMENTOS ‘oPERIoDo PERSA 450-330 a. Purnia cerea 9 200 anos ante ope de Neemae, (0s praas conearam soda, mas aos deus era pormido cogur seus pret rlogee em Irieeriniasurante esse fmpo, Juda fe (joveviaue phn sa saute, De Malaquias a Cristo 334-323 — Alexandre, 0 Grande. conquista o orienta 330-328 — Os anos de dominio de Alexandre 320 — Prolonneu () Suter Lurquista Jevusaten 311 — Seléuco conquista a Babildni; tom inicio 8 sinastia selevcca QPERIODO HELENISTA 330-165 ac. nat Fmasta fn evbmins pereas 290 estaconados na Macedérsa foam ferotadoe por Aloranre, 0 Grande 280 Ele estava corvenci de que a an aa greg er tn eg que Doninagto 2 podena Unfear mundo Alexandre 60 permitu que os udeus odservassem dos Ptolamous Sa es religinsas eat mesmo os do Egito an isnt do papareri de mpostos ] Shen anaes he 240 conan bicanara no Eo, tenuate ace vert 230 228 — Amoco it Grande) tempore cononencoihes gs — Ga Sina apodere-e da Palestina ‘doa prvilégios que reservave 803 ~ 220 223-107 — Antioco torna-se 0 regente seléucida da Siria arenes sav ptegien A ‘Gominacae nelenista preparou o i 210 caren gna vai ogo 200 festameio par og verte 198 — Anioo derotao Eglo # assume 0 Saptuagiea) ¢ 250.0 Dominagso dos 120 ontiuks dit Palestine . Solducidas da _ 10 Siria 175-164 — Antioco (IV) Epifanio governe a Sia, ojudaismo 6 proitide 167 — Matatias e seu filo rebalam-se contra Antioco; tam © PERIODO HASMONEANO Inicio a revolta dos macabeus. 166-63 ac. 165-160 — A lideranca de Judas. o macabeu Cuando teve Iii este estos 5 160-143 — Jonatas 6 0 sumo sacerdote ristonce, es paeussomem grance i 142 — Puriiaayau Ue lune de Jerusatern opressao. Os Polomaus havam 142.134 — Simo tomna-se sumo sacerdole; insiaura-se a Sido eoocescendentes com os dinastia hasmoneana ludeus e suas pata reliiosas, 134-104 — Jodo Hireano amplia a indepandinc’a do estado mas os se@ucuas estavam Dinastia judeu helenssma Ordenou'se a dostcto de cbpine to Eble oa oe from aplicadas com exvema cidade Se nue uptiniin we esa, | liderades po: Jucas, 0 macateu, Hasiopeana 103-- Governo de Aristobulo 102 76 Govoms de Aloxandto Jennou Lat deldeld ol dlls ddattllaoherre 10 —f crormosacnioe UT ee te eee es ich ard a Emenee nercenpesteamen gee ROMANO —82_ F— 63. 40— Hircano Il governa. mas deve obeditncia a Roma i 40 No ano de 63 a.C.. o general ;omano 4 mo Er eden ones ——» 40-27 — O» perlos venguistern Jerusalent provinvias da Palestine foram Perea | Cees Rinna Diese les alae Grande, governa 20 37 — Jerusalém @ stiada por seis meses Periodo © governe local foi confiago @ Principes, #0 restante do tempo a procuradores incicados pelo impera. comereteobs 32 Denote do Horoaes sutoriade de 10_\\_ 38 —nice-se a consiugto do templo de Heroes foma cn 38—Heroaes nate Aanbe ~ 4° home Herodes, sacede por Argueats ‘or, Heroges, 0 Grande, era o 10 ‘novernador da Palestina na época do Sad nascimento de Jesus. 20 4C.30 BiBLioTeca Do Novo TESTAMENTO © termo “Novo lestamento” refere-se, em primeiro lugar, & alianya que Deus fez com todo © povo de salvé-lo por intermédio de seu Filho, Jesus Cristo, Refere-se também, portanto, aos textos que foram escritos sobre essa lei-promessa. Objetivo/Tema: As Fserituras do Novo Testamento mostram como a Antiga Alianca de Deus se realiza em Jesus Cristo. Descreve como os primeiros cristéos tornaram-se Igreja, e como viver a luz da presenca do Cristo ressuscitado. Os Evangelhos Histéria Cartas de Paulo if leis - ‘Segunda aos Corintios Primeira cos Tessalonicense: Segunda aos Tessalonicense: Primeira a Timoteo ‘Segunda a Timoteo Tito Filemom | Primeira aos Corintios Cartas Gerais ae | Segunda de Pedr: Terceira de Joao [Judas ‘Primeira de Joao Segunda de Joao |Primeira de Pedro Profecia ‘Apocalipse 87 acontecimentos do Novo Testamento g Leesan! Bl Te Posen cabs nO DO gy OUd, sg) ga H OH OE sao 88] IBS io : H A ? if gg fH le izig)3| digo i Hil dd eee wale Ua ANE 88 ee] A Vida de Cristo INFANCIA ita dn pantren, nace 1228-23 7 ercenaguenetempe, anon Le224 10 v0 DA mAvEURAGAS | a¥0 DA PoruLanane ata os magon. ec. M2 1-2 Fuga pure ogo case nm 21218 | ARO BA OPOSICAD. | tanner ant m2 1823 | E Me tmad 2a) 1's 5 10 5 mB 035 POPEEEEE LI PRET EE TEER EE EPP re ad ac. bac +1 —ano pa poputarinane————} 1} j een tas eit era oT) an \ cae eemne RBtaae eee remo tet Eee Pn eyes esa Brera —!=ANODAINAUGURAGAO. —~. : ¥ |__278e 1 | 28 | | Guo immo raven eR STIS — ana “eng TRO Jeuavgioses i fj wre; | | Shane Jevve iniele sue as enema pera vane sa fora ae le ‘sneer ot mNpueeazas mora tee ss come com isos Sits ato cain eg aia chan detect tae th moose mosenrnceen ean’ Sane vevoah ene nt oe st oaiaaaee Smaereae pe ee TIT Leg7al Jan ater =e ia. conan nea apenas rel oe for, do om gv Sencoonetas A Vida de Cristo eau cana sobre a8 Suan Jems we rtea par | Jous stroma 4.00 pesoes imvosnn wee? Finodeeas wets atu pai pa te AULTIMA SEMANA wesiaie ct 40 tewwasae BORAONAUARN dent arate una sea se Pera peterson Jeu potter oterpe wc. eT sea Anode ne uatonn ies | Sean inn ama. ass oa en wASBRLT Tae inert tee to teers hetess Jove i tase tee wciese a esas eau prez nova preetettan resect, ‘Actua Coa, cur, 2517.28, [uno 90 Jord, We 147228 Le 22720 Jo 131-38 terest Jesus confortaos ditepues. an aoe oe ee io ee Ue92225 | 20-29-34, Me 10-46-82, We 1452-42, Le 2240-48, eae | neslectlt aah wlll deh teens im ae re na |Jeaue erpoeto| ee ‘Crucificagto « morte de | leer Sry a ee ce seers | harem naauee ane, visitar Marta © Marie, eae c= I al | || Res. Sree tm i | { AAS (ANO DA OPOSIGAO - a fe oo zal a oP ee ee ‘ara, Sth. tose Josug naan Lar, ‘nna ‘ene. 2946 eyes camps Sic ox Sion stv on gos arecomweae |APOS A RESSURREICAO mesete te2e th ioe ain Malena vom om, tae jdonegn Mews 1 to20 18 denen aparece ape doa no camino maa, onnge Mose 249 Lez 338 nue aparece aw ates, xxwxty onege. ME 1614 23608, 1920 1825 enue aparece aoe 1 autos, monte, ur Janu naw alguns diodes ar os Carn raters mee ace, 027 125 eau vt pae 0 Pano ctu, eos Ovens 90 Os EvanceLHos Mateus Marcos Lucas Jodo A palavra evangelho ver do grego e significa “boas novas”. Um dos mais remotos usos da palavra no mundo antigo se deu quando um arauto anunciou as “boas novas” do aniversario do rei, percorrendo todas as cidades do reino. E exatamente esse 0 significado que possui no Novo Testamento. Os quatro Evangelhos anun- ciam as boas noticias sobre Jesus. O mundo antigo sabia muito sobre histéria, poesia, profecias e cartas. Mas a “boa nova" era novidade para eles. Assim, os escritores inspirados queriam fazer mais do que apenas relatar detalhes historicos. les queriam despertar a fé (ver Joao 20.30,31). Eles anunciaram a boa nova de que, como o Antigo Testamento havia prometido, Deus tinha enviado ao mundo o Messias, Jesus. Mas por que quatry evangellius? E que Mateus descreve determinada faceta da vida de Cristo, Marcos outra e Lucas outra, e Jodo outra ainda. Os trés primeiros evangelhos sao téo parecidos que séo chamados de Evangelhos Sindticos ("ver com” ou “parecer-se”). Todos eles apresentam a vida de Jesus de uma perspectiva histérica. Por outro lado, o Evangelho de Jogo atém-se mais ao significado interior da vida e dos ensinamentos de Jesus. Mateus a1 MATEUS Os Evangelhos \« Mateus Marcos Lucas Joao Objetivo/Tema: Mateus enfatiza principalmente que a vida e o ministério de Jesus demonstram ser ele o Messi- as, 0 cumprimento da profecia do Antigo Testamento. Por essa razo, este evangelho é geral- mente conhecido como evangelho para os judeus. Versiculo-chave: “Eis que a virgem concebera e dard a luz um filho, e ele sera chamado pelo nome de Emanuel (que quer dizer; Deus conosco).” (1.23) U Nascimento e infancia de Jesus (Mateus 1,2) G Ministério de ensinamentos e curas de Jesus (Mateus 3-20) Q Crucificagao e ressurreigdo de Jesus (Mateus 21-28) Datas dos acontecimentos 92 Mateus CasadeHerodes — ITUREIA FaRTANEIA 3 Herodes Filipe I! (UAE: CLEOPATRA Tetrarca da Ituréia e de Traconties (@aC.- 340.0) ac3.1) 3" gerago Ageipa it ‘ADILA Este nome apare- e-em duas local dades 2 Arquotau (MAE. MALTACE) Governadorda.lutia, laura Samaria (4.C.-6 4.6.) Quan, ‘do Maria e sose cetxaram 0 Egt! to. evitaram a Juda estnne Heroes da Calis lecendo-se em Nazaré. (Mt 218-23) Anistebulo 4 geragto Feix (Governacor da Juaera) Mé Hordes Me mioaey Aoteal esos com al, gover Herodes, ‘No Smencionadona Biblia | Rei da Jucbia nador da Judéia (52-594) @rasdc) Felix ga Paulo (24 26) Maton Tage, lovou Padro urdia @ Tetraica de Cellésa eda. | prisao, Ferco aie Horodos Treontes C14 Pertia(4aC.—384C); | porumaniocat ‘Agripa I acy (e3.) 124-28) Nascimento do Segundo marido ¢e : roe meal asus (M2 119 Herodas saformaldante dete iets) Levou soso Batista a ene oes Logon marta (Mt 14 9-12; Me 2 51429), at Rei Patos enviewsne Jesus“. — 7 Senewice See! e271) or || en Estava com sau ido quando = - Cosouse com seu | da defesa de Pavio (At 25,13) ERENCE - Maso ico Herodes Fillpe teHoroes Fie, coicnces VARINA 8 cepCiS com um season (ule. Marian) segundo to, iicser eee jogovernou. Prmeiroma- jeune PO. <= eT rm enn : nas - eras ssa ‘do de Heredion (M149; yt 14'3 Me 6.17) saLome Mes.17) Fina de Heroes © Herodes Fi (mc.3460) ee acatemen 28 pe Dangoupelacabeca de oo Antipater twrcomeamFiness Asien | Raita 141-19, lB 44.20) (UKE: DORIS) racemes e's Mateus Viagem a Belém, Fuga para o Egito e Retorno a Nazaré mimas@ 20 Cd 120 140180 ko ee Para Belem, Egito — Viagens desconhecidas dentro do Egito * Volta 93 1 Jordéo : = 5 2 Vestino no Egito, des- conhecida Mar Vermelho SINAI (brago ocidental) o : tk pl Cafarnaum A Bati Tiberiades ismo e a Tentacao Séforte Gallia Os acontecimentos que marcam o batismo de Jesus revelam uma forte = Nazares 4 Gad: efervescencla rellglosa eo fermento social dos primeiros dias do Mte. ni ministério de Joo Batista. Herodes havia sido extorsivo e extrava- Tabor JQ gante; a ocupacéo romana era brutal. Houve uma certa aaitacéo com Sitépolis .§ § a troca dos procuradores, Grato por Pilatos 26 d.C.. A maioria das (Bete-San) } > pessoas ansiava por uma solugao para seus infortuinios politicos, ¢ (rel. ian 15.“ Tradicional quando ouviram falar de um nove profeta, rumaram para o deserto local do para auiviln A seita religinsa {assénins) de Qumrd professava uma if Mutos estudiosos localiza = o-minicério batsmal de Jesus. A doutrina semethante de arrependimento e batismo. Jesus fol Ts Bocce. “Betsnia, do batizado em Beténia, na outra margem do Jordao (ver Jo 1.28). o to vordBo, pare exo ut lado do Jord8o* ainda Jogo também batizou em “Enom, perto de Salim” (Jo 3.23). me onto de travessia convergr {am naturalmente as rotas ‘A tentacdo ocorreu na (1) reaido desértica do vale do baixo Ss came Jordao, (2) uma alta montanha fprovavelmente um dos 2 abruptos penhascos dos arredores de Jericé, que apresenta Jerico, 2) uma paisagem insuperdvel} € 3) o pinéculo do templo, de Betania nde as sacarcates faziam soar as trombetas para pores |) 11 chamar a atencao da cidade para os acontecimentos Qumra were importantes, wise Lee + Maquera 94 Templo de Herodes 20 a.C. —70 d.c. 0 temple de Herodes, cuja constupéo teve icc em 20 2c, angia 8 andres de atu, © seguia as dimonsées do piso do eng 7 tempo quanto ao Santo Luger e 20 Sanissime Lge © ae sartuiio veto aqutem corte vertea, fl eanstrudo no loel os antigos ‘ermplos 9 Saiomae e Zorababe,e fot texminado em apenas 18 meses, cspneerngs SAD coundevam 9 tomplo 50 foram comletados sendo em 64 4. Toda a estrutura to: destuta patos romenas em 70 4c, As dmenades das cAmaras, degraus, entradas, comiase 2s medidas ‘extman lover menclonodaa na hisila (Jaseio o Michnah) mos {estdo sujitac ainterpretagbes eos hustragies diferem grendemente As Seitas Judaicas FARISEUS ‘Sue raizes podem ear encontradas no séeulo Il a.C. — nos. Hassidim. 1. Além da Tord, eles aceitavam a tradicéo oral como igualmente inopicada © oficial 2. Sobre 0 livre arbtio e 2 predestinaedo, adotaram uma viséo intermeciéria que tornava impossivel tanto & livre vontade quanto & soberania de Oous anularern uma a outra. 3, Aceitavam uma hierarquia de anjos e deménios bastante desen- volide. 4, Casinavar que haveria um futuro pare 08 mortos. 5. Acreditavam na imortalidade da alma e na recompensa @ ret- buigdo anés a more. 6. Defenciam a igualdade entre os homens. 7. A énfase de seu ensinamento era moral, mais que teol6gica. ‘SADUCEUS, ‘Surgiam provavelmente durante opetiodo hasmonau (166-63 2.C.). ‘Sua decadence acorreu em 70 4.C, com a queda de Jecusacn 1. Negavar que a lei ora fosse oficial e obriaatéra. 2. lnterpretavam a ei moseica de maneira mais literal que os farseus. 13. Eram muto rgidos com retagdo ao Wre-arotio, 4. Aribuiam tudo a vee vontade. 5. Afirmavam que néo hé ressurreigdo dos mortos nem vida apés a mone. & Rejitavam a reanga ane ane 9 domAnine 7. Rejetavam a idéia de um mundo espiritual 1B. Apenas os hvros de Moisés constituiam escatos canonicos. Mateus Fomerta 89 nega ~ Sis de aga Pa ESSENIOS Surgiram provavelmante entre o¢ Hassidim, juntamante cam os fariseus, de quem mas tarde se separaram (1 Macabeus 2.42; 7.13}. Eram um grupo de judeus muito rigidos e zelosos que toma- ram parte na volta dos macabaus contra a Siria,¢. 165-185 aC. 1. Adotavam uma observancia rigida dos preceitos de pureza da Tor. 2. Eram farasoe por partiharam em comum suss propriedades. 3. Tinham um forte senso de responsabilidade mitua, 4. 0 louvor diaio, assim como o estudo dlério des sagredas escr- tures, ora uma caracteratice importante da cata '5 Tinham de formalizarjuramentos solenes de devordo e obedisn: 6. Ofereciam aacrfcios noe dias sontes © duxante of prodos sagrados. 7. 0 casamento no era condenado em principio, mas era evitedo. 18. Avibulam a0 destino todos os scontecimentos. zevoTES Criginaram-se durante o reino de Herodes, 0 Grande, €.6 a... e deixaram de exist em 73 4.C., em Massada 1. Opunharns a payer tiduluy &imposios a imperadores pagBos, dizendo que 86 a Deus deviam submisséo, 2. Apresentavam um forte apego 3s tradides judaicas. 3. Opunnamr-se a0 uso da lingua grega na Palestina, 4 Prafeignram a arivanta da im tern de salvacko, Marcos 95 Marcos Os Evangelhos \@ Mateus Marcos Lucas Joao Objetivo/Tema: texto de Marcos nos oferece o mais completo panorama sobre a vida de Cristo e, contudo, é © mais breve dos quatro evangelhos. Marcos enfatiza a natureza admirdvel e singular de Jesus. Os antigos Romanos eram muito atraidos por esse tipo de descricdo de efeito; por essa razao, o texto de Marcos é freqiientemente chamado de Evangelho aos Romanos. “Depois de Joao ter sido preso, foi Jesus para a Galiléia, pregando o evangelho de Deus, dizendo: © tempo esta cumprido, e 0 reino de Deus esté préximo; arrependei-vos e crede no evangelho.” (1.14,15) Esboco: G Jesus, 0 Servo - serve 0 povo (Marcos 1 -10) Jesus, 0 Servo - da sua vida para servir aos outros (Marcos 11-16) Datas dos acontecimentos 96 Decdpolis e as terras além do Jordéo Foi nesta cidade, para onde ‘se aingiram Jesus e seus discipulos (Mt 16.13; Me 8.27} que 0 Mestre pavguntou @ Pedro quem era Lar dos apéstob Fre, André e Pedro (le 14d: 17.21) ‘Aqui Jesus curou um ego (mic 8.22 Nos arredores desta cidade, Jesus saciou 2 fome de uma ‘multido. de 5.000, homens (Le 9. 10). ‘demoninhado Na regido de Gerasa Jesus curou um en (ae 5.1; Le 8.26), 1 amr do Pa da a, nes proces do Oona 77 aMte, Hermom co, @, sem nada enxerger, ele / vy, fried a Sa frome cente rae { funas 10 $9 10 _2 050 0 Dw ME Totrarquia de Filipe At Totrarquia de = erodes Antipas 9 Cidades lives da Decépols od Fronteras > Fronteiras formads pelos ros 2 Filagéifia pcubsan Fronteis indefin das (deserto)| Local este do Jordao onde Joke Batista progava e batizava Wo 1.28) ‘Aqui Jodo viv a Jesus e 0 chamou de “Cordeizo de Dous” We 1.28, 35). Os territérios de Tiro e Sidom Em sua Unica viagem a regides pagas e semipagas, Jesus visitou os distritos de Tiro @ Sidom e a confederagéo das cidades livres chamada Decépolis. Ele tora chama- doa pregar para “as ovelhas perdidas de Israel”, mas foi surpreendente a imensa quantidade de publico que atraiuna Gallia. Sua fama ja se espalhara até ali ¢ ele ndo pode manter sua presenca em segredo. As cidades de Tiro e Sidom, grandes centros comerciais, haviam sido uma fonte de seducao cultural e heterodoxia religiosa desde o tempo de Jezabel. Grandemente intiuenciadas pelo Ptolemalda Ireleniony, @ ullura yreye se manifesteve na cunhagem de moedas e na arquitetura ‘As duas cidades se orgulhavam de ser centros histéricos do paganismo cananita, ‘com tumbas de antigos reis e tempios dedicados a Astarte ¢ véries outras divindades. Damageo Me 15.21.28 Mc 724-812 (Cp Cosaréia | ¢\ de Filipe TETRARQUA DE FILIPE ee pecAPous =| 1 Marcos 97 Herodes, 0 Grande (reinou de Jerusalém ara ach, cocosiuy 6 temolo @ 2 muraha que Durante o ministério de Jesus cercava, consti um palécio, toma fo ‘A "TERCERA MURALHA” hipédromo para cores de bnecsae pet anne poninadsT Laveke U vantuy. Blow a {ci iniciada por Herodes Agripa | entre os anos 41 ¢ 44, tidade @ seu mais alto grau do abrangendo’os suburbs que se desenvolvam ao norte, mas beleza arqutetonica e expressao teve seus wahahos intorempiios. Sus conetueso sé fol 3 cuture romana. Esse era a retomada, as pressas, apés 0 inicio da Primaia Revota dos Jeruselém do tempo de Jesus, ‘Sudous eo ano GG da nosso era Tose de I lel ale ma fa semmn gigs anos, SS ‘ fener ipaioe st, NA mone de uma Sea destiads 20 mercado, em um vale, rotegendoro contra aiaques ¢ pihagens, mas seu valor miltar € bastante questondvel. Contudo, na ‘extemdads fests, Herodes consirau uma baricada mitar (a Fortaleza Arténa seuroaasaren) 6 Stan /S , ‘dete dene 35 ru Thas por votadp ane (Aco de Wisony= cnvrieacdoitt (A "PRINMEIRA, MURALHAY ‘assim denominada por Josefo, cercava 3 Jisias Niacabeus, om 167, Jerusalem “orhecsu um peredo de tance expancto, ‘durante 0 perodo de independéncia, sob 0 govt de oi a, ‘Tone de Heres Pade Real Monte Sido ceri, sean 2, oy eel beled tte rea an eed menue SOs Se es See eel 22 igs co ve Gan 9 to cp CADE DE OA ae aman de Sot fe 526 oo. Corage mene) ‘ metros, foi aberto na rocha sdlide, : feng ae a ae Sona'en one 6S denne gare foe, fo cng og Cones Fefeeelaa docket bel fens ue ao gua flui por esse aqueduto. cana oe cates, sumo saceraote* Locatzacao comprovada, mas de esto arquitetonico deseo: 0 indicios reais. hecido: trata-se de concenclo do ansta. baseada na arquite- Fficos. runs e astradas agui mostradas slo de concencio ture romana, do artista, com excego das denominadas e locaizadas. A Locatzacdo 8 estilo argutteorico desconhecldos, mas men- altura das murainas permenece desconnecica, exceto 02 cionados em textos hstérieos; mostrados aqui com o objetivo ‘quslas que corcam 0 Monte do Temol. de mera iustagzo. 0s Vales profundes 2 leste, sul e oeste determinaram 2 ‘A conetrugdo sind exe ov sua aperéncia pode ser cepreendids ‘expansio urbana somente para o norte Marcos Semana da Paixdo SRS Betania, o Monte 7 1p eee lara das Oliveiras e 3 - Jerusalém | L Tm sec i 98 Lucas Os Evangelhos = 2||8]l l/s || 5//8||3 =/[2|(3]|5 Obietivo/T ; Lucas (que escreveu também o livro dos Atos dos Apéstolos) era médica e grego. Assim, seu livro 6 comumente chamado de Evangelho para os gregos, porque enfatiza a beleza da humani- dade de Jesus e sua aceitacdo dos gentios, das mulheres, das criancas e dos pobres — tracos que os gregos em geral associam ao Homem Ideal ou Universal. Versiculos-chave: “Se alguém quer vir apés mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruze siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida perdé-la-4; quem perder a vida por minha causa, esse a salvara.” {9.23,24) Esboco: QO Jesus, v Fillo du Horse, cresce (Lucas 1—4.13) O Jesus, o Filho do |lomem, tem poder sobre todas as coisas {Lucas 4.14—9.50) Q Jesus, o Filho do Homem, cnsina scus discipulos (Lucas 9.51 19.17) Q Jesus, 0 Filho do Homem, sofre e morre (Lucas 19.28— 23.56) Jesus, 0 Filho do Hamem, vive outra vez para sempre (Lucas 24) Datas dos acontecimentos 100 Lucas Palestina no tempo de Herodes, o So (desert, ec) + Montanha Tre, "cesarsia do Flipe 0 Grande Mar (Meitaraneo) sida «Sim stem ssi "eres = oruealont Qumra “Qumrd ~ focal da descoberta dos Ma users do Mar Moria 0, presume, lar dos essénios, Os ilicos designam nomes arabes modernos. Lucas 101 Pardbolas de Jesus bMoteus Marcos Leas Candeia sob oaqueire 6.14,15 a2 8.16,11.33 O construtor prudente e 0 insensato 7.24-27 6.47-49 Tecido novo em vestido velho: 9.16 2.21 5.36 Vinho nove em odres velhos: 9.17 2.22 5.37,38 ‘Semeador e os varios solos. 13.3-8, 18-23 4,3-8, 14-20 8.5-8, 11-15, Joi 13.24-30, 36-43, Ferment 13.39 1320.21 Tesnuraescondido 13.48 Pérola 13.40,46 Rede 13.47-50 Coisas novas e velhas 13.52, Ovelha perdida 18.12-14 15.4-7 ‘Credor incompassivo_ 18.23-34 Trabthadores oa vinha 20.116 Dei hoe 21.2802 Lavredores maus 21.99 44 yaaa 209.18 enquete de casamento zzis Figueira (24,.32-35 13.28,29 (21.29-31 Bom e mau servos (24.45-51 12.42-48 Dez virgens 25.1-13 Talentos: 25.14-30 19.12-27 Ovelhas e cabritos 25.31-46 ‘Semente que germina 4.26-29 Servoevgiantee 1395.7 19.36.40 Credor paras bom semartaro 103037 Amigo imporuno 1158 Ficotolo 121621 Figueira estéril 13,.6-9 Os primeiros lugares 147-14 Aarande ceia 14.16-24 Custo do discipulado 14,28-33 Dreoma perdi i210 Fo ego 16.11.32 eminisrador ni 16.18 ico #0 mencigo 16.1931 Servos indteis 177-10 Juiz iniquo 18.2-8 O fariseu e 0 publicano 18.10-14 102 Sinagoga de Cafarnaum ‘Avia anbgana0 ossula murahas fon tate a 2 eu P dt Fundagtes 777 tage Cefamiaum era maie do que uma vila de pescadores nos dias de Jesus. Foi o lugar que Cristo escolheu para ser 0 centro do seu rinistério em toda aregido da Galléa, e possufa caracteristicas ideals como ponto de d'sseminago do Evangetho. Hovia boas razdos para izoo. A cidade propriomente dite chamava-se Kaphar Nahum, “cidade de Naum (oossivelmer te 0 profeta)” ¢ era o centro de uma regio densemente habitada e bicuitural. Por um lado, havia numerosas sinago- ‘gas na Galiéie (olém de de Cafarnaun), onde 0 fermento de vida judaica era bastante disseminado. Por outro lado, havia Lucas ‘cate baantos srewernioe Runs secunaine aod Eshuwr swan] Bhs pana, oo GC foneopita 90 ase & EEE Sse a vie ae aes Mar da Galiléia © heleniamo, uma cultura secular, pervertedora © muito poderosa em seu paganismo — um estilo de vida que influ- enciava costumes, vestimentas, arquitetura e também as instituigoes pollticas. Trabalhos arqueclégicos rocentes revelaram um corte do ppavimento de uma sinagoga do primeiro século abaixo das ruinas ainda existentes de sinagoga do século quarto. Uma casa particular depois transformada em igreja elocal de peregrnacao tem apresentado alguma evidéncia que pode ligéa a0 local da casa de Simao Pedro (Le 4.38). Aparigdes apés a Ressurrei¢Go ACONTECIMENTO DATA Mateus Marcos Lucas Jodo Atos No tumulo vazio, nos arredores ‘Manta de Domingo 281-10 161-8 24112 20.1.9 de Jarusaln ‘A Maria Madalona, junto a0 timulo Manhi de Domingo 169-11 20.11-18 A dois visinntns, na eateada Hla Fmaiie —— Mneingn, aa ainda 7412.99 APedro, em Jerusalém Durante 0 dia de Domingo 24.34 15.5 ‘Aos dez discipulos reunidos no cenéculo Domingo & noite 16.14 24.36.43 20.19.25 ‘Aus onze ciscipulos reunidos no censculo Uma semana mals tarde 20.26-31 15.5 ‘A sete discipulos que pescavam no Mar Ao clarear de um dia 21.4-23 da Galidia ‘Aos onze discipulos na Alqumn tempo depois 28.16:20 16,15-28 montanha da Gallia ‘A mais de 500 Algum tempo depois 15.6 A Tiago Algum tempo depois 18.7 Durante a Ascenso no Monte das Oliveiras 40 clas ands a ressureico 2484-49 1.38 Joao 103 JoAo Os Evangelhos - 3 3 sll 21(2| (3/8 Jodo afirma expressamente que escreveu para que as pessoas viessem a acreditar em Cristo (20.30-31), Ele ndo estava interessado na cronologia histérica dos acontecimentos da vida de Cristo ou em seus feitos, mas sim no significado interior de seus ensinamentos. Para contraba langar @ énfese dada por Lucas & humanidade de Jesus, Jodo se detém em sua divindade. Versiculos-chave: “... Eu sou 0 pao da vida; o que vem a mim jamais tera fome.” (6.35). “... Eu sou a ressurreicao @ a vida. Quem cré em mim, ainda que morra, viveré.” (11.25). ”... Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai sendo por mim.” (14.6). Esboco: Q Oministério de cura e ensinamento de Jesus, 0 Filho de Deus (Jodo 1.1-12) Q A morte e ressurreicao de Jesus, 0 Filho do Deus (Joao 13-21) Datas dos acontecimentos 104 Lucas Jesus na Judéia e em Samaria Prolemaida \ (Catarnaum j = ye 3 Tiberiades minas fo cana. ri i a i a 4 oe 4 to, Tabor Naim. Mar Mediterraneo Caeardia © port mais importan- eda Jodele a epoca co Novo Testamanso a : ws ‘Aonom = zou agu 0.20) aS E também 0 focal provavel do minis: ‘Neste lugar Jesus falou Aerio do Jodo “ & mulher samartana ana lunte 20 pogo de Jacé (043) ao Siear Mate. Gevicin ‘© monte mencionade pela samaritan unto a0 pogo como 0 centio de agoragao dos samantanos (in 4 90.23) A cidade bibca ‘mais importante, ‘onde Jesus fo! ‘rutifeade, come Jesus ressuscitado anareceu a senso meio, 2c dois homens que se encaminh ‘Neste lugar Jesus ema Emaus, « lt ceou com MMe 1030, Le 1834 rou urn cege stesiteaeisy 1 » eee Emails) seatém Zaqueu ave ’ esoosee da arvore 7 Betania {Le 19.1), O bom Onde Jesus ressuscitou Lézaro dos Samartano ajusou 0 rmoftos (Jo 11.43,44), Aqui Jesus + Bolém Viajante @ camino \ahongie na cat de Si, © eondaa dens onge leproso (it 266) Fol tember 0 aan ero) paleo ge ascengao, (2245090) gitees) 2 5 = 5 + Maguera = Jodo 105 wee L Jesus na Galiléia Pray somevonies Uma das cidades amaldi- goadas por Jesus Ptolemaida (Mt 11.21; Le 10.13) Local de muitos milagres de Jesus (Mc 2.1, ML8.5 € Corazim Le 7.1; Mt 17.24; Me 1.21; Le 4.31; Jo 4.46; 6.17). : Jesus ensinou na sinagoga desta cidade (Jo 6 59) —Cafarnaum Mar Mediterraneo Cidade de pescadores e lar de Maria Madalena Mar da Magdala Galiléia Aqui Jesus realizou seu primeiro milagre, transfor- _Tiberiades mando a agua em vinho durante uma festa de casa- mento (Jo 2.1, 11). Cidade de Natanael (Jo 21.2). *Cana \ a\ Nazaré Cidade onde Jesus passou sua infancia. aMte. Tabor Ele foi rejeitado na sinagoga de Nazaré e O tradicional © povo da cidade tentou mata-lo (Le 4.16). monte da Sl .__ transfiguragao ‘ Naim (Mt 17.1-8; 4 Aqui Jesus ressuscitou Mc 9.2-8; sl uma viva (Le 7.11) Lo 9.28-38) s S Mithas 10 10 Km 10 10. A Cesaréia Citépolis « 106 Lucas Milagres de Jesus Cura MATEUS MARCOS LUCAS JOAO Leproso 8.2-4 1.40-42 5.12,13 Criado de um centurido 8.5-13 7.1-10 Sogra de Pedro 8.14-15 1.30-31 4.38,39 Dois homens de Gadara 8.28-34 5.1-15, 8.27-35 Paralitico 9.2-7 2.3-12 5.18-25 Mulher com fluxo 9.20-22 5.25-29 B.43-48 Dois cegos 9.27-31 Mudo endemoninhado 9.32-33 Homem da mao ressequida 12.10-13, 3.1-5 6.6-10 Endemoninhado cego e mudo 12.22 41.14 Filha da mulher cananéia 16.21-28 7.24-30 Jovem possesso VA 18 Y.1/-29 938-43 Dois cegos 20.29-34 10.46-52 18,35-43 Surdo e gago 7.31-37 Endemoninhado, na sinagoga 1.23-26 4.33-35 Cego em Betsaida 8.22-26 Mulher paralitica 13.11-13 Homem hidrépico 14.1-4 Dez leprosos 17.11-19 Servo do sumo sacerdote 22.50,51 Filho de um oficial, em Cafarnaum 4.46-54 Enfermo junto ao tanque de Betesaida| 5.1-9 Cego de nascenga 91-7 Dominio sobre as forgas da natureza Acalmando a tempestade 8,23-27 4.3741 8.22-25 Andando sobre as dgues 14.25, 6.48-51 6.19-21 Alimentando 5.000 pessoas: 14.15.21 6.35-44 9.12-17 6.5-13 Alimentande 4.000 pessoas 1s.9238 | 10 Moeda na boca do peixe 17.24-27 Figueira amaldicoada 21,18-22 11.12-14, (20-25, Pesca milagrosa 5.4.11 Agua transformada em vinho 24-11 lls bbe hlihbdaae matt Ressurrei¢fo dos mortos A filha de Jairo 9.18,19, 5.22-24, 8.41-42, 23-25 38-42 49-56 O filho da vitiva de Naim 711-15 Lazare 111-44 107 Historia Atos 0 Livro dos Atos dos Apéstolos é 0 Unico livro histérico do Novo Testamento — em contraposigéo aos 12 que compdem o Antigo Testamento. E 0 fato de 0 Novo Testamento incluir um livro histérico 6 de grande importancia. Significa que a fé do Novo Testamento, assim como a do Antigo Testamento, est4 alicercada em aconteci- mentos reais. Os mitos em que se basearam as religiies pagas estavam em deradéncia na época do Novo Testamento. No momento certo, os cristéos eram capazes de dizer: “Ougam isto aconteceu realmente a luz da histdria!” Uma boa maneira de comegar a ler os Atos dos Apéstolos é ler imediatamente antes o ultimo capitulo de Lucas. Datas dos acontecimentos 30 4.C. RBS DD wy _ & 1 GSN ASCENCAO PENTECOSTES = PERSEGUCADDOS = SAULO APOSTOLOS PALO 4540 AB dC. 50d S240 SPACE S57 AC. PAULO: PRIVERA YIA~ SEGUNDA VIAGEM GEM AESIONARIA MISSIONALIA 08 Atos ATos Histéria Atos Objetivo/Tema: Lucas, 0 médico, é geralmente apontado como o autor deste registro da formacao e cresci- mento da igreja primitiva. Seu relato enfatiza a presenca do Espirito Santo, o trabalho missiondrio de Pedro e de Paulo, e afirma que o Cristianismo nao era o inimigo do governo romano. Versiculo-chave: “Mas recebereis o poder, as descer sobre vés o Espirito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia c Samaria e até aos confins da terra.” (1.8) Esboco: QO Evangelho é anunciado: OD em Jerusalém (Atos 1-7) OQ naJudéia e na Samaria (Atos 8-12) Q ao mundo inteiro (Atos 13-28) 20 6.C. BS 4.C. ann rip he) ( ct 7 | se \ a MR I AQCENCAD PENTECOSTES PERSEGUICAO DOS: SAULO PEDRO APOSTOLOS: (PALO! AB AAC. 48 40. 5O 4.0. 52 4.0. SIAC. oF aA 6O 4.6. PAULO: PRIVERA — SEGUNDA VIAGEM TERCERA VIAGEM VIAGEA AISSIONARIA —MIRSIONALIA MIESIONALLA Atos. 109 NacGes dos povos mencionados no Pentecostes ASIA (8) PONTO (7) | CAPADOCIA (6) niow Impéiic panto : Panta co) on . - eetana, Mesqeoste Mar Mediterraneo Sa, * coe ec GRETA (14) ASI — Provinoss do impéte romano (1 EstTo { 200 Icio Provinoae de mpéte pano Roma —Cidades Ye a gust be io) v4, (1B ate — Carsneten deere saute femaun aos ke Paneoronos hos 2:1) 400 800 ARABIA (15) A Damasco romana 4 Loses presumides a Damasco era mais importante para Savio, um rigido fariseu, ‘do que qualquer outra parada em sua campanha de represséo. Ere 0 coragSo de uma vasta rede comercial do caravanse que potconiam grandes distincias atingindo, 20 nore, a Sita, a Mesopotamia, @ Anata, a Pérsia e a Ardbia. Seo nove Yeaminho” do cfistianiemo florarcasea em Damascn, ala rapidamente se espalharia por todas essas localidedes. Sob 0 onto de vista co Sinedrio e de Saule, 0 arquipersequidor ole fevin ser harrada em Damasco, ‘A cidade propriamerte dita ora um verdadeito ofsis, stuado em Uma planicie banfiada pelus ris biicus Ue Abane © Fartr. — — secundo 2 vadigae, e Ararat ‘A arquitetura romana se sobrepunha 4 planta heleista da cidade com um grande tempio dadicado 3 Jipiter © ume ma colonada", 2 "rua Draita” mencionada em Atos 9 11 Ox orbes da cidade © uma soccio da muralna podem ser visas anda noje, assim como © grande mercado que se estende 20 longo da antiga rua A figuea poltica dominante no tempo da fuga de Poulo da Cidade (2C0 11.32-39) era Arvlay IV, rot dos nobatous {8 aC 40 4.C), embora em geral as cidades da Decipols fossem ligadas & provincia da Sia ¢ estivessem, portarto, sob intivbncia de Nome, Atos 110 A difusdo da Boa Nova Atos am Primeira viagem missionGria de Paulo winae ¢ ne E wm é oe we x Bo ”Esmimna GALACIA oy NN ec eernoe . CF The PrsiOWA CAPADOCIA * Ss ionie Colossos aly ‘ a Ponas chicianas wai AT ee a 7 cla Patare ‘Wire cerca de 46-48 d.c. (anna nc sua /o ie Tessalonica | RE 10 ett PO GALACIA %® Sy a. | , “aon 4 eS mh oows, Tarsgh wh? -\ s 7 7 4 “el ee ; sesesbee eg Ello Wiihas O ma 300 inl | BE eaBPr ee eee Teel Eee 2 s Mar Mediterraneo \ cae CIRENAICA Sa ‘\ erusaiom's 9 412 Atos Terceira viagem missionaria de Paulo oe vd. 7 % Psi) Anvonua onas en Giicanas Zotosses Listas ee tana AY cerca de 53-57 d.C. (or t82s—21.17) laditerrénen QUIOS - has rane iene RHODES - Cidades, Portos Protemaidg Oe osaris} Way mins 00 20 x0 C4 km 6 0 200-300 a0—S0 Viagem de Paulo a Roma f Cartage a7 7 on PANFILIA — TASQe SE n f : F UA, satin i crea i SORRELL | a, pos CHPRE < Mar Mesterraneo rs c. de 59-60 d.C. : Cesartia (arz7 12030) Jerusalém> wine 0, ow 00 hime 8 Be 7 ae me Atos Viagens missiondrias de Filipe e Pedro Cosaréia ~ Primeira viagem de Filipe feo At8.5-13 eee rE Segunda viagem de Filipe ei ‘Samaria we —___, Aviagem de Pedro (Sebaste) >, At 9.32—-10.48 a 7 sessniniunuy Viagem do etiope i ‘| ‘At 8.26-39 i i \ + Antipatro SS. Lidia wk Mar Mediterraneo : 2 Yamnia # Local tradicional f de batismo * Betsura Neapoli 114 Cartas DE PauLo Com a expansdo do cristianismo, suraiu a necessidade de os cristaos estarem em contato com 08 ensinamentos de Jesus e dos apéstolos, e saber como colocé-los em pratica. Essa necessi- dade fez surgir as Epistolas, ou cartas, treze das quais foram escritas pelo apéstolo Paulo. A converséo dramética de Paulo estd registrada em Atos 9, 22 e 26. Seu encontro com Jesus © transformou de perseguidor de cristéos no mais influente fundador da igreja entre os cristéos do primeiro século. Quando Paulo escreveu suas cartas? Q As cartas marcadas com foram escritas durante as viagens missiondrias de Paulo. U As cartas marcadas com * foram escritas quando Paulo se encontrava aprisionado em Roma, no tempo de Atos 28. As cartas marcadas com A foram escritas apés a libertago de Paulo do aprisionamento, conforme relata Atos 28. (Mais tarde ele foi novamente preso e morto por ensinar sobre Jesus. A Segunda Carta a Timéteo foi escrita durante sua ultima prisdo.) As nove primeiras cartas de Paulo foram escritas para os crentes (igrejas). As quatro ultimas foram escritas para trés pessoas: Timéteo, Tito e Filemom. * ak ok kK ke eo 8 Tessalonicenses g 5 g£ § 3 3 g 8 _ z 3 a Romanos Primeira aos Corintios ‘Segunda aos Corintios Colossenses rimeira aos Primeia a Timéteo ‘Segunda a Timéteo Galatas Efésios Pr Tito Filemom 115 a Cronologia da Vida de Paulo Linhas, chaves e inhas pontihadas ajudam 3 apresentar 9 seqdéacia de ‘acontecimentos, mas no pretendem apontar o més ou dia exatos em que (08 eventos se Geram, POS esas daTas sd0 aMTcels ae procisar. It -Escreve 1 Tesexowcents, do 630: 0. Frm easton ee i512 - Escrove 2 [55- Esereve Roma pees eecreve ec esettea | exer ere [as 5A. Pani |cvave ve Conrto [de Efeso: couceeenece, de ipos ; Soswe fe Iecineno de Sazo Ei co cote coe | [Be-tosoe ma Emeormore ae = 108¢ Suen eGuance | [peor ta || len-texeve ee tas povaeients on 806. Sorte ca ecw co Leone (aosadome ros ven Se alg Pa ALT. 58. ‘velho" de Fm 9) mel es Escreve Mamertime Grams, 63 |rowanos, de see, de (Tm 4.68) ae ‘Antoui shig [Gencreis ou| || fpr ‘ Icoyimy x ||) wee it Pb Prk t ee Wee Pad bet deh be oéso | [perenne ae cree tases | [bnewrtar. esr Spent Sioa’ | (Ses seneto 55-Mabia we eto | tarsze, | |2ts0 mere area, Siren | [ie terdee ae eee segece cere em 44 Fy oweume rislonamento 1 Comer de Sau (919) ecrsemen lose: eat enone Geoeoe ce [vaser ; reece Se 5.57 Tercera fora 267-cuata 25.98. Vagena naa 1112) Sian ats Ssem masoners em 2010) Slog boone Crearaceem A229, deter om fattazearn | ors piven cemea | conte “seem | s9-Mio aimaaiimed | iano a Dy tte em Cea 3 chepadaa ntogua Atcogua saat 829 as) 129-Vistade sues soma ina a Jerusaier| (19.2629, 1118.9) Ia at 25-25) 49/50 -Conciio de serusaim jarisses ate 0) ois2 - segunda viagem mission Kat 15.40=18 23) 116 Romanos Romanos Cartas de Paulo Tite Primeira aos Corintios Segunda aos Tessalonicenses @ 2 = 3 8 3 3 g g 4 8 8 & Primeira a Timéteo: + | Seounda a Timéteo & 3 8 gs 3 = = Colossenses Romanos Galatas Efésios Cartas a igrejas Individuais Q Todo somos pecadores € precisamos da salvagdo de Deus. Deus enviou seu Filho Jesus Cristo para nus resgalar do pecadu. Aquele que confiar que Cristo ¢ 0 Salvador ter 0 perdéo dos seus pecados e desfrutaré da vida eterna com Deus. 7 Israel voltou-se contra Jesus, 0 Messies (Salvador) enviado por Deus. Ainda assim Deus seré fie a sua promesea ¢ rosgataré 0 remanescente. @ Quando pertencemos & familia de Deus devemos viver de forma agradavel a ele. Devemos obodiéncia a Dous porque 0 amamos. Versiculos-chave: “Pois todos pecaram e carecem da gléria de Deus, sendo justificados gratuitamente, por sua graca, mediante a reden¢ao que hd em Cristo Jesus.” (3.23,24) Esboco: A necessidade universal da graga (Romanos 1-4} Q Paz e poder através da graca e do Espirito Santo (Romanos 5-8) Q Graga para a familia de Deus (Romanos 9-11) Q Aplicacao pratica da mensagem da graca (Romanos 12-16) Datas dos gcontecimentos_ FOU-C. 57 58 59 a PROVAVEL EA QUE FOI EScRtna ———————— VAGENS MISSIONS APREIONAVENTO SESUNDD APRS! BE PALO (57) EM ROMA dbo 28) ONAAMENTO Romanos Roma no Tempo de Paulo ater % ee % jy AAR Tr % Tore Stow iA A persequieo netoniana fot ura clara tonativa por Upto erstbos pelo S lamentou per aqueles que forern snjster terturados na ar Anaisde lato, 19.44), Primise co 3 ‘Costa RIUNPHALg Ma Dstip ho wath Mediterraneo, Roms era famosa por seus malestosos sifios pcos, aqvetktos, bainedros,tetroso estradas, mutas das quaisconduziam & provincias sistantes. No ofivai século cristio a cidade so exoalhara pars aldm daz murainas sérvies constuldas no século V a.C. @ assim permanesou, segura om avo grondosidade. ‘Ascenstrueées mass imponenas fcavary na colina Capitlie, com temples fecteados 2 Jupterea duno, e wainna Yaabre,adomnada com paces imperisis que ncllem a "Casa de Ouro” de Nero, De ambas as colinas 17 ao Ne TEP antes sta la ~~ CE te ten age ag a. ie eee ca Saga saemes SS Ss tlle : Mntagiecdecncopese -\ Meteo TF rae “ $e so90 ico \ avstavnes o ium remano, oct deeds opi, Pnete soma s mon vos snort mar 2 tar nda oun pursed omen dts dos Ga {thre npr Rata ue sto rps rors em ‘auteurs aaa pars onogertas a nan tess ob Iovarcah'e wheres, coms dhegtniee Stats oe Toe © otto Fal ets wn Rea veo oo Bone. Vi 8 pence om ro daca © 9 sp, eps do un prs de eae, terme plone na masrare MAMERTIVG, prowina mo Fo Spreenamere Pal fl caps de rca © ergot soso acon apa span oe Sr oome seas ena ‘Traum poo caVaOra tu eres Gra, rare 68 danish 118 1 Corintios 1 CorinTios io Cartas de Paulo alle 3||2 8||3 elle iz 2 SIS zllz 3\|3 3/8 Bilis sii $}\o o||o FILE Elle a||¢ allall¢ E/E ol] #||® 3) 8]|® s|/e =| 3] £\/2 aisle §|/€|]_ | g||£| #2 IBGE &|/E||3]/s 8ljz\/8 El[sllzilz g a 2 3 Z é & Paulo escreveu esta carta para a jovem igreja de Corinto com o intuito de conter as divisdes, exortar a moralidade e encorajé-los @ consténcia, pregando a esperanca na ressurreicao. “Rogo-vos, irmaos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que faleis todos a mesma coisa € que ndo haja entre vés divisdes; antes, sejais inteiramente unidos, na mesma disposicao mental no mesmo parecer.” (1.10) Esbo¢ Q A importancia da unidade em Cristo (1 Corintios 1-4) Q Moralidade individual e coletiva (1 Corintios 5-8) © Influéncia @ liberdade cristas (1 Corintios 9-10) Louver e dons espirituais (1 Corintios 11-14) 1 A ressutraicfin e exortacies finais (1 Corintios 15.16) pein Bhalla A= 4546 57 98 59 DATA PROVA- VEL EM QUE FOLESERRITA | aS ——————— ee TTT VIAGENS MESIONARIAS DE APRISIONAMENTO EA PAULO kk 5! ROMA (AE 281 AESCNWENTO 1 Corintios Corinto no tempo de Paulo Inscrigao de Erasto do norte (Macellum) wn} Lojas do Noroeste —> Templo a) a Oeste 50 1A cidade de Corinta, postada como um tt de um oho £6 no estreitoistme aue liga o continente graye a0 Pelaponeso, era um dos principais centros comerciais do mundo he'énico | no inicio do século Vil a.C Nennuma ourra ciaaae grega nhs localizagao ta tavore vel para © comércio, tanto mariieno come terrestre. Com Luma alta o fortificada cidadela na retaguerds, localizava se entre 0 Golfo Sathnica a n Mar lAnien, a om ports de Lechaion e Cencréia. 0 dioikos, ou triho de pedra para o transporte de barcos por terra, ligava os dois mares. Coroando Acrocorinto, 0 temple de Afradite era servido, iparlida ‘de Jcorridas Pelene uv Pértico Sul Lojas centrais de acordo com Strabo, por mais de mil sacerdotisas prostitutas pagis. No época em que a boa nova chegou & Corinto, na prima vera do ano de 62, a cidade possula uma orguinosa nisto- Fie de lideranca na Liga Aceiana vivie v espiite de Fenascimonto do heleniamo ab 2 dominseso romana que se seguiu & destruicdo da cidade de Mimmivs, em 148 ac. ‘A longa estada de Paulo em Corinto colocou-e diretamente fein comtato com os principals monumentos da agora 119 one NS crigdo da en, a SHEET Ruas secundarias (linhas <"Y pontithadas) de concep¢io do artista, apenas para efeito de ilustracao, Metros 0 500 Alto Peirene (mercado). muitos dos quais chegaram até nossos dias. ‘A casa da fonte Peirene, 0 templa de Apolo, 0 macellum (4 acougue (1Co 10.28) @ 0 teatro, 0 bema (At 18.12) 2a acanhada sinagoga, fazlam todos parte da experiéncia do ‘apostolo. Uma inscrigao no teatro nomera 0 governedor 6a Cidade, Etasiv, pruvavelmente @ amigo de Paulo que & mencionado om Rm 16.23. 120 2 Corintios 2 Corintios Cartas de Paulo 2 g\\8 als 2 giz \/s 5/|s Elle #\| 3 g||8 8)|5 elle Elz gl|g allel|s Elle ol) sll ® || 3}] 8/8 a|| Silellsllellol{all sll slis 2||s E sllelisijs Balle Sil ell 21] 31/3]/3|/El8||z|/2 ABI QE Si Slfa| EP slfzl|s =\|3 = Cartas a igrejas Individuais Objetivo/Tema: Provavelmente escrita alguns meses ap6s a Primeira aos Corintios, esta carta registra a respos- ta de Paulo ao efeito provocado por sua carta anterior. Defende sua autoridade em corrigi-los, reafirma seu amor por eles e prossegue com seus valiosos ensinamentos. Versiculo-chave: “De sorte que somos embaixadores em nome de Cristo, como se Deus exortasse por nosso intermédio. Em nome de Cristo, pois, rogamos que vos reconcilieis com Deus.” (5.20) Esboco: Q Saudagées e reafirmagao de interesse (2 Corintios 1— 2.13) Q Explicagao e defesa do ministério de Paulo (2 Corintios 2.14—7.16) Q A importancia de partilhar os bens com os demais (2 Corintios 8-9) Q Nova defesa do apostolado de Paulo (2 Corintios 10-12) Q Exortagées finais e bancao (2 Corintios 13) Datas dos acontecimentos 45 46. 575859 6 ae | PROVA- VEL Em QUE FOIESC LIA SSS VIAGENS MISSIONARIAS DE APRISIONAMENTO EM PAULO hk (55) ROMA (At 28) APERONARENTO Galatas 121 GALATAS Cartas de Paulo alls ale elie wl|@ els = S||2 E\|E 3/3 AE 8/8 Ele Elz 2 a Elle 2||2 allgi/gti@) [Eile 8 2s o = s allel] e/a lietl et gigi iz ASE elle! SS ii Si/stiSifel/ =|| 3l/ o/| § elle|jallal|i SI zE||3 =\|/alellz Cartas a igrejas Individuais Como em Romanos, o tema da carta aos Gélatas é a salvaao pela graca através da fé — nao pelo cumprimento da lei. A carta foi escrita para circular entre as igrejas da Galécia, uma provincia romana onde é hoje a Turquia. Versiculo-chave: .. Também temos crido em Cristo Jesus, para que fossemos justificados pela fé em Cristo e néo por obras da lei, pois, por obras da lei, ninguém sera justificado.” (2.16) Eshoco: G Introdugio e defesa da autoridade de Paulo (Gélatas 1-2) Q Salvacao pela graga afirmada e exemplificada (Gélatas 3 5.15) Q Obrigacées da vida na graca (Gélatas 5.16—6.18) Datas dos EL 45 d.C. 57 58 59 a PROVA~ VEL EM QUE FOIESCRITA Tintin ieeccnanaicl | Tena nnn TT Enno TT ne ea VACINS AUSSIONARIAS = APRISIONAMENTO — SEBUNDO APRISKD- DE PAULO h (51-52) EA ROMA LAL 2A NAMENTO 122 EFEsios Lu Cartas de Paulo alle 3)|2 S||s sis 2 ile s}/8 5||3 Ells 3\|2 3||8 31/3 é\| 8 als sis Caled Bile lls gli alls E}JF g/l 8 olf al| sis sll 8 s Sis g s € Sil ell Slle|) o{/3l/s|l ells s||3 & 81/1 3]| 5/8 ||] all 3 5 el] 3 & all/S||3}}a||s ells ; s||3//2|/5 ‘ 2\|2 {|| 3]/8|/5|/z]|8]|z||2 z||3||2llz Cartas a igrejas Individuais E provavel que Paulo tenha escrito esta carta durante seu aprisionamento em Roma, para reafirmar a unidade cristé em “Cristo” como parte do plano de Deus, e para exortar contra a falsa doutrina e a imoralidade. “E, juntamente com ele, nos ressuscitou, ¢ nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus; para mostrar, nos séculos vindouros, a suprema riqueza da sua graca, em bondade para ‘conosco, em Cristo Jesus.” (2.6,7) Q Exaltacéo da unidade entre judeus e gentios em Cristo (Efésios 1-3) Q A responsabilidade dos que estado unidos em Cristo (Efésios 4.1—6.9) Q A armadura de Cristo e saudacées finais (Efésios 6.10-24) Oatas dos acontecimentos F546, 57 58 59 oy PRO. VAVEL En QUE FOr ES- CRIA SL VIABENS MISSIONARIAS —_APRIIONAMENTO EM SFBLNOO ADDI). oso DE PALO ROMA (AE 28) & 60! ONAMENTO Etésios cto lhe Gees ane “fr Gals ane A provincia da Kala com sine muita cites neplotsas ara uma. “on as fia do ceturéo de trras tomanas que cereavam o Maditerneo, ‘ocazeda na ina mais cveta ence 0 mare 2 estrada para as provinias 2 lente do impéto, too0 ora um importente mercado Corn 9 ual ‘muitos pauses tvalzavam em todo © mundo. Nenuma aura cidade na Asia eta t80 fernosa ou populess. Equparavasse a oma, Corto, ‘Antioquia Alexandria como um dos prneipass cantos ubanos Jo sper. Localzada em um porto interior fauaimenteateraco, 2 cidade lnave-se {30 Mar Egeu, 8 uns cinco quiémetios de distinc, através de um festveto canal formedo pelo rio Cayster. Efeso ostentava imponentes rmonumentos cicos que nclulan trplo de Artanis (saa), as das sets maravihas do mundo atign. As moadas conhada ne cade ‘orguthosamente apresentavam a nscriggo Neokoros, “guards do tempo" Em Eteso, Faubo pregou para vastas muitigoes. Os outves reunramn-se pote recor que la uanciava grande némero de pessoas ne cidade ‘2am pratcamante toda a Ana (AY 19 26). Frn en ane main ceamtions acontacimentos rgistrados no NT, 0 apdstoloescapou a uma Mulia furiosa no teatro da deusa, E589 construgso, localiza no Mte. Pior, Ruas secundarias (linhas pontilna- a0 final da via Arca, pod abrigar 25 mi pessoas das) de cor jo dy artista, ape- nas para efcito de ilustragao. urs tases. som divi, famires 20 aodsot eam a Ancra Mithos 0 i comercial Forts Magnésa, a prefeitura ou “Casa do Consaha”« 2 1 Provavellocalizacao das et Km 0 1 murathas ————— 124 ipenses FILIPENSES Cartas de Paulo 2 individuais Primeira aos Tessalonicenses Segunda aos Tessalonicenses Romanos Primeira aos Corintios Secunda aos Corintios Filipenses Colssenses Primeira a Timéteo Segunda a Timéteo Filemom Esta é mais uma “carta da prisio”, breve mas de grande eficdcia, que aborda uma série de assuntos, permeada pelo tema constante da importancia da alegria cristé na vida do cristéo, mesmo diante do sofrimento. “Nao andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas peticdes, pela oracdo e pela suiplica, com agdes de gracas. E a paz de Deus, que excede Todo 0 entendimento, guardara o vosso coragdu e a vussa mente em Cristy Jesus.” (4.6,7) \déias-chave: Q Deus pode transformar em positivo o que é negativo (Filipenses 1.12-19) Q A humilhacdo de Cristo como exemplo (Filipenses 2.5-9) Q A relativa irrelevancia da realizacdo carnal (Filipenses 3.1-11) Datas dos acontecimentos 45 dC 57 58 59 ALG peova- VEL EM QUE FOIESCIATA TO ————— VIAQENC AMCCIONARIAD — ARRICIONIAMAENTO Eth OECLNDOAPRICIO- DEPALO ROMA IAT 28) k 160 NAMENTO Filipenses 125 Filipos no tempo de Paulo A colénia romana de Filipos (Colonia Augusta Julia Philippensis) era uma importante cidade da Macedénia, localizada na estrada principal que ligava as provincias do leste a Roma. Essa estrada, a via Egnatia, seccionava a praca do mercado da cidade e era a causa de sua prosperidade e impor- tancia politica. A dezesseis quilémetros de distan- cia, na costa, ficava Nedpolis, o lugar onde Paulo aportou depois de sua viagem a Tréade, em respos- ta a visdo da Macedonia. Filipos, uma proeminente cidade da regio aurifera da Macedonia, tinha orgulho de sua histéria, Seu nome derivava de Filipe Il, pai de Alexandre, o Grande, e mais tarde recebeu 0 honroso acréscimo dos nomes de Jilio César e Augusto. Muitos colo- nizadores italianos das legides engrossaram 0 ranque dos cidadaos, tornando Filipos vigorosa e poliglota. Transformau-se de um pequeno povoado om uma cidade nobre ¢ privilegiada. Entre as mui tas de suas honrarias estava 0 ius /talicum, que conferia a seus habitantes direitos equivalentes aos das cidades italiana Foram encontradas ruinas do teatro, da acrépolis, da praca do mercado, dos balnedrios e do arco ocidental comemorativo mencionado como “porta”. Pouco adiante, 0 arco junto ao rio Gangites é 0 local em que Paulo se dirigiu a algumas mulheres tementes a Deus e onde se deu a conversao de Lidia Santuario das divinda- des egipcias ae 126 Colossenses CoLOSSENSES Cartas de Paulo Primeira aos Tessalonicenses Romanos Primeira aos Corintios ‘Segunda aos Corintios Filipenses Colossenses ‘Segunda aos Tessalonicenses Primeira a Timéteo ‘Segunda a Timéteo Galatas Efésios Tito Cartas a igrejas Individuais De maneira similar a Efésios e escrita mais ou menos na mesma época, esta carta confronta falsa doutrina, ao afirmar que Cristo deve ser o centro de nossa doutrina, como é o centro da criagdo. A falsa doutrina de Colossos é geralmente chamada de “gnosticismo”, uma heresia combatida também em outros livros do Novo Testamento. O gnosticismo era um sistema de pensamento que exaltava 0 conhecimento (gnosis) de certos mistérios divinos como caminho para a salvacao. Algumas formas de gnosticismo exigiam uma moralidade rigida baseada na lei mosaica, enquanto outras propunham “queimar a carne” por meio de um comportamento imoral. Pregava ainda a adoracao de seres intermediarios entre o céu e a terra (2.16-23). Versiculo-chave: “Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vas sutilezas, conforme a tradi dos homens, conforme os rudimentos do mundo e nao segundo Cristo.” (2.8) Idéias-chave: Q Oreino de Cristo possui um aspecto atual (Colossenses 1—1 3,14} Q 0 Cristo exaltado é a cabeca da igreja (Colossenses 1.15-18) OG Um excesso de regras e preceitos pode ser prejudicial 4 satide espiritual (Colossenses 2.20-23) Q Se viver segundo a lei nao é garantia de salvacao, tampouco é desculpa para a imoralidade (Colossenses 3.1-10) aac dos gcontecimentos_ 45 dC. 57 58 59 A; 1 PROvA- VEL Ena QUE, FOIESCRITA ———— VACENS MICCIONARIAS —ADRICIONAMENTO EM SECLDO AD DE PALO ROMAIAT 28) 160! SIONAMENTO 1 Tessalonicenses 127 1 TESSALONICENSES Cartas de Paulo g\| 8 Ells gil e 8l/3 §||s 3}|6 Ele Elz 3}/8 3}/ 8) [2 ale 3\\ ells 5 s S\\s € Ell ells BSI Ello g|\o 5 s|/3|| 5 3ll3||§ $= $ El El| & Sl/El| a El all o/|§ Sllelieé Sil ells =I) ell ell = elyal|a lalla alole yr Cartas a igrejas Individuais Paulo escreveu esta afetuosa carta aos cristaos de Tessalénica alguns meses apés ter fundado ali uma congreaacao. Escreve com o intuito de confirmar a fé deles. principalmente na confianca dos que morreram em Cristo, e em sequida os instrui a respeito da Sequnda Vinda. Versiculo-chave: “A fim de que seja 0 vosso cora¢ao confirmado em santidade, isento de culpa, na presenca de nosso Deus © Pai, na vinda de nussu Senlior Jesus, curn tudes os seus santos.” (3.13) Idéias-chave: Q A atitude afetuosa e pastoral de Paulo (1 Tessalonicenses 1.7-10) Q O cristao fiei 6 um encorajamento aos demais (1 Tessalonicenses 3.6-10) Q Ensinamentos sobre a Segunda Vinda (1 Tessalonicenses 4.13—5.11) Datas dos dal 454 97 5 BO oe oul PRO- VAVEL Eat GUE FOIES- CRIA VIAGENS MISSIONARIAS ik 5) APRIGIONAMENTO SEGUNDO APRIGIO- YAO DE PALO Eu ROMA (AF 28) NAMENTO 128 2 Tessalonicenses 2 TESSALONICENSES Cartas de Paulo 3\\3 2\|2 8/8 a 2\/2 $||s §||8 = gilt elle El B|| 2 {| 81| 8 3|| 2 S\/2 &\\8 aye e\/2 8 allelle Elle g g = Alle} ® 3) 2)| 8 ae 8|lsl/slle g\l ells e||8 S\/£)/2l] alle s\/z\|8 g|/3 s||3/|§|//2]/ 3 Bi si|s 2}\ 5 Ell e|] sl|Sl|3 el E/| 2 £ 2 sl/z//3|/8]/5 Ble \|sl/z Cartas a igrejas Individuais Aparentemente alguns cristéos de Tessalénica interpretaram a carta de Paulo como um antincio da segunda vinda de Cristo para tao breve que eles ja no tinham necessidade de trabalhar ou planejar o futuro. Paulo escreve esta segunda carta para desfazer o mal-entendido e dar outros ensinamentos sobre o assunto. Versiculo-chave: “Ora, 0 aparecimento do iniquo 6 segundo a eficdcia de Satands, com todo poder, ¢ sinais, e prodigios da montira, @ com todo engano de injustica aoe que perecem, porque nao acolheram o amor da verdade para serem salvos.” (2.9,10) Idéias-chave: QO Evangelho nao é apenas uma boa nova em que se deva crer, mas é preciso vivé-la (2 Tessalonicenses 1.8) Q Apesar dos iniquos que distorciam 0 ensino da Segunda Vinda, um Deus soberano é quem detém 0 controle {2 Tessalonicenses 2.1-8) U A principal responsabilidade daqueles que aguardam a vinda de Cristo é ser fiéis, para que 0 Espirito realize seu trabalho de santificagao (2 Tessalonicenses 2.13-15) Q A preguica nao deveria ser estimulada (2 Tessalonicenses 3.6-12) Datas dos acontecimentos a 454.6. 5758 59 Of 66 90 os DATA PROV A- VEL Eat QUE FOIESCRTA VIAGENS HISSIONARAS fh (oi) APDONAMENTO — SEOLRDO APRIDIO- OAO DE PAIO EM ROMA (At 28) NAMENTO 1 Timéteo 129 1 TimMOTEO Cartas de Paulo 3\|3 gis 5\|s Els 3|| 3 g\| 8 3|| 5 gis |S 8s ee 22 || 8 oll elle Elz g||s o|| 3}f 8] ® ae Zl ellslle $1) Sl] ells e||< £ ST Sl Eel] Sil etl Silalle iz 5 El el] 3//si/3/l2|| Sil el| 2 ell 3l| o/|& eEl[allol/F|lz//S}fzlfa SllFlli Cartas a igrejas Individuais As “Epistolas Pastorais” receberam esse nome porque demonstram como conduzir 0 rebanho de Deus. Mais uma vez, Paulo se preocupava especialmente com os talsos mestres. Objetivo/Tema: Na primeira carta a Timéteo, Paulo instrui seus colaboradores mais jovens sobre a doutrina basica, a ordem da igreja e a vida pessoal Versiculo-chave: “Escrevo-te estas coisas, esperando ir ver-te em breve; para que, se eu tardar, fiques ciente de como se deve proceder na casa de Deus, que é a Igreja do Deus vivo, coluna e baluarte da verdade.” (3.14,15) Esboco: Q Saudago e exortacao contra os falsos mestres {1 Timéteo 1) O Instrueées sobre o culto (1 Timéteo 2) Q As qualificagées dos bispos e diaconos (1 Timéteo 3) Q Conselhos e exartacdes (1 Timéteo 4) Q) Exortacao ao bom relacionamento (1 Timéteo 5.1—6.2) Q Conselho final e béngao apostilica (1 Timéteo 6.3-21) Datas dos Sees eeoe 4540 57 5B 5D 20 os A= DATA PROVA- VEL Ent QUE FONESC IATA — ee VAGENS MISSIONARIAS — APRISIONAVENTO hk SEGUNDO APRISIO- DE PALO Ex ROMA LAL 28) NAMENTO 1 Timéteo Qualificagdes dos Presbiteros/Chefes e Didconos Autocontrole Hospitaleiro Apto para ensinar Nao violento, porém cordato Nao briguento Nao cobigoso Nao seja um recém-convertida Tenha boa reputacao junto aos de fora Nao arrogante Nao irascivel Ame o que é bom Justo, santo Disciplinado Presbitero Presbitero Presbitero Presbitero Presbitero Presbitero Presbitero Presbitero Presbitero Presbitero Presbitero Presbitero Preshitero 1m 3.2; Tt 1.8 17m 3.2; Tt1.8 Marido de uma sé mulher Temperante 1m 3.2; 5.17; Tt 1.9 11m 3.3; Tt 1.7 Im 3.3 17m 3.3 1Tm 3.6 17m 3.7 Tt 1.7 Tt17 Tt1.8 Tt18 Tt 1.8 Respcitével Nao inclinado a bebida Governe bem sua propria familia Cuide para que os filhos sejam obedientes N&o busque ganhos ilicitos Soja fici 4 verdade Sincero Experimentado Presbitero Diécono Presbitero Diécono Presbitero Diécono Presbitero Diécono Presbitero Diécono Presbitero Diécono Diécono Presbitero Diécono Diacono Diécono 130 11m 3.2; Tt 1.6 17t3.12 1Tm 3.2, Tt 1.7; 17m 3.8 1Tm 3.2 1Tm 3.8 17m 3.3; Tt 1.7 1Tm 3.8 1Tm 3.4; 1Tm 3.12 1Tm 3.4-5; Tt. 1Tm 3.12 Presbitero Tt 1.7 1Tm 3.8 1 Timéteo, 134 Quarta Viagem Missionaria de Paulo ¥ Lé , NY ani TRACIA Mar Negro ESPANHA Oceano Atlantico BITINIAS PONTO me Pe IT GALACIA oe % 7 aL re ase ee cuenferie we Seal : 4 c. 62 — 68d. C. ——* Fice idente a partir de Atos 13.1—21.17 que Paulo realizou trés viagens missionaias. Hé sw azo para se acreditar que ele tenha feito uma irene Cn. Alexandria quarta viagem depois de sua libertacao do aprisionamento em Roma, registrado em Atos 28. A conclusao de que essa viagem tenha -n realmente ocorrido baseia-se em: (1) na dectara- ‘p80 de Paulo de sua imengae ae ir 8 Espanna (Rm 15.24,28), (2) a inyeréncia de Eusebio de que Paulo fo) libertade epés seu primeiro aprisionamento em Roma (Histéria Eclesiéstico, 2.22.2-3) e (3) declaracdes na literatura dos primérdios do Cristianismo de quo ole levou 0 Evangelho até a Espanha (Clemente de Roma, Frise ana Caton cap. Br et Pel 1. Roma -iberto da orisio omg we 9 DD Vurcslanses cape 1.3; Chnone uratonane, -«2.~=S«Epanhn 6264 (Rm 16°28 26) mba ado emt linhas 34-39). 3. Creta - 64-65 (Tt 1.5) Os lugares que Paulo teria visitado apés sua 4 Mileto - 65 (2Tm 4.20} libertagao da prisdo, so indicadas por deciara- 5, Colossos - 66 (Fm 22) 9des de intencdo em seus primeiros escritos 6. Efeso - 66 (1Tm 1.3) ee ae teantaracgastas AT. ilipos 68 (Fp 23.26; 1 Tm 1.3) veguancs desta un vlagem nfo poder ser 8. Meopeia = e667 (It 9.12) seen naatonscareee mea kine t!|| | moe se Beer Cilceloee Udell bide Ta) | mata tee 132 2 Tessalonicenses 2 TimOTEO Cartas de Paulo = i 3 $8 5|/8 Elz 8\|2 3||8 Els 8/3 £\|s 8|/s eye Eile o|| 2 e|| 2 Elle gl) 8 3)| 3/8 ail e $|) sllglle 8) sll ells ells £ SSE Sil sil sil alate £il/e Ss El ell 2/(/|3 Shell £|| $l] 2||§ S|lEl/sl/sliz 8Es E[s|lEz Cartas a igrejas Individuais Objetivo/Tema: Esta é possivelmente a Ultima carta de Paulo. Ha evidéncias de que apés seu primeiro aprisiona- mento em Roma (ver Atos 28), ele foi libertado, empreendeu outra viagem missionaria, e foi novamente aprisionado em Roma. Acredita-se que esta Segunda carta a Timéteo foi escrita nessa ocasiao como uma mensagem de encorajamento, para que perseverasse na fé. Versiculo-chave: “Combati 0 bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Ja agora a coroa da justica me esta guardada, a qual 0 Senhor, reto julz, me dara naquele Dia; e nao somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda.” (4.7,8) Idéias-Chave: QO Relacionamento pessoal de Paulo com Timéteo e com o Senhor (2 Timéteo 1.3-12) O Exortacdo a fidelidade (2 Timdteo 2) OQ Admoestacées contra o ateismo (2 Timéteo 3.1-9) Q A inspiracao das Escrituras (2 Timéteo 3.16,17) Q Amissao de pregar a Palavra (2 Timéteo 4.1-5) Datas ha Se VAGENS MESIONARAS! APREIONAMENTO EM SEGUMIU ALIS (6700 JOAU DE PALO BOMA (AE 20) ONAMENTO Ge antesde ‘sor exeruitada}