Você está na página 1de 43

Aula - Funções

Função Quadrática,
Sobrejetora, Injetora,
Bijetora, Inversa, Par e
Ímpar.
Introdução
1
- A figura ao lado 5m sala de trabalho
representa uma sala
comercial.Determine:
3m banheiro recepção

a)A área da sala de


2m 4m
trabalho.
b)A área do banheiro.

c)A área da recepção.


Introdução

olução(a) :
2 5m sala de trabalho
30m
área da sala de
trabalho é .
3m banheiro recepção

2m 4m
Introdução

olução(b): 5m sala de trabalho

6m 2
A área do banheiro é 3m banheiro recepção

2m 4m
.
Introdução

olução(c): 5m sala de trabalho

12m 2
área da recepção é 3m banheiro recepção

2m 4m
.
Introdução

-Suponha agora que a x+2 sala de trabalho


figura ao lado representa
a planta baixa da sala
x +1 banheiro recepição
comercial anterior, cujas
medidasxdependem da x x+3
variável .
Introdução
a ) 2 x 2 + 11x − 12

endo assim qual das b) 2 x 2 − 11x − 12


expressões a seguir c) 4 x 2 − 12 x − 12
melhor representa a
d ) 2 x 2 + 12 x + 9
área total da sala.
e) 4 x 2 + 12 x + 9
Função Quadrática

Sejam a, b, c ∈ ¡ , com a ≠ 0 . A função


f :¡ →¡ tal que ( ) = + bx + c, para
2
f x ax

todo x ∈ ¡ , é chamada função quadrática ou

função polinomial do segundo grau.


Atividade 1

Em cada uma das funções quadráticas


definidas abaixo, determine seus
coeficientes.
a) b)
f ( x ) = 2x − 4x + 5
2
f ( x ) = −2 x 2 − 5 x + 4
c) d)
e)
f ( x ) = π − 4 x + 3x 2
f)
f ( x ) = −4 x + 2 x 2

f ( x ) = −2 x − 5 3 2
f ( x) = x
2

4
Gráfico de uma função
quadrática

Sendo f : ¡ → ¡ uma função quadrática

definida por f ( x ) = x 2, esboce o seu gráfico.


Gráfico de uma função
quadrática
Para resolver este problema, vamos,

inicialmente, construir uma tabela,

escolhendo alguns valores para x e

encontrando os correspondentes para y .

Desta forma, determinaremos pares

ordenados ( x , y ) .
Gráfico de uma função
quadrática
x y = x ( x, y)
2

−4 16 ( −4,16 )
−3 9 ( −3,9 )
( −2, 4 ) • •
−2 4
−1 1 ( −1,1)
0 0 ( 0, 0 ) • •
1 1 ( 1,1)
2 4 ( 2, 4 ) • •
3 9 ( 3,9 ) • •
4 16 ( 4,16 ) •
Gráfico de uma função
quadrática

Sendo f : ¡ → ¡ uma função quadrática

definida por f ( x ) = x 2 + 1, esboce o seu

gráfico.
Gráfico de uma função
quadrática
x y = x2 1+ ( x, y)
−4 17 ( −4,17 )
−3 10 ( −3,10 ) •

−2 5 ( −2,5 )
−1 2 ( −1, 2 ) • •
0 1 ( 0,1)
1 2 ( 1, 2 )
2 5 ( 2,5 ) • •
3 10 ( 3,10 ) • •

4 17 ( 4,17 )
Gráfico de uma função
quadrática

Sendo f : ¡ → ¡ uma função quadrática

definida por f ( x ) = x 2 − 1 , esboce o seu

gráfico.
Gráfico de uma função
quadrática
x y = x2 1− ( x, y)
−4 15 ( −4,15 )
−3 ( −3,8 ) • •
8
−2 3 ( −2,3)
−1 0 ( −1, 0 ) • •
0 −1 ( 0, −1)
1 0 ( 1, 0 )
• •
2 3 ( 2,3)
3 8 ( 3,8 ) • •

4 15 ( 4,15 )
Gráfico de uma função
quadrática

Sendo f : ¡ → ¡ uma função quadrática

definida por f ( x ) = − x ,2 esboce o seu gráfico.


Gráfico de uma função
quadrática
x y = − x2 ( x, y)

−4 −16 ( −4, −16 ) • •
−3 −9 ( −3, −9 )
• •
−2 −4 ( −2, −4 )
−1 −1 ( −1, −1)
0 0 ( 0, 0 ) • •
1 −1 ( 1, −1)
2 −4 ( 2, −4 )
3 −9 ( 3, −9 ) • •
4 −16 ( 4, −16 )
Função Sobrejetora

A f B

f :A→B
f é sobrejetora ⇔∀y ∈ B, ∃ x ∈ A talque f ( x) = y
Exemplo
1) f : ¡ → ¡ ; f ( x) = 3 x − 1
y Note que o gráfico nos fornece
f
Im( f ) = ¡ e CD( f ) = ¡

Logo, Im( f ) = CD( f )


1 x
−1 3

∴ f é sobrejetora
Exemplo
2) f : ¡ → ¡ ; f ( x) = x
2

y Note que o gráfico nos fornece


f
Im( f ) = ¡ + e CD( f ) = ¡

Logo, Im( f ) ≠ CD( f )


x
∴ f não é sobrejetora
Exemplo
3) f : ¡ → ¡ + ; f ( x) = x 2
y Note que o gráfico nos fornece
f
Im( f ) = ¡ + e CD( f ) = ¡ +

Logo, Im( f ) = CD( f )


x
∴ f é sobrejetora
Função Injetora

A f B

f :A→B
f é injetora ⇔ ∀x1 , x2 ∈ A, se x1 ≠ x2 ⇒ f ( x1 ) ≠ f ( x2 )
Exemplo
y
1) f : ¡ → ¡ ; f ( x) = x 3

∀x1 , x2 ∈ ¡ temos
x
x1 ≠ x2 ⇒ x = f ( x1 ) ≠ f ( x2 ) = x
3
1
3
2

∴ f é injetora
Exemplo
2) f : ¡ → ¡ ; f ( x) = x
2

y
f Sendo −2 = x1 ≠ x2 = 2, temos

4 = (−2) 2 = f ( x1 ) = f ( x2 ) = 22 = 4

x ∴ f não é injetora
Exemplo
3) f : ¡ + → ¡ + ; f ( x) = x 2
y
f Sendo 2 = x1 ≠ x2 = 3, temos

4 = 22 = f ( x1 ) ≠ f ( x2 ) = 32
=9

Assim ∀x1 ∈ ¡ e ∀x2 ∈ ¡ temos


x
x1 ≠ x2 ⇒ x12 = f ( x1 ) ≠ f ( x2 ) = x22

∴ f é injetora
Função Bijetora

A f B

f : A → B é bijetora ⇔ f é sobrejetora e injetora


Ou ainda:
f é bijetora: Im f ( x) = contradomínio B
∀x1 , x2 ∈ A, se x1 ≠ x2 ⇒ f ( x1 ) ≠ f ( x2 )
Exemplo
1) f : ¡ → ¡ ; f ( x) = 3 x − 1
y Sabemos que f é sobrejetora pois
f I m( f ) = CD( f ) = ¡
Note que ∀x1 , x2 ∈ ¡ temos:
x1 ≠ x2 ⇒ 3 x1 ≠ 3 x2 ⇒ 3 x1 − 1 ≠ 3 x2 − 1
⇒ f ( x1 ) ≠ f ( x2 )
1 x Logo f é injetora
−1 3
Como f é sobrejetora e injetora
∴ f é Bijetora
Exemplo
2) f : ¡ + → ¡ + ; f ( x) = x 2
y Sabemos que f é injetora
f
Pois ∀x1 , x2 ∈ ¡ temos
x1 ≠ x2 ⇒ x12 = f ( x1 ) ≠ f ( x2 ) = x22
E como Im( f ) = CD( f ) = ¡ + temos que

x f é sobrejetora
Como f é sobrejetora e injetora
∴ f é Bijetora
Função Composta

f ( x) = x2
g ( x) = x + 1
Função Composta

f ( x) = x2

g ( f ( x)) = g ( x )
2

g ( f ( x)) = x 2 + 1
g ( x) = x + 1
Função Composta

f ( x) = x2
g ( x) = x + 1
Função Composta

g ( x) = x + 1
f ( g ( x)) = f ( x + 1)

f ( g ( x)) = ( x + 1)
2

f ( g ( x)) = x + 2 x + 1
2 f ( x) = x2
Função Composta
B
f ( x)

A f g C
x g ( f ( x))

=
h(x ) g = (g f )(x ) o
(f (x ))
Exemplo
B
•2
f ( x) = 2 ⋅ x •4 g ( x) = 3 ⋅ x
•6
A C
1• •6
2• • 12
3• • 18
h(x )?

g ( x) = 3 ⋅ x
g ( f ( x)) = 3 ⋅ f ( x) = 3 ⋅ 2 ⋅ x = 6 ⋅ x
∴h=
(x⋅) 6 x
Função Inversa
A f
B
• •
f : A → B bijetora
• • D ( f ) = A Im( f ) = B
• •

A f −1 B
−1
• •
f :B→ A
• •
D ( f −1 ) = B Im( f −1 ) = A
• •
Exemplo
A f
B
1 2 f :A→B
x a y = 2x
2 4

A f −1 B
−1 1 2
f :B→ A
x
xa y=
2 2 4
Como obter a função inversa?

y = 2⋅ x

I) x = 2 ⋅ y
x
II) 2 ⋅ y = x ⇔ y =
{2
inversa f −1

−1 x
∴ f ( x) =
2
Função Par

f : A → B talque f ( x) = f (− x) ∀x ∈ A

Exemplos
y
1) f : ¡ → ¡ ; f ( x ) = x é par pois

f (− x) = − x = x = f ( x) ∀x ∈ ¡ f

Obs.: O gráfico de f é simétrico


em relação ao eixo y. x
2) f : ¡ → ¡ ; f ( x) = x2 − 1 é par pois,

f (− x) = (− x) 2 − 1 = x 2 − 1 = f ( x) ∀x ∈ ¡

y
Obs.: O gráfico de f é simétrico
em relação ao eixo y. f

x
Função Ímpar

f : A → B talque f (− x) = − f ( x) ∀x ∈ A

Exemplos
1) f : ¡ → ¡ ; f ( x) = x é ímpar pois,
3 y
f
f (− x) = (− x)3 = − x 3 = − f ( x) ∀x ∈ ¡

Obs.: O gráfico de f é simétrico


0
x
em relação à origem.
2) f : ¡ → ¡ ; f ( x) = x é ímpar pois,

f (− x) = − x y
− f ( x) = − x f
Logo,
f (− x) = − f ( x) ∀x ∈ ¡
x
0
Obs.: O gráfico de f é simétrico
em relação à origem.
Função que não é nem par e
nem Ímpar
f : ¡ → ¡ ; f ( x) = x 2 + x
f (− x) = (− x) 2 + (− x) = x 2 − x ∀x ∈ ¡ y
− f ( x) = −( x 2 + x) = − x 2 − x ∀x ∈ ¡ f
∴ f ( x ) ≠ f ( −x ) e
f (− x ) ≠ − f ( x) ∀x ∈ ¡

Obs.: O gráfico de f não é simétrico


0
x
nem em relação à origem,
nem em relação ao eixo y.