Você está na página 1de 37

Certificação de inversores Fotovoltaicos conectados à Rede – (12 Possibilidades de conexão em BT)

AIMÉ PINTO (SECRETÁRIO)- afpinto@iee.usp.br - IEE – www.iee.usp.br

ILDO BET (COORDENADOR)- ildo@phb.com.br - PHB – www.phb.com.br

ABNT/COBEI CE - 03:082.01 –Comissão de Estudos de Sistemas de Conversão Fotovoltaica de Energia Solar

ABNT/COBEI CE - 03:082.01 –Comissão de Estudos de Sistemas de Conversão Fotovoltaica de Energia Solar

Certificação de inversores Fotovoltaicos conectados à Rede (12 Possibilidades de conexão em BT)

ABNT NBR 16149:2013 - Sistemas fotovoltaicos (FV) - Características da interface (requisitos) de conexão com a rede elétrica de distribuição Válida a partir de: 01/03/2014 (publicada 01/03/2013).

ABNT NBR 16150:2013 - Sistemas fotovoltaicos (FV) – Características da interface de conexão com a rede elétrica de distribuição – Procedimento de ensaio de conformidade Válida a partir de: 04/04/2013 (publicada 04/03/2013)

ABNT NBR IEC 62116:2012 - Procedimento de ensaio de anti- ilhamento para inversores de sistemas fotovoltaicos conectados à rede elétrica. Válida a partir de: 06/04/2012 (publicada 06/03/2012) As normas foram feitas com muita participação e antendência e a maioria dos fabricantes só se mexeram após a portaria 357/2014 do INMETRO.

e antendência e a maioria d os fabri can t es s ó se mexeram ap

Certificação de inversores Fotovoltaicos conectados à Rede – (12 Possibilidades de conexão em BT)

ABNT NBR 16274:2014 - Sistemas fotovoltaicos conectados à rede - Requisitos mínimos para documentação, ensaios de comissionamento, inspeção e avaliação de desempenho (laudo técnico da energia produzida/financiamento). Válida a partir de: 06/04/2014 (publicada 06/03/2014)

PROJETO CE 03.064.01 - 010 - Instalações Elétricas de

Sistemas de Alimentação Fotovoltaicos – ORIGEM IEC 60364 - 7 – 712: Electrical installations of buildings – Part 7-712: Requirements for special installations (requisistos de segurança dos SFV) or locations –. Solar photovoltaic (PV) power supply systems. Texto base adotado IEC/TS 62548 Photovoltaic ( PV) arrys- design requirements – TC82 Retomou os trabalhos em março 2015 com um novo coordenador Marcelo Pinho Almeida do GT FV CE-03.064.01 em conjunto com a

CE-03:082.01

em março 2015 com um novo coordenador Marcelo Pinho Almeida do GT FV CE-03.064.01 em conjunto

Certificação de inversores Fotovoltaicos conectados à Rede (12 Possibilidades de conexão em BT)

• O Inversor FV trabalha como fonte de corrente acompanhando a tensão do PCC.
O
Inversor
FV
trabalha
como
fonte
de
corrente acompanhando a tensão do PCC.

O Inversor FV trabalha como fonte de corrente acompanhando a tensão do PCC. Os Limites de tensão do Prodists (adequado/precário/critico) não se aplicam.

A tensão no PCC pode ser regulada pelo reativo Q(v).

do Prodists ( adequado/precário/critico ) não se aplicam. • A tensão no PCC pode ser regulada

ABNT NBR 16149:2013 – Sub e Sobre Tensão e tempo de desconexão.

Requisitos da Qualidade :

1 - TENSÃO 2 - FREQUÊNCIA 3 - CINTILAÇÃO 4 - DISTORÇÃO HARMÔNICA 5 - FATOR DE POTÊNCIA

O Inversor deve ser capaz de identificar desvios dos requisitos e cessar o fornecimento de energia.

POTÊNCIA O Inversor deve ser capaz de identificar desvios dos requ isi tos e cessar o

ABNT NBR 16149:2013 – Sub e Sobre Tensão e tempo de desconexão.

Tensão no ponto comum de conexão (% em relação à V nominal )

Tempo máximo de desligamento a

 

V

<

80 %

0,4 s

80 %

V

110 %

Regime normal de operação

110 %

<

V

0 , 2 s

O tempo máximo de desligamento refere-se ao tempo entre o evento anormal de tensão e a atuação do sistema fotovoltaico (cessar o fornecimento de energia para a rede). O sistema fotovoltaico deve permanecer conectado à rede, a fim de monitorar os parâmetros da rede e permitir a “reconexão” do sistema quando as condições normais forem restabelecidas.

• Todas as menções a respeito da tensão do sistema referem-se à tensão nominal da rede local (Valores do PRODIST – Conta de luz).

a respeito da t ensão do sistema referem-se à tensão nominal da rede local ( Valores

Tensões de conexão com a rede elétrica brasileira - 12 possibilidades, 24 ajustes

Oão 1 de conexão em 208/220/230/240/254 monosica (fase-neutro ) ou bifásica ( fase- fase)

Níveis de:

Sobretensão

Subtensão

Faixas

(>10% a 12% )

(-22% a <-18%)

Níveis

Vnominal

Faixa de Atuação (V)

Faixa de Atuação (V)

120/208

208

>228,8 a 233

162,2 a <170,5

110/220

220

>242 a 246,4

171,6 a <180,4

127/220

220

>242 a 246,4

171,6 a <180,4

220/380

220

>242 a 246,4

171,6 a <180,4

220/440

220

>242 a 246,4

171,6 a <180,4

115/230

230

>253 a 257,6

179,4 a <188,6

120/240

240

>264 a 268,8

187,2 a <196,8

127/254

254

>279,4 a 284,5

198,1 a <208,2

Apesar de termos 8 níveis de rede no PRODIST,podemos agrupar está 1ª opção em 5 tensões (208/220/230/240/254). A conexão em 220 Vac é predominante e pode ser usada em 4 níveis de rede do Prodist 110/220, 127/220, 220/380, 220/440 pois todas tem 220 entre fase-fase ou fase- neutro .

em 4 níveis de rede do Prodist 110/220, 127/220, 220/380, 220/440 pois todas tem 220 entre

Tensões de conexão com a rede elétrica brasileira - 12 possibilidades, 24 ajustes

Tabela 2. Opção 2 de conexão em 110/115/120/127 monosica ( fase-neutro)

Níveis de:

 

Sobretensão

 

Subtensão

   

F

i

a xas

(>

10%

a

12%

)

22%

(-

a <-

18%

)

Níveis

Vnominal

Faixa de Atuação (V)

Faixa de Atuação (V)

110/220

110

>121 a 123,2

 

85,8 a < 90,2

 

115/230

115

>126,5 a 128,8

 

89,7 a < 94,3

 

120/208

120

>132 a 134,4

 

93,6 a < 98,4

 

120/240

120

>132 a 134,4

 

93,6 a < 98,4

 

127/254

127

>139,7 a 142,2

 

99

a < 104,1

 

Resultando em 4 tensões monofásicas de conexão : 110,115,120 e 127.

a 142,2   99 a < 104,1   Resultando em 4 tensões monofásicas de conexão :

Tensões de conexão com a rede elétrica brasileira - 12 possibilidades , 24 ajustes

Opção 3 de conexão em 220/380/440 trifásica (fase-fase)

 

Níveis de:

Sobretensão

Subtensão

Faixas

(>10% a 12% )

(-22% a <-18%)

Níveis

Vnominal

Faixa de Atuação (V)

Faixa de Atuação (V)

127/220

220

>242 a 246,4

171,6 a <180,4

220/380

380

>418 a 425,6

304 a < 311,6

220/440

440

>484 a 492,8

343,2 a <360,8

Resultando em 3 tensões trifásicas para conexão . No total entre monofásico , bifásico e trifásico temos na 1ª opção 5 possibilidades , na opção 4 possibilidades e na 3ª opção 3 possibilidades , resultando um total de 12 possibilidades de conexão com a rede.

possibilidades e na 3ª opção 3 possibilidades , resultando um total de 12 possibilidades de conexão

Problemas de ajustes das tensões para os inversores com certificados internacionais

Apesar da norma produzida no Brasil estar no estado da “artee ser baseada nas normas internacionais: VDE-AR-N 4105:2011-08, CEI 0-21:2012-06 e IEC 61727:2004-12 as nossas tensões de rede são muitas o que não acontece em outros países. Um certificado internacional não tem aplicação automática no Brasil, pois as condições de ensaio são diferentes, temos muitas tensões ( 8 níveis do Prodist). Para cada nível de tensão de conexão com a rede elétrica (12 possibilidades) é necessário um certificado . Os inversores certificados em 220V atendem a maioria das conexões( 84,65% ). A responsabilidade dos ajustes do níveis de atuação dos sensores de sub/sobretensão deve ser do fabricante e não do instalador, já que o mesmo responde pela certificação de seus inversores. Os pontos de atuação por sub/sobretensão na VDE4105 são +15/-20% , na IEC61727 são +10/-15% e na NBR +10/-20% ,são diferentes.

por sub/ sobretensão na VDE4 10 5 são +1 5/-20% , na IEC61727 são +10/-15% e

Tensões de conexão com a rede elétrica brasileira – Configuração por Software

Tensões de conexão com a rede elétrica brasileira – Configuração por Software
Tensões de conexão com a rede elétrica brasileira – Configuração por Software

ABNT NBR 16149:2013 – Sub e Sobre Frequência

∆ P = [ f − ( f + 0 ,5 )] rede NOMINAL
P
=
[
f
(
f
+
0 ,5
)]
rede
NOMINAL
∆ P = [ f − ( f + 0 ,5 )] rede NOMINAL • ∆
∆ P = [ f − ( f + 0 ,5 )] rede NOMINAL • ∆
∆ P = [ f − ( f + 0 ,5 )] rede NOMINAL • ∆
∆ P = [ f − ( f + 0 ,5 )] rede NOMINAL • ∆

P é a variação da potência ativa injetada (ajuda a estabilizar a rede).

× R

ativa injetada (ajuda a estabilizar a rede). × R • R é a taxa de redução

R é a taxa de redução desejada 40%

O gradiente de elevação da potência ativa injetada na rede deve ser de até 20 % de PM por minuto.

Faixas de sub/sobrefrequência são diferentes:VDE 4105 (47,5/51,5Hz).

20 % de PM por minuto. • Fa i xas d e su b /so b

ABNT NBR 16149:2013 - Cintilação

A operação do sistema fotovoltaico não pode causar cintilação acima dos limites mencionados nas seções pertinentes das IEC 61000-3-3 (para sistemas com corrente inferior a 16 A), IEC 61000-3-11 (para sistemas com corrente superior a 16 A e inferior a 75 A) e IEC/TS 61000- 3-5 (para sistemas com corrente superior a 75 A).

corrente superior a 16 A e inferior a 75 A) e IEC/TS 61000- 3-5 ( para

ABNT NBR 16149:2013 - Harmônicos e distorção de

forma de onda.

THDi (permanece igual à IEC) A distorção harmônica total de corrente deve ser inferior a 5%, na potência nominal do inversor.

Harmônicas ímpares

Limite de distorção

 

3° a 9°

 

<

4,0 %

11° a 15°

 

<

2,0 %

17° a 21°

 

<

1,5 %

23° a 33°

 

<06%

   

,

Harmônicas pares

Limite de distorção

 

2° a 8°

 

< 1,0 %

 

°

°

 

10

a 32

< 0,5 %

Inversores com certificados internacionais em 50Hz podem

não atender

em 60Hz, problema de filtro LC.

< 0,5 % Inversores com certificados internacionais em 5 0Hz p odem não atender em 60Hz,

ABNT NBR 16149:2013 - Fator de potência e injeção/demanda de potência reativa

Fator de potência -Faixas iguais a da CEI 0-21:2012-06( norma Italiana)

Faixas de Potência

Fator de potência

Servi os ancilares de rede

ç

S TOTAL 3kW

FP=1

 

3 kW> S

-0,95 FP 0,95 (Curva FP x P ativa)

Estabilização da tensão da rede no PCC (Curva)

TOTAL 6kW

S TOTAL > 6kW

-0,90 FP 0,90 (Curva FP x P ativa ou VAr)

Correção de FP (Plano)

Na VDE-AR-N 4105:2011-08 ,estas faixas são diferentes( 0 a 3,68kW; 3,68

k

k

l

i

ifi

a 13,8 W e .13,8 W), ogo um nversor cert NBR.

d

l

ca o nesta norma a em

ã

ã

,n o passa na

k k l i ifi a ≤ 13, 8 W e .13,8 W) , ogo um

ABNT NBR 16149:2013 - Fator de potência e injeção/demanda de potência reativa

Fator de potência e injeção/demanda de potência reativa • Curva do FP em função da potência
Fator de potência e injeção/demanda de potência reativa • Curva do FP em função da potência
Fator de potência e injeção/demanda de potência reativa • Curva do FP em função da potência
Fator de potência e injeção/demanda de potência reativa • Curva do FP em função da potência

Curva do FP em função da potência ativa de saída do inversor A curva só deve ser habilitada quando a tensão da rede ultrapassar a tensão de ativação, valor ajustável entre 100 % e 110 % da tensão nominal da rede, com valor padrão em 104 % ajustado em fábrica.Desativação entre100 a 90%.

e 110 % da tensão nominal da rede , com valor padrão em 104 % ajustado

Serviço ancilar (Regulação da tensão de rede) - 12 possibilidades 24 ajustes

Oão 1 de conexão em 208/220/230/240/254 monosica (fase-neutro ) ou bifásica ( fase- fase)

Níveis de:

Entrada Curva Reativa

Saída Curva Reativa

Faixas

(>=104% Vnominal)

(90% a 100% Vnominal)

Níveis

Vnominal

Valor de Atuação (V)

Faixa de Atuação (V)

120/208

208

>=216,3

187,2 a 208

110/220

220

>=228,2

198

a 220

127/220

220

>=228,2

198

a 220

220/380

220

>=228,2

198

a 220

220/440

220

 

228 2

198

220

 

>=

,

 

a

115/230

230

>=239,2

207

a 230

120/240

240

>=249,6

216

a 240

127/254

254

>=264 1

228

6 a 254

   

,

 

,

Assim como no caso dos ajustes de sub/sobretensão aqui temos a mesma situação, mas os níveis de ativação e desativação são diferentes , gerando mais dificuldades de um inversor internacionalmente certificado atender todas as tensões do Prodist. Não existe certificado de inversor internacional que se aplica automaticamente.INMETRO é GARANTIA!

do Prodist. Não existe certificado de inversor internacional que se aplica automaticamente.INMETRO é GARANTIA!

Serviço ancilar (Regulação da tensão de rede) - 12 possibilidades 24 ajustes

Oão 2 de conexão em 110/115/120/127 monosica ( fase-neutro)

Níveis de:

Entrada Curva Reativa

Saída Curva Reativa

Faixas

(>=104% Vnominal)

(90% a 100% Vnominal)

Níveis

Vnominal

Valor de Atuação (V)

Faixa de Atuação (V)

110/220

110

>=114,4

99 a 110

115/230

115

>=119,6

103,5 a 115

120/208

120

>=124,8

108

a 120

120/240

120

>=124,8

108

a 120

127/254

127

>=132

114,3 a 127

Temos mais 4 pontos de ativação e 4 de desativação a serem observados na certificação para as tensões de 110, 115, 120 e 127 Vac.

de ativação e 4 de desati vação a serem observados na certificação para as tensões de

Serviço ancilar (Regulação da tensão de rede) - 12 possibilidades 24 ajustes

Oão 3 de conexão em 220/380/440 trifásica (fase-fase)

Níveis de:

Entrada Curva Reativa

Saída Curva Reativa

Faixas

(>=104% Vnominal)

(90% a 100% Vnominal)

Níveis

Vnominal

Valor de Atuação (V)

Faixa de Atuação (V)

127/220

220

>=228,2

198

a 220

220/380

380

>=395,2

342

a 380

220/440

440

>=457,6

396

a 440

No total entre monofásico , bifásico e trifásico temos na 1ª opção 5 possibilidades , na opção 4 possibilidades e na 3ª opção 3 possibilidades , resultando um total de 12 possibilidades de conexão com a rede com regulação da tensão. Resultando num total de 12 pontos de ativação e 12 de desativação( 24 ajustes)

da tensão. Resultando num total de 12 pon t os d e a ti vação e

Serviços ancilares de rede /smart grid

A Norma produzida no Brasil está no estado da “artee não vamos precisar retrofitar nossos inversores, desde que sejam instalados somente inversores com certificados INMETRO.

Esta Norma

de inversores ajudará as distribuidoras a postergarem os

seus investimentos em suas redes através dos serviços ancilares:

(absorção) de

reativos. Correção do fator de potência através de injeção/absorção de reativos. O Inversor funciona como filtro ativo. Ajuda na estabilidade da rede, com a diminuição automática da potencia ativa em função do aumento da frequência, não deixa toda a responsabilidade para os sistema interligado. Ajuda nos afundamentos de tensão (LVFRT)-Low Voltage Fault Ride Through

Regulação

de

tensão

PCC

através de

demanda

no

afundamentos de tensão (LVFRT)-Low Voltage Fault Ride Th roug h Reg ula ção de tensão PCC

ABNT NBR 16149:2013 - Fator de potência e injeção/demanda de potência reativa

Exemplo: Inversor de 10kVA.

10kVA X 0.4358 = 4358 VAr. 10kVA X 0.9= 9000kW
10kVA X 0.4358 = 4358 VAr.
10kVA X 0.9= 9000kW
de 10kVA. 10kVA X 0.4358 = 4358 VAr. 10kVA X 0.9= 9000kW • Limites operacionai s
de 10kVA. 10kVA X 0.4358 = 4358 VAr. 10kVA X 0.9= 9000kW • Limites operacionai s
de 10kVA. 10kVA X 0.4358 = 4358 VAr. 10kVA X 0.9= 9000kW • Limites operacionai s
de 10kVA. 10kVA X 0.4358 = 4358 VAr. 10kVA X 0.9= 9000kW • Limites operacionai s
de 10kVA. 10kVA X 0.4358 = 4358 VAr. 10kVA X 0.9= 9000kW • Limites operacionai s
de 10kVA. 10kVA X 0.4358 = 4358 VAr. 10kVA X 0.9= 9000kW • Limites operacionai s

Limites operacionais de injeção/demanda de potência reativa para sistemas com potência > 6 kW. VDE4105 é 13,8Kw

s de in jeção/de man da de potê ncia reat iv a para sistemas com potência

ABNT NBR 16149:2013 - Sistemas fotovoltaicos (FV) - Características da interface de conexão com a rede elétrica de distribuição

Requisitos de segurança:

1 – SUB E SOBRE TENSÃO 2 - SUB E SOBRE FREQUÊNCIA 3 - ANTI-ILHAMENTO 4 - PROTEÇÃO DE INJEÇÃO DE C.C. NA REDE 5 - RECONEXÃO 6 - RELIGAMENTO AUTOMÁTICO FORA DE FASE(Distribuidoras) 7 - PROTEÇÃO CONTRA CORRENTE DE FUGA(FALTA)/RESISTENCIA DE ISOLAMENTO (IEC62109-2) ((Adicionar na RAC do INMETRO) 8 - PROTEÇÃO CONTRA CURTO-CIRCUITO-LVRT (IEC 60364-7-

712)

9 – ATERRAMENTO (IEC 60364-7-712) 10 -ISOLAÇÃO E SECCIONAMETO (IEC 60364-7-712)

- LVRT (IEC 6036 4- 7- 712) 9 – ATERRAMENTO ( IEC 60 364-7-7 12 )

ABNT NBR IEC 62116:2012 - Anti-Ilhamento para Inversores de SFCR

O sistema FV deve cessar de fornecer energia à rede em até 2 segundos após a perda da rede (ilhamento) . Isto é , os inversores se desconectam da rede se perceberem que ela foi desligada por motivo de manutenção ou qualquer outro. DSV (dispositivo de seccionamento visível) – Foi retirado porque os inversores são certificados pelo INMETRO e tem esta funcionalidade garantida pelo ensaio. Inversores com certificados internacionais podem não serem testados em todas a tensões do Prodist , normalmente eles são em 230V e 50 Hz, e não temos como garantir a segurança dos operadores da rede elétrica.Quando se libera a aceitão de certificados internacionais de quem será a responsabilidade de um acidente? Condição crítica de ensaio :Este teste é o mais complexo e exige que Geração=Carga e instrumentação especial( carga RLC, fonte AC que opere em 4 quadrantes, simulador de rede ,medidor de Potência e array simulator).

carga RLC, fonte AC que opere em 4 quadrantes , simulador de rede , medidor de

ABNT NBR 16149:2013 -Proteção de injeção de componente C.C. na rede elétrica.

O sistema fotovoltaico não deve injetar corrente CC, superior a 0,5% da corrente nominal de saída do inversor, na rede elétrica sobre qualquer condição operacional.

O sistema fotovoltaico com transformador com separação galvânica em 60 Hz não precisa ter proteções adicionais para atender a este requisito.

É de inteira responsabilidade do fabricante do ESE fornecer uma forma de deslocar a corrente de saída (produzir uma injeção de componente contínua) para se fazer a medição do ponto de atuação do sensor.

de saída (produzir uma injeção de componente contínua) para se fazer a medição do ponto de

ABNT NBR 16149:2013 – Reconexão

Reconexão (permanece igual à IEC)

Depois de uma “desconexãodevido a uma condição anormal da rede, o sistema FV não deve retomar a fornecer energia à rede elétrica (reconexão) por um período de 20 segundos a 5 minutos (esperar) após a retomada das condições normais de tensão e frequência da rede.

20 segundos a 5 minutos (esperar) após a retoma da d as con di ções normais

ABNT NBR 16149:2013 – Religamento automático da rede

O sistema fotovoltaico deve ser capaz de suportar religamento automático fora de fase na pior condição possível (em oposição de fase).

Foi uma exigência das Distribuidoras de Energia, tendo em vista que o tempo de ilhamento é de 2segundos e poderia haver conflito com os religadores automáticos que atuam num tempo menor.

O inversor não pode “queimar” neste ensaio.

conflito com os religadores automáticos que atuam num tempo menor. O inversor não pode “ queimar

VDE 0126-1-1 Proteção Contra Corrente de Fuga

Proteção contra corrente diferencial-residual

Um sistema de monitoração de corrente diferencial-residual é requerido para inversores sem separação elétrica (sem trafo) entre o gerador fotovoltaico e a rede.

O inversor deve interromper o fornecimento de energia à rede, em até 0,3 segundos, se a corrente diferencial-residual for superior à 300 mA.

Valor RMS I (mA)

Tempo máximo de desligamento (s) a

30

0,3

60

0,15

150

0,04

Inversores sem separação elétrica, tanto o elemento de interrupção quanto o de desconexão devem ser do tipo contator ou relé (Transformless são2elementos , dupla chance de atuar).

o de desconexão devem ser do tipo contator ou relé (T rans f orm l ess

ABNT NBR 16149:2013 - TELECOMANDOS

Requisitos de controle externo:Smart Grid

Os inversores FV devem estar preparados para receber sinais de Telecomando para:

1 - LIMITAÇÃO DE POTÊNCIA ATIVA

2 - COMANDO DE POTÊNCIA REATIVA

3 - DESCONEXÃO/RECONEXÃO DO SFV DA REDE

para: 1 - LIMITAÇÃO DE POTÊNCIA ATIVA 2 - COMANDO DE POTÊNCIA REATIVA 3 - DESCONEXÃO/RECONEXÃO

ABNT NBR 16149:2013 – Limitação de potência ativa por Telecomando

O sistema fotovoltaico com poncia nominal superior a 6 kW deve ser capaz de limitar a potência ativa injetada na rede por meio de telecomandos.

Passos máximos de 10% e tempo máximo de 1 minuto.

limitar a potência ativa injetada na rede por meio de telecomandos. Passos máximos de 10% e

ABNT NBR 16149:2013 – Comando de potência reativa por Telecomando

O sistema fotovoltaico com potência nominal superior a 6 kW deve ser capaz de regular a potência reativa injetada/demandada por meio de telecomandos, dentro dos limites operacionais (curva de PxQ).

regular a potência reativa injetada/demandada por meio de telecomandos, dentro dos limites operacionais (curva de PxQ).

ABNT NBR 16149:2013 – Desconexão/reconexão do SFV da rede por Telecomando

O sistema fotovoltaico deve ser capaz de desconectar-se/reconectar-se da rede elétrica por meio de telecomandos.

A desconexão/reconexão deve ser realizada em no máximo 1 min após o recebimento do telecomando.

Medida da tensão antes do Relé de desconexão.

Os sinais de Telecomando serão enviados pelas distribuidoras (Smart Grid). O inversor deve estar preparado para não precisar ser retrofitado.

serão enviados pelas distribuidoras (Smart Grid). O inversor deve estar preparado para não precisar ser retrofitado.

ABNT NBR 16149:2013 - Requisitos de suportabilidade a subtensões decorrentes de faltas na rede (Low Voltage Fault Ride Through - LVFRT)

Requisitos de suportabilidade a subtensões de correntes de faltas na rede(LOW VOLTAGE FAULT RIDE THROUGH – LVFRT)

Se todos os SFV se desconectarem ao mesmo tempo em uma área de grande concentração, poderia ocasionar uma desestabilização da rede ou até mesmo um “Blackout”. Essa funcionalidade do LVFRT dos inversores > 6kW, ajudará o sistema elétrico a suportar melhor afundamentos de tensão.

do LVFRT dos inversores > 6kW, ajudará o sistema elétrico a suportar melhor afundamentos de tensão.
ABNT NBR 16149:2013 – Requisitos de suportabilidade a subtensões decorrentes de faltas na rede (Low
ABNT NBR 16149:2013 – Requisitos de suportabilidade a
subtensões decorrentes de faltas na rede (Low Voltage Fault
Ride Through - LVFRT)
• Requisitos de suportabilidade a subtensões decorrentes de faltas na rede.
• Requisitos de suportabilidade a subtensões decorrentes de faltas na rede.

Laboratórios Nacionais - limitações

Portaria INMETRO 271 de 02/06/2015 definiu uma lista de laboratórios nacionais que podem fazer ensaios de inversores baseados na portaria 357/2014 que introduziu a certificação dos inversores para a conexão à rede. IEE/USP capacidade 10 kW monofásico.Interlaboratorial com PHB. Ilha Solteira – UNESP capacidade 30 kW trifásico (interlaboratorial com o IEE) GPEC/UFC capacidade 10 kW monofásico em fase de adequação( Não fez ainda o interlaboratorial com IEE) – provisório , falta equipamentos. GEDAE/UFPA _Grupo de Estudos e Desenvolvimento de Energias alternativas Energéticas Univ. Federal do Pará ( Prof. Pinho) - provisório

e D esenvo lvi men to de E nerg i as alternativas Energéticas Univ. Federal do

Laboratórios Nacionais - Limitações

Laboratório

provisório Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – GREEN/PUC-MG - provisório Os laboratórios provisórios tem 6 meses para abertura de processo de acreditação ou adequação e de 18 meses reconhecimento provirio. Além deste laboratórios brasileiros os fabricantes podem usar os laboratórios da rede ILAC, portanto não tem desculpas para não terem ensaiado os seus inversores , alegando falta de laboratórios. O oficio circular 0018/2015 –SRD/ANEEL que orienta as distribuidoras a aceitarem certificados internacionais pode causar sérios prejuízos a rede elétrica brasileira e colocar em risco a segurança dos operadores das distribuidoras , pois nenhum certificado internacional se aplica automaticamente.

de

Energia

Solar

do

RGS-

UFRGS

(

Prof.

Arno)

, pois nenhum certificado internacional se a p lica automaticamente. – de Energia Solar do RGS-

Conclusões - Responsabilidades

1) Nenhum certificado Internacional se aplica automaticamente as condições da rede elétrica brasileira. O inversor precisa alterar no mínimo o Software. 2) Não é possível se garantir a segurança dos operadores se o inversor não for certificado para aquele nível de tensão onde for se conectar(12 possibilidades).

3) As limitações do laboratórios brasileiros não podem servir de justificativas para os fabricantes não apresentarem os certificados INMETRO, pois podem usar os laboratórios da rede ILAC, desde que ensaiados de acordo com as NBRs, ou normas internacionais, quando da falta destas. 4)Em caso de acidente, de quem será responsabilidade:

-Fabricante do inversor que não certificou nas condições de uso( 12 em BT). -ANEEL que publicou um oficio mandando as distribuidoras aceitar certificados internacionais que não se aplicam automaticamente a rede brasileira - INMETRO que suspendeu a portaria 357 -2014

certificado

-Distribuidora

INMETRO.

que

liberou

a

instalação

de

inversores

sem

o

-Instalador,distribuidor que recebe a senha master e mexe nos ajustes!

Certificação de inversores Fotovoltaicos conectados à Rede – (12 Possibilidades de conexão em BT)

OBRIGADO!

ILDO BET Telefones:(+5511) 99918842/38358300 Email: ildo@phb.com.br www.phb.com.br

conex ã o em BT) OBRIGADO! ILDO BET Telefones:(+5511) 99918842/38358300 Email: ild o@p hb .com. b