Você está na página 1de 4

POTENCIAIS PADRÃO DE ELETRODO

� Existem milhares de células galvânicas possíveis e, portanto, milhares de potenciais padrão de


células.
� Ao invés de estudar todas essas diferentes células, é muito mais simples estudar o número muito
inferior de eletrodos que são combinados para formar as células.
� Potencial padrão (Eo):
� Contribuição característica de cada eletrodo, em condições padrão (solutos em 1 mol L-1 e gases em
1 bar).
� Mede o poder de puxar elétrons de um único eletrodo.
� Célula galvânica:
� Eletrodos puxam em direções opostas e o poder total da célula de puxar elétrons (fem padrão da
célula) é a diferença entre os Eo dos eletrodos.

� Problema com a compilação de uma lista de potenciais padrão: só conhecemos o potencial total da
célula, não a contribuição de cada eletrodo.
� Voltímetro: colocado entre dois eletrodos, mede a diferença de potencial entre os eletrodos e não os
valores de cada um deles.
� Para resolver esse problema: estabelece-se que Eo do eletrodo de hidrogênio é igual a zero em todas
as temperaturas.

� EPH: eletrodo padrão de hidrogênio.


� Eletrodo de hidrogênio em seu estado padrão (H2 a 1 bar e [H+] a 1 mol L-1)
� Na notação do par redox: Eo (H+/H2)= 0, em todas as temperaturas.
� Utilizado para definir Eo de qualquer outro eletrodo colocado à direita do diagrama da célula.
� Variação dos potenciais padrão nos grupos principais da tabela periódica. Valores mais negativos
ocorrem no bloco s e os mais positivos estão próximos ao flúor.

Série Eletroquímica
� Pares redox ordenados de acordo com Eo (tabela de Eo): agentes oxidantes e redutores ordenados
de acordo com sua força.

Efeito da concetração na fem da pilha


Equação de Nernst
• Uma célula voltaica é funcional até E = 0, ponto no qual o equilibrio e alcançado.
A equação de Nernst
• Isso se reordena para fornecer a equação de Nernst:

• A equação de Nernst pode ser simplificada coletando todas as constantes juntas usando uma
temperatura de 298 K:

• (Observe a mudança do logaritmo natural para o log na base 10.)


• Lembre-se que n é quantidade de matéria de elétrons.
Pilhas de concentração
• Podemos usar a equação de Nernst para produzir uma célula que tem uma fem baseada apenas na
diferença de concentração.
• Um compartimento consistirá de uma solução concentrada, enquanto o outro tem uma solução diluída.
• Exemplo: Ni2+(aq) 1,00 mol/L e Ni2+(aq) 1,00 ×10-3 mol/L.
• A célula tende a igualar as concentrações do Ni2+(aq) em cada compartimento.
• A solução concentrada tem que reduzir a quantidade de Ni2+(aq) (para Ni(s)), logo, deve ser o catodo.

Fem da célula e equilíbrio químico


• Um sistema está em equilíbrio quando ΔG = 0.
• A partir da equação de Nernst, no equilíbrio e a 298 K (E = 0 V e Q = Keq):

CÉLULAS ELETROLÍTICAS
Eletrólise e Células Eletrolíticas
� Eletrólise: reações redox que possuem energia livre de reação positiva e não são espontâneas.
� Podem ser forçadas a ocorrer através da energia proveniente de corrente elétrica.
� Elétrons são forçados a fluir do anodo para o catodo.
� Célula eletrolítica: célula eletroquímica na qual ocorre a eletrólise.
� Arranjo dos componentes é diferente do arranjo da célula galvânica.
� Consiste em 2 eletrodos imersos no mesmo eletrólito (sal fundido ou solução) e uma bateria ou outra
fonte de corrente elétrica direta age como bomba de elétrons dentro de um eletrodo e puxando-os do
outro eletrodo.
� Para forçar uma reação em um sentido não espontâneo, a fonte externa deve gerar uma ddp maior do
que a ddp que seria produzida pela reação espontânea.

Neste caso, deve-se aplicar, através da fonte externa, no mínimo 1,23V, para superar o “poder de
empurrar” natural da reação espontânea.
�A ddp adicional aplicada é chamada sobrepotencial.
� Refino do cobre.
� Cobre: muito utilizado em fiação elétrica e outras aplicações com alta condutividade elétrica.
� Cobre bruto (pirometalúrgico) contém impurezas que diminuem muito a condutividade elétrica.
� A purificação do cobre é realizada por eletrólise.

Baterias ou Pilhas
� Fonte de energia eletroquímica fechada e portátil que consiste em uma ou mais células voltáicas, que
podem estar conectadas em série (aumento da voltagem).
� Pilhas primárias: não podem ser recarregadas.
� Pilhas secundárias: podem ser recarregadas a partir de uma fonte de energia externa.
� Bateria automotiva de chumbo e ácido: consiste em 6 células voltaicas em série, cada uma produzindo
2V (total = 12V).

� Pilhas alcalinas: primárias, são seladas em uma lata de aço para reduzir riscos de vazamentos.
� Anodo: consiste em Zn (s) em pó imobilizado em gel em contato com solução concentrada de KOH.
� Catodo: mistura de MnO2(s) e grafite, separados do anodo por um tecido poroso.

� Baterias níquel-cádmio (nicad), níquel-hidreto metálico e íon lítio.


� Leves e rapidamente recarregáveis.
� Utilizadas em dispositivos eletrônicos portáteis.