Você está na página 1de 2

A Escravido Africana

A substituio da mo-de-obra escrava indgena pela africana ocorreu,


progressivamente, a partir de 1570. As principais formas de resistncia
indgena escravido foram as guerras, as fugas e a recusa ao trabalho, alm
da morte de uma parcela significativa deles. Segundo o historiador Boris
Fausto, morreram em torno de 60 mil ndios, entre os anos de 1562 e 1563. As
causas eram doenas contradas pelo contato com os brancos, especialmente
os jesutas: sarampo, varola e gripe, para as quais no tinham defesa
biolgica. Outro fator bastante importante, se no o mais importante, na
substituio de mo-de-obra indgena pela africana, era a necessidade de uma
melhor organizao da produo aucareira, que assumia um papel cada vez
mais importante na economia colonial. Para conseguir dar conta dessa
expanso e demanda externa, tornou-se necessria uma mo-de-obra cada
vez mais especializada, como a dos africanos, que j lidavam com essa
atividade nas propriedades dos portugueses, na Ilha da Madeira, litoral da
frica.
Nessa poca, a Coroa comeou a tomar medidas contra a escravizao dos
indgenas, restringindo as situaes em que isso poderia ocorrer, como: em
"guerras justas", isto , conflitos considerados necessrios defesa
dos colonos, que assim, poderiam aprisionar e escravizar os indgenas, ou
ainda a ttulo de punio pela prtica da antropofagia. Podia-se escraviz-los,
tambm, como forma de "resgate", isto ,
comprando os indgenas aprisionados por
tribos inimigas, que estavam prontas a
devor-los.
Ao longo desse processo os portugueses
j tinham percebido a maior habilidade
dos africanos, tanto no trato com a
agricultura em geral, quanto em
atividades especializadas, como o fabrico
do acar e trabalhos com ferro e gado.
Alm disso havia o fato de que, enquanto
os portugueses utilizaram a mo-de-obra
indgena, puderam acumular os recursos
necessrios para comprar os africanos.
Essa aquisio era considerada
investimento bastante lucrativo, pois os
escravos negros tinham um excelente
rendimento no trabalho.

http://www.multirio.rj.gov.br/historia/modulo01/escr_africana.html