P. 1
Contabilidade - Lucro Real X Lucro Presumido

Contabilidade - Lucro Real X Lucro Presumido

4.69

|Views: 48.426|Likes:
Publicado porDebiticia

More info:

Published by: Debiticia on May 23, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/10/2014

pdf

text

original

Lucro Real X Lucro Presumido

Dezembro / 2004

Sua parceria nos negócios

LUCRO REAL X LUCRO PRESUMIDO Luiz Fernando Mussolini Júnior Périsson Lopes de Andrade

Sua parceria nos negócios

Avalie a sua forma de tributação pelo Lucro Real ou Presumido face as recentes alterações do PIS e da Cofins
Histórico dos sistemas de tributação do IRPJ e CSLL; Aspectos das apurações do Lucro Real, Presumido e Arbitrado; Arbitrado; Apresentação das vantagens e desvantagens da adoção de cada sistema de tributação; tributação; Impacto da Tributação do PIS e da Cofins em face da opção do Lucro Real ou Presumido.

1

Histórico dos Sistemas de Tributação do IRPJ e CSLL

Sistemas de Tributação do IRPJ e da CSLL

Lucro Real

Lucro Presumido

Lucro Arbitrado

2

Sistemas de Tributação do IRPJ e da CSLL
LUCRO REAL
Conceito:

É o lucro líquido do período de apuração, ajustado pelas adições, exclusões, ou compensações prescritas ou autorizadas pela legislação tributária.

Sistemas de Tributação do IRPJ e da CSLL
LUCRO REAL
Pessoas jurídicas obrigadas:
cuja receita total, no ano-calendário anterior, seja superior a R$ 48 milhões ou proporcional; que tiverem lucros, rendimentos ou ganhos de capital oriundos do exterior; que, autorizadas pela legislação tributária, usufruam de benefícios fiscais relativos à isenção ou redução do imposto; que, no decorrer do ano calendário, tenham efetuado pagamento mensal pelo regime de estimativa;

3

Sistemas de Tributação do IRPJ e da CSLL
LUCRO REAL
Pessoas jurídicas obrigadas:
cujas atividades sejam de bancos comerciais, bancos de investimentos, bancos de desenvolvimento, caixas econômicas, sociedades de crédito, financiamento e investimento, sociedades de crédito imobiliário, sociedades corretoras de títulos, valores mobiliários e câmbio, distribuidora de títulos e valores mobiliários, empresas de arrendamento mercantil, cooperativas de crédito, empresas de seguros privados e de capitalização e entidades de previdência privada aberta; que explorem as atividades de factoring

Sistemas de Tributação do IRPJ e da CSLL
LUCRO PRESUMIDO
Conceito: É uma forma de tributação simplificada para a determinação da base de cálculo do IRPJ e da CSLL. Pessoas jurídicas sujeitas: As pessoas jurídicas que não estiverem obrigadas, no ano-calendário, à tributação pelo lucro real.

4

Sistemas de Tributação do IRPJ e da CSLL
LUCRO ARBITRADO
Conceito: É uma forma de tributação na qual o lucro, base de incidência do IRPJ e da CSLL, é arbitrado, pela própria pessoa jurídica ou, de ofício, pela fiscalização.

Sistemas de Tributação do IRPJ e da CSLL
LUCRO ARBITRADO
Pessoas jurídicas obrigadas:
Pessoas jurídicas tributadas com base no lucro real ou presumido que: I - em se tratando de contribuinte, obrigado a tributação com base no lucro real, não mantiver escrituração na forma das leis comerciais e fiscais, ou deixar de elaborar as demonstrações financeiras exigidas pela legislação fiscal; II - cuja escrituração a que estiver obrigado o contribuinte revelar evidentes indícios de fraudes ou contiver vícios, erros ou deficiências que a tornem imprestável para: a) identificar a efetiva movimentação financeira, inclusive bancária; ou b) determinar o lucro real.

5

Sistemas de Tributação do IRPJ e da CSLL
LUCRO ARBITRADO
Pessoas jurídicas obrigadas:
III - contribuinte que deixar de apresentar à autoridade tributária os livros e documentos da escrituração comercial e fiscal, ou Livro Caixa; IV - contribuinte que optar indevidamente pela tributação com base no lucro presumido; V - o comissário ou representante da pessoa jurídica estrangeira que deixar de escriturar e apurar o lucro da sua atividade separadamente do lucro do comitente residente ou domiciliado no exterior; VI - o contribuinte que não mantiver, em boa ordem e segundo as normas contábeis recomendadas, Livro Razão ou fichas utilizados para resumir e totalizar, por conta ou subconta, os lançamentos efetuados no diário.

Aspectos da Apuração do Lucro Real

6

Lucro Real

Trimestral Lucro Real Anual Suspensão/ Redução

Estimativa

Lucro Real
Lucro Real Anual
O ano-calendário de tributação dos resultados da pessoa jurídica encerra-se anualmente e de forma definitiva, sendo devidas, mensalmente, as antecipações que podem ser determinadas através das sistemáticas da estimativa, ou do balanço ou balancete de suspensão ou redução.

7

Lucro Real
Lucro Real Trimestral
O ano-calendário de tributação dos resultados da pessoa jurídica encerra-se trimestralmente e o recolhimento efetuado é considerado definitivo, seja ele parcelado ou em cota única.

Lucro Real Anual

Formas de Apuração da Base de Cálculo:
Estimativa Balanço ou Balancete de Suspensão ou Redução

8

Lucro Real Anual
ESTIMATIVA
Base de Cálculo A base de cálculo da estimativa consiste na aplicação dos percentuais definidos em Lei sobre a receita auferida pela pessoa jurídica na venda de mercadorias e serviços, excluído as vendas canceladas, as devoluções de vendas e os descontos incondicionais, acrescida das demais receitas, ganhos de capital e resultados positivos.

Lucro Real Anual
Estimativa
Não deverão integrar a base de cálculo da estimativa:
• os rendimentos e ganhos de capital de aplicações financeiras de renda fixa ou variável, já submetidos à incidência do IRRF; • as recuperações de créditos baixados como perda que não representem ingressos de novas receitas; • as reversões de saldos de provisões anteriormente constituídas; • os lucros e dividendos e o resultado positivo da equivalência patrimonial; • os impostos não cumulativos do qual o vendedor seja mero depositário (IPI); • juros sobre o capital próprio.

9

Lucro Real Anual
Percentual da Receita Bruta - IRPJ
8,0% - Regra geral

1,6% 8% 16 %

Revenda, para consumo, de combustível derivado de petróleo, álcool etílico carburante e gás natural Serviços hospitalares Prestação de serviços de transporte, exceto de cargas Prestação de serviços em geral, exceto hospitalares

32 %

Administração, locação ou cessão de bens, imóveis, móveis e direitos de qualquer natureza Intermediação de negócios

Lucro Real Anual
Estimativa
Percentual da Receita Bruta - CSLL

• 32% - Receita bruta auferida em cada mês do ano-calendário.

10

Lucro Real Anual
Exploração de atividades diversificadas
Caso a pessoa jurídica realize exploração de atividades diversificadas, deverá aplicar, especificamente, para cada uma das atividades exploradas, o respectivo percentual previsto na legislação, devendo as receitas serem apuradas separadamente.

Lucro Real Anual
Balanço ou Balancete de Suspensão ou Redução
Base de Cálculo

A base de cálculo do balanço de suspensão ou redução deverá ser o lucro líquido, antes das despesas (provisões) do IRPJ e da CSLL, devidamente ajustado pelas adições, exclusões e compensações determinadas pela legislação tributária.

11

Lucro Real Anual
Balanço ou Balancete de Suspensão ou Redução
Ajustes ao Lucro Líquido
Adições e Exclusões Permanentes

São os ajustes que produzem efeito definitivo das receitas e despesas nas apurações do lucro real e da base de cálculo da CSLL. Como exemplo das principais adições permanentes temos os custos e despesas considerados não necessários à atividade da empresa e de exclusões, os resultados de equivalência patrimonial.

Lucro Real Anual
Balanço ou Balancete de Suspensão ou Redução
Ajustes ao Lucro Líquido
Adições e Exclusões Temporárias

São os ajustes que produzem efeito temporário nas apurações do Lucro real e da base de cálculo da CSLL atual, devendo resultar em conseqüências opostas nas apurações futuras. Estes valores devem, obrigatoriamente, ser controlados na parte “B”do Lalur. Entre as principais adições e exclusões temporárias temos as provisões não dedutíveis.

12

Lucro Real Anual
Balanço ou Balancete de Suspensão ou Redução
Ajustes ao Lucro Líquido
Principais adições comuns ao IRPJ e CSLL • Despesas com bens móveis ou imóveis não relacionados à produção e comercialização; • Provisões temporariamente indedutíveis (exceto 13º salário e férias de funcionários e as técnicas das companhias de seguros); • Contribuições não compulsórias; • Brindes; • Doações (que não observarem as normas e limites estabelecidos pela legislação);

Lucro Real Anual
Balanço ou Balancete de Suspensão ou Redução
Ajustes ao Lucro Líquido
Principais adições comuns ao IRPJ e CSLL (Cont.): • Alimentação de sócios e administradores; • Resultado negativo decorrente de investimento avaliado pela equivalência patrimonial; • Benefícios indiretos à administradores; • Distribuição disfarçada de lucros; • Perdas no recebimento de créditos que não observarem o disposto na Lei n.º 9.430/96;

13

Lucro Real Anual
Balanço ou Balancete de Suspensão ou Redução
Ajustes ao Lucro Líquido
Principais adições exclusivas para o IRPJ: • Multas por infração à legislação fiscal; • Multas por infração à legislação administrativa; • Gratificações a dirigentes; • Tributos com exigibilidade suspensa na forma do artigo 151, II a IV do CTN; • Realização de depreciação/amortização acelerada; • Perdas em operações em renda variável excedentes aos ganhos;

Lucro Real Anual
Balanço ou Balancete de Suspensão ou Redução
Ajustes ao Lucro Líquido
Principais exclusões comuns ao IRPJ e CSLL: • dividendos avaliados pelo custo de aquisição; • resultados positivos na avaliação de investimentos avaliados pela equivalência patrimonial; • reversão/realização de provisões temporariamente indedutíveis; •diferimento de receitas decorrentes de contratos com órgãos públicos, até o efetivo recebimento;

14

Lucro Real Anual
Balanço ou Balancete de Suspensão ou Redução
Ajustes ao Lucro Líquido
Principais exclusões exclusivas para o IRPJ: • lucro da exploração correspondente a exportação incentivada (Befiex até 31.12.87); • depreciação/amortização acelerada incentivada; • perdas em renda variável que excedam os ganhos no período base anterior, a serem compensadas com resultados positivos do período em curso; • diferimento do ganho decorrente da alienação de bens do ativo permanente para recebimento do preço em todo ou em parte, no ano seguinte ao da venda.

Lucro Real Anual
Prejuízos Fiscais passíveis de compensação

• Prejuízo Fiscal Operacional
A partir de janeiro de 1995, a pessoa jurídica poderá reduzir em no máximo 30% (trinta por cento) o lucro líquido ajustado pelas adições e exclusões, para efeito de determinação do lucro real. A mesma regra aplica-se à base de cálculo da CSLL.

• Prejuízo Fiscal Não-Operacional
Somente poderão ser compensados, em anos-calendário subseqüentes ao de sua apuração, com lucros da mesma natureza, observado o limite de 30%.

15

Lucro Real Anual
Prejuízos Fiscais passíveis de compensação

• Prejuízo em operações com Renda Variável
Quando apurada a perda líquida, será não dedutível para efeito de determinação do lucro real, admitida a sua compensação com os resultados positivos da mesma natureza em meses subseqüentes .

• Prejuízo Fiscal Exterior
Não serão compensados com lucros auferidos no Brasil. Quando apurados por controlada ou coligada no exterior, somente poderão ser compensados com lucros das mesmas.

Lucro Real Anual
Alíquota IRPJ
Sobre a base de cálculo do IRPJ será aplicada a alíquota de 15% (quinze por cento), acrescida do adicional de 10% (dez por cento) no mês em que a base de cálculo exceder a R$ 20 mil/mês.

Alíquota CSLL
Sobre a base de cálculo da CSLL será aplicada a alíquota de 9%.

16

Lucro Real Anual
Deduções do IRPJ

Incentivo PAT – Programa de Alimentação do Trabalhador Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Produção de obras e projetos audiovisuais Atividades de caráter cultural

Limite individual (*) 4% 1% 3% 4%

(*) Caso esses incentivos sejam aproveitados cumulativamente, deverá ser observado os limites globais, estabelecidos pela legislação tributária.

Lucro Real Anual
Escrituração fiscal
A pessoa jurídica tributada com base no lucro real (anual/trimestral) deverá: • manter escrituração nos termos da legislação comercial e fiscal, tais como: Livro Diário, Razão, Registro de Entradas/Compras e, se necessário, Diário Auxiliar por conta ou subconta; • manter o Livro Registro de Inventário, no qual deverão constar registrados os estoques existentes no término do ano-calendário; • manter a escrituração do Livro de Apuração do Lucro Real - Lalur, Parte A nos meses em que for levantado balanço ou balancete de suspensão e redução do imposto e, Parte B no encerramento do ano-calendário; • manter em boa guarda e ordem, enquanto não decorrido o prazo decadencial e prescritas eventuais ações que lhe sejam pertinentes, bem como, o eventual arbitramento do lucro pela não manutenção dos mesmos.

17

Lucro Real Anual
Apuração do IRPJ
Resultado antes da provisão de IRPJ (+) Adições (-) Exclusões (=) Lucro Real apurado (-) Compensação de prejuízos fiscais (limitado a 30%) (=) Lucro Real após compensação de prejuízo fiscal (X) Alíquota de IRPJ (15%) (X) Alíquota adicional de IRPJ (10%) (=) Total IRPJ devido (-) Dedução de Incentivos fiscais (=) Saldo de IRPJ a pagar

Lucro Real Anual
Apuração da CSLL
Resultado antes da provisão de CSLL (+) Adições (-) Exclusões (=) Base de Cálculo da CSLL (-) Compensação de base negativa de CSLL (limitada a 30%) (=) Base de cálculo da CSLL após compensação de base negativa (X) Alíquota de CSLL (9%) (=) Total CSLL devida / Saldo de CSLL a pagar

18

Aspectos da Apuração do Lucro Presumido

Lucro Presumido
Base de Cálculo
Valor resultante da aplicação dos percentuais de presunção de lucro sobre a receita bruta auferida nos trimestres encerrados em 31 de março, 30 de junho, 30 de setembro e 31 de dezembro de cada ano-calendário. Receita Bruta = produto da venda de bens nas operações de conta própria, o preço dos serviços prestados e o resultado auferido nas operações de conta alheia. Deverão ser excluídos: vendas canceladas, descontos incondicionais concedidos, devoluções de vendas e saídas de que não decorram de vendas, bem como, os impostos não cumulativos cobrados destacadamente do comprador, dos quais o vendedor ou prestador é mero depositário.

19

Lucro Presumido
Acréscimos a Base de Cálculo
• ganhos de capital, os rendimentos e ganhos líquidos auferidos em aplicações financeiras (renda fixa e variável); • variações monetárias ativas; • demais resultados positivos obtidos pela pessoa jurídica, inclusive os juros recebidos como remuneração de capital próprio, descontos financeiros obtidos e os juros ativos não decorrentes de aplicações, e outros como: • rendimentos auferidos nas operações de mútuo; • ganhos em operações de hedge; • receita de locação de imóvel, quando não fizer parte do objeto social da pessoa jurídica; • juros equivalentes a taxa Selic, para títulos federais, relativos a tributos a serem restituídos ou compensados.

Lucro Presumido
Acréscimos a Base de Cálculo
• 2,5%, no mínimo, do saldo do lucro inflacionário acumulado existente em 31/12/1995, caso a pessoa jurídica venha apurando imposto com base no lucro presumido desde o ano-calendário de 1996; • multas e outras vantagens por rescisão contratual; • valores recuperados correspondentes a custos e despesas, inclusive com perdas no recebimento de créditos; • diferença entre o valor em dinheiro ou o valor dos bens e direitos recebidos de instituição isenta, a título de devolução do patrimônio, e o valor do dinheiro ou o valor dos bens e direitos que tenha sido entregue para a formação do referido patrimônio.

20

Lucro Presumido
Percentual da Receita Bruta - IRPJ
8,0% - Regra geral

1,6% 8% 16 %

Revenda, para consumo, de combustível derivado de petróleo, álcool etílico carburante e gás natural Serviços hospitalares Prestação de serviços de transporte, exceto de cargas Prestação de serviços em geral, exceto hospitalares

32 %

Administração, locação ou cessão de bens, imóveis, móveis e direitos de qualquer natureza Intermediação de negócios

Lucro Presumido
Percentual da Receita Bruta - CSLL

• 32% - Receita bruta auferida em cada mês do ano-calendário.

21

Lucro Presumido
Exploração de atividades diversificadas
Caso a pessoa jurídica realize exploração de atividades diversificadas, deverá aplicar, especificamente, para cada uma das atividades exploradas, o respectivo percentual previsto na legislação, devendo as receitas serem apuradas separadamente.

Lucro Presumido
Dedução do IRPJ
A partir de 1o/01/1998, do IRPJ apurado com base no lucro presumido não será permitida qualquer dedução a título de incentivo fiscal.

22

Lucro Presumido
Escrituração fiscal
A pessoa jurídica tributada com base no lucro presumido deverá: • manter escrituração contábil nos termos da legislação comercial. Para efeitos fiscais, é dispensável a escrituração quando a pessoa jurídica mantiver Livro Caixa, devidamente escriturado, contendo toda a movimentação financeira, inclusive bancária; • manter o Livro Registro de Inventário, no qual deverão constar registrados os estoques existentes no término do ano-calendário; • manter em boa guarda e ordem, enquanto não decorrido o prazo decadencial e prescritas eventuais ações que lhe sejam pertinentes.

Códigos de Recolhimento Lucro Real e Lucro Presumido

23

Códigos de Recolhimento
IRPJ - Imposto de Renda da Pessoa Jurídica
2362 5993 0220 3373 2089 PJ obrigada à apuração com base no Lucro Real - Estimativa mensal PJ não obrigada à apuração com base no Lucro Real - optantes pela apuração com base no lucro real - Estimativa mensal PJ obrigada à apuração com base no Lucro Real - Balanço trimestral PJ não obrigada à apuração com base no Lucro Real - optantes pela apuração com base no lucro real - Balanço trimestral PJ não obrigada à apuração com base no Lucro Real - Lucro Presumido

Códigos de Recolhimento
CSLL - Contribuição Social sobre o Lucro Líquido
2484 6012 2372 PJ que apura o IRPJ com base no Lucro Real - Estimativa mensal PJ que apura o IRPJ com base no Lucro Real - Balanço trimestral PJ que apura o IRPJ com base no Lucro Presumido ou Arbitrado

24

Lucro Real X Lucro Presumido

Lucro Real ou Lucro Presumido ?
Lucro Real Lucro Presumido

Vantagens

- Carga tributária menor quando o - Carga tributária menor quando o percentual de lucratividade for inferior percentual de lucratividade for superior à a 32%; 32%; - Incentivos fiscais; - Ausência de escrituração contábil; - Possibilidade de compensação de - Aplicação de planejamento tributário prejuízo fiscal no período e em para tributação das receitas operacionais períodos subsequentes. e financeiras pelo regime caixa.

- Necessidade de escrituração - Impossibilidade de compensação de prejuízo fiscal; Desvantagens fiscal (livro diário, livro razão, livro registro de inventário, Lalur. - Vedação de Incentivos fiscais.

25

Lucro Real ou Lucro Presumido ?
Exemplo Prático - Lucro Presumido
Faturamento trimestral: R$ 200.000,00

Tributo
IRPJ IRPJ (adicional) CSLL Cofins PIS Total

Alíquota
15% 10% 9% 3% 0,65%

Valor
9.600,00 400,00 5.760,00 6.000,00 1.300,00 23.060,00

% s/ faturamento
4,8% 0,00 2,9% 3,0% 0,65% 11,5%

Lucro Real ou Lucro Presumido ?
Exemplo Prático - Lucro Real (Trimestral)
Faturamento trimestral: R$ 200.000,00 Lucro Líquido / REAL : R$ 40.000,00 Margem de lucratividade: 20%

Tributo
IRPJ IRPJ (adicional) CSLL Cofins PIS Total

Alíquota

Valor

% s/ faturamento
3,0% 1,8% 6,1% 1,32% 12,2%

15% 6.000,00 10% 9% 3.600,00 7,6% 12.160,00 1,65% 2.640,00 24.400,00

26

Lucro Real ou Lucro Presumido ?
Exemplo Prático - Lucro Real (Trimestral)
Faturamento trimestral: R$ 200.000,00 Lucro Líquido / REAL : R$ 75.000,00 Margem de lucratividade: 37,5%

Tributo
IRPJ IRPJ (adicional) CSLL Cofins PIS Total

Alíquota

Valor

% s/ faturamento
5,6% 0,01 3,4% 6,1% 1,32% 17,2%

15% 11.250,00 10% 1.500,00 9% 6.750,00 7,6% 12.160,00 1,65% 2.640,00 34.300,00

Impacto na Tributação do PIS e da Cofins

27

Impacto na tributação do PIS e da Cofins
Lucro Real Conforme Decreto nº 5.164/2004, as alíquotas de PIS e Cofins incidentes sobre as receitas financeiras, com exceção de juros sobre capital próprio e operações de hedge, auferidas pelas pessoas jurídicas sujeitas ao regime não-cumulativo das referidas contribuições, estão reduzidas a zero. Lucro Presumido As pessoas jurídicas optantes do lucro presumido não podem optar pelo regime de incidência de PIS e Cofins não-cumulativa, portanto, não podem usufruir da vantagem concedida pelo referido Decreto.

Como fazer a Opção?
A opção pelo recolhimento dos tributos com base no Lucro Presumido ou no Lucro Real é feita no início do ano e é definitiva para todo o restante do período fiscal. Entretanto, com a publicação da Medida Provisória nº 206/2004, as Entretanto, empresas poderão fazer a opção pela apuração pelo lucro real em relação ao terceiro e quarto trimestres de 2004.
Art. 7º A pessoa jurídica submetida ao lucro presumido poderá, excepcionalmente, em poderá, excepcionalmente, relação ao terceiro e quarto trimestres-calendário de 2004, apurar o Imposto de Renda com trimestres2004, base no lucro real trimestral, sendo definitiva a tributação pelo lucro presumido relativa aos trimestral, dois primeiros trimestres, observadas as normas estabelecidas pela Secretaria da Receita trimestres, Federal.

28

Sua parceria nos negócios

Perguntas

Sua parceria nos negócios

Contatos
Luiz Fernando Mussolini Júnior
Sócio-Diretor SócioPactum Consultoria Empresarial mussolini@pactum.com.br mussolini@pactum.com.br Tel: (11) 3106-7845 Tel: 3106-

Périsson Lopes de Andrade
Sócio Pactum Consultoria Empresarial perisson@pactum.com.br perisson@pactum.com.br Tel: (11) 3106-7845 Tel: 3106-

29

www.pactum.com.br www.pactum.com.br

30

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->