P. 1
Contabilidade - RH - Departamento Pessoal

Contabilidade - RH - Departamento Pessoal

4.78

|Views: 46.292|Likes:
Publicado porDebiticia

More info:

Published by: Debiticia on May 23, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/09/2015

pdf

text

original

JANEIRO/ 2005

2

SUMÁRIO

Introdução

3

Conceito de Empregado

5

Admissão

5

Registro do Empregado

8

Documentos a serem preenchidos pela empresa

11

Obrigações na Admissão

16

Principais Cálculos da Folha

25

Proventos

26

Cálculo do Salário

26

Horas Extras

29

Adicional Noturno

30

Adicional de Insalubridade

31

Adicional de Periculosidade

31

Salário Família

32

Descontos

32

Faltas, atrasos e saídas antecipadas injustificadas

32

Contribuição Sindical

34

Vale Transporte

34

Tabela de Incidências

35

INSS

35

IRRF (Imposto de Renda)

36

Férias Individuais / Proporcionais

39

13º Salário

42

Rescisão

43

Obrigações do Empregador

52

Obrigações do Recursos Humano

53

Exercício de Reflexão

54

3

INTRODUÇÃO

Conceito histórico

A expressão “Departamento de Pessoal” tem um caráter histórico, vindo desde a época da
escravidão, onde os senhores designavam pessoas (conhecidos como capitães), para cuidar
dos escravos a quem viam como máquinas, meros equipamentos dos quais extraiam o
máximo deles. Com a evolução dos tempos vieram as empresas, no entanto, não existia
legislação trabalhista, logo os trabalhadores trabalhavam em regime de escravidão e os
“patrões” tinham em mente que precisavam pagar apenas um valor que fosse o
“suficiente”, no entendimento deles, para o sustento da família do trabalhador. Nessa fase o
chefe de pessoal, tinha como atribuição apenas controlar em uma espécie de ficha ou
escrita do pessoal, o valor que o trabalhador tinha a receber desde sua admissão até o dia
de sua saída e também dar ordens, ou seja, um feitor. Sendo assim a administração tinha
apenas uma função contábil. A partir de 1930, no Governo de Getúlio Vargas, as empresa
sofrem um impacto perante a legislação trabalhista, que entre outras, cria o Ministério do
Trabalho, estabelece horário de trabalho para algumas áreas; institui a Carteira
Profissional; , cria proteção ao Trabalho da Mulher e do menor; etc. A partir daí, o chefe de
pessoal deixa de ser somente um feitor e contador e passa a ter uma função também de
recrutador, muito embora contratasse o 1º interessado, tendo apenas que observar as leis
vigentes.

Após a Revolução de 1964, a fase de legalização foi revitalizada, no governo do Marechal
Castello Branco efetua uma ampla reforma na legislação trabalhista brasileira, atingindo
vigorosamente os empregadores, Legislação esta em vigor até os dias de hoje, a nossa CLT
(Consolidação das Leis do Trabalho). Havia então a necessidade não só de um chefe de
depto de Pessoal, mas sim de um profissional conhecedor da área capaz de orientar o
empregador em face da lei, evitando gastos com indenizações adicionais. Uma carta data
de Janeiro de 1938 dos Arquivos da Cia Holandesa de Tecidos de São Paulo, mostra bem o
fim da concepção de Depto Pessoal, onde a pessoa que a escreveu queixava-se de ter sido
chamado de “chefe do pessoal”, pelo tesoureiro, “expressão irônica e pejorativa, e, por
isso, ofensiva, pois não sou chefe de ninguém - quanto mais de todos; sou um humilde
estudioso e exato cumpridor dos preceitos e mandamentos legais”. Essa designação
generalizou-se e se firmou com o tempo e passou a ser motivo de vaidade profissional.

4

Até hoje ainda temos ainda empresas que mantêm o Departamento Pessoal, no entanto as
empresas vêem percebendo que já não é mais possível tratar a sua organização apenas
como uma máquina, visando apenas o lucro, que seus colaboradores tem sentimentos e que
somente altos salários não satisfazem, que é necessário investir em qualidade de vida, ou
seja, as empresas estão percebendo a necessidade de trazer cada vez mais o colaborador
para perto da empresa, fazendo investimentos, não visando apenas o retorno imediato e sim
uma motivação para o trabalhador o que seguramente vai retornar para empresa, pois um
funcionário motivado certamente produz mais. Para isso sai o Depto Pessoal e entra
Recursos Humanos, onde o responsável não tão somente elabora a folha de pagamento,
mas também se responsabiliza por projetos voltados ao bem estar do funcionário,
programas de motivação, investimento em treinamento de funcionários, dentre outras
atribuições voltados a área humana da empresa.

Há três coisas que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a
oportunidade perdida
.”

Provérbio chinês

5

Entendo o conceito de Empregado:

Para que um colaborador seja considerado empregado é necessário que o mesmo
preencha cinco requisitos básicos:

Continuidade – O colaborador prestará serviço de forma continua, em horário pré-
estabelecido pelo empregador;

Subordinação – O colaborador “deve” obedecer às ordens de seu empregador ou
representante legal;

Onerosidade – Vem do ônus, ou seja, o colaborador prestará serviço ao empregador
mediante pagamento de um salário;

Pessoalidade – Apenas o funcionário poderá em relação ao empregador prestar o
serviço contratado, ainda que seu irmão ou primo, seja qualificado.

Alteridade – O colaborador presta serviço por conta, sem assumir qualquer risco em
relação à dificuldade financeira da empresa, ou seja, pode até ter participação nos
lucros e resultados, mas nunca nos prejuízos.

Comparando o empregado com outros tipos de colaboradores:

1. ADMISSÃO

Após o candidato ter passado pela fase de seleção, responsabilidade esta do departamento
de recrutamento e seleção ou eventualmente quando a empresa for pequena pelo supervisor
de Recursos Humanos e o supervisor da área, dará início ao procedimento para contratação
do candidato. Nessa fase iremos iniciar pela solicitação dos devidos documentos

Categoria

Trabalho

Salário

Subordinação Habitualidade Característica

Empregado

Vinculo

Autônomo

Honorários

Não Há

Não há

Autonomia/
Eventualidade

Estagiário

Há com

Bolsa-Auxilio

Intermediação

aprendizado

(nem sempre
há)

da escola

Temporário

Intermediação
de terceiros
(agencias de
emprego)

6

Carteira de Trabalho

Cédula de identidade.

Título de eleitor (obrigatório para os candidatos a partir de 18 anos)

Certificado de reservista (para os candidatos do sexo masculino com 18 anos ou

mais)

C.P.F

Atestado de Saúde Ocupacional (Admissional)

___ Fotos 3 x 4

Certidão de Casamento

Certidão de Nascimento dos filhos até de 21 anos ou inválidos de qualquer idade,
necessária para o pagamento do salário família e dedução do imposto de renda

Observação: Para continuidade do recebimento do Salário Família, todos os anos nos
meses de Maio e Novembro, deve ser apresentada novamente os seguintes documentos:

Maio: - Xerox da Caderneta de Vacinação dos filhos menores de 7 anos
Maio / Novembro -Comprovante de Freqüência Escolar dos filhos a partir de 7 anos

1.1. RETENÇÃO DOS DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO PESSOAL -
IMPOSSIBILIDADE

O Depto Pessoal ou RH, não pode reter nenhum tipo de documento de identificação
pessoal do empregado, ainda que este seja apresentado em forma de fotocópia.
A empresa, necessitando dos documentos, terá o prazo de 5 (cinco) dias para extrair os
dados necessários e devolvê-los ao empregado.
A retenção dos referidos documentos constitui infrações penais, puníveis com pena de
prisão simples de 1(um) a 3 (três) meses ou com multa (Lei nº 5.553/68)

7

1.2. ATESTADO DE GRAVIDEZ E ESTERILIZAÇÃO E ANTECEDENTE –
PROIBIÇÃO

É proibida a adoção de qualquer prática discriminatória para efeito de admissão de
empregado, manutenção do contrato de trabalho, por motivo de sexo, origem, raça, cor,
estado civil, situação familiar ou idade (art. 7º, XXXIII-CF)

Desta forma constitui crime, a empresa que:

a) exigir das mulheres teste, exame, perícia, laudo, atestado, declaração ou qualquer

outro
procedimento relativo à esterilização ou o estado de gravidez para a admissão;

b) exigir do candidato atestado de antecedente;

c) induzir ou instigar à esterilização genética;

d) promover controle de natalidade, salvo o oferecimento de serviços e de
aconselhamentos ou planejamento familiar, realizada através de instituições
públicas ou privadas, submetidas às normas do Sistema Único de Saúde – SUS.

A não observação do disposto supracitado, acarretará a detenção de dois anos, multa do
empregador, de seu representante legal, bem como multa administrativa de dez vezes o
valor do maior salário pago pelo empregador, elevado em 50% em caso de reincidência, e
a proibição de obter empréstimos com financiamentos junto a instituições financeiras.

A rescisão contratual por ato discriminatório faculta o empregado optar pela:

• readmissão com ressarcimento integral de todo o período de afastamento,
mediante pagamento das remunerações devidas, corrigidas monetariamente,
acrescidos de juros legais;

• percepção em dobro da remuneração do período de afastamento, corrigida
monetariamente e acrescida dos juros legais (Lei nº 9.029, de 13.04/1995).

8

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->