Você está na página 1de 16

Normas Gerais de Medição

- Características p/ uma boa medição:

1- Tranqüilidade e paciência; 2- Adotar procedimentos padronizados (normas externas e internas); 2- Limpeza (local e equipamentos, usar luvas, etc.); 3- Cuidado e sensibilidade (zelar pelo bom estado dos instrumentos - conservação); 5- Senso de responsabilidade (avaliar a finalidade da medição e a aplicação do mensurando - funções e características); 8- Utilizar instrumentos adequados a importância da peça/mensurando; 9- Domínio sobre o instrumento (saber usar).

- Recomendações:

- Evitar choques, quedas, arranhões, oxidação e sujeira;

- Deixar sempre organizado os instrumentos;

- Evitar cargas e atrito excessivos entre peças e instrumentos;

- Deixar a peça adquirir a temperatura ambiente, antes de tocá-la com o instrumento de

medição, evitando medir as peças cuja temperatura, quer seja por usinagem ou por exposição a uma fonte de calor, esteja fora da temperatura de referência (temperatura ideal do laboratório: 20 °C ± 0,5);

- Laboratório deve ser construído evitando ao máximo a incidência de luz, calor, som, vibrações, umidade, e demais fatores que podem influenciar nas medições.

Medidas diretas: valor associado ao mensurando que resulta da aplicação de um sistema de medição: Ex.: medição do diâmetro de um eixo c/ paquímetro; medição da temperatura c/ termômetro; medição da velocidade de um carro através do velocímetro.

Medidas indiretas: medir a grandeza de uma peça por comparação a partir da determinação da diferença da grandeza existente entre ela e um padrão de dimensão pré-determinado. Este padrão pode ser uma peça original de dimensões conhecidas, e utilizada como referência.

dimensão da peça = dimensão do padrão ± diferença

Paquímetro

- Instrumento usado para medir dimensões lineares internas, externas e de profundidade;

- Consiste numa régua graduada, com encosto fixo, sobre a qual desliza um cursor;

- É usado para quantidade pequena de peças;

- Possui superfícies planas e polidas, geralmente construído de aço inoxidável.

Elementos de um paquímetro:

1. orelha fixa

2. orelha móvel

3. nônio ou vernier (em polegadas)

4. parafuso de trava

5. cursor

6. escala fixa (em polegadas)

7. bico fixo

8. encosto fixo 9. encosto móvel 10. bico móvel 11. nônio ou vernier (em milímetros) 12. impulsor 13. escala fixa (em milímetros) 14. haste de profundidade

13. escala fixa (em milímetros) 14. haste de profundidade Tipos de Paquímetro - Paquímetro universal :

Tipos de Paquímetro - Paquímetro universal: utilizado em medições internas, externas, de profundidade e de ressaltos, sendo o tipo de paquímetro mais utilizado.

utilizado em medições internas, externas, de profundidade e de ressaltos, sendo o tipo de paquímetro mais

- Paquímetro universal com relógio: apresenta relógio acoplado ao cursor facilitando a e agilizando a medição.

- Paquímetro de profundidade: medir a profundidade de

furos não vazados, rasgos, rebaixos, etc. Sua haste pode ser simples ou c/ gancho.

- Paquímetro duplo: utilizado para medição de dentes engrenagens.

- Paquímetro digital: utilizado para leitura rápida, livre de

erro de paralaxe, ideal para controle estatístico do processo.

de paralaxe, ideal para controle estatístico do processo. - apresentando a escala fixa com cursor na
de paralaxe, ideal para controle estatístico do processo. - apresentando a escala fixa com cursor na
de paralaxe, ideal para controle estatístico do processo. - apresentando a escala fixa com cursor na
de paralaxe, ideal para controle estatístico do processo. - apresentando a escala fixa com cursor na

-

apresentando a escala fixa com cursor na vertical. É empregado na traçagem de peças, para facilitar o processo de fabricação e, com auxílio de acessórios, no controle dimensional.

paquímetro,

Traçador

de

altura:

possui

o

mesmo

princípio

de

funcionamento

do

de acessórios, no controle dimensional. paquímetro, Traçador de altura: possui o mesmo princípio de funcionamento do

Princípio do nônio: a escala do cursor é chamada de nônio ou vernier, em homenagem ao

português Pedro Nunes e ao francês Pierre Vernier, considerados seus inventores.

O nônio possui uma divisão a mais que a unidade usada na escala fixa.

No sistema métrico, existem paquímetros em que o nônio possui 10 divisões,

equivalentes a nove milímetros, 20 divisões e 50 divisões.

Há, portanto, uma diferença de 0,1 mm entre o primeiro traço da escala fixa e o

primeiro traço da escala móvel, 0,2 mm entre o segundo traço de cada escala, 0,3 mm entre o

terceiro traço e assim por diante.

escala, 0,3 mm entre o terceiro traço e assim por diante. Resolução: é a menor medida

Resolução: é a menor medida (exceto o zero) que o instrumento oferece, sendo calculada

através da seguinte fórmula:

oferece, sendo calculada através da seguinte fórmula: Nônio com 10 divisões divisões Onde: UEF = unidade

Nônio com 10 divisões divisões

da seguinte fórmula: Nônio com 10 divisões divisões Onde: UEF = unidade da escala fixa; NDN

Onde:

UEF = unidade da escala fixa; NDN = número de divisões do nônio.

Nônio com 20 divisões

Onde: UEF = unidade da escala fixa; NDN = número de divisões do nônio. Nônio com

Nônio

com

50

Onde: UEF = unidade da escala fixa; NDN = número de divisões do nônio. Nônio com

Erros de leitura: além da falta de habilidade do operador, outros fatores podem provocar erros de leitura no paquímetro, como, por exemplo, a paralaxe e a pressão de medição. - Erro de paralaxe: dependendo do ângulo de visão do operador, pode ocorrer o erro por paralaxe, pois devido a esse ângulo há, aparentemente, coincidência entre um traço da escala fixa com outro da móvel. Para evitar o erro de paralaxe é aconselhável que, durante a leitura, o paquímetro esteja em posição perpendicular aos olhos.

o paquímetro esteja em posição perpendicular aos olhos. - Erro de força de medição: origina-se no

- Erro de força de medição: origina-se no jogo do cursor, que é controlado por uma mola. Pode ocorrer uma inclinação do cursor em relação à régua, o que altera a medida. Caso exista uma folga anormal, os parafusos de regulagem da mola devem ser ajustados, girando-os até encostar no fundo e, em seguida, retornando 1/8 de volta aproximadamente. Após esse ajuste, o movimento do cursor deve ser suave, porém sem folga (nem muito preso e nem muito solto).

suave, porém sem folga (nem muito preso e nem muito solto). Técnica de utilização do paquímetro:
suave, porém sem folga (nem muito preso e nem muito solto). Técnica de utilização do paquímetro:

Técnica de utilização do paquímetro:

- Para ser usado corretamente, o paquímetro precisa ter seus encostos limpos e a peça a ser medida deve estar posicionada corretamente entre os encostos;

- A peça deve ser apoiada no encosto fixo do paquímetro, de forma a ficar o mais próximo da escala fixa possível; - O paquímetro deve ser fechado suavemente até que o encosto móvel toque a outra extremidade;

- Realizada a leitura, o paquímetro deve ser aberto e a peça retirada, sem que toque nos encostos.

Recomendações:

- Para medidas externas, a peça a ser medida deve ser colocada o mais profundamente possível entre os bicos de medição, para evitar qualquer desgaste na ponta dos bicos.

- As superfícies de medição dos bicos e da peça devem estar bem apoiadas, sem inclinação.

bicos e da peça devem estar bem apoiadas, sem inclinação. - Nas medidas internas , as
bicos e da peça devem estar bem apoiadas, sem inclinação. - Nas medidas internas , as

- Nas medidas internas, as orelhas precisam ser colocadas o mais profundamente possível.

precisam ser colocadas o mais profundamente possível. - O paquímetro deve estar sempre paralelo à peça

- O paquímetro deve estar sempre paralelo à peça que está sendo medida.

deve estar sempre paralelo à peça que está sendo medida. - Para medições de diâmetros internos

- Para medições de diâmetros internos, as superfícies de medição das orelhas devem coincidir com a linha de centro do furo.

das orelhas devem coincidir com a linha de centro do furo. - No caso de medidas

- No caso de medidas de profundidade,

apóia-se o paquímetro sobre a peça, evitando-se que ele fique inclinado.

sobre a peça, evitando-se que ele fique inclinado. - Nas medidas de ressaltos , coloca-se a
sobre a peça, evitando-se que ele fique inclinado. - Nas medidas de ressaltos , coloca-se a

- Nas medidas de ressaltos, coloca-se a parte

do paquímetro apropriada para ressaltos perpendicularmente à superfície de referência.

ressaltos perpendicularmente à superfície de referência. Obs.: Não se deve usar a haste de profundidade para

Obs.: Não se deve usar a haste de profundidade para esse tipo de medição, porque ela não permite um apoio firme.

Como fazer a leitura com o paquímetro? 1°) Verificar a faixa de indicação e a resolução do paquímetro; 2°) Na escala fixa ou principal do paquímetro, verifica-se os milímetros indicados com relação a marca de escala do “zero” do nônio; 3°) Na escala do nônio ou vernir, verifica-se aquele traço (marca de escala) que coincide com um traço da escala fixa, verificando os décimos ou centésimos de milímetro, conforme a resolução; 4°) Ao final é só somar os valores obtidos pelos passos 2 e 3. Não esquecer de colocar o símbolo da grandeza.

Ex. 1 – Nônio c/ 10 divisões

3. Não esquecer de colocar o símbolo da grandeza. Ex. 1 – Nônio c/ 10 divisões

Ex. 2 – Nônio c/ 20 divisões

3. Não esquecer de colocar o símbolo da grandeza. Ex. 1 – Nônio c/ 10 divisões
3. Não esquecer de colocar o símbolo da grandeza. Ex. 1 – Nônio c/ 10 divisões
3. Não esquecer de colocar o símbolo da grandeza. Ex. 1 – Nônio c/ 10 divisões

Ex. 3 – Nônio c/ 50 divisões

Ex. 3 – Nônio c/ 50 divisões Exercício para entregar: 1- Considerando como mensurando uma tampa
Ex. 3 – Nônio c/ 50 divisões Exercício para entregar: 1- Considerando como mensurando uma tampa
Ex. 3 – Nônio c/ 50 divisões Exercício para entregar: 1- Considerando como mensurando uma tampa

Exercício para entregar:

1- Considerando como mensurando uma tampa de pincel atômico, deseja-se avaliar as seguintes grandezas: altura total externa, diâmetro interno, espessura da parede interna, altura interna (profundidade). Realize 3 medições para cada grandeza, e verifique:

a) a faixa de indicação e a resolução do paquímetro;

b) mediana (Md);

c) média ( X );

d) amplitude (R);

e) moda (Mo);

f) desvio padrão (S);

g) os possíveis erros durante a medição.

Micrômetro

- Jean Louis Palmer apresentou, pela primeira vez, um micrômetro para requerer sua patente.

- O instrumento permitia a leitura de centésimos de milímetro, de maneira simples.

a leitura de centésimos de milímetro, de maneira simples. Princípio de funcionamento - O princípio de

Princípio de funcionamento

milímetro, de maneira simples. Princípio de funcionamento - O princípio de funcionamento do micrômetro assemelha-se

- O princípio de funcionamento do micrômetro assemelha-se ao do sistema parafuso e porca,

pois há uma porca fixa e um parafuso móvel que, se der uma volta completa, provocará um descolamento igual ao seu passo.

- Desse modo, dividindo-se a "cabeça" do parafuso, pode-se avaliar frações menores que uma

volta e, com isso, medir comprimentos menores do que o passo do parafuso.

Os micrômetros caracterizam-se por sua:

Capacidade: A capacidade de medição dos micrômetros normalmente é de 25mm (ou 1"), variando o tamanho do arco de 25 em 25mm (ou 1 em 1"), podendo chegar a 2000mm (ou 80"). Resolução: A resolução nos micrômetros pode ser de 0,01mm; 0,001mm; 0.001" ou

0.0001".

Aplicação: possibilita medições mais rigorosas e exatas do que o paquímetro.

Elementos (partes) de um micrômetro:

haste móvel

bainha

batente

trava
trava
ou fuso faces de medição arco catraca ou fricção tambor Isolante térmico
ou fuso
faces de
medição
arco
catraca ou
fricção
tambor
Isolante térmico

Arco: é constituído de aço especial ou fundido, tratado termicamente para eliminar as tensões internas.

Isolante térmico: fixado ao arco, evita sua dilatação porque isola a transmissão de calor das mãos para o instrumento.

Haste móvel ou fuso micrométrico: é construído de aço especial temperado e retificado para garantir exatidão do passo da rosca.

Faces de medição: tocam a peça a ser medida e, para isso, apresentam-se rigorosamente planos e paralelos. Em alguns instrumentos, os contatos são de metal duro, de alta resistência ao desgaste.

Porca de ajuste: elemento interno, que permite o ajuste da folga do fuso micrométrico.

Tambor: é onde se localiza a escala centesimal. Ele gira ligado ao fuso micrométrico, onde, a cada volta, seu deslocamento é igual ao passo do fuso.

Bainha: onde se localiza a escala dos milímetros e meios milímetros, bem como a escala dos milésimos junto ao nônio, se existir.

Catraca ou fricção: assegura uma pressão de medição constante (s/ folgas).

Trava: permite imobilizar o fuso numa medida pré-determinada.

Batente: onde se encontra a face de medição fixa.

Tipos de micrômetros

- De profundidade: conforme a profundidade a ser medida,

utilizam-se hastes de extensão, que são fornecidas juntamente com o micrômetro.

extensão, que são fornecidas juntamente com o micrômetro. - Com arco profundo: serve para medições de

- Com arco profundo: serve para medições de

espessuras de bordas ou de partes salientes das peças.

- Com disco nas hastes: o disco aumenta a área de

contato possibilitando a medição de papel, cartolina,

couro, borracha, pano, etc. Também é empregado para medir dentes de engrenagens.

etc. Também é empregado para medir dentes de engrenagens. - Para medição de roscas: para medir
etc. Também é empregado para medir dentes de engrenagens. - Para medição de roscas: para medir

- Para medição de roscas: para medir roscas triangulares, este micrômetro possui as hastes furadas para que se possa encaixar as pontas intercambiáveis, conforme o passo e o tipo da rosca a medir.

conforme o passo e o tipo da rosca a medir. - Com contato em forma de

- Com contato em forma de V: é especialmente construído

para medição de ferramentas de corte que possuem número ímpar de cortes (fresas de topo, macho, alargadores).

para medição de ferramentas de corte que possuem número ímpar de cortes (fresas de topo, macho,

11

- Para medir parede de tubos: é dotado de arco

especial e possui o contato a 90º com a haste móvel, o que permite a introdução do contato fixo no furo do tubo.

que permite a introdução do contato fixo no furo do tubo. - Contador mecânico: para uso

- Contador mecânico: para uso comum, porém sua

leitura pode ser efetuada no tambor ou no contador mecânico.

- Digital eletrônico: ideal para leitura rápida, livre de erros de paralaxe, próprio para uso em controle estatístico de processos, juntamente com microprocessadores.

de processos, juntamente com microprocessadores. - Micrômetro interno tipo paquímetro: A capacidade de
de processos, juntamente com microprocessadores. - Micrômetro interno tipo paquímetro: A capacidade de

- Micrômetro interno tipo paquímetro: A capacidade de

medição destes micrômetros varia de 25 em 25mm. Devido suas características construtivas, é impossível medir comprimentos inferiores a 5mm.

é impossível medir comprimentos inferiores a 5mm. - Micrômetro interno tubular ou de 2 contatos: empregado

- Micrômetro interno tubular ou de 2 contatos: empregado

para medições internas acima de 30mm. Atende quase que somente a casos especiais, principalmente de grandes

dimensões.

- Micrômetro interno de 3 contatos: usado exclusivamente

para realizar medidas em superfícies cilíndricas internas, permitindo leitura rápida e direta. Sua característica principal

é a de ser auto-centrante, devido à forma e à disposição de suas pontas de contato, que formam um ângulo de 120º.

a de ser auto-centrante, devido à forma e à disposição de suas pontas de contato, que
a de ser auto-centrante, devido à forma e à disposição de suas pontas de contato, que

Resolução de um micrômetro: A cada volta do tambor, o fuso micrométrico avança uma distância chamada passo. A resolução de uma medida tomada em um micrômetro corresponde ao menor deslocamento do seu fuso. Para obter a medida, divide-se o passo pelo número de divisões do tambor. Ex.: se o passo da rosca é de 0,5mm e o tambor tem 50 divisões, a resolução será:

de 0,5mm e o tambor tem 50 divisões, a resolução será: = Leitura no micrômetro com

=

de 0,5mm e o tambor tem 50 divisões, a resolução será: = Leitura no micrômetro com

Leitura no micrômetro com resolução de 0,01mm 1º) Verifique a faixa de indicação e a resolução do micrômetro; 2°) Após encostar as faces de medição no mensurando efetue 3 “catraquiadas”; 3°) Faça a leitura dos milímetros e meios milímetros na escala da bainha; 4º) Faça a leitura dos centésimos de milímetro na escala do tambor; 3º) Ao final da leitura basta somar os valores obtidos nos passos 3 e 4, e não esqueça de colocar o símbolo da grandeza.

final da leitura basta somar os valores obtidos nos passos 3 e 4, e não esqueça

Micrômetro com resolução de 0,001mm: Quando no micrômetro houver nônio, ele indica o valor a ser acrescentado à leitura obtida na bainha e no tambor. A medida indicada pelo nônio é igual à leitura do tambor, dividida pelo número de divisões do nônio. Se o nônio tiver dez divisões marcadas na bainha, sua resolução será:

dez divisões marcadas na bainha, sua resolução será: Leitura no micrômetro com resolução de 0,001mm 1º)

Leitura no micrômetro com resolução de 0,001mm

1º) Verifique a faixa de indicação e a resolução do micrômetro; 2°) Após encostar as faces de medição no mensurando efetue 3 “catraquiadas”; 3°) Faça a leitura dos milímetros e meios milímetros na escala da bainha; 4º) Faça a leitura dos centésimos de milímetro na escala do tambor; 5º) Faça a leitura dos milésimos no nônio da bainha, verificando qual dos traços do nônio coincide com o traço do tambor; 6°) Ao final da leitura basta somar os valores obtidos nos passos 3, 4 e 5, e não esqueça de colocar o símbolo da grandeza.

da leitura basta somar os valores obtidos nos passos 3, 4 e 5, e não esqueça

Micrômetro interno de 3 pontas

Micrômetro interno de 3 pontas - A resolução deste micrômetro é obtida com a mesma metodologia

- A resolução deste micrômetro é obtida com a mesma metodologia (cálculo) aplicada aos outros micrômetros.

Leitura no micrômetro de 3 pontas (obs.: é feita no sentido contrário à do micrômetro externo)

1º) Verifique a faixa de indicação e a resolução do micrômetro;

2°) Após encostar as faces de medição no mensurando efetue 3 “catraquiadas”;

3°) Faça a leitura dos milímetros e meios milímetros na escala da bainha (neste caso será o

valor total encoberto pelo tambor);

4º) Faça a leitura dos centésimos de milímetro na escala do tambor;

5º) Faça a leitura dos milésimos no nônio da bainha, verificando qual dos traços do nônio

coincide com o traço do tambor;

6°) Ao final da leitura basta somar os valores obtidos nos passos 3, 4 e 5, e não esqueça de

colocar o símbolo da grandeza.

da leitura basta somar os valores obtidos nos passos 3, 4 e 5, e não esqueça

Exercício para entregar:

1- Considerando como mensurando um objeto qualquer (especifique), deseja-se avaliar uma determinada grandeza (especifique) utilizando um micrômetro. Para isto, realize 4 medições para esta grandeza, e verifique:

a) a faixa de indicação e a resolução do instrumento;

b) mediana (Md);

c) média ( X );

d) amplitude (R);

e) moda (Mo);

f) desvio padrão (S);

g) os possíveis erros durante a medição.