P. 1
Cerimonial Protocolo e Etiqueta

Cerimonial Protocolo e Etiqueta

|Views: 7.658|Likes:
Publicado porFernanda Campos

More info:

Categories:Topics, Art & Design
Published by: Fernanda Campos on May 03, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/17/2013

pdf

text

original

PROGEPE Unidade de Capacitação e Aperfeiçoamento de Pessoas - UCAP

Ministrante: Eliana Maria Ieger
Setor de Educação Profissional e ç Tecnológica - UFPR Contato: ieger@ufpr.br
Curso: Cerimonial, Protocolo e Etiqueta/Outubro/2009 2

CERIMONIAL, PROTOCOLO E ETIQUETA SOCIAL
PROGRAMA PROPOSTO: • Cerimonial e Protocolo: Cerimonial e protocolo empresarial. Composição de Mesas. Ordem de precedência. precedência Recepção e oralidade. Organização de oralidade Cerimonial. • Etiqueta: Etiqueta à mesa. Arrumação da mesa. Etiqueta na comunicação verbal e escrita. Etiqueta social e empresarial. Forma adequada de apresentação, postura profissional, comportamento em reuniões e eventos. Comunicação no relacionamento interpessoal e comunicação não-verbal não verbal.
Curso: Cerimonial, Protocolo e Etiqueta/Outubro/2009 3

Para ( (Maria Lúcia Bettega, ú 2002) “o profissional deve ter o discrição, compromisso ético, saber contornar situações, ser tranqüilo ou parecer ser não ser, se expor nas cerimônias, conquistar a confiança total da pessoa por quem trabalha”. b lh ”

Éi importante l t t lembrar b também que todo seu perfil estará literalmente em foco. As luzes do evento irão expor o profissional de eventos para todos os presentes. d

Sua roupa, seus gestos, S t seu tom de voz, tudo voz será observado e passará p pelo crivo dos questionamentos e julgamentos do público participante no evento. i i

(Bettega, (Bettega 2002) “o o p o profissional de cerimonial será o a d o a á analisado pela sua capacidade de, d com maior ou menor i leveza, leveza administrar problemas e fazer a figura principal, a quem serve, ocupar o maior espaço de destaque destaque.

Deve conformar-se porém com a conformar se, realidade: ao ator, caberão as palmas como recompensa pela virtuosidade, ao profissional do cerimonial nada mais sobrará, diante do di t d sucesso d um de g grande evento, senão a , gratificante sensação do dever cumprido”. cumprido

(Lula D’A (L l D’Arcanchy, 1998) “é h fundamental que as pessoas que atuam na área de cerimonial realmente gostem do que fazem e q que o façam ç com segurança, discrição di i ã e bom senso.

A di i ã não é somente nas discrição ã t roupas, maquiagem, perfumes e jóias, mas também nos gestos, na voz e no formalismo formalismo”.

Algumas atribuições(perfil) necessárias para o profissional trabalhar t b lh em eventos: t
•Ter conhecimento do que se trata o q evento. Ter •Ter conhecimento de cultura geral. • Curiosidade intelectual permanente. • Desenvoltura ao falar falar. • Ter bom senso (sempre).

Ser •Ser discreto (em todos os sentidos: vestuário, postura,comportamento, acessórios, perfumes). • Estar antenado com o que está acontecendo a sua volta. • Gostar de trabalhar em equipe • Ter algum conhecimento. administrativo (redação própria, por exemplo) exemplo).

• T b expressão verbal. Ter boa ã b l
• • • • Ser educado. Ser prestativo, mas não servil. Ser persuasivo persuasivo. Assumir a responsabilidade do que diz e faz (isso gera credibilidade). • Ter o cuidado de não tocar nas pessoas enquanto fala com elas. • Ser pró-ativo e não re-ativo.

Segundo a autora Maria Martinez
“Mestre de Cerimônia” é a pessoa responsável em apresentar e dirigir um t di i i encontro, mantendo o assunto dentro da pauta.

Para Lula D’arcanchy y “... o bom profissional de p cerimonial é aquele que nunca se surpreende com nada, evita e nada desfaz conflitos, assume todas as culpas (preserva sempre o nome da instituição e do seu líder), gera líder) alto conceito e boa imagem da empresa, apresenta sempre soluções e não problemas.”. problemas. .

Seguindo estas definições, relatamos d fi i õ l t a seguir o perfil esperado para que uma pessoa capaz p p atuar como Mestre de Cerimônias:

Conhecimento Técnico – O cerimonialista deve ter o domínio das regras e normas que regem as solenidades, solenidades tanto públicas privadas e de públicas, caráter social, para tanto é necessário uma constante atualização por meio d t t t li ã i de cursos e pesquisas na área. Deve ainda possuir uma boa bagagem de g ,p , , cultura geral, política, econômica, social e porque não ecológica.

Horário – questão de pontualidade - O cerimonialista deve sempre chegar com p g no mínimo uma hora de antecedência no local do evento independentemente evento, independentemente, dos atrasos em relação ao início da cerimônia ( i aliás muito comum em i ô i (coisa liá it qualquer evento, infelizmente). Com essa antecedência poderá checar pequenos detalhes e p q o roteiro como um todo.

Visual e comportamento – P Vi l Para a autora: Maria Lúcia Bettega “É É preciso ficar claro que a função do Cerimonialista expõe o seu C i i li t õ operador às luzes dos holofotes. p Sua roupa, seu andar, seus gestos, seu tom de voz e a colocação de suas palavras estarão sendo analisadas, copiados, questionados e julgados ”. julgados.

Discrição Discrição – Bettega diz ainda ainda, “Que o profissional deve ter discrição, compromisso ético, saber contornar situações ser tranqüilo situações, ou parecer ser, não se expor nas cerimônias, conquista a confiança total da pessoa por quem trabalha trabalha.

Segundo (Bettega, 2002) S d (B tt “os termos Cerimonial os Cerimonial, Protocolo e Etiqueta são q considerados sinônimos por alguns autores, outros fazem distinções”:

Protocolo definido por diversos autores:
“É a ordem hierárquica que É determina as regras de conduta aos governos e seus representantes em ocasiões oficiais particulares”. ( p (Sérgio g Paulo Schneider).

“Conjunto das normas para Conjunto conduzir atos oficiais sob as regras da diplomacia tais como a ordem geral de o dem ge al precedência . precedência”. (Augusto Estellita Lins).

“O cerimonial cria o quadro e a O atmosfera nos quais as relações pacíficas dos Estados soberanos í devem realizar-se. O protocolo realizar se. codifica as regras que regem o cerimonial e cujo objeto é d a i i l j bj t dar cada um dos participantes as p p prerrogativas, os privilégios e a imunidade a que têm direito”. direito ( (Jeam Serres). )

“É a rigorosa observância de certas É formalidades em eventos oficiais, entre autoridades nacionais e id d i i estrangeiras. estrangeiras.” (Sérgio Paulo Schneider). “É o conjunto das formalidades que devem ser seguidas em um ato solene ou festa pública. Regra que p g q estabelece tais formalidades”. (Aurélio). (Aurélio)

“É a técnica de conduzir cerimônias, É assim como a seqüência lógica de programa, recepção, evento, etc.” (Augusto Estellita Lins) Lins). “Fenômeno da cultura popular com Fenômeno características de cordialidade e hospitalidade ligadas às normas de comportamento pessoal requintado”. (Augusto Estellita Lins). (A t E t llit Li )

“É o conjunto de normas de É conduta social”. (Ana São social . Gião). “Formas cerimoniosas de Formas trato entre particulares”. p (Aurélio).

Por fim fim...
O Cerimonial determina a seqüência dos acontecimentos em um evento. O protocolo é a legislação que coordena o cerimonial. A etiqueta se concentra mais no comportamento dos i t t d anfitriões e convidados. (Bettega, ( g , 2002, p.13).

Precedência Mas o que i isso significa??

Precedência do latim Precedere, sentar à P d t frente, frente de onde derivam passar na frente, sentar frente sentarse antes.

“A precedência é o conceito ou ordem p pela qual se estabelece a estrutura máxima do estado, à medida que estado determina a ordem hierárquica de disposição das autoridades de um Estado, de um organismo ou de todo corpo organizado ou grupo social. De acordo com Jean Serres, ela é , particularmente indispensável na administração, administração cujo objeto essencial é o exercício do poder público”. (Lula D Archanchy, p 7) D”Archanchy p.7).

CRITÉRIOS PARA USO DA PRECEDÊNCIA C té o Critério Hierárquico: decorre e á qu co deco e da convenção internamente adotada por uma estrutura d d determinada, determinada seja de ordem particular ou pública.

Critério Anfitrião: o posicionamento p do anfitrião como ponto de partida de uma precedência vem resistindo através dos séculos, como critério válido para a elaboração de lista de precedência. É inclusive, princípio consagrado pelas normas d cerimonial d l do i i l p público e ordem g geral de p precedência em vigor atualmente, no Brasil, pelo Decreto nº 70.274/72. n

Critério de idade: é um critério de seleção muito utilizado e validado pelo amparo legal, Decreto 70.274/72. Critério do Sexo: em nossa cultura (ocidental) a precedência e para as mulheres mulheres.

Critério do Interesse: este é o critério para a precedência entre os organismos internacionais, adotados por esta ou aquela nação. Critério da Ordem Alfabética: é um dos critérios mais práticos, que traduz um amadurecimento nas relações de p ç pessoas.

Nota: os critérios para p precedência p podem sofrer alterações ou mesmo somar-se ou completar-se, l t dependendo da situação.

PRECEDÊNCIAS PARA AUTORIDADES
O Presidente da República, em qualquer Estado de seu País será País, sempre o primeiro na ordem de precedência, e nunca uma cerimônia dê i i ô i q que conte com sua p presença p ç poderá ter início antes de sua chegada. Será ele o último a chegar e o primeiro a sair (isto em inaugurações, assinatura de atos, etc.) etc )

Em recepções em que houver convidados de honra serão diferentes: ele irá recepcioná los recepcioná-los e só deixará o local depois de acompanhá-los até a saída. O há l é íd mesmo procedimento serve p p para Governadores e Prefeitos nos seus Estados e Município Município, respectivamente. (Lula D’Arcanchy, 1998, p. 8).

ORDEM GERAL DE PRECEDÊNCIA Ê ENTRE BANDEIRAS

A precedência entre dê i t bandeiras é um assunto delicado, pois a colocação incorreta ou esquecimento ocasiona atritos entre estados, municípios, , p , empresas ou países. (Lula D’Arcanchy, 1998, p. 17) D’A canch 1998 p

"Considera-se direita de um Considera se dispositivo de bandeiras à direita de d uma pessoa colocada junto a l d j t ele e voltada para a rua, para p ,p platéia ou, de modo geral, para o público que observa o dispositivo" ( p (art.31 § único). ) "À direita de tribunas, púlpitos, mesas de reunião ou de trabalho" (Art.31 III). (Art 31-III)

As formas de precedência entre Bandeiras estrangeiras são: ã
• por ordem alfabética • por ordem de chegada do Chefe da Missão • Para eventos do Mercosul segue-se a mesma ordem de autoridades aplicadas ao Mercosul.

Ordem de Precedência de Bandeiras - Exemplos: 1. Brasil 2. Argentina 3. Paraná 4. Curitiba

Ordem de Precedência de Bandeiras - Exemplos: 1. Brasil 2. Argentina 3. Paraguai 4. Paraná 5. Curitiba

Segundo (Bettega 2002, p. 16) “é (Bettega, 2002 p é indispensável o conhecimento do número de pessoas esperadas, bem como a hierarquia das mesmas e as condições em que o evento se realiza, a fi d que t li fim de seja estudado o tipo (formato) da mesa mais conveniente, em função das cabeceiras e convidados”.

Ressalta-se a importância da elaboração de lista de ç convidados, para o conhecimento das a to idades autoridades que se farão presentes na cerimônia. A disposição das pessoas é sempre feita a partir do centro da mesa mesa.

Normas gerais p g para composição p ç de mesas:

 1. a pessoa mais importante (1) fica no centro. 2. a segunda pessoa mais importante (2) fica à direita de (1) (1). 3. a terceira pessoa mais importante (3) fica à esquerda de (1). 4. a distribuição continua nessa ordem.

Mesas ímpares
1) Exemplo de mesa com número ímpar de lugares n 4 2 1 3 5 n‘ ‘
Mesa

Platéia Pl éi

1 – Presidente do ato ou maior autoridade 2 – Segunda maior autoridade 3 – Anfitrião (quando não for o presidente) 4 – Terceira autoridade na precedência 5–Q Quarta autoridade t t id d 6 – n n – ordem em que continua a n, n’ montagem, para mesas de 7 lugares, 9 lugares, etc. lugares etc

Mesas pares pares. Ninguém fica no centro da mesa. Este é considerado como uma linha imaginária, a á partir da qual serão colocadas as autoridades.

2) Exemplo de mesa com número par de lugares. p g
n 3 1 2 4 n

Mesa

Platéia

Legenda:
1 – Presidente do ato ou maior autoridade 2 – Anfitrião (quando não for o presidente do ato) 3 – Segunda maior autoridade 4 – Terceira maior autoridade 5 – n, n’ – continuação da montagem p para 8, 10 pessoas, etc. , p ,

Para (Doris Azevedo, 2005) Azevedo “são regras de são comportamento, que nos auxiliam a ter uma postura condizente com o ambiente e a ocasião Nada para ocasião. complicar, e, sim facilitar p , , nossa vida”.

A arte de cumprimentar cumprimentar...
Quando estamos sendo apresentados a alguém pela primeira vez devemos evitar beijos beijos, é de bom tom um aperto de mão p firme, olhando nos olhos da pessoa a qual está se apresentando, se apresentando estiver usando óculos escuros, retire-os ao cumprimentar alguém

Deve se Deve-se apresentar o mais velho ao mais novo, o mais importante ao menos importante (hierarquicamente falando), a mulher ao homem ), Caso alguém pergunte “como como vai?” responda que “vai bem obrigado(a)” nada d f b d ( )” d de ficar se lamuriando

Deve-se evitar falar a celebre frase “prazer em conhecê-lo(a), em um primeiro contato, sabe porquê? P i i t t b ê? Porque como você está conhecendo a pessoa naquele momento, você ainda não sabe se será realmente um prazer conhecêconhecê lo(a). O que fazer então... Um “como vai? vai?” estão de bom tamanho, ao final, tamanho final quando estiver indo embora, daí sim se foi f i um prazer conhecer t l pessoa, pode h tal d falar sem constrangimento

Deve-se gesticular d D ti l demais, mas i também ficar o tempo todo em uma única posição também é ruim, além do mais os gestos co ed dos enfatizam a as ges os comedidos e a a sua fala A discrição é bem vinda em todas as , ocasiões, nada de ficar falando mal da vida alheia, querer saber de assuntos íntimos que possam constranger quem está ao seu lado

A arte de se comunicar comunicar...
Nem todas as pessoas trabalham no mesmo ramo de negócio, portanto evite o uso contínuo de í jargões técnicos no seu linguajar, além das pessoas não entenderam b ê tá f l d sobre o que você está falando, você passa um certo “ar” de p arrogância

Gritos e sussurros são perfeitamente dispensáveis; Evite tocar na pessoa quando estiver conversando com ela, i d l nem todas as pessoas gostam de serem tocadas enquanto estão conversando, chame a atenção on e ndo h me ten ão p pela sua conversa e não tocando na pessoa

Informe-se, leia, Informe-se leia dê mais consistência a sua conversa, , isso demonstrará que você não está pa ado no tempo parado NÃO use expressões que õ denotem intimidade (querida (querida, flor, gracinha, princesa, etc)

Cuide com alimentos que podem causar mau hálito, eles podem e serão usados contra a ã sua imagem Cuidado com o preconceito, evite piadas envolvendo raça, religião, time de f tebol sexos, eligião times futebol, e o em geral são atitudes de mau g gosto que envolvem estas questões. questões

A arte de se apresentar em t público/mostrar em público... público

Cuidados com a aparência é fundamental, é sem dúvida a primeira impressão que fica, mesmo antes de você abrir a boca Para as mulheres é lh desaconselhável: decotes, transparências, mini-saias, lingerie ê aparecendo, ou de cor escura com roupa clara, cores e estampas berrantes, acessórios exagerados, , g , cabelos, unhas mal cuidados, p sapatos mal cuidados

Para os homens é desaconselhável: barba e bigode por fazer, unhas compridas, fazer compridas cabelos mal cuidados, sapatos mal cuidados, meias que não l d d ã sejam da mesma cor dos sapatos, j p , camisas com colarinhos desgastados, desgastados roupas de cores berrantes, perfumes fortes (o mesmo se aplica para as mulheres)

Em festa de final de ano oferecida pela empresa, nada de levar a família (a ã ( não ser se autorizado, não insista), t i d ã i i t ) lembre-se não é porque você não está no ambiente fora da empresa, que você pode fazer o que vier a cabeça, não exagere na bebida, o seu chefe é sempre o seu chefe divirta-se, mas chefe, divirta-se não esqueça da importância de cuidar da d sua imagem. i

A arte de usar os talheres e se comportar à p mesa...

Caso não saiba como usar tantos talheres, observe o vizinho... comece sempre de fora para dentro d f d t

Palitar os dentes à mesa nem pensar. Passar o fio dental à mesa nem pensar. pensar Maquiar-se à mesa nem pensar. q p

Fazer rumores (arrotos, bater (arrotos talheres no prato, assoprar a sopa, comer de boca aberta e op ome bo be t falar de boca cheia) à mesa nem pensar. Mascar chicletes (goma de M hi l t ( d mascar) nem p ) pensar. Apoiar os cotovelos na mesa (a não ser quando não tem comida ã d ã d ) servida à mesa).

Evitar temas controvertidos controvertidos. Ao final da refeição não empurre o prato. Não assoe o nariz à mesa. Nem pense em lamber os dedos (mesmo entre amigos). ( g )

Devemos evitar: encher demais o garfo de alimento, assim como falar om bo f l com a boca cheia (aberta), hei ( be t ) fazer barulho com a boca ao ingerir alimentos líquidos, brincar com as coisas dispostas à mesa (copos, talheres, guardanapos, toalhas etc.) etc )

Sugestões... Sugestões
Espere que todos a mesa estejam servidos para começar a comer... comer Repetições podem ocorrer mais sem exageros Coisas acontecem... derrubou o vinho tinto na mesa com toalha branca... não se apavore!!

Deixar a mesa... só depois que mesa todos tenham terminado de comer Só recuse algo (alimento) caso seja alérgico ou tenha intolerância aquele alimento (não faça um alarde em relação àquele alimento que você não pode comer) Sentar-se à mesa e depositar o S d i guardanapo (tecido) no colo, ao levantar-se depositá-lo à esquerda do á prato (sem dobrar)

Quando estiver representando a empresa em coquetéis, jantares, almoços de negócios, evite bebidas negócios alcoólicas, mesmo que o seu anfitrião esteja bebendo alguma bebida alcoólica Quem convida paga a conta (no caso de convites pela empresa), assim como dá por encerrado o evento (almoço/jantar)

Limpe sempre a boca antes de Li b t d beber. Cuidado com o “sorriso ecológico” (avise a pessoa) pessoa).

Uso correto do posicionamento dos talheres... - colher – segure-a com a mão direita e leve a boca pela lateral (não assopre o líquido). - garfo – segure-o com a mão esquerda, esquerda ou com a direita quando não estiver segurando a faca. faca.

- faca – segure-a com a mão direita para cortar os alimentos ou seja para colocá los colocá-los sobre o garfo. - Não gesticule com os talheres nas mãos - Após o término da refeição, p ç , posicionar os talheres da forma correta. - Quando do uso de guardanapo de pano (tecido) deve-se colocá-lo no deve se colocá lo colo com a abertura da dobra virada p a o pra você.

Como se come certos alimentos....
Pão Pã – cata-se com as mãos. t ã Azeitona – leva se até a boca e leva-se retira-se o caroço da boca com a mão em concha concha. Salada de folhas – não se corta, dobra-se.

Massas – não se corta, independentemente do formato. Frango assado – usar os talheres. Frango à passarinho – pode usar as mãos mãos.

Bom apetite

Obrigada pela atenção atenção. Até uma próxima oportunidade.

Prof. Prof ª Eliana Ieger

REFERÊNCIAS
AZEVEDO, Doris. Etiqueta e contra-etiqueta – um estilo de ser. Florianópolis: Momento Atual, 2005. BETTEGA, Maria Lúcia. Eventos e cerimonial. Caxias do Sul: Educs, 2002. CESCA, Cleusa G. Gimenes. Organização de eventos-manual para planejamento e execução. São Paulo: Summus, 1997. D’ARCANCHY, Lula. Cerimonial público e privado. Curitiba, Editora do Autor, 1998. Autor 1998 MATIAS, Marlene. Organização de eventos – procedimentos e técnicas. técnicas São Paulo: Manoel, 2002. Manoel 2002 MEIRELLES, Gilda Fleury. Tudo sobre eventos. São Paulo: Editora STS Publicações e serviços Ltda. 1999. Edi P bli õ i L d 1999
Curso: Cerimonial, Protocolo e Etiqueta/Outubro/2009 90

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->