P. 1
Iº SÁBADO DE FORMAÇÃO ESCUTISTA - CAMPISMO E PIONEIRISMO

Iº SÁBADO DE FORMAÇÃO ESCUTISTA - CAMPISMO E PIONEIRISMO

|Views: 1.046|Likes:
Publicado porsevenjesus

More info:

Published by: sevenjesus on May 04, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/29/2013

pdf

text

original

CAMPISMO E PIONEIRISMO

CAMPISMO
O que é acampar? Antes de mais, disciplina, ordem e horário, um acampamento que respeite o seu horário tem já garantido metade do seu êxito. A preocupação da saúde, o que deve estar sempre presente é ginástica diária, boa higiene, uso frequente e completo da água. Espírito de iniciativa e de construção para a instalação do acampamento, a vida de labor intenso amacia os caracteres, estabelece a fraternidade suscita a energia viril necessária à vida de campo. Espírito de alegria e descontracção, pelas canções, pelas histórias, pelas representações no fogo de conselho. Educação pelo belo e pela grandeza, pela boa escolha do local, bom panorama, boa localização e beleza das construções. Educação pela entre-ajuda e caridade, pela vida colectiva de grupo, do bando, da patrulha e ou equipe, como é evidente. Educação da vida espiritual, pela oração diária, o acampamento desenvolve o sentido autêntico da oração. Um bom escuteiro começa sempre por escolher a zona de repouso, as tendas para dormir devem de estar separadas umas das outras e instaladas nas orlas das árvores. A zona de higiene, protegida pela folhagem e afastada das tendas é o local ideal. Não é necessário estar instalado perto da água, mas deve possuir sempre água armazena da. Zona de alimento, a cozinha deve estar perto da tenda e da sala de comer. Deve de existir uma zona de silêncio onde todos se encontram para celebrar ou rezar. Zona do fogo de conselho, fogueira protegendo o chão, bancos, e tudo mais que é necessário, criarão o ambiente. O resto são as nossas músicas, poemas, mímicas, representações e etc. Por fim deve de existir uma zona de avisos, deve ser um pano esticado com espias servira perfeitamente para colocar os avisos. As tendas devem de ser o local onde guardamos o nosso equipamento e passamos a noite. Por isso devem de ser montadas com cuidado e em locais não muito inclinados, onde no verão possa bater uma sombra amiga durante as horas mais quentes. Devem de limpar o terreno, apenas retirar os paus e pedra, se for muito húmido utilizar fetos ou folhas secas para cobrir o chão. Devem de ter em atenção à colocação da porta evitando os ventos mais fortes. Os panos ou capas das tendas devem de estar bem esticados. Como Cortar um Pau com a Faca do Mato: Para evitar que se corte um dedo ou uma mão, os movimentos da faca devem ser sempre feitos para fora do nosso corpo, no sentido oposto à mão com que seguramos no pau ou ramo. Assim, a lâmina da faca nunca vem contra nós por azar!

SIM Machado:

NÃO

A diferença entre o machado e a machada (ou machadinha) está no tamanho. O machado é grande e usa-se com as duas mãos. A machada é mais pequena e basta uma mão para a manobrar. O Escuteiro costuma usar a machada.

Utilização do Machado: O Escuteiro sabe usar o machado e a machada correctamente. A machada, usada só com uma mão, requer mais pontaria do que força. De facto, os golpes com a machada são dados pausadamente, calculando sempre o local do golpe, e sem excesso de força. Uma machada não se pega com as duas mãos desferindo fortíssimos golpes no alvo. Este é um gesto típico dos pata-tenras. O machado, apesar de ser pegado com 2 mãos, usa-se também pausadamente, sem força excessiva e apostando sempre na pontaria. A machada, por poder ser usada apenas com uma mão, deve ser pegada pela «pega», na ponta do cabo, e não a meio do cabo. Tem-se melhor balanço, e é preciso fazer-se menos força.

SIM

NÃO

Sempre que se começa a usar um machado, deve-se verificar o seguinte: 1- se a cunha está bem fixa; mergulhar o machado em água faz inchar a madeira e assim garantir melhor a fixação do cabo na lâmina; 2- se não há ninguém à volta que possa ser atingida por um golpe; Para cortar um ramo, nunca o devemos fazer em cima da terra, pois a lâmina acabará sempre por se enterrar no solo, estragando o fio. Deve-se sempre apoiar o ramo em cima de um cepo mais grosso.

SIM

NÃO

O ponto onde vamos cortar deve estar bem apoiado e o mais fixo possível.

SIM

NÃO

Nunca se deve desferir golpes com o machado sobre um ponto do ramo que esteja sem apoio, pois o efeito será muito pouco e o ramo ao vibrar pode fazer com que o machado salte e atinja o utilizador.

SIM

NÃO

A inclinação do machado é importantíssima para os efeitos dos golpes. N unca se devem dar os golpes com a lâmina num ângulo de 90º, ou seja, na vertical. Deve inclinar -se sempre o machado para fazer aproximadamente um ângulo de 60º.

Os golpes devem ser alternados, ora inclinado para a esquerda ora para a direita.

O machado nunca deve ser usado como martelo, pois não foi para isso que foi feito.

Como Cortar um tronco na vertical ou abater uma arvore: A técnica apenas precisa de duas zonas de golpe: a primeira de um lado, e a segunda do lado oposto e mais em cima. Esta técnica aplica-se tanto para um ramo, como para um tronco, como para uma árvore. No caso de uma árvore, esta cairá para o lado da primeira zona de golpe.

Para cortar uma vara verde, seguras pela parte de cima para a vergar. Os golpes devem ser dados com inclinação de 60º e não perpendicularmente à vara. Vergar a vara aumenta o efeito de corte do machado.

SIM Fazer uma Estaca

NÃO

Para afiar uma estaca, deves apoiá-la em cima de um cepo, e golpeares com pontaria, como na figura. A cada golpe rodas um pouco a estaca.

Uma estaca deve ter a parte de trás ligeiramente desbastada, como na figura acima, para evitar que, ao bater na nela, se desfaça.

Segurança Para além de saber manejar correctamente o machado, o Escuteiro deve igualmente saber tomar todas as medidas de segurança relativamente a esta ferramenta. Tal como a faca de mato ou outra qualquer ferramenta cortante, o machado não deve ser deixado caído no meio do chão, encostado a uma árvore e muito menos ainda cravado no tronco vivo de uma árvore.

O seu manejo deve observar regras de segurança para o utilizador, assim como para pessoas que se encontrem por perto. Deves ter todo o cuidado ao usares o machado para que este não te atinja uma perna ou um braço. Se estiveres a segurar com a mão no tronco ou ramo que cortas, verifica se a mão não fica ao alcance de nenhum golpe desviado por acaso. O mesmo cuidado deves ter com as pernas, as quais deverás abrir conforme a posição em que estejas a cortar, de modo a que o machado nunca te atinja a perna, mesmo no caso de um golpe mal dado e que se desvie. Como guardar o machado O machado deve ficar guardado dentro da respectiva baínha, ou cravado num cepo ou num suporte próprio montado no campo.

num cepo

num suporte próprio

Para cravar o machado num cepo é comum verem os pata-tenras a desferirem -se grandes golpes sem grandes resultados. A técnia consiste unicamente em espetar a lâmina em bico, e não com o fio todo. Para além disso, a lâmina deve ficar paralela ao cepo.

SIM

NÃO Transporte do machado

NÃO

O transporte do machado é outro factor importante na segurança. Quando o transportares na mão, segura-o sempre pela lâmina, e nunca pelo cabo. Os pata-tenras, quando pegam no machado pela primeira vez, costumam andar a passear com ele segurando no cabo e balanceando-o «à índio», arriscando-se a bater com a lâmina nas pernas ou a atingir algum colega. Se o machado for grande podes levá-lo ao ombro, mas sempre com o fio da lâmina virado para fora.

Quando se passa o machado a outra pessoa, deves entregá-lo sempre segurando na lâmina, para que lhe possam pegar facilmente no cabo.

SIM

NÃO

Lista de material para acampamento O material que levas para uma actividade depende muito da duração, daquilo que vais fazer, das condições climatéricas, etc. Deixamos-te aqui uma lista extensa, a título de exemplo, para que possas escolher da melhor forma aquilo que precisas levar para o teu acampamento.

Roupa e calçado chinelos de praia, para poderes tomar banho (cuidado com o "pé de atleta") mudas de roupa interior (uma por cada novo dia) fato de treino (substitui o pijama e é mais prático) calçado confortável para caminhadas agasalho para a noite chapéu de abas (caso não tenhas o chapéu BP, para proteger do sol) calção ou fato de banho Alimentação cantil copo (não de vidro) prato fundo (não de vidro) talheres (faca, garfo e colher) Vários saco-cama colchonete

 

igiene pessoal toalha escova e pasta de dentes sabonete (numa caixa própria, de plástico)

lanterna (pilhas e lâmpada de reserva) bússola canivete ou faca de mato caderno de caça caneta e lápis isqueiro ou caixa de fósforos papel higiénico saco plástico para lixo saco plástico para roupa suja protector solar (para o verão) espia de sisal ou outro material Para emergências estojo de primeiros socorros kit de linhas e agulhas para costura lista de telefones de bombeiros, GNR, etc. e outros telefones úteis da zona para onde vais acampar pequeno manual de socorrismo Em tempo de chuva casaco impermeável "poncho" impermeável (para cobrir o corpo e a mochila durante as caminhadas) caixa de plástico pequena ou saco de plástico hermético para guardares documentos ou outro material importante sacos de plástico para embrulhar roupa e saco-cama quando vão dentro da mochila calçado de reserva Acampamento Ecológico Falar de ambiente nos nossos dias, já é muito mais do que uma moda ou uma preocupação de meia dúzia de jovens com o cabelo comprido, óculos redondos e de ideias radicais. Hoje, em todo o mundo, começa a existir uma consciência colectiva que nos leva a exigir ar mais puro, água menos poluída, menos ruído, arquitectura mais harmoniosa, em resumo melhor qualidade de vida. O Escutismo assume-se como a mais antiga Associação de Defesa do Ambiente. De facto, a proposta de Baden-Powell inclui o respeito pelas plantas e pelos animais como ideal fundamental, isto numa época em que a defesa do ambiente fazia ainda pouco sentido. Hoje os tempos são outros e a conservação do ambiente tem um campo deluta muito vasto. A luta é outra, menos amadora e mais científica, menos poética e mais jurídica. Pretende-se, com este texto, alertar-te para alguns erros que por vezes cometemos quando acampamos. Para além de um apelo a um correcto comportamento, no sentido de deixar o local de acampamento melhor do que o encontraste, deixamos aqui algumas sugestões e cuidados a ter com o ambiente nos acampamentos. Ao chegar ao local de acampamento... não arranques a vegetação existente no teu campo. Se arrancares a vegetação, com uma contínua utilização, depressa a erosão tornará o campo impossível de acampar.

O que fazer então? Para limpar o teu local de acampamento, basta retirar os paus e as pedras que nele encontrares. Na montagem de campo... não pregues nem espetes nada nas árvores. Ao fazê-lo estarás a danificar os canais condutores de seiva da árvore o que, a curto prazo, acabará por matar a árvore. O que fazer então? Bastará para o efeito, usares uma espia para segurares o que quiseres. não faças regos à volta da tenda. Ao abrires regos, estarás a destruir a camada de manta morta (humus), assim como a causar graves danos no sistema radicular da vegetação existente. O que fazer então? Se for mesmo necessário fazer regos, para escoamento das águas das chuvas (pois a tua tenda não impermeável) fá-los de tamanho reduzido e de pouca profundidade. Nas construções... não cortes nenhuma árvore para fazer as tuas construções em campo. Ao cortares árvores para usares nas tuas construções, estás a desperdiçar e a danifica os recursos r florestais. Lembra-te "uma árvore é uma vida". O que fazer então? Reduz as construções ao mínimo possível, usa desperdícios (madeira caída) e procura apoiar as construções nas árvores, reduzindo assim a quantidade de madeira a utilizar. No consumo de água... ... não desperdices água. Como sabes, a água é um recurso natural de elevada importância e bastante limitado. O que fazer então? Utilizar a água com cabeça, evitando assim um elevado consumo desta. ... não utilizes detergentes que não sejam biodegradáveis para lavar a loiça ou a roupa. Ao utilizares estes produtos, estás a contribuir para a contaminação dos lençóis subterrâneos de água. O que fazer então? Para a lavagem da loiça ou da roupa utiliza, na medida do possível, detergentes biodegradáveis, pois não são tão poluentes. Na vida do acampamento... ... não deites nada para o chão. Assim estarás a destruir a floresta, poluindo-a. O que fazer então? Utiliza um saco e leva o lixo para um local onde façam a sua recolha, no final do acampamento. ... não grites com os teus companheiros nem utilizes rádios. Se procederes de modo contrário, não poderás desfrutar do "silêncio" da vida em campo e estarás a perturbar o "habitat natural" onde te encontras.

PIONEIRISMO

Nó Direito:

É o nó usado para fazer a ligação de dois cabos que não demandem muita força. Tem inúmeras aplicações na Arte de Marinheiro e oferece a vantagem de não recorrer, salvo nos casos em que os cabos a ligar, são de bitolas diferentes ou materiais também diferentes.

Nó de Aselha:

Executa-se como se fosse uma laçada dada no seio do cabo e serve para graduar provisoriamente um cabo qualquer. Nó de Oito ou de Trempe:

É um nó que, dado num chicote de um cabo serve para não deixar desto rcer um olhal.

Nó de Barqueiro ou Nó de Porco:

É um dos trabalhos de Arte de Marinheiro que mais se emprega a bordo. E is algumas das suas aplicações: começo e remate de vários nós, fazer fixar um cabo numolhal, cabeço, etc. A volta de fiel, também chamada de nó de porco, goza da propriedade de não correr. Nó de Escota:

Destina-se a segurar o chicote dum cabo num olhal ou mãozinha de outro. Goza do propriedade de não secar quando molhado, razão por que é utilizado para emendar escotas. Usa-se ainda para emendar cabos de bitolas diferentes ou feitos de materiais diferentes. Este nó usa-se ainda na confecção de redes de pesca. Lais de Guia:

Tal como o nó de escota, o lais de guia é um dos nós mais aplicado a bordo, Dá-se no chicote de uma espia para encapelar num cabeço e nas bocas das embarcações, quando estas têm de ser rebocadas. Tem inúmeras utilidades

Nó de Correr:

Serve para fixar rapidamente uma corda a um tronco por exemplo escadas de cordas e para embrulhos. Botão em Cruz:

Serve para juntar duas varas formando entre elas um ângulo bastante aberto ou em diagonal e também ligar duas varas que tendem a afastar-se uma da outra. Botão em Esquadria:

Serve para juntar duas varas perpendiculares.

Peito de Morte:

Serve para ligar duas varas ou estacas paralelamente.

Tripé:

Serve para fazer um tripé, é feito com três e que pode ser utilizado para pendurar casacos, chapéus mochilas, entre outras coisas.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->