P. 1
Relatório_Exp4_Pêndulo Simples_Fenômenos Mecânicos_Trim1.2

Relatório_Exp4_Pêndulo Simples_Fenômenos Mecânicos_Trim1.2

|Views: 506|Likes:
Trabalho apresentado como avaliação parcial da disciplina de Fenômenos Mecânicos do BC&T da UFABC.
Trata sobre Pêndulo Simples.
Trabalho apresentado como avaliação parcial da disciplina de Fenômenos Mecânicos do BC&T da UFABC.
Trata sobre Pêndulo Simples.

More info:

Published by: Fernando Henrique G. Zucatelli on May 10, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF or read online from Scribd
See more
See less

11/07/2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC

FERNANDO HENRIQUE GOMES ZUCATELLI MARCELO ALBINO ROBERTO DENIN LIU

RELATÓRIO DE FENÔMENOS MECÂNICOS

SANTO ANDRÉ 2009

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC

FERNANDO HENRIQUE GOMES ZUCATELLI MARCELO ALBINO ROBERTO DENIN LIU

EXPERIÊNCIA 4 – PÊNDULO SIMPLES

Trabalho apresentado como avaliação parcial da disciplina de Fenômenos Mecânicos do BC&T da UFABC.

Orientador: Profº Pedro

SANTO ANDRÉ 2009

Sumário
RESUMO ...........................................................................................................................3 INTRODUÇÃO..................................................................................................................3 OBJETIVOS.......................................................................................................................5 PARTE EXPERIMENTAL................................................................................................5 4.1. Materiais .....................................................................................................................5 4.2. Métodos ......................................................................................................................6 5. RESULTADOS E DISCUSSÃO .......................................................................................7 6. CONCLUSÃO..................................................................................................................12 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .............................................................................12 1. 2. 3. 4.

3

1. RESUMO
Ao se suspender uma massa por meio de um fio no campo gravitacional e elevar esta massa acima do seu ponto de equilíbrio e com o fio esticado, a massa descreverá um movimento oscilatório contínuo. A esse sistema denomina-se pêndulo simples. O tempo em que a massa leva para sair de uma posição e retornar a esta mesma posição é denominado período. Neste experimento procurou-se averiguar quais as grandezas físicas envolvidas com o período e estimar o valor da aceleração da gravidade terrestre. Foi possível com base nos dados levantados que o período para pequenas aberturas depende do comprimento do cabo e da gravidade local, e para grandes aberturas também dependerá deste ângulo de abertura. Também se verificou que a massa não tem influência sobre o período. A aceleração de gravidade encontrada no experimento é igual a 10,83 m/s2 ± 0,36.

2. INTRODUÇÃO
Um pêndulo simples consiste em uma partícula com massa (m) suspensa em um fio inextensível e sem massa, com um certo comprimento (L). A massa é livre para oscilar em um plano, à esquerda e à direita de uma linha vertical que passa através do ponto em que a extremidade superior do fio está fixada. 2

Figura 1 – Esquema de um pêndulo simples.

4

O elemento de inércia nesse pêndulo é a massa da partícula e o elemento restauração gravitacional entre a partícula e a terra. A energia potencial pode ser associada com a distância variável e o comprimento variável de uma fictícia “mola gravitacional.” 2 As forças que agem sobre a partícula são seu peso e a tensão (T) no fio. É possível Decompor mg numa componente radial m.g.cosθ e na componente mg.senθ que é tangente à trajetória da partícula. Esta componente tangencial é a força de restauração, porque sempre age em oposição ao deslocamento da partícula, de forma a trazê-la de volta à sua localização central, a posição de equilíbrio (θ=0) onde estaria em repouso, se não estivesse oscilando. Escrevemos a força de restauração como : 2
F = − mg s e n θ

(1)

Onde o sinal negativo indica que F age em oposição ao deslocamento. Supondo que o ângulo θ é pequeno, então senθ será quase igual a θ em radianos. O deslocamento (s) da partícula medido ao longo de seu arco é igual a L.θ. Então, para θ pequeno, temos que senθ=θ . 2
F ≈ − mgθ = − mg s  mg  = − s L  L 

(2)

Se um pêndulo simples oscila com pequenas amplitudes ela se comportará como um oscilador linear. Assim o seu período(T) será :
T = 2π m = 2π k m mg L = 2π L g

(3)

O elemento de inércia parece estar faltando na equação anterior. Isto é explicado pelo fato do período ser independente da massa da partícula, uma vez que o elemento de elasticidade , que é a constante da mola gravitacional mg/L , é ele mesmo proporcional à massa da partícula, e as duas massas se cancelam. 2 A equação (3) para T em função de L resulta numa curva do tipo raiz quadrada, todavia, sua visualização através dos pontos obtidos experimentalmente não é tão

5

simples, então para analisar a grua da curva que os dados formarem, será usado o recurso do gráfico tipo log x log, no qual é tomado o logaritmo da função e da variável e então confeccionado o gráfico com estes valores, conforme (4).

X = ct n log X = log ct n = log c + log t n ∴ log X = n log t + log c
(4)

Onde c é uma constante qualquer. Esta função é análoga a uma reta de coeficiente angular “n”, e “n” é igual ao grau do polinômio do qual foi extraído o logaritmo para construção do gráfico. A comparação entre os valores obtidos e a aceleração da gravidade pode ser feita através da constante c da equação (4) ou através do cálculo de g a partir da equação (3) isolando g em função e T e por consequência transferindo o erro (desvio-padrão) para a variável derivada. Para transportar a incerteza na grandeza física base, será usada a fórmula (5):
 ∂f  σ = ∑   .σ x2i i =1  ∂xi 
2 n 2

(5)

3. OBJETIVOS
O objetivo deste experimento é estudar o movimento oscilatório de um pêndulo simples, cujas forças atuantes são o peso da massa pendurada e a tração no cabo que a sustenta. É objetivo determinar a dependência do período com as variáveis: massa, comprimento do cabo e ângulo da oscilação.

4. PARTE EXPERIMENTAL 4.1. Materiais
Os materiais utilizados neste experimento foram: - Fio de Nylon. - Réguas e trenas. - Transferidor 180° - Cronômetro. - Corpos massivos.

6

4.2.

Métodos

Para o estudo do movimento do pêndulo, o mesmo foi pendurado por meio de um cabo (fio de nylon) em um gancho fixado na lateral de uma tábua que foi mantida sobre a mesa, de forma que o pêndulo ao ser colocado no gancho ficasse suspenso no ar. O cabo foi amarrado com uso de um pequeno nó e a medição do comprimento L foi feita com a trena medindo da altura do nó até o início do corpo suspenso e, depois era acrescido o comprimento do próprio corpo. Para lançar a esfera no ângulo desejado, o transferidos era apoiado na tábua e alinhado com o pêndulo em repouso e centrado no ponto em que se encontrava o nó que o mantinha no gancho (Figura 2), depois o operador do cronômetro deslocava o corpo no ângulo desejado, o transferidor era retirado para que a linha não tocasse nele e o operador do cronômetro disparava o cronômetro no mesmo em que soltava o corpo. Este procedimento foi repetido em todas as medições.

Figura 2 – Vista frontal da montagem do experimento.

Para medir o período de oscilação (tempo entre a esfera deixar a posição inicial e retornar a esta posição), foi medido o tempo de 5 ciclos, ou seja, 5 vezes em que a esfera retornou a sua posição inicial. Nas tabelas de dados, consta o tempo do período real do movimento, i.e., o tempo que foi medido dividido pelos 5 ciclos. A análise de dependência do período com as variáveis, comprimento, ângulo e massa, foi feita mantendo-se duas delas constantes em cada grupo de medições do período, que consistiam de cinco medições do tempo sob as mesmas condições delas três variáveis e a cada novo grupo de medições alterou-se apenas uma das variáveis.

7

5. RESULTADOS E DISCUSSÃO
A Tabela 1 apresenta 5 períodos de oscilação do pêndulo em cinco em diferentes comprimentos L do fio de nylon. Em todas as medições a massa m foi igual a 22g e o ângulo θ de lançamento conforme Figura 2 foi igual a 15° a coluna , Tm é a média das medições de tempo feitas para o comprimento L e ao seu lado está a coluna do desvio-padrão (erro) associado a esta distribuição. Nesta tabela também são apresentados os logaritmos na base 10 do valor de L e da média do tempo (Tm) dos grupo de medições, estes dados foram utilizados para confeccionar o gráfico log x log da Figura 4.
Tabela 1 – Período em comprimentos variados. L [m] 0,14 0,22 0,33 0,37 0,48 0,78 0,84 1,06 1,18 1,34 0,70 0,88 1,06 1,19 1,34 T [s] 0,76 0,88 1,07 1,17 1,36 0,71 0,87 1,07 1,17 1,34 0,76 0,85 1,08 1,17 1,35 Tm 0,74 0,86 1,07 1,18 1,35

±σ
0,03 0,02 0,01 0,01 0,01

log L -0,85 -0,66 -0,48 -0,43 -0,32

log Tm -0,13 -0,06 0,03 0,07 0,13

A partir dos dados da Tabela 1 foi construído o gráfico da Figura 3, para analisar o comportamento do período em função do comprimento. As barra verticais em cada ponto é a barra de erro do desvio-padrão.
Período T em função do comprimento L T em função de L

1,40 1,20 Tm [s] 1,00 0,80 0,60 0 0,1 0,2 0,3 L [mm] 0,4 0,5 0,6

Figura 3 – Gráfico do período em função do comprimento.

A primeira visualização da Figura 3 não permite afirmar que tipo de curva correlaciona o período com o comprimento. Neste caso, opta-se por usar um gráfico com o logaritmo de cada variável, onde o coeficiente angular da reta que se forma será o grau do polinômio que originou conforme demonstrado na equação (4).

8

Gráfico do período em função do comprimento - log x log
y = 0,4912x + 0,2763 2 R = 0,9829

log Tm

Linear (log Tm)
0,20

log Tm

0,10 -0,90 -0,80 -0,70 -0,60 -0,50 -0,40 -0,30 0,00 -0,20 -0,10 -0,20

log L

Figura 4 – Gráfico do período em função do comprimento do tipo log x log.

Na Figura 4 foi adicionado aos pontos obtidos pelo logaritmo da variável, a reta criada através do uso de ferramenta computacional que melhor se ajusta a este conjunto de pontos e também com uso da ferramenta computacional, a equação desta reta e o grau de ajuste dela pelo coeficiente R2. A reta ajustada possui coeficiente angular próximo de 0,5 e seu nível de ajuste está em 98%. Dessa forma, pode-se presumir que o polinômio que a originou possui grau 0,5. Matematicamente, este polinômio é uma função raiz de x ( x = x 2 ). Escrevendo o período para ficar semelhante à equação (4):
1

T = 2π

L 2π = . L g g

(6)

 2π 1   2π  1 log T = log  .L 2  = log   + log ( L )  g       g 2

(7)

O termo independente 0,2763 no gráfico da Figura 4 é interpretado o log c da
 equação (4), que relaciona-se com o log  2π    da equação (6), assim pode-se g

escrever:
log c = 0, 2763 ⇒ c = 100,2763 = 1,89 2π = 2, 007 g

g = 9,8 ⇒

 2π log c = log   g  1,89 ≅ 2, 007

 2π ⇒c=  g  (8)

Logo o termo independente da reta pode se considerado o logaritmo da razão 2π pela raiz da gravidade.

9

Para obter o valor da gravidade g, a partir do valor do gráfico, pode-se usar a seguinte equação derivada de (8):
2π 2π 4π 2  2π  c= ⇒ g= ⇒ g = = 2  c c g  c 
2

(9)

Assim aproximando π a 3,14 e com o valor de c =1,89 derivado do gráfico log x log. A aceleração da gravidade é:

4.(3,14) 2 g= = 11, 04m / s 2 2 1,89

(10)

O valor encontrado para g está 1,2 m/s2 acima do valor de referência 9,8 m/s2 usado na comparação da equação (8). Para verificar a validade deste valor, a equação (6) será re-trabalhada para que a gravidade fique em função do período.
T = 2π L 2π 4π 2 ⇒ g= . L ⇒ g = 2 .L = 4 Lπ 2 . (T −2 ) g T T

(11)

Além do valor de g com o uso da média dos períodos Tm, também é necessário calcular o seu desvio-padrão tendo comequation reference goes here grandeza base o período do qual g é uma função. Usando o fórmula (5):
2 2

 ∂(4Lπ 2 . (T −2 ))   ∂ (T −2 )  2 2 2  .σ T =  4Lπ  .σ T σ =    ∂T ∂T      2 1 2 2 2 σ g = ( 4Lπ 2 .(−2).T −3 ) .σ T = 64.L2π 4 6 σ T T 2 −3 σ g = 8.L.π .T σ T
2 g

(12)

Com as equações (11) e (12), constrói-se a Tabela 2, para a qual tem-se a gravidade em cada conjunto de medidas e seu respectivo desvio-padrão:
Tabela 2 – Aceleração da gravidade em cada grupo de medições. L [m] 0,14 0,22 0,33 0,37 0,48 Tm 0,74 0,86 1,07 1,18 1,35

±σ
0,03 0,02 0,01 0,01 0,01 média

g 10,06 11,65 11,46 10,53 10,46 10,83

±σg ±σ 0,90 0,43 0,23 0,13 0,11 0,36

A média das diferentes acelerações da gravidade calculadas para cada grupo de medições e seus respectivos desvios padrões é 10,83 m/s2 ± 0,36. Por essa

10

análise, o valor de g igual a 11,04 encontrado em (10) está dentro deste intervalo (11,04<10,83+0,36=11,19). Assim a diferença é decorrente dos erros de medições. Nota-se inclusive que para o comprimento L= 0,14m, o valor de g calculado foi 10,06, sendo este o mais próximo da aceleração da gravidade 9,8 m/s2, porém com o maior erro individual (0,90). Os dados para análise da dependência do período com o ângulo inicial de lançamento estão na Tabela 3. Neste conjunto de medições a massa foi constante e igual a 22 gramas e o comprimento do fio de nylon também constante e igual a 335mm.
Tabela 3 – Período em ângulos variados. θ [graus] 5 10 15 30 60 75 1,12 1,12 1,12 1,11 1,14 1,25 1,13 1,09 1,14 1,14 1,22 1,29 T [s] 1,14 1,07 1,17 1,13 1,33 1,25 1,13 1,11 1,12 1,14 1,18 1,27 1,14 1,09 1,14 1,12 1,18 1,27 Tm 1,13 1,10 1,14 1,13 1,21 1,27

±σ
0,01 0,02 0,02 0,01 0,07 0,02

Com os dados da Tabela 3 foi confeccionado o gráfico da Figura 5. Neste gráfico é possível perceber que a média de tempo até o ângulo de 30° é inferior a 1,15 segundos, e tem amplitude de 0,05 segundos, sendo as oscilações resultados de erros inerentes à medição, todavia o período a partir do ângulo de 60° está acima de 1,20 segundos e a uma distância maior que 0,05 segundos do valor máximo obtido até o ângulo de 30º e, continua em tendência crescente no valor medido em 75° (vide Tabela 3).

Período T em função do ângulo θ 1,30 1,25 Tm [s] 1,20 1,15 1,10 1,05 0 10 20 30 40 θ [graus] 50 60 70

Tm

80

Figura 5 – Gráfico do período em função do ângulo.

11

Este fato sugere que o período do pêndulo dependerá do ângulo inicial quando este estiver mais próximo de 90° do que de 0° de acordo com os dados deste , experimento deve-se ser possível observar tal diferença em ângulos maiores ou iguais a 60° . A última variável estudada é a massa. Para seu estudo, o comprimento foi fixado em 335mm e o ângulo em 15° isso permitiu reutilizar os dados Tabela 3, pois , nela constam as medições para uma massa de 22g nestas mesmas condições de comprimento e ângulo. Os dados estão na Tabela 4.
Tabela 4 – Período com massas de pêndulos variados. m [g] 5 22 77 1,08 1,12 1,12 1,13 1,14 1,08 T [s] 1,11 1,17 1,07 1,12 1,12 1,08 1,12 1,14 1,06 Tm 1,11 1,14 1,08

±σ
0,02 0,02 0,02

A partir da Tabela 4, foi elaborado o gráfico da Figura 6, que correlaciona a massa e a média do tempo do período.
Período T em função da massa m

Tm Média

1,16 1,14 Tm [s] 1,12 1,10 1,08 1,06 1,04 0 20 40 m [g] 60 80

Figura 6 – Gráfico do período em função da massa do pêndulo.

A amplitude da variação no gráfico da Figura 6 é igual a 0,06 segundos, valor muito pequeno quando comparado com a média dos períodos igual a 1,11 segundos, pode-se creditar estas diferenças aos erros naturais de medições inerentes aos reflexos humanos no momento de parar o cronômetro. Assim o período do pêndulo foi o praticamente o mesmo tanto para a massa de 5 gramas quanto para as outras massas, em especial a de 77 gramas, 15,4 vezes maior que a de 5 gramas, o que permite afirmar que a massa não influi no período do pêndulo, tal como indica a fórmula (3) advinda da literatura [2].

12

6. CONCLUSÃO
Conclui-se que o período de um pêndulo simples é uma função do comprimento entre a massa inercial e o centro do círculo do movimento desta massa. Nesta função também estão presentes o perímetro do círculo 2π e a aceleração da gravidade g conforme visto na equação (10) onde se encontrou o valor de 11,04 m/s2 e na Tabela 2, onde estatisticamente obteve-se a média para g igual a 10,83 m/s2 ± 0,36. A relação entre o período e o comprimento do cabo é uma função do tipo raiz quadrada, ou seja, o período depende da raiz quadrada do comprimento do cabo, fato verificado com auxílio do gráfico log x log na Figura 4. A dependência do período com o ângulo de partida ocorre para valores maiores que 60° quando não é mais válida a aproximação senθ = θ. , E por fim, a massa do pêndulo não interfere com o período, sendo as oscilações decorrentes dos erros inerentes às medições.

7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
[1] FENDT, Walter. Pêndulo simples. Disponível em <http://www.walterfendt.de/ph14pt/pendulum_pt.htm>. Acesso em 31 de jul. 2009. [2] HALLIDAY, David; RESNICK, Robert; WALKER, Jear. Fundamentos de Física, 7.ed. Rio de Janeiro, LTC, 2005. V.2. p.40-41. [3] PÊNDULO simples. Disponível em <http://educar.sc.usp.br/licenciatura/2001/pendulo/PenduloSimples_HTML.htm>. Acesso em 31 de jul. 2009.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->