Você está na página 1de 8
ENTAC % Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construido NIDY Foz do iguagu ~ Parana ~ Brasil 2002 72 10 de maio de 2002 A PRODUTIVIDADE NA EXECUGAO DE ADUTORAS DE AGUA Odivio da S. Rezende Neto (1); Ubiraci E. L. de Souza (2); Carla A. Sautehdk (3) (1) Dep. de Construgio Civil, Escola Politéenica da USP, adivio ezende@poliusp br (2) Dep. de Construgio Civil, Escola Politécnica da USP, ubiraci souzaGapoliusp.br (3) Dep. de Construgdo Civil, Escola Politécnica da USP, esautchukiadtccngenhariacom br RESUMO © presente trabalho apresenta um estudo realizado para medir a produtividade da mio-de-obra na execugo de adutoras de gua empregando tubulagdes de PVC com juntas elisticas integradas. Tal estudo fj realizado em obra de uma adutora executada pelo Servigo de Agua e Esgoto de Pirassununga (SAEP), a qual compreendeu uma extensio aproximada de trés km com dimetro de 400 mm. O método utilizado nna medieo da produtividade foi o método dos fatores, que analisa a produtividade no Ambito da equipe envolvida na execugdo da obra, com resultados de produtividade para cada subtarefa e para o servigo realizado por completo. Palavras-chave: produtividade da mio-dle-obra, adutora de gua, saneamento Basico, materiais, PVC. 1. INTRODUCAO A situagio do saneamento bésico no Brasil é uma das grandes questdes nacionais. Segundo levantamentos, realizados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Gcografia ¢ Estatistica) em 1998, quase 25% dos domicilios brasileiros ndo eram atendidos por rede de distribuigdo de dgua, enquanto que 55%, aproximadamente, dos domicilios nao tinham acesso a sistemas de esgotamento sanitirio (Dossié do Saneamento Basico, 2000), Estes dados dio uma dimensio da situagio do saneamento basico em nosso pais, sendo um dos. indicadores da baixa qualidade de vida da populegao brasileira Para mudar esta situado alguns esforgos estdo sendo feitos pelos diversos niveis governamentais, quais scjam: federal, estadual e municipal; bem como a sociedade como um todo ja esta exigindo dos responsiveis pelo setor, através de associagées ¢ entidades no governamentais, medidas que reduzam estes indices de ndo atendimento, Além disso, novos materiais/componentes estio sendo desenvolvidos pela industria do setor, objetivando a reduco dos custos de implantagdo e manutengdo dos sistemas de saneamento bisico, Foi neste cenério que foram desenvolvidos os sistemas de PVC para transporte ¢ ddistribuicdo de Agua. Apesar destas iniciativas, € necessirio que se melhore a gestdo dos recursos envolvidos na execugio dos sistemas; sendo que estudos como este — feito de forma académica ¢ profissional, sejam de grande valia para a gestio destes recursos. Com 0 objetivo de avaliar o desempenho de produtividade da mio-de-obra na execugdo das adutoras de gua com material plistico foi realizado o estudo que é aprescntado neste trabalho, o qual contou com a ‘cooperagdo do Servigo de Agua e Esgoto de Pirassununga (SAEP) ¢ do CEDIPLAC ~ Solugdes para 0 Habitat Humano, durante obra realizada no periodo de 17/07 a 06/09/2000 na cidade de Pirassununga. A. adutora implantada foi projetada para operar sob pressio da gravidade, resultante da diferenga de cota existente entre os dois pontos de ligagao, ou seja, entre o rescrvatério da estagdo de tratamento ¢ um dos reservatorios de distribuigo de agua da cidade, 1977 Com estas breves informagies sobre o assunto discutido neste artigo, {Em-se os seguintes tépicos a serem tratados: a conceituagdo dos sistemas de abastecimento de agua e suas partes; a metodologie utilizada para 1 medigio da produtividade da mao-de-obra na execusdo das obras; apresentagao do estudo de caso com dados de produtividade; ¢, finalmente, concluisse o artigo com informasées globais de produtividade para as diferentes situagdes acorridas durante a obra 2, SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE AGUA F um conjunto de obras, instalagdese servigos,destinados a produzi edistibuirégua a uma comunidade, em quantidade © qualidade compativeis com as necessidades da populagio, para fins de consumo dloméstico, comercial, industrial, servigos pblicos e outros fins (Manual do Saneamento = FUNASA, 1999), Os sistemas de abastecimento de gua so consiuidos pelas partes presenes na Figura 1, se presenga de cada uma dessas partes vai depender das necessidades de cada projeto, pois formas existentes para o abastecimento de égua de uma cidade ou comunidade. aa iio Figura 1 ~Partes de um sistema de abastecimento de égua © sistema apresentado na Figura 1 corresponde ao sistema mais comum utilizado no sistema de abastecimento de gua, sendo formado pelas unidades de captagao, tratamento, adugdo, reservagdo € distribuigdo da dgua 2.4 Adugio da Agua ‘A adugio da agua é realizada através de adutoras, que sio as canalizagSes que conduzem a égua entre as partes do sistema que precedem a rede de distribuigio, As adutoras si0 compostas por tubulagdes, cconcxées (curvas, tés, redugdes etc.) e acessérios (registros, valvulas ete.), © podem ser construidas utiizando materiais como PVC de alta pressio, o ferro fundido, o ago, a fibra de vidro impregnada com poligster co polictileno de alta densidade (Sistemas de Abastecimento de Agua ~ PHD, 1995/1996) 1978 2.2 Execugio das Adutoras As etupas de execugdo das adutoras de agua, utilizando-se qualquer dos materiais citados anteriormente, passa por diversas etapas ou subtarefas. As ctapas construtivas apresentadas a seguir slo as que foram realizadas na execue2 da adutora apresentada neste trabalho, sendo que algumas delas deixou de acontecer em um trecho da adutora, devido a este no estar em area pavimentada ¢ habitada. Tém-se, centdo, as seguintes etapas: Locasio da vala ¢ corte de pavimentagdo asfiltica; Abertura da vala; Assentamento das tubulagdes, conexdes e acess6rios; vvyvy Reaterro compactado; > Repavimentagdo da via publica. A locagdo da vala deve ser feta de acordo com o alinhamento exposto em projeto, sendo que 0 meio utilizedo para tal vai depender da pavimentagdo existent. 6 0 corte da pavimentacio astiltica & realizado, de preferéncia, com equipamento proprio para esta finaldade, o que facilita a remogio do pavimento, quando da abertura da val, e limita a rea de escavagdo de vala(veja Figura 2. ‘A abertura da vala foi realizada com o emprego de uma retro-escavadeira, sem necessidade de ‘escoramento e de esgotamento da vala (veja Figura 3). Nesta fase da obra os cuidados devem ser redobrados pelo operados da retvo-escavadeira, pois existem grandes possibilidades de rompimento de tubulagdes existentes (éguas pluvisis, redes de esgotos, galerias ect.) principalmente quando no & possivel contar com um cadastvoatualizado destes sistemas. Figura 2 — Indicag2o da mareagZo da vala e corte do. Figura 3 — Abertura da vala com a retro- ppavimento asfiltico sendo realizado. cescavadeira ‘A diferenga maior na execugdo de adutoras com diferentes matcriais, est na etapa de assentamento das, tubulagses, conexdes e acessérios, Dessa forma, enquanto alguns materiais fazem as unides entre os seus ‘componentes com juntas de anéis de borracha, outros empregam juntas com soldagem metilica ou com travamento de encaixe, o que pode representar uma grande diferenga de produtividade da mio-de-obra no resultado final do servigo realizado. No caso apresentado neste trabalho, as tubulagdes utilizadas foram de PVC com junta eldstica integrada, e as conexdes e registros de ferro fundido. Este tipo de tubulagSo no permite que haja erros na colocagio dos anéis de borracha por parte dos operivios, pois clas jé sio fabricadas com os anéis integrados (a Figura 4 mostra 0 assentamento da tubulagio, 0 qual é feito com 0 auxilio da propria retro-escavadeira), 1979) Figura 4— Assentamento da tubulagao Na etapa de reaterro utilizou-se, também, da retro-escavadeira para fazer 0 reenchimento da vala— que foi realizado com © mesmo matcrial escavado — ¢ de um equipamento mecinico de compactagdo; sendo utilizado a retro na compactagdo final do reaterro, quando os pneus eram passados sobre o material a ser ‘compactado (veja Figuras 5 c 6). Jd para o trecho sem pavimentagio 0 reaterro foi realizado utilizando-se ‘a retro-eseavadeira e uma pé-carregadeira, pois neste trecho no era necessaria uma compactagdo como a ‘executada no trecho anterior, devido estar localizado em area nio habitada, Finalmente a etapa de repavimentasio da via piblica, realizada apés reaterro compactado. As fases de exccusio da repavimentagdo sto: regularizago do reaterto com enxada ¢ compactador mecinico, colocagao de piche, colocagdo do material asféltico e compactagdo deste. A Figura 7 mostra esta etapa da execugio da obra, ‘Outro aspecto que merece destaque é a questio do manuseio dos componentes durante a realizago das ‘obras, ou seja, componentes de materiais que meregam grandes cuidados no manuseio e sejam mais pesados, tendem a tera produtividade prejudicada. sa. ele Figura 5 — Reenchimento da vala pela retro. Figura 6 ~ Compactagiio mecdnica da val 1980) Figura 7 - Reconstituigéo do pavimento asféltico (sepavimentagio). 3, METODOLOGIA DO ESTUDO A pesquisa aqui apresentada foi realizada em algumas etapas, as quais possibilitaram os resultados ‘mostrados nos itens seguintes. Em primeiro lugar foi feito um levantamento preliminar de informagdes sobre as adutoras de agua, utilizando-se de pesquisa bibliografica, consulta a especialistase visita a obras, objetivando-se conhecer melhor as fases de execusio da obra © os componentes envolvidos na sua implementagdo. Além disto, a equipe envolvida na pesquisa jé havia realizado outras pesquisas com este tipo de obra, sendo o objeto de estudos as redes coletoras de esgotos sanitirio, Em seguida, definiu-se © método para a medigio da produtividade da mio-de-obra a ser utilizado na pesquisa, o qual abrange as fases de coleta e processamento dos dados e anilise dos resultados. O método ‘adotado foi o Método dos Fatores, que faz o estudo da produtividade da equipe envolvida na execusio da obra e por subtarefa, ¢ utiliza a unidade de produtividade chamada RUP, definida no proximo item. ‘A ctapa seguinte foi o desenvolvimento das planilhas de coleta dos dados, treinamento da pessoal responsivel pela coleta dos dados e aplicagdo das planithas em campo, para verifiear possiveis erros ou modificaydes que fossem necessérias. A coleta dos dados foi realizada diariamente por uma pessoa ccontratada especialmente para a realizago do servigo, tendo uma orientago e acompanhamento periédico por parte dos pesquisadores envelvidos na pesquisa, ‘A etapa final foi a de avaliagdo dos resultados obtidos,feita & medida que os dados eram processados e no ‘émino dos trabalhios de processamento, © processamento ¢ anélise dos dados ficaram a cargo dos pesquisadores envolvidos na pesquisa, os quais estavam em Sdo Pulo/SP. 4, PRODUTIVIDADE NA EXECUCAO ‘A produtividade consiste na eficiéncia de transformar esforgo humano em servigo. Para que se possa ‘medir a produtividade da mao-de-obra utiliza-se, neste trabalho, um indice parcial denominado de Razio Unitiria de Produgao ~ RUP. Este indice relaciona os homens-hora despendides (entradas) 8 quantidade de servigos realizados (saidas), SOUZA (1996). Tem-se, entdo, de acordo com a definigdo exposta que: 1981 RUP = Homens hora/quantidade de servigo 4.1 Padronizagio da RUP Os valores de homens-hora e as quantidades de servigas executados devem ser levantados de maneira a ter dados de coleta que represente a realidade da obra pesquisada. Para que isto ocoma, & necessério padronizar a coleta de homens-hora © as quantidades equivalentes de servigos, 0 que sé & possivel ‘reinando os responséveis pelo levantamento dos dados em campo. Assim, o treinamento de uma pessoa para fazer diariamente a coleta dos dados e a definigdo de inicio e fim de cada subtarefa do servigo em execugdo, é de fundamental importincia para o sucesso da pesquisa, No que diz. respeito 4 quantidade de homens-hora é necessirio determinar o tempo que cada componente da equipe ficou disponivel para o trabalho, bem como a sua distribuigo entre as diversas atividades durante 0 dia de trabalho. Quanto & quantificagdo dos servigos, pode-se avaliar sobre dois pontos de vista: global ou por subtarefa. Sob 0 ponto de vista global, a execusdo do servigo adutora é vista como uma somatéria das atividades de execugdo, enquanto que nas subtarefas, a avaliagdo & feita por cada fase de realizagio da obra, ou seja, abertura da vala, assentamento dos componentes da adutora, reaterro ¢ repavimentagdo, Para o estudo da produtividade da mio-de-obra foram consideradas algumas possibilidades distintas: a primeira delas é 0 céloulo da RUP difria; a segunda é 0 célculo da RUP cumulativa; ea itima é o céleulo «da RUP potencial, Estas RUPs so calculadas para cada subtarefa e para o servigo wlobal da adutora, Para uma melhor compreensio, apresenta-se a seguir a definigio de cada um dos tipos de RUP consideradas neste trabalho, citadas por SOUZA (1996). ‘+ RUP Diiria ~ ¢ @ razio unitéria de produgo quando as medidas de entrada ¢ safda referem-se a ‘um dia de trabalho. ‘+ RUP Cumulativa - ¢ a razio unitéria de produgdo quando as medidas dizem respeito ao periodo dde tempo que vai do inicio da coleta a6 o dia da apropriagao, ‘+ RUP Potencial - é a razdo unitéria de produgio que apresenta a produtividade potencial da equipe em estudo, sendo calculada através da mediana das RUPs didrias menores que a RUP cumulativa do periods levantado, 5. ESTUDO DE CAMPO © estudo de campo foi realizado na cidade de Pirassununga, estado de Sio Paulo, sendo a obra uma adutora de 400 mm de didmetro extensio de tés km, que fez a ligaglo do reservatério da estagdo de tratamento de égua a0 reservatério de distribuigao, situado dentro do patio do SAEP. A obra foi realizada pelo corpo téenico do SAEP, que foi responsivel também pelo projeto, A implantacdo da obra contou com duas equipes: uma responsivel pela execusio da adutora (locaydo da vala, corte do pavimento, abertura da vala, assentamento das tubulagdes, e reaterra) e outra responsavel pela repavimentago, sendo que esta sé trabalhava na obra durante s realizagio da repavimentagio, estando no restante do dia responsdvel por outros servigas na cidade. A equipe de execugdo da adutora nao trabalhava as sexlas feiras, pois este dia era reservado para se fazer a repavimentagao do trecho executado no dia anterior e limpeza da avenida, a qual era o principal ponto de diversdo da cidade nos finais de semana e, por isso, deveria estar livre para tal finalidade, ‘A coleta dos dados foi realizada por um apontador e abrangeu uma extensdo de 2.900 m, durante o periodo de 19/07 a 06/09/00. O apontador ficava quatro horas por dia na obra, de segunda a Sexta feira, levantando todas as informagdes e dados ocorridos durante o dia de trabalho, fazendo, inclusive, perguntas para o responsivel pelas equipes sobre anormalidades ocorridas nas horas em que ele nfo estava presente 1982 6. RESULTADOS FINAIS Os resultados obtidos na pesquisa foram divididos em dois grupos, pois a obra foi executada em dea que apresentava um trecho com pavimentago ¢ outro sem pavimentaglo; 0 que gerou os dados de produtividade mostrados nas tabelas 1 e 2, respectivamente, Observe que na Tabela 1 so apresentados os resultados das RUPs cumlativa e potencial para as diversas subtarefas pesquisadas para o trecho com pavimentago, além dos resultados das RUPs Globais sem paralisagdes © com paralisagies (todas as horas de paralisagdes ¢ outros servigos ocorridos durante a execugdo da obra ~ quebra da retro-escavadeira, jornada menor de trabalho, cartegar e descarregar material ete. ~ foram devidamente levantadas), bem como o resultado das RUPs das sublarefas de mareagio da valalcorte de pavimentagdo, abertura da vala, assentamento da tubulagdo, reaterro © pavimentagio, Jé a Tabela 2 apresenta os mesmos resultados de produtividade, s6 que para o trecho da via pitbliea sem pavimentagio, sendo o reaterro realizado sem compactasio mecdnica, Tabela 1 Resultados de produtividade na execugo da adutora em trecho ndo pavimentado Didmetro | Protundidade| carats | neo. |i eat] Pavinentaste|conpacase ur (shi | RUP gavin) | RUP tind | yp anim | RUP my |_ RU” SOR) ‘pode ur | mareagao vats | ‘aberture a2 |esertament | SUP anim) | RUP thin) cone pavenio| "vale | ca tubulagae [2572.68 va |repavimentaSo | Som T cam paraizagso | paraizando Comte 008 027 0.00 oat 038 1.00 120 Jonde: R= revo-escavacoa, Ew“ equpamenta mectnic, Tabela 2 ~ Resultados de produtividade na execugio da adutora em trecho sem pavimentagdo. tubulagio |média da val] Pavimentagio | Compactagso ‘ew. te ‘00 180 | inexsteme [RPC Ru (awn) | RUP tim) RUP Giobal nin) stooge rue | RUPCniny | SYED | RUP END | zup ning | RUP ein marcagiovain | aa | da tbulageo | =e 60 sem com aalizacso [paraieagao Cumutaiva | _ 0070 0720 9080) 9.080 ose | 0526 Potoncial 0002 ours 0047 0097 ozs | oaz0 lords: R= revo-escavacora Po Spi-corregadors 1983 Os dados apresentados nas duas tabelas acima podem ser interpretados segundo as seguintes constal ‘+ ARUP Potencial deve servir de referéncia da produtividade alcangada pars este tipo de obra, nas