Você está na página 1de 7

Comentário a respeito de John

(Belchior e José Luiz Penn)
Saia do meu caminho
Eu prefiro andar sozinho
Deixem que eu decida a minha vida
Não preciso que me digam de que lado nasce o Sol
Porque bate lá meu coração
Sonho, escrevo em letras grandes (de novo)
Pelos muros do país
Sob a luz do teu cigarro, na cama,
Teu rosto-rouge, teu baton me diz:
"John, o tempo andou mexendo com a gente sim!"
John, eu não esqueço, oh, Não, oh, Não!
A felicidade é uma arma quente, quente
Quente!

meu bem. meu grande amor Das coisas que aprendi nos discos Quero lhe contar como eu vivi e tudo o que aconteceu comigo Viver é melhor que sonhar E eu sei que o amor é uma coisa boa Mas também sei que qualquer canto é menor do que a vida de qualquer pessoa Por isso cuidado. não vou voltar pro sertão Pois vejo vir vindo no vento o cheiro da nova nova estação Eu sei de tudo na ferida viva do meu coração Já faz tempo eu vi você na rua cabelo ao vento gente jovem reunida Na parede da memória essa lembrança é o quadro que dói mais Minha dor é perceber que apesar de termos feito tudo que fizemos Ainda somos os mesmos e vivemos Como nossos pais Nossos ídolos ainda são os mesmos e as aparências não se enganam. há perigo na esquina Eles venceram e o sinal está fechado pra nós que somos jovens Para abraçar seu irmão e beijar sua menina na rua É que se fez o seu braço.Como nossos pais (Belchior) Não quero lhe falar. não Você diz que depois deles não apareceu mais ninguém Você pode até dizer que tou por fora ou então que tou inventando Mas é você que ama o passado é que não vê É você que ama o passado é que não vê Que o novo sempre vem Hoje eu sei que quem deu me deu a idéia de uma nova consciência e juventude Está em casa guardado por Deus contando vil metal Minha dor é perceber que apesar de termos feito tudo tudo o que fizemos Nós ainda somos os mesmos e vivemos Ainda somos os mesmos e vivemos Como os nossos pais . o seu lábio e a sua voz Você me pergunta pela minha paixão Digo que estou encantado como uma nova invenção Eu vou ficar nesta cidade.

vento.Mucuripe (Fagner e Belchior) As velas do Mucuripe Vão sair para pescar Vou levar as minhas mágoas Pra águas fundas do mar Hoje à noite namorar Sem ter medo de saudade Sem vontade de casar Calça nova de riscado Paletó de linho branco Que até o mês passado Lá no campo 'inda era flor Sob o meu chapéu quebrado O sorriso ingênuo e franco De um rapaz novo encantado Com vinte anos de amor Aquela estrela é dela Vida. vela leva-me daqui. .

sou eu.. de voltar No Corcovado quem abre os braços sou eu Copacabana esta semana o mar sou eu Como é perversa a juventude do meu coração (E as borboletas do que fui pousam demais) Que só entende o que é cruel. . sou eu.Paralelas (Belchior) Dentro do carro. viadutos Nem te lembras de voltar. sob o trevo À cem por hora meu amor Só tens agora os carinhos do motor E no escritório em que trabalho e fico rico Quanto mais eu multiplico Diminui o meu amor Em cada luz de mercúrio vejo a luz do teu olhar Passas praças. de voltar.. o que é paixão (Por entre as flores do asfalto em que tu vais) E as paralelas dos pneus nas águas das ruas são duas Estradas nuas em que foges do que é teu No apartamento do oitavo andar abro a vidraça E grito quando o carro passa Eu infinito sou eu.

ouvir estrelas. pode ser no seu inferno Viver a divina comédia humana onde nada é eterno Ora direis.Divina Comédia Humana (Belchior) Estava mais angustiado que um goleiro na hora do gol Quando você entrou em mim como um Sol no quintal Aí um analista amigo meu disse que desse jeito Não vou ser feliz direito Porque o amor é uma coisa mais profunda que um encontro casual Aí um analista amigo meu disse que desse jeito Não vou viver satisfeito Porque o amor é uma coisa mais profunda que um transa sensual Deixando a profundidade de lado Eu quero é ficar colado à pele dela noite e dia Fazendo tudo de novo e dizendo sim à paixão morando na filosofia Eu quero gozar no seu céu. corpo e tempo e algum modo de dizer não Eu canto . certo perdeste o senso Eu vos direi no entanto: Enquanto houver espaço.

cabelo ao vento.Velha Roupa Colorida (Belchior) Você não sente não vê Mas eu não posso deixar de dizer. nunca mais!" .. poeta louco americano. meu amigo Que uma nova mudança em breve vai acontecer O que há algum tempo era novo. chiclete e som Nunca mais você saiu a rua em grupo reunido O dedo em V. amor e flor. o corpo é diferente E o passado é uma roupa que não nos serve mais (2x) Como Poe." Nunca mais você buscou sua menina Para correr no seu carro Loucura. jovem Hoje é antigo E precisamos todos rejuvenescer (2x) Nunca mais seu pai falou "She's leaving home" E meteu o pé na estrada "Like a Rolling Stone. Eu pergunto ao passarinho blackbird.. o que se faz? Blackbird me responde: "Tudo ja ficou pra trás" Assum preto me responde: "O passado. quedê o cartaz? No presente a mente.

Interesses relacionados