Você está na página 1de 5

X CRISTÃO

O índio dirigiu-se rapidamente a D. Antônio de Mariz.


— Peri quer salvar a senhora.
O fidalgo abanou a cabeça em sinal de dúvida.
— Escuta! replicou o índio.
Aproximando os lábios do ouvido de D. Antônio, falou-lhe por algum tempo em voz
baixa, e num tom rápido e decisivo.
— Tudo está preparado: parte, desce o rio; quando a lua estender o seu arco
chegarás à tribo dos Goitacás. A mãe de Peri te conhece: cem guerreiros te acompanharão
à grande taba dos brancos.
D. Antônio de Mariz ouviu em profundo silêncio as palavras do índio; e quando ele
terminou, apertou-lhe a mão com reconhecimento.
— Não, Peri: o que me propões é impossível. D. Antônio de Mariz não pode
abandonar a sua casa, a sua família e os seus amigos no momento do perigo, ainda
mesmo para salvar aquilo que ele mais ama neste mundo. Um fidalgo português não pode
fugir diante do inimigo, qualquer que ele seja: morre vingando a sua morte.
Peri fez um gesto de desespero.
— Assim tu não queres salvar a senhora?
— Não posso, respondeu o cavalheiro; o meu dever manda que fique e partilhe a
sorte de meus companheiros.
O índio no seu fanatismo não compreendia que houvesse uma razão capaz de
sacrificar a vida de Cecília, que para ele era sagrada.
— Peri pensou que tu amasses a senhora! disse ele fora de si.
D. Antônio olhou-o com uma expressão de dignidade e nobreza.
— Perdôo-te a ofensa que me fizeste, amigo; porque é ainda uma prova de tua
grande dedicação. Mas acredita-me; se fosse preciso que eu me votasse só ao sacrifício
bárbaro dos selvagens para salvar minha filha, eu o faria sorrindo.
— E por que recusas o que Peri te pede?
— Por quê?... Porque o que tu pedes não é um sacrifício, é uma vergonha; é uma
traição. Tu abandonarias tua mulher, teus companheiros, para salvar-te do inimigo,
Peri?...
O índio abaixou a cabeça com abatimento.
— Demais, essa empresa demanda forças com que um velho como eu já não pode
contar. Havia duas pessoas que a poderiam realizar.
— Quem? perguntou Peri com um raio de esperança.
— Uma era meu filho, que a esta hora está bem longe daqui; a outra deixou-nos esta
manhã e nos espera; era Álvaro.
— Peri fez pela senhora o que podia; tu não queres salvá-la; Peri vai morrer a seus
pés.
— Morrer? disse o fidalgo. Quando tens a liberdade e a vida à tua disposição? E
julgas que consentirei nisto?... Nunca! Vai, Peri; conserva a lembrança de teus amigos; a
nossa alma te acompanhará na terra. Adeus. Parte: o tempo urge.
O índio ergueu a cabeça com um gesto soberbo de indignação.
— Peri arriscou bastantes vezes a sua vida por ti, para ter o direito de morrer
contigo; tu não podes abandonar teus companheiros; o escravo não pode abandonar sua
senhora.
— És injusto, amigo: exprimi um desejo, não quis irrogar-te uma injúria. Se exiges
uma parte do sacrifício, esta te pertence, e tu és digno dela: fica.
Um grito dos selvagens retroou nos ares.
D. Antônio, fazendo um gesto aos aventureiros, encaminhou-se para o gabinete.
Cecília, adormecida sobre a cadeira de espaldar, sorria, como se algum sonho alegre
a embalasse no seu sono tranqüilo; o rosto um pouco pálido, moldurado pelas tranças
louras de seus cabelos, tinha a expressão suave da inocência feliz.
O fidalgo, contemplando sua filha, sentiu uma dor pungente e quase arrependeu-se
de não ter aceitado o oferecimento de Peri, e de não tentar ao menos esse último esforço
para defender aquela vida que apenas começava a expandir-se.
Mas podia ele mentir ao seu passado e faltar ao dever imperioso que o obrigava a
morrer no seu posto? Podia trair na sua última hora àqueles que haviam partilhado a sua
sorte?
Tal era o sentimento de honra naqueles antigos cavalheiros, que D. Antônio nem um
momento admitiu a idéia de fugir para salvar sua filha; se houvesse outro meio, decerto o
receberia como um favor do céu; mas aquele era impossível.
Enquanto o espírito do fidalgo se debatia nessa luta cruel, Peri, de pé, junto de
Cecília, parecia querer ainda protegê-la contra a morte inevitável que a ameaçava.
Dir-se-ia que o índio esperava algum socorro imprevisto, algum milagre que salvasse sua
senhora; e que aguardava o momento de fazer por ela tudo quanto fosse possível ao
homem.
D. Antônio, vendo a resolução que se pintava no rosto do selvagem, tornou-se ainda
mais pensativo; quando, passado esse momento de reflexão, ergueu a cabeça, seus olhos
brilhavam com um raio de esperança.
Atravessou o espaço que o separava de sua filha, e, tomando a mão de Peri, disse-lhe
com uma voz profunda e solene:
— Se tu fosses cristão, Peri!...
O índio voltou-se extremamente admirado daquelas palavras.
— Por quê?... perguntou ele.
— Por quê?... disse lentamente o fidalgo. Porque se tu fosses cristão, eu te confiaria
a salvação de minha Cecília, e estou convencido de que a levarias ao Rio de Janeiro, à
minha irmã.
O rosto do selvagem iluminou-se; seu peito arquejou de felicidade; seus lábios
trêmulos mal podiam articular o turbilhão de palavras que lhe vinham do intimo da alma.
— Peri quer ser cristão! exclamou ele.
D. Antônio lançou-lhe um olhar úmido de reconhecimento.
— A nossa religião permite, disse o fidalgo, que na hora extrema todo o homem
possa dar o batismo. Nós estamos com o pé sobre o túmulo. Ajoelha, Peri!
O índio caiu aos pés do velho cavalheiro, que impôs-lhe as mãos sobre a cabeça.
— Sê cristão! Dou-te o meu nome.
Peri beijou a cruz da espada que o fidalgo lhe apresentou, e ergueu-se altivo e
sobranceiro, pronto a afrontar todos os perigos para salvar sua senhora.
— Escuso exigir de ti a promessa de respeitares e defenderes minha filha. Conheço a
tua alma nobre, conheço o teu heroísmo e a tua sublime dedicação por Cecília, Mas quero
que me faças um outro juramento.
— Qual? Peri está pronto para tudo.
— Juras que, se não puderes salvar minha filha, ela não cairá nas mãos do inimigo?
— Peri te jura que ele levará a senhora à tua irmã; e que se o Senhor do céu não
deixar que Peri cumpra a sua promessa, nenhum inimigo tocará em tua filha; ainda que
para isso seja preciso queimar uma floresta inteira.
— Bem; estou tranqüilo. Ponho minha Cecília, sob tua guarda; e morro satisfeito.
Podes partir.
— Manda fechar todas as portas.
Os aventureiros obedeceram a ordem do fidalgo; todas as portas se fecharam; o
índio empregava este meio para ganhar tempo.
Os gritos e bramidos dos selvagens, que continuavam com algumas interrupções,
foram se aproximando da casa; conhecia-se que escalavam o rochedo nesse momento.
Alguns minutos se passaram numa ansiedade cruel. D. Antônio de Mariz depositou
um último beijo na fronte de sua filha; D. Lauriana apertou ao seio a cabeça adormecida
da menina e envolveu-a numa manta de seda.
Peri, com o ouvido atento, o olhar fito na porta, esperava. Ligeiramente apoiado
sobre o espaldar da cadeira, as vezes estremecia de impaciência e batia com o pé sobre o
pavimento da sala.
De repente, um grande clamor soou em torno da casa; as chamas lamberam com as
suas línguas de fogo as frestas das portas e janelas; o edifício tremeu desde os alicerces
com o embate da tromba de selvagens que se lançava furiosa no meio do incêndio.
Peri, apenas ouviu o primeiro grito, reclinou sobre a cadeira e tomou Cecília nos
braços; quando o estrondo soou na porta larga do salão, o índio já tinha desaparecido.
Apesar da escuridão profunda que reinava em todo o interior da casa, Peri não
hesitou um momento; caminhou direito ao quarto onde habitara sua senhora e subiu à
janela.
Uma das palmeiras da cabana estendia-se por cima do precipício e apoiava-se a
trinta palmos de distancia sobre um dos galhos da árvore que os Aimorés tinham abatido
durante o dia para tirarem aos habitantes da casa a menor esperança de fuga.
Peri, apertando Cecília nos braços, firmou o pé sobre essa ponte frágil, cuja face
convexa tinha quando muito algumas polegadas de largura.
Quem lançasse os olhos nesse momento para aquela banda da esplanada veria ao
pálido clarão do incêndio deslizar-se lentamente por cima do precipício um vulto hirto,
como um dos fantasmas que, segundo a crença popular, atravessavam à meia-noite as
velhas ameias de algum castelo em ruínas.
A palmeira oscilava, e Peri, embalando se sobre o abismo, adiantava-se
vagarosamente para a encosta oposta. Os gritos dos selvagens repercutiam nos ares de
envolta com o estrépito dos tacapes que abalavam as portas da sala e as paredes do
edifício.
Sem se inquietar com a cena tumultuosa que deixava após si, o índio ganhou a
encosta oposta, e segurando com uma mão nos galhos da árvore, conseguiu tocar a terra
sem o menor acidente.
Então, fazendo uma volta para não aproximar-se do campo dos Aimorés, dirigiu-se à
margem do rio; ai estava escondida entre as folhas a pequena canoa que servia outrora
para os habitantes da casa atravessarem o Paquequer.
Durante a ausência de uma hora que Peri tinha feito, quando deixara Cecília
adormecida, ele havia tudo preparado para essa empresa arriscada que devia salvar sua
senhora.
Graças à sua atividade espantosa, armou com o auxilio da corda a ponte pênsil sobre
o precipício, correu ao rio, amarrou a canoa no lugar que lhe pareceu mais propicio, e em
duas viagens levou a esse barquinho, que ia servir de morada a Cecília durante alguns
dias, tudo quanto a menina podia carecer.
Eram roupas, uma colcha de damasco com que se poderia arranjar um leito, alguns
alimentos que restavam na casa; lembrou-se até que D. Antônio devia ter necessidade de
dinheiro logo que chegasse ao Rio de Janeiro, porque Peri contava que o fidalgo não
duvidaria salvar sua filha.
Chegando à beira do rio, o índio deitou sua senhora no fundo da canoa, como uma
menina no seu berço, envolveu-a na manta de seda para abrigá-la do orvalho da noite, e
tomando o remo, fez a canoa saltar como um peixe sobre as águas.
A algumas braças de distancia, por entre uma aberta da floresta, Peri viu sobre o
rochedo a casa iluminada pelas chamas do incêndio, que começava a lavrar com alguma
intensidade.
De repente uma cena fantástica, terrível passou diante de seus olhos, como uma
dessas visões rápidas que brilham e se apagam de repente no delírio da imaginação.
A frente da casa estava às escuras; o fogo ganhara as outras faces do edifício e o
vento o lançava para o fundo. Peri do primeiro olhar tinha visto os vultos dos Aimorés a
se moverem nas sombras e a figura horrível e medonha de Loredano, erguendo-se como
um espectro no meio das chamas que o devoravam.
De repente a fachada do edifício tombou sobre a esplanada, esmagando na sua queda
um grande número de selvagens.
Foi então que o quadro fantástico se desenhou aos olhos de Peri.
A sala era um mar de fogo; os vultos que se moviam nessa esfera luminosa pareciam
nadar em vagas de chamas.
No fundo destacava o vulto majestoso de D. Antônio de Mariz de pé no meio do
gabinete, elevando com a mão esquerda uma imagem do Cristo e com a direita abaixando
a pistola para a cava escura onde dormia o vulcão.
Sua mulher abraçava os seus joelhos calma e resignada; Aires Gomes e os poucos
aventureiros que restavam, imóveis e ajoelhados a seus pés, formavam o baixo-relevo
dessa estátua digna de um grande cinzel.
Sobre o montão de ruínas formado pela parede que desmoronara, desenhavam-se as
figuras sinistras dos selvagens, semelhantes a espíritos diabólicos dançando nas chamas
infernais.
Tudo isso, Peri viu de um só relance de olhos, como um painel vivo iluminado um
momento pelo clarão instantâneo do relâmpago.
Um estampido horrível reboou por toda aquela solidão: a terra tremeu, e as águas do
rio se encapelaram como batidas pelo tufão. As trevas envolveram o rochedo há pouco
esclarecido pelas chamas, e tudo entrou de novo no silêncio profundo da noite.
Um soluço partiu o peito de Peri, talvez a única testemunha dessa grande catástrofe.
Dominando a sua dor, o índio vergou sobre o remo, e a canoa voou pela face lisa e
polida do Paquequer.