Você está na página 1de 1

A canela do Elias (artigo de

Jos Antunes de Sousa, 52)


16:42 - 19-06-2016
Jos Antunes de Sousa
A- A A+

Em mar de desgraa, qualquer adversrio poderia ter assumido o papel de protagonista


em mais uma tragdia grega o papel de fustigar, com aoites de horror, a casa encantada
dos sonhos do seu altivo contentor: desta vez, coube ao Per o cruel feito de liquidar, num
literal e mortfero golpe de mo, a esperana da glria, antecipadamente anunciada, do
Braasil.
Naquele domingo, plmbeo e aziago, todos os elementos da natureza, todos os orixs do
firmamento xamnico, parecem ter-se unido no obscuro fito de tramar este esplndido
Brasil (Agostinho da Silva) e, desde cedo, pareceu claro no haver forma de penetrar no
inexpugnvel territrio dos Incas, que, pareciam, por seu lado, como que inebriados,
embebedados de uma crena que os parecia envolver num transe colectivo empenhados
na misso pica e exconjurante de quebrar finalmente o enguio de dcadas de jogos contra
o terrvel Adamastor, apesar de dulcificado pelo terno amarelo de suas camisolas (camisas,
aqui no Brasil).
Nada parecia suficiente para derrubar a peruana crena no milagre e no foi mesmo! A
escassos instantes do final, em plena fase de descontos (acrscimos), o jogador brasileiro,
Elias, que j se exibiu em Alvalade, na cara do golo, num esgar ltimo tentando forar o
destino, num gesto acrobtico de uma nvia rendio, estica a perna para empurrar a bola
para a baliza (gol), mas eis que lhe bate na canela e sai como uma bala pela linha de fundo
e a se afundavam definitivamente as ltimas rstias de esperana dos brasileiros e, assim,
com o apito final do rbitro, se consumava mais uma imprevista (?) descida aos infernos
duma seleco que parece ter amolecido, no se sabe ao certo se por um estranho fenmeno
de superabundncia que gera o embarao e o equvoco na escolha, se por confiana a mais
na espontaneidade criativa de seus executantes, esquecendo que a disciplina e organizao,
se bem que dentro de um conceito de complementariedade, constituem ingredientes
indispensveis a uma certa cultura de vitria. que Deus pode ser que seja brasileiro, mas,
mesmo assim, Ele precisa da inteno dos humanos para concretizar o Seu poder.