Você está na página 1de 35

Manual de primeiros socorros

Índice

Introdução ......................................................................................................................................................... 4
Ataque de Asma ................................................................................................................................................ 5
Ataque Epiléptico .............................................................................................................................................. 7
Fracturas ............................................................................................................................................................ 9
Amputação ...................................................................................................................................................... 11
Acidentes de carro ........................................................................................................................................... 12
Intoxicações ..................................................................................................................................................... 14
Síncope/Desmaio............................................................................................................................................. 16
Overdose ......................................................................................................................................................... 17
Queimaduras ................................................................................................................................................... 18
Afogamento ..................................................................................................................................................... 21
Electrocussão ................................................................................................................................................... 22
Asfixia .............................................................................................................................................................. 23
Estado de Choque ............................................................................................................................................ 25
Mordeduras ..................................................................................................................................................... 27
Golpe de frio / Enregelamento ........................................................................................................................ 28
Hemorragia Nasal /Epistaxis ............................................................................................................................ 29
Crise de Hipoglicémia (diabetes) ..................................................................................................................... 30
Picadas ............................................................................................................................................................. 32
Estrangulamento ............................................................................................................................................. 33
Conclusão ........................................................................................................................................................ 34

3
Manual de primeiros socorros

Introdução

Este trabalho foi elaborado no âmbito da disciplina de área de projecto do 9º ano, da


turma B, e desenvolvido por um dos grupos da turma.

O trabalho é subordinado ao tema “os primeiros socorros”, ou seja como socorrer uma
pessoa vítima de acidente ou doença súbita, que pode estar em risco de vida.

Optamos por este tema porque é fundamental e interessante e também porque é


fundamental saber, passo a passo, o que fazer para ajudar uma pessoa em situação de
emergência.

Com este manual podes aprender como actuar em várias situações, como, por exemplo,
quando uma pessoa desmaia ou quando tem uma crise epiléptica ou ainda numa crise asmática.

Deves ler atentamente o manual de forma a estares devidamente informado antes de


realizares qualquer procedimento de socorro a uma vítima. Em caso de dúvida, liga sempre 112!

4
Manual de primeiros socorros

Ataque de Asma

A asma é uma doença inflamatória crónica dos brônquios. Resulta do estreitamento dos
brônquios, que pode ocorrer em várias circunstâncias. Ficando mais estreitos, o ar sai e entra nos
pulmões com mais dificuldade. Este estreitamento é provocado pela contracção dos músculos que
existem à volta dos brônquios, pelo aumento da parede dos brônquios, ficando assim o interior
dos brônquios mais estreito, e pela maior quantidade de secreções que os brônquios produzem.

Sintomas:

• Dificuldades ao respirar;
• Chiadeira ao respirar;
• Sensação da opressão do tórax;
• Tosse e cansaço;
• Dificuldade em deitar fora o ar do peito e em fazer entrar mais ar;

O que pode agravar a asma?

• Fumo do tabaco;
• A poluição do ambiente ao ar livre ou nos interiores dos edifícios;
• Constipações
• ……

5
Manual de primeiros socorros

Como socorrer:

• Perguntar à pessoa se ela tem asma e se tem um inalador consigo. Ajude-a no uso
do inalador.
• Caso contrário, procure ajuda ou telefone para o número de emergências local se a
pessoa não precisar de assistência imediata.
• Se a pessoa não for asmática ou tiver problemas do coração, trate o caso como uma
severa reacção alérgica.
• Ajude a pessoa a ficar numa posição confortável para respirar (geralmente sentada
na vertical).
• Fique com a pessoa até que a assistência médica chegue.

6
Manual de primeiros socorros

Ataque Epiléptico

A epilepsia é uma perturbação neurológica que se caracteriza por episódios súbitos de


disfunção cerebral. Apresenta-se como perdas de consciência ou crises de convulsões localizadas
ou generalizadas, de maior ou menor intensidade. Um ataque epiléptico surge de uma perda de
consciência súbita, que pode provocar lesões ou contracturas musculares, devido à queda
desamparada provocada pelo desmaio. Na maioria das vezes, durante um ataque, o doente pode
morder a língua, espumar ou mesmo urinar. Terminado o ataque, a vítima pode entrar num
período de prostração, ficando abatida ou desorientada.

Uma crise epiléptica divide-se em três fases:

• Fase Tónica: o doente começa por dar um grito, em seguida perde a consciência e
cai no chão. Imediatamente os seus músculos começam a contrair, contracção essa
que dura entre 10 a 20 segundos.
• Fase Crónica: todo o corpo da vítima sofre uma série de tremores impossíveis de
controlar, com sucessivas contracções e descontracções de toda a musculatura.
Este período prolonga-se entre 30 a 120 segundos, a respiração pára, o pulso
acelera e a produção de saliva aumenta.
• Fase Pós-Crítica: neste momento as convulsões já cessaram, surge o relaxamento
muscular que, em algumas situações, pode levar a uma falha involuntária dos
esfíncteres e a urina involuntária. O doente recupera a consciência sem se lembrar
do sucedido, geralmente confuso e sonolento. Esta fase pode durar entre 2 a 25
minutos.

7
Manual de primeiros socorros

Como fazer o primeiro socorro:

• Tente amparar a queda da vítima para evitar lesões graves;


• Afaste os objectos próximos e crie um espaço de segurança a redor da vítima,
procurando tornar a zona silenciosa e tranquila.
• Não agarre a vítima para tentar conter as convulsões, apoie a cabeça do doente no
seu colo para evitar traumatismos;
• Coloque um pano dobrado na boca do doente, entre os dentes para não morder a
língua;
• Desaperte as roupas que comprimam o pescoço, o tórax e a cintura.
• Espere que o ataque termine e nunca abandone o doente;
• Quando a crise terminar, coloque o doente na Posição Lateral de Segurança (PLS)
até que recupere por completo;
• Caso se inicie uma segunda crise, chame uma ambulância para transportar o doente
até uma unidade hospitalar;

O que não se deve fazer:

• Não imobilize o doente de modo a impedir os tremores;


• Não desloque o doente, salvo se este se encontrar num local perigoso;
• Não lhe dar qualquer tipo de bebida até que recupere por completo;
• Não demorar no transporte do doente para o hospital caso a crise se repita ou
persista durante mais de 10 minutos;

8
Manual de primeiros socorros

Fracturas

Há dois tipos de fracturas:

• Fracturas Fechadas: quando não existe ferida no foco da fractura (zona onde se dá a
fractura);
• Fracturas Abertas ou Expostas: sempre que há ferida associada ao foco de fractura.
A estas situações podem estar associadas algumas complicações desde
hemorragias, choque ou infecção.

Como fazer o primeiro socorro:

• Instalar a vítima em posição adequada e com o maior conforto possível evitando,


contudo, fazer grandes movimentos e deslocações;
• Expor o foco de fractura, cortando a roupa que o envolve;
• Lidar com os topos ósseos visíveis como se fossem corpos estranhos, protegendo-
os;
• Proceder à imobilização, tendo o cuidado de:

- Manter a posição original;

- Em simultâneo fazer tracção e alinhamento do membro lesionado;

- Imobilizar as articulações acima e abaixo do foco de fractura;

- Não fazer redução da fractura;

- As talas aplicadas devem estar almofadadas ou protegidas de modo a não impedir


a circulação.

9
Manual de primeiros socorros

• Seja qual for a distância a que se encontre do hospital, as fracturas deverão ser
imobilizadas. Os segmento sujeitos a imobilização são:

- Cintura escápulo-umeral (clavícula);

- Braço (úmero);

- Antebraço e/ou mão (rádio, cúbito, ossos do carpo e metacarpo);

- Dedos (falanges);

- Perna e/ou pé (tíbia e perónio, calcâneo, ossos do tarso, do metatarso e falanges);

- Joelho e coxa /rótula e fémur).

10
Manual de primeiros socorros

Amputação

A amputação é uma lesão provocada pela separação de um membro ou parte de um


membro do resto do corpo.

A amputação pode ser feita por:

• Secção (Corte) – por exemplo: serra eléctrica


• Avulsão (arrancamento) – por exemplo: máquina dentada
• Esmagamento – por exemplo: carril do comboio
• Este tipo de lesão apresenta normalmente muitas complicações:

- Hemorragia mais ou menos abundante, principalmente em casos de secção ou


avulsão;

- Choque;

- Perda de substância (tecidos) significativa na avulsão;

- Infecção que surge como complicação tardia.

Como fazer o primeiro socorro

• Se houver hemorragia, importa controlá-la utilizando métodos de compressão


manual indirecta e a elevação do membro lesionado;
• Prevenir o choque e tentar avaliar, aproximadamente, a quantidade de sangue
perdida;
• Colocar o penso e cobertura;
• Vigiar as funções vitais
• Envolver a parte amputada em compressas humedecidas com soro fisiológico;
• Colocar este saco dentro de outro com gelo;
• Transporte da vítima e da parte amputada para o hospital.

11
Manual de primeiros socorros

Acidentes de carro

Perante um acidente de automóvel é necessário agir com rapidez. Se existirem já pessoas a


ajudar, o melhor que tem a fazer é seguir em frente e retirar-se do local. Se não existe ninguém no
local deverá averiguar a situação de modo a ajudar sem causar maior perigo para as pessoas
afectadas ou mesmo para quem socorre.

Como fazer o primeiro socorro

• Pare o próprio carro fora da estrada. Se for de noite, dirigir a luz dos faróis, em posição de
cruz, até ao lugar do acidente.
• Se tiver incendiado, apagar o fogo do veículo sinistrado com areia, terra ou extintor. Nunca
utilizar água.
• Desligar o motor dos veículos acidentados de forma a evitar incêndios e accionar o travão
de mão.
• Sinalizar o local de forma bem visível.
• Se existe mais do que uma pessoa a ajudar, que uma delas procure ajuda especializada.
• Se existe mais do que um ferido, atender primeiro o mais grave.
• Se o acidentado é um motociclista nunca se deve tirar-lhe o capacete.
• Afrouxar a roupa do acidentado e cobri-lo com uma manta ou casaco, com a preocupação
de que esteja o mais cómodo possível.
• Verificar a pulsação e a respiração.
• Se existem alterações, deitar-lhe a cabeça para trás levantando-lhe o queixo com cuidado
para libertar as vias respiratórias.
• Devido ao risco de que sofra de fracturas e/ou lesões, não se deve mover o acidentado, a
menos que a sua segurança assim o exija.
• Se estiver consciente, conversar com ele, tranquilizá-lo e pedir-lhes detalhes sobre
possíveis lesões ou doenças anteriores que possam ser importantes para o médico.

12
Manual de primeiros socorros

• Prestar os primeiros socorros segundo o tipo de lesões que se encontre e dos meios de que
se disponha, no caso de se saber como o fazer.
• Evacuar os feridos com as precauções que se as suas lesões determinam. Evitar amontoar
os feridos num automóvel com a ânsia de os transportar para um centro médico.
• Reter toda a informação possível sobre o local, as circunstâncias e o momento do acidente.
Se não for possível transmitir directamente ao médico os dados memorizados, é preciso
anotá-los e assegurar-se de que eles os recebam.
• Quando o veículo acidentado é um camião-cisterna que transporta produtos químicos, é
necessário duplicar a prudência: pode ser perigoso aproximar-se sem ter roupa ou
protecção especial.

Como remover o Acidentado

Se, depois de comprovar que o seu estado o permite e que não existem lesões na coluna
vertebral, se decide a ajudar o acidentado a sair do veículo, é necessário segurá-lo por trás,
passando-lhe os braços por cima das axilas e agarrar-lhe a mandíbula (maxila/peça da armadura
bucal) com uma mão para lhe segurar a cabeça quando o largar.

No caso de existir uma hemorragia é preciso tentar estancá-la com pensos e compressão.
Se existirem fracturas, estas devem ser imobilizadas adequadamente. De seguida é preciso
proteger as feridas e as fracturas abertas e com pensos e, se possível, com ligaduras. Se a vítima
apresenta um quadro de choque ou colapso circulatório, colocá-la em posição lateral de segurança
(posição que iremos explicar e aprofundar mais à frente) e abrigá-la convenientemente até que
receba a oportuna assistência médica.

13
Manual de primeiros socorros

Intoxicações

Tóxico - é toda a substância, independentemente da sua origem, que ao entrar em


contacto com o organismo, vai provocar alterações funcionais, podendo mesmo causar a morte.

Intoxicação - São as causas e os efeitos provocados por um tóxico quando em contacto


com o organismo.

Tóxicos mais frequentes:

• Produtos industriais: ex: cloro, amoníaco, brometos;


• Produtos agrícolas: ex: herbicidas, pesticidas, fungicidas;
• Alimentos: ex: conservas, mariscos, ovos;
• Medicamentos: ex: analgésicos, tranquilizantes, narcóticos;
• Produtos de uso doméstico: ex: detergentes, produtos de higiene pessoal;
• Plantas: ex: bagas de azevinho.

14
Manual de primeiros socorros

Sintomas:

A universalidade de produtos tóxicos provoca sintomatologia diversa. Assim, é


fundamental não só o exame geral da vítima como também uma atenta observação dos diversos
cenários que se podem encontrar junto desta, tais como:

• Odor pouco habitual;


• Seringa ou caixa de medicamentos;
• Grupo de pessoas com uma linha sintomatologia idêntica após determinada
refeição.

Como fazer o primeiro Socorro:

• Telefone para o centro de informação toxicológica da sua cidade;


• Transporte a vítima para o ponto socorro o mais rápido possível e leve o tóxico
responsável;
• Não administre líquidos, principalmente se a pessoa estiver sonolenta ou inconsciente;
• Não tente provocar o vómito, especialmente se o produto ingerido for cáustico;
• Certifique-se de que a pessoa consegue respirar;
• Se a intoxicação ocorreu por inalação, retire a pessoa do ambiente tóxico, remova as suas
roupas, sem deixa-la passar frio e procure por queimaduras químicas.

15
Manual de primeiros socorros

Síncope/Desmaio

A Síncope é vulgarmente designada por perda dos sentidos, desmaio ou desfalecimento.


Caracteriza-se por uma suspensão mais ou menos progressiva e de duração variável de todas as
actividades da consciência. A síncope é uma perda de consciência súbita por isquémia cerebral
transitória sem compromisso neurológico e com recuperação total e espontânea. Muitas vezes o
maior perigo é resultante da própria queda.

Sintomas:

• Sensação de fraqueza e/ou sensação de mal-estar;


• Tonturas/vertigens;
• Náuseas;
• Alterações visuais;
• Palidez;
• Arrefecimento corporal;
• Sudorese;
• Taquicardia.

Como fazer o primeiro socorro:

• Colocar a vítima em decúbito dorsal;


• Proceder à libertação das vias aéreas;
• Manter a temperatura corporal;
• Elevar os membros inferiores, a fim de promover uma melhor irrigação cerebral;
• Tentar eliminar as causas desencadeantes;
• Vigiar as funções vitais.

16
Manual de primeiros socorros

Overdose

Os sintomas de dose excessiva incluem dilatação ou contracção anormal das pupilas,


vómitos, dificuldades respiratórias, perda de consciência, suores e alucinações.

Se uma pessoa tomar uma dose excessiva deliberada ou acidentalmente

• Pergunte à vítima o que aconteceu. Obtenha rapidamente as informações que puder, pois
a vítima pode ficar inconsciente a qualquer momento.
• Não tente provocar vómitos. É tempo perdido e pode ser prejudicial.
• Se a pessoa estiver inconsciente, coloque-a na posição lateral de segurança.
• Chame uma ambulância.
• Recolha uma amostra de vomitado e quaisquer frascos ou recipientes de comprimidos que
se encontrem perto da vítima. Mande-os para o hospital juntamente com a vítima como
dado útil para a escolha do tratamento mais adequado.

Se a pessoa perder a consciência por intoxicação alcoólica

• Coloque-a na posição lateral de segurança para que não sufoque com o próprio vómito.
• Chame uma ambulância

17
Manual de primeiros socorros

Queimaduras

São lesões na pele provocadas pelo calor, frio ou por outros agentes físicos ou químicos,
tais como: fogo, atrito, fricção, líquidos ferventes, vapores, electricidade, radiações solares, etc.

Estas lesões têm consequências graves no nosso corpo, desfigurando-o e ocasionando


perda de função ou movimentos, deformando ou lesando órgãos, podendo, mesmo, causar a
morte por desidratação, choque ou infecção.

O que fazer:

Queimaduras de 1º grau:

• Arrefecer o mais possível até a dor desaparecer por completo, colocando sobre a
zona atingida compressas ou panos limpos sem pêlos, molhados com soro
fisiológico ou com gelo.
• Pode também colocar a área lesada debaixo de água corrente (o jacto da água
deverá ter pressão média) durante cinco a dez minutos.
• Se a pessoa tiver anéis ou pulseiras deverá retirá-los aquando da lavagem da
queimadura. Assim, o anel ou pulseira serão retirados deslizando sobre a pele, sem
causar atritos.
• Depois da lavagem, secar suavemente a zona afectada.
• Deverá passar um anti-séptico não irritante.
• Nunca, em caso algum, deverá colocar na pele cremes, pomadas, loções ou
remédios caseiros, como farinha, manteiga ou óleo.
• Por fim, colocar uma gaze esterilizada que cubra toda a região da lesão e prendê-la
com um adesivo.

18
Manual de primeiros socorros

Queimaduras de 2º Grau:

• Arrefecer com soro fisiológico. Se necessário, promover a evacuação da vítima para


o hospital. Não rebentar as flictenas.

Queimaduras de 3º Grau:

• No caso de queimaduras graves (e extensas) será necessário o tratamento


hospitalar. Por isso mesmo, nestes casos, deverá contactar o pessoal médico e
chamar uma ambulância. No caso de se prever que a equipa médica não chegará
rapidamente, aproximadamente em meia hora, é conveniente:

- Dar de beber à vítima, a fim de a hidratar.

- Retirar a roupa, rasgando-a com uma tesoura. Nunca deverá arrancar a mesma ou
quaisquer objectos agarrados à pele ou carbonizados.

- Se a pessoa possuir anéis ou pulseiras estes deverão ser retirados, com a ajuda de
água fria, antes que a inflamação não o permita.

- Deverá molhar a zona afectada com água fria ou cobrir com um lençol ou toalha
molhados. Isto ajudará a atenuar e a arrefecer a ferida.

- Ajudará, ainda, se virar a vítima com a boca para cima e as pernas ligeiramente
levantadas em relação ao corpo.

- Deverá vigiar os sinais vitais: (nível de consciência, respiração e pulsação) e comunicá-


los assim que chegar a ambulância.

19
Manual de primeiros socorros

Casos Especiais

Queimaduras nos olhos - Lavar com um fio de soro fisiológico corrente, do canto lacrimal
(interno) para o canto temporal (externo). Deixar o globo ocular humedecido. Colocar a vítima
num ambiente com pouca luz, a fim de evitar a colagem das pálpebras - óculos escuros. Não fazer
penso oclusivo.

Queimaduras nas articulações e em zonas de contacto - São locais onde a pele queimada
pode ficar em contacto com pele também queimada, o que pode originar colagem. Assim, em
todos estes pontos deve interpor compressas ou panos limpos, sem pêlos e molhados, para se
evitar a colagem.

Queimaduras provocadas por produtos químicos - Ocorrem quando a pele entra em


contacto com produtos cáusticos, ácidos ou alcalinos. Na maioria das situações a vítima é
rapidamente colocada debaixo de água corrente, de preferência chuveiro, completamente
vestida. A roupa é retirada durante o duche, o qual deve demorar, no mínimo, de 15 a 20 minutos,
sendo esta a primeira atitude a tomar. Quando a quantidade de produto químico é grande ou,
tratando-se de pó, deve retirar-se o máximo possível com um pano antes de fazer a lavagem pois
o pó poderá fazer reacção com a água e provocar um aumento da lesão. Nunca usar produtos
neutralizantes que podem causar maior lesão devido a reacções químicas com libertação de calor.

20
Manual de primeiros socorros

Afogamento

É a asfixia provocada pela imersão prolongada do organismo em um meio líquido.

Sintomas:

• Agitação;
• Dificuldade respiratória;
• Inconsciência;
• Paragem respiratória;
• Paragem cardíaca.

Primeiro socorro:

• Retirar a vitima para fora de água;


• Fazer respiração boca-a-boca;
• Se a vitima não tiver pulso, fazer massagem cardíaca.

21
Manual de primeiros socorros

Electrocussão

Uma electrocussão ou um choque eléctrico é quando há passagem de corrente através do


corpo.

O que se deve fazer:

• Desligar o disjuntor para cortar imediatamente a corrente eléctrica


• Ter o cuidado para não tocar na vítima, sem ter desligado o disjuntor primeiro
• Prevenir a queda da vítima
• Aplicar as técnicas de Primeiros Socorros:

- Reanimação Cárdio - Respiratória

- Aplicação de uma compressa ou pano limpo sobre a queimadura

- Transportar a vítima urgentemente para o Hospital

O que não se deve fazer:

• Tocar na vítima se estiver em contacto com a corrente eléctrica


• Tentar afastar o fio de alta tensão com um objecto

22
Manual de primeiros socorros

Asfixia

A Asfixia ou Sufocação está relacionada com a dificuldade respiratória que leva á falta de
oxigénio no organismo.

As causas podem ser variadas, sendo a mais vulgar a obstrução das vias respiratórias por
corpos estranhos (objectos de pequenas dimensões, alimentos mal mastigados, etc.).

Outras causas de asfixia são:

• Ingestão de bebidas ferventes ou cáusticas


• Pesos em cima do peito ou costas
• Intoxicações diversas
• Paragem dos músculos respiratórios

Sinais e Sintomas:

• Conforme a gravidade da asfixia, podem ir desde um estado de agitação, lividez,


dilatação das pupilas (olhos), respiração ruidosa e tosse, a um estado de
inconsciência com paragem respiratória e cianose da face e extremidades
(tonalidade azulada).
• A situação é grave e deve-se intervir rapidamente!

23
Manual de primeiros socorros

O que deve fazer?

Numa criança pequena:

• Abra-lhe a boca e tente extrair o corpo estranho, se este ainda estiver visível, usando o seu
dedo indicador em gancho ou uma pinça (cuidado para não empurrar o objecto!).
• Coloque a criança de cabeça para baixo. Sacuda-a e bata-lhe a meio das costas, entre as
omoplatas, com a mão aberta.

No jovem/ adulto:

• Coloque-se por trás da vítima, passe-lhe o braço à volta da cintura.


• Feche o seu punho e coloque-o logo acima do umbigo.
• Cubra o punho com a outra mão e carregue para dentro e para cima.
• Repita as operações as vezes que forem necessárias.
• Se a respiração não se restabelecer e a vítima continuar roxa, faça reanimação/ respiração
artificial.
• Logo que a respiração estiver restabelecida transporte a vítima para o Hospital.

O que não deve fazer:

• Abandonar o asfixiado para pedir auxílio.

24
Manual de primeiros socorros

Estado de Choque

O Estado de Choque caracteriza-se por insuficiência circulatória aguda com deficiente


oxigenação dos órgãos vitais. As causas podem ser muito variadas: traumatismo externo ou
interno, perfuração súbita de órgãos, emoção, frio, queimadura, intervenções cirúrgicas, etc. Todo
o acidentado pode entrar em estado de choque, progressiva e insidiosamente, nos minutos ou
horas que se seguem ao acidente. Não tratado, o estado de choque conduz à morte.

Sinais e Sintomas:

• Palidez
• Olhos mortiços
• Suores frios
• Prostração
• Náuseas

Num estado de agravamento:

• Pulso fraco
• Respiração superficial
• Inconsciência

25
Manual de primeiros socorros

O que deve fazer:

Se a vítima está consciente:

• Deitá-la em local fresco e arejado


• Desapertar as roupas, não esquecendo gravatas, cintos e soutiens
• Tentar manter a temperatura normal do corpo
• Levantar as pernas a 45º
• Ir conversando para a acalmar

O que não deve fazer:

• Dar bebidas alcoólicas

Se a vítima não está consciente:

• Colocar na Posição Lateral de Segurança (PLS)


• Transportar a vítima para o Hospital

O que não deve fazer:

• Tentar dar de beber à vítima

26
Manual de primeiros socorros

Mordeduras

O que deve fazer:

Mordedura de cão:

• Desinfectar o local da mordedura.


• Informar-se se o cão está correctamente vacinado.

Mordedura de gatos/ratos/porcos/equídeos:

• Desinfectar o local da mordedura.


• Transportar sempre a vítima ao Hospital.

Mordedura de víbora ou outra cobra venenosa:

• Manter a vítima imóvel e tranquila


• Desinfectar o local da mordedura
• Colocar um garrote ou ligadura, não muito apertado nem durante muito tempo,
acima da zona mordida, para evitar a difusão rápida do veneno.

Atenção: Esta manobra só tem interesse se executada logo após a mordedura.

• Prevenir e combater o estado de choque


• Dar a beber chá quente com açúcar.
• Manter a vítima em vigilância; em caso de paragem respiratória fazer ventilação
artificial.

27
Manual de primeiros socorros

Golpe de frio / Enregelamento

O golpe de frio / enregelamento é uma situação resultante da exposição excessiva ao frio,


existe uma evolução progressiva que vai do torpor ao enregelamento constituindo, e por último, á
gangrena e mesmo á morte.

Sintomas

• Arrepios
• Torpor (sensação de formigueiro e adormecimento dos pés, mãos e orelhas)
• Cãibras
• Baixa progressiva da temperatura, extremidades geladas
• Insensibilidade às lesões
• Dor intensa nas zonas enregeladas
• Estado de choque
• Coma

Primeiro socorro:

• Desapertar os sapatos e pedir á vitima que bata com os pés no chão e as mãos uma
na outra para restabelecer a circulação
• Envolver a vítima em cobertores
• Dar bebidas quentes e açucaradas

O que não deve fazer:

• Mexer nas zonas do corpo congeladas


• Iniciar o aquecimento por um banho quente
• Dar a beber bebidas alcoólicas

28
Manual de primeiros socorros

Hemorragia Nasal /Epistaxis

Epistaxis é a hemorragia nasal provocada pela ruptura de vasos sanguíneos da mucosa do


nariz.

Sinais e sintomas:

• Saída de sangue pelo nariz, por vezes abundante e persistente


• Se a hemorragia é grande o sangue pode sair também pela boca

Primeiro Socorro:

• Comprimir com o dedo a narina que sangra


• Aplicar gelo exteriormente
• Se a hemorragia não pára, introduzir na narina que sangra um tampão coagulante
fazendo pressão para que a cavidade nasal fique bem preenchida.
• Se persistir levar para o hospital

29
Manual de primeiros socorros

Crise de Hipoglicémia (diabetes)

A diabetes é uma doença em que o pâncreas não produz quantidade suficiente de insulina
e há açúcar em demasia no sangue e urina. A diabetes de criança e do jovem requer tratamento
com insulina. A complicação mais grave e frequente do diabético jovem é a crise de Hipoglicémia,
ou seja, baixa de açúcar no sangue). Ocorre habitualmente depois da realização de exercício físico,
por jejum prolongado ou por exagero da dose de insulina.

Sintomas

• Palidez, suor, tremores de mãos


• Fome intensa ou enjoo e vómitos
• Confusão mental, raciocínio lento, bocejos repetidos, expressão apática
“apalermada”
• Voz entaramelada
• Alterações de humor: irritabilidade, agressividade, teimosia, apatia
• Palpitações, pulso rápido
• Perda da fala e dos movimentos activos
• Desmaio, coma

30
Manual de primeiros socorros

Primeiro Socorro:

• Lidar com a pessoa com calma, meiguice e delicadeza (normalmente a vitima é


rejeita o que é proposto)
• Dar açúcar
• 1 colher de sopa cheia ou 2 pacotes de açúcar e aguarde 2 -3 minutos e repita a
operação até melhoria. O açúcar deve ser misturado com algumas gotas de água
• Após melhoria dar um bolo ou bolachas e um copo de leite ou água

31
Manual de primeiros socorros

Picadas

Abelhas e vespas

Primeiro Socorro:

• Retirar o ferrão com uma pinça


• Desinfectar com álcool ou outro anti – séptico (Betadine)
• Aplicar gelo
• Em caso de picadas por enxame, picadas na boca ou garganta transportar ao
hospital.

Picadas de peixes venenosos/ouriços/alforrecas

Primeiro socorro

• Aplicar no local cloreto de etilo, álcool ou gelo

32
Manual de primeiros socorros

Estrangulamento

Pressão no pescoço que interrompe o fluxo de oxigénio para o cérebro, podendo levar a
pessoa a um estado de inconsciência e por vezes à morte.

Primeiro Socorro:

• Cortar imediatamente a corda ou o que estiver a fazer pressão em torno do


pescoço da vítima
• Executar ventilação artificial se houver sinais de asfixia

33
Manual de primeiros socorros

Conclusão

Com este manual, aprende-se como socorrer uma pessoa. Todas as pessoas deveriam ter
um consigo para poder ajudar os outros, e num caso de stress não cometer erros que podem por
vezes levar uma pessoa á morte.

Neste manual explica como actuar numa situação de asma, de overdose, de desmaio, de
hemorragia, entre outras situações de emergência.

Em todas as situações devemos sempre manter a calma para agir de uma forma correcta.

34
Manual de primeiros socorros

Grupo de Trabalho:

Andreia Pereira n.º2


Sofia Teixeira n.º11
Ana Teixeira n.º12
Cláudia Silva n.º14
Sandra Ferreira n.º18

35
Manual de primeiros socorros

Data de edição:
Maio de 2010

36