Você está na página 1de 308

Apostila Preparatória

para o
Vestibular Vocacionado UDESC

Aline Felizardo Golçalves


André Alexandre Silveira
André Antônio Bernardo
César Manchein
Flábio Esteves Cordeiro
Gisele Maria Leite Dalmônico
Marcio Rodrigo Loos
Priscila Fischer
Ricardo Fernandes da Silva
Sidinei Schaefer
Professores

Luciano Camargo Martins


Coordenador

Revisão 1.2 de 29 de agosto de 2007


2
MUNDO FÍSICO

Nossa Apostila
A edição dessa apostila, concretiza os esforços feitos desde o
ano de 2003, quando os alunos do antigo Curso de Licenciatura
Plena em Fı́sica da UDESC mobilizaram-se por força e von-
tade própria no desenvolvimento e apresentação de um Curso
Pré-Vestibular aberto à comunidade, gratuito, que preparasse
melhor os alunos interessados nos cursos oferecidos pelo Centro
de Ciências Tecnológicas (CCT) da UDESC-Joinville.
Essa primeira tentativa de implantar o Curso Pré-Vestibular
não chegou a se realizar, por razões puramente burocráticas,
apesar dos esforços gastos na preparação das aulas e do mate-
rial didático inicial.
Nos anos seguintes, a idéia original foi abraçada por um projeto
de extensão oficial, e só então pode ser realizado com sucesso,
já tendo atendido milhares de alunos desde então.
Adaptada ao vestibular vocacionado da UDESC, esperamos
que esse material seja suficiente para a revisão dos conteúdos
exigidos pela Universidade.
Convidamos a todos para que visitem o nosso site!

Nosso Endereço na Internet

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Joinville-SC, 29 de agosto de 2007


Professor Luciano Camargo Martins
Coordenador da Home Page Mundo Fı́sico
e-Mail: dfi2lcm@joinville.udesc.br
ii
Sumário

FÍSICA
1
Mecânica – Aula 1: Grandezas Fı́sicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
Mecânica – Aula 2: Algarismos Significativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2

Mecânica – Aula 3: Grandezas Escalares e Vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5


Mecânica – Aula 4: A Primeira Lei de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
Mecânica – Aula 5: A Segunda Lei de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

Mecânica – Aula 6: Energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

Mecânica – Aula 7: Energia Potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

Mecânica – Aula 8: Trabalho e Energia Potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16

Mecânica – Aula 9: Dinâmica do Movimento Circular . . . . . . . . . . . . . . . . 18


Mecânica – Aula 10: Quantidade de Movimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

Mecânica – Aula 11: Impulso e Momento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

Mecânica – Aula 12: Conservação da Quantidade de Movimento . . . . . . . 22

Mecânica – Aula 13: Colisões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23


Mecânica – Aula 14: Lei da Ação e Reação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

Mecânica – Aula 15: Força de Atrito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

Gravitação – Aula 1: As Leis de Kepler . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

Gravitação – Aula 2: Gravitação Universal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

Gravitação – Aula 3: Peso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

Gravitação – Aula 4: Centro de Gravidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

Ótica – Aula 1: Ótica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

Ótica – Aula 2: Espelhos Esféricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

Ótica – Aula 3: Refração da Luz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

Ótica – Aula 4: Lentes Esféricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

Ótica – Aula 5: Ótica da Visão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47


Fluidos – Aula 1: Fluidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Fluidos – Aula 2: Hidrostática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
Cinemática – Aula 1: Cinemática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

iii
iv

Cinemática – Aula 2: Movimento Uniforme (MU) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

Cinemática – Aula 3: Movimento Uniformemente Variado (MUV) . . . . . 59

Cinemática – Aula 4: Queda Livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61

Cinemática – Aula 5: Movimento Circular Uniforme (MCU) . . . . . . . . . . 63

Ondas – Aula 1: Ondas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67

Ondas – Aula 2: Ondas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68

Ondas – Aula 3: Ondas e Interferência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71

Ondas – Aula 4: Som . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73

Ondas – Aula 5: Efeito Doppler . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74

Termodinâmica – Aula 1: Termodinâmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79

Termodinâmica – Aula 2: Dilatação Térmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80

Termodinâmica – Aula 3: Transformações Gasosas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82

Termodinâmica – Aula 4: Lei de Avogrado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84

Termodinâmica – Aula 5: Modelo Molecular de um Gás . . . . . . . . . . . . . . 85

Termodinâmica – Aula 6: Calor e Temperatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87

Termodinâmica – Aula 7: Capacidade Térmica (C) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89

Termodinâmica – Aula 8: Primeira Lei da Termodinâmica . . . . . . . . . . . . 91

Termodinâmica – Aula 9: Máquinas Térmicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93

Termodinâmica – Aula 10: Mudanças de Fase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94

Termodinâmica – Aula 11: Sublimação e Diagrama de Fases . . . . . . . . . . . 96

Eletricidade – Aula 1: Carga Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99

Eletricidade – Aula 2: Eletroscópio de Folhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101

Eletricidade – Aula 3: Campo Elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102

Eletricidade – Aula 4: Potencial Elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105

Eletricidade – Aula 5: Superfı́cies Equipotenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107

Eletricidade – Aula 6: Condutores em Equilı́brio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109

Eletricidade – Aula 7: Capacidade Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112

Eletricidade – Aula 8: Associação de Capacitores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113

Eletricidade – Aula 9: Corrente Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115

Eletricidade – Aula 10: Resistência Equivalente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116

Eletricidade – Aula 11: Instrumentos de Medida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119

Eletricidade – Aula 12: Geradores e Força Eletromotriz . . . . . . . . . . . . . . . 121


v

QUÍMICA
125
Quı́mica – Aula 1: Estrutura Atômica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125

Quı́mica – Aula 2: Modelos Atômicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126

Quı́mica – Aula 3: Ligações Quı́micas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129

Quı́mica – Aula 4: Ligações Quı́micas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132

Quı́mica – Aula 5: A Estrutura da Matéria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134

Quı́mica – Aula 6: Teoria Cinética dos Gases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136

Quı́mica – Aula 7: Ácidos e Bases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139

Quı́mica – Aula 8: Soluções Quı́micas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142

Quı́mica – Aula 9: Equilı́brio Iônico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144

Quı́mica B – Aula 1: O que é Quı́mica? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147

Quı́mica B – Aula 2: Matéria e Energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148

Quı́mica B – Aula 3: Metais, Semi-metais e Ametais . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150

Quı́mica B – Aula 4: Propriedades Periódicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152

Quı́mica B – Aula 5: Ligações Quı́micas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155

Quı́mica B – Aula 6: Ligações Quı́micas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156

Quı́mica B – Aula 7: Equações e Reações Quı́micas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159

Quı́mica B – Aula 8: Equações e Reações (II) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161

Quı́mica B – Aula 9: Soluções Quı́micas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163

Quı́mica B – Aula 10: Funções Quı́micas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166

Quı́mica B – Aula 11: Propriedades Coligativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168

Quı́mica B – Aula 12: Eletroquı́mica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171

Quı́mica Orgânica – Aula 1: Introdução à Quı́mica Orgânica . . . . . . . . . . 175

Quı́mica Orgânica B – Aula 2: Nomenclatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178

MATEMÁTICA
183
Matemática A – Aula 1: Relações e Funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183

Matemática A – Aula 2: Funções Polinomiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187

Matemática A – Aula 3: Funções Especiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191

Matemática A – Aula 4: Funções Especiais (II) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193

Matemática A – Aula 5: Polinômios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196


Matemática A – Aula 6: Equações Algébricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199

Matemática A – Aula 7: Geometria Analı́tica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200


Matemática A – Aula 8: Geometria Analı́tica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
vi

Matemática A – Aula 9: Circunferência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206


Matemática A – Aula 10: Circunferência - II . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
Matemática B – Aula 1: Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211
Matemática B – Aula 2: Operações com Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212

Matemática B – Aula 3: Determinantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214


Matemática B – Aula 4: Sistemas Lineares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
Matemática B – Aula 5: Discussão de um Sistema Linear . . . . . . . . . . . . . 218
Matemática B – Aula 6: Progressão Aritmética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 219

Matemática B – Aula 7: Progressão Geométrica (PG) . . . . . . . . . . . . . . . . 221

Matemática C – Aula 1: Teoria dos Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225

Matemática C – Aula 2: Conjuntos Numéricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228

Matemática C – Aula 3: Números complexos (C) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230

Matemática C – Aula 4: Razões e Proporções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234

Matemática C – Aula 5: Regras de Três Simples e Composta . . . . . . . . . . 235

Matemática C – Aula 6: Juros e Porcentagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 236

Matemática C – Aula 7: Análise Combinatória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239


Matemática C – Aula 8: Arranjo, Combinação e Permutação . . . . . . . . . . 240

Matemática C – Aula 9: Binômio de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 242


Matemática C – Aula 10: Probabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 245
Matemática C – Aula 11: Inequações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247

Matemática C – Aula 12: Equações Trigonométricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250

Matemática C – Aula 13: Introdução à Geometria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 252

Matemática C – Aula 14: Triângulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256

Matemática C – Aula 15: Quadriláteros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 259

Matemática C – Aula 16: Circunferência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262


Matemática C – Aula 17: Polı́gonos e Figuras Planas . . . . . . . . . . . . . . . . . 263

Matemática C – Aula 18: Retas e Planos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265


Matemática C – Aula 19: Poliedros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267
Matemática C – Aula 20: Prismas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 268

LÍNGUA PORTUGUESA
273
Lı́ngua Portuguesa – 01: Variantes Lingüı́sticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273

Lı́ngua Portuguesa – 02: Acentuação Gráfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 274

Lı́ngua Portuguesa – 03: Concordância Nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 276

Lı́ngua Portuguesa – 04: Concordância Verbal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277

Lı́ngua Portuguesa – 05: Colocação Pronominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279


vii

Lı́ngua Portuguesa – 06: Crase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281

Lı́ngua Portuguesa – 07: Interpretação de Textos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 282

Lı́ngua Portuguesa – 08: Sinônimos, Antônimos e etc. . . . . . . . . . . . . . . . . 284

HISTÓRIA
287
História – Aula 1: História de Santa Catarina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 287

Grade de Respostas (PARCIAL)


291

Referências Bicliográficas
299
Fı́sica
Grandeza Unidade Sı́mbolo
Mecânica Aula 1 área metro qua-
drado
m2

volume metro cúbico m3


densidade quilograma kg/m3
por metro
Grandezas Fı́sicas cúbico
velocidade metro por se- m/s
Apesar de existirem muitas grandezas fı́sicas, são estabelecidos gundo
padrões e definidas unidades para que tenhamos um número aceleração metro por m/s2
mı́nimo de grandezas denominadas fundamentais. Utilizando segundo ao
as grandezas fundamentais definem-se unidades para todas as quadrado
demais grandezas, as chamadas grandezas derivadas. força newton N = Kg m/s2
A partir de uma das grandezas fundamentais, o comprimento pressão pascal P a = N/m2
por exemplo, cuja unidade é o metro (m), pode-se definir as trabalho, energia, calor joule J
unidades derivadas, como área (m2 ) e volume (m3 ). Utilizando potência watt W = J/s
o metro e outra grandeza fundamental, a de tempo, definem-se carga elétrica coulomb C = As
as unidades de velocidade (m/s) e aceleração (m/s2 ). diferença de potencial volt V = J/C
resistência elétrica ohm Ω = V /A
Sistema Internacional(SI) Tabela 1.2: Algumas unidades derivadas do SI.
Até o final do século XV III era muito grande a quantidade
Prefixo Sı́mbolo Potência de dez
de padrões existentes. Cada região escolhia arbitrariamente
correspondente
as suas unidades. Por motivos históricos, os paı́ses de lı́ngua
pico p 10−12
inglesa utilizam até hoje os seus padrões regionais. O elevado
nano n 10−9
aumento nos intercâmbios econômicos e culturais levou ao sur-
micro µ 10−6
gimento do Sistema Internacional de Unidades ou SI, o sistema
métrico. mili m 10−3
centi c 10−2
Grandeza Unidade Sı́mbolo deci d 10−1
comprimento metro m deca D 101
massa quilograma kg hecto H 102
tempo segundo s quilo k 103
corrente elétrica ampère A mega M 106
temperatura kelvin K giga G 109
quantidade de matéria mol mol tera T 1012
intensidade luminosa candela cd
Tabela 1.3: Prefixos, sı́mbolos e potências de dez.
Tabela 1.1: Unidades fundamentais do SI.

Em 1971, a 14a Conferência Geral de Pesos e Medidas escolheu • diâmetro de um átomo de hidrogênio: 0, 0000000001 m.
sete grandezas como fundamentais, formando assim a base do
Para manipular tais números, utilizamos a notação cientı́fica,
SI. Além das grandezas, definiu-se também os sı́mbolos, uni-
fazendo uso das potências de 10.
dades derivadas e prefixos. A tabela 1.1 mostra as unidades
fundamentais do SI. A tabela 1.2 apresenta algumas unidades O módulo de qualquer número g pode ser escrito como um
derivadas do SI. produto de uma mantissa a, entre um e dez, por outro, que é
uma potência de dez:

Notação Cientı́fica g = a × 10n ,

A medida de uma determinada grandeza fı́sica pode resultar onde devemos ter 1 ≤ a < 10.
em um número que seja extremamente grande ou extrema-
mente pequeno, por exemplos temos: Exemplos

• distância da Terra à Lua: 384.000.000 m. • 243 = 2, 43 × 100 = 2, 43 × 102

1
2 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

• 5.315 = 5, 315 × 1000 = 5, 315 × 103 Exercı́cios Complementares


• 0, 00024 = 2, 4 × 0, 0001 = 2, 4 × 10−4
4. (UFPI) A nossa galáxia, a Via Láctea, contém cerca de
• 0, 00458 = 4, 58 × 0, 001 = 4, 58 × 10 −3 400 bilhões de estrelas. Suponha que 0, 05% dessas estrelas
possuam um sistema planetário onde exista um planeta seme-
lhante à Terra. O número de planetas semelhantes à Terra, na
Regra Prática Via Láctea, é:
a) 2 × 104 .
• Números maiores que 1: deslocamos a vı́rgula para a
b) 2 × 106 .
esquerda, até atingir o primeiro algarismo do número. O
c) 2 × 108 .
número de casas deslocadas para a esquerda corresponde
d) 2 × 1011 .
ao expoente positivo da potência de 10.
e) 2 × 1012 .
• Números menores do que 1: deslocamos a vı́rgula 5. Transforme em quilômetros:
para a direita, até o primeiro algarismo diferente de zero. a) 3600 m;
O número de casas deslocadas para a direita corresponde b) 2.160.000 cm;
ao expoente negativo da potência de 10. c) 0, 03 m;
d) 5.780 dm;
e) 27.600 m;
Pense um Pouco! f) 5.800 mm;

• Quais são as unidades de Peso e de massa? por que elas 6. (Unifor-CE) Um livro de Fı́sica tem 800 páginas e 4, 0 cm
não são iguais? de espessura. A espessura de uma folha do livro vale, em
milı́metros:
• Um analgésico deve ser inserido na quantidade de 3 mg/kg a) 0, 025.
de massa corporal, mas a dose administrada não pode ex- b) 0, 050.
ceder 200 mg. Cada gota contém 5 mg do remédio. Quan- c) 0, 10.
tas gotas devem ser prescritas a um paciente de 80 kg? d) 0, 15.
e) 0, 20.
7. Escreva os seguintes números em notação cientı́fica:
Exercı́cios de Aplicação a) 570.000
b) 12.500
1. (UENF-RJ) A tabela abaixo mostra as dimensões e as c) 50.000.000
unidades, no sistema internacional, d) 0, 0000012
e) 0, 032
Grandeza Dimensão Unidades SI f) 0, 72
Comprimento L m (metro) g) 82 × 103
Massa M kg (quilograma) h) 640 × 105
Tempo T s (segundo) i) 9.150 × 10−3
j) 200 × 10−5
das grandezas mecânicas primárias: k) 0, 05 × 103
a) Sabendo que força = massa · aceleração, expresse a unidade l) 0, 0025 × 10−4
de força em unidades de grandezas primárias.
b) Determine os valores de n e p, se a expressão M Ln T n−p
corresponde à dimensão de energia cinética. Mecânica Aula 2
2. (FGV-SP) A dimensão de potência em função das grande-
zas fundamentais, massa (M ), comprimento (L) e tempo (T )
é:
a) M L2 T −2
b) M L2 T −1
Algarismos Significativos
c) M L2 T 2
A precisão de uma medida simples depende do instrumento
d) M L2 T −3
utilizado em sua medição. Uma medida igual a 2, 00 cm não
e) M LT −2
deve ser escrita como 2, 0 cm ou 2 cm.
3. (Unifor-CE) Considerando que cada aula dura 50 min, o Denominamos algarismos significativos todos os algarismos co-
intervalo de tempo de duas aulas seguidas, expresso em segun- nhecidos com certeza, acompanhados de um último duvidoso,
dos, é de: que expressam o valor da medida de uma grandeza, ou seja: to-
a) 3, 0 × 102 . dos os algarismos que representam a medida de uma grandeza
b) 3, 0 × 103 . são algarismos significativos, sendo chamados de corretos, com
c) 3, 6 × 103 . exceção do último, que recebe o nome de algarismo duvidoso.
d) 6, 0 × 103 . O algarismo duvidoso de uma medida será sublinhado para
e) 7, 2 × 103 . destacá-lo, quando for preciso.
Mecânica – Aula 2 3

Exemplos Critérios de Arredondamento


Considere a velocidade da luz c = 2, 9979 . . . × 108 m/s.
1. A medida 2, 35 cm apresenta três algarismos significativos
(2, 3 e 5), sendo dois algarismos corretos (2 e 3) e um Como devemos proceder para escrever “c” com um número me-
algarismo duvidoso (5). nor de algarismos significativos? Devemos utilizar os critérios
de arredondamento.
2. A medida 0, 00057 mm apresenta somente dois algaris- Podemos escrever:
mos significativos ( 5 e 7), sendo um correto (5) e um c = 2, 998 × 108 m/s 4 significativos
8
duvidoso (7). Observe que os zeros à esquerda não são c = 3, 00 × 10 m/s 3 significativos
algarismos significativos, pois servem apenas para posi- c = 3, 0 × 108 m/s 2 significativos
cionar a vı́rgula no número. Nesse caso, é aconselhável
escrever a medida em notação cientı́fica: 5, 7 × 10−4 mm.
REGRAS
3. A medida 150, 00 km apresenta cinco algarismos significa-
• Se o algarismo a ser eliminado é menor que 5, ele é sim-
tivos, sendo os quatro primeiros corretos, e o último zero é
plesmente eliminado.
o algarismo duvidoso. Em notação cientı́fica escrevemos: √
1, 5000 × 102 km. Note que ao escrevermos um número Exemplo: 2 = 1, 41421 . . . = 1, 414
usando as potências de 10 mantemos a quantidade de al-
garismos significativos deste número, ou seja, mantemos • Se o algarismo a ser eliminado é igual ou maior que 5, ele é
sua precisão. eliminado, mas acrescentamos uma unidade no algarismo
anterior.
4. Considere a medida do comprimento de uma haste com Exemplo: π = 3, 1415926 . . . = 3, 1416
régua com divisões em centı́metros:

0 cm 1 2 3 4 5 6 7
Operações com Algarismos Significativos
Adição e Subtração

O resultado da adição e subtração de dois números não pode


Qual das opções abaixo melhor representa o comprimento
ter maior número de casas decimais, do que a parcela mais
da haste?
pobre (em casas decimais). Procede-se a operação normal-
a) 5, 0 cm mente e arredonda-se o resultado.
Exemplos
b) 5, 40 cm
c) 5 cm • 5, 3 m + 4, 38 m = 9, 68 m = 9, 7 m
d) 5, 5 cm • 138, 95 m − 12, 3 m = 126, 65m = 126, 7 m
e) 5, 2 cm
Sublinhamos o algarismo duvidoso, identificando-o, para a se-
5. Considere a figura: guir procedermos o arredondamento.

0 cm 1 2 3 4 5 6 7 Multiplicação e Divisão

O resultado de uma multiplicação e divisão não pode ter maior


número de algarismos significativos do que o fator mais
A mesma haste do exemplo anterior, medida agora com pobre (em algarismos significativos). Procede-se a operação
uma régua milimetrada: normalmente e arredonda-se o resultado.
a) 5, 2 cm Exemplos
b) 5, 240 cm
• 4, 23 m × 2, 0 m = 8, 46 m2 = 8, 5 m2
c) 5, 45 cm
• 4, 98 cm ÷ 2, 0 s = 2, 49 cm/s = 2, 5 cm/s
d) 5, 24 cm
e) 5, 21 cm Relações entre Grandezas Fı́sicas
6. Indique o número de algarismos significativos de cada Muitos fenômenos fı́sicos podem ser reduzidos ao estudo da
número abaixo: relação entre duas grandezas. Quando isto ocorre, os dados ob-
tidos das medições podem ser expressos por uma representação
a) 7, 4 2 significativos
gráfica num plano cartesiano por meio de dois eixo perpendi-
b) 0, 0007 1 significativo culares entre si.
c) 0, 034 2 significativos Através da representação gráfica da relação entre duas grande-
zas pertencentes a um determinado fenômeno fı́sico, podemos
d) 7, 40 × 10−10 3 significativos obter algumas conclusões sobre o comportamento de uma das
4 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

grandezas (variável dependente) em relação a outra (variável • as escalas são independentes e devem ser construı́das in-
independente). dependentemente;
Consideremos o seguinte exemplo: Uma pessoa com febre foi
• as divisões numéricas das escalas (lineares) devem ser re-
medicada, ingerindo uma dose do medicamento às 8 horas e
gulares;
uma outra dose às 12 horas da manhã. A temperatura da
pessoa foi verificada de hora em hora e os resultados obtidos • o valor zero (0) não precisa estar em nenhuma das escalas;
são mostrados abaixo.
• as escalas devem crescer da esquerda para a direita, e de
Tempo (h) Temperatura (◦ C) baixo para cima;
0 39,0
1 39,0 • antes de iniciar a construção de um gráfico deve-se ve-
2 38,5 rificar a escala a ser usada levando em consideração os
3 38,0 valores extremos, ou seja, o maior e o menor valor assu-
4 38,5 mido por ambas as variáveis do gráfico. Divide-se então o
5 37,5 espaço disponı́vel, em cada eixo, para que acomode todos
6 37,0 os pontos experimentais;
7 36,5
• o teste final para saber se as escalas estão boas é feito
8 36,5
verificando-se se é fácil de ler as coordenadas de qualquer
9 36,5 ponto nas escalas.

Podemos representar os dados da tabela acima em um gráfico.


A representação gráfica das variáveis temperatura (variável de- Pense um Pouco!
pendente: eixo vertical) e tempo (variável independente: eixo
horizontal) está mostrada na Fig. 1.1. • A função da posição x em relação ao tempo t de um ponto
material em movimento retilı́neo, expressa em unidades do
SI, é
x = 10 + 5, 0t
40.0
Determine:
39.0 a) a posição do ponto material no instante 5, 0 s;
b) o instante em que a posição do ponto material é x =
50 m;
38.0 c) esboce o gráfico x × t do movimento.
T(oC)

37.0
Exercı́cios de Aplicação
36.0
1. Determine o comprimento de cada haste:
35.0 0 cm 1 2 3 4 5 6 7
0.0 2.0 4.0 6.0 8.0 10.0
t(h) a)
0 cm 1 2 3 4 5 6 7
Figura 1.1: Gráfico da temperatura em função do tempo
b)
O gráfico cartesiano mostrado anteriormente, além de facilitar
a visualização do comportamento da temperatura da pessoa 0 cm 1 2 3 4 5 6 7
durante as 9 horas de observação, permite também, algumas
conclusões. c)
0 cm 1 2 3 4 5 6 7
Como Construir um Gráfico
d)
Para que gráficos sejam construı́dos de forma objetiva e clara
é necessário respeitar algumas regras simples: 0 cm 1 2 3 4 5 6 7

• O eixo vertical é chamado de eixo das abscissas e o hori- e)


zontal de eixo das coordenadas;
0 cm 1 2 3 4 5 6 7
• a variável dependente deve ser colocada no eixo vertical e
a variável independente no eixo horizontal; f)

• os eixos devem se encontrar no canto inferior esquerdo do 2. (UFSE) A escala de uma trena tem, como menor divisão,
papel, ou espaço (retângulo) reservado para o gráfico; o milı́metro. Essa trena é utilizada para se medir a distância
Mecânica – Aula 3 5

entre dois traços paralelos, muito finos, feitos por um estilete exemplos de grandeza fı́sica escalar podemos citar a massa de
sobre uma superfı́cie plana e lisa. Considerando que não houve um corpo (por exemplo, 50 kg), a temperatura (por exem-
erro grosseiro, o resultado de uma só medição, com o número plo 36 o C), o volume (5 m3 , por exemplo), a densidade (para
correto de algarismos significativos, é mais bem representado a água, 1000 kg/m3 ), a pressão (105 N/m2 ), a energia (por
por: exemplo 100 J) e muitas outras.
a) 2 m Para operar com grandezas escalares, segue-se as regras de
b) 21 dm operações algébricas comuns, arredondando-se quando ne-
c) 214 cm cessário.
d) 2, 143 m
e) 2.143, 4 m
Grandezas Vetoriais
Exercı́cios Complementares Dada a velocidade instantânea de um móvel qualquer (por
exemplo, um avião a 380 km/h), constatamos que apenas essa
3. (Cesgranrio) Um estudante deseja medir o comprimento de indicação é insuficiente para dizermos a direção em que o móvel
sua mesa de trabalho. Não dispondo de régua, decide utilizar segue. Isso acontece porque a velocidade é uma grandeza
um toco de lápis como padrão de comprimento. Verifica então vetorial.
que o comprimento da mesa equivale ao de 13, 5 tocos de lápis. Para uma grandeza fı́sica vetorial ficar totalmente caracteri-
Chegando ao colégio, mede com uma régua o comprimento do zada, é necessário saber não apenas a sua intensidade ou
seu toco de lápis, achando 8, 9 cm. O comprimento da mesa módulo mas também a sua direção e o seu sentido. Geral-
será corretamente expresso por: mente a grandeza vetorial é indicada por uma letra com uma
a) 120, 15 cm setinha (por exemplo, ~v ) e o módulo ou intensidade, por |~v | ou
b) 120, 2 cm simplesmente por v.
c) 1 × 102 cm A grandeza fı́sica vetorial pode ser representada graficamente
d) 1, 2 × 102 cm por um segmento de reta (indicando a direção da grandeza)
e) 102 cm dotado de uma seta (indicativa de seu sentido) e trazendo
ainda seu valor seguido da unidade de medida (indicação de
4. (PUC-MG) Um estudante concluiu, após realizar a medida seu módulo ou intensidade). Tal representação é denominada
necessária, que o volume de um dado é 2, 36 cm3 . Levando-se vetor.
em conta os algarismos significativos, o volume total de cinco
No exemplo anterior do avião, poderı́amos dizer, por exemplo,
dados, idênticos ao primeiro, será corretamente expresso por:
que ele se movimenta num certo instante com velocidade ~v ,
a) 6, 8 cm3
de módulo v = 380 km/h, na direção norte-sul e sentido de
b) 7 cm3
sul para norte. Essa velocidade vetorial instantânea pode ser
c) 13, 8 cm3
representada por um vetor, como mostra a figura 1.1.
d) 16, 80 cm3
e) 17, 00 cm3
5. Medindo a espessura de um caderno comum de 100 folhas, 380 km/h
sem considerar as capas, um estudante obteve a medida de
N
1, 0 cm. A ordem de grandeza da espessura média de uma
folha é:
a) 10−1 mm
b) 10−2 mm O L
c) 10−3 mm
d) 10−4 mm
e) 10−5 mm S

Mecânica Aula 3 Figura 1.1: Exemplo de representação vetorial

Como afirmamos anteriormente, para representar grandezas


vetoriais é preciso indicar, além do módulo, a direção e o sen-
tido da grandeza. Podemos fazer essa indicação utilizando um
Grandezas Escalares e Vetoriais vetor (veja a figura 1.2). O vetor pode ser representado por
um segmento de reta orientado cujo tamanho - intensidade - é
Na Fı́sica tratamos de dois tipos principais de grandezas: as proporcional à intensidade da grandeza que representa.
grandezas escalares e grandezas vetoriais. Para melhor entendermos o significado e a representação de
um vetor, observe a figura 1.3.
Grandezas Escalares Na figura de cima os vetores representados possuem mesma
direção e sentido; na figura de baixo os vetores apresentam a
A grandeza escalar é aquela que fica perfeitamente carac- mesma direção e sentidos opostos. Portanto, podemos notar
terizada quando conhecemos apenas sua intensidade acom- que vetores de mesma direção são paralelos, o que não garante
panhada pela correspondente unidade de medida. Como que tenham o mesmo sentido.
6 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

S Vetores Perpendiculares

Imaginaremos agora, que um móvel parte de um ponto A e so-


fre um deslocamento d~1 no sentido leste, atingindo um ponto B
Figura 1.2: A reta s, que contém o vetor, indica a direção e a e, em seguida, um deslocamento d~2 no sentido norte, atingindo
seta indica o sentido um ponto C (veja a figura 1.5)

C
b N
d
a O L
d
c S d2

a A B
d1
b

Figura 1.5: O deslocamento d~ equivale aos deslocamentos d~1 e


d~2 . Portanto d~ = d~1 + d~2 .
Figura 1.3: Representação de alguns vetores
Podemos notar facilmente que o deslocamento d~1 , de A para
B, e o d~2 , de B para C, equivalem a um único deslocamento, d,
~
~
de A para C. Desta forma, o deslocamento d é a soma vetorial
Soma de Vetores Paralelos
ou resultante dos deslocamentos d~1 e d~2 , ou seja,
Quando os vetores tem a mesma direção, podemos determi- d~ = d~1 + d~2
nar o módulo do vetor soma estabelecendo convencionalmente
um sentido como positivo e somando algebricamente os seus Este resultado é válido para qualquer grandeza vetorial. Veja
módulos. Observe: a figura 1.6.

a
c
b
c b

b a

b Figura 1.6: O vetor ~c é a resultante ou soma vetorial de ~a e ~b.


a
Os vetores ~a e ~b tem como vetor soma resultante o vetor ~c. É
crucial notar que a colocação do vetor ~b na origem ou na extre-
d c
midade do vetor ~a não altera o vetor soma ~c. Deve-se observar
que os vetores ~a, ~b e ~c formam um triângulo retângulo, em que
~c é a hipotenusa ~a e ~b são catetos. Para obtermos o módulo
Figura 1.4: De acordo com a convenção adotada, o módulodo do vetor resultante, basta aplicar o teorema de Pitágoras:
vetor será d = a + b − c.
c2 = a 2 + b 2

Os vetores ~a, ~b e ~c possuem a mesma direção (horizontal).


Soma de Vetores
Adotamos como positivo o sentido horizontal para a direita.
~
Assim, os vetores ~a e b são positivos e o vetor ~c é negativo. O A soma de vetores perpendiculares entre si ou de direções
módulo do vetor soma, d,~ é dado por
quaisquer não apresenta muita diferença. Para um móvel, par-
tir de A e atingir B num deslocamento d~1 e, em seguida, atingir
d=a+b−c C num deslocamento d~2 equivale a partir de A e atingir C num
deslocamento d~ (veja figura 1.7). Desta forma,
Se obtermos um valor positivo para d, ~ isso significa que seu
d~ = d~1 + d~2
sentido é positivo, ou seja, o vetor é horizontal para a direita;
se for negativo, o seu sentido é negativo, isto é, o vetor é hori- Na determinação do módulo do vetor d~ resultante, não po-
zontal para a esquerda. demos aplicar o teorema de Pitágoras, tendo em vista que o
Mecânica – Aula 3 7

d2 c
b

A B
d1

α α

Figura 1.7: O deslocamento d~ equivale aos deslocamentos d~1 e


d~2 . a

ângulo entre d~1 e d~2 não é reto (90o ). Assim, aplicamos a regra
do paralelogramo, como mostra a figura 1.8.
Os vetores ~a e ~b formam um paralelogramo cuja diagonal é o
vetor resultante ~c. De acordo com a regra do paralelogramo,
se ~a e ~b formam entre si um ângulo α, o módulo do vetor c
resultante ~c será dado pela expressão:
b
c2 = a2 + b2 + 2ab · cos α

Decomposição de Vetores α α
Ao somarmos dois vetores, podemos obter um único vetor,
o vetor resultante, equivalente aos dois vetores somados. Ao a
decompormos dois vetores, realizamos um processo inverso.
Dado um vetor ~a, obtém-se outros dois vetores a~x e ~ay tal que
a~x + a~y = ~a (veja a figura 1.9).
Figura 1.8: A diagonal do paralelogramo, cujos lados são os
O vetor ~ay pode ser deslocado para a extremidade do vetor
vetores ~a e ~b, é o vetor resultante ~c. Podemos deslocar o vetor
~ax de tal forma que o vetor ~a e seus vetores componentes ~ax ~b para outra extremidade de ~a, reproduzindo a figura anterior.
e ~ay formem um triângulo retângulo (figura 1.10). Aplicando
a trigonometria ao triângulo retângulo, podemos determinar o
módulo dos componentes ~ax (horizontal) e ~ay (vertical) de ~a Exercı́cios de Aplicação
em função do ângulo α. Desta forma, no triângulo hachurado
da figura 1.10, temos
cateto adjacente ax 1. Um móvel desloca-se 120 m no sentido oeste-leste, e em
cos α = ⇒ cos α = seguida, 50 m no sentido norte-sul.
hipotenusa a
a) Represente esquematicamente esses deslocamentos.
ax = a · cos α b) Determine o módulo do deslocamento resultante.
onde ax é o módulo da componente horizontal ~ax do vetor ~a.
Temos ainda 2. Na figura, F1 = F2 = 100 N . Determine o módulo da
resultante de F1 e F2 . Dado: cos(120◦ ) = −0, 50.
cateto oposto ~ay
sin α = ⇒ sin α =
hipotenusa a
ay = a · sin α
onde ay é o módulo da componente vertical ~ay do vetor ~a.
Podemos relacionar o módulo do vetor e o módulo de seus
componentes ortogonais, aplicando o teorema de Pitágoras no
triângulo formado por ~a e seus componentes ~ax e ~ay :
F2
a2 = a2 x + a2 y 120
o

Pense um Pouco!
F1
• Qual a condição para que a soma de dois vetores seja nula?
• O módulo da soma de dois vetores pode ser igual à soma
de seus módulos? Quando? 3. Um projétil é atirado com velocidade de 400 m/s fazendo
um ângulo de 45◦ com a horizontal. Determine os componentes
• O módulo de um vetor pode ser negativo? Por quê? vertical e horizontal da velocidade do projétil.
8 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

5. Um vetor velocidade é decomposto em dois outros, perpen-


diculares entre si. Sabendo que o módulo do vetor é 10, 0 m/s
y e que um dos componentes tem módulo igual a 8, 0 m/s, deter-
mine o módulo do vetor correspondente ao outro componente.

a 6. Um projétil é lançado do solo segundo uma direção que


forma 53o com a horizontal com uma velocidade de 200 m/s
ay (veja a figura a seguir). Determine o módulo dos componen-
tes horizontal, v~x , e vertical, v~y , dessa velocidade. Dados:
α sin(53◦ ) = 0, 80 e cos(53◦ ) = 0, 60
x
ax

v
o
Figura 1.9: O vetor ~a pode ser decomposto em um componente α = 53
horizontal, ~ax , e outro vertical, a~y .

7. Um avião voa no sentido sul-norte com uma velocidade de


900 km/h. Num determinado instante passa a soprar um forte
a vento com velocidade 50 km/h, no sentido sudoeste-nordeste.
a) Faça um esquema gráfico representando a velocidade do
ay ay avião e do vento.
b) Determine o módulo da velocidade resultante. Dado:
α cos(45◦ ) = 0, 71.

ax
Mecânica Aula 4
Figura 1.10: O vetor ~a e seus componentes ~ax e a~y formam
um triângulo retângulo, onde ~a é a hipotenusa e ~ax e ~ay são
os catetos. A Primeira Lei de Newton

Exercı́cios Complementares O Conceito de Força


Geralmente utilizamos uma força com o objetivo de empur-
4. Na figura abaixo estão representadas duas forças: F~1 , de rar, puxar ou levantar objetos. Essa idéia é correta, porém
módulo F1 = 5, 0 N e F~2 , de módulo F2 = 3, 0 N , formando incompleta. A idéia de puxar ou empurrar está quase sempre
entre si um ângulo α = 60◦ . Determine a força resultante F~R associada a idéia de contato, o que exclui uma caracterı́stica
para o sistema de forças mostrado. fundamental da noção de força: a ação à distância. A atração
gravitacional entre o Sol e a Terra, por exemplo, é exercida a
milhões de quilômetros de distância.
A palavra força não possui uma definição única, expressa em
palavras. A Fı́sica moderna admite a existência de quatro ti-
pos de força na natureza, chamadas mais adequadamente de
interações: gravitacional, eletromagnética, e as forças nuclea-
F1 res forte e fraca.
Em relação ao estudo dos movimentos e de suas causas, pode-
se dizer que força é a ação capaz de modificar a velocidade de
um corpo.
o
α = 60 Como muitas outras grandezas em Fı́sica, a força é uma gran-
deza vetorial, ou seja, possui módulo direção e sentido. Pode-
mos resumir, então a definição de força da seguinte forma:

Força é uma grandeza vetorial que caracteriza


F2 a ação de um corpo sobre outro e que tem
como efeito a deformação ou a alteração da
Mecânica – Aula 4 9

velocidade do corpo sobre o qual ela está sendo


aplicada.

A Primeira Lei de Newton

Figura 1.2: Ao parar bruscamente, o cavaleiro continua seu


movimento pra frente...

Figura 1.1: Isaac Newton (1642-1727). ele estiver em movimento retilı́neo e uniforme, o equilı́brio será
chamado de dinâmico.
Antes de falarmos da Primeira Lei de Newton, devemos pen-
sar em uma pergunta: “o que acontece com o movimento de
um corpo livre de qualquer força?” Essa pergunta pode ser Pense um Pouco!
respondida em duas partes. A primeira trata do efeito da ine-
xistência de forças sobre o corpo em repouso: se nenhuma • Qual a relação entre a Primeira Lei de Newton e o cinto de
força atua sobre o corpo em repouso, ele continua em repouso. segurança? e o encosto para a cabeça no banco do carro?
A segunda parte trata do efeito da inexistência de forças sobre
o corpo em movimento: se nenhuma força atua sobre o corpo • Por que quando um ônibus freia repentinamente, os pas-
em movimento, ele continua em movimento. sageiros são “arremessados” para a frente? e o que ocorre
quando o ônibus é acelerado?
Mas que tipo de movimento? Já que não existem forças atu-
ando sobre o corpo, sua velocidade não varia de módulo ou
direção. Desta forma, o único movimento possı́vel do corpo na
ausência de qualquer força atuando sobre ele é o movimento
Exercı́cios de Aplicação
retilı́neo uniforme.
A Primeira Lei de Newton reúne as duas respostas anteriores 1. (UFMG) Um corpo de massa m está sujeito à ação de uma
em um único enunciado: força F~ que o desloca segundo um eixo vertical em sentido
contrário ao da gravidade. Se esse corpo se mover com veloci-
Todo corpo tende a manter seu estado de re- dade constante é porque:
pouso ou de movimento retilı́neo e uniforme, a) a força F~ é maior do que a da gravidade.
a menos que forças externas provoquem va- b) a força resultante sobre o corpo é nula.
riação na sua velocidade. c) a força F~ é menor do que a gravidade.
d) a diferença entre os módulos das forças é diferente de zero.
De acordo com a primeira Lei de Newton, podemos afirmar
e) a afirmação da questão está errada, pois qualquer que seja
que na ausência de forças, todo corpo tende a ficar como está:
F~ o corpo estará acelerado porque sempre existe a aceleração
parado se estiver parado, em movimento retilı́neo uniforme, se
estiver em movimento (retilı́neo uniforme). Por este motivo da gravidade.
essa lei também é chamada de Princı́pio da Inércia. 2. (UNESP-SP) Assinale a alternativa que representa o enun-
ciado da Lei da Inércia, também conhecida como primeira Lei
O que é Inércia? de Newton.
a) Qualquer planeta gira em torno do Sol descrevendo uma
Todos os corpos apresentam a tendência de se manter em re- órbita elı́ptica, da qual o Sol ocupa um dos focos.
pouso ou em movimento retilı́neo uniforme. Essa propriedade b) Dois corpos quaisquer se atraem com uma força proporcio-
dos corpos é chamada inércia. A palavra inércia é derivada do nal ao produto de suas massas e inversamente proporcional ao
latim inertia, que significa indolência ou preguiça. Os corpos quadrado da distância entre eles.
têm uma espécie de resistência às modificações de sua veloci- c) Quando um corpo exerce uma força sobre outro, este re-
dade. age sobre o primeiro com uma força de mesma intensidade e
direção, mas de sentido contrário.
Equilı́brio de uma Partı́cula d) A aceleração que um corpo adquire é diretamente propor-
cional à resultante das forças que nele atuam, e tem mesma
Dizemos que uma partı́cula se encontra em equilı́brio, quando a direção e sentido dessa resultante.
resultante das forças atuando sobre ela for nula. Se a resultante e) Todo corpo continua em seu estado de repouso ou de mo-
é nula, não ocorre alteração na velocidade do objeto. Assim,se vimento uniforme em uma linha reta, a menos que sobre ele
ele estiver em repouso, chamamos o equilı́brio de estático; se estejam agindo forças com resultante não nula.
10 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

3. (UNESP-SP) As estatı́sticas indicam que o uso do cinto de cada corpo, foi denominado pelos fı́sicos de massa do corpo.
segurança deve ser obrigatório para prevenir lesões mais graves Desta forma, podemos afirmar:
em motoristas e passageiros no caso de acidentes. Fisicamente,
a função do cinto está relacionada com a: A massa m de um corpo é o quociente entre o
a) primeira Lei de Newton. módulo da força que atua num corpo e o valor
b) lei de Snell. da aceleração a que ela produz neste corpo.
c) lei de Ampère.
d) lei de Ohm. Assim,
F
e) primeira Lei de Kepler. m=
a
No sistema internacional (SI), a unidade para medida de massa
Exercı́cios Complementares é o quilograma:

1 quilograma = 1 kg = 1000 g
4. (Unitau-SP) Uma pedra gira em torno de um apoio fixo,
presa por uma corda. Em um dado momento, corta-se a corda.
Pela Lei da Inércia, conclui-se que: Massa e Inércia
a) a pedra se mantém em movimento circular.
Suponhamos que uma força F foi aplicada a três corpos de
b) a pedra sai em linha reta, segundo a direção perpendicular
massa diferentes, como três blocos de ferro, com volumes di-
à corda no instante do corte.
versos. Imaginaremos que a superfı́cie na qual estes blocos
c) a pedra sai em linha reta, segundo a direção da corda no
estão apoiados não apresenta atrito. Analisando a equação
instante do corte.
m = F/a, percebemos facilmente que:
d) a pedra pára.
e) a pedra não tem massa. - Quanto maior m → menor a
5. (Ucsal-BA) Uma mesa, em movimento uniforme retilı́neo, - Quanto maior m → maior a dificuldade de alterar a veloci-
só pode estar sob a ação de uma: dade do corpo.
a) força resultante não-nula na direção do movimento.
b) única força horizontal. Podemos concluir que
c) força resultante nula.
d) força nula de atrito. Quanto maior é a massa de um corpo, maior
e) força vertical que equilibre o peso. será sua inércia (dificuldade de ter sua velo-
cidade alterada), isto é, a massa representa a
6. (Fiube-MG) Uma partı́cula se desloca ao longo de uma medida de inércia de um corpo.
reta com aceleração nula. Nessas condições, podemos afirmar
corretamente que sua velocidade escalar é: As conclusões anteriormente, explicam porque um caminhão
a) nula. vazio (quando sujeito a uma força F) adquire uma aceleração
b) constante e diferente de zero. maior do que quando esta cheio, por exemplo.
c) inversamente proporcional ao tempo.
d) diretamente proporcional ao tempo.
e) diretamente proporcional ao quadrado do tempo.
A Segunda Lei de Newton
De acordo com o princı́pio da inércia, um corpo só pode sair
de seu estado de repouso ou de movimento retilı́neo com velo-
Mecânica Aula 5 cidade constante se sobre ele atuar uma força resultante ex-
terna. Neste momento, poderı́amos perguntar: “O que acon-
tece se existir uma força resultante externa agindo no corpo?”
Nesta situação, o corpo fica sujeito a uma aceleração, ou seja,
um corpo sujeito a uma força resultante externa movimenta-se
A Segunda Lei de Newton com velocidade variável.

É muito comum encontrarmos a definição de massa de um


corpo da seguinte maneira: “a massa de um corpo representa
a quantidade de matéria que ele possui”. Em cursos elementa- F

1111111111111
0000000000000
1010 1010
res de ciências, esta definição pode ser aceita como uma idéia

0000000000000
1111111111111
inicial da noção de massa, embora não possa ser considerada
uma definição precisa dessa grandeza. De fato, a definição
apresentada não é adequada, pois pretende definir um novo
conceito – massa – por meio de uma idéia vaga, que não tem
significado fı́sico preciso – quantidade de matéria. É fácil perceber que, se quisermos acelerar um corpo, por
Experimentalmente os fı́sicos constataram que entre a força F exemplo, desde o repouso até 30 km/h em um intervalo de
aplicada a um corpo e a aceleração a, que ele adquire, existe tempo de 30 s, a intensidade da força que teremos de aplicar
uma proporção direta. Desta forma, o quociente F/a é cons- dependerá da massa do corpo. Se, por exemplo, o corpo for um
tante para um certo objeto. Este quociente, que é intrı́nseco a carro, é evidente que a força necessária será muito menor do
Mecânica – Aula 5 11

que se tratasse de um caminhão. Desta forma, quanto maior Pense um Pouco!


a massa do corpo, maior deverá ser a intensidade da força
necessária para que ele alcance uma determinada aceleração. • É muito comum nos depararmos com a situação na qual
Foi Isaac Newton quem obteve essa relação entre massa e força, um carro e um caminhão estão emparelhados aguardando
que constitui a segunda lei de Newton ou princı́pio fun- o sinal verde do semáforo. Você sabe por quê, quando o
damental da dinâmica. Temos, então que sinal fica verde, o carro quase sempre sai na frente, apesar
de o caminhão ter um motor mais possante?
A aceleração de um corpo submetido a uma
• Se o peso de um corpo é proporcional à sua massa, então
força resultante externa é inversamente pro-
podemos afirmar que todos os corpos terão a mesma ace-
porcional à sua massa, e diretamente propor-
leração, em queda livre?
cional a intensidade da força.

Assim, para uma dada força resultante externa F, quanto Exercı́cios de Aplicação
maior a massa m do corpo tanto menor será a aceleração a
adquirida. Matematicamente, a segunda lei de Newton é dada
por: 1. Na figura abaixo os blocos A, B e C estão sobre um plano
horizontal sem atrito.
F~ = m~a

Esta equação vetorial impõe que a força resultante e a ace- B


leração tenham a mesma direção e o mesmo sentido. No SI a
unidade de força é o newton ou (N ):

A
1 N = 1 kg · m/s2

Por definição, o newton é a força que produz uma aceleração


de 1 m/s2 quando aplicada em uma massa de 1 kg.
Sendo F = 20 N , ma = 3, 0 kg, mb = 8, 0 kg e mc = 9, 0 kg,
Diagrama de Corpo Livre determine:
a) a aceleração do conjunto;
Antes de resolver qualquer problema de dinâmica, é de fun- b) a tração nos fios (TAB entre A e B e TBC , entre B e C).
damental importância a identificação de todas as forças rele- Admitir a massa dos fios desprezı́vel.
vantes envolvidas no problema. Para facilitar a visualização
destas forças, isola-se cada corpo envolvido e desenha-se um 2. (Uneb-BA)2
Um elevador de 500 kg de massa sobe acelerado
2
diagrama de corpo livre ou diagrama de forças para a 2 m/s . Considerando g = 10 m s , a tração no cabo que o
cada corpo, que é um esquema simplificado envolvendo todas sustenta, é de:
as massas e forças do problema. a) 6000 N
b) 5000 N
Por exemplo, se um bloco escorrega, descendo um plano incli-
c) 4000 N
nado com atrito, teremos o seguinte diagrama de corpo livre
d) 3000 N
para o bloco:
e) 2000 N

N Fat Exercı́cios de Aplicação


m
3. No conjunto da figura abaixo, o bloco A tem massa 0, 50 kg.
θ O bloco B, de massa 4, 5 kg, está sobre o plano sem atrito.
P
F
A B C

Figura 1.1: Diagrama de corpo livre para um bloco escorre-


gando num plano inclinado.
Admitindo g = 10 m/s2 e o fio inextensı́vel de massa des-
prezı́vel como a massa da polia, determine:
Observe
a) a aceleração do conjunto;
Nesse exemplo, o bloco é tratado como uma partı́cula, por sim- b) a tração no fio.
plificação, não sendo relevante suas dimensões ou o ponto de
aplicação das forças, colocadas todas no seu centro geométrico, 4. No conjunto da figura abaixo, temos mA = 1, 0 kg, mB =
por conveniência. Desprezou-se a força de empuxo do ar, a 2, 0 kg e mC = 2, 0 kg. O bloco B se apóia num plano sem
força de resistência viscosa ao movimento do bloco, também atrito. São desprezı́veis as massas da polia e do fio, que é
causada pelo ar, e outras forças irrelevantes ao problema. inextensı́vel.
12 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

B Mecânica Aula 6
C A

Energia
Admitindo g = 10 m/s2 , determine: A energia se apresenta de diversas formas na natureza. Por
a) a aceleração do conjunto; exemplo os alimentos que nos proporcionam energia quı́mica, a
b) a tração TAB entre os blocos A e B; combustão da gasolina libera energia térmica, energia elétrica é
c) a tração TBC entre os blocos B e C. utilizados em diversos aparelhos, transformando-se em energia
sonora, energia luminosa, etc. Para medir a quantidade de
5. Na figura, a força F tem intensidade 90 N . Despreze os energia transferida de um corpo para outro vamos introduzir
atritos e as inércias do fio e da roldana. Quais os valores da o conceito de trabalho.
aceleração do conjunto e da força que traciona o fio?

Trabalho
F
4 kg O significado da palavra trabalho, na Fı́sica, é diferente do seu
significado habitual, empregado na linguagem comum. O tra-
balho, na Fı́sica é sempre relacionado a uma força que desloca
uma partı́cula ou um corpo. Dizemos que uma força F realiza
trabalho quando atua sobre um determinado corpo que está
6 kg em movimento. A partir dessa descrição podemos dizer que
só há trabalho sendo realizado se houver deslocamento, caso
contrário o trabalho realizado será nulo. Assim, se uma pes-
soa sustenta um objeto, sem deslocá-lo, ela não está realizando
nenhum trabalho sobre o corpo.
Quando uma força F atua sobre um corpo no mesmo sentido
6. (UEL-PR) Os três corpos, A, B e C, representados na de seu movimento (ou deslocamento) ela está favorecendo o
figura têm massas iguais, m = 3, 0 kg movimento desse corpo, considera-se positivo o trabalho reali-
zado pela força.

A B Uma Força Constante


Quando a força F atua no sentido contrário ao movimento do
corpo, contra o movimento (deslocamento), o trabalho reali-
zado pela força é considerado negativo.
C

F F

d
O plano horizontal, onde se apóiam A e B, não fornecem atrito,
a roldana tem massa desprezı́vel e a aceleração local da gravi-
dade pode ser considerada g = 10 m/s2 . A tração no fio que Desta maneira podemos escrever que trabalho W realizado
une os blocos A e B tem módulo: por uma força horizontal constante, durante um deslocamento
a) 10 N horizontal d é:
b) 15 N
c) 20 N W = ±F d (1.1)
d) 25 N
e) 30 N onde F é o módulo da força constante e d é o deslocamento
(em módulo). O sinal + é usado quando a força e o desloca-
7. (U. F. Lavras-MG) Um bloco de peso igual a 50 N encontra- mento possuem o mesmo sentido, e o sinal −, quando possuem
se sobre uma balança no piso de um elevador. Se o elevador sentidos contrários.
sobe com aceleração igual, em módulo, à metade da aceleração Importante
da gravidade local, pode-se afirmar que a leitura da balança:
Observe que o trabalho é uma grandeza escalar, apesar de ser
a) será de 25 N
definida a partir de dois vetores (F e d).
b) permanece inalterada
c) será de 75 N Unidades
d) será de 100 N
e) será de 200 N 1 N · m = 1 J = 1 joule = 107 erg
Mecânica – Aula 6 13

Tipos de Forças
1 kJ = 103 J
Existem diversos tipos de forças que podem atuar em um
Quando a força for aplicada ao corpo formando um ângulo φ corpo: força elástica, força peso, força elétrica, força de con-
com a horizontal, temos a seguinte fórmula mais geral: tato, etc...

W = F d cos φ (1.2)
Potência P
onde F é o módulo da força constante, d é o deslocamento (em
módulo) e φ o ângulo entre os vetores F e d, ou seja, entre a Consideramos duas pessoas que realizam o mesmo trabalho. Se
direção da força e o deslocamento. uma delas levar um tempo menor que a outra para a realização
desse trabalho, tem de fazer um esforço maior e, por tanto,
dizemos que desenvolveu uma potência maior.
F F
φ φ

Podemos também calcular o trabalho W realizado pela força


F através da área sob a curva do gráfico F × x:

Area = Trabalho Figura 1.1: James Watt (1736-1819)

O x X Um carro é mais potente que o outro quando ele “arranca”mais


rápido e atinge uma dada velocidade num intervalo de tempo
menor do que o outro carro..
Um aparelho de som é mais potente que o outro quando ele
W ≡ Área sob a curva ele transforma mais energia elétrica em sonora num menor
intervalo de tempo. Uma máquina é caracterizada não só pelo
Observe que neste caso deveremos descobrir o sinal do trabalho
trabalho que ela efetua, mas pelo trabalho que pode efetuar
através da análise do gráfico, e do sentido relativo entre a força
em determinado tempo.
e o deslocamento (ou do ângulo φ).
Então podemos concluir que potência é o trabalho realizado
durante um determinado tempo, ou seja:
Uma Força Variável
0 gráfico abaixo representa a ação de uma força variável que P = W/t
age sobre um corpo, provocando um deslocamento linear, Em alguns casos, pode-se escrever W = F d e, substituindo na
desde o ponto x′ até o ponto x′′ . equação acima temos

W F dt
P= = = Fv .
t t
já que v = d/t.
F(x2)
Unidade de Potência
F(x1)
1 J/s = 1 watt = 1 W
Area = Trabalho

Energia cinética
O x1 x2 X Para variar a velocidade de um corpo em movimento é preciso
o concurso de forças externas, as quais realizam certo trabalho.
Esse trabalho é uma forma de energia que o corpo absorve (ou
Neste caso, o trabalho pode ser determinado pela área sob a
perde) pelo fato de estar em movimento em relação a um dado
curva, desenhando-se o gráfico em papel quadriculado, ou de
sistema de referência.
forma aproximada pela área de um trapézio:
Chamamos essa energia de movimento de energia de cinética.
 ′′ 
F + F′ Para uma partı́cula de massa m e velocidade v a energia
W = Fd = (x′′ − x′ ) cinética é:
2 1
Ec = mv 2
Observe que essa fórmula considera a força média (aproxi- 2
mada) multiplicada pelo deslocamento. e assim como o trabalho, mede-se a energia cinética em joules.
14 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Teorema Trabalho-Energia d) potência é a capacidade de realizar trabalho.


e) trabalho é a relação energia-tempo.
Suponhamos que FR seja a resultante das forças que atuam
sobre uma partı́cula de massa m. O trabalho dessa resultante 4. O produto da força pelo deslocamento do corpo em que ela
é igual à diferença entre o valor final e o valor inicial da energia atua está associado com:
cinética da partı́cula: a) trabalho
b) potência
1 2 1 2 c) distância
W = ∆Ec = mvf − mvi
2 2 d) aceleração
e) velocidade
Esse enunciado, conhecido como teorema do trabalho-energia
indica que o trabalho da resultante das forças que atua sobre
uma partı́cula modifica sua energia cinética. Exercı́cios Complementares

Pense um Pouco! 5. (UFSC) O gráfico a seguir representa a resultante das


forças, em newtons, que atuam num corpo de massa igual a
• Que trabalho realizamos sobre um corpo que é levantado 10, 0 kg, em função do deslocamento total em metros. Su-
1
a uma determinada altura? Esse trabalho seria positivo pondo que a sua velocidade inicial é de 14 2 m/s, determine,
ou negativo? em m/s, a velocidade do corpo depois de percorrer 40, 0 m.

• Se você pudesse segurar um elefante a uma determinada


altura, você estaria realizando trabalho? Por quê?
F(N)
• Um menino puxa um carrinho sem rodas, por um bar-
bante. 20
1. Há algum trabalho sendo realizado sobre o carrinho? 15
Por quê? O trabalho é positivo ou negativo. 10
2. O menino desenvolve alguma potência? Por quê? 5
3. O carrinho tem energia cinética? Por quê? 0
0 10 20 30 40 x(m)

Exercı́cios de Aplicação

1. (ESAL-MG) Um homem está em repouso com um caixote 6. Um projétil de massa 10, 0 g penetra com velocidade
também em repouso às costas. horizontal de 100 m/s e sai de uma tábua de espessura de
a) Como o caixote tem um peso, o homem está realizando 10, 0 mm, com velocidade de 90, 0 m/s. Calcule a força com
trabalho. que a tábua exerce sobre o projétil.
b) O homem está realizando trabalho sobre o caixote pelo fato
de o estar segurando
c) O homem está realizando trabalho pelo fato de estar fazendo
força.
d) O homem não realiza trabalho pelo fato de não estar se m = 10 g
deslocando. F
e) O homem não realiza trabalho pelo fato de o caixote estar
sujeito à aceleração da gravidade.
vo = 100 m/s vf = 90 m/s
2. (UFSE) Um corpo está sendo arrastado por uma superfı́cie
horizontal com atrito, em movimento uniforme. Considere as
afirmações a seguir: I. O trabalho da força de atrito é nulo. II. x = 1,0 cm
O trabalho da força peso é nulo. III. A força resultante que
arrasta o corpo é nula. Dentre as afirmações:
a) É correta a I, somente. 7. Um móvel de massa 2, 90 kg é submetido à uma força cons-
b) É correta a II, somente. tante e adquire, a partir do repouso, a velocidade de 20, 0 m/s
c) É correta a III, somente. em 8, 00 s. Calcule:
d) São incorretas I, II, III. a) o trabalho W realizado pela força;
e) São corretas II e III. b) a potência P desenvolvida pela força;
3. (UMC-SP) Sobre trabalho, potência e energia, pode-se afir-
mar que:
a) potência e energia são sinônimos. Mecânica Aula 7
b) trabalho e potência se expressam com a mesma unidade.
c) para trabalho e energia usa-se a mesma unidade.
Mecânica – Aula 7 15

Energia Potencial mede a “dureza´´ da mola: quanto maior o valor de k, mais


difı́cil será a sua deformação, ou seja, mais força será necessária
Um corpo possui energia quando é capaz de realizar trabalho. para deformá-la uma certa quantidade x.
Suponha, então, um corpo situado a uma certa altura acima
do solo. Se este corpo for abandonado, chegando ao solo, é
fácil perceber que será capaz de realizar um certo trabalho:
Energia Potencial Elástica
amassar um objeto, perfurar o solo, etc. Pode-se pois concluir Quando aplicamos uma força e deformamos uma mola estamos
que aquele corpo possuı́a energia na posição elevada. transferindo a ela uma energia, essa energia fica armazenada
A energia que um corpo possui, em virtude de estar situado a na mola. Definimos que a energia armazenada em uma mola
uma certa altura acima da superfı́cie da Terra, é denominada comprimida ou distendida é chamada de energia potencial
energia potencial gravitacional. Há outras situações, seme- elástica, através de
lhantes a essa, nas quais um corpo também possui energia em 1
Ep = kx2
virtude da posição que ele ocupa. Por exemplo, um corpo si- 2
tuado na extremidade de uma mola comprimida (ou esticada)
possui energia em virtude de sua posição. Se um corpo com- Pense um Pouco!
primir uma mola e soltarmos esse corpo, ele será empurrado
pela mola e poderá realizar trabalho. Neste caso, a energia • A energia potencial gravitacional depende da aceleração
que o corpo possui na ponta da mola comprimida ou esticada da gravidade, então em que situações essa energia é posi-
é denominada energia potencial elástica. tiva, nula ou negativa?

• A força elástica depende da massa da mola? Por quê?


Energia Potencial Gravitacional
• Se uma mola é comprimida por um objeto de massa
Para uma massa m a uma altura h acima do solo, nosso refe-
grande, quando solto a mola não consegue se mover, o
rencial usual de energia zero, podemos definir a energia po-
que acontece com a energia potencial elástica?
tencial gravitacional Ep como

Ep = mgh
Exercı́cios de Aplicação
onde g é a aceleração da gravidade. No SI, g vale aproxima-
damente 9, 8 m/s2 . 1. Um garoto atira uma pedra para cima com um estilingue.
a) Qual a forma de energia armazenada no estilingue?
Força Elástica b) Que forma de energia possui a pedra quando atinge sua al-
tura máxima?
Chamamos de corpos elásticos aqueles que, ao serem defor- c) Existe energia no estilingue depois do lançamento? Co-
mados, tendem a retornar à forma inicial. mente.

2. Um para-quedista desce com velocidade constante, depois


de um certo tempo de queda.
a) O que acontece com sua energia potencial Ep ?
b) Sua energia cinética está variando? Comente.
3. Um indivı́duo encontra-se sobre uma balança de mola, pi-
sando sobre ela com seus dois pés. Se ele levantar um dos pés
e mantiver o outro apoiado, no interior de um elevador com-
pletamente fechado, quando observa que o peso indicado na
balança é zero. Então, conclui que:
a) está descendo com velocidade constante
b) o elevador está em queda livre
c) a força de atração gravitacional exercida sobre ele é anulada
Figura 1.1: Robert Hooke (1635-1703) pela reação normal do elevador
d) a balança está quebrada, visto que isto é impossı́vel
Uma mola helicoidal, feita geralmente de aço, como carac- 4. Duas pedras, sendo uma de 20 kg e outra de 30 kg, estão a
terı́stica própria uma constante elástica k, que define a pro-
500 m de altura em relação ao solo. Você diria que:
porcionalidade entre a intensidade força F aplicada e a respec-
a) ambas as pedras têm igual energia potencial;
tiva deformação x causada na mola. A lei de Hooke relacionab) a pedra de menor massa tem maior energia potencial
essas quantidades na forma c) nada podemos afirmar com relação à energia potencial das
pedras
F = −kx
d) a pedra de massa menor tem maior capacidade de realizar
trabalho
Observe que x mede a deformação linear da mola a partir do
e) a pedra de maior massa tem maior energia potencial
seu tamanho de equilı́brio (sem força).
Através a equação acima, pode-se ver que a unidade SI da 5. (UFRN) Uma mola helicoidal, de massa desprezı́vel,
constante elástica deve ser N/m. Na prática, a constante k está suspensa verticalmente e presa a um suporte horizontal.
16 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Quando se pendura um corpo de 40 kg na extremidade livre


dessa mola, ela apresenta deformação de 2, 0 cm para o sis-
tema em equilı́brio. Se acrescentarmos a essa massa outra de
10 kg, no ponto de equilı́brio, a deformação total será de: Fext. = −P
a) 3, 0 m
b) 2, 5 cm
c) 2, 0 m
m
d) 1, 5 cm
e) 1, 0 m

Exercı́cios Complementares P
6. Uma mola cuja constate elástica é 1000 N/m encontra-se
comprimida em 10 cm.
a) Determine a energia potencial elástica armazenada na mola. Figura 1.2: Um corpo sendo suspenso em equilı́brio.

b) Se apenas energia da mola for utilizada integralmente para O trabalho realizado pela força externa F , é armazenado
ext.
impulsionar um bloco de 100 g, qual é a velocidade máxima no sistema corpo-Terra na forma de energia potencial gravita-
adquirida pelo bloco? cional Ep , e vale:
7. Qual o trabalho necessário para se comprimir uma mola, Ep = mgh
cuja constante elástica é 500 N/m, em 10, 0 cm? se definirmos o valor zero (Ep = 0) no chão, onde h = 0.
8. Um menino situado no alto de um edifı́cio, segura um corpo Já para o sistema massa-mola, temos uma força externa sendo
de massa 1, 5 kg a uma altura igual a 10 m acima do solo. aplicada no sistema fazendo com que a mola sofra uma de-
a) Qual a energia potencial gravitacional do corpo naquela formação, sendo essa força
posição? F = −kx
b) Qual a energia potencial gravitacional do mesmo corpo,
quando situado a 6, 0 m do chão? o trabalho W externo necessário para esticar a mola uma quan-
tidade x será
1
W = kx2
Mecânica Aula 8 2
e chamamos essa energia, agora armazenada na mola, de ener-
gia potencial elástica.

Trabalho e Energia Potencial F=0

O
F=−kx

O x>0
F=−k(−x)=kx

x<0 O
Figura 1.1: James Prescott Joule (1818-1889).

A energia potencial gravitacional está relacionada à posição de Figura 1.3: Uma mola esticada, em equilı́brio.
um corpo no campo gravitacional. Em geral, quando movemos
o corpo, alteramos sua energia potencial.
Para elevar um corpo em equilı́brio do solo até uma altura h, Forças Conservativas e Dissipativas
devemos aplicar uma força que realizará um trabalho (positivo)
de mesmo módulo que o trabalho realizado pela força peso do Quando sobre um corpo em movimento atua apenas seu peso,
corpo (negativo). ou força elástica exercida por uma mola, a energia mecânica
Mecânica – Aula 8 17

desse corpo se conserva. Por este motivo, as forças citadas Exercı́cios de Aplicação
são denominadas forças conservativas. Exemplo: ao dar
corda em um relógio, você está armazenando energia potencial
1. Quais as transformações de energia que ocorrem quando
elástica numa mola, e essa energia estará disponı́vel para fazer
um jogador chuta uma bola?
com que o relógio trabalhe durante um certo tempo. Isso só é
possı́vel porque a energia elástica foi armazenada (conservada). 2. Quais as principais diferenças entre energia potencial e
Por outro lado, se existissem forças de atrito atuando durante energia cinética?
o deslocamento do corpo, sua energia mecânica não se con-
serva, por que parte dela (ou até ela toda) se dissipa sob forma 3. Uma força é dita conservativa quando:
de calor. Por isso dizemos que as forças de atrito são forças a) não realiza trabalho
dissipativas. Exemplo: se você arrastar um caixote pelo chão b) o trabalho por ela realizado não depende da trajetória de
horizontal, durante um longo percurso, verá que todo o traba- seu ponto de aplicação
lho realizado foi perdido, pois nenhuma parte dessa energia c) realiza apenas trabalhos positivos
gasta foi armazenada, ou está disponı́vel no caixote. d) o trabalho por ela realizado não depende da massa do corpo
em que está aplicada
e) dissipa energia térmica
A Conservação da Energia Mecânica
4. Um sistema fı́sico tem energia quando:
Um sistema mecânico no qual só atuam forças conservativas a) está sujeito apenas a ações de forças conservativas;
é dito sistema conservativo, pois a sua energia mecânica b) está sujeito a forças conservativas e dissipativas;
(E) se conserva, isto é, mantém-se com o mesmo valor em c) está capacitado a realizar trabalho;
qualquer momento ou posição, podendo alternar-se nas suas d) possui grande quantidade de átomos
formas cinética e potencial (gravitacional ou elástica): e) perde calor

E = Ec + Ep
Exercı́cios Complementares
Degradação da Energia
5. O princı́pio da conservação da energia afirma que:
A energia está constantemente se transformando, mas não a) a energia cinética de um corpo é constante
pode ser criada nem destruı́da. b) a energia potencial elástica mais a energia cinética é sempre
constante
• Em uma usina hidrelétrica, a energia mecânica da queda c) a energia não pode ser criada nem destruı́da, mas apenas
d’água é transformada em energia elétrica. transformada em calor devido aos atritos
d) a energia total de um sistema, isolado ou não, permanece
• Em uma locomotiva a vapor, a energia térmica é trans- constante
formada em energia mecânica para movimentar o trem. e) a energia não pode ser criada nem destruı́da, mas apenas
transformada de uma modalidade para outra
• Em uma usina nuclear, a energia proveniente da fissão dos
núcleos atômicos se transforma em energia elétrica. 6. A energia mecânica de um corpo:
a) é a soma da sua energia potencial e cinética
• Em um coletor solar, a energia das radiações provenientes b) depende apenas do referencial
do sol se transforma em energia térmica para o aqueci- c) depende da aceleração do corpo
mento de água. d) é sempre constante, independente do tipo de forças atuantes
sobre ele
e) depende apenas da velocidade do corpo
Pense um Pouco! 7. Para esticar uma mola em 40 cm, é necessária uma força
de 20 N . Determine:
• Um corpo cai sobre uma plataforma apoiada numa mola
a) A constante elástica da mola;
e volta a subir. Ele pode atingir, na volta, altura maior
b) O trabalho realizado pelo agente externo que estica a mola;
do que aquela de que foi abandonado? Por quê?

• Indique algumas fontes de energia e explique a forma de c) O trabalho realizado pela mola;
aproveitá-las para a realização de trabalho mecânico. d) O trabalho que seria necessário para deformar a mola em
80 cm;
• Quando se ergue um objeto a uma certa altura, como se e) A força necessária para esticar a mola em 80 cm.
realiza menor trabalho: suspendendo-o diretamente por 8. Um corpo de massa 5, 0 kg é elevado do solo a um ponto si-
uma corda, na vertical, ou transportando-o através de um tuado a 3, 0 m de altura. Considere g = 10 m/s2 . Determine:
plano inclinado (sem atrito) até a altura desejada? Por a) o trabalho realizado pela força peso do corpo nesse desloca-
quê? mento;
b) o aumento na energia potencial gravitacional do corpo.
• Compare a energia necessária para elevar de 10 m uma
massa na Terra e a energia necessária para elevar de 10 m 9. (Fatec-SP) Um corpo de massa 2, 0 kg escorrega, a partir
a mesma massa na Lua. Explique a diferença. do repouso do ponto A, por uma pista circular sem atrito.
18 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Veja a figura. Na base da pista, o corpo comprime a mola de Na figura temos:


constante elástica 800 N/m. Sendo h = 1, 8 m e g = 10 m/s2 , ~at = aceleração tangencial
qual a deformação máxima sofrida pela mola? ~ac = aceleração centrı́peta
onde
~a = ~at + ~ac , sendo
~a = aceleração total(resultante)
A o Utilizando a Segunda Lei de Newton, vemos que as acelerações
que atuam no corpo devem ter a mesma direção e o mesmo
sentido da força. Portanto, existem forças perpendiculares à
h trajetória e forças tangentes à trajetória.
A força resultante que tem a mesma direção e o mesmo sentido
da aceleração centrı́peta, isto é, dirigida para o centro da curva
é denominada força centrı́peta (F~cp ), e a que tem a mesma
direção e o mesmo sentido da aceleração tangencial, isto é,
tangente à trajetória, é denominada força tangencial (F~t ).

Figura 1.4: Questão 9.

at
ac
Mecânica Aula 9
Ft Fc
a
R
O

Dinâmica do Movimento Circular


F
Consideremos um corpo de massa m, descrevendo uma circun-
ferência de raio R, com movimento não uniforme.

Na figura temos:
F~t = m · ~a
F~c = m · ~ac
v onde
F~t = força tangencial
F~c = força centrı́peta
F~ = F~t + F~c , sendo
F~ = força resultante

Sabemos que a velocidade do corpo é um vetor que, em cada As Forças no Movimento Circular
instante, é tangente à trajetória e que, no movimento circular
não uniforme, o corpo está sujeito a duas acelerações. Podemos expressar a força centrı́peta da seguinte maneira:

Fc = mac

ou
v2
at Fc = m = mω 2 R
ac R
A força tangencial é dada por:
a
R
O
Ft = mat

Observe que:

• A força tangencial faz variar o módulo do vetor velocidade,


isto é, produz aceleração tangencial.

• A força centrı́peta faz variar a direção do vetor velocidade,


obrigando o corpo a descrever uma trajetória curva.
Mecânica – Aula 9 19

Terra
Lua
3. Um automóvel faz uma curva circular, plana e horizontal,
de raio 50 m. Sabendo-se que o coeficiente de atrito estático
F C
entre os pneus e a pista é µe = 0, 80, qual a máxima velocidade
com que esse automóvel pode fazer a curva sem derrapar? (Use
g = 10 m/s2 ).
Figura 1.1: A Lua em sua órbita ao redor da Terra (fora de a) v = 10 m/s
escala). b) v = 15 m/s
c) v = 20 m/s
d) v = 25 m/s
Como exemplo, considere o movimento da Lua em torno da e) v = 30 m/s
Terra.
A força que mantém a Lua em órbita é uma força de origem
gravitacional exercida pela Terra. Tal força é centrı́peta, isto Exercı́cios Complementares
é, dirigida para o centro da Terra.
4. (Fuvest-SP) A figura a seguir mostra, num plano vertical,
parte dos trilhos do percurso circular de uma montanha-russa
Pense um Pouco! de um parque de diversões.

(Fuvest-SP) A melhor explicação para o fato de a Lua não cair


sobre a Terra é que:
a) a gravidade terrestre não chega até a Lua g
b) a Lua gira em torno da Terra
c) a Terra gira em torno do seu eixo
d) a Lua também é atraı́da pelo Sol
r = 8,0 m
e) a gravidade da Lua é menor que a da Terra

Exercı́cios de Aplicação

1. (UEL-Pr) Num pêndulo cônico, a massa m gira numa cir-


cunferência horizontal, estando submetida às forças peso P~
vetorial e tração T~ vetorial, conforme a figura:
A velocidade mı́nima que o carrinho deve ter, ao passar pelo
ponto mais alto da trajetória, para não desgrudar dos trilhos
vale,
√ em metros por segundo:
a) √20
b) √40
θ T c) √ 80
d) √ 160
e) 320

5. (ITA-SP) Para executar uma curva nivelada (sem subir


m ou descer) e equilibrada o piloto de um avião deve incliná-lo
v com respeito à horizontal (à maneira de um ciclista em uma
P curva) um ângulo θ. Se θ = 60o , a velocidade da aeronave é
100 m/s e a aceleração local da gravidade é de 9, 5 m/s2 , qual
é aproximadamente o raio de curvatura?
a) 200 m
b) 350 m
Nestas condições a intensidade da força centrı́peta é: c) 600 m
a) nula, pois o movimento é uniforme. d) 750 m
b) dada pelo componente da tração, T · sen θ. e) 1000 m
c) dada pelo componente da tração, T · cos θ.
d) dada pela resultante T − P · cos θ. 6. (Fuvest-SP) Um caminhão, com massa total de 10000 kg,
e) dada pela resultante T − P · sen θ. está percorrendo uma curva circular plana e horizontal a
72 km/k (ou seja, 20 m/s) quando encontra uma mancha de
2. Um garoto gira uma pedra de massa 0, 10 kg presa por um óleo na pista e perde completamente a aderência. O caminhão
fio de 0, 80 m de comprimento, fazendo com que ela descreva encosta então no muro lateral que acompanha a curva e que o
cı́rculos verticais com velocidade constante de 4, 0 m/s. Admi- mantém em trajetória circular de raio igual a 90 m. O coefici-
tindo g = 10 m/s2 , determine a tração no fio quando o corpo ente de atrito entre o caminhão e o muro vale 0, 30. Podemos
passa pelo ponto: afirmar que, ao encostar no muro, o caminhão começa a perder
a) mais alto da trajetória; velocidade à razão de, aproximadamente:
b) mais baixo da trajetória. a) 0, 07 m · s−2 .
20 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

b) 1, 3 m · s−2 . Por exemplo, se ao chutar uma bola parada aplicamos nela


c) 3, 0 m · s−2 . uma força de 50 N durante um intervalo de tempo de 0, 12 s,
d) 10 m · s−2 . o impulso transferido para a bola será
e) 67 m · s−2 .
I = F ∆t = (50 N )(0, 12 s) = 6, 0 N · s

e esse impulso fará com que a bola entre em movimento.


Mecânica Aula 10
Unidade SI do Impulso
Medimos o impulso na mesma unidade da quantidade de mo-
vimento:
Quantidade de Movimento 1 N · s = 1 kg · m/s

Quando uma pessoa tenta pegar uma bola em movimento, é


fácil perceber que há uma diferença na ação que ela deve de- Pense um Pouco!
senvolver se a velocidade da bola for grande ou pequena: a
bola mais rápida, para ser parada, exige um esforço maior e • É mais fácil parar uma bola que tenha uma quantidade
de maior duração. Uma diferença semelhante também seria de movimento grande ou pequena? Por quê?
percebida se a pessoa tentasse parar duas bolas com a mesma
velocidade, mas de massas diferentes: o maior esforço, atuando • Qual a influência da massa na quantidade de movimento?
durante um tempo maior, seria necessário para fazer parar a • Por que um carro se deforma numa colisão?
bola de maior massa.
Essas observações levam à definição de uma nova grandeza
fı́sica vetorial relacionada com a massa e a velocidade de Exercı́cios de Aplicação
uma partı́cula, denominada quantidade de movimento.
Então podemos escrever que quantidade de movimento de um 1. (UFMS) Com relação à quantidade de movimento de uma
ponto material de massa m e velocidade ~v partı́cula, é correto afirmar (marque V ou F):
~ a) ( ) é uma grandeza vetorial
Q = m~v
b) ( ) tem a mesma direção e sentido do vetor velocidade da
partı́cula
Unidade SI c) ( ) é uma grandeza inversamente proporcional à massa da
partı́cula
Medimos a quantidade de movimento no Sistema Internacional d) ( ) sua unidade no SI pode ser kg · m/s
(SI) na unidade e) ( ) permanece constante mesmo que a partı́cula seja acele-
Kg · m/s rada
2. (UFSC) O impulso dado a um corpo pode ser escrito como
Exemplo o .......... da ......... pelo(a) ......... . Marque V caso as opções
completem corretamente as lacunas ou F caso contrário.
Se um carro de 1.200 kg se desloca numa estrada com velo-
a) ( ) produto; força aplicada ao corpo; tempo que o corpo
cidade de 72 km/h, a sua quantidade de movimento será, em
fica em movimento
módulo,
b) ( ) produto; força aplicada ao corpo; tempo durante o qual
a força atua
Q = mv = (1.200 kg)(20 m/s) = 2, 4 × 104 kg · m/s
c) ( ) quociente; força aplicada ao corpo; velocidade que ele
adquire
Lembre-se
d) ( ) quociente; massa do corpo; velocidade que ele adquire
Para transformar a velocidade dada em km/h para a unidade e) ( ) produto; massa do corpo; aceleração que ele adquire
SI (m/s) fazemos:
3. Considere um corpo que está se deslocando em movimento
1000 m 72 retilı́neo uniforme.
v = 72 km/h = 72 × = m/s = 20 m/s
3.600 s 3, 6 a) A quantidade de movimento deste corpo está variando? Ex-
plique.
b) Tendo em vista a resposta do ı́tem anterior, o que você con-
Impulso clui sobre o impulso que atua no corpo?
c) Então, qual o valor da resultante das forças aplicadas no
Quando um jogador de futebol chuta uma bola ou quando um
corpo?
tenista, usando uma raquete, rebate uma bola,existe uma força
que age num curto espaço de tempo que faz a bola ser impul-
sionada. Define-se o impulso I~ de uma força como grandeza Exercı́cios Complementares
vetorial dada pelo produto da força F~ pelo intervalo de tempo
∆t durante o qual ela atuou:
4. Uma força de 20 N é aplicada em um corpo durante 10 s.
I~ = F~ ∆t Qual é o impulso que a força transmite ao corpo?
Mecânica – Aula 11 21

5. Determine a quantidade de movimento de um objeto de Sistemas de Partı́culas


massa 50 kg que se movimenta com velocidade de 20 m/s?
Para um sistema contendo N partı́culas a quantidade de mo-
6. (UEL-PR) Um corpo de massa m tem velocidade v, quan- vimento desse sistema pode ser escrito na seguinte forma:
tidade de movimento Q e energia cinética E. Uma força F , na
~ T OT AL = m1~v1 + m2~v2 + . . . + mN ~vN
Q
mesma direção e no mesmo sentido de v, é aplicada no corpo,
até que a velocidade dele triplique. As novas quantidades de
movimento e energia cinética são, respectivamente: CURIOSIDADE
a) 3Q e 3E
b) 3Q e 6E A luz tem quantidade de movimento? É possı́vel um astro-
c) 3Q e 9E nauta mover-se no espaço sideral acendendo sua lanterna?
d) 6Q e 6E Por mais intrigante que seja, a reposta é sim. Mas por que
e) 6Q e 9E isso acontece? Pelo fato de a luz possuir quantidade de movi-
mento. Normalmente não percebemos isso, pois a quantidade
7. (PUC-SP) Um carrinho de massa 2, 0 kg move-se ao longo
de movimento da luz é pequena e, assim, os seus efeitos são,
de um trilho horizontal com velocidade 0, 50 m/s até chocar-se
em geral, imperceptı́veis. Mas quando o astronauta acende sua
contra um pára-choque fixo na extremidade do trilho. Supondo
lanterna, a situação é análoga àquela em que um garoto sobre
que o carrinho volte com velocidade 0, 20 m/s e que o choque
patins consegue mover-se atirando uma melancia.
tenha duração de 0, 10 s, calcule em newtons, o valor absoluto
da força média exercida pelo pára-choque sobre o carrinho. De acordo com a Mecânica Quântica, a luz é formada por
pequenos ”pacotes”de energia, denominados fótons, os quais,
no vácuo, movem-se à velocidade c = 3, 0 × 108 m/s. Cada
um desses fótons, além de possuir energia, tem quantidade de
Mecânica Aula 11 movimento. Porém ela não pode ser calculada pela expressão
~ = m~v , uma vez que os fótons não têm massa. Para que o
Q
Princı́pio da Conservação da Quantidade de Movimento seja
mantido, os fı́sicos concluı́ram que a quantidade de movimento
(q) de um fóton de energia E deve ser calculada por
Impulso e Momento
q = E/c
Teorema do Impulso-Momento Para ilustrar, considere que o nosso astronauta esteja a uma
Consideremos uma força resultante constante F~ atuando sobre distância de 5 m de sua nave e tenha uma lanterna que emita
uma partı́cula de massa m, durante um intervalo de tempo ∆t, luz com potência de 1500 W . Suponha ainda que a massa
temos total do astronauta juntamente com o traje espacial e a lan-
terna seja 80 kg. Se o astronauta só pudesse aproximar-se
I~ = F~ ∆t
da nave acendendo sua lanterna, quanto tempo ele gastaria?
ou seja Utilizando a expressão acima e os modelos simplificados da
~
I = m~a∆t = m∆~v = ∆Q ~ Mecânica, encontraremos um valor aproximado de 3,3 horas.
Isso mesmo: 3h18min para percorrer 5 metros. As primeiras
ou evidências experimentais de que a luz tem quantidade de mo-
I~ = Q
~f − Q ~ i = m(~vf − ~vi ) vimento foram obtidas em 1899, pelo fı́sico russo P. Lebedev,
e pelos americanos E. L. Nicholls e G. F. Hull, em 1901.
E concluimos que:
O impulso determinado pela resultante de todas as
forças externas que agem durante certo intervalo de Pense um Pouco!
tempo sobre um ponto material é igual a variação da
quantidade de movimento do ponto durante o mesmo • Colidindo-se frontalmente duas esferas idênticas, sobre
intervalo. uma mesa de bilhar, uma em movimento e a outra ini-
cialmente parada, observa-se que a esfera que estava em
movimento fica parada e a outra, inicialmente padara, en-
tra em movimento após a colisão. Explique esse fenômeno
sob o ponto de vista dos conceitos de impulso e momento.

Exercı́cios Complementares

1. Uma bola de bilhar de 200 g se move a 3, 50 m/s colise e


muda sua direção de movimento em 90◦ . Determine o impulso
aplicado sobre a bola na colisão.

2. Solta-se um corpo de massa m de uma altura h em queda-


A livre, o observa-se o seu movimento até o solo.
B C D E a) Determine o impluso que o peso do corpo produz até que
22 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

ele atinja o solo.


b) Determine a variação do momento do corpo, desde o ins-
tante em que foi solto, até atingir o solo. F(t)
c) Compara os resultados dos itens anteriores. Comente.

Exercı́cios de Aplicação
3. Solta-se uma bola de futebol com massa igual a 500 g
a 1, 25 m de altura acima do chão (piso) e observa-se que
ela retorna (pula) até uma altura de apenas 0, 80 m, após o
primiro salto.
a) Determine o impulso total sobre a bola até que ela toque a ti tf t
primeira vez no chão. ∆t
b) Determine o impulso total sobre a bola desde o instante em
que ela deixa o solo até atingir a altura de 0, 80 m.

Algumas vezes é mais interessante considerar o valor médio


Mecânica Aula 12 da força impulsiva que o seu valor a cada instante. Por de-
finição, o valor médio de uma força impulsiva é o valor da
força constante que, no mesmo intervalo de tempo, produz o
mesmo impulso sobre um dado corpo.

Conservação da Quantidade de Movi-


mento Pense um Pouco!
Num sistema isolado, onde o impulso das forças externas seja
• Como podemos analisar as forças envolvidas em uma co-
nulo, a quantidade de movimento final é igual a inicial.
lisão entre duas partı́culas?
I~ = Q
~f − Q
~ i = ~0 =⇒ Q
~f = Q
~i

Resumindo, podemos enunciar o Teorema da Conservação da • Imagine-se no meio da superfı́cie lisa de um lago. Lem-
Quantidade de Movimento: brando não ser possı́vel caminhar sobre a superfı́cie, em
razão da total ausência de atrito, sugira um procedimento
É constante a quantidade de movimento de um con-
que permita alcançar a margem do lago.
junto de pontos materiais que constituem um sistema
isolado.

Exemplos Exercı́cios de Aplicação


Fenômenos que encontram explicação no teorema da quanti-
dade de movimento: 1. (UEA - Aprovar) Antonio (um pescador do Cambixe) está
com sua canoa no lago dos Reis. Inicialmente, tanto a canoa
• choque mecânico; como o pescador repousam em relação à água que, por sua vez,
• recuo das armas de fogo; não apresenta qualquer movimento em relação à Terra. Atritos
da canoa com a água são desprezı́veis e, no local, não há ventos.
• explosão de uma bomba (fragmentos); Num determinado instante, o pescador atira horizontalmente a
• propulsão a jato. sua zagaia de massa 2, 0 kg que sai com velocidade de 10 m/s.
Calcule o módulo da velocidade do conjunto pescador/canoa,
de massa igual a 150 kg, imediatamente após o disparo.

2. Uma arma de 3, 0 kg dispara um projétil de 0, 02 kg, a uma


velocidade de 600 m/s. Qual é a velocidade de recuo dessa
arma?

3. (FEI- SP) Um peixe de 4 kg está nadando à velocidade


de 1 m/s para a direita, quando engole um outro, de massa
Forças Impulsivas 0, 2 kg que estava nadando para a esquerda, na sua direção, a
6 m/s. Determine a velocidade do peixe maior depois de ter
A força de interação que ocorre durante uma colisão, em ge- engolido o pobre peixinho.
ral tem grande intensidade e curta duração, como descrito no
gráfico abaixo. Forças como essa, que atuam durante um in- 4. Um canhão de 800 kg, montado sobre rodas e não freado,
tervalo pequeno comparado com o tempo de observação do dispara uma bala de 6 kg com velocidade inicial de 500 m/s.
sistema, são chamadas de forças impulsivas. Determine a velocidade de recuo do canhão.
Mecânica – Aula 13 23

Exercı́cios Complementares
v1I

5. Um remador e seu barco têm juntos massa de 150 kg. O m1 m2


barco está parado e o remador salta dele com velocidade de
8 m/s. O barco afasta-se com velocidade contrária de 7 m/s.
Calcule as massas do remador e do barco.

6. (PUC-PR) Dois patinadores, um de massa 100 kg e outro F21 F12


de massa 80 kg, estão de mãos dadas em repouso sobre uma
pista de gelo, onde o atrito é desprezı́vel. Eles empurram-se
mutuamente e deslizam na mesma direção, porém em sentidos
opostos. O patinador de 100 kg adquire uma velocidade de v1F v2F
4 m/s. A velocidade relativa de um dos patinadores em relação
ao outro é, em módulo, igual a:
a) 5 m/s
b) 4 m/s
c) 1 m/s
d) 9 m/s
e) 20 m/s Como as partı́culas que constituem o sistema trocam forças
entre si, essas forças são consideradas internas e a resultante é
7. Um astronauta de massa 70 kg encontra-se em repouso sempre nula. Isso ocorre em colisões ou em explosões.
numa região do espaço em que as ações gravitacionais são
desprezı́veis. Ele está fora de sua nave, a 120 m da mesma,
mas consegue mover-se com auxilio de uma pistola que dispara Pense um Pouco!
projéteis de massa 100 g, os quais são expelidos com velocidade
1, 4×103 m/s. Dando um único tiro, qual o tempo que o astro- • Choques mecânicos podem ser considerados sistemas iso-
nauta leva para atingir sua nave, supostamente em repouso? lados. Assim, pode-se afirmar que, em qualquer tipo de
Responda também qual o princı́pio utilizado para responder à choque, há conservação da quantidade de movimento e da
pergunta. energia cinética?
• A seguinte declaração foi extraı́da de uma prova realizada
por um estudante de fı́sica de uma universidade: “a colisão
Mecânica Aula 13 entre dois átomos de hélio é perfeitamente elástica, de
forma que a quantidade de movimento se conserva”. A
afirmação é logicamente correta? Explique.

Colisões
Análise de uma Colisão
Uma das aplicações mais importantes do conceito de quanti-
dade de movimento é encontrada no estudo de interações de
curta duração, entre as partes de um sistema (ou conjunto) de
corpos, como ocorre em uma explosão ou em uma colisão. Exercı́cios de Aplicação

1. (UFAL) Um pedaço de massa de modelar de 200 g é atirado


horizontalmente com velocidade de 12 m/s contra um carri-
nho de massa 600 g, inicialmente parado sobre uma superfı́cie
FBA FAB horizontal. Se a massa se chocar contra o carrinho e nele per-
manecer grudada, a velocidade com que o conjunto passa a
mover-se é, em metros por segundo:
a) 3
A B b) 6
c) 8
d) 9
e) 12
Considerando as duas esferas da figura A e B, deslocando-se ao 2. (UDESC) Considere a colisão frontal perfeitamente elástica
longo de uma mesma reta, inicialmente em sentidos contrários. entre um nêutron, de massa relativa igual a 1, deslocando-se
Após a colisão, as esferas passam a se mover em sentidos opos- com velocidade constante v0 , e um dêuteron, de massa relativa
tos. igual a 2, em repouso.
24 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

a) Calcule a velocidade de ambas as partı́culas após a colisão.

b) Se a colisão fosse inelástica, com as partı́culas se movendo


juntas após colidirem, os resultados para as velocidade calcu-
ladas permaneceriam os mesmos? Justifique a resposta.

3. Dois corpos A e B de massa iguais a 300 g e 150 g


deslocam-se em sentidos contrários com velocidades respecti-
vamente iguais a 1, 5 m/s e 1, 2 m/s. Determine a velocidade
do corpo B após o choque, sabendo que a velocidade do corpo
A é de 0, 1 m/s e seu sentido é o mesmo da velocidade inicial.

4. Observa-se uma colisão elástica e unidimensional, no refe-


rencial do laboratório, de uma partı́cula de massa m e velo-
cidade de módulo 5 m/s com outra partı́cula de massa m/4,
inicialmente em repouso. Quais os valores dos módulos das Figura 1.1: Nos choques, há uma interação, que provoca mu-
velocidades das partı́culas após a colisão? dança na velocidade das bolas.

Exercı́cios Complementares

5. (Unicamp-SP) Ao bater o tiro de meta, um goleiro chuta


a bola parada de forma que ela alcance a maior distância
possı́vel. No chute, o pé do goleiro fica em contato com a
bola durante 0, 10 s, e a bola, de 0, 5 kg, atinge o campo a
uma distância de 40 m. Despreze a resistência do ar.
a) Qual o ângulo em que o goleiro deve chutar a bola?
b) Qual a intensidade do vetor velocidade inicial da bola?
c) Qual o impulso da força do pé do goleiro na bola?

6. (UEL-PR) Um pequeno caminhão, de massa 4 toneladas,


colide frontalmente com um trator de 8 toneladas que estava Figura 1.2: Cada carro exerce e recebe uma força durante a
a 36 km/h, e logo após a colisão, os dois veı́culos permanecem colisão.
parados. Imediatamente antes da colisão, a velocidade do ca-
minhão era, em m/s, de: força durante a colisão. Será que podemos afirmar que isso
a) 10 também ocorre quando um caminhão colide com um carro?
b) 15
Neste caso, durante a interação entre o caminhão e o carro,
c) 20
uma força de mesma intensidade atua sobre cada um deles, o
d) 25
que não implica que o dano causado seja o mesmo para ambos.
e) 30
Podemos afirmar que o efeito causado será diferente, uma vez
que a massa e a rigidez da lataria do carro e do caminhão são
diferentes.
Mecânica Aula 14 Isaac Newton estudou a interação entre objetos. Ele formulou
o princı́pio da ação e reação, ou lei da ação e reação, que
posteriormente ficou conhecida como terceira Lei de New-
ton. De acordo com esta lei, as forças resultantes da interação
entre dois objetos sempre aparecem aos pares, têm mesmo
Lei da Ação e Reação módulo, mesma direção, sentidos opostos e são denominadas
ação e reação: a força de ação é aplicada num objeto e a de
Provavelmente você já assistiu a um jogo de sinuca. Nele, reação, no outro. Atualmente a 3a Lei de Newton costuma ser
ocorrem colisões entre as bolas. Durante essas colisões, há uma enunciada da seguinte forma:
reação mútua, uma interação, que é responsável pela mudança
na velocidade das bolas. Este mudança produz alteração na Para toda ação existe uma reação, de igual
quantidade de movimento (Q ~ = m · ~v ) das bolas. intensidade, na mesma direção e sentido
contrário.
Se durante o tempo de interação há variação da quantidade de
movimento, significa que existe uma força atuando em cada Os movimentos dos corpos também estão embasados na 3a
bola, como explica a 2a Lei de Newton. Mas quem exerce essa Lei de Newton. Uma pessoa, ao andar, empurra o chão para
força? trás (ação) e a reação que o chão aplica na pessoa a empurra
Enquanto ocorre a interação, cada bola exerce uma força sobre para frente. Um avião, com suas hélices ou turbinas, empurra
a outra. Em um parque de diversões, ocorre a mesma coisa o ar para trás e este aplica uma força no avião, deslocando-
com os carrinhos “bate-bate”: cada carro exerce e recebe uma o para frente. Se um foguete lança uma massa de gás para
Mecânica – Aula 14 25

Figura 1.3: O carro aplica no caminhão uma força resultante


de mesma intensidade daquela que o caminhão aplica no carro.
Figura 1.5: Movimento de um foguete.
fora, exerce uma força sobre o gás (ação) e, simultaneamente,
recebe do gás uma força igual e oposta (reação). Desta forma,
podemos chamar a força do gás sobre o foguete de “ação”e a graves em motoristas e passageiros no caso de acidentes. Fisi-
do foguete sobre o gás de “reação”. camente, a função do cinto está relacionada com a:
a) 1a Lei de Newton;
b) Lei de Snell;
c) Lei de ampère;
d) Lei de Ohm;
e) 1a Lei de Kepler.
3. Um lutador de boxe atinge o adversário com um murro no
rosto.
a) Na interação luva-rosto, quem exerce maior força, a luva
sobre o rosto ou o rosto sobre a luva? Por quê?
b) Então por que a mão do pugilista que aplica o golpe não
sofre os mesmos “estragos”que o rosto do adversário?

Exercı́cios Complementares
Figura 1.4: O avião empurra o ar para trás e este aplica uma
força no avião que o empurra para frente. 4. Um automóvel bate contra um caminhão, exercendo nele
uma força de 20.000 N .
a) Qual o módulo da reação desta força, sabendo-se que a
massa do carro é dez vezes menor que a do caminhão?
Pense um Pouco! b) Quem exerce a reação?
c) Em que corpo está aplicada a reação?
• Se ação e reação possuem a mesma intensidade e sentidos
contrários, por que uma não anula o efeito da outra? 5. Dois blocos de massas mA = 3 kg e mB = 2 kg, apoiados
sobre uma superfı́cie horizontal perfeitamente lisa, são empur-
• É possı́vel se caminhar sobre um chão sem atrito? Expli-
rados por uma força F de 20 N , conforme indica a figura
que. abaixo. Determine a aceleração do conjunto.

Exercı́cios de Aplicação
F
A
1. (FAAP - SP) A 3a Lei de Newton é o princı́pio da ação B
e reação. Esse princı́pio descreve as forças que participam na
interação entre dois corpos. Podemos afirmar que:
a) duas forças iguais em módulo e de sentidos opostos são
forças de ação e reação; 6. De que modo você explica o movimento de um barco a
b) enquanto a ação está aplicada num dos corpos, a reação remo, utilizando a terceira lei de Newton?
está aplicada no outro;
7. Dois corpos A e B, de massas mA = 5 kg e mB = 10 kg
c) a ação é maior que a reação;
estão interligados por um fio ideal. A superfı́cie de apoio é
d) ação e reação estão aplicadas no mesmo corpo;
horizontal e perfeitamente lisa. Aplica-se em B uma força
e) a reação, em alguns casos, pode ser maior que a ação.
horizontal de 30 N . Determine:
2. (VUNESP - SP) As estatı́sticas indicam que o uso do cinto a) a aceleração do conjunto;
de segurança deve ser obrigatório para prevenir lesões mais b) a força de tração no fio.
26 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

8. (ITA - SP) No campeonato mundial de arco e flecha dois ocorre porque nos pontos de contato as moléculas de cada su-
concorrentes discutem sobre a fı́sica que está contida no arco perfı́cie estão tão próximas que passam a exercer forças inter-
do arqueiro. Surge então a seguinte dúvida: quando o arco moleculares entre si.
está esticado, no momento do lançamento da flecha, a força A força de atrito que se opõe a um corpo que rola é menor que
exercida sobre a corda pela mão do arqueiro é igual à: no movimento de deslizamento. O atrito pode ser reduzido
I) força exercida pela sua outra mão sobre a madeira do arco. com o polimento das superfı́cies em contato e com o uso de
II) tensão na corda. lubrificantes
III) força exercida sobre a flecha pela corda no momento em O atrito esta presente em quase todos os movimentos e ele pode
que o arqueiro larga a corda. ser útil ou nocivo. Se não existisse o atrito entre o sapato e o
Neste caso: solo, uma pessoa não poderia andar; o pé da pessoa empurra a
Terra para trás e a Terra empurra o pé da pessoa para frente
a) todas as afirmativas são verdadeiras. (ação e reação), quando ela anda.
b) todas as afirmativas são falsas.
Sem o atrito os veı́culos não poderiam iniciar o seu movimento,
c) somente I e III são verdadeiras.
pois, as rodas começariam a girar sem sair do lugar. O objetivo
d) somente I e II são verdadeiras.
das saliências em pneus é aumentar o atrito.
e) somente II é verdadeira.

Mecânica Aula 15

Força de Atrito
Ao lançarmos um corpo sobre uma superfı́cie horizontal, veri-
ficamos que o corpo acaba parando.

v
1 2

Isto significa que, enquanto o corpo se movimenta, ele adquire


uma aceleração cujo sentido é oposto ao do seu movimento.
Figura 1.1: Quando uma estrada de terra torna-se escorrega-
Há portanto uma força que se opõe ao deslocamento do bloco:
dia, colocam-se correntes nas rodas dos automóveis para au-
a força de atrito F~at .
mentar o atrito.
Sempre que a superfı́cie de um corpo escorrega sobre a de outro
corpo, um exerce sobre o outro (princı́pio da ação e reação)
uma força de atrito tangente às superfı́cies de contato. Tipos de Atrito
Deve-se notar que a força de atrito atuando sobre cada corpo
tem sentido oposto ao movimento do corpo em relação ao outro Existem dois tipos de atrito: o estático e o cinético (dinâmico).
corpo. Vamos estudar estes dois casos separadamente, pois existem
O atrito é provocado pela aspereza existente nas superfı́cies em diferenças importantes a serem ressaltadas.
contato. As superfı́cies tendem a se interpenetrarem quando
são esfregadas uma na outra e isto oferece resistência ao mo- Forças de Atrito Estático (FAE )
vimento relativo.
Apesar de parecer estranho, pode existir atrito entre su-
.
perfı́cies em repouso. Um exemplo comum é o de um au-
. . . .
. . . . . tomóvel estacionado em uma ladeira. Este só consegue per-
. .
. . . .
. manecer parado graças ao atrito entre os freios e as rodas. Em
. . . . .
.
. . . . .. .
situações como esta, dizemos que existe a chamada força de
. . .
. atrito estático (FAE ). A força de atrito estático é aquela que
atua enquanto não há deslizamento, e o seu módulo máximo é
dado por:
FAE ≤ µe · N
De Onde Vem o Atrito? Experimentalmente, podemos estabelecer as seguintes propri-
edades gerais para o atrito estático:
Uma das hipóteses mais aceitas para a existência do atrito
é que ele provém da coesão das moléculas situadas nas su- • a intensidade da força de atrito estático varia de zero até
perfı́cies que se acham em contato. Essa adesão superficial o valor máximo FAE ;
Mecânica – Aula 15 27

• o coeficiente de atrito estático (µe ) depende do estado de 3. A máxima aceleração de um carro depende de alguma
polimento e da natureza das duas superfı́cies em contato; força de atrito? Explique.
• a intensidade da força de atrito estático é independente
da área de contato entre as superfı́cies sólidas.
Exercı́cios de Aplicação
Forças de Atrito Cinético (FAC )
1. (UFES) O bloco da figura está em movimento em uma
Quando um carro é freado inesperadamente, é comum as rodas
do automóvel travarem e os pneus deslizarem no asfalto. Anti- superfı́cie horizontal em virtude da aplicação de uma força F~
gamente isso era ainda mais freqüente, mas hoje, nos veı́culos paralela à superfı́cie:
equipados com os chamados freios ABS, as rodas não travam
mais.
O ABS (Antiblocking System) é um avançado sistema de freios
desenvolvido para evitar o travamento das rodas nas freadas
bruscas em velocidade. Sensores fixados a cada uma das rodas F = 60,0 N
enviam sinais eletrônicos para um módulo de comando compu- m =2,0 kg
tadorizado que reduz, em frações de segundo, a pressão sobre
as rodas prestes a se travarem. Com as rodas desbloqueadas,
o carro permanece sob controle e tem menos possibilidade de
derrapar ou deslizar, até em pistas molhadas. Mas, qual a O coeficiente de atrito cinético entre o bloco e a superfı́cie é
diferença entre o carro escorregar ou não na pista? igual a 0, 2. A aceleração do objeto é:
Analise a figura a seguir; ela mostra o deslizamento entre duas (Dado g = 10 m/s2 .)
superfı́cies. a) 20, 0 m/s2 .
b) 28, 0 m/s2 .
c) 30, 0 m/s2 .
d) 32, 0 m/s2 .
Corpo e) 36, 0 m/s2 .

Chao 2. (UFMG) Um bloco é lançado no ponto A, sobre uma su-


perfı́cie horizontal com atrito, e desloca-se para C:

B
Figura 1.2: Corpo deslizando sobre superfı́cie áspera.
A C
As irregularidades microscópicas apresentadas pelas su-
perfı́cies fazem com que a movimentação do bloco sofra uma
resistência denominada força de atrito cinético. Obviamente,
quanto maior a aspereza das superfı́cies, maior a intensidade O diagrama que melhor representa as forças que atuam sobre
dessa força. Para medir a rugosidade das partes em contato o bloco quando esse bloco está passando pelo ponto B é:
criou-se o coeficiente de atrito cinético (µc ). Mesmo existindo
valores tabelados para uma grande quantidade de materiais, a) d)
é muito difı́cil conhecê-los com precisão, pois dependem das
condições das superfı́cies em contato. Não são apenas os mate-
riais das superfı́cies em contato que interferem no valor da força
de atrito cinético. A força normal entre os corpos também é de
fundamental importância. Quanto maior a força normal mais
b) e)
intensa a força de atrito cinético.
O módulo da força de atrito cinético é dado pela expressão:
FAC = µc · N

Na prática o coeficiente de atrito estático é sempre maior que


o coeficiente de atrito cinético. c)

Pense um Pouco!
1. Por que nos dias de chuva é mais difı́cil frear um carro?
3. (UEL-PR) No sistema representado a seguir, o corpo A,
2. Por que o gelo é muito deslizante e quase não apresenta de massa 3, 0 kg, está em movimento uniforme. A massa do
atrito? corpo B é de 10 kg. Adote g = 10 m/s2 .
28 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

B
F

Se F = 50 N , então a reação normal e a força de atrito que


O coeficiente de atrito dinâmico entre o corpo B e o plano atuam sobre o bloco valem, respectivamente:
sobre o qual se apóia vale: a) 20 N e 6, 0 N .
a) 0,15 b) 20 N e 10 N .
b) 0,30 c) 50 N e 20 N .
c) 0,50 d) 50 N e 25 N .
d) 0,60 e) 70 N e 35 N .
e) 0,70

Exercı́cios Complementares

4. (Fuvest-SP) As duas forças que agem sobre uma gota de


chuva, a força peso e a força devida à resistência do ar, têm
mesma direção e sentidos opostos. A partir da altura de 125 m
acima do solo, estando a gota com uma velocidade de 8 m/s,
essas duas forças passam a ter mesmo módulo. A gota atinge
o solo com a velocidade de:
a) 8 m/s
b) 35 m/s
c) 42 m/s
d) 50 m/s
e) 58 m/s

5. (Fuvest-SP) O sistema indicado na figura a seguir, onde


as polias são ideais, permanece em repouso graçás à força de
atrito entre o corpo de 10 kg e a superfı́cie de apoio.

10 kg

4 kg 6 kg

Podemos afirmar que o valor da força de atrito é:


a) 20 N
b) 10 N
c) 100 N
d) 60 N
e) 40 N

6. (UFMG) Na figura a seguir, está representado um bloco de


2, 0 kg sendo pressionado contra a parede por uma força F~ . O
coeficiente de atrito estático entre esses corpos vale 0, 5, e o
cinético vale 0, 3. Considere g = 10 m/s2 .
Gravitação – Aula 1 29

A Lei dos Perı́odos (1618)


Gravitação Aula 1 O quadrado do perı́odo orbital dos planetas é dire-
tamente proporcional ao cubo de sua distância média
ao Sol.

Esta lei estabelece que planetas com órbitas maiores se movem


As Leis de Kepler mais lentamente em torno do Sol e, portanto, isso implica que
a força entre o Sol e o planeta decresce com a distância ao Sol.
A Lei das Órbitas (1609) Sendo P o perı́odo orbital do planeta, a o semi-eixo maior da
órbita, que é igual à distância média do planeta ao Sol, e K
A órbita de cada planeta é uma elipse, com o Sol uma constante, Podemos expressar a 3a lei como:
em um dos focos. Como conseqüência da órbita ser
elı́ptica, a distância do Sol ao planeta varia ao longo P2
=K
de sua órbita. a3
Se medimos P em anos (o perı́odo orbital da Terra), e a em
Lembre-se, a elipse é uma linha plana, com focos no seu mesmo unidades astronômicas (1 u.a. = distância média da Terra ao
plano. Isso implica em que o movimento dos planetas ocorre Sol), então K = 1, e podemos escrever a 3a lei como:
sobre um plano bem definido, e cada planeta tem o seu plano
orbital diferente, e todos esses planos devem ter pelo menos P2
=1
um ponto em comum, o Sol. a3
e podemos concluir que, para os planetas internos (a < 1 u.a.)
o perı́odo orbital (ano) será menor do que o ano terrestre. E
Planeta
para os planetas exteriores (a > 1 u.a.), o perı́odo é maior do
que o terrestre.
Sol
Pense um Pouco!
f f’
• Se um novo planeta for descoberto a meia distância entre
o Sol e a Terra, qual o seu perı́odo orbital.
• Um satélite em órbita na Terra, passando pelo ponto mais
próximo da Terra, está mais rápido ou mais lento se com-
parado ao ponto em que está mais afastado da Terra?
Figura 1.1: 1a Lei de Kepler.

Exercı́cios de Aplicação
A Lei da Áreas (1609)
1. A tabela abaixo mostra como fica a 3a Lei de Kepler para
A reta unindo o planeta ao Sol varre áreas iguais os planetas visı́veis a olho nú. Complete os dados que estão
em tempos iguais. O significado fı́sico desta lei é que faltando.
a velocidade orbital não é uniforme, mas varia de Planeta a(u.a.) P (ano) a3 P2
forma regular: quanto mais distante o planeta está Mercúrio 0,387 0,241 0,058 0,058
do Sol, mais devagar ele se move. Dizendo de outra Vênus 0,723 0,615 0,378
maneira, esta lei estabelece que a velocidade areolar
Terra 1,000 1,000 1,000 1,000
(referente a área) é constante.
Marte 1,524 1,881 3,537
Júpiter 5,203 11,862 140,700
Saturno 9,534 29,456
v’ 2. Adotando o Sol como referencial, aponte a alternativa que
Planeta
condiz com a 1a lei de Kepler da Gravitação Universal (lei das
A’ órbitas):
Sol
a) As órbitas planetárias são curvas quaisquer, desde que fe-
chadas;
A f b) As órbitas planetárias são espiraladas;
c) As órbitas planetárias não podem ser circulares;
d) As órbitas planetárias são elı́pticas, com o Sol ocupando o
v centro da elipse;
e) As órbitas planetárias são elı́pticas, com o Sol ocupando
um dos focos da elipse.
Figura 1.2: 2a Lei de Kepler. 3. A 2a lei de Kepler (Lei das Áreas) permite concluir que um
planeta possui:
30 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

a) maior velocidade quando se encontra mais longe do Sol; fenômeno, como a queda de um corpo próximo à superfı́cie
b) maior velocidade quando se encontra mais perto do Sol; da Terra, até, o mais complexo, como as forças trocadas entre
c) menor velocidade quando se encontra mais perto do Sol; corpos celestes, traduzindo com fidelidade suas órbitas e os di-
d) velocidade constante em toda sua trajetória; ferentes movimentos. Segundo a lenda, Newton, ao observar
e) n.r.a. a queda de uma maça, concebeu a idéia que ela seria causada
pela atração exercida pela terra. A natureza desta força atra-
4. Assinale a alternativa que está em desacordo com as Leis tiva é a mesma que deve existir entre a Terra e a Lua ou entre
de Kepler da Gravitação Universal: o Sol e os planetas; portanto, a atração entre as massas é, com
a) O quociente do cubo do raio médio da órbita pelo quadrado certeza, um fenômeno universal.
do perı́odo de revolução é constante para qualquer planeta de
um dado sistema solar;
b) quadruplicando-se o raio médio da órbita de um satélite em Uma Força Elementar
torno da Terra, seu perı́odo de revolução fica 8 vezes maior;
Sejam duas partı́culas de massas m1 e m2 , separadas por
c) Quanto mais próximo de uma estrela (menor raio médio
uma distância r. Segundo Newton, a intensidade da força F
da órbita) gravita um planeta, menor é o seu perı́odo de re-
de atração entre as massas é dada por
volução;
d) Satélites diferentes gravitando em torno da Terra, na mesma m1 m2
F =G 2
órbita têm perı́odos de revolução iguais; r
e) Devido à sua maior distância do Sol (maior raio médio da
onde G é uma constante, a constante da gravitação universal,
órbita) o ano de Plutão tem duração menor que o da Terra.
sendo seu valor expresso, no Sistema Internacional, por

G = 6, 67 × 10−11 N · m2 /kg 2
Exercı́cios Complementares

5. Com relação às leis de Kepler, podemos afirmar que:


a) Não se aplicam ao estudo da gravitação da Lua em torno F21
da Terra; m2
b) só se aplicam ao nosso Sistema Solar; F12
c) aplicam-se à gravitação de quaisquer corpos em torno de
uma grande massa central; m1
d) contrariam a mecânica de Newton;
e) não prevêem a possibilidade da existência de órbitas circu-
lares.
Figura 1.1: Duas partı́culas se massas m1 e m2 sempre se
6. Considere dois satélites de massas ma e mb , sendo ma = atraem mutuamente, dando origem a um par de forças F12 e
2mb , descrevendo a mesma órbita em torno da Terra. Com F21 .
relação à velocidade dos dois teremos:
a) va > vb As forças F12 e F21 é a da reta que une as partı́culas, e o
b) va < vb sentido tal que as massas sempre se atraem mutuamente, com
c) va = vb mesma intensidade de força, ou seja
d) va = vb /2
e) n.r.a F12 = F21

7. Um planeta descreve uma órbita elı́ptica em torno do Sol. Podemos, ainda, enunciar a lei da gravitação universal do se-
O ponto A é o ponto da órbita mais próximo do Sol; o ponto guinte modo:
B é o ponto mais distante. No ponto A:
a) a velocidade de rotação do planeta é máxima; Dois corpos se atraem gravitacionalmente com força
b) a velocidade de translação do planeta se anula; cuja intensidade é diretamente proporcional ao pro-
c) a velocidade de translação do planeta é máxima; duto de suas massas e inversamente proporcional ao
d) a força gravitacional sobre o planeta se anula; quadrado da distância entre seus centros de massa.
e) n.r.a
Após a formulação da lei da Gravitação, com o desenvolvi-
mento do cálculo integral, Newton também mostrou que a
força gravitacional entre esferas homogêneas também segue
Gravitação Aula 2 a mesma forma estabelecida para as partı́culas. E também vale
a mesma força para uma partı́cula e uma esfera homogênea.
Esse resultado foi tão surpreendente para o próprio Newton,
que inicialmente nem ele acreditou no que havia provado ma-
tematicamente!
Gravitação Universal Aplicando-se a lei de gravitação para um corpo de massa m
na superfı́cie da Terra, temos então
A lei da gravitação universal, proposta por Newton, foi
um dos maiores trabalhos desenvolvidos sobre a interação en- MT m GMT
tre massas, pois é capaz de explicar desde o mais simples F =G 2 = m = mg = P
RT RT2
Gravitação – Aula 3 31

onde RT e MT são o raio e a massa da Terra, respectivamente, c) 40 kg e 400 N


e à força obtida chamamos peso. d) 20 kg e 200 N
Medidas atuais mostram que MT = 5, 98 × 1024 kg e RT = e) 10 kg e 100 N
6, 37 × 106 m. A constante g que aparece acima é justamente a
aceleração da gravidade na superfı́cie da Terra. Experimente 4. Um corpo é colocado na superfı́cie terrestre é atraı́do por
calcular g com os dados fornecidos! esta com uma força F . O mesmo corpo colocado na superfı́cie
de um planeta de mesma massa da Terra e raio duas vezes
menor será atraı́do pelo planeta com uma força cujo módulo
OBSERVAÇÕES é:
1. A força gravitacional é sempre de atração; a) 4F
b) 2F
2. A força gravitacional não depende do meio onde os corpos c) F
se encontram imersos; d) F/2
e) F/4
3. A constante da gravitação universal G teve seu valor de-
terminado experimentalmente por Henry Cavendish, em
1798, por meio de um instrumento denominado balança
de torção e esferas de chumbo. Exercı́cios Complementares

Pense um Pouco! 5. Se a massa da Terra não se alterasse, mas o seu raio fosse
reduzido à metade, o nosso peso seria:
• Qual a direção e o sentido da força de atração gravitacio- a) reduzido à quarta parte
nal exercida pela Terra sobre os corpos que estão próximos b) reduzido à metade
à superfı́cie? c) o mesmo
d) dobrado
• A aceleração da gravidade na Lua é 6 vezes menor do que e) quadruplicado
a aceleração da gravidade próxima à superfı́cie da Terra.
O que acontece com o peso e a massa de um astronauta 6. Um corpo de massa m gira em torno da Terra, em órbita
na Lua? circular, com velocidade escalar constante v. Sendo G a cons-
tante gravitacional e M a massa da Terra, o raio da trajetória
• O valor da aceleração da gravidade é relevante para os descrita pelo corpo será:
esportes? a) G/M v 2
b) G/mv 2
c) Gm/v 2
Exercı́cios de Aplicação d) GM/v 2
e) GM m/v 2
1. Duas partı́culas de massas respectivamente iguais a M e m
estão no vácuo, separadas por uma distância d. A respeito das 7. Sabe-se que no interior de uma nave em órbita circular em
forças de interação gravitacional entre as partı́culas, podemos torno da Terra um astronauta pode flutuar, como se não ti-
afirmar que: vesse peso. Esse fato ocorre porque:
a) têm intensidades inversamente proporcional a d; a) a nave está fora do campo gravitacional da Terra;
b) têm intensidades diretamente proporcional ao produto b) há ausência de atmosfera;
Mm; c) a atração exercida pela Lua é maior do que a atração exer-
c) não constituem entre si um par ação e reação; cida pela Terra;
d) podem ser atrativas ou repulsivas; d) ambos, astronauta e nave, estão em queda livre no seu mo-
e) teriam intensidade maior se o meio fosse o ar. vimento circular;
e) há uma redução na massa dos corpos.
2. A razão entre os diâmetros dos planetas Marte e Terra é
1/2 e entre as respectivas massas é 1/10. Sendo de 160 N o
peso de um garoto na Terra, pode-se concluir que seu peso em
Marte será de: Gravitação Aula 3
a) 160 N
b) 80 N
c) 60 N
d) 32 N
e) 64 N
Peso
3. Uma menina pesa 400 N na superfı́cie da Terra, onde se
adota g = 10m/s2 . Se a menina fosse transportada até uma O peso de um corpo é a força de atração exercida pela terra
altura igual ao raio da Terra (6.400 km), sua massa e seu peso sobre ele. Um paraquedista, por exemplo, cai por que é atraı́do
seriam, respectivamente: pela Terra.
a) 40 kg e 100 N Consideremos um corpo de massa m caindo em queda livre
b) 40 kg e 200 N perto da superfı́cie da Terra.
32 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Figura 1.2: Júpiter e alguns de seus satélites naturais.

Unidades SI
Figura 1.1: Paraquedista.
A unidade de peso no Sistema Internacional (SI) é o new-
ton ou N . Outra unidade, muito utilizada na indústria, é o
quilograma-força ou kgf .
Peso e Massa
1 kgf é o peso de um corpo de 1 kg de massa
Se o corpo cai em queda livre ele possui aceleração ~a igual à num local em que a aceleração da gravidade é
da gravidade ~g . Desta forma, podemos usar o princı́pio fun-
igual a 9, 8 m/s2 .
damental da Dinâmica (2a Lei de Newton) para obter a força
que age sobre esse corpo. Esta força é chamada de força peso Podemos relacionar newton e quilograma-força:
P~ e é dada por:
P = mg → 1 kgf = 1kg · 9, 8 m/s2
~
P = m~g
1 kgf = 9, 8 kg · m/s2
Essa expressão mostra que o peso do corpo é diretamente pro-
1 kgf = 9, 8 N
porcional à sua massa: quanto maior a massa, maior o peso.
Entretanto massa e peso são conceitos inteiramente diferentes.
Massa é uma propriedade intrı́nseca do corpo, isto é, depende
apenas do próprio corpo, enquanto peso é a força de atração
Pense um Pouco!
gravitacional que atua sobre ele, variando de acordo com o va-
• Por que na Lua os astronautas conseguem dar saltos mais
lor da aceleração da gravidade. Por isso o peso do corpo pode
altos do que na Terra?
variar. A massa, no entanto, é sempre a mesma em qualquer
lugar do universo.
• Quando alguém diz que “pesa”75 kg o que isso quer dizer?

• Quando uma pessoa salta em queda-livre o que acontece


Peso e Gravitação com o seu peso?

O peso de um corpo é uma grandeza vetorial que tem direção


vertical e sentido para o centro da Terra. Exercı́cios de Aplicação
A força peso é uma força que atua à distância. Por isso, di-
zemos que em torno da Terra há uma região chamada campo
1. Na superfı́cie da Terra a aceleração da gravidade vale
gravitacional, na qual todos os corpos sofrem sua influência.
9, 8 m/s2 e, na superfı́cie da Lua, 1, 6 m/s2 . Para um corpo
Estando sob a ação deste campo, os corpos são atraı́dos por de massa igual a 4 kg, calcule:
essa força peso e sofrem variações de velocidade, uma vez que a) o peso na superfı́cie da Terra.
adquirem aceleração. b) o peso na superfı́cie da Lua.
Como a aceleração da gravidade num ponto é inversamente
proporcional ao quadrado da distância desse ponto ao centro 2. Peso e massa são a mesma coisa? quando você sobe numa
da Terra, e como os pontos de sua superfı́cie não estão à mesma balança de uma farmácia e permanece em repouso sobre ela,
distância ao centro da terra, concluı́mos que no topo de uma por exemplo, você esta medindo sua massa ou seu peso?
montanha um corpo pesará menos do que ao nı́vel do mar. É
importante lembrar que existem variações que vão desde 393 m
abaixo do nı́vel do mar (Mar morto), a 8.848 m acima do nı́vel Exercı́cios Complementares
do mar (Monte Everest).
Como a Terra é achatada nos pólos, um homem pesará mais 3. (MACK - SP) Uma das observações cientı́ficas mais in-
no Pólo Norte que no Equador. teressantes, noticiada pelas emissoras de TV, foi a do astro-
Em torno de qualquer planeta ou satélite existe um campo nauta russo que, a bordo da estação espacial MIR, borrifou
gravitacional. Assim, podemos falar em peso de um corpo em leite lı́quido contido numa embalagem tradicional e, este, sob
Júpiter, Saturno ou Marte, por exemplo. a falta de gravidade, adentrou a boca do cientista como uma
Gravitação – Aula 4 33

“bola flutuante”. Considerando totalmente desprezı́vel a gra- para uma altitude onde a aceleração da gravidade vale G,
vidade no local dessa experiência, duas “bolas”de leite de mas- pergunta-se:
sas respectivamente iguais a m e 2m terão seus pesos: a) o peso do quilograma padrão vai se modificar?
a) iguais a zero b) havendo modificação, qual o seu novo peso?
b) na proporção PA /PB = 1/3 c) qual será a massa do corpo no novo local?
c) na proporção PA /PB = 1/2
d) na proporção PA /PB = 2 7. A aceleração da gravidade na superfı́cie de Júpiter é de
e) na proporção PA /PB = 3 30 m/s2 . Qual a massa de um corpo que na superfı́cie de
Júpiter pesa 120 N ?.
4. (UFSM - RS) Uma força F de módulo igual a 20 N é
aplicada, verticalmente, sobre um corpo de 10 kg em repouso
sobre uma superfı́cie horizontal. O módulo (em N ) da força
normal sobre o corpo, considerando o módulo da aceleração Gravitação Aula 4
gravitacional como 10 m/s2 é:
a) 120
b) 100
c) 90
d) 80 Centro de Gravidade
e) 0
Os corpos materiais podem ser considerados como um sistema
5. Durante uma brincadeira, Bárbara arremessa uma bola de de partı́culas, cada uma das quais atraı́da pela Terra com uma
vôlei verticalmente para cima, como mostrado nesta figura: força igual ao peso da partı́cula.

P1 P2
P4 G
P3

A resultante de todas essas forças parciais é o peso total do


corpo. Seja G o ponto no qual podemos considerar aplicado
todo o peso do corpo. O ponto G é denominado centro de
gravidade do corpo. Resumindo, temos:

centro de gravidade de um corpo é o ponto de


aplicação da força peso

A terra atrai o corpo como se toda sua massa estivesse locali-


zada no centro de gravidade.
Para corpos homogêneos, isto é, de massa uniformemente dis-
tribuı́da, que admitem um eixo de simetria, seus centros de
Assinale a alternativa cujo diagrama melhor representa a(s) gravidade estão sobre esse eixo.
força(s) que atua(m) na bola no ponto mais alto de sua tra-
jetória.
G
G G
a) b) P P
P

Se o corpo tiver forma irregular e não for homogêneo, utiliza-se


a regra prática explicada abaixo.
Em um suporte, pendura-se o objeto por um ponto qualquer
e, quando ele estiver em repouso, traça-se um vertical sobre
c) d) o ponto em que ele está suspenso. Como o objeto está em
equilı́brio, seu peso e a força exercida sobre ele pelo suporte
Nenhuma força atua sobre
que o sustenta têm mesmo módulo, mesma direção e sentidos
a bola neste ponto
opostos. Logo, a direção da reta que contém o centro de gra-
vidade é essa vertical. Agora pendura-se o objeto por outro
6. (Vunesp-SP) Se o quilograma padrão for transportado de ponto e traça-se uma nova vertical; a intersecção dessa vertical
Paris, onde a aceleração da gravidade vale g (valor normal), com a anterior determina o centro de gravidade (CG).
34 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Para que um ponto material esteja em


equilı́brio é necessário e suficiente que a re-
sultante de todas as forças que nele agem seja
nula.
T T
CG CG
P
Momento de uma Força
P
Considere uma pessoas tentando girar uma porca com uma
chave.

Antes de prosseguirmos, vale apena relembrar a definição de


ponto material e corpo extenso.
Imagine um carro de 3, 00 m de comprimento viajando de Join-
ville à Blumenau. O comprimento do carro é muito pequeno
se comparado com a distância Jvlle - Bnu, ≃ 90 km, e suas
dimensões, então, não precisarão ser consideradas ao analisar-
mos o seu movimento. Em situações como essa, nas quais o Utilizando forças de mesmo valor, será mais fácil girar a porca
objeto apresenta dimensões consideradas desprezı́veis, diante em torno de seu centro O se a força aplicada no ponto A, ao
do fenômeno observado, podemos considerá-lo como um ponto invés de ser aplicada no ponto B. Quanto maior for a distância
material. do ponto de aplicação da força até o centro O da porca, maior
No caso do movimento de um ônibus, de 20 m de comprimento, vai ser a facilidade de girarmos a porca usando a chave.
deslocando-se entre duas paradas (pontos) distantes entre si O mesmo ocorre quando tentamos fechar uma porta. Se exer-
500 m, por exemplo, é necessário que levemos em conta as suas cemos a força em A a facilidade é maior do que se exercermos
dimensões ao analisarmos alguns aspectos do seu movimento. a força em B.
E ele estará se comportando como um corpo extenso.

Equilı́brio de um Ponto Material


Um ponto material pode estar em equilı́brio estático ou
dinâmico. No equilı́brio estático, o ponto material está em
repouso (~v = 0). No equilı́brio dinâmico o ponto material está
em movimento retilı́neo uniforme (~v = constante 6= 0).

Consideramos que o eixo de rotação é o que contém as do-


bradiças.
Analisando os casos anteriores, notamos que há uma relação
entre a força aplicada e a distância do ponto de aplicação dessa
força até o eixo de rotação.
A grandeza fı́sica que relaciona essas duas grandezas é cha-
mada momento de uma força ou torque.

O momento de uma força é a capacidade dessa


força em fazer girar um objeto.

Para definirmos a grandeza momento, consideremos uma força


F~ e um ponto O, chamado pólo.

Figura 1.1: Situação de equilı́brio.


O
Analisando os dois tipos de equilı́brio, notas uma semelhança:
em ambos a aceleração é nula (~a = 0). Utilizando a Segunda
Lei de Newton, temos
F
F~R = m · ~a
F~R = m·0
O momento da força F~ em relação ao ponto O é dado por:
F~R = 0
~ F,O = F~ d
M
Assim, concluı́mos que
Gravitação – Aula 4 35

Unidade SI

A unidade de momento não tem nome especı́fico. Ela é dada τ


pelo produto da unidade da força, em newtons, pela unidade
de distância, em metro. Portanto a unidade de momento é
newton · metro, ou N · m.
Observação
Sabemos que o produto N · m é chamado de joule J. En-
tretanto, o joule não é uma unidade utilizada para medir o
momento de uma força, porque momento é uma grandeza de
natureza diferente de trabalho e energia.

eixo
Direção e Sentido de
rotaçao
O momento ou torque de uma força é uma grandeza vetorial.
A partir do sentido de rotação (horário ou anti-horário) que
uma ou mais forças tendem a produzir, podemos determinar
Figura 1.2: Regra da mão direita: o vetor indica o sentido do
a direção e o sentido do torque. Por exemplo, um saca-rolhas,
momento. A direção é sempre paralela ao eixo de rotação do
ao girar, produz efeitos contrários: no sentido horário, entra
objeto.
na rolha (avança verticalmente para baixo); no sentido anti-
horário, sai dela (retorna verticalmente para cima). O sentido
do deslocamento do saca-rolhas coincide com o sentido do vetor
momento (M ~ F,O ), e sua direção está sempre paralela ao eixo
de rotação.

Outra maneira prática de determinar a direção e o sentido do Exercı́cios de Aplicação


vetor torque é utilizar a regra da mão direita. Os quatro
dedos dessa mão devem acompanhar o sentido da rotação do
objeto. O polegar indicará a direção e o sentido do vetor mo- 1. Uma luminária cujo peso é 100 N está suspensa por duas
mento. cordas, AC e BC, conforme indica a figura. Determine a força
de tração em cada corda.
O momento pode ser positivo ou negativo. Adotamos a se-
guinte conversão:
rotação no sentido anti-horário → momento positivo o
rotação no sentido horário → momento negativo A 60 o 30 B

Equilı́brio de um Corpo Extenso


C
As condições necessárias e suficientes para que um corpo se
mantenha em equilı́brio são:

1. A resultante de todas as forças que nele


agem seja nula.
2. A soma algébrica dos momentos de todas
as forças que nele atuam, em relação ao
mesmo ponto, seja nula. 2. (UFCO) Um bloco A de 10 kg de massa encontra-se em
repouso sobre um plano horizontal liso, conforme mostra a
figura. Considerando as polias e os fios ideais e tomando g =
Pense um Pouco! 10 m/s2 :
a) mostre em um diagrama todas as forças que agem no bloco
Como você explicaria a situação abaixo? A.
36 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

b) sabendo que a massa do bloco C que equilibra o sistema é


2 kg, calcule, neste caso, a massa do bloco B.

B 6. A barra AB da figura tem peso desprezı́vel. Sabendo que


o F1 = F2 = F3 = F4 = 6 N , calcule o momento resultante
60 dessas forças em relação aos pontos:
A a) A
b) B
c) C

Exercı́cios Complementares

3. (Vest. RJ) Um menino, de massa igual a 40 kg, está sobre


uma tábua de 2, 00 m de comprimento, a 0, 500 m do apoio A,
conforme indica a figura.
Desprezando os pesos da tábua e da vara de pescar e conside-
rando g = 10 m/s2 , determine a intensidade das reações nos
apoios A e B.

4. (UFMT) A barra xy é homogênea, de 100 kg de massa, e


está apoiada em suas extremidades, suportando as massas de
50 kg e 150 kg, como na figura. calcule as reações dos apoios.
(considere a barra horizontal e g = 10 m/s2 ).

3,0 m

0,5 m 0,5 m

50 kg 150 kg

5. Calcule o momento de cada uma das forças indicadas na


figura, em relação ao ponto O. Dados: F1 = 20 N , F2 = 30 N
e F3 = 40 N
Ótica – Aula 1 37

N
Ótica Aula 1 raio incidente θ
i raio refletido
θ
r

Ótica
superfície refletora
A Luz plana
O estudo de luz e cor deve ser iniciado pela Fı́sica elementar,
uma vez que a luz é uma onda eletromagnética.
Desta forma, pode-se então exemplificar as ondas ele-
Figura 1.1: Reflexão Planar.
tromagnéticas de maior importância nas pesquisas e nas
aplicações práticas, em função do comprimento de onda (pro-
priedade que fornece uma das principais caracterı́sticas da Espelho Plano
onda): Raios-X (faixa de 0, 1 a 1 nm, ondas ultra-violetas
(faixa de 1 até 400 mm), o espectro de luz visı́vel (faixa de Espelho plano é a superfı́cie plana polida onde ocorre predo-
400 até 700 nm), ondas infra-vermelhas (faixa de 700 nm até minantemente a reflexão da luz.
1 mm) e faixas de radiofreqüência que variam de 20 cm até
105 m.
Formação de Imagens nos Espelhos Planos
Todas as ondas eletromagnéticas se propagam no vácuo com a
mesma velocidade c com o valor de 3, 0 × 108 m/s (velocidade Observemos um ponto objeto luminoso O diante de um espelho
da luz). plano enviando luz em todas as direções, conforme indica a
figura.
Reflexão da Luz
espelho plano
Quando a luz atinge uma superfı́cie separadora S de dois meios
de propagação (A e B), ela sofrerá reflexão se retornar ao meio
no qual estava se propagando.
A quantidade de luz refletida depende do material que é feita
eixo otico
a superfı́cie S, do seu polimento entre outros fatores. objeto imagem
real virtual

Tipos de Reflexão

Consideramos raios paralelos de luz incidente sobre uma su-


o i
perfı́cie. Ocorrerá reflexão especular ou regular se os raios
refletidos forem também paralelos entre si. Em caso contrário,
a reflexão é chamada difusa ou irregular.
A reflexão regular será predominante quando a superfı́cie re- Figura 1.2: Formação de imagens em um espelho plano.
fletora for plana e bem polida como, por exemplo, um espelho.
A reflexão difusa ocorre em superfı́cies irregulares e porosas. Repare que a parte de trás do espelho (à direita neste exemplo)
É a difusão (ou espalhamento) da luz, pelo próprio ar, pela é marcada pelas hachuras. A imagem encontrada é fruto do
poeira, pelas paredes e outros corpos, que torna o ambiente prolongamento dos raios refletidos, isso caracteriza uma ima-
iluminado. gem virtual.

Leis da Reflexão Propriedades dos Espelhos Planos

1a Lei: O raio de luz incidente, o raio de luz refletido e a reta 1. Se chamarmos de x à distância do objeto ao espelho, a
normal à superfı́cie pelo ponto de incidência da luz estão num distância entre o espelho e a imagem será também x. Isto
mesmo plano (coplanares). significa que o objeto e a imagem são simétricos em relação
ao espelho.
Temos:
RI = Raio Incidente; 2. As imagens formadas num espelho plano são enantio-
RR = Raio Refletido; morfas, ou seja, existe uma inversão ”direita para a es-
N = Reta Normal; querda”, mas não de ”baixo para cima”. Assim a imagem
i = ângulo de incidência; especular da mão esquerda é a mão direita, mas a imagem
r = ângulo de reflexão. dos pés não está na cabeça.

2a Lei: O ângulo de incidência é igual ao ângulo de reflexão. 3. Ainda pelas figuras anteriores, percebe-se que um objeto
localizado na frente do espelho (real) nos fornece uma ima-
i=r gem que nos dá a impressão de estar situada atrás do espe-
38 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

lho (virtual). Logo, o objeto e a imagem são de naturezas Exercı́cios Complementares


opostas.
4. Considere um raio luminoso incidindo num espelho plano.
4. Finalmente, podemos notar que o objeto e a imagem pos-
Determine o ângulo formado entre o raio incidente e o espelho,
suem o mesmo tamanho, e, em caso de movimento relativo
sabendo que o ângulo formado entre o raio incidente e o raio
ao espelho, possuirão iguais velocidades.
refletido é igual a 700 .

5. Um rapaz está sentado na cadeira de uma barbearia de


Campo Visual frente para um espelho plano, tendo atrás de si o barbeiro em
Campo Visual de um espelho plano é a região do espaço que pé. A distância entre o rapaz e o espelho é D e entre o rapaz e
pode ser vista por um observador através de um espelho. o barbeiro é d. Qual é a distância x (horizontal) entre o rapaz
Para determinarmos o campo visual, basta tomar o ponto O′ , e a imagem do barbeiro ?
simétrico de O, e uni-lo às extremidades do espelho plano E. 6. Daniela, uma linda menininha de oito anos, ficou comple-
Veja a figura. [fig:ot013] tamente desconcertada quando, ao chegar em frente do espe-
lho de seu armário, vestindo uma blusa onde havia seu nome
O O’ escrito, viu a imagem de seu nome refletida, desenhe essa ima-
gem?

Ótica Aula 2
campo visual

Espelhos Esféricos
Os espelhos esféricos são superfı́cies refletoras que tem forma
de uma calota esférica.

Figura 1.3:
Calota Esferica

Pense um Pouco!
1. Por que não enxergamos no escuro?
V
2. Para que serve o espelho retrovisor dos carros? C
3. Por que as ambulâncias geralmente trazem escrito na
frente ?

Exercı́cios de Aplicação
Figura 1.1: Calota esférica.
1. A estrela Vega está situada a cerca de 26 anos-luz (ano luz é
a distância que a luz percorre em 1 ano) da Terra. Determine Temos dois tipos de espelho esférico:
a ordem de grandeza da distância de Vega até a Terra, em Côncavo: a superfı́cie refletora é interna.
metros. Convexo: a superfı́cie refletora é externa.
2. Um observador nota que um edifı́cio projeta no solo uma
sombra de 30 m de comprimento, no instante em que um muro Esquematicamente:
de 1, 5 m de altura projeta uma sombra de 50 cm. Determine Temos:
a altura do edifı́cio. R = Raio de Curvatura;
F = Foco do Espelho (ponto médio do eixo principal no trecho
3. Um feixe de luz, partindo de uma fonte puntiforme, incide entre o Vértice e o Centro);
sobre um disco de 10 cm de diâmetro. Sabendo que a distância C = Centro;
da fonte ao disco é 1/3 da distância deste ao anteparo e que os V = Vértice;
planos da fonte, do disco e do anteparo são paralelos, determine A = reta que passa por C e V é o eixo óptico principal.
o raio da sombra projetada sobre o anteparo.
Ótica – Aula 2 39

Côncavo Convexo
N θi
θr

C F V eixo ótico V F C
eixo ótico
C F θr V V F C
N
θi
(a) (b)

Figura 1.4: Raio notável incidindo paralelo ao eixo principal


de um espelho esféricos côncavo (a) e convexo (b).
Figura 1.2: Espelhos côncavo (à esquerda) e Convexo (direita).

Condições de Nitidez de Gauss


• Os raios de luz devem ser pouco inclinados em relação ao
C F V eixo ótico V F C
eixo óptico principal;
• os raios de luz devem incidir próximos ao vértice do espe-
lho; (a) (b)
A partir de agora estaremos, apenas considerando os espe-
lhos esféricos de Gauss, ou seja, espelhos que satisfazem as Figura 1.5: Raio notável passando pelo foco F de um espelho
condições de Gauss. esféricos côncavo (a) e convexo (b).

Raios Notáveis de Luz


a notação i e O significando, respectivamente, a medida da
Os Raios Notáveis não são os únicos que ocorrem num sistema imagem e do objeto.
óptico, mas como o próprio nome diz, eles se destacam
dos outros pela facilidade de traçá-los. Nosso objetivo será
desenhar pelo menos dois deles em cada situação. Vejamos Espelho Côncavo
quais são estes raios:
(1) Objeto situado antes do centro de curvatura C:
1. Todo raio que incide numa direção que passa pelo
centro de curvatura, reflete-se sobre si mesmo.

C F V eixo ótico V F C
C F V eixo ótico

(a) (b)

Figura 1.3: Raio notável passando pelo centro de curvatura C


de um espelho esféricos côncavo (a) e convexo (b).
Figura 1.6: Objeto antes do centro de curvatura C.
2. Todo raio que incide paralelamente ao eixo principal
reflete-se numa direção que passa pelo foco principal
Imagem: Real, Invertida e Menor.
do espelho.
3. Todo raio que incide numa direção que passa pelo
(2) Objeto situado sobre o centro de curvatura C:
foco reflete-se paralelamente ao eixo principal.

Imagem: Real, Invertida e Igual.


Importante
(3) Objeto situado entre o centro de curvatura C e o foco F :
• O foco F do espelho côncavo é Real; Imagem: Real, Invertida e Maior.
• O foco F do espelho convexo é virtual.
(4) Objeto situado sobre o foco F :
Imagem: Imprópria.
Formação de Imagens
(5) Objeto situado entre o foco F e o vértice:
Para formarmos imagens, basta traçarmos dois raios quaisquer
de luz entre os notáveis que acabamos de aprender. Usaremos Imagem:Virtual, Direita e Maior.
40 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

C F V eixo ótico
C F V eixo ótico

Figura 1.9: Objeto sobre o foco F .


Figura 1.7: Objeto sobre o centro de curvatura C.

C F V eixo ótico

C F V eixo ótico

Figura 1.8: Objeto entre o centro de curvatura C e o foco F .

Figura 1.10: Objeto entre o foco F e o Vértice.


Espelho Convexo

Neste caso temos apenas um caso:


Aumento Linear Transversal
Imagem:Virtual, Direita e Menor.
Por definição, o aumento linear transversal A é a razão entre
Observação a altura da imagem i e a altura do objeto o.
O espelho convexo é usado como espelho retrovisor de i P′
motocicletas e em portas de garagens devido ao maior campo A= =
O P
visual que oferece.
Convenção de Sinais
Conclusões:
Objeto Real p > 0 Virtual p < 0

• Uma imagem real está localizada na frente do espelho e Imagem Real p > 0 Virtual p′ < 0
poderá ser projetada sobre um anteparo (uma tela) colo- Espelho Cônc. R > 0 e f > 0 Conv. R < 0 e f < 0
cada na posição em que ela se forma, pois é constituı́da h∗ Direita i > 0 Invertida i < 0
pela intersecção dos próprios raios de luz; (*) Altura da imagem para o > 0.
• Uma imagem virtual está localizada atrás do espelho e,
embora possa ser visualizada, não é constituı́da por luz e, Pense um Pouco!
sim pelos prolongamentos dos raios.
1. Numa esfera espelhada nos vemos maiores ou menores do
Determinação Analı́tica da Imagem que somos? Por quê?

Agora procuraremos expressar de forma matemática algumas 2. Cite exemplos de objetos do dia-a-dia que são espelhos
expressões que nos permita determinar a posição e o tamanho esféricos.
da imagem. 3. Por que os caminhões e ônibus usam um pequeno espelho
Equação Conjugada de Gauss convexo colado no canto do retrovisor plano?
1 1 1
= + ′
f p p Exercı́cios de Aplicação
Temos que a distância focal f é dada por:
R
1. Um objeto real de altura 5 cm está a 3 m diante de um
f= 2 espelho esférico côncavo, de distância focal 1 m.
Ótica – Aula 3 41

Refração da Luz
A velocidade de uma dada luz monocromática assume valores
diferentes em diferentes meios de propagação tais como: vácuo,
ar, água, vidro, etc.
A luz sofre refração quando passa de um meio para outro, mo-
eixo ótico dificando sua velocidade. Em geral, a refração é acompanhada
V F C por um desvio na trajetória da luz, conseqüência da mudança
de velocidade. O único caso de refração no qual a luz não so-
fre desvio é quando incide perpendicularmente à superfı́cie de
separação dos meios S.

N
Figura 1.11: Espelho convexo.

a) Determine, graficamente, as caracterı́sticas da imagem.


b) Determine, analiticamente, a posição e o tamanho da ima- meio A
gem. S
meio B
2. Diante de um espelho esférico convexo, de raio de curvatura
de 60 cm, é colocado, perpendicularmente ao eixo principal do
mesmo, um objeto de 2 cm de altura. O objeto dista 40 cm
do espelho. Determine:
a) a posição da imagem;
b) o tamanho da imagem.

3. Mediante a utilização de um espelho esférico côncavo, de


distância focal 20 cm, quer se projetar sobre um anteparo uma Figura 1.1: Refração da luz, com desvio de sua trajetória.
imagem três vezes maior que o objeto. Determine:
a) a posição do objeto;
b) a posição da imagem.

Exercı́cios Complementares

4. Um espelho esférico fornece, de um objeto real, uma ima- meio A


gem virtual e duas vezes menor do que o objeto. Sabendo que
a distância do objeto ao espelho é de 60 cm, determine:
S
meio B
a) a posição da imagem;
b) a distância focal do espelho.

5. Deseja-se obter a imagem de uma lâmpada, ampliada 5


vezes, sobre uma parede situada a 12 cm de distância. Quais
as caracterı́sticas e a posição do espelho esférico que se pode
utilizar ? Ele deverá ser:
a) convexo, com 5 cm de raio, a 3 cm da lâmpada;
b) côncavo, com 5 cm de raio, a 3 cm da lâmpada; Figura 1.2: Raio entrando perpendicular a superfı́cie S, sem
c) convexo, com 24 cm de raio, a 2 cm da lâmpada; desvio de sua trajetória.
d) côncavo, com 6 cm de raio, a 4 cm da lâmpada;
e) convexo, com 6 cm de raio, a 4 cm da lâmpada;

6. Mediante a utilização de um espelho esférico côncavo, de Dioptro Plano


distância focal 30 cm, quer se projetar sobre um anteparo uma Os dois meios de propagação, A e B, e a superfı́cie de separação
imagem seis vezes maior que o objeto. Determine:
S constituem o que chamamos de DIOPTRO.
a) a posição do objeto;
Nos dioptros reais, o fenômeno da refração é acompanhado pela
b) a posição da imagem.
reflexão da luz. Assim, o raio de luz incidente na superfı́cie S
divide-se em dois raios, um refratado e outro refletido.
É importante também dizer que ocorre em S o fenômeno da
Ótica Aula 3 absorção da luz, onde parcela da energia luminosa é transfor-
mada em energia térmica, por exemplo.
No dioptro ideal só ocorre refração da luz.
42 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

raio raio
incidente N refletido θi N

meio A meio A
S S
meio B meio B

raio θr
refratado

Figura 1.3: Todos os raios luminosos presentes na refração. Figura 1.4: Raio entrando perpendicular a superfı́cie S, sem
desvio em sua trajetória.

Índice de Refração Absoluto


As Leis
Seja c a velocidade da luz no vácuo e v a velocidade da luz
em um meio qualquer, definimos ı́ndice de refração absoluto n • 1a Lei: O raio de luz incidente RI, a reta normal N e
de um meio a razão entre as velocidades da luz no vácuo e no o raio de luz refratado RR estão situados num mesmo
meio considerado: plano, ou seja, são coplanares. É importante notar que os
c
n= raios de luz incidente e refratado ficam em lados opostos
v
em relação à reta normal;
O ı́ndice de refração absoluto do vácuo é naturalmente igual a
1 (v = c). Como a velocidade da luz no vácuo é uma velocidade • 2a Lei ou Lei de Snell-Descartes: “É constante a relação
limite, em qualquer outro meio ela será inferior: entre os senos dos ângulos de incidência e refração”.

v < c =⇒ n > 1 Podemos escrever que:

sen(i)
Conclusões = constante
sen(r)
1. O ı́ndice de refração absoluto de qualquer meio material e essa constante é o ı́ndice de refração relativo do meio B
é sempre maior que 1; em relação ao meio A, assim:
2. Quanto maior for o ı́ndice de refração absoluto do meio, sen(i) nA
menor é a velocidade da luz nesse meio. =
sen(r) nB

Índice de Refração Relativo ou: Lei de Snell-Descartes

Se nA e nB são, respectivamente, os ı́ndices de refração absolu- nA sen(i) = nB sen(r)


tos dos meios A e B para uma dada luz monocromática, então
definimos o ı́ndice de refração relativo do meio A em relação Podemos concluir que:
ao meio B, nA,B como sendo a razão dos ı́ndices de refração
absolutos do meio A e B: – Quando a luz passa de um meio menos refringente (me-
nor ı́ndice de refração) para um meio mais refringente
nA
nA,B = (maior ı́ndice de refração), o raio de luz se aproxima da
nB normal e a velocidade de propagação diminui.
– Reciprocamente, quando a luz passa de um meio mais
Leis de Refração
refringente para um meio menos refringente, o raio de luz
Considerando um raio de luz monocromático incidente numa se afasta da normal e a velocidade de propagação da luz
superfı́cie separadora de dois meios de propagação e o cor- aumenta.
respondente raio de luz refratado. Tracemos a reta normal à
superfı́cie pelo ponto de incidência da luz.
1.0.1 Pense um pouco!
RI = Raio Incidente;
RR = Raio Refratado; 1. Se você vê um peixe sob a superfı́cie da água e tenta
N = Reta Normal; acertá-lo com uma flecha, mirando a imagem do peixe,
i = ângulo de incidência; provavelmente não irá capturá-lo. Explique.
r = ângulo de refração.
2. As lentes utilizam a refração da luz? Como?
Ótica – Aula 4 43

θi N θi N

A B
meio A meio C
S S
meio B meio D

θr θr

Figura 1.5: Aproximação e afastamento da normal.

Exercı́cios de Aplicação

1. Passando do vácuo para o interior de um certo meio trans-


parente, o valor da velocidade de propagação de uma luz mo-
nocromática diminui de 20%. Determine o ı́ndice de refração Ótica Aula 4
absoluto do meio para essa luz monocromática.

2. A velocidade de propagação da luz em certo lı́quido mede


1/2 da velocidade de propagação da luz no vácuo. Determine
o ı́ndice de refração absoluto do lı́quido. Lentes Esféricas
3. O ı́ndice de refração absoluto da água é 4/3 e o vidro é 3/2.
As lentes esféricas constituem sistemas ópticos de amplas
Determine:
aplicações na atualidade. Elas desempenham um papel um
a) o ı́ndice de refração da água em relação ao vidro;
papel importantı́ssimo, desde os sofisticados LASERS até os
b) a relação entre a velocidade de propagação da luz no vidro
mais simples pares de óculos.
e a velocidade de propagação da luz na água;
c) comente os resultados obtidos. Podemos defini-las como sendo um meio transparente e ho-
mogêneo, limitado por duas superfı́cies curvas, ou por uma
curva e outra plana.
A lente será denominada esférica, quando pelo menos uma de
Exercı́cios Complementares suas faces for esférica.

4. Sob um ângulo de incidência de 60◦ , faz-se incidir sobre Elementos Geométricos


uma superfı́cie de um material transparente um raio de luz
monocromática. Observa-se que o raio refratado é perpendi- Vejamos os principais elementos geométricos de uma lente
cular ao raio refletido. Qual o ı́ndice de refração do material ? esférica:
(O 1o meio onde a luz se propaga é o ar)

5. Um observador, quando colocado numa posição adequada,


pode no máximo ver o canto do recipiente, como representado R2
na figura abaixo. Enchendo o recipiente com um lı́quido, o
R1
observador passa a ver a moeda que está colocada no centro:
e. p.
C1 V2 e V1 C2

1m

Figura 1.1: Elementos geométricos de uma lente esférica.


1m

Temos:

Qual o ı́ndice de refração do lı́quido? dado sen(45◦ ) = C1 e C2 = Centros de Curvatura;
2/2
R1 e R2 = Raios de Curvatura;
6. Um raio de luz monocromática passa de um meio A para V1 e V2 = Vértices;
um meio B. Veja a figura e responda: e = espessura da lente;
a) Qual é o meio mais refringente ? Justifique. e.p. = eixo óptico principal.
b) Em que meio a luz possui maior velocidade ? Justifique.
44 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Observação Lente Convergente Esquema

Uma lente é delgada quando a sua espessura e for desprezı́vel


em relação aos raios de curvatura, ou seja, quando e << R.

F
Classificação das Lentes
Podemos classificar as lentes quanto a dois aspectos: tipos de
faces e comportamento óptico.
Lente Divergente Esquema

Quanto às faces

BORDOS
FINOS

Figura 1.3: Classificação de uma lente esférica quanto ao seu


biconvexa plano−convexa concavo−convexa comportamento óptico.

BORDOS
GROSSOS F

biconcava plano−concava convexo−concava


Figura 1.4: Lente convergente.

Figura 1.2: Classificação de uma lente esférica quanto às suas


Observação
faces.
Na lente Convergente o foco é real, e na lente divergente
Observação o foco é virtual.
Os nomes das lentes segue a convenção de que devemos citar Foco Objeto
em primeiro lugar a face de maior raio de curvatura. É o ponto objeto associado pela lente, a uma imagem
imprópria, definida por raios de luz paralelos ao eixo principal.
Quanto ao Comportamento Óptico Lente Convergente & Lente Divergente

Nessas figuras consideramos que as lentes são de vidro e estão


imersas no ar (nvidro ¿ na r), que é o caso mais comum na
prática. Observação
Nessas condições, as lentes de bordas finas são convergen- Na lente convergente o foco é real, na Lente divergente
tes e as lentes de bordas grossas são divergentes. o foco é virtual.

Tipos de Foco Raios Notáveis


Vamos considerar neste estudo, lentes delgadas e raios de luz Assim como foi feito para os espelhos esféricos, iremos agora
dentro das condições de Gauss, como vimos no estudo de es- descrever alguns raios que são fáceis de serem utilizados na
pelhos esféricos. determinação da imagem numa lente esférica.
Foco Imagem Todo raio que incide no centro óptico atravessa a lente
É o ponto imagem que a lente conjuga de um objeto impróprio, sem sofrer desvio.
definido por raios de luz paralelos ao eixo principal. Todo raio que incide paralelamente ao eixo principal
Lente Convergente & Lente Divergente emerge numa direção que passa pelo foco imagem.
Ótica – Aula 4 45

F F

Figura 1.5: Lente divergente. Figura 1.7: Lente divergente.

Figura 1.8: Incidência sobre o centro óptico.


Figura 1.6: Lente convergente.
Determinação Analı́tica da Imagem
Todo raio que incide sob o foco objeto emerge paralelo As equações que utilizaremos para a determinação da posição
ao eixo principal. e tamanho da imagem são análogas às utilizadas no estudo de
espelhos esféricos.

Equação de Gauss
Determinação Gráfica da Imagem
1 1 1
De maneira análoga ao que fizemos para espelhos esféricos ire- = + ′
f p p
mos proceder agora para lentes.
Temos:
f = distância focal;
Lentes Convergentes p = posição do objeto;
p′ = posição da imagem;
1) Objeto situado antes do Centro de Curvatura:
Imagem: Real, Invertida e Menor.
2) Objeto situado no Centro de Curvatura:
Equação do Aumento Linear Transversal A
Imagem: Real, Invertida e Igual.
3) Objeto situado entre o Centro de Curvatura e o Foco: i p′
A= =
Imagem: Real, Invertida e Maior. o p
Este caso corresponde à imagem produzida por projetores, Temos:
tanto de slides como de filmes. A = aumento linear transversal;
4) Objeto situado no Foco: o = altura do objeto;
Imagem: Imprópria. i = altura da imagem;
5) Objeto situado entre o Foco e o Centro Óptico:
Imagem: Virtual, Direita e Maior.
Este é o caso da lupa. Convenção de Sinais

Objeto Real p > 0 Virtual p < 0


Lente Divergente Imagem Real p′ > 0 Virtual p′ < 0
Espelho Cônc. R > 0 e f > 0 Conv. R < 0 e f < 0
Existe apenas um caso que devemos considerar: h∗ Direita i > 0 Invertida i < 0
Imagem: Virtual, Direita e Menor. (*) Altura da imagem para o > 0.
46 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

F
eixo ótico
F

Figura 1.9: Incidência paralela ao eixo principal.

Figura 1.11: Incidência sob o foco objeto.

eixo ótico
F

eixo ótico
F

Figura 1.10: Incidência Paralela.

Vergência V de uma Lente


Verifica-se que, quanto menor a distância focal de uma Figura 1.12: Incidência sob o foco objeto.
lente, mais ela converge ou diverge um feixe de luz. Essa
”potência”da lente de convergir ou divergir a luz é caracte-
2. Um objeto de 2 cm de altura está disposto frontalmente a
rizada por uma grandeza denominada Vergência, que é comu-
60 cm de uma lente delgada de vergência +2, 5 di.
mente chamada de grau do óculos. A vergência V de uma lente
a) determine, graficamente, as caracterı́sticas da imagem;
de distância focal f é definida como:
b) determine, analiticamente, a posição e o tamanho da ima-
1 gem.
V =
f
3. Um estudante usa uma lente biconvexa de 20 di para olhar
Se f é medido em metros (m), a unidade de V é m , que uma flor que está a 4 cm da lente. Determine de quanto a
−1

recebe o nome de dioptria (di), que popularmente é chamado lente aumenta a flor.
de grau.

1 di = 1 m−1 = 1 grau Exercı́cios Complementares

4. Um objeto luminoso de 1 cm de altura está a 5 cm de uma


Pense um Pouco! lente convergente de 10 cm de distância focal.
a) Qual a posição da imagem?
1. Se uma pessoa possui dois graus de miopia, que tipo (grau)
b) Faço traçado dos raios.
de lente deverá usar?
2. O antigos óculos “fundo de garrafa”tinham esse nome por 5. As lentes dos óculos de um mı́ope são de -5 graus”.
quê? Pra que serviam? a) Qual é a distância focal das lentes?
b) Qual o tipo de lentes usadas (convergente ou divergente)?

6. Uma pessoa mı́ope só é capaz de ver nitidamente objetos


Exercı́cios de Aplicação situados a uma distância máxima de 20 cm dos seus olhos.
a) Qual o tipo de lente adequada para a correção da miopia:
1. Um objeto é colocado a 60 cm de uma lente divergente de convergente ou divergente?
distância 20 cm. Determine, graficamente e analiticamente, as b) Qual deve ser a distância focal da lente para que esta pessoa
caracterı́sticas da imagem. possa ver nitidamente objetos localizados no infinito?
Ótica – Aula 5 47

F C eixo ótico
eixo ótico
C F
C F F C

Figura 1.13: Objeto situado antes do centro de curvatura C.


Figura 1.15: Objeto situado entre o centro de curvatura C e o
foco F .

eixo ótico
C F F C

eixo ótico
C F F C

Figura 1.14: Objeto situado no centro de curvatura C.

Figura 1.16: Objeto situado no foco F .


Ótica Aula 5
Quando o objeto está infinitamente afastado, os músculos ci-
liares e o cristalino estão relaxados, ou seja, o olho não realiza
nenhum esforço de acomodação. À medida que o objeto se
aproxima, os músculos ciliares vão se contraindo, diminuindo
Ótica da Visão a distância focal do cristalino e mantendo a imagem acomo-
dada na retina.
O olho humano assemelha-se a uma filmadora (ou a uma Em Sı́ntese
máquina fotográfica) de grande sofisticação. E o cérebro tem
Objeto Próximo = Menor Distância Focal;
a função de reprojetar a imagem obtida pelo olho fornecendo
a visão real do objeto. Objeto Distante = Maior Distância Focal.
Dispensaremos esse sistema, extremamente complexo, do olho O trabalho realizado pelos músculos ciliares, fazendo variar a
humano e utilizaremos uma representação mais simples – o distância focal do cristalino é chamado de acomodação visual.
olho reduzido.
Retina
Elementos do Olho Humano É a parte sensı́vel à luz, onde deve se formar a imagem para
ser nı́tida. A distância do cristalino a retina é da ordem de
Analisaremos algumas partes que consideramos de grande im-
1, 5 cm. Composta por células nervosas chamadas bastonetes
portância em nosso olho reduzido.
(visão preto e branco) e cones (visão a cores), a retina possui
uma área mais sensı́vel à luz sob condições normais. Esta área
Íris consiste uma depressão na parte posterior do olho no eixo do
cristalino, e é denominada fóvea.
Anel colorido de forma circular, que se comporta como um di-
afragma, controlando a quantidade de luz que penetra no olho.
Na sua parte central existe um orifı́cio de diâmetro variável, Ponto Próximo e Ponto Remoto
chamado pupila.
A menor distância do globo ocular segundo a qual uma pessoa,
de visão normal, pode ver nitidamente a imagem de um ob-
Cristalino
jeto qualquer denomina-se Ponto Próximo (PP ). Neste caso,
É uma lente convergente de material flexı́vel, do tipo bicon- os músculos ciliares estão em sua maior contração, realizando
vexa. Fornecerá de um objeto real uma imagem real, invertida esforço máximo de acomodação. Logo, o ponto próximo cor-
e menor sobre a retina. Pode assumir diferentes formas em respondente à distância mı́nima de visão distinta, à qual se
função da distância do objeto ao olho. atribui um valor médio convencional de 25 cm.
O ponto mais afastado do olho humano, corresponde a uma
imagem nı́tida forma sem esforço de acomodação visual,
Músculos Ciliares
denomina-se Ponto Remoto (PR ). Esta é a máxima distância
São responsáveis pela mudança na forma do cristalino, de visão distinta que, teoricamente, permite a uma pessoa uma
comprimindo-o convenientemente, de maneira a alterar sua visão normal de enxergar objetos no infinito.
distância focal e permitir uma melhor acomodação da imagem Intervalo de visão distinta ou zona de acomodação é a região do
sobre a retina. espaço compreendida entre os dois pontos (PR e PP ) figurados
48 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

eixo ótico
C F F C

f f
o i

eixo ótico
C F F C
Figura 1.19: Elementos de uma lente.

Figura 1.17: Objeto situado entre o Foco F e o Centro Óptico.


´
Cornea ´
Nervo Optico

Lente ´
Macula
eixo ótico ´
C F F C
Iris

Conjuntiva Retina

Anatomia do Olho
Figura 1.18: Lente divergente.

Figura 1.1: O olho humano.


anteriormente.

Problemas da Visão Presbiopia

Miopia É um defeito determinado pela fadiga dos músculos que efe-


tuam a acomodação e por um aumento na rigidez do cristalino.
A deficiência de um olho mı́ope está na visualização de obje- Tal defeito acentua-se com a idade. O olho se acomoda mal
tos distantes. Ou seja, o seu ponto remoto (PR ) não está no para objetos próximos e, em conseqüência, a distância mı́nima
infinito e sim a uma distância finita (dP R ). Isso ocorre, pelo da visão distinta aumenta. A correção é feita com uso de lentes
fato da imagem do objeto distante recair antes da retina. bifocais, que têm uma parte para ver objetos distantes e outra
Para corrigir esse defeito, demos tornar o olho mı́ope menos para ver objetos próximos.
convergente. Para tanto, associamos a ele uma lente diver-
gente:
Astigmatismo
Hipermetropia
É um defeito determinado pela forma não esférica da córnea
A deficiência de um olho hipermétrope está na visualização ou do cristalino, causando uma deformação na imagem. A
de objetos próximos. Ou seja, o seu ponto próximo (PP ) está correção é feita mediante o uso de lentes cilı́ndricas, que com-
mais afastado do que o olho normal. Logo a distância do ponto pensam a falta de simetria do sistema óptica ocular.
próximo é maior que 25 cm.
No olho hipermétrope, a imagem de um objeto recai após a
retina.
Estrabismo
Para corrigir este defeito demos tornar o olho hipermétrope
mais convergente, associando a ele uma lente convergente. Consiste na incapacidade de se dirigir a visão de ambos os
A lente corretora deverá, de um objeto colocado a 25 cm do olhos para um mesmo ponto. A correção é feita por ginástica
olho, fornecer uma imagem no ponto próximo (PP ) do hi- ocular para recuperar os músculos, ou através de cirurgia, ou
permétrope, ou seja, a uma distância dP P do olho. através de lentes prismáticas.
Assim a distância focal da lente corretiva da hipermetropia é
calculada da seguinte forma:

1 1 1 1 1 1 Daltonismo
= + ′ = = +
f p p fc 25cm dpp
É um defeito genético que faz com que seu portador não
O sinal negativo se deve ao fato da imagem, fornecida pela consiga distinguir certas cores. Não existe, ainda, correção
lente corretora, ser virtual. possı́vel para esse defeito.
Ótica – Aula 5 49

Olho simplificado

Formaçao de
imagens na
Entrada
de RETINA
Luz

Lente
Convergente

Hipermetropia Correçao com lente convergente


Figura 1.2: O olho simplificado.

PP PR

25 cm Zona de Acomodaçao

Figura 1.3: Esquema. Figura 1.4: Correção da miopia.

Pense um Pouco!
• Uma pessoa lhe diz que enxerga perfeitamente embaixo
da água de uma piscina, mas não fora da água. Isso é
possı́vel? Há algum problema com a visão dessa pessoa?
Qual?

Exercı́cios de Aplicação

1. As lentes dos óculos de um mı́ope são de -5 graus”. Qual é


a máxima distância de seus olhos, sem óculos, que ele vê com
imagem nı́tida?
2. O ponto próximo de um indivı́duo A e o ponto remoto
de um indivı́duo B valem, ambos, 50 cm. Indique o tipo e a
vergência das lentes corretoras para esses indivı́duos.
3. Uma lente esférica de vidro, cujo ı́ndice de refração é 1, 5,
tem uma face plana e outra côncava, com raio de curvatura
50 cm. Sabendo-se que a lente está imersa no ar, determine
sua vergência em dioptrias. Hipermetropia Correçao com lente convergente

4. Uma pessoa mı́ope só é capaz de ver nitidamente objetos


situados a uma distância máxima de 20 cm dos seus olhos.
a) Qual o tipo de lente adequada para a correção da miopia:
convergente ou divergente ?
b) Qual deve ser a distância focal da lente para que esta pessoa
possa ver nitidamente objetos localizados no infinito ?
Figura 1.5: Correção da Hipermetropia.
50 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br
Fluidos – Aula 1 51

É comum o uso de unidades de pressão não pertencentes ao


Fluidos Aula 1 SI: atmosfera (atm) e milı́metros de mercúrio (mmHg):

1 atm = 760 mmHg = 1, 01 × 105 P a

Pressão Hidrostática
Fluidos
No estudo da hidrostática, que faremos a seguir, vamos consi-
Chegou o momento de descrevermos o comportamento dos flui- derar o lı́quido ideal, isto é, incompressı́vel e sem viscosidade.
dos, para isso falaremos de temas como densidade, pressão, Suponhamos um recipiente cilı́ndrico de área de base A, con-
empuxo e outros temas que nos levarão a um aprofundamento tendo um lı́quido de massa especı́fica ρ. Qual a pressão que o
da Hidrostática. lı́quido exerce no fundo do recipiente ?

Densidade e Massa especı́fica


Massa especı́fica ρ de uma substância é a razão entre deter-
minada massa desta substância e o volume correspondente.
Temos então: h
ρ=
m ρ
v
Para um corpo homogêneo, ρ será a própria densidade do ma- A
terial. Para um corpo não homogêneo, como por exemplo uma
corpo oco, a expressão acima resulta na densidade média do
corpo.
Figura 1.1: Vaso cilı́ndrico de área A e altura h, cheio de um
lı́quido de densidade ρ.
Unidades SI
Da definição de massa especı́fica, temos:
m: massa em quilogramas (kg)
m
V : volume em metro cúbico (m3 ) ρ=
v
ρ: massa especı́fica em quilogramas por metro cúbico (kg/m3 )
V = Ah
Observação
m
No caso da água, cuja massa especı́fica vale 1 g/cm3 , obser- ρ=
Ah
vamos que cada cm3 de água tem massa de 1 g. Assim é
e portanto:
que, numericamente, massa e volume serão iguais para a água,
desde que medidos em gramas e em centı́metros cúbicos res-
pectivamente. Como 1 litro corresponde a 1000cm3 , no caso m = ρAh
da água temos uma densidade de 1 kg/l. E com um metro Por outro lado, a força que o lı́quido exerce sobre a área A é o
cúbico equivale a 1000 litros, teremos também para a água, a seu próprio peso:
densidade 1000 kg/m3 . F = P = mg
mas como
Pressão m = ρAh
então temos
Pressão p é a força normal, por unidade de área, que um fluido
F = ρAhg
em equilı́brio exerce em contato com uma parede. Podemos
representar matematicamente por: e finalmente, pela definição de pressão,
F
F p= = ρgh .
p= A
A
A pressão que o lı́quido exerce no fundo do recipiente depende
Unidades SI da massa especı́fica do lı́quido (ρ), da aceleração da gravidade
local (g) e da altura (h) do lı́quido acima do ponto considerado.
p: pressão em N/m2 = pascal = P a Na prática esse resultado e geral, e pode ser usado para a de-
F : força normal (ortogonal) em newtons ou N terminação da pressão hidrostática em qualquer fluido (lı́quido
A: área onde é exercida a força, em metros quadrados m2 ou gás) em equilı́brio.
Observe que a pressão total dentro de um fluido homogêneo
Pressão Atmosférica em equilı́brio será então:
p = patm + ρgh
Pressão exercida pelo peso da camada de ar existente sobre a

superfı́cie da Terra. Ao nı́vel do mar, à temperatura de 0 C onde patm é a pressão atmosférica, que atua sobre todos os
é igual a 1 atm. corpos imersos no ar.
52 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Pressão Manométrica e Absoluta de um automóvel, algumas pessoas dizem que colocaram “26
libras” de ar nos pneus. Agora responda:
A pressão absoluta é a pressão total exercida em uma dada a) por que num pneu de automóvel se coloca mais ou menos
superfı́cie, incluindo a pressão atmosférica, quando for o caso. 25lbf /pol2 enquanto que no de uma bicicleta de corrida (cujos
A pressão absoluta será sempre positiva ou nula. pneus são bem finos) se coloca aproximadamente 70 lbf /pol2
Em muitos casos, como na calibração de um pneu, estamos
interessados apenas na diferença entre a pressão interna de b) Sendo 1 lbf /pol2 = 0, 07 atm, qual a pressão tı́pica (em
um reservatório (o pneu) e a pressão externa (o ar, que está atm) no pneu de um carro?
na pressão atmosférica local). A essa diferença chamamos c) A pressão que nos interessa, neste caso do pneu, é a pressão
pressão manométrica, e os aparelhos que a medem cha- manométrica ou a pressão absoluta. Por quê?
mamos de manômetros.

pman. = pint. − patm.


Fluidos Aula 2
A pressão manométrica pode ser negativa, positiva ou nula.
Será negativa quando a pressão interna de um reservatório
for menor do que a pressão atmosférica externa. Exemplos:
quando retiramos ar de um recipiente, fazendo-se um vácuo
parcial; ou quando sugamos um canudinho de refrigerante, Hidrostática
baixamos a pressão interna da boca, criando uma “pressão
negativa”. Lei de Stevin
Consideremos um recipiente contendo um lı́quido homogêneo
Pense um Pouco! de densidade ρ, em equilı́brio estático. As pressões que o
lı́quido exerce nos pontos A e B são, respectivamente:
• Porque não sentimos a pressão atmosférica normal, já que
ela é tão grande? pa = ρgha e pb = ρghb

• Um barco flutua no mar. Quais as forças relevantes para


que isso ocorra?
• Como é possı́vel se deitar numa cama de pregos sem se
machucar?
• Como funciona o canudinho de refrigerante? Explique.
hB

Exercı́cios de Aplicação hA A
∆h
1. Uma massa de 1 kg de água ocupa um volume de 1 litro
a 40◦ C. Determine sua massa especı́fica em g/cm3 , kg/m3 e
kg/l. B
2. Determine a massa de um bloco cúbico de chumbo que tem
arestas de 10 cm, sendo que a densidade do chumbo é igual
11, 2 g/cm3 .
Figura 1.1: Cilindro de área de base A e altura h
3. Uma esfera oca, de 1.200 g de massa, possui raio externo de
10, 0 cm e raio interno de 9, 0 cm. Sabendo que o volume de A lei de Stevin ou princı́pio hidrostático afirma que a
uma esfera de raio R é dado por V = 34 πR3 . Usando π = 3, 14, diferença de pressão entre os pontos A e B será:
determine:
a) a densidade média da esfera; pb − pa = ρg(hb − ha ) = ρg∆h
b) a densidade do material de que é feita a esfera.
Ou seja, a diferença entre dois nı́veis diferentes, no interior de
4. Um cubo maciço com densidade igual a 2, 1 g/cm3 , de um lı́quido, é igual ao produto da sua massa especı́fica pela
50 cm de aresta, está apoiado sobre uma superfı́cie horizontal. aceleração da gravidade local e pela diferença de nı́vel entre os
Qual é a pressão, em P a e em atm, exercida pelo cubo sobre pontos considerados.
a superfı́cie?
Na realidade, temos que dividir a pressão num determinado
ponto do lı́quido em dois tipos: i) pressão hidrostática: aquela
Exercı́cios Complementares que só leva em consideração o lı́quido:

phid = ρgh
5. Existe uma unidade inglesa de pressão – a libra-força por
polegada quadrada – que se abrevia lbf /pol2, a qual é indevi- e ii) pressão absoluta: aquela que leva em consideração o
damente chamada de libra. Assim, quando calibram os pneus lı́quido e o ar sobre o lı́quido:
Fluidos – Aula 2 53

pabs = patm + ρgh F1

F2
Conseqüências da Lei de Stevin
A1 A2
No interior de um lı́quido em equilı́brio estático:

1. pontos de um mesmo plano horizontal suportam a mesma


pressão;

2. a superfı́cie de separação entre lı́quidos não miscı́veis é um


plano horizontal;

Figura 1.3: A prensa hidráulica.


3. em vasos comunicantes quando temos dois lı́quidos não
miscı́veis temos que a altura de cada lı́quido é inversa-
mente proporcional às suas massas especı́ficas (densida- A Prensa Hidráulica
des);
Uma das aplicações deste princı́pio é a prensa hidráulica como
mostramos a seguir:
Observe que:
p1 = p2
F1 F2
=
A1 A2
hy
y F1 A1
hx x =
F2 A2
Isso mostra que uma força pequena F1 é capaz de suportar,
no outro êmbolo, um peso muito grande (F2 ), isso é muito
utilizado, como por exemplo, em posto de gasolina.
A prensa hidráulica é o equivalente hidráulico do princı́pio da
alavanca, de Arquimedes, usado na Mecânica. É bom lembrar
que estas “engenhocas”multiplicam realmente a força, mas não
Figura 1.2: Vasos comunicantes, com dois lı́quidos não a energia. O trabalho mı́nimo necessário para elevar um carro
miscı́veis em equilı́brio. é o mesmo, independente da máquina que se utilize (Wmin =
mgh).
Na prensa mostrada na Fig. 1.3, uma força −F~2 (para baixo)
deverá ser feita no êmbolo da direita, para manter o equilı́brio
do sistema. Em geral, usa-se o êmbolo maior para suspender
py = px uma carga externa, ou levantar um objeto do chão (macaco
hidráulico).
patm + ρy ghy = patm + ρx ghx
Princı́pio de Arquimedes
ρy h y = ρx h x
Arquimedes, há mais de 200 anos a.C., estabeleceu que a perda
ρy hx aparente do peso do corpo é devido ao surgimento do empuxo,
= quando estamos mergulhados num lı́quido, como a água, por
ρx hy
exemplo.

4. a diferença de pressão entre dois pontos dentro do fluı́do, Os corpos mergulhados totalmente ou parci-
depende apenas do seu desnı́vel vertical (∆h), e não da almente, num fluido, recebem do mesmo uma
profundidade dos pontos. força vertical, de baixo para cima, de intensi-
dade igual ao peso do fluido deslocado, deno-
minada empuxo.
Princı́pio de Pascal
Ou seja, se um corpo está mergulhado num fluido de densidade
Pascal fez estudos em fluı́dos e enunciou o seguinte princı́pio: ρf e desloca volume Vf d do fluido, num local onde a aceleração
da gravidade é g, temos:
A pressão aplicada a um fluı́do em equilı́brio Pf = mf g
transmite-se integral e instantaneamente à to-
dos os pontos do fluı́do e às paredes do recipi- e como
mf
ente que o contém. ρf =
Vf d
54 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

a massa do fluido deslocado será 2. Uma piscina com 5, 0 m de profundidade está cheia com
água. Considere g = 10 m/s2 e patm = 1, 0 × 105 P a e deter-
mf = ρf Vf d mine:
a) a pressão hidrostática a 3, 0 m de profundidade;
e portanto b) a pressão absoluta no fundo da piscina;
Pf = ρf Vf d g c) a diferença de pressão entre dois pontos separados, vertical-
mente, por 80 cm.
e, de acordo com o Princı́pio de Arquimedes
3. (Clássico) Para determinar a pressão atmosférica, Torri-
E = ρf Vf d g celli fez a seguinte experiência: um tubo de vidro, de 1 m de
comprimento, foi cheio de mercúrio e depois emborcado num
ou simplesmente
recipiente contendo mercúrio; constatou que, ao nı́vel do mar,
E = ρV g o mercúrio no tubo mantém uma altura de 760 mm acima da
ficando a nosso cargo a interpretação correta dos termos en- sua superfı́cie livre (no recipiente). Se a densidade do mercúrio
volvidos. é 13, 6 g/cm3 e a aceleração da gravidade local é de 9, 8 m/s2 ,
qual a pressão atmosférica constatada por Torricelli?

Flutuação 4. Num posto de gasolina, para a lavagem de um automóvel


de massa 1.000 kg, o mesmo é erguido a uma certa altura. O
Segundo o princı́pio de Arquimedes, quando temos um corpo sistema utilizado é uma prensa hidráulica. Sendo os êmbolos
na superfı́cie de um fluı́do cujo peso (do corpo) é anulado (igual de áreas 10 cm2 e 2.000 cm2 , e a aceleração da gravidade local
em módulo) pelo empuxo que ele sofre antes de estar completa- de 10 m/s2 , pergunta-se:
mente submerso, o corpo irá flutuar sobre ele, quando abando- a) em qual êmbolo deve-se apoiar o carro?
nado. Baseado nessa aplicação são construı́dos todos os tipos b) em qual êmbolo deve-se pressionar para se sustentar o carro?
de barcos e navios.
Para um corpo de peso P flutuando, a condição de equilı́brio c) qual a força aplicada no êmbolo para equilibrar o automóvel?
deve ser satisfeita:
X
Fy = +E − P = 0
1.1 Exercı́cios Complementares
ou seja
P =E
5. Água e óleo de densidades 1, 0 e 0, 8, respectivamente, são
Pode-se mostrar também que se um corpo tiver uma densidade colocados em um tubo em “U”. Sendo de 16 cm a altura da
média ρc maior que a densidade ρf de um certo fluido, ele não coluna de óleo, determine a altura da coluna de água medida
poderá flutuar nesse fluı́do, e acabará afundando se for solto acima do nı́vel de separação entre os lı́quidos.
na sua superfı́cie.
6. Os icebergs são grandes blocos de gelo que vagam em la-
titudes elevadas, constituindo um sério problema para a na-
vegação, sobretudo porque deles emerge apenas uma pequena
Pense um Pouco! parte, ficando o restante submerso. Sendo V o volume total
do iceberg e ρg = 0, 92 g/cm3 a densidade do gelo, determine
• A pressão atmosférica varia com a altitude? Por quê?
a porcentagem do iceberg que fica acima da superfı́cie livre da
• Como pode um navio de ferro flutuar na água, já que água, considerada com densidade igual a ρf = 1, 0 g/cm3 .
ρF e > ρH2O ? 7. Uma bola com volume de 0, 002 m3 e densidade média de
3
• Quando fechamos a porta de um pequeno quarto a janela 200 kg/m encontra-se presa ao fundo de um recipiente que
(fechada) balança. Explique. contém água, através de um fio conforme a figura. Determine
a intensidade da tração T no fio que segura a bola (Considere
2
• Mergulhando na água um objeto suspenso por um fio, g = 10 m/s ).
você observa que a tração no fio muda. Explique.

Exercı́cios de Aplicação

1. (UFRJ) O impacto de uma partı́cula de lixo que atingiu a


nave espacial Columbia produziu uma pressão da 100 N/cm2 .
Nessas condições e tendo a partı́cula 2 cm2 , a nave sofreu uma T
força de:
a) 100 N
b) 200 N
c) 400 N
d) 800 N
e) 1600N
Cinemática – Aula 1 55

Trajetória
Cinemática Aula 1 Este é outro conceito importante no estudo do movimento. Va-
mos partir da figura abaixo. Ela representa uma esfera aban-
donada de um avião que voa com velocidade constante:

Cinemática A8−132

A Cinemática é a parte da Mecânica que estuda e descreve


o movimento dos corpos, sem se preocupar com suas causas
(forças).

Movimento
Observando os corpos a nossa volta, podemos ter intuitiva-
mente uma idéia do que são os estados de movimento e re-
pouso. Mas esses dois conceitos (movimento e repouso) são
relativos: ao dormir você pode estar em repouso em relação às
paredes de seu quarto; entretanto, em relação ao sol, você é um Em relação ao solo, a trajetória da esfera é um arco de
viajante espacial. A parte da Fı́sica que trata do movimento parábola; e em relação ao avião, a trajetória é um segmento
é a Mecânica. Ela procura compreender as causas que pro- de reta vertical.
duzem e modificam os movimentos. A seguir, vamos estudar Então, podemos concluir que a trajetória:
uma subdivisão da Mecânica chamada Cinemática, que trata
do movimento sem se referir às causas que o produzem. • é a linha descrita ou percorrida por um corpo em movi-
mento;

Ponto Material • depende do referencial adotado.

Em determinadas situações, ponto material pode representar


qualquer corpo, como um trem, um avião, um carro, uma bala Deslocamento × Distância Percorrida
de canhão, um mı́ssil etc. Por que ponto e por que material? A distância percorrida por um corpo durante um movimento
Ponto, porque, na resolução de problemas, estaremos despre- é a grandeza escalar que corresponde ao comprimento do seg-
zando as dimensões do corpo em movimento, sempre que as mento que representa a trajetória descrita pelo corpo neste mo-
distâncias envolvidas forem muito grandes em relação às di- vimento, em relação ao referencial adotado. O deslocamento
mensões do corpo. Material, porque, embora as dimensões do de um corpo é uma grandeza vetorial, cujo módulo equivale
corpo sejam desprezadas, sua massa será considerada. ao comprimento do segmento de reta, compreendidos entre os
pontos inicial e final do movimento.
Repouso, Movimento e Referencial
A
Examine as seguintes situações:
5m
• Quando estamos dentro de um veı́culo em movimento, a 3m
paisagem circundante é fundamental para estabelecermos
os conceitos de movimento e repouso B C
4m
• Quando observamos o movimento do sol através da esfera
celeste, podemos concluir que a Terra se movimenta ao
redor do Sol. Na figura, uma partı́cula, saindo do ponto A, percorre a tra-
jetória ABC. A distância percorrida pela partı́cula é a soma
• Uma pessoa nasce e cresce em um ambiente fechado, sem dos trechos AB (3 metros) e BC (4 metros), totalizando 7 me-
janelas, não saindo dali durante toda a sua existência. tros. Já o deslocamento é representado pela distância entre o
Nesse caso, pode ser que essa pessoa não tenha condições ponto A e ponto C, que é igual a 5 metros.
de afirmar se aquele ambiente está em repouso ou em mo-
vimento.
A
Em todos esses casos, percebemos que o movimento é determi- 5m
nado a partir de um referencial: a paisagem é o referencial do 3m
carro e o Sol é o referencial da Terra; se uma pessoa passar a
sua vida toda num ambiente absolutamente fechado, não terá B C
referencial para perceber qualquer movimento, a não ser o de
seu próprio corpo.
4m
56 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Observações Velocidade Escalar


• O deslocamento foi representado por um segmento de reta Vamos recordar: a velocidade indica a rapidez e o sentido do
orientado que denominamos de vetor; os vetores represen- movimento.
tam as grandezas vetoriais.

• O deslocamento é a menor distância entre o ponto de saı́da Exemplos


e o ponto de chegada do corpo.
1. Va = +10 m/s: a cada segundo o móvel anda 10 m e
• Numa trajetória retilı́nea a distância percorrida e o des- indica movimento no sentido da orientação da trajetória.
locamento podem ser iguais.
2. Vb = −10 m/s: a rapidez é a mesma do móvel anterior
e o movimento é no sentido oposto ao da orientação da
Deslocamento Escalar ∆s trajetória.

É a variação de espaço s. É medido em metros, quilômetros,


centı́metros, etc. Ou seja: Aceleração

∆s = s − s0 Mede a rapidez da mudança da velocidade, é a variação da


velocidade em função do tempo. Imagine um movimento com
onde s0 é o espaço inicial s é o espaço final. a velocidade mudando a cada segundo:
O deslocamento escalar pode ser positivo, negativo ou nulo.
Quando ∆s > 0 o movimento é a favor da orientação da tra- t(s) 0 1 2 3
jetória; quando ∆s < 0 o movimento é contra a orientação da v(km/h) 10,0 13,6 17,2 21,8
trajetória, mas se ∆s = 0 a posição final é igual a inicial.
A cada segundo a velocidade aumenta 3, 6 km/h, ou seja, a
Importante velocidade varia +3, 6 (km/h) a cada segundo. Isso é, a ace-
leração é:
Há duas possibilidades para ∆s = 0:
3, 6 km/h 1, 0 m/s
a=+ = = 1 m/s2
• o corpo pode não ter se movimentado; s s

• o corpo pode ter se movimentado mas retornado a posição Aqui temos uma aceleração positiva, pois a velocidade vai au-
inicial; mentando (em módulo) com o tempo.

Velocidade Escalar Média Outro Exemplo

Quando falamos que um veı́culo percorreu 100 km em 2 h Imagine o seguinte movimento:


é fácil determinar que em média ele 50 km a cada 1 h. Nós
dividimos a distância total e o tempo total da viagem. Isso não t(s) 0 1 2 3
significa que o veı́culo andou sempre na mesma velocidade, pois v(m/s) 50 45 40 35
o veı́culo pode ter parado em um posto de combustı́vel para
abastecer. A cada segundo a velocidade varia (diminui) em −5 m/s, ou
Nós sabemos apenas a distância total e o tempo total da vi- seja:
agem, nada sabemos dos acontecimentos durante a mesma. −5 m/s
a= = −5 m/s2
Mas se o motorista quisesse a viagem no mesmo tempo e an- s
dando sempre na mesma velocidade ele deveria andar sempre
a 50 km/h. É a velocidade escalar média. Normalmente não Nesse caso a aceleração é negativa, pois a velocidade vai dimi-
usaremos o termo distância e sim deslocamento escalar (∆s) nuindo (em módulo) com o tempo.
e, para indicarmos o tempo decorrido usaremos intervalo de
tempo (∆t). Dessa maneira:
Aceleração Escalar Média (am )
∆s s − s0
Vm = = É a variação total da velocidade em relação ao intervalo total
∆t t − t0 de tempo.
A unidade de velocidade no SI é o m/s.
∆v v − v0
Para transformar velocidades em km/h em m/s fazemos: am = =
∆t t − t0
1000 m 1
1 km/h = = m/s
3600 s 3, 6 Unidades SI
e também No SI medimos a velocidade em m/s, o tempo em segundos
1 m/s = 3, 6 km/h (s), e a aceleração em m/s2 .
Cinemática – Aula 2 57

Exercı́cios de Aplicação
Cinemática Aula 2
1. (PUC) Um atleta fez um percurso de 800 m num tempo de
1 min e 40 s. A velocidade escalar média do atleta é de:
a) 8, 0 km/h
b) 28, 8 m/s
c) 28, 8 km/h Movimento Uniforme (MU)
d) 20, 0 m/s
e) 15, 0 km/h Suponhamos que você esteja dirigindo um carro de tal forma
que o ponteiro do velocı́metro fique sempre na mesma posição,
2. (UEL) Um móvel percorreu 60, 0 m com velocidade de por exemplo 80 km/h, no decorrer do tempo. Nessa condição,
15, 0 m/s e os próximos 60, 0 m a 30, 0 m/s. A velocidade você irá percorrer 80 km a cada hora de viagem, em duas horas
média durante as duas fases foi de: percorrerá 160 km, e assim por diante. O movimento descrito
a) 15, 0 m/s nessa situação é denominado movimento uniforme (MU).
b) 20, 0 m/s Você já deve ter notado, então, que no movimento uniforme o
c) 22, 5 m/s valor do módulo da velocidade é constante e não nulo, isto é,
d) 25, 0 m/s o móvel percorre espaços iguais em intervalos de tempo iguais.
e) 30, 0 m/s Se, além da velocidade apresentar valor constante e a trajetória
3. (VUNESP) Ao passar pelo marco “km 200”de uma rodo- for retilı́nea, o movimento é dito movimento retilı́neo uni-
via, um motorista vê um anúncio com a inscrição “ABASTE- forme (MRU).
CIMENTO E RESTAURANTE A 30 MINUTOS”. Conside-
rando que esse posto de serviços se encontra junto ao marco Equação Horária do MU
“km 245”dessa rodovia, pode-se concluir que o anunciante
prevê, para os carros que trafegam nesse trecho, uma velo- Ao longo de um movimento, a posição de um móvel varia no
cidade média, em km/h, de: decorrer do tempo. É útil, portanto, encontrar uma equação
a) 80 que forneça a posição de um móvel em um movimento uniforme
b) 90 no decorrer do tempo. A esta equação denominamos equação
c) 100 horária do movimento uniforme.
d) 110 Considere então, o nosso amigo corredor percorrendo com ve-
e) 120 locidade constante v a trajetória da figura.

Exercı́cios Complementares t
0
t

4. (FUVEST) Partindo do repouso, um avião percorre a pista


com aceleração constante e atinge a velocidade de 360 km/h O x0 x X
em 25 segundos. Qual o valor da aceleração, em m/s2 ?
a) 9,8
b) 7,2
Figura 1.1: Movimento uniforme (MU).
c) 6,0
d) 4,0
Onde: x0 é a sua posição inicial no instante t0 = 0 e x é a sua
e) 2,0
nova posição no instante t posterior. A velocidade do corredor
5. (PUC) Um trem está com velocidade escalar de 72 km/h no intervalo de tempo ∆t = t − t0 = t é
quando freia com aceleração escalar constante de módulo igual ∆x v − v0
a 0, 40 m/s2 . O intervalo de tempo que o trem gasta para v= =
∆t t
parar, em segundos, é de:
a) 10 e se v é sempre constante, para qualquer instante t, então
b) 20 temos um movimento uniforme (MU). Neste caso, como a
c) 30 trajetória do movimento é retilı́nea, temos um movimento re-
d) 40 tilı́neo uniforme (MRU).
e) 50 Invertendo-se a equação acima, podemos escrever a equação
horária do movimento:
6. (ACAFE) Um carro inicia a travessia de uma ponte com
uma velocidade de 36 km/h , ao passar a ponte o motorista ob- x(t) = x0 + vt
serva que o ponteiro do velocı́metro marca 72 km/h. Sabendo
que a travessia dura 5, 0 segundos, a aceleração do carro du- que nos dá a posição x(t) em cada instante t > 0, para todo o
rante a travessia é de: movimento.
a) 1 m/s2
b) 2 m/s2 Gráfico da Velocidade v × t
c) 3 m/s2
d) 4 m/s2 No movimento uniforme, o diagrama da velocidade em função
e) n.d.a do tempo v × t x é uma reta paralela ao eixo dos tempos,
58 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

uma vez que a velocidade é constante e não varia ao longo Observe no gráfico que, de acordo com a equação horária, a
do tempo. velocidade pode ser dada pela inclinação da reta, ou seja

v = tan θ
v v v
v>0
A inclinação da reta também denominada é chamada de de-
v=0 clividade ou coeficiente angular da reta.
O t O t O t
v<0

a
Figura 1.2: Gráfico v × t para o MU: para a direita v > 0 (a); b
para a esquerda v < 0 (b) e repouso v = 0 (c). θ
c
Importante

• Quando o movimento é na direção positiva do eixo orien- Figura 1.4: Inclinação de uma reta tan θ = b/c.
tado (o sentido positivo usual é para a direita) a veloci-
dade do móvel é positiva (v > 0). Neste caso x cresce com Lembre-se de que a tangente de um ângulo, num triângulo
o tempo; retângulo, é dada pela relação entre cateto oposto e o cateto
adjacente:
• Quando o movimento é na direção negativa do eixo orien- Para o movimento progressivo temos o seguinte gráfico:
tado (sentido negativo usual é para a esquerda) a veloci-
dade do móvel é negativa (v < 0), e neste caso, x decresce
com o tempo.
x v>0
Neste caso como a velocidade está abaixo do eixo das abs-
cissas, esta possui valor negativo, ou seja está em sentido
contrário ao da trajetória. xo
• É importante notar que a velocidade corresponde a altura
da reta horizontal no gráfico v × t. O t
• A área de um retângulo é dada pelo produto da base pela
altura: o deslocamento, pelo produto da velocidade pelo
tempo. Figura 1.5: Gráfico x × t para o movimento uniforme (MU)
progressivo.

v E para o movimento retrógrado observa-se que:

x
∆ x = vt = Área v<0
O t
xo
O t
Figura 1.3: O deslocamento é igual a área sob a curva do
gráfico v × t.

Figura 1.6: [Gráfico x × t para o movimento uniforme (MU)


Gráfico da Posição x × t retrógrado.
Como a equação horária no movimento uniforme é uma
equação do primeiro grau, podemos dizer que, para o movi-
mento uniforme, todo gráfico x × t é uma reta inclinada em Pense um Pouco!
relação aos eixos. Quando o movimento é progressivo (para
a direita) a reta é inclinada para cima, indicando que os va- • Um trem com 1 km de extensão viaja à velocidade de
lores da posição aumentam no decorrer do tempo; quando o 1 km/min. Quanto tempo leva o trem para atravessar
movimento é retrógrado (para a esquerda), a reta é inclinada um túnel de 2 km de comprimento?
para baixo indicando que os valores da posição diminuem no
decorrer do tempo. • Como seria o gráfico x × t para um objeto em repouso?
Cinemática – Aula 3 59

• No gráfico x × t, qual a interpretação fı́sica da intersecção


da reta com o eixo do tempo t? Cinemática Aula 3
Exercı́cios de Aplicação

1. (UEL) Um automóvel mantém uma velocidade escalar cons- Movimento Uniformemente Variado
tante de 72, 0 km/h. Em 1h:10min ele percorre uma distância
igual a:
(MUV)
a) 79, 2 km
Analisando um movimento de queda livre, podemos verificar
b) 80, 8 km
que o deslocamento escalar vai aumentando com o decorrer
c) 82, 4 km
do tempo, isso mostra que a velocidade escalar do corpo varia
d) 84, 0 km
com o tempo. Trata-se então de um movimento variado.
e) 90, 9 km
Galileu já havia descoberto esse movimento e concluiu que,
2. (ITAÚNA-RJ) A equação horária de um certo movimento desprezando a resistência do ar, quando abandonamos do re-
é x(t) = 40 − 8t no SI. O instante t, em que o móvel passa pela pouso os corpos próximos a superfı́cie da terra caem com velo-
origem de sua trajetória, será: cidades crescentes, e que a variação da velocidade é constante
a) 4 s em intervalos de tempos iguais. Podemos então concluir que
b) 8 s este é um movimento uniformemente variado (MUV).
c) 32 s Observamos um MUV quando o módulo da velocidade de um
d) 5 s corpo varia de quantidades iguais em intervalos de tempos
e) 10 s iguais, isto é, apresenta aceleração constante e diferente de
3. (UEL) Duas pessoas partem simultaneamente de um zero.
mesmo local com velocidades constantes e iguais a 2 m/s e No caso da trajetória ser retilı́nea, o movimento é denominado
5 m/s, caminhando na mesma direção e no mesmo sentido. movimento retilı́neo uniformemente variado (MRUV).
Depois de meio minuto, qual a distância entre elas? Portanto em um movimento retilı́neo uniforme.
a) 1, 5 m
b) 60, 0 m Aceleração e Velocidade no MRUV
c) 150, 0 m
d) 30, 0 m a = constante 6= 0
e) 90, 0 m
Como a aceleração escalar é constante, ela coincide com a ace-
leração escalar média:
Exercı́cios Complementares
∆v v − v0
a = am = =
∆t t − t0
4. (UEPG-PR) Um trem de 25 m de comprimento, com velo-
cidade constante de 36 km/h, leva 15s para atravessar total- fazendo t0 = 0, podemos escrever a equação horária da veloci-
mente uma ponte. O comprimento da ponte é: dade, ou seja
a) 120 m
b) 100 m v = v0 + at
c) 125 m
d) 80 m
e) nenhuma resposta é correta
v MRUV v MRUV v MRU
5. (TUIUTI-PR) Um motorista passa, sem perceber, em um
radar da polı́cia a 108 km/h. Se uma viatura está, logo adi-
ante a uma distância de 300 m do radar, em quanto tempo o O a>0 t O a>0 t O a=0 t
motorista passará pela viatura? vo > 0 vo < 0 vo > 0
a) 7 s
b) 13 s
c) 20 s
d) 10 s Figura 1.1: v × t para o MRUV com a ≥ 0.
e) 16 s
6. (UESBA) Se dois movimentos seguem as funções horárias
de posição x1 (t) = 100 + 4t e x2 (t) = 5t, com unidades do SI, Posição versus tempo no MRUV
o encontro dos móveis se dá no instante:
a) 0 s Analisando o gráfico de v × t, podemos obter a função horária
b) 400 s dos espaço calculando o deslocamento escalar desde t = 0 até
c) 10 s um instante t qualquer. Como:
d) 500 s
e) 100 s ∆s = área
60 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

A Equação de Torricelli
v MRUV a<0 v MRUV a<0 v MRU a=0
vo > 0 vo = 0 vo < 0 O fı́sico italiano Evangelista Torricelli estudou matemática em
Roma. Nos últimos meses de vida de Galileu, Torricelli se tor-
O t O t O t nou seu aluno e amigo ı́ntimo, o que lhe proporcionou a opor-
tunidade de rever algumas teorias do mestre. Uma das con-
seqüências disso foi a unificação que Torricelli fez das funções
horárias estabelecidas por Galileu para o movimento unifor-
memente variado.
Figura 1.2: v × t para o MRUV com a ≤ 0. Torricelli eliminou o tempo da função

v = v0 + at
 
v + v0 obtendo
∆s = t
2 t = (v − v0 )/a
como: e substituindo o valor de t na função horária dos espaços, temos
  
v + v0 v − v0
∆s = s − s0 s = s0 + vm t = s0 +
2 a

e onde vm é a velocidade média do movimento.


Finalmente, obtemos a equação de Torricelli:
v = v0 + at
v 2 = v02 + 2a∆s
temos

1
Pense um Pouco!
s − s0 = (v0 + at + v0 )t
2 • Imagine que você está no interior de um automóvel em mo-
vimento. O automóvel é suficientemente silencioso e ma-
1 1 cio para que você não perceba sua velocidade e variações
s − s0 = (2v0 + at)t = v0 t + at2
2 2 de velocidade. Apenas olhando para o velocı́metro do au-
tomóvel, sem olhar pelas janelas e pára-brisas, é possı́vel
logo, classificar o movimento do automóvel?

1 • Pode-se usar a equação de Torricelli para se determinar


s(t) = s0 + v0 t + at2 a altura atingida por um projétil lançado verticalmente
2
para cima? Como?
é a função horária dos espaços s(t).

Exercı́cios de Aplicação
x x x
a>0 a>0 a>0
vo = 0 vo < 0 vo < 0
xo = 0 xo < 0 1. (UEL) Uma partı́cula parte do repouso e, em 5 segun-
dos percorre 100 metros. Considerando o movimento retilı́neo
O t O t O t uniformemente variado, podemos afirmar que a aceleração da
xo = 0 partı́cula é de:
a) 8, 0 m/s2
b) 4, 0 m/s2
c) 20 m/s2
Figura 1.3: x × t para o MRUV com a > 0.
d) 4, 5 m/s2
e) n.d.a.
2. (UFPR) Um carro transitando com velocidade de 15 m/s,
x a<0 x x tem, seu freio acionado. A desaceleração produzida pelo freio
vo = 0
xo = 0 é de 10 m/s2 . O carro pára após percorrer:
a) 15, 5 m
O t O a<0 t O a<0 t b) 13, 35 m
vo > 0 vo = 0
xo = 0 xo > 0 c) 12, 15 m
d) 11, 25 m
e) 10, 50 m
3. (ACFE-SC) A velocidade de um certo corpo em movimento
Figura 1.4: x × t para o MRUV com a < 0. retilı́neo é dada pela expressão v(t) = 10 − 2t, no SI. Calcule
o espaço percorrido pelo corpo entre os instantes 2 s e 3 s.
Cinemática – Aula 4 61

a) 3 m Na realidade, a aceleração da gravidade, embora seja indepen-


b) 5 m dente da massa do corpo em queda livre, varia com o local,
c) 8 m dependendo da latitude e da altitude do lugar.
d) 16 m Se o corpo em queda livre tiver uma trajetória retilı́nea, seu
e) 21 m movimento será uniformemente variado; neste caso, a ace-
leração escalar do corpo será constante e valerá sempre a = −g,
independente do sentido do movimento. Desta forma, se um
Exercı́cios Complementares objeto for lançado para cima (v0 > 0), ele irá frear (desacele-
rar) até parar (v = 0) e depois seu sentido de movimento será
invertido (v > 0).
4. (CEFET) Na decolagem, um certo avião partindo do re-
pouso, percorre 500 m em 10, 0 s. Considerando-se sua ace-
leração constante, a velocidade com que o avião levanta vôo Convenções
é:
• o sentido positivo do eixo vertical é debaixo para cima;
a) 100 m/s
b) 200 m/s • quando a e v possuem o mesmo sinal, o movimento é
c) 125 m/s acelerado (v cresce em módulo);
d) 50 m/s
• quando a e v possuem o sinais contrários, o movimento
e) 144 m/s
é desacelerado, freado ou então dito também retardado (v
5. (UNESP) Um móvel descreve um movimento retilı́neo obe- diminui em módulo);
decendo a função horária x(t) = 8 + 6t − t2 no SI. Esse movi-
mento tem inversão de seu sentido no instante: Velocidade Escalar Final
a) 8 s
b) 3 s Em um local onde o efeito do ar é desprezı́vel e a aceleração da
c) 6 s gravidade é constante e com módulo g, um corpo é abandonado
d) 2 s a partir do repouso de uma altura h acima do solo.
e) 4/3 s Vamos obter a velocidade escalar final de um corpo ao solto
(v0 = 0), atingir o solo. Pela equação de Torricelli:
6. (UNESP) No instante em que o sinal de trânsito auto-
riza a passagem, um caminhão de 24 m de comprimento que v 2 = v02 + 2a∆s = v02 + 2a(s − s0 )
estava parado começa atravessar uma ponte de 145 m de sendo s0 = h e s = 0, temos:
comprimento, movendo-se com uma aceleração constante de
2, 0 m/s2 . O tempo que o caminhão necessita para atravessar v 2 = 0 + 2(−g)(0 − h) = 2gh
completamente a ponte é: então p
a) 12 s v = − 2gh
b) 145 s
será a sua velocidade escalar ao atingir o chão. Escolhemos
c) 13 s
o sinal negativo (−) porque o corpo está descendo, contra o
d) 169 s
sentido crescente do eixo vertical (que é para cima).
e) 14 s
Observe que quanto maior a altura inicial h, maior a velocidade
final v, como era de se esperar, mas que v não é proporcional
a h.
Cinemática Aula 4
Tempo de Queda
Vamos obter agora o tempo de queda livre desde que um corpo
é solto (v0 = 0) de uma altura h, até atingir o solo. Pela
Queda Livre equação horária da velocidade do MRUV, temos:
v(t) = v0 + at
Um corpo é dito em queda livre quando esta sob ação exclusiva
da gravidade terrestre (ou da gravidade de outro corpo celeste). e para a queda livre será
Foi Galileu quem estudou corretamente pela primeira vez, a v(t) = v0 − gt
queda livre de corpos. √
Galileu concluiu que todos os corpos em queda livre, isto é, e sendo v0 = 0 e v = − 2gh temos
p
livres do efeito da resistência do ar, tem uma propriedade co- − 2gh = 0 − gt
mum;
e finalmente
Corpos em queda livre têm a mesma aceleração quaisquer que √ s
2gh 2h
sejam suas massas. t= =
g g
Esta aceleração de queda livre é denominada aceleração da
gravidade e, nas proximidades da terra, é suposta constante Observe que quanto maior a altura inicial h, maior o tempo
e com módulo g = 9.8 m/s2 , valor este que por praticidade, é de queda t, como também era de se esperar, e que t também
usualmente aproximado para g = 10 m/s2 . não é proporcional a h.
62 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Pode-se mostrar que o tempo de descida é igual ao tempo


v a = −g de subida. Mostre você mesmo.
vo = 0 • a velocidade escalar de retorno ao solo é calculada como
tq se segue:
como o tempo total de vôo é 2ts , temos
0 t  
2v0
v(2ts ) = v0 − g(2ts ) = v0 − g
g
ou seja, a velocidade de retorno será

v = −v0
Figura 1.1: v × t para a queda livre.
A mesma aceleração que retarda a subida do projétil é
a que o acelera na descida e tem módulo constante g,
x a = −g portanto concluı́mos que que ao retornar ao solo, o projétil
h vo = 0 chaga com a mesma velocidade inicial de lançamento, em
xo = h módulo.
• A altura máxima atingida pelo projétil é calculada a partir
0 da equação de Torricelli:
tq t
v 2 = v02 + 2a∆s

e como v = 0 e ∆s = h, temos
Figura 1.2: x × t para a queda livre. 0 = v02 + 2(−g)h

donde
Lançamento Vertical v02
h=
Em um local onde o efeito do ar é desprezı́vel e a aceleração 2g
da gravidade é constante e com módulo igual a g, um projétil Observe que quanto maior a velocidade inicial v0 , maior
é lançado verticalmente para cima com velocidade de módulo a altura h atingida pelo projétil, como era de se esperar,
igual a v0 . e que h não é proporcional a v0 .
Estudemos as propriedades associadas a este movimento:
1
s(t) = s0 + v0 t − gt2
2
Pense um Pouco!
e • Por que uma folha inteira e outra amassada não chegam
v(t) = v0 − gt juntas ao chão, quando soltas simultaneamente de uma
Observa-se que: mesma altura?

• o movimento do projétil é uniformemente variado porque • Um corpo pode ter aceleração a 6= 0 e v = 0? Como?
a aceleração escalar é constante e diferente de zero; • Um corpo pode estar subindo (v > 0) e acelerando para
• como foi lançado para cima, a velocidade inicial do projétil baixo (a < 0)? Como?
é positiva (v0 > 0); • por que não se deve dar um tiro para cima com uma arma
• orientando-se o eixo vertical para cima, como de costume, de fogo?
a aceleração escalar vale −g;
• A partir do ponto mais alto da trajetória, o projétil inverte Exercı́cios de Aplicação
o sentido de seu movimento e , portanto, sua velocidade
é nula no ponto mais alto (ponto de inversão);
1. (UFAL) Uma pedra é abandonada de uma altura de 7, 2 m,
• O tempo de subida ts do projétil é calculado como se adotando g = 10 m/s2 e desprezando-se a resistência do ar,
segue: pode-se afirmar que a sua velocidade escalar ao atingir o solo
será:
se
a) 12 m/s
v(t) = v0 − gt
b) 36 m/s
e v(ts ) = 0 para a posição mais alta, temos c) 360 m/s
d) 18 m/s
0 = v0 − gts e) 180 m/s
e finalmente 2. (FUVEST) Um corpo é solto, a partir do repouso, do topo
v0
ts = de um edifı́cio de 80 m de altura. Despreze a resistência do ar
g
Cinemática – Aula 5 63

e adote g = 10 m/s2 . O tempo de queda até o solo e o módulo Movimento Circular Uniforme (MCU)
da velocidade com que o corpo atinge o solo são:
a) 4, 0 s e 72 km/h Em um movimento onde a trajetória é uma circunferência (ou
b) 2, 0 s e 72 km/h arco de uma circunferência) e a velocidade escalar é cons-
c) 2, 0 s e 144 km/h tante, este é denominado como movimento circular uni-
d) 4, 0 s e 144 km/h forme (MCU). Neste movimento a partı́cula é localizada pela
e) 4, 0 s e 40 km/h sua posição angular θ, que varia uniformemente com o tempo.
1111111
0000000
3. (FUVEST) Um corpo é disparado do solo, vertical- 0000000
1111111
0000000
1111111
v2
mente para cima, com velocidade inicial de módulo igual a 0000000
1111111
2, 0.102 m/s. Desprezando a resistência do ar e adotando 0000000
1111111
0000000
1111111
00
111
0
g = 10 m/s2 , a altura máxima alcançada pelo projétil e o 00
11
00
11
tempo necessário para alcançá-la são respectivamente: 00
11
a) 4, 0 km e 40 s 00
11
00000
11111 00
11
R v1
b) 2, 0 km e 40 s 00000
111111
0 00
11
00000
11111 00
11
c) 2, 0 km e 10 s 00000
11111 00
11 θ
00000
11111
v 00
11
d) 4, 0 km e 20 s 00000
11111 00
11
11111111
00000000
3
00000
11111 00
11 1
0
e) 2, 0 km e 20 s 00000
11111
00000
11111
00000
11111
00000
11111
00000
11111
Exercı́cios Complementares 00000
11111
00000
11111
00000
11111
4. (FMTM-MG) As gaivotas utilizam um método interessante
1
01111111
0000000
para conseguir degustar uma de suas presas favoritas – o caran- v4
guejo. Consiste em suspendê-lo a uma determinada altura e aı́
abandonar sua vı́tima para que chegue ao solo com uma velo-
cidade de módulo igual a 30 m/s, suficiente para que se quebre Figura 1.1: O movimento circular uniforme (MCU).
por inteiro. Despreze a resistência do ar e adote g = 10 m/s2 .
A altura de elevação utilizada por essas aves é: No movimento circular uniforme o vetor velocidade muda o
a) 15 m tempo todo, porém mantém fixo o seu módulo (velocidade es-
b) 45 m calar).
c) 90 m
d) 30 m
e) 60 m Movimento Periódico
5. (UNICAMP) Uma atração que está se tornando muito po- Um movimento é chamado periódico quando todas as suas
pular nos parques de diversão consiste em uma plataforma que caracterı́sticas (posição, velocidade e aceleração) se repetem
despenca, a partir do repouso, em queda livre de uma altura em intervalos de tempo iguais.
de 75 m. Quando a plataforma se encontra a 30 m do solo, ela O movimento circular e uniforme é um exemplo de movimento
passa a ser freada por uma força constante e atinge o repouso periódico, pois, a cada volta, o móvel repete a posição, a velo-
quando chega ao solo. A velocidade da plataforma quando o cidade e a aceleração.
freio é acionado é dada por :
a) 10 m/s
b) 30 m/s Perı́odo (T )
c) 75 m/s
Define-se como perı́odo (T ) o menor intervalo de tempo para
d) 20 m/s
que haja repetição das caracterı́sticas do movimento. No mo-
e) 40 m/s
vimento circular e uniforme, o perı́odo é o intervalo de tempo
6. (CEFET-PR) Um balão meteorológico está subindo com para o móvel dar uma volta completa.
velocidade constante de 10 m/s e se encontra a uma altura Como é uma medida de tempo, a unidade SI do perı́odo é o
de 75 m, quando dele se solta um aparelho. O tempo que o segundo.
aparelho leva para chegar ao solo é:
a) 2 s
b) 4 s
Freqüência (f )
c) 5 s Define-se a freqüência (f ) de qualquer movimento periódico
d) 3 s como o número de vezes que as caracterı́sticas do movimento
e) 7 s se repetem durante uma unidade de tempo, ou seja, 1 s.
No movimento circular uniforme, a freqüência é o número de
voltas realizadas na unidade de tempo. Se o móvel realiza n
Cinemática Aula 5 voltas em um intervalo de tempo t, a freqüência f é dada por:
n
f=
t
64 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

e por definição, como no MCU o tempo de uma volta completa Sendo a trajetória curva, a componente normal an da ace-
(n = 1) é o próprio perı́odo do movimento, temos que leração, ou também chamada de aceleração centrı́peta não é
nula (an 6= 0).
1
f= O módulo da aceleração centrı́peta pode ser calculado pela
T
seguinte expressão:
−1
A unidade SI da freqüência f é s ou também chamado
∆v 2v sin(∆θ/2)
de hertz, cuja abreviação é Hz. Pode-se também medir a ac = =
freqüência em rotações por minuto ou rpm. ∆t ∆t
e como ∆θ = ω∆t, e o ângulo ∆θ é pequeno para ∆t pequeno,
Exemplo temos
∆θ ∆θ
sin ≃
Se um movimento tem freqüência de 2, 0 Hz, então são dadas 2 2
duas voltas completas por segundo, ou seja, o perı́odo do mo- e
vimento deve ser de 1/2 s. Como o minuto tem 60 segundos, 2ωR∆θ/2
ac = = ω2R
esse movimento terá uma freqüência de 120 rpm. ∆θ/ω
ou então, como v = ωR
Velocidade Escalar v v2
ac =
Para uma volta completa, em uma circunferência de raio R, R
temos que
∆s 2πR
v= =
∆t T
logo, para o MCU temos v(t)
v (t+∆ t)
v = 2πRf ∆v
v(t)
ac
∆θ=ο∆ t ∆θ=ο∆ t
v (t+∆ t)
Velocidade Angular ω θ = οt

Define a velocidade angular ω de forma semelhante à definição


R
de velocidade v, só que nesse caso estamos interessados na
variação da posição angular ocorrida no MCU. Então:
∆θ θ − theta0
ω= =
∆t t
Para uma volta completa, temos que o deslocamento angular
será 2π e t = T , temos
2π Figura 1.2: A aceleração centrı́peta (normal).
ω= = 2πf
T

Unidades SI
Pense um Pouco!
A velocidade angular ω é medida em rad/s no SI.
• Certos fenômenos da natureza, como a trajetória da Terra
em torno do Sol e o movimento dos satélites apresentam
Relação entre v e ω
movimento circular uniforme? Dê exemplos.
Como a velocidade escalar no MCU é v = 2πRf e ω = 2πf , • Imagine um disco girando em torno do seu centro. As
então velocidades de todos os seus pontos são iguais em módulo?
v = ωR Explique.
Ou seja, a velocidade escalar v é proporcional à velocidade
• Como são os vetores de velocidade de diferentes pontos de
angular ω.
uma mesma roda (disco) que gira? Faça um esboço dos
vetores.
Vetores no MCU
• Qual a velocidade angular do ponteiro dos segundos de
Já vimos que no movimento circular e uniforme, a velocidade um relógio mecânico?
vetorial tem módulo constante, porém direção variável e, por-
tanto o vetor v é variável. Sendo a velocidade vetorial variável,
vamos analisar a aceleração vetorial a. Exercı́cios de Aplicação
Sendo o movimento uniforme, a componente tangencial at da
aceleração vetorial é nula: 1. (FCC) Uma partı́cula executa um movimento uniforme
∆v sobre uma circunferência de raio 20 cm. Ela percorre metade
at = =0 da circunferência em 2, 0 s. A freqüência, em hertz, e o perı́odo
∆t
Cinemática – Aula 5 65

do movimento, em segundos, valem, respectivamente :


a) 4,0 e 0,25
b) 1,0 e 1,0
c) 0,25 e 4,0
d) 2,0 e 0,5
e) 0,5 e 2,0
2. (UFES) Uma pessoa está em uma roda-gigante que tem
raio de 5 m e gira em rotação uniforme. A pessoa passa pelo
ponto mais próximo do chão a cada 20 segundos. Podemos
afirmar que a freqüência do movimento dessa pessoa, em rpm,
é:
a) 1
b) 2
c) 3
d) 4
e) 5
3. (ITA) Um automóvel percorre uma trajetória com velo-
cidade escalar constante. A roda do automóvel, cujo raio é
30 cm, dá 40 voltas em 2, 0 s. A Velocidade angular da roda
é, em rad/s:
a) 20π rad/s
b) 30π rad/s
c) 40π rad/s
d) 50π rad/s
e) 60π rad/s

Exercı́cios Complementares

4. (ACAFE) Um automóvel percorre uma estrada com veloci-


dade escalar constante e igual a 8, 0 m/s e suas rodas possuem
raio R = 0, 40 m. A freqüência de rotação da roda é:
a) 5/π Hz
b) 8/π Hz
c) 12/π Hz
d) 6/π Hz
e) 10/π Hz
5. (FUVEST) Um ciclista percorre uma pista circular de
500 m de raio, com velocidade escalar constante de 20 m/s. A
aceleração do ciclista é:
a) 0, 5 m/s2
b) 0, 8 m/s2
c) 1, 4 m/s2
d) 0, 6 m/s2
e) 1, 2 m/s2
6. (CEFET-PR) A órbita da Terra em torno do Sol, em razão
da sua baixa excentricidade, é aproximadamente uma circun-
ferência. Sabendo-se que a terra leva um ano para realizar
uma volta completa em torno do Sol e que a distância média
da Terra ao Sol é 150 milhões de km, os módulos dos vetores
da velocidade e aceleração em km/s e m/s2 são respectiva-
mente:
a) 10 e 2, 0 × 10−3
b) 20 e 2, 0 × 10−3
c) 30 e 6, 0 × 10−3
d) 20 e 6, 0 × 10−3
e) 10 e 6, 0 × 10−3
66 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br
Ondas – Aula 1 67

Ondas Aula 1

Ondas
Movimento Harmônico Simples
θ
O movimento harmônico simples (MHS) é um movimento re- L
petitivo ao longo do tempo, por exemplo, quando observamos
um peso suspenso por uma mola bastante flexı́vel (movimento
na vertical); ou então suspenso por um fio longo (movimento
na horizontal - pêndulo simples).
Todo MHS pode ser pensado como sendo a projeção de um
movimento circular e uniforme num dos diâmetros da circun-
ferência percorrida. Para isto, admita um eixo cartesiano com T
origem no centro da circunferência correspondente ao movi-
mento circular. mgsin θ
Você poderá estudar a projeção sobre o eixo dos x, obtendo
uma equação do tipo x
O
x(t) = R cos(ωt + θ0 ) mgcos θ mg

ou sobre o eixo dos y, obtendo a equação análoga

y(t) = Rsen (ωt + θ0 )

Para o movimento circular sabemos que R é o raio da circun-


ferência, ω a velocidade angular do objeto em movimento cir-
cular e uniforme, e θ0 é a posição angular inicial ocupada pelo Figura 1.1: Pêndulo Simples.
objeto no instante t0 = 0 (θ0 equivale, em termos angulares,
ao s0 dos movimentos estudados ao longo de trajetórias).
Assim, podemos entender o significado das constantes do MHS: Ignorando a resistência do ar, as forças que atuam sobre a
R = A é a amplitude do movimento a partir do centro de partı́cula são a força peso, exercida pela Terra, e a tensão,
oscilação; exercida pelo fio. Como o fio é inextensı́vel, a componente do
ω recebe também a denominação de freqüência angular (é peso ao longo do fio cancela a força de tensão. A resultante das
fácil demonstrar que w = 2π forças que atuam sobre a partı́cula é, portanto, a componente
T , em que T é o perı́odo do MHS;
ωt + θ0 , o argumento do seno (ou cosseno), é a chamada fase do peso na direção do movimento da partı́cula, cujo módulo
do movimento, e depende do tempo t e, desta forma, quando vale mgsen (θ).
t = 0 temos (ωt + θ0 ) = θ0 ; A partı́cula do pêndulo descreve um arco de circunferência.
θ0 é a fase inicial. Mas, se a amplitude do movimento é muito menor que o com-
Depois desse entendimento, podemos reescrever as equações primento L do fio, ou seja, se o ângulo θ é pequeno, podemos
anteriores em termos das amplitudes A ao invés do raio R, aproximar o arco por um segmento de reta horizontal sobre o
então: qual fixamos o eixo x, com origem onde a vertical tirada do
x(t) = A cos(ωt + θ0 ) ponto de suspensão do pêndulo corta esse eixo.
Então, fazendo
y(t) = Asen (ωt + θ0 ) x
sen θ = ,
L
Pêndulo Simples o módulo da força resultante sobre a partı́cula fica:
Vamos estudar com maiores detalhes o MHS que se observa mg
F (x) = − x
em um pêndulo simples. O pêndulo simples consiste em uma L
partı́cula de massa m suspensa por um fio inextensı́vel, de
massa desprezı́vel e comprimento L, que oscila num plano ver- Análise dos Sinais
tical, fixo na extremidade superior do fio, como vemos na figura
abaixo: O sinal negativo indica que a força resultante aponta na mesma
Esse problema pode ser considerado um problema de MHS direção que aquela escolhida como positiva para o eixo x
somente para pequenos ângulos de abertura, ou seja, afasta-se quando a elongação é negativa e na direção oposta quanto a
o pêndulo ligeiramente de sua posição de equilı́brio, e solta-se. elongação é positiva. Ou seja, a força é restauradora, pois
Observa-se que a partı́cula executa um movimento circular de quando a partı́cula vai para a direita (x > 0) a força horizontal
raio L, porém de vai-e-vem, portanto com velocidade variável. “puxa”ela para a esquerda (F < 0), e quando ela vai para a
68 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

esquerda (x < 0), a força a “empurra”de volta par a direita c) independente do valor da aceleração da gravidade local.
(F > 0). Através desse tipo de força é que se obtém o MHS. d) é inversamente proporcional ao valor da aceleração da gra-
Observe que a força dada acima tem a forma geral F (x) = vidade local.
−kx, onde k = mg/L nesse caso. Essa força lembra alguma e) independe da massa m.
outra lei ou sistema fı́sico já estudado? Qual?

Dica de Vestibular
Exercı́cios Complementares
DICA: normalmente as grandezas que mais se pedem em ves-
4. Faça testes numéricos para estimar até onde vale a relação
tibulares são o perı́odo (T ) e a freqüência (f ) de um pêndulo
sen θ ≈ θ, para ângulos theta dados em rad, com a precisão de
simples, não que as outras grandezas não tenham importância
até duas casas decimais.
e sim pela sua simplicidade matemática e conteúdo teórico,
então, resumidamente em termos do perı́odo temos: 5. Para dobrar a freqüência de oscilação de um pêndulo sim-
ples é suficiente:

T = a) transportá-lo para um planeta de aceleração da gravidade
ω
duas vezes maior.
T = 2πf b) transportá-lo para um planeta de aceleração da gravidade
1 quatro vezes.
T = c) dobrar o comprimento do fio.
f
s d) reduzir à quarta parte o comprimento do fio.
L e) dobrar a massa pendular.
T = 2π
g 6. Ache a relação entre o comprimento de dois pêndulos para
E em termos da freqüência temos: que um realize nove oscilações enquanto o outro realiza dezes-
seis oscilações.
w
f= 7. Determine o comprimento de um pêndulo simples que pos-

sui perı́odo igual a 1, 0 s. Use g = 10 m/s2 .
1
f=
T
r
f=
1

g
L
Ondas Aula 2
Pense um Pouco!
1. Como podemos determinar a aceleração da gravidade com Ondas
um pêndulo Simples?
Denomina-se onda ao movimento coletivo causado por uma
2. O movimento de translação da terra em torno do sol é um perturbação que se propaga através de um meio.
MHS?

Tipos de Ondas
Exercı́cios de Aplicação
Quanto à necessidade ou não de um meio mecânico, as ondas
se classificam em dois grandes grupos: as ondas mecânicas
1. Um pêndulo oscila, na Terra com perı́odo igual a 4 se- e as ondas eletromagnéticas.
gundos. Determinar o perı́odo desse mesmo pêndulo em um
planeta onde a aceleração da gravidade é quatro vezes maior
que a da Terra. Onda Mecânica

2. Um MHS (movimento harmônico simples) é descrito pela Precisa de um meio mecânico natural para se propagar (não
função horária x(t) = 5cos(πt/2 + 3π/2), com x em metros e se propaga no vácuo).
t em segundos. É correto afirmar que: Exemplos
a) a amplitude do movimento é 10 m. Uma onda numa corda, ondas sonoras (sons), ondas na su-
b) a velocidade angular é 5π/2 rad/s. perfı́cie da água ou numa membrana esticada (tambor).
c) a freqüência do movimento é 0, 25 Hz.
d) o perı́odo do movimento é 0, 50 s.
e) a fase inicial é 3π radianos. Onda Eletromagnética

3. Um pêndulo simples de massa m executa oscilações de pe- Não necessita de um meio mecânico para se propagar, e pode
quena abertura angular e realiza um MHS. Então o seu perı́odo se propagar no vácuo ou também em meios mecânicos.
de oscilação: Exemplos
a) independe do comprimento do pêndulo. Ondas de rádio, ondas luminosas, raios X, ondas de calor, como
b) é proporcional ao comprimento do pêndulo. aquelas que vem do Sol até a Terra pelo vácuo interestelar.
Ondas – Aula 2 69

Classificação das Ondas direção da barra. É claro que uma barra de ferro pode propa-
gar, ao mesmo tempo, tanto ondas longitudinais quanto ondas
Quanto ao tipo de perturbação propagada pela onda, elas são transversais.
classificadas em transversais ou longitudinais.
Se tomarmos uma mola helicoidal bem longa e mole, com uma
extremidade presa ao teto, por exemplo, poderemos verificar
Ondas Transversais que, ao comprimirmos ligeiramente a sua extremidade livre,
batendo verticalmente, um pulso de compressão será propa-
São aquelas em que a direção das oscilações é perpendicular gado longitudinalmente, subindo na mola.
(ou transversal) à direção da propagação da onda. Quando um pescador convencional estica sua linha (espera ou
espinhel) para pescar, ele percebe a “beliscada”do peixe pelas
Vibraçao
corda ondas longitudinais transportadas até a sua mão, pela linha
T
Propagaçao
T
tensa. Quando usa uma bóia, ou rolha, ele vê as ondas trans-
versais causadas na superfı́cie da água pelas beliscadas dos
peixes. Em ambos os casos, as ondas estão sendo usadas para
transmitir informação, compreendeu?

Figura 1.1: Onda transversal. Ondas no Espaço


Exemplos Quanto ao tipo de propagação e a complexidade do movimento
Nas ondas eletromagnéticas, um campo elétrico e um espacial das ondas, podemos classificá-las em unidimensio-
magnético oscilam em planos perpendiculares à direção de pro- nais, bidimensionais ou tridimensionais.
pagação da onda. Por esta razão, por exemplo, convencionou-
se posicionar as antenas de rádio em pé, para que o campo Ondas Unidimensionais
elétrico seja emitido verticalmente, enquanto a onda se pro-
paga horizontalmente, e desta forma possa ser captado pelas Em alguns casos simples, podemos supor que uma onda se
antenas receptoras. propaga de forma unidimensional, pois simplificamos a sua
Quando sacudimos a extremidade de uma corda esticada, ou descrição reduzindo o movimento ondulatório à uma dimensão
mesmo de uma mangueira de jardim, produzimos um pulso de mais relevante.
deslocamento vertical, que se propaga ao longo da direção da Exemplo
corda, horizontalmente. Se observarmos de perto, veremos que Por exemplo, ao estudar a propagação de uma onda sonora
cada ponto da corda (mangueira) apenas sobe e desce, quando dentro de um tubo longo, podemos considerar a onda unidi-
o pulso passa pela corda. Não há um deslocamento horizontal mensional, dentro do tubo.
da corda (meio mecânico).
Em campos de futebol, pode-se ver um belo efeito ondulatório
causado pelos espectadores, a “ôla”. Num movimento coorde- Ondas Bidimensionais
nado, os espectadores levantam e sentam, provocando a pro- Em outros casos, é evidente que o movimento ondulatório não
pagação de uma onda pelas arquibancadas, que também é uma pode ser restrito à uma direção (dimensão), pois ocorre sobre
onda transversal. Observe que, se todos levantassem e sentas- uma superfı́cie bidimensional.
sem ao mesmo tempo, nenhuma onda seria observada.
Exemplos
No caso de ondas na superfı́cie de uma piscina ou lago, ou
Ondas Longitudinais mesmo ondas num tambor (membrana). Neste caso temos
ondas bidimensionais.
Como o próprio nome diz, a onda longitudinal transporta
oscilações (vibrações) cuja direção coincide com a direção da
propagação, ou seja, ao longo da direção de propagação. Ondas Tridimensionais

propagação da onda São aquelas que se propagam em todas as três direções do


empurrar compressões para a ponta fixa espaço, tornando a sua descrição, bastante trabalhosa.
Exemplos
Na explosão de uma “bombinha”, aquelas que a gente sol-
puchar
oscilações rarefações tava quando moleque, são produzidas ondas sonoras que se
propagam a partir de um ponto (pequena região do espaço)
para todas as direções, formando verdadeiras ondas esféricas,
Figura 1.2: Onda longitudinal. que poderão ser percebidas por pessoas no chão, ou mesmo
pássaros no ar, pois se propagam tridimensionalmente.
Exemplos
As ondas sonoras são ondas de pressão que se propagam lon- Energia Transmitida
gitudinalmente em meios sólidos, lı́quidos ou gasosos. Quando
você dá uma martelada na extremidade de uma longa barra Quanto ao tipo de energia transmitida pela onda, pode-
de ferro (de construção), a compressão causada na direção da mos classificá-la em ondas sonoras, ondas luminosas, ondas
barra se propaga, fazendo os pontos da barra oscilarem na térmicas, etc.
70 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Elementos de uma Onda d) gravitacionais


e) longitudinais
Ondas Periódicas
3. Quando uma pequena pedra cai num lago tranqüilo,
São aquelas que recebem pulsos periódicos, ou seja, recebem formam-se ondas circulares. O fato de as ondas serem cir-
pulsos em intervalos de tempo iguais. Portanto, passam por culares é uma evidência de que:
um mesmo ponto com a mesma freqüência. a) as ondas transportam energia
b) as ondas transportam matéria
Unidades SI c) a velocidade de propagação das ondas é a mesma em todas
as direções
As ondas periódicas possuem alguns elementos básicos, que d) a velocidade de propagação das ondas depende da densi-
são: dade da pedra
o perı́odo P (ou T ), medido em s; e) a pedra afundou depois de atingir a água.
o comprimento de onda λ, medido em m;
a freqüência f , medida em s−1 ou Hz (hertz);
a amplitude y, medida em m;
que podem ser verificados na figura abaixo. Exercı́cios Complementares
Comprimento de Onda
4. As ondas eletromagnéticas, como as ondas luminosas,
Amplitude
propagam-se independentemente do meio. No vácuo, todas
as ondas eletromagnéticas possuem:
x
a) a mesma amplitude
b) a mesma freqüência
c) a mesma velocidade
d) o mesmo comprimento de onda
Figura 1.3: Elementos de uma onda senoidal. e) a mesma energia

5. Considere as afirmações abaixo:


I. As ondas luminosas são constituı́das pelas oscilações de um
Relação Matemáticas campo elétrico e de um campo magnético.
v = λf II. As ondas sonoras precisam de um meio material para se
propagar
onde III. As ondas eletromagnéticas não precisam de um meio ma-
v é = velocidade de propagação da onda no meio terial para se propagar.
λ é o comprimento da onda Quais delas são corretas?
f é a freqüência da onda. a) apenas I
b) apenas I e II
c) apenas I e III
Pense um Pouco! d) apenas II e III
e) I, II e III
• Uma pessoa toca numa corda de um violão uma nota e
você ouve o som. Identifique os vários tipos de ondas 6. A onda sonora é classificada como ........ pois a sua pro-
envolvidos no processo completo. Comente. pagação ocorre somente em meio ........, que vibra com a onda
deslocando-se na direção ......... à sua direção de propagação.
• Nós enxergamos usando luz. Seria possı́vel se enxergar
a) mecânica – material – paralela
com outro tipo de ondas como o som, por exemplo? Jus-
b) mecânica – gasoso – paralela
tifique.
c) mecânica – sólido – perpendicular
d) eletromagnética – material – perpendicular
e) eletromagnética – material – paralela
Exercı́cios de Aplicação
7. Um pescador observa que a ponta de sua canoa, parada num
1. A distância entre o nı́vel de repouso da água e a “crista”de lago, oscila cinco vezes em quatro segundos, num movimento
uma onda, é chamada de: sobe-e-desce. Ele conclui que a freqüência das ondas é:
a) timbre a) 1 41 s
b) perı́odo b) 1, 25 m
c) amplitude c) 0, 80 s−1
d) ressonância d) 1, 25 Hz
e) comprimento de onda e) 20/s

2. Ondas que oscilam na mesma direção em que se propagam


são chamadas de ondas:
a) transversais Ondas Aula 3
b) eletromagnéticas
c) tensoriais
Ondas – Aula 3 71

Ondas e Interferência
Quando duas ondas resolvem ocupar a mesma região do espaço
dá-se o que chamamos de interferência. O resultado da in-
terferência entre duas ondas depende da diferença de fase entre
elas.
Para se entender o efeito combinado de duas ou mais ondas se
propagando no mesmo meio, e no mesmo instante, assumimos
como válido o princı́pio de superposição:
“Os deslocamentos causados no meio pela presença de duas
ou mais ondas são somados, ou seja, superpostos, como se
cada onda continuasse se propagando como se as outras não
existissem.” Figura 1.2: Interferência destrutiva.
Ou seja, uma não afeta as outras, mas o que observamos é o
efeito conjunto de todas as ondas. possı́vel a observação da interferência construtiva e nem da
Quando se tratarem de ondas unidimensionais, no caso sim- destrutiva, mas a onda resultante é resultado da interferência
ples, os deslocamentos do meio serão somados algebricamente, geral entre as ondas, chamadas de componentes.
podendo-se obter interferência destrutiva e construtiva. Na figura a seguir, as duas ondas têm uma diferença de fase
genérica. A interferência entre elas não é totalmente cons-
Interferência Destrutiva trutiva nem totalmente destrutiva. O resultado é uma onda
única cuja amplitude tem qualquer valor entre zero e a soma
Na figura abaixo, vemos duas ondas, praticamente coinciden- das amplitudes das ondas, dependendo da diferença de fase
tes. As duas têm a mesma amplitude, o mesmo comprimento entre elas.
e a mesma fase, ou seja, os pontos de deslocamento máximo
coincidem, e dizemos neste caso que a diferença de fase entre
elas é zero. Ou seja, as ondas estão em fase.
Nesse caso, a interferência é chamada de construtiva, pois
uma onda soma-se à outra, reforçando-a, e o resultado é uma
única onda cuja amplitude é a soma das duas amplitudes.

Figura 1.3: Interferência geral.

Difração
Figura 1.1: Interferência construtiva. É possı́vel ouvir o som produzido por uma explosão que se
situa atrás de um muro delimitador, mesmo que este tenha
grande espessura de tal forma que as ondas sonoras não consi-
Interferência Destrutiva gam atravessá-lo. Da mesma forma, se algum membro da sua
famı́lia que está trancado sozinho num dos quartos coloca uma
Quando superpomos duas ondas, sendo que um deslocamento música num volume bem alto num aparelho de som potente,
máximo positivo de uma corresponde com o deslocamento todos os outros irão ouvi-la.
máximo negativo da outra, os efeitos (amplitude resultante) Deste modo, percebemos que o som (e todos os outros tipos
tendem a se cancelar. de ondas) tem a capacidade de contornar obstáculos. A esta
Na outra figura abaixo, as duas ondas têm uma diferença de habilidade definiu-se o nome de difração, que ocorre devido
fase de “meia onda”. Isso faz com que um alto de uma delas ao fato do comprimento de onda dos sons variarem de al-
coincida com um baixo da outra. Acontece, então, uma in- guns centı́metros a vários metros, de forma que estas ondas
terferência destrutiva entre elas. O resultado é que uma anula são ”grandes”em comparação com as aberturas e obstáculos
¯
completamente o efeito da outra. Nessa região não haverá mais freqüentemente encontrados na natureza.
onda nenhuma. Um critério simples para saber se a difração será observada
numa onda, ao passar por um obstáculo ou abertura de tama-
Caso Geral de Interferência nho D, é o de que o comprimento de onda λ usado seja da
ordem aproximada do tamanho D, ou seja:
Em geral, podemos observar num mesmo meio a propagação
de ondas de comprimentos e amplitudes diferentes, não sendo λ≈D
72 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Quando partes de uma onda são atrapalhadas pela presença de


obstáculos, sua propagação no meio considerado torna-se bem
mais complicada, fugindo ao que o bom senso esperaria. Isto
pode ser exemplificado imaginando-se um tanque cheio d’água
com ondas planas se propagando em sua superfı́cie.
Veja figura abaixo:

Figura 1.5: Difração de raio-X.

Essa é a famosa lei de Bragg.

Você Sabia?
Natureza Ondulatória da Luz

O que é a luz? A luz é uma radiação eletromagnética dual,


Figura 1.4: Difração de ondas na água.
que se comporta, ora como onda, ora como matéria, e viaja à
cerca de 300.000 km/s no vácuo.
O estudo da difração é importante nos dias de hoje para es-
Na verdade, as radiações eletromagnéticas cobrem uma ex-
tudar a natureza de defeitos pontuais, intersticiais e mesmo a
tensa faixa de comprimentos de onda, desde os raios cósmicos,
cristalinidade em materiais, possibilitando desta maneira es-
com comprimentos de onda menores que 10−18 metros (at-
tudar se um material é ou não adequado ao emprego em pes-
tometros), até as VLF (ondas de rádio de freqüência muito
quisas, experimentos ou mesmo em indústrias.
baixa) com comprimento de milhões de quilômetros, da ordem
de 101 2 metros (terametros).
Para Saber Mais! Dentro desta enorme faixa, apenas uma estreita janela com-
porta os comprimentos de onda que sensibilizam nossos olhos
Como vimos na seção anterior, sempre que a diferença de fase
é a denominada luz visı́vel. Esta faixa vai desde o violeta
entre duas ondas for zero, 1 comprimento de onda, 2 compri-
(4 × 10−7 m) ao vermelho (7 × 10−7 m). Entre estes dois
mentos de onda etc, as ondas interferem construtivamente e
valores estão as cores do espectro visı́vel, onde operam os
suas amplitudes se somam. Mas, se a diferença de fase for
telescópios ópticos, por exemplo.
de meio comprimento de onda, três meios comprimentos de
onda etc, elas interferem destrutivamente e suas amplitudes se
subtraem.
Imagine então que um feixe de raios-X incida sobre um cristal.
Como o espaçamento entre os átomos do cristal tem um valor
comprável com o comprimento de onda do raio-X, o feixe se
refletirá nos planos dos átomos como em um espelho. Veja
o se passa com dois raios que incidem em planos vizinhos.
Os máximos (”altos”) de cada onda são assinalado com uns Figura 1.6: Espectro eletromagnético.
tracinhos.Um dos raios, incide no plano de baixo e percorre
uma distância um pouco maior que o outro. A diferença entre O tamanho reduzido da “janela visı́vel”nos mostra a im-
os dois caminhos é mostrada. Nesse desenho, essa diferença portância dos instrumentos sensı́veis a outros comprimentos
é exatamente um comprimento de onda. Portanto, os raios de onda. Radiotelescópios operando na faixa das microon-
refletidos (ou ”difratados”, no caso) saem em fase e terão in- das conseguiram mapear a nossa galáxia, enquanto telescópios
terferência construtiva. É claro que isso só acontece para um sensı́veis a raios X estão em órbita localizando quasares.
ângulo de incidência bem determinado. É interessante observar que o Sol irradia ondas eletro-
Se você sabe um pouco de trigonometria pode ver, na figura, magnéticas em todos os comprimentos de onda, porém o
que a diferença de caminhos é 2dsen θ, onde é o ângulo entre máximo de energia emitida (cor amarela) está justamente den-
a direção dos raios-X e o plano de átomos do cristal. tro da pequena faixa do nosso espectro visı́vel. Os cientistas
acreditam que a visão tenha evoluı́do durante milhões de anos
A interferência será construtiva e, portanto, haverá um feixe
de adaptações e otimizações, deslocando a nossa capacidade vi-
difratado apenas no caso em que essa diferença de caminhos
sual em direção ao ponto ótimo, próximo ao pico de radiação
for um número inteiro de comprimentos de onda do raio-X.
solar, correspondente à cor do amarelo.
Isto é, se
Alguns animais, como o gato e outros predadores de vida no-
2dsen(θ) = nλ
turna, podem perceber visualmente radiação infra-vermelhas,
com n ∈ N, haverá um feixe difratado. as chamadas radiações térmicas, e localizam mamı́feros (de
Ondas – Aula 4 73

sangue quente) enxergando-os no escuro, já que emitem ondas [10 cm, 70 cm]
térmicas, que para nós são invisı́veis. e) n. d. a.
6. Um motor elétrico desbalanceado gira a 1.800 rpm e pro-
voca um ruı́do grave e contı́nuo, que é amplificado pelo mesa
Pense um Pouco! onde está fixo e pode ser ouvido claramente. Pode-se afirmar
que:
• Quando uma banda de rock toca, observa-se o fenômeno
a) a freqüência do ruı́do é cerca de 30 Hz
da interferência? Explique.
b) o motor está com os rolamentos gastos
• Se a luz difratasse em qualquer condição, quais fenômenos c) a mesa não é de boa qualidade
do nosso cotidiano seriam alterados? d) é melhor desligar o motor e chamar a CELESC
e) a mesa começará a “andar”por trepidação
• Porque não conseguimos sintonizar as rádios FM atrás de
morros, e as rádios AM sim? Determine o comprimento de
onda tı́pico de cada uma dessas faixas de rádio, compare
e explique.
Ondas Aula 4

Exercı́cios de Aplicação
Som
1. Observa-se a interferência de duas ondas quando:
a) elas possuem a mesma freqüência Fontes Sonoras
b) elas possuem a mesma amplitude
Em geral, ao estudo da produção (fontes sonoras), propagação
c) elas se propagam em sentidos opostos
e fenômenos correlatos sofridos pela onda mecânica sonora ou
d) elas são transversais
audı́vel, denomina-se Acústica, denominaremos por som à toda
e) elas se propagam no mesmo meio e no mesmo instante
onda mecânica sonora (intensidade suficiente e freqüência li-
2. São fenômenos ondulatórios comuns à qualquer tipo de mitada num certo intervalo).
onda:
a) interferência – aniquilação – transporte Som Audı́vel
b) difração – amortecimento – inércia
c) interferência – difração – reflexão Se a freqüência da onda sonora pertence ao intervalo de, 16 Hz
d) refração – dispersão – simetria a 20 kHz, esse som é audı́vel para o ser humano.
e) energia – momento – ressonância

3. Um apito produz um som de freqüência igual a 1.360 Hz


no ar, onde as ondas se propagam com velocidade de 340 m/s.
Então, o comprimento das ondas geradas é:
a) 4 m
b) 25 m
c) 40 cm
d) 25 cm
e) 0, 25 km

Exercı́cios Complementares
Ultra-som e Infra-som
4. O ouvido humano normal pode perceber sons de freqüência Ondas longitudinais de freqüências superiores a 20 kHz, carac-
no intervalo de 20 Hz a 20 kHz – a chamada faixa audı́vel. terizam sons inaudı́veis para nós e denominam-se ultra-sons.
Assinale a única alternativa correta: Aquelas de freqüências inferiores a 16 Hz, também inaudı́veis,
a) pode-se em geral ouvir sons de 25.000 Hz são ditas infra-sons.
b) o som é uma onda mecânica longitudinal
c) o som é uma onda longitudinal
Velocidade de Propagação do Som
d) o som é uma onda eletromagnética
e) todo som na faixa audı́vel se propaga no vácuo O som possui velocidades de propagação definidas para cada
meio de propagação, podendo este ser o ar, água, metais entre
5. Numa corda propagam-se dois pulsos de amplitudes igual a
outros, a velocidade de propagação do som no ar nas condições
30 cm e 40 cm, um em direção ao outro. No instante em que
normais de temperatura e pressão é a mais conhecida de todas:
eles se superpõem, pode-se dizer que:
a) ocorrerá interferência destrutiva vsom = 343 m/s = 1234 km/h
b) a amplitude observada será 70 cm
c) ocorrerá interferência destrutiva A velocidade do som foi ultrapassada por um avião há mui-
d) a amplitude resultante deverá estar no intervalo tos anos atrás, quando quebrou-se a chamada “barreira do
74 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

som”pela primeira vez. Mas, somente em outubro de 1997, ela Exercı́cios Complementares
foi ultrapassada por um automóvel.
Vejamos a velocidade do som em alguns meios materiais:
4. O ditado popular de que “as paredes tem ouvidos”está re-
lacionado diretamente com o fenômeno ondulatório chamado:
Meio Temperatura (◦ C) Velocidade (m/s) a) ressonância
ar 0 331,4 b) reflexão
hidrogênio 0 1.286 c) difração
oxigênio 0 317,2 d) absorção
água pura 15 1.450 e) n. d. a.
chumbo 20 1.230
alumı́nio 20 5.100 5. Uma onda sonora no ar possui um comprimento de onda
cobre 20 3.560 de 1/2 m e velocidade de 330 m/s. Ao passar para um meio
ferro 20 5.130 onde sua velocidade triplica, qual o seu novo comprimento de
granito 0 6.000 onda?
borracha 0 54 a) 2/3 m
b) 3/2 m
c) 1/2 m
Pense um Pouco! d) 1/6 m
e) n. d. a.
• Porque não escutamos o som que os morcegos emitem para
6. Uma certa espécie de morcego utiliza ultra-sons de
“enxergar”? 33.000 Hz para localizar insetos e se orientar no seu vôo no-
turno. Sendo a velocidade do som no ar igual a 330 m/s,
• Porque os ı́ndios norte-americanos colocavam o ouvido no pode-se afirmar que:
chão? a) ele usa ondas com 0, 1 m de comprimento
b) ele usa ondas com 0, 1 cm de comprimento
• Ao observarmos um pedreiro de longe, martelando algo, c) ele usa ondas com 100 mm de comprimento
percebemos que sua imagem não está sincronizada com os d) ele usa ondas com 1, 0 cm de comprimento
sons que ele produz (com as marteladas). Por quê? e) n. d. a.

Exercı́cios de Aplicação
Ondas Aula 5
1. Ao observar uma grande explosão em uma pedreira, de
longe, uma pessoa percebe, nessa ordem:
a) a luz - o ruı́do - as oscilações do chão
b) o ruı́do - a luz - as oscilações do chão Efeito Doppler
c) as oscilações do chão - o ruı́do - a luz
d) as oscilações do chão - a luz - o ruı́do Qualidades Fisiológicas do Som
e) a luz - as oscilações do chão - o ruı́do
A todo instante distinguimos os mais diferentes sons. Essa
2. Um método antigo de se determinar a profundidade de diferenças que nossos ouvidos percebem se devem às qualidades
um poço fundo e escuro é soltar-se uma pedra na sua boca, fisiológicas do som: altura, intensidade e timbre.
disparar-se um relógio (ou cronômetro) e medir-se o intervalo
de tempo até que se ouça o barulho. Sendo vsom a velocidade
do som no ar, h a profundidade do poço e g a aceleração da Altura
gravidade, o intervalo de tempo medido no relógio será:
Mesmo sem conhecer música, é fácil distinguir o som agudo (ou
a) ∆t = 2h/v
√ som fino) de um violino, do som grave (ou grosso) de um violoncelo.
b) ∆t = p2gh + h/vsom
Essa qualidade que permite distinguir um som grave de um
c) ∆t = p 2h/g + h/vsom
som agudo se chama altura. Assim, costuma-se dizer que o
d) ∆t = 2h/g som do violino é alto e o do violoncelo é baixo.
e) n. d. a.
A altura de um som depende da freqüência, isto é, do número
3. Um método popular para determinar-se a que distância de vibrações por segundo. Quanto maior a freqüência mais
x, em kilômetros, caiu um raio é, observar-se o relâmpago e agudo é o som e vice-versa.
medir-se o tempo t em segundos, que temos de esperar para Por sua vez, a freqüência depende do comprimento do corpo
ouvimos o estrondo. Pode-se afirmar que: que vibra e de sua elasticidade. Quanto maior a tensão
a) x ≈ t/2 (tração) e mais curta for uma corda de violão, por exemplo,
b) x ≈ t/3 mais agudo vai será o som por ela emitido.
c) x ≈ t/4 Você pode constatar também a diferença de freqüências usando
d) x ≈ t/5 um pente que tenha dentes finos e grossos. Passando os dentes
e) n. d. a. do pente na bosta de um cartão você ouvirá dois tipos de som
Ondas – Aula 5 75

emitidos pelo cartão: o som agudo, produzido pelos dentes fi-


Fonte Sonora em repouso
nos (maior freqüência), e o som grave, produzido pelos dentes
mais grossos (menor freqüência).

Intensidade

É a qualidade que permite distinguir um som forte (intenso)


de um som fraco (suave). A intensidade depende da amplitude
de vibração: quanto maior a amplitude mais forte é o som e
vice-versa. Quanto mais energia pudermos captar de uma onda
sonora, com mais intensidade ela será percebida. Por exemplo, Observador em repouso
quando o médico vai ouvir o coração de um paciente, ele precisa
concentrar mais energia para aumentar a intensidade do som a
ser ouvido, e por isso ele usa aquele famoso aparelho que capta Figura 1.1: Fonte e observador em repouso: não há efeito Dop-
e canaliza o som direto para o seu ouvido. pler.
Na prática não interessa aos nossos ouvidos diretamente a in-
tensidade intensidade de uma onda sonora, mas sim o nı́vel
sonoro, uma grandeza relacionada à intensidade sonora e à onda, e possui o nome do cientista austrı́aco Christian Doppler
forma como o nosso ouvido reage a essa intensidade. Essas (1803-1853) que o descobriu. Ele descobriu que a freqüência
unidades são o bel e o seu submúltiplo o decibel (dB), que vale com que uma onda é percebida depende também do movimento
1 décimo do bel. relativo da fonte sonora e do observador, o que pode ocasionar
uma mudança significativa entre a freqüência emitida e a per-
O ouvido humano é capaz de suportar sons de até 120 dB,
cebida por um detector ou pessoa. Por exemplo, numa corrida
como num show de rock, por exemplo. O ruı́do produzido por
de fórmula I, quando um carro passa por nós, percebe-se clara-
um motor de avião à jato a poucos metros do observador pro-
mente que o som passa de agudo (carro se aproximando de nós)
duz um som de cerca de 140 dB, e é capaz de causar estı́mulos
à grave (se afastando de nós). Qualquer criança sabe disso, e
dolorosos ao ouvido humano.
quando brinca de carrinho imita o famoso som da fórmula I:
A agitação das grandes cidades provocam a chamada poluição “uuóóóómmmm”. Eis o efeito Doppler!
sonora composta dos mais variados ruı́dos: motores e buzinas
de automóveis, martelos de ar comprimido, rádios, televisores
e etc. Já foi comprovado que uma exposição prolongada a Observador em Movimento
nı́veis maiores que 80 dB pode causar dano permanente ao Suponha que uma fonte estacionária está gerando ondas so-
ouvido. noras com freqüência f0 = 240Hz e comprimento de onda
A intensidade de uma onda sonora diminui à medida que o λ0 = fv0 . Um observador estacionário a uma certa distância
som se propaga ou seja, quanto mais distante da fonte, menos da fonte ouvirá um som com freqüência f0 = 240 Hz, e 240 ve-
intenso é o som. zes por segundo seu tı́mpano será empurrado e puxado, para
dentro e para fora, à medida que os máximos e mı́nimos da
Timbre pressão alcançam o ouvido. O perı́odo de tempo entre dois
máximos consecutivos é T = f10 = 240 1
s.
Imagine a seguinte situação: um ouvinte que não entende de Suponha que o observador suba em uma motocicleta e dirija
música está numa sala, ao lado da qual existe outra sala onde no sentido oposto ao da fonte. Suponha que no tempo t1 um
se encontram um piano e um violino. Se uma pessoa tocar a máximo de pressão alcança o seu ouvido na posição x. O
nota dó no piano e logo a seguir outra pessoa tocar a mesma próximo máximo estará na posição x no tempo t1 + T . Mas, o
nota dó no violino, ambas com a mesma “força”, os dois sons ouvido não estará mais nesta posição. O observador se moveu.
terão a mesma altura (freqüência) e a mesma intensidade. O máximo tem que percorrer uma distância extra antes de
Mesmo sem ver os instrumentos, o ouvinte da outra sala sa- alcançar o ouvido. Esta distância extra toma um tempo ex-
berá distinguir facilmente um som de outro, porque cada ins- tra ∆t. O intervalo de tempo entre máximos sucessivos que
trumento tem seu som caracterizado, ou seja, seu timbre. alcança o ouvido do observador é agora T + ∆t.
Podemos afirmar, portanto, que timbre é a qualidade que nos O perı́odo aumentou, a freqüência aparente da onda diminui.
permite perceber a diferença entre dois sons de mesma altura Este é um exemplo do efeito Doppler. Se o observador estiver
e intensidade produzidos por fontes sonoras diferentes. dirigindo no sentido da fonte, o intervalo de tempo entre os
máximos alcançando o ouvido será mais curto que T. Suponha
que no tempo t1 um máximo de pressão alcance o ouvido na
Efeito Doppler
posição x. O próximo máximo chegará na posição x no tempo
Na figura abaixo os anéis simbolizam os máximos da onda t1 + T . Mas, ele chegará ao ouvido antes de ele alcançar a
sonora. O intervalo de tempo entre as emissões sucessivas é T , posição x, já que o observador se move no sentido da fonte.
o perı́odo da onda. Quanto maior o cı́rculo, mais tempo faz que A freqüência aparente do som que alcança o observador é
a emissão foi feita. Todos os cı́rculos expandem com a mesma
v + v0
velocidade. Se um observador estiver estacionário, então o f = f0
intervalo de tempo entre a chegada dos cı́rculos sucessivos ao v
ouvido é T . onde v é a velocidade do som, e v0 é a componente da velo-
O efeito Doppler é um fenômeno observado com todo o tipo de cidade do observador na direção da fonte (v0 é negativo se o
76 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

observador estiver se movendo para longe da fonte).


Fonte Sonora se afastando
Normalmente não observamos o efeito Doppler quando nos
do observador
movemos a pé, já que a velocidade do som é muito maior
do que a nossa. Mas, movendo-se em uma motocicleta a
90 km/h = 25 m/s na direção de uma fonte, temos que

340 + 25
f = f0 = 1, 07 · f0
340
Movendo-se para longe da fonte dá

340 − 25 Observador em repouso


f = f0 = 0, 93 · f0
340
Quando passa pela fonte, o motoqueiro observa então uma va- Figura 1.3: Fonte se afastando do observador em repouso: f <
riação de freqüência da ordem de 0, 14 · f0 , ou seja, de 14%, f0 .
uma variação razoável e bem perceptı́vel. Só para comparação,
as teclas vizinhas de um piano geram sons com aproximada-
mente 6% de diferença na freqüência – os chamados intervalos Pense um Pouco!
de semi-tom. Um tom completo sendo então de cerca de 12%,
por exemplo, a distância de dó até ré. • O que um bom violonista faz para produzir sons de dife-
rentes intensidades, timbres e alturas?

Fonte em Movimento • Se as ondas sonoras se propagam no ar, então o vento


pode carregá-las e distorcê-las? Explique.
A freqüência observada de uma onda sonora também varia se
o observador estiver se movendo.
A freqüência aparente neste caso é dada por Exercı́cios de Aplicação
v
f = f0
v − vs 1. Um trem apita com freqüência de 400 Hz. Você é um obser-
vador estacionário e ouve o apito, mas o ouve com freqüência
onde vs é a componente da velocidade da fonte na direção do
de 440 Hz.
observador (vs é negativo se a fonte se mover para longe do
a) Qual é a velocidade do trem?
observador).
b) Ele se aproxima ou se afasta de você?
Nesta figura a fonte está se movendo para o observador. O c) Qual a variação percentual no comprimento de onda que
centro de cada cı́rculo está na posição da fonte no momento você percebe, em relação ao som emitido pelo trem?
em que ela emite o máximo. Como a fonte está se movendo
para a direita, o centro dos cı́rculos sucessivos move-se para 2. O efeito Doppler está relacionado com:
a direita. Se o observador estiver parado, então o intervalo a) a intensidade do som
de tempo entre a chegada dos cı́rculos sucessivos ao ouvido é b) a alteração da freqüência do som
menor do que T , e portanto, ele percebe f > f0 . c) o nı́vel sonoro
d) o timbre do som
e) n. d. a.
Fonte Sonora se aproximando
do observador 3. Um apito para cães emitem um som de 25 kHz, e é
inaudı́vel para nós, pois só percebemos sons de até 20 kHz.
a) Seria possı́vel testar se um tal apito está funcionando, uti-
lizando o efeito Doppler? Explique.
b) Faça os cálculos necessários e verifique se isto é
viável/possı́vel.

Observador em repouso
Exercı́cios Complementares

4. Se dois carros andam numa auto estrada reta, com a mesma


Figura 1.2: Fonte se aproximando do observador em repouso: velocidade, um logo atrás do outro por um certo tempo, e o
f > f0 . de trás aciona a buzina freqüência f0 , podemos afirmar que, o
motorista do carro da frente:
Nesta figura a fonte está movendo-se para longe do observa- a) escuta um som mais agudo ainda
dor. Como a fonte move-se para a esquerda, o centro dos b) escuta um som mais grave ainda
cı́rculos sucessivos move-se para a esquerda. Se o observador c) ambos escutam a mesma freqüência f0
está estacionário, então o intervalo de tempo ente a chegada d) ninguém escuta nada
dos cı́rculos sucessivos é maior do que T , ou seja, f <0 . e) n. d. a.
Ondas – Aula 5 77

5. Uma avião se move com velocidade igual a 1/4 da veloci-


dade do som, passando numa demonstração sobre uma cidade
num vôo rasante. Um observador parado no chão perceberá,
na freqüência dos sons emitidos pelo avião que se aproxima:
a) Um aumento de cerca de 25%
b) Uma redução de cerca de 25%
c) Um aumento de cerca de 33%
d) Uma redução de cerca de 33%
e) n. d. a.
6. Um avião militar desgovernado, voa em direção a um pa-
redão vertical de pedra que está à sua frente, em rota de colisão
frontal. O piloto percebe que o som emitido pelo avião e re-
fletido no rochedo tem a sua freqüência aumentada em 50%.
Qual a velocidade do avião?
a) 1/2 da velocidade do som no ar
b) 1/3 da velocidade do som no ar
c) 1/4 da velocidade do som no ar
d) 1/5 da velocidade do som no ar
e) n. d. a.
78 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br
Termodinâmica – Aula 1 79

corresponde a um valor de temperatura. A parede da haste é


Termodinâmica Aula 1 graduada convenientemente, para indicar a temperatura cor-
respondente a cada comprimento da coluna de mercúrio.
As escalas termométricas mais importantes são a Célsius, a
Fahrenheit e a Kelvin, e são atribuı́dos aos pontos fixos (ponto
de fusão PF e ponto de ebulição da água PE ), os valores abaixo:
Termodinâmica
A Termodinâmica é a parte da Fı́sica Clássica que estuda os o
sistemas térmicos, os processos de transformações fı́sicas que Ebulicao 212 F 100 oC 373 K
ocorrem em tais sistemas, bem como as trocas de energia, calor da Agua
e o trabalho mecânico.

o
Temperatura Fusao 32 F 0 C
o
273 K
Temperatura e calor são grandezas básicas no estudo da ter- do Gelo
mofı́sica e tanto a sua compreensão como a sua perfeita dis- TF TC T
tinção são de importância vital para o entendimento de toda a
termofı́sica. De maneira simplificada pode-se definir que tem-
peratura como uma grandeza que permite avaliar o nı́vel de
agitação das moléculas de um corpo. De acordo com a teo- o o
ria cinética dos gases, as moléculas de um gás movem-se livre Zero −459 F −273 C 0K
e desordenadamente em seu interior, separadas umas das ou- Absoluto
tras, e apenas interagindo entre si durante colisões eventuais.
A medida que se aquece o gás, a velocidade com que suas
moléculas se movem aumenta, caracterizando um aumento na Fahrenheit Celsius Kelvin
energia cinética dessas moléculas, da mesma forma um resfria-
mento do gás provoca a diminuição da velocidade e da energia
cinética de suas moléculas. Como a velocidade e conseqüen-
temente a energia cinética de cada átomo que constitui uma Figura 1.1: Os pontos de referência nas diferentes escalas.
molécula não é a mesma, o estado térmico de um corpo é avali-
ado pela energia cinética média de seus átomos: quanto maior
for a energia cinética média das partı́culas que compõem um Conversão de Temperaturas
corpo, maior será a sua temperatura.
Embora usualmente se empregue o grau célsius (◦ C) como uni-
dade prática de temperatura, a conversão entre escalas é muito
Calor importante, pois o kelvin é a unidade de temperatura do SI, e o
grau Fahrenheit (◦ F ) ainda é bastante utilizado em livros e fil-
Colocando dois corpos de temperaturas diferentes em contato mes de lı́ngua inglesa. A relação entre as escalas termométricas
térmico, observamos o mais quente esfriar e o mais frio es- pode ser obtida facilmente através de proporções matemáticas.
quentar. O corpo mais quente perde calor e o corpo mais frio Imagine-se três termômetros de construção idêntica, cada um
ganha calor. Os corpo trocarão calor até a atingirem a mesma graduado em uma das escalas (Célsius , Fahrenheit e Kelvin),
temperatura, neste caso estarão em equilı́brio térmico. Essa é em equilı́brio térmico com um mesmo corpo. Obviamente, os
a chamada lei zero da Termodinâmica. três termômetros estarão indicando o mesmo estado térmico e,
Portanto o calor é a energia em trânsito do corpo mais quente portanto, apresentarão as colunas de mercúrio no mesmo nı́vel.
para o corpo mais frio por causa da diferença de temperatura Observando-se os pontos fixos já definidos para cada escala, e
dos corpos em contato térmico. Então, a unidade de medida chamando de TC ,TF e T , as temperaturas do corpo nas es-
de calor é a mesma unidade de energia. calas Célsius, Fahrenheit e Kelvin, respectivamente, podem-se
No Sistema Internacional, a unidade de energia é o joule ou J, estabelecer as proporções:
e na Quı́mica se usa a caloria ou cal. A equivalência entre as
unidades é:
TC − 0 ◦ C TF − 32 ◦ F T − 273 K
= =
100 ◦ C − 0 ◦ C 212 ◦ F − 32 ◦ F 373 K − 273 K
1 cal = 4, 186 J
logo:
Escalas Termométricas TC TF − 32 ◦ F T − 273 K
= =
Dentre os diversos tipos, estudaremos as escalas termométricas 5 ◦C 9 ◦F 5K
a partir do termômetro de mercúrio, o mais simples e comum. Observe que ambas as escalas Célsius e Kelvin são centı́gradas,
É constituı́do de uma haste oca de vidro, ligada a um bulbo pois o intervalo e calibração (do ponto de fusão do gelo ao de
contendo mercúrio. Ao ser colocado em contato com um corpo ebulição da água) é dividido em 100 graus, ou 100 partes. Na
ou ambiente cuja temperatura se quer medir, o mercúrio se di- escala Fahrenheit, este intervalo é subdividido em 180 partes
lata ou contrai, de forma que cada comprimento de sua coluna (graus frahrenheit).
80 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Intervalos de Temperatura afirmar que a única temperatura que esse termômetro assinala
corretamente, em graus Célsius é:
Converter temperaturas de uma escala para a outra não é o a) 12
mesmo que converter intervalos de temperatura entre as es- b) 49
calas. Exemplo, um intervalo de temperatura de 10 ◦ C cor- c) 75
responde, na escala absoluta (ou Kelvin) a um intervalo de d) 25
10 K, e na escala Fahrenheit, o intervalo correspondente será e) 64
de 18 ◦ F , pois para cada grau célsius, temos 1,8 grau fahre-
nheit. 5. (CENTET-BA) Num termômetro de escala X, 20 ◦ X cor-
A menor temperatura que existe na natureza é o chamado respondem a 25 ◦ C, da escala Célsius, e 40 ◦ X correspondem
zero absoluto ou seja, 0 K. Por isso a escala Kelvin é dita a 122 ◦ F , na escala Fahrenheit. Esse termômetro apresentará,
absoluta. Nas outras escalas, os zeros foram escolhidos arbi- para a fusão do gelo e a ebulição da água, os respectivos valo-
trariamente, não levando em conta a possibilidade de haver res, em ◦ X:
uma menor temperatura possı́vel na natureza, o que só foi a) 0 e 60
descoberto depois da criação das primeiras escalas térmicas. b) 0 e 80
c) 20 e 60
d) 20 e 80
Pense um Pouco! e) 60 e 80

• Qual a temperatura normal do corpo humano, em ◦ F ? 6. (PUC) Uma revista cientı́fica publicou certa vez um artigo

sobre o planeta Plutão que, entre outras informações, dizia
• A temperatura ideal da cerveja é em torno de 4 C, antes “...sua temperatura atinge −380 ◦ ...”. Embora o autor não
de beber. Se dispomos apenas de um termômetro com es- especificasse a escala termométrica utilizada, certamente se
cala Kelvin, qual a temperatura absoluta correspondente refere à escala:
ao mesmo estado térmico da cerveja ideal? a) Kelvin
b) Célsius
c) Fahrenheit
Exercı́cios de Aplicação d) Kelvin ou Célsius
e) Fahrenheit ou Célsius
1. Ao tomar a temperatura de um paciente, um médico só
dispunha de um termômetro graduado na escala Fahrenheit.
Se o paciente estava com febre de 42 ◦ C, a leitura feita pelo
médico no termômetro por ele utilizado foi de : Termodinâmica Aula 2
a) 104 ◦ F
b) 107, 6 ◦ F
c) 72 ◦ F
d) 40 ◦ F
e) 106, 2 ◦ F
Dilatação Térmica
2. (URCAMP-SP) No interior de um forno, um termômetro
Célsius marca 120◦C. Um termômetro Fahrenheit e um Kelvin Quando aquecemos um sólido, geralmente suas dimensões au-
marcariam na mesma situação, respectivamente: mentam. Quando esfriamos, geralmente suas dimensões dimi-
a) 248 ◦ F e 393 K nuem. A esse aumento e a essa diminuição de dimensões de um
b) 198 ◦ F e 153 K sólido, devido ao aquecimento ou ao resfriamento, chamamos
c) 298 ◦ F e 153 K de dilatação térmica.
d) 393 ◦ F e 298 K Para os sólidos, temos três tipos de dilatação:
e) nenhuma resposta é correta

3. (ACAFE) Uma determinada quantidade de água está a • Dilatação linear (ou unidimensional)
uma temperatura de 55 ◦ C. Essa temperatura corresponde
a: • Dilatação superficial (ou bidimensional)
a) 55 ◦ F
b) 328 ◦ F • Dilatação volumétrica (ou tridimensional)
c) 459 ◦ K
d) 131 ◦ F
e) 383 ◦ K Dilatação Linear
Para observarmos a dilatação de um sólido, imaginemos uma
Exercı́cios Complementares barra de comprimento inicial L0 na temperatura inicial T0 , que
passa a ter o comprimento final L quando aquecida a tempe-
4. (UEL) Um termômetro foi graduado, em graus Célsius, ratura final T , sofrendo um aumento de comprimento:
incorretamente. Ele assinala 1 ◦ C para o gelo em fusão e
97 ◦ C para a água em ebulição, sob pressão normal. Pode-se ∆L = L − L0
Termodinâmica – Aula 2 81

do lı́quido, o que não tem significado. Neste caso estuda-se


L0 apenas a dilatação cúbica.
T0
Para tanto, usamos a mesma relação definida para os sólidos,
L já que a lei é a mesma para ambos:
T > T0
V = V0 (1 + γ∆T )
∆L

Os lı́quidos só podem ser estudados dentro de recipientes


Verifica-se experimentalmente que ∆L é proporcional ao com- sólidos. É pois, impossı́vel estudar dilatação dos lı́quidos sem
primento inicial L0 e a variação de temperatura ∆T , podendo considerar a dilatação dos recipientes que os contém. Isso im-
se expressar essa relação por: plica dois tipos de dilatação para um lı́quido; uma dilatação
real, que depende apenas do lı́quido, e a outra aparente, que
∆L = αL0 ∆T leva em conta a dilatação do frasco que o contém.
Assim consideremos um recipiente totalmente cheio de um
em que α é um coeficiente de proporcionalidade caracterı́stico
lı́quido, numa temperatura inicial T0 . Ao levarmos o con-
do material que constitui a barra, chamado de coeficiente di-
junto (lı́quido mais frasco) para uma temperatura final T , com
latação linear.
T > T0 , notamos que ocorre um extravasamento parcial do
Assim, o comprimento final da barra será lı́quido. O volume extravasado fornece a dilatação aparente
∆Vap. do lı́quido, pois como o frasco também dilatou, o vo-
L = L0 + ∆L = L0 (1 + α∆T )
lume que esta no interior do frasco no final é maior que no
inı́cio. Portanto a dilatação real do lı́quido é a soma da sua
Dilatação Superficial e Volumétrica dilatação aparente e a do frasco:

Para essas dilatações, valem considerações análogas às vistas ∆Vreal = ∆Vaparente + ∆Vf rasco
na dilatação linear, ou seja:
como ∆V = V0 γ∆T então
∆A = βA0 ∆T
V0 γr ∆T = V0 γa ∆T + V0 γf ∆T
e
∆V = γV0 ∆T
logo
onde β é o coeficiente de dilatação superficial e γ é o coeficiente γr = γa + γf
de dilatação volumétrica.
Então, devemos observar que a dilatação do lı́quido compensou
∆L a dilatação do frasco e ainda nos forneceu a dilatação aparente.
L0

antes de aquecer Dilatação Anômala da Água


2
A0=L0
e depois A água possui um comportamento anômalo em sua dilatação.
2
A = L = A + ∆A 0
A 4 ◦ C o volume da água é mı́nimo e a sua densidade é
2
A = L + 2L ∆L + (∆L)
2 máxima. Isto ocorre devido ao fortalecimento das pontes de
0 0

L e como hidrogênio, abaixo de 4 ◦ C, quando as moléculas de H2 O


0

∆ L = α L ∆T 0
começam a se reorganizar para a formação dos cristais de gelo,
temos que onde irão ocupar um volume maior do que no estado lı́quido.
2 2 2 2 2
A = L + 2α L ∆T +α L (∆ T)
0 0 0 Esse comportamento da água explica por que num lago,
e finalmente 0
quando a temperatura cai a valores extremamente baixos, a
2 2 2
A = L [1 + 2 α ∆ T + α (∆ T) ]
0 água se solidifica apenas na superfı́cie. Isto ocorre porque até
A = A (1 + 2 α∆ T) e ∆ A = A 2α∆ T 4 ◦ C, no resfriamento, a água da superfı́cie torna-se mais densa
0 0
e afunda, subindo a água mais quente do fundo que é menos
∆L densa. Ao atingir uma temperatura abaixo de 4 ◦ C, a água
da superfı́cie se expande, diminuindo a sua densidade, assim
essa água fria não desce mais e ao atingir 0 ◦ C se solidifica.

Pode-se mostrar que estes novos coeficientes β e γ podem ser No fundo fica água mais quente, numa temperatura de 4 C.
escritos em função do coeficiente de dilatação linear α como: É isto que preserva a vida animal e vegetal existente no fundo
do lago.
β = 2α e γ = 3α

Dilatação dos lı́quidos Pense um Pouco!


A dilatação térmica de um lı́quido corresponde ao aumento ou • Os músicos geralmente deixam para afinar seus instru-
a diminuição de volume desse lı́quido quando este é aquecido mentos no local da apresentação, a diferença de tempera-
ou resfriado. Ao estudar a dilatação dos lı́quidos, já que não tura entre o ambiente que estão , e o local do show, podem
possuem forma própria, não se definem comprimento e área desafinar seus instrumentos?
82 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Exercı́cios de Aplicação a) 6 × 10−5


b) 5 × 10−5
c) 4 × 10−5
1. (Fuvest) Café fervente é despejado em um copo de vidro.
d) 3 × 10−5
O corpo parte-se. Uma possı́vel explicação seria:
e) 2 × 10−5
a) A dilatação das várias partes do copo não é uniforme.
b) O ponto de fusão do vidro é próximo ao de ebulição do
café.
c) Sendo o vidro transparente, o calor passa através dele com Termodinâmica Aula 3
facilidade
d) A capacidade Térmica do vidro é menor que a do café
e) O calor especı́fico do vidro é menor que o do café

2. (PUC) Um fio de cobre de 100 m sofre aumento de tempe- Transformações Gasosas


ratura de 10 ◦ C. O coeficiente de dilatação linear do cobre é
17 × 10−6 ◦ C −1 . A variação do comprimento foi de:
Considerações iniciais
a) 17 mm
b) 17 m Gás Perfeito (ou ideal) é um modelo teórico de gás que obe-
c) 100, 17 m dece, em seu comportamento, as leis estabelecida por Robert
d) 17 cm Boyle, Jacques Charles, Joseph Louis Gay-Lussac e Paul Emile
e) 1, 7 m Clapeyron.
3. (UNITAU) Um orifı́cio numa panela de ferro, a 0 ◦ C tem Um Gás real tem seu comportamento tanto mais próximo do
5 cm2 de área. Se o coeficiente de dilatação linear do ferro é ideal quanto mais elevada for sua temperatura e quanto mais
de 1, 2 × 10−5 ◦ C −1 , a área desse orifı́cio a 300 ◦ C será, em baixa for sua pressão.
cm2 :
a) 5,018 Variáveis de estado de um gás
b) 10,072
c) 4,964 Algumas grandezas que definem e caracterizam o estado ter-
d) 10,036 modinâmico de uma dada massa de gás são chamadas variáveis
e) 5,036 de estado. São por exemplo, a temperatura, a pressão, o vo-
lume, a energia interna, etc. Destas, as que nos interessam,
por enquanto, são a temperatura, a pressão e o volume.
Exercı́cios Complementares
Volume (V )
4. (UNESP-SP) A dilatação térmica dos sólidos é um
fenômeno importante em diversas aplicações de engenharia, Os gases não tem volume nem forma próprios. Por definição,
como construções de pontes, prédios e estradas de ferro. Con- volume de um gás é o volume do recipiente ocupado por ele.
sidere o caso dos trilhos de trem serem de aço, cujo coeficiente As unidades usuais de volume são: L (litro), cm3 e m3 .
de dilatação é 11 × 10−6 ◦ C −1 . Se a 10 ◦ C o comprimento de
um trilho é de 30 m, de quanto aumentaria o seu comprimento Pressão (P )
se a temperatura aumentasse para 40 ◦ C?
a) 11 × 10−4 m A pressão exercida por um gás é devida aos choques das suas
b) 33 × 10−4 m partı́culas contra as paredes do recipiente. As unidades usu-
c) 99 × 10−4 m ais de pressão são: N/m2 , P a, atm e mmHg, onde valem as
d) 132 × 10−4 m seguintes relações:
e) 165 × 10−4 m 1 N/m2 = 1 P a
1 atm = 105 N/m2
5. (UFLA-MG) O tanque de combustı́vel de um carro de 1 atm = 760 mmHg
fórmula 1 tem capacidade de 120 litros e são colocados 100
litros de combustı́vel a 5, 0 ◦ C. Considerando o coeficiente
de dilatação volumétrica do combustı́vel 1, 2 × 10−3 ◦ C −1 e Temperatura (T )
a variação de volume do tanque desprezı́vel, então a 45 ◦ C o
volume colocado terá um acréscimo, em litros, de: Mede o estado de movimento das partı́culas do gás. Na teoria
a) 4,8 litros dos gases perfeitos, é usada a temperatura absoluta (escala
b) 3,6 litros Kelvin).
c) 2,4 litros
d) 1,2 litros
e) 20,0 litros Transformações de um Gás
6. (MACKENZIE) Uma barra metálica, ao variar sua tempe- Dizemos que uma dada massa de gás sofre uma transformação
ratura em 80 ◦ C, sofre um aumento de comprimento de 0,16%. quando há variação de pelo menos uma de suas variáveis de
O coeficiente de dilatação volumétrica do material dessa barra estado. Entre as transformações de um gás, devemos destacar
é, em ◦ C −1 : as seguintes:
Termodinâmica – Aula 3 83

• Isotérmicas: são as que ocorrem a temperatura cons- Quando a pressão p é dada em atm, o volume V é dado em
tante; litros (L), o número de moles n é dado em mol, a temperatura
T é dada em kelvin, a constante R será dada por:
• Isobáricas: são as que ocorrem a pressão constante;
R = 0, 0831 atm · L/mol · K
• Isométricas (ou Isocóricas): são as que ocorrem a vo-
lume constante. já que a unidade de energia
• Adiabáticas: são as que ocorrem sem troca de calor com atm · L = (105 N/m2 ) × (10−3 m3 = 100 J
o meio externo.
, ou seja,
1 J = 0, 01 atm · L
Leis dos Gases
As leis fı́sicas dos gases são leis de caráter experimental que Pense um Pouco!
regem as principais transformações gasosas.
• Por que não devemos incineram latas de spray vazias?
Lei de Boyle e Mariotte • Por quem um balão de gás abandonado explode ao subir
Rege as transformações Isotérmicas e pode ser enunciada as- na atmosfera?
sim:
“Quando uma dada massa de gás perfeito é mantida a tem- Exercı́cios de Aplicação
peratura constante, a pressão é inversamente proporcional ao
volume”
ou seja, 1. (UFU-MG) Uma panela de pressão de volume 8, 3 litros
é dotada de uma válvula de segurança, cuja abertura ocorre
pV = constante
quando a pressão interna ultrapassa 20 atm. Se no recipiente
existem 5, 0 mol de um gás perfeito, qual a máxima tempe-
Lei de Gay -Lussac ratura possı́vel, em graus Celsius, para que o gás não escape
pela válvula?
Rege as transformações Isobáricas e pode ser enunciada assim: a) 200
“Quando uma dada massa de gás perfeito é mantida a pressão b) 300
constante, o volume é diretamente proporcional a temperatura c) 400
absoluta” d) 500
ou seja, e) 600
V = constante × T
2. (MACKENZIE) Um pesquisador transferiu uma massa de
gás perfeito a temperatura de 27 ◦ C para outro recipiente de
Lei de Charles volume 20% maior. Para que a pressão do gás nesse novo
recipiente seja igual a inicial, o pesquisador teve de aquecer o
Rege as transformações Isométricas e pode ser enunciada as- gás de:
sim: a) 60 ◦ C
“Quando uma dada massa de gás perfeito é mantida a volume b) 50 ◦ C
constante, a pressão é diretamente proporcional a temperatura c) 40 ◦ C
absoluta” d) 30 ◦ C
ou seja, e) 20 ◦ C
p = constante × T 3. (USC-BA) Certa massa de uma gás ocupa o volume de
100 L sob pressão de 3, 0 atm e temperatura de 27 ◦ C. A
Equação de Clapeyron constante universal dos gases perfeitos vale R = 0, 0831 atm ·
L/mol · ◦ C. A massa do gás, sabendo que a sua molécula
Das leis de Boyle e Mariotte e de Charles, observamos que a grama é de 27, 7 g, é:
pressão exercida por um gás perfeito é inversamente proporci- a) 111, 1 g
onal ao seu volume e diretamente proporcional a sua tempe- b) 222, 2 g
ratura absoluta. É fácil observar também que essa pressão é c) 333, 3 g
proporcional ao número de partı́culas de gás existente no reci- d) 444, 4 g
piente. Convertendo esse número de partı́culas em número de e) 555, 5 g
moles (n) , podemos equacionar tudo isso, obtendo a seguinte
relação:
pV = nRT Exercı́cios Complementares
onde R é uma constante de proporcionalidade, igual para todos
os gases, denominada constante universal dos gases perfeitos e 4. (CESGRANRIO) No SI, a constante universal dos gases
no SI temos perfeitos é expressa em:
R = 8, 31 J/mol · K a) (l · atm)/(K · mol)
84 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

b) cal/(g · ◦ C) e para o N H3 : 3N átomos de H.


c) J/(kg · K) A experiência confirma este resultado pois, enquanto se recolhe
d) J/(mol · K) uma massa m de hidrogênio na decomposição do HCl, verifica-
e) J/kg se que uma massa 2m é recolhida na decomposição do H2 O e
uma massa 3m na decomposição do N H3 .
5. (FUVEST) Certa massa de um gás ideal sofre uma trans-
formação na qual a sua pressão é triplicada e seu volume é
reduzido a metade. A temperatura absoluta final do gás será: O Número de Avogrado (N )
A
a) 1/3 do seu valor inicial
b) 2/3 do seu valor inicial Uma vez conhecida a lei de Avogrado, precisamos medir qual
c) 3/2 do seu valor inicial é o número de moléculas que existe em uma dada massa do
d) 2 vezes o seu valor inicial gás. Suponha, por exemplo, que se tome 1 mol de vários gases
e) 3 do seu valor inicial diferentes (2 g de H2 , 32 g de O2 , 28 g de N2 , etc...). De seus
conhecimentos de quı́mica, você já deve saber que o número
6. (PUC) Uma amostra com 5, 0 mol de um gás perfeito está de moléculas, em cada uma dessas amostras, é o mesmo. Este
num recipiente de volume constante 8, 3 L. Se o gás se encontra número é denominado Número de Avogrado e é representado
numa temperatura de 127 ◦ C, podemos afirmar que a pressão por N .
A
a que o gás está submetido será aproximadamente :
O cientista Perrin, no inı́cio do século, realizou uma série de ex-
a) 40 atm
periências, procurando determinar o valor de NA , concluindo
b) 12 atm
que este valor estaria compreendido entre 6, 5×1023 e 7, 2×1023
c) 18 atm
moléculas em cada mol. Por esta medida, Perrin recebeu o
d) 20 atm
Prêmio Nobel de Fı́sica, em 1926. Posteriormente, medidas
e) 24 atm
mais precisas mostraram que o valor NA é mais próximo de

NA = 6, 02 × 1023 moléculas/mol
Termodinâmica Aula 4
Densidade e Massa Molecular
Define-se a densidade ρ volum’etrica de uma amostra de vo-
Lei de Avogrado lume V e massa m de qualquer substância homogênea como

Até o inı́cio do século passado, os cientistas já haviam adqui- m


ρ=
rido uma razoável quantidade de informações sobre as reações V
quı́micas observadas entre gases. O cientista italiano Ame-
deo Avogrado, baseando-se nestas informações e em resulta- e a unidade SI da densidade é o kg/m3 .
dos de experiências realizadas por ele próprio, formulou em Tomemos duas amostras gasosas A e B, ambas ocupando o
1811 uma hipótese muito importante, relacionando o número mesmo volume, a mesma pressão e temperatura. Pela lei
de moléculas existentes em duas amostras gasosas. Segundo de Avogrado, sabemos que estas amostras contem o mesmo
Avogrado, número de moléculas. Supondo que a massa molecular de A,
se tomarmos dois recipientes, de mesmo volume, con- MA , seja o dobro da massa molecular de B, MB , evidente-
tendo gases diferentes, ambos a mesma temperatura mente a massa da amostra A, mA , também será o dobro da
e pressão, o número de moléculas contidas em cada massa sa amostra B, mB . Mas, como as amostras tem vo-
recipiente deveria ser o mesmo. lumes iguais, concluimos que a densidade de A, ρA , será o
Posteriormente, um grande número de confirmações experi- dobro da densidade de B, ρB . Do mesmo modo, se tivéssemos
mentais desta afirmativa fizeram com que ela passasse a ser MA = 3MB , terı́amos, também, ρA = 3ρB . Então, podemos
conhecida como a lei de Avogrado: concluir que
ρA MA
Volumes iguais, de gases diferentes, à mesma tempera- =
tura e pressão, contem o mesmo número de moléculas. ρB MB
isto é, a densidade de um gás é diretamente proporcional a sua
massa molecular.
Confirmações Experimentais
A lei de Avogrado é amplamente confirmada pela experiência.
Uma das verificações desta lei pode ser feita quando analisa- Pense um Pouco!
mos, no laboratório, a decomposição de alguns gases. Tome-
mos, por exemplo, volumes iguais de HCl, H2 O e N H3 , sob a • Escreva o número de avogadro por extenso, com os seus
forma gasosa, a mesma pressão e temperatura. De acordo com 23 zeros, e observe como ele é enorme!
a Lei de Avogrado, as três amostras dos gases considerados de-
vem Ter o mesmo número N de moléculas. Decompondo estes • Quando um gás é comprimido, o que aontece com a sua
gases e recolhendo o hidrogênio liberado em cada amostra, de- densidade?
verı́amos, então, obter:
Para o HCl: N átomos de H • O que aconteceria com a hipótese de Avogrado em
para o H2 O: 2N átomos de H condições que não fossem as CNTP?
Termodinâmica – Aula 5 85

Exercı́cios de Aplicação b) 6, 02 × 1023 moléculas


c) 2, 0 × 1024 moléculas
d) 3, 0 × 1024 moléculas
1. (UFSE) Constata-se experimentalmente que, nas mesmas
e) 4, 0 × 1024 moléculas
condições de temperatura e pressão, 3 volumes de hidrogênio
reagem com um volume de ozônio, produzindo 3 volumes de
vapor de água. Essa informação nos permite deduzir - a partir
da Lei de Avogrado - que o número de átomos na molécula de Termodinâmica Aula 5
ozônio é igual a:
a) 2
b) 3
c) 4
d) 5 Modelo Molecular de um Gás
e) 6
As leis que descrevem o comportamento dos gases, foram ob-
2. (UCS-BA) Sob as mesmas condições de temperatura e tidas experimentalmente. Vamos agora tentar relacionar estas
pressão, o volume de qualquer gás é diretamente proporcional leis com o comportamento das partı́culas que constituem o gás,
ao seu número de moléculas. Essa é uma forma de enunciar a isto é, seus átomos ou suas moléculas. Os cientistas intensi-
Lei de: ficaram seus estudos sobre a estrutura molecular dos gases,
a) Avogrado baseando-se nas seguintes suposições:
b) Gay-Lussac
c) Lavoisier 1. um gás é constituido de pequenas partı́culas, átomos ou
d) Faraday moléculas;
e) Einstein
2. o número de moléculas existentes em uma dada massa
3. (UFRS) Um recipiente de 2 litros contem um gás per- gasosa é muito grande;
feito a temperatura de 17 ◦ C e pressão de 50 P a. Dado
R = 8, 31 J/mol · K, podemos afirmar que o número de 3. a distância média entre as moléculas é muito maior do que
moléculas nesse recipiente é de: as dimensões de uma molécula;
7
a) 2, 7 × 10 moléculas
4. as moléculas de um gás estão em constante movimento,
b) 3, 7 × 107 moléculas
e este movimento é inteitamente ao acaso, isto é as
c) 5, 0 × 107 moléculas
moléculas se movimentam em qualquer direção.
d) 2, 7 × 1018 moléculas
e) n.d.a. Ao estabelecerem estas hipóteses, os cientistas estavam ten-
tando descrever o comportamento de um gás através do mo-
vimento de suas moléculas, isto é, estavam supondo que as
Exercı́cios Complementares leis dos gases poderiam ser obtidas aplicando-se as leis da
Mecânica ao movimento das moléculas, tratando-as como se
4. (FUVEST) A 25 ◦ C e 1 atm, o volume de 1 mol de átomos fossem partı́culas. Desta maneira, os cientistas estruturaram
de nı́quel (massa atômica: A = 59 e ρ = 8, 9 g/cm3) é aproxi- um modelo para descrever o comportamento de um gás.
madamente igual a: Este modelo é denominado modelo cinético em virtude de
a) 33 cm3 se basear no movimento das moléculas do gás.
b) 26 cm3
c) 20 cm3
d) 6, 6 cm3
Cálculo Cinético da Pressão (p)
3
e) 13 cm Como vimos, no modelo cinético de um gás, o número de
moléculas é muito grande e elas estão em constante movi-
5. (ACAFE) Um estudante informa a seu colega que, para
mento. Em conseqüência disto, as moléculas colidem conti-
”matar”a sua sede, teve que tomar 20 moles de água, o outro
nuamente contra as paredes do recipiente que contém o gás,
estudante baseando-se na Lei de Avogrado, calculou o número
exercendo uma pressão nessas paredes. Como o número de
de moléculas ingerida pelo seu colega, que foi de:
colisões é muito grande, não se percebe o efeito do choque
a) 1, 2 × 1025 moléculas
de cada partı́cula. O que se observa é o efeito médio da fre-
b) 2, 2 × 1025 moléculas
quente sucessão de colisões, que ocasiona o aparecimento de
c) 3, 2 × 1025 moléculas
uma força contı́nua, sem flutuações, pressionando as paredes
d) 4, 2 × 1025 moléculas
do recipiente. Portanto, a pressão que um gás exerce sobre
e) 5, 2 × 1025 moléculas
as paredes do recipiente que o contém é devida as incessantes
6. (UFES) Três recipientes, A, B e C, de volumes iguais, e contı́nuas colisões das moléculas do gás contra as paredes
contêm respectivamente, HCl, H2 O e N H3 , todos no estado do recipiente. Aplicando as leis da mecânica as colisões das
gasoso, a mesma pressão e temperatura. Suponha que o re- moléculas contra as paredes do recipiente, os fı́sicos do século
cipiente A contenha 1, 0 × 1024 moléculas de HCl. Podemos passado obtiveram uma expressão matemática, relacionando a
afirmar que o número de moléculas de vapor de H2 O existen- pressão exercida por um gás com as seguintes grandezas:
tes no recipiente B é: N - número de moléculas do recipiente
a) 1, 0 × 1024 moléculas V - volume do recipiente
86 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

m - massa de cada molécula Observe que o primeiro membro desta expressão representa a
v 2 - média dos quadrados das velocidades das moléculas energia cinética média das moléculas. Esta energia cinética
A expressão a que chegaram foi a seguinte: média será representada por EC . O quociente R/NA que apa-
rece no segundo membro, é constante, pois, como já sabemos,
1 tanto R quanto NA são constantes. Este quociente é muito
p= (N/V )mv 2
3 importante, é representado por kB e é a famosa constante
Analisando esta expressão vemos que: de Boltzmann:

• p ∝ N : este resultado é intuitivo pois, quanto maior for kB = 1, 38 × 10−23 J/K


o número total de moléculas, maior será o número de co-
lisões contra as paredes e, portanto, maior será a pressão Desta maneira, chegamos a seguinte expressão:
exercida pelo gás;
3
• p ∝ 1/V : de fato, quanto maior for o volume, maior será EC = kB T
2
a distância que uma molécula terá que percorrer para co-
lidir contra as paredes e, consequentemente, menor será o que mostra ser a energia cinética média das moléculas de um
número de colisões, isto é, menor será a pressão exercida gás diretamente proporcional a sua temperatura absoluta, isto
pelo gás; é, quanto maior for a energia cinética média das moléculas,
maior será a temperatura do gás. Destacamos, então que: a
• p ∝ m: este resultado era esperado pois, quanto maior for temperatura absoluta, T de um gás está relacionada com a
a massa de um molécula, maior será a sua quantidade de energia cinética média de suas moléculas.
movimento (~q = m~v ) e assim, maior será a força que ela Em uma amostra, podemos dizer que a única energia exitente
exerce ao colidir contra a parede do recipiente; é a energia de cada partı́cula, sendo N o número de partı́culas,
2 2
• p ∝ v : realmente, quanto maior for v , mais rapida- a energia mecânica total da amostra é E = N EC . Essa ener-
mente as moléculas estarão se movimentando. É fácil per- gia mecânica total é por definição a energia interna Eint.
ceber que, nestas condições, maior será a força que cada da amostra. Logo, substituindo essa relação na expressão da
molécula exercerá ao colidir contra a parede e, além disso, energia cinética temos:
maior será o número de colisões. 3
Eint. = N kB T
2
Interpretação Cinética da Temperatura (T )
ou, como N = nNA e kB = R/NA , temos
Como já mencionamos em outra ocasião, a temperatura de
3
um corpo se relaciona com a energia de agitação dos átomos e Eint. = nRT
moléculas deste corpo. 2
Mostraremos agora como os fı́sicos do século passado, baseados
no modelo cinético de um gás, chegaram a esta conclusão. A Pense um Pouco!
expressão p = N mv 2 /3V , que havia sido obtida baseando-se
no modelo cinético, pode ser escrita como • Quando um gás absorve calor e seu volume é mantido fixo,
para onde vai a energia ganha? Explique.
N mv 2
pV = • Se um gás num pistão isolado se expande e realiza um
3
trabalho mecânico, o que acontece com sua temperatura?
Comparando-a com a equação de estado de um gás ideal, pV = Explique.
nRT , que havia sido obtida experimentalmente, conclui-se que

N mv 2
3
= nRT Exercı́cios de Aplicação
Mas sendo NA (o número de Avogrado) o número de moléculas ◦
que existe em 1 mol e sendo n o número de moles que corres- 1. (ACAFE) Um recipiente contém H2 a 27 C. Podemos
ponde a N moléculas, é claro que afirmar que a energia cinética média de suas moléculas é:
a) 2, 2 × 10−21 J
N = nNA b) 3, 2 × 10−21 J
c) 6, 2 × 10−21 J
e com este valor de N na igualdade anterior, virá d) 7, 1 × 10−21 J
e) n.d.a
nNA mv 2
= nRT
3 2. (Mack-SP) Um tanque possui 2, 0 mol de hélio a 17 ◦ C.
ou, simplificando e reescrevendo Adimtindo que nessas condições o hélio se comporta como um
gás ideal, a energia mecânica (interna) do sistema é dada por:
mv 2 = 3(R/NA )T a) 6, 2 × 103 J
b) 7, 2 × 103 J
e dividindo-se os dois menbros desta igualdade por 2, temos c) 2, 4 × 103 J
1 3 d) 2, 2 × 103 J
2
mv = (R/NA )T e) 1, 5 × 103 J
2 2
Termodinâmica – Aula 6 87

3. (UFRN) Uma certa massa gasosa se encontra a uma tem-


peratura de 36 ◦ C, podemos afirmar que a energia cinética
média de suas moléculas é de:
A
a) 6, 4 × 10−21 J
B
b) 1, 2 × 10−21 J o
200 C
c) 2, 5 × 10−21 J 20 o C
d) 4, 3 × 10−21 J
e) 5, 3 × 10−21 J

Como os blocos estão em um sistema isolado, só trocam ener-


Exercı́cios Complementares gia entre si.
A lei Zero da Termodinâmica garante que, com o decorrer
do tempo, a temperatura do bloco A (mais quente) diminui en-
4. (ACAFE) Quando aumentamos a temperatura de um gás quanto a temperatura do bloco B (mais frio) aumenta, até que
é correto afirmar que: ambos atinjam a mesma temperatura no equilı́brio térmico.
a) a velocidade de suas moléculas permanece constante Como o sistema é isolado, pode-se explicar esse fenômeno
b) a velocidade de suas moléculas aumenta admitindo-se que parte da energia interna do bloco A foi trans-
c) a velocidade de suas moléculas diminui ferida para o bloco B. A essa energia transferida de um
d) nada podemos afirmar a respeito da velocidade corpo para o outro, devida apenas a diferença de temperatura
e) a energia cinética das moléculas diminui entre eles, chamamos calor ou energia térmica. Portanto:
CALOR é energia térmica em trânsito entre dois cor-
pos a diferentes temperaturas.
5. (UFCE) Um recipiente A contém 5 mol de H2 a 32 ◦ C, e
um outro recipiente B possui 6 mol de O2 à mesma tempera-
tura. Podemos afirmar que: Unidade SI
a) a energia cinética média das moléculas é a mesma nos dois
recipientes A unidade SI com que se mede o calor é o joule ou J. Usu-
b) a energia cinética média das moléculas do recipiente A é almente mede-se o calor em calorias ou cal, e sabe-se que o
maior do que as do recipiente B equivalente mecânico do calor é
c) a energia cinética média das moléculas do recipiente A é
1 cal = 4, 186 J
menor do que as do recipiente B
d) depende do tamanho dos recipientes
e) não é possivel determinar nada a respeito das energias Temperatura × Calor
cinéticas das moléculas
O conceito de calor tem uma simplicidade enganosa, a dis-
tinção entre os conceitos de calor e temperatura foi um pro-
6. (UEM-PR) As moléculas de um certo gás possuem uma
−23 cesso historicamente demorado. Podemos definir que:
energia cinética média de 20, 7 × 10 J, podemos afirmar

que a temperatura em C desse gás: TEMPERATURA é a grandeza que mede o grau de
a) é 243 agitação das moléculas de um corpo.
b) está acima de 243 A temperatura é uma grandeza que caracteriza um corpo em
c) é 200 equilı́brio térmico, o calor não. Por exemplo, não é correto se
d) é zero dizer “um corpo contéma calor”.
e) está abaixo de −243
Trânsmissão de Calor
Existem três processos de transferência de calor: condução,
Termodinâmica Aula 6 convecção e radiação

Condução

Suponha que uma pessoa esteja segurando uma das extre-


midades de uma barra metálica e que a outra extremidade
seja colocada em contato com uma chama. Os átomos ou
Calor e Temperatura moléculas desta extremidade, aquecida pela chama, adquirem
uma maior energia cinética (de agitação). Parte dessa ener-
A Lei Zero da Termodinâmica gia é transferida para as partı́culas da região vizinha a esta
extremidade e, então, a temperatura desta região também au-
Vamos supor que, num sistema isolado (que não perde nem menta. Este processo continua ao longo da barra, após um
ganha energia em relação ao meio exterior) foram colocados certo tempo, a pessoa que segura a outra extremidade perce-
dois blocos. Um bloco A a uma temperatura de 200 ◦ C, e um berá uma elevação de temperatura neste local. Podemos ob-
bloco B, a temperatura de 20 ◦ C, como está representado na servar que houve um processo de transmissão de calor ao qual
figura: denominamos condução. Na condução, o calor é conduzido
88 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

através de um meio mecânico. No exemplo dado, utilizou-se Na verdade o que chamamos de luz são as radiações que nos-
como meio de condução uma barra de metal. sos olhos podem ver. Existem atualmente câmara fotográficas
Lei da Condução Térmica que registram a ”luz”do calor, tornando evidente a limitação
Considere dois ambientes a temperaturas T1 e T2 tais que T1 > da nossa visão e também da nosso conceito de luz e calor. É
T2 , separados por uma parede de área A e espessura L. por isso que muitos aquecedores de ambiente têm a forma de
espelhos curvos e as garrafas térmicas são espelhadas interna-
mente, para refletir essa luz de calor.

Pense um Pouco!
Fluxo Térmico • Por que o congelador das geladeiras fica na parte superior?
T1 A
• As correntes ascendentes utilizadas pelos balonistas é um
T2 exemplo de transmissão de calor? Qual?
L • Se colocarmos gelo e garrafas de refrigerante numa caixa
de isopor, quais as formas de transmissão de calor serão
observadas até que o sistema atinja o equilı́brio térmico?
Depois de atingir o regime estacionário, o fluxo de calor H
(quantidade de calor que atravessa uma superfı́cie por unidade • No caso anterior, a lei Zero da Termodinâmica garante
de tempo) depende da área A da parede, da espessura L, da que o refrigerante irá gelar? Comente.
diferença de temperatura ∆T = T 1 − T 2 e do material que
constitui a parede. Segundo a lei de Fourier:

Q T1 − T2
Exercı́cios de Aplicação
H= = kA
t L
1. (UFRS) A seguir são feitas três afirmações sobre proces-
onde a constante de proporcionalidade k depende da natureza sos termodinâmicos envolvendo transferência de energia de um
do material, sendo denominada coeficiente de condutividade corpo para outro.
térmica, seu valor é elevado para bons condutores térmicos, I. A radiação é um processo de transferência de energia que
como metais, e baixo para isolantes térmicos, como a ar, por não ocorre se os corpos estiverem no vácuo.
exemplo. II. A convecção é um processo de transferência de energia que
Chama-se de fluxo de calor ou fluxo térmixo a quantidade ocorre em meios fluidos.
H III. A condução é um processo de transferência de energia que
Unidades do Fluxo Tı́rmico (H) não ocorre se os corpos estiverem a mesma temperatura.
A unidade usual em que se mede a quantidade H é é cal/s, ou São afirmativas corretas:
no SI, J/s ou W . Lembre-se que 1 J/s = 1 watt = 1 W . a) Apenas I
b) Apenas II
c) Apenas III
Convecção
d) Apenas I e II
A convecção é um processo de transmissão de calor que ocorre e) Apenas II e III
apenas em fluidos. O calor é transferido de uma região para
2. (PUC-MG) Analise fisicamente as afirmativas seguintes:
outra pelo próprio fluido.
I. Para derreter um bloco de gelo rapidamente, uma pessoa
A descrição e explicação desse processo é simples: nas regiões embrulhou-o num grosso cobertor.
onde a temperatura é mais alta, o fluido se expande e fica II. Para se conservar o chope geladinho por mais tempo,
menos denso e tende a subir, por causa do empuxo. Nas regiões deve-se colocá-lo numa caneca de louça.
onde a temperatura é mais baixa, fluido é mais denso e tende a III. Um aparelho de refrigeração de ar deve ser instalado em
descer. Este sobe e desce dificilmente é apenas vertical. Nesse um local alto num escritório.
caso, quase sempre a convecção provoca o aparecimento de
correntes de ar que se movimentam lateralmente das regiões
Pode-se afirmar que:
mais aquecidas e de baixa pressão para as regiões mais frias
a) apenas I e II são corretas
e de alta pressão. Esse movimento é o que se observa numa
b) apenas II e III são corretas
panela de água fervendo, a água sobe próximo às paredes (mais
c) apenas I é correta
quente) e desce no centro (mais frio).
d) apenas II é correta
e) apenas III é correta
Radiação
3. (PUC) Uma placa de material isolante térmico possui
A radiação é o processo mais importante de propagação de ca- 100 cm2 de secção transversal e 2, 0 cm de espessura. Sua
lor. Sem ela não haveria vida em nosso planeta, já que é por condutibilidade térmica é 2, 0 × 10−4 cal/s · cm · ◦ C. Se a dife-
radiação que o calor do Sol chega até a Terra. Na verdade, a rença de temperatura entre as faces opostas é 100 ◦ C, quantas
única diferença entre calor e luz é a frequência da radiação. As calorias atravessam a placa por segundo?
radiações de calor (infravermelhas) estão possuem frequências a) 1,0
logo abaixo do espectro das radiações luminosas (luz visı́vel). b) 2,0
Termodinâmica – Aula 7 89

c) 3,0 Substância c(cal/g · ◦ C) Substância c(cal/g · ◦ C)


d) 4,0 Amônia 1,13 Água 1,00
e) 5,5 Álcool 0,58 Gelo 0,55
f) n.d.a Vapor d’água 0,48 Madeira 0,42
Alumı́nio 0,22 Vidro 0,16
Ferro 0,11 Cobre 0,092
Exercı́cios Complementares Prata 0,056 Mercúrio 0,033
Ouro 0,032 Chumbo 0,031
4. (FUVEST) Para melhor isolamento térmico de um ambi- Tabela 1.4: O calor especı́fico c de algumas substâncias.
ente, mantendo o material de que são feitas as paredes, deve-
se:
a) aumentar o volume das paredes A capacidade térmica de um corpo depende da sua massa e
b) aumentar a área externa das paredes e manter a espessura da natureza do material de que é constituido. Ela permanece
c) diminuir a espessura das paredes constante durante o seu aquecimento ou resfriamento, desde
d) aumentar a espessura e diminuir a área das paredes que não ocorra mudança de estado fı́sico.
e) reduzir a área externa e a espessura das paredes

5. (ACAFE) Nas geladeiras, o congelador fica sempre na parte Calor Especı́fico (c)
de cima para:
Analisando-se o comportamento de corpos diferentes, mas
a) manter a parte de baixo mais fria que o congelador
constituı́dos do mesmo material, quando submetidos a um
b) que o ar frio fique com congelador
aquecimento, observa-se que a quantidade de calor absorvida é
c) que o ar quente vá para o congelador
diretamente proporcional a sua massa. Pode-se concluir, por-
d) acelerar a produção de cubos de gelo
tanto, que a capacidade térmica de um corpo é diretamente
e) que o ar frio vá para o congelador
proporcional a sua massa. Assim, a relação entre a capaci-
6. (FMU) As roupas indicadas para se usar no deserto devem dade térmica C de um corpo e sua massa é uma constante m,
ser: denominada calor especı́fico (c)
a) escuras e finas
b) claras e finas c = C/m
c) escuras e grossas
d) claras e grossas Unidade SI
e) independentes da cor e da espessura
No SI, o calor especı́fico é medido em J/kg · K, embora na
prática se use cal/g · ◦ C.
O calor especı́fico de um corpo depende do material que o cons-
Termodinâmica Aula 7 titui, do seu estado fı́sico e da sua temperatura, esta porém,
sem influência considerável no estudo. O conhecimento do va-
lor do calor especı́fico tem importância fundamental na fı́sica,
pois identifica a quantidade de calor necessária para elevar de
um grau a temperatura de uma unidade de massa do material.
Capacidade Térmica (C) O elevado calor especı́fico da água, comparado ao de outras
substâncias é importante, pois faz com que seja necessária
Nem todos os corpos variam sua temperatura da mesma forma elevada quantidade de energia para variar sua temperatura.
ao receberem calor. Ao se esquentar água na chama de um Por essa razão, a água demora mais para esquentar e também
fogão, por exemplo, observa-se que, quanto maior a massa de para esfriar, o que explica a estabilidade do clima das regiões
água a aquecer, maior a quantidade de calor necessária para próximas a grandes concentrações de água, como as litorâneas.
produzir a mesma variação de temperatura. Do mesmo modo, Em contra-partida , a amplitude térmica de regiões desérticas
materiais diferentes necessitam de quantidades de calor dife- pode ultrapassar os 60 ◦ C em menos de 12 horas.
rentes para sofrerem a mesma variação de temperatura. Uma
colher de metal, por exemplo, necessita de menos calor do que
a mesma massa de água, para o mesmo aumento de tempera- Calorimetria
tura. A grandeza que mede a quantidade de calor Q necessária
Das definições de capacidade térmica e calor especı́fico, pode-
para produzir determinada variação de temperatura ∆T num
mos escrever:
corpo é a capacidade térmica ou capacidade calorı́fica, definida Q
como a quantidade de calor necessária para variar de 1 C a ◦ C=
∆T
sua temperatura.
logo
Q
C≡ Q = C∆T
∆T
( 1 ) e como
C
Unidade SI c= =⇒ C = mc
m
No SI, a capacidade térmica é medida em J/K, embora na temos
prática se use cal/◦ C. Q = mc∆T
90 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Essa equação permite calcular a quantidade de energia na Trabalho realizado numa COMPRESSÃO
forma de calor, necessária para variar a temperatura de uma
determinada massa de qualquer substância, desde que não Numa compressão, o procedimento para o cálculo do trabalho
ocorra nenhuma mudança de estado no processo. é o mesmo do caso da expansão, mudando apenas o sinal final
do trabalho, já que força que o gás exerce sobre o pistão é no
Neste caso, quando um corpo absorve (perde) calor e aumenta
sentido contrário ao seu deslocamento.
(diminui) sua temperatura, o calor trocado chama-se de calor
sensı́vel. Como no caso de uma compressão o volume final Vf do gás
será menor do que o seu volume inicial Vi , então a variação de
volume será negativa e o trabalho pode ser obtido pela mesma
Convensão fórmula da expansão, de onde obteremos já o sinal correto.
• Quando um sistema absorve calor num processo qual- Convensão
quer, associamos ao processo um calor Q > 0;
• Quando um gás se expande num processo qualquer, di-
• Quando um sistema perde calor num processo qualquer, zemos que o gás realiza um trabalho W > 0;
associamos ao processo um calor Q < 0;
• Quando um gás é comprimido num processo qualquer,
• Quando um sistema não troca calor (não ganha e nem
dizemos que o gás realiza um trabalho W < 0;
perde) num processo qualquer, associamos ao processo um
calor Q = 0. • Quando um gás permanece com volume constante
num processo qualquer, dizemos que o trabalho que o gás
Esquematicamente: realiza no processo é nulo, W = 0.
Calor (Q) Sinal
Absorvido + Esquematicamente:
Perdido -
Trabalho do Gás (W ) Sinal
Expansão +
Trabalho Compressão -
Um sistema pode trocar energia com sua vizinhança na forma Unidade SI
de calor ou pela realização de trabalho. Realmente, se há uma
Sendo uma forma de energia, assim como o calor o trabalho
diferença de temperatura entre o sistema e a vizinhança, uma realizado por um gás é medido em joule ou J no SI. Lembrando:
certa quantidade de calor poderá ser transferida de um para
o outro. Além disso, o sistema pode se expandir, vencendo 1J =1 N ·m
uma pressão e portanto, realizando trabalho sobre a vizinhança
ou, ainda, o sistema poderá ter o volume reduzido, com a
realização de um trabalho da vizinhança sobre ele. Pense um Pouco!
Trabalho realizado numa EXPANSÃO • A unidade de calor estudada, a caloria ou cal, é a mesma
registrada nos alimentos?
Consideremos como sistema termodinâmico um gás ideal, en-
cerrado em um cilindro provido de um êmbolo (pistão) que • Qual a relação existente entre a caloria alimentar e o es-
pode se deslocar livremente. Suponha que o gás se encontre tudo do calor?
em um estado inicial i, ocupando um volume Vi . Em virtude
da pressão do gás, ele exerce uma força F sobre o pistão que,
estando livre, desloca-se de uma distância d. Assim, o gás Exercı́cios de Aplicação
se expandiu até o estado final f , onde o seu volume é Vf , e
realizou um trabalho W . Se a pressão p do gás permanecer 1. (UNIFOR-CE) Um corpo absorveu 500 cal de calor para
constante, o valor da força F também será constante durante aumentar sua temperatura de 20 ◦ C para 40 ◦ C. A capacidade
a expansão e o trabalho W , realizado pelo gás, pode ser facil- térmica desse corpo em cal/◦C é:
mente calculado. De fato, para este caso, temos: a) 10
W = Fd b) 12
c) 20
Mas sendo F = pA, onde A é a área da seção reta do pistão, d) 25
temos e) 30
W = pAd
2. (USF-SP) Uma amostra de 50 g de determinada substância
Mas observe que Ad é o volume varrido pelo pistão durante
sofre um acréscimo de temperatura de 20 ◦ C, quando absorve
a expansão, que é igual a variação do volume do gás, isto é, 200 calorias. O calor especı́fico dessa substância, em cal/g·◦ C,
Ad = Vf − Vi , logo
é:
W = p(Vf − Vi ) = p∆V a) 1,2
b) 1,0
Portanto esta expressão nos permite calcular o trabalho que c) 0,5
um gás realiza, ao sofrer uma variação de volume a pressão d) 0,4
constante. e) 0,2
Termodinâmica – Aula 8 91

3. (UEPB) A massa de um corpo é igual a 2 kg. Recebendo realiza 80 J de trabalho. Notamos que o sistema recebeu 100 J
10 kcal, a sua temperatura passa de 40 ◦ C para 90 ◦ C. O e 80 J. Onde estarão os 20 J restantes?
calor especı́fico desse corpo é: Estes joules restantes ficaram dentro do sistema, armazenados
a) 0, 1 ◦ C sob a forma de energia interna. Portanto, a energia interna do
b) 0, 2 ◦ C sistema aumentou em 20 J. Podemos fazer um esquema desta
c) 0, 3 ◦ C troca de energia
d) 0, 4 ◦ C
e) 0, 5 ◦ C
Meio Externo

Exercı́cios Complementares
Sistema
4. (ITA) A capacidade térmica de uma caneca de alumı́nio é
de 16 cal/◦ C. Sabendo-se que o calor especı́fico do alumı́nio é ∆U = +20 J
de 0, 2 cal/g · ◦ C, pode-se afirmar que a massa dessa caneca, int
em gramas, é:
a) 3,2
b) 32
c) 90
Q = +100 J W = +80 J
d) 160
e) 800 Sendo:
Calor recebido pelo sistema (Q): é energia que entra no sis-
5. (FURG) Uma fonte calorı́fica fornece calor, com potência
tema e a representamos por uma seta entrando, pois o calor ı́
constante, para 600 g de água durante 10 min e observa-se a
absorvido Q > 0.
temperatura desta elevar-se em 15 ◦ C. Substituindo-se a água
por 300 g de outro lı́quido, verifica-se que a temperatura deste Trabalho cedido pelo sistema (W ): é energia que sai do sistema
se eleva também de 15 ◦ C, porém em 2 min. O calor especı́fico na forma de trabalho e o representamos por uma seta para fora,
do lı́quido é de : já que é uma energia perdida pelo sistema (W > 0).
a) 0,1 cal/g · ◦ C Aumento de energia interna (∆Uint ): representamos por uma
b) 0,2 cal/g · ◦ C quantidade ∆Uint > 0, quando ela aumenta, ou po uma quan-
c) 0,3 cal/g · ◦ C tidade ∆Uint < 0, quando ela diminui.
d) 0,4 cal/g · ◦ C Temos:
e) 0,5 cal/g · ◦ C Q = W + ∆U int

6. (ACAFE) A capacidade térmica de um corpo homogêneo


depende: Para obtermos esta relação entre Q, W e ∆Uint , basta impor-
a) só de sua massa mos que “a soma das energia entram (sinal positivo)
b) de sua massa e de seu volume com as energias que saem (sinal negativo) do sistema
c) só de sua massa e do calor especı́fico do material que o é igual a variação da energia interna do sistema”.
constitui Esta é a primeira lei da Termodinâmica.
d) de sua massa e de sua temperatura
e) só do calor especı́fico do material que o constitui
Aplicações da Primeira Lei
Vamos aplicar a primeira lei para algums processos termo-
Termodinâmica Aula 8 dinâmicos particulares. Dizemos que um sistema térmico passa
por um processo de equilı́brio, ou quase-estático, quando evo-
lui fisicamente de forma lenta, fazendo com as variáveis que o
descrevem (p, V , T , Uint , etc) mudem suavemente, fazendo o
sistema evoluir de forma contı́a de um estado inicial i, digamos,
Primeira Lei da Termodinâmica para um estado final f .
A primeira lei da Termodinâmica nada mais é que o princı́pio
da Conservação da energia aplicado à termodinâmica. O Transformação Isotérmica (T = cte)
princı́pio da conservação da energia, em linhas gerais, diz que
num sistema isolado a energia total é conservada, ou seja é Para um processo termodinâmico em que a temperatura não
constante, e jamais pode ser criada ou destruı́da dentro do varia, a variação de energia interna do gás é nula. Ou seja,
sistema, mas apenas transformada de uma forma em outra. pela primeira lei concluimos que
Sendo assim, se um sistema recebe energia ele tem de dar conta
desta energia, ou se ele cede energia, esta energia tem de ter Q=W
saı́do de algum lugar. Por exemplo, admitamos que um sistema
receba 100 J de calor. Estes 100 J de energia não podem ou seja, numa transformação isotérmica, o calor trocado pelo
desaparecer e nem serem destruı́dos no sistema. Eles tem de ir gás com o exterior é igual ao trabalho realizado no mesmo
para algum lugar. Admitamos, em continuação, que o sistema processo.
92 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Transformação Isobárica (p = cte) Pense um Pouco!


No processo isobárico de um gás ideal, o volume V é dire- • Ao ser comprimido, um gás ganha ou perde energia in-
tamente proporcional a temperatura T . Portanto, numa ex- terna?
pansão isobárica, o volume e a temperatura aumentam, ocor-
rendo também aumento da energia interna do gás: • Faça uma analogia da compressão de um gás e de uma
mola, observando o trabalho e a energia.
∆Uint > 0
• Um moto perpétuo de primeira espécie seria uma máquina
que realizasse trabalho indefinidamente, sem utilizar ne-
e pela primeira lei concluimos que para uma expansão isobárica
nhuma fonte de energia. Futuramente será possı́vel a cons-
trução de uma tal máquina?
Q>W

ou seja, numa expansão isobárica, a quantidade de calor rece-


bida é maior que o trabalho realizado.
Exercı́cios de Aplicação

1. (UNICENTRO-SP) Marque a alternativa que descreve a


Transformação Isométrica (V = cte) primeira lei da termodinâmica.
a) O aumento de energia interna de um gás é dado pela dife-
Como não há variação de volume nesse tipo de processo, o
rença entre o calor recebido e o trabalho realizado.
trabalho realizado é nulo e, pela primeira lei:
b) O trabalho realizado é dado pela soma do calor recebido
com o aumento de energia interna.
∆Uint = Q
c) O calor recebido é dado pela diferença entre o trabalho re-
ou seja, todo o calor recebido (cedido) pelo sistema faz com alizado e o aumento de energia interna.
que a energia interna do sistema aumente (diminua). d) Se um sistema realiza trabalho, sua energia interna não se
altera.
Numa transformação isométrica, a variação de energia interna
e) Se um sistema recebe trabalho, sua energia interna diminui.
do gás é igual a quantidade de calor trocada com o meio exte-
rior. 2. (FATEC) Haverá trabalho realizado sempre que uma massa
A transformação à volume constante também é chamada de gasosa:
isovolumétrica, isocórica ou isométrica. a) sofrer variação em sua pressão
¯ b) sofrer variação em seu volume
c) sofrer variação em sua temperatura
Transformação Adiabática (Q = 0) d) receber calor de fonte externa
e) sofrer variação de energia interna
Um gás sofre uma transformação adiabática quando não troca
calor com o meio exterior, ou seja, quando 3. (FATEC) Uma fonte térmica cede 100 J de calor a um
sistema, ao mesmo tempo em que este realiza um trabalho
Q=0 mecânico de 20 J. Durante esse processo, não ocorrem outras
trocas de energia com o meio externo. A variação da energia
Aplicando a primeira lei temos neste caso interna do sistema, medida em joules, é igual a:
a) zero
∆Uint = −W b) 20
c) 80
Numa transformação adiabática, a variação de energia interna d) 100
é igual em módulo e sinal contrário ao trabalho realizado na e) 120
transformação. Ou seja, se um sistema realiza trabalho adia-
baticamente, terá de consumir sua energia interna, já que não
absorveu calor. Exercı́cios Complementares

Segunda Lei da Termodinâmica 4. (MACK) Um gás mantido a volume constante, recebe 240 J
de calor do meio ambiente. O trabalho realizado pelo gás e sua
A segunda lei da Termodinâmica, a exemplo da primeira, tem variação da energia interna serão, respectivamente;
diferentes enunciados que se equivalem. O mais comum deles a) 240 J e 0 J
decorre da conclusão das aulas anteriores e da aceitação da b) 0 J e 240 J
irreversibilidade das transformações da natureza: c) 120 J e 120 J
Nenhuma máquina térmica, operando em ciclos, pode d) 0 J e 120 J
retirar calor de uma fonte e transformá-lo integral- e) −240 J e 240 J
mente em trabalho.
5. (UFLA-MG) Assinale a resposta correta. É possı́vel ceder
ou noutra forma mais moderna calor a um gás sem que sua temperatura aumente?
O calor flui expontaneamente de um corpo mais quente a) Não, porque sempre que um corpo recebe calor sua tempe-
para um corpo mais frio, sempre neste sentido. ratura aumenta
Vamos ver os detalhes desta lei e suas aplicações mais adiante. b) Não , porque o calor é uma forma de energia e sempre se
Termodinâmica – Aula 9 93

conserva Ciclo de Carnot


c) Sim, porque o calor pode ser transformado em energia in-
terna do gás Estudando as máquinas térmicas, o cientista Sadi Carnot
d) Sim, porque o calor pode resultar num aumento da agitação propôs, em 1824, um ciclo teórico composto de quatro trans-
térmica das moléculas do gás formações reversı́veis - duas isotérmicas e duas adiabáticas, que
e) Sim , basta que o gás realize trabalho igual ao calor que proporciona o máximo rendimento para uma máquina térmica,
recebeu entre duas temperaturas T1 e T2 das fontes quente e fria. O
desenho a seguir representa o ciclo de Carnot.
6. (ACAFE) Numa expansão adiabática, a temperatura de
um mol de gás perfeito diminui de 200 K. Podemos afirmar
que a quantidade de calor trocada com o ambiente é de:
a) 73 cal p
b) 200 cal a
c) 20 cal
d) 0 J
isotérmico
e) não pode ser determinado
adiabático b

Termodinâmica Aula 9 d
T
1
adiabático

isotérmico
c T2

Máquinas Térmicas O
Va Vd Vb Vc V
Uma máquina térmica opera em ciclos entre duas fontes
térmicas de temperaturas diferentes, uma chamada de fonte
quente e a outra, de fonte fria. A máquina retira calor da
fonte quente Q1 , transforma parte desse calor em trabalho W Figura 1.1: Figura do Ciclo de Carnot.
e rejeita a outra parte Q2 para a fonte fria, assim
Processo A → B: o gás sofre uma expansão isotérmica, rece-
W = Q1 − Q2 bendo calor da fonte quente Q1 e realizando trabalho. A ener-
gia interna do gás se mantém constante nesta transformação.

Fonte Quente

Q
1

Máquina W
Térmica

Q
2
Sadi Carnot
Fonte Fria
Processo B → C: o gás sofre uma expansão adiabática. Sua
temperatura diminui, mas não ocorre troca de calor com o
meio. O gás realiza trabalho as custas de redução na sua ener-
Para o caso das máquinas térmicas, a Segunda Lei da Termo- gia interna.
dinâmica assume a forma: Processo C → D: o gás sofre uma compressão isotérmica ,
É impossı́vel um dispositivo operando em ciclos con- o meio exterior realiza trabalho sobre o gás, sem que haja
verter integralmente calor em trabalho. variação na sua energia interna. Durante essa transformação,
o gás rejeita a quantidade de calor Q2 para a fonte fria.
Assim, podemos definir o rendimento ǫ de uma máquina
térmica como Processo D → A: ocorre uma compressão adiabática,
W completando-se o ciclo. A temperatura do sistema aumenta,
ǫ=
Q1 mas não ocorre troca de calor com o meio. O trabalho realizado
e como W = Q1 − Q2 temos: contra o sistema, provoca aumento na sua energia interna.
Carnot demonstrou que, para uma máquina que executasse o
Q2 ciclo por ele proposto, as quantidades de calor trocadas com as
ǫ=1−
Q1 fontes térmicas são diretamente proporcionais as temperaturas
94 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

absolutas dessas fontes, ou seja: Exercı́cios Complementares


Q2 T2
= 4. (Mackenzie) Uma máquina térmica executa um ciclo entre
Q1 T1
as temperaturas 500 K (fonte quente) e 400 K (fonte fria). O
Como máximo rendimento que essa máquina poderia ter é:
Q2 a) 10 %
ǫ=1−
Q1 b) 20 %
c) 25 %
então o rendimento ǫC de uma máquina de Carnot é dado por: d) 30 %

T2 e) 80 %
ǫC = 1 −
T1 5. (UEL) O rendimento de certa máquina térmica de Carnot
é de 25% e a fonte fria é a própria atmosfera a 27 ◦ C. A
Daı́ tiramos uma importante conclusão:
temperatura da fonte quente é:
O rendimento da máquina de Carnot não depende da a) 5, 4 ◦ C
substância de trabalho utilizada (gás): é função exclu- b) 52 ◦ C
siva das temperaturas absolutas das fontes quente e c) 104 ◦ C
fria. d) 127 ◦ C
Estabelece o Teorema de Carnot que, entre duas temperaturas e) 227 ◦ C
T1 e T2 das fontes quente e fria, a máquina de Carnot é a que
apresenta o máximo rendimento. Portanto, nenhuma máquina 6. (Osec-SP) Um gás perfeito realiza um ciclo de Carnot.
térmica, entre as mesmas temperaturas, pode apresentar ren- A temperatura da fonte fria é 127 ◦ C e a da fonte quente é
dimento superior ao previsto para a máquina de Carnot. 427 ◦ C. O rendimento do ciclo é:
a) 3,4 %
b) 70 %
Pense um Pouco! c) 43 %
d) 57 %
• O que aconteceria com uma máquina térmica se o ren- e) n.d.a
dimento alcançado fosse de 100%? Será que no futuro,
teremos uma máquina assim?
Termodinâmica Aula 10
Exercı́cios de Aplicação

1. (ACAFE) Uma máquina térmica, que opera segundo o ciclo


de Carnot, absorve 200 calorias da fonte quente em cada ciclo e
Mudanças de Fase
abandona 120 calorias para a fonte fria. A alternativa, abaixo
A matéria pode se apresentar-se nos estados sólido, lı́quido e
que representa o rendimento desta máquina térmica é:
gasoso. Estes estados se distinguem pelo seguinte:
a) 100 %
b) 80 % Sólido têm forma própria e volume bem definido.
c) 60 % Lı́quido não tem forma própria (assume a forma do recipiente
d) 40 % que os contém), mas tem volume bem definido.
e) 20 % Gás não tem forma própria nem volume definido. Tomam a
forma e o volume do recipiente que os contém, dependendo da
2. (ACAFE) Complete o enunciado que segue, com a alter- pressão externa.
nativa verdadeira, dentre as relacionadas abaixo. O ciclo de
Carnot é constituı́do de transformações:
a) adiabáticas e isotérmicas Tipos
b) adiabáticas e isobáricas
c) isovolumétrica e isotérmicas No nosso estudo estaremos sempre nos referindo a substâncias
d) isovolumétricas e isobáricas puras, e faremos algumas definições:
e) isovolumétricas e adiabáticas
• Fusão: é a passagem de uma substância do estado sólido
3. (ACAFE) Uma máquina de Carnot, cuja fonte quente está para o estado lı́quido.
a 300 K, absorve 100 cal de calor desta fonte, em cada ciclo,
e abandona 70 cal para a fonte fria. A temperatura da fonte • Solidificação: é a passagem de uma substância do estado
fria é de : lı́quido para o estado sólido .
a) 210 K
b) 190 K • Vaporização: é a passagem de uma substância do estado
liquido para o estado de vapor.
c) 150 K
d) 120 K Conforme a maneira de se processar, a vaporização recebe
e) 100 K nomes diferentes. Assim ela pode tomar o nome de:
Termodinâmica – Aula 10 95

– Evaporação: ocorre mediante um processo lento que Pense um Pouco!


se verifica apenas na superfı́cie do lı́quido. É o que
acontece com a água de um tanque , ou de uma bacia • Quando deixamos uma pedrinha de Naftalina no guarda-
ao ar livre. A evaporação pode ocorrer a qualquer roupas ,depois de algum tempo ela some. Como se chama
temperatura que estiver o lı́quido. esse processo?
– Ebulição: ocorre mediante a um processo turbu-
• O que acontece com o calor absorvido por uma substância
lento que se verifica em toda a massa lı́quida. Isso
durante uma mudança de fase, já que sua temperatura não
ocorre quando a pressão de vapor do lı́quido se iguala
muda?
a pressão externa, aı́ o vapor escapa produzindo
o borbulhar caracterı́stico da ebulição. É o que
ocorre com a água de uma chaleira quando esta é
colocada ao fogo e começa a fervura. A ebulição
Exercı́cios de Aplicação
só ocorre em uma determinada temperatura, ca-
racterı́stica do lı́quido, chamada temperatura (ou 1. (FUVEST) Para fundir 50 gramas de uma substância, sem
ponto) de ebulição, que depende d a pressão exer- variação de temperatura, foram necessárias 1, 4 kcal. Qual o
cida em sua superfı́cie. calor especı́fico latente de fusão dessa substância em cal/g?
– Calefação: ocorre após um aquecimento muito a) 12
brusco. Por exemplo quando uma porção de água b) 24
é jogada na chapa quente de um fogão, há um aque- c) 26
cimento brusco da água, seguido do fenômeno de ca- d) 28
lefação . e) 30

• Liquefação (condensação): é a passagem de uma 2. (ACAFE) Sendo o calor latente especı́fico de fusão do gelo
substância do estado de vapor para o estado lı́quido. igual a 80 cal/g, a quantidade de calor necessária para fundir
100 gramas de gelo a 0 ◦ C é:
a) 8 kcal
Temperatura de Mudança de Estado
b) 4 kcal
A fusão e a solidificação se processam na mesma temperatura c) 125 cal
chamada temperatura (ou ponto) de fusão ou de solidificação d) 80 cal
(TF ). Por exemplo, a água, sob pressão atmosférica normal, e) 1, 25 cal
sempre se funde e solidifica a 0 ◦ C.
3. (PUC) Um bloco de gelo, inicialmente a −10 ◦ C, tem
A ebulição e a liquefação se processam na mesma temperatura, massa de 500 g. Qual a quantidade de calor necessária para
chamada temperatura (ou ponto) de ebulição ou de liquefação transformá-lo em igual quantidade de água, a 20 ◦ C? Dados
(TE ). Por exemplo, sob pressão atmosférica normal, a água : c ◦ ◦
GELO = 0, 5 cal/g · C, cAGUA = 1, 0 cal/g · C e LF =
sempre entra em ebulição e se liqüefaz a 100 ◦ C. 80 cal/g.
a) 0, 05 kcal
Calor Latente b) 0, 52 kcal
c) 5, 25 kcal
Seja Q a quantidade de calor latente necessária para provocar d) 525 kcal
uma dada mudança de estado na massa m de um substância e) 52, 5 kcal
S, sem variação de temperatura.
Verifica-se experimentalmente que Q é proporcional à massa
m, podendo-se escrever: Exercı́cios Complementares
Q = mL
4. (CEFET) Têm-se 200 g de água a 20 ◦ C. A quantidade de
Sendo L um coeficiente de proporcionalidade chamado ca-
calor, em cal, que dela se deve retirar para se ter gelo a 0 ◦ C,
lor especı́fico latente da referida mudança de estado da
é (dados : cGELO = 0, 5 cal/g · ◦ C, cAGUA = 1, 0 cal/g · ◦ C e
substância S.
LF = 80 cal/g):
Sendo LF o calor especı́fico latente de fusão ou de solidificação, a) 4000
temos b) 16000
QF = mLF c) 20000
E sendo LV o calor especı́fico latente de vaporização ou de d) 20100
liquefação, temos: e) 12000
QV = mLV
5. (ACAFE) Qual a quantidade de calor que se deve fornecer
Observamos que o calor especı́fico latente de uma substância é a 50 g de gelo a 0 ◦ C para transformá-lo em vapor de água a
uma caracterı́stica da substância que não depende da massa. 100 ◦ C? Sabe-se que LV = 539 cal/g.
Observamos também que o calor especı́fico latente de fusão a) 35950 cal
e de solidificação é o mesmo, porque a quantidade de calor b) 26170 cal
que um corpo recebe para se fundir é a mesma que cede ao se c) 20130 cal
solidificar. O mesmo se pode dizer do calor especı́fico latente d) 15310 cal
de vaporização e de liquefação. e) 9000 cal
96 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

6. (UNIJUÍ) A vantagem do uso da panela de pressão em devemos localizar, neste diagrama, o ponto correspondente ao
relação as panelas comuns para cozinhar alimentos relaciona- par de valores de p e T fornecidos. Se este ponto estiver loca-
se com: lizado na região Sólida, a substância estará na fase sólida, se
a) a água demora mais a ferver e atinge uma temperatura estiver na região Lı́quida, estará na fase lı́quida e se estiver na
menor região Vapor, na fase gasosa.
b) a água ferve rapidamente e atinge maior temperatura
c) a água ferve rapidamente e atinge menor temperatura
d) a água demora mais a ferver e atinge maior temperatura
e) n.d.a

Termodinâmica Aula 11

Sublimação e Diagrama de Fases


Figura 1.1: Estrutura da água lı́quida.
Se colocarmos uma bola de naftalina em uma gaveta, sabemos
que ela passa pelo estado de vapor, sem passar pelo estado
lı́quido, isto é, ocorre a sublimação da naftalina. Este fato
Ponto Triplo
também ocorre com o CO2 sólido e, por isto, ele é denominado
”gelo seco”. Embora sejam poucas as substâncias que se su- As linhas que aparecem no diagrama de fases e que os dividem
blimam nas condições ambientes, verifica-se que este fenômeno
nas regiões Sólida, Lı́quida e Vapor correspondem a valores de
pode ocorrer com qualquer substância, dependendo da tempe- p e T nos quais podemos encontrar a substância, simultanea-
ratura e da pressão a que ela estiver submetida. O estudo do mente, em dois estados. Assim, qualquer ponto da linha T M
diagrama de fases, que faremos a seguir, nos permitirá defi- corresponde a um par de valores de p e T no qual a substância
nir em que condições a sublimação de um substância poderá
se apresenta, simultaneamente, nos estados sólido e lı́quido. A
ocorrer. linha T N corresponde ao equilı́brio entre lı́quido e vapor e a li-
nha OT , entre sólido e vapor. O ponto de encontro dessas três
Diagrama de Fases linhas (ponto T da figura) nos fornece os valores da pressão
e da temperatura nos quais a substância pode se apresentar,
Em um laboratório é possı́vel determinar, para cada simultaneamente, nos três estados. Este ponto é denominado
substância, os valores da pressão p e da temperatura T cor- ponto triplo da substância. A água, por exemplo, a pressão
respondentes a cada um dos seus possı́veis estados. Com estes de 4, 6 mmHg e a uma temperatura de 0, 01 ◦ C, pode ser en-
valores podemos construir um gráfico, denominado diagrama contrada, simultaneamente, nos estados sólido, lı́quido e gasoso
de fases, que tem aspecto semelhante ao da figura abaixo: e, portanto, estes valores correspondem ao seu ponto triplo.
Pressao (atm)

1,0
Liquida
Solida

Figura 1.2: Estrutura da água sólida (gelo).


0,0006 Ponto triplo
Vapor
Gás Real
0,01 100 Um gás real pode não se comportar como um gás ideal, já que
o modelo de gás ideal é uma aproximação bem simplificada de
Temperatura ( C) um gás real.
Para isto, suponha que um gás real esteja encerrado em um
Observa-se que este diagrama está dividido em três regiões, cilindro provido de um pistão e de um manômetro que nos
indicando a fase Sólida, Lı́quida e Vapor. Se nos forem for- permite ler os valores de sua pressão.
necidos os valores da pressão e da temperatura em que uma Mantendo constante a temperatura do gás, vamos comprimi-
substância se encontra, o seu diagrama de fases nos permitirá lo desde uma posição inicial aonde a pressão do gás é ainda,
determinar se ela esta sólida, lı́quida ou gasosa. Para isto, relativamente baixa. Durante a compressão, verifica-se que,
Termodinâmica – Aula 11 97

inicialmente, o gás real se comporta como um gás ideal, isto é, II - Se mA = mB , certamente o calor especı́fico de A é maior
os valores de p,V e T do gás satisfazem a equação pV = nRT . que o calor especı́fico de B.
Entretanto, após o pistão atingir uma certa posição, na qual a III - Esta situação só foi possı́vel porque os corpos possuem
pressão já é um pouco mais elevada, observa-se que o gás real capacidades térmicas diferentes.
deixa de se comportar como um gás ideal. Seu comportamento Estão CORRETAS:
torna-se mais complexo, exigindo, para descrevê-lo, equações a) I e II
mais sofisticadas do que a equação de estado de um gás ideal. b) apenas II
c) apenas III
d) I, II e III
Pense um Pouco! e)
SOLUÇÃO
• Todas as substâncias possuem o chamado ponto triplo? A solução desse item é uma análise das relações abaixo:
• Quanto tempo leva uma naftalina para sumir completa- 1) Q = mc∆t 2) C = mc 3) Q = C∆T
mente? Onde:
Q - quantidade de calor;
C - capacidade térmica;
Exercı́cios de Aplicação c - calor especı́fico
m - massa;
1. (PUC-RS) Se, ao fornecermos calor a um sistema, sob ∆T - variação da temperatura.
pressão constante, observarmos que a temperatura permanece Analisemos as afirmações:
inalterada, podemos afirmar que o sistema: I - Pela equação 1), mesmo material =¿ mesmo calor especı́fico;
a) é totalmente sólido. como A sofreu maior variação de temperatura, a massa de A
b) é totalmente lı́quido. é menor que a de B. Afirmativa falsa.
c) está necessariamente em processo de fusão. II - Pela equação 1), massas iguais =¿ sofre maior variação
d) está necessariamente evaporando. de temperatura o corpo de menor calor especı́fico. Portanto o
e) está sofrendo uma mudança de fase. calor especı́fico de A é menor que o de B, pois A sofreu maior
2. (UFV) Utilizando-se uma fonte de fornecimento contı́nuo variação de temperatura. Afirmação falsa.
de calor, aquece-se, à pressão constante de 1 atmosfera, 100 g III - Pela equação 3) verifica-se que quantidades de calor iguais,
de gelo, que são transformados em vapor superaquecido. A as variações de temperaturas serão diferentes se as capacida-
figura seguinte ilustra a variação da temperatura do sistema des térmicas forem diferentes. Afirmação correta. Portanto,
com o tempo. apenas III é correta.
a) Em que intervalo de tempo ocorre a fusão?
b) Em que intervalo de tempo ocorre a vaporização?
c) Considerando o calor especı́fico do gelo igual a 0, 55 cal/g·◦C
e o calor latente de fusão igual a 80 cal/g, qual é a quantidade
de calor absorvida pelo sistema, do instante inicial ao instante
t2 ?

T(oC)

0
t1 t2 t3 t4 t(s)
−40

Exercı́cios Complementares

3. (UFV-MG) Sejam dois sólidos A e B, de massas respecti-


vamente a mA e mB , em equilı́brio térmico. Cedendo-lhes a
mesma quantidade de calor, observa-se que a temperatura do
corpo A torna-se maior que a temperatura do corpo B. Não
se observa mudança de fase. Sobre essa situação são feitas três
afirmativas:
I - Se os corpos forem feitos do mesmo material, certamente
mA > mB .
98 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br
Eletricidade – Aula 1 99

Eletricidade Aula 1
La
La

+ +

Carga Elétrica Atrito +


+ +
+
+
+ +

++ +

No século XVIII, Benjamin Franklin verificou experimental-


mente que existem dois tipos de cargas diferentes, a as batizou (a) (b)
como cargas negativas (−) e positivas (+). Nesta época os
Quando esfregamos as mãos, não eletrizamos nenhuma delas.
cientistas pensavam que a carga era um fluı́do que podia ser
Para que haja eletrização por atrito, uma condição necessária
armazenado nos corpos, ou passar de um para outro.
é que os corpos sejam de materiais diferentes, isto é, eles não
Atualmente, dizer-se que carga elétrica é uma propriedade podem ter a mesma tendência de ganhar ou perder elétrons.
intrı́nseca de algumas partı́culas. Assim como massa, a carga Em Quı́mica, essa tendência é traduzida por uma grandeza de-
é uma propriedade elementar das partı́culas. nominada de eletroafinidade. Os materiais podem ser classifi-
A experiência realizada por Harvey Fletcher e Robert Millikan cados de acordo com essa tendência, elaborando-se a chamada
demonstrou que a quantidade de carga elétrica é uma grandeza série tribo-elétricas:
quantizada, ou seja, não pode assumir qualquer valor. Essa + + + Vidro → Mica → Lã → Seda → Algodão → Ma-
descoberta levou à conclusão de que a quantidade de carga deira → Âmbar → Enxofre → Metais − − −
elétrica Q é sempre um número inteiro n vezes a quantidade
Ao atritarmos dois materiais quaisquer de uma série tribo-
de carga elementar e:
elétrica, o que estiver posicionado à esquerda ficará eletrizado
Q = ne positivamente; o que estiver à direita ficará eletrizado negati-
vamente. Na eletrização por atrito, pelo menos um dos corpos
onde e = 1, 60 × 10−19 C. A unidade SI da carga elétrica é o
deve ser isolante. Se atritarmos dois condutores, eles não vão
coulomb ou C.
manter a eletrização.

Tipos de Materiais Eletrização por Contato


Em relação à eletricidade, os materiais são classificados como A eficiência nessa forma de eletrização depende de os corpos
condutores ou isolantes. serem condutores ou isolantes. Se um dos corpos for isolante,
Para que um material seja condutor de energia elétrica, é a eletrização será local, isto é, restrita aos pontos de contato.
necessário que ele possua portadores de carga elétrica livres Se os dois corpos forem condutores - um eletrizado e o outro
(elétrons, ı́ons positivos ou ı́ons negativos) e mobilidade para neutro - e colocados em contato, poderemos imaginá-los como
esses portadores. Os metais são bons condutores de eletrici- um único corpo eletrizado. A separação entre eles resultará
dade, pois possuem elétrons ”livres”e mobilidade para esses em dois corpos eletrizados com cargas de mesmo sinal. Na fi-
elétrons; o mesmo acontece com as soluções eletrolı́ticas, que gura, um dos condutores está inicialmente neutro (a eletrização
apresentam os ı́ons como portadores de carga elétrica, e com os por contato pode ocorrer também com dois condutores inici-
gases ionizados, que possuem elétrons e ı́ons como portadores almente eletrizados).
de carga elétrica.
Antes Depois

O vidro, a água pura, a madeira e os plásticos de modo geral + + +


+ +
+
+
+
+
+
+ + +
+
+
+
+ +
+ + + +

são bons isolantes de eletricidade. Além dos condutores e dos +


+
+
+
+ + +
+
+ +
+
+ +
+
+
+
+ + + +
+
+ + + + + + +

isolantes, existem os materiais semi-condutores, como o silı́cio + + + + + + + + + +

e o germânio.
(a) (b) (c)

Generalizando, podemos afirmar que, na eletrização por con-


Eletrização por Atrito tato:

Ao atritar vigorosamente dois corpos, A e B, estamos forne- • os corpos ficam ou eletricamente neutros ou com cargas
cendo energia e pode haver transferência de elétrons de um de mesmo sinal;
para o outro. Se os corpos atritados estão isolados, ou seja, • quando o sistema é formado por corpos isolados das in-
não sofrem a influência de quaisquer outros corpos, as cargas fluências externas, a quantidade de carga elétrica total
elétricas cedidas por um são exatamente as adquiridas pelo final é igual à quantidade de carga elétrica total inicial
outro: (princı́pio da conservação de carga elétrica):
QA = −QB
QA + QB = Q′ A + Q′ B
Isto é, A e B adquirem quantidades de carga elétrica iguais em
módulo, mas de sinais contrários. A figura representa o que Na expressão acima, Q representa a quantidade de carga
acontece quando um pedaço de metal é atritado com um pano elétrica inicial e Q′ , a quantidade de carga elétrica final.
de lã. Em particular, se os corpos A e B forem iguais:
100 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

O indutor (a) eletrizado positivamente, atrai as cargas elétricas


Q′ A = Q′ B = (QA + QB)/2 negativas do induzido (b). Assim, na face do induzido mais
próxima do indutor, temos acúmulo de cargas negativas, que
Podemos ainda observar que: não chegam ao indutor porque o ar entre eles é isolante. Por
outro lado, a face do induzido mais afastada do indutor fica
1. se os corpos colocados em contato são de tamanhos positiva. A essa altura, podemos nos perguntar se o corpo (b)
diferentes, a divisão de cargas é proporcional às di- está eletrizado. Ele não está, pois o número de prótons no
mensões de cada um; corpo continua igual ao número de elétrons. Dizemos que o
2. quando um corpo eletrizado é colocado em contato corpo (b) está induzido, porque houve apenas uma separação
com a Terra, ele se torna neutro, uma vez que sua di- das cargas. Quando retiramos o indutor, as cargas no induzido
mensão é desprezı́vel se comparada com à da Terra. se reagrupam e ele volta à situação neutra. Para eletrizar o
Simbolicamente, a ligação à Terra é representada induzido, devemos, na presença do indutor, estabelecer o con-
conforme a figura. tato do induzido (corpo b) com um terceiro corpo, chamado de
terra. Esse terceiro corpo pode ser um outro corpo qualquer,
até mesmo o planeta Terra.

+ +
+
+
+
+
+
+

B
Terra

+ + + +
+ + +
+ + + +
+ +
(a) (b) +
+
+
+
+
+
+ +
+ + + +
+ + + +
+ + + + + +
Em (a), o corpo está isolado da Terra e, portanto, A − Indutor

mantém sua carga elétrica. Quando o contato com a


Terra é estabelecido (b), o corpo se neutraliza (a) (b)
Na presença do indutor, desfazemos o contato entre b e a Terra;
em seguida, afastamos os corpos: o corpo b fica eletrizado com
Eletrização por Indução carga oposta à do indutor a.

Nesse tipo de eletrização não há contato entre os corpos. Ve-


jamos como acontece. Pense um Pouco!
+ + + • Uma pessoa pode levar um pequeno choque ao descer de
+ + + um carro num dia seco. Explique.
+ + +
• Atritando-se dois materiais diferentes criamos carga
+ +
+ elétrica? Por quê?
+ + +
+ + + Exercı́cios de Aplicação
+ + +
+ + +
1. Dispõe-se de três esferas metálicas idênticas e isoladas uma
(a) (b)
da outra. Duas delas, A e B, estão neutras, enquanto a es-
fera C contém uma carga elétrica Q. Faz-se a esfera C tocar
Primeiramente, precisamos de um corpo eletrizado (a), cha- primeiro a esfera A e depois a esfera B. No final desse proce-
mado de indutor, que pode ser condutor ou isolante, pois não dimento, qual a carga elétrica das esferas A, B e C, respecti-
terá contato com o outro. O segundo corpo (b) a ser eletri- vamente?
zado, chamado de induzido, deverá ser condutor, podendo ser
uma solução eletrolı́tica ou dois corpos B1 e B2 ligados eletri- 2. ”Série tribo-elétrica é um conjunto de substâncias orde-
camente. nadas de tal forma que cada uma se eletriza negativamente
quando atritada com qualquer uma que a antecede e posi-
+ + tivamente quando atritada com qualquer uma que a sucede.
+ + Exemplo: vidro - mica - lã - seda - algodão - cobre.”Baseado
+ + na informação acima, responda:
+ a) Atrita-se um pano de lã numa barra de vidro, inicialmente
+ neutros. Com que sinais se eletrizam?
+ + b) E se o pano de lã fosse atritado numa esfera de cobre,
+ +
+

+ também inicialmente neutro?


+

+ +
+
+ + +
+
3. Uma esfera metálica neutra encontra-se sobre um suporte
+ + B1 B2
isolante e dela se aproxima um bastão eletrizado positiva-
(a) (b) mente. Mantém-se o bastão próximo à esfera, que é então
Eletricidade – Aula 2 101

ligada à terra por um fio metálico. Em seguida, desliga-se o esfera, ambas condutoras. O isolante impede a passagem de
fio e afasta-se o bastão. cargas elétricas da haste para a esfera. Normalmente, as fo-
a) A esfera ficará eletrizada positivamente. lhas metálicas são mantidas dentro de um frasco transparente,
b) A esfera não se eletriza, pois foi ligada à terra. a fim de aumentar a sua justeza e sensibilidade.
c) A esfera sofrerá apenas separação de suas cargas.
d) A esfera ficará eletrizada negativamente.
e) A esfera não se eletriza, pois não houve contato com o bastão
eletrizado.

4. Dispõe-se de uma esfera condutora eletrizada positiva-


mente. Duas outras esferas condutoras, B e C, encontram-se
inicialmente neutras. Os suportes das três esferas são isolantes.
Utilizando os processos de eletrização por indução e por con- +++
+++
tato, descreva procedimentos práticos que permitam obter:
a) as três esferas eletrizadas positivamente II. A eletrizada po-
sitivamente e B negativamente III. A eletrizada negativamente
e B positivamente

Exercı́cios Complementares Eletrostato


(a) (b)
5. (U. Fortaleza-CE) Um bastão é atritado com um pano. A
seguir, repele uma esfera eletrizada negativamente. Pode-se
afirmar corretamente que o bastão foi eletrizado Figura 1.1: O eletroscópio de folhas (a) na presença de um
a) positivamente, por contato com o pano. bastão eletrizado negativamente (b)
b) positivamente, por ter-se aproximado da esfera.
c) negativamente, por ter-se aproximado da esfera. Aproximando-se da esfera o corpo que se quer verificar, se ele
d) negativamente, por atrito com o pano. estiver eletrizado, ocorrerá a indução eletrostática, ou seja: se
e) neutralizado, ao aproximar-se da esfera o corpo estiver carregado negativamente, ele repele os elétrons
livres da esfera para as lâminas, fazendo com que elas se abram
6. (PUCC-SP) Dispõe-se de uma barra de vidro, um pano devido à repulsão; se o corpo estiver com cargas positivas, ele
de lã e duas pequenas esferas condutoras, A e B, apoiadas atrai os elétrons livres das lâminas, fazendo também com que
em suportes isolados, todos eletricamente neutros. Atrita-se elas se abram, novamente, devido à repulsão.
a barra de vidro com o pano de lã; a seguir coloca-se a barra
de vidro em contato com a esfera A e o pano com a esfera B.
Após essas operações: ++
a) o pano de lã e a barra de vidro estarão neutros. ++
b) a barra de vidro repelirá a esfera B.
c) o pano de lã atrairá a esfera A. +
+
d) as esferas A e B se repelirão. + +
e) as esferas A e B continuarão neutras.

7. (UNIRIO-RJ) Uma esfera metálica, sustentada por uma


haste isolante, encontra-se eletrizada com uma pequena carga
elétrica Q. Uma segunda esfera idêntica e inicialmente descar-
regada aproxima-se dela, até tocá-la. Após o contato, a carga
elétrica adquirida pela segunda esfera é:
Figura 1.2: Na presença de um bastão eletrizado positivamente
a) Q/2
b) Q
A determinação do sinal da carga do corpo em teste, que já
c) 2Q
se sabe estar eletrizado, é obtida carregando-se anteriormente
d) 0
o eletroscópio com cargas de sinal conhecido. Dessa forma, as
e) −Q
lâminas terão uma determinada abertura inicial.

Eletricidade Aula 2 A Lei de Coulomb


Esta lei diz respeito à intensidade das forças de atração ou de
repulsão, que agem em duas cargas elétricas puntiformes (car-
gas de dimensões desprezı́veis), quando colocadas em presença
Eletroscópio de Folhas uma da outra.
Considere duas cargas elétricas puntiformes, q1 e q2 , separadas
É constituı́do de duas folhas metálicas, finas e flexı́veis, liga- pela distância r. Sabemos que, se os sinais dessas cargas forem
das em sua parte superior a uma haste, que se prende a uma iguais, elas se repelem e, se forem diferentes, se atraem. Isto
102 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

acontece devido à ação de forças de natureza elétrica sobre 5. (Santa Casa-SP) A figura representa um eletroscópio de
elas. folhas inicialmente descarregado. A esfera E, o suporte S e
Essas forças são de ação e reação e, portanto, têm a mesma as folhas F são metálicos. Inicialmente, o eletroscópio está
intensidade, a mesma direção e sentidos opostos. Deve-se notar eletricamente descarregado. Uma esfera metálica, positiva-
também que, de acordo com o princı́pio da ação e reação, elas mente carregada, é aproximada, sem encostar, da esfera do
são forças que agem em corpos diferentes e, portanto, não se eletroscópio. Em qual das seguintes alternativas melhor se
anulam. representa a configuração das folhas do eletroscópio (e suas
Charles de Coulomb verificou experimentalmente que: cargas), enquanto a esfera positiva estiver perto de sua esfera?

As forças de atração ou de repulsão entre duas cargas a) b) c)


elétricas puntiformes são diretamente proporcionais
ao produto das cargas e inversamente proporcionais
ao quadrado da distância que as separa. E

S
A expressão matemática dessa força é:
q1 q2 F
F =k d) e)
r2
blindagem
onde q1 e q2 são os módulos das cargas elétricas envolvidas, e k metalica

uma constante eletrostática que, no SI, para as cargas situadas


no vácuo é

k = 9 × 109 N · m2 /C 2 6. Duas cargas puntiformes q1 = −5, 0 µC e q2 = +8, 0 µC


estão sobre o eixo horizontal, separadas por uma distância r.
Assinale a alternativa correta:
Pense um Pouco! a) As cargas se repelem mutuamente
b) q2 atrai q1 com mais intensidade do que q1 atrai q2
• Baseado na lei de Coulomb, explique como funciona o c) o sistema forma um dipolo
eletroscópio; d) As cargas se atraem eletricamente
e) A força sobre as cargas são verticais
• Se dobrarmos a distância r entre duas cargas dadas, o que
acontece com a força elétrica entre elas?
• Se colocarmos muitos elétrons no centro de uma chapa Eletricidade Aula 3
metálica quadrada, o que acontecerá com essa carga?

Exercı́cios de Aplicação
Campo Elétrico
1. Duas esferas condutoras eletrizadas, de pequenas di-
Quando empurramos uma caixa, estamos aplicando sobre ela
mensões, atraem-se mutuamente no vácuo com força de inten-
uma certa força. Não é difı́cil imaginar de que forma essa
sidade F ao estarem separadas por certa distância r. Como
força foi transmitida à caixa, pois de imediato associamos à
se modifica intensidade da força quando a distância entre as
aplicação da força o contato travado com a caixa. Pensemos
esferas é aumentada para 4r?
agora na interação entre cargas elétricas: conforme estudamos
2. As cargas elétricas −q e +q ′ , puntiformes, atraem-se com anteriormente, se aproximarmos de uma carga Q uma outra
força de intensidade F , estando à distancia r uma da outra carga q, que denominaremos carga de prova, verificaremos a
no vácuo. Se a carga q ′ for substituı́da por outra −3q ′ e a ação de uma força F~ (atrativa ou repulsiva, conforme os sinais
distância entre as cargas for duplicada, como se modifica a das cargas) sobre a carga q. Nesse caso, não há contato entre
força de interação elétrica entre elas? os corpos, o que torna mais difı́cil a compreensão da forma de
transmissão da força. Durante muito tempo afirmou-se que a
3. Considere um eletroscópio de folhas descarregado. Explique força eletrostática era uma interação direta e instantânea entre
o que acontece quando um corpo eletrizado negativamente é: um par de partı́culas eletrizadas, conceito este denominado
a) aproximado da esfera do eletroscópio; ação a distância.
b) encostado na esfera do eletroscópio.

m
Exercı́cios Complementares
F

4. Duas partı́culas eletrizadas com cargas elétricas de mesmo


valor absoluto mas sinais contrários atraem-se no vácuo com
força de intensidade 4, 0 × 10−3 N , quando situadas a 9, 0 cm
uma da outra. Determine o valor das cargas, sendo k = 9 ×
109 N · m2 /C 2 .
Eletricidade – Aula 3 103

Se trabalhássemos apenas com cargas em repouso, a ação a Quanto ao sentido do vetor E, ~ distinguimos dois casos:
distância nos bastaria para que resolvêssemos a maioria dos ~ ~
a) q é positiva: E e F têm o mesmo sentido;
problemas do eletromagnetismo. No entanto, o estudo de car- b) q é negativa: E~ e F~ têm sentidos contrários.
gas em movimento não pode ser deixado de lado e nesse caso a Podemos concluir, da equação, que as unidades de intensidade
teoria da ação a distância é falha, sendo necessário buscarmos do vetor campo elétrico serão unidades de força por unidades
outra forma de explicar a interação elétrica. E foi com Faraday de carga. Assim, no sistema internacional de unidades, tere-
(1791-1867) que nasceu a idéia que constitui hoje um dos mais mos:
importantes recursos em Fı́sica: a noção de campo.
Dizemos que a presença da carga Q afeta a região do espaço
próxima a ela, ou seja, que a carga Q cria nas suas vizinhanças
uma “propriedade”que dá a essa região “algo”mais que atri- Unidade SI
butos geométricos, “algo”que transmitirá a qualquer carga de ~ será
por definição, a unidade de de campo elétrico é E
prova colocada nessa região a força elétrica exercida pela carga
newton/coulomb, ou seja N/C.
Q. Designamos por campo elétrico tal propriedade. Assim, a
força F~ é exercida sobre q pelo campo elétrico criado por Q.
Esquematicamente teremos:
Ação à distância: carga ⇐⇒ carga Linhas de Campo
Teoria de campo: carga ⇐⇒ campo ⇐⇒ carga
A denominação linhas de campo ou linhas de força designa uma
A noção de campo é utilizada em muitas outras situações
maneira de visualizar a configuração de um campo elétrico.
fı́sicas, como por exemplo a interação gravitacional. Na figura
Esse artifı́cio foi empregado por Faraday e mesmo hoje pode
a seguir, em vez de pensarmos numa atração direta da Terra
ser conveniente seu uso.
sobre o corpo de massa m, podemos dizer que a Terra cria em
torno de si um campo gravitacional; em outras palavras, a pre-
sença da Terra faz com que todos os pontos de sua vizinhança
possuam uma propriedade segundo a qual todo corpo colocado
nesse local sofrerá a ação de uma força atrativa. E
E E
Uma observação muito importante deve ser feita: o campo
elétrico num ponto P qualquer da vizinhança da carga Q, E
assim como o campo gravitacional num ponto qualquer nas E
E
vizinhanças da Terra, existe independentemente da presença
da carga de prova q ou da massa m. Estas apenas testam a
existência dos campos elétrico e gravitacional nos pontos con-
siderados. Apresentamos a seguir a significação das linhas de força:

1. São linhas traçadas de forma que a tangente a cada ponto


O Vetor Campo Elétrico ~ São orientadas no sentido do
nos fornece a direção de E.
vetor campo.
O campo elétrico é melhor caracterizado em cada ponto do
espaço por um vetor Ê, denominado vetor campo elétrico. A
definição do vetor campo elétrico é tal, que por seu intermédio 2. As linhas de campo são traçadas de forma que o número
poderemos estudar muitas caracterı́sticas do campo elétrico, a de linhas que atravessa a unidade de área de uma secção
partir do estuco desse vetor num ponto. Consideremos P um ~
perpendicular às mesmas é proporcional ao módulo de E.
ponto genérico de um campo elétrico gerado por uma fonte Dessa forma, onde elas estiverem mais próximas, |E| ~ é
qualquer. Coloquemos em P , sucessivamente, cargas de prova ~ é menor.
maior; onde elas estiverem mais afastadas, |E|
q1 , q2 , q3 , ..., q. A intensidade da força elétrica atuante nas
cargas de prova irá variar, mas a direção da força será a mesma,
conforme indicamos na seqüência de figuras seguintes:

E menos intenso E mais intenso


F
P 2 P
P
F F
1
q q
q
1
2

(a) (b) (c)

Concluı́mos que a relação entre a força e a carga em que ela As figuras seguintes mostram linhas de campo de alguns
atua é uma caracterı́stica do ponto P considerado, denominada campos elétricos particulares:
vetor campo elétrico. Assim, teremos:

~ = F~ /q
E • campo gerado por uma carga puntiforme positiva.
104 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

P
Q

No ponto P da figura, colocamos urna carga de prova q, o


vetor campo elétrico no ponto P tem intensidade dada por:
E = F/q.
O campo gerado por uma carga puntiforme Q num ponto P
As linhas de campo “nascem”nas cargas positivas. qualquer do espaço tem intensidade dada por:
• carga puntiforme negativa:
F Q
E= =k 2
q r

Utilizando uma linguagem não muito rigorosa, podemos dizer


que as cargas positivas geram campos de afastamento e as
cargas negativas geram campos de aproximação.

Campo Elétrico para Várias de Cargas

Se cada uma das cargas estivesse sozinha, originaria no ponto


P um campo elétrico devido à sua presença individual. Dado o
efeito aditivo da força elétrica, o campo elétrico devido à pre-
sença de n cargas puntiformes será a soma vetorial dos campos
produzidos individualmente por cada uma das cargas, isto é:

n
X
~ =E
E ~1 + E
~2 + E
~3 + . . . = ~i
E
As linhas de campo “morrem”nas cargas negativas i=1

• duas cargas de sinais iguais: Importante: esta soma deve ser feita usando-se a soma de
vetores.

E4
Q1 E2
P E1
Q2 E3
E5
Q3

Q4 Q5

3. Observe que, por definição, o campo elétrico é único em


cada ponto do espaço, e portanto, duas linhas de campo Se todas as cargas Qi estiverem sobre uma mesma linha reta,
nunca se cruzam. que também contém o ponto P , então a intensidade do campo
em P será
n
Cálculo do Campo Elétrico Q1 Q2 Q3 X
E=k 2 + k 2 + k 2 + ... = kQi ri2
r1 r2 r3
Campo de uma Carga Puntiforme i=1

O campo elétrico devido a uma carga puntiforme Q fixa é Esta é uma soma escalar, mais fácil de fazer do que a necessária
facilmente determinado analisando-se a figura seguinte: no caso anterior.
Eletricidade – Aula 4 105

Campo Elétrico Uniforme a) Calcule o valor da carga Q que origina o campo.


b) Determine a intensidade do campo elétrico em um ponto
Trata-se de um campo elétrico em que o vetor campo elétrico que dista 30 cm da carga fixa.
é o mesmo em todos os pontos, o que equivale a dizer que em 1000
cada ponto o módulo, a direção e o sentido do vetor E ~ serão
os mesmos. Em conseqüência dessa definição, concluı́mos que 800
as linhas de campo devem ser retas paralelas orientadas todas
com o mesmo sentido. 600

E (N/C)
Por exemplo, para uma pequena região do espaço, muito longe
de uma carga puntiforme, o campo elétrico se torna quase uni- 400

forme. Próximo à superfı́cie da Terra, existe um campo elétrico


vertical, de cima para baixo de intensidade E ≈ 100 N/C. 200

Este campo é quase uniforme, visto em pequena escala (al-


0
guns metros), sobre o chão plano. 0.00 0.05 0.10 0.15 0.20
d (m)

Pense um Pouco! 5. (PUC-SP) Numa certa região da terra, nas proximidades da


superfı́cie, a aceleração da gravidade vale 9, 8 m/s2 e o campo
• Qual as semelhanças e diferenças entre a força elétrica e eletrostático do planeta (que possui carga negativa na região)
a gravitacional? Faça um paralelo. vale 100 N/C, e é na direção vertical, sentido de cima para
baixo. Determine o sinal e o valor da carga elétrica que uma
• Num sistema de cargas puntiformes é possı́vel se encon- bolinha de gude, de massa 50 g, deveria ter para permane-
trar algum ponto P onde o campo elétrico seja nulo? Dê cer suspensa em repouso, acima do solo. Considere o campo
exemplos. elétrico praticamente uniforme no local e despreze qualquer
outra força atuando sobre a bolinha.
• Um dipolo é formado por um par de cargas +q e −q.
Esboce as linhas de campo de um dipolo. 6. (Mackenzie-SP) Existe um campo elétrico E ~ apontando
para baixo, na atmosfera terrestre, com uma intensidade média
de 100 N/C. Deseja-se fazer flutuar nesse campo uma esfera
Exercı́cios de Aplicação de enxofre de 0, 5kg. Que carga (módulo e sinal) precisa ter a
esfera?
1. (Fatec-SP) Em um ponto P do espaço existe um campo
~ horizontal de 5 × 104 N/C, voltado para a direita.
elétrico E
a) Se uma carga de prova de l, 5 µC, positiva, é colocada em
P , qual será o valor da força elétrica que atua sobre ela?
Eletricidade Aula 4
b) Em que sentido a carga de prova tenderá a se mover, se for
solta?
c) Responda às questões a) e b) supondo que a carga de prova
seja negativa.
Potencial Elétrico
2. (ITA-SP) Uma placa vertical isolante, de dimensões muito
grandes, está uniformemente carregada. Sabendo-se que o Diferença de Potencial
campo elétrico por ela gerado é o mesmo em todos os pon-
tos próximos à placa e que uma pequena esfera de massa Consideremos positiva uma carga que se desloca de A para B,
25 gramas, presa por um fio leve na placa forma o ângulo em equilı́brio, ou seja, faz-se uma força externa F~ext. tal que
de afastamento entre a esfera e a placa é de 30◦ ?, determinar: anule a força elétrica F~E sobre a carga:
a) a força elétrica que atua na esfera, supondo que ela se en-
contre em equilı́brio; F~ext. = −F~E
b) o campo elétrico da placa, sabendo-se que a carga na esfera
vale −5 µC. Ao trabalho realizado pelo agente externo Wext. por unidade
de carga que se desloca de A para B, denominamos diferença
3. (USP-SP) Uma carga elétrica puntiforme q = 2 × 10−6 C de potencial ou tensão elétrica de A para B, habitualmente
e de massa 10−5 kg é abandonada em repouso num campo representada por VB − VA ou simplesmente VAB .
elétrico uniforme de intensidade 104 N/C. Assim, matematicamente teremos:
a) Qual é a aceleração adquirida por q?
b) Qual a velocidade da partı́cula no instante 8, 0 s? W A→B W A→B
VB − VA = ext. = − E
q q
Exercı́cios Complementares Sendo o trabalho W e q grandezas escalares, a diferença de
potencial também será uma grandeza escalar.
4. (FUVEST-SP) O diagrama da figura seguinte representa O trabalho WEA→B independe da trajetória escolhida entre os
a intensidade do campo elétrico gerado por uma carga punti- pontos A e B, e isso é um resultado decorrente do fato de a
forme fixa no vácuo, em função da distância d à carga. força elétrica ser conservativa.
106 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Unidades SI

No Sistema Internacional de Unidades, a unidade de diferença


de potencial (d.d.p.) será o joule/ coulomb, que é denominada
volt ou V .
F F
Assim, uma d.d.p. de 110 V entre dois pontos indica que o A ext E B
campo (força elétrica) realiza um trabalho de 110 J sobre cada
l C de carga que se desloca de um ponto para outro. +q
Para analisar o sinal da d.d.p., tente imaginar você realizando
o movimento de uma carga de prova entre os pontos A e B, e
observe os sentidos da força externa e do deslocamento. Por E
exemplo, se você deslocar uma carga positiva, contra o campo
elétrico numa determinada região, observará que será realizado
um trabalho externo positivo, e o potencial da carga deslocada
aumenta, porque ela foi deslocada para uma região de maior Como o campo é uniforme, a força elétrica que atua na carga
potencial. q é constante e terá intensidade dada por:

F = qE

Sabemos, da mecânica, que o trabalho realizado por uma força


Potencial Elétrico Gerado por uma Carga Puntiforme constante e paralela ao deslocamento e dado por
A→B
Para calcularmos o trabalho WEA→B realizado sobre a carga Wext. = −FE · d
+q, sendo deslocada próximo à uma carga puntiforme Q, de-
vemos utilizar conceitos matemáticos que o estudante verá em Então a d.d.p. entre os pontos A e B, de A para B, será:
seu curso superior: trata-se do cálculo integral, que, utilizado
VB − VA = −E · d
neste caso, nos fornecerá como resultado:
e neste caso dizemos que a tensão cai de A para B. Em geral,

1 1
 a d.d.p. é negativa na direção e sentido do campo elétrico.
WEA→B = −kQq − A relação obtida acima é de grande utilidade, uma vez que,
rB rA
conhecida a d.d.p. e o deslocamento, obteremos facilmente
o campo elétrico. Observe que o campo elétrico poderá ser
Dessa maneira a diferença de potencial no caminho de A para expresso também em volt/metro. Procure demonstrar que
B será: l N/C = l V /m.

 
W A→B 1 1 Rigidez Dielétrica
VA→B = VB − VA = − ext. = kQ −
q rB rA
Sabe-se que o ar é isolante, porém quando submetido a um
grande campo elétrico, algumas moléculas são ionizadas e o ar
Se quisermos determinar o potencial de um dos pontos, por se torna condutor. A esse limite de campo elétrico máximo
exemplo, B, façamos rA tender ao infinito, onde supomos que que um isolante suporta chamamos de rigidez dielétrica ou
o potencial seja nulo. Quando isso acontece Emax . Para o ar de Jonville, sempre muito úmido, temos
Emax ≈ 800 v/mm.
Q
VB = k
rB Pense um Pouco!
Essa equação fornece o potencial de B em relação a um ponto • Você saberia responder o valor da d.d.p. (diferença de
no infinito. Se nos depararmos com uma configuração de n potencial) entre o chão e uma nuvem, num raio?
cargas puntiformes, o potencial num ponto P dessa região será
• Qual a d.d.p. máxima entre dois fios paralelos, separados
a soma algébrica dos potenciais devidos a cada carga, isto é:
por uma distância de 10 cm, em Joinville?
  n • Num dado instante, a d.d.p. entre os eletrodos de uma
Q1 Q2 Qn X Qi tomada é de 200 V . O que significa isso fisicamente?
VP = k + + ... + =k
r1 r2 rn i=1
ri

Exercı́cios de Aplicação
Potencial dentro de um Campo Elétrico
1. Qual o potencial de um ponto P , situado a 20 cm de uma
carga positiva de campo cujo valor é 4, 0 × l0−6 C?
Seja q uma carga positiva que se desloca de A para B sobre
uma linha de força do campo uniforme mostrado na figura 2. (FAAP-SP) Duas cargas Q1 e Q2 , de valores −2 µC e
seguinte: +2 µC, respectivamente, estão separadas por uma distância
Eletricidade – Aula 5 107

de 40 cm. ou opostos. Como sabemos, a esse trabalho corresponde uma


a) Calcule o potencial no ponto P , situado na metade do seg- energia armazenada no sistema sob a forma de energia poten-
mento que une as cargas Q1 e Q2 . cial elétrica. Assim, definiremos a energia potencial elétrica
b) Calcule o módulo, a direção e o sentido do vetor campo de um sistema de cargas elétricas puntiformes como sendo o
elétrico em P . trabalho externo realizado para trazê-las em equilı́brio de uma
c) O que se pode concluir dos resultados obtidos com esses separação infinita até a configuração atual.
cálculos?
3. (UFSC-SC) O campo elétrico no interior de um sistema
de placas paralelas eletrizadas com cargas de sinais contrários equipotencial
linha de campo
é um bom exemplo de campo elétrico uniforme. Na figura
seguinte, a distância entre os pontos A e B vale 5 cm e a E

intensidade do campo elétrico uniforme E é 2, 0 × 1O5 N/C.


a) Qual a d.d.p. entre os pontos A e B indicados na figura?
b) Se o ponto A for tomado como nı́vel de referência para o
potencial (V = 0), qual será o potencial do ponto B?

V1

E V2
V3
V4
A B

Exercı́cios Complementares O potencial elétrico que uma carga q1 origina no ponto P , a


uma distância r da carga, é dado por:
4. (ACAFE-SC) No vácuo, um pequeno corpo eletrizado com
carga elétrica Q cria um potencial igual a +3000 V num ponto kq1
V1 =
9
A, situado a 30 cm de Q. Sendo k = 9 × 10 N · m /C , 2 2 r
determine: Imaginemos, agora, que uma segunda carga q2 foi trazida do
a) o valor da carga Q; infinito até o ponto P . O trabalho realizado para tal é, segundo
b) a intensidade do vetor campo elétrico no ponto A. a definição de potencial elétrico:
5. (UFRS-RS) Temos as cargas Q1 , Q2 e Q3 dispostas nos
W2 = q2 V1
vértices de um retângulo de lados 6 cm e 8 cm. Calcule o
potencial elétrico total no vértice A, que não contém nenhuma Como o trabalho é a própria energia potencial elétrica E do
pot
carga. Dados: Q1 = 8 µC, Q2 = 16 µC, Q3 = −12 µC e sistema de cargas {q , q }, então
1 2
k = 9 × 109 N · m2 /C 2 .
kq1 q2
6. (IME-RJ) Calcular o trabalho das forças do campo elétrico Epot =
de uma carga puntiforme Q = 5 µC para transportar ou- r12
tra carga puntiforme q = 2, 0 µC de um ponto A a ou- onde r12 é a distância entre as cargas q1 e q2 .
tro B, distantes 1, 0 m e 2, 0 m da carga Q, respectiva-
mente. Esse trabalho é positivo ou negativo? Explique. Dado:
k = 9 × 109 N · m2 /C 2 . Pense um Pouco!
• Como seriam as superfı́cies equipotenciais de uma carga
Eletricidade Aula 5 puntiforme?

• Qual o trabalho necessário para se deslocar uma carga q ′


em torno de uma carga fixa q, mantendo-se a distância
fixa entre elas?
Superfı́cies Equipotenciais
Denomina-se superfı́cie equipotencial ao lugar geométrico dos Exercı́cios de Aplicação
pontos que têm mesmo potencial elétrico. Nenhum trabalho é
realizado no deslocamento de uma carga de prova entre dois 1. (FATEC-SP) Sabe-se que a carga do próton é igual em valor
pontos de uma mesma superfı́cie equipotencial. absoluto à do elétron, tendo no entanto sinal contrário ao da
Para aumentar a separação entre as cargas, é preciso que um referida carga. Um próton tem velocidade relativa zero em
agente externo realize um trabalho, cujo sinal poderá ser po- relação a um elétron. Quando eles estiverem separados pela
sitivo ou negativo, conforme sejam as cargas de sinais iguais distância 10−13 cm, calcule a energia potencial do sistema.
108 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

V (volts) V (volts)

150 0

100 -50

50 -100

0 -150
1.0 1.0
0.5 0.5
-1.0 0.0
y (m) -1.0 0.0
y (m)
-0.5 -0.5 -0.5 -0.5
0.0 0.0
x (m) 0.5 -1.0 x (m) 0.5 -1.0
1.0 1.0

Figura 1.1: O potencial elétrico em torno de uma carga pun- Figura 1.2: O potencial elétrico em torno de uma carga pun-
tual positiva q = +1 nC. Na base estão as equipotenciais, tual positiva q = −1 nC. Na base estão as equipotenciais,
indicando no cı́rculo maior onde V = +10 V . Masca-se as indicando no cı́rculo maior onde V = −10 V . Masca-se as
equipotenciais a cada 20 V . equipotenciais a cada 20 V .

2. (IME-RJ) Três cargas q1 , q2 e q3 estão dispostas, uma


em cada vértice de um triângulo equilátero de lado a. Qual
a energia potencial do sistema? Suponha em q1 = 1, 0 µC, equipotencial
q2 = −4, 0 µC, q3 = 2, 0 µC e a = 10 cm. linha de campo

3. No esquema abaixo representamos as superfı́cies equipoten-


ciais e as linhas de força no campo de uma carga elétrica pun- V1
tiforme Q. Considere que o meio é o vácuo. Sendo V1 = 60 V ; V2
V3
V2 = 30 V ; V3 = 20 V , e do centro da carga até V2 a distância V4
r = 0, 30 m. Determine:
a) o valor de Q;
b) a d.d.p. encontrada no caminho da superfı́cie com V1 até a
outra com V2 ;
c) o trabalho da força elétrica que atua sobre uma carga de
prova q ′ = +1, 0 µC ao ser deslocada de V2 para V3 .
Eletricidade – Aula 6 109

Exercı́cios Complementares
+++ metal eletrizado
++
++
4. (USP-SP) Uma partı́cula de massa m e carga elétrica q > 0 + +
está em equilı́brio entre duas placas planas, paralelas e hori- + +
+ + tangente ‘a E
zontais, e eletrizadas com cargas de sinais opostos. A distância A
+ superficie
entre as placas é d, e a aceleração local da gravidade é g. +
a) Determine a diferença de potencial entre as placas em função + +
de m, g, q e d. ++ +
b) Qual placa tem o maior potencial? Explique. + linha de
C + campo
5. (FEI-SP) Uma partı́cula da massa m = 200 mg e carga +
q = +1µC é abandonada num ponto A e se dirige a outro B +
+
B. Sendo de −100 V a diferença de potencial de A e B, a +
+ + + +
velocidade com que a partı́cula alcança B é:
a) 5, 0 m/s
b) 4, 0 m/s
c) 3, 0 m/s Figura 1.1: Um condutor carregado com carga positiva.
d) 2, 0 m/s
e) 1, 0 m/s
O Campo Interno
6. (Santa Casa-SP) Sabe-se que a massa do elétron é 9, 1 ×
10−31 kg, que sua carga elétrica vale −1, 6 × 10−19 C e que a No interior de um condutor eletrizado, de qualquer formato, o
diferença de potencial entre os ponto A até B é 100 V . Um campo elétrico é nulo em todos os pontos, ou seja, E~ = ~0.
elétron é abandonado em B sob a ação exclusiva do campo Isso pode ser constatado simplesmente notando que, se hou-
elétrico. O módulo da velocidade do elétron ao atingir o ponto vesse campo elétrico no interior do condutor, ele agiria nos
A é um valor mais próximo de: elétrons livres, os quais teriam um movimento ordenado
a) 36 × 1012 m/s sob sua influência, contrariando o conceito de condutor em
b) 6, 0 × 1012 m/s equilı́brio eletrostático.
c) 6, 0 × 106 m/s
d) 35 × 106 m/s
e) 6, 0m/s O Campo Externo

Contudo, da sua superfı́cie para fora, o campo elétrico não


será nulo. Porém, nesses pontos, o vetor campo elétrico E ~
Eletricidade Aula 6 deve ser normal à superfı́cie, como em A, na Fig. 1.1. Se
o vetor campo fosse como E ~ ′ no ponto B da mesma figura,
ele teria uma componente tangencial à superfı́cie do condutor,
o que provocaria movimento ordenado de cargas ao longo da
superfı́cie.
Condutores em Equilı́brio
Vamos estudar o campo elétrico e o potencial elétrico de O Poder das Pontas
uma distribuição de cargas em um condutor em equilı́brio ele-
Nas regiões pontiagudas de um condutor carregado (região C
trostático.
da Fig. 1.1), a densidade de carga, isto é, a concentração de
Para estudar os campos elétricos, vamos usar não sistemas de cargas elétricas por unidade de área superficial é mais elevada.
cargas puntiformes e sim distribuições de cargas em conduto- Por isso, nas pontas e em suas vizinhanças o campo elétrico é
res. Deve-se considerar que estes estão em equilı́brio ele- mais intenso.
trostático, ou seja, nenhuma carga está sendo colocada ou
Quando o campo elétrico nas vizinhanças da ponta atinge de-
retirada do condutor, e todo o movimento interno de cargas já
terminado valor, o ar em sua volta se ioniza e o condutor se
cessou.
descarrega através da ponta. Esse fenômeno recebe o nome
de “poder das pontas”. É nele que se baseia, por exemplo, o
Equilı́brio Eletrostático funcionamento dos pára-raios.
Um condutor está em equilı́brio eletrostático quando nele não
ocorre movimento ordenado de cargas elétricas. Fornecendo-se Condutor Oco
ao condutor representado em corte da Fig. 1.1, uma a carga
elétrica Q, a repulsão mútua das cargas elementares que cons- Evidentemente, não importa se o condutor é maciço ou oco
tituem Q faz com que elas fiquem tão longe uma da outra (Fig. 1.2): o campo elétrico no interior do metal é sempre
quanto possı́vel. O maior afastamento possı́vel corresponde a nulo e as cargas se distribuem na sua superfı́cie externa.
uma distribuição de cargas na superfı́cie externa do condu-
tor, situação, aliás, que destacamos nas figuras de condutores Potencial Elétrico
que até agora apareceram em nossas aulas. Nessa configuração
de cargas, todas na superfı́cie, o condutor possui a sua menor O potencial elétrico em todos os pontos, internos e superficiais,
energia potencial elétrica. de um condutor em equilı́brio eletrostático, é constante. As-
110 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Uma tela metálica envolvendo certa região do espaço também


+++ constitui uma blindagem satisfatória – a chamada “gaiola de
++++ Faraday”.
+ + A blindagem eletrostática é muito utilizada para a proteção
+ +
+ + de aparelhos elétricos e eletrônicos contra efeitos externos per-
+ turbadores. Os aparelhos de medidas sensı́veis estão acondici-
+ onados em caixas metálicas, para que as medidas não sofram
+ + influências externas. As estruturas metálicas de um avião,
++ + de um automóvel e de um prédio constituem blindagens ele-
+ trostáticas.
+ +
+
+
+
+ + + +

Figura 1.2: Um condutor oco.

sim, para o condutor da Fig. 1.1, temos VA = VB = VC = VD .

Condutor Esférico
Para se determinar o vetor campo elétrico e o potencial elétrico
em pontos externos a um condutor esférico eletrizado,
supõe-se sua carga Q puntiforme e concentrada no centro:
Q
Eext = k
r2
e
Q
Vext = k
r
O potencial elétrico do condutor esférico de raio R é o potencial
de qualquer ponto interno ou superficial, sendo dado pelo valor Como Funciona o Pára-Raios?
fixo:
Q
Vint, sup = k
R O pára-raios tem por finalidade oferecer um caminho mais efi-
ciente para as descargas elétricas, protegendo casas, edifı́cios,
Blindagem Eletrostática depósitos de combustı́veis, linhas de transmissão de energia
elétrica, etc.
Considere um condutor oco A em equilı́brio eletrostático e, em
seu interior, o corpo C (Fig. 1.3). Como o campo elétrico no
interior de qualquer condutor em equilı́brio eletrostático é nulo,
decorre que A protege o corpo C, no seu interior, de qualquer
ação elétrica externa. Mesmo um corpo eletrizado B externo
induz cargas em A, mas não em C. Desse modo, o condutor
A constitui uma blindagem eletrostática para o corpo C.
Saiba Mais

O pára-raio foi criado por BENJAMIN FRANKLIN (l706-


A
1790). polı́tico, escritor e cientista norte-americano. Atual-
mente, é constituı́do essencialmente de uma haste condutora
C disposta verticalmente na parte mais alta da estrutura a ser
protegida. A extremidade superior da haste apresenta uma
ou mais pontas de material com elevado ponto de fusão, a
outra extremidade da haste é ligada, através de condutores
metálicos, a barras metálicas que se encontram cravadas, pro-
fundamente no solo. Se uma nuvem eletrizada estiver sobre
as pontas do pára-raios, induz nelas cargas elétricas inten-
sificando o campo na região já ionizada pela descarga lı́der.
Figura 1.3: A blindagem eletrostática. Produz-se a descarga principal através do pára-raios.
Eletricidade – Aula 7 111

2. Considere uma esfera metálica oca provida de um orifı́cio e


eletrizada com carga Q. Uma pequena esfera metálica neutra é
colocada em contato com a primeira. Quais são as afirmações
corretas?
a) ( ) Se o contato for interno, a pequena esfera não se eletriza.
b) ( ) Se o contato for externo, a pequena esfera se eletriza.
c) ( ) Se a pequena esfera estivesse eletrizada, após um contato
interno ficaria neutra.
d) ( ) Se aproximarmos a pequena esfera, sem tocar na esfera
eletrizada, a carga elétrica da pequena esfera aumenta.
e) ( ) Se aproximarmos a pequena esfera, a distribuição de
cargas na esfera oca se altera.

3. (Efei-MG) Um condutor esférico de raio R = 30 cm está


eletrizado com carga elétrica Q = 6, 0 nC. O meio é o vácuo
(k = 9, 0 × 109 N · m2 /C 2 ). Determine:
a) o potencial elétrico e a intensidade do vetor campo elétrico
no centro da esfera;
b) o potencial elétrico e a intensidade do vetor campo elétrico
num ponto externo e situado a 50 cm do centro da esfera.

Exercı́cios Complementares

4. (Efei-MG) Duas esferas metálicas, A e B, de raios R e


3R, estão eletrizadas com cargas 2Q e Q, respectivamente. As
esferas estão separadas de modo a não haver indução entre elas
e são ligadas por um fio condutor.
Pense um Pouco! a) Quais as novas cargas após o contato?
b) Qual o potencial elétrico de cada esfera, depois do contato?
• Como funciona um pára-raios? Que área ele protege?
• Por que durante uma tempestade para se proteger das
chuvas é mais seguro ficar dentro do carro que debaixo de 5. (ACAFE-SC) Duas esferas metálicas, A e B, de raios
uma árvore? 10 cm e 20 cm, estão eletrizadas com cargas elétricas 5, 0 nC e
−2, 0 nC, respectivamente. As esferas são postas em contato.
Determine, após atingir o equilı́brio eletrostático:
Exercı́cios de Aplicação a) as novas cargas elétricas das esferas;
b) o potencial elétrico que as esferas adquirem.
c) Houve passagem de elétrons de A para B ou de B para A?
1. (Cefet-BA) Considere um condutor metálico com a forma
Explique.
indicada na figura. O condutor está eletrizado positivamente
e em equilı́brio eletrostático. Observe os pontos A, B e C.
Quais são as afirmações corretas? 6. (UNICAMP-SP) Conhecidas duas esferas metálicas
a) ( ) O campo elétrico em A é nulo. idênticas, A e B, de cargas elétricas 5, 0 × 10−6 C e 3, 0 ×
−6
b) ( ) A densidade de cargas elétricas é maior em C do que 10 C, respectivamente. As esferas são colocadas em con-
em B. tato.
c) ( ) O campo elétrico em B é mais intenso do que em C. a) Determine o número de elétrons que passou de um condutor
d) ( ) Os pontos A, B e C possuem mesmo potencial elétrico. para outro.
e) ( ) As cargas elétricas em excesso distribuem-se na superfı́cie b) Qual das esferas recebe elétrons?
externa do condutor.
7. Sabendo-se que existe um campo elétrico na superfı́cie da
Terra, vertical para baixo igual a 100 N/C. Dado o raio da
+ + Terra R = 6.400 km, determine:
a) O potencial elétrico da Terra (do chão);
+ +
+ + + b) A carga elétrica total da Terra.
+ A C
+ + +
B + + +
+
+ + + Eletricidade Aula 7
112 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Capacidade Elétrica Num circuito, os capacitores serão representados por duas bar-
ras paralelas.
Denomina-se capacidade elétrica ou capacitância de um corpo
condutor a capacidade que ele possui de armazenar cargas. Capacitores Planos
Da mesma forma que a quantidade de moles de um gás que
um balão pode conter depende da pressão a que o gás estiver O capacitor plano é constituı́do por placas condutoras planas
submetido e também das dimensões e forma do balão, a capa- e paralelas, separadas por um dielétrico qualquer (ar, mica,
cidade elétrica dependerá das dimensões e forma do condutor. papel, polı́meros, etc.)
A experiência mostra que, se fornecemos a um condutor cargas
Q1 , Q2 , Q3 , ..., Q, o potencial adquirido pelo mesmo será V1 ,
V2 , V3 , ..., V , sempre proporcionais à carga Q fornecida. Isso
quer dizer que o quociente Q/V é constante (Fig. 1.1).

+ Placa Condutora
++ +
+ + Q
+
+ + Material Isolante
+
+ V
+ + + −
+ + Placa Condutora
+
+ +
Seja A a área de cada armadura e d a distância entre as mes-
mas. Consideremos inicialmente que haja vácuo entre as pla-
cas. É possı́vel demonstrar, mediante a aplicação da lei de
Figura 1.1: Capacitor metálico carregado com carga positiva Gauss, que o campo uniforme que existe entre as placas é dado
+Q. por:
Q
Essa constante de proporcionalidade C é denominada capa- E=
ǫ0 A
citância do condutor.
onde ǫ0 é a constante de permissividade elétrica do vácuo,

Unidades SI ǫ0 = 8, 85 × 1O−12 F/m

No Sistema Internacional de Unidades (SI), temos: no SI.

1 F = 1 f araday = 1 coulomb/1 volt = 1 F arad


Relação Entre k e ǫ0
A capacitância de um condutor que recebe uma carga de
l coulomb, adquirindo um potencial de l volt, é igual a l F . As constantes k, a constante elétrica da lei de Faraday, e ǫ0 ,
Na prática, os capacitores tem capacitância da ordem tı́pica a permissividade elétrica do vácuo, estão intimamente relaci-
de µF arad. onadas, e pode-se mostrar que:
1
k=
Capacitores 4πǫ 0

Na prática, é impossı́vel obter condutores de capacitância e como ǫ0 é dado em F/m, então pode-se escrever a constante
elevada, sem que suas dimensões sejam extraordinariamente k em m/F , já que estas constantes são inversamente propor-
grandes. No entanto, é possı́vel obtermos dispositivos, de di- cionais.
mensões pequenas, capazes de armazenar uma razoável quanti-
dade de cargas com diferenças de potencial não muito grandes. + + + + +
+ ++ + + +
Esses dispositivos são denominados capacitares ou conden- +Q + +A + +
sadores.
+ ++ + + + d
+ + + +
Um capacitor é um par de condutores, separados por um iso-
lante (dielétrico).
−Q A
Os condutores que constituem o capacitor são denominados
armaduras do capacitor.
A classificação dos capacitores é dada em função da forma de
suas armaduras e da natureza do dielétrico que existe entre as Conforme já estudamos anteriormente, a d.d.p. entre as placas
mesmas. vale V = Ed. Assim:
Em todo capacitor, existe uma relação constante entre o Qd
V =
módulo da carga (que é a mesma em valor absoluto nas duas ǫ0 A
armaduras) e a d.d.p. V entre as armaduras. Essa relação é A capacitância do capacitor plano é dada por:
denominada capacitância do condensador.
ǫ0 A
C = Q/V C=
d
Eletricidade – Aula 8 113

Observe que a capacitância obtida é diretamente proporcio- Exercı́cios de Aplicação


nal à área A das placas, e inversamente proporcional à sua
distância d.
1. Três condutores, de capacidades 2 pF , 3 pF e 5 pF , estão
Se, em vez de ar ou vácuo, houver entre as armaduras um eletrizados com cargas de 4 µC, 12 µC e −20 µC, respectiva-
dielétrico de constante dielétrica b, a capacitância de um con- mente.
densador plano será maior, dada por: a) Determine os potenciais elétricos desses corpos.
bǫ0 A
C= 2. (FUVEST-SP) Um capacitor plano tem uma capacitância
d C. Entre suas armaduras há uma distância d. Qual será sua
Para que o dielétrico tenha efeito sobre a capacitância, ele capacidade se a distância entre suas placas for aumentada para
deve ser colocado na região de campo elétrico do capacitor. 2d?
Alguns dielétricos como a mica e poliéster chegam a aumentar
3. (UFBA) Um capacitor plano possui capacidade C =
a capacitância em até 100 vezes o seu valor no vácuo (sem
100 pF , área das armaduras A = 100 cm2 , e dielétrico com
dielétrico).
κ = 5. Quando a ddp entre as armaduras for igual a 50V , cal-
cule a intensidade do campo elétrico no interior do dielétrico.
Capacitor Esférico Simples Dado: ǫ0 = 8, 85 × 1O−12 F/m.
Se construirmos um capacitor com uma esfera simples condu-
tora de raio R, sua capacitância será
Exercı́cios Complementares
Q Q R
C= = = = 4πǫ0 R
V kQ/R k 4. (UFPR) Uma partı́cula de massa 2, 0 × 10−10 kg com
ou seja, a capacitância da esfera é diretamente proporcional carga positiva e igual a 2, 0 × 1O−6 C penetra através de um
ao seu raio R. orifı́cio, com velocidade de 1, 0 × 104 m/s, numa região onde
existe um campo elétrico uniforme de módulo 4 × 105 N/C.
A distância entre as placas vale 10 cm. Determine a energia
+ + + Q cinética com que a partı́cula atinge a segunda placa, andando
+ +
+ + contra o campo elétrico.
+ + + R
+ + + 5. (UEL-PR) Um capacitor de capacidade C exibe, entre seus
+ terminais, uma diferença de potencial V . A carga elétrica ar-
+ + + +
+ + mazenada nesse capacitor é dada por:
+ + a) C/V
+
Capacitor Esferico
´ + + b) V /C
c) C 2 V
d) CV 2
Exemplo e) CV
Vamos calcular a capacitância de uma esfera condutora de raio 6. (Puccamp-SP) Um capacitor de 8, 0 × 10−6 F é sujeito a
igual a 1, 0 m. uma diferença de potencial de 30 V . A carga que ele acumulou
R 1, 0 m vale:
C= = ≈ 0, 11 nF a) 1, 2 × 10−4 C
k 9, 0 × 109 m/F
b) 2, 4 × 10−4 C
Qual seria então o raio da esfera com capacitância de 1, 0 F ? c) 2, 7 × 10−7 C
Como C = R/k então d) 3, 7 × 106 C
e) 7, 4 × 106 C
R = kC = (9, 0 × 109 m/F )(1, 0 F ) = 9, 0 × 109 m
7. (UF-ES) Um equipamento elétrico contém duas pilhas de
Se compararmos esse valor com o raio da Terra, cerca de 6.4 ×
6 1, 5 V em série, que carregam um capacitor de capacitância
10 m, veremos que o capacitor teria que ter um raio com
6, 0 × 10−5 F . Qual a carga elétrica que se acumula no capa-
aproximadamente 1.400 vezes maior que a Terra!
citor, em coulombs?

Pense um Pouco!
Eletricidade Aula 8
• Qual a utilidade dos capacitores em nosso cotidiano?
• Se tentarmos afastar as placas (armaduras) de um capa-
citor carregado, realizaremos algum trabalho?
• Se conectarmos duas esferas metálicas idênticas de capa- Associação de Capacitores
citância C cada uma, qual a capacitância do conjunto?
Comente. Assim como os aparelhos em geral, os capacitores podem ser
associados de vários modos, sendo os principais em série e em
• A capacitância de um corpo metálico depende dele ser oco paralelo. Se numa associação encontramos ambos os tipos,
ou maciço? Explique. chamaremos de associação mista.
114 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Associação de Capacitores em Série Observamos que a mesma d.d.p. V é aplicada aos capacitores
da associação.
V = V1 = V2
C1 C2 C1 C1
C3 Cada capacitor adquire uma carga parcial:
a b a b a b
Q = Q1 + Q2
C2 C2
Série Paralelo
A capacidade equivalente é dada por:
Misto

(a) (b) (c) Cpar. = C1 + C2

Propriedades
Figura 1.1: Associação de capacitores em série (a), em paralelo
(b) e mista (c). • Na associação em paralelo, a capacitância equivalente do
conjunto, Cpar. será maior do que a maior das capa-
Na associação em série, ver Fig. 1.1 (a), quando uma fonte citâncias utilizadas;
bateria de tensão V é ligada nos terminais a e b, as cargas
removidas de um terminal serão deslocadas para o outro, ou • Como as tensões são iguais nos dois capacitores em para-
seja, as cargas em ambos os terminais são de mesmo módulo: lelo, a carga do maior capacitor será a maior das cargas;
• Se os capacitores ligados em paralelo forem iguais C1 =
Q1 = Q2 = Q
C2 = C, a carga de ambos será a mesma e a capacitância
. Então equivalente será Cpar. = 2C, o dobro da capacitância de
Q Q um dos capacitores;
V1 = e V2 =
C1 C2 • Para uma associação em paralelo de n capacitores teremos
Os capacitores adquirem diferentes d.d.p. V1 e V2 , respectiva- n
X
mente, tal que Cpar. = C1 + C2 + . . . + Cn = Ci
V = V1 + V2 i=1

e assim
Q
=
Q
+
Q Energia de um Capacitor
Cser. C1 C2
Imaginemos um capacitor carregado. Liguemos agora suas ar-
e então a capacidade equivalente é dada por: maduras por um fio condutor: as cargas negativas vão fluir
1 1 1 para a outra armadura até que ambas se neutralizem. O tempo
= + necessário para isso é muito pequeno, e muitas vezes a descarga
Cser. C1 C2
vem acompanhada de uma faı́sca que salta dos extremos do
condutor que une as armaduras. Conforme já estudamos an-
Propriedades teriormente, o transporte de cargas elétricas entre pontos que
possuem diferentes potenciais elétricos implica aparecimento
• Na associação em série, a capacitância equivalente do con-
de energia elétrica. Quando uma carga elétrica é transpor-
junto, Cser. será menor do que a menor das capacitâncias
tada entre dois pontos, entre os quais existe uma diferença de
utilizadas;
potencial V qualquer, o trabalho realizado é W = qV
• Como as cargas são iguais nos dois capacitores em série, Na descarga do capacitor, porém, a d.d.p. varia, diminuindo
a d.d.p. do maior capacitor será a menor; à medida que uma parcela da carga vai se transferindo para a
outra armadura.
• Se os capacitores ligados em série forem iguais C1 = C2 = Como a carga total do capacitor é Q = CV , e a d.d.p. varia
C, a d.d.p. de ambos será igual a V /2 e a capacitância de V até zero durante o processo de descarga, podemos tomar
equivalente será Cser. = C/2, a metade da capacitância o valor médio da tensão como sendo V /2 e calcular o trabalho
de um dos capacitores;
V 1
• Para uma associação em série de n capacitores teremos W = qV = CV · = CV 2
2 2

1 1 1 1 X 1 n e como esse trabalho foi realizado durante a descarga, podemos


= + + ...+ = supor que essa energia estava armazenada no capacitor, como
Cser. C1 C2 Cn Ci
i=1 energia potencial elétrica.
Assim, definimos a energia do capacitor como
Associação de Capacitores em Paralelo 1
E= CV 2
(Veja a Fig. 1.1(b) ). 2
Neste caso, como os terminais de ambos os capacitores são Observe que a expressão anterior pode ser reescrita de duas
ligados nos mesmo pontos a e b, conectados a uma bateria outras formas equivalentes:
de tensão V , a placa positiva de cada capacitor está ligada à
placa positiva do outro, o mesmo acontecendo com as placas 1 Q2
E = QV =
negativas. 2 2C
Eletricidade – Aula 9 115

Pense um Pouco! Corrente Elétrica


• Cite duas aplicações direta dos capacitores. Num material condutor, mesmo descarregado do ponto de
vista elétrico, existem alguns elétrons chamados livres que
• Alguém disse que os fios usados em circuitos elétricos ser- podem se deslocar dentro do material, passando de um átomo
vem para igualar o potencial elétrico nas partes conecta- para outro. Mesmo havendo equilı́brio de cargas dentro de
das nas suas duas pontas. O que você acha disso? um condutor, os elétrons livres ficam o tempo o todo em mo-
vimento aleatório dentro do material, mantendo em média, o
• Na figura 1.1, imagine que se conecte nos terminais a e b, equilı́brio de cargas de cada átomo.
os terminais (pólos) de uma bateria de tensão V . Sobre a Quando todos os elétrons livres forem forçados a se deslocar
figura, pinte de uma cor todas as partes que tem o mesmo numa dada direção especı́fica, ao longo de um fio condutor,
potencial elétrico de a, e de outra cor as partes que tem por exemplo, então teremos uma corrente elétrica i.
o mesmo potencial de b. Observe o conclua você mesmo.

+ + +
+ R
Exercı́cios de Aplicação +
+Q
+
+ +
+ + + + i
1. (UERJ) Uma associação de l.000 capacitores de 10 µF
cada um, associados em paralelo, é utilizada para armaze-
nar energia. Qual o custo para se carregar esse conjunto até .
50.000 volts, supondo-se R$ l,00 o preço do kW · h?

2. (FAAP-SP) Associam-se em série três capacitores neutros


com capacitâncias C1 = 20 µF , C2 = 50 µF e C3 = 100 µF . Figura 1.1: O sentido da corrente i, e o movimento dos
Calcule a capacitância equivalente do sistema. elétrons num fio.

3. Calcule a capacitância equivalente da associação mista Por convenção, indica-se num fio o sentido da corrente i por
mostrada na Fig. 1.1 (c), para os capacitores C1 = 20 µF , uma flecha, no sentido contrário ao movimento dos elétrons!
C2 = 10 µF e C3 = 40 µF . Isto porque, historicamente, as cargas foram batizadas por
Benjamin Franklin no séc. XVIII, como positivas e nega-
tivas, e se acreditava que as cargas positivas é que se moviam
Exercı́cios Complementares dentro de um fio com corrente.
Do ponto de vista fı́sico, é equivalente se pensar em elétrons
se movendo num sentido, ou prótons se movendo no sentido
4. (FCC-BA) Determine a energia acumulada num conjunto contrário.
de capacitores com capacitância total de 2.000 µF e sob tensão
de 900 V .
Unidade de Corrente
5. (UCS-RS) Dois capacitores de capacitância C1 = 6, 0 µF
e C2 = 3, 0 µF são associados em paralelo e a associação é No Sistema Internacional, medimos a corrente em ampères ou
submetida a uma d.d.p. V. O capacitor de capacitância C1 A:
se eletriza com carga elétrica Q1 = 1, 2 × 10−4 C, e o de 1 A = 1 coulomb/s = 1 C/s
capacitância C2 , com carga elétrica Q2 . Determine V e Q2 . ou seja, para uma corrente de 1 ampère, há um fluxo de carga
de 1 coulomb por segundo, atravessando a secção reta de um
6. (Acafe-SC) Qual a d.d.p. que deve ser aplicada a um capa-
condutor.
citor, de capacitância 2, 0 µF , a fim de que armazene energia
potencial elétrica de 2, 5 × 10−3 J?

7. (UESB-BA) Um capacitor de um circuito de televisão tem Lei de Ohm


uma capacitância de 1, 2 µF . Sendo a diferença de potencial
entre seus terminais de 3.000 V , a energia que ele armazena é Define-se a resistência elétrica R de um condutor, ligando suas
de: extremidades numa diferença de potencial V e medindo a cor-
a) 6, 7 J rente elétrica que o atravessa.
b) 5, 4 J Segundo a lei de Ohm, quanto menor a corrente elétrica obtida,
c) 4, 6 J maior a resistência do condutor, e vice-versa:
d) 3, 9 J
e) 2, 8 J R = V /i

Se a resistência R assim definida for independente da tensão


e da corrente usada, ou seja, se for constante, o resistor é
Eletricidade Aula 9 chamado de ôhmico.
Para os materiais considerados bons condutores, como os me-
tais, a resistência elétrica será baixa, em geral próxima de zero.
116 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Para os materiais isolantes, como a borracha, a resistência a) 0, 2 A


elétrica será muito alta, tendendo ao infinito. b) 4, 0 A
A resistência de um resistor depende de sua forma fı́sica, de c) 1/4 A
suas dimensões e do material de que é feito. Em geral, quanto d) 0, 3 mA
mais fino e longo um fio, maior sua resistência elétrica. e) 0, 25 mA
2. Durante um banho de chuveiro, utilizou-se uma corrente de
Unidade de Resistência 10 A durante 15 minutos. Qual a carga elétrica total utilizada
neste banho?
No Sistema Internacional, medimos a resistência elétrica em a) 150 C
ohms ou Ω: b) 9 C
c) 1, 5 C
1 Ω = 1 volt/ampère = 1 V /A d) 9.000 C
e) 9 mC
ou seja, se para uma tensão de 1 volt se obtém uma corrente
de 1 ampère, então o resistor tem resistência de 1 ohm. 3. Uma pilha de 1, 5 V é conectada num LED, que passa a
conduzir uma corrente elétrica de 3 mA. Qual a resistência
elétrica do LED?
Circuitos Simples a) 500 Ω
b) 50 Ω
Quando ligamos uma bateria de d.d.p. E num circuito simples c) 5 Ω
com uma resistência elétrica total R, a corrente na bateria d) 0, 5 Ω
será, pela lei de Ohm: e) n. d. a.
E
i=
R
Exercı́cios Complementares
Exemplo
Considere o circuito abaixo, onde uma lâmpada de resistência 4. A resistência elétrica de um fio condutor depende:
R = 5 Ω está conectada numa fonte (bateria) de 12 V através a) apenas da corrente aplicada
de fios ideais, de resistência nula. b) da tensão aplicada
c) de suas dimensões e do material de que é feito
d) da corrente máxima que ele suporta
R
e) da tensão e da corrente máximas
5. Um fusı́vel é um resistor preparado para se romper quando
a corrente nele excede um determinado valor. Para um fusı́vel
+ i
de carro que suporta até 2, 0A, e opera em 12 V , qual a sua
ε
resistência interna mı́nima?
a) 24 Ω
b) 12 Ω
c) 4 Ω
d) 0, 17 Ω
e) n. d. a.
6. Uma lâmpada de 60 W , construı́da para operar em 110 V
Figura 1.2: Um circuito simples. onde ela conduz 2, 0 A de corrente, é ligada por engano em
220 V e queima depois de 5, 0 s. Qual a quantidade de carga
Resolução: que ela conduz, até queimar?
E 12 V
i= = = 2, 4 A a) 5 C
R 5Ω b) 10 C
c) 15 C
Pense um Pouco! d) 20 C
e) n. d. a.
• Se dobrarmos a tensão aplicada à um resistor ôhmico, o
que acontecerá com sua corrente?

• Para um resistor ôhmico, que tipo de gráfico V × i Eletricidade Aula 10


terı́amos?

Exercı́cios Complementares Resistência Equivalente


1. Um fio condutor transporta uma carga de 30 C em dois Em geral, um circuito pode conter mais de um resistor, e até
minutos. Qual a corrente média no fio, durante esse processo? outros elementos como bobinas, fios, chaves, LEDs, etc., todos
Eletricidade – Aula 10 117

eles ligados a uma fonte, por exemplo.


Para um circuito qualquer com apenas uma fonte (ou bateria)
de f. e. m., a determinação da corrente elétrica i na fonte é 12 Ω
possı́vel através do cálculo da resistência equivalente Req.
a todos os elementos do circuito. Ou seja, determinamos qual
o valor Req. da resistência que, substituindo o circuito todo, 6Ω
conduz a mesma corrente. Pela lei de Ohm:
E a b
i=
Req. 4Ω

Associação de Resistores
Para um circuito com uma fonte e vários resistores, podemos
calcular facilmente a resistência equivalente, a corrente que
passa na fonte e, a seguir, as correntes e tensões em cada um Figura 1.2: Três resistores ligados em paralelo.
dos resistores.
Associações Mistas
Resistores em Série
Quando num circuito simples ligamos vários resistores
Quando num circuito simples ligamos vários resistores ôhmicos ôhmicos, alguns em série e outros em paralelo, devemos ir cal-
em série, R1 , R2 , R3 , etc., a resistência equivalente será a soma culando as resistências equivalentes das partes em série e em
das resistências, ou seja: paralelo, até se chegar numa resistência equivalente geral para
X todo o circuito.
Req. = R1 + R2 + R3 + . . . = Ri
i
4Ω
6Ω
12 Ω 6Ω 4Ω
a 12 Ω b
a b
Passo 1

6Ω 3Ω

Figura 1.1: Três resistores ligados em série. a b


Passo 2

Na associação em série da figura acima, a resistência equiva- 9Ω


lente é a b
Req. = 12 Ω + 6 Ω + 4 Ω = 22 Ω

Quando mais resistores ligarmos em série, maior será a re-


sistência equivalente. Figura 1.3: Três resistores em ligação mista.

Resistores em Paralelo Na associação mista de resistores mostrada na figura acima, a


resistência equivalente é calculada em dois passos:
Quando num circuito simples ligamos vários resistores ôhmicos Passo 1) Observa-se que os resistores de 4 e 12 Ω estão em
em paralelo, R1 , R2 , R3 , etc., o inverso da resistência equiva- paralelo, logo a resistência R′ equivalente a estes resistores
lente será a soma dos inversos das resistências, ou seja: será:
1 1 1 4
1 1 1 1 X 1 = + = =⇒ R′ = 3 Ω
= + + + ... = R ′ 12 Ω 4 Ω 12 Ω
Req. R1 R2 R3 i
Ri
Passo 2) Substituindo-se então os resistores de 4 e 12 Ω por
Na associação em paralelo da figura acima, a resistência equi- um equivalente de 3 Ω, temos uma associação em série, entre
valente é resistores agora de 6 e 3 Ω, e a resistência final equivalente R′′
1 1 1 1 6 será:
= + + =
Req. 12 Ω 6 Ω 4 Ω 12 Ω R′′ = 6 Ω + 3 Ω = 9 Ω
ou seja
Req. = 2 Ω Exemplo Completo

Observe que quando mais resistores ligarmos em paralelo, me- Determinar a corrente e a tensão elétrica em cada um dos re-
nor será a resistência equivalente. sistores do circuito misto da seção anterior, quando uma fonte
Todos os objetos que ligamos na tomada de nossa casa são de 45 V for ligada nos pontos a e b.
ligados em paralelo, por exemplo. Resolução:
118 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

corrente será conduzida pela parte do fio que está “aberta”.



Esta situação é equivalente ao uso de um resistor infinito,
4Ω na prática, uma grande resistência é equivalente ao circuito
6Ω aberto.
a c 12 Ω d b Quando um fio fio condutor perfeito, ou seja, que não possui
+ resistência, for ligado num circuito no lugar de um resistor
i
normal, teremos o que se chama de “curto-circuito´´. Se nos
45 V i´´
− extremos desse fio houver uma tensão qualquer, teremos uma
corrente enorme passando pelo fio, já que i = V /R, e para R
próximos de zero a corrente se torna muito alta. Normalmente
há algum problema com o circuito quando um curto-circuito
é formado. Nunca faça isso! Mesmo uma pilha de bolso pode
Figura 1.4: Exemplo completo. produzir correntes enormes por um curto intervalo de tempo,
se seus pólos forem conectados com um fio bom condutor.
Como a resistência equivalente desta associação mista é 9 Ω, Se numa associação em paralelo, um dos resistores entrar em
a corrente i que passa na fonte será: curto-circuito, por aquecimento ou outra razão qualquer, então
a resistência equivalente do conjunto todo de resistores será
E 45 V nula.
i= = =5A
Req. 9Ω

Esta é a corrente que sai da fonte e passa pelo resistor de 6 Ω, e 12 Ω


aplicando-se a lei de Ohm para este resistor, achamos a tensão
Vac entre os pontos a e c, onde o resistor está conectado:
6Ω
Vac = Ri = (6 Ω)(5 A) = 30 V

Ao chegar ao nó c, vemos que a corrente se divide em duas a b


partes, na associação em paralelo: uma que passa pelo resistor
de cima i′ e outra no resistor de baixo i′′ .
Como o resistor equivalente a essa parte em paralelo é de 3 Ω, curto
conforme calculado anteriormente, a queda de tensão Vcd , entre
os pontos c e d, que é a mesma tensão entre os pontos c e b,
será, pela lei de Ohm: Já numa associação em série, havendo curto num resistor, a
resistência equivalente do conjunto será a soma das resistências
Vcd = R′ i = (3 Ω)(5 A) = 15 V dos os outros resistores.

→ Observe que a queda de tensão no primeiro resistor somada


à queda de tensão no conjunto em paralelo dá exatamente a i´ = 0
tensão da fonte: 12 Ω 6Ω 4Ω
E = Vac + V cb

Finalmente, como a tensão Vcd = 15 V , temos as correntes nos a i curto b


outros dois resistores:
15 V i
i′ = = 3, 75 A
4Ω
e
15 V
i′′ = = 1, 25 A Pense um Pouco!
12 Ω
que são as correntes nos resistores de 4 e 12 Ω, respectivamente. • Se conectarmos N resistores idênticos de resistência R em
→ Observe que a soma das correntes elétricas no conjunto em série, qual a resistência equivalente do conjunto?
paralelo, é igual a corrente total que passa na fonte:
• Quantas resistências diferentes podemos formar, se dispo-

i=i +i ′′ mos de apenas três resistores: R1 = 1 Ω, R2 = 2 Ω e
R3 = 4 Ω?
→ Observe também que, como ambos os resistores em paralelo
estão ligados na mesma tensão, o resistor de menor resistência
conduz a maior corrente, e vice-versa. Exercı́cios Complementares

Curto-circuito e Circuito Aberto 1. Sobre associações de resistores ôhmicos, considere as se-


guintes afirmativas:
Quando um fio de um circuito se rompe, como no caso de um I. A máxima resistência equivalente de um conjunto de resis-
fusı́vel queimar, dizemos que o circuito está aberto, e nenhuma tores é obtida quando todos estão em paralelo;
Eletricidade – Aula 11 119

II. A resistência equivalente para uma associação em série é 6. Liga-se os terminais de uma bateria de 12; V aos pontos
sempre menor do que a menor das resistências usadas; a e b de um conjunto de 3 resistores em paralelo, conforme a
III. Se um resistor estiver em curto e a resistência equivalente figura:
do conjunto de resistores não se anular, é porque a associação
é do tipo mista;
IV. Se a corrente for a mesma em todos os resistores, a asso- 1Ω
ciação deve ser em série.
a) estão corretas I e III
2Ω
b) estão corretas I, III e III
c) estão corretas II, III e IV a b
d) estão corretas III e IV 3Ω
e) n. d. a.

2. Ligou-se em série num circuito: uma bateria de 1, 5 V , um


resistor de 10 Ω e outro de 5 Ω. A corrente e a tensão no
Pode-se afirmar que:
resistor de 5 Ω serão, respectivamente:
a) a corrente elétrica em R1 é de 10 A
a) 0, 1 A e 1, 5 V
b) a tensão elétrica em R2 é de 6 V
b) 0, 5 A e 0, 1 V
c) a corrente elétrica em R3 é de 4 A
c) 0, 1 A e 0, 5 V
d) a tensão elétrica em R1 é maior do que em R3
d) 3, 0 A e 0, 5 V
e) n. d. a.
e) n. d. a.
7. A resistência elétrica entre os pontos a e b da associação de
3. Ligou-se em paralelo numa mesma bateria de 1, 5 V , um
seis resistores ôhmicos iguais a R:
resistor de 10 Ω e outro de 5 Ω. A corrente e a tensão no
resistor de 10 Ω serão, respectivamente: R
a) 0, 45 A e 1, 5 V
b) 0, 15 A e 1, 5 V R
c) 0, 15 A e 0, 5 V
R
d) 0, 45 A e 0, 5 V R
e) n. d. a. a b
R
4. Uma pilha de 1, 5 V é conectada num LED, que passa a
R
conduzir uma corrente elétrica de 3 mA. Qual a resistência
elétrica do LED?
a) 500 Ω
b) 50 Ω é:
c) 5 Ω a) R
d) 0, 5 Ω b) 2R
e) n. d. a. c) 6R
d) 3R/2
e) 3R/4
Exercı́cios Complementares

5. A corrente elétrica i3 no resistor R3 do circuito da figura


Eletricidade Aula 11
R2= 4 Ω
R1= 1 Ω
Instrumentos de Medida
+ Dois instrumentos básicos são utilizados para a medição de
12 V R 3 = 12Ω correntes elétricas e tensões nos elementos de um circuito: o
− amperı́metro e o voltı́metro.
Na maioria dos medidores modernos, vários medidores estão
disponı́veis num aparelho só, os chamados multı́metros.

é: O Amperı́metro
a) 2/3 A
b) 4/3 A Para a medição do valor de uma corrente elétrica que atra-
c) 8/3 A vessa um fio, num circuito, liga-se em série nesse fio um am-
d) 5, 0 A perı́metro, a fim de que a corrente atravesse também o am-
e) 1, 0 A perı́metro.
120 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Para que o amperı́metro não altere o valor da corrente no os elétrons livres e os átomos do material, produzindo mais
próprio fio onde será ligado, ele deve ter uma resistência in- agitação nestas partı́culas, ou seja, a energia cinética se trans-
terna muito pequena, no caso ideal, nula. forma em calor e faz com que a temperatura do resistor suba.
No caso das lâmpadas de filamento, usa-se esse calor para pro-
+ − duzir luz, atingindo-se a incandescência do metal condutor, em
geral, o tungstênio W , que possui um altı́ssimo ponto de fusão.
i No chuveiro elétrico comum, usa-se uma resistência para pro-
+
duzir calor e aquecer a água do banho que passa pelo no seu
ε A
interior. Existem muitas aplicações desse tipo, e você mesmo
− pode fazer uma lista delas.
A esse efeito de liberação de calor pela passagem de uma cor-
R rente elétrica num resistor se chama de efeito Joule.
Em alguns casos o efeito Joule é um problema, pois colabora
na perda de energia em linhas de transmissão e motores, por
exemplo, transformando parte da energia elétrica em calor, que
O Voltı́metro é perdido para o meio ambiente (poluição térmica).
A quantidade de calor gerada dentro de um resistor, por uni-
Para a medição do valor da d.d.p. entre dois pontos num dade de tempo, define a potência com que o resistor converte
circuito, liga-se em paralelo nesses pontos um voltı́metro, a energia elétrica em calor, e é dada pela lei de Joule:
fim de que os seus terminais atinjam os mesmos potenciais
elétricos dos pontos do circuito, e a diferença de potencial entre P = iV
eles possa ser medida.
ou seja, como i = V /R, podemos reescrevê-la como
Para que o voltı́metro não altere o valor da tensão entre os
pontos onde ele é conectado, o que se quer medir, ele deve ter V2
uma resistência interna muito alta, no caso ideal, infinita. Com P =
R
isso, a corrente desviada para o amperı́metro será muito menor
do que a que possa haver entre os pontos do circuito onde ele ou ainda, como V = Ri,
está conectado. Isto mesmo, para medir a tensão entre os seus
terminais o voltı́metro usa uma pequena corrente. Na verdade P = Ri2
este aparelho é um amperı́metro adaptado para medir tensões.
Unidades SI
i A potência dissipada num resistor é medida em watts no SI,
+
ε
onde
− 1 watt = 1 W = 1 J/s

Pense um Pouco!
R
− + • Num chuveiro normalmente temos uma chave in-
verno/verão, que muda a resistência do chuveiro, e pode
ser usada para esquentar mais/menos a água. Qual das
V
resistência deve ser maior, a usada no inverno, para es-
quentar mais, ou a usada no verão, para esquentar menos?

Lei de Joule Exercı́cios de Aplicação


Quando uma corrente elétrica atravessa um condutor de re-
sistência elétrica R, haverá uma queda de tensão dada pela lei 1. Qual a corrente elétrica num chuveiro elétrico que ligado
de Ohm em 220 V produz calor a uma potência de 6.000 W ?
V = Ri a) 15 A
b) 10 A
no sentido da corrente, ou seja, a corrente sempre ocorre no
c) 5 A
sentido do maior para o menor potencial elétrico. Vale aqui
d) 0, 5 A
o análogo hidráulico, pois a correnteza de um rio sempre é no
e) n. d. a.
sentido do maior potencial gravitacional (ponto mais alto do
terreno) para o de menor (ponto mais baixo). E quando a água 2. Um resistor de 10 Ω transposta uma corrente de 200 mA.
desce uma cascata, converte sua energia potencial em cinética A quantidade de energia que ele dissipa na forma de calor em
e pode gerar calor, se for dissipada, ou mover uma roda, por 15 min de funcionamento é:
exemplo. a) 3.600 J
No caso elétrico, a resistência faz com que as cargas per- b) 360 J
cam energia cinética, através das colisões que ocorrem entre c) 36 J
Eletricidade – Aula 12 121

d) 3, 6 J inferior desta, diretamente dentro de um barril, transformando


e) n. d. a. sua energia potencial em cinética e essa, finalmente, em calor,
aquecendo a água no barril. Nessa analogia, o barril seria
3. Dois resistores, um de resistência R1 = 2 Ω e outro de um resistor elétrico. A seguir, a água do barril é captada
resistência R2 = 8 Ω estão ligados em série com uma bateria pela bomba e rebombeada para a caixa d’água. A bomba
de f.e.m. E = 24 V . A tensão no resistor R1 e a potência d’água nesse caso, realiza um trabalho contı́nuo sobre a água,
dissipada no resistor R2 são, respectivamente: transformando energia elétrica em trabalho e, através deste,
a) 2 V e 16 W aumentando a energia potencial gravitacional da água.
b) 16 V e 32 W
No caso elétrico, define-se a força eletromotriz (f.e.m.) de um
c) 8 V e 3, 2 W
gerador, ou bateria, como sendo a energia quı́mica consumida,
d) 4 V e 32 W
por unidade de carga deslocada, desde o pólo negativo até o
e) n. d. a.
pólo positivo do gerador. Como se vê, a f.e.m. não é uma
força, mas sua definição é muito parecida com a definição de
diferença de potencial elétrico entre dois pontos, lembra?
Exercı́cios Complementares
Definimos a diferença de potencial elétrico entre dois pontos
como o trabalho realizado por um agente externo, por unidade
4. No circuito da figura abaixo, as chaves CH1 e CH2 estão de carga, para deslocar em equilı́brio uma pequena carga de
abertas e o amperı́metro A indica que existe passagem de cor- prova +q desde um ponto A até outro ponto B, dentro de uma
rente. Quando as duas chaves estão fechadas, a indicação do região do espaço onde existe um campo elétrico (apenas).
amperı́metro A não se altera. Dados: Relembrando:
Bateria 1: f.e.m. E1 = 12 V e resistência interna r1 = 1 Ω;
Wext. WE
Bateria 2: f.e.m. E2 = 12 V e resistência interna r2 = 1 Ω; VA→B = VB − VA = =−
+q +q
Resistência do amperı́metro A: r3 = 2 Ω;
R1 = 9 Ω. onde WE é o trabalho realizado pela força elétrica, já que, para
Determinar: o equilı́brio da carga q ′ , segundo a Primeira Lei de Newton,
a) o valor da resistência R2 ; Fext. = −FE .
b) a potência dissipada por efeito Joule na resistência R2 Assim, por analogia, a f.e.m. de uma bateria será
quando CH1 e CH2 estão fechadas. Equim.
f.e.m. = E ≡
q
+
E1 R2 + e por definição, esta nova grandeza será também medida em
− E2 volts ou V no Sistema Internacional (SI).
A CH2 −
CH1
R1
Simbologia
Nos esquemas simplificados usados nos circuitos, indicamos
uma bateria pelo sı́mbolo
Eletricidade Aula 12
+ +
ε ou ε
− −
Geradores e Força Eletromotriz
Geradores ou baterias de tensão contı́nua são dispositivos ca-
pazes de converter energia quı́mica em energia elétrica, des- Convenciona-se que, a placa maior representada na fonte o
locando cargas entre seus pólos de forma a aumentar a ener- potencial elétrico é maior (+) e na placa menor, e mais espessa,
gia potencial elétrica disponı́vel para que as cargas elétricas o potencial seja menor (-).
possam circular por um circuito, mantendo uma corrente de Quando ligada a um resistor ôhmico, por exemplo, a fonte
cargas em movimento. Essas cargas, ou seja, a corrente, ao produzirá uma corrente (positiva) no sentido indicado pela seta
passar por um resistor, por exemplo, perde energia e tende a ao lado do sı́mbolo da f.e.m (E), ou seja, da placa positiva em
cessar o seu movimento, a menos que um agente externo – o direção ao resistor e retornando pela placa negativa. Pela parte
gerador – realimente essas cargas e mantenha-as circulando. interna da fonte, a direção da corrente é da placa negativa (-)
É bom destacar o fato de que o gerador não “cria”ou para a positiva (+), sendo este o sentido normal da corrente
“gera”cargas, mas apenas transfere energia para que elas man- dentro da fonte. Sendo assim, a fonte transfere energia para
tenham seu movimento, formando uma corrente elétrica num as cargas, elevando o seu potencial elétrico de uma quantidade
circuito. +E.
Usando uma analogia com os sistemas hidráulicos, podemos
pensar num gerador como sendo equivalente a uma bomba Circuito com Várias Fontes
d’água, que eleva a água até uma caixa d’água, fornecendo
energia potencial gravitacional à massa d’água movimentada. Um circuito pode ter mais de uma fonte (bateria ou gerador),
Imagine que a água cai da caixa d’água por um cano na parte claro. É como nos rádios à pilha, onde se usa, por exemplo,
122 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

quatro baterias de 1, 5 V cada. Normalmente se usa vários Resistores


geradores num mesmo circuito para se obter uma f.e.m. total
grande, quando elas são ligadas em série e com as suas f.e.m. → se passarmos por um resistor R, indo no sentido da suposta
na mesma direção. corrente i temos ∆V = −Ri.
→ se passarmos por um resistor R, indo em sentido contrário
N ao da suposta corrente i temos ∆V = +Ri.
ε1 ε2 ε3 εN Σε
i=1 i
− − − − −
+

+
.....
Fios, Chaves e Conectores

N geradores em´serie Fios, chaves, soldas e outros conectores ideais não possuem
resistência elétrica e portanto não apresentam queda de tensão,
ou seja, ∆V = 0 para esses elementos. Não contribuem para
Figura 1.1: Geradores em série, aumentando-se a f.e.m. total. o somatório geral das tensões.
Assim, tendo-se todos os ∆Vi no circuito, somam-se todos os
Para se obter mais carga disponı́vel, e fazer um circuito fun- termos e iguala-se a zero. Se a corrente encontrada for ne-
cionar por mais tempo, várias baterias de mesma f.e.m. são gativa, o sentido escolhido arbitrariamente par ela está tro-
ligadas em paralelo, resultando num gerador de mesma f.e.m. cado. O sentido fı́sico correto da corrente então será o sentido
das baterias usadas. contrário ao sentido arbitrado.

+
+ + + + Lei de Ohm-Pouillet
ε ε ..... ε ε
− − − −
− Com base na lei das malhas, podemos ver que todo circuito
N geradores em paralelo de uma só malha, mesmo com várias fontes de tensão contı́nua
(baterias) e vários resistores, todos eles em série portanto, pode
ser reduzido a um circuito simples do tipo: uma ateria e um
Figura 1.2: Geradores de mesma f.e.m. em paralelo. resistor. Para isso, devemos encontrar a f.e.m. total E no
circuito e a resistência equivalente Req. , e daı́, obteremos a
corrente i no circuito:

E
a i= lei de Ohm-Pouillet
Lei das Malhas – 1 lei de Kirchhoff Req.

.
Definimos como uma malha, qualquer caminho fechado dentro Biografia
de um circuito elétrico, que possa ser percorrido passando-se
uma só vez em cada ponto. Gustav Rupert Kirchhoff, (1824 – 1861), foi um dos maiores
O circuito elétrico mais simples possui apenas uma malha, ou fı́sicos alemães de seu tempo. Realizou uma obra vastı́ssima.
seja, só um caminho possı́vel para a corrente, que portanto, Viveu numa época em que a Fı́sica estava tendo desenvol-
deverá ser a mesma em todos os elementos do circuito: re- vimento extraordinário em vários setores diferentes, pois na
sistores, fontes, bobinas, etc. O circuito de uma malha mais segunda metade do século passado a mecânica, elasticidade,
teoria dos gases, eletricidade, magnetismo e termodinâmica
simples possı́vel, é aquele já visto, com apenas uma fonte e um
resistor. tiveram grande impulso. Kirchhoff, que desde muito jovem
circulando-se a malha de um circuito, o somatório das esteve em contacto com fı́sicos bastante experimentados, teve
variações de tensão ao longo da malha deve ser nulo. oportunidade de trabalhar em assuntos muito variados. Além
ou seja de um número muito grande de trabalhos isolados, há três
X ramos da Fı́sica nos quais os trabalhos de Kirchhoff se torna-
∆Vi = 0 ram fundamentais: ótica, termodinâmica e eletricidade. Em
i ótica, foi grande conhecedor de espectroscopia, tendo sido um
dos fundadores da análise espectral. Em termodinâmica, foi
incluindo todos os elementos do circuito: fontes e resistores.
o primeiro fı́sico a estabelecer leis sôbre a energia radiante.
Para fazer-se o somatório acima, precisamos escolher um sen- Em eletricidade estabeleceu as leis fundamentais das malhas
tido qualquer para a corrente na malha e outro, não necessa- elétricas, leis que estudamos neste último capı́tulo.
riamente o mesmo, para circularmos a malha, sentido horário
ou anti-horário, e observar as seguintes regras:

Pense um Pouco!
Fontes
• Ligando-se duas pilhas comuns, com os pólos trocados, a
→ se passarmos por uma fonte de f.e.m. E, indo da placa um pequena lâmpada o que se observa?
negativa (-) para a positiva (+) temos ∆V = +E.
→ se passarmos por uma fonte de f.e.m. E, indo da placa • É possı́vel que a corrente (positiva) entre pelo pólo posi-
positiva (+) para a negativa (-) temos ∆V = −E. tivo de uma fonte e saia pelo negativo?
Eletricidade – Aula 12 123

Exercı́cios de Aplicação

1. (UEPR) Um gerador funcionará em regime de potência útil


máxima, quando sua resistência interna for igual:
a) à metade da resistência equivalente do circuito que ele ali-
menta;
b) ao dobro da resistência equivalente do circuito que ele ali-
menta;
c) ao quádruplo da resistência equivalente do circuito que ele
alimenta;
d) à resistência equivalente do circuito que ele alimenta;
e) à quarta parte da resistência equivalente do circuito que ele
alimenta.

Exercı́cios Complementares

2. (PUC-SP) Cinco geradores, cada um de f.e.m. igual a 4, 5 V


e corrente de curto-circuito igual a 0, 5 A, são associados em
paralelo. A f.e.m.e a resistência interna do gerador equivalente
têm valores respectivamente iguais a:
a) 4, 5 V e 9, 0 Ω
b) 22, 5 V e 9, 0 Ω
c) 4, 5 V e 1, 8 Ω
d) 0, 9 V e 9, 0 Ω
e) 0, 9 V e 1, 8 Ω
124 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br
Quı́mica

gumas partı́culas atravessavam sofrendo desvio e um número


Quı́mica Aula 1 ı́nfimo de partı́culas refletiam. Se os átomos fossem bolhas
de geléia carregados positivamente as partı́culas α deveriam
passar facilmente através das folhas com uma ligeira deflexão
ocasional de seus caminhos. Mas, percebeu-se que algumas
destas partı́culas defletiam mais de 90◦ e umas poucas retor-
Estrutura Atômica navam no caminho de onde tinham vindo. Ver a Fig. 2.1.
Estes resultados sugerem um modelo de átomo no qual há uma
Modelos Atômicos densa carga positiva central circundada por um grande volume
vazio. Rutherford chamou esta região carregada positivamente
A primeira abordagem sobre a constituição da matéria data de núcleo atômico.
de ± 400 anos a.C. Os filósofos gregos Demócrito e Leucipo As partı́culas carregadas positivamente são chamadas
conceberam o átomo como a menor partı́cula constituinte da prótons.
matéria e supunham que essa partı́cula era indivisı́vel. As partı́culas carregadas negativamente continuam sendo cha-
Lavoisier: em 1780, é considerado o pai da Quı́mica por ter madas de elétrons.
criado o método cientı́fico: as leis surgem da observação da Assim, o modelo de Rutherford consta de núcleo denso, di-
regularidade das teorias, como tentativas de explicação dessas minuto, carregado positivamente, e de uma parte envolvendo
regularidades. Provou que “na natureza nada se cria, nada esse núcleo, uma região rarefeita e proporcionalmente muito
se perde, tudo se transforma”, ou seja, numa transformação grande chamada eletrosfera, com elétrons, de carga negativa.
quı́mica da matéria, a massa se conserva.
John Dalton: em 1808, criou a Teoria Atômica Clássica (base-
ado em modelos experimentais), considerando os átomos como
Resumo do Modelo de Rutherford
esferas maciças (Modelo da Bola de Bilhar), indivisı́veis. Este foi o modelo proposto por Rutherford. Basicamente tinha
J. J. Thomson: em 1897, através de experimentos sobre des- os seguintes fundamentos:
cargas elétricas em gases rarefeitos, admitiu a existência de
cargas negativas, os elétrons, e de cargas positivas, os prótons. • O átomo é dividido em duas regiões, núcleo e eletrosfera,
Propôs um modelo em que o átomo seria uma esfera de ele- no núcleo encontramos os prótons e os nêutrons, na ele-
tricidade positiva, incrustada de elétrons com carga negativa trosfera encontramos os elétrons;
(Modelo do Pudim de Passas).
• Os prótons apresentam carga positiva, os elétrons apre-
sentam carga negativa e os nêutrons apresentam carga
nula;
• A massa de um próton e de um nêutron equivalem a 1
Folha de u.m.a enquanto a massa do elétron é 1836 vezes menor
ouro que a massa do próton ou do nêutron.

O número de prótons em um núcleo atômico é chamado de


número atômico, Z, do elemento.
Substancia radioativa Tela sintilante
para detecçao O número total (soma) de prótons e nêutrons no núcleo é cha-
fonte de particulas α
das particulas mado de número de massa, A, do elemento.
desviadas
Colimador A=Z +N
do feixe

Representação
A
ZX

Figura 2.1: Aparato Experimental de Rutherford. Mas, o modelo planetário de Rutherford apresenta duas falhas
cruciais:
Ernest Rutherford: em 1911, bombardeou uma lamina
metálica delgada com um feixe de partı́culas α. Estas • Uma carga negativa colocada em movimento ao redor de
partı́culas eram positivas. A maior parte das partı́culas atra- uma carga positiva estacionária, adquire movimento espi-
vessava a lamina metálica sem sofrer desvio detectável, al- ral até colidir com ela;

125
126 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

• Essa carga perde energia emitindo radiação, violando o no núcleo de um átomo;


Princı́pio da Conservação de Energia. d) n.d.a

5. (UEL) O urânio-238 difere do urânio-235 por que o primeiro


Pense um Pouco! possui:
a) 3 elétrons a mais;
1. Você sabe dizer o que significa “tempo de meia-vida”? b) 3 prótons a mais;
c) 3 prótons e 3 nêutrons a mais;
2. O que significa Fissão Nuclear e Fusão Nuclear? d) 3 prótons e 3 elétrons a mais;
e) 3 nêutrons a mais.

6. (ACAFE) Um sistema é formado por partı́culas que apre-


Exercı́cios de Aplicação sentam a composição atômica de 10 prótons, 10 elétrons, 11
nêutrons. Ao sistema foram adicionadas novas partı́culas. O
1. A palavra átomo é originária do grego e significa “indi- sistema resultante será quimicamente puro se as partı́culas adi-
visı́vel”, ou seja, segundo os filósofos gregos, o átomo seria cionadas apresentarem a seguinte composição atômica:
a menor partı́cula da matéria que não poderia ser mais divi- a) 21 prótons, 10 elétrons e 10 nêutrons;
dida. atualmente essa idéia não é mais aceita. A respeito dos b) 20 prótons, 10 elétrons e 22 nêutrons;
átomos, é verdadeiro afirmar que: c) 10 prótons, 10 elétrons e 12 nêutrons;
a) ( ) Não podem ser desintegrados; d) 11 prótons, 11 elétrons e 12 nêutrons;
b) ( ) São formados por pelo menos três partı́culas fundamen- e) 11 prótons, 11 elétrons e 11 nêutrons;
tais;
7. (FUVEST) As seguintes representações: 2 X 2 , 2 X 3 e2 X 4 ,
c) ( ) Possuem partı́culas positivas denominadas elétrons;
referem-se a átomos com:
d) ( ) Apresentam duas regiões distintas, núcleo e eletrosfera;
a) igual número de nêutrons;
e) ( ) Apresentam elétrons cuja carga elétrica é negativa;
b) igual número de prótons;
f) ( ) Contém partı́culas sem carga elétrica, os nêutrons.
c) diferente número de elétrons;
2. (UFSC) Analise as afirmativas a seguir e assinale como V d) diferentes números atômicos;
ou F: e) diferentes números de prótons e elétrons;
a) ( ) O primeiro modelo atômico baseado em resultados expe-
rimentais, ou seja, com base cientı́fica foi proposto por Dalton;
b) ( ) Segundo Dalton, a matéria é formada de partı́culas in-
divisı́veis chamadas átomos;
Quı́mica Aula 2
c) ( ) Thomson foi o primeiro a provar que que o átomo não
era indivisı́vel;
d) ( ) O modelo atômico proposto por Thomson é o da bola
de bilhar; Modelos Atômicos
e) ( ) O modelo atômico de Dalton teve como suporte experi-
mental para a sua criação a interpretação das leis das reações
quı́micas.
O Modelo Atômico de Bohr
Com o objetivo de solucionar estas limitações do modelo de
3. (UFSC) Assinale a(s) alternativa(s) correta(s):
Rutherford entra em cena um cientista chamado Niels Bohr.
a) ( ) Os átomos são partı́culas fundamentais da matéria;
b) ( ) Os átomos são quimicamente diferentes quando têm Niels Bohr: em 1913, propôs que o átomo é constituı́do por um
números de massa diferentes; núcleo positivo, onde se concentra praticamente toda massa
c) ( ) Os elétrons são as partı́culas de carga elétrica positiva; do átomo, e por elétrons que giram ao seu redor em órbitas
d) ( ) Os prótons e os elétrons possuem massas iguais e cargas circulares bem definidas, formando camadas, designadas pelas
elétricas diferentes; letras K, L, M, N, O, P, Q.
e) ( ) Os átomos apresentam partı́culas de carga nula deno-
minados nêutrons; _ ~ eletron
f) ( ) Os átomos são partı́culas inteiramente maciças. _ ~ eletron excitado
_
_

Exercı́cios Complementares _
_
foton
emitido
foton
absorvido
4. (ACE) Assinale a alternativa falsa:
a) o número de massa de um átomo é dado pela soma do
número de prótons e de nêutrons existentes no núcleo;
b) um elemento quı́mico deve ter seus átomos sempre como
mesmo número de nêutrons;(c) o número de prótons perma-
nece constante, mesmo que os números de massa dos átomos Figura 2.1: O modelo Atômico de Bohr.
de um elemento variem;
c) o número atômico é dado pelo número de prótons existentes Através de processos experimentais Bohr, concluiu que:
Quı́mica – Aula 2 127

• Um elétron só pode ter certas energias especı́ficas, e cada Heisenberg: em 1927, estabeleceu o Princı́pio da Incerteza,
uma destas energias corresponde a uma órbita particu- segundo o qual “não é possı́vel predizer, ao mesmo tempo, a
lar. Quanto mais afastado do núcleo maior a energia do posição e a quantidade de movimento de um elétron”
elétron; Tudo que nós podemos conhecer sobre o movimento de um
sistema de partı́culas se reduz a uma função complexa Ψ de
• Se o elétron receber energia ele pula para uma órbita mais
coordenadas (x, y, z) das partı́culas e do tempo t.
afastada do núcleo;
Esta função é chamada Função de Onda, criada por Schrödin-
• Como esta órbita não é natural ele tende a retornar para ger (1927).
sua órbita de maior estabilidade, assim sendo, ocorre li- O quadrado do módulo da função de onda |Ψ|2 representa
beração de energia; a probabilidade de se encontrar no instante t a determinada
partı́cula.
• Para calcular a energia emitida pelo elétron, Max Planck
Na concepção clássica, uma partı́cula se encontra ou não num
estabeleceu que a energia se propaga em “pacotes”de
determinado instante em um dado ponto do espaço. Pela
quantidades mı́nimas e descontı́nuas. A essa quantidade
mecânica quântica nós só podemos conhecer a probabilidade
mı́nima chamou de fóton ou quantum. O valor do quan-
de encontrar a partı́cula no ponto considerado.
tum é proporcional a freqüência da onda ν, cuja magni-
tude pode ser calculada por Schrödinger deduziu matematicamente regiões com probabi-
lidades de se encontrar o elétron, simplificadas por meio de
E = hν modelos geométricos que chamamos de orbitais.
Sommerfeld, de Broglie e Schrödinger formaram a Mecânica
onde h é a famosa constante de Planck, que tem valor de Quântica, que nos levou ao modelo atômico atual. O átomo
6, 63 × 10−34 J · s. possui núcleo denso com elétrons em orbitais.
Se os átomos oscilantes transferem uma energia E para a Orbital é a região, em torno do núcleo, com maior probabili-
vizinhança, radiação de freqüência ν = E/h será detec- dade de se encontrar o elétron. O elétron move-se em torno do
tada. É importante notar que a intensidade da radiação é núcleo.
uma indicação do número de pacotes de energia gerados,
enquanto E é a medida de energia de cada pacote. Isótopos, Isóbaros, Isótonos e Isoeletrônicos
Sommerfeld: em 1916, estabeleceu que os elétrons descrevem Isótopos: são átomos de um mesmo elemento quı́mico que
órbitas circulares e elı́pticas em torno do núcleo. apresentam diferentes número de massa e diferentes número
de nêutrons, ou seja são átomos de mesmo número atômico e
diferentes número de massa.

12 13 14
6C 6C 6C Isótopos de Carbono

16 17 17
8O 8O 8O Isótopos de Oxigênio

Isóbaros: são átomos de elementos quı́micos diferentes mas


com mesmo número de massa.

40
20 Ca 1840
Ar

Isótonos: são átomos de elementos quı́micos diferentes, mas


com mesmo numero de nêutrons.

11 12
5B 6C

Isoeletrônicos: são átomos ou ı́ons que apresentam o mesmo


Figura 2.2: Modelo Atômico de Sommerfeld. número de elétrons.
2+ 1+N e 1− 3−
12 M g 11 N a 10 9F 7N

O Modelo Atômico Atual


Nı́veis e Sub-nı́veis de Energia
Louis de Broglie: em 1924, foi quem lançou as as bases de uma
nova mecânica chamada ondulatória ou quântica, através do A eletrosfera do átomo está dividida em 7 regiões denominadas
Princı́pio da Dualidade matéria-onda para o elétron: “Toda de nı́veis de energia ou camadas eletrônicas.
partı́cula em movimento, o elétron, no caso, tem associado a São as camadas K, L, M, N, O, P, Q, representadas pelos
si uma onda”. números 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 denominados de números quânticos
A mecânica clássica prevê, para cada corpo, sua trajetória, principais e representados pela letra n.
conhecendo sua posição e velocidade. O número máximo de elétrons em cada camada é calculado
A mecânica quântica, que trata do universo microscópico das pela equação
partı́culas, não se descreve perfeitamente o átomo. e = 2 · n2 sendo que
128 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

K(2), L(8), M (18), N (32), O(50), P (72), Q(98) Y

Mas para os 112 elementos quı́micos existentes temos:


K(2), L(8), M (18), N (32), O(32), P (18), Q(2)
Existem 7 sub-nı́veis de energia (s, p, d, f, g, h, i) que estão den-
tro das camadas. Mas para os 112 elementos existentes não
são ocupados todos os sub-nı́veis de energia e sim somente qua-
tro, s, p, d, f , que são representados pela letra l que significa X
número quântico secundário e são números que vão de 0 a 3, ou
seja, 0, 1, 2, 3 para os sub-nı́veis s, p, d, f , cada sub-nı́vel com-
porta um número máximo de elétrons s(2), p(6), d(10), f (14). Z

Configuração Eletrônica

Diagrama de Linus Pauling


K(2) 1s2
L(8) 2s2 2p6 Figura 2.3: Coordenadas espaciais de um átomo.
M(18) 3s2 3p6 3d10
N(32) 4s2 4p6 4d10 4f 14
O(32) 5s2 5p6 5d10 5f 14 Y
P(18) 6s2 6p6 6d10
Q(2) 7s2

Representamos a distribuição eletrônica de duas formas: .............. . ..


. ..... ...................................
.......................
........................ .. ..........
1. ordem energética, seguindo as diagonais do diagrama de .... . ...............
......... . ..
.. ....
.
. . .
..............
.. . .. . ..
. ......................
. ........... ..............
........ ... ....
Pauling: .......
................ ......... ...................
.... ..
.. . .. X
1s2 , 2s2 , 2p6 , 3s2 , 3p6 , 4s2 , 3d10 , 4p6 , 5s2 , 4d10 ,
.
........ ... .... .
5p6 , 6s2 , 4f 14 , 5d10 , 6p6 , 7s2 , 5f 14 , 6d10
Z
2. ordem geométrica, agrupando os sub-nı́veis em camadas:

1s2 K 2
2s2 , 2p6 L 8
3s , 3p6 , 3d10
2
M 18
4s , 4p6 , 4d10 , 4f 14
2
N 32 Figura 2.4: Representação do Orbital s.
5s2 , 5p6 , 5d10 , 5f 14 O 32
6s2 , 6p6 , 6d10 P 18
7s2 Q 2 Dois elétrons podem ocupar um mesmo or-
bital desde que possuam spins opostos.
Orbitais Atômicos
Este enunciado é conhecido por “Princı́pio de Exclusão, de
Como vimos, orbital é a região, em torno do núcleo, com Wolfgang Pauli”.
máxima probabilidade de se encontrar elétrons. As formas Cada sub-nı́vel comporta um número máximo de elétrons
dessas regiões são calculadas matematicamente e têm o núcleo (como visto anteriormente). Se cada orbital comporta no
localizado no ponto zero dos eixos x, y e z. máximo dois elétrons, temos então:
As formas dos orbitais mais importantes são:
Representação do Orbital
1. esférica - chamado orbital s:
s2 ↑↓ 1 orbit.
2. halter - chamado orbital p: p6 ↑↓ ↑↓ ↑↓ 3 orbit.
d10 ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ 5 orbit.
Princı́pio de Exclusão f 14 ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ 7 orbit.

Certas experiências, em particular a ação de um campo


magnético, mostram que as funções de onda construı́das uni- Pense um Pouco!
camente sobre as coordenadas de espaço não são aptas para
explicar totalmente os fenômenos, o que levou a se introduzir 1. Você sabe quais são os tipos de radiações existentes e quais
uma nova coordenada chamada spin. Trata-se de uma coorde- as caracterı́sticas particulares de cada uma?
nada suplementar associada à rotação do elétron. Os valores
permitidos para a função de spin são − 21 e 21 , e são de spins 2. Quais são os efeitos causados pelas radiações? E quais as
opostos. principais aplicações das reações nucleares?
Quı́mica – Aula 3 129

+
Quı́mica Aula 3

Ligações Quı́micas
Figura 2.5: Representação do Orbital p.
Estabilidade dos Átomos
Exercı́cios de Aplicação Os gases nobres são os únicos encontrados na natureza na
forma mono-atômica, ou seja, não se ligam se, apresentam
na forma de átomos. Isto significa que o átomo é totalmente
1. (ACAFE-99) A vitamina B12 , anti-anêmica, contém ı́ons de
estável.
cobalto Co+2 . Dado: Co(Z = 27). A configuração eletrônica
nos orbitais 4s e 3d do Co+2 , é: Os gases nobres (Coluna 8A da Tabela Periódica), com exceção
0 8
a) 4s , 3d . do hélio, apresentam oito elétrons na camada de valência.
b) 4s2 , 3d7 .
Gases Nobres
c) 4s2 , 3d5 .
d) 4s1 , 3d6 . He(Z=2) 2
e) 4s0 , 3d7 . Ne(Z=10) 2 8
Ar(Z=18) 2 8 18 8
2. (UDESC) Uma átomo com número atômico igual a 38, Xr(Z=36) 2 8 18 18 8
apresentará em seu antepenúltimo nı́vel: Xe(Z=54) 2 8 18 32 18 8
a) 8 elétrons. Rn(Z=86) 2 8 18 32 32 18 8
b) 18 elétrons.
c) 16 elétrons. Camada de valência é a camada eletrônica mais externa. Pode
d) 10 elétrons. receber ou fornecer elétrons na união entre átomos.
e) 6 elétrons. A valência de um átomo é o número de ligações que um átomo
precisa fazer para adquirir a configuração de um gás nobre.

Exercı́cios Complementares Teoria do Octeto


Foi feita uma associação entre a estabilidade dos gases nobres
3. (FUVEST) De acordo com os postulados de Bohr é correto e o fato de possuı́rem 8 elétrons na última camada. Surgiu
afirmar que: então a Teoria do Octeto:
a) ( ) Os elétrons se movem ao redor do núcleo em órbitas
bem definidas, que são denominadas órbitas estacionárias; Para atingir uma situação estável, há uma
b) ( ) Movendo-se numa órbita estacionária, o elétron não tendência dos átomos para conseguir estrutura
emite nem absorve energia; eletrônica de 8 elétrons na camada de valência
c) ( ) Ao saltar de uma órbita mais próxima do núcleo para igual ao gás nobre de número atômico mais
outra órbita mais afastada, o elétron absorve energia; próximo.
d) ( ) Quando o elétron de um átomo salta de uma camada
mais externa para outra mais próxima do núcleo, há emissão No caso de átomos menores em número de elétrons, a tendência
de energia; é alcançar o dueto, isto é, conseguir dois elétrons na última
e) ( ) No núcleo de um átomo existem prótons e nêutrons. camada, como o hélio (Z = 2) : 1s2 . É o caso do hidrogênio e
do lı́tio.
4. (UEL) Átomos neutros e ı́ons de um mesmo elemento
quı́mico tem, necessariamente, o mesmo número:
Classificação dos Elementos
a) atômico;
b) de massa; Quanto à Configuração Eletrônica, podemos classificar os ele-
c) de oxidação; mentos quı́micos como:
d) de carga; Metais: São elementos que possuem menos de quatro elétrons
e) de isômeros. na camada de valência. Doam elétrons quando fazem ligações
quı́micas;
5. Sejam dois átomos A de número atômico 2x + 4 e número
de mass 5x e B de múmero atômico 3x − 6 e número de massa Não-Metais: São elementos que possuem mais de quatro
5x − 1. Determine quantos nêutrons tem A e B, sabendo que elétrons na camada de valência. Recebem elétrons quando
eles pertencem ao mesmo elemento quı́mico. fazem ligações quı́micas;
a) NA = 25 e NB = 26 Semi-metais: São alguns elementos que ora comportam-se
b) NA = 26 e NB = 25 como metais ora como não-metais, independente do número
c) NA = 27 e NB = 26 de elétrons na camada de valência;
d) NA = 26 e NB = 27 Hidrogênio: Não tem classificação, porém sua tendência é de
e) NA = 25 e NB = 25 ganhar um elétron. Os elementos que possuem quatro elétrons
130 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

na camada de valência podem ceder ou receber elétrons nas


ligações.
O carbono por exemplo, terá comportamento de não-metal,
recebendo elétrons.
O silı́cio e o germânio são semi-metais: ora cedem elétrons, ora
recebem.

Estruturas de Lewis
Um sı́mbolo de Lewis é um sı́mbolo no qual os elétrons da Figura 2.3: Configuração da ligação co-valente.
camada de valência de um átomo ou de um ı́on simples são
representados por pontos colocados ao redor do sı́mbolo do
elemento. Cada ponto representa um elétron. Por exemplo: ´
pares de eletrons ~ ligantes
nao
H O H
´
pares de eletrons ligantes
(a) (b)

Figura 2.1: Configuração eletrônica e estrutura de Lewis para Figura 2.4: Estrutura de Lewis da Água.
o átomo neutro de cloro (a) e para o ı́on de cloro (b).

Repare nos exemplos acima que o cloro possui sete elétrons de átomo central, e ligá-lo aos átomos periféricos por pares de
valência, enquanto que o ı́on cloreto, oito. elétrons.
Uma ligação co-valente é aquela ligação quı́mica formada pelo Considere o dióxido de carbono CO2
compartilhamento de um par de elétrons entre dois átomos. A
carbono(C) →
Estrutura de Lewis de um composto co-valente ou de um ı́on
poli-atômico mostra como os elétrons estão distribuı́dos entre tem 4e− de valência × 1 carbono = 4e−
os átomos, de formas a mostrar a conectividade entre eles. No oxigênio(O) →
caso do metano, por exemplo, quatro elétrons, um de cada tem 6e− de valência × 2 oxigênio = 12e−
hidrogênio, mais os quatro elétrons de valência do carbono,
são emparelhados na Estrutura, mostrando como cada átomo Existe um total de 16 e− para serem colocados na Estrutura
se conecta a outro por um par de elétrons. de Lewis.
Conecte o átomo central aos outros átomos na molécula com
ligações simples.
O carbono é o átomo central, os dois oxigênios são ligados a
ele; mais tarde iremos adicionar mais elétrons para completar
os octetos dos átomos periféricos.
Conecte o átomo central aos outros átomos na molécula com
ligações simples.
O carbono é o átomo central, os dois oxigênios são ligados a
ele; mais tarde iremos adicionar mais elétrons para completar
os octetos dos átomos periféricos.

Figura 2.2: Configuração da estrutura de Lewis para o metano.

Ao invés de utilizarmos dois pontos para indicar o par de


elétrons que perpetuam a ligação co-valente, podemos utili-
zar um traço. Assim, o traço irá representar os dois elétrons
da ligação co-valente. Figura 2.5: Estrutura do CO2 .
Vamos representar na Figura (2.4) a estrutura de Lewis da
água. Dois hidrogênios são ligados ao átomo de oxigênio cen- Até aqui foram utilizados quatro elétrons dos 16 à disposição.
tral. Os elétrons de ligação são indicados pelas linhas entre o Complete a camada de valência dos átomos da periferia da
oxigênio e cada um dos hidrogênios. Os elétrons remanescentes molécula.
- dois pares - que constituem o octeto do oxigênio, são chama- Foram utilizados todos os 16 elétrons disponı́veis. Coloque
dos de não-ligantes, por não estarem envolvidos em ligações quaisquer elétrons remanescentes sobre o átomo central. “Não
co-valentes. existem mais elétrons disponı́veis nesse exemplo”.
O primeiro passo para se desenhar uma estrutura de Lewis é
determinar o número de elétrons de valência dos átomos que • Se a camada de valência do átomo central está completa,
serão conectados. Depois é necessário determinar qual é o você acaba de desenhar uma Estrutura de Lewis aceitável.
Quı́mica – Aula 4 131

Figura 2.6: Construção da estrutura de Lewis do CO2 -1.

“O carbono está deficiente de elétrons - ele tem só quatro


elétrons em sua volta. Esta não é uma estrutura de Lewis Figura 2.9: Construção da estrutura de Lewis do CO2 -4.
aceitável”.

• Se a camada de valência do átomo central não está com-


pleta, use um par solitário de um dos átomos da peri-
feria para formar uma dupla ligação daquele átomo com
o átomo central. Continue o processo de fazer múltiplas
ligações dos átomos periféricos com o átomo central, até
que a camada de valência do átomo central esteja com-
pleta. Figura 2.10: Construção da estrutura de Lewis do CO2 -5.

Pense um Pouco!
• Dê uma possı́vel aplicação para a mesma fórmula quı́mica
escrita de formas diferentes. Ou seja, qual é a utilidade
de escrevermos a fórmula estrutural e eletrônica de um
mesmo elemento?

• Os gases nobres também são chamados de gases inertes?


Explique.

Figura 2.7: Construção da estrutura de Lewis do CO2 -2. Exercı́cios de Aplicação


Torna-se,
1. Indique a fórmula estrutural das seguintes moléculas: Da-
dos: Cl (Z = 17), C (Z = 12), N (Z = 7), H (Z =
1), O (Z = 8).
a) CCl4
b) N H3
c) CO2
d) HN O3

Figura 2.8: Construção da estrutura de Lewis do CO2 -3.


Exercı́cios Complementares

2. Dê as fórmulas estruturais e eletrônicas das seguintes


O átomo central ainda está deficiente de elétrons, portanto moléculas, dados: H (Z=1), O (Z=8) e S (Z=16).
compartilhe outro par. a) H2 S
b) SO2
Torna-se,
c) SO3
Certifique-se que você tenha utilizado do número correto d) HN O3
de elétrons na Estrutura de Lewis. Lembre-se que alguns
elementos, como o enxofre, por exemplo, podem ampliar
sua camada de valência para além de oito elétrons.
Quı́mica Aula 4
A melhor Estrutura de Lewis que pode ser escrita para o
dióxido de carbono é:
132 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Ax+ B y− → Ay Bx

Caracterı́sticas da Ligação Iônica

• Formação de ı́ons;

Figura 2.11: Melhor estrutura de Lewis para o CO2 • Transferência de elétrons;

• Compostos sólidos a temperatura ambiente;


Ligações Quı́micas
• Formação de compostos cristalinos;
Como conseqüência da tendência dos átomos de formar sis-
• Os compostos iônicos quando em meio aquoso conduzem
temas eletrônicos estáveis, pela doação ou recebimento de
corrente elétrica.
elétrons, os átomos se unem.
Existem três tipos de ligações quı́micas;
Ligação Metálica
1. Iônica;
Ocorre entre metais. Como sabemos, um metal tem tendência
2. Metálica; de doar elétrons formando cátions. A ligação metálica ocorre
3. Co-valente. quando muitos átomos de um metal perdem elétrons ao mesmo
tempo, e os cátions formados se estabilizam pela ”nuvem” de
elétrons que fica ao redor.
Ligação Iônica ou Eletrovalente Analisando um fio de cobre, excelente condutor de eletrici-
A ligação iônica ocorre quando um metal se liga a um não dade e calor, encontraremos nos elétrons livres que o material
metal ou ao hidrogênio. O metal doa elétrons formando o apresenta a explicação desta condutibilidade. Os ”n” átomos
cátion. O não-metal ou o hidrogênio recebe elétrons formando de cobre cedem seus elétrons periféricos e se tornam cátions
um ânion. envoltos por muitos elétrons livres.
A conseqüência da atração entre os ı́ons positivos (cátions) e
negativos (ânions) é um agrupamento organizado de ı́ons, a Ligação Co-valente ou Molecular
que chamamos de cristal iônico.
Ligação co-valente é aquela formada como conseqüência do
compartilhamento de elétrons entre seus átomos.
Haverá formação de uma molécula, no sentido em que os
átomos se unem como ”sócios” dos mesmos elétrons.
Por exemplo: o cloro apresenta 7 elétrons na última camada
quando realizada a ligação co-valente forma HCl.
O par compartilhado é formado por dois elétrons, um de cada
átomo, compartilhado por ambos os átomos.

(a) (b)

Figura 2.1: Arranjo Atômico de um Cristal Iônico. H Cl


O cristal iônico é representado por uma fórmula mı́nima, ou
seja, o número mı́nimo de cátions e ânions necessários para que
ambas as cargas sejam neutralizadas. Por exemplo a Fórmula
Mı́nima do sal de cozinha é dada por:
N a Cl
Figura 2.2: Par Eletrônico Compartilhado.
Esta estrutura de alta coesão de natureza elétrica confere ao
composto iônico alto ponto de fusão. No estado sólido não Ambos adquirem configuração eletrônica estável de gás nobre.
conduz eletricidade. Isso só ocorre se os ı́ons estiverem livres,
em solução aquosa ou no estado fundido (lı́quido). Representação Molecular
Montamos uma fórmula de composto iônico colocando à es-
querda o cátion e a direita o ânion. Verificamos se as cargas Há diferentes maneiras de representar uma molécula. Tome-
positiva e negativa se anulam. Se as cargas se anularem, a mos a molécula de gás oxigênio, formada por dois átomos de
fórmula será de um cátion para um ânion. Caso as cargas se oxigênio.
anulem, usaremos o seguinte artifı́cio: invertemos a carga do
cátion para ı́ndice do ânion e a carga do ânion para ı́ndice do • Fórmula eletrônica ou de Lewis: representa os elétrons
cátion: da última camada dos átomos.
Quı́mica – Aula 4 133

• Fórmula estrutural: cada par de elétron compartilhado


é representado por um traço. − −

O=O + +
• Fórmula molecular: indica apenas o tipo e o número
de átomos que formam uma molécula.

O2
Figura 2.4: Dois átomos de H.

Ligação Dativa ou Coordenada


Como conseqüência dessa atração, teremos a aproximação re-
É o caso de ligação co-valente que ocorre quando o par de sultando numa interpenetração de orbitais chamada overlap.
elétrons compartilhado entre dois átomos provém apenas de Overlap é a interpenetração dos orbitais atômicos formando
um deles. um orbital molecular.
Para que o átomo possa fazer uma ligação coordenada ele tem Na formação do overlap há uma distância ideal entre os núcleos
que possuir pares de elétrons livres. de cada átomo, onde a repulsão das cargas de mesmo sinal
A ligação coordenada é indicada por uma seta do átomo que compensa a atração das cargas de sinais diferentes.
oferece o par de elétrons para o átomo que o aceita.
O número máximo de ligações coordenadas que os não-metais
podem oferecer é:
No caso do monóxido de carbono, temos um bom exemplo: o
oxigênio faz uma ligação dativa com o carbono, isto é, com-
partilha coordenadamente com ele seus pares eletrônicos. Con-
forme podemos ver na Fig. (2.3):
Figura 2.5: Overlap.

No caso do H2 , H −H, temos orbital σ(s−s). A notação σ(s−


s) significa orbital molecular σ feito através de dois orbitais
atômicos do tipo s.

Pense um Pouco!
Figura 2.3: Ligação Dativa do CO. • Quais são as principais utilidades das Ligações Quı́micas
na natureza?
• Como os elementos quı́micos são encontrados na natureza,
Orbitais Moleculares ”puros ou misturados com outros elementos”?
Para visualizarmos melhor as ligações co-valentes (átomos for-
mando moléculas), estudaremos as ligações sob o ponto de Exercı́cios de Aplicação
vista dos orbitais atômicos formando orbitais moleculares.
Orbital molecular é a região em torno dos núcleos de maior pro-
babilidade de ser encontrado o par eletrônico compartilhado. 1. (ACAFE) O grupo de átomos que é encontrado na forma
mono-atômica pelo fato de serem estáveis são
Há dois tipos de orbital molecular:
a) Halogênios
Orbital Molecular σ (sigma), ou simplesmente ligação σ, é b) Calcogênios
aquele formado na interpenetração de orbitais atômicos se- c) Metais Alcalinos Terrosos
gundo um eixo. d) Metais Alcalinos
Orbital Molecular π, ou simplesmente ligação π, é aquele for- e) Gases Nobres
mado na interpenetração de orbitais atômicos p exclusivamente
segundo os eixos paralelos. 2. (ACAFE) O propadieno (H2 C = C = CH2 ) apresenta
respectivamente quantas ligações sigmas e ligações pi?
a) 6 e 2
Exemplo b) 2 e 2
H2 (molécula H : H ou H − H) c) 4 e 2
d) 4 e 0
O hidrogênio apresenta apenas um elétron no orbital s, que
e) 0 e 4
sabemos ser esférico: 1s1 , e precisa de mais um elétron para
adquirir estabilidade. 3. (ACAFE) Incrı́vel, mas 15% do gás metano existente na
Quando ocorre a aproximação de outro átomo de hidrogênio, atmosfera provém do arroto dos bois, vacas, cabras e car-
o núcleo positivo de um atrai a eletrosfera do outro. neiros, contribuindo para o efeito estufa (aquecimento at-
134 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

mosférico). Assinale a alternativa que descreve os tipos de entre as colisões – o seu livre caminho médio – é muito pe-
ligações quı́micas encontradas neste gás: quena, onde estas sofrem bilhões de colisões antes de percorrer
a) 2 iônicas e 2 co-valentes uma distância muito grande e essas interrupções impedem-nas
b) 2 ligações dativas de espalhar-se através do lı́quido. A difusão dentro dos sólidos
c) 4 ligações duplas é muito mais lenta que nos lı́quidos. Não só as moléculas estão
d) 2 sigmas e 2 pi fortemente compactadas como, também, são mantidas rigida-
e) 4 ligações sigmas mente no mesmo lugar.

Volume e Forma
Exercı́cios Complementares
A propriedade mais óbvia dos gases, lı́quidos e sólidos é a forma
como eles se comportam quando transferidos de um frasco
4. (ACAFE-99) Um metal alcalino terroso (M) apresenta dois
para outro. Ambos, gases e lı́quidos são fluı́dos; eles escoam
elétrons na sua camada de valência. A alternativa que indica a
e podem ser bombeados de um lugar para outro. Um sólido,
fórmula de um óxido e de cloreto desse metal, respectivamente
porém, não é um fluı́do e mantém tanto sua forma quanto seu
é:
volume. As forças inter-moleculares de um gás são tão fracas
a) M2 O − M2 Cl
que as moléculas podem facilmente superar essa força e expan-
b) M2 O − M Cl
dir para encher o recipiente. O que não acontece num sólido,
c) M O2 − M Cl2
cujas forças atrativas mantém as moléculas mais ou menos fir-
d) M O − M Cl2
mes num lugar, de modo que elas não podem se mover umas
e) M O − M Cl4
em torno das outras.
5. (UFSC) Na molécula H − O − O − H, existe:
a) nenhuma ligação iônica Tensão Superficial
b) três ligações co-valentes
c) três ligações sigmas Num lı́quido cada molécula move-se sempre sob influência das
d) três ligações iônicas moléculas vizinhas. As moléculas na superfı́cie de um certo re-
e) duas ligações metálicas cipiente sentem uma atração na direção do interior do lı́quido.
Para uma molécula chegar a superfı́cie ela deve superar esta
atração. Ou seja, a energia potencial deve aumentar, então
deve-se realizar trabalho para levá-las até a superfı́cie. Por-
Quı́mica Aula 5 tanto, tornar a superfı́cie de um lı́quido maior requer um gasto
de energia e a quantidade de energia necessária é então a tensão
superficial.

Evaporação
A Estrutura da Matéria
Num lı́quido ou num sólido, assim como num gás, as moléculas
Propriedades Gerais estão constantemente sofrendo colisões, dando assim origem a
uma distribuição de velocidades moleculares individuais e, evi-
De acordo com a teoria cinética molecular, todas as formas de dentemente, de energias cinéticas. se algumas dessas moléculas
matéria são compostas de partı́culas pequenas e que se mo- possuı́rem energia cinética suficiente para superar as forças
vem rapidamente. Há duas razões principais por que os gases, atrativas dentro do lı́quido ou do sólido, elas poderão escapar
lı́quidos e sólidos diferem tanto uns dos outros. Uma é a rigidez através da superfı́cie para o estado gasoso – elas evaporam. No
do empacotamento das partı́culas e outra é a intensidade das lı́quido existem três fatores que influenciam na velocidade de
forças atrativas entre elas. Podemos listar como propriedades evaporação: a temperatura, a área superficial e a intensidade
influenciadas por estas duas razões o seguinte: das atrações superficiais.

Compressibilidade Forças de Atração Inter-moleculares


Num gás, as moléculas estão bastante separadas, de forma que As atrações dipolo-dipolo são, normalmente, consideravel-
há muito espaço vazio dentro do qual elas podem ser comprimi- mente mais fracas do que as ligações iônicas ou co-valentes.
das, por isso os gases são bastante compressı́veis. Entretanto, A sua força também diminui muito rapidamente à medida que
as moléculas num lı́quido ou sólido estão rigidamente empaco- a distância entre os dipolos aumenta, de forma que a distância
tada se há muito pouco espaço vazio entre elas, sendo então entre os dipolos aumenta, de forma que o seu efeito entre as
virtualmente incompressı́veis. moléculas bastante afastadas de um gás é muito menor do que
entre moléculas fortemente compactadas num lı́quido ou num
Difusão sólido. É por isso que as moléculas de um gás comportam-se
quase como se não houvesse atração nenhuma entre elas.
Comparadas com as moléculas de um lı́quido ou sólido, as
moléculas de um gás se difundem rapidamente, uma vez que Pontes de Hidrogênio
as distâncias que elas se movem entre as colisões são relati-
vamente grandes. Em virtude de as moléculas num lı́quido Acontece entre moléculas muito polares, onde a diferença de
estarem tão próximas, a distância média que elas percorrem eletronegatividade é muito acentuada, tendo H numa das ex-
Quı́mica – Aula 5 135

tremidades da “ponte”. No estado lı́quido há pontes de hi- da vida real, devemos aumentar o tamanho destas quantidades
drogênio entre moléculas de água. Como há movimento das até o ponto em que possamos vê-las e pesá-las.
moléculas, as pontes de hidrogênio se quebram e se restabe- Infelizmente, por exemplo, uma dúzia de átomos ou moléculas
lecem em seguida. No estado sólido as pontes de hidrogênio é ainda uma quantidade muito pequena para se trabalhar;
entre as moléculas de água são fixas e direcionadas segundo deve-se, portanto, encontrar uma unidade maior ainda. A
um ângulo de 104, 5◦ entre suas ligações. Devido à direção “dúzia de quı́mico”chama-se mol (unidade mol). Ele é com-
das pontes de hidrogênio na água sólida, ficam espaços vazios posto de 6, 022 × 1023 objetos. Então:
entre as moléculas, responsáveis pelo aumento de volume ao
congelar. 1 dúzia = 12 objetos
1 mol = 6, 02 × 1023 objetos
Força de Van der Waals (ou de London)
O Volume Molar
Essa força pode aparecer entre átomos de um gás nobre (por
exemplo, hélio lı́quido) ou entre moléculas apolares (CH4 , É o volume ocupado por um mol de qualquer gás em condições
CO2 ). O gelo seco quando sublima, passa do estado sólido normais de temperatura e pressão (CNTP).
para o estado gasoso, rompendo as forças de Van der Waals e CNTP:
liberando as moléculas das influências das outras. São as forças
• temperatura de 0◦ C ou 273 K;
inter-moleculares, tipo Van der Waals, que justificam a possi-
bilidade de liqüefazer os gases nobres. As moléculas podem se • pressão de 1 atm ou 760 mmHg).
unir através de polarização induzida temporariamente.
Verifica-se experimentalmente que o volume molar é de 22, 4 l
(CNTP).
Os Gases Conclusão:
Muitos gases são capazes de sofrer reações quı́micas uns com M M g → 6, 02 × 1023 moléculas → 22, 4 l.
outros. Observações experimentais feitas por Gay-Lussac for-
maram a base da Lei de Combinação dos Volumes Observe que
1 mol ≈ 602.000.000.000.000.000.000.000
A Lei de Combinação de Volumes

os volumes das substâncias gasosas que são produzidas Pense um Pouco!


e consumidas numa reação quı́mica estão numa razão
de números inteiros pequenos, desde que os volumes • Você tem noção de como funciona um freio de automóvel?
sejam medidos nas mesmas condições de temperatura Ou que um freio tem em comum com o assunto que esta-
e pressão. mos tratando?
A importância das observações de Gay-Lussac foi posterior- • Dê exemplos de elementos quı́micos sólidos que evaporam,
mente reconhecida por Amadeo Avogadro. Ele propôs que sem que haja fusão.
agora é conhecido como princı́pio de Avogadro.

O Princı́pio de Avogadro
Exercı́cios de Aplicação
sob condições de temperatura e pressão constantes, 1. (FUVEST) Em uma amostra de 1, 15 g de sódio, o número
volumes iguais de gases contém números iguais de de átomos existentes será igual a (N a = 23):
moléculas. a) 6 × 1022
Uma vez que números de iguais de moléculas significam b) 3 × 1023
números iguais de mols, o número de mols de qualquer gás c) 6 × 1023
está relacionado com o seu volume: d) 3 × 1022
e) 1023
V ∝n
2. (ACAFE-00) Qual destas ligações é mais fraca?
onde n é o número de mols do gás. Assim, a lei de Gay- a) Eletrovalente
Lussac é facilmente compreendida, uma vez que os volumes b) Co-valente
dos gases, reagentes e produtos, ocorrem nas mesmas razões c) Ponte de hidrogênio
que os coeficientes na equação balanceada. d) Van der Waals
e) Metálica

O Mol 3. (PUC) As pontes de hidrogênio aparecem:


a) quando o hidrogênio está ligado a um elemento muito ele-
Sabemos que os átomos reagem para formar moléculas, man- tropositivo
tendo entre si razões simples de números inteiros. Os átomos b) quando o hidrogênio está ligado a um elemento muito ele-
de hidrogênio e oxigênio, por exemplo, combinam-se numa tronegativo
razão de 2 para 1 a fim de formar a água, H2 O. Entretanto c) em todos os compostos hidrogenados
é impossı́vel trabalhar com os átomos individualmente, devido d) somente em compostos inorgânicos
às suas dimensões minúsculas. Assim, em qualquer laboratório e) somente em ácidos de Arrhenius
136 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Exercı́cios Complementares • Os choques entre as moléculas, se ocorrerem, são perfeita-


mente elásticos (a molécula não ganha nem perde energia
cinética)
4. (Osec-SP) Tem-se 1 litro de He; 1 litro de H2 ; 1 litro
de CO2 ; e 1 litro de N H3 , todos estes gases nas CN T P em
recipientes separados. O recipiente que possui maior número Gás Real
de moléculas é o que contém:
a) He Um gás real se aproxima do comportamento de um gás perfeito
b) H2 à medida que se torna mais rarefeito (diminui o número de
c) CO2 moléculas) e se encontra a baixa pressão e a alta temperatura.
d) N H3
e) o número de moléculas é o mesmo em cada um dos quatro
recipientes. Leis dos Gases Ideais
5. (PUC-RS) Os elevados pontos de ebulição da água, do O estado de um gás é definido quando sabemos sua pressão,
álcool etı́lico e do fluoreto de hidrogênio são explicados: temperatura, e volume Essas grandezas são as variáveis de
a) através das pontes de hidrogênio inter-moleculares estado de um gás e são inter-dependentes.
b) pelas macro-moléculas formadas Se mantivermos constante uma de suas variáveis, poderemos
c) através de forças de Van der Waals estudar de que maneira variam as outras.
d) pelas ligações co-valentes dativas que se formam entre
moléculas destes compostos
e) através das pontes de hidrogênio intra-moleculares Transformação Isotérmica (Lei de Boyle-Mariotte)

6. (PUC) Qual a massa total da seguinte mistura: 0, 25 mol a uma temperatura constante, o volume ocupado por
de oxigênio mais 3 × 1022 moléculas de oxigênio mais 3 g de uma quantidade fixa de gás é inversamente proporci-
oxigênio? Dado: M MO = 16 g. onal à pressão aplicada.
a) 11, 8 g Isso pode ser expresso matematicamente como:
b) 12, 6 g
c) 23, 6 g 1
V ∝ (2.1)
d) 32 g P
e) 34 g
A proporcionalidade pode ser transformada numa igualdade
pela introdução de uma constante de proporcionalidade. As-
sim,
Quı́mica Aula 6
1
V ∝
P
P V = constante
p1 V1 = p2 V2
Teoria Cinética dos Gases
Desta forma, a temperatura constante, se aumentarmos a
As moléculas de um gás ocupam o volume do recipiente que
pressão, o volume diminui; se diminuirmos a pressão o volume
as contém. A energia que mantém as moléculas de um gás em
aumenta.
movimento é a energia cinética, que é diretamente proporcional
a temperatura absoluta (Kelvin).
Transformação Isobárica (Lei de Charles)

Ec ∝ T onde à pressão constante, o volume de uma dada quantidade


de um gás é diretamente proporcional á sua tempera-
Ec = energia cinética
tura absoluta.
T = temperatura de Kelvin Escrevendo esta Lei matematicamente, temos:

Gás Ideal V ∝T (2.2)

Um gás é considerado perfeito (ideal) quando obedece às se- Transformando a proporcionalidade em igualdade e rearran-
guintes condições: jando, obtemos
• No estado gasoso o movimento das moléculas ocorre de V
maneira contı́nua e caótica, descrevendo trajetórias re- = constante (2.3)
T
tilı́neas; V1 V2
= (2.4)
• O volume da molécula é desprezı́vel em relação ao volume T1 T2
do recipiente que a contém;
Desta forma, se a pressão é constante, á medida que aumen-
• Uma molécula não sente a presença da outra (não há in- tarmos a temperatura o volume ocupado pelo gás aumentará;
teração, forças de Van der Waals, entre as moléculas); diminuindo a temperatura, o volume diminuirá.
Quı́mica – Aula 6 137

Transformação Isocórica, Isométrica ou Isovo-


A equação (2.12) é obedecida por apenas um gás ideal hi-
lumétrica (Lei de Charles-Gay Lussac) potético e é uma expressão matemática da lei dos gases ide-
ais. É também chamada equação de estado do gás ideal, por-
a volume constante, a pressão é diretamente propor- que relaciona as variáveis (P, V, n, T ) que especificam as pro-
cional à temperatura. priedades fı́sicas do sistema.
Matematicamente temos que:

P ∝T (2.5) Lei das Pressões Parciais de Dalton

ou também, É simplesmente a pressão que o gás exerceria se estivesse so-


zinho no recipiente, ocupando o volume total da mistura na
mesma temperatura. Segundo as observações de John Dalton,
P a pressão total é igual à soma das pressões parciais de cada
= constante (2.6) gás, na mistura. Esta afirmativa é conhecida como a lei das
T
p1 p2 pressões parciais de Dalton que pode ser expressa por:
= (2.7)
T1 T2
PT = pa + pb + pc + · · · (2.13)
Se aumentarmos a temperatura, a pressão aumentará; se di- onde PT é a pressão total da mistura e pa , pb , pc são as
minuirmos a temperatura, a pressão diminuirá. pressões parciais dos gases a, b c.
Pressão parcial (P ′ ) é o produto da fração molar pela pressão
Lei Combinada dos Gases total dos gases.
As equações correspondentes às leis de Boyle-Mariotte e
Charles-Gay Lussac podem ser incorporadas em uma única ′
Pgás = Xgás · Ptotal mistura (2.14)
equação, que é útil para muitos cálculos. Esta é
Pi Vi Pf Vf Volumes Parciais
= (2.8)
Ti Tf
Volume parcial é o volume que o gás ocuparia estando sozinho
Da mesma forma que para as leis separadas, a lei combinada e sendo submetido à pressão total, na temperatura da mistura.
dos gases verifica-se somente se a quantidade de gás for cons- O volume total é a soma dos volumes parciais de cada gás, na
tante. Onde o gás deve estar submetido às CN T P . mistura. Esta afirmativa é conhecida como a lei de Amagat.
O volume parcial (V) é dado pelo produto de fração molar do
Lei dos Gases Ideais gás pelo volume total da mistura.

Discutimos, assim, três relações (2.1, 2.2, 2.5) de volume a que



um gás ideal obedece. Vgás = Xgás · Vtotal mistura (2.15)
Podemos combiná-las, para obter
 
1 Mudanças de Estado Fı́sico
V ∝n (T ) ou (2.9)
P Uma substância pura pode apresentar-se sob três formas de
 
nT
V ∝ (2.10) agregação da matéria: sólido, lı́quido, gasoso (aceita-se o
P quarto estado da matéria: plasma). Cada fase depende das
condições fı́sicas de pressão e temperatura.
Casos Particulares

• Se n e T forem constantes na equação (2.10) teremos a lei Fusão e Solidificação


de Boyle-Mariotte; Na fase sólida, as moléculas de uma substância estão forte-
• Se n e P forem constantes na equação (2.10) teremos a lei mente ligadas entre si, formando um reticulado cristalino.
de Charles-Gay Lussac; Fornecendo calor a um sólido, as moléculas absorverão a ener-
gia, aumentando a amplitude de sua vibração, rompendo o
• Se P e T forem constantes na equação (2.10) teremos o reticulado cristalino e passando para a fase lı́quida, onde as
Princı́pio de Avogadro; moléculas estão ligadas entre si com menor intensidade do que
na fase sólida.
A proporcionalidade na equação (2.10) pode ser transformada
numa igualdade, pela introdução de uma constante de propor- • A temperatura em que ocorre a passagem de fase
cionalidade, R, chamada de constante universal dos gases. sólida para a lı́quida é denominada ponto de fusão.
Daı́, temos:
• A temperatura em que ocorre a passagem de fase
nRT lı́quida para a sólida é denominada ponto de solidi-
V = ou (2.11)
P ficação.
P V = nRT (2.12)
• Nas substâncias puras, o ponto de fusão e solidi-
onde R = 8, 31J/mol · K. ficação coincidem, se a pressão for mantida constante.
138 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Vaporização e Condensação 2
p
A vaporização é a passagem da fase lı́quida para a gasosa.
Existem três maneiras de se efetuar a vaporização:
Liquido
1. Vaporização tı́pica ou ebulição: mudança de fase a P
C
determinada pressão e temperatura. Por exemplo, a água Solido
entra em ebulição a 100 ◦ C e à pressão de 1 atm. P
T 3
2. Evaporação: fenômeno que se observa a qualquer tem- Gas
peratura, através da superfı́cie exposta ao meio ambiente.
Vapor
Isso ocorre porque as moléculas com maior velocidade es-
1
capam através da superfı́cie livre do lı́quido. Ao ocorrer
uma evaporação, a temperatura do lı́quido diminui pois
ao escaparem as moléculas com maior velocidade, dimi- θ
nui a energia cinética. Quanto maior a área livre maior a
evaporação.
Figura 2.2: Diagrama de fase tı́pico.
3. Calefação: fenômeno que ocorre a temperaturas acima
da temperatura normal de vaporização. É observável, por
exemplo, ao se deixar cair uma gota d’água numa chapa p
de metal, a uma temperatura acima de do ponto de vapo- 2
rização. Liquido
P
A condensação é a passagem de uma substância da fase ga- C
sosa para a lı́quida. Ela pode ocorrer, também, à temperatura Solido
ambiente. Por exemplo, ao se colocar água gelada num copo, P
T 3
observa-se a condensação do vapor de água do ar na sua parede Gas
externa.
Vapor
1
o

Co
ca

Liquido
ca

nd
ifi

en

θ
lid

sac
Va
So

po
sa

ao
riz
Fu

ac
ao

Sublimacao Figura 2.3: Diagrama de fase da água.


Solido Gasoso
Sublimacao Inversa Sublimação
Abaixo da temperatura do ponto triplo, existe uma curva de-
Figura 2.1: Mudanças de estados: sólido, lı́quido e gás. nominada curva de sublimação, que representa as condições
de pressão e temperatura nas quais uma substância pode pas-
sar diretamente da fase sólida para fase gasosa ou vice-versa
Diagrama de Fases sem se transformar em lı́quido.

Colocando-se em um único diagrama, as curvas de equilı́brio


entre as fases de uma substância pura, tem-se o diagrama de Pense um Pouco!
fases.
O ponto de equilı́brio entre as três fases é denominado ponto • Por que dentro de uma panela de pressão, é possı́vel
triplo ou trı́plice (PT ). manter-se a água na fase lı́quida acima dos 100 C ? Quais
Para o dióxido de carbono (CO2 ), o ponto triplo é definido são os benefı́cios que isso nos traz?
por:
• É possı́vel ferver água à temperatura ambiente? Como?
• temperatura: −56, 6 ◦ C
• pressão: 5 atm Exercı́cios de Aplicação
A água tem o seu ponto triplo definido por:
Para o dióxido de carbono (CO2 ), o ponto triplo é definido 1. (MACK-SP) Assinale a afirmação correta:
por: a) O ponto de fusão e o ponto de ebulição da água aumentam
com o aumento da pressão.
• temperatura: 0, 01 ◦ C b) O ponto de fusão e o ponto de ebulição da água diminuem
com o aumento da pressão.
• pressão: 4, 58 mmHg c) O ponto de fusão da água diminui e o ponto de ebulição da
Quı́mica – Aula 7 139

água aumentam com o aumento da pressão. Ácidos e Bases


d) O ponto de fusão da água aumenta e o ponto de ebulição
da água diminui com o aumento da pressão. Nesta aula serão apresentados dois conceitos quı́micos funda-
e) O ponto de fusão e o ponto de ebulição da água não são mentais: ácido e base.
alterados com o aumento da pressão.

2. (STA. CASA-SP) Quando você assopra a sua pele úmida Ácidos e Bases de Arrhenius
de água, sente que a pele esfria. Isto se deve ao fato de:
a) o sopro arrasta ar mais frio que a pele. Funções Quı́micas são grupos de substâncias com propriedades
b) a pele está mais fria do que a água. semelhantes. As funções inorgânicas são quatro: ácidos, bases,
c) a água é normalmente mais fria do que o ar. sais e óxidos.
d) o sopro é mais frio do que a água. Ácidos são compostos com sabor azedo (vinagre, frutas
e) a água absorve calor da pele para evaporar-se. cı́tricas), que reagem com bases formando sal e água.
Bases são compostos de sabor adstringente (leite de magnésia
3. (ACAFE) Bolinhas de naftalina são colocadas nos roupeiros - M g(OH) ) que reagem com ácidos dando sal e água.
2
para combater as traças pois elas danificam as roupas. Com
Ácidos e Bases atuam sobre indicadores coloridos - substâncias
o tempo as bolinhas diminuem de tamanho. A causa disso
que possuem duas colorações, dependendo do meio em que se
deve-se:
encontram.
a) a sua liquefação.
b) ao consumo da naftalina pelas traças.
Indicador Meio Ácido Meio Básico
c) a sua condensação.
d) a sua fusão. Tornassol Vermelho Azul
e) a sua sublimação. Fenolftaleı́na Incolor Vermelho

Definições de Arrhenius
Exercı́cios Complementares Ácido é qualquer composto molecular que em solução aquosa
sofre ionização liberando como único cátion o ı́on H + ou H3 O+
4. (VUNESP) Indique a alternativa que indica um fenômeno (hidroxônio ou hidrônio).
quı́mico: Exemplos
a) Dissolução de cloreto de sódio em água.
b) Fusão da aspirina.
c) Destilação fracionada de ar lı́quido. HCl + H2 O → H + + Cl−
d) Corrosão de uma chapa de ferro.
HN O3 + H2 O → H + + N O3−
e) Evaporação da água do mar.
H2 SO4 + H2 O → 2H + + SO4−2
5. (ACAFE) Do petróleo podemos extrair vários materiais H3 P O4 + H 2 O → 3H + + P O4−3
importantes para o homem, como a gasolina, o GLP, a para-
fina, o metano e outros. Sobre o petróleo e seus derivados não
Dizemos que o ácido, que era um composto co-valente, na pre-
podemos afirmar:
sença de água ionizou, e formou ı́ons.
a) a gasolina é uma mistura de alcanos.
b) GLP é a sigla para Gás Liqüefeito de Petróleo e é basica- Grau de ionização (α) é a razão do número de moléculas ioni-
mente uma mistura homogênea dos gases propano e butano. zadas para um total de moléculas inicialmente dissolvidas em
c) a parafina é uma mistura de alcanos superiores ou seja de água. A força de um ácido está associada ao maior ou menor
grandes massas moleculares. grau de ionização do mesmo.
d) o petróleo é uma mistura heterogênea.
n.o de moléculas ionizadas
e) o gás metano principal componente do gás natural, conhe- α=
cido como gás do lixo, só pode ser obtido a partir do petróleo. total de moléculas dissolvidas
(ACAFE) Algumas substâncias em contato com a pele, nos
Caracterı́sticas
dão uma sensação de estarem frias. Dentre elas podemos des-
tacar o éter comum. Isso ocorre por que: • Apresentam sabor azedo;
f) o éter ao cair na pele, evapora, e este é um processo
exotérmico. • Tornam vermelho o papel tornassol azul e a fenolftaleı́na
g) o éter ao cair na pele, evapora, e este é um processo en- de vermelha para incolor;
dotérmico.
h) o éter reage endotermicamente com substâncias da pele. • Conduzem corrente elétrica em solução aquosa;
i) o éter sublima. • Quando adicionados ao mármore ou carbonatos, produ-
j) o éter é resfriado. zem uma efervescência com liberação de gás carbônico.

Classificação
Quı́mica Aula 7 Em geral, pode-se classificar os ácidos quanto à:
Presença de Oxigênio
140 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

• Hidrácidos: não apresentam oxigênio na molécula; Nomenclatura dos Ácidos


HCl, HCN, H2 S
Hidrácidos
• Oxiácidos: apresentam oxigênio na molécula.
HN O3 , H2 SO4 , H3 P O4 Nomenclatura: Ácido (nome do elemento)ı́drico.
Quando ionizado, um hidrácido produz ao lado do cátion H +
Número de Hidrogênios Ionizáveis ou H3 O+ , um ânion com terminação eto. Conforme exemplo
abaixo:
+ −
• Mono-ácidos: apenas um hidrogênio ionizável; HCl: Ácido Clorı́drico ⇋ H + Cl : Cloreto. (na presença
HCl, HCN, HN O3 de H2 O)

• Diácidos: dois hidrogênios ionizáveis;


Oxiácidos
H2 S, H2 SO4 , H2 CO3
Nomenclatura: Ácido (nome do elemento)
• Triácidos: três hidrogênios ionizáveis. H3 SO3 , H3 P O4 
oso(menos oxigenado)
ico(mais oxigenado)
Mas tome cuidado: Conforme podemos ver no exemplo abaixo:
H2 SO3 : Ácido Sulfuroso ⇋ 2H + + SO3−2 : Sulfito. (na pre-
sença de H2 O)
H3 P O2 → mono-ácido (um hidrogênio ionizável)
H2 SO4 : Ácido Sulfúrico ⇋ 2H + + SO4−2 : Sulfato. (na pre-
H3 P O3 → diácido (dois hidrogênios ionizáveis) sença de H2 O)

Volatilidade
Bases
• Volátil: todos os hidrácidos;
Bases ou Hidróxidos são substâncias que, ao serem dis-
• Fixo: todos os oxiácidos. solvidas em água, sofrem dissociação iônica, originando
o “ânion”OH − , denominado hidroxila ou oxidrila. Os
Estabilidade hidróxidos são compostos formados por um metal ou um ı́on
positivo, ligado a hidroxila. Observe abaixo a dissociação
• Instável: só existem dois ácidos instáveis; iônica de algumas bases em solução aquosa:

H2 CO3 → H2 O + CO2
H2 SO3 → H2 O + SO2 N aOH → N a+ + OH −
F e(OH)3 → F e+3 + 3OH −
• Estáveis: todos com excessão dos ácidos carbônico e sul- N H4 OH → N H4+ + OH −
furoso.
Caracterı́sticas das Bases
Força
• Apresentam sabor amargo;
• Para Hidrácidos:
• Reagem com os ácidos produzindo sal;
– Fortes: HCl, HI, HBr • Tornam azul o papel tornassol vermelho e a fenolftaleı́na
– Moderado ou Semi-Forte: HF de incolor para vermelha;
– Fracos: HCN, H2 S • Conduzem corrente elétrica em solução aquosa;
• Para Oxiácidos: m = N0 − NH+ • São untuosas ao tato.
– Fraco: quando m = 0;
– Moderado ou Semi-Forte: quando m = 1;
Classificação das Bases
– Forte: quando m = 2; Classifica-se as bases quanto à:
– Muito Forte: quando m = 3.
Número de Hidroxilas (OH − )
– Exemplos:
• Mono-base: possui apenas uma hidroxila. Exemplo:
HCl → m = 0 fraco
KOH;
H2 CO3 → m = 1 moderado
H2 SO4 → m = 2 forte • Dibase: possui apenas duas hidroxilas. Exemplo:
Ca(OH)2 ;
HClO4 → m = 3 muito forte
• Tribase: possui três duas hidroxilas. Exemplo: Al(OH)3 ;
Quı́mica – Aula 7 141

• Tetrabase; possui apenas quatro hidroxilas. Exemplo: Base


P b(OH)4 .
É toda espécie quı́mica (molécula ou ı́on) capaz de doar um
par de elétrons através da ligação coordenada dativa.
Solubilidade em Água

• Solúveis: bases formadas pelas famı́lias 1A, 2A e Exemplo


N H4 OH;

• Insolúveis: todas as demais bases.


AlCl3 (Ácido) + : Cl− (Base) → AlCl4−

Força
Comparando Conceitos
• Forte: quando a base é dissolvida em água, ocorre dis-
sociação iônica quase que totalmente. Bases de metais • Lewis: o mais geral;
alcalinos (1A) e de metais alcalinos terrosos (2A);
• Brönnsted-Lowry: bem amplo;
• Fraca: todas as demais bases.
• Arrhenius: o mais limitado.

Outros Conceitos de Ácidos e Bases • Um ácido ou base de Arrhenius será também de


Brönnsted-Lowry e de Lewis;
Conceitos de Brönsted-Lowry
• Um ácido ou base de Brönnsted-Lowry pode ou não ser
Ácido de Arrhenius, mas será de Lewis;

É toda espécie quı́mica (molécula ou ı́on) capaz de doar um • Existem ácidos e bases de Lewis que não são de Brönnsted-
próton na forma de H + . Lowry nem de Arhenius.

Base
Estequiometria
É toda espécie quı́mica (molécula ou ı́on) capaz de receber um
próton na forma de H + . É o cálculo da quantidade de reagentes necessários e de produ-
tos obtidos numa determinada reação quı́mica. Baseia-se nas
Exemplos Leis de Lavoisier (conservação das massas), Proust (proporção
das massas) e Gay Lussac (proporção de volumes).
Fundamenta-se no fato de que a proporção de mols entre rea-
HCl(Ácido) + H2 O(Base) ⇋ gentes e produtos numa reação é constante, dada pelos coefi-
H3 O+ (Ácido) + Cl− (Base) (2.16) cientes estequiométricos.
N H3 (Ácido) + H2 O(Base) ⇋ Outro fundamento do cálculo estequiométrico é a definição de

N H4 (Ácido) + OH (Base) (2.17) mol.

Par Conjugado Ácido–Base O mol


Chamamos de par conjugado as espécies quı́micas que diferem • Pesa: MMg (MM=Massa Molecular);
entre si por um H + . No exemplo (2.16) temos o seguinte par
conjugado ácido-base: • Possui: 6, 02 × 1023 moléculas;

 • Ocupa: 22, 4 l (gás nas CNTP).



 HCl − (ácido forte)

(grande facilidade doar elétrons)
Exemplo

 Cl− − (base fraca)

(pequena facilidade de receber elétrons) Dada a reação de combustão da acetona:

Isso explica por que a reação tende para o sentido direito, ou C3 H6 O → CO2 + H2 O
seja, da esquerda para direita.
Balanceando a equação pelo método das tentativas, chegare-
Conceito de Lewis mos aos seguintes coeficientes menores e inteiros:

Ácido
1 C3 H6 O (1 mol) + 4 O2 (4 mols) →
É toda espécie quı́mica (molécula ou ı́on) capaz de aceitar um
par de elétrons através da ligação coordenada dativa. 3 CO2 (3 mols) + 3 H2 O (3 mols)
142 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Pense um Pouco! d) cálcio


e) sódio
• O que você entende por chuva ácida? Ela pode trazer
6. Temos a seguinte equação:
algum malefı́cio à vida humana?
2O3 → 3O2
• Enumere algumas substâncias ácidas e básicas de uso
diário. Os números 2 e 3 que aparecem ao lado esquerdo da equação
representam, respectivamente:
a) coeficiente estequiométrico e número de átomos da molécula
Exercı́cios de Aplicação b) coeficiente estequiométrico e número de moléculas
c) número de moléculas e coeficiente estequiométrico
1. Um tanque de automóvel está cheio com 60 litros de álcool d) número de átomos da molécula e coeficiente este-
hidratado (96% álcool). A densidade é de 0, 9 g/ml. Dada sua quiométrico
equação de combustão completa e) número de átomos da molécula e número de moléculas

1C2 H5 OH + 3O2 → 2CO2 + 3H2 O

indique:
Quı́mica Aula 8
a) a massa da água obtida ao queimar-se todo o álcool do
tanque;
b) o volume de gás carbônico que sai do escapamento, supondo
combustão completa. Soluções Quı́micas
2. (ACAFE) Em regiões industriais o anidrido sulfuroso
(SO2 ), resultante da queima de combustı́veis fósseis, dá origem Concentração
à chuva ácida na atmosfera devido a sua oxidação e contato Você já reparou, por exemplo, que numa dada quantidade de
com a precipitação pluviométrica. Em relação a estas regiões, água podemos dissolver quantidades menores ou maiores de sal
a alternativa falsa é: comum, desde que evidentemente, não ultrapassemos o ponto
a) São Paulo e Cubatão são exemplos de cidades onde a in- de saturação.
cidência de chuvas ácidas é bastante acentuada;
Pois bem, chama-se concentração de uma solução a toda
b) Ocorre uma oxidação dos portões de ferro com uma inten-
e qualquer maneira de expressar a proporção existente numa
sidade bem maior que em regiões distantes das regiões indus-
dada solução.
triais;
c) As plantações são bastante afetadas, pois a chuva diminui Usaremos a seguinte convenção:
o pH do solo, retardando o crescimento das mesmas; ms → massa do soluto
d) A vegetação pode vir a secar completamente, caso o perı́odo
msv → massa do solvente
das chuvas seja prolongado;
e) Não é recomendada a utilização de portões de alumı́nio por- mt → massa do solução
que este é atacado pela chuva ácida. onde
3. (FUVEST) Um elemento metálico M forma um cloreto de mt = ms + msv (2.18)
fórmula M Cl3 . A fórmula de seu sulfato é:
a) M2 SO4 Tı́tulo τ
b) M SO4
c) M2 (SO)3 É o quociente de massa do soluto pela massa total da solução
d) M (SO)4 (soluto + solvente).
e) M (SO)3 ms
T = (2.19)
msv
ou
Exercı́cios Complementares τ=
ms
(2.20)
ms + msv
4. (COMVESUMC) O ácido que corresponde à classificação sendo o tı́tulo uma grandeza adimensional.
mono-ácida, oxiácido, e ternário é:
a) HN O3 Porcentagem em Massa P
b) H2 SO4
c) H3 P O4 É o quociente da massa do soluto (multiplicado por 100) pela
d) HCl massa total da solução (soluto + solvente).
e) HCN O
ms
5. O amonı́aco usado para fins de limpeza é uma solução P = × 100% (2.21)
aquosa de amônia que contém ı́ons: mt
a) hidroxila onde a relação entre porcentagem em massa e tı́tulo é
b) sulfato
c) nitrato P = τ × 100% (2.22)
Quı́mica – Aula 8 143

Concentração Comum C Normalidade


É o quociente da massa do soluto (emgramas), pelo volume É o número de equivalentes-gramas do soluto dividido pelo
da solução (emlitros). volume da solução em litros.
ms NE
C= (2.23) N= (2.29)
V V
onde a relação entre a concentração comum, tı́tulo e densidade Observação: a melhor maneira de se calcular a normalidade
da solução é é a partir da molaridade, usando a expressão:

C = d · τ · 1000 (2.24) N = M ·x (2.30)

Onde:
Resumo das Principais Equações
C → Concentração Comum (g/l) Relações das Massas
d → Densidade (g/ml)
τ → Tı́tulo m = m1 + m2

Número de Mols
Molaridade M m1
n1 =
Concentração em M ol/l ou Molaridade M é o quociente do mol1
número de mols do soluto pelo volume da solução (em litros).
Sendo: Densidade
m
ns → número de mols do soluto d=
V
d → massa do soluto (g)
Ms → massa molar do soluto (g) Tı́tulo
V → volume da solução (l) m1
T =
M → molaridade (mols) m

Porcentagem em Massa
m1
ns P = 100 ·
M= (2.25) m
V
onde
ms Concentração (g/l)
ns = (2.26)
Ms m1
C=
V
Equivalente-Grama
Molaridade
É a massa molar do soluto dividida pela carga total do cátion
n1
ou do ânion de uma substância. M=
V

M Molalidade (mol/kg) de solvente


E= (2.27)
x n1
W =
m2
sendo

M → massa molar Concentração em Equivalentes-Gramas


x → carga do cátion ou ânion Ne1
+
N=
o
Para um ácido: x → n de H V
Para um base: x → no de OH −
Número de Equivalentes-Gramas
m
Número de Equivalentes-Gramas Ne1 =
E
Corresponde a massa da amostra pelo equivalente-grama da
substância. Equivalentes-Gramas
ms mol
NE = (2.28) E=
E x
144 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Pense um Pouco! c) 20 mol/l


d) 0, 5 mol/l
• Pense em possı́veis aplicações dos conceitos apresentados e) 0, 06 mol/l
até aqui, referentes a soluções e cite alguns exemplos.
• Se fervermos uma solução de água+sal, e a água for eva-
porando, o que acontece com as propriedades da solução
(M , τ , P , etc)?
Quı́mica Aula 9

Exercı́cios de Aplicação
Equilı́brio Iônico
1. (ACAFE) A massa de BaCl2 necessária para preparar 25
litros de solução 0, 1 M deste sal será:
É um equilı́brio quı́mico em que aparecem ı́ons. Ocorre com
a) 208 g
ácidos bases e os sais, considerados eletrólitos.
b) 520 g
c) 260 g
d) 416 g
Exemplos
e) 71 g
2. (ACAFE) A uréia, N H2 CON H2 , é um produto do meta- HCN ←→ H + + CN −
bolismo de proteı́nas. Que massa de uréia é necessária para
preparar 500 ml de uma solução 0, 20 M ?
a) 5, 1 g no de moles dissociados
b) 12, 0 g α=
no inicial de moles
c) 18, 0 g
d) 24, 0 g ou seja
e) 6, 0 g α = grau de dissociação iônica
3. (ACAFE) A concentração de N aCl na água do mar é de A constante de ionização segue a Lei de Guldeberg-Waage.
0, 43 mol/l. O volume em l, de água do mar que deve ser
evaporado completamente para a produção de 5 kg de sal de
HCN ←→ H + + CN −
cozinha é aproximadamente:
a) 12 l
b) 25 l [H + ].[CN ]
Ka =
c) 40 l [HCN ]
d) 200 l
Ka = constante de dissociação iônica para ácidos,
e) 430 l
Kb = para bases
pKa = −logKa
Exercı́cios Complementares Ka = 4, 0 × 10−10
pKa = −log(4, 0 × 10−10 )
pKa = 9, 4
4. (ACAFE) Para uma solução a 20 % em massa e densidade Quanto maior α → maior ionização → maior é o numerador
4 g/ml, calcule a concentração em g/l. na expressão da constante → maior é K.
a) 80 g/l
A partir da expressão de Ka , quanto mais ionizado o ácido se
b) 800 g/l
encontra:
c) 8 g/l
d) 8000 g/l
- maior a quantidade de ı́ons em solução;
e) 400 g/l
5. (ACAFE) Uma gota de água ocupa um volume aproxi- - menor a quantidade de ácido não-ionizado;
mado de 0, 0500 ml. Sabendo-se que a densidade da água é
1, 00 g/cm3 . O número de moléculas por gota de água será: - maior o valor de Ka .
a) 1, 67 × 1021
b) 1, 67 × 1023 A força de um ácido é medida pela sua capacidade de produzir
c) 6, 00 × 1023 ı́ons H + em solução aquosa. Portanto, quanto maior o valor
d) 6, 00 × 1021 de Ka :
e) 3, 00 × 1021
6. Uma solução de AgN O a 1, 00 % em água é utilizada - maior a capacidade de ionização do ácido;
3
para tratar os olhos de recém-nascidos. Sendo a densidade da
solução 1, 08 g/ml, a sua molaridade em mol/l é: - maior quantidade de ı́ons H + produzida;
a) 1, 0 mol/l
b) 0, 10 mol/l - maior é a força do ácido.
Quı́mica – Aula 9 145

Lei da Diluição de Ostwald Você Sabia?


Vamos ver o que ocorre com o grau de ionização (α) ao fazer- O odor do peixe é causado pela presença de aminas proveni-
mos uma diluição da solução por acréscimo de solvente. Para entes da decomposição de algumas proteı́nas do peixe. Estes
isso, consideremos a ionização de um ácido HA: compostos orgânicos são básicos e, portanto, para retirar o seu
cheiro desagradável das mãos, basta adicionar um ácido, como
+ o vinagre ou limão. Uma das aminas causadoras do odor é a
HA(aq) ←→ H(aq) + A− (aq) metilamina, que apresenta o seguinte equilı́brio:

Inı́cio n 0 0 CH − N H2 +H2 O ←→ CH3 − N H3+ + OH−


| 3 {z } | {z }
Equilı́brio n-x x x Metilamina Base
o
n de moléculas ionizadas A adição de ácidos desloca o equilı́brio para a direita, elimi-
α=
no de moléculas adicionadas nando o odor causado pela amina.
x/n = x = αn
Pense um Pouco!
[H + ] = x/V = nα/V
• O grau de dissociação iônica do ácido acético, em solução
[A− ] = x/V = nα/V 0,02 molar, é de 3% a 25 ◦ C. Calcule a constante de
ionização α desse ácido à 25 ◦ C.
[HA] = n − x/V = n − nα/V = n(1 − α)/V

[H + ] [A− ] nα/V ∗ nα/V Exercı́cios de Aplicação


Ka = = n(1−α)
[HA]
V
1. (Acafe-SC) Assinale a alternativa que corresponde ao grau
nα ∗ nα V de ionização do ácido cianı́drico, HCN, numa solução 0,01 mo-
Ka = ∗ lar, sabendo que a sua constante de ionização é de 4.10-10 (
VV n(1 − α)
considerar 1 − α = 1).
a) 0, 02
nα2
Ka = b) 2 × 104
−(1 − α) c) 2 × 10−4
d) 4 × 10−2
Cnα2 e) 4 × 10−4
Ka =
1−α
2. (UFSM-RS) Considere as constantes de ionização dos
Esta expressão representa a Lei de Diluição de Wilhelm ácidos I, II e III:
Ostwald (1853-1932), quı́mico alemão. KI = 7, 0 × 10−5 ,
Vejamos como interpretar essa lei. KII = 1, 0 × 10−7 ,
Considerando uma diluição por acréscimo de solvente, temos KIII = 2, 0 × 10−9
que, se o volume aumenta, devido ao acréscimo de solvente, a Colocando-se em ordem crescente de acidez, tem-se:
concentração em quantidade de matéria diminui: a) I, II e III.
b) I, III e II.
c) II, III e I.
n/V = Cn −→ V aumenta ←→ Cn diminui d) III, I e II.
e) III, II e I.
admitindo um aumento indefinido de volume, ou seja, V ten-
dendo ao infinito, Cn vai tender a zero. Então, na expressão 3. (UDESC) Somente tem significado definir constante de io-
da lei, se Cn tende à zero, Cnα2 também tende à zero: nização para:
a) Ácido fortes.
Cnα2 2 b) Bases fortes.
Ka = = Cnα = Ka (1 − α)
1−α c) Sais solúveis em água.
d) Eletrólitos fracos em soluções concentradas.
se Cnα2 tende a zero, então Ka (1 − α) também tende à zero e) Eletrólitos fracos em soluções diluı́das.
(Ka é constante). Logo:
Ka (1 − α) tende a 0 −→ 1 − α tende a zero −→ −α tende a
-1 −→ α tende a 1. Exercı́cios Complementares
O fato de o grau de ionização tender a 1 significa que a
ionização tende a ser total (100%), ou seja, o número de 4. (PUC-SP) Na temperatura ambiente, a constante de io-
moléculas ionizadas tende a ser igual ao de moléculas adici- nização do ácido acético é 1, 80 × 10−5 . Determine a molari-
onadas: α = x/n, x = nα, x = n, (α = 1) dade da solução onde o ácido se encontra 3% dissociado.
“O acréscimo de solvente de uma solução, ou seja, uma di- a) 1, 94 × 10−2 molar.
luição, provoca um aumento do grau de ionização”. b) 3, 00 × 10−2 molar
146 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

c) 5, 82 × 10−4 molar
d) 5, 40 × 10−5 molar
e) 5, 40 × 10−7 molar
5. (USP-SP) O grau de ionização do ácido acético (HAc),
numa solução 0,5M, é de 6 × 10−1 %. Calcule a constante de
ionização desse ácido.
6. (UDESC) O peixe crú, preparado com suco de limão ou
vinagre, é consumido em diversos paı́ses. Esse prato é fácil
digestão, porque o suco de limão ou vinagre:
a) Forma solução básica e não hidrolisa as proteı́nas do peixe.
b) Forma solução ácida e não hidrolisa as proteı́nas do peixe.
c) É solução básica e hidrolisa as proteı́nas do peixe.
d) Forma a solução ácida e hidrolisa as proteı́nas do peixe.
Quı́mica B – Aula 1 147

Método Cientı́fico
Quı́mica B Aula 1 Desenvolvido por Galileu Galilei o método cientı́fico é a base de
¯
toda a Ciência, pois sintetiza o conjunto de atividades que vi-
sam observar, experimentar, explicar e relacionar os fenômenos
da natureza, criando leis, teorias e modelos cada vez mais ge-
rais, que nos permitam prever e controlar os fenômenos futu-
O que é Quı́mica? ros.
Observação → Hipóteses → Experimentação →
Quı́mica é a ciência que estuda a natureza da matéria, suas Medição → Leis experimentais → Modelo cientı́fico
propriedades, suas transformações e a energia envolvida nesses
processos. Fenômenos Quı́micos e Fı́sicos
A quı́mica está presente em toda matéria orgânica e
inorgânica, natural e artificial e tem contato diário e direto Fenômeno é qualquer acontecimento da natureza. Quando
com o homem. ocorre um fenômeno, uma transformação, há alteração no sis-
tema do estado inicial ao estado final.

Um Pouco de História...
Antoine Lavoisier (1743−1794)
Podemos dizer que tudo começou com o homem primitivo,
quando ele aprendeu a “produzir o fogo”, a coser seus alimen-
tos, a fazer tintas para se pintar, a usar plantas como remédio Figura 2.1: O pai da Quı́mica: Lavoisier (1743-1794)
para suas doenças, etc. No começo da era cristã, surgiram os
chamados alquimistas, que sonhavam em descobrir o “elixir
da longa vida”, aperfeiçoaram técnicas de metalurgia, intro- Fenômeno Fı́sico
duziram a quı́mica medicinal, sintetizaram várias substâncias,
isolaram outras, além de terem registrado um grande número É qualquer transformação sofrida por um material sem que
de experimentos em suas observações. ocorra alteração de sua constituição ı́ntima de seus consti-
A partir do século XVII, a ciência se transforma, tornando-se tuintes. Ex: o amassar do papel, evaporação da água, quebra
mais experimental e menos filosófica. Dentre os cientistas com de um objeto.
essa nova proposta, destacam-se o inglês Robert Boyle(1627-
1691)- com seus estudos sobre o comportamento dos gases, a Fenômeno Quı́mico
distinção entre mistura e “combinação”, e o francês Antoine
Laurent Lavoisier (1743-1794) publicou (Tratado elementar de É qualquer transformação sofrida por um material de modo
Quı́mica) que estabeleceu um marco na quı́mica moderna, no que haja alteração na sua constituição ı́ntima de seus cons-
qual podemos destacar o Princı́pio da Conservação da Massa, a tituintes. Ex: oxidação do ferro (formação da ferrugem), apo-
descoberta do elemento oxigênio e sua análise quantitativa da drecimento de um alimento.
composição da água. Por seu trabalho, Lavoisier é considerado
o “pai da Quı́mica”.
Pense um Pouco!
A Importância da Quı́mica • Fatos comuns envolvendo materiais e transformações
quı́micas são de conhecimento recente ou antigo?
Podemos dizer que tudo à nossa volta é quı́mica, pois todos os
• Quais as atividades do seu dia em que a quı́mica está
materiais que nos cercam passaram ou passam por algum tipo
presente?
de transformação. A quı́mica proporciona progresso, desenvol-
vimento e através do uso dela que suprimos as necessidades:
O uso de materiais de limpeza e higiene, roupas de fios artifici-
ais, desenvolvimento da indústria farmacêutica, fertilizantes e
Exercı́cios de Aplicação
pesticidas para plantação, produtos industrializados cuja ob-
tenção depende de transformações quı́micas como plásticos, 1. (U.E.CE) Assinale a alternativa correta:
vidros, tintas, cimento etc. a) Oxidação do ferro é um fenômeno fı́sico
148 Apostila Preparatória para o Vestibular Vocacionado UDESC — http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

b) Fusão do chumbo é um fenômeno quı́mico. Corpo é qualquer porção limitada da matéria. Se uma porção
c) Combustão da madeira é um fenômeno quı́mico. de matéria se presta a um certo uso, ela é chamada de objeto
d) Queima do papel é um fenômeno fı́sico. ou sistema.
e) n. d. a. Durante a queima de uma vela (matéria), ela se desgasta, pro-
duzindo fumaça (matéria: fuligem e gases) e liberando energia
2. (UFSC) Indique na relação abaixo os fenômenos fı́sicos (F)
(luz: energia luminosa; calor: energia calorı́fica).
e os fenômenos quı́micos (Q).
a) ( ) Queima da gasolina nos motores dos carros Desse modo, podemos conceituar energia como tudo aquilo que
b) ( ) Digestão dos alimentos ingeridos pode modificar a estrutura da matéria, provocar ou anular mo-
c) ( ) Formação de ferrugem vimentos e, ainda, iluminar aquecer e resfriar pode até causar
d) ( ) Quebra de um objeto sensações.
e) ( ) Enfiar um prego na madeira Princı́pio da conservação de matéria e energia: A matéria e
f) ( ) Derretimento de um iceberg energia não podem ser criadas nem destruı́das; podem somente
ser transformadas.
3. (UFPR) Aquecer uma barra de ferro até o ponto de fusão,
recolher o lı́quido em uma forma esférica, transformando a
barra em uma bola de ferro, é exemplo de fenômeno: Lei da Conservação da Massa
a) Quı́mico, pois altera a forma da barra de ferro.
b) Fı́sico, pois a substância continua sendo ferro. ”A soma das massas dos reagentes é igual a soma das
c) Fı́sico-quı́mico, pois há alteração na forma da substância. massas dos produtos”.
d) Não é exemplo de fenômeno. Ou ainda,
e) n. d. a. ”Na natureza, nada se cria, nada se perde; tudo se
transforma”.

Exercı́cios Complementares
Estados da Matéria
4. (F.E.-SP) Sejam os seguintes fenômenos: I. sublimação Existem vários tipos de matéria e cada um é chamado de
da naftalina, II. formação da ferrugem, III.queima do álcool substâncias que podem se apresentar num dos três estados
comum, IV.fusão do gelo. São quı́micos: fı́sicos:
a) todos
b) nenhum
Sólido (S)
c) somente II e III
d) somente I e III A substância apresenta forma e volume constantes (partı́culas
e) somente II e IV fortemente unidas, bem arrumadas e com movimento vi-
bratório discreto);
5. (MACKENZIE-SP) I. Fusão do gelo, II. Sublimação do
iodo, III. Digestão dos alimentos, IV. Queima de madeira. São
exemplos de fenômenos: Lı́quido (L)
a) I e II quı́micos
b) I e IV fı́sicos A substância apresenta forma variável e volume constante
c) II e III fı́sicos (partı́culas levemente unidas, havendo certa liberdade de mo-
d) II e IV quı́micos vimento);
e) III e IV quı́micos
Gasoso (G)
6. (UDESC) Aquecendo uma fita de magnésio até a com-
bustão, notamos o desprendimento de fumaça, restando um A substância apresenta forma e volume variados (partı́culas li-
pó branco. Isso é exemplo de fenômeno: vres umas das outras, havendo total liberdade de movimento);
a) Fı́sico, pois alterou a estrutura do magnésio.
b) Quı́mico, pois houve a formação de novas substâncias.
c) Fı́sico, pois podemos juntar o pó branco e a fumaça, recu- Mudanças de Estado
perando o magnésio.
d) Não é exemplo de fenômeno. • Fusão (S → L): a substância funde à temperatura fixa
e) n. d. a. (ponto de fusão) a uma certa pressão. Ex.: o gelo funde
à 0◦ C ao nı́vel do mar.

• Solidificação (L → S): a substância solidifica à uma


Quı́mica B Aula 2 temperatura fixa igual ao ponto de fusão, já que o pro-
cesso é inverso ao da fusão. Ex.: o congelamento da água
também ocorre à 0◦ C ao nı́vel do mar, quando a tempe-
ratura está baixando;

Matéria e Energia • Vaporização (L → G): é a passagem de uma substância


do estado lı́quido para o estado de gás, que ocorre quando
Matéria é tudo aquilo que tem massa e ocupa lugar no espaço, suas moléculas atingem o seu chamado ponto de ebulição.
ou seja, têm volume. Pode ocorrer de três modos:
Quı́mica B – Aula 2 149

1. Evaporação: ocorre à temperatura ambiente é lenta • Substância Simples: são substâncias formadas por
e espontânea (ex: a água de um lago evapora com o átomos de um amesmo mesmo elemento quı́mico, e que
calor do s