P. 1
abastecimento de água

abastecimento de água

|Views: 455|Likes:
Publicado pornumoaver

More info:

Published by: numoaver on May 27, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/06/2012

pdf

text

original

ABASTECIMENTO DE ÁGUA

ABASTECIMENTO DE ÁGUA

Nas comunidades de pouca densidade populacional, a implantação de uma rede de abastecimento de água se tornaria pouco econômica, já que seriam necessários muitos quilômetros de canalização para servir a poucas pessoas. Em situações como esta, podemos lançar mão do abastecimento individual. Geralmente tais soluções são usadas em zonas rurais. O único critério técnico de determinação de qual modo de abastecimento devemos usar deve ser o da densidade populacional, haja vista que o financiamento do sistema deve ser governamental.

ABASTECIMENTO DE ÁGUA

O primeiro passo na construção de um sistema de abastecimento é a escolha do manancial. A coleta de água de chuva – águas meteóricas – para o abastecimento é indicada tanto para zonas de alta pluviosidade como para áreas com baixo índice pluviométrico. No primeiro caso, face à facilidade e economia. No segundo caso, em função de se obter, pelo menos, água para a bebida e para a cocção de alimentos

Embora seja possível construirmos uma superfície para a coleta de água, o mais comum é a utilização dos telhados, recolhendo a chuva através das calhas.

Deve-se desprezar a água dos primeiros minutos de chuva, a qual “limpará” a atmosfera dos gases e materiais em dissolução e também servirá para lavar o telhado e os condutos.

A cisterna consiste em um reservatório protegido que acumula a água captada em condições higiênicas.

Em locais onde há pouca mão de obra especializada, utilizamos cisternas não enterradas. Pode ser construída de tambores de óleo ou construído de argamassa, tijolos ou placas pré-modadas.

Aqüífero ou lençol subterrâneo ou ainda lençol d’água é uma unidade geológica saturada de água, e que pode estar situada acima ou abaixo da primeira camada impermeável, sendo denominado, respectivamente de artesiano ou freático.

O de uso mais difundido, principalmente nas pequenas propriedades rurais, é o lençol freático. As águas provenientes deste lençol apresentam nível variável e, por estarem próximas à superfície do terreno são de fácil contaminação. Por isso, há necessidade de se proteger o manancial, quer com respeito ao local, quer quanto a sua localização conveniente, além de alguns cuidados construtivos das instalações.

O uso do lençol freático tem como vantagem que : se tomarmos as devidas precauções, podemos obter água próxima à casa, de boa qualidade e com baixo custo. Por outro lado, temos a desvantagem de necessitar de um sistema de retirada da água ou bombeamento e a possibilidade de conter certas substâncias dissolvidas.

POÇOS RASOS Os chamados poços rasos têm tal denominação por atingirem o lençol superficial e não em função de sua eventual profundidade. Há três tipos de poços freáticos : Poços escavados manualmente Poços perfurados por meio de trados e brocas Poços cravados

POÇOS RASOS CONDICIONANTES PARA A UTILIZAÇÃO :

Boa capacidade do aqüífero Localização no ponto mais elevado do lote Situação a mais distante possível de focos de contaminação.

POÇOS RASOS

privadas secas, tanques sépticos e linhas de esgoto : 15 m fossas absorventes, estábulos e currais : 30 m fossas negras : 45 m

POÇOS RASOS cerca contra o acesso de rebanhos : 30 m de distância A fonte de suprimento deve estar em cota superior à fossa

POÇOS RASOS Durante a construção devemos ter os seguintes cuidados : Proteção contra o desmoronamento das paredes ; Proteção contra intoxicação por gases; Proteção dos operários contra queda de materiais ; Proteção contra afogamento;

PROTEÇÃO DE POÇOS RASOS

proteção contra águas de enxurrada :

PROTEÇÃO DE POÇOS RASOS

Construção de uma caixa de poço :

PROTEÇÃO DE POÇOS RASOS

proteção contra infiltração de águas pelas paredes laterais:

PROTEÇÃO DE POÇOS RASOS

as paredes laterais devem ser impermeabilizadas até 3 m:

PROTEÇÃO DE POÇOS RASOS

proteção contra entrada pela boca de objetos contaminados, animais, balde, detritos ... :

PROTEÇÃO DE POÇOS RASOS cobertura com tampa selada Meio elevatório adequado

PROTEÇÃO DE POÇOS RASOS

proteção contra contaminação do próprio lençol :

PROTEÇÃO DE POÇOS RASOS

Localização adequada

FONTES :

São afloramentos do lençol dágua, podendo surgir em encostas de morros – fontes de afloramento - ou no fundo de vales – fontes de emergência .

FONTES : Aproveitamento de fontes de afloramento : caixa de tomada

FONTES : Aproveitamento de fontes de emergência : rede de drenagem subsuperficial ou construção de um poço raso.

POÇOS ARTESIANOS OU PROFUNDOS São assim denominados por atingirem os aquíferos confinados, abaixo da primeira camada impermeável.

POÇOS ARTESIANOS OU PROFUNDOS Apresentam as seguintes vantagens : Maior vazão e regularidade do fluxo, sendo utilizados como manancial de sistemas públicos em muitas cidades; Melhor qualidade da água, que muitas vezes dispensa tratamento .

O principal problema é o alto custo de sua perfuração.

POÇOS ARTESIANOS OU PROFUNDOS Sua perfuração pode ser através de : Perfuratrizes de percussão : mais lentas e mais resistentes; Perfuratrizes de rotação : mais rápidas porém exigem mais conhecimentos técnicos do operador. A proteção é feita por tubos galvanizados e a abertura é selada.

ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA :
Sua implantação depende da densidade populacional, mas em países mais desenvolvidos, vilas com menos de mil habitantes dispõem destes sistemas.

PARTES CONSTITUINTES DE UM SISTEMA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : 1 – MANANCIAL : Fonte de água que abastecerá o sistema. Para grandes cidades, usualmente se utiliza águas de superfície (em geral uma bacia hidrográfica) mas, dependendo das circunstâncias pode-se utilizar águas de subsolo ou mesmo meteóricas. Quando há mais de uma fonte, a escolha é feita levando-se em conta não só a quantidade e a qualidade da água, mas também aspectos econômicos, como custo inicial, operacionalidade e manutenção.

PARTES CONSTITUINTES DE UM SISTEMA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : 2 – CAPTAÇÃO : Conjunto de equipamentos e instalações utilizados para a tomada da água. Muitas vezes inclui o represamento de rios e a formação de lagos artificiais, possibilitando um projeto conjunto com outras atividades econômicas, como hidroelétricas, piscicultura ou irrigação.

Captação através de estrutura :

Captação através de estrutura

barreira flutuante que impede a chegada de detritos

Captação direta :

PARTES CONSTITUINTES DE UM SISTEMA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : 3 – ADUÇÃO :

É a operação que visa transportar a água do manancial à Estação de Tratamento de Água e desta à rede de distribuição. É feito através de condutos denominados Adutoras.

adutora que leva água à estação

adutoras que conduzem a água já tratada para a cidade

PARTES CONSTITUINTES DE UM SISTEMA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : 4 – RESERVAÇÃO : É a acumulação de água com o objetivo de : Atender variações circadianas do consumo; Manter a pressão constante ou pelo menos uma pressão mínima no sistema; Atender variações sazonais do consumo; Atender situações de rupturas da rede, tratamento... emergência como incêndios, problemas na captação e

PARTES CONSTITUINTES DE UM SISTEMA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : 4 – RESERVAÇÃO : Segundo sua posição , os reservatórios podem ser :

Reservatório de Montante – é colocado antes ou no início da rede de distribuição e toda a alimentação do sistema é feita através dele, o que permite manter a pressão constante. No entanto, torna-se caro pois seu dimensionamento deve atender aos picos de demanda, e é problemático por ser o único ponto de alimentação do sistema.

PARTES CONSTITUINTES DE UM SISTEMA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : 4 – RESERVAÇÃO : Segundo sua posição , os reservatórios podem ser :

Reservatório de Jusante – é colocado ao final ou em pontos estratégicos do sistema. Em horários de pouca demanda, o excesso de água bombeada é armazenado e, nos momentos de maior consumo ou em situações de emergência, passa a ser um segundo ponto de alimentação da rede, além de permitir maior estabilidade da pressão.

PARTES CONSTITUINTES DE UM SISTEMA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : 4 – RESERVAÇÃO : Os reservatórios podem ser : a) Elevados sobre torres : objetivam permitir maior pressão. b) Enterrados ou semi-enterrados : são bastante econômicos c) Stand – pipes : tubulões metálicos que podem ser usados como alternativa provisória para aumentar a pressão.

PARTES CONSTITUINTES DE UM SISTEMA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : 4 – RESERVAÇÃO : Os reservatórios podem ser : a) Reservatórios de Acumulação : são grandes lagos, geralmente formados a partir de uma represa, que têm por função estabilizar o fluxo do manancial

PARTES CONSTITUINTES DE UM SISTEMA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : 5 – REDE DE DISTRIBUIÇÃO : Podem ser : a) Em espinha de peixe :

PARTES CONSTITUINTES DE UM SISTEMA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : 5 – REDE DE DISTRIBUIÇÃO : Podem ser : a) Rede malhada :

PARTES CONSTITUINTES DE UM SISTEMA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : 5 – REDE DE DISTRIBUIÇÃO : Podem ser : a) Rede em anel:

PARTES CONSTITUINTES DE UM SISTEMA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : 6 – ELEMENTOS ACESSÓRIOS a) Registros de descarga b) Ventosas c) Caixas de registro de manobra d) Hidrantes e) Hidrômetros

PARTES CONSTITUINTES DE UM SISTEMA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : 6 – ELEMENTOS ACESSÓRIOS a) Rede domiciliar – tubulação que liga o ramal da rua ao interior dos domicílios e dentro destes, aos diversos cômodos. Quando mal feita, pode ser responsável pela contaminação do sistema e fonte de epidemias, face às ligações cruzadas ou seja, ligações que permitem às águas de esgoto drenar para o sistema de abastecimento. e) Reservatório domiciliar – São as cisternas ( em geral, enterradas ) e as caixas d’água ( em geral, suspensas ). É o principal ponto de contaminação do sistema, face à pouca preocupação com sua manutenção e com a limpeza periódica (embora esta seja obrigatória por lei na maior parte das cidades, como no Rio de Janeiro, onde é obrigatória a cada seis meses). Devem ser tampadas.

PARTES CONSTITUINTES DE UM SISTEMA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : 7 – POÇOS CHAFARIZES, BANHEIROS E TORNEIRAS PÚBLICAS

ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : SISTEMA DE COBRANÇA DA TAXA D’ÁGUA Torneira livre – Taxa única, estipulada arbitrariamente. Este sistema é o que propicia maior desperdício de consumo. É geralmente utilizado em condomínios, em que o valor da conta d’água é rateado pelos moradores, proporcionalmente à taxa de condomínio; Pena D’água – O valor da taxa é estipulado proporcionalmente ao número de habitantes ou à área construída ou ainda ao número de pontos de consumo;

ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : SISTEMA DE COBRANÇA DA TAXA D’ÁGUA Água medida – O consumo é medido por um hidrômetro e o consumidor paga pela quantidade consumida acima de um mínimo estipulado. Embora seja o que melhor evita o desperdício, tem um alto custo inicial, podendo chegar a até 50 % do custo de implantação. Seu uso deve, portanto, ser criteriosamente estudado.

ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : MÉTODOS DE TRATAMENTO : 1 – Fervura : É o método mais seguro de tratamento para água de beber, em áreas desprovidas de tratamento em estações. É um hábito que se deve incutir na população sempre que a água local não mereça confiança ou em épocas de epidemias ou em emergências e catástrofes. 2 – Aeração : Objetiva devolver o sabor a águas subterrâneas que são ricas em ferro ou que apresentem baixo teor de oxigênio dissolvido. Pode ser usada para melhoria da qualidade biológica e é empregada como parte de tratamentos mais complexos

ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : MÉTODOS DE TRATAMENTO : 3 – Sedimentação simples : A água tem grande poder de dissolver e de carrear substâncias. Este poder aumenta com a velocidade da mesma. A sedimentação simples é, em geral, uma etapa preliminar até mesmo da filtragem e consiste em se diminuir a velocidade da água, fazendo-a percorrer um caminho de largura muito maior que a que vem percorrendo. Ao longo deste caminho percorrido lentamente pela água deposita-se o material em suspensão. Daí o nome “caixa de areia” ou desarenadores dado a este equipamento.

ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : MÉTODOS DE TRATAMENTO : 4 – Filtração lenta : A filtração consiste em um processo de tratamento no qual a água, ao passar por um meio poroso, deixa certo tipo de impurezas. Os meios filtrantes mais usados são a areia, antracito, granada, lã, algodão e lã de vidro. Tem função mecânica e bactericida. 5 – Filtração rápida : São assim denominados os filtros projetados para processar de 120 a 250 m3 de água por m2 de área filtrante, por dia. Diferentemente dos filtros lentos, neste caso é necessário um tratamento químico prévio à filtração.

ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : TRATAMENTO EM ESTAÇÕES:

1 – Misturador rápido

ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : TRATAMENTO EM ESTAÇÕES:

1 – Floculador

ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : TRATAMENTO EM ESTAÇÕES:

1 – Decantador

ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : TRATAMENTO EM ESTAÇÕES:

1 – Decantador

ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : TRATAMENTO EM ESTAÇÕES:

1 – Decantador

ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : TRATAMENTO EM ESTAÇÕES:
Prof. Getúlio !

2 – Filtros

ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : TRATAMENTO EM ESTAÇÕES:

2 – Filtros

ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : TRATAMENTO EM ESTAÇÕES:

lavagem do filtro

2 – Filtros

ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : TRATAMENTO EM ESTAÇÕES:

3 – Desinfecção e fluoração

ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA : TRATAMENTO EM ESTAÇÕES: 4 – Remoção da dureza 5 – Remoção do ferro e outros sais mais complexos 6 – Remoção da acidez excessiva, controle do pH 7 – Remoção de odores e sabores desagradáveis

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->