P. 1
Gravuras Rupestres No Rio Negro - EIAA I - 2008

Gravuras Rupestres No Rio Negro - EIAA I - 2008

|Views: 766|Likes:
Publicado porRaoni Valle

More info:

Categories:Types, Research, History
Published by: Raoni Valle on May 28, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/24/2013

pdf

text

original

Registros rupestres do rio Negro

,
Amazônia Ocidental panorama preliminar

Raoni Valle

319
presentamos aqui alguns dados preliminares sobre o panorama dos registros rupestres (petroglifos ou gravuras rupestres) que vêm sendo encontrados na bacia do rio Negro. Trata-se de uma área pouco conhecida da arqueologia amazônica, onde se está desenvolvendo atualmente um esforço de pesquisa incipiente sobre o tema, marcadamente no baixo e médio curso da bacia. A perspectiva é cobrir um perímetro que se estende do município de Barcelos ao município de Novo Airão (coordenadas S02°17’ W61°03’ a S01°16’ W62°17’). Temos, porém, nos concentrado inicialmente entre a foz do rio Jaú (Parque Nacional do rio Jaú) e a foz do rio Unini (Reserva Extrativista do Unini), afluentes do Negro. Esta área possui algumas características ambientais interessantes por estar muito próxima de uma confluência de bacias oriundas de regiões bem distintas (rios Negro e Branco) e por apresentar uma geodiversidade específica onde o escudo cristalino das Guianas contata a formação sedimentar Alter do Chão, esses são fatores que, acreditamos, podem influenciar significativamente a variabilidade do fenômeno rupestre na área em questão. Basicamente, os sítios encontrados não apresentam condições de escavação, portanto, não sendo possível a obtenção de cronologias absolutamente datadas nem indiretas para esse material, nem tampouco correlação com os vestígios arqueológicos de outros sítios escavados, datados e melhor conhecidos na região (as Terras Pretas). Esses sítios rupestres poderão unicamente, a partir do conhecimento disponível no momento, ser objeto de uma análise gráfico-estilística preliminar e de um diagnóstico de conservação. O estabelecimento de relações contextuais com o registro arqueológico mais amplo da região, como no caso da relação com grafismos na decoração cerâmica das tradições e fases conhecidas na Amazônia Central, por enquanto, não é possível.

A

Um breve histórico
As primeiras referências à arte rupestre na Amazônia Ocidental brasileira são encontradas na literatura não arqueológica do século XIX e começos do XX, em relatos de viajantes, naturalistas e antropólogos. Alfred Russel Wallace (1979 [1889]), Ermano Stradelli (1900), Theodor Koch-Grünberg (1907; 2005[1909]) e Bernardo Ramos (1930) assinalam ocorrência de gravuras rupestres ao longo da bacia do rio Negro, principalmente no seu alto curso nos rios Uaupés e Içana, e no médio Amazonas, no rio Urubú. Alguns desses autores chegaram a elaborar as primeiras tentativas de análise do acervo rupestre, porém, seguindo metodologias próprias, estavam destituídos de um quadro teórico-metodológico arqueológico. Nessa categoria Ramos (1930) é quem melhor se encaixa, pois logrou nos anos 20 “traduzir” as gravuras rupestres no Médio Amazonas, do fenício e do grego para o português negando-lhes a origem indígena.

320

Figura 1. Mapa da área investigada. Fonte: IBGE.

321
Nos anos 60 e 70 do século XX antropólogos e etnobotânicos (SCHULTES; HOFMANN, 1982; REICHELLDOLMATOFF, 1976, 1978) prospectam intensamente a área do alto rio Negro. Levantam dados e evidências acerca dos repertórios mágico-religiosos das populações indígenas locais, como Tukano, Tuyuka e Dêsana. Trabalhando com a utilização de plantas alucinógenas (Banisteriopsis sp.) em rituais de xamanismo, com atividade gráfica associada, apontam a possibilidade de relação entre a ingestão dessas substâncias psicoativas, as práticas gráficas rituais desses povos e as gravuras rupestres (petroglifos) abundantes nos rios do alto curso do Negro. Somente a partir da segunda metade dos anos 80 poucos estudos começam a aparecer na literatura arqueológica específica para a região ocidental da Amazônia. Três estudos pontuais focados em registro rupestre foram executados na Amazônia ocidental brasileira: um em Rondônia, no Alto Rio Madeira, prospectado por Eurico Miller (1992), outro em Balbina, Amazonas (CORRÊA, 1994), e um terceiro em Boa Vista, Roraima (RIBEIRO et al., 1986, 1987, 1989). Os trabalhos de Eurico Miller (1992) em Rondônia, especificamente nas bacias dos rios Abunã e Alto Madeira, levaram este autor a identificar 3 estilos de gravuras rupestres definidos como estilo A, B e C. Segundo ele, o estilo A se caracterizava pela técnica da picotagem, figuras geométricas, zoomorfos complexos e máscaras estilizadas. O estilo B também definia a técnica como picotagem, mas o motivo principal são antropomorfos frontais. Tanto A quanto B ocorrem em ambas as bacias percorridas. O estilo C só foi identificado num único sítio e apresenta-se pela técnica de incisões em “V” com muito geometrismo e mascaras antropomorfas triangulares. Segundo Edithe Pereira (2003), Miller não encontrou elementos que relacionassem as gravuras com as ocupações cerâmicas e pré-cerâmicas da região. Configurava-se numa variável arqueológica isolada e sem contexto, como ocorre com a maior parte das gravuras rupestres no Brasil. Marcos Corrêa (1994) produz uma dissertação de mestrado pela Universidade Federal do Rio de janeiro (UFRJ) concentrada, majoritariamente, em gravuras, na área de impacto direto do lago da Usina Hidrelétrica de Balbina, em Presidente Figueiredo (AM), onde foram localizados 22 sítios rupestres, hoje no fundo do lago em sua maioria. Já Pedro Mentz Ribeiro na década de 80 (1986, 1987, 1989) executou um grande levantamento de pinturas e gravuras rupestres de sítios ameaçados por depredação no entorno da capital de Roraima e em algumas bacias próximas. Ambos os estudos definiram estilos de fenômenos gráficos diferentes para suas respectivas áreas, assinalando já aí indícios de diversidade cultural nas manifestações gráficas. Assinalamos ainda que os dois estilos definidos por Corrêa-Pitinga e Abonari-Uatumã, contêm elementos caracterizadores que podem estar representados na área do baixo/médio rio Negro. Em relação à cronologia, Ribeiro (1986) chega a escavar o sítio Pedra Pintada, na terra indígena São Marcos, em Roraima, um abrigo com muitas superposições de pinturas rupestres, onde foi obtida uma datação absoluta de 4.000 anos antes do presente (A.P.), para um nível arqueológico contendo fragmentos de parede pintada. Mas não foi possível, a partir desta datação, estabelecer uma cronologia para os momentos picturais do sítio (PEREIRA, 2003).

322
Michael Heckenberger (1997) prospecta a bacia do rio Jaú, tributário do Baixo Negro nos anos 90, e assinala a ocorrência de diversos sítios cerâmicos e de pelo menos três conjuntos de gravuras rupestres entre o sítio pré-colonial e histórico da cidade de Airão Velho e o Baixo Rio Jaú, sem, no entanto, fazer nenhuma observação específica acerca dos grafismos. Por último, Valle (2006a, 2007) retorna à área do rio Jaú se estendendo até a bacia do rio Unini para dar início efetivo à localização georreferenciada e documentação fotográfica sistemática das gravuras no Baixo e Médio Negro. Com relação ao Alto Rio Negro (ARN), embora os petroglifos da área sejam conhecidos da antropologia cultural, nunca foram documentados e estudados sob o ponto de vista arqueológico. Em 2008 uma prospecção arqueológica com apoio da FOIRN (Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro) foi direcionada para a bacia do rio Içana (VALLE; COSTA, 2008), o que permitiu a identificação de 6 sítios rupestres, parcialmente submersos, entre o baixo e médio curso desse rio. As gravuras são compostas sobremaneira por antropomorfos e grafismos puros em afloramentos graníticos, além de uma minoria inexpressiva de zoomorfos. Ainda é muito prematuro estabelecer qualquer relação desse material com as gravuras do Médio/Baixo Negro, o que não quer dizer que tais relações não existam. Foi verificado que através do processo de ressignificação das gravuras por parte das etnias indígenas atuais da área, tanto no Içana quanto no Uaupés, muitos painéis vêm sendo refeitos, reavivados historicamente. Alguns sendo regravados e outros sendo pintados dentro das gravuras. Para a Amazônia Oriental a situação é bem diferente, Edithe Pereira (1990, 1996, 2003), obteve os maiores resultados na sistematização arqueológica de diversos conjuntos gráficos rupestres ao longo de mais de 15 anos de pesquisas. Sua investida concentrou atenção dentro das fronteiras do Pará, embora também tenha documentado sítios nos estados de Tocantins, Maranhão e Amapá. Observa-se que este tipo de trabalho, um inventário sistemático de grandes proporções, é a base de dados ideal para se proceder ao trabalho analítico onde diferentes estilos de registros são classificados e geograficamente situados. Trabalhos esses que ainda se encontram em fase embrionária na Amazônia Ocidental.

Relação dos sítios rupestres localizados até o momento no baixo/médio rio Negro
I) Pedral Velho Airão (Figuras 2 a 6) – Gravuras rupestres distribuídas, a princípio, em oito concentrações que se estendem por 430 metros na linha de praia sentido leste-oeste do ponto 01° 55' 09.9"S 061° 24' 14.8"W no extremo Leste até 01° 55' 09.8"S 061° 24' 27.0"W no extremo oeste. Sujeito à submersão em sua maior parte. Abundam antropomorfos em diversas apresentações gráficas e estados de conservação (grosso modo, apresentam-se tecnicamente muito descaracterizados o que pode ser indicativo de grande antiguidade) inter-relacionados a

323
um repertório significativo de grafismos abstratos, principalmente motivos espiralados de diversas modalidades. Um único painel contendo seis unidades gráficas representa um conjunto de zoomorfos quadrúpedes apresentados de perfil e em movimento, o que se configura numa ocorrência bastante singular em relação ao entorno gráfico no qual se insere.

Figura 2. Sítio Pedral do Velho Airão.

Figura 3. Sítio Pedral do Velho Airão.

324

Figura 4. Sítio Pedral do Velho Airão.

Figura 5. Sítio Pedral do Velho Airão.

325

Figura 6. Sítio Pedral do Velho Airão.

II) Pedral Jaú 1 – Gravuras rupestres situadas há 500 metros direção oeste da base do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos naturais Renováveis (Ibama), na mesma margem – direita (sul) – do rio Jaú distribuídas em duas concentrações separadas por 200 metros sentido oeste-leste, uma em 01° 54' 15.8"S 061° 26' 07.2"W no extremo leste e outra a 01° 54’14.7"S e 061° 26’ 17.2"W, no extremo oeste. Parcialmente sujeitas à submersão. Comungam as mesmas características gráficas do conjunto acima citado, sem ocorrência de formas animais (Zoomorfas). III) Pedral Jaú 2 – Gravuras rupestres dispostas numa única concentração (painel) situadas nas coordenadas 01° 54’ 43.2"S 061° 27' 31.9"W. Sujeitas à submersão. Comungam as mesmas características gráficas do conjunto acima citado, sem ocorrência de formas animais (Zoomorfas). IV) Pedral Jaú 3 – Gravuras rupestres dispostas numa única concentração (painel) situadas nas coordenadas 01° 53' 41.4"S 061° 32' 07.6"W. Sujeitas à submersão. Comungam as mesmas características gráficas do conjunto acima citado, sem ocorrência de formas animais (Zoomorfas). V) Pedral Rio Negro (Figuras 7 a 10) – Gravuras rupestres nas margens do Negro distam 2400 metros na direção noroeste da boca do Jaú. Apresentam-se distribuídas em três concentrações ao longo de 50 metros sentido leste-oeste, estando uma em 01° 53' 01.2"S 061° 26' 35.5"W, no extremo leste, outra 35 metros a oeste desta, em 01° 53' 01.1" S 061° 26' 36.6" W, e uma

326
terceira há 10 metros oeste desta última, em 01° 53' 01.1"S 061° 26' 36.9"W marcando o extremo oeste do conjunto. Sujeitas à submersão total. Apresenta um conjunto massivo de grafismos puros, com uma única unidade possivelmente antropomórfica estilizada. Nesse aspecto, este conjunto destoa sobremaneira dos grafismos anteriormente descritos.

Figura 7. Sítio Pedral do Rio Negro.

Figura 8. Sítio Pedral do Rio Negro.

327

Figura 9. Sítio Pedral do Rio Negro.

Figura 10. Sítio Pedral do Rio Negro.

VI) Sítio Unini 2 (Figuras 11 a 14) – Gravuras rupestres sobre pedral granítico (Rosáceo, proterozoico, complexo Jauaperi), dispostas em três concentrações, sendo duas delas distantes 7 metros a norte uma da outra e referenciadas, portanto, no mesmo ponto 01° 40’ 12.8”S 061° 47' 32.2”W, marcam o extremo leste do conjunto. Distando 90 metros direção oeste, encontra-se outra concentração nas coordenadas 01° 40' 13.0"S 061° 47' 34.6"W, marcando

328
o extremo oeste do conjunto. Parcialmente sujeito à submersão. Este conjunto apresenta uma massiva concentração de zoomorfos, representando diversas espécies animais, num de seus momentos gráficos e uma sequência de antropomorfos lado a lado em um momento gráfico aparentemente anterior.

Figura 11. Sítio Unini 2.

Figura 12. Sítio Unini 2.

329

Figura 13. Sítio Unini 2.

Figura 14. Sítio Unini 2.

330
VII) Sítio Unini 4 – Trata-se de um segundo conjunto de gravuras rupestres, encontrado na segunda cachoeira do rio Unini, logo depois da comunidade de Terra Nova. Trata-se de um sítio rupestre com gravuras zoomórficas e antropozoomórficas (1 unidade), massivamente aves análogas a garças e quadrúpedes em movimento, executados no plano horizontal através de percussão indireta num dos afloramentos areníticos (arenito prosperança) no meio do rio. Coordenadas1°41’51.02"S 61°50’4.93"W. Sujeito à submersão plena. VIII) Mirapinima – Ocorrência que apresenta um possível fragmento de grafismo descaracterizado e semissubmerso e outro grafismo exposto na seca, porém extremamente desgastado, impossibilitando reconhecimento morfológico e técnico. É provável que tenham mais grafismos abaixo da linha de seca, ou que já tenham existido. Diante do verificado optamos por definir aí uma ocorrência rupestre até que se tenha melhor identificado a real extensão e localização dos painéis de grafismos. Coordenadas 2°10’56.40"S 61°8’5.00"W. Sujeito à submersão total. IX) Madada 1 – Conjunto de grafismos rupestres gravados, petroglifos, no flanco SE de um matacão arenítico (bloco ou rochedo) ilhado no meio de um dos canais do rio Negro em frente à localidade conhecida como Madada. O conjunto contém 11 grafismos visíveis entre reconhecíveis (duas faces estilizadas) e grafismos puros (espirais e motivos geométricos) finamente picotados com instrumento lítico ou ósseo pontiagudo, de gume inferior a 0,5 cm, através de percussão indireta. Coordenadas 2°17’52.70"S 61° 4’14.50"W/UTM 20 M 714554 9745858. Sujeito à submersão plena. X) Madada 2 – Ocorrência de fragmento de grafismo bastante intemperizado, não permitindo identificação morfológica nem técnica, salvo suposição de estar relacionado com o sítio Madada 1 pela proximidade geográfica. É provável que tenham existido outros grafismos no mesmo bloco, hoje desaparecidos pelo intemperismo. Coordenadas 2°17’54.10"S 61°4’14.40"W/ UTM20 M 714556 9745816. Sujeito à submersão plena.

Gravuras do Jaú e Velho Airão
Trata-se da maior concentração de petroglifos identificada até o momento, mais de 200 unidades gráficas divididas em 8 concentrações se espalham por cerca de 430 metros de afloramentos no Pedral Velho Airão. Este e os petroglifos do rio Jaú compartem as mesmas características gráficas, possuindo gravuras claramente associadas e pertencentes ao mesmo perfil gráfico. Apresentam uma conjunção de grafismos puros (abstratos) com uma profusão de antropomorfos estilizados dispostos a maioria estaticamente e alguns em movimento, com membros abertos e com designação de atributos sexuais, indicando dimorfismo sexual.

331
Chama atenção “cenas de partos” onde antropomorfos de reduzidas proporções se situam entre as pernas e o setor correspondente à genitália de antropomorfos maiores, sendo este motivo um grafismo emblemático do conjunto de gravuras do Pedral do Velho Airão dada a sua recorrência. Uma outra questão que se observa nesse conjunto é o fato de alguns blocos apresentarem concentrações de antropomorfos dispostos de cabeça para baixo, possivelmente indicando que os blocos podem ter sofrido deslocamento após a confecção dos grafismos, ou que se trataria de uma escolha gráfica. Qualquer uma das duas possibilidades tem que ser averiguadas com maior profundidade. A primeira ganha maior força ao constatarmos que ali houve atividade histórica de extração de pedra para construção da vila de Velho Airão, com marcas visíveis até hoje ao lado dos petroglifos tendo sido possível incluso aplicação de explosivos. Tal conjuntura leva a supor a possibilidade de alguns daqueles blocos gravados terem sido impactados por tal atividade. Os motivos antropomórficos predominam como tema central neste conjunto, executados no arenito Prosperança, friável e bastante intemperizado, com diversas apresentações gráficas até sua decomposição em formas geométricas estilizadas, que remetem aos grafismos puros. A técnica é a percussão indireta, com implemento provavelmente lítico de gume impactante entre 0.5 cm e 1 cm. Possivelmente sem abrasão, no entanto, o estado de conservação não permite avaliar com precisão as características técnicas originais. A maioria do conjunto se mostra hoje sugerindo abrasão, contudo, percebe-se clara ação intempérica nas superfícies conferindo uma aparência textural homogênea semelhante à aplicação de técnicas abrasivas passando uma falsa impressão. No contraste com a superfície rochosa externa ao gravado percebe-se essa homogeneização textural resultante do processo intempérico atuante. Nos poucos grafismos em que as técnicas se mostram preservadas pode se identificar claramente a percussão indireta, em transição, gradativamente sendo intemperizada até assumir a forma “pseudoabrasiva”.

Gravuras do Pedral Rio Negro
Um terceiro conjunto de gravuras quantitativamente inferior ao Jaú, destoaria dos descritos acima por apresentar uma massiva presença de grafismos puros, executados por percussão indireta sobre o arenito Prosperança de matriz alaranjada. Se tecnicamente e na geologia este conjunto se aproxima das gravuras do Jaú, se diferencia em temática e na apresentação gráfica. Neste conjunto rupestre composto por 4 áreas de concentração gráfica, estando uma delas já submersa no momento do contato, não foi possível, a rigor, a identificação positiva de antropomorfos sem ambiguidade morfológica. No entanto, determinadas morfologias podem

332
ser correlacionadas aos grafismos puros do Pedral Velho Airão, que resultam de um processo de esquematização avançada de antropomorfos, que somados às compatibilidades técnicas e geológicas, poderiam indicar relações culturais mais estreitas. Tal constatação pode contribuir para a formulação de hipóteses acerca de um processo de mudança histórica num mesmo grupo que vai se distanciando num dado espaço de tempo e mudando suas escolhas gráficas e socioculturais, mas, ocupando territórios muito próximos, se consideramos os 6.300 metros que separam os sítios em linha reta. Também poderiam ser grafismos contemporâneos, mas funcionalmente diferentes, isto é, integrariam processos rituais diferenciados em forma e função, mas ligados a um mesmo grupo cultural. O painel 1 deste conjunto apresenta-se relativamente bem conservado sendo possível verificar claramente os traços técnicos usados na execução do gravado e todo o processo de paulatina esfoliação da superfície original da rocha encontrada pelos autores culturais até o estado de desgaste hoje verificado, conferindo ao painel uma importância técnica singular bem como uma estética diferenciada. Geomorfologicamente ocupa um nicho na rocha, uma reentrância que impede o contato direto com o poder de arrasto e abrasão da correnteza do rio, situando as gravuras de frente para quem desce o rio, aparentemente aludindo a uma sinalização de médio alcance, um “outdoor” fluvial para os antigos navegadores, ou quiçá, um marcador de territorialidade. Falar em descontinuidade temática entre esse sítio e o Pedral Velho Airão parece ser uma constatação procedente, no entanto tecnicamente não haveria mais diferenças do que poderia se supor a partir da percussão indireta, aplicada em ambos os casos. Mas a maior diferença que salta aos olhos é a situação topogeomorfológica dessas gravuras, do próprio painel 1 como um todo. Estão diretamente em contato com o rio Negro numa situação de ampla visibilidade para quem desce o rio, nada nos sítios anteriormente descritos remete a isso. O Madada 1 seria uma exceção, não fosse orientado para a visualização de quem sobe o rio estando no meio do canal. A extraordinária conservação dessas gravuras no arenito remetenos a uma pouca antiguidade, talvez mais recentes que os conjuntos desgastados nos arenitos de Velho Airão. O fato é que há ausência total de grafismos reconhecíveis objetivamente ou convencionados dentro de regras gráficas feitas para permitir uma identificação figurativa de formas existentes no mundo sensível, e que poderiam ser reconhecidas fora dos grupos autores, por pessoas com qualquer formalização gráfico-cultural. Ou seja, aí se trata de um código hermético, uma propriedade não encontrada com tanta onipresença em outros sítios da amostra. Reside aí a singularidade desses petroglifos. Determinadas unidades gráficas apresentam relações morfológicas com alguns grafismos puros de Velho Airão, mas, são minoritárias, não expressivas perante o todo. Não podemos, portanto, afirmar que estamos diante do mesmo fenômeno gráfico. Se isto implica em culturas diferentes, isso já é uma determinação mais complexa e não podemos estabelecer necessariamente uma relação de homologia diante de tão poucos elementos.

333

Gravuras do Unini
Parece-nos ocorrer um perfil gráfico próprio da área do rio Unini, gravado no granito rosáceo, do proterozoico (complexo Jauaperi), aparentemente através de técnica abrasiva, possivelmente polimento ou raspagem direta; pode ter havido um momento técnico anterior de percussão indireta, mas, não há como verificá-lo. Tematicamente predominam zoomorfos em grandes tamanhos, entre 50 cm e 1m, apresentados com traços de identificação que permitem reconhecimento morfológico, sobretudo morfologia cefálica, que leva à distinção de “espécies” de animais diferentes, sempre em aparente movimento. Em determinado setor, no que se convencionou como painel 1, há a ocorrência de uma fileira bastante intemperizada de antropomorfos estáticos, onde se contam cerca de nove indivíduos, aparentemente situados abaixo dos zoomorfos, indicando anterioridade na execução. Essa relação de superposição torna-se mais evidente ao observar o que seria a calda de um grafismo serpentiforme no canto oeste do painel 1 e a extremidade do conjunto de antropomorfos. O que ainda precisa ser melhor definido, pois podem não integrar o mesmo momento gráfico ou grafismos zoomórficos, podem ter sofrido algum reavivamento posterior à confecção original. Portanto, no próprio painel 1 pode haver diversidade crono-estilística. A formação granítica onde se encontram estende-se por 5 quilômetros em ambas as margens do rio e os poucos grafismos que puderam ser localizados estão aparentemente tão intemperizados que só aparecem sombras sutis de sua presença, sugerindo uma grande antiguidade, mais uma vez considerando o desgaste lento desse tipo de rocha dura, ígnea. De fato, adotando-se um raciocínio tafonômico acreditamos que este conjunto seja o mais antigo da amostra, dado seu avançado estado de desgaste considerando-se um suporte de execução duro como o granito, portanto, muito mais lentamente intemperizado do que o arenito. No entanto, não temos traços indicativos de como poderiam ter sido em seus aspectos originais, se apresentavam maior profundidade ou texturas outras, apesar disso a ocorrência de abrasão (polimento ou raspagem) é evidente por contraste entre as áreas trabalhadas e não trabalhadas dos corpos rochosos. Este conjunto necessita ser melhor conhecido, pois quantitativamente trata-se de uma amostra bastante reduzida em termos gráficos e espaciais, bem inferior se comparado ao material do Jaú e Velho Airão. A segunda cachoeira do Unini, próxima à comunidade Terra Nova é um desafio ao modelo teórico que tentamos construir a partir das hipóteses de grafismos multiculturais, com base de separação hidrográfica e geológica. Pois, temos um conjunto de afloramentos areníticos com gravuras zoomórficas (Unini 4), um padrão que vínhamos associando aos corpos graníticos no rio Unini, executadas sob as mesmas técnicas encontradas no Pedral Rio Negro. Como explicar isso? A exclusividade da temática zoomórfica não pode ser considerada como um marcador de distinção cultural. É na relação que se estabelece entre temática, apresentação

334
gráfica, técnica e geoambiente que começamos a entender essas mudanças de fundo hipoteticamente histórico-cultural. Encontramos essa relação no sítio unini 2, mas no Unini 4 temos um conjunto de cerca 13 representações zoomórficas, a maioria aves, 3 quadrúpedes, um exemplar peculiar que parece aludir a uma forma mista entre homem e ave, além de uma representação de face humana estilizada muito simples, onde é possível identificar olhos, boca e contorno cefálico. Acreditamos que este conjunto não apresentaria relações técnicas nem cronológicas com Unini 2, dado seu bom estado de conservação sobre um suporte mole, onde as marcas da percussão indireta estão ainda visíveis e as dimensões dos zoomorfos são inferiores. Então, se a temática os une, uma série de outros fatores os separam, e a recorrência temática pode ser explicada pela imitação ou convergência e não necessariamente continuidade cultural, ou mesmo uma resposta de diversas culturas a uma abundância de recursos naturais ali encontrados em tempos idos.

Gravuras do Madada e Mirapinima
Com respeito a esse material, pouco pode ser afirmado, pois não foi inspecionado nem fotodocumentado diretamente pelo autor. O processo de fotorregistro detalhado é a peça fundamental da metodologia de análise aqui adotada, sem o qual nada além do que impressões pueris podem ser inferidas com base em fontes visuais que oferecem poucos recursos analíticos. No caso do Mirapinima, único local diretamente visitado pelo autor, não foi possível contato positivo com o material, ainda submerso. Com relação ao parco material fotográfico acessado sobre os sítios Madada 1 e 2, cerca de seis fotografias coletadas com equipamento de baixa resolução, e em condições precárias de posicionamento para registro (o sítio se situa no meio do canal do rio e o bloco não permite atracagem firme de embarcação nem desembarque no corpo rochoso), poucas coisas podemos afirmar. Mas, a partir do conjunto gráfico do Madada 1 podemos considerar que, aparentemente, a técnica original ainda é visível na maior parte dos grafismos denotando que estão bem conservados, pois, estão em área protegida do contato direto com a corrente do rio. Considerando-se o tipo de rocha arenítica, as gravuras não seriam muito antigas, possivelmente contemporâneas as do Pedral Rio Negro (ou até mais recentes a julgar pela superficialidade delas) e posteriores às gravuras do Velho Airão, dado o estado da erosão verificado nestas últimas. A temática, a apresentação gráfica e as morfologias apontam para grafismos puros e estilização geométrica de faces. A técnica de execução seria percussão indireta, mas, executada com um instrumento de gume percussivo inferior a 0.5 cm, ou seja, um instrumento extremamente

335
pontiagudo, aplicado sucessivas vezes numa mesma área marcada com pontos, para marcar os traços muito superficiais, nesse aspecto, esse sítio é único a portar esse “melindre” técnico. A situação topogeomorfológica do painel também difere do Pedral Velho Airão e se aproxima do contato direto com o rio no pico da seca, como no caso do Pedral Rio Negro. Além disso, se situa em condição de visibilidade a média distância de quem sobe o rio no período da seca, teria, pois, a mesma propriedade conjetural de sinalização náutica (outdoor fluvial pré-histórico) que o Pedral Rio Negro. Esses são alguns fatores que pudemos enumerar e que nesse primeiro momento nos levam a crer em duas possibilidades: (1) o conjunto gráfico do Madada estaria isolado enquanto fenômeno gráfico e os pares constitutivos desse perfil ainda não teriam sido encontrados; ou (2) essas relações que apontamos com o Pedral Rio Negro se sustentam e eles estariam inseridos muito próximos dentro uma classificação preliminar.

Gravuras do Içana
Optamos aqui por apresentar um pequeno apêndice sobre os petroglifos do Alto Rio Negro (ARN) através de uma breve exposição sobre o sítio mais representativo da amostra até agora lá coletada: Jandú Cachoeira (Figuras 15 a 18), no médio curso do rio Içana, terra indígena Baniwa. Este sítio reflete bem a natureza dos petroglifos que estamos encontrando na área.

Figura 15. Sítio Jandú Cachoeira.

336

Figura 16. Sítio Jandú Cachoeira.

Jandú Cachoeira (Coordenadas 01°30’29.25"N 68°42’40.17"W UTM 19 N 0532104/ 0166710) apresenta 77 grafismos identificados nesta inspeção, divididos em 7 áreas de concentração (painéis) que se espalham por 4600 m² nas duas margens da cachoeira sendo o maior número concentrado na margem esquerda (6 painéis). Área importante para os Baniwa, que têm em “seu” Alberto, capitão da comunidade Jandú, um narrador da história mítica das figuras que foram confeccionadas pelo herói fundador Ñapirikoli, o primeiro Baniwa. Grafismos em três painéis apresentam sinais claros de “reavivamento” recente por técnicas líticas abrasivas e um quarto painel encontra-se riscado por implemento fino. Áreas que sofreram queimas diretas e intencionais também foram observadas tornando o granito extremamente friável e quebradiço susceptível a grandes descamações nesses setores. O reavivamento das gravuras se deve à importância que elas têm para os Baniwa, em função da mensagem que lhes é transmitida, narrativas de sua história mítica, adotam, pois, uma estratégia drástica de “conservação” dessa mensagem alterando tecnicamente ao longo das gerações os painéis para não deixá-los desaparecer com a erosão, provocando uma espécie de “etnointemperismo”. Mas, de maneira geral, um alto grau de intemperismo com descamação e erosão do suporte é generalizado em todo sítio, bem como, formação de musgo nas partes mais altas do afloramento cobrindo os petroglifos. Estes se apresentam em diferentes estados de conservação, em algumas áreas de concentração não possuem mais

337

Figura 17. Sítio Jandú Cachoeira.

338

Figura 18. Sítio Jandú Cachoeira.

quase nenhum relevo estando em vias de rápido desaparecimento, em outros painéis apresentam-se profundos e largos (2cm x 3cm). Observou-se num dos painéis uma superposição indicando pelo menos dois momentos gráficos diferentes em que antropomorfos morfologicamente diferenciados se superpõem, remetendo a uma cronologia na elaboração do acervo e possivelmente na ocorrência de mais de um estilo rupestre no sítio e no Içana. A técnica de execução não pôde ser identificada com precisão em nenhum grafismo, presumivelmente se trataria de percussão indireta seguida de abrasão em alguns casos. No conjunto geral: 3 zoomorfos, 17 antropomorfos e 57 grafismos puros puderam ser contabilizados. Jandú Cachoeira retrata um fenômeno de conservação próprio da área do alto rio Negro: as gravuras sofrem duplo impacto – um acentuado intemperismo ambiental e um intemperismo étnico, além disso, foram constatadas intervenções invasivas oriundas de outras atividades de pesquisa. Emblemático desse processo foi a recente aplicação de giz (carbonato de cálcio) nos petroglifos do Içana para documentação fotográfica de caráter antropológico (XAVIER, 2008) o que contaminou quimicamente e alterou em níveis desconhecidos o microambiente das gravuras, bem como passou uma equivocada noção a intelectuais indígenas sobre a condução de pesquisa com arte rupestre, à revelia do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e da arqueologia. Casos de intervenção incauta da antropologia em sítios

339
arqueológicos e de “etnointemperismo” apontam para a necessidade de demorada reflexão e conversação entre diversos atores sociais, no que concerne à preservação de tais monumentos no ARN. A área é vasta e complexa em seu fenômeno gráfico e nas inter-relações étnicas implicadas, seu acesso demanda verdadeiras operações de guerra para permitir um reconhecimento, o que seguramente retardará as pesquisas por alguns anos a mais do que no Médio/Baixo Negro, logisticamente menos problemático.

DISCUSSÃO
A área que engloba de Velho Airão até o rio Unini apresentaria, em princípio, pelo menos dois perfis gráficos distintos em técnica, temática, apresentação gráfica, escolha geológica e estado de conservação. Ou seja, o conjunto de fatores sociais, ideológicos, técnicos e cronológicos que produziu os grafismos do sítio granítico Unini 2 é, em princípio, substancialmente diferente de todo resto da amostra e em termos de registros gráficos préhistóricos. Temos indícios hipotéticos de pelo menos dois grupos humanos com distintas apresentações gráficas e possivelmente sociais que gravaram naquelas rochas seus sistemas de comunicação. Suspeitamos da existência de um terceiro fenômeno que poderia estar relacionado aos sítios Madada 1 e Pedral Rio Negro, e a ocorrência massiva de grafismos puros sem antropomorfos, configurando-os num terceiro perfil gráfico para amostra, no entanto ainda não é seguro postular essa afirmação, pois se trata da relação mais conjetural e frágil estabelecida internamente. Com respeito à profundidade cronológica, o estado de conservação das gravuras executadas no suporte granítico da primeira cachoeira do Unini é significativamente mais erodido, sem profundidade ou distinção técnica marcada entre as áreas trabalhadas e não trabalhadas do suporte. Por se apresentarem, em princípio, extremamente intemperizadas e considerandose a dureza da rocha ígnea, cremos serem de uma antiguidade superior às gravuras executadas nos suportes areníticos, melhor conservadas numa rocha mole, daí deriva-se o raciocínio tafonômico de serem mais recentes a partir da relação intemperismo + tipo rochoso. Segundo Bednarik (1997, 1989), autoridade internacional em arte rupestre, as tradições de petroglifos da América do Sul seriam, em sua maioria, do período arcaico, geologicamente situadas no holoceno inicial a médio, compreendido entre 10.000 a.p. e 3.000 a.p. aproximadamente, o que é uma janela ampla, considerando a periodização para arqueologia amazônica que recuaria até 12.000 anos (ROOSEVELT, 1992). Datações radiométricas atribuídas

340
a níveis estratigráficos contendo fragmentos de parede gravada e implementos líticos usados na confecção de gravuras em sítios no nordeste brasileiro, situaram tais fenômenos entre o sexto e sétimo milênio antes do presente (MARTIN, 1987; PESSIS, 2002), corroborando uma periodização arcaica. Para Amazônia, mesmo esse tipo de aproximação cronológica ainda não foi possível, portanto, permanecemos, por enquanto, sem uma escala temporal para situar esses petroglifos. Ainda assim, Koch-Grünberg (2005a, p. 244-245; 2005b, p. 50) observa em dois momentos que a confecção esporádica de petroglifos na Amazônia Ocidental pode ter continuado até a primeira década do século XX a partir de método informado (CHIPPINDALE; TAÇON, 1992) por depoentes indígenas. Assim, é plausível pensar em momentos distanciados no tempo para a chegada e ocupação dos dois supostos perfis gráfico-sociais na área, ou seja, não seriam contemporâneos, no entanto, não nos é possível afirmar qual o espaço cronológico entre essas manifestações. Tal estado de coisas nos remete a várias questões: Seria mesmo uma fronteira gráfica, portanto cultural, marcada entre os rios Jaú e Unini? Qual relação se teria com a barra do rio Branco 50 km acima, proveniente de Roraima e da Guiana? Estariam as gravuras no granito relacionadas a grupos provenientes do rio Branco? Todas as gravuras no arenito seriam contemporâneas e oriundas de um mesmo grupo autor? Por fim, haveriam de fato especializações técnico-culturais aos diversos tipos de rocha encontrados na área? Aprofundando mais um pouco, poderíamos configurar um problema de pesquisa interessante: Seria a área de confluência entre o rio Negro e o rio Branco uma área de confluência cultural na Pré-história? Apresentaria perfis gráficos distintos que remetessem a distintas identidades étnicas e cronologias? Essa seria uma consequência gráfico-rupestre plausível num ambiente multicultural com profundidade cronológica desconhecida. Indícios preliminares nos levam a crer que isto pode estar ocorrendo ali próximo entre o Unini e o Jaú. Ao se pensar em uma fronteira cultural, antes de mais nada é preciso entender que temos como categoria de entrada nessa reflexão: uma fronteira hidrográfica e geológica, portanto, de caráter ambiental. É de se esperar que isso incida de diversas formas na adaptabilidade de grupos humanos na Pré-história e que reflexos desse processo estejam matizados na expressão gráfica desses grupos. Teríamos, pois, diversas estratégias adaptativas conforme os ecossistemas em questão, ao menos 5 compartimentos ecossistêmicos estariam interligados pelo Negro (o sexto elemento em si mesmo) na área foco: Jaú, Unini, Branco, Jauaperi e Jufaris. Se considerarmos essa sobreposição com as calhas de rio cada um com particularidades ambientais próprias levando à adoção de estratégias de adaptação específicas, e, por conseguinte, a bancos de dados simbólicos diferencialmente associados, se teriam, pois, sistemas gráficos específicos para cada um desses rios. Até onde sabemos, essas inter-relações causais entre ecossistemas, estratégias de sobrevivência e formação de repertórios simbólicos, e de maneira mais ampla culturais, diferenciados não

341
são lineares. E sem substrato cronológico que oriente a sucessão de eventos no tempo, fica difícil definirmos unidades crono-estilísticas e suas áreas de dispersão geográfica, suas fronteiras de contato e a periodização desses contatos entre diversos estilos. Além disso, não se trata de uma fronteira no conceito político que temos hoje; seria algo mais flexível e fluído do ponto de vista cultural, e certamente influenciada pelos regimes hidrológicos do Negro e do Branco, no passado. No entanto, ainda não podemos determinar como se manifestaria essa fronteira geoambiental no comportamento de populações humanas pré-históricas; tão somente tentamos identificar fenômenos diferentes, circunscritos num espaço delimitado e descrevê-los. E, por enquanto, ainda tentamos extrapolar do nível conjetural ao hipotético nessa identificação das diferenças. O primeiro passo antes de explicar a mudança, é caracterizá-la. Temos realmente estilos diferentes de gravuras rupestres na área focada? Acreditamos que ainda é prematura tal afirmação, sem entendermos o que ocorre mais acima, na área de confluência com o rio Branco (e no próprio rio Branco, junto a seus vizinhos de águas preta e clara, o Jauaperi e o Jufaris) numa perspectiva imediata, e em relação aos petroglifos do alto Negro a médio e longo prazo. Mas o fato é que os caracterizadores gráficos e ambientais que adotamos como categorias de entrada na análise gráfica dentro da metodologia que buscamos aplicar aqui tem nos indicado diferenças significativas entre dois rios muito próximos um do outro no exato setor onde temos uma fronteira geológica marcante, entre o cristalino ígneo e a bacia sedimentar. Esses são elementos substanciosos para um início de reflexão e formatação preliminar de um problema de pesquisa. Mãos à obra!

REFERÊNCIAS
BEDNARIK, R. G. The global evidence of early human symboling behaviour. Human Evolution, v. 12, n. 3, p.147-168, 1997. BEDNARIK, R.G. On the Pleistocene settlement of South America. Antiquity, v. 63, p. 101-111, 1989. CHIPPINDALE, C.; TAÇON, P. Archaeology of Rock Art. An Archaeology of rock-art through informed methods and formal methods. Cambridge: University Press, 1998. CORRÊA, M.V.M. As Gravações e pinturas rupestres na área do reservatório da UHE – Balbina – AM. 1994. 187 p. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1996. HECKENBERGER, M. Levantamento Arqueológico no Parque Nacional do Jaú. Relatório Preliminar. Manaus: Fundação Vitória Amazônica, 1997. KOCH-GRÜNBERG, Theodor. Südamerikanische Felszeichnungen. Berlim: Verlegt Bei Ernest Wasmuth, 1907. KOCK-GRÜNBERG, T. [1905-1907]. Dois Anos Entre os Indígenas: Viagens ao Noroeste do Brasil. Manaus: EDUAFSDB, 2005a.

342
KOCK-GRÜNBERG, T. [1911-1913]. Do Roraima ao Orinoco. V. 1, 1911 a 1913. São Paulo: Unesp, 2005b. MARTIN, G. Letreiro do Sobrado, um abrigo com gravuras rupestres no Vale do São Francisco. Recife: Editora Universitária/UFPE, 1987. (Clio, n. 6). MILLER, E. T. Adaptação Agrícola Pré-histórica no alto rio Madeira. In: Prehistória Sudamericana; Nuevas Perspectivas. Santiago: Taraxacum, 1992. p. 226-227. PEREIRA, E. S. Arte Rupestre na Amazônia – Pará. Belém: Museu Emílio Goeldi; São Paulo: UNESP, 2003. PEREIRA, E. S. As gravuras e pinturas rupestres no Pará, Maranhão e Tocantins, estado atual dos conhecimentos e perspectivas. 1990, xxxf. Dissertação (Mestrado em História). Recife: UFPE/Editora Universitária, 1990. PEREIRA, E. S. Las Pinturas e Grabados Rupestres del Noroeste de pará – Amazônia – Brasil. 1996. 2v. xxxxf. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Departamento de Arqueologia e Pré-História, Universidade de Valência, Valência, 1996. PESSIS, A-M. Do Estudo das Gravuras Rupestres no Nordeste do Brasil. Recife: UFPE/Editora Universitária, 2002. (Clio Arqueológica, n. 15). PESSIS, A-M.; GUIDON, N. Registros rupestres e caracterização das etnias préhistóricas. In: VIDAL, L. (Org.). Grafismo Indígena. São Paulo: Studio Nobel; FAPESP; EDUSP, 1992. p. 19-33. RAMOS, B. A. S. Inscripções Lapidares e tradições da América Pré-histórica, especialmente do Brasil. v.1. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial, 1930. 515 p. REICHEL-DOLMATOFF, G. Beyond the milky way – Hallucinatory imagery of the Tucano Indians. Los Angeles: UCLA, 1978. REICHEL-DOLMATOFF, G. O contexto cultural de um alucinógeno aborígene – Banisteriopsis caapi. In: COELHO, V. P. Os alucinógenos e o mundo simbólico entre os índios da América do Sul. São Paulo: Edusp, 1976. p. 59-103. RIBEIRO, P. A. M. et al. Projeto arqueológico de salvamento na região de Roraima, Brasil - segunda etapa de campo. Revista do Cepa, Santa Cruz do Sul, v. 13, n. 16, p. 5-48, 1986. Nota prévia. RIBEIRO, P. A. M.; GUAPINDAIA, V. L. C.; MACHADO, A. L. Projeto Arqueológico de Salvamento na região de Boa Vista, Território Federal de Roraima, Brasil - primeira etapa de campo (1985). Revista do CEPA, Santa Cruz do Sul, v. 14, n. 17, p.1-81, 1987. ROOSEVELT, A. C. Arqueologia Amazônica. In: CARNEIRO DA CUNHA, M. (Org.). História dos Índios do Brasil. São Paulo: FAPESP/Companhia das Letras/SMC, 1992. p. 53-86. il. SCHULTES, R. E.; HOFMANN, A. Plantas de los dioses: origen del uso de los alucinógenos. México: Fondo de Cultura Econômica, 1993. STRADELLI, H. Iscrizioni indigene della regione dell’Uaupés. Boll. Soc. Geogr. Ital. v. 1, n. 37, p. 457-83, 1900. VALLE, R. B. M. Gravuras rupestres do Sertão Potiguar e Paraibano: um estudo técnico e cenográfico. 2003. xxx f. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, UFPE, Recife, 2003. VALLE, R. B. M. Relatório do levantamento arqueológico no Parque Estadual Rio Negro setor Norte, Plano de uso público da unidade. Manaus: Fundação Vitória Amazônica, 2007. VALLE, R. B. M. Relatório Preliminar sobre as Gravuras Rupestres do Parque Nacional do Jaú e reserva extrativista do rio Unini, Baixo Rio Negro, Amazonas. Manaus: Fundação Vitória Amazônica; Ibama, 2006a. VALLE, R.; COSTA, F. Reconhecimento Arqueológico Preliminar no Alto Rio Negro. Manaus: PAC-MAE-USP/FOIRN/ INPA, 2008. WALLACE, A. R. Viagens pelos rios Amazonas e Negro. São Paulo: EDUSP, 1979. XAVIER, C. A Cidade Grande de Ñapirikoli e os Petroglifos do Içana - Uma Etnografia de Signos Baniwa. 2008. xxxf. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Museu nacional, UFRJ, Rio de Janeiro, 2008.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->