P. 1
DISSERTACAO Eliton Perpetuo Rosa Pereira COMPUTADOR MULTIMÍDIA E SOFTWARES NA EDUCAÃ_Ã_O MUSICAL

DISSERTACAO Eliton Perpetuo Rosa Pereira COMPUTADOR MULTIMÍDIA E SOFTWARES NA EDUCAÃ_Ã_O MUSICAL

|Views: 1.012|Likes:
Publicado porelitonprp
DISSERTACAO Eliton Perpetuo Rosa Pereira COMPUTADOR MULTIMIDIA E SOFTWARES NA EDUCACAO MUSICAL
DISSERTACAO Eliton Perpetuo Rosa Pereira COMPUTADOR MULTIMIDIA E SOFTWARES NA EDUCACAO MUSICAL

More info:

Published by: elitonprp on May 29, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/12/2014

pdf

text

original

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

ESCOLA DE MÚSICA E ARTES CÊNICAS

COMPUTADOR, MULTIMÍDIA E SOFTWARES NA EDUCAÇÃO MUSICAL:
Uma análise microgenética do conhecimento musical na escola pública de educação básica.

ELITON PERPÉTUO ROSA PEREIRA

Goiânia 2006

2

ELITON PERPÉTUO ROSA PEREIRA

COMPUTADOR, MULTIMÍDIA E SOFTWARES NA EDUCAÇÃO MUSICAL:
Uma análise microgenética do conhecimento musical na escola pública de educação básica.

Dissertação apresentada ao curso de Mestrado em Música na Contemporaneidade - Programa de Pósgraduação stricto-sensu da Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de Goiás - como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em Música. Linha de Pesquisa: Música e Educação. Orientadora: Profa. Dra. Maria Helena Jayme Borges.

Goiânia 2006

3

Dados Internacionais da Catalogação-na-Publicação (CIP) (GPT/BC/UFG)

Pereira, Eliton Perpétuo Rosa.
V658f Computador, Multimídia e Softwares na Educação Musical: Uma análise microgenética do conhecimento musical na escola pública de educação básica. / Eliton Perpétuo Rosa Pereira. – Goiânia, 2006. 156 f . : il. + CD-ROM Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Goiás, Escola de Música e Artes Cênicas, 2006. Bibliografia: 150-156 Inclui Anexo CD-ROM.

1. Educação Musical – Ensino básico – Escola Pública 2. Informática educativa – Software Musical 3. Desenvolvimento Cognitivo Musical 4. Sócio Construtivismo - Análise Microgenética - Construção de Conceitos I. Universidade Federal de Goiás. Escola de Música e Artes Cênicas II. Título. r CDU: 78.01:378.4.011.32(817.3) Universidade Federal de Goiás.

4

ELITON PERPÉTUO ROSA PEREIRA

COMPUTADOR, MULTIMÍDIA E SOFTWARES NA EDUCAÇÃO MUSICAL:
Uma análise microgenética do conhecimento musical na escola pública de educação básica.

Dissertação defendida no Curso de Mestrado em Música do Programa de pós-graduação stricto-sensu – Mestrado em Música na contemporaneidade - da Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de Goiás, para a obtenção do grau de Mestre; aprovada em 31 de Março de 2006, pela Banca Examinadora constituída pelos (as) seguintes Professores (as) Doutores (as):

___________________________________________________ Profa. Dra. Maria Helena Jayme Borges - UFG Presidente da Banca

____________________________________________________ Profa. Dra. Eliane Leão Figueiredo - UFG

____________________________________________________ Profa. Dra. Mirza Seabra Toschi – UFG e UEG

Goiânia 2006

5

À minha família, meus pais, minha esposa e meus filhos. Importante alicerce para escalada do intricado e paradoxal outeiro do conhecimento.

6

AGRADECIMENTOS

À professora Dra. Ana Guiomar Rego Souza que me instruiu nos primeiros passos da vida acadêmica e da pesquisa. À professora e orientadora desta pesquisa, Dra. Maria Helena Jayme Borges, por acreditar e ser cúmplice do meu ideal. Ao Mestrado em Música, na pessoa do Prof. Dr. Sérgio Barrenechea e Prof. Dr. Eduardo Meirinhos pela atenção dispensada a mim e meus colegas. A todos os professores do curso Mestrado em Música na Contemporaneidade, professora Dra. Glacy Antunes de Oliveira, professor Dr. Ângelo Dias, professora Dra. Eliane Leão, professora Dra. Denise Álvares Campos, professora Dra. Leomara Craveiro de Sá, co-responsáveis pela minha formação como pesquisador e educador. Aos meus colegas mestrandos que foram meus companheiros nesta jornada nos momentos áridos e também felizes, Clara, Adriana, Kristiane e Werner. Aos meus colegas de trabalho que me ajudaram nos primeiros passos na docência universitária, professora Ms. Gilka Martins, professora Ms. Silvana, professora Dra. Ana Guiomar. Aos meus alunos do Colégio Estadual Edmundo Pinheiro de Abreu e do Colégio Estadual Albert Sabin. Aos meus alunos dos cursos - bacharelado e licenciatura em música - do primeiro, segundo, terceiro e quarto períodos nos anos de 2005 e 2006 das disciplinas: Fundamentos do Conhecimento Histórico e Artístico, História da Música, Cultura Musical Brasileira, Fundamentos de Pesquisa e Estágio (Didática e Prática de ensino) da Escola de Música e Artes Cênicas da UFG. Aos meus colegas de trabalho na rede estadual de educação básica que me incentivaram e contribuíram para a realização desta pesquisa. Aos meus amigos e irmãos que diretamente ou indiretamente me apoiaram na conquista desta vitória. Aos meus familiares que compreenderam minhas ocupações, ausências e acompanharam meu desenvolvimento. A todos que ainda acreditam na música, na cultura, na educação e no desenvolvimento desta nação.

7

“Pesquiso para constatar, constatando, intervenho, intervindo educo e me educo. Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar ou anunciar a novidade”. (Freire, 1997, p.32).

8

SUMÁRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES RESUMO
_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

ix x xi 13

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

ABSTRACT

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

INTRODUÇÃO

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

1 A RELAÇÃO MÚSICA, EDUCAÇÃO E INFORMÁTICA 1.1 CONCEITUALIZAÇÃO E CONTEXTUALIZAÇÃO 1.1.1 Música e Informática 1.1.2 Música Eletrônica versus Eletroacústica 1.2 EDUCAÇÃO ESCOLAR E INFORMÁTICA 1.2.1 As Bases da Informática Educativa no Brasil 1.2.2 O PROINFO em Goiás 1.3 EDUCAÇÃO MUSICAL E INFORMÁTICA 1.3.1 Pressupostos da Educação Musical 1.3.2 Swanwick e seu Modelo para Análise do Desenvolvimento Musical 1.3.3 Questões Emergentes em Educação Musical Escolar no Uso de Novas Tecnologias 2 CONTRIBUIÇÕES DO SÓCIO-CONSTRUTIVISMO

_________________________________________________________________________________________________

18 21 23 26 28 32 35 39 40 44 48

_______________________________________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________________________________________________________________________

___________________________________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________________

___________________________________________________________________________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________________________________________

____________________________________

___

________________________________________________________________________________________________________

53 54 58 61 68 69 76 84 88 89 94 98 99 103 105 106 106

2.1 LEV VIGOTSKY E O SÓCIO-CONSTRUTIVISMO 2.1.1 Construção versus Instrução na Informática Educativa 2.1.2 Zona de Desenvolvimento Proximal, Pensamento e Linguagem 2.2 ANÁLISE MICROGENÉTICA E CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS 2.2.1 Análise Microgenética 2.2.2 Fundamentos da Construção de Conceitos 2.2.3 Análise Microgenética da Construção de Conceitos Musicais 3 RECURSOS COMPUTACIONAIS E ENSINO DE MÚSICA NA ESCOLA 3.1 POSSIBILIDADES DO ENSINO MUSICAL MULTIMIDIÁTICO 3.1.1 Softwares Educativos Musicais 3.2 O USO DO SOFTWARE NO ENSINO MUSICAL ESCOLAR 3.2.1 Softwares Educativos Musicais Sugeridos 3.2.2 Software Educativo-Musical MEGALOGO 4 METODOLOGIA

_____________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________

______________________________________________

_____________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________________________

_____________________________________________________

_______________________________________________________________

___________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

4.1 CONTEXTO DA ESCOLA E PERFIL DOS ALUNOS PARTICIPANTES 4.1.1 A Escola

______________________________________________________________

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

9

4.1.2 Perfil dos Alunos Participantes

_______________________________________________________________________________________________________________________

107 109 112 112 113 114 114 114 125 128 131 136 144

4.2 SESSÕES/AULAS 4.3 PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE 4.3.1 Categorias para Análise Microgenética do Desenvolvimento de Conceitos Musicais 4.3.2 Estrutura de Análise das Filmagens 5 ANÁLISE DOS DADOS E RESULTADOS 5.1 ANÁLISE DOS DADOS

_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________________________________

__

_______________________________________________________________________________________________________________

______________________________________________________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

5.1.1 Análise Microgenética – Sujeito JB 5.1.2 Análise Microgenética – Sujeito JP 5.1.3 Análise Microgenética – Sujeito EL 5.1.4 Análise Microgenética – Sujeitos JB, JP e EL em entrevista final 5.2 RESULTADOS

________________________________________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

CONSIDERAÇÕES FINAIS

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________

150

ANEXOS In: CD-Rom. Anexo 1 – Descrição das sessões/aulas Anexo 2 – Questionário para avaliação do perfil dos sujeitos
Anexo 3 – Solicitação para filmagens Anexo 4 – Declaração de consentimento livre e esclarecido Anexo 5 – Pré-Análise Microgenética de episódio seqüencial do sujeito de pesquisa JB Anexo 6 – Pré-Análise Microgenética de episódio seqüencial do sujeito de pesquisa JP Anexo 7 – Pré-Análise Microgenética de episódio seqüencial do sujeito de pesquisa EL Anexo 8 – Pré-Análise Microgenética de episódio seqüencial dos sujeitos de pesquisa JB, JP e EL em entrevista final. Anexo 9 – Filmagens analisadas (take 01, take 03, take 04) Anexo 10 – CD-ROM contendo os dados em MP3 e WAV de excertos de gravações da Performance Musical dos sujeitos de pesquisa e as sessões de filmagens analisadas.

10

LISTAS DE ILUSTRAÇÕES
QUADROS Número Especificação

QUADRO 01 Integração das diversas áreas que contemplam a informática educativa-musical (Eliton, 2005)............................................................................................................... QUADRO 02 Quadro comparativo entre música eletrônica e música eletroacústica (Eliton, 2005)........................................................................................................................... QUADRO 03 Mitos e Problemas em informática educativa – síntese baseada em Valente (1996) QUADRO 04 Transformações Metafóricas Musicais (Swanwick, 2003, p. 85).............................. QUADRO 05 Quadro Síntese das características do desenvolvimento musical (Swanwick, 1991, p. 92-93)..................................................................................................................... QUADRO 06 Comparação das abordagens: Instrução e Construção em educação informática... QUADRO 07 Heurística para avaliação de questões de aprendizado no uso de software pedagógico (Krüger, 1999)......................................................................................... QUADRO 08 Relação entre Zona de Desenvolvimento Proximal e níveis de desenvolvimento real e potencial (Japiassu, 1999)............................................................................... QUADRO 09 Taxonomia proposta por Fritsch (2003) para softwares educacionais..................... QUADRO 10 Quadro de avaliação de perfil dos alunos participantes da pesquisa.......................

TABELAS Número Especificação TABELA 01 Resumo de Investimentos realizados pelo PROINFO – 1997- 1999 (Valores em milhares de Reais) (Rocha, 2001, p.59)..................................................................... TABELA 02 Dados concernentes à estrutura de atendimento das escolas pelo PROINFO http://www.proinfo.gov.br/ - agosto de 2005..........................................................

FIGURAS Número Especificação FIGURA 01 Cronograma PROINFO (www.proinfo.gov.br, 2005).................................................. FIGURA 02 Computador com software musical e caixas multimídia.......................................... FIGURA 03 Interface MIDI teclado-computador........................................................................... FIGURA 04 Software Ringtone-Composer………...................………………………………..……................. FIGURA 05 Software Editor Musical (Ficheman, 2003). ………………………………............................. FIGURA 06 Software Melody Assistant e Virtual Singer………………………..............…...……............ FIGURA 07 Software’s Seqüenciadores: Cakewalk, Acid-pro, Band-in-a-box………..………........... FIGURA 08 Jogos Musicais para conteúdo teórico por meio da memorização de seqüências rítmicas, intervalares, perguntas e repostas............................................................ FIGURA 09 Interface Musical do software MEGALOGO............................................................. FIGURA 10 Versão da canção “parabéns pra você” e suas respectivas 4 frases........................ FIGURA 11 Versão da canção “doremifafafa” e suas respectivas 4 frases................................

11

RESUMO

Esta dissertação de mestrado analisa a relevância cognitiva e pedagógica da integração do computador, de seus recursos multimidiáticos e de softwares na educação musical em escola pública de educação básica que possui laboratório de informática instalado e mantido pelo programa nacional de informática educativa – PROINFO. Verifica a viabilidade dessas tecnologias enquanto mediadores pedagógicos no processo de ensino-aprendizagem musical. Apresenta uma contextualização e conceitualização da Informática-Educativa-Musical por meio de estudos envolvendo os conceitos fundamentais da pedagogia musical, da relação entre música e novas tecnologias, entre educação escolar e informática e entre ensino musical e aportes tecnológicos. Realiza uma aplicação empírica junto a discentes do ensino básico verificando o desenvolvimento musical e analisa a gênese e processo de construção de conceitos musicais – altura – duração – intensidade – timbre, por meio da análise microgenética. São apontadas as contribuições do sócio-construtivismo para a educação musical e são enfatizados os conceitos de Pensamento e Linguagem, Mediação, Internalização, Zona de Movimento Livre, Zona de Promoção de Ação e Zona de Desenvolvimento Proximal. A avaliação do processo de desenvolvimento musical dos sujeitos, fundamentada em Swanwick, juntamente com análise da construção de conceitos, fundamentada em Vigotsky, possibilitou verificar que a integração interdisciplinar música/informática na escola favorece o desenvolvimento de competências cognitivas musicais numa aprendizagem por descobertas, na qual os alunos internalizam os conceitos musicais. Palavras Chave: Educação Musical, Informática Educativa, Análise Microgenética, Construção de Conceitos.

12

ABSTRACT

This master research analyzes the cognitive and pedagogic relevancy use of the computer and its multimidiátics recourses and software’s in music education in public school of basic teach that have installed one informatic laboratory sustained by educative informatic national program – PROINFO. Verifies the technological viability as a pedagogic mediator in the musical teach-learn process. It shows one conceptualization and situation of the MusicalEducative-Informatic through studies involving the fundamental concepts of the musical pedagogy, and the relation between: music and new technologies, school education and informatic, musical teaching and technological products. It develops one empiric application with students of the basic teaching, verifying the musical development and analyzes the genesis and process of the musical concepts construction – pitch – duration – loudness – timbre through the microgenetic analyzes. The contributions of social-constructivism theories to musical education are shown in relation with the constructivist conception, where are empathized the concepts: Language and Thinking, Mediation, Internalization, Free Movement Zone, Action Promotion Zone and Proximal Development Zone. The evaluation of musical evolution process, fundamented in Swanwick, and analyzes of concepts construction, fundamented in Vigotsky, made it possible to verify that the interdisciplinary integration music/informatic in school improves cognitive musical competencies and the students internalized the musical concepts. Keywords: Music Education, Educative Informatic, Microgenetic analysis, Concepts Construction.

13

INTRODUÇÃO A busca por uma educação musical significativa exige do educador musical consciente a necessidade de re-contextualizar os conteúdos do processo de ensino-aprendizagem na procura por metodologias atualizadas que se ajustem às mudanças de uma sociedade em constante desenvolvimento. Para isso, além da utilização de recursos atualizados com as realidades emergentes, deve procurar adequação às estruturas instituídas visando a redução de gastos e o desenvolvimento integral dos educandos. Nesse sentido, os conteúdos de formação objetivos e subjetivos da educação musical, necessitam de processos que sejam atualizados e que tornem o saber artístico musical consoante com a contemporânea realidade tecnológica configurada pelo uso do computador e pelas crescentes inovações no campo da informática. Nos âmbitos da produção musical contemporânea, os aportes computacionais são empregados na composição, apreciação, manipulação e verificação do comportamento dos sons e de seus parâmetros físicos. Os mesmos podem ser usados para aproximar os alunos da música mediante a abordagem da grafia musical tradicional, de períodos histórico-musicais e estilos contemporâneos, possibilitando ainda a experimentação sonora, improvisação e criação musical (Swanwick, 2003). Atualmente, os aparatos multimidiáticos e softwares pedagógico-musicais são livremente comercializados nos centros europeus e norte-americanos. Nestes centros já existe uma cultura de “ensino musical trabalhado com tecnologias computacionais” (Caesar, 1999, p. 54). No Brasil a relevância do conhecimento musical na formação do cidadão é referendada pela LDB/96 e PCN’s. De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN-Arte II, 1997a), a informática pode servir ao contexto brasileiro de ensino básico e ser um instrumento de mediação útil para o desenvolvimento de atividades pedagógicas. A proximidade a esta realidade já é um fato efetivo nas escolas públicas da rede de ensino básico por meio dos laboratórios implementados pelo PROINFO – Programa Nacional de Informática Educativa – que tem instalado e mantido laboratórios com computadores nas escolas da rede de ensino básico. Motivados pela emergente necessidade da inclusão digital, professores, pedagogos e pesquisadores têm procurado realizar estudos envolvendo o uso pedagógico do computador e de seus aportes multimidiáticos. Considera-se, nesse sentido, imprescindível a realização de pesquisas que verifiquem as possibilidades de implementação dos aportes computacionais na

14

musicalização e respectivamente uso dos “softwares disponíveis gratuitos ou comercializados” (A. Ferrari, 2003, p. 71). Diante desta realidade, surgem os seguintes questionamentos: Como adequar ao contexto da musicalização escolar os resultados das pesquisas já realizadas que fundamentam a implementação do computador, de seus aportes multimidiáticos e softwares no ensino? Quais seriam os recursos técnicos e pedagógicos, físicos e humanos, necessários para que tal implementação ocorra com sucesso no contexto escolar? Quais seriam os softwares mais adequados para se utilizar no contexto da educação musical em escola de ensino básico? Como se dá o desenvolvimento cognitivo e musical, ou seja, qual o nível de eficácia desses aportes tecnológicos na prática da musicalização? Configurou-se nesta pesquisa a proposta de esclarecer essas questões e pontuar a relevância da implementação música/informática na escola, verificando a viabilidade dessas tecnologias como mediadores pedagógicos no processo de ensino-aprendizagem musical. A hipótese de que os espaços dos laboratórios instalados pelo PROINFO nas escolas da rede pública de ensino - com computadores e recursos multimidiáticos, somados aos softwares disponíveis e adequados, são convenientes ao ensino de música na contemporaneidade - leva à necessidade de verificação de que “podem contribuir para a inclusão desta linguagem artística no ensino escolar”, como destacam os PCN´s (PCN-Arte II, 1997a, p. 80). Também, espera-se que os resultados desta pesquisa possam colaborar para uma ampliação metodológica do ensino da música no contexto escolar, de forma a cooperar para a sua atualização do processo de ensino/aprendizagem, aproximando os alunos do computador, dos conceitos sonoros e musicais e das músicas contemporâneas (Cunha e Martins, 1998). As pesquisas que abordam o uso dos aportes tecnológicos aplicados no ensino musical realizadas no país têm alcançado, em sua maioria, os alunos de graduação, alunos já musicalizados e escolas de ensino específico de música. Não há informação de pesquisas em informática educativa-musical, que referenciem o ensino escolar e a fase de musicalização, nos programas de pós-graduação das universidades brasileiras (A. Oliveira, 1997; Ulhôa, 1997). Esta verificação revela a necessidade de avanços nesta área que podem proporcionar a inclusão digital-musical de uma maior parcela da população estudantil, favorecendo o desenvolvimento da cidadania (Cox, 2003; Carneiro, 2002; Dowbor, 2001).

15

Verifica-se, igualmente, um aumento da presença de professores de música nas escolas públicas de ensino básico. Porém, a maioria das escolas não está provida com equipamentos musicais que sirvam a aulas de iniciação musical. Nesse sentido, os laboratórios de informática já implementados em várias escolas, por meio do PROINFO, podem ser utilizados para suprir esta carência. Nestes laboratórios podem-se encontrar microfones, caixas de som, fones de ouvido, placas de som e conexão com internet, além dos demais periféricos indispensáveis para o ensino de música neste contexto (Alves, 2002). Acredita-se que disseminar o conhecimento e uso das novas tecnologias em ambientes de ensino-aprendizagem possa contribuir efetivamente para transformar a educação, ampliar a comunicação entre a comunidade escolar, desenvolver o currículo-formação em uma perspectiva que possa gerar mais emancipação no aprender a aprender dos indivíduos de modo sustentável (Doll, 1999 apud Dolabela, 2003). Partindo do contexto justificado acima, tem-se o objetivo geral da pesquisa que é apontar a relevância cognitiva e pedagógica da integração do computador, de seus recursos multimidiáticos e de softwares educativo-musicais no ensino musical escolar; em escola de ensino básico que possui laboratório de informática instalado e mantido pelo programa nacional de informática educativa - PROINFO. Com base neste objetivo geral surgiram as seguintes necessidades: a) Executar uma re-contextualização, para as realidades cotidianas da escola pública e para o contexto dos laboratórios do PROINFO, dos estudos e pesquisas já realizadas que abordam a integração entre ensino de música e informática; b) Efetuar uma catalogação e avaliação dos softwares empregados no fazer musical, escolhendo um para aplicação prática, tendo como critérios de escolha os aspectos pedagógicos que envolvem a iniciação musical e o ensino-aprendizagem de música no contexto escolar; c) Realizar uma aplicação empírica de um software no processo de ensino musical, em escola pública de ensino básico, objetivando verificar o desenvolvimento do conhecimento em música, com base na análise do desenvolvimento musical e na construção de conceitos musicais. Com base nessas necessidades e por meio de procedimentos de cunho qualitativo procurou-se uma abrangência metodológica com aspectos descritivos, analíticos, teóricos e empíricos, estruturada de acordo com três etapas de levantamento de dados. Inicialmente, foi necessária uma pesquisa bibliográfica voltada à revisão de estudos envolvendo os conceitos fundamentais da pedagogia musical e a relação entre música e novas

16

tecnologias, o que é abordado no primeiro capítulo, no qual, também, são abordadas as relações entre educação escolar e informática e entre ensino musical e aportes tecnológicos. O segundo capítulo apresenta a fundamentação teórica que trata das contribuições do sócio-construtivismo. São apontados os estudos de Vigotsky (1998, 1999, 1991) em relação à concepção construtivista de educação informática e são enfatizados os conceitos de zona de desenvolvimento proximal e pensamento e linguagem. Ainda, são abordadas as características da análise microgenética1 na elaboração de procedimentos para a verificação do desenvolvimento de conceitos sonoros e musicais por meio das fases e estágios da construção de conceitos elencadas por Vigotsky. O terceiro capítulo trata da análise dos softwares disponíveis considerados mais adequados segundo aspectos técnicos e pedagógicos para o contexto do ensino musical escolar. Para isso, foi necessária uma revisão bibliográfica específica em catálogos de softwares, em programas disponíveis por fabricantes via internet e em aplicativos utilizados no ensino musical (Alves, 2002; Krüger, 2000; Fritsch, 2003; Hentschke, 1999). O quarto capítulo – Metodologia – apresenta os procedimentos para aplicação do software escolhido com o objetivo de verificar o desenvolvimento cognitivo-musical dos alunos participantes. Foi escolhida uma escola da rede estadual de ensino básico, na qual se encontra instalado um laboratório de informática. Neste laboratório realizou-se a testagem empírica do software MEGALOGO junto aos sujeitos de pesquisa. Nesse sentido, selecionamos um grupo de oito alunos, dentre as turmas do ensino fundamental, para serem observados e avaliados durante as sessões/aulas – por meio de filmagens, gravações, entrevistas, atividades pré-elaboradas e, por meio da análise microgenética baseada nos estudos de Allessandrini (2004), Mantoan (1998), Wertsch (1987), Góes (1986) e Inhelder (1996). A análise e a avaliação do processo de desenvolvimento musical dos sujeitos é fundamentada em Swanwick (1991, 2003) e a construção de conceitos musicais via software em Vigotsky (1991, 1998).

A dimensão microgenética das adaptações cognitivas tem sido explorada por inúmeros estudos nos quais é possível constatar o desenvolvimento e funcionamento da inteligência ao engendrar soluções (Allessandrini, 2004, Mantoan, 1993; 1998; Martins, 1994). Neste estudo utilizamos uma adaptação destas abordagens ao verificar a construção de conceitos musicais sob perspectiva sócio-construtivista (Faria, 2001), analisando a microgênese do processo de construção de conceitos dos alunos (Inhelder, 1996; Branco & Valsiner, 1997; Vigotsky, 1991).

1

17

Atuando como professor nesta escola, por três anos consecutivos, foi possível conhecer profundamente todos os problemas por que passa o ensino musical em uma escola de ensino básico, como a música é vivenciada nestes contextos e, especificamente, por este grupo social. Acredita-se que a proposta teórica e metodológica da presente pesquisa tenha possibilitado a verificação do desenvolvimento musical dos sujeitos e que o conhecimento musical se deu por meio da mediação do software pedagógico-musical. Constata-se a importância e viabilidade do uso da informática na educação musical dentro do contexto da escola pública de ensino básico - tanto sob aspectos técnicos quanto cognitivos e didático-pedagógicos, tendo por base as temáticas da contextualização cultural/tecnológica, integração interdisciplinar e desenvolvimento de competências - numa aprendizagem por descobertas que favorece o desenvolvimento dos conceitos musicais.

18

1 A RELAÇÃO MÚSICA, EDUCAÇÃO E INFORMÁTICA Como trilhar o caminho da complexa relação entre ensino de música e aportes tecnológicos? Como a educação pública tem respondido a esta nova realidade? Como o ensino de música no contexto escolar pode usufruir destes espaços contemporâneos? Certamente estas questões não serão totalmente respondidas neste trabalho em razão da complexidade dos temas envolvidos e do difícil processo histórico da educação musical dentro do contexto escolar. O que se pretende é discorrer sobre a articulação de novas realidades que mudam as condutas das sociedades e, conseqüentemente, influenciam o processo de ensino e aprendizagem e o entendimento da construção do conhecimento musical. Diante destas novas necessidades a contemporaneidade se depara com o complicado debate sobre o papel da música dentro das práticas e teorias educativas que, quase sempre, constata um universo de carências básicas, que vai da falta de escolas e professores especializados, até a dificuldade de se efetivar a abordagem interdisciplinar. Isto tem se tornado uma justificativa para que poucas mudanças aconteçam para o avanço da inclusão do ensino da música na condição de disciplina autônoma na escola de educação básica. Ainda, supondo-se que o panorama geral da inserção da música na escola brasileira seja um reflexo das diretrizes educacionais, este panorama se apresenta, na atualidade, de forma pouco animadora, mostrando na produção musical, por exemplo, o grau de amadurecimento intelectual e político advindo de um penoso processo histórico (Fonterrada 2004, 2005). São notáveis: o esquecimento quase que total da tradição musical folclórica, o desconhecimento quase que absoluto da produção musical erudita passada e presente, a proliferação de modelos imitativos da cultura estrangeira no universo popular - e o pior - a exclusão quase que total do ensino musical das escolas públicas de ensino básico (Campos, 2003). Não que, atualmente, outras civilizações estejam livres destes embates culturais. Entretanto, a qualidade da música parece totalmente incompatível com seu espaço na mídia - e, nos projetos pedagógicos das escolas, aparentemente, tornou-se hábito relegar à música - e à arte em geral - um plano inferior. Com a finalidade de compreender esse processo cabe aqui uma brevíssima recapitulação dos aspectos históricos por meio dos quais se constituiu a problemática da música na escola. Pelos idos da década de 1930, na fase em que a educação musical no Brasil talvez tenha adquirido maior projeção e importância, fundou-se o Conservatório Nacional de Canto Orfeônico, sob a direção do maestro e compositor Heitor Villa-Lobos (Fonterrada, 2005). A meta

19

ambiciosa de criar corais amadores, os orfeãos, em todo o país, para exaltar as músicas e os valores pátrios, trazia em seu bojo a tentativa do governo Vargas de legitimar sua permanência no poder apoiando-se em um exacerbado sentimento nacionalista. Mesmo destituído de suas funções após a queda do Estado Novo, Villa-Lobos teve o grande mérito de atualizar as primeiras diretrizes da pedagogia musical do país, introduzindo idéias e métodos - tais como o resgate do folclore e o manusolfa - inspirados em dois grandes pesquisadores e educadores europeus: Bártok e Kodály (Mársico, 1978). Posteriormente, a reforma do ensino propiciada pela Lei 5.692 de 1971 lançou bases organizativas e filosóficas para o ensino brasileiro e definiu, até certo ponto, a regra de que a música, como disciplina curricular, estaria inserida dentro das prerrogativas da chamada Educação Artística (LDB - Lei Nº 5.692/1971). Já o ensino profissionalizante de música deveria ser atendido por cursos diferenciados, oferecidos pelos conservatórios e escolas superiores. O interesse pela música, como complemento da educação básica, sem finalidade profissionalizante, retornou nas décadas de 1970 e 1980 com alguns esforços do movimento artístico e pedagógico conhecido como Arte-educação. Mas, talvez pela excessiva liberalidade e indefinição de propostas, esta corrente, também, não conseguiu garantir o espaço da educação musical dentro do currículo escolar (Fernandes, 2004). Chegamos, enfim, ao marco divisor mais recente deste processo: a nova LDB. No que diz respeito a todas as áreas abordadas pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação, sancionada em 20 de dezembro de 1996, a participação da música no contexto da educação básica, está prevista, mas não regulamentada. A LDB/1996 declara, inicialmente, no artigo 4o, que o Estado deve garantir “acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e da criação artística” e no artigo 26, parágrafo 2o, afirma que “o ensino da arte constituirá componente básico curricular obrigatório, nos diversos níveis da educação básica, de forma a promover o desenvolvimento cultural dos alunos”. Como parte da reforma curricular os PCN’s (Parâmetros Curriculares Nacionais), publicados em 1998, revelam um forte anseio por concretizar mudanças qualitativas reais, apesar de sugerirem proposições que, se não chegam a constituir uma metodologia, ao menos apontam para este caminho. Diante deste contexto, é possível então compreender a grande dificuldade para o retorno da música para a escola. Com a ausência gradual da música como disciplina autônoma ocorreu uma desvalorização do seu real significado – como conteúdo relevante para o desenvolvimento humano, dentro do ensino básico (fundamental e médio). Ou seja, a escola não

20

deixou de usufruir a música, mas, como não havia sistematização de seu ensino, os próprios professores eram os primeiros a divulgar o que conheciam: as músicas da mídia. Nesse sentido, segundo Souza (2002), a música passou a ter outras funções dentro do contexto escolar, entre elas podemos destacar: a) A música pretendida como terapia; b) A música como auxiliar no desenvolvimento de outras disciplinas; c) A música como mecanismo de controle; d) A música como prazer, divertimento e lazer; e) A música como disciplina à parte (raramente). Destacando esta última, verifica-se ainda, alguns raros espaços e oportunidades para o ensino musical autônomo, como as bandas e os corais, ou mesmo - mais raramente - a hora cívica (Souza, 2002). Nesse sentido, a observação de João Gabriel Fonseca é esclarecedora:

Não se pode negar que o ensino de música na imensa maioria das escolas de 1 e 2 graus é sumariamente secundarizado e, quando presente, não passa de uma forma de “passatempo institucionalizado”, cujo objetivo central costuma ser as apresentações corais, instrumentais e coreografias nas festas da escola (Fonseca, 1990, p. 17).
o o

Então, diante de tal realidade, conclui-se que todo esforço realizado para devolver ao ensino musical escolar a sua real função, de desenvolver a musicalidade, o senso estético sonoro, a consciência da percepção auditiva e a capacidade crítica cultural, é valido – mesmo que o caminho a ser tomado encontre soluções temporais, até que se chegue ao pleno direito de recursos, espaços e ações adequados ao ensino musical integral, vivenciado como disciplina livre dentro do contexto escolar. É claro que a música continuará a contemplar todas as outras funções citadas acima, contudo, espera-se que o desenvolvimento de pesquisas, projetos pedagógicos ou culturais e investimentos governamentais possam se multiplicar, fazendo jus à nova LDB e aos parâmetros curriculares nacionais (PCN’s) que preconizam, ao menos na letra, o retorno da linguagem musical, na condição de conteúdo autônomo e simbólico de comunicação e expressão. Diante da realidade histórica do ensino musical no contexto escolar e das novas configurações no âmbito do uso de novas tecnologias neste contexto, com as novas tendências estético-musicais advindas do desenvolvimento tecnológico, acredita-se que possibilidades didático-pedagógicas e projetos vinculados ao resgate da linguagem musical devam brotar

21

destas realidades e das constatações do cotidiano, confrontando as dificuldades e encontrando novas ações formativas.

1.1 CONCEITUALIZAÇÃO E CONTEXTUALIZAÇÃO Ao tratar do status epistemológico da educação musical e de sua delimitação como área de conhecimento, Luciana Del Ben (2001), pesquisadora da educação musical pertencente ao corpo docente da escola de música da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, afirma que é preciso chegar a um acordo acerca das várias áreas que investigam o fenômeno educativomusical. Del Ben considera a “educação musical como uma área de intersecção entre duas áreas” (Del Ben, 2001, p. 71), ao fundamentar-se em Kraemer (2000), afirma que a educação musical, “por ocupar-se das relações entre as pessoas e as músicas, divide seu objeto com as chamadas ciências humanas, como a pedagogia e musicologia” (Kraemer, 2000, p. 52). Nesta perspectiva, o uso de aportes tecnológicos no ensino de música no contexto escolar deve ser pensado inicialmente sobre a origem histórica e caracterização desta nova prática, por duas vias. A primeira via se refere à chegada da informática ou do computador no ensino básico e suas implicações pedagógicas. A segunda, tão importante quanto a primeira, é relativa às novas estéticas musicais advindas do uso do computador na produção musical nas chamadas músicas eruditas - eletroacústicas, populares - eletrônicas e ao novo tratamento que se dá à música em geral, com gravações - restaurações e armazenamento digital de arquivos sonoro-musicais. Estas áreas de conhecimento têm-se desenvolvido paralelamente com estruturas próprias que as fundamentam. No entanto, estas vias vão se cruzar dando origem ao que chamamos de informática educativa musical. O quadro abaixo (quadro 01) mostra esta relação, na qual a caracterização do que seja a informática no ensino da música passa, a nosso ver, pela educação musical, pela informática educativa e pela música computacional:
QUADRO 01 – Integração das áreas que contemplam a informática educativa musical (Eliton, 2005).
EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO + + INFORMÁTICA INFORMÁTICA + MÚSICA + MÚSICA = = = EDUCAÇÃO MUSICAL INFORMÁTICA EDUCATIVA MÚSICA COMPUTACIONAL

EDUCAÇÃO MUSICAL

+

INFORMÁTICA EDUCATIVA

+

MÚSICA COMPUTACIONAL

=

INFORMÁTICA EDUCATIVA MUSICAL

22

Verifica-se, desta forma, a complexidade do tema proposto neste estudo, no qual se faz necessário integrar as áreas da Educação Musical com Informática Educativa e Música Computacional (eletrônica e eletroacústica). Estas áreas de pesquisa são integrativas e seus estudos tendem a promover avanços na medida em que se desenvolve uma consciência de que mudanças tecnológicas, culturais e pedagógicas estão interligadas. Nesse sentido, verificam-se diferentes abordagens do uso destas tecnologias no ensino da música, na compreensão da estrutura sonora e sua manipulação (altura, duração, intensidade, timbre) e no desenvolvimento da leitura e escrita musical, abrangendo o uso de diversos recursos audiovisuais e multimidiáticos, como CD, CD-ROM, DVD, caraokê, internet, interface multimídia com caixa de som, microfone, teclados musicais conectados na placa de som e os devidos softwares musicais e Pedagógico-Musicais. Concernente ao estudo de tais tecnologias no Brasil, o Congresso de Música e Informática Brasileiro (CMIB)1 é um dos eventos nacionais que vem congregando em suas conferências pesquisas voltadas para o uso de ferramentas computacionais na música. Há, também, o interesse crescente dos educadores musicais, preocupados com esta nova realidade. Porém, poucas pesquisas têm procurado transportar os resultados desses estudos para a iniciação musical e para o ensino escolar, o que se acredita ser importante e viável e, que proporcionaria a inclusão digital-musical de uma maior parcela da população estudantil. No Brasil a relevância do conhecimento musical na formação do cidadão é referendada pela LDB/96 e PCN’s, tanto no aspecto dos conteúdos da linguagem musical quanto das integrações interdisciplinares. Esses documentos ratificam a integração do ensino de música com a informática, fundamentados na “interdisciplinaridade, contextualização, desenvolvimento de competências” (PCN-Arte II, 1997a, p. 51, 81) e na “utilização didático-pedagógica do computador e de seus periféricos” (PCN, 1997b, p. 146-154). Vejamos a declaração do PCN-Arte que contempla o ensino da 5a à 8a séries:

Neste século, com os avanços da eletrônica refletindo-se na fabricação de novos instrumentos e equipamentos para produção sonora, com surgimento de novas linguagens musicais e respectivas estéticas refletem-se na criação de diversas técnicas de composição. São caminhos em aberto em que se encontram músicas eletrônicas resultantes de processos desenvolvidos no âmbito popular, como o rock; e músicas eletrônicas resultantes de processos de erudição, tais como as músicas eletroacústicas, bem como interpretações que têm ocorrido entre essas
1

Além do CMIB, temos: SBCM – Simpósio brasileiro de computação e música; SBIE – Simpósio brasileiro informática na educação.

23

duas vertentes. Discussões e percepções sonoras dessa natureza podem estar presente na educação musical proposta e desenvolvida na escola (Brasil, 1997a, p. 80).

A realidade da “explosão” informática tem atingido a educação e chegado às escolas públicas de ensino básico por meio dos laboratórios implementados pelo PROINFO – Programa Nacional de Informática Educativa, que tem o objetivo de instalar e manter um laboratório com computadores em cada escola pública do país. Motivados pela emergente necessidade da inclusão digital, juntamente com a implementação de laboratórios pelo PROINFO, vários professores, pedagogos e pesquisadores têm procurado se adequar a esta nova realidade realizando estudos envolvendo o uso pedagógico do computador e de seus aparatos multimidiáticos. Objetivando contrapor esta nova realidade, os projetos pedagógicos necessitam levar em consideração os espaços disponíveis para atuação do professor de música. Contudo, antes de se aventurar no universo das novas realidades culturais, o educador necessita encontrar, por meio da pesquisa e da formação continuada, a preparação de suas aulas, utilizando espaços alternativos disponíveis, mesmo que continue lutando por condições de trabalho ideais, como a aquisição de instrumentos musicais, quadros pautados e salas com acústica adequada. Ao estabelecer como referencial as afirmações de Del Bem (2001) e Kraemer (2000), com as quais iniciamos esta discussão introdutória, acredita-se que a compreensão do que seja o uso da informática na educação musical passa pelo entendimento sobre o uso da informática na música e do uso da informática na educação escolar. Antes de se chegar a uma caracterização do uso da informática na educação musical, faz-se necessário verificar o processo desta realidade emergente por meio de um histórico da inserção da informática no ensino básico e da integração entre música e informática.

1.1.1 Música e informática Concordando com Glória Cunha (Cunha e Martins, 1998), o progresso científico e o fazer musical sempre tiveram uma estreita relação. O desenvolvimento científico sempre trouxe implicações diretas no fazer musical, como na construção e evolução dos instrumentos musicais e no âmbito do entendimento teórico das propriedades do som. Acredita-se, também, que estas influências alcançam o ensino desta arte.

24

Atualmente os compositores passam a conhecer, explorar e incorporar à suas músicas, não apenas, matizes timbrísticas dos instrumentos asiáticos, africanos e indígenas, mas, também, padrões rítmicos e melódicos destas e outras culturas. As estéticas e filosofias de outros povos passaram a ser a fonte de inspiração tanto de compositores como John Cage, Messiaen, Koellreutter, como dos Beatles, em virtude de uma nova realidade mundial que se forma no campo do desenvolvimento tecnológico com conseqüências culturais irreversíveis. Além disso, com o aparecimento dos sintetizadores e dos computadores, toda uma nova extensão sonora passa a ser explorada pela criação musical, derrubando as antigas barreiras físicas, possibilitando experimentos com timbres e a audição imediata de criações. Esses recursos já eram ansiados por muitos compositores que não encontravam mais nos recursos oferecidos pela tecnologia de seu tempo as ferramentas necessárias para sua expressão (Moraes, 1983). Nesse sentido, no âmbito da criação musical de gênero erudito, os primeiros estúdios eletroacústicos apresentaram tendências estéticas opostas. Por um lado, a Música Concreta e, por outro, a Música Eletrônica Serial (Griffiths, 1994). No entanto, esta diversidade prenunciava a riqueza criativa e musical das possibilidades que o crescimento tecnológico traria para o desenvolvimento musical. Segundo Rodolfo Caesar (1999), no panorama da nova realidade musical verifica-se que, de todas as artes, a música é a mais revivida e glorificada por seu passado. Mas, na verdade, não existe falta de novas estéticas ou crise de criatividade na música atual, e sim falta de divulgação desta música pela mídia, editoras, gravadoras e escolas de música, incluindo as universidades. Não sendo divulgada ela não é comercial e não sendo comercial, não é publicada, gravada, tocada, estudada e, portanto, não é ouvida (Giron, 1994). Considerando a produção musical ao longo das épocas, nota-se que o campo de abrangência da música vem se tornando cada vez maior, o que se deve, em parte, à utilização de novos instrumentos e a novas formas de geração, produção e armazenamento de sons. O emprego da tecnologia aponta as novas facetas da música (Giron, 1994). No âmbito da criação musical eletroacústica, com a música-concreta, o compositor utilizava sons do ambiente por meio de fita magnética e na música-eletrônica a produção de sons era realizada por meio de um gerador de sinais. O computador, na atividade composicional, apresenta-se como uma ferramenta que apóia o compositor na viabilização e explicitação de idéias. Por meio dos aplicativos computacionais o compositor tem acesso a sistemas de representação diversificados que fornecem feedbacks sonoros e gráficos com partituras, desenhos e diagramas.

25

O uso do computador na atividade composicional apresenta possibilidades de criação, captura e transformação de eventos sonoros. Possibilita que o compositor construa um “banco de idéias musicais” que passam a ser transformadas e reutilizadas em outros contextos composicionais. Os aplicativos computacionais, também, possibilitam que o compositor tenha acesso, em um único ambiente, a diversas ferramentas (Cunha e Martins, 1998). Estes recursos dão suporte à criatividade composicional apresentando possibilidades mais potentes e diversificadas para o compositor expressar e trabalhar suas idéias. Nesse sentido, segundo Kater (1990), surgem novos parâmetros relacionados ao processo de composição, como o controle da obra e o uso de novas formas (Cunha e Martins, 1998, p. 08). Ocorre o surgimento de novos estilos: música espectral, minimalismo, world music. Também, surgem novas formas de concerto, como o “Tape Solo”. No desenvolvimento das técnicas de gravação e de preservação, o que se torna imortal agora é a própria obra, a própria música tal qual o compositor a concebeu. Depois de milênios nós, humanos, demos à Arte do Som, por meio da gravação, imortalidade igual a das Artes Visuais ou da Literatura. Além do tape solo temos, também, a técnica mista (tape e acústica) e a Live Eletronic, os chamados meios mistos (Almeida, 1997, 2003). Concordando com Glória Cunha (Cunha e Martins, 1998), cabe ao artista a tarefa de ser a “antena da raça” e ao arte-educador a tarefa de ser o supercondutor que leva o que essa antena captou. Deixar o alunado entregue aos modismos midiáticos, sob pretextos liberais, é na verdade uma prática elitista. Significa abandoná-los tornando-os dependentes da sua condição sócio-cultural. É aumentar a desigualdade ao acesso e fruição da arte. No entanto, a história da inserção das tecnologias no fazer musical passa necessariamente pelo contexto da música popular e das chamadas músicas jovens urbanas e rompe, no contexto pedagógico, com toda discriminação entre música erudita versus música popular. A temática da contextualização do ensino musical para o universo dos jovens não deve estar ausente dos projetos de ensino musical, quaisquer que sejam eles. Por isso, serão abordadas, no item a seguir, as contribuições das músicas eletrônicas dos DJ’s (Disc Jóqueis) versus as eletroacústicas do universo acadêmico e erudito, já exemplificadas.

26

1.1.2 Música Eletrônica versus Eletroacústica O dicionário de música Grove (1994) define música eletrônica como qualquer “música produzida ou modificada por meios eletrônicos para poder ser ouvida” (Grove, 1994, p. 634). Segundo Gubernikoff (1996), a música eletrônica é definida como a música produzida por meio de instrumentos adaptados para produzir som modificado pela eletricidade. Na música eletroacústica há expansão para manipulação de timbres e o desenvolvimento de processos composicionais ligados a descobertas da psicoacústica (Almeida, 1997). Além da experimentação sonora em combinações que estimulam o sensorial, as sensações, os perceptos e os afectos, o que direciona as produções musicais para uma abordagem mais formalista (Gubernikoff, 1996). No entanto, os termos, eletrônico e eletroacústico, têm sido designados para identificação não só dos meios de produção musical, mas, também, para identificar os gêneros em popular (música eletrônica) e erudito (música eletroacústica). Nesse sentido, o termo eletroacústico identificaria corretamente - se não fosse os equívocos de ordem conceitual - a integração de processos elétricos e acústicos; e o termo eletrônico, qualquer música que utiliza no seu processo a integração de meios elétricos na produção dos sons. Porém, no universo da cultura urbana jovem da atualidade, ao se falar de música eletrônica, fala-se em música popular contemporânea, nas músicas produzidas pelos DJ’s, nos estilos conhecidos como hip-hop, rap, funk, techno e remix, entre outros. Pouco se conhece sobre a relação entre música clássica com meios elétricos ou o que é a música eletroacústica. Despertar os educandos para essa nova realidade, tomando por base seus próprios contextos, pode ser um caminho de integração entre o universo eletrônico e eletroacústico – popular e erudito. Nesse sentido, verifica-se que há uma estreita ligação entre desenvolvimento tecnológico e música popular, pois a arte popular se utiliza em grade escala dos meios tecnológicos para produção e divulgação da Cultura de Massa (Herschmann, 1997). Cláudia Assef (2003) realizou um estudo recentemente no qual sistematiza alguns aspectos do processo de desenvolvimento da música eletrônica no Brasil. Segundo Assef (2003), por volta da década de 1950, as orquestras e bandas de jazz das casas de dança são substituídas gradativamente por vitrolas e toca discos, das quais surgem as “Orquestras Invisíveis” (Assef, 2003, p.23). Até então, o operador destes aparelhos somente trocava os discos atrás de uma cortina ou em local no qual não era visto, este indivíduo era chamado de discotecário. Após esta fase inicial, surgem os

27

discotecários de sucesso com repertórios específicos para agradar o público característico dos chamados bailes jovens. O surgimento do DJ (Disc-Jóquei) acontece nas casas de shows, rádios, TV’s e estúdios, que necessitam de um discotecário mais performático; que utiliza dois toca discos, de forma a ser possível iniciar a próxima música antes que a anterior chegue ao final, para não haver um espaço de silêncio entre as músicas. Posteriormente, com o surgimento dos bailes jovem, e especificamente com o break, uma espécie de movimento de rua, o discotecário passa manipular o disco enquanto este ainda está tocando, friccionado pela agulha do toca discos, descobrindo timbres e trejeitos de manipular trechos e partes de várias músicas. Isso vai desembocar nos grandes concursos de DJ´s que acontecem em todo mundo, nos quais um DJ manipula vários toca discos, hoje toca CD´s ou aparelhos eletrônicos específicos para estas performances (pickups). Atualmente, os DJ’s não somente trabalha, com músicas prontas, mas criam timbres e combinações polifônicas e arranjos musicais em tempo real. Com a finalidade de contrapor as duas áreas de criação musical foi organizado o quadro abaixo (quadro 02) que permite comparações entre a música eletrônica e a música eletroacústica nos quesitos origem, performer, público e área de atuação.

QUADRO 02 - Quadro comparativo entre música eletrônica e música eletroacústica (Eliton, 2005). MÚSICA ELETRÔNICA Origem TOCA DISCO, MICROFONE, GRAVADOR, CAIXA E AMPLIFICADOR - SINTETIZADOR. JAZZ, ROCK, BREAK, RAP, HIP HOP, FUNK, DANCE MUSIC (House, Acid House, Techno, Hardcore Techno, Break beat, Goa Trance, Ambient, Tribal, Trip Hop) Performer POPULAR - DJ Público MULTIDÕES Área de MÍDIAS atuação MÚSICA ELETROACÚSTICA
COMPUTADOR, SINTETIZADOR, TOCA FITAS. Pierre Schaeffer criou o musique concrète, ruídos gerados por toca-discos; 1951, Alemanha Ocidental, Hebert Eimert, Serialismo Integral; Em 1956, Stockhausen foi o primeiro a juntar vozes humanas com sons eletrônicos; Música spectral; Minimalismo; World music. ERUDITO - COMPOSITOR GRUPO ALTAMENTE SELETO ACADEMIAS de Pós-Graduação.

Analisando o desenrolar da história de estilos como foi o break (Assef, 2003), os “bailes blacks” da década de cinqüenta no Rio de Janeiro – com a “orquestra invisível” sendo guiada pelo discotecário, e futuramente com o surgimento dos DJ’s e os movimentos do hip-hop, do rap e funk (Herschmann, 1997) pode-se verificar a riqueza musical advinda do desenvolvimento eletrônico, no alargamento e na divulgação de um ensino musical não formal, na ampliação de espaços e ações e no surgimento de “novas culturas musicais” (Araldi, 2004). Ainda, por outro

28

lado, pode-se falar de todo o desenvolvimento proporcionado pelas novas tecnologias no âmbito da produção, da divulgação e da massificação de determinados estilos e modismos musicais. Assim como, da influência destes movimentos nas identidades coletivas musicais dos jovens que freqüentam a escola de ensino básico. Atualmente, tem-se a necessidade de, não somente, divulgar uma maior diversidade de produções musicais, mas, também, de oportunizar a aproximação crítica do grande público a essas músicas. Isto possibilitaria a compreensão das estéticas próprias dessa linguagem ampliando o leque cultural dos indivíduos da sociedade e, conseqüentemente, contribuindo para o desenvolvimento cultural. Estes possuem o direito de conhecer e compreender um amplo leque de culturas, posturas e manifestações artísticas presentes na atual contemporaneidade – e de serem libertos das restritas identidades midiáticas, tendo assim a possibilidade de serem participantes da pluralidade cultural do presente século. A educação musical é responsável por contribuir para este desenvolvimento. Ao se falar em educação musical de uma maior parcela da população, tem-se a necessidade de se repensar o papel do ensino musical no contexto escolar, pois é função da escola brasileira proporcionar o conhecimento básico, para o desenvolvimento pleno do potencial humano, e o papel da música nesta parte é considerado como primordial. Mas, antes de falar propriamente do ensino musical no contexto escolar, e do ensino musical via novas tecnologias, exporemos alguns aspectos da inserção da informática no ensino público, ou seja, a relação entre educação escolar e informática.

1.2 EDUCAÇÃO ESCOLAR E INFORMÁTICA O que é Informática na Educação? De acordo com Almeida (1996), é um novo domínio da ciência, cuja própria concepção traz embutido o conceito de pluralidade, de inter-relação e de intercâmbio crítico entre diversos saberes e idéias desenvolvidas por diferentes pensadores. É uma ampla e abrangente abordagem sobre aprendizagem, filosofia do conhecimento, domínio das técnicas computacionais e da prática pedagógica. Nesse sentido, muitos trabalhos e pesquisas têm sido desenvolvidos atualmente pelos mais diversos ramos da pedagogia escolar e têm encontrado junto a NTIC’s (novas tecnologias), melhorias para o desenvolvimento da prática pedagógica, como por exemplo, na alfabetização (Bottazzini, 2001; Mabilde, 2004); na educação matemática (Souza, 2001; Faria, 2001, Luchesi, 2004); no estudo do desenvolvimento cognitivo (Barbosa, 2001; Alves, 1999) e no ensino de

29

música (Gohn, 2003; Braga, 1995; Flores, 2000, 2002; Fritsch, 1998, 2003; Krüger, 1996, 1999, 2000). No entanto, esta nova realidade ainda deve ser muito examinada. Com as inúmeras possibilidades do uso das NTIC’s no ensino escolar, verifica-se que se está apenas no começo de uma grande revolução. Segundo Franco (2004), atualmente as bases das ações tecnológicas estão ancoradas nos padrões acessíveis e não proprietários da internet para propiciar ingresso e desenvolvimento sustentável do conhecimento sobre as novas tecnologias que formam a rede mundial de computadores. Desta forma, estima-se contribuir para o desenvolvimento de um currículo nãolinear e interdisciplinar, beneficiando a comunidade escolar com as possibilidades de aprender por meio de comunicação interativa, para além do hipertexto em formato de áudio, vídeo e texto. Ou seja, usar com criatividade a convergência internet/mídia para inovação na educação, tendo a internet como resultado da apropriação social de sua tecnologia por seus usuários e produtores (Castells, 2003). Novas tecnologias accessíveis têm influenciado mais e mais transformações nos negócios do mundo corporativo tanto pela questão de diminuição de custos relativos aos investimentos em software proprietário e flexibilidade de adaptação, quanto à facilidade de criação, escala, produção, manutenção de sistemas e possibilidades diversas de comunicação com o usuário. Por exemplo, via interfaces em duas e três dimensões com a combinação de linguagens padrão da WEB, tais como Hypertext Markup Language – HTML (2D) e Virtual Reality Modeling Language – VRML (3D), Javascript, JAVA, incluindo-se o uso de linguagem natural e simulações (Perlin, 2004 apud Franco, 2004). Para utilizar tais tecnologias na educação básica é necessário apresentar conceitos técnico-científicos fundamentados em sistemas de informação e computação gráfica para que os jovens de hoje tornem-se adultos capazes de aplicá-los com criatividade e inovação ao longo de suas vidas. Segundo Furth (1999, apud Franco, 2004), justifica-se empregar o estado da arte das tecnologias para aprimorar o ambiente escolar, pois talvez seja oportunidade única para muitas crianças acessarem e aprenderem como tais tecnologias podem melhorar a qualidade de suas vidas por meio do desenvolvimento de suas habilidades e competências para compreender e modificar o ambiente em que vivem. Incluindo o desenvolvimento do próprio ser (auto-estima, sistema de valores, capacidade de análise, diferenciação, capacidade de lidar com o risco, criatividade), levando consigo estas experiências como inspiração para desenvolverem-se profissionalmente e como cidadãos (Dolabela, 2003; Pimenta, 2005).

30

Então, a informática na educação escolar pode ser pensada como a utilização de ferramentas que não substituem os métodos tradicionais, mas que auxiliam o desenvolvimento das atividades educacionais por meio do intercâmbio de informações e do estímulo à consciência crítica, de forma mais ágil, concreta e contextual para o aluno, na qual o conhecimento não é mais unidirecional, somente do professor, mas vem de várias direções e entre os próprios alunos. As orientações dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN-Introdução) expõem alguns pontos esclarecedores:
O computador é, ao mesmo tempo, uma ferramenta e um instrumento de mediação. É uma ferramenta porque permite ao usuário realizar atividades que, sem ele, seriam muito difíceis ou mesmo impossíveis. (...) Mesmo os programas educativos para computador não se constituem como soluções prontas e autosuficientes para o ensino. Nenhum software funciona automaticamente para promover aprendizagens, pois é necessário que a sua utilização esteja atrelada a um contexto de ensino e aprendizagem, ou seja, à colocação de problemas cognitivos considerando aquilo que o aluno já sabe. (...) É sempre o professor quem define quando, por que e como utilizar o recurso tecnológico a serviço do processo de ensino e aprendizagem. O professor é sempre o responsável pelos processos que desencadeia para promover a construção de conhecimentos, e nesse sentido é insubstituível. (...) A tecnologia é um instrumento capaz de aumentar a motivação dos alunos, se a sua utilização estiver inserida num ambiente de aprendizagem desafiador. Não é por si só um elemento motivador. Se a proposta de trabalho não for interessante, os alunos rapidamente perdem a motivação (Brasil, 1997b, p. 4657 – grifos meus).

Apesar de já estarmos distanciados do tempo em que a computação nas escolas era considerada como um grande avanço, na forma de ampliar o recrutamento de alunos para seus quadros discentes, esse assunto ainda polariza discussões. Não há um consenso único sobre suas formas de utilização e sobre seu valor como ferramenta auxiliar no processo de ensinoaprendizagem. Ainda há contundentes embates entre concepções às vezes muito rígidas ou muito simplistas e ingênuas a respeito da informática nas escolas. Segundo Valente (1996), duas posturas têm figurado nessas discussões, posturas céticas versus otimistas, ambas podem cegar o real potencial da informática como mediador pedagógico sendo necessária a busca por uma postura pedagógica autocrítica e mais equilibrada.

O quadro abaixo (quadro 03) é uma síntese das afirmações da Valente (1996) que mostra no lado esquerdo uma relação de mitos relacionados ao uso e inserção da informática no ensino escolar, e do lado direito, alguns problemas relacionados a esta nova realidade:

31

QUADRO 03 – Mitos e Problemas em informática educativa – síntese baseada em Valente (1996). MITOS A) O computador viria resolver os problemas e impasses da educação; B) O computador é uma ameaça ao pensamento criativo, à literatura e poesia, às artes, ao pensamento divergente, à socialização dos alunos e o uso do computador na escola só tem validade quando utilizado vinculado ás disciplinas matemáticas; C) O computador é o responsável pela atividade didática; D) O computador é visto cada vez mais como um instrumento com capacidade de raciocínio igual ou superior ao dos seres humanos; E) Para utilizar o computador na educação é preciso ser especialista ou técnico em informática; F) Não é necessário que se saiba absolutamente nada sobre computadores para se trabalhar com a informática na escola. PROBLEMAS A informática nas escolas é uma revolução sem volta. Mas, sabemos que ainda não existe uma teoria aceita de modo consensual, que já tenha respondido com bases confiáveis a algumas perguntas simples: A) Quais são as vantagens para a educação com o uso de metodologias informáticas e com a introdução do computador? B) É realmente necessário para o desenvolvimento da educação que todas as escolas possuam computadores? C) Precisamos realmente dele? D) Para fazer o quê? E) Em que medida nos será útil? F) Estão sendo, ou já se encontram os professores preparados para ele?

Nos dizeres de Valente, o grande desafio se encontra propriamente na concepção de ensino, pois o uso das tecnologias está atrelado a este fundamento. Nas palavras do autor:
Entretanto, a nova questão que se coloca é: como conseguir essa mudança? Parece que o sistema educacional, como um todo, resiste a essas mudanças. Existe uma tendência de se manter o paradigma instrucionista por razões de ordem histórica — foi assim que fomos educados é assim que devemos educar — ou pela falta de entendimento do que significa aprender ou ainda pela falta de experiência acumulada que possa comprovar a efetividade educacional do paradigma construcionista (Valente, 1996, p.12).

Segundo Vera Zacharias (2004), mestra em educação, pedagoga, diretora aposentada, a escola é uma instituição que resiste a mudanças, mas, já estamos vivendo a Era da Informação que requer significativas revisões do sistema educacional. Para ela o principal objetivo da escola como instituição é formar as novas gerações, de maneira a respeitar a sua identidade, estando consciente das suas necessidades reais. O que não pode ser ignorado pela escola é a sua inserção neste processo, de modo a atender o público a que se destina. As transformações sociais se processam rapidamente e a mudança se tornou a regra. Nessa situação dinâmica, a educação é um processo contínuo de construção e reorganização dos conhecimentos, tendo como finalidade o desenvolvimento global e harmonioso da personalidade, para formação do indivíduo crítico. Cabe, então, à escola participar do processo de mudança, repensando as variadas questões introduzidas pelo uso de novas tecnologias, pois se alguma mudança houve, é necessário que se entenda qual o seu significado e quais as conseqüências que serão geradas por esses fatores de mudança.

32

Deve-se lembrar que se muitas vezes a tecnologia traz benefícios, ela, também, desfaz coisas boas que estão adequadas às nossas necessidades. No caso específico dos computadores, lembrar sempre que a principal característica deles é não ter função definida. Eles vão funcionar de acordo com os programas que lhes são fornecidos e trabalhar a serviço daqueles que o estão utilizando. Não são a priori nem bons, nem maus, nem úteis, nem inúteis; tudo dependerá de nossas reais necessidades. A tecnologia deve nos servir, colocar-se ao nosso serviço, e não ditar quais serão as nossas necessidades. Para se compreender melhor a complexa realidade advinda do uso das novas tecnologias no contexto escolar, traçaremos a seguir um histórico da inclusão dos computadores no ensino em geral no Brasil.

1.2.1 As Bases da Informática Educativa no Brasil No Brasil, segundo Almeida (2000), o uso do computador na educação teve início com algumas experiências em universidades no princípio da década de 1970. Na UFRJ, em 1973, o Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde e o Centro Latino-Americano de Tecnologia Educacional (NUTES/CLATES) usou o computador no ensino de Química, por meio de simulações. Na UFRGS, nesse mesmo ano, realizaram-se algumas experiências usando simulação de fenômenos de física com alunos de graduação. O Centro de Processamento de Dados desenvolveu o software SISCAI para avaliação de alunos de pós-graduação em Educação. Na UNICAMP, em 1974, foi desenvolvido um software, tipo CAI, para o ensino dos fundamentos de programação da linguagem BASIC, usado com os alunos de pós-graduação em Educação, produzido pelo Instituto de Matemática, Estatística e Ciência da Computação, coordenado pelo Prof. Ubiratan D'Ambrósio e financiado pela Organização dos Estados Americanos. Em 1975, foi produzido o documento "Introdução de Computadores no Ensino do 2° Grau", financiado pelo Programa de Reformulação do Ensino (PREMEN/MEC) e, nesse mesmo ano, aconteceu a primeira visita de Seymour Papert e Marvin Minsky ao país, os quais lançaram as primeiras sementes das idéias do LOGO2. Sendo Papert e Minsky dois dos maiores nomes pioneiros que estudam a utilização da informática no ensino formal.

O LOGO é uma linguagem de programação e como tal serve para que possamos nos comunicar com o computador. Essa linguagem possui como todas, seus aspectos computacionais, e no caso do LOGO, este aspecto serve para explorar o processo de aprendizagem. PAPERT, S. An Evaluative Study of Modern Technology in Education. MIT- Instituto de Tecnologia de Massachusetts. 1976; PAPERT, S. LOGO: Computadores e Educação. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

2

33

Entretanto, discussões mais significativas acerca da implantação do programa de informática na educação no Brasil, iniciam-se com o primeiro e segundo Seminário Nacional de Informática em Educação, realizados respectivamente na Universidade de Brasília em 1981 e na Universidade Federal da Bahia em 1982. Esses seminários estabeleceram um programa de atuação que originou o EDUCOM e uma sistemática de trabalho diferente de quaisquer outros programas educacionais iniciados pelo MEC. No caso da Informática na Educação as decisões e as propostas nunca foram totalmente centralizadas no MEC. Eram frutos de discussões e propostas feitas pela comunidade de técnicos e pesquisadores da área. A função do MEC era a de acompanhar, viabilizar e implementar essas decisões (Almeida, 1996). Portanto, a primeira grande diferença do programa brasileiro em relação aos outros países, como França e Estados Unidos, é a questão da descentralização das políticas. No Brasil, as políticas de implantação e desenvolvimento não são produtos somente de decisões governamentais, como na França, nem conseqüência direta do mercado como nos Estados Unidos. A segunda diferença entre o programa brasileiro e o da França e dos Estados Unidos é a questão da fundamentação das políticas e propostas pedagógicas da informática na educação. Desde o início do programa, a decisão da comunidade de pesquisadores foi a de que as políticas a serem implantadas deveriam ser sempre fundamentadas em pesquisas pautadas em experiências concretas, usando a escola pública, prioritariamente, o ensino de 2° grau. Essas foram as bases do projeto EDUCOM, realizado em cinco universidades: UFPe, UFMG, UFRJ, UFRGS e UNICAMP. Esse projeto contemplou, ainda, a diversidade de abordagens pedagógicas, como desenvolvimento de softwares educativos e uso do computador como recurso para resolução de problemas. Do ponto de vista metodológico, o trabalho deveria ser realizado por uma equipe interdisciplinar formada pelos professores das escolas escolhidas e por um grupo de profissionais da universidade. Os professores das escolas deveriam ser os responsáveis pelo desenvolvimento do projeto na escola, e esse trabalho deveria ter o suporte e o acompanhamento do grupo de pesquisa da universidade, formado por pedagogos, psicólogos, sociólogos e cientistas da computação. A terceira diferença é a proposta pedagógica e o papel que o computador deve desempenhar no processo educacional. Nesse aspecto o Programa Nacional de Informática Educativa (PROINFO) é bastante peculiar e diferente do que foi proposto em outros países. No programa brasileiro, PROINFO, o papel do computador é o de provocar mudanças pedagógicas profundas ao invés de "automatizar o ensino" ou preparar o aluno para ser capaz de trabalhar

34

com o computador. Todos os centros de pesquisa do projeto EDUCOM atuaram na perspectiva de criar ambientes educacionais usando o computador como recurso facilitador do processo de aprendizagem. O grande desafio era a mudança da abordagem educacional. Transformar a educação centrada na transmissão da informação para uma educação em que o aluno pudesse realizar atividades por meio do computador e, assim, aprender. A formação dos pesquisadores, os cursos de formação ministrados e mesmo os softwares educativos desenvolvidos eram elaborados tendo em mente a possibilidade desse tipo de mudança pedagógica. Segundo Almeida (2000), embora a mudança pedagógica tenha sido o objetivo de todas as ações dos projetos de informática na educação, os resultados obtidos não foram suficientes para sensibilizar ou alterar o sistema educacional como um todo. Os trabalhos realizados nos centros do EDUCOM tiveram o mérito de elevar a informática na educação do estado zero para o estado atual, possibilitando-nos entender e discutir as grandes questões da área. Ainda temos diversas experiências instaladas no Brasil que apresentam mudanças pedagógicas fortemente enraizadas e produzindo frutos. No entanto, essas idéias não se alastraram e isso aconteceu, principalmente, pelo fato de se ter subestimado as implicações das mudanças pedagógicas propostas no sistema educacional como um todo: a mudança na organização da escola e da sala de aula, no papel do professor e dos alunos, e na relação aluno versus conhecimento. Somente por meio das análises das experiências realizadas é que se tornará claro que a promoção dessas mudanças pedagógicas não depende simplesmente da instalação dos computadores nas escolas. É necessário repensar a questão da dimensão do espaço e do tempo da escola. A sala de aula pode deixar de ser o lugar das carteiras enfileiradas para se tornar um local em que professor e alunos podem realizar um trabalho diversificado em relação a conhecimento. O papel do professor deixa de ser o de "entregador" de informação para ser o de facilitador do processo de aprendizagem. O aluno deixa de ser passivo, receptáculo das informações, para ser ativo aprendiz e construtor do seu conhecimento. Portanto, a ênfase da educação passa a ser a construção do conhecimento, realizada pelo aluno de maneira significativa, sendo o professor o facilitador desse processo de construção. Embora as questões envolvidas na implantação da informática na escola estejam mais claras hoje, as ações do passado não foram totalmente voltadas para o desafio dessas mudanças e mesmo hoje, as ações são incipientes e não contemplam mudanças concretas. Isso pode ser

35

notadamente observado nos programas de formação de professores para atuarem na área da informática na educação que ainda são realizados sob perspectivas tradicionais. Procurar uma reforma na inclusão do desenvolvimento tecnológico no ensino e no desenvolvimento de práticas pedagógicas mais equilibradas precisa ser a busca do educador consciente. Este desenvolvimento tem atingido todo o Brasil. Em Goiás, por exemplo, temos atualmente um grande número de escolas com laboratórios de informática. Há, também, um esforço do Governo do Estado para possibilitar a inclusão das escolas restantes nesse processo. Nesse sentido, atualmente uma parceria do governo de Goiás com a empresa americana Microsoft foi acertada com a finalidade de ampliar o acesso à informática na comunidade, escolas e universidades.

1.2.2 O PROINFO em Goiás A informática na educação no Brasil, segundo Valente (1999) e Almeida (2000), introduzida há mais de trinta anos, não impregnou as idéias dos educadores e ainda não está consolidada no nosso sistema educacional. Porém, o papel dos computadores nas escolas tem possibilitado a discussão sobre mudanças pedagógicas profundas como a criação de ambientes de aprendizagem nos quais o aluno constrói o seu conhecimento e tem o controle desse processo de construção. Portanto, no Brasil, a informática na educação nasceu com base no interesse dos próprios educadores e apesar da caminhada ser diversa, resultados compatíveis e mudanças consistentes quase não tem ocorrido do ponto de vista pedagógico. Deste modo, diferentemente de outros países, como EUA e França, as políticas e propostas pedagógicas da informática na educação, no Brasil, tradicionalmente têm sido fundamentadas em pesquisas realizadas nas universidades e em virtude das escolas da rede pública de ensino (Valente, 1999). Concernente ao advento dos computadores nas escolas de ensino básico, o PROINFO tem sido um programa educacional que visa introduzir novas tecnologias de informação e comunicação na escola pública, como ferramenta de apoio ao processo de ensinoaprendizagem. É uma iniciativa do Ministério da Educação, por meio da Secretaria de Educação a Distância – SEED, criado pela Portaria nº 5223, de 09 de abril de 1997, sendo desenvolvido em parceria com os governos estaduais e alguns municipais.
3

www.proinfo.gov.br

36

As diretrizes do Programa são estabelecidas pelo MEC e pelo CONSED (Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Educação). Em cada unidade da federação, há uma Comissão Estadual de Informática na Educação cujo papel principal é o de introduzir as novas tecnologias de informação e comunicação nas escolas públicas de ensino fundamental e médio. O PROINFO tem na preparação de recursos humanos - os professores - sua principal condição de sucesso. A estrutura de funcionamento do PROINFO, dos NTE’s e dos Laboratórios está mais bem exposta no cronograma de funcionamento do proinfo (figura 01), no qual se verifica o MEC coordenando as unidades administrativas do PROINFO que, por sua vez, regimentam os programas estaduais e, conseqüentemente, os NTE’s (núcleos tecnológicos educacionais), que prestam serviços às escolas estaduais e municipais de ensino fundamental e médio.

FIGURA 01 – Cronograma PROINFO (www.proinfo.gov.br, 2005)

Em Goiás, há, também, uma Comissão Estadual de Informática na Educação. Segundo o estudo desenvolvido por Rocha (2001) sobre o PROINFO em Goiás, o trabalho de informática educativa foi iniciado a partir de 1993, pela secretaria de Estado e Cultura – SEC/GO, com a implantação de um Centro de Informática Educativa – CIED, núcleo de trabalho de programa PRONINFE, e um laboratório de informática em uma unidade escolar de Goiânia. No final de 1994, esta secretaria ampliou o atendimento em todo estado e foram implantados mais de dezoito laboratórios nas escolas da capital e interior do estado, atendendo cerca de 6.150 alunos do ensino fundamental e médio por meio de 188 professores capacitados especialmente na linguagem LOGO, editor de texto e planilha eletrônica.

37

Em 1997, o Estado de Goiás, por meio da SEC/GO (Secretaria Estadual de Educação), se credenciou junto ao PROINFO elaborando e aprovando seu projeto de informática na educação com o propósito geral de
(...) assegurar a implantação e utilização da informática na Educação pelas o o escolas de 1 e 2 graus das redes estadual e municipal, proporcionando à comunidade goiana a cultura de informática (Goiás, 1997, p. 5).

A proposta para o PROINFO em Goiás foi elaborada pela SEC/GO em parceria com a Universidade Federal de Goiás – UFG, Escola Técnica Federal de Goiás – ETFG, Centro Federal de Educação Tecnológica – CEFET-GO e Empresa Pública de Processamento de Dados – EMCIDEC, com alcance para uma década – 1997-2006. Segundo o PROINFO, entre 1997 e 1999, o Estado de Goiás recebeu cerca de quatro milhões de reais correspondente a 3,5% do total de investimento racionalmente, conforme a tabela abaixo (tabela 01).

TABELA 01 – Resumo de Investimentos (Em milhares de Reais) realizados pelo PROINFO – 1997-1999 (Rocha, 2001, p.59).
UNIDADE DA FEDERAÇÃO GO PERCENTUAL DOS GASTOS NO ESTADO BRASIL PERCETAGEM DE GASTOS NO PAÍS GASTOS COM CAPACITAÇÃO 754,18 18,5% 16.408,80 14,9% HARDWARE, SOFTWARE E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 3.291,09 81,4% 94.031,20 85,1% TOTAL DE INVESTIMENTOS 4.045,27 100% 110.440,00 100% 100,00 PARTICIPAÇÃO NACIONAL (%) 3,5

Em seu propósito geral de proporcionar à comunidade goiana o acesso à cultura de informática, a SEC/GO - estabeleceu objetivos específicos de: a) Sensibilizar a sociedade goiana, comunidade e unidades escolares sobre o programa de informática na educação; b) Implantar a democratizar o acesso aos meios de comunicação modernos (redes), possibilitando aos alunos e diversos segmentos da sociedade condições de utilização das diferentes fontes de informações; c) Estruturar e implantar Núcleos de Tecnologia Educacional para suporte técnico e pedagógico às unidades escolares inseridas no Programa Nacional de Informática na Educação; d) Contribuir para a melhoria do processo de ensino e aprendizagem; d) Capacitar recursos humanos para a utilização da informática na educação; e) Proceder ao acompanhamento e avaliação do PROINFO no Estado (Goiás, 1997, p. 5).

38

Nesse sentido, apesar do estágio embrionário inicial e das primeiras manifestações da presença da informática nas escolas de Goiás serem consideradas difíceis, no projeto de Goiás, afirma que
(...) a linguagem de informática contribuirá para que o aluno possa desenvolver sua criatividade, refletir sobre o próprio erro, interagir com seus colegas de forma mais crítica, ativa e atualizada, assegurando-lhe compartilhar significados e desenvolver habilidades indispensáveis na elaboração de sua leitura de mundo, na compreensão do processo dialético de construção e reconstrução histórica do conhecimento (Goiás, 1997, p.18).

Cada unidade educativa, escola ou NTE, deveria se estruturar sobre uma rede local (intranet) contendo uma máquina servidora e estações de trabalho multimídia em número de dez, quinze ou vinte. Estações de trabalho são computadores destinados à capacitação de alunos no uso de tecnologias variadas, destacando-se: “softwares de editoração, planilhas, apresentação, banco de dados, internet, correio eletrônico, gráficos, dicionários e outros” (Goiás, 1997, p. 66). Alguns dos softwares previstos para o micro servidor foram o “Microsoft Windows NT, versão 4.0 ou superior e Microsoft SQL Server 6.5 ou superior” (Goiás, 1997, p. 71). Além destes softwares foram acrescidos os softwares MEGALOGO. O LOGO é um software computacional divulgado entusiasticamente pelos adeptos da filosofia LOGO (Valente, 1996, p. 258), e é ainda comumente ensinado nos cursos de treinamento dos professores multiplicadores. Atualmente, outros softwares podem ser inseridos nestes computadores a pedido dos professores que devem estar habilitados no uso destas tecnologias. O PROINFO atualmente atende cerca de 650.000 alunos em todo estado com 19 unidades de atendimento para treinamento dos professores e 166 unidades escolares com laboratórios. O quadro abaixo (tabela 02) mostra estes dados informados pelo PROINFO.

TABELA 02 – Estrutura de atendimento às escolas pelo PROINFO - http://www.proinfo.gov.br/ - dados de agosto de 2005.
Qtd de NTES no estado: Qtd de escolas atendidas pelo Programa do Estado: Qtd de micros distribuídos para o Estado: Qtd de Alunos atendidos pelo Programa no Estado: Qtd de Professores capacitados pelo Programa: Qtd de Técnicos de Suporte capacitados pelo Programa no Estado: Qtd de Alunos Monitores capacitados pelo Programa no Estado: Qtd de Multiplicadores formados pelo Programa no Estado: Qtd de Escolas estaduais atendidas: Qtd de micros em escolas estaduais: 19 166 3.097 645.611 3.930 11 86 85 125 1.660

39

Qtd de professores atendidos nas escolas estaduais: Qtd de alunos de ensino médio, atendidos em escolas estaduais: Qtd de alunos de ensino fundamental, atendidos em escolas estaduais: Qtd de Escolas municipais atendidas: Qtd de micros em escolas municipais: Qtd de professores atendidos nas escolas municipais: Qtd de alunos de ensino médio, atendidos em escolas municipais: Qtd de alunos de ensino fundamental, atendidos em escolas municipais:

5.032 38.891 54.310 39 514 958 28 20.813

Nesse sentido, verifica-se que o PROINFO tem sido, ao longo destes anos de atuação em Goiás, um dos responsáveis pela inclusão digital, tanto dos alunos – objetivo maior do programa - quanto dos professores e da comunidade em geral, já que muitos dos cursos ministrados por este programa são abertos à comunidade como um todo. Assim, no contexto da escola pública de educação básica toda e qualquer disciplina pode usufruir os ganhos do espaço dos laboratórios de informática, que possuem acesso à internet e programas para o desenvolvimento de projetos pedagógicos. Nesta pesquisa, foram utilizados programas disponíveis no laboratório de informática de um colégio estadual, disponibilizados pelo PROINFO, para uso na disciplina arte, como o MEGALOGO. Como a formação do professor é em música, este trabalha com foco na linguagem musical. Outros softwares usados foram pesquisados pelo professor/pesquisador e são utilizados comumente nas aulas de música. Para se compreender melhor o que significa a inclusão destas tecnologias no ensino musical escolar, enfocaremos a seguir a relação entre educação musical e informática, passando, antes, pelos pressupostos teóricos e metodológicos essenciais da educação musical.

1.3 EDUCAÇÃO MUSICAL E INFORMÁTICA O que consiste educar musicalmente? Como realizar este trabalho na escola de ensino básico? Qual paradigma, teorias e abordagens mais adequadas? Antes de tratar dos aspectos específicos do ensino de música e sua relação com as novas tecnologias (NTIC’s), faz-se necessário um esclarecimento sobre as características do ensino musical e de suas principais correntes, filosofias e métodos.

40

1.3.1 Pressupostos da Educação Musical Fonterrada (2005) sintetiza, em um histórico, o papel da música na educação desde a idade antiga, passando pela idade média, renascimento e enfatizando a idade moderna. Neste histórico identifica os precursores dos métodos ativos da educação musical em Rousseau, Pestalozzi, Herbart e Froebel – posteriormente cita outras abordagens, como as de Rameou, Hegel, Hanslick, Helmholtz, Riemann, Carl Stumpf. Chegando ao início do século XX identifica os nomes que sustentam a abordagem moderna de educação musical – cujas propostas fundamentam e influenciam projetos de ensino musical em diversos contextos pedagógicos – os quais são: Èmile Jacques Dalcroze, Zoltan Kodály e Carll Orff. Acredita-se que estes educadores musicais trabalharam com algumas abordagens comuns altamente significativas, por considerarem importantes questões relativas às mudanças pedagógicas e metodológicas advindas das novas formas de concepção do ensino musical. Nesse sentido, pontuamos algumas características de suas abordagens procurando relacioná-las com aspectos considerados importantes em suas metodologias de ensino musical. Inicialmente com Dalcroze, Orff, Kodály; e posteriormente com Schafer, Koellreutter e Swanwick. Como podemos verificar em Goulart (2003) e em Penna (1990), o primeiro a lançar as bases para a pedagogia musical moderna, que influencia as práticas pedagógicas até os dias de hoje, foi Jaques Dalcroze. Destaca-se em sua prática pedagógica o uso de procedimentos mediadores do conhecimento musical – o corpo e o movimento – como referências para o aprendizado. Dalcroze procurava integrar o movimento corporal na vivência musical e na performance, tornando-a mais expressiva. Kodály, outro educador musical de significativa influência no meio pedagógico musical, se preocupava com um ensino musical contextualizado e acreditava que a música tinha que ser para todos, por isso, dedicou-se com determinação a tornar a música uma linguagem compreensível para todo húngaro, tornando a música parte integrante da educação geral de seu país. Considerava o canto como fundamento da cultura musical. Para ele, a voz é o modo mais imediato e pessoal de nos expressarmos em música e que nos ajuda no desenvolvimento emocional e intelectual. Para Kodály, por meio das nossas próprias atividades musicais, aprendemos conceitos como pulsação, ritmo e forma da melodia. O trabalho de Call Orff, que fundamenta muitas práticas pedagógico-musicais até os dias de hoje, é baseado em atividades lúdicas infantis: cantar, dizer rimas, bater palmas, dançar e percutir em qualquer objeto que esteja à mão. Estes instintos são direcionados para o fazer

41

musical e depois partindo para ler e escrever, da mesma forma como aprendemos nossa linguagem. No centro de tudo está a improvisação e experimentação - o instinto que as crianças têm de criar suas próprias melodias, de explorar sua imaginação. Para isso, Orff utilizava instrumentos especiais para o método, xilofones e metalofones, que oferecem como atrativo a facilidade de se controlar as notas disponíveis e, também, a produção imediata do som. Como em Dalcroze e Kodály, a proposta de Orff destina-se a todas as crianças, não buscando os talentos privilegiados. Há um lugar para cada criança e cada um contribui de acordo com sua habilidade. Muitos de seus alunos não tinham qualquer conhecimento musical prévio por isso ele enfatizava o uso de sons e gestos corporais para expressar o ritmo, e a voz como primeiro e mais natural dos instrumentos. Para Orff a improvisação e criação representavam experiências musicais prazerosas que deveriam continuar por toda a vida. Assim, sintetizando, podemos apontar alguns pontos de convergência entre Dalcroze, Orff e Kodály no que diz respeito ao uso de procedimentos. A seguir destacamos em negrito aquilo que consideramos essencial nestes pontos de convergência: a) A integração da música com outras formas de expressão, como a linguagem falada e a dança – a busca pela mediação pedagógica; b) A analogia com a linguagem, não só como expressão artística, mas, também, quanto ao processo de aprendizado (Kodály fala em "língua musical materna" referindo-se ao folclore) – a busca pela contextualização cultural; c) Partem do material sonoro já familiar à criança, valorizando o que ela já conhece previamente, criando vínculos de associação entre este material com novos conceitos musicais – a criança produz ou cria sua própria música; d) A prática vem sempre antes da teoria - mesmo para Kodály, que dá grande importância aos aspectos da alfabetização e grafia, só se lê ou escreve o que já foi cantado ou vivenciado – a prática precede a teoria; e) O movimento e o corpo são inseparavelmente integrados ao fazer musical – aspectos de sensibilização musical; f) A motivação, o prazer, os aspectos lúdicos do aprendizado passam a ser valorizados e considerados fatores fundamentais na educação – a significação musical para os aprendizes; g) Tendência à democratização da música. Procura-se não excluir ninguém, proporcionando, ao maior número possível de pessoas, acesso ao universo da música: a música é para todos.

42

A partir de Dalcroze, Orff e Kodály, inaugura-se uma perspectiva para a educação musical, no qual o fazer, o sentir e o pensar podem encontrar seu equilíbrio na aprendizagem musical. Nesse sentido, acredita-se que quaisquer ações ou possibilidades estratégicas em educação musical devem levar em conta as propostas desenvolvidas por estes grandes educadores musicais. Nessa nova visão de educação musical situam-se, também, os educadores pósmodernos, como Murray Shafer, Koellreutter e Swanwick, que desenvolveram reflexões pertinentes e cujas experiências são riquíssimas para o conhecimento pedagógico musical. O trabalho realizado por Murray Shafer (1991) se baseia em reflexões realizadas a partir da prática do ensino musical em décadas de experiências. A busca pela renovação do currículo e por novas abordagens nas relações didático-pedagógicas se expressa como marcos de seu ideário. Segundo ele, o principal objetivo de seu trabalho tem sido o fazer musical criativo e a busca por novas abordagens educativo-musicais (Shafer, 1991, p. 280). Murray Shafer afirma:
Tenho a firme convicção de que o colapso das especializações e o crescimento do interesse nos empreendimentos interdisciplinares não devem passar despercebidos a quem esteja engajado em qualquer tipo de educação musical. Durante o séc. XX as artes tem-se mostrado suscetíveis à fusão e à interação. Dalcroze estava certamente muito à frente de seu tempo quando, por volta de 1900, desenvolveu sua eurritmia, pela qual o treinamento na arte temporal da música foi atraído para dentro da sinergia, com a atividade do movimento do corpo no espaço (1991, p. 305).

Koellreutter, outro grande nome da educação musical pós-moderna, também, é enfático em se tratando de interdisciplinaridade e uso de novos meios de ensino musical. Segundo ele, o ensino de música, que deve ser pré-figurativo, exige, também, que o professor se recicle constantemente, especialmente em virtude da rápida transformação de conhecimentos e técnicas que caracterizou o século XX. Em suas palavras:

O mundo tecnológico criou seus próprios meios de expressão, estes surgiram inteiramente de seu mundo material e mental. A questão agora é conquistá-lo e colocá-lo sob o controle do espírito artístico. Com esse desenvolvimento, arte e ciência interpenetrar-se-ão de maneira proveitosa. Numa cultura planetária a ciência terá lugar de destaque em cada esfera da vida, até mais talvez do que no presente. Estou certo de que, nessa reorientação, alguns valores humanos que por muito tempo foram suprimidos ou retirados do controle consciente, serão redescobertos, reconhecidos e valorizados como novos, determinando novamente nossa cultura (Koellreutter, 1997 Apud Brito, 2001, p. 39).

43

Segundo Brito (2001), desde o inicio do séc XX, Koellreutter vem chamando a atenção para a necessidade de um ensino personalizado, criativo, que respeite as necessidades do aluno; ou seja, um ensino musical contextualizado às novas realidades culturais do momento e à realidade individual do aluno. Nesse sentido, o professor Koellreutter redimensionou o papel da música na educação, de modo mais geral, conferindo-lhe funções que transcendem os limites da formação musical. Por isso, ele passou a falar em educação musical funcional - ou seja, aquela voltada às necessidades da sociedade, do indivíduo, em tempo real, atual - e não fundamentada em objetivos, valores, princípios e conteúdos que remetem a épocas passadas, em que viviam outros seres humanos, com necessidades e características próprias (Brito, 2001). Koellreutter abaliza sua concepção de ensino musical nesses moldes e procura reavaliar as questões sobre currículo e conteúdo, procurando ensinar aquilo que o aluno quer aprender. Considerando o ensino como pré-figurativo, se propõe à

(...) na teoria musical, indicar os caminhos para a invenção e a criação de novos princípios de ordem. Levantar novos problemas e levar o aluno à controvérsia e ao questionamento. No ensino da história da música, interpretar e relacionar as obras do passado com o presente e com o desenvolvimento da sociedade. E na composição, ensinar o aluno a criar novas formas e novos princípios de estruturação e forma (Koellreutter, 1997 Apud Brito, 2001, p. 36).

Assim, Koellreutter prenunciava a necessidade de criação de novos princípios dentro do universo criador musical, assim como Shafer que considera os aspectos da criatividade como os mais relevantes. Verifica-se, desta forma, que há uma preocupação destes educadores musicais com os aspectos objetivos e subjetivos do conhecimento musical. Nesse sentido, no processo de iniciação musical, há a necessidade da conscientização das essências do material musical, partindo do princípio de que o som (altura, duração, intensidade, timbre) é a essência da música (afinação, ritmo, agógica e instrumentação) e que suas propriedades são equivalentes. Manipular essas propriedades no universo da musicalização conduz o aprendiz a uma maior habilidade na criação musical, na compreensão da linguagem musical tradicional e na busca por novos padrões e modelos estruturais. Assim, a partir dos conceitos objetivos, que por suas características podem ser re-aplicados de forma ampla no processo de construção do conhecimento musical, por descoberta o aluno constrói os conceitos e internaliza, também, os aspectos subjetivos. No contraste, de acordo com Parejo (2003), ao analisarmos os diferentes métodos da pedagogia musical tradicional existente, e mesmo a prática pedagógica, veremos que uma

44

grande fragmentação dos processos de ensino/aprendizagem subsiste. Considerando a relação aluno/disciplina verifica-se que, tradicionalmente, o currículo musical a ser transmitido assume a ênfase no processo. A técnica (instrumental, leitura e escritura) torna-se um fim em si mesmo e não um meio para se atingir a finalidade expressiva. O desenvolvimento da técnica instrumental, o domínio intelectual dos conceitos, a memorização de eventos torna-se mais importante que a forma individual de experimentar o fenômeno sonoro. Uma pedagogia musical equilibrada, ao contrário, abre espaço para a valorização das dimensões conceituais e objetivas em sua relação com o subjetivo emocional, relacional, criativo e experimental. Há, necessariamente a necessidade de se promover relações entre o aprendiz e a música, de forma que haja o contato com os aspectos objetivos da estrutura musical e com os aspectos subjetivos. Isto é esclarecido por Fonterrada (1994) que afirma que o aprendizado de música envolve a constituição do sujeito musical, tendo por base a constituição da linguagem da música. O uso desta linguagem irá transformar esse sujeito, tanto no que se refere a seus modos de perceber, suas formas de ação e pensamento quanto, em seus aspectos subjetivos. Neste sentido, as Pedagogias Musicais Modernas e Pós-Modernas inauguraram uma nova era para a educação musical, na qual o fazer, o sentir e o pensar podem encontrar seu equilíbrio numa forma completa de expressão – valorizando aspectos objetivos do conteúdo e subjetivos da expressividade musical. No entanto, estas teorias e seus respectivos referenciais de ensino musical não contemplam a abordagem de análise do desenvolvimento musical, tanto dos processos funcionais voltados para o desenvolvimento das ações relacionadas aos procedimentos musicais, quanto para os chamados aspectos cognitivos, voltados para os processos mentais relativos ao conhecimento musical. Considera-se necessário a busca e a sistematização de uma teoria que demonstre os aspectos do desenvolvimento musical. Keith Swanwick, um dos maiores nomes da pesquisa em educação musical da atualidade se propôs a realizar esta busca e esta sistematização.

1.3.2 Swanwick e seu Modelo para Análise do Desenvolvimento Musical Segundo Keith Swanwick (1991), o desenvolvimento musical se processa nas relações estabelecidas entre o sujeito e a música, pois as várias formas de oportunidades de contato com a música permite a construção do conhecimento musical. Assim, o conhecimento musical no

45

sujeito se processa pela ação e pelo pensamento por meio das várias possibilidades de contato musical. Esse relacionamento com a música é norteado pelo princípio da realização pessoal e pela experiência musical como ouvinte, executante e criador. São estes princípios que constituem a base da teoria do desenvolvimento musical proposto no livro Música, pensamiento y educación (Swanwick, 1991). Portanto, o desenvolvimento musical se dá primeiramente pela Execução, Composição e Apreciação, que envolve as experiências de manipulação sonora, criação e audição, que está baseado nas atividades elementares de contato musical (Swanwick, 1991). Swanwick considera que três pilares sustentam princípios em educação musical: em primeiro lugar, deve-se considerar a música como discurso, em segundo, considerar o discurso musical dos alunos e, em terceiro, a fluência do início ao final. Swanwick (2003, p.56), considerando a natureza e o valor da música no seu papel social, afirma que por meio do processo da metáfora, nós: a) transformamos sons em "melodias", em gestos; b) transformamos essas "melodias", esses gestos, em estruturas; c) transformamos essas estruturas simbólicas em experiências significativas. Ou seja, há uma escala ascendente de relações que se estabelecem entre o sujeito aprendiz e a música (sons, melodias, estruturas e significado). Nas três possibilidades de contato musical, Execução, Composição e Apreciação, o aprendiz de música no seu processo de desenvolvimento musical passará pelas quatro etapas descritas acima: sons, melodias, estruturas e significado. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (Brasil, 1997a), ao apresentarem sugestões de conteúdos em música ligados à comunicação, expressão, apropriação e produção, demonstram que estes níveis de contato com a arte se relacionam a uma abordagem de desenvolvimento e compreensão da linguagem musical. Nesse sentido, nas possibilidades de organizar um contexto de atividades para obter um desenvolvimento musical equilibrado no universo escolar, destacase o estudo da criação, execução e apreciação musical enfatizados por Swanwick (Swanwick, 2003). As contribuições de Keith Swanwick vão além dos aspectos metodológicos e práticos do ensino musical. Este pesquisador tem desenvolvido estudos sobre a relação entre desenvolvimento cognitivo e desenvolvimento musical. Sua teoria, relativa à análise da construção do conhecimento musical, possui valor intrínseco e é re-aplicável por ter resultados na base de pesquisas trans-culturais, nas quais verifica em diversas culturas e em seus mais diversos contextos musicais, as mesmas etapas de relação com o fenômeno sonoro musical:

46

Materiais (sons), Expressão (melodias), Forma (estruturas) e Valor (significado) (Swanwick, 1991). Com base nesta concepção pedagógica, artística e estética, Swanwick afirma que as artes são formas simbólicas que compartilham sistemas de significados, o que ele chama de discurso. Para Swanwick o fenômeno dinâmico da metáfora serve de base a todo discurso, compreendendo metáfora como “linguagem figurada em geral” (Swanwick, 2003). Trazendo coisas dissimilares e criando uma relação em que previamente não havia nenhuma, no qual de acordo com França (1998), faz referência ao uso do “brinquedo” no desenvolvimento do pensamento abstrato (Vigotsky, 1991). Assim, compreendemos que no fazer musical traduzimos experiências em imagens próprias, introduzimos essas imagens em novas relações e articulamos nosso pensamento dentro de sistemas de sinais, empregando o que Swanwick chama de “conversação”. Assim o discurso é produzido, sustentado e desenvolvido – o foco muda de direção da obra para o humano e social, veja o quadro abaixo (quadro 04):

QUADRO 04 - Transformações Metafóricas Musicais (Swanwick, 2003, p.85). MATERIAIS Sons são ouvidos como formas expressivas. Notas tornam-se melodias. EXPRESSÃO Formas expressivas resultam em novas relações. A música tem vida própria. FORMA A nova forma incorpora experiências anteriores. Música informa a vida do sentimento. VALOR

1

2

3

4

É nesse sentido que Swanwick desenvolve sua teoria de desenvolvimento musical. A pesquisa que deu origem a esta teoria foi desenvolvida junto a discentes da rede de ensino escolar da de Londres, em cuja rede de ensino estudam crianças não musicalizadas pertencentes a várias etnias (inglesas, indianas, asiáticas, norte-européias e americanas). As crianças de três a quinze anos realizaram produções musicais, e os pesquisadores verificaram que há uma ordem seqüencial qualitativa nas produções de acordo com a idade e com o nível de desenvolvimento musical. O quadro abaixo (quadro 05) mostra resumidamente as características de comportamento e conhecimento musical, em etapas de desenvolvimento musical vinculadas à composição/improvisação e à escuta/apreciação:

47

QUADRO 05 – Quadro síntese das características do desenvolvimento musical (Swanwick, 1991, p. 92-93)
CRITÉRIOS RELACIONADOS À COMPOSIÇÃO/ IMPROVISAÇÃO CRITÉRIOS RELACIONADOS À ESCUTA/APRECIAÇÃO

Meta Cognição SIMBÓLICO – V O domínio técnico está a serviço da comunicação A Demonstra uma exploração e compromisso pessoal musical. A atenção do ouvinte se centra em relações L fazendo uma resenha de uma área de investigação formais e na qualidade expressiva, que se funde à O escolhida. Dá provas de intuição individual e manifesta uma afirmação musical viva, coerente e original feita R uma dedicação constante a determinadas obras, com compromisso. interpretes e compositores. JogoImaginativo IDIOMÁTICO – Situa a música dentro de um contexto estilístico e Os materiais desenvolvidos tecnicamente incorporam demonstra conhecer os recursos técnicos e os elementos expressivos e estruturais organizados procedimentos estruturais que caracterizam o idioma dentro de um estilo musical coerente. Pode haver concreto, como são as transformações mediante variação, adornos e contrastes de seções, mediante justaposições estruturais imaginativas durante um período de tempo bastante largo para demonstrar F harmonias características e inflexões sonoras uma capacidade de desenvolver um pensamento O instrumentais ou vocais. musical. R M Identifica o não usual e o inesperado no contexto de ESPECULATIVO – Maneja bem materiais musicais mínimos. A A uma obra concreta e pode prestar a atenção ao caráter caracterização expressiva pode ser muito por referência a timbre vocal e/ou instrumental, ao convencional, porém está estruturada de forma tom, linguagem, altura, rítmo, frase, freqüência dos interessante, possivelmente experimental. Pode caminhos e sua realização gradual ou repentina. haver variação, transformação e contraste de idéias musicais e o produto pode chamar a atenção. Imitação VERNÁCULAR – Reconhece os procedimentos musicais comuns e pode Há um uso constante de um conjunto de materiais. O identificar elementos como métrica, forma, frase, E vocábulo expressivo é uma convenção musical repetição, seqüências, ostinatos, pedal e há uma certa X reconhecível. Pode haver muita repetição e pouco análise técnica. P contraste e desenvolvimento e será fácil prever o R curso da música. E PESSOAL – EXPRESSIVO Descreve o ambiente e o caráter geral de uma S Domínio de materiais mínimos, nem sempre total, é passagem e reconhece caminhos expressivos sem S suficiente para não permitir a expressão pessoal. prestar atenção às relações estruturais. Pode haver à Talento, clima e gesto são claramente identificáveis e descrição da música em episódios e histórias O organizado de um modo bastante espontâneo. dramáticas, associações pessoais e imagens visuais e percepção de qualidades. Domínio MANIPULATIVO – M Identifica, porém não analisa o manejo do material Os materiais mínimos são manejados A musical. cuidadosamente com expressividade escassa. A T ordenação musical pode ser arbitrária, confusa e E repetitiva, falta coesão e lógica interna. R I Reconhece uma clara diferença na altura sonora, SENSORIAL – Controle intermitente de materiais musicais mínimos A geralmente distingue tons diferentes timbres e aparece associado à uma caracterização escassa e I estruturas, porém não há uma análise técnica e não S explica o caráter expressivo e as relações estruturais. não expressiva. Não há relações estruturais.

Confirmada a hipótese da pesquisa de Swanwick, pesquisadores e educadores musicais têm refletido sobre os critérios referentes ao desenvolvimento musical desta teoria, que serve para conduzir o processo de ensino-aprendizagem musical e para avaliar quaisquer contextos pedagógico-musicais, em razão das várias pesquisas realizadas posteriormente que confirmam a generalização da teoria (França, 1998; Hentschke, 1996).

48

Estes critérios, segundo França (1998), servem para avaliar o desenvolvimento musical relativo à produção musical, performance e apreciação. É adequado para avaliar o desenvolvimento e a aprendizagem musical, ou mesmo, uma atividade musical como uma performance ou a execução de uma atividade prática ou teórica-prática. Ou seja, no processo de desenvolvimento musical o estudante passará por essas etapas (materiais, expressão, forma, valor) até atingir o pico mais elevado, chegando à metacognição e a expressão de valor musical. Por outro lado, é possível, também, verificar o nível de conhecimento musical do aluno, sem, necessariamente ter que avaliar o processo de desenvolvimento. Pois, segundo França (1998), apesar destas peculiaridades se estruturarem gradativamente e se solidificarem ao longo dos estudos, elas podem aparecer esporadicamente como experiências vivenciadas em conjunto, ou de forma inusitada em um dado momento de insight do estudante. O professor de música deve estar atento a estes momentos importantes, pois o aluno prosseguirá o seu desenvolvimento somente se encontrar base sócio-cultural para isto. Vários estudiosos, como Hentschke (1996), Del Bem (1997) e Fernandes (2004) utilizam as características de comportamento musical, presentes nas etapas da teoria de desenvolvimento musical de Swanwick, como critérios para avaliar diversas abordagens de contato com a música, como, por exemplo, uma tarefa musical, uma atividade de iniciação musical, uma performance ou mesmo um currículo educativo-musical. Nesse sentido, acreditamos nas contribuições das etapas elencadas por Swanwick relativas ao desenvolvimento musical. Esta teoria possui aspectos de avaliação do desenvolvimento funcional, ou seja, do desenvolvimento musical do aprendiz de música. Acredita-se que esta abordagem de análise da construção do conhecimento musical, em virtude de sua generalidade, seja aplicável na avaliação do desenvolvimento musical no contexto da escola de ensino básico, em razão dos critérios de análise serem critérios gerais, assim como a identificação de comportamentos musicais que indicam um desenvolvimento seqüencial nos sujeitos.

1.3.3 Questões Emergentes em Educação Musical Escolar no Uso de Novas Tecnologias Verificou-se no item anterior as características da educação musical, suas principais correntes e métodos, e foi possível verificar a ocorrência de grandes avanços no pensamento pedagógico musical. No entanto, ao levarmos estas perspectivas para o contexto do ensino

49

público brasileiro da atualidade, identificamos vários fatores desagregadores, além do próprio desafio relativo ao desenvolvimento do trabalho pedagógico musical no ensino básico. Como já foi exposto no início deste capítulo, o ensino de música no Brasil dentro do contexto escolar, possui um histórico complexo, que levou a música a ter dificuldades de se manter como disciplina autônoma na educação básica. Contudo, dentre as propostas existentes, é necessário realizar uma opção tanto no aspecto das filosofias e perspectivas educativomusicais históricas, quanto dos objetivos, metodologias, estratégias e ações, para que o ensino seja planejado, executado e avaliado com sucesso neste contexto. Nesse sentido, a utilização dos meios tecnológicos no ensino musical oferece soluções que põem em prática, ações que suprem algumas necessidades, mas, também, mostram-se como um desafio para a integração de conhecimentos diversificados, como o conhecimento pedagógico – curricular – artístico e tecnológico. Inicialmente, o diálogo entre a música, educação e as NTIC’s provocou objeções de toda ordem. Dizia-se que a tecnologia era coisa fria e racional, não servindo aos desígnios artísticos, que ela afastaria o homem da arte e traria um grande desemprego aos professores e músicos tradicionais. Essa atitude de medo e desconfiança de músicos e educadores, que não se davam conta que esta parceria era antiga, dissolveu-se ao longo dos últimos trinta anos. O desemprego não aconteceu e os músicos tradicionais e pedagogos passam a consumir e utilizar-se da tecnologia para editar partituras, fazer arranjos e automatizar o ensino de solfejo (Krüger, 1999). A era tecnológica fortificou-se com a chegada do século XXI e o conceito de arte está sendo repensado e revisto. Composições recentes, tanto da área classificada como Erudita, em obras de Luciano Berio (Folcksongs), Gilberto Mendes (Beba Cola-cola), Chico Mello (John Cage na Praia), Tato Taborda (Samba do Crioulo Doido); quanto na área classificada de Popular, com Arrigo Barnabé, Hermeto Pascoal, Egberto Gismonti, mostram que os muros entre o erudito e o popular, vanguarda e tradição, internacional e regional estão sendo rompidos ou diminuídos. A aldeia ficou global, a interdisciplinaridade é o dia-a-dia, a transdisciplinaridade ganha adeptos e o multiculturalismo ganhou as ruas (Souza, 2001). E, como todo este Mundo Novo está se refletindo na Educação Musical? Educadores como Dalcroze, Orff e Kodály renovaram com seus métodos alguns aspectos do ensino da música, mas é a partir dos anos 40 com o movimento, Música Viva, criado por Koellreutter e, nos anos 60, com novo impulso trazido pelas Oficinas de Música que a presença da música contemporânea se fez presente, ainda que como sombra, na educação musical brasileira (Campos, 1988).

50

No final da década de 60, surge no Brasil, no Instituto Villa Lobos (RJ), os primeiros trabalhos de Oficina Musical com Esther Scliar e Reginaldo de Carvalho. Na década de 70, na Universidade de Brasília, outras Oficinas de Música foram desenvolvidas por compositores como Sceko e Carlos Karter (Cunha e Martins, 1998). As novas maneiras de tratar o fenômeno sonoro e a co-existência de outras áreas levaram à elaboração de uma nova linguagem. A utilização dos novos meios de produção musical exigiu outras maneiras de se descrever o som e uma maior flexibilidade de manipulação dos parâmetros do som. O vocabulário musical, nas formas de descrever, representar e relacionar o fenômeno sonoro foi modificado. As transformações geradas pelo uso desses novos meios de produção musical, aliadas às novas concepções no campo científico sobre o que é conhecimento e sobre como o indivíduo constrói conhecimento, exigem que tenhamos novas atitudes quanto à aprendizagem musical. Esse novo ambiente composto pelo indivíduo, que atua por meio de diversas ferramentas utilizando-se de uma linguagem musical multifacetada, gera novos padrões estéticos e sonoros. Assim, o enfoque educacional tem que levar em consideração todos os elementos que compõem esse cenário, a fim de propiciar ambientes de aprendizagem que levem o indivíduo a agir, a refletir e a expressar suas idéias. E assim, as experiências acumuladas pelos Métodos Ativos (Dalcroze, Orff e Kodály), pelas Oficinas de Música e outras formas de ensino musical de vanguarda necessitam estar presentes na concepção de softwares educativos musicais. Na concepção de tais ambientes de aprendizagem o computador apresenta-se como uma ferramenta importante que viabiliza uma nova forma de resgate, descrição e representação do conhecimento, apontando para novas perspectivas na exploração e criação musical. A tecnologia emergente aliada a esta nova linguagem musical pouco ou nada está presente na educação básica atual, sendo utilizada apenas no âmbito da criação musical no ensino superior. Outro fator desagregador é o fato da grande maioria de softwares de música, ditos pedagógicos, serem desenvolvidos com objetivos meramente comerciais e assim não contemplarem os conteúdos e conceitos desta nova estética. Nesse sentido, Cunha (Cunha e Martins, 1998) pontua alguns aspectos essenciais para a avaliação de softwares de Educação Musical. Inicialmente, o software pedagógico musical deve ser multicultural. No sentido de ampliar o conhecimento sonoro para várias culturas, seus instrumentos musicais e formas de organização sonora. Ele deve promover o desenvolvimento de uma escuta sem julgamentos, apreciando os sons pela sua forma e textura, sem preconceitos.

51

No qual se utiliza todo o universo das várias culturas como ampliação da fonte de estímulo para a criação sonora. O software, também, deve ser interdisciplinar. Deve promover a integração da música com as outras formas de expressão com a utilização de imagens, palavras e movimento como pontos geradores para a improvisação e criação musical. Compreensão do fenômeno acústico. Manipular e trabalhar os parâmetros sonoros: altura, duração, dinâmica, timbre e espacialização. Deve propiciar a criatividade, no sentido de brincar com os sons da mesma forma que brincamos com cores, formas e argila, um tatear sonoro, modificando o timbre, altura do som, sem preocupação de organizar esse material necessariamente. Outro fator relevante é a interação Máquina/Aprendiz, pois a elaboração de ambientes computacionais de criação musical deve ter uma sustentação pedagógica para que tais ambientes não percam em interação. Sem tal sustentação, corre-se o risco de que tais ambientes possam ser reduzidos em seus propósitos e meios, ocasionando solicitações deficitárias, por não ser respeitada a complexidade cognitiva dos indivíduos (Cunha e Martins, 1998). Em razão destas possibilidades, acredita-se que o ganho no uso do computador para o contexto de aprendizagem está vinculado ao apoio para a viabilização e explicitação de idéias musicais. Um sistema de representação computacional deve dar suporte e facilitar o processamento dessas idéias. No qual o indivíduo terá, também, mais oportunidades de expressar e trabalhar seu conhecimento, permitindo assim a criação de possibilidades mais diretas e diversificadas. Acredita-se que os avanços tecnológicos devem estar disponíveis na educação musical como um todo - não apenas em seus níveis mais avançados, como o da composição, mas em qualquer processo criativo sonoro-musical, de experimentações e improvisações. Um ambiente computacional voltado à experimentação musical deve favorecer a atuação das pessoas que estejam ingressando na área, de forma que eles possam conceber e executar suas criações musicais num contexto autônomo de tomada de decisões. Acredita-se que é preciso manter sempre um princípio que garanta a exploração, criação, depuração e compreensão do processo pelo aprendiz. Alguns aplicativos abordam um determinado assunto em profundidade. Outros apresentam noções básicas de categorias: teoria musical, história da música, percepção musical. As enciclopédias dispõem de informações sobre instrumentos musicais. A Internet já vem sendo

52

explorada tanto pelos educadores, em busca de formação e informações, como pelos alunos; funcionando como uma imensa biblioteca para pesquisas de informações, recursos e arquivos. Toda esta nova gama de recursos para a aprendizagem musical tende a desenvolver novos processos de apropriação de conhecimentos. Estes processos devem ter como foco não somente os objetivos e resultados relacionados aos aspectos técnicos ou materiais, mas, também, focar na consciência sobre as conseqüentes mudanças nos níveis didático-pedagógicos e efeitos cognitivos. Por causa desta abrangência de influências e necessidades, faz-se necessária uma teoria que possa esclarecer a interferência das tecnologias como mediadores de aprendizagem musical, suas implicações didático-pedagógicas e as características do desenvolvimento cognitivo musical dos aprendizes. Dessa forma, há a necessidade de se considerar os aspectos próprios da pedagogia musical e os da psicologia educacional. Nesse sentido, laçamos mão do sócio-construtivismo com a finalidade de verificar algumas de suas contribuições objetivando, a partir de seus fundamentos, conduzir o processo de análise da construção do conhecimento em música via aportes informáticos.

53

2 CONTRIBUIÇÕES DO SÓCIO-CONSTRUTIVISMO Como construir conceitos musicais? Como se desenvolver musicalmente? Como analisar e avaliar este processo de desenvolvimento? A partir destes questionamentos, relativos ao processo de ensino-aprendizagem musical, procurou-se encontrar procedimentos, científica e teoricamente fundamentados, que contemplassem tanto os aspectos do método educativo, quanto os da avaliação deste processo em um âmbito de pesquisa. O Sócio-Construtivismo se mostra adequado às necessidades das pesquisas em arteeducação, porque expõe as características do desenvolvimento cognitivo considerando todos os aspectos que interferem na aprendizagem. No âmbito das pesquisas em informática educativa, por exemplo, a figura de Lev Vigotsky chega a ser um ponto comum, sendo segura a transposição de suas teorias para contextos afins. Por outro lado, para as pesquisas em educação musical as suas descobertas, formulações científicas e teóricas, ainda são pouco presentes, decorrendo em um desafio para a área. Outro desafio é o fato de serem raras as pesquisas no âmbito do desenvolvimento das gêneses cognitivas voltadas para o trabalho da criação artística. Apesar de que, tanto Piaget quanto Vigotsky demonstraram, em momentos diferentes de suas pesquisas, um certo interesse pelos processos psicológicos e cognitivos relacionados ao fazer artístico. Vigotsky, por exemplo, evidenciou o fato do fazer artístico ser um fazer de complexo significado e especificamente humano (Vigotsky, 1999). Nesse sentido, é necessária a consciência sobre alguns conceitos úteis a pesquisas voltadas para as novas tecnologias e de aspecto cognitivo/cultural. Um conceito comumente discutido em informática educativa é a oposição entre construção, fazendo menção às perspectivas construtivistas – e instrução, fazendo menção às práticas de ensino-aprendizagem tradicionais e conteudistas (Almeida, 2000). Um outro conceito abordado pela pedagogia, que se considera essencial para este trabalho, é a Construção de Conceitos ligada à abordagem cognitiva e sócio-cultural construtivista (Japiassu, 1999). Nesse sentido, ainda abordaremos os conceitos de Mediação, Internalização, Pensamento e Linguagem, Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP) e sua relação com o ensino no contexto das Novas Tecnologias (NTIC’s), Zona de Movimento Livre (ZML) e Zona de promoção de Ação (ZPA). Por meio deste corpo teórico, pretende-se propor uma análise do processo educativo musical fundamentado na construção de conceitos sonoro-musicais, tendo por direcionador as

54

possibilidades oferecidas pelos softwares musicais encontrados nos laboratórios de informática da escola de ensino básico. Com a finalidade de fundamentar a abordagem metodológica da pesquisa discorreremos ainda sobre os conceitos de análise microgenética e construção de conceitos em Lev Vigotsky, que estão ligados à avaliação do processo de ensino-aprendizagem e à análise qualitativa, cuja teoria, inicialmente fundamentada pelas pesquisas de Vigotsky, foi desenvolvida por outros pesquisadores pioneiros da psicologia empírica como Wertsch (1987) e Inhelder (1996). Esta fundamentação que se segue dará base para as análises de ordem didáticopedagógicas, no que concerne aos fundamentos educacionais voltados para o contexto escolar, e para as análises do desenvolvimento cognitivo dos alunos participantes, sujeitos da pesquisa, que serão submetidos ao processo educativo musical via ambiente multimidiático, sendo analisada a construção de conceitos musicais via análise microgenética. Vigotsky e seus seguidores nos fornecem elementos legítimos para o desenvolvimento de pesquisas no âmbito da arte-educação e próprios da educação musical, na qual há um processo de aquisição de artefatos culturais específicos.

2.1 LEV VIGOTSKY E O SÓCIO-CONSTRUTIVISMO Vigotsky realizou uma leitura do ser humano – bio-psíquico-social – como constituído a partir do contexto sócio-histórico e cultural. Esta concepção tem suas raízes filosóficas influenciadas pelos pressupostos do materialismo dialético de Marx e Engels. Porém, possui traços bastante particulares e vem contribuindo grandemente para as várias áreas que estudam o fenômeno social (Rêgo, 1995). O desmoronamento do Estado soviético russo contribuiu para a difusão de suas idéias em todo o planeta, especialmente no Brasil. Aqui a discussão do modelo histórico-cultural do desenvolvimento no meio educacional intensificou-se desde que, em meados da década 1980, foram publicados aqui os primeiros textos de Vigotsky1. A liberdade de imprensa alcançada após aproximadamente 21 anos de ditadura militar permitiu uma socialização maior das idéias da Escola Russa de Psicologia junto aos educadores nacionais. O impacto do modelo históricocultural do desenvolvimento sobre as práticas pedagógicas formais e não formais no Brasil se fez

1

O primeiro livro de Vigotsky publicado no Brasil foi “A Formação Social da Mente”, sob iniciativa da Editora Martins Fontes, em 1984.

55

sentir com especial vigor a partir dos anos noventa, com o incremento da divulgação do pensamento vigotskyano no meio acadêmico e educacional brasileiro2. Atualmente, a maior concentração de pesquisadores brasileiros da abordagem histórico-cultural do desenvolvimento se constitui, sobretudo de professores doutores da UNICAMP (Ana Luiza Smolka e Angel Pino, por exemplo) e da USP (Marta Kohl de Oliveira entre outros). Segundo Rêgo (1995, p.15-16), outra pesquisadora brasileira pioneira nos estudos vigotskyanos, as teorias, métodos e descobertas da abordagem sócio-histórica, para a psicologia sem dúvida significam um avanço, para a pedagogia uma orientação, mas, também, sugere um rico material para a análise no campo da antropologia, da lingüística, da história, da filosofia e da sociologia. O principal projeto de Vigotsky consistia na tentativa de estudar os processos de transformação do desenvolvimento humano na sua dimensão histórica-social e ontogenética. Deteve-se no estudo dos mecanismos psicológicos mais sofisticados – as chamadas funções psíquicas superiores – típicas da espécie humana como: o controle consciente do comportamento, atenção e lembrança voluntária, memorização ativa, pensamento abstrato e capacidade de planejamento. Seguindo as premissas do método dialético, procurou identificar as mudanças qualitativas do comportamento que ocorrem ao longo do desenvolvimento humano e sua relação com o contexto social. Realizou importantes reflexões sobre a questão da educação e de seu papel no desenvolvimento humano. Dedicou-se ao estudo da aprendizagem e desenvolvimento infantil, integrando aspectos biológicos, psicológicos e antropológicos. Segundo Cole (1998, p.7), “ele foi o primeiro psicólogo moderno a sugerir os mecanismos pelos quais a cultura torna-se parte da natureza de cada pessoa”. Um dos pontos centrais de sua teoria é que as funções psicológicas superiores são de origem sócio-cultural e emergem de processos psicológicos elementares, de origem biológica, ou seja, a complexidade da estrutura humana deriva do processo de desenvolvimento enraizado nas relações entre história individual e social (Vigotsky, 1991). Esclarecendo este conceito explicitado acima, Baquero (1998) afirma que Lev Vigotsky após graduar-se em direito, volta à universidade para estudar medicina e começa uma intensa atividade científica e profissional em diversos terrenos, como o da psicologia e dos problemas relativos às artes, à educação e à pedagogia. Segundo o próprio autor:
A primeira publicação didática, dirigida aos cursos de formação de professores, sobre Vigotsky, é o livro da Profª. Drª. Marta Kohl de Oliveira da FE-USP Vigotsky: aprendizado e desenvolvimento - um processo sóciohistórico, editado pela Scipione, em 1993.
2

56

Por um lado, o estudo das artes começa a carecer cada vez mais de fundamentações psicológicas. Por outro, a psicologia, ao tentar explicar o comportamento em seu conjunto, também não pode deixar de propender para os complexos problemas da reação estética. (...) O objetivo da nossa pesquisa foi justamente rever a psicologia tradicional da arte e tentar indicar um novo campo de pesquisa para a psicologia objetiva – levantar o problema, oferecer o método e o princípio psicológico básico de explicação, e só (Vigotsky, 1999, p. 1-2).

Apesar da diversidade de interesses e de sua produção prolífica, é evidente a inclinação de Vigotsky pela psicologia. Segundo Bock (2001) a psicologia sócio-histórica de Vigotsky realiza críticas às posições reducionistas e incentiva a produção de uma psicologia dialética. Nesse sentido, concebe o homem como ativo, social e histórico (Bock, 2001, p. 17), numa postura crítica às tendências abstratas em análise psicológica. Contrapondo à tendência metafísica, a psicologia sócio-histórica acredita que o fenômeno psicológico se desenvolve ao longo do tempo e não pertence à natureza humana, não preexiste ao homem e necessariamente reflete a condição social, econômica e cultural em que vivem os homens. Para esta teoria, falar de fenômeno psicológico é obrigatoriamente falar da sociedade. Pois a compreensão do “mundo interno” exige a compreensão do “mundo externo”. Então, o fenômeno psicológico deve ser entendido como construção no nível individual do mundo simbólico que é social.
Superando definitivamente visões metafísicas do fenômeno psicológico, a teoria sócio-histórica parte da realidade social e cultural e não das ideologias universais e abstratas, que sendo idéias particulares da classe dominante não correspondem ao real e ao concreto, visto que no real existem concretamente classes particulares e não a universalidade humana (Bock, 2001, p. 27).

Sendo assim, o mundo social e o psicológico caminham juntos em seu movimento. Como proposição teórico-metodológica, a metodologia materialista histórica e dialética possibilita superar a perspectiva positivista e idealista presente na psicologia. Em síntese, o método materialista histórico e dialético caracteriza-se por uma concepção, segundo a qual a realidade material tem existência independente em relação às idéias. Existem leis na realidade e é possível conhecer a realidade e suas leis. Em sua concepção dialética, a contradição é característica fundamental de tudo que existe. A contradição e sua superação são bases do movimento de transformação constante da realidade, para a qual, o movimento da realidade está expresso nas leis da dialética e em suas categorias. O método materialista histórico e dialético tem uma concepção, segundo o qual, a história deve ser analisada com base na realidade concreta e não a partir das idéias. Por sua vez,

57

as leis da história são as leis do movimento de transformação constante, que tem por base a contradição. Nesse sentido, as leis que regem a sociedade e os homens não são naturais, mas históricas; não são alheias aos homens, porque são resultados de sua ação sobre a realidade (trabalho e relações sociais); mas são leis objetivas; entretanto, essa objetividade inclui a subjetividade porque é produzida por sujeitos concretos, que são, ao mesmo tempo, constituídos socialmente e historicamente. Segundo Bock (2001), com base nesses pressupostos metodológicos e nas categorias decorrentes, passamos a examinar os objetos, buscando entendê-los na sua totalidade concreta na qual as partes estão em interação. Passamos a acompanhar o movimento e a transformação contínua dos fenômenos; a entender que a mudança dos fenômenos é qualitativa e se dá por acúmulo de elementos quantitativos que se convertem em qualidade, alterando o fenômeno. Nesse sentido, é possível entender que o movimento e a transformação das coisas se dão porque no próprio interior delas coexistem forças opostas. A contradição existente em todo objeto é a força de seu movimento de transformação. É na relação desse objeto, com o mundo que o cerca, que os elementos contraditórios se constituem. Bock (2001) conclui que a metodologia sócio-histórica com pressupostos que abandonam a pretensa neutralidade do positivismo, a enganosa objetividade do cientista, o determinismo dos fenômenos e o idealismo, coloca sua produção à materialidade do mundo e cria a possibilidade de uma ciência crítica à ideologia até então produzida. Há na metodologia sócio-histórica a consciência de que vários fatores influenciam os fenômenos materiais. Nesse sentido, ainda perpassa toda a obra de Vigotsky, o interesse pelo discurso e o signo, pela correlação entre intelecto e emoção, indivíduo e coletividade. Por isso, em sua Psicologia da Arte (Vigotsky, 1999) dedica-se precisamente a esses problemas com base em matéria da arte do discurso. E toda formulação teórica e epistemológica desenvolvida por esta perspectiva irá encaminhar pesquisas no eixo do desenvolvimento cognitivo designando-se como construtivista. As fundamentações didáticas e pedagógicas advindas das pesquisas e formulações teóricas do sócio-construtivismo, na contemporaneidade, têm influenciado muitas correntes pedagógicas relacionadas ao desenvolvimento cognitivo em situações de contato com a arte, por exemplo, e, também, com as novas ferramentas da informática no contexto de ensino e aprendizagem. Isso oferece possibilidades para o entendimento de ações no contexto cultural-

58

musical, de estratégias educacionais e, ainda, nos contextos do desenvolvimento de pesquisas de cunho cognitivo analítico.

2.1.1 Construção versus Instrução na Informática Educativa A Informática na Educação possui duas grandes vertentes taxonômicas, o próprio ensino da Informática e o ensino pela (por meio da) Informática. Tendências pedagógicas de ensino, tanto numa linha como na outra, podem ocorrer dentro de uma abordagem Instrucionista ou Construcionista (Almeida, 1996). A vertente instrucionista está associada à psicologia behaviorista e comportamentalista que acredita que o comportamento humano é o produto da interação de estímulo-resposta, que o comportamento pode ser modificado e que a educação deve ser planejada, passo a passo, de modo a obter os resultados desejados na “modelagem” do aluno (M. Ferrari, 2003, p. 65). A educação comportamentalista está mais associada ao trabalho de Skinner, para quem a aprendizagem corresponde a exibir o comportamento apropriado. A Instrução Assistida por Computador – CAI (Computer Assisted Instruction) se refere, por exemplo, a softwares que seguem a linha comportamentalista, tendo como chave a modificação do comportamento. Estes softwares apresentam-se de várias formas: atividades práticas, exercícios e simulações. Já a vertente Construtivista apresenta uma alternativa ao comportamentalismo, pois acredita que há um mundo real que podemos experimentar. Há muitas maneiras de estruturar o mundo e muitas perspectivas para se perceber eventos, não havendo um significado correto que tenhamos que seguir. Na teoria construtivista, cujos estudos começaram com Piaget (1926 apud Inhelder, 1996, p.8), o conhecimento não pode ser concebido como algo predeterminado desde o nascimento, nem como o resultado do simples registro de percepções e informações. Resulta das ações e interações do sujeito com o ambiente físico e social em que vive. Todo conhecimento é uma construção que é elaborada desde a infância, por meio de interações do sujeito com os objetos que procura conhecer, sejam eles do mundo físico ou cultural. Softwares que seguem a teoria construtivista do conhecimento devem permitir ao aluno a interação e representações virtuais que ele possa manipular. O estudante não deve apenas tomar decisões, mas sim vivenciar, participar, experimentar. Nesse sentido, o sócioconstrutivismo mostra-se adequado a qualquer concepção de ensino e aprendizagem, na qual o foco é o conhecimento elaborado na mediação, internalização e na interação social.

59

Um exemplo deste tipo de software é o LOGO, utilizado para facilitar a transferência da experiência pessoal em símbolos abstratos (Valente, 1996), mas que permite uma interação entre alunos e entre alunos-professor. Trabalhos realizados pelo Laboratório de Estudos Cognitivos (LEC) da UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, por exemplo, demonstram como o uso desta ferramenta pode auxiliar crianças com dificuldades de aprendizagem da linguagem escrita. Projetos de multimídia não lineares e/ou hipertextos podem ser usados na criação de tutoriais construtivistas. Os estudantes podem não apenas escolher a velocidade com que percorrem o material, mas, também, por onde querem percorrê-lo. Sua aprendizagem deverá ser construída por meio da exploração (Papert, 1987). Com a alta performance de computação e comunicação, o desenvolvimento de interfaces cada vez mais poderosas está permitindo a construção de softwares nos quais os alunos podem imergir em ambientes distribuídos sintetizados, tornando-se avatares que colaboram com o “aprender-fazendo”, usando artefatos virtuais para construir conhecimentos. Contudo, há ainda autores, de uma terceira vertente pedagógica, que propõem a união da teoria construtivista e comportamentalista na elaboração de softwares educacionais, justificando que os alunos podem aprender um conjunto de termos e informações muito bem estruturadas por meio do comportamentalismo, como recursos construtivistas que ajudam estudantes a lidar com problemas reais por caminhos que os habilitem resolver problemas. A idéia é que, há diferença entre "treinar" uma pessoa e "ajudá-la" no seu processo de aprendizagem. O projeto de softwares tutoriais, inerentemente comportamentalistas, pode agregar aspectos construtivistas, tais como: permitir que o aluno decida por qual caminho seguir, favorecer experiências e conhecimentos, dando ao aluno uma chance de ver exemplos e trazer problemas do mundo real para serem resolvidos. Nesse sentido, o computador pode ser utilizado nas escolas de acordo com as abordagens confrontadas no quadro abaixo (quadro 06), que mostra as características das duas linhas pedagógicas abordadas, instrucionista e construcionista:

QUADRO 06 – Comparação das abordagens: Instrução e Construção em educação informática – Síntese baseada em Valente (1996). INTRUCIONISTA CONSTRUTIVISTA a) consiste na informatização dos a) permite que o aluno expresse seu estilo cognitivo; métodos de ensino tradicionais; b) permite que o aluno reflita sobre o que está fazendo; b) o computador assume o papel de c) parte do entendimento que o aluno aprende usando máquina de ensinar; RAZÃO e EMOÇÃO. c) alguém implementa no computador Centra-se no:

60

uma série de informações que devem ser passadas ao aluno; d) o conteúdo a ser ensinado é apresentado conforme a estrutura de pensamento do especialista que o elaborou; e) conduz a uma atividade mecânica e repetitiva; f) não deixa explícito o pensamento do aluno que o utiliza; g) deixa para o professor o trabalho de provocar a reflexão do aluno;

d) PENSAR, e) CRIAR, f) DESAFIO, g) CONFLITO e h) na DESCOBERTA; i) pode ser um poderoso auxiliar numa mudança de paradigma de ensino; j) o computador deve ser usado como uma máquina a ser ensinada; l) a aprendizagem é vista como uma construção; m) os erros são considerados fontes para novas reflexões; n) o centro da aprendizagem está no educando e não no professor;

Outro quadro, que sintetiza e confronta as idéias principais das correntes pedagógicas opostas é este abaixo (quadro 07), que mostra como é o controle do estudante nas duas vertentes, assim como o nível de complexidade e de desafio presentes:

QUADRO 07: Heurística para avaliação de questões de aprendizado no uso de software pedagógico (Krüger, 1999). BEHAVIORISMO CONSTRUTIVISMO Controle do Controle mínimo ou falta de controle, com Níveis de controle significantes com estudante estudantes vistos como consumidores passivos. estudantes vistos como participantes ativos e com objetivos. Complexidade Material altamente estruturado apresentado em Material tipicamente complexo, formato simples, com pequenos degraus para permitindo uma variedade de conteúdo maximizar a chance de reforço positivo. a ser considerado e uma série de processos a serem exercitados. Gratificações conseguidas artificialmente, Premiações intrínsecas ganham devido tipicamente em forma de prêmios extrínsecos ao término bem sucedido das tarefas Desafio não relacionados [ao conteúdo] como complexas. apresentação de ilustrações atrativas ou uso de som.

Alguns pensadores são comumente relacionados às bases da educação construcionista, que é um termo tirado do construtivismo. De acordo com Papert (1985) temos: a) Dewey com o método por descoberta e com a aquisição do saber como fruto do processo de reflexão sobre a experiência; b) Paulo Freire com a educação progressista e emancipadora, para o qual a prática educativa deve priorizar trocas entre o conhecimento já adquirido pelo educando e a construção de um saber científico; c) Jean Piaget com a epistemologia genética, no qual o conhecimento realmente ocorre quando o sujeito consegue refletir sobre o fazer, no domínio do pensamento da ação; d) Vigotsky com a zona de desenvolvimento proximal, no qual o indivíduo constrói sua própria visão de mundo e sua forma de atuar nele com base em interações sociais, no qual o professor atua dentro da ZDP do aluno, isto é, entre o que ele já sabe e o que potencialmente é capaz de fazer se receber ajuda.

61

Almeida (1996) ressalta a postura do professor construcionista, caracterizada por: a) Visão do conhecimento com algo em construção; b) Reflexão constante sobre a própria prática; c) O professor servindo como modelo de aprendiz; d) Mentalidade aberta; e) Responsabilidade; f) Entusiasmo. Segundo Almeida (1996, p. 62):

Um professor que tem a mentalidade aberta é aquele que convive com as diferenças, analisa as possíveis alternativas, incita o debate, a crítica, o confronto, a dúvida, promove a construção do conhecimento, fazendo uso de conteúdos formais e estruturados. (...) A responsabilidade refere-se ao autodomínio e ao ato de assumir as conseqüências das próprias posições, responsabilidade no sentido intelectual e ético. (...) O entusiasmo relaciona-se com a predisposição em relação às inovações, à vontade, à alegria e ao prazer de ensinar e de aprender.

De acordo com Paulo Freire (1997), a postura do professor construcionista deve ser a de: a) Respeito ao educando; b) Querer bem ao educando; c) Compreender que a educação é uma forma de intervenção no mundo; d) Convicção de que a mudança é possível; e) Comprometimento; f)Estímulo à curiosidade, à liberdade e à criatividade; g) Estímulo à alegria e à esperança; h) Corporificação da palavra pelos exemplos; i) Humildade; j) Reflexão crítica sobre a prática. Segundo Almeida (1996), para que o professor se aproprie dessa proposta, ele necessita estabelecer relações entre a teoria e sua prática na procura por reflexões individuais e coletivas. O processo de formação é contínuo, dinâmico e integrador e o conhecimento é adquirido na ação, com reflexão na ação e reflexão sobre a ação. Valente (1999) afirma que na atuação do professor construcionista não existe uma receita pronta. Depende do contexto teórico, do estilo do professor e das limitações culturais e sociais que se apresentam em determinada situação. Entretanto, o questionamento constante e a reflexão sobre os resultados do trabalho com o aluno podem ajudar a aprimorar a atuação do professor construcionista.

2.1.2 Zona de Desenvolvimento Proximal, Pensamento e Linguagem. Ao prefaciar a edição brasileira de “A psicologia da Arte” de Vigotsky (1999), Rêgo afirma que a perspectiva histórico-cultural (ou sócio-construtivista), na medida em que lançou as bases para uma abordagem holística das investigações biológicas e sociais do ser humano, é considerada tão importante para a ciência como a descoberta do código genético.

62

Um dos conceitos da abordagem histórico-cultural mais difundido e conhecido entre os educadores brasileiros é a noção de zona de desenvolvimento proximal - ZDP. Este conceito refere-se à diferença entre os níveis de desenvolvimento potencial e real de sujeitos submetidos a processos de aprendizagem. Uma de suas implicações pedagógicas, que deve repercutir diretamente na avaliação de escolares, é a necessidade de se conceber o aprendizado do aluno prospectivamente, ou seja, levando-se em conta não exclusivamente até onde ele foi capaz de chegar sozinho, na resolução de um determinado problema ou no cumprimento de uma tarefa escolar, mas, também, o nível imediatamente superior de desempenho - ao qual poderá chegar o aprendiz, com a intervenção pedagógica organizada por parte de membros mais experientes da cultura escolar - numa determinada modalidade de pensamento e atividade específica, como por exemplo, atividades musicais. Nesse sentido, o foco da avaliação passa a ser o processo de ensino-aprendizado, direcionado para o alcance de níveis cada vez mais elevados na resolução de problemas, ou para o aprimoramento do desempenho do escolar na execução de tarefas mais específicas. Não se enfatiza como na avaliação tradicional, apenas os resultados já alcançados, mas, sempre os próximos e possíveis melhores resultados que poderão ser obtidos com base em uma intervenção pedagógica organizada e constante. O quadro a seguir (quadro 08) busca retratar o conceito de Zona de Desenvolvimento Proximal – ZDP.
QUADRO 08 – Relação entre Zona de Desenvolvimento Proximal e níveis de desenvolvimento real e potencial (Japiassu, 1999).

(ZDP = Ndp – Ndr)
O DESENVOLVIMENTO CULTURAL OCORRE POR MEIO DA ZONA DE DESENVOLVIMENTO PROXIMAL: _______________________________| Nível de desenvolvimento real / Ndr __________________________________________________________| Nível de desenvolvimento potencial / Ndp ______________________| Zona de desenvolvimento proximal / Zdp

Ndr - O que o sujeito faz sozinho, entregue à resolução solitária de problemas. Ndp - O que o sujeito poderá fazer com ajuda de outros mais capazes e mais experientes. Zdp - A diferença entre o que o sujeito pode fazer com ajuda de outros e o que ele faz por si mesmo.

A ZDP pode ser concebida como um enunciado simbólico que, neste caso, se refere à maneira como se dá o desenvolvimento cultural dos seres humanos. Desde que entendida como uma área social de desenvolvimento potencial (Lima, 1995 apud Japiassu, 1999), a ZDP resultaria, portanto de toda e qualquer relação inter ou intracultural

63

entre seres humanos. Abarca a compreensão de que determinados contextos são mais ou menos propícios ao desenvolvimento cognitivo. Outra possibilidade para compreensão da Zona de Desenvolvimento Proximal é a análise realizada por Valsiner (1993, p.12 apud Faria, 2001), que afirma “que a Zona de Desenvolvimento Proximal deve ser pensada como uma probabilidade”, pois quando o sujeito é guiado a resolver um problema, estão presentes funções que ainda não estão disponíveis. Apenas sabemos que o indivíduo, no futuro próximo, será capaz de usar essas mesmas funções individualmente. Muitos aspectos dos conteúdos subjetivos e objetivos da estrutura musical solicitam uma intervenção do educador para que o aluno possa desenvolver nesta relação sua zona de desenvolvimento proximal. Acredita-se que estes conceitos da teoria sócio-construtivista possam esclarecer alguns pontos relativos à complexidade da aprendizagem musical. Tanto os aspectos relativos à aprendizagem quanto aqueles relacionados à relação pedagógica. A perspectiva sociocultural construtivista tem buscado fazer a síntese entre os pressupostos do construtivismo piagetiano (tendência cognitiva) e da perspectiva sociogenética elaborada por Baldwin, Mead e Vigotsky (Faria, 2001, p.27), ou seja, entre a singularidade da psicologia individual, marcada pela não conformidade às expectativas externas e o sujeito sóciohistórico. Tendo em conta a proposta sociocultural construtivista, Valsiner (1989 apud Faria, 2001) amplia o sistema de zonas formulado por Vigotsky, apresentando outras duas: a) Zona de Movimento Livre (ZML), que diz respeito ao conjunto de restrições definidas pelo educador dentro do qual a criança pode agir. São limites definidos por meio da proibição que orienta a criança para ações sociais e cognitivamente apropriadas e tem uma característica de mecanismo psicológico inibitório. É importante ressaltar que estes limites são dinâmicos e permanentemente negociados. b) Zona de Promoção de Ação (ZPA) diz respeito ao conjunto de ações opostas à zona de movimento livre, no sentido que é orientada para a promoção de novas habilidades. As ações do educador procuram encorajar diferentes modos de ações desejáveis para a criança. Porém, a criança ou adolescente não precisa sempre concordar com a realização das ações desejáveis. Dessa maneira, a reação do sujeito, também, canalizará o comportamento do adulto. A ZML e a ZPA são meios pelos quais o desenvolvimento do sujeito é gradualmente canalizado. A ZML reflete a estrutura atual das relações sujeito-objeto e a ZPA reflete a direção

64

desejada do desenvolvimento futuro. Quanto mais um ensino escolar estiver dentro dessas zonas, melhor será o seu resultado (Faria, 2001). Maciel (1996, p.38 apud Faria, 2001), para clarificar estes conceitos, usa uma analogia feita por Valsiner em um curso:
Imagine-se uma sala sem janelas cujo vazio é preenchido apenas por uma cadeira. A cadeira, quanto sugere o que o sujeito deve fazer, representa a ZPA. Todo o espaço restante representa a Zona de Movimento Livre, que por sua vez, é limitada por paredes. È dentro da ZML que a criança pode tomar iniciativas. Por sua vez a ZPA será tão mais estimuladora do desenvolvimento quanto mais ela ocorrer dentro da ZDP.

Nesse sentido, a abordagem sociocultural construtivista parte do pressuposto de que cada indivíduo constrói o seu conhecimento fazendo mediações sociais e relações interpessoais com os outros sociais. Concebida dessa maneira a ZDP resulta de toda e qualquer interação mediada culturalmente, por meio da qual é possível ser instalada, virtualmente, uma área potencial de desenvolvimento. As implicações pedagógicas, do conceito de ZDP apontadas por Vigotsky (1991), referem-se, sobretudo às intervenções pedagógicas que ocorrem na escola - instância privilegiada na transmissão de informações relevantes ou, mais precisamente, do conhecimento científico historicamente acumulado – como o conhecimento musical. Estas intervenções pedagógicas abrangem os aspectos didático-pedagógicos, os materiais e estratégias de ensino, assim como o contexto sócio-cultural dos aprendizes. Japiassu (1999) afirma que, segundo a perspectiva vigotskyana, todo bom ensino é aquele que se adianta ao desenvolvimento. Essa afirmação deve reverberar nas práticas educativas formais por valorizar o papel indispensável do professor na organização dos ambientes potenciais de aprendizado, sobretudo por meio do planejamento de intervenções pedagógicas metodologicamente elaboradas. No entanto, a ênfase de Vigotsky no papel da escolarização e do professor na promoção do desenvolvimento cultural não implica conceber o aluno como um ser moldado passivamente pelas injunções histórico-culturais. Algumas implicações pedagógico-escolares de suas idéias são destacadas por Japiassu (1999, p. 45) e descritas como: a) Ênfase no processo intersubjetivo de construção do conhecimento e de significação de enunciados e ações na sala de aula;

65

b) Valorização do papel do professor que se torna o principal responsável pela organização das intervenções pedagógicas necessárias, tanto no sentido de assegurar as trocas e interações entre as diferentes culturas confrontadas na sala de aula, como pelo planejamento de ambientes de aprendizado que proporcionem a socialização dos conceitos científicos ou sociais, mas não é o único detentor do saber - até porque, o aprendizado dos alunos tem início antes do ingresso na instituição escolar e está impregnado dos valores culturais internalizados por meio de suas interações com o grupo social do qual fazem parte; c) Questionamento da homogeneidade das turmas (por faixa etária, quocientes de inteligência ou níveis sócio-econômicos) e, conseqüentemente, a sinalização de uma perspectiva educacional inclusiva das diferenças; d) Ampliação do foco da avaliação escolar para além do produto imediato do aprendizado, considerando sua natureza processual, quer dizer, concebendo-a

prospectivamente. Nesse sentido, a teoria histórico-cultural do desenvolvimento foi a primeira a destacar o papel da mediação cultural simbólica exercida pela linguagem falada e escrita na ampliação das potencialidades comunicacionais e intelectuais do ser humano. Vigotsky entendia que o pensamento e a linguagem seguem trajetórias distintas, mas que podem se interligar no processo comunicacional: a inteligência prática ou pensamento pré-verbal. Quer dizer, a codificação arbitrária de sons para constituição de palavras, para a designação de coisas, culturalmente transmitida entre gerações, ampliaria as possibilidades de comunicação da pessoa, de suas ações e interações com outros da mesma espécie, de maneira semelhante ao modo como as ferramentas (uma pá, por exemplo) amplificam o poder transformador das mãos do ser humano sobre os objetos e as coisas do mundo natural. Os signos, de acordo com Vigotsky, são instrumentos psicológicos que possibilitam um salto qualitativo na maneira de ser e agir dos seres humanos. Pode-se afirmar que, de acordo com ele, o uso social de signos demarca nitidamente, na filogênese, o ponto de ruptura entre o comportamento animal, de caráter natural ou biológico e o comportamento cultural, tipicamente humano. Existe uma relação de analogia entre o uso de signos e o uso de ferramentas que tem por base o caráter mediador3 desses artefatos, porque ambos são construtos históricos

O conceito de mediação pressupõe a inclusão de um elemento qualquer numa relação. A relação original deixa de ser direta e passa a ser mediada. O conceito de mediação é o que distingue, basicamente, a abordagem histórico-cultural Vigotskyana da abordagem cognitivista de Jean Piaget. A interação ativa do sujeito, com o meio, é enfatizada por ambos, mas a primeira, destaca, nas relações do sujeito com o objeto, o papel mediador da

3

66

elaborados com o objetivo de se interpor nas relações interpessoais e interações do ser humano com o meio-ambiente natural. Vigotsky explica o funcionamento mental tipicamente humano segundo o princípio da internalização. Para isso, ele começa esclarecendo as especificidades funcionais do signo e da ferramenta: o signo orienta-se sempre para o interior (voltado para o controle, organização e transformação do comportamento da própria pessoa) e a ferramenta necessariamente dirige-se para o exterior (direcionada para a transformação dos objetos). Vigotsky entende que todas as funções psicológicas superiores, exatamente por não serem formas de comportamento biologicamente determinadas, necessitam ser aprendidas ao longo das interações da pessoa com o ambiente cultural no qual ela se encontra e que essas funções, invariavelmente, seguem uma orientação no sentido fora-dentro, ou seja, descrevem uma trajetória desde o exterior (plano intermental) até o interior do sujeito (plano intramental). Ou seja, tais funções têm necessariamente que ocorrer antes entre pessoas, no nível interpsicológico ou social, para só então passarem a existir no plano intrapsicológico, individual, subjetivo.

A internalização de formas culturais de comportamento envolve a reconstrução da atividade psicológica tendo como base as operações com signos. Os processos psicológicos, tal como aparecem nos animais, realmente deixam de existir; são incorporados nesse sistema de comportamento e são culturalmente reconstituídos e desenvolvidos para formar uma nova entidade psicológica. O uso de signos externos é também reconstruído radicalmente. As mudanças nas operações com signos durante o desenvolvimento são semelhantes àquelas que ocorrem na linguagem. (...) A internalização das atividades socialmente enraizadas e historicamente desenvolvidas constitui o aspecto característico da psicologia humana; é a base do salto qualitativo da psicologia animal para a psicologia humana (Vigotsky, 1998 p. 75-76).

Uma vez compreendido o funcionamento mental especificamente humano como um processo que se inicia com a internalização de funções que se desenvolveram com base nas interações intersubjetivas, condicionadas pela configuração histórica das relações materiais de produção do trabalho nos grupos humanos, Vigotsky introduz o conceito de zona de desenvolvimento proximal - ZDP e torna mais clara a correlação existente entre aprendizado e desenvolvimento, ou seja, somente o aprendizado das formas culturais de comportamento pode resultar em desenvolvimento cognitivo na internalização de conceitos mais complexos.

cultura. Já a última não explicita este aspecto necessariamente “indireto”, quer dizer mediador, das relações do ser humano com o meio ambiente físico e social.

67

Esse entendimento da importância do aprendizado na internalização de formas superiores de comportamento implica forçosamente a organização deliberada de intervenções pedagógicas, por parte dos membros mais experientes da cultura, já que os seres humanos não têm como aprender complexas maneiras de agir e pensar - que possuem um caráter extrabiológico - quando permanecem entregues a si mesmos ou à maturação espontânea de suas estruturas cognitivas. Para Vigotsky o aprendizado não poderia ser confundido com o desenvolvimento, da maneira como faziam crer os behavioristas. Tampouco o aprendizado seguia a reboque do desenvolvimento, determinado pela maturação biológica das estruturas cognitivas de conhecimento do sujeito, segundo o postulado da epistemologia genética clássica. E ainda não era suficiente compreender o aprendizado e o desenvolvimento como processos interrelacionados, conforme acertadamente afirmava a psicologia da gestalt. Além de serem processos interdependentes, o aprendizado constitui-se, para Vigotsky, em mola propulsora do desenvolvimento, movimentando os processos de cognição, precedendo-os:

De fato, por acaso é de se duvidar que a criança aprende a falar com os adultos; ou que, através da formulação de perguntas e respostas, a criança adquire várias informações; ou que, através da imitação dos adultos e através da instrução recebida de como agir, a criança desenvolve um repositório completo de habilidades? (Vigotsky, 1998, p. 110).

Nesse sentido, todo processo educativo implica em uma relação dialética, no qual ambiente e sociedade contribuem para construção dos aspectos cognitivos superiores no sujeito. Necessariamente, o pensamento conceitual é desenvolvido via processo de internalização mediada pelos signos culturais. Com base nesta constatação, surgem várias possibilidades de interpretações pedagógicas que causam implicações diretas no processo de ensino-aprendizagem, uma delas é a construção de conceitos, que integra o aprendizado de todo conteúdo complexo, como o conhecimento matemático, geométrico, estrutural – assim como, a compreensão racional de fazeres humanos no campo das artes, da criação e das estruturas organizadas, como, por exemplo, da música.

68

2.2 A NÁLISE MICROGENÉTICA E CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS Esta pesquisa aborda aspectos da construção do conhecimento musical sob contexto da informática educativa, na qual se enfatiza a verificação da construção de conceitos musicais pelo método qualitativo de análise microgenética. Parte-se do pressuposto de que várias metodologias podem ser usadas para avaliação da construção do conhecimento no processo educativo musical. No entanto, os princípios para análise desse desenvolvimento devem estar atrelados à constituição do conhecimento nas dimensões funcionais - saber fazer (Swanwick, 1991), e estruturais – compreender (Inhelder, 1996) como a construção de conceitos (Vigotsky, 1998). Estas dimensões (fazer e compreender) não são evidenciadas nos testes, de cunho quantitativo, de criatividade e percepção musical, tradicionalmente usados. Deste modo, acredita-se nas contribuições dos procedimentos de analise qualitativa para avaliação do processo de ensinoaprendizagem musical como um todo. Estas dimensões qualitativas estão ligadas ao desenvolvimento de conceitos na condição de processos mais significativos de aprendizagem, principalmente ao optar-se por uma abordagem criativa de ensino musical (Swanwick, 2003). Segundo Mantoan (1993, p.234), a fusão dessas duas dimensões (fazer e compreender), permite uma “análise mais abrangente do processo e do produto intelectual de sujeitos em situação de resolução de problemas”. Apesar desta abordagem - como possibilidade de verificação da construção de conceitos musicais mostrar-se nova, nos centros de pós-graduação com linha de pesquisa em educação musical, ela é tradicionalmente usada para verificação do desenvolvimento intelectual nos âmbitos da pedagogia e da psicologia sócio-construtivista. O pioneiro nesta perspectiva foi Lev Vigotsky (1998, 1991), seguido por seus companheiros de pesquisas Luria e Leontiev. Atualmente, pesquisadores vêm realizando estudos que integram a psicologia sócio-histórica à análise dos processos cognitivos. Branco (Branco e Rocha, 1998) e Valsiner (1993), por exemplo, têm contribuído para o incremento de metodologias de análise dos micro-processos de desenvolvimento cognitivo, nas quais a perspectiva sócio-histórica e a dialética marxista são tidas como fundamentos científicos e epistemológicos. É proposta deste trabalho realizar uma análise minuciosa da gênese da construção de conceitos musicais, verificando, assim, aspectos essenciais do desenvolvimento musical, em contexto específico.

69

Para isso, a análise microgenética, desenvolvida por Inhelder (1996) e Wertsch (1987) mostra-se adequada à proposta de verificação cognitiva sócio-construtivista, em uma perspectiva de verificação do desenvolvimento de conceitos (Vigotsky, 1999), possíveis de serem relacionados com a construção do conhecimento em música (Beyer, 1995; Penna, 1990) e musicalidade (Swanwick, 2003). Estudos realizados mais recentemente por Faria (2001), Mantoan (1998), Martins (1994), e Allessandrini (2004) analisam o micro-desenvolvimento cognitivo de sujeitos realizando atividades, de resoluções de problemas, envolvendo aspectos matemáticos, musicais, de geometria plana e espacial. Analisaram o desenvolvimento de conceitos, da criatividade e - as relações intrapessoais, interpessoais, com os objetos e com as tarefas. Estes estudos são exemplos que demonstram o funcionamento da metodologia de micro-análise do desenvolvimento cognitivo e o encadeamento da construção de conceitos na transformação do conhecimento em ação e da ação em conhecimento.

2.2.1 Análise Microgenética Vigotsky não é o único autor que pode ser chamado de psicogenético, Piaget e Wallon são dois outros autores bastante conhecidos por esta abordagem. Vigotsky (1991), porém, enfatiza o que chama de planos genéticos que, em interação, constituiriam o psiquismo de cada indivíduo. O primeiro plano é a filogênese, que é a história da espécie. Neste plano, leva-se em conta a história da espécie para entender como os processos que são tipicamente humanos se originaram. A sociogênese, ou a história cultural seria um segundo plano no qual se busca compreender a imersão do sujeito num mundo cultural, pois todo mundo está em um nicho de cultura, que é uma fonte primordial de funcionamento psicológico. É onde a pessoa aprende a ser uma pessoa, seu modo de vida, de comer, de vestir, de acreditar em idéias. Para a criança recém-nascida, por exemplo, o mundo é filtrado pelo grupo cultural no qual ela está imersa. Aqui, a idéia de grupo cultural não é apenas sociológica, referente a fatores macroscópicos como nação, classe social, nível instrucional, mas fazem parte pertinências menores como nichos culturais particulares, valores familiares, pares com quem convive e práticas religiosas às quais é exposto. O terceiro plano é o ontogenético, que é o percurso do indivíduo em seu ciclo de vida, do nascimento à morte, ou da infância a vida adulta. Neste plano, interessa-nos saber que coisas

70

um indivíduo consegue fazer ou não, a depender da etapa de seu desenvolvimento em que se encontra. É interessante pensar que este caminho definido pela ontogênese tem relações com a filogênese e com a sociogênese. Assim, um membro da espécie humana cresce de determinado jeito, primeiro senta, depois engatinha, depois anda. Os indivíduos são marcados por seqüências de vida, dadas pela espécie. Há a idéia que a ontogênese não é pura maturação, porque ela é lida e interpretada pelo grupo cultural. Sobre isto, um exemplo é o da adolescência como um fato cultural e a puberdade como um fato biológico. A adolescência é um jeito da cultura ler a puberdade e estabelecer práticas e marcações. Em cada cultura a passagem da infância para a vida adulta é culturalmente marcada de uma determinada maneira. Na relação entre estes três grandes planos genéticos, a filogênese fornece para a cultura limites e possibilidades, há coisas que o ser humano pode fazer, outras que não pode, porque está equipado com limites e possibilidades que são de natureza física mesmo. Da filogênese para a sociogênese há a idéia da restrição, mas da sociogênese para a filogênese há uma ampliação, pois como ser cultural o homem expande seus limites, não voa, mas inventa o avião. A escrita, a memória e o computador ampliam a capacidade de operação, o relógio amplia a noção de tempo. Então, a cultura retroage sobre a filogênese, no sentido de transformar aquele limite que originalmente seria uma restrição, crescendo para fora do organismo por intermédio de artefatos culturais (Vigotsky, 1991). A filogênese alimenta a ontogênese, porque define como o indivíduo vai crescer dado sua pertinência à espécie humana. A cultura gera os significados, interpretando as fases da maturação biológica de um indivíduo, que quando lida pela cultura torna-se biografia, história de vida. Aqui aparece o quarto plano genético postulado por Vigotsky, chamado microgênese, termo cunhado não por Vigotsky, mas por Wertsch (1987), autor contemporâneo norte americano. Este plano diz respeito ao fato de que todo e qualquer fenômeno psicológico tem a sua história, a história de como alguém aprende a ler e a escrever, como aprende a amarrar sapatos, a andar de bicicleta, a ligar a televisão. O micro aqui se refere não tanto à idéia de duração, e sim ao fato de que como as coisas não nascem prontas, e, também, não aparecem de uma forma repentina, tudo tem um processo, ainda que este não seja visível externamente. Cabe à psicologia e à pedagogia compreender como o indivíduo passa do estágio de não saber alguma coisa, a sabê-la, de não ser capaz, a sê-lo, pois tudo no repertório psicológico teria a sua gênese.

71

Acredita-se que esta quarta dimensão seja a porta aberta para o não determinismo. Ficar preso à ontogênese e à filogênese leva ao risco de determinismo biológico, como em acreditar que tal fenômeno ocorre assim porque o sujeito é um ser humano, ou porque tem quatro anos de idade. Centrar demais na sociogênese pode, também, trazer o risco do determinismo cultural, homogeneizar o indivíduo, anular o individual e a subjetividade porque o desenvolvimento estaria todo definido pela cultura. Por outro lado, a idéia da microgênese é tipicamente sócio-histórica, é materialista e é não determinista, porque ela fragmenta de tal modo a experiência de cada um que é possível encontrar a fonte da construção da singularidade. Não é necessário buscar explicações espirituais ou em uma outra instância extramaterial. A psicologia se dá em um plano material, mas um material tão complexo e tão diverso, que é na construção de cada vida que se encontra a fonte de constituição do psiquismo singular (Wertsch, 1987; Allessandrini, 2004). Não é possível encontrar duas vidas iguais. E é a perspectiva microgenética que vai oferecer subsídios para a compreensão dessa singularidade. Na investigação sobre a constituição de sujeitos, em especial no que concerne a processos de contextos pedagógicos, nos campos da educação e da psicologia vem recorrendo a abordagem metodológica referida da análise microgenética (Góes, 1986). De um modo geral, trata-se de uma forma de construção de dados que requer a atenção a detalhes e o recorte de episódios interativos, sendo o exame orientado para o funcionamento dos sujeitos focais, das relações intersubjetivas e das condições sociais da situação, resultando num relato minucioso dos acontecimentos (Allessandrini, 2004). Freqüentemente, dadas as demandas de registro implicadas, essa análise é associada ao uso de vídeo-gravação, envolvendo o domínio de estratégias para a filmagem e a trabalhosa atividade de transcrição. Segundo Inhelder, a análise microgenética pode, ainda, ser o caminho exclusivo de uma investigação ou articular-se a outros procedimentos, para compor, por exemplo, um estudo de caso ou uma pesquisa participante ou pesquisa ação (Inhelder, 1996). Góes (1986, p. 9) ressalta o caráter profícuo desse caminho metodológico no estudo de questões referentes à subjetivação, em sua necessária relação com o funcionamento. A autora delineia as características peculiares da análise microgenética, em sua vinculação com a matriz histórico-cultural. A pesquisadora afirma que algumas abordagens analíticas enfatizam a necessidade de registros detalhados, mas distanciam-se da metodologia por estarem inscritas em referenciais teóricos que não assumem a centralidade do entrelaçamento das dimensões cultural, histórica e

72

semiótica no estudo do funcionamento humano. Nesse sentido, menciona certas descrições minuciosas de comportamentos, arranjos do ambiente e formas de relação entre comportamento e condições ambientais, nos estudos etnológicos e outras correntes teóricas, de cunho comportamentalistas, que efetuam um detalhamento de estímulos, respostas, eventos conseqüentes e seqüências comportamentais. Considera necessário diferenciar a análise microgenética da micro-etnográfica (Góes, 1986), pois esta primeira está igualmente orientada para os detalhes das ações; para as interações e cenários socioculturais; para o estabelecimento de relações entre microeventos e condições macro-sociais. Por outro lado, Góes afirma que uma primeira característica distintiva pode ser identificada, não no termo micro em si, mas na sua qualificação como genética, o que parece estabelecer um contraste com outras abordagens. A visão genética aí implicada vem das proposições de Vigotsky (1981 apud Góes, 1986) sobre o funcionamento humano, e, dentre as diretrizes metodológicas que ele explorou, estava incluída a análise minuciosa de um processo, de modo a configurar sua gênese e as transformações do curso de eventos. Essa forma de pensar a investigação foi denominada por seus seguidores como análise microgenética (Wertsch, 1987). É importante lembrar que a forma como vem sendo empregado o qualificativo microgenético mostra que ele não tem filiação teórica única. O próprio Piaget, em seu modelo de método clínico, usou estratégias que poderiam ser consideradas microgenéticas, e seus seguidores referem-se à necessidade de que os estudos, nesse método, envolvam o exame crítico e minucioso das ocorrências nas sessões de provas ou entrevistas e em outros contextos científicos, como os de resolução de problemas (Inhelder, 1996). Isso porque há uma busca em compreender os passos do desenrolar das ações dos sujeitos e explicar suas construções e transformações cognitivas. É preciso acrescentar ainda que a proposta de entrevista clínica de Piaget (na versão da década de 20 – Piaget, 1978) teve repercussão sobre o próprio trabalho ontogenético de Vigotsky, como relata Luria (Góes, 1986), e, presumivelmente, afetou as formas pelas quais ele realizava análises detidas de seqüências de acontecimentos em sessões de pesquisa. Naturalmente, Vigotsky transformou muito a idéia original – que era de uma busca cuidadosa das respostas espontâneas da criança, não influenciadas pelo adulto – e introduziu deliberadamente pistas, auxílios ou obstáculos, para estudar os processos de interesse. A mudança no formato da entrevista não é mero detalhe, mas decorre da tese fundamental de Vigotsky, segundo a qual os processos humanos têm gênese nas relações com o outro e com a

73

cultura, e são essas relações que devem ser investigadas ao se examinar o curso de ação do sujeito. Para Vigotsky (1998), vários tipos de investigação e diretrizes metodológicas amplas buscam atender a duas teses fundamentais: de que a gênese das funções psicológicas está nas relações sociais e de que a constituição do funcionamento humano é socialmente mediada, num curso de desenvolvimento que abrange evoluções. Portanto, no que concerne ao método, a investigação não pode descolar-se de uma visão sociogenética, histórico-cultural e semiótica do ser humano, sendo que as proposições conceituais e metodológicas devem ser interdependentes e equivalentes teoricamente. Vigotsky apresenta sucintamente alguns princípios metodológicos em seu texto Problemas de Método (1991), em que ele propõe o estudo de processos e não de produtos ou objetos, pois "é somente em movimento que um corpo mostra o que é" (p. 74). Argumenta pela necessidade de examinar a dimensão histórica e alerta para o fato de que privilegiar a história é estudar o curso de transformação que engloba o presente, as condições passadas e aquilo que o presente tem de projeção do futuro. Inclui nessas diretrizes a importância de se identificar relações dinâmico-causais, devendo o investigador buscar distinguir a aparência e os processos da dinâmica subjacente. Segundo Wertsch (1985), a tese da constituição cultural dos processos humanos, a visão de desenvolvimento humano e a preocupação com a dimensão histórica levaram Vigotsky a abordar vários domínios genéticos: a filogênese, a história sociocultural, a ontogênese e a microgênese. Segundo Góes, Vigotsky:

Focalizou especialmente o domínio ontogenético, mas efetuava um entrecruzamento dos estudos da ontogênese e da microgênese, sempre relacionando os dois níveis de análise, isto é, investigava questões ontogenéticas (abrangendo diferentes faixas etárias) e se deslocava para outro nível de estudo que envolvia sessões examinadas nas minúcias de transformação das respostas dos sujeitos. Essa perspectiva pode ser notada nos trabalhos sobre relações entre pensamento – linguagem, atenção, memória, formação de conceitos, fala egocêntrica, desenvolvimento da imaginação, etc (Góes, 1986, p. 11).

É importante esclarecer que essa atenção às minúcias de um curso de transformação das ações do sujeito nada tinha a ver com o privilegiamento de elementos isolados. Vigotsky (1985 apud Góes, 1986) teceu críticas ao associacionismo, tanto o de caráter naturalistabiologizante quanto o de inspiração subjetivista. Assim, o nível microanalítico, de base históricocultural, afasta-se totalmente do estudo de elementos e leis de associação. Aliás, Vigotsky

74

(1987a apud Góes, 1986) contrapõe-se à análise por elementos, propondo a busca de uma análise por unidades e definindo a unidade como aquela instância de recorte que conserva as propriedades do todo que se pretende investigar. Alega que essa noção é mais apropriada porque, diferentemente do elemento, a unidade é o componente vivo do todo. Wertsch (1985), com base nas proposições e pesquisas de Vigotsky, define a análise microgenética como aquela que envolve o acompanhamento minucioso da formação de um processo, detalhando as ações dos sujeitos e as relações interpessoais, dentro de um curto espaço de tempo. Essa duração corresponde a uma ou poucas sessões, em delineamentos planejados ou a curtos segmentos interativos, em situações naturais. É uma espécie de "estudo longitudinal de curto prazo" e uma forma de identificar transições genéticas, ou seja, a transformação nas ações dos sujeitos e a passagem do funcionamento intersubjetivo para o intra-subjetivo. No entanto, Góes (1986, p. 12) afirma que “não há critérios postos quanto a recortes temporais para a configuração de uma análise microgenética”. Ademais, diferentes trabalhos contêm números e durações diversas de segmentos interativos, e o mesmo trabalho pode apresentar episódios com durações variadas. Góes, ainda complementa que

não é micro porque se refere à curta duração dos eventos, mas sim por ser orientada para minúcias indiciais – daí resulta a necessidade de recortes num tempo que tende a ser restrito. É genética no sentido de ser histórica, por focalizar o movimento durante processos e relacionar condições passadas e presentes, tentando explorar aquilo que, no presente, está impregnado de projeção futura. É genética, como sociogenética, por buscar relacionar os eventos singulares com outros planos da cultura, das práticas sociais, dos discursos circulantes, das esferas institucionais (idem, p. 13).

As ressalvas feitas a Wertsch devem-se, assim, ao fato de que, em sua definição, a duração e a transição genética são salientadas, enquanto fica apenas subentendido o vínculo fundamental com o exame das minúcias e das dimensões semiótica, histórica e cultural. Com base nessa referência, os pesquisadores têm efetuado investigações produtivas na abordagem histórico-cultural, focalizando os aspectos intersubjetivos e dialógicos, recortando o material documentado em poucos ou vários episódios que sejam significativos para o propósito do estudo, buscando traçar o curso de transformações. Góes (1986) aponta contribuições da análise microgenética para a psicologia cognitiva e, recorrendo a Wertsch (1985) e outros pesquisadores, propõe-se a entendê-la como uma micro-análise interpretativa para fins de estudos cognitivos interacionais. O autor esclarece que, em pesquisas desse tipo, devem ser

75

valorizados os processos e os conteúdos semânticos, abrangendo a descrição cuidadosa da interação em episódios prototípicos, em termos das ações cognitivas, comunicativas e gestuais. Os dados são interpretados na direção de uma minuciosa apresentação narrativa e explicativa. A investigação de processos cognitivos construídos nas interações é, contudo, uma das vertentes dessa metodologia. Rojo (1997 apud Góes, 1986), ao discutir sobre as formas de estudo minucioso, de processos interativos, distingue três orientações: a cognitivista, que focaliza o plano intrapessoal durante os eventos interativos; a interacionista, que examina as relações interpessoais e o jogo conversacional como condição para a formação do funcionamento intrapessoal; e a discursiva ou enunciativa, que privilegia a dimensão dialógica e relaciona interação, discurso e conhecimento. Segundo Góes (1986), vários estudos dessa natureza têm focalizado processos de desenvolvimento de sujeitos, muitas vezes com a atenção dirigida à construção de conhecimentos, em espaços educativos na escola comum, creches ou ambientes de educação especial (entre outros citados pela autora temos: Carvalho 1997, Cruz 1997, Góes e Souza 1998). A ênfase na dimensão semiótica e intersubjetiva dos acontecimentos (atenção ao diálogo, à mediação semiótica) e o caráter mais compreensivo-interpretativo das discussões são duas das marcas dessa abordagem. Com base nesse conjunto de versões produtivas da análise microgenética, no âmbito das produções brasileiras inscritas na matriz histórico-cultural os pesquisadores têm efetuado investigações buscando traçar o curso de transformações. Góes (1986) aponta contribuições da análise microgenética para a psicologia cognitiva e, segundo as proposições de Wertsch (1985), é possível entendê-la como uma micro-análise interpretativa para fins de estudos cognitivos interacionais. Com base nessas ponderações, é possível sugerir que a caracterização mais interessante da análise microgenética está numa forma de conhecer que é orientada para minúcias, detalhes e ocorrências residuais, como indícios, pistas, signos de aspectos relevantes de um processo em curso; que elege episódios típicos ou atípicos que permitem interpretar o fenômeno de interesse; que é centrada na intersubjetividade e no funcionamento enunciativodiscursivo dos sujeitos; e que se guia por uma visão indicial e interpretativo-conjetural (Góes, 1986; Wertsch, 1985). Não se trata de afirmar que essa é uma versão única, pois há variações entre pesquisadores. Entretanto, julga-se haver uma convergência quanto à investigação da constituição de sujeitos, concebida no âmbito dos processos intersubjetivos.

76

Estava nas considerações de Vigotsky, ao realizar o estudo de minúcias, o plano das microgêneses, e com a contribuição de diferentes autores, chega-se ao que se conhece por análise microgenética. Reconhece-se que é de sua obra que se desdobram essas novas possibilidades e que nela pode-se ler o propósito talvez mais característico dessa análise, que é construir uma micro-história da gênese do conhecimento e dos processos de aprendizagem.

2.2.2 Fundamentos da construção de conceitos A contribuição mais importante de Vigotsky para a educação é sua proposta de relação entre desenvolvimento e aprendizagem. Para ele o desenvolvimento está atrelado à aprendizagem, que é essencial para promover o desenvolvimento. É como se ela puxasse o desenvolvimento para frente. Nisto está referida a importância que Vigotsky dá para a cultura, para a experiência de vida do sujeito. Quer dizer, uma pessoa passa a vida aprendendo coisas e, é este caminho da aprendizagem que vai definir por onde passará o seu desenvolvimento. Isto dá à educação uma perspectiva muito valiosa, que é olhar para frente, em uma visão prospectiva. O conceito de desenvolvimento passa necessariamente na perspectiva vigotskyana pela noção de ZDP e de co-construção de conceitos (Vasconcellos, 1995). Contudo, o desenvolvimento analisado está na base das perspectivas ontogenéticas e microgenéticas. Estes conceitos são clarificados por Oliveira (2004), segundo ela, podemos definir desenvolvimento, sinteticamente, como transformação. Processos de transformações ocorrem ao longo de toda a vida do sujeito e estão relacionados a um conjunto complexo de fatores. Na abordagem histórico-cultural encontramos a postulação do desenvolvimento humano como resultado da interação entre quatro planos genéticos – a filogênese, a ontogênese, a sociogênese e a microgênese (Luria e Vigotsky, 1996; Wertsch, 1987; Oliveira, 2004; Rêgo, 1995). Palácios, num outro contexto teórico (1995 apud Oliveira, 2004, p. 8), elabora essa mesma idéia sintetizando os três fatores aos quais se relacionariam os processos de transformação, ou de desenvolvimento: a) a etapa da vida em que a pessoa se encontra; b) as circunstâncias culturais, históricas e sociais nas quais sua existência transcorre e; c) experiências particulares privadas de cada um e não generalizáveis a outras pessoas. O plano microgenético, segundo Palácios (1995 apud Oliveira, 2004), introduz elementos idiossincráticos que fazem com que o desenvolvimento psicológico seja um fenômeno único que não ocorre da mesma maneira em dois sujeitos diferentes.

77

Os estágios de desenvolvimento habitualmente definido nas teorias psicológicas fundamentam-se, principalmente, no primeiro desses fatores, focalizando o indivíduo isolado e as transformações que ocorrem para todos os seres humanos de forma similar. Ao proceder desta maneira, a psicologia nos tem fornecido modelos de desenvolvimento baseados principalmente nos processos de maturação biológica universais para todos os membros da espécie humana. Mas, a maturação biológica, essencial para o processo de desenvolvimento, não representa a totalidade do desenvolvimento, pois as transformações mais relevantes para a constituição do desenvolvimento tipicamente humano não estão somente na biologia do indivíduo, mas na psicologia do sujeito, muito mais referida, portanto, à sociogênese e microgênese, isto é, às circunstancias histórico-culturais e às peculiaridades da história e das experiências de cada sujeito. Oliveira (2004), declara que se pode afirmar que o desenvolvimento individual se dá no interior de uma determinada situação histórico-cultural, que fornece aos sujeitos, e com eles constantemente reelabora, conteúdos culturais, artefatos materiais e simbólicos, interpretações, significados, modos de agir, de pensar e de sentir. Além disso, a imensa multiplicidade de conquistas psicológicas que ocorrem ao longo da vida de cada indivíduo gera uma complexa configuração de processos de desenvolvimento que será absolutamente singular para cada sujeito.

(...) Em cada situação de interação com o mundo externo, o indivíduo encontra-se em um determinado momento de sua trajetória particular, trazendo consigo certas possibilidades de interpretação e re-significação do material que obtém dessa fonte externa (M. Oliveira, 1997, p. 56).

Nesse sentido, interessa-nos o processo ontogenético e microgenético de formação de conceitos, que foi examinado e estudado por Vigotsky de maneira radicalmente inovadora na sua época (Góes, 1986). Suas investigações lhe permitiram identificar três grandes fases no processo de desenvolvimento das formas superiores de funcionamento mental humano, as quais percorrem uma trajetória que começa com o pensamento sincrético até alcançar o pensamento categorial (por conceitos). Cada uma dessas fases, por sua vez, foi subdividida por ele em diversos estágios (Vigotsky, 1991). Ressalta-se a relevância destas categorias microgenéticas da construção de conceitos elencadas por Vigotsky para quaisquer pesquisas que objetivam analisar o desenvolvimento de conceitos de qualquer área de conhecimento.

78

Ao todo são três fases subdivididas em estágios (Vigotsky, 1991, p.51-61): a) Primeira Fase - Agregação desorganizada (1) Amontoado, Sincretismo ou Coerência Incoerente: O significado das palavras denota para o sujeito apenas um conglomerado vago e sincrético de objetos isolados, quer dizer, o sujeito confunde elos subjetivos com elos reais entre as coisas. Objetos são agrupados sob o significado de uma palavra que, embora de fato reflita alguns elos objetivos com as coisas nomeadas, também, refletem elos fortuitos relacionados com as impressões subjetivas e percepções singulares do sujeito. Esta primeira fase se subdivide em três estágios diferentes: - Estágio I – Constitui-se numa simples manifestação de tentativa e erro (1.1). - Estágio II – Caracteriza-se pela reunião de objetos em virtude de sua organização no campo visual (1.2) da pessoa, uma configuração de natureza exclusivamente sincrética. - Estágio III – Trata-se de uma nova reunião dos objetos tomando-se por base a tentativa anterior do estágio II de procurar ajuntá-los com base na organização do campo visual do sujeito. Os elos entre os objetos permanecem sincréticos, porém, neste estágio, já se apresenta uma operação um pouco mais elaborada. Os amontoados vão ser formados com base na reunião dos dois critérios anteriores (1.3). b) Segunda Fase - Pensamento por Complexos (2): Os objetos isolados associam-se na mente da pessoa não apenas por causa das impressões subjetivas que podem sugerir, mas principalmente, por causa das relações que de fato existem entre eles. Os elos são necessariamente concretos e factuais. - Estágio I – Complexo de tipo Associativo (2.1): Tem por base a reunião de objetos num grupo segundo eventuais relações de fato existentes entre eles, mas relações estas com em critérios diversificados de semelhança, ou seja: a ligação entre o objeto núcleo do agrupamento e os demais objetos não necessariamente possui uma única característica comum - tipo a mesma cor ou o mesmo tamanho. - Estágio II – Coleções (2.2): Os objetos passam a ser reunidos com base em suas características que os fazem parecer diferentes entre si e, portanto complementares, quer dizer, a pessoa reúne tipos distintos de objetos para formar uma espécie de coleção, junta um exemplar de cada um dos objetos do grupo considerados por ela diferentes do objeto núcleo. - Estágio III – Complexo em cadeia (2.3): Trata-se de uma reunião de objetos de caráter dinâmico e seqüencial na qual ocorrem associações de um objeto a outro, numa espécie de corrente em que, os elos entre eles possuem justificativas diferentes, isto é, as razões para o ajuntamento dos objetos mudam ao longo da cadeia de associações - como se cada novo objeto

79

acrescentado ao grupo sugerisse um motivo diferente para inclusão do próximo objeto. Vigotsky considera o complexo em cadeia a forma mais pura do pensamento por complexos. Para ele, um complexo não poderia se superpor jamais aos seus elementos constitutivos. Ao contrário, o complexo funde-se com os objetos concretos que o compõem. Esta, de acordo com Vigotsky, é a característica que distingue o pensamento por complexo do pensamento por conceitos: o amálgama, a mistura entre o geral e o particular - ou entre o complexo e seus elementos. - Estágio IV – Complexo difuso (2.4): Caracteriza a reunião de objetos segundo critérios vagos e fluidos, ora como complexos associativos, ora como coleções, ora por complexos em cadeia, quer dizer, as conexões entre os objetos são estabelecidas a partir de atributos vagos, ilimitados e instáveis, impossíveis de serem precisados como os que foram identificados nos estágios I, II e III desta fase. - Estágio V – Pseudoconceito (2.5): Constitui-se na ponte entre o pensamento por complexos e o pensamento categorial. Neste estágio, a generalização formada na mente da pessoa - como critério para a reunião dos objetos - embora fenotípica ou aparentemente semelhante a um conceito genuíno é, psicologicamente, ainda um complexo. Como no caso do sujeito que reúne, por exemplo, a designação de peixe, as baleias e os golfinhos. Vigotsky explica que este tipo mais elevado de pensamento por complexo permite entender porque há compreensão mútua entre crianças e adultos. Compreensão esta que cria “a ilusão de que o ponto final do desenvolvimento do significado das palavras coincide com o ponto de partida” (Idem, p. 59.), ou seja, de que o conceito já é fornecido pronto desde o princípio à pessoa, sem que ocorra nenhuma espécie de desenvolvimento do pensamento. c) Terceira Fase - Pensamento por Conceitos (3): O sujeito é capaz de abstrair e isolar os elementos que integram a experiência concreta, sintetizando-os abstratamente para uso instrumental em novas situações concretas. O conteúdo da experiência da pessoa pode começar a ser organizado de forma abstrata, sem referência a quaisquer impressões ou situações concretas. - Estágio I – Agrupamento por grau máximo de semelhança (3.1): Trata-se ainda de uma impressão vaga e geral da semelhança entre os objetos, mas o sujeito já focaliza sua atenção em determinados atributos que, somados, tornam o objeto o mais semelhante possível à amostra. Neste estágio a pessoa inicia o processo de abstração dos atributos aos quais ela presta menos atenção num conjunto de objetos. - Estágio II – Conceitos potenciais ou Pré-conceitos (3.2): O agrupamento de objetos com base na máxima semelhança possível é substituído por uma reunião que se baseia num

80

único e exclusivo atributo. Este tipo de operação mental ocorre tanto na esfera do pensamento perceptual como na esfera do pensamento prático, guiado pelas ações. O traço abstraído do conjunto de objetos neste estágio não se perde facilmente entre outros - como nos últimos estágios da segunda fase (do pensamento por complexo). - Estágio III – Conceitos genuínos (3.3): Os traços abstraídos do conjunto dos objetos podem ser sintetizados, reunidos novamente, de maneira absolutamente descontextualizada (ou re-contextualizada), no plano das idéias, com clareza de propósitos. Vigotsky (1991) explica que os processos mentais envolvidos na formação de conceitos evoluem ao longo de duas linhas principais: A primeira linha refere-se à segunda fase ou à formação de complexos. Nesta linha de desenvolvimento, a pessoa reúne objetos sob um “nome de família” comum, conforme os cinco estágios identificados e caracterizados acima. Já, a segunda linha evolutiva, baseia-se na abstração ou isolamento de atributos comuns a um grupo determinado de objetos, de acordo com os três estágios da terceira fase ou da formação de conceitos genuínos. Como unidade mínima para acompanhamento e análise da gênese do pensamento conceitual, Vigotsky elegeu o significado das palavras porque o pensamento e a palavra não são ligados por um elo primário. Ao longo da evolução do pensamento e da fala, tem início uma conexão entre ambos, que depois se modifica e se desenvolve (Vigotsky, 1991, p. 103). Ou seja, no seu entendimento, o significado de uma palavra era algo que se encontrava em permanente transformação, que evoluía. Essa compreensão de que os significados das palavras são formações dinâmicas, que se modificam à medida que o ser humano se desenvolve, possibilitou-lhe identificar as várias fases evolutivas do pensamento verbal até que este alcançasse o patamar formal, categorial, atingindo assim o nível mais elevado e superior do seu funcionamento. Suas investigações permitiram-lhe concluir que
(...) um conceito é mais do que a soma de certas conexões associativas formadas pela memória, é mais do que um simples hábito mental; é um ato real e complexo de pensamento que não pode ser ensinado por meio de treinamento, só podendo ser realizado quando o próprio desenvolvimento mental da criança já tiver atingido o nível necessário (Ibidem, p. 71).

Para ele, a memorização de palavras e sua associação com os objetos, que elas estão a representar, não leva, por si só, à formação de conceitos. As investigações do processo da formação de conceitos levadas a cabo em seus laboratórios de pesquisas foram desenvolvidas

81

com base no método da dupla estimulação aperfeiçoado por L. S. Sakharov, Kotelova e Pashkovskaja, seus colaboradores (Japiassu, 1999). Segundo Vigotsky, o exame do processo de formação de conceitos implicava em entender a divergência entre os aspectos semânticos e fonéticos da fala. Suas observações a esse respeito são no sentido de assinalar que, por trás das palavras, existe a gramática independente do pensamento, uma sintaxe especial de significados. Ele afirma que a fusão entre os dois planos da fala, o semântico e o vocal, começa a declinar à medida que a criança cresce e se desenvolve culturalmente, acarretando o aumento gradual da distância entre eles:

Na estrutura semântica de uma palavra, fazemos uma distinção entre referente e significado; de modo correspondente, distinguimos o nominativo de uma palavra de sua função significativa. Quando comparamos essas relações estruturais e funcionais nos estágios primitivo, intermediário e avançado do desenvolvimento, descobrimos a seguinte regularidade genética: a princípio só existe a função nominativa; e, semanticamente, só existe a referência objetiva; a significação independente da nomeação e o significado independente da referência surgem posteriormente e se desenvolvem ao longo de trajetórias que tentamos rastrear e descrever. Só quando este desenvolvimento se completa é que a criança se torna de fato capaz de formular o seu próprio pensamento e de compreender a fala dos outros. Até então, a sua utilização das palavras coincide com a dos adultos em sua referência objetiva, mas não em seu significado (Idem, p. 112).

Ele insiste no papel decisivo da inflexão para a descoberta do contexto psicológico dentro do qual uma palavra deveria ser compreendida e esclarece que a escrita é uma forma de fala mais elaborada porque nela – uma vez que o tom de voz e o conhecimento do assunto são excluídos - torna-se obrigatória a utilização de muito mais palavras. A importância do contexto para a construção do sentido das palavras foi especialmente destacada por Vigotsky. Ele explica que, dependendo do contexto, uma palavra poderia significar mais ou menos do que significaria quando considerada isoladamente (referência objetal, significado dicionarizado). A palavra significaria mais, quando adquirisse um novo conteúdo emprestado pelo contexto; significaria menos, quando o contexto limitasse e circunscrevesse seu significado. Para Vigotsky, na forma escrita, era mais do que necessário identificar o contexto da palavra porque, nesta modalidade de comunicação, "uma palavra deriva o seu sentido do parágrafo; o parágrafo, do livro; o livro, do conjunto das obras de um autor” (ibidem, p. 126). Ele observa que na fala interior o sentido predominava sobre o significado: a frase se sobrepunha a palavra e o contexto subordinava a significação da frase. Vigotsky denominou de influxo de sentido a maneira pela qual os sentidos das palavras se combinavam e se unificavam,

82

tanto na fala interior silenciosa como na fala interior oralizada (fala egocêntrica). Suas observações lhe permitiram concluir que a fala interior era uma função de fala autônoma e um plano específico do pensamento verbal, ou seja, que a fala interior “não é o aspecto interior da fala exterior - é uma função em sí própria” (ibid, p. 44). Vigotsky acreditava que só um rigoroso estudo da fala interior poderia esclarecer as questões relacionadas ao controverso problema da relação entre pensamento e linguagem no ser humano e lançar luz à investigação do processo ontogenético de formação de conceitos. Sua leitura era a de que a fala egocêntrica se constituía no elo intermediário entre a fala aberta ou comunicativa e a fala interior ou pensamento: o sentido do percurso da fala egocêntrica, contrariamente às idéias de Jean Piaget, seria desde fora para dentro, de acordo com o princípio da internalização - porque a criança interage, desde o nascimento, com o sistema semiótico da linguagem falada em seu grupo cultural. Ao alcançar o nível das operações mentais que caracterizam o pensamento conceitual, a pessoa atinge então o mais elevado grau de desenvolvimento no interior da cultura letrada. Vigotsky identificou, no pensamento categorial, dois tipos distintos de conceitos: os conceitos "científicos” ou "sociais” e os conceitos "cotidianos” (Vigotsky, 1998, p.73). Essa distinção, elaborada por ele, vai em certa medida ao encontro das diferenças identificadas por Jean Piaget quanto às idéias da criança acerca da realidade (idéias espontâneas, desenvolvidas particularmente pelo sujeito, de acordo com seus esforços e limitações mentais; idéias nãoespontâneas decisivamente influenciada pelos adultos). Vigotsky demonstra, por meio de resultados obtidos a partir de experimentos realizados com escolares das séries iniciais da educação básica por Zh. I. Shif (Ibidem, p. 90-100), sob sua orientação, que: a) O desenvolvimento dos conceitos sociais possui todos os traços peculiares ao pensamento infantil; b) Conceitos cotidianos e conceitos sociais atuam uns sobre os outros, influenciando-se mutuamente; c) Ambos, conceitos cotidianos e conceitos sociais, se formam e se constituem sob condições internas e externas absolutamente diferentes, dependendo do fato de terem origem no aprendizado em sala de aula ou da experiência pessoal da criança. Ele revela que a consciência (entendida como atividade meta-cognitiva) da semelhança, ao pressupor a formação de uma generalização (ou de um conceito) que deve incluir todos os

83

objetos considerados semelhantes, implica uma estrutura de generalização e conceitualização mais sofisticada do que a noção de dessemelhança – que pode surgir de outras maneiras. Assim, a questão da consciência é posta então como central para o esclarecimento da forma como interagem os conceitos sociais e os conceitos cotidianos. Ao operar com conceitos cotidianos, a criança não está consciente deles porque sua atenção encontra-se voltada para o objeto ao qual se refere o conceito - e não para o ato do pensamento em si. Quer dizer, o sujeito adquire consciência dos seus conceitos espontâneos tardiamente e isso faz com que sua capacidade de defini-los por meio de palavras, de operar com eles livremente, só possa ocorrer muito tempo depois de os ter adquirido. Todavia o aprendizado formal ou escolar, que resulta de uma intervenção pedagógica deliberadamente organizada - e se constitui em via única de acesso aos conceitos sociais conduz à percepção generalizante, abstrata, desempenhando, portanto um papel decisivo na conscientização da criança a respeito dos seus próprios processos de pensamento. Em resumo, os conceitos sociais, ao serem adquiridos pela pessoa, promovem um novo tipo de percepção e significam definitivamente a passagem para um tipo mais elevado de atividade e funcionamento mental:

É nossa tese que os rudimentos de sistematização primeiro entram na mente da criança, por meio do seu contato com os conceitos científicos [ou sociais], e são depois transferidos para os conceitos cotidianos, mudando a estrutura psicológica de cima para baixo. (…) A inter-relação entre os conceitos científicos e os conceitos espontâneos é um caso especial de um tema mais amplo: a relação entre o aprendizado escolar e o desenvolvimento mental da criança (Vigotsky, 1998, p. 80 Grifos meus).

Essa inter-relação configura um processo dialético no qual o desenvolvimento dos conceitos cotidianos segue um percurso ascendente e o desenvolvimento dos conceitos sociais, descendente. Embora os conceitos sociais e cotidianos se movimentem em sentidos contrários, ambos permanecem interligados num único e mesmo processo: o desenvolvimento cultural da pessoa com base no aprendizado de formas específicas de atividade e modalidades de pensamento. Ou seja, o aprendizado do pensamento categorial constitui-se numa espécie de passaporte para o ingresso da pessoa nos mais elevados níveis de atividade dentro da cultura escolar ou letrada.

84

2.2.3 Análise Microgenética da Construção de Conceitos Musicais As abordagens cognitivas e sócio-culturais, voltadas para o entendimento musical, podem contribuir para o desenvolvimento de ações e reflexões sobre ensino e aprendizagem musical. As abordagens cognitivas em música têm sido altamente relevantes para o desenvolvimento de pesquisas em educação musical. Nesse sentido, algumas das maiores referências internacionais são as pesquisas de Gardner (1997), Swanwick (1991) e Serafine (1988). No Brasil, importantes trabalhos de natureza cognitiva e construtivista são as teses de Beyer (1998), Figueiredo (1996) e Borges (2001), entre outros. No entanto, são observadas lacunas na continuidade de estudos voltados para a consciência dos processos de desenvolvimento dos conceitos musicais, carecendo a área pedagógico-musical de pesquisas que verifiquem possibilidades de transposições das teorias cognitivas Vygotskyanas e sócio-construtivistas para o ensino musical. Alguns pesquisadores da área pedagógico-musical têm procurado dar especial atenção à construção de conceitos musicais, como é possível verificar nos trabalhos de Penna (1990) e Beyer (1995), no entanto esta temática merece ser tratada com mais relevância como fazem outras áreas do conhecimento pedagógico. Nesse sentido, os estudos em pedagogia musical alcançaram consideráveis avanços por meio das metodologias elaboradas por grandes nomes da área que integram os aspectos pedagógicos aos aspectos metodológicos, dentre muitos Dalcroze, Kodály e Call Orff. Estudando estes métodos - chamados métodos ativos, se observa uma grande ênfase psico-pedagógica no material concreto e sinestésico, tornando essa concepção verdadeiro fetiche na crença de que poderia trazer solução para a compreensão do que seja a música na prática, sob uma via corporal e sensível. Partindo desta perspectiva de ensino, grande parte de educadores musicais lançaram mão de uma concepção equivocada de construtivismo para reafirmar esta postura pedagógica, na qual a manipulação do concreto e a vivência lúdica aparecem como soluções mágicas para a dificuldade de construção de conceitos musicais. Muitos jogos e brincadeiras são organizados revelando uma concepção fragmentada de relação interdisciplinar ente música e dança e focando somente as etapas do período sensório-motor. No entanto, segundo o próprio Piaget (1993), a representação mental nasce da união de “significantes” que permitem evocar os objetos ausentes com um jogo de significação que os une aos elementos presentes. Por outro lado, Jardinetti (1996 apud Faria, 2001, p.14), adotando como referencial a lógica dialética, propõe que o concreto seja o ponto de partida e de chegada

85

do processo de conhecimento, mas afirma que “o concreto não é apreensível de imediato pelo pensamento, e sim mediatizado por abstrações”. O que se tem observado é que a ineficácia de muitas experiências concretas está no fato de sua utilização, não possuir, em muitos casos, relação com a lógica que permeia os conceitos. Como possível re-articuladora, a psicologia sócio-histórica apresenta algumas possibilidades de esclarecimentos teóricos e metodológicos. Entre as amplas tendências de estudos sobre a formação de conceitos no âmbito da psicologia (Rossi, 1993 apud Faria, 2001): associacionista, behaviorista radical, cognitiva e sócio-histórica -, acredita-se que a perspectiva sócio-histórica seja a mais adequada para o estudo de formações de conceitos musicais, em virtude de a mesma contemplar melhor a complexidade de fatores que abarcam o desenvolvimento musical. O conhecimento musical co-construído (Vasconcellos, 1995) rejeita a explicação do surgimento e desenvolvimento das funções psíquicas como resultado da soma ou acúmulo de processos desvinculados do meio sociocultural em que se realizam (Bock, 2001). Sendo assim, acredita-se que a psicologia sócio-histórica pode contribuir para o desenvolvimento de pesquisas no âmbito do ensino musical na contemporaneidade, resignificando e contextualizando as antigas abordagens cognitivas junto às complexas relações que se dão entre conceito de música e seus respectivos elementos estruturais – melodia, ritmo, dinâmica e instrumentação-, juntamente com as propriedades do som – altura, duração, timbre, intensidade-, que se constituem, no nível pedagógico, em um desafio para a apreensão da música contemporânea (Leite, 2005; Almeida, 1997; Assef, 2003). Lev Vigotsky (1991, p.48) afirma que “as funções psíquicas superiores são processos mediados e os signos constituem o meio básico para dominá-las e dirigí-las”. A hipótese de Vigotsky era a de que os homens, a partir das interações criadas nas situações de aprendizagem, trabalham numa esfera não puramente natural, mas mediada por signos criados pela cultura. A utilização de processos mediados pelo sujeito é o que diferencia as funções psíquicas em inferiores e superiores (pensamento conceitual, memória lógica e atenção voluntária). Isto nos leva a afirmar que na co-construção das funções psíquicas superiores (como as musicais), o sujeito faz mediações por meio de instrumentos culturais que são internalizados por um processo de reconstrução interna. Assim, ao ser proposta a análise microgenética da construção de conceitos musicais sob perspectiva sócio-histórica, procura-se evidenciar sua contribuição como escopo teórico e metodológico para as pesquisas do âmbito educativo-musical. Ela compreende a construção de

86

conceitos não somente por meio de vivências concretas, mas, também, pela contextualização e significação musical (Swanwick, 1991), com base na co-construção conceitual que se dá no nível dialético (Vigotsky, 1998). A concepção do ensino centrado no desenvolvimento cognitivo, sob perspectiva sóciohistórica, procura considerar que todo o contexto do educando é abarcador de variáveis biopsíquico-culturais que, somadas, levam a um aprendizado final satisfatório, pois “a experiência prática mostra, também, que o ensino direto de conceitos é impossível e infrutífero” (Vigotsky, 1998, p. 104). Acredita-se que todo o desenvolvimento proposto e iniciado por Dalcroze (Caldwell, 2000) e, posteriormente, pela maioria dos pesquisadores e educadores musicais, deve encontrar continuidade em estudos que abordem a formação de conceitos e que revelem as contribuições da psicologia sócio-histórica para o ensino musical. O objetivo da verificação e análise da construção de conceitos sonoros (altura, duração, timbre, intensidade) e musicais (afinação, ritmo, dinâmica e instrumentação) no processo educativo musical, assim como da musicalidade e processo de significação musical co-construído está impregnado das necessidades básicas do desenvolvimento dos aspectos específicos da música, ou seja, seus elementos estruturais. São estes mesmos elementos que são avaliados pelos testes de desenvolvimento perceptivo musical, e ao que tudo indica, a compreensão musical passa pela consciência desses elementos estruturais do som e da música. Segundo Martins “uma compreensão progressiva da organização e da estruturação do discurso musical deve ser a base de toda educação musical” (1985 apud Penna, 1990, p. 47). Mas, como analisar esse processo de construção de conceitos? Nesta pesquisa empregamos a análise microgenética, também, chamada de microanálise, procurando identificar quando e como os sujeitos participantes desenvolvem os conceitos esperados. Para conduzir o andamento da pesquisa, foram conduzidas sessões/aulas registradas por meio de vídeo-gravação. No desenvolvimento e análise das sessões/aulas foram consideradas as diretivas de ensino musical de Swanwick (2003) e as perspectivas psicopedagógicas de Vigotsky (1998). É proposta desta pesquisa analisar as etapas alcançadas na construção de conceitos por meio das falas (explicações – diálogos) e gestos (articulações – trejeitos – expressões corporais) dos alunos, expressos durante a resolução de problemas, exercícios, tarefas práticas e textos criativos desenvolvidos tanto em atividades individuais como em grupo.

87

Na resolução de problemas (Inhelder, 1996) e desenvolvimento de seu projeto musical (Allessandrini, 2004), os alunos, sujeitos participantes, desenvolvem conceitos relativos à manipulação musical. Tendo por base esse desafio objetivo e diante do software apropriado eles são observados, pois em determinados momentos são verificados saltos cognitivos. Esses novos elementos internalizados pelos sujeitos são analisados mediante as etapas desenvolvidas por Vigotsky, dentro da construção de conceitos, neste caso conceitos musicais – melodia (altura), ritmo (duração), agógica ou dinâmica (forte, fraco) e timbre (qualidade do som e instrumentação). Alguns procedimentos específicos são empregados: a) Análise de filmagens procurando encontrar momentos nos quais o aluno, no fazer musical, consegue expressar alguma evidência de que construiu conceitos musicais e sonoros; b) Aplicação de questionário estruturado em que o aluno pesquisado, ao responder, venha demonstrar ou não a construção do conceito esperado; c) Gravações e/ou filmagens de entrevistas com os participantes por meio de questionários semi-estruturados; d) Elaboração de testes práticos nos quais o domínio do conceito relacionado à ação proposta seja verificado, ou seja, se este aluno consegue explicar, na resolução de tarefas práticas, estes conceitos. Por meio da aplicação empírica desta abordagem acredita-se ser possível verificar que o desenvolvimento de conceitos musicais está atrelado ao desenvolvimento musical (Swanwick, 1991). Pois, o sujeito, ao se dedicar à resolução de problemas, transforma uma ação em conhecimento ao compreender o procedimento aplicado. Por outro lado, verifica-se que a resolução de problemas propicia a transformação do conhecimento em ação, já que, ao buscar uma solução ou uma nova interpretação do real, o sujeito aplica uma estrutura atemporal a uma situação particular. A fusão das dimensões estrutural e funcional “permite uma análise mais abrangente do processo e do produto intelectual de sujeitos em situações de resolução de problemas”, que merece ser mais bem avaliada e discutida pelos educadores (Mantoan, 1998, p.5). Nesse sentido, a avaliação do desenvolvimento cognitivo musical encontra legítimas metodologias de investigação na análise microgenética da construção de conceitos abordados por Vigotsky e pela psicologia sócio-cultural-construtivista.

88

3 RECURSOS COMPUTACIONAIS E ENSINO DE MÚSICA NA ESCOLA Objetiva-se nesta parte do trabalho realizar uma exposição sobre a pesquisa de catalogação de softwares que se realizou juntamente com uma avaliação de cunho técnico, didático e pedagógico das possibilidades do uso do computador, dos recursos multimidiáticos e de softwares para o ensino de música. Os estudos sobre esta possibilidade no ensino musical podem proporcionar a abertura de um leque de oportunidades de desenvolvimento de estratégias metodológicas para o ensino musical escolar. Pois, verifica-se que, apesar de haver um aumento da presença de professores de música nas escolas públicas de ensino formal, a maioria delas não está provida com equipamentos musicais que sirvam às aulas de música; mas, os laboratórios de informática já implementados em várias escolas podem ser utilizados para amenizar esta carência. Nesse sentido, foi realizada pesquisa, via web sites - em bibliografias de pesquisas corelacionadas e em catálogos específicos, visando encontrar softwares que fossem adequados ao ensino musical escolar. Ou seja, softwares que contemplassem as necessidades didáticopedagógicas - e os objetivos de desenvolvimento musical por meio de um processo educativo, que fossem de possível utilização técnica – adequados às configurações dos computadores instalados nas escolas. Desse modo, tem-se a possibilidade de utilização dos softwares não pagos, comumente confundidos com os softwares livres, que, também, se diferenciam dos softwares chamados freeware e shareware, como nos informa Orrico Júnior (2004). Faz-se necessário esclarecer que o uso legal de softwares não-pagos disponibilizados pelos fabricantes é amparado por lei, desde que a utilização não seja com fins comerciais, não fira a lei de direitos autorais, a lei de propriedade intelectual, a lei de comércio eletrônico e a lei de programa de computador. Neste caso, os chamados freeware, shareware, demo, trial (A. Ferrari, 2003) são softwares ‘exemplos’, disponibilizados pelos fabricantes com limitações técnicas que restringem sua utilização no nível profissional. No entanto, ao utilizarmos vários destes softwares pode-se montar um setup de produção musical com fins pedagógicos sem ferir as cláusulas legais, pois, neste caso, podem ser usados nas versões de demonstração disponibilizadas pelos fabricantes. Há ainda uma grande quantidade de recursos voltados para o aprendizado musical disponibilizados via web. A internet pode ser aproveitada para a busca de arquivos pedagógicomusicais, como, por exemplo, músicas em MIDI, Wav ou Mp3. Há, ainda, a disponibilidade de recursos dos mais variados na grande rede mundial, e dentre eles os sites que disponibilizam

89

aulas teóricas e jogos práticos, além do software livre em constante desenvolvimento de modelos e em crescente número de novos programas. O uso do software livre, por exemplo, oferece a oportunidade dos professores compartilharem entre si informações, arquivos e programas cada vez melhores e em constante desenvolvimento.

3.1 POSSIBILIDADES DO ENSINO MUSICAL MULTIMIDIÁTICO O ensino musical integrado à utilização de novas tecnologias é proposto com base na observação de que há uma grande gama de possibilidades de utilização de softwares que contemplam as necessidades concernentes ao trabalho com sons e música, via informática, e estes oferecem substancial ajuda ao universo da aprendizagem musical. O progresso dos computadores pessoais trouxe para o usuário doméstico um poder de criar e editar sons e música que antes era privilégio apenas dos estúdios mais equipados. Sem exagero, pode-se dizer que, a um custo reduzido e sem conhecimentos técnicos avançados, pode-se transformar um PC comum em uma espécie de estúdio caseiro. Para o professor de música, as vantagens destas possibilidades são evidentes, ele pode, por exemplo, modelar as ferramentas musicais de acordo com as necessidades de sua própria disciplina e conteúdo. Deste modo, qualquer programa pode ser considerado como educacional, desde que contextualizado no processo de ensino e aprendizagem, o que nos leva a afirmar que o tipo de software traz consigo pressupostos psicopedagógicos, nos quais o professor deve ser capaz de prever ações dos aprendizes e utilizar estas ferramentas na resolução de problemas musicais. Nesse sentido, duas grandes categorias são observadas, em primeiro lugar estão os softwares de aprendizagem dirigida ao desenvolvimento de uma competência especifica, como, por exemplo, percepção musical, e em segundo os softwares que propiciam um amplo desenvolvimento cognitivo musical. Antes de tudo, ao situar as principais necessidades que poderiam ser supridas pelo computador, tomando-se por base o interesse de um educador por atividades relacionadas à música, a primeira necessidade seria a de um repertório grande e variado de músicas prégravadas. Arquivos musicais no formato MIDI (Musical Interface for Digital Instruments) e correlatos (formatos proprietários tipo karaokê, com sufixo ".kar", “.mus” e ".st3", por exemplo) e música comprimida no formato MP3 é a melhor solução para essa necessidade. Eles podem ser

90

capturados na internet, comprados até em bancas de jornal junto com revistas especializadas, ou, no caso do MP3, ripados, ou seja, comprimidos a partir de faixas de áudio de CD’s comerciais ou de outras fontes (fitas, discos, rádio). Para os trabalhos com MIDI ou a gravação de sons no computador, pode-se utilizar recursos do próprio sistema como o gravador de sons do Windows ou o Quicktime do Macintosh. A segunda necessidade seria a de modificar as músicas gravadas. Os arquivos musicais gravados em computador podem ser modificados, a qualquer tempo, em suas características de instrumentação, tonalidade (tom mais grave ou mais agudo) e andamento (mais rápido ou mais lento). Com um pouco de paciência e dedicação diária, ou seja, os mesmos requisitos

necessários para se aprender a usar o word, o power point, o excel, é possível trabalhar e se divertir bastante, modificando sons e seqüências musicais inteiras no computador com programas de custo reduzido. A maioria dos programas de edição musical baseia-se em interfaces gráficas cheias de botões coloridos que simulam mesas de som e pistas de gravação. Todos dão amplo suporte às operações tipo arrastar e soltar com o mouse, e os manuais e tutoriais costumam ser completos. A terceira necessidade é a de se transportar os arquivos. Como todos os arquivos de computador, os de música podem ser gravados em disquete e transferidos para qualquer máquina que tenha os mesmos programas instalados e, evidentemente, uma placa de som e monitores. Isso é particularmente válido para os arquivos em MIDI, que ocupam em média 50 Kb, permitindo que num mesmo disquete haja uma coleção de músicas. A dificuldade de se trabalhar com áudio de uma faixa de CD em estéreo, que costuma ocupar mais de 60 Mb, o equivalente a uns 40 disquetes, é superada ao se optar por mídias removíveis tipo, Pen Driver, Zip Driver ou mesmo com CD’s graváveis. Mas, o ideal é apelar para o formato MP3, que encolhe o tamanho dos arquivos em uma fração de cerca de onze vezes o tamanho original, e enviá-los pela internet para a máquina que desejar. Sabe-se que outras necessidades poderão aparecer, de acordo com a realidade de cada professor, instituição ou proposta didática. Outra possibilidade é o trabalho de ensino musical via web, a criação de páginas, de bloggers ou mesmo um grupo de discussões, no qual é possível compartilhar dados, arquivos, informações, realizar discussões, conversas on-line em tempo real e receber e enviar dados criados pelos alunos. Como tudo o mais que se relaciona com a Internet, a música na Web pode ser entendida tomando-se por base dois aspectos: a) Uma enorme multiplicidade de usos e formatos; b) Uma grande falta de informação por parte do usuário médio.

91

Assim, é necessário recordar alguns pontos básicos e acrescentar algumas informações úteis e interessantes: a) Toda a música que circula on-line encontra-se digitalizada, ou seja, não há sinais de áudio (som real); b) Essas músicas podem ser classificadas em três tipos básicos: - Programas de áudio: sons digitalizados na íntegra, que geram arquivos grandes, similares às faixas de um CD. Contêm todas as informações sonoras de uma música (Ex. Wave= .wav, AIFF= .aif). Geralmente são arquivos que ocupam uma memória considerável o que torna seu uso mais adequado aos contextos profissionais. - Áudio comprimido: sons digitalizados e comprimidos, que não têm toda a informação sonora dos anteriores, mas somente aquelas que podem ser percebidas pelo ouvido humano. Conseqüentemente, geram arquivos cerca de dez vezes menores que os anteriores (Ex. MP3, MP4 e similares). - Arquivos MIDI: seqüências de instruções para serem executadas por computadores multimídia, que reconstroem os sons de acordo com seus próprios recursos. Por isso, não poderiam ser trocados por um CD player, por não possuir placa de som. O protocolo MIDI é de padrão universal e é lido até por teclados eletrônicos caseiros. Ex. MIDI e MOD (padrão do sistema operacional Amiga, o que é uma Plataforma minoritária). Para trabalhar com os formatos de áudio no nível profissional, é necessário ter um computador potente com bastante memória. Mesmo assim, escutar e gravar música podem ser um processo longo e penoso, caso os equipamentos não sejam adequados. Nesse sentido, para trabalhar com áudio comprimido essas necessidades são reduzidas sem perda expressiva de qualidade, o que explica a popularidade recente e crescente de tais formatos. Para trabalhar com MIDI, os requisitos de memória e processamento da máquina são ínfimos. Muitos professores, desejosos de iniciar ou aperfeiçoar o trabalho com a música em suas atividades, perguntam o que exatamente deveriam estudar para obter o conhecimento e a segurança que lhes faltam. Essa é uma pergunta difícil, que exige respostas adequadas a cada contexto. Como em tudo o mais, é um bom começo fazer algumas perguntas básicas, tais como: Aonde quero chegar? De quais recursos disponho? Criados dentro de uma cultura que valoriza a especialização nós acostumamos, de uma forma geral, a pensar que tudo que está fora de nossa área de domínio é muito difícil e complicado. Atualmente, e felizmente, a tendência parece apontar para o profissional (principalmente no caso do educador) que, além de dominar o universo de uma disciplina, tenha

92

interesses e recursos variados e, principalmente, disposição para aprender sempre. Por mais que duvidemos desse novo paradigma não podemos ignorar o aspecto cultural por trás de nossos bloqueios psicológicos. Mesmo sendo brasileiros, e tendo de arcar com toda a carga histórica que influenciou nossa prática musical escolar, o momento nos parece propício a transformações, uma vez que a própria LDB (Brasil, 1996), por meio dos PCN’s (Parâmetros Curriculares Nacionais) prevê e incentiva a utilização de diferentes linguagens - com destaque para a Arte e a Tecnologia dentro do currículo. Sendo assim, procurou-se relacionar, de forma prática e sucinta, uma lista de conceitos e habilidades, dividida por tópicos, que podem ter grande valia para o professor que deseja, com seriedade, explorar as possibilidades da Música no seu trabalho em sala de aula (Alves, 2002; Almeida, 1997; Gohn, 2003; Miletto, 2004). A intenção é abordar, direta ou indiretamente, cada um deles, proporcionando as orientações necessárias:

a) Fundamentos físicos do som e da música (acústica): - Física do som: conceitos de altura, intensidade, duração e timbre e onda sonora. b) Fundamentos fisiológicos do som e da música: - Aparelho auditivo, órgãos formadores e funcionamento: pavilhão auditivo, ouvido interno, nervo ótico e processo da audição; - Aparelho fonador, órgãos fonadores e funcionamento: visão geral do aparelho respiratório, diafragma, vias aéreas superiores, cordas vocais e cavidades de ressonância; c) Fundamentos psicológicos do som e da música (psicoacústica): - Fenômenos relacionados com a percepção de ambiência: isolamento, reverberação e eco e efeito doppler; - Fenômenos relacionados com a série harmônica: escala musical, sensações de dissonância e consonância; Outra possibilidade é tratar a respeito da evolução dos sistemas de áudio: a) Gravação mecânica: fonógrafo / gramofone; b) Gravação eletromagnética: discos de vinil e fitas K7, Hi-Fi e Stereo; c) Radiodifusão em ondas curtas, AM e FM; d) Gravação digital: amostragem, qualidade, resolução e formatos (WAV, MP3), sistema MIDI e seu uso e música na internet. Ainda sobre os equipamentos de áudio: a) Captação de som: microfones, captadores magnéticos e samplers; b) Geradores de som: sintetizadores; c) Processadores de sinal: amplificadores, equalizadores, mesas de som e processadores de efeitos (câmaras de eco e

93

outros); d) Gravadores: analógicos (K7) e digitais (MD, CD, DVD, HD); e) Monitores de áudio: caixas acústicas e fones de ouvido; f) Acessórios: cabos e conectores mono e estereofônicos; e) Hardware: dispositivos de saída e entrada de sinal de áudio e MIDI (placas de som e conexão com instrumentos musicais); f) Softwares: tocadores, gravadores, seqüenciadores, conversores, programas de tratamento de áudio e programas específicos para educação musical. Os fundamentos da música, como aspectos históricos, também, são importantes: a) Resumo histórico da música ocidental e européia; b) Paralelos entre a música modal (oriental) e música tonal (ocidental); c) Relação entre os grandes compositores e os movimentos artísticos ao longo da história: Renascimento, Barroco, Classicismo, Romantismo, Modernidade e PósModernidade. Igualmente importantes são os aspectos estéticos da música, como: a) Gênero folclórico: temas, canções e parlendas; b) Gênero erudito: formas vocais (canto gregoriano, cantatas, óperas e lieds) e formas instrumentais (suítes, sonatas, concertos, sinfonias e outras peças); c) Gênero popular: música dos menestréis e trovadores; burletas e operetas; o musical americano; a canção popular no rádio; o jazz; o rock: seus ancestrais e descendentes; MPB: música do Império; música regional; samba x bossa nova; a música engajada; o rock nacional; e a globalização da MPB. Por fim, aspectos conceituais da música: a) Percepção musical: ritmo, melodia e harmonia; b) Linguagem e estrutura: escrita musical, partituras, cifras e tablaturas; c) Criação musical: composição, arranjo, transcrição, remix e direitos autorais; d) Instrumentos musicais e suas famílias: sopro, cordas, percussão e eletrônicos; e) Sonorização de eventos: seleção de material, criação de trilhas sonoras, vinhetas e jingles; f) discográficas para pesquisa. A lista acima é, verdadeiramente, muito abrangente à primeira vista. No entanto, convém observar que a música, antes de ser uma área de estudos específicos dentro do campo da arte, é um fenômeno interdisciplinar que afeta o ser humano em todos os níveis da compreensão: intelectual, afetivo, prático e espiritual. Fazer escolhas e trabalhar aspectos específicos, um de cada vez, parece ser mais sensato. Os itens acima não constituem um conjunto acabado que o professor deva dominar previamente, e sim uma relação de experiências realizáveis na sua prática diária. A construção dos conceitos musicais só se efetiva por meio da vivência. E a disciplina específica de cada docente, qualquer que seja ela, pode servir de ponto de partida para a integração com outras áreas de conhecimentos, quebrando as barreiras virtuais que fragmentam o currículo escolar. Referências bibliográficas e

94

3.1.1 Softwares Educativos Musicais Fritsch (2003), professor e pesquisador da UFRGS, realiza uma sucinta discussão sobre como aplicar diversos tipos de softwares no ensino de música. Nesse sentido, destacam-se os conceitos básicos, os tipos de softwares atualmente disponíveis e possibilidades metodológicas. Inicialmente, o conceito essencial de que todo programa pode ser considerado como educacional é destacado, desde que se utilize uma metodologia que o contextualize no processo de ensino e aprendizagem, pois a modalidade de programa traz consigo pressupostos psicopedagógicos. Duas grandes categorias são observadas: a) Softwares de aprendizagem dirigida ao desenvolvimento de uma competência especifica, como por exemplo, percepção musical; b) Softwares que propiciam um amplo desenvolvimento cognitivo. Porém, verifica-se outra possibilidade, a de se poder utilizar vários softwares para montagem de um setup que seja completo, no sentido de diversas possibilidades de manipulação sonora. Destacamos diferentemente o contexto da integração de diversos softwares que levam ao desenvolvimento de processos completos dentro da proposta de ensino musical. Esta classificação facilita o acesso a uma biblioteca de programas e favorece sua análise sob o ponto de vista pedagógico. Vejamos no quadro abaixo (quadro 9) a taxonomia proposta por Fritsch (2003), para programas educacionais:

QUADRO 09 – Taxonomia proposta por Fritsch (2003) para softwares educacionais PROGRAMAS EDUCACIONAIS Aprendizagem de habilidades específicas: 2. Aprendizagem de habilidades cognitivas amplas:
-MICROMUNDOS -SISTEMAS DE AUTORIA -JOGOS EDUCACIONAIS -ILE -LABORATÓRIOS VIRTUAIS

1.

-TUTORIAIS -EXERCÍCIO-PRÁTICO -DEMONSTRAÇÃO -JOGOS E SIMULAÇÃO -SISTEMAS ESPECIALISTAS -SISTEMAS TUTORES INTELIGENTES

Com base nestas classificações alguns pressupostos para o uso do computador na educação musical podem ser elencados. Seja qual for o tipo de software criado para uso em educação musical é importante que sejam observados pressupostos pedagógicos coerentes com os objetivos educativos do contexto e, principalmente, que propicie o desenvolvimento musical de forma mais abrangente possível. De acordo com Krüger (1996), poucos softwares brasileiros

95

de teoria musical são construídos com base em estudos sobre o desenvolvimento cognitivo e musical. Pelo contrário, o desenvolvimento de softwares tem sido fundamentado em métodos tradicionais de apresentação, aplicação de conceitos e avaliação de resultados, que reflete sua estrutura técnica, conteúdo e forma de avaliação (Krüger, 1999). A atividade de desenvolvimento de software educacional para a música abrange estratégias peculiares para definição do conteúdo, com base na identificação do público-alvo, na aplicação e no currículo de ensino adequado a este usuário, principalmente em termos do conhecimento formal musical que ele possui, e, também, na forma de apresentação do conteúdo, levando em conta teorias de ensino/aprendizagem reconhecidas da Educação Musical e da Psicologia Cognitiva da Música (Miletto, 2004).

Segundo Miletto (2004), a utilização de computadores na educação, em particular na Educação Musical, possui duas premissas: a) Os programas de computador devem ser vistos como mais uma possibilidade para auxiliar o professor na prática do ensino, não se pretende substituir o professor; b) O professor decide as formas mais adequadas de utilização de ferramentas computacionais para enriquecer o ambiente de aprendizagem. Podemos observar três níveis de utilização de software na educação musical: - O uso de software musical em geral (editores de partituras, seqüenciadores, etc.), como ferramenta educativa, embora não tenha sido criado especificamente com este objetivo em mente; - O uso de software especificamente educativo-musical (treinamento auditivo, tutores teórico-musicais, etc.), criado especificamente para educação musical; - A montagem ou organização de um setup de softwares que juntos formam um ambiente completo de produção e aprendizado musical amplo: perceptivo-conceitual-criativo.

Apesar dos músicos reconhecerem a importância da sua formação por meio de uma sólida educação musical, surpreendentemente muito pouco software é desenvolvido especialmente para isto, poucos pesquisadores de Informática na Educação abordam questões de Educação Musical. Destaque para pesquisadores da UFRGS, que possuem um grupo visando especificamente o desenvolvimento de software educativo-musical (Krüger, 2000; Fritsch, 2003; Hentschke, 1999).

96

Destacam-se entre os softwares musicais utilizados no ensino musical os tipos básicos pesquisados por Fritsch (2003), entre os quais estão: a) Software para acompanhamento - É o tipo de software que produz um autoacompanhamento e ritmos em tempo-real, semelhante aos teclados de acompanhamento automático, quando são executadas notas em um instrumento MIDI, permitindo ao usuário realizar composições, arranjos e auto-acompanhamento. b) Software para edição de partituras - Serve para editar e imprimir partituras, permitindo a inclusão de notas tanto usando o mouse como diretamente de uma execução em instrumento MIDI. Permite, ainda, importar arquivos no formato MIDI gerado por outros programas. Geralmente possuem bastante flexibilidade permitindo escolher tipos de pautas (normal, tablatura, ritmo), símbolos musicais e múltiplas vozes por pauta, além de oferecer recursos para edição da letra da música. c) Software para gravação de áudio - Permite gravar múltiplas e simultâneas trilhas de áudio digitalizado. Estes programas facilitam as atividades de composição já que permitem procedimentos como o overdub, isto é, a gravação de um instrumento como base em uma trilha (canal) e em seguida os demais em outras trilhas, ouvindo o instrumento base já gravado. Com os dados sonoros na memória do computador temos inúmeras possibilidades de manipular o som digitalmente para obter resultados desejados, como o processamento (edição) de algumas características do som, equalização, afinação e compressão de tempo. d) Software para instrução musical - Em geral são programas utilizados para o estudo de teoria e percepção ou, então, o auxílio ao aprendizado de um instrumento musical. Ao contrário de outras categorias de software musical, como seqüenciadores e gravadores digitais, os programas de instrução são desenvolvidos exclusivamente para o músico que deseja utilizar o computador para aprender sobre determinada área da música. Nesta categoria de software, também, estão incluídos os CD-ROM’s multimídia e Websites sobre história da música e biografia de compositores. e) Software para seqüenciamento musical - Permite gravação, execução e edição de músicas tipicamente no formato MIDI. A música instrumental é gravada via MIDI, usando um teclado ou outro tipo de instrumento controlador MIDI, e armazenada pelo software, podendo, então, ser editada. Como não são sons que estão armazenados, e sim, as informações de execução das notas, é possível escolher diferentes instrumentos para tocar a mesma música. A música criada no seqüenciador pode ser exportada para outros programas MIDI (por exemplo, o

97

editor de partituras) usando o formato padrão Standard MIDI File. Também, é possível importar músicas de outro software para editá-las. f) Software para síntese sonora - Esses programas geram sons (timbres) por meio de amostras sonoras armazenadas ou por algum processo de síntese digital. Alguns programas sintetizadores podem tocar os sons em tempo-real, por meio de comandos de notas MIDI executados por um seqüenciador ou por uma pessoa tocando um instrumento MIDI. Atualmente, os ambientes para síntese (sintetizadores virtuais) caracterizam-se pela facilidade de uso da sua interface gráfica, no qual o controle dos parâmetros de síntese são exibidos como botões e sliders, facilitando a interação e simulando o funcionamento dos sintetizadores reais.

O desenvolvimento de softwares está ligado ao aumento de pesquisas, e ao desenvolvimento paralelo de ambientes de ensino-aprendizagem computadorizados, com o desdobramento tecnológico e pedagógico (Edgar, 1995). Têm-se contemplado discussões de diversos autores que atestam o processo cognitivo da criança diante da TV, do videogame, e do computador; com especial atenção para o grande interesse das crianças e adolescentes pelos jogos de vídeo game (Greenfield, 1988) e

atualmente para os jogos em rede, que se joga pela internet ou por meio de CD-ROM’s. Pesquisas têm analisado o desenvolvimento do raciocínio dentro da perspectiva do desenvolvimento eletrônico, no contexto da criação de micro-mundos virtuais nos quais personagens do contexto infantil são verdadeiros professores de conteúdos diversos. Considera-se imprescindível ter uma consciência sobre como se encontra o ensino musical trabalhado por meio dos aportes tecnológicos, suas características técnicas e pedagógicas, considerando sua caracterização ainda em processo de construção. Tem-se encontrado que esta identidade em construção tem advindo da informática educativa e das músicas computacionais, ambas já constituídas como áreas de conhecimento estruturadas. Os conceitos como construcionismo, construtivismo, aprendizagem por descoberta integrados aos conceitos como criação musical, composição livre, estrutura sonora, Música Eletroacústica e eletrônica - aliados a outros processos de vivência musical, podem trazer um maior prazer para a aprendizagem musical, na qual o aluno desenvolve a consciência dos conceitos musicais e sonoros, aproxima-se de processos de construção e reconstrução musical e, também, de tendências musicais e estéticas contemporâneas.

98

3.2 O USO DO SOFTWARE NO ENSINO MUSICAL ESCOLAR A montagem de um setup de softwares se configura como o ideal na proposta da musicalização via informática, já que somente um software não contempla todas as necessidades do modelo de ensino proposto por de Keith Swanwick (audição, criação, interpretação), um modelo de ensino que considera o processo de desenvolvimento musical em toda sua extensão. Conforme já citado, determinados softwares, categorizados em funções diferenciadas, são organizados em taxonomia específica, como, por exemplo: softwares para

acompanhamento, edição de partituras, gravação de áudio, instrução musical, seqüenciamento musical e síntese sonora. Utilizando pelo menos um software que contemple cada uma destas funções, o aluno tem a possibilidade de criar suas próprias melodias e desenvolver sua habilidade de pesquisar novos sons, por exemplo. Ao criar um catálogo de novos sons ele poderá organizá-lo com base em técnicas de composição e princípios estéticos. A figura (dois) abaixo apresenta um exemplo característico, de um computador com software de edição de partituras, no qual as notas musicais são escritas e manipuladas pelo aprendiz e ouvidas por meio das caixas amplificadas:

FIGURA 02– Interface característica de computador com software musical instalado e caixas multimídia.

99

Além de escrever utilizando o mouse é possível, por meio da conexão MIDI da placa de som do computador, conectar um teclado musical com esta mesma interface ao computador e tocar as músicas que deseja escrever, e por meio desta gravação inicial, futuramente corrigir, acrescentar, retirar e modificar a partitura resultante da performance. Por meio da conexão teclado-computador (exemplificada na figura três) o aluno pode gravar amostras de sons ou uma melodia – salvando-os nos formatos Wav, Mp3 ou MIDI:

FIGURA 03 – À esquerda uma interface teclado musical/computador - e à direita alunos estudando com esta interface.

3.2.1 Softwares Educativos Musicais Sugeridos É nossa sugestão que o professor de música esteja sempre pesquisando novos recursos voltados para esta área, pois o desenvolvimento tecnológico está em constante crescimento, o que torna a atividade de ensino e aprendizagem musical via informática algo desafiador e intrigante. Nas figuras abaixo estão relacionados alguns softwares, cujas características são evidenciadas para atender as necessidades de determinadas atividades e conteúdos do processo de ensino musical. Acredita-se que estes recursos sejam adequados, também, ao ensino musical escolar, pois são facilmente encontrados na web e podem ser utilizados de forma complementar em determinados momentos da prática pedagógica. Vale salientar que com o desenvolvimento e divulgação dos softwares livres, o professor sempre terá ao seu dispor novas ferramentas para trabalhar com a abordagem de ensino musical via aportes multimidiáticos. De acordo com a proposta de um setup de softwares pedagógico-musicais, apresentamos, a seguir, alguns exemplos de softwares em ordem pedagógica de uso no

100

aprendizado musical e que podem ser utilizados para o desenvolvimento de criações musicais a serem realizadas pelos alunos:

a) Software para experimentação sonora e primeiro contato com as notas musicais: Este software executável apresenta uma interface muito clara (figura 04), com três oitavas para improvisação, podendo escolher-se o timbre a ser utilizado. Usando o mouse o aluno pode improvisar nas notas e gravar sua performance em tempo real. Este software freeware não apresenta limitações técnicas; é legal seu download, via web e sua utilização.

FIGURA 04 – Software Ringtone-composer / © by Epinoisis Software 2004. All Rights Reserved.

b) Editor Musical – Improvisação e Arranjo: Neste software o usuário é convidado a experimentar a improvisação, a composição e arranjo. Pode-se escolher de um a três instrumentos musicais e compor uma melodia colocando notas na grade por meio do mouse. A Figura cinco mostra a tela da Composição Individual. O usuário utiliza as ferramentas que se encontram do lado esquerdo da tela para compor música na grade. A grade corresponde às pautas, sendo que o sentido horizontal representa a linha do tempo e o sentido vertical as alturas das notas em uma escala cromática. A grade pode rolar para a direita e tem um tamanho que pode ser aumentado por meio de um comando de menu. A adoção desta notação simplificada permite que iniciantes na aprendizagem musical possam experimentar notas e instrumentos musicais, construir conceitos de altura e duração dos sons, além de uma concepção básica de arranjo instrumental.

101

FIGURA 05 - Editor Musical (Ficheman, 2003).

c) Edição de Partituras, criação de melodias e criação de KARAOKE: Este software editor de partituras (figura 06) possibilita o trabalho com a grafia tradicional, além do recurso de ouvir arquivos MIDI com maior qualidade timbrística. Além disso, é possível inserir facilmente a letra na melodia e ouvi-la sendo cantada em diversos idiomas por meio do plug-in “Virtual Singer”. Este software shareware não possui limitações técnicas que impeça a utilização pedagógica e seu uso é legal.

FIGURA 06 – Software Melody Assistant e Virtual Singer / (c) Myriad 2004

d) Arranjo, Mixagem e seqüenciamento de arquivos: Por meio destes softwares (figura 07), os arquivos gravados pelos alunos, ou samples, podem ser organizados, re-arranjados, modificados, cortados, copiados, colados, enfim manipulados livremente pelos alunos. Neste momento, o aluno trabalha a criatividade na

102

organização harmônica e polifônica e na estruturação formal da música como um todo. Estes três softwares apresentados (figura 07), são respectivamente, da esquerda para a direita, um mixer virtual, um seqüenciador e um arranjador.

FIGURA 07 – Softwares Seqüenciadores = Cakewalk, Acid-pro, Band-in-a-box.

Disponibilizamos em anexo (anexo 11 CD-ROM) as versões freeware, shareware e de domínio público, de alguns desses softwares, que podem ter suas versões completas adquiridas com os seus fabricantes.

e) Teoria Musical

FIGURA 08 – Jogos Musicais: trabalham conteúdo teórico por meio da memorização de seqüências rítmicas, intervalares, perguntas e repostas.

Na figura acima (figura 08), temos finalmente um software disponível para utilização via internet, mas que, também, está disponível para compra em formato de CD-ROM, cujas características são adequadas para vivências de aspectos teóricos, apesar desta não ser a

103

principal proposta educativa musical para o ensino formal, que opta, na maioria das vezes, por uma postura mais livre e criativa. Entretanto, os aspectos da linguagem tradicional: a pauta de cinco linhas, as claves, as figuras e sua leitura rítmica e melódica correspondentes – também, podem ser trabalhadas por meio de programas específicos, como os jogos musicais, desenvolvidos pela professora Berenice Clemente1.

Pelo exposto acima, pôde-se examinar uma enorme quantidade de softwares que servem às varias fases de uma produção musical e etapas do ensino de música.

Estes softwares citados acima são alguns que exemplificam esta possibilidade. Assim, é possível optar por uma postura criativa de ensino musical, realizando gravações, criação de melodias, combinação de ritmos e sons pré-gravados, e re-arranjando pequenas músicas em formato MIDI, que os alunos, também, podem usar para acompanhá-los cantando em grupo, por exemplo.

3.2.2 O software Educativo-Musical MEGALOGO Finalmente, apresentamos a interface de um software que se faz presente nos computadores instalados pelo PROINFO nas escolas de ensino básico, estaduais e municipais. Esta interface musical acompanha o software MEGALOGO, que é um software da linha Logo (ver item 1.2), caracterizado por propiciar uma ampla relação com elementos gráficos musicais e por ser um ambiente de construção musical, no qual o aluno constrói as melodias à partir de sua audição, ou seja, tendo por princípio o elemento essencial para o desenvolvimento musical – a audição. A figura nove, abaixo, mostra as possibilidades de relação que o aluno tem com os elementos da grafia musical, as figuras musicais, a escolha de timbres diferenciados, a pauta de cinco linhas e um teclado musical com quatro oitavas, por meio das quais pode-se inserir as figuras no pentagrama. Este foi o software utilizado no experimento empreendido junto aos discentes do ensino fundamental do colégio estadual, no qual nos propomos a analisar a construção de conceitos musicais e o desenvolvimento do conhecimento em música.

Berenice Rocha Saccardo Clemente – disponibilizadas as informações no site www.jogosmusicais.com.br (agosto de 2005).

1

104

FIGURA 09- Interface Musical do software MEGALOGO.

105

4 METODOLOGIA Para alcançar o objetivo proposto de verificar as características da integração do computador, das multimídias e dos softwares no ensino musical escolar, foi imperativo optar por uma metodologia que contemplasse três universos específicos de coleta de dados. Inicialmente, foi necessária uma revisão bibliográfica que revelasse os aspectos da inserção da informática no ensino regular e na música para chegar-se à abordagem do ensino musical via aportes informáticos. Posteriormente, uma catalogação e avaliação dos softwares que pudessem ser utilizados no contexto da musicalização na escola de educação básica. E, em terceiro lugar, a testagem de um desses softwares, por meio de uma aplicação empírica no ensino musical em escola pública de educação básica, com respectiva análise de cunho qualitativo conduzida sob a abordagem microgenética. Objetiva-se verificar nesta aplicação empírica o desenvolvimento cognitivo-musical dos sujeitos, na qual é proposta a análise da construção de conceitos elementares do conhecimento musical. Para realizar a análise do processo de ensino-aprendizagem musical, via aportes tecnológicos, foi necessário encontrar procedimentos para a condução das sessões/aulas. Esses procedimentos possibilitaram analisar o desenvolvimento dos sujeitos participantes no que se refere ao desenvolvimento do conhecimento musical verificado por meio da análise da construção de conceitos musicais. Optou-se por uma abordagem de cunho qualitativo. Os procedimentos utilizados para a coleta de dados foram: a Verificação do Perfil dos participantes; Sessões/aulas filmadas e; a Análise Microgenética. Esta última constitui-se em uma metodologia já usada para avaliação do desenvolvimento cognitivo nos âmbitos da informática educativa e aqui foi transposta para a informática educativa-musical. Para realização da abordagem empírica e posteriormente da análise microgenética, alguns procedimentos metodológicos foram adotados em virtude da complexidade do objeto de estudo proposto. São eles: a) Verificação do perfil, quanto ao conhecimento musical e em informática, dos sujeitos participantes; b) Filmagens das sessões/aulas e das ações dos sujeitos durante a resolução de atividades musicais; c) Análise microgenética da construção de conceitos musicais por meio das Fases e Estágios definidas por Vigotsky (1998).

106

d) Análise do desenvolvimento musical por meio da teoria de desenvolvimento musical de Swanwick (1991, 2003); Assim, tornou-se possível conduzir a aplicação empírica em sessões/aulas e, por meio da análise das filmagens realizadas, encontrar momentos que revelaram mudanças nas ações e no pensamento musical e a gênese da construção do pensamento conceitual na aprendizagem musical. Nos próximos cinco itens serão abordados: o contexto da escola, avaliação do perfil dos alunos, o processo de condução das sessões/aulas, a análise das entrevistas e a análise microgenética.

4.1 CONTEXTO DA ESCOLA E PERFIL DOS ALUNOS PARTICIPANTES Para a realização da pesquisa empírica foi escolhida uma escola da rede pública estadual na região do Morro do Mendanha, em Goiânia. A escola possui laboratório de informática instalado pelo PROINFO, e apesar de todas as dificuldades por que passa o ensino de música nas escolas de ensino básico, foi possível realizar as sessões/aulas neste laboratório, em cujos computadores estão instalados os softwares utilizados. Além dos equipamentos do laboratório de informática esta escola possui um teclado musical que foi utilizado nas aulas, juntamente com outros equipamentos disponíveis como um som (com toca CD) e uma TV com Vídeo.

4.1.1 A Escola A escola, no ano letivo de 2005, encontrou diversas dificuldades para manter o funcionamento do turno noturno, em virtude da procura de alunos ser insuficiente para que este turno fosse sustentado; foram, então, abertas três turmas de ensino médio e uma oitava série do ensino fundamental; em 2005 foram abertas, pela primeira vez, turmas de ensino de jovens e adultos – a EJA (educação de jovens e adultos) com três turmas, primeiro período (5a série), segundo período (6a série) e terceiro período (7a série). Projetos ligados ao laboratório de informática desta escola atendem a todas as séries dos três turnos – matutino, vespertino e noturno – e, cerca de mil alunos são atendidos nesses projetos.

107

Inicialmente, a atuação profissional do professor de música na escola, encontrou dificuldades. Como, por exemplo, os questionamentos da direção e da coordenação pedagógica, do porque do professor ter a necessidade de ensinar música, que se constitui em um conteúdo por demais “complexo” e “desnecessário”, pois a escola está acostumada a conhecer Arte como as ‘artes plásticas’ (desenho, pintura). A música inicialmente não foi muito bem vinda aos olhos da administração da escola, em virtude do “barulho”, da movimentação que fazia com os alunos na escola e em virtude desta aula “roubar” a atenção dos alunos, fazendo os professores se sentirem ameaçados por uma novidade. No entanto, atuando por três anos nesta instituição, foi possível convencer toda comunidade escolar de que a música pode trazer benefícios maiores do que pensavam, que é possível integrar toda a comunidade escolar por meio da experiência estético-musical e que aprender música tornou-se algo curioso, prazeroso e relevante. Os alunos desenvolveram uma capacidade crítica de leitura cultural e, além de desenvolver as capacidades específicas do conhecimento musical – criativo/cognitivo, desenvolveram potencialidades que foram importantes para o aprendizado mais proveitoso de outras disciplinas. Com relação ao uso do laboratório de informática, a escola foi uma das primeiras a ser contemplada, pelo NTE, com um laboratório de informática em Goiânia. Porém, poucos professores são capacitados a estarem desenvolvendo projetos que incluam a informática em suas disciplinas, ficando a cargo de um professor responsável pelo laboratório, o desenvolvimento de projetos ligados ao turno que atende. Há, ainda, reclamação, por parte dos alunos, pelo fato de não poderem utilizar este espaço, por falta de funcionário que os atenda ou por falta de projetos dos professores da matriz curricular.

4.1.2 Perfil dos Alunos Participantes Para a realização das oficinas (sessões/aulas) vinculadas à pesquisa empírica, foram selecionados oito alunos do ensino fundamental que não conhecem a estrutura e nem a grafia musical. Este foi o critério mais forte para escolha dos sujeitos, seguido do critério de gosto por música - ou seja, querer participar da oficina musical - e disponibilidade para o horário das aulas da oficina. Três alunos foram escolhidos para serem avaliados por meio da análise microgenética. Os demais alunos (cinco sujeitos) presentes na filmagem, também, fizeram parte do processo de desenvolvimento musical, porém optamos por realizar um recorte, para análise microgenética,

108

de três alunos. A análise microgenética, pela sua profundidade e busca de minúcias - origens e processo de desenvolvimento - não permite, nos moldes da análise de processos de desenvolvimento, o exame de todos os sujeitos participantes em virtude da extensão de dados e da escassez de tempo suficiente para este tipo de análise mais geral. Outro fato que obstem a análise de todos os sujeitos participantes é a atenção minuciosa à evolução do processo de aquisição de conhecimento, no qual são analisadas ações, expressões, gestos, palavras, frases, perguntas, respostas, bem como a atenção total ao processo, grandemente defendido por Vigotsky. Não é objetivo só saber se os sujeitos se desenvolvem musicalmente, mas, também, como é este desenvolvimento, ou seja, como o sujeito passa do estado de não saber, a saber. Deste modo, acredita-se ser possível verificar, com este recorte de três sujeitos, os aspectos didáticos, pedagógicos e psicopedagógicos musicais deste contexto de ensino e aprendizagem. Os sujeitos ao serem analisados, demonstraram caminhar no processo de desenvolvimento dos conceitos esperados, cada um com peculiaridades próprias, porém com características suficientemente abrangentes para comprovar a hipótese de que os aportes computacionais são funcionais no processo de ensino musical. O questionário escolhido para avaliação do perfil dos alunos foi o utilizado por Vieira (M. Vieira, 2004), cujo exemplo se encontra em anexo (anexo 02). Optamos por sintetizar as características essenciais dos alunos nos quesitos idade, sexo, conhecimento em informática e conhecimento e gosto musical, por meio do quadro abaixo (quadro 10): Os sujeitos escolhidos para análise microgenética são identificados por: JB, JP e EL.

QUADRO 10 – Quadro de avaliação de perfil dos três alunos participantes da pesquisa escolhidos para serem analisados.
NOME – SEXO – IDADE HISTÓRICO ESCOLAR CONHECIMENTO EM INFORMÁTICA. FORMAÇÃO MUSICAL ACESSO À MÚSICA E GOSTO MUSICAL. SIGNIFICADO DA MÚSICA:

JB Masculino 17 anos

Sempre estudou na Escola pública. Cursa o primeiro ano do segundo grau. Domina o windows, maneja o mouse e teclado, conhece internet.

Nunca estudou música na escola. Não estudou música em escola especializada. Mas, participa de atividades musicais na igreja, toca de ouvido violão e um pouco de teclado, baixo e bateria. Nunca estudou música na escola.

Rádio, tv e internet todos os dias. Ouve música em todos os momentos do dia-adia. Gosta do rítmo, melodia, letra, arranjos vocais e solos vocais e instrumentais principalmente. Não freqüenta recitais ou shows, não ouve música em tv ou internet.

Gosta de hard rock, rock nacional e balada. A música é fundamental. Escreveu: A música é TUDO.

JP Masculino 13 anos

Sempre estudou na escola pública.

Gosta de pop rock, punk, mpb, axé e funk.

109

Cursa a sétima série. Domina relativamente o windows, maneja o mouse e teclado sem grande dificuldade. Acessa a internet. EL Feminino Cursa a sétima série. 13 anos Domina relativamente o windows, maneja o mouse e teclado sem grande dificuldade. Acessa a internet. Sempre estudou na escola pública.

Não estudou música em escola especializada. Não domina e nunca tocou nenhum instrumento musical. Tem dificuldades com afinação. O domínio rítmico é regular. Nunca estudou música na escola. Não estudou música em escola especializada. Não domina e nunca tocou nenhum instrumento musical. Tem facilidades com afinação. O domínio rítmico é regular.

Ouve música em rádio todos os dias e em festas. Ouve música na hora de descansar e gosta só do rítmo.

A música é fundamental. Escreveu: a música é fundamental para minha vida. Ela nos descontrai e algumas músicas até tranqüilizam. Gosta do rítmo e da letra. Gosta de sertanejo, samba, rock, opera, pagode, mpb e axé. Escreveu: (a música) é fundamental, pois é um meio de expressar os nossos sentimentos e é alegria e expressão.

Não freqüenta shows ou recitais. Ouve música em festas, em reuniões com amigos e em casa. Ouve música do rádio e da tv todos os dias. Na hora de estudar, de desenvolver algumas tarefas em casa e na hora de descansar.

Os sujeitos JB, JP e EL foram os que mais se empenharam nas atividades do começo até o fim do experimento. Vale salientar que os três, com idades de 13 e 17 e escolaridade compatível, encontram-se em um nível equivalente à etapa de desenvolvimento cognitivo (idade e escolaridade). O sujeito JB possui um nível maior de vivência musical o que proporcionou maior desenvolvimento nas atividades voltadas para a prática, e ele auxiliou os demais colegas com dificuldades. No entanto, os sujeitos JP e EL são muito parecidos quanto ao conhecimento em informática e gosto musical, e estes demonstraram caminhar no processo de desenvolvimento do conhecimento em música como veremos mais à frente por meio das análises que se seguem (capítulo 5).

4.2 SESSÕES/AULAS Destacaremos a abordagem da pesquisa empírica participante por ser uma metodologia de ação direta do pesquisador sobre o grupo pesquisado, na qual o pesquisador atua com o grupo de forma a propor a participação nas atividades, e o pesquisador colhe, por meio das respostas do grupo, os dados que objetiva analisar. Por meio da ação e da participação do pesquisador, juntamente com a equipe pedagógica da escola, foi possível a realização de todas as 36 aulas propostas pelo pesquisador, necessárias à coleta de dados diante dos softwares disponíveis. A dupla função do educador/pesquisador é enfatizada por Fazenda (1992 apud Cruvinel, 2003), como uma proposta eficaz. A autora considera as questões do cotidiano, de uma sala de aula, de uma escola, de um organismo técnico/administrativo na educação, como uma

110

convergência da atualidade, em que as questões relativas ao dia-a-dia são vivenciadas por seus atores. Dessa forma, acredita-se que a abordagem da pesquisa participante seja conveniente para a proposta da presente pesquisa. Segundo as afirmações de Bastian (2000, p.84), pesquisador alemão experiente da área da educação musical, nos moldes da pesquisa empírica “a observação participante de comportamentos musicais de crianças e jovens com certeza é uma concepção de pesquisa adequada à área de educação musical na atualidade”. Nesse sentido, concordamos com Chizzotti (1992 apud Cruvinel, 2003), ao afirmar que a pesquisa na área educacional busca investigar a prática do ensino no cotidiano escolar. Portanto, a pesquisa empírica contribui nesta abordagem qualitativa de pesquisa, a qual podemos definir como: “pesquisas nas quais se investiga todas as variáveis relevantes do processo e os fatores condicionantes de ensino e aprendizagem musical dentro e fora das instituições escolares” (Bastian, 2000, p.86). Bastian segue afirmando que sem dúvida, a facilidade com a qual cada pesquisador pode se servir desses mecanismos contribui consideravelmente para a popularidade da pesquisa empírica, porém, a pesquisa empírica está encarregada de investigar problemas gerais, de uma forma exemplar, por meio de uma amostra limitada e que nessa modéstia os resultados e conhecimentos valem sempre somente em um quadro histórico-temporal e para uma determinada população. Então, constituiu-se esta pesquisa, necessariamente, em uma pesquisa empírica participante, de abordagem qualitativa, delimitando como objeto de estudo o uso da informática no processo educativo musical, verificando as características técnicas e pedagógicas deste novo espaço de atuação do educador musical na iniciação musical de alunos da escola pública de educação básica. Com o intuito de propiciar o desenvolvimento musical dos sujeitos, no âmbito escolar, foram realizadas várias atividades dentro e fora do laboratório de informática como vivências musicais de escuta, rítmo, percussão, criação musical e construção da escrita das melodias vivenciadas, individualmente e em grupo. As únicas exigências dadas foram necessariamente que: a) escrevessem a música já conhecida ou vivenciada; b) utilizassem nesse processo o computador e a ajuda dos colegas e professor; c) todos pudessem ouvir o resultado final para análise em grupo. As aulas ministradas fora do laboratório de informática foram necessárias para a vivência de vários dos elementos musicais ligados ao trabalho com o corpo e escuta musical, nas quais os sujeitos puderam, também, vivenciar algumas noções de criação musical utilizando o

111

que chamamos de corpo-movimento; porém, o foco do desenvolvimento musical ainda permaneceu no trabalho via software, tanto que o professor/pesquisador considerou necessário não trabalhar aulas expositivas, justamente por querer verificar se na interação com o software, no laboratório de informática, os sujeitos manifestavam a construção dos conceitos musicais e se, nas demais aulas, eles sentiam necessidade de esclarecer dúvidas referentes ao que aprenderam no contato com o software. As aulas desenvolvidas no contexto do laboratório de informática possibilitaram um contato experimental de acesso a elementos sonoros prontos, físicos (porque podem ser ouvidos) e virtuais (porque são arquivos de computador), tendo contato, também, com os aspectos gráficos e estruturais desses exemplos que, no caso, podem ser modificados e recontextualizados para as necessidades estéticas e sociais dos alunos, significação pedagógica. Das 18 sessões/aulas trabalhadas (anexo 01), de duas horas cada, oito sessões foram desenvolvidas com o computador (16 horas). No entanto, para efeito de análise de dados, foram escolhidas somente as aulas nas quais os sujeitos trabalharam a grafia com o software MEGALOGO. Este recorte foi necessário porque desde o início o pesquisador já observava o potencial do software MEGALOGO para este fim e na interação dos sujeitos com o programa, foi possível verificar um maior grau de manipulação de elementos ligados à estrutura musical. Outro fator a considerar como decisivo foi o fato do NTE oferecer poucos programas pedagógicos que visem atividades relacionadas com o conhecimento musical. Além do software trabalhado, presente nas filmagens analisadas – MEGALOGO na interface TOCA - outros foram utilizados, como os Jogos Musicais (figura 08), EduMusical, páginas web de teoria musical, Gravador de som do Windows, Rádio Terra e Kboing. As atividades externas ao software de grafia visaram trabalhar vários elementos que o software não contempla, como a escuta e análise musical, a criação musical individual e em grupo, a gravação de voz e o estudo teórico dos elementos essenciais da música como os parâmetros do som e uma introdução ao estudo da grafia. No anexo um tem-se o cronograma das aulas ministradas (vide CD-ROM), no qual se apresenta o objetivo geral de cada sessão/aula, os materiais utilizados (softwares, por exemplo), as etapas alcançadas dentro do conteúdo maior, as estratégias utilizadas pelo professor e as observações feitas após o termino de cada sessão/aula. Neste anexo estão expostas as aulas proferidas no experimento com os objetivos, metodologia, recursos, e a avaliação destas sessões/aulas, pois, ainda que a proposta de aula inicialmente tenha sido uma, no decorrer como processo de

112

destas aulas, caminhos novos foram tomados no processo educativo. Observar estas reorientações e o desenvolvimento dos participantes leva-nos a considerar individualmente o processo conduzido no grupo.

4.3 PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE Conforme expostas as características da análise microgenética no item 2.2 (item dois do segundo capítulo), esta tem por objetivo encontrar traços de desenvolvimento cognitivo revelados pelos alunos participantes em momentos de mudança na construção de determinados conceitos ou parâmetros estruturais elementares sonoros (altura, duração, intensidade, timbre) e musicais (melodia, ritmo, dinâmica e instrumentação). Nesse sentido, com o objetivo de analisar a gênese e processo de construção do conhecimento musical, com foco nos conceitos elementares sonoros e musicais, elencamos categorias para proceder às análises. Estas categorias são baseadas nas fundamentações que tratam do desenvolvimento musical e construção de conceitos.

4.3.1 Categorias para Análise Microgenética do Desenvolvimento de Conceitos Musicais Objetivando verificar o quanto o sujeito se desenvolve musicalmente e o nível de internalização e/ou construção dos conceitos sonoro-musicais, propomos fundamentar nossa análise sobre dois universos teóricos que servem de critérios para análise microgenética. A análise do desenvolvimento musical deve partir, necessariamente, das categorias elencadas por Swanwick (1991, 2003) como exemplificado no quadro cinco (p. 31) [como já verificamos no item 1.3.3]. Já, a análise da construção de conceitos sonoro-musicais terá por fundamento as categorias encontradas em Vigotsky (1991, 1998) que fundamenta o processo de construção de conceitos em três fases subdivididas em estágios [item 2.2.2, p. 58]. Por meio destas categorias será analisado o processo de construção do conhecimento musical, seguindo os modelos e exemplos presentes em Inhelder (1996), Wertsch (1987), Allessandrini (2004) e Mantoan (1993, 1998), como está explicitado no item que trata dos aspectos teóricos e metodológicos da análise microgenética (capitulo 2, item 2.2). Deste modo, faremos menção, em nossa análise, tanto ao processo de construção de conceitos sonoros musicais quanto, ao processo de desenvolvimento musical.

113

4.3.2 Estrutura de Análise das Filmagens Com base nas categorias propostas em Swanwick e Vigotsky procedemos às análises microgenéticas de episódios seqüenciais considerados relevantes na verificação da construção de conceitos musicais. Nos quadros disponibilizados nos anexos 5, 6, 7, 8 (CD-ROM), é apresentada a primeira parte da análise microgenética (ou pré-análise). São quadros que descrevem as ações do sujeito, dos colegas, do professor e apresentam comentários sobre os gestos e falas do sujeito observado no recorte da sessão/aula, e ainda uma análise inicial expondo as características da relação entre os sujeitos e o conhecimento sonoro/musical em construção. Nas sessões/aulas escolhidas, são observadas as seqüências de tempo, etapas, organização, ações do sujeito, ações do professor e as observações iniciais. Vale salientar que a análise mais profunda, de acordo com o referencial teórico, está explicitada no capítulo cinco (5.1). O anexo 5 faz referência ao sujeito de pesquisa JB, o anexo 6 ao sujeito JP, e o anexo 7 ao sujeito EL. Consideramos relevante a análise da última entrevista realizada com os três sujeitos, JB – JP – EL, o que, também, é disponibilizado no anexo 8. As filmagens correspondentes às analises efetuadas se encontram no anexo 9 (CDROM) no formato SVCD, os minutos são contados do início até o final, com saltos entre as partes, pois o sujeito JB, por exemplo, foi analisado individualmente somente no TAKE 1 (primeira tomada escolhida). Foi organizada uma seqüência de filmagens contendo as atividades escolhidas para análise microgenética e realizadas no laboratório de informática. Esta filmagem está disponível na integra no anexo 9 (CD-ROM) e está dividida em takes (take 01, take 02, take 03, take 04).

114

5 ANÁLISE DOS DADOS E RESULTADOS Por meio dos dados coletados, registrados nas filmagens realizadas junto aos sujeitos de pesquisa, cujo cronograma se encontra transcrito com a respectiva pré-análise nos anexos 5, 6, 7, 8 (CD-ROM), será realizada a análise que visa verificar a gênese e o processo de construção de conceitos musicais. Neste caso, foram utilizados os referenciais de Swanwick para confirmar aspectos do desenvolvimento musical, cujas características acreditamos ser suporte para avaliar o desenvolvimento dos sujeitos quanto ao conteúdo específico, e que serve de apoio à verificação do desenvolvimento de conceitos, pois somente a abordagem de Vigotsky sobre fases e estágios não é suficiente para compreender como se dá a construção do conhecimento em música em razão das especificidades de conhecimento da área musical. Para verificação da construção de conceitos foram empregadas as características das fases e estágios identificados por Vigotsky, além dos aspectos referentes ao pensamento e linguagem no desenvolvimento do pensamento categorial. Ainda, foram verificados os aspectos didático-pedagógicos referentes à mediação, internalização, zona de movimento livre (ZML), zona de promoção de ação (ZPA) e zona de desenvolvimento proximal (ZDP). Optamos por analisar os sujeitos JB, JP e EL, nos próximos itens a seguir (5.1.1, 5.1.2, 5.1.3, 5.1.4) em seus respectivos momentos de construção conceitual (anexos 5, 6, 7, 8 correspondentes às pré-análises), por meio das categorias de desenvolvimento de conceitos, pois Vigotsky reconhece três grandes modalidades que se notam no desenvolvimento do significado das palavras, caracterizando a primeira modalidade como pensamento sincrético, a segunda como pensamento por complexos, e a terceira como pensamento conceitual (ver item 2.2.2, fundamentos da construção de conceitos).

5.1 ANÁLISE DOS DADOS

5.1.1 Análise Microgenética - sujeito JB Ressalta-se de início que para o desenvolvimento individual dos sujeitos analisados foi necessário possibilitar uma gama extensa de intervenções que os ajudaram e os conduziram no processo de aprendizagem. Inicialmente, a canção “parabéns pra você” (figura 10) foi vivenciada

115

com todo o grupo, e todos tiveram a oportunidade de juntos cantar a canção e o solfejo1 correspondente. Esta atividade visou dar apoio ao trabalho mais complexo a ser desenvolvido no laboratório de informática. Destacamos, desta forma, que o processo de construção dos conceitos via software teve, antes, um suporte de vivência musical, no qual os sujeitos compreenderam os objetivos da atividade. Este fator não deve ser desconsiderado, pois sem objetivo a atividade se tornaria vazia em si mesma. E, ainda, nesta preparação, já foi introduzido um elemento novo (solfejo musical) para os sujeitos, que os possibilitou encontrar um primeiro caminho diante do software utilizado. O fato de cantarem a melodia com o nome das notas os levou a utilizar este recurso quando diante do desafio de construir ou grafar a melodia no computador. Assim, o professor propiciou uma zona de movimento livre (ZML) com o solfejo e as notas musicais vivenciadas, com o software disponível, com o teclado musical presente no laboratório de informática e com a possibilidade de o sujeito solicitar a ajuda dos colegas e ainda do professor. Enfatizamos que este momento é altamente relevante dentro da perspectiva das etapas do desenvolvimento musical escalonadas por Swanwick (2003, p.92), na qual inicialmente é necessário haver um reconhecer de sonoridades, identificação e controle de sons vocais e/ou instrumentais (quadro 05, p.33). Esta primeira etapa é verificável no processo de aprendizagem musical dos sujeitos e a consciência de sua relevância deve ser objeto e objetivo dos procedimentos de ensino do professor educador musical. Esta etapa será retomada quando os sujeitos, em um primeiro momento, entram em contato com o software. Ainda que minimamente, o software utilizado ofereceu esta possibilidade. No take 01 (00:02) o sujeito JB toca a melodia da primeira frase da canção no teclado musical externo antes de tentar grafá-la no software. O sujeito irá utilizar posteriormente o teclado interno do software para conduzir o processo de construção da melodia. Este recurso, juntamente com a vivência anterior do solfejo, promove a ação do sujeito (ZPA) para o início da escrita da primeira frase no software. Mais uma vez verifica-se que é necessário o aluno ter um suporte vocal e/ou instrumental melódico para que ele possa diante de um desafio maior não se desencorajar pela
Vários pedagogos musicais consideram o solfejo, como instrumento de desenvolvimento da escuta interna, memória e compreensão musical. Entre os principais autores que tratam da relevância do solfejo temos Demorest (2001) e Santos (2003). Outros estudiosos (Davidson; Scripp, 1988, 1992) conferem ao solfejo um aspecto micro-análitico, indicando três modos de execução envolvidos no solfejo: 1) identificação de notas; 2) expressão de alturas e 3) expressão rítmica.
1

116

complexidade da atividade e objetivo. O sujeito necessariamente irá relacionar seu universo de conhecimento com as ferramentas disponibilizadas no software para resolver o problema proposto. Segundo Vigotsky (1991), o desenvolvimento científico de caráter social se produz nas condições do processo de instrução. Neste caso, o sujeito de pesquisa possui os conceitos quotidianos, que se encontram limitados em sua capacidade de abstração, e os novos conceitos apresentados nas atividades e no software (palavras e símbolos correspondentes), ainda, não são relacionados com estes conceitos cotidianos do sujeito. Neste caso, o sujeito JB já conhece a notas musicais (do, re, mi, fa, sol, la, si) e sabe de suas localizações no teclado musical. Por meio do solfejo o sujeito internalizou a seqüência – nota por nota – das alturas da canção que ele vai construir a grafia da canção “Parabéns pra você”. Com isto o professor almejou potencializar a zona de desenvolvimento proximal (ZDP), por meio da qual o sujeito futuramente pôde, ao integrar estes conceitos com os signos presentes no experimento via software, desenvolver um conhecimento novo. Apresentamos abaixo (figura 10) a estrutura da canção “parabéns pra você”, na qual se verificam as quatro frases e suas respectivas relações estruturais. As repetições ressaltadas em círculo (1o. Compasso de cada uma das quatro semifrases) e entre parênteses (2o. Compasso) foram identificadas pelos sujeitos no processo de construção de conceitos de altura, duração e forma musical.

FIGURA 10 – Versão da Canção “parabéns pra você” e suas respectivas 4 frases.

Diante do software, o sujeito explorou a altura e grafou a primeira frase com durações iguais. Isto é claro, utilizando somente sua memória e “tentativas de erros”. Neste momento,

117

ele concentra sua atenção somente na altura das notas e em colocá-las no lugar certo (conceito afinação). O software possibilitou esta rápida e direta ação do sujeito, ele promoveu a ação do sujeito (ZPA). Esta possibilidade foi um caminho traçado depois que o sujeito internalizou os objetivos da atividade e pouco a pouco foi testando as alturas, escrevendo nota por nota e ouvindo o que foi escrito, corrigindo as notas que ele considerou estarem erradas. O sujeito nesse processo compara o que o software toca com o que ele (sujeito) tem na memória (memória consciente). Ressalta-se neste processo a capacidade do sujeito de diferenciar, de igualar, de comparar. Neste momento ele utiliza sua estrutura cognitiva formal para por meio de “teses” (possibilidades, tentativas, erros) e “antíteses” (resposta do software) chegar à “síntese” ou resultado auditivo considerado satisfatório. Necessariamente este resultado deve ter o máximo de proximidade com o solfejo vivenciado, e mesmo que cada sujeito tenha internalizado este solfejo com variações de compreensão – de acordo com o seu nível de percepção e experiência musical -, o software fez o papel de mediador para todos os sujeitos participantes sem impossibilitar que um ou outro conseguisse avançar na escrita da canção. Em se tratando da construção do conceito altura e sua grafia, o sujeito manifesta passar por todos os estágios da primeira fase da construção de conceitos descritas por Vigotsky (1991). Em primeiro lugar, o sujeito trabalha por tentativas e erros e depois compreende as relações de alturas das notas musicais por sua organização no campo visual (item 2.2.2, p. 58-60). Neste processo, o sujeito vai encontrando elos entre os objetos (notas), porém, estes elos ainda são sincréticos. Na entrevista final foi demonstrado que o sujeito internalizou a relação entre a posição do campo visual com o nome da nota. A gênese do conceito altura é confirmada pelo domínio da palavra que nomeia as notas musicais. No entanto, até aqui o sujeito passa por um processo descrito por Swanwick (1991) de Sensorial e Manipulativo e de Domínio de Materiais caminhando para a etapa descrita como Imitação e Expressão no qual há “um domínio de materiais mínimos, nem sempre total, insuficiente para permitir a expressão pessoal” (figura 05, p.31) e ainda “não presta atenção às relações estruturais (...) descrevendo a música em episódios e associações pessoais e imagens visuais com percepção de qualidades” (quadro 05, p. 31). Deste modo o conceito altura (afinação) está aos poucos sendo internalizado e é acompanhado por um processo no qual o fazer e compreender não estão dissociados.

118

Depois de haver escrito a melodia o sujeito percebeu que apesar das notas estarem certas o rítmo não correspondia ao vivenciado. O sujeito passa a procurar entre os colegas se algum havia feito o rítmo de forma diferente. Ele, então, atua dentro desta zona de movimento livre (ZML), e percebe que sua colega FA conseguiu usar outra figura (take 01, 00:03), e que esta figura – diferente da usada por ele – é mais próxima do que ele considerou como correto. Neste momento, o sujeito buscou na colega o caminho ou informação que ele desejava. Vigotsky enfatiza a relevância das relações interpessoais no processo de desenvolvimento do sujeito. Verifica-se que não é somente o professor que promove a ação do sujeito (ZPA), mas, também, o colega, o software e suas experiências pessoais. O sujeito busca no outro o que não encontrou nele e nem no software até aquele momento. Neste momento o professor ausentou-se desta relação, porém sempre pedindo para o sujeito tocar o que havia escrito para que ele (sujeito) pudesse desenvolver sua autonomia na construção da melodia. Depois de haver manipulado as alturas, agora o sujeito se preocupa com o que pode ser alterado nestas notas sem interferir em suas alturas, ou seja, agora ele busca o rítmo. Agora ele trabalha com outro conceito (duração). No take 01 (00:05) o aluno JB pergunta ao professor: “gostaria de saber qual a diferença dessas notas musicais da FA com as minhas”. Ele busca na colega a informação que pode conduzi-lo a compreender o que deve ser feito para a solução do problema. Destaca-se a expressão “diferença” por ser ela a manifestação do desequilíbrio interno do aluno. Depois que o professor explica que o que está diferente é o rítmo, o sujeito liga esta palavra às figuras diferentes que a aluna FA utilizou e afirma: “há! Você fala o rítmo? O meu ficou mais lento e o dela mais rápido”. Aqui é manifesto a relevância da palavra para a construção de conceitos. Neste momento, o sujeito relaciona, compara e faz inferências dos conceitos de mais lento e mais rápido com as figuras musicais que são diferentes. Ou seja, ele associa esta diferença entre durações à diferença entre os símbolos, o que potencializa a zona de desenvolvimento proximal (ZDP). Este é um passo importante para o sujeito compreender logo em seguida que os símbolos estão relacionados às durações no qual o sujeito expressa: “então, quer dizer que cada um desses (figuras musicais) aqui é questão de rápido e lento?” (take 01, 00:06). Mais à frente o sujeito novamente conclui: “com essa nota (figura) eu posso fazer doremifasollasido, e com essa outra, também. Todas? Então, isso aqui significa tempo!”. Esta conclusão tirada das comparações promove no sujeito ações (ZPA) ligadas à modificação das melodias escritas até então, nas quais ele vai trocar as figuras usadas por

119

outras, com a finalidade de variar o tempo das notas, mas sem tirá-las do lugar correto (espaço visual que expressa o conceito altura). Neste momento, é possível verificar em qual grau de profundidade de internalizações o sujeito se encontra. Ele compara e separa os dois conceitos, altura e duração. Primeiro ele havia internalizado o todo, a melodia como uma estrutura única, porém, agora ele opera realizando uma análise na qual divide este todo em partes separadas. Sem esta capacidade o sujeito não conseguiria avançar na correção da melodia. Esta possibilidade parece ser, ao mesmo tempo, uma necessidade para o avanço na solução do problema e um resultado do processo de mediação realizado pelo software MEGALOGO, o software solicita e propicia esta análise. Por isso é que o estudo microgenético se mostra adequado a esta verificação, porque por meio dele é possível encontrar quando, como, e porque o software interferiu não só nas ações do sujeito, mas em sua estrutura cognitiva. Na perspectiva de desenvolvimento em espiral de Swanwick (2003), é observável que o sujeito retroage na espiral, ou seja, ele agora está trabalhando com outro conceito (rítmo) e neste processo de internalização ele volta ao nível identificado por Swanwick como Sensorial e Manipulativo (quadro 05, p.33). Parece haver a necessidade de o sujeito, a cada vez que trabalha com um conceito novo, ter que voltar e passar pelos mesmos micro-processos de etapas de desenvolvimento. Estas etapas aos poucos vão sendo vivenciadas com mais rapidez, porém, elas não são abandonadas ou saltadas. Assim, por ser outro conceito, o sujeito volta, também, à etapa primária da construção de conceitos de Vigotsky (1991). Como na construção inicial do conceito altura, ele agora está no estágio um: manifestação de tentativa e erro; e depois estágio dois: organização dos objetos de forma sincrética. Assim, é potencializada uma nova zona de desenvolvimento proximal (ZDP), na qual em segundos o aluno será capaz de realizar, por meio do software, o que não faria sozinho. Ele compreenderá as relações entre tipos de figuras com determinadas durações. Vale salientar que esta atividade de construção da grafia da canção “parabéns pra você” durou no total cerca de 40 minutos, sendo muito rápidas as tomadas de decisões, as conclusões tiradas e a busca de soluções. Ou seja, toda esta gama de conceitos, comparações, realizações e conclusões ocorreram em um período curtíssimo para que houvesse a internalização plena dos conceitos musicais. No entanto, ao trabalhar em um processo gradual de construção, os sujeitos superaram as etapas iniciais da construção de conceitos.

120

Esta afirmação é confirmada no sétimo minuto (take 01, 00:07) no qual o sujeito afirma: “há! ‘Saquei’, só que eu tenho que saber o tempo de cada um. Qual que vale um, dois, quatro e oito”. O aluno deduziu que a analogia entre as durações das figuras está em uma relação de dobros, porém, o professor explica que essa relação pode ser de meio e de um quarto, também. Esta conclusão o aluno JB tirou depois que o professor cantou o solfejo correspondente à parte inicial da canção dando ênfase à diferença de durações. O professor cantou: - “do, do, rééééé” - ou seja, neste procedimento foi demonstrado que o “ré” dura mais que os dois dós iniciais. Isto promove uma ação no aluno (ZPA), que então, passa a utilizar o mesmo procedimento para saber se parte da canção está correta ou não (ZDP). Neste momento fica claro que o sujeito ainda opera nas fases iniciais, definidas por Swanwick (figura 05, p.33) de Materiais, no qual o sujeito “reconhece e explora sonoridades e controla sons vocais”. Posteriormente, o professor deixa de atender o sujeito JB e passa a auxiliar os demais participantes. Quando volta, o professor verifica que o sujeito JB está aplicando o mesmo procedimento de cantar as notas, porém, mesmo experimentando, ele não sabe exatamente qual figura equivale ao tempo exato da próxima nota, então, o professor o auxilia indicando a figura (take 01, 00:12). A função do professor, como o principal mediador de todo processo, deve ser ressaltada, pois ele acompanha de forma consciente todo o processo de desenvolvimento do aluno. O software é uma ferramenta que, no caso, não direciona o sujeito ao aprendizado de forma individualizada, ele somente obedece aos comandos do sujeito e solicita outros comandos para que seja dada continuidade ao processo. O professor é quem sabe o que aluno está necessitando e o que ele deve compreender para avançar de forma mais autônoma possível no seu processo de aprendizado. Este atendimento individualizado, esta consciência do processo, é conduzido pelo professor que verifica em qual momento do processo de aprendizagem o aluno se encontra e o que deve fazer para chegar na próxima etapa. Conclui-se que sem a figura do professor esta atividade não seria possível de se realizar, pois a quantidade e profundidade de informações e novos conceitos levariam os sujeitos a desanimar diante de tal gama de complexidade. Dessa forma, são aplicáveis as afirmações de Vigotsky (1998) quando diz que os aspectos mais complexos da constituição psicológica se dão somente no contato com o outro social, destacando assim, o papel da mediação cultural simbólica exercida pela linguagem falada e escrita na ampliação das potencialidades intelectuais do ser humano. Podemos afirmar isto,

121

em razão de verificarmos em projetos pilotos, anteriores às filmagens proferidas com estes alunos, que os alunos não avançam sozinhos no processo de relação com signos musicais via software MEGALOGO. Pois este software, criado com base em uma proposta construcionista de ensino, solicita do professor a organização prévia da atividade e do aluno uma abertura à experimentação. Sem estes itens os alunos se perdem diante dos signos, símbolos e não sabe o que fazer com o software. Neste caso, os sujeitos compreenderam o objetivo da atividade, e esta problematização é que gerou interesse nos sujeitos em verificar como seria a construção desta escrita musical. Posteriormente, verifica-se que o sujeito encontra vínculos que se manifestam pela experiência imediata referente às figuras de tempo. O professor o direciona a perceber, por meio do canto, que cada nota possui uma duração específica. Vejamos o diálogo travado no take 01 (00:15, 00:16):

Professor: - JB, tá vendo que o “mi” dura mais que todas as outras notas. Agora tenta substituir esse “mi” que tem aí JB, por aquela figura que não tem a cabeça cheia (mínima). Aluno: - Essa aqui? Há! Eu estou começando a pegar. Há! Ela dá um intervalo mais puxado. Então tá certo. Professor: - Isso. Essa nota ai é o dobro da “fá” e da “re”. Aluno: - Beleza. Agora é só começar tudo de novo. Não é? Agora eu vou sozinho...

Este trecho é interessante porque mostra que as explicações do professor sempre estão conduzindo as novas ações do sujeito, promovendo sua ação (ZPA), e que o sujeito sempre avança após compreender um procedimento (ZDP). O aluno manifestou, por exemplo, compreender que a melodia, que está dividida em quatro frases, possui estruturas que se repetem em cada uma destas frases, ou seja, outro conceito começa ser percebido pelo sujeito – o conceito de forma (frase e semi-frase musical). Assim, o sujeito evidenciou saber que a segunda frase, à qual ele dará início, possui as mesmas notas no início e que as figuras serão as mesmas da primeira frase já escrita. O mais importante, neste processo não é exatamente a aprendizagem imediata dos conceitos, mas as possibilidades de contato com estes conceitos por meio da necessidade da resolução de problemas, no caso da grafia completa da canção “parabéns pra você”.

122

Agora o sujeito está operando em um nível mais alto na construção de conceitos. Ele agora já começa a internalizar, dominar e a ter consciência dos dois conceitos que ele anteriormente manipulou separadamente. Agora ele observa ambos: melodia-altura-nome de nota e rítmo-durações-figuras. Neste momento, o sujeito encontra novos referenciais para solucionar o seu problema. Pode-se dizer que este é o ápice genético do processo aprendizagem. Quando um certo número de relações são compreendidas pelo sujeito no processo de aprendizagem. Ao observarmos as fases e estágios da construção de conceitos de Vigotsky (item 2.2.2, p. 58-60) verifica-se que o sujeito avançou para a segunda fase – Pensamento por complexos. Nesta fase, no primeiro estágio há “reunião de objetos num grupo segundo eventuais relações que de fato existem entre eles” e, no segundo estágio “os objetos são reunidos com base em características que os fazem parecer diferentes entre si” e no terceiro estágio no qual há “reunião de objetos de caráter dinâmico e seqüencial no qual ocorrem associações de um objeto a outro” (Vigotsky, 1991). Isso ocorre quando o sujeito passa a agrupar as figuras ao conceito rítmo e - duração e o nome das notas à suas respectivas alturas. Este segundo estágio é confirmado quando o sujeito manifesta compreender a estrutura da forma musical, ou seja, suas partes e sub-partes (frases e membros de frases musicais) que possuem semelhanças relativas aos conceitos de altura e duração. Para comprovar que o final da segunda frase da canção possui alturas diferentes das alturas da primeira frase, o sujeito JB vai até o teclado musical novamente experimentar a melodia da segunda frase (take 01, 00:17) (ZML). Neste momento, ele confirma o solfejo vivenciado (ZPA). Posteriormente, o sujeito termina a segunda frase (00:20) e vibra por acertar as notas com o rítmo correto. É verificável sua satisfação pela recompensa do acerto nas notas, essa recompensa é interna e ligada à atividade desenvolvida. Isto demonstra claramente que a atividade, também, é significativa musicalmente para o sujeito (take 01, 00:24 e 00:27). Antes de continuar, o sujeito identificou um problema no software. Depois que encheu a tela destinada à colocação das notas (pentagrama) o sujeito ficou com dúvida sobre como prosseguir e mais uma vez a figura do professor foi imprescindível para que o sujeito encontrasse a solução no domínio do software (ZDP). No final do trigésimo minuto (00:30), o sujeito demonstra manipular toda estrutura do software para conseguir os aspectos necessários para grafar a terceira frase da canção. Antes ele havia ido novamente ao teclado musical verificar quais notas eram no teclado musical e depois

123

tocou essas mesmas notas no teclado musical da interface gráfica do software. Agora ele definiu um procedimento padrão para conduzir o restante do processo (ZDP). Vale salientar que o sujeito JB, depois que terminou sua tarefa, passa a auxiliar a colega FA. Neste momento ele, (JB), manifesta ter entrado no complexo por coleções, identificada por Vigotsky como a fase na qual o sujeito “tem por base a reunião de objetos num grupo segundo eventuais relações de fato existentes entre eles, mas relações estas com base em critérios diversificados de semelhança” (Vigotsky, 1991) (item 2.2.2, p. 58-60). Isto é verificável quando o sujeito JB conduz a colega FA no processo de escrita e ainda corrige notas que ele considera estarem erradas. Isto é constatado nas falas e nos procedimentos do sujeito JB (take 01, 00:31 até 00:35):

- Olha, aqui está errado (apontando para a tela do computador da colega FA). - Você pega. Aperta essa teclinha preta aqui (apontando para o si bemol) - Agora você vai teclar nessa preta (apontando para figura semínima). - Agora o lá, - Agora o fá. - Sol. Fá. Acabou. - Mas eu acho, professor, que ele tem que ser um desse aqui (apontando para a figura mínima). Enquanto o software tocava o aluno aponta para a nota fá (primeira nota da terceira frase) e diz: - Essa aqui, também, está errada. Enquanto o software é acionado novamente para tocar ele aponta e diz novamente: - Quer ver? Esse aqui não está certo. - Meu ouvido ta falando que ele tá errado. E depois que corrige: - Ai, ó... Hi... hi... hi...!!!

Esta citação é relevante, pois explicita três aspectos importantes. Primeiro demonstra que o sujeito consegue re-aplicar os procedimentos usados relativos aos conceitos em situação musical diferente. Segundo, porque neste procedimento o aluno manipula os conceitos altura e rítmo, um de cada vez, mas juntos – porque ele ajusta a altura e o rítmo, nota por nota, e não mais a altura de todas e depois o rítmo de todas como no início. Em terceiro lugar, o sujeito faz uso de sua percepção para alturas e ritmos de forma re-contextualizada. A altura ele busca na memória, por meio do solfejo trabalhado anteriormente e confirma com o teclado musical presente no laboratório e no software, e o rítmo ele trabalha dentro das três possibilidades de figuras com as quais já teve contato (mínima, semínima e colchéia).

124

Pode-se dizer que neste momento o sujeito já consegue se comunicar utilizando-se dos conceitos internalizados. Vigotsky afirma que as situações comunicativas são possibilitadas, pelo desenvolvimento dos pseudoconceitos (ainda no nível dos complexos) (item 2.2.2, p. 58-60). Por outro lado, verifica-se que os pseudoconceitos são um poderoso motor do próprio desenvolvimento conceitual (Baquero, 1998, p. 58). Também, é factível o salto funcional do sujeito JB, ou seja, sua mudança de comportamento musical. Ele alcançou no desenvolvimento musical o nível denominado de forma (Swanwick, 2003, p. 92). Para alcançar este nível, ele passou pelo nível da expressão no qual ele “analisa efeitos expressivos relativos ao timbre, altura, duração...” e no nível da forma ele “percebe relações estruturais” e “o modo como as frases são repetidas” (Swanwick, 2003, p. 93). Como já mencionado no capítulo primeiro (item 1.3.2), Swanwick elenca níveis de domínio musical que servem para avaliar o processo ou nível em que se encontra o sujeito no fazer musical. Verifica-se que se manifestou este nível no sujeito JB, não necessariamente pelo processo de desenvolvimento, mas, por ele já ter este desenvolvimento em virtude de sua experiência musical. Neste caso, sua experiência musical se difere de seu conhecimento dos conceitos musicais ou da grafia. No trabalho com o software musical em conjunto o sujeito manifesta ser colaborador, amigo e solidário com a colega. Ele foi pró-ativo, pois não foi necessário que o professor o levasse até a colega, ele já foi ajudando a colega assim que o professor deixou clara essa possibilidade. No trigésimo terceiro minuto, enquanto o sujeito JB auxilia a colega FA, ele surpreendentemente identifica uma nota errada. Ele já havia escrito esta nota com a altura correta no seu computador, mas o professor não observou. Porém, ao corrigir essa nota no computador da colega ele demonstra ter a percepção auditiva como principal referência para a construção da grafia, pois mesmo cantando o nome da nota errada no solfejo ele identificou a altura correta e posteriormente o seu nome correto. Assim, o sujeito internalizou os conceitos relativos à altura e duração na ação com o software (ZPA), mas tendo como referencial sua audição (ZML) e desenvolve assim competências re-aplicáveis em outros contextos (ZDP). Isto demonstra que o software propiciou esse feedback para o sujeito (ZPA). Ali ele pode encontrar a nota certa com referência à sua audição e não à simples repetição do solfejo dado pelo professor. Apesar deste ser um incidente que demonstra um engano do professor na hora de preparar o solfejo, o fato do aluno operar no nível da audição (percepção), da grafia

125

(símbolo) e do nome (palavra), confirma a hipótese da pesquisa. Ou seja, a atividade construcionista com o software pedagógico-musical leva o aprendiz à gênese e processo de construção de conceitos musicais de forma efetiva e significativa.

5.1.2 Análise microgenética - sujeito JP Esta análise equivale à transcrição executada no anexo seis (take 03). Nesta sessão/aula o sujeito JP (treze anos) demonstrou desenvolver aspectos semelhantes aos desenvolvidos pelo sujeito JB (dezessete anos), porém, com peculiaridades próprias, na qual ficaram evidentes outros aspectos relevantes na construção de conceitos, internalização de palavras e símbolos correlatos. Também, se fizeram presentes as categorias observáveis referentes ao processo de mediação: ZML, ZPA e ZDP. Inicialmente, assim como no take 01, realizou-se uma vivência com todo o grupo, na qual cantaram a canção doremifafafa (figura 11) e, neste caso, a letra já corresponde ao solfejo. Foi de propósito que o professor utilizou esta canção, com a finalidade de verificar novamente os procedimentos dos sujeitos diante da necessidade de grafar uma melodia, utilizando somente a memória auditiva e o software de grafia musical disponível. No quinto minuto (take 03, 00:05), o professor começa a filmar o sujeito JP, no qual se observa que ele já havia escrito a primeira frase completa trabalhando com tentativas e erros. Verifica-se que ele escreveu as alturas corretas e já tenta corrigir o rítmo do final da primeira frase. É observável que ele, apesar de separar os conceitos, já atua dentro de uma manipulação mais consciente, pois o sujeito no próprio ato da escrita já corrige o rítmo do final da frase, no qual as figuras usadas são diferentes das demais. Esta sessão filmada corresponde à 15a aula (anexo 01). Segundo Vigotsky (item 2.2.2, p. 58-60) “trata-se de uma nova reunião dos objetos por meio da tentativa de procurar ajuntá-los com base na organização do campo visual do sujeito”. Os elos entre os objetos permanecem sincréticos, porém, neste estágio, já se apresenta uma operação um pouco mais elaborada. Ou seja, o sujeito está no primeiro estágio da construção de conceitos. Como na análise anterior, apresentamos as quatro frases da canção doremifafafa (figura 11). Os grupos de notas grifados em retângulo e círculo passam a ser observados pelo sujeito JP, como repetições dentro de frases que se sucedem, como veremos mais a seguir.

126

FIGURA 11 – Versão da canção “doremifafafa” e suas respectivas 4 frases.

A manipulação inicial de elementos dentro do aspecto visual em uma agregação desordenada identifica que o sujeito opera neste momento dentro da primeira etapa da construção de conceitos (item 2.2.2, p.58-60). No desenvolvimento musical, segundo Swanwick, ao Domínio de Materiais na etapa inicial denominada por nível Sensório e Manipulativo (quadro 05, p.36). No oitavo minuto, o sujeito JP trabalha passo a passo corrigindo a altura e logo em seguida o rítmo de forma totalmente experimental. É notável que ele está internalizando estes dois conceitos elementares da construção melódica. O sujeito começa a associar o lugar da figura à sua altura e compreender que figuras diferentes possuem durações diferentes e figuras iguais possuem durações iguais. A mediação do software ao oferecer respostas rápidas às ações do sujeito o conduz (ZPA) a uma tomada cada vez mais consciente de decisões musicais. Ele no futuro será capaz de encontrar padrões dentro da estrutura formal da canção (ZDP). No décimo terceiro minuto (00:13), o sujeito acidentalmente apaga tudo que fez e refaz tudo do começo. Neste momento, o professor o estimula a continuar e ele (JP) demonstra estar disposto a realizar a escrita novamente. No processo de re-escrita, porém, ele já realiza modificações no rítmo que possivelmente ele já tinha em mente antes de acidentalmente desmanchar tudo. O professor verifica que ele foi muito rápido ao escrever as quatro melodias (as quatro frases da canção), porém o rítmo das duas frases do meio está errado, mas com notas certas. E a última frase ele escreveu com a mesma estrutura da primeira – e acertou.

127

Dois aspectos muito importantes podem ser observados nesta ação. Primeiro, ele encontra as notas certas e depois corrige o rítmo. E, em segundo, ele encontra semelhanças entre as partes da melodia ao concluir que a última frase corresponde à primeira em altura (lugar no pentagrama e nome das notas) e em duração (figuras). No processo de construção de conceitos, ele atua dentro da segunda fase – pensamento por complexo, pois a fase primária de reconhecimento e do predomínio das tentativas e erros foi superada. É manifesta uma tendência a “reunir os objetos segundo eventuais relações” (Vigotsky, 1991). Mais à frente será verificado que o sujeito “reúne objetos de caráter dinâmico e seqüencial” correspondendo ao complexo em cadeia (item 2.2.2, p. 5860). Assim, o sujeito parece desenvolver um procedimento padrão para a resolução do problema. Ele compreende que o final de cada frase possui o rítmo igual e que, apesar disto, o início das frases 2, 3 e 4 possuem o início igual entre si, mas diferente da primeira – o que ele ainda não corrigiu. Assim, ele acertou, até este momento, todas as alturas e o rítmo dos finais de todas as frases. Logo em seguida ele (00:15) procura variar o rítmo do início das frases com a finalidade de encontrar a figura correta. Quando o sujeito JP corrige o rítmo do início da segunda frase que, no caso, é igual ao rítmo da terceira e quarta, ele passa claramente a manifestar que opera sob um processo em etapas: primeiro ele escreve a primeira frase com o rítmo e notas certas; segundo, ele escreve as três próximas frases com notas corretas e não se preocupa com o rítmo; terceiro, ele corrige o rítmo do final das frases das três ultimas frases; e quarto, ele corrige agora o início das três últimas frases que possuem rítmo diferente da primeira (como apresentado na figura 11). Esta percepção das relações estruturais da música revela que o sujeito alcançou o nível de contato musical relativo à forma (Swanwick, 2003, p. 92). Já na construção de conceitos (Vigotsky, 1991) ele “reúne os objetos segundo critérios vagos e fluidos, ora como complexos associativos, ora como coleções, ora por complexos em cadeia, quer dizer, as conexões entre os objetos são estabelecidas a partir de atributos vagos, ilimitados e instáveis”, na qual há uma impressão geral da semelhança entre os objetos com “foco em determinados atributos que tornam os objetos semelhantes” (item 2.2.2, p. 58-60). Assim, o sujeito internalizou a forma musical, sua estrutura referente aos aspectos de repetição e variação e entra no processo de construção dos conceitos musicais. Estes contatos propiciam que, até o final do experimento, ele alcance o penúltimo estágio da segunda fase da construção de conceitos.

128

Esta afirmação será confirmada pela entrevista final realizada com os três sujeitos aqui por nós analisados (item 5.1.4 e anexo 8 do CD-ROM).

5.1.3 Análise microgenética - sujeito EL A aluna EL (13 anos) participou de todo processo e caminhou no processo de construção dos conceitos esperados assim como os demais sujeitos. Ela será analisada aqui na sessão/aula equivalente à sessão na qual o sujeito JB, também, foi analisado (take 01). Como já explicamos, antes dos alunos irem para o laboratório de informática, todos vivenciaram a canção “parabéns pra você” e o seu respectivo solfejo. Para fins de esclarecimento sobre esta canção, basta uma verificação na figura 10 que mostra a estrutura das quatro frases e suas respectivas grafias. A aluna EL é muito tímida e diante da câmera ela se mostrou acanhada, porém, este aspecto não foi um impedimento para a condução do trabalho, de forma que foi possível verificar um certo desenvolvimento do sujeito no processo da construção da grafia musical. Inicialmente, nos primeiros sete minutos, o professor filma os outros sujeitos e depois ele passa a observar a aluna EL. Ela já tinha escrito a primeira frase da melodia da canção “parabéns pra você” e enquanto o professor conversa com ela, ela toca continuamente a melodia escrita, pois ela já havia escrito a primeira frase da canção e agora procura fazer a segunda frase. Ressalta-se, neste momento, a utilização do software de forma funcional, pois promove ações no sujeito relacionadas aos aspectos perceptivos, gráficos e conceituais (ZPA). A aluna EL conseguiu avançar na construção, também, porque ficou observando os colegas fazerem. Ela demonstra ter mais dificuldade e parece que a atividade é para ela mais complexa do que imaginava. Ela havia copiado um trecho da colega FA, porém, agora procura construir o restante da frase com base nas figuras que viu a colega usar e da localização espacial das primeiras duas notas (dó, dó). Aqui se verifica que o sujeito novamente procurou, no outro social, elementos que faltavam para ele compreender o procedimento para a solução do problema. O sujeito, no caso, não fazia idéia de como começar – e foi proposital o fato do professor ter demorado mais para filmá-la. Dentro da zona de movimento livre (ZML), ela encontrou no procedimento da colega FA, um procedimento do qual ela poderia fazer uso para desenvolver o restante da grafia. Esta relação interpessoal aciona uma zona de desenvolvimento proximal (ZDP) por meio da qual, no

129

futuro próximo, a aluna poderá, por meio de mecanismos de promoção de ação (ZPA) do software, proceder na continuidade da tarefa. No processo de construção de conceitos ela opera por tentativas e erros e não sabe encontrar relações entre os conceitos vivenciados em grupo (o solfejo) e os símbolos gráficos do software. O sujeito dependia de uma demonstração prática inicial, e isto ela buscou na colega que estava mais à vontade dentro do laboratório e que já foi clicando e experimentando todas as possibilidades do software. Assim, o sujeito EL opera dentro da zona de movimento livre (ZML), procurando entre os recursos disponíveis aquele que falta para completar o “quebra cabeças” para que a mesma pudesse prosseguir. Posteriormente, EL utiliza os mesmos procedimentos utilizados pelos colegas, a memória consciente por meio da qual ela busca referências para construir a melodia, já que agora ela termina a segunda frase. Depois, ela irá trabalhar com a correção do rítmo dessas frases utilizando as mesmas figuras, em que é possível verificar uma primeira manifestação do trabalho com comparações entre partes da estrutura da frase musical. Ou seja, o fato das duas melodias iniciais começarem com notas iguais leva a aluna a deduzir que elas possuem o rítmo, também, igual; esta dedução falsa será desvinculada do conceito altura quando o sujeito trabalhar com a terceira frase, na qual se verifica que o rítmo é o mesmo, mas as notas são outras – mesmas figuras em locais diferentes. Neste momento, é que se verifica a gênese do processo de construção de conceitos. Quando o sujeito opera procurando relações estruturais que verifica não existir, mas que, ao testar e re-aplicar o procedimento em outras situações, pode constatar a aplicabilidade de certos procedimentos. Quando o sujeito internaliza uma gama considerável de aplicações de determinados procedimentos ele estará ingressando dentro do pensamento por conceitos. Desse modo, antes de alcançar este nível, a aluna constrói a segunda frase como se fosse a primeira, demonstrando não ter internalizado o procedimento para aplicar correções. Porém, quando o professor pergunta se está correto, ela afirma que não está (take 01, 00:13). Ela ainda não analisa as partes da frase e não separa os conceitos altura e duração. Ela opera dentro do colorido da frase, focando o movimento de sobe e desce trabalhado no solfejo. As perguntas do professor são neste momento importantíssimas: “onde que está errado?”.

130

Esta pergunta levará a aluna ao processo de análise, por meio do qual ela poderá identificar as partes que ficaram mais erradas. O professor promove a ação do sujeito pedindo para ela corrigir as notas (ZPA). Ao apontar para a parte que estava mais errada da melodia, ao responder o professor, a aluna EL demonstrou ser capaz e avaliar sua construção, tendo como referência a memorização do solfejo e do desenho melódico da canção “parabéns pra você”. O professor passa então a trabalhar em todos os níveis com o sujeito EL, a fim de levála a uma maior consciência das possibilidades que ela possui para desenvolver esta grafia. Desta forma, o professor enfatiza uma zona de movimento livre (ZML), por meio da qual o sujeito poderá tomar decisões e ter suas ações promovidas pelas necessidades do momento (ZPA). Posteriormente, à compreensão do procedimento chave, o sujeito será capaz de operar com a ajuda do outro social até internalizar os conceitos que fazem parte do processo. Um dos maiores empecilhos para o sucesso do sujeito nesta atividade parece ser o seu sentimento de não poder experimentar, clicar a vontade, de manipular sem compromisso e fazer um reconhecimento de toda a estrutura do software. Além de se sentir um pouco intimidada, a aluna, também, possui maior dificuldade com a informática. Mas, depois que o professor explicou que ela (EL) havia errado as duas notas finais da primeira frase e corrigido junto com o sujeito, ela então deixa de operar no nível mais simples, no qual parece ser a relação visual sua principal referência, e passa a aplicar para as frases seguintes os mesmos procedimentos verificados nos outros sujeitos. Assim, a aluna EL termina de construir a melodia e o professor pede para que ela cante com o computador, pois apesar da aluna ter manifestado maior dificuldade, ela possui boa voz e o professor quis valorizar esta capacidade, ao mesmo tempo em que reafirmava, por meio desta experiência, as relações existentes entre cada sílaba da canção cantada pela aluna e as suas respectivas notas escritas pelo sujeito no software (ZDP). Agora ela já começa a assimilar algumas relações, no qual “tem por base a reunião de objetos num grupo segundo eventuais relações de fato existentes entre eles, mas relações estas a partir de critérios diversificados de semelhança” (item 2.2.2, p. 58-60). Deste modo, verifica-se que o sujeito no desenvolvimento musical está operando no nível pessoal e vernáculo equivalentes à fase da imitação e expressão identificadas por Swanwick como a fase na qual o sujeito “reconhece os procedimentos musicais comuns e pode identificar elementos estruturais”, mas ainda não trabalha com aspectos do “jogo imaginativo” (quadro 05,

131

p. 31), apenas “identifica lugares comuns na organização – métrica, seqüência e repetições” (Swanwick, 2003, p. 93). Posteriormente, EL continua trabalhando no software e verifica-se que, apesar de sua dificuldade inicial fazê-la demorar iniciar a atividade, ela insere mais algumas notas na construção da grafia da canção. Com relação à construção de conceitos, podemos observar que o sujeito, no processo de desenvolvimento, trabalhou com os objetos identificados como diferentes entre si e com estruturas complementares. Há aqui “a reunião de objetos de forma seqüencial na qual

ocorrem associações de um objeto a outro” (item 2.2.2, p. 58-60). Ou seja, o sujeito não alcançou os conceitos genuínos porque não foi capaz de re-aplicar os procedimentos em outros contextos de forma consciente. Encontrou relações entre as estruturas, mas não demonstra um domínio abstrato da utilização do conceito. O conceito, segundo Vigotsky, constitui-se em um processo vivo e complexo do pensamento, realizando função de comunicação de significado, compreensão ou resolução de problemas. A palavra se coloca como signo mediador na formação dos conceitos e, mais tarde, converte-se em seu símbolo. Apesar desta constatação, é necessário afirmar que na continuidade das sessões a aluna, pouco a pouco, foi construindo as relações até elas se internalizarem – como veremos na análise da entrevista no próximo item (5.1.4) a seguir. Vale salientar que nesta primeira sessão/aula com o software de grafia uma zona de desenvolvimento proximal (ZDP) foi acessada, por meio da qual, nas próximas aulas, a aluna pôde caminhar mais um pouco na construção dos conceitos.

5.1.4 Análise microgenética - sujeitos JB, JP e EL em entrevista final Esta análise, contendo os três sujeitos participantes, se refere à última filmagem realizada com os participantes em contato com o computador e o software de grafia musical (take 04). Não nos deteremos, especificamente nesse momento a todo o processo, pois interessam nos somente recortes desta sessão nos quais os sujeitos respondem às perguntas do professor referentes aos conceitos altura e duração a fim de se constatar, nestas respostas, a utilização de palavras relativas à formação dos conceitos esperados – altura e duração. Vigotsky explica que os processos mentais envolvidos na formação de conceitos evoluem ao longo de duas linhas principais: A primeira refere-se à segunda fase ou à formação

132

de complexos. Nesta linha de desenvolvimento, a pessoa reúne objetos sob um “nome de família” comum, por exemplo. Já a segunda linha evolutiva, baseia-se na abstração ou isolamento de atributos comuns a um grupo determinado de objetos. Como unidade mínima para acompanhamento e análise da gênese do pensamento conceitual, Vigotsky elegeu o significado das palavras porque apesar do pensamento e a palavra não serem ligados por um elo primário, ao longo da evolução do pensamento e da fala, ouve um início de uma conexão entre ambos, que depois se modifica e se desenvolve (Vigotsky, 1991, p. 103). Ou seja, no seu entendimento, o significado de uma palavra era algo que se encontrava em permanente transformação, que evoluía. Para ele, a memorização da palavra e sua associação simples com os objetos que ela representa não levam, por si só, à formação de conceitos (Vigotsky, 1996 apud Japiassu, 1999). Segundo Vigotsky, o exame do processo de formação de conceitos implicava em entender a divergência entre os aspectos semânticos e fonéticos da fala. Como veremos a seguir, os sujeitos, no teste realizado no final do experimento, utilizaram palavras com significados contextualizados à sua prática. Quando o sujeito domina a palavra, de certa forma, ele pode criar, também, um sistema de comunicação que expressa o significado do conceito; e quando ele não utiliza palavras, mas responde corretamente ao professor com gestos, o sujeito demonstra estar na fase de pseudoconceitos por ser capaz de identificar na pergunta do professor nomes referentes ao conceito solicitado. Porém, se o sujeito, além de realizar associações, age de forma consciente com os objetos concretos e sabe expressar-se verbalmente sobre eles, é possível afirmar que houve um desenvolvimento no processo de construção de conceitos, pois os sujeitos foram capazes de, em um outro contexto musical, responder sobre as alturas das notas, relacionando-as à sua localização no pentagrama e sua afinação; e, sobre as durações das notas relacionando a duração do som às figuras diferenciadas. Nosso recorte tem início quando o pesquisador inicia com as perguntas, depois que os sujeitos já estão com algumas frases escritas no software (take 04, 00:06). Nesta sessão/aula o professor deixou cada sujeito em um computador diferente, construindo cada um a grafia de uma música diferente: Apresentamos inicialmente o diálogo no qual o professor questiona o sujeito JB, que escreve a canção “Amigos para siempre”, sobre o conceito altura:

- JB, dessas notas qual é a mais alta? O aluno JB responde:

133

- Dó. - Onde que está? Mostra com o dedo. O aluno JB aponta para a nota certa no monitor. E o professor pergunta: - E a mais baixa? O aluno JB responde: - Até agora tá sendo o fá (apontando para a nota certa no monitor).

Verifica-se neste diálogo que o sujeito internalizou o conceito de mais alto e mais baixo, ou seja, altura e afinação. Além disso, na suas respostas ele relacionou o uso destas palavras à posição da nota no lugar correto, porque indicou com o dedo e ainda disse o nome correto da nota musical. O fato do sujeito está grafando uma melodia diferente daquelas que ele já havia grafado no decorrer das sessões/aulas demonstra que ele é capaz de re-aplicar o conceito internalizado em situações diferenciadas. No próximo diálogo, o sujeito demonstra ter internalizado o conceito relativo à duração:
Professor: - Qual a nota que dura mais tempo, dessas aí que você já escreveu? - Hum... Apontando para as figuras certas, responde: - ESTA, ESTA, ESTA. - E qual que dura menos tempo? Tem várias né? - Lá. (acerta ao apontar para esta nota). (take 04, 00:06).

Se o sujeito apenas tivesse decorado os tempos das figuras ele não seria capaz de reaplicar o conceito ou mesmo identificar o mais lento e o mais rápido. Além de o sujeito demonstrar essa capacidade ele ainda indica no monitor quais as figuras se referem àquelas mais lentas e mais rápidas. Para confirmar, esta capacidade do sujeito, o professor continua:
- A nota de um tempo é qual? Responde apontando para a figura certa (semínima). Novamente o professor: - E a branquinha vale quanto dela? O sujeito responde: - Meio? Meio. Ho! Desculpa, ela vale dois. E Essa aqui vale meio (apontando para as colcheias) - Isso! Obrigado JB. (take 04, 00:06).

No caso, o sujeito não expressa o nome da figura, mas indica com o dedo e sabe nomear as características do símbolo para identificá-lo. O sujeito, além de identificar, ainda compreende o significado das figuras e sabe indicar, em trechos diferentes da canção, os mesmos elementos.

134

Este mesmo processo é identificado no sujeito JP, que trabalha com outra canção, primeiro no conceito altura e depois no conceito duração. Vejamos o diálogo referente à entrevista:
O professor pergunta: - JP, dessas notas qual é a nota mais alta? Dessas todas aí que você está vendo agora. O aluno pergunta: - O quê? E aponta para a nota mais baixa. O professor fala: - A mais alta, a nota mais aguda, mais fina. Aponta com o dedo. - Essa aqui (apontando para o fa# o sujeito acerta). - Qual é a nota mais baixa dessas aí? O aluno aponta para a nota mi (a mais grave) e acerta novamente. (take 04, 00: 07).

O sujeito, no início, não tinha consciência plena sobre a que se referia a fala do professor. Como Vigotsky aponta, o sujeito pode não ter consciência de que sabe o que sabe. Depois que o professor usou palavras sinônimas o sujeito compreendeu a que conceito o professor se referia. Ele acerta e demonstra compreender porque responde sobre o conceito nos seus extremos – a nota mais alta e a nota mais baixa. Mais adiante o professor pergunta sobre o conceito duração:
- Qual que é a nota que dura mais tempo? Apontando para a mínima o sujeito pergunta: - Essa aqui? (acertou). - Qual é a nota que dura um tempo? - Essa aqui? (apontando para a semínima). (acertou). - Qual é a nota que dura a metade dela? Somente aponta para a figura colcheia no monitor (acertou). - Isso! Obrigado JP. (take 04, 00:07).

Da mesma forma, o sujeito JP demonstrou saber indicar as figuras com seus respectivos tempos relativos. Esta relação de valores de duração diferentes para figuras diferentes é que constrói o rítmo da frase musical. O fato de cada sujeito estar com uma canção diferente e em um computador diferente é critério que maximiza a confiabilidade das respostas dos sujeitos entrevistados. Eles não foram influenciados pelos colegas neste momento. Veremos que o sujeito EL, que teve maior dificuldade no processo, indica as alturas, mas o rítmo ela ainda não internalizou completamente. O professor pergunta:

135

- EL, Dessas notas qual é a nota mais aguda? Mais fina? Mais Alta? (quero que a EL responda primeiro). - Essa aqui? (ela aponta para a nota certa e é confirmada pela colega LA). - Isso! Qual é a nota mais baixa, mais grossa? Apontando para o fá, a aluna acerta. (take 04, 00: 08).

O sujeito EL não apresentou dificuldades com relação ao conceito altura, como é possível de verificar em suas respostas acima. No entanto, ela demonstra maior dificuldade em compreender as relações entre as durações e as figuras, ou seja, relativo ao conceito rítmo. Isto é verificável no diálogo em que o professor questiona a aluna sobre o conceito duração:

O professor novamente: - Qual é a nota que dura mais tempo? Apontando para a mínima ela acerta. O professor: - Isso! E a que dura menos tempo? Aponta para a semínima e erra. O professor: - Qual a nota que dura a metade dela? A aluna EL aponta para a colcheia e acerta. O professor: - Qual que vale menos tempo então? É essa ou a outra? Pois você afirmou que essa vale metade da outra. Qual que dura menos tempo? Aponta como o dedo lá. A aluna aponta para colcheia e acerta. O professor: - Isso! Qual que dura um tempo? Apontando para a semínima e acerta. O professor: - Isso! E qual que dura dois tempos? Aponta para a mínima e acerta. (take 04, 00:09 – 00:10).

A dúvida inicial com relação ao rítmo não é confirmada, pois depois que o professor leva a aluna a compreender as relações entre valores de duração das figuras a aluna responde corretamente as próximas perguntas. A aluna pode, também, ter compreendido a pergunta de uma outra forma. Por exemplo, ela pode ter respondido errado por ter compreendido que a nota que vale menos era com relação à primeira apontada (que dura mais). Diante deste impasse o professor insiste e o sujeito, depois de compreender a lógica do diálogo, responde corretamente às próximas duas perguntas, assim manifestando compreender a relação entre as figuras e suas respectivas durações.

136

5.2 RESULTADOS Foi possível verificar as características particulares dos dados coletados em sua relação com o universo teórico pesquisado e com a prática corrente no dia-a-dia escolar. Primeiramente, a pesquisa de campo - que teve por suporte o trabalho do professor/pesquisador na escola escolhida, na qual atuou como educador junto a turmas do ensino fundamental e médio por três anos consecutivos - propiciou o desenvolvimento de projetos ligados ao ensino de música como, por exemplo, oficinas de coral e mini projetos voltados para sala de aula, objetivando a confecção de instrumentos musicais, canto em grupo, apreciação musical, criação musical e projetos ligados às artes integradas. Também, foi possível desenvolver projetos ligados à informática educativa por meio de cursos realizados junto ao PROINFO (NTE de Goiânia). Estes cursos possibilitaram um contato mais profundo com os aspectos didático-pedagógicos práticos referentes ao uso da informática na educação e a criação de projetos para o trabalho em arte e música junto aos discentes do colégio em questão. Projetos com o uso da internet para pesquisa em música - uso de música em arquivos MIDI para ouvir, ver e analisar a partitura das mesmas e oficinas de leitura e escrita musical foram importantes para verificar, por exemplo, que os sujeitos, em projetos pilotos, quando em contanto com software de escrita musical, até experimentavam algumas possibilidades com as figuras musicais, mas logo perdiam o interesse pela atividade e pelo software, fechando o programa e preferindo outros ou mesmo a internet. Esse comportamento dos alunos foi um dos fatores mais relevantes da pesquisa de campo, por meio da qual o professor pôde refletir sobre como desenvolver o interesse dos aprendizes da escola regular para a estrutura musical. Acreditando que ferramentas computacionais especificamente voltadas para o ensino musical, ou para o trabalho com sons e músicas, sejam tecnicamente funcionais para o uso nos laboratórios de informática das escolas e pedagogicamente eficazes, procuramos, nos âmbitos de pesquisa, criar uma oficina na escola, na qual os alunos pudessem ser avaliados quanto ao desenvolvimento musical e cognitivo quando submetidos aos softwares pedagógico-musicais disponíveis no laboratório instalado pelo PROINFO. Assim, a condução das sessões/aulas objetivou desenvolver atividades relacionadas aos aspectos elementares do conhecimento musical. O que possibilitou verificar que a atividade que mais se aproximava da construção de conceitos sonoro-musicais era a que continha aspectos de escrita ou grafia musical, na qual era possível o contato com a palavra que denomina o conceito, a seu aspecto concreto (sensível/auditivo) e a sua representação gráfica.

137

Nesse sentido, houve um esforço por parte do professor/pesquisador para que o trabalho no laboratório de informática e o processo para a construção de conceitos musicais nos sujeitos, não fossem influenciados por elementos externos que suplantassem ou sobrepusessem o grau de intervenção do software usado. Acredita-se que o software utilizado, MEGALOGO, de base construcionista, tenha integrado a proposta pedagógica de forma eficaz, no sentido de propiciar contato com conhecimento musical. Por outro lado, verificou-se que o trabalho realizado somente no laboratório pode torna-se repetitivo para os sujeitos, principalmente quando se utiliza somente um tipo de programa ou quando as atividades são voltadas para um único objetivo. Os sujeitos participantes, pertencentes ao mesmo nível de desenvolvimento cognitivo filogenético (de 12 a 17 anos), apresentaram um desenvolvimento considerável, em virtude da reduzida quantidade de aulas que, no caso, corresponde a dois bimestres escolares da disciplina Arte (36 horas). E ainda, principalmente porque foi possível analisar este desenvolvimento por meio de dois universos teóricos. As contribuições de Vigotsky, primeiramente, possibilitaram a compreensão de como os conceitos musicais surgem e desenvolvem nos sujeitos que não possuem este conhecimento internalizado. Isto ficou claro ao se verificar as relações estabelecidas entre os sujeitos e o software na manipulação de elementos “concretos” – alturas e durações de som; e na internalização de símbolos e palavras que identificam os conceitos mais presentes no software usado – altura e duração. Assim, foi possível encontrar o momento no qual os sujeitos, em uma escala ascendente, construíram relações de permanência, igualdade, similaridade, diferenciação, oposição e contraste, entre os elementos de grafia com os conceitos: de altura, que passa a ser relacionado com a afinação; e de duração, que passa ser relacionado com o rítmo. A comprovação do nascimento (gênese) destes conceitos é verificável quando os sujeitos encontram relações entre as sensações auditivas, as palavras que nominam notas e tempo de notas e as figuras e gráficos presentes na escrita musical. O processo de desenvolvimento de conceitos musicais é verificável quando os sujeitos passam a reutilizar os mesmos elementos compreendidos em um contexto específico em contextos diferentes. Como no caso da aluna que passa a escrever melodias conhecidas no seu celular, utilizando as alturas, como no caso do sujeito que tenta grafar no caderno de música trechos de canções que ele já tem conhecimento, e como no caso dos sujeitos responderem sobre os conceitos em situações diferenciadas de escrita musical (item 5.1.4 – entrevista final).

138

E, principalmente, quando os sujeitos passam a utilizar esses elementos de forma consciente nas suas performances musicais. Outra contribuição importante dada pelo Sócio-Construtivismo foi a ampliação da compreensão das relações de mediação entre o aprendiz e o software, aprendiz e colegas e entre o aprendiz e o professor. O que foi possível de ser verificado por meio dos conceitos de ZML, ZPA e ZDP. As contribuições de Swanwick são relevantes para análise destes contextos porque este autor desenvolve uma teoria da evolução do conhecimento musical. O “progresso”, relativo às mudanças de nível de desenvolvimento musical, é verificável nos sujeitos quando eles apresentam as características de comportamento e conhecimento musical descritas por Swanwick como aquelas que identificam o nível musical do sujeito. Swanwick contribui para esclarecer como se dá o desenvolvimento da relação estabelecida entre o sujeito e a música. Quando o sujeito inicialmente manipula elementos musicais ou gráficos no software, segundo Swanwick, ele opera na fase inicial. Em etapas posteriores novos comportamentos musicais vão surgindo e novas relações passam, então, a serem compreendidas pelos sujeitos. Ou seja, é identificável, nas relações estabelecidas com o software, a ascensão para níveis de controle de conceitos e conhecimentos musicais cada vez mais conscientes. É interessante como o software de grafia, no contexto inicial de musicalização, não possibilita os níveis maiores das etapas do desenvolvimento musical. O jogo imaginativo não esteve presente de forma concreta no trabalho com o software, mas na performance musical dos sujeitos (anexo 10, vide CD-ROM) verifica-se que há um desenvolvimento musical subjetivo por parte dos alunos participantes. Acredita-se, dessa forma, que na busca por uma educação musical que vise a objetividade e subjetividade, seja necessário disponibilizar aos educandos materiais condizentes com o nível de construção conceitual ao qual eles serão submetidos, no qual a presença do outro social não é descartada. Isto, porque a linguagem musical, ao trabalhar o universo subjetivo do sujeito, encontra na relação social caminho importante para o desenvolvimento sócio-emocional. Entretanto, a parte correspondente aos conceitos racionais não deve ser subestimada, por se acreditar que estes dois caminhos devem ser trilhados juntos. É nesse sentido que Swanwick afirma que a performance ou interpretação musical do aprendiz deve ser levada em conta. Ela seria uma espécie de resultado do bom ensino musical,

139

um resultado qualitativo do caminho objetivo musical conduzido na relação com os aportes tecnológicos. Ela expressaria a integração dos dois universos: o racional e o emocional. Dessa forma, é necessário relatar como os sujeitos naturalmente apresentaram a necessidade de cantar, de tocar instrumentos que eles conheciam. Acredita-se que estas manifestações sejam resultado da boa relação com a música propiciada pelas atividades oferecidas na oficina. Os sujeitos foram despertados, de forma geral, não só para a estrutura musical, mas, também, para a relação direta com a música, tão almejada pelos educadores musicais modernos e pós-modernos (capitulo 1, item 1.3). Nesse sentido, encontram-se em anexo (CD-ROM), excertos de gravações realizadas na fase final da oficina, no qual são apresentadas performances musicais dos sujeitos cantando e tocando, individualmente e em grupo. Esta fase tão almejada na educação musical, apesar de não ser identificada no trabalho desenvolvido no momento da escrita e das atividades direcionadas pelo professor, surgiu posteriormente quando os sujeitos se sentiram menos pressionados pelos objetivos tão direcionados da oficina. No anexo 11, apresentamos na integra as performances dos sujeitos JB, JP e EL. O sujeito JB canta e toca teclado, o sujeito JP canta em grupo a canção “Festa no AP” e o sujeito EL sola a canção “Fascinação”. Segundo Swanwick (2003), quando o aprendiz alcança o nível de “expressão vernácula” ele tende a manipular de forma consciente os materiais musicais com a finalidade de se expressar. No próximo nível ele apresenta aspectos estilísticos da linguagem musical de sua cultura com o objetivo de conseguir inflexões expressivas, alcançando o nível do jogo imaginativo que, no caso, é correspondente ao nível mais elevado de abstração – no qual os sons passam a representar emoções, sentimentos, idéias e muitos outros possíveis significados. Vigotsky já indicava este nível de abstração no jogo imaginativo infantil no qual afirma ser este um importante processo no desenvolvimento intelectual da criança (Vigotsky, 1998). Verifica-se, assim, a relevância da arte musical em sua amplitude objetiva e subjetiva para o desenvolvimento dos aspectos cognitivos e estético-culturais. Neste caso, o seu papel na escola de ensino formal é de proporcionar experiências concretas com a música, com seus elementos estruturais e estéticos devidamente contextualizados. Dentro desta perspectiva, pode-se afirmar que os alunos participantes manifestaram, no nível microgenético, entrar no processo de construção de conceitos e caminhar dentro das etapas de desenvolvimento musical. Esta afirmação acima pode gerar discussões, já que a epistemologia genética tradicional não concebe, como Vigotsky, os aspectos prospectivos do conhecimento. Ou seja, estamos

140

afirmando que neste micro espaço de tempo trabalhado com os sujeitos, três meses, eles manifestaram de forma prospectiva entrar em contato com todos os níveis da espiral de desenvolvimento musical e de construção de conceitos. Isto pode ser verificado por meio dos dados complementares, análise microgenética, entrevista final, e da análise da performance dos sujeitos pesquisados (CD-ROM). Isto é importante, pois, se Vigotsky considera não somente o que o aluno é capaz de fazer, mas o que no futuro próximo será, podemos afirmar que é necessário que o currículo do ensino musical na escola de ensino básico deva contemplar todos os aspectos da experiência musical – materiais – expressão – forma – valor (Swanwick, 1991). E mesmo, toda experiência musical pode conter estes quatro elementos que fazem a experiência estética ter sentido. Os problemas e limitações do software quanto ao aspecto da complexidade da estrutura musical não impediu que os sujeitos internalizassem conceitos essenciais e que este processo fosse regido pela satisfação da descoberta. Outro elemento verificado, que pode ser alvo de discussões, é o fato do trabalho com o software propiciar o contato com a música em seus aspectos teóricos e práticos ao mesmo tempo. No caso dos sujeitos, não foi possível realizar um trabalho de musicalização antes de apresentar-lhes o software. Isto contribuiu, de certa forma, para compreendermos que o sujeito que já possuía maior experiência musical avançou na escrita com mais rapidez e internalizou os conceitos de forma mais intensa, mas o sujeito com pouquíssima experiência, por outro lado, também, internalizou – no seu tempo – os conceitos possíveis de serem vivenciados no software usado: altura e duração. É possível inferir que esta ferramenta pedagógica pode ser incluída no processo de ensino musical no momento que os aprendizes tiverem um repertório mínimo de solfejos ou frases musicais – pequenas melodias – já internalizadas. Por outro lado, não acreditamos que seja necessário o sujeito ter um encontro com este tipo de tecnologia somente depois de um grande número de vivências musicais. Como se verificou, por meio da análise da primeira sessão/aula (take 01), os sujeitos paulatinamente construíram a melodia que foi vivenciada trinta minutos antes. Parece ser forte a possibilidade do sujeito não só ter seu aprendizado reforçado no software, mas, no trabalho com o software, construir o conhecimento musical. Esta é a grande contribuição que o desenvolvimento da pesquisa no campo da informática educativa traz, o conhecimento sobre programas que oferecem caminhos para o saber musical a serem trilhados pela experiência.

141

Muitas pesquisas têm sido desenvolvidas no âmbito do software educativo musical, construindo softwares que servem de reforço ou que abordam partes estanques e descontextualizadas do conhecimento musical. Outras canalizam a atenção do aluno para o trabalho apenas prático ou apenas teórico, ou mesmo apenas apresenta uma tela cheia de cores e de personagens lúdicos. Tudo isso será significativo somente se o aprendiz puder construir conceitos possíveis de serem re-aplicados em universos sociais e culturais do seu dia-a-dia. Os elementos essenciais do som e da música, presentes nestes softwares, devem ser ressaltados, pois a consciência sobre seus respectivos conceitos e possibilidades de combinações trará para o ensino musical a abertura para a compreensão de quaisquer tipos de músicas ou manifestações estético-sonoras. Conhecer e saber analisar alturas, durações, intensidades e timbres - oferece ao educando a possibilidade de compreender a estrutura musical de culturas, regiões ou épocas diferentes, gêneros e estilos diversificados e principalmente o contato com a cultura musical tradicional e, também, com as músicas atuais eletrônicas e eletroacústicas, por exemplo. Compreender estes elementos – afinação, rítmo, dinâmica e instrumentação, passa necessariamente pelos elementos essenciais do som, e a construção desta relação deve ser reforçada no processo educativo musical, por meio de atividades de análise, apreciação, criação musical e de vivências musicais dos mais variados tipos. Relativo à finalidade da aplicação empírica, não foi objetivo realizar uma estatística sobre a quantidade de sujeitos que aprendem ou desenvolvem-se musicalmente diante de aportes computacionais. O objetivo da aplicação empírica foi verificar a gênese da construção do conhecimento em música por meio da mediação pedagógica do software musical. Acredita-se que este ponta-pé inicial seja relevante em razão do mesmo revelar meticulosamente as características do desenvolvimento musical em seu processo microgenético. A nosso ver, as características verificáveis da gênese da construção de conceitos musicais são generalizáveis a situações afins, nas quais o uso de aportes multimidiáticos, computadores e softwares fazem relação e explicitam a estrutura musical, não necessariamente a grafia tradicional, mas na disponibilização da manipulação de variáveis sonoro/musicais aos aprendizes. Nosso objetivo foi de verificar “como” os sujeitos construíram os conceitos, como é a gênese e como foi o processo, que ações e que estímulos internos e externos levaram os mesmos a internalização destes artefatos culturais mediante a abordagem da informática educativa.

142

O recorte particular desta pesquisa objetivou verificar esse aspecto específico, enfatizando a gênese e processo da construção do conhecimento em música. Fica em aberto, para futuras pesquisas, demais aspectos ou critérios condizentes com as necessidades justificadas pelo pesquisador. A relevância do desenvolvimento da escrita musical tradicional - como mapa cognitivo das estruturas elementares do som e da construção melódica - não deve ser subestimada, pois os elementos essenciais do som que são altura, duração, intensidade e timbre - correspondentes na música aos elementos essenciais da mesma que são afinação, rítmo, dinâmica e instrumentação, estão presentes em quaisquer estruturas sonoras, de quaisquer épocas e mesmo na música computacional, tanto nas do meio erudito, quanto nas do âmbito popular. O uso da informática parece facilitar a compreensão desta estrutura, pois os sujeitos pesquisados, ao entrarem em contato com a ferramenta computacional (software), tendo a necessidade de resolver um problema (escrever a melodia completa da canção Parabéns pra você, por exemplo), demonstraram internalizar, passo a passo, conceitos musicais. Perceberam que, para existir a melodia há a necessidade de se ter um instrumento ou voz para cantá-la (timbre), que as notas presentes na melodia possuem alturas definidas com respectivas afinações (altura), cada nota tem uma duração especifica e com relação de duração com as demais notas (rítmo), e que determinadas passagens da música possuem inflexões com dinâmicas na intensidade do som (dinâmica e agógica). A consciência desta estrutura complexa em níveis cada vez mais elevados revela um desenvolvimento musical, o que foi possível de se verificar por meio das referências em Swanwick. Outra característica altamente relevante foi a verificação de que este desenvolvimento musical está atrelado ao saber fazer música e saber sobre música, no qual este desenvolvimento passa necessariamente pela construção de conceitos. Nesse sentido, os referencias em Vigotsky foram necessários para mostrar e ressaltar as evidências do desenvolvimento dos aspectos estruturais no sistema cognitivo dos sujeitos. Apesar dos sujeitos não terem nenhuma instrução inicial no conhecimento musical eles obtiveram sucesso na construção mútua da grafia. Construção que se deu com os colegas, com o professor, com a mediação pedagógica do software utilizado e com a melodia da canção; fazendo uso das ferramentas próprias da escrita musical tradicional, das figuras de som e de pausas e do pentagrama. Isso demonstra que mesmo o limitado software musical, sendo utilizado no contexto do ensino musical escolar, pode ser uma boa estratégia metodológica que pode enriquecer o

143

processo de ensino e aprendizagem musical, principalmente fazendo referência aos aspectos essenciais da linguagem musical, cuja presença na escola é defendida pelos PCN’s-Arte. Se o desenvolvimento tecnológico oferece possibilidades mais diretas e estimulantes, o professor de música não pode se ater somente aos procedimentos pedagógicos do passado, mas buscar - na interação do antigo já consolidado com o atual em desenvolvimento - o novo.

144

CONSIDERAÇÕES FINAIS Abrimos estas considerações finais respondendo as questões propostas na introdução deste trabalho que deram origem à pesquisa de fundamentação teórica e empírica. Como adequar ao contexto da musicalização escolar os resultados de pesquisas já realizadas que fundamentam a implementação do computador, de aportes multimidiáticos e softwares no ensino musical? Em primeiro lugar, é necessário ter em mente que Tecnologia, Arte e Pedagogia são áreas de conhecimentos interdependentes. Conseqüentemente, há a necessidade da busca pela essência destas áreas, pelos pontos de contato entre elas e, também, acreditar que é possível encontrar sínteses positivas de sua integração. A primeira variável desta fórmula é a realidade do ensino musical no contexto escolar que solicita soluções para o seu grande problema: como retornar e manter o ensino da música presente na escola pública de educação básica? Os investimentos governamentais são ínfimos, os recursos presentes são inócuos e a expectativa daqueles que fazem a escola (professores e alunos) não são as melhores. As pesquisas realizadas no meio acadêmico, por outro lado, indicam a grande relevância da educação musical para o desenvolvimento do ser humano e das sociedades, indicam a relevância da música, como ferramenta e conteúdo, que pode contribuir para equilibrar várias diferenças nas relações do homem da atualidade. Não é por acaso que a educação musical consta como linguagem específica a ser trabalhada na escola de ensino básico como declaram os PCN´s. Acredita-se que diante desta problematização, várias respostas e ações podem surgir. A possibilidade de uso dos recursos presentes na escola, como um instrumento fabricado pelo próprio aluno, o uso de instrumentos baratos, o uso da voz, o uso dos sons dos materiais da sala de aula – paredes, carteiras, quadros, cadernos; não deve ser causa de trégua por parte dos educadores musicais. A luta por condições e situações adequadas a aulas de música necessita ser um fato do qual todo educador musical deve ter consciência ao passar por um curso de licenciatura. A busca de estratégias alternativas tecnológicas, neste caso, vem equilibrar esta balança. Talvez, os laboratórios de informática sejam um dos poucos espaços, com recursos apropriados, que o professor de música possa encontrar na escola pública de ensino básico na atualidade. O educador musical consciente de que a música, popular ou erudita, toma novos rumos a cada novo evento tecnológico, deve procurar encontrar caminhos comuns entre os aspectos

145

do desenvolvimento tecnológico-musical e as necessidades de conhecimento e experiência dos aprendizes do ensino formal. É importante a procura pela formação continuada quanto ao conhecimento concernente a softwares usados na criação musical, softwares desenvolvidos no âmbito da informática educativa e aos softwares desenvolvidos para o trabalho específico no ensino musical. Como utilizar esta gama de possibilidades dependerá das necessidades locais e contextuais do ensino, dependerá do currículo educativo musical, dos planos estratégicos elaborados e da forma como os alunos serão apresentados às tecnologias. Necessariamente, na utilização de softwares musicais, o professor deverá preparar o ânimo da turma para este trabalho. Turmas heterogêneas quanto ao conhecimento em informática pode ser uma oportunidade para o professor trabalhar o ensino da música e da informática de forma integrada, posteriormente focando em sua área específica. Na medida em que os profissionais educadores, também, encontram dificuldades com as ferramentas computacionais, esta atividade se torna um desafio a ser transposto. Desenvolver conteúdos e competências musicais por meio dos recursos da informática na escola regular exigirá do professor conhecimento e domínio destas duas áreas. Mas, também, trará um ganho enorme e enriquecerá o currículo, a experiência docente e o aprendizado dos alunos. Quais seriam os recursos técnicos e pedagógicos, físicos e humanos, necessários para que tal implementação ocorra com sucesso no contexto escolar? Os laboratórios instalados nas escolas possuem muitos dos recursos necessários para utilização do computador na aula de música; entre estes recursos destacam-se: memória suficiente, processadores atualizados, monitores coloridos, caixas de som amplificadas, microfones, fones de ouvido e alguns softwares possíveis de serem aproveitados. No entanto, em virtude das limitações dos softwares disponibilizados pelo MEC, o professor poderá estar adquirindo novos softwares ou mesmo conseguindo cópias de modelos freeware, shareware ou softwares livres. A internet, também, não deve ser subestimada pelo professor de música, pois muitos materiais, como músicas prontas, arranjos dos mais variados tipos e mesmo ferramentas pedagógicas podem ser encontradas na rede. Com relação aos recursos humanos, o professor de música deve manter-se atualizado ao desenvolvimento tecnológico. No entanto, não é necessário que este professor tenha conhecimento profundo sobre aspectos técnicos específicos da eletrônica ou informática. É

146

necessário sim, além de um conhecimento e domínio básico, que este profissional tenha gosto pela área e esteja aberto a novidades do desenvolvimento tecnológico e pedagógico. Quais seriam os softwares mais adequados para se utilizar no contexto da educação musical em escola de ensino formal? Apesar da grande quantidade de ferramentas disponíveis na internet e nas revistas especializadas (até algumas revistas de banca), é necessário que o professor educador verifique antecipadamente as possibilidades de se utilizar os recursos informáticos em determinados momentos de seu plano de curso. O professor necessita primeiro conhecer o software, suas limitações técnicas e musicais, suas possibilidades quanto aos parâmetros pedagógicos musicais (analisados por nós no capitulo três). O software musical não deve exigir do aluno operações lógicas muito além daquelas às quais ele já está acostumado. O software pedagógico musical não pode ter uma interface (uma cara) muito fria. Deve conter elementos lúdicos e premiações intrínsecas às ações musicais contextuais dos alunos. Muitos softwares produzidos atualmente são recursos especificamente criados para trabalhar determinados conteúdos ou competências musicais, como por exemplo, teoria musical ou treinamento com intervalos (percepção). Porém, é necessário que o professor utilize programas capazes de serem ambientes complexos, nos quais os alunos possam tomar decisões musicais quanto aos parâmetros de som, ou seja; ambientes de criação musical, que oferecem a grafia tradicional ou não, mas que oportunizem os alunos, por meio da experiência prática, a internalização dos conceitos musicais elementares e o contato com estruturas musicais. Outra possibilidade adequada seria a utilização de vários softwares complementares que proporcionem ao aprendiz várias formas de contato e manipulação com os sons, mas o domínio de vários softwares exigirá maior tempo de dedicação por parte dos aprendizes. Como se dá o desenvolvimento cognitivo e musical, ou seja, qual o nível de eficácia desses aportes tecnológicos na prática da musicalização? O foco da aplicação empírica foi a gênese e o processo do desenvolvimento de conceitos musicais – ou seja, no aspecto cognitivo. O contexto utilizado foi o dos laboratórios instalados na escola de ensino básico pelo PROINFO. A análise abrangeu o universo de três sujeitos filmados com os demais, em um contexto de oficinas realizadas fora dos seus horários de aula. Por meio desta aplicação empírica foi possível comprovar que, em uma atividade musical planejada e contextualizada, o software proporcionou maior interesse pela atividade

147

musical. As atividades realizadas no contexto da pesquisa possibilitaram, no trabalho com o software, iniciar nos sujeitos o processo de construção de conceitos musicais – altura e duração. Foi possível verificar que os sujeitos, neste contexto, aprendem música na prática, na experimentação. Eles realmente constroem seus próprios conhecimentos, por meio das experimentações musicais via software, e re-aplicam esses conhecimentos em outras situações musicais, como quando trabalham na grafia de outras canções ou quando escrevem música no celular ou re-aplicam os conceitos em suas performances musicais. Ficou evidente que softwares que trabalham aspectos cognitivos, que solicitam tomadas de decisões nas soluções de problemas, são extremamente eficazes para a construção do conhecimento musical. Isto porque a construção de conceitos - altura e duração - é um problema que exige do sujeito a busca de recursos que servem de referenciais para iniciar e dar prosseguimento à atividade. Estas exigências devem ser apoiadas por uma gama de opções e de recursos externos aos softwares e que preparam os sujeitos para desenvolverem-se na resolução de problemas. No entanto, no âmbito desta pesquisa, com o mínimo de recursos, foi possível verificar que no trabalho com o software MEGALOGO na interface TOCA, os sujeitos construíram o conhecimento musical. Eles encontraram, no software, elementos suficientes para o desenvolvimento da atividade e resolução dos problemas. Neste caso, o único recurso externo usado pelo professor foi o solfejo vivenciado em grupo, pois a intenção foi verificar até onde os sujeitos avançariam, tendo somente este recurso musical extra-informático. Os recursos internos ao laboratório de informática, o colega, o professor e o instrumento musical, também, foram referenciais que os sujeitos buscaram diante da necessidade da solução do problema musical. Isto demonstra a capacidade das tecnologias servirem à problematização de atividades. Na resolução destas tarefas os sujeitos mantiveramse interessados e operaram em um nível mais abstrato – de novas experiências com novos conceitos, novos signos – novas possibilidades. Nesse sentido, as características do jogo imaginativo ou do “brinquedo” indicados por Vigotsky como elemento da operação cognitiva abstrata esteve presente na atividade com o software e, também, na re-contextualização dos conceitos internalizados nas performances musicais. Ou seja, musicalmente os sujeitos tiveram um contato significativo com os aspectos objetivos e subjetivos musicais. Os resultados da análise microgenética revelam aspectos da gênese do conhecimento em música e ressaltam o processo por meio da internalização de conceitos externos,

148

intercognitivos, em conceitos intracognitivos. O processo de desenvolvimento musical de Swanwick se mostrou adequado para demonstrar que, no nível microgenético da construção de conceitos musicais, os sujeitos apresentam aspectos semelhantes aos descritos por Swanwick nas etapas do desenvolvimento musical como um construto que revela traços do desenvolvimento musical na resolução do problema musical via software. Mesmo diante das limitações do software utilizado é possível confirmar os resultados positivos da experiência dos sujeitos diante do programa. Isto foi possível somente porque o prazer na atividade foi suficiente para manter a atenção dos sujeitos na resolução do problema, por meio do qual eles, nas relações travadas com os colegas, professor e software, foram construindo sua relação com a música e construindo o conhecimento musical. As performances dos participantes analisados confirmam, também, que a atividade desenvolvida estava contida de significado musical. O objetivo e subjetivo no processo de desenvolvimento musical estão presentes, tanto na atividade com o software, quanto na reaplicação dos conceitos. A musicalidade foi um fato presente na performance dos sujeitos por que para eles este fazer musical foi significativo. Acredita-se que os resultados do experimento são re-aplicáveis a situações afins, tomadas as devidas ponderações com relação às especificidades do contexto trabalhado. Nesse sentido, o uso de tecnologias computacionais na aula de música pode ser uma possibilidade da qual o professor pode fazer uso sem medo do novo, sem receios de não dar certo. Tudo dependerá do preparo e, também, da ousadia do educador em acreditar na possibilidade dos alunos travarem relação com os elementos musicais de forma contextualizada e significativa. Se o educador souber utilizar as ferramentas multimidiáticas na aula de música, ele perceberá um maior interesse por parte dos aprendizes. Nestes contextos de ensinoaprendizagem os alunos demonstram maior nível de atenção, mantendo-se concentrados por mais tempo e criam vínculos cognitivos de forma mais rápida, o que possibilita conduzi-los a atividades em que a experiência os levará ao saber musical. Parece haver neste contexto de experiências musicais a possibilidade de verificação de um aprendizado musical significativo. Foi factível que o desenvolvimento dos conceitos musicais foi propiciado pela mediação do software musical e ocorreu em níveis mais dinâmicos de internalização. Confirmada a hipótese de que o aluno da escolar de ensino básico desenvolve o conhecimento musical, diante das ferramentas computacionais multimidiáticas, espera-se que as características técnicas e das relações pedagógicas travadas neste contexto, assim como os

149

aspectos do desenvolvimento cognitivo, sejam alvos de reflexões para a comunidade de educadores musicais e programadores interessados no desenvolvimento de softwares educativos musicais. Acredita-se que a continuidade no desenvolvimento de pesquisas nesta área possa oferecer subsídios para integrar programas e políticas de formação continuada de professores, contribuindo para atualização do conhecimento concernente ao uso do computador, dos recursos multimidiáticos e softwares no processo de ensino-aprendizagem musical. A relevância da contínua busca por novos espaços, metodologias diferenciadas, e mais precisamente ações ligadas a perspectivas tecnológicas contemporâneas, leva-nos a acreditar que o desenvolvimento de processos alternativos de ensino musical deve brotar da realidade que o professor desta linguagem específica enfrenta, contribuindo para o retorno gradual do ensino da música para o contexto escolar como disciplina autônoma.

150

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALLESSANDRINI, Cristina Dias. Análise microgenética da oficina criativa: projeto de modelagem em argila. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004. ALMEIDA, Anselmo Guerra de. Ambientes interativos de composição musical assistida por computador. Tese de Doutorado. PUC: São Paulo, 1997. _________, Anselmo Guerra de. Interação homem-máquina na performance musical por meios mistos. In: Anais da ANPPOM - XIV Congresso da ANPPOM – UFRGS, 2003. ALMEIDA, M. J. Imagens e sons: a nova cultura oral. (Coleção questões da nossa época), v. 32. São Paulo: Cortez, 1994. ALMEIDA, F. J. de. Educação e informática: os computadores na escola. São Paulo: Cortez, 1987. ALMEIDA, Maria Elisabeth de. PROINFO: informática e formação de professores. Secretaria de educação a distancia. Brasília: Ministério da Educação: Seed, 2000. _________, Maria Elisabeth de. Informática e Educação: diretrizes para uma formação reflexiva de professores. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação PUC: SP, 1996. ALVES, Luciano. Fazendo música no computador. Rio de Janeiro: Campus, 2002. ALVES, Adriana. Agentes cognitivos como guias de mundos lúdicos virtuais. Dissertação de Mestrado - em engenharia de produção. UFSC: Florianópolis, 1999. ARALDI, Juciane. Alquimistas, músicos, autodidatas: um estudo com quatro DJ’s. In: Revista da ABEM, Porto Alegre, V.11, 85-90, set. 2004. ASSEF, Cláudia. Todo DJ já sambou: história do DJ no Brasil. São Paulo: Conrad, 2003. BAQUERO, Ricardo. Vygotsky e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998. BARBOSA, Maria Núbia. O discurso pedagógico da educação tecnológica. Dissertação de Mestrado. Programa de pós-graduação em tecnologia. Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná: Curitiba, 2001. BASTIAN, Hans Günther. A pesquisa empírica na educação musical à luz do pragmatismo. In: Em Pauta – revista de Pós-Graduação em música da UFRGS – v.11, n.16/17. Porto Alegre, 2000. BEYER, Esther. Abordagem cognitiva em música: uma crítica ao ensino de música, a partir da teoria de Piaget. Dissertação de mestrado em psicologia educacional. Faculdade de Educação da UFRGS: Porto Alegre, 1998. ______, Esther. A construção de conceitos musicais no indivíduo: Perspectivas para a educação musical. In: Em Pauta. Porto Alegre, v.9/10, dez.1994/ abril, 1995. BOCK, A. M. B. & GONÇALVES, M. G. M. & FURTADO, O. Psicologia sócio-histórica: uma perspectiva crítica em psicologia. São Paulo: Cortez, 2001. BORGES, M. H. J. O ensino do piano e o desenvolvimento da autonomia: uma experiência inovadora. Tese de Doutorado. UNESP – Faculdade de Ciências e Letras: Araraquara, 2001. BOTTAZZINI, Marines Lara. A Contribuição dos softwares educacionais no processo de alfabetização. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção. UFSC: Florianópolis, 2001. BRANCO, A. U; ROCHA, R. F. A questão da metodologia na investigação científica do desenvolvimento humano. In: Psicologia: Teoria e Pesquisa, 14(3). 1998. p.251-258. BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, 9.394 de dezembro de 1996. Brasília, MEC, 1996. ______. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais: Arte II. Ensino de quinta a oitava série - Brasília: MEC/SEF. 1997a.

151

______. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais: Introdução. Ensino de quinta a oitava série - Brasília: MEC/SEF. 1997b. ______. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais: Arte. Ensino Médio. Parte I – Bases Legais / Ensino Médio. Parte II - Linguagens, Códigos e suas Tecnologias/ Secretaria de Educação Fundamental - Brasília: MEC/SEF. 1997c. BOCK, A. M. B; GONÇALVES, M. G. M; FURTADO, O. Psicologia sócio-histórica – uma perspectiva crítica em psicologia. São Paulo: Cortez, 2001. BRAGA, Luiz Otávio Rendeiro Corrêa. LADAM (Laboratório Digital para Aprendizagem Musical): uma estação de trabalho informatizada para ensino de música. Dissertação de Mestrado em Ciências da Engenharia de Sistemas e Computação. UFRJ: RJ, 1995. BRITO, Teca Alencar de. Koellreutter educador: O humano como objetivo da educação musical. São Paulo: Peirópolis, 2001. CAESAR, Rodolfo. A aplicação das novas tecnologias no ensino de música. In: Anais da ABEM – Curitiba, VIII encontro, p. 52-55, 1999. CAMPOS, D. Álvares. Oficina de música: uma caracterização de sua metodologia. Goiânia, Cegraf/UFG, Dissertação de mestrado - Faculdade de Educação da UNB, Distrito Federal, 1988. CAMPOS, Nilcéia. Sons em meio a gestos e tintas – educação artística instituída a partir da LEI Nº 5.692/71. Dissertação de Mestrado. UFMGS: Campo Grande, 2003. CARVALHO, M.F. Aspectos da dinâmica interativa no contexto da educação de crianças e jovens com Síndrome de Down. In: GÓES, M.C.R. e SMOLKA, A.L.B. (orgs.). In: A significação nos espaços educacionais: interação social e subjetivação. Campinas: Papirus, 1997, cap. 7. CRUZ, M.N. Multiplicidade e estabilização dos sentidos na dinâmica interativa: A convencionalização das primeiras palavras da criança. In: GÓES, M.C.R. e SMOLKA, A.L.B. (orgs.). In: A significação nos espaços educacionais: Interação social e subjetivação. Campinas: Papirus, 1997, cap. 3. CASTELLS, M. A Galáxia da Internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Trad. Maria Luiza X. de A, Borges. Editor JZE: Rio de Janeiro, 2003. CARNEIRO, R. Informática na Educação: representações sociais do cotidiano. São Paulo: Cortez, 2002. COLE, Michael. Cultural Psychology: a once and future discipline. Cambridge, Massachusetts and London, England: The Belknap Press of Harvard University Press, 1998, p. 108. COX, K. K. Informática na educação escolar: polêmicas do nosso tempo. Campinas, SP: Autores associados, 2003. CRUVINEL, Flávia Maria. Efeitos do ensino coletivo na iniciação instrumental de cordas: a educação musical como meio de transformação social. Dissertação de Mestrado – EMAC–UFG, 2003. CUNHA, G. & MARTINS, M. C. Tecnologia, Produção & Educação Musical: Descompassos e Desafinos. Anais do Congresso RIBIE n. IV - Campinas: Faculdade de Educação – UNICAMP, 1998. DAVIDSON, Lyle; SCRIPP, L. Framing the dimensions of sight singing: teaching toward musical development. Journal of Music Theory Pedagogy, Norman, v.2, n.1, p.24-50, 1988. __________, Lyle; SCRIPP, L. Surveying the coordinates of cognitive skills in music. In: COWELL, Richard (ed.). Handbook of research on music teaching and learning. New York: Schirmer Books, 1992. P.392-413. DEL BEN, Luciana. A delimitação da educação musical como área de conhecimento: contribuições de uma investigação junto a três professoras de música do ensino fundamental. In: Em Pauta. Porto Alegre. V. 12; n.18-19. P. 65-94, 2001.

152

________, L. A utilização do Modelo Espiral de Desenvolvimento Musical como critério de avaliação da apreciação musical em um contexto educacional brasileiro. In: Em Pauta. Porto Alegre. v.1; n.12-13. p. 35-54, 1997. DOLABELA, F. Pedagogia Empreendedora, Brasil: Editora Cultura, 2003. DOWBOR, L. Tecnologias do conhecimento: desafios da educação. Petrópolis: Vozes, 2001. FARIA, Celso de Oliveira. O computador e a co-construção de conceitos matemáticos por alunos do ensino fundamental em uma situação planejada: uma análise microgenética dos processos de mediação. Dissertação de Mestrado em educação – UFG: Goiânia, 2001. FERNANDES, José Nunes. Normalização, estrutura e organização do ensino da música nas escolas de educação básica do Brasil: LDBEN/96, PCN e currículos oficiais em questão. In: Revista da ABEM, Porto Alegre. N.10. Março de 2004. FERRARI, A. C. Proteção jurídica de software. São Paulo: Novatec, 2003. FERRARI, Marcio (editor). Revista Nova Escola: edição especial - grandes pensadores. São Paulo: Editora Abril, 2003. FICHEMAN, I. K. (org.); LIPAS, R. A; KRÜGER, S. E; LOPES, R. de Deus. Editor Musical: uma Aplicação para a Aprendizagem de Música apoiada por Meios Eletrônicos Interativos. Laboratório de Sistemas Integráveis - Escola Politécnica da USP. XIV Simpósio Brasileiro de Informática na Educação – NCE – IM/UFRJ: RJ, 2003. FIGUEIREDO, E. L. Evolução do pensamento criador em situação musical. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas – Faculdade de Educação: Campinas, 1996. FONSECA, João Gabriel M. Porque Educação Musical. In: Cadernos de estudo - educação musical n1, São Paulo: Atravéz, 1990. FONTERRADA, Marisa T. de Oliveira. Reflexões a respeito do ensino de música em escolas que não são de música. In: ANAIS do II encontro de pesquisa em música: As perspectivas da música para o século XXI. Centro de Ciências humanas, letras e artes. Universidade estadual de Maringá. Maringá: Ed. Massoni, 2004. p .34-40. _____________, Marisa T. de Oliveira. De tramas e fios: um ensaio sobre a música e educação. São Paulo: editora UNESP, 2005. _____________, Marisa T. de Oliveira. A Linguagem Verbal e Linguagem Musical. In: Cadernos de Estudo - educação musical n.4/5, São Paulo: Atravéz, 1994. FLORES, L. V. STI - Sistema para treinamento de intervalos para plataforma windows 95/98. Projeto de Diplomação (Bacharelado em Ciência da Computação) - Instituto de Informática, Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Porto Alegre, 2000. _______, L. V. Conceitos e tecnologias para educação musical baseada na web. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação). PPGC / UFRGS: Porto Alegre, 2002. FRANCO, Jorge Ferreira; LOPES, Roseli de Deus. Novas tecnologias em ambientes de aprendizagem: estimulando o aprender a aprender, transformando o currículo e ações. Novas Tecnologias na Educação CINTED-UFRGS, V. 2 Nº 1, Março, 2004. http://www.lsi.us.br/~roseli / Acesso em 18-07-2005. FRANÇA, Cecília C. ‘Novidade e Profecia’ na educação musical: a validade pedagógica, psicológica e artística das composições dos alunos. In: Anais do XIII Encontro Nacional da ANPPOM: Música no Século XXI - Tendências, Perspectivas e Paradigmas. Vol I. Escola de Música da UFMG: Belo Horizonte – MG, 23 a 27 de abril - 2001. ________, Cecília C. Composing, performing and audience-listening as simetrical indicators of musical understanding. PhD Thesis. University of London / Institute of Education, 1998. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1997.

153

FRITSCH, E. F. Software musical e sugestões de aplicação em aulas de música. In: DEL BEM, L. (org). Ensino de Música: propostas para pensar e agir em sala de aula. SP: Moderna, 2003. ______, Eloi Fernando; VICCARI, Rosa Maria; MORAES, Zeny Oliveira de. Desenvolvimento de Software Educacional para a Música: STR ? Sistema de Treinamento Rítmico. In: Anais do V Simpósio Brasileiro de Computação & Música. Volume 3. Belo Horizonte: 1998, p.209-217. GARDNER, H. As Artes e o desenvolvimento Humano. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997. GIRON, Luís Antônio. Jornal Folha de São Paulo - Editado no Caderno Especial Página: Especial A7, Edição Nacional: JUL 11, 1994. GOHN, Daniel M. Auto-aprendizagem Musical: Alternativas Tecnológicas. São Paulo: Editora Annablume, 2003. GOIÁS, Secretaria de Educação e Cultura. Estado de Goiás. Programa Nacional de Informática na Educação (1997-2006): Informática na escola/Goiás. Goiânia, 1997. GÓES, M.C.R. A abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: Uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. In: Cadernos Cedes N50. São Paulo, 1986. p. 9-25. GOULART, Diana. Dalcroze, Orff, Suzuki e Kodály Semelhanças, diferenças, especificidades. http://www.dianagoulart.pro.br/dgt/artigos/#top DGT. 1999. acesso 08/08/2003. GUBERNIKOFF, C. Três compositores brasileiros nos anos 70 e 80: Rodolfo Caesar, Gilberto Mendes e Almeida Prado. In: Anais da VIII Encontro Nacional da ANPPOM, 1996. GREENFIELD, Patricia Marks. O desenvolvimento do raciocínio na era da eletrônica – os efeitos da tv, computadores e videogames. São Paulo: Summus, 1988. GRIFFITHS, Paul. A música moderna: Uma história concisa e ilustrada de Debussy a Boulez. Trad. De Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Jorge Zahar ed. 1998. GROVE, Dicionário de Música. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994. HENTSCHKE, L; VICCARI, R. M. Desenvolvimento de Software para Educação Musical: Um projeto Interdisciplinar. VI Simpósio Brasileiro de Computação e Música. Rio de Janeiro: 1999. ____________, L. e OLIVEIRA, A. A teoria espiral de Swanwick com fundamentação para uma proposta curricular – mesa redonda. In: Anais da Abem, 5o encontro anual. Londrina, 1996. HERSCHMANN, Micael. Abalando os anos noventa: funk e hip-hop, globalização, violência e estilo cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 1997. INHELDER, Bärbel; CELLÉRIER, Guy (Orgs.). O desenrrolar das descobertas da criança: um estudo sobre as microgêneses cognitivas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. JAPIASSU, Ricardo Ottoni Vaz. Ensino do teatro nas séries iniciais da educação básica: a formação de conceitos sociais no jogo teatral. Dissertação de mestrado. Escola de Comunicações e Artes. USP: São Paulo, 1999. KATER, Carlos. Editorial - música e musicalidade, percursos em suas fronteiras, Cadernos de Estudo - Educação Musical n1. São Paulo: Atravéz, 1990. KRAEMER, Rudolf-Dieter. Dimensões e funções do conhecimento pedagógico musical. Trad. Jusamara Souza. In: Em Pauta. Porto Alegre, v. 11; n.16-17. p. 50-73. 2000. KRÜGER, Susana Éster. Desenvolvimento, testagem e proposta de um roteiro para avaliação de software para educação musical. Dissertação de Mestrado em Educação Musical. Porto Alegre: PPGM – UFRGS, 2000. ________, S. E. Análise de software de educação musical quanto a sua compatibilidade ao ensino do piano. Monografia (Especialização em Educação Musical). EMBAP. Curitiba, 1996. ________, S. E; FRITSCH, E. F; FLORES, L. V; GRANDI, R. H; SANTOS, T. R; HENTSCHKE, L; VICCARI,

154

R. M. In: Desenvolvimento de Software para Educação Musical: um Projeto Interdisciplinar. VI Simpósio Brasileiro de Computação. Rio de Janeiro, jul.1999. LUCHESI, Eduardo M; SEIDEL, S. Uso de software no ensino-aprendizagem de matemática. Novas Tecnologias na Educação CINTED-UFRGS. Porto Alegre. V. 2 Nº 1, Março, 2004. LURIA, A. R. & VYGOTSKY, L. S. Estudos sobre a história do comportamento: o macaco, o primitivo e a criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996, p. 59. MABILDE, Arlette & LIMA, Cristiano Lopes. Alfabetização, aprendizagem e informática. Novas Tecnologias na Educação CINTED-UFRGS. Porto Alegre. V. 2 Nº 1, Março, 2004. MACEDO, Lino de. Método clínico e avaliação escolar. Revista de psicopedagogia, 23(11), São Paulo, 1992. p. 10-15. MÁRSICO, Leda O. (org.). O canto na escola de 1º grau. Brasília. Ministério da Educação e Cultura, 1978. MANTOAN, M. T. E., PRADO, M E B. B. e BARRELLA, F. M. F. LOGO e microgêneses cognitivas: um estudo preliminar. In: VALENTE, J. A. (org.) Computadores e conhecimento - repensando a educação. Unicamp: Campinas, 1993. p.234-256. __________, M. T. E. Análise microgenética de processo cognitivos em contextos múltiplos de resolução de problemas. Faculdade de Educação. Universidade Estadual de Campinas - NIED. Artigo publicado na internet – http://gmc.ucpel.tche.br/rbie-artigos/nr3-1998/Mantoan03.htm – acesso em 05-01-05. MARTINS, M. C. Investigando a atividade composicional: levantando dados para um ambiente computacional de experimentação musical. Dissertação de Mestrado em Educação. Faculdade de Educação da UNICAMP. Campinas, 1994. MILETTO, Evandro M. Educação musical auxiliada por computador: algumas considerações e experiências. CINTED-UFRGS. V.2 Nº 1, Março, 2004. MORAES, J. Jota de. Música da modernidade: origens da música de nosso tempo. São Paulo: Brasiliense, 1983. OLIVEIRA, Marta Kohl de. Sobre diferenças individuais e diferenças culturais: o lugar da abordagem histórico-cultural. In: Aquino, J. G. (Org.). Erro e fracasso na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1997. _________, Marta Kohl de. Ciclos de vida: algumas questões sobre a psicologia do adulto. Educação e pesquisa – maio/agosto, vol.30, n.02. Universidade de São Paulo, 2004. p. 211-229. _________, Marta Kohl de. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento – um processo sóciohistórico. São Paulo: Scipione, 1995, p. 53. OLIVEIRA, A. & SOUZA, J. Pós-Graduação em Educação Musical: Resultados preliminares. In: Revista da ABEM, n.4, ano 4, set., 1997, p.61-98. PALOMBINI, Carlos. Pierre Schaeffer, 1953: por uma música experimental. Departamento de Artes da UFPr - Revista Eletrônica de Musicologia. Vol. 3/Outubro de 1998. http://www.rem.ufpr.br/rem.html - acesso em 01/02/2005. PAPERT, S. A critique of technocentrism in thinking about the school of the future. Conference presented in Congress: Children in an Information Age: Opportunities for Creativity, Innovation & New Activities, Sofia, Bulgaria. 1987. _______, S. Logo: computadores e educação. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985. PAREJO, Enny. Uma educação musical para o terceiro milênio: iniciação e sensibilidade musical. In: Pedagogia Musical Orff e novos paradigmas. Mestrado em Educação. PUC: SP, 2003. PENNA, Maura. Reavaliações e buscas em musicalização. São Paulo: Edições Loyola, 1990. PEREIRA, Eliton P. R. Educação musical e interdisciplinaridade nos PCN’s Arte. Monografia de

155

graduação, Escola de Música e Artes Cênicas, UFG, 2003. PIAGET, J. A linguagem e o pensamento da criança. São Paulo: Martins Fontes, 1993, p.37-68. _______, J. A representação do mundo pela criança. Rio de Janeiro: Record, 1978 (texto de 1926). PIMENTA, F. Associação Meninos do Morumbi, 2004. Disponível http://www.meninosdomorumbi.org.br/entrada.php. / acesso em 18-07-2005. em

RÊGO, T. C. Vigotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. Petrópolis-RJ: Vozes, 1995. ROCHA, Elbio Cardoso. O programa nacional de informática educativa: PROINFO em Goiás. Mestrado em Educação Brasileira. UFG. 2001. SANTOS, Regina Antunes Teixeira dos; HENTSCHKE, Liane; GERLING, Cristina Capparelli. A prática de solfejo com base na estrutura pedagógica proposta por Davidson e Scripp. Revista da ABEM, V.9 – p. 29-41, Porto Alegre, set. 2003. SCHAFER, R. Murray. O ouvido pensante. Tradução de Marisa Fonterrada, Magda Silva e Maria Lúcia Pascoal. São Paulo: UNESP, 1991. SERAFINE, Mary Louise. Music as cognition. New York: Columbia University Press. 1988, p. 247 pp. ISBN 0-231-05742-3 de £32.80. Psychology of music, Vol. 18, no. 1 (1990) pp. 99-103. SOUZA, Maria José Araújo. Informática educativa na educação informática: estudo de geometria no ambiente do software cabri-géomètre. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação. Universidade Federal do Ceará: Fortaleza, 2001. SOUZA, Jusamara; HENTSCHKE, Liane; OLIVEIRA, Alda de; DEL BEM, Luciana; SWANWICK, Keith. Ensinando música musicalmente. Trad. De Alda de Oliveira e Cristina Tourinho. São Paulo: Moderna, 2003. ___________, K. Música, pensamiento y educación. Madrid: Ediciones Morata, 1991. ULHÔA, M (Org.). Dissertações de mestrado defendidas nos cursos de pós-graduação stricto sensu em música e artes até dez./1996. In: Revista Opus, v.4, n.4. Rio de Janeiro, ago. 1997. VALENTE, José Armando. Informática na Educação no Brasil: análise e contextualização histórica. In VALENTE, J. A. (org.). In: O computador na sociedade do conhecimento. Coleção Informática para a mudança na Educação. Brasil. MEC/SEAD – Brasília - DF, 1999. _________, J. A. Por Quê o Computador na Educação. In J.A. Valente (org.) Computadores e conhecimento: repensando a educação. UNICAMP. Campinas, São Paulo: 1996. VALSINER, J. Culture and human development: A co-constructivist perspective, 1993. VASCONCELLOS, Vera M. R. & VALSINER, Jaan. Perspectiva co-construtivista na psicologia e da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. VIEIRA, Marisa Damas. O fenômeno musical como um complexo de relações e elemento interferente nos grupos sociais: O perfil dos alunos de primeiro ano de graduação da UFG em relação à música. Dissertação de Mestrado. Escola de Música e Artes Cênicas. UFG, 2004. VIGOTSKY, L. S. Mind in society: the development of higher psychological processes. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1978. __________, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998. __________, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991. __________, L. S. Psicologia da arte. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 1999. ZACHARIAS, Vera Lúcia Câmara F. Informática, mitos e problemas. Artigo da web: http://www.centrorefeducacional.com.br/informat.html - 01/08/2004.

156

WERTSCH, J.V. Vygotsky and the social formation of mind. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1985. WERTSCH, J.V; HICKMANN, M. Problem solving in social interaction: A microgenetic analysis. In: HICKMANN, M. (org.). In: Social and functional approaches to language and thought. Nova York: Academic Press, 1987.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->