P. 1
A IMPORTÂNCIA DA QUIMICA NA INDUSTRIA

A IMPORTÂNCIA DA QUIMICA NA INDUSTRIA

|Views: 15.859|Likes:

More info:

Published by: Otavio van der Woodsen on Jun 01, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/01/2013

pdf

text

original

QUÍMICA

Petroquímica
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A petroquímica é a atividade industrial de produção de derivados de petróleo, normalmente a partir da separação dos componentes do petróleo por destilação. No Brasil, o petróleo é encontrado em águas oceânicas profundas, o que encarece a sua extração. O maior estado produtor é o Rio de Janeiro, na Bacia de Campos, cuja contribuição é de quase 75%. A cidade-base de exploração desse mineral é Macaé. A petroquímica cresceu vertiginosamente nesse último século, com a necessidade de substitutos mais lucrativos para diversos produtos, como por exemplo o algodão, o marfim, a madeira, etc. A indústria de plástico, chamada de indústria da 3ª geração, é uma indústria que sobrevive do petróleo e seus gases. Os países com indústrias petroquímicas de maior porte são os Estados Unidos,Canadá, as potências européias e o Japão.

Indústria farmacêutica
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Drágeas, acondicionadas em embalagens adequadas mostra a evolução da Indústria Farmacêutica.

A Indústria farmacêutica é responsável por produzir medicamentos. É uma atividade licenciada para pesquisar, desenvolver, comercializar e distribuir drogas farmacêuticas. Muitas das companhias da indústria farmacêuticas surgiram nos finais do século 19 e início do século 20. As principais descobertas aconteceram em torno das décadas de 1920 a 1930. Nos últimos anos surgiram no Brasil os medicamentos genéricos que são alternativas às medicações tradicionais. De um modo geral, uma indústria farmacêutica fabrica e comercializa seus medicamentos somente após um longo processo de pesquisas, descobertas e testes dos remédios desejados, após meses ou anos de investimentos. Quando um medicamento é fabricado através de uma fórmula descoberta por uma determinada empresa, busca-se a obtenção de patentes, para que outras indústrias tenham que pagar royalties, caso desejem também fabricá-lo. A maior parte do investimento é recompensada pelo lucro advindo da venda de royalties e da comercialização direta dos medicamentos. Porém, as indústrias farmacêuticas, principalmente nas últimas décadas, sofrem por possuírem uma imagem negativa, fruto da relação entre saúde e mercado. As pesquisas na área, para busca e aperfeiçoamento de determinados medicamentos, podem chegar à casa dos bilhões de dólares. Porém os críticos afirmam que tais pesquisas destinam-se apenas a obtenção de soluções que permitam um retorno financeiro considerável, como doenças que atingem pessoas com maior poder aquisitivo, principalmente nos países desenvolvidos; deixando-se de lado problemas que afetam países em desenvolvimento, que não poderiam comprar os remédios pelos preços que a indústria gostaria de praticar. Segundo Louis Currat, secretário-geral do Fórum Global de Pesquisas em Saúde, ligado à Organização Mundial de Saúde, "menos de 10% das verbas para pesquisa são destinados a 90% dos problemas de saúde do mundo". Há quem afirme, entretanto, que sendo imprescindível a realização de pesados investimentos na área para encontrar medicamentos eficazes contra certas doenças, os recursos necessários deveriam vir de iniciativas públicas, ou seja, as pesquisas deveriam

ser subsidiadas pelos governos locais, uns dos grandes prejudicados pelos males indesejados. Assim, a indústria poderia praticar preços menores, sem prejudicar a proteção das patentes e a venda de royalties. Tudo isso se evidencia em números que mostram a diferença de pesquisas sobre doenças de impacto mundial, por exemplo: a malária, doença que mata um milhão de pessoas por ano, com 90% dos infectados localizados na África, conta com 18 medicamentos e 2 vacinas em desenvolvimento; a tuberculose, que mata dois milhões de pessoas todos os anos, (90% destes em países em desenvolvimento), conta com 17 medicamentos e 2 vacinas em desenvolvimento; e a AIDS, síndrome responsável por uma média de dois a três milhões de mortes anuais (com dois terços dos aproximadamente 40 milhões de infectados atuais encontrados na África, porém muitos outros milhões em países desenvolvidos), possui 88 medicamentos aprovados, 77 candidatos a medicamentos e 19 vacinas em desenvolvimento.

Biotecnologia
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Biotecnologia é tecnologia baseada na biologia, especialmente quando usada na agricultura, ciência dos alimentos e medicina. A Convenção sobre Diversidade Biológica da ONU possui uma das muitas definições de biotecnologia:[1]

"Biotecnologia define-se pelo uso de conhecimentos sobre os processos biológicos e sobre as propriedades dos seres vivos, com o fim de resolver problemas e criar produtos de utilidade."

A definição ampla de biotecnologia é o uso de organismos vivos ou parte deles, para a produção de bens e serviços. Nesta definição se enquadram um conjunto de atividades que o homem vem desenvolvendo há milhares de anos, como a produção de alimentos fermentados (pão, vinho, iogurte, cerveja, e outros). Por outro lado a biotecnologia moderna se considera aquela que faz uso da informação genética, incorporando técnicas de DNA recombinante. A biotecnologia combina disciplinas tais como genética, biologia molecular, bioquímica, embriologia e biologia celular, com a engenharia química, tecnologia da informação, robótica, bioética e o biodireito, entre outras. •

Cristais de insulina.

Antes dos anos 1970, o termo biotecnologia era utilizado principalmente na indústria de processamento de alimentos e na agroindústria. A partir daquela época, começou a ser usado por instituições científicas do Ocidente em referência a técnicas de laboratório desenvolvidas em pesquisa biológica, tais como processos de DNA recombinante ou cultura de tecidos. Realmente, o termo deveria ser empregado num sentido muito mais amplo para descrever uma completa gama de métodos, tanto antigos quanto modernos, usados para manipular organismos visando atender às exigências humanas. Assim, o termo pode também ser definido como, "a aplicação de conhecimento nativo e/ou científico para o gerenciamento de (partes de) microorganismos, ou de células e tecidos de organismos superiores, de forma que estes forneçam bens e serviços para uso dos seres humanos.[2] Há muita discussão - e dinheiro - investidos em biotecnologia, com a esperança de que surjam drogas milagrosas. Embora tenham sido produzidas uma pequena quantidade de drogas eficazes, no geral, a revolução biotecnológica ainda não aconteceu na indústria farmacêutica. Todavia, progressos recentes com drogas baseadas em anticorpos monoclonais, tais como o Avastin da Genentech, sugerem que a biotecnologia pode finalmente ter encontrado um papel a desempenhar nas vendas farmacêuticas.[3]

Energética
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Ir para: navegação, pesquisa Energética é a parte da química industrial que estuda modos sustentáveis ou não de produção de energia. Uma área de grande interesse ao redor do mundo na indústria química, atualmente. Tem uma ampla procura no mercado brasileiro devido ao etanol (álcool que, no caso brasileiro, é produzido pela fermentação da cana-de-açúcar). Há, também, grande interesse no estudo das reações eletroquímicas, que englobam uma série de objetos rotineiros em nossa vida, como a pilha. A "energia suja" ou biomassa é um método de produção de energia que se utiliza de grandes depósitos de matéria orgânica para produzir biogás num aparelho denominado biodigestor. É um processo que tem grande utilidade, como no tratamento da água de pequenas comunidades sem saneamento básico, além de produzir energia para tais comunidades.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->