P. 1
A Linha do Tempo da Imigração Japonesa

A Linha do Tempo da Imigração Japonesa

4.0

|Views: 915|Likes:
Publicado porMariana Vianna

Desde a chegada do navio Kasato Maru, em Santos, no dia 18 de junho de 1908, a cultura brasileira nunca mais foi a mesma. Hábitos e rituais indígenas, africanos e europeus abriram espaço a uma nova cultura: a cultura trazida pelas primeiras 162 famílias de imigrantes japoneses.

Desde a chegada do navio Kasato Maru, em Santos, no dia 18 de junho de 1908, a cultura brasileira nunca mais foi a mesma. Hábitos e rituais indígenas, africanos e europeus abriram espaço a uma nova cultura: a cultura trazida pelas primeiras 162 famílias de imigrantes japoneses.

More info:

Published by: Mariana Vianna on Jun 08, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/18/2009

pdf

text

original

A Linha do Tempo da Imigração Japonesa Por Mariana Vianna Desde a chegada do navio Kasato Maru, em Santos, no dia 18 de junho

de 1908, a cultura brasileira nunca mais foi a mesma. Hábitos e rituais indígenas, africanos e europeus abriram espaço a uma nova cultura: a cultura trazida pelas primeiras 162 famílias de imigrantes japoneses. Após a vinda da embarcação, por meio do acordo imigratório feito entre Brasil e Japão, o volume de imigrantes da Terra do sol nascente só fez aumentar. Juntou-se o útil ao agradável. Uma vez que, no começo do século XX, o Brasil precisava de mão-de-obra estrangeira para as lavouras de café. E enquanto isso, o Japão passava por um período de grande crescimento populacional e não conseguia gerar emprego necessário para toda população. O acordo deu tão certo que, nos primeiros dez anos da imigração, aproximadamente 15 mil japoneses chegaram ao Brasil. E com o início da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), uma média de 160 mil japoneses veio morar em terras brasileiras. Sendo que desse total, 90% dedicava-se à agricultura. O centenário De acordo com a linha do tempo da Imigração Japonesa que, este ano comemora seu centenário no Brasil, a relação nipônica com o governo e com os costumes brasileiros teve os seus altos e baixos. Mas, a comunidade acabou se adaptando às particularidades do país. E por esse motivo, japoneses e seus descendentes celebram essa data com eventos, exposições e homenagens que, a partir desse mês, acontecem em todos os cantos do país. Mas, como nem tudo são rosas, os imigrantes também se deparam com inúmeras dificuldades. No início da imigração houve um choque cultural em relação à língua, aos costumes, religião, clima e alimentação. E as famílias que tentavam retornar ao Japão eram impedidas pelos fazendeiros, que as obrigavam a cumprir o contrato de trabalho. E embora a idéia inicial da maioria fosse retornar para a terra natal, muitos decidiram por fazer a vida em solo brasileiro contribuindo com o crescimento econômico e com desenvolvimento cultural do país. E hoje, sabe-se que o Brasil é o país com o maior número de japoneses e seus descendentes fora do Japão. Taikô Foi inspirado nesse contexto histórico que, o Grupo de Taikô Hanabi Wadaiko, da Associação Cultural Nipo Brasileira de Várzea Grande e Cuiabá, vai participar pela primeira vez do quinto campeonato de Taikô, que acontece no dia sete de julho em São Paulo.

O Taikô ou ‘grande tambor em japonês’ é um instrumentos musical de percussão semelhante a um tambor ou um surdo, cujo som é obtido através do impacto. Feito com tábuas de madeira e pele de vaca estendida, o instrumento é tocado com bastões (Bachi) feitos de Bambu, Pinho ou outras madeiras que variam de medida conforme o tamanho do Taikô. Também chamado de Wadaiko, o instrumento produz um ritmo compassado e seco que exige vigor físico e treinamento intensivo do instrumentista. Pois, esse tem de sincronizar a melodia que sai de seu Taikô com a dos demais integrantes do grupo. Existem três modelos de Taikô: o Paarankuu é o menor de todos e por isso permite que o instrumentista o toque enquanto realiza complexos passos de dança; o Shime-daiko é um pouco maior e mais pesado, porém ainda versátil, e permite a realização de coreografias; E por fim, o O-daiko. Lembrando o formato de um barril, ele é o maior dos instrumentos. E devido ao seu tamanho e peso a coreografia que o acompanha é mais simples. Tradição Carregando quase dois mil anos de tradição, o Taikô é uma das primeiras expressões musicais Japonesas a serem espalhadas pelo mundo. Entretanto, para os seus praticantes a arte representa muito mais que uma expressão musical, representa uma filosofia de vida. O estudante Solano Mussashi Otomura,19, é descendente de japoneses e membro mais velho do grupo Hanabi Wadaiko. Segundo o garoto, o além de ser uma grande diversão para ele, o que mais o impressiona na arte é o ponto de vista de respeito e cuidado com a natureza que os mestres passam aos alunos. “A relação que nós aprendemos a ter com o instrumento e com a arte não é puramente superficial de pessoa-objeto. Nós temos uma relação de profundo respeito com a natureza e com a arte. Não tratamos os instrumentos como objetos, mas como presentes vindos da natureza e os quais nós temos o dever de tratá-los com zelo. Mais do que ouvir, nós sentimos a vibração dos Taikôs”, ressalta Solano. Um exemplo desse respeito ao Taikô é a forma como os bastões (Bachi) são dispensados. Quando ficam velhos ou se quebram, ao invés de serem jogados no lixo, o Bachi deve ser queimado e enterrado para ser devolvido à natureza. No Japão feudal, os Taikôs eram usados para motivar as tropas do exército a marcar o passo na marcha, para anunciar comandos e técnicas marciais, para demarcar territórios, para estimular a bravura dos guerreiros e, nas festividades, para acalmar os espíritos mortos. O estudante ainda revela que já conhecia o Taikô mesmo antes de entrar no grupo. “Morei no Japão até os 13 anos e ela essa prática é muito comum. Nas escolas japonesas, o Taikô é ensinado como outra matéria artística

qualquer. Existem muitas escolas e competições só direcionadas à arte lá”, explica. O Campeonato O mistério é grande em torno da coreografia e da música que o grupo vai apresentar no campeonato. Isso porque uma das regras da competição é o ineditismo da apresentação, além da postura e da fisionomia dos integrantes, da coerência entre a melodia e a coreografia, a técnica, o tempo limite de cinco minutos de apresentação e do alinhamento do ‘Hapi’ – vestimenta estilo Kimono usado nas apresentações. Entre as categorias do campeonato, configuram os níveis Livre até (18 anos), Júnior (todas as idades) e Máster (profissional). O Hanabi Wadaiko vai representar o estado na categoria Livre. E a premiação desse nível é um valor em dinheiro e entrega de medalhas. Atualmente, existem quase oito mil grupos de Taikô no Japão. Segundo o vice-presidente da Associação Cultural Nipo Brasileira de Várzea Grande e Cuiabá Ioshiu Nouchi, o Taikô é uma tradição japonesa que associa percussão, coreografia e ritmo. 'Já temos 30 coreografias ensaiadas para o campeonato e o grupo está em grande sintonia. Mas, precisamos de nove mil reais para que nossos dez tocadores mais a equipe participem do evento. Estamos fazendo festas e arrecadando dinheiro para que o estado de Mato Grosso seja representado no campeonato, porém ainda falta muito e pedimos por doações'. E alerta: “A Associação e o grupo estão abertos aos homens e mulheres da comunidade de Cuiabá e Várzea Grande, sejam eles japoneses, descendentes ou não. Não é necessário saber tocar nenhum instrumento, nem ter algum porte físico específico. Basta querer aprender e ensaiar bastante! Para nós, o importante é conseguir manter as nossas tradições!”. Integrados à cultura brasileira, os japoneses acresceram muito aos costumes e à economia nacional. Afinal, a culinária, a moda, a literatura e a tecnologia japonesa já adicionaram o seu tempero ao Brasil. País abundante em espaço, cultura e diversidade. País que reúne todos os rostos do planeta em um só lugar.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->