P. 1
Crime Consumado e Crime Tentado

Crime Consumado e Crime Tentado

|Views: 7.105|Likes:
Publicado porwillbassa

More info:

Published by: willbassa on Jun 08, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/14/2013

pdf

text

original

CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO

1) ITER CRIMIINIS: É caminho que o crime percorre, desde o momento da ideação até o momento em que ele se consuma. Fases do iter criminis: ocorre em dois momentos – um interno ( cogitação ou ideação) e um externo (atos preparatórios, executórios e consumação). Cogitação ou ideação: é a elaboração mental da resolução criminosa, é nesse momento que se firma a vontade da prática do crime. Nesse momento de mera elaboração mental do fato criminoso, alei penal não pode alcançá-lo, visto que o direito penal, não pune idéias, mas somente ações. Preparação ou atos preparatórios: o agente arma-se de instrumentos objetivos e necessários à prática da infração penal. De regra, os atos preparatórios também não são puníveis, exceto se a própria prática de um ato preparatório constituir em um tipo penal autônomo, como por exemplo, o art. 291 do CP ( petrechos para falsificação de moeda), art. 147, CP (ameaça)... Atos executórios: começam com a atividade com a qual o autor se põe em relação imediata com a ação típica. Consumação: art. 14, I, CP – ocorre quando no crime se reúnem todos os elementos de sua definição legal.

2) TENTATIVA: Conceito: ocorre quando por circunstâncias alheias à vontade do agente o crime não se consuma. Elementos: a) Início da execução: a tentativa só é punível no momento em que a ação penetra na fase de execução. Só então se pode precisar a direção do atuar voluntário do agente no sentido de determinado tipo penal. b) Não consumação do crime por circunstâncias alheias à vontade do agente c) Dolo em relação ao crime total: o agente deve agir dolosamente, isto é, deve querer a ação e o resultado final que concretize o crime perfeito e acabado. Assim, não se admite tentativa nos crimes culposos.

Iniciada a execução de um crime, ela pode ser interrompida por dois motivos:

1) Pela própria vontade do agente: nesse caso desistência voluntária ou arrependimento eficaz

haverá

2) Por circunstâncias alheias à vontade do agente: nesse caso, a tentativa pode ser perfeita ou imperfeita

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->