P. 1
A Navegação na Lagoa dos Patos

A Navegação na Lagoa dos Patos

4.0

|Views: 2.826|Likes:
A Navegação na Lagoa dos Patos. Trabalho apresentado no III Seminário de Transporte Hidroviário Interior da Sociedade Brasileira de Engenharia Naval (SOBENA) e Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), 2 a 5 de setembro de 2003, Corumbá, Brasil. Carlos Augusto Müller. Capitão de Longo Curso. Comandante de Navio Mercante.
A Navegação na Lagoa dos Patos. Trabalho apresentado no III Seminário de Transporte Hidroviário Interior da Sociedade Brasileira de Engenharia Naval (SOBENA) e Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), 2 a 5 de setembro de 2003, Corumbá, Brasil. Carlos Augusto Müller. Capitão de Longo Curso. Comandante de Navio Mercante.

More info:

Published by: Carlos Augusto Müller on Jun 10, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF or read online from Scribd
See more
See less

11/16/2012

pdf

A Navegação na Lagoa dos Patos

Autor: Carlos Augusto MÜLLER

Corumbá - MS, 3 de setembro de 2003.

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 1

Carlos Augusto MÜLLER

A Navegação na Lagoa dos Patos

Trabalho apresentado no III Seminário de Transporte Hidroviário Interior da Sociedade Brasileira de Engenharia Naval (SOBENA) e Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), 2 a 5 de setembro de 2003, Corumbá, Brasil.

Corumbá 2003

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 2

Resumo

Neste trabalho serão apresentados aspectos históricos, estruturais e técnicos que afetam a navegação interior na Lagoa dos Patos. A hidrovia é utilizada nos dias atuais não só por embarcações destinadas à navegação interior, mas também por embarcações de alto mar e apresenta um grande potencial de desenvolvimento e aumento do tráfego.

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 3

Sumário
A Grande Laguna dos Patos ................................ ................................ ................................ .. 4 Aspectos Históricos da Navegação na lagoa dos Patos ................................ ........................ 5 A Estrutura Portuária na Hidrovia da Lagoa dos Patos . .......... Error! Bookmark not defined. Aspectos Técnicos da Navegação na La goa dos Patos. ...... 1Error! Bookmark not defined. Aspectos Ambientais . ................................ ......................... Error! Bookmark not defined. 16 Conclusão. ................................ ................................ ................................ .......................... 18 Bibliografia. ................................ ................................ ................................ .......................... 19

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 4

A grande Laguna dos Patos.

A Lagoa dos Patos é na verdade uma grande LAGUNA, com uma superfície de cerca de 10.000 km², extensão aproximada de 250 km, largura de até 56 km e mais de 300 km de vias navegáveis. Esta laguna apresenta uma disposição paralela ao litoral do Rio Grande do Sul na direção NE -SW, separada do Oceano Atlântico por uma extensa restinga. Na extremidade Norte da laguna, junto à cidade de Porto Alegre, rios importantes como o Jacuí, Taquari, Caí, Gravataí, Sinos e outros menores lançam suas águas no "Rio Guaíba", uma formação que apresenta características de rio, de estuár io e também de lago, mas não é oficialmente classificado como nenhum destes, apesar de seu nome. Os rios do complexo do Guaíba são os principais responsáveis pelo aporte de água à laguna. Ao Sul, a laguna comunica -se com o Oceano Atlântico pelo canal natur al formado entre as cidades de Rio Grande e São José do Norte e com a Lagoa Mangueira pelo canal São Gonçalo. A laguna sofre um estreitamento em direção ao Sul e a região localizada entre a Ponta da Feitoria e a desembocadura apresenta características de r egião estuarina, com marés (Closs, 1965). A salinidade e o nível d'água na laguna são variáveis, afetados pela circulação atmosférica de larga escala e precipitação local, ou seja, a direção e intensidade dos ventos e quantidade de chuvas (Kantin, 1983). O fenômeno climático "El Niño" e a sazonalidade também têm grande efeito sobre o nível d'água. Laguna pode ser definida como "uma depressão contendo água salobra ou salgada, localizada na borda litorânea. A separação das águas da laguna das do mar pode se fazer por um obstáculo mais ou menos efetivo, mas não é rara a existência de canais, pondo em comunicação as duas águas. Na maioria das vezes, se usa erradamente o termo 'lagoa' ao invés de laguna" (Guerra, 1978). De qualquer forma, preferimos utilizar a expressão "Lagoa dos Patos" ao invés de "Laguna dos Patos" por estar a primeira consagrada pelo seu uso no Brasil. A Lagoa dos Patos e os rios Jacuí e Taquari integram um sistema aquaviário comercialmente importante na região Sul do país. Os portos explorados são Rio Grande, Pelotas, Porto Alegre, Estrela e Charqueadas.

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 5

Aspectos Históricos da Navegação na Lagoa dos Patos .

A navegação na região iniciou -se com a exploração e ocupação da área que abrange atualmente o litoral do Rio Grande do Sul e Foz do Rio de La Plata pelos espanhóis e portugueses. A cidade de Rio Grande foi fundada em 1737 pelo Brigadeiro José da Silva Paes em terras que supostamente pertenceriam à Espanha. Em 1752 uma leva de imigrantes açorianos estabeleceu-se na área de Porto Alegre , sob a coordenação do General Gomes Freire de Andrada. O Corone l Cristóvão Pereira de Abreu foi mobilizado para os trabalhos de demarcação dos limites determinados pelo Tratado de Madrid de 1750 e uma das missões oficiais era construir um barco para fazer o transporte de colonos de Porto Alegre até a região das Missões. Esta tarefa nunca foi concluída devido à Guerra Guaranítica de 1754 a 1756 e difíceis condições de navegação, o que impediu o avanço dos colonos e determinou o crescimento de Porto Alegre e outras povoações (Spalding, 1967). Em 1763 o então governador de Buenos Aires, D. Pedro Ceballos avançou em direção ao Norte, conquistando a cidade de Rio Grande, obrigando os portugueses a mudarem a capital da capitania para o lado Norte da atual barra de Rio Grande. A linha de fronteira entre as terras portuguesas e espanholas passava então pela barra de Rio Grande, estando São José do Norte sob domínio português e Rio Grande sob o mando espanhol. Em 1773, com a elevação da atual cidade de Porto Alegre à condição de capital o tráfego de embarcações navegando Lagoa acima para chegar à capital passou a ser necessário. Rio Grande seria retomada pelos portugueses em 1776, após 13 anos de domínio espanhol. (Quevedo, 1990 e César, 1970). Em janeiro de 1808, a carta régia da abertura dos portos brasileiros às nações amigas foi outorgada por Dom João VI. A função de Prático foi criada através de decreto em junho do mesmo ano. Nesta ocasião a barra de Rio Grande já contava com um serviço de praticagem estabelecido. Por volta de 1824, após a independência do Brasil, iniciou -se o ciclo de imigração alemã no Rio Grande do Sul. Os colonos eram conduzidos até Porto Alegre a bordo de

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 6

embarcações que saíam do Rio de Janeiro após a travessia atlântica em navios maiores. Nesse período, o transporte na Lagoa dos Patos se fazia por embarcações de pequeno calado como sumacas e bergatins (veleiros de dois mastros), adequadas à profundidade reduzida da Lagoa dos Patos. O Charque era, então, o principal produto comercial do Ri o Grande do Sul, sendo comercializado com as outras províncias. Com o aumento da atividade das fazendas de produção de charque, as cargas passaram a ser transportadas também pelos rios, como o Taquari, Jacuí e Caí, através dos quais se estabelecia a comunicação com Porto Alegre e, desta cidade, com o porto de Rio Grande. Em 1832 houve um considerável progresso na navegação fluvial, com a introdução de barcos a vapor. Mas a implementação desta inovação, que tornaria a navegação bem mais rápida e eficiente do que a realizada pelos veleiros foi prejudicada pela Guerra dos Farrapos (1835 a 1845), ficando praticamente estagnada até o término do conflito. Durante a Guerra dos Farrapos, por volta de 1839, ocorreria um fato pitoresco, ainda hoje contado pelos naveg adores da região, enriquecendo o folclore gaúcho. A esquadra imperial brasileira, comandada pelo Almirante inglês John Grenfell, protegia Rio Grande e impedia que a esquadra farroupilha atuasse na Lagoa dos Patos e atingisse o Atlântico. Os revolucionários farroupilhas necessitavam ter acesso a um porto para viabilizar comercialmente a República Rio Grandense, exportando o charque produzido nas fazendas da região. Para isso, decidiram tomar o porto de Laguna em Santa Catarina. Comandada pelo lendário Giusep pe Garibaldi, o "herói de dois mundos", a pequena esquadra, apelidada pelos imperiais de "os patos de Garibaldi", composta pelos lanchões "Seival" e "Farroupilha", escapou d o Almirante Grenfell pelo rio Capivari, a nordeste da Lagoa. Daí resultou o mais fa ntástico acontecimento da guerra, e talvez um dos lances de combate mais geniais da história. Garibaldi mandou instalar grandes rodas nos barcos e transportou -os por terra, puxados por juntas de bois até Tramandaí, a aproximadamente 80km do ponto de partida. Após três dias de reparos, os barcos e seus marinheiros puderam navegar novamente e o "Seival" conseguiu chegar a Laguna, tendo

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 7

papel importante na tomada da cidade e de 14 embarcações que se encontravam no porto. O ³Farroupilha´ naufragou frente a uma tempestade, antes de chegar ao destino. A construção do Porto Velho do Rio Grande iniciou-se em 1869 e sua inauguração aconteceu em 11 de outubro de 1872. Em 2 de junho de 1910, começou a implantação do Porto Novo, que entrou em operação em 15 de novembro de 1915, com a entrega ao tráfego dos primeiros 500m de cais. A construção do porto de Porto Alegre foi iniciada no ano de 1911, por iniciativa do governo do estado do Rio Grande do Sul. Em 26 de agosto de 1913, foram concluídos 146m de cais com 4m de profundidade. A partir de 1919 em função da maior demanda de movimentação de mercadorias com a abertura de canais interiores no Rio Grande do Sul, começou a operar comercialmente em 1º de agosto de 1921, o primeiro trecho de cais de atracação com 300m. (ANTAQ, 2001). O Rio Grande do Sul é notadamente um estado com histórica tradição hidroviária, influenciada pela extensão da malha fluvial e pelos imigrantes europeus, que contribuíram para o crescimento de sua capital e desenvolvimento do interior. A primeira eclusa de navegação foi construída ainda no século XIX no rio Caí e vence um desnível de cerca de 2m, funcionando até os dias atuais. O estado do Rio Grande do Sul foi o primeiro a valorizar a navegação fluvial, tendo concebido, na década de 50, um plano hidroviário que previa a canalização dos rios Jacuí e Taquari. O rio Jacuí foi canalizado, com a construção de três barragens: do Fandango, km 239, de 1953 a 1955; Anel de Dom Marco, km 177, de 1965 a 1972; e Amarópolis, km 75, de 1971 a 1974. As barragens vencem desníveis de 4, 8 e 5m, respectivamente, e canalizaram o rio Jacuí em 300km, até a foz do rio Vacacaí, para calado de 2,50m. A navegação atual é feita numa extensão de 230k m, para embarcações com calado de 2,50m, da foz até o porto de Cachoeira do Sul (RS), situado junto e a jusante da barragem do Fandango. No rio Taquari foi construída, entre 1972 e 1976, a barragem eclusada de Bom Retiro do Sul, cuja eclusa tem 120m de comprimento, 17m de largura e 3,50m de

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 8

profundidade mínima, que vence um desnível máximo de 12,50m e que estende a navegação até o km 86, permitindo o acesso ao importante porto fluvial de Estrela, para embarcações com 2,50m de calado. Nas cheias do rio Taquari as embarcações costumam operar com calados maiores, chegando até 3,20m, cujo limite são as soleiras da eclusa. Outros rios formadores do Guaíba são também navegáveis. O rio Caí, por exemplo, é navegável por uma extensão de 93km, da foz até a cidade de São Sebastião do Caí (RS). As profundidades são de 1,80m, da foz até a histórica barragem de Barão do Rio Branco. O rio dos Sinos pode ser navegado da foz até o km 56, em São Leopoldo (RS). Entretanto, a navegação em águas altas é limitada. O rio foi dragado em seu trecho inferior, da foz até o km 15, para 3m de profundidade, e permite o acesso de embarcações até o terminal privativo da Indústria Bianchini S/A. O rio Gravataí tem profundidade mínima de 5m da foz até o km 15, o que permitiu a instalação de i mportantes terminais privativos. Apesar da canalização dos rios Jacuí e Taquari, em vários locais as profundidades têm que ser mantidas por dragagem.

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 9

A Estrutura Portuária na Hidrovia da Lagoa dos Patos .

Rio Grande e Porto Alegre são notadamente os principais portos localizados na região da Lagoa dos Patos, mas também há atividades relevantes nos portos de Pelotas, próximo a Rio Grande e nos portos de Charqueadas e Estrela, nos rios Jacuí e Taquari, respectivamente . O Porto Fluvial de Estrela foi inaugurado em 1977, destinado a atender à demanda do transporte de trigo e soja no corredor de exportação do porto de Rio Grande. O porto de Estrela está localizado na margem esquerda do rio Taquari, no município de Estrela (RS), distante 142km de Porto Alegre por via fluvial. Sua área de influência abrange as áreas central, nordeste, norte e noroeste do estado do Rio Grande do Sul. O porto organizado possui acesso rodoviário e ferroviário. As instalações do porto de Charqu eadas foram implantadas a fim de atender aos embarques de carvão mineral, extraído das minas localizadas às margens do rio Jacuí e as operações foram iniciadas em 1982. O porto, que conta com instalações restritas, está localizado na margem direita do rio Jacuí, no município de Charqueadas, a cerca de 60km de Porto Alegre. O Porto de Pelotas está localizado no município de Pelotas, na região meridional do estado do Rio Grande do Sul, à margem esquerda do canal de São Gonçalo, que liga as lagoas Mirim e d os Patos, iniciou as operações em 1940. O porto atende às regiões marginais da Lagoa dos Patos e a parte centro-sul do estado do Rio Grande do Sul e possui acesso rodoviário e ferroviário. O porto de Porto Alegre, que começou a operar em 1921, está locali zado na margem esquerda do rio Guaíba, na parte noroeste da cidade de Porto Alegre (RS). Sua área de influência abrange o estado do Rio Grande do Sul, principalmente o eixo Porto Alegre ± Caxias e municípios vizinhos. O porto é servido por uma extensa rede de vias fluviais e lacustres.

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 10

O porto de Rio Grande é o maior da hidrovia do Sul e está localizado na margem direita do canal que liga a Lagoa dos Patos ao oceano Atlântico. Sua área de influência compreende os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, o Uruguai, o sul do Paraguai e o norte da Argentina.

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 11

Aspectos técnicos da navegação na Lagoa dos Patos.

A navegação entre Rio Grande e Porto Alegre, partindo de Rio Grande, ocorre em uma área com movimentação de navios e embarcações de pesca. De acordo com as Normas da Autoridade Marítima, a praticagem é obrigatória na Lagoa dos Patos e Rio Jacuí. Mesmo com o prático a bordo, sob a lei brasileira o Comandante permanece responsável por executar uma navegação que garanta a segurança do navio, das pessoas e do meio ambiente. As embarcações fluviais que trafegam na Lagoa dos Patos normalmente não utilizam os serviços dos práticos, pois estão dispensadas pela Norma da Autoridade Marítima. Já as embarcações de alto mar obrigatoriamente utilizam a praticagem. O navegante deverá sempre fazer o planejamento de sua derrota utilizando-se das publicações oficiais atualizadas. A navegação interior na Lagoa dos Patos inicia na área de Rio Grande, nas proximidades da cidade de São José do Norte , na área denominada GOLF . Esta área é destinada aos navios que aguardam demanda dos canais de acesso. O navegante deverá ter especial precaução com o tráfego nos canais de acesso, pois é comum a entrada de navios carregados com o calado máximo permitido, portanto, com manobra restrita nos canais. A navegação no trecho inicial é realizada de acordo com a rota aconselhada na carta náutica, entre os baixios do Diamante e do Mosquito até a bóia do canal da Setia no. 1 a daí até o canal de São Gonçalo. A bóia luminosa da entrada do São Gonçalo marca uma bifurcação, seguindo-se para Pelotas a Oeste e para Porto Alegre ao Norte. Na direção Norte, o navegante encontrará o canal da Coroa do Meio e em seguida um canal natural entre as C oroas do Nascimento e dos Patos. O canal da Feitoria finalmente dá acesso à Lagoa dos Patos, onde as profundidades são maiores (entre 6,0m e 7,0m). A distância entre a saída do canal da Feitoria e a barra do Rio Guaíba é de 95 milhas. A navegação neste trecho deverá ser realizada com precaução, evitando as extremidades dos bancos que avançam em direção às áreas de maior profundidade. Além disso, não há pontos naturais notáveis, pois a restinga possui baixa altitude. O navegante deverá utilizar os faróis e faroletes

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 12

que balizam os bancos no interior da Lagoa dos Patos para o posicionamento e orientação. O navegante deverá tomar especial precaução com os bancos e cascos soçobrados. Os pontos que oferecem maior perigo à navegação são: cascos soçobrados Guaporema e Cisne (Lat 39° 41.4'S Long 051° 54.1'W), casco soçobrado Saturno (Lat 31° 36.5' S Long 051° 41,5' W) casco soçobrado Rio Negro (30° 48.8'S Long 051° 08,0' W), todos estes são cascos submersos, balizados com bóia luminosa de perigo isolado e refletor r adar. O casco soçobrado Almirante Álvaro Alberto (Lat 30° 47,4' S Long 051° 10,6' W) se constitui de um casco permanentemente descoberto, sinalizado por farolete com altitude de 14m e alcance de 9 milhas náuticas, sendo de fácil identificação. O Banco do Vitoriano, na margem oeste, nas proximidades do farolete Bojuru possui 11 milhas de extensão e está balizado por bóia luminosa de bombordo. O Banco Dona Maria possui 12,5 milhas de extensão, está localizado próximo ao farol Capão da Marca e é balizado com bóia luminosa de bombordo. O Banco dos Desertores, estende-se por 9 milhas e está balizado pelo farolete Desertores. O Banco São Simão está localizado na margem leste e possui extensão de 8,5 milhas, nas proximidades do farol Cristóvão Pereira. Uma bóia luminosa de boreste baliza sua extremidade. O Banco do Barba Negra possui uma extensão de 6 milhas e é balizado pelo farolete Barba Negra. Outro perigo à navegação são os chamados calões de pescador, estacas utilizadas para fixação de redes de pesca, que s ão posicionadas nas proximidades dos canais e muitas vezes até mesmo dentro da área de manobra, sendo mais comuns nas proximidades de Rio Grande e São José do Norte, representando risco para embarcações pequenas que navegam no local. As condições de navegação na Lagoa dos Patos podem tornar -se desfavoráveis sob condições de ventos fortes, principalmente para embarcações de pequeno e médio porte. Com ventos fortes, normalmente formam-se pequenas vagas e carneiros em toda extensão da Lag oa. O Roteiro da Costa Sul, editado pela Diretoria de Hidrografia e Navegação, apresenta

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 13

sete fundeadouros normalmente utilizados pelas embarcações fluviais e de pequeno porte, porém nenhum deles é totalmente abrigado. O governo das embarcações nos canais de acesso à Lagoa dos Patos poderá tornar -se extremamente difícil sob ventos fortes para navios com grande superfície vélica. Os práticos da Lagoa dos Patos desaconselham a navegação nos canais se os ventos forem superiores a 20 nós. Nestas situações, normalmente, o navio aguardará fundeado a melhoria das condições meteorológicas. Para as embarcações com mais de 85m de comprimento entre perpendiculares a navegação nos canais artificiais é permitida apenas no período compreendido entre o nascer e o pôr -do-Sol. Em vista disso, os comandantes destas embarcações devem gerenciar adequadamente a navegação, já que na Lagoa dos Patos (da Feitoria à barra do Rio Guaíba) a navegação é permitida no período noturno. A ultrapassagem nos canais artificiais é proibida, po r isso, é aconselhável que as embarcações que desenvolvem maior velocidade sejam as primeiras a demandarem os canais de acesso. A praticagem realiza importante serviço de controle de tráfego, porém, este trabalho se limita aos navios que utilizam os seus serviços. É aconselhável que se organize um sistema de controle de tráfego mais abrangente nesta hidrovia para garantir efetivamente a segurança e prevenção de poluição. Há bons exemplos de sistemas de controle de tráfego hoje operacionais em diversos países. Este sistema é eficiente e utiliza bases de radar em terra com acompanhamento dos navios em tempo real, integração com informações do AIS, além de notificações periódicas do prático ou comandante da embarcação em pontos determinados e um sistema de balizamento eficiente. Há sistemas de controle de tráfego mais modestos, que utilizam apenas a notificação via rádio VHF em pontos determinados e uma estação de controle em terra gerenciando o tráfego. Um sistema de controle de tráfego de embarcações é extremamente importante, pois agrega segurança ao tráfego, possibilita o monitoramento do balizamento e otimização da programação das operações

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 14

portuárias. Também em caso de visibilidade restrita, como a ocorrência de nevoeiro de irradiação, comum na região da L agoa dos Patos, a existência de um VTS (Vessel Traffic System) possibilita a redução dos atrasos. Da barra do Rio Guaíba até Porto Alegre a navegação totaliza 29,7 milhas através de canais naturais e de canais dragados. A maior parte dos navios, impossibilitada de navegar durante o período noturno, suspenderá o ferro ao amanhecer para demandar os canais. Na barra do Rio Guaíba destaca-se o farol de Itapuã, localizado na margem leste do canal, na área do Parque Estadual de Itapuã, última amostra dos ecossistemas originais da Regiã o Metropolitana de Porto Alegre . No final da década de 1990, o balizamento foi paulatinamente melhorado, com a instalação de vários faroletes em lugar das antigas bóias cegas, dentro do projeto da Superintendência de Portos e Hidrovias - SPH de possibilitar a
navegação noturna nos canais artificiais entre Porto Alegre e Rio Gran de. É

conveniente considerar que a implantação da navegação noturna nos canais pode ser acompanhada de treinamento dos profissionais que atuam nesta área, com o objetivo de melhorar ainda mais a segurança da navegação. O Brasil conta hoje com modernos simuladores de manobra de navio disponíveis, como o simulador instalado na Escola de Formação de Oficiais da Marinha Mercante ± EFOMM no Centro de Instrução Almirante Graça Aranha no Rio de Janeiro, que possibilita a simulação tanto do navio quanto da área a s er navegada. Nos canais que levam ao rio Jacuí e terminal Santa Clara, nas proximidades de Porto Alegre, a principal área com restrição à navegação é o chamado ³Canal do Furadinho´, um canal estreito que pode apresentar assoreamento e representar risco, pr incipalmente no período de águas baixas . Em Porto Alegre, a ponte rodoviária móvel Getúlio Vargas limita a passagem à embarcações com comprimento entre perpendiculares máximo de 150 metros, altura (calado aéreo) máximo de 35 metros e largura máxima de 40 metros. Embarcações com comprimento entre perpendiculares de 85m a

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 15

150m e embarcações que transportam cargas perigosas não podem trafegar sob o vão móvel no período entre o pôr e o nascer do Sol. A maior parte das embarcações fluviais não sofrem restriçõe s ao tráfego sob a ponte móvel, exceto as embarcações destinadas ao transporte de produtos perigosos, como gás liquefeito, derivados de petróleo e produtos químicos.

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 16

Aspectos Ambientais

A Lagoa dos Patos e o seu estuário estiveram sujeito a impactos ambientais variados durante as últimas décadas, como lançamento de dejetos urbanos e lixo, construções sobre a margem da Lagoa, dragagem e outros. É importante ressaltar que os navios nacionai s e estrangeiros utilizados na navegação de longo curso e cabotagem estão sujeitos a regras rígidas de prevenção da poluição, contidas na convenção internacional MARPOL, Lei n°. 9966 de 28 de abril de 2000 e Decreto n°. 4136 de 20 de fevereiro de 2002, além de várias resoluções da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e ao controle pela Marinha do Brasil. Esse controle abrange regras de prevenção da poluição das águas por óleo, por substâncias líquidas nocivas, por substâncias perigosas embaladas, por esgoto sanitário, por lixo e também a poluição do ar por navios. No início dos anos 2000 , o gerenciamento da água de lastro de embarcações, com a finalidade de evitar a contaminação por organismos estranhos ao meio, já era fiscalizado pela ANVISA dentro de um programa mundial desenvolvido pela Organização Marítima Mundial (IMO), do qual o Brasil participa va. Esse programa veio a tornar -se também uma convenção internacional. O gerenciamento de resíduos sólidos nos portos brasileiros foi objeto de estudo de um grupo técnico formado pela Anvisa, o Ministério do Meio Ambiente e o Ministério da Agricultura, pecuária e abastecimento no ano de 2002; com o objetivo de uniformizar procedimentos para essas atividades. Nos terminais das áreas de Rio Grande e Porto Alegre os serviços de recolhimento de lixo e efluentes oleosos de embarcações ainda são deficientes, em sua maioria. O terminal de Santa Clara (COPESUL) oferece facilidades para coleta de lixo segregado e recepção de resíduos oleosos utilizando recursos do próprio terminal. Na maior parte dos terminais, contudo, a inexistência de serviços adequados ou a falta de concorrência torna este serviço um dos mais caros do país. Em Rio Grande não há sistema de coleta de lixo proveniente de navios devido falta de local adequado para destinação final dos resíduos. A Lei do Óleo, que dispõe sobre a prevenção, o controle e a

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 17

fiscalização da poluição causada não apenas por óleo, mas também por lixo e substâncias nocivas e perigosas requer que os terminais e portos o rganizados disponham de instalações ou meios adequados para o recebimento e tratamento dos diversos tipos de resíduos. Em alguns casos, o cumprimento dos dispositivos que regulamentam o gerenciamento de resíduos depende de ações e investimento por parte do s municípios. No escopo governamental, destaca -se o Programa Mar de Dentro, um programa do Governo do Estado do Rio Grande do Sul que visa o desenvolvimento ecologicamente sustentável, a recuperação e o gerenciamento ambiental das Bacias Hidrográficas Cam aquã, Mirim-São Gonçalo e Litoral-Médio, da Região Hidrográfica Litorânea. Criado através do Decreto Estadual Nº 35.237 de 06 de maio de 1994, passou por reformul ações nos governos subseqüentes. A área de abrangência do programa compreende quase a totalidade da Região Hidrográfica Litorânea, com exceção de parte do Litoral Norte. A população total atingida pelo P rograma era de aproximadamente 1.100.000 pessoas em 2001, distribuída em cinqüenta municípios, cuja maioria está localizada na metade sul do Estado do Rio Grande do Sul.

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 18

onclusão

Foram apresentados neste trabalho fatos históricos importantes que determinaram o modelo de desenvolvimento da navegação na Lagoa dos Patos. Em seguida, o autor apresentou o cenário atual da estrutura dos portos e terminais localizados nesta hidrovia. Aspectos técnicos da segurança da navegação e prevenção da poluição do meio ambiente foram também descritos, juntamente com sugestões para o desenvolvimento das condições de tráfego desta hidrovia. Procurou-se mostrar que o desenvolvimento da navegação na Lagoa dos Patos depende de investimento s, tais como a implantação de um sistema efetivo de controle do tráfego que aumente a segurança da navegação, principalmente para permitir a navegação em quaisquer condições de tempo e no período noturno. Um sistema de controle de tráfego é também importante no campo ambiental, pois o aumento da segurança da navegação ocasionará uma redução dos riscos de acidentes e possibilitará uma rápida identificação de anormalidade e uma resposta mais eficiente.

A Navegação na Lagoa dos Patos Carlos Augusto Müller 2003 Pag. 19

Bibliografia:

ALMEIDA, Geraldo (2001), ³Praticagem da Lagoa dos Patos´, entrevista à RBS TV. ANTAQ, Agência Nacional de Transportes Aquaviários (2001), ³Anuário Estatístico Portuário ± 2001´, Brasília, Brasil. ASSIS, Kleber Borges (1960), ³O rio que não é rio´. Livraria do Globo, Porto Alegre. BRASIL, Ministério da Defesa, Comando da Marinha (2000), ³Normas da Autoridade Marítima ± NORMAM - 12´, Brasília. BRASIL, ³Lei n°. 9966 de 28 de abril de 2000´, Brasília CARNEIRO, Lígia Gomes (2000), ³Revolução Farroupilha´, Porto Alegre, RS Virtual. CÉSAR, Guilhermino (1970), ³História do Rio Grande do Sul: período colonial´, Porto Alegre, Editora Globo. CLOSS, D. (1965), ³New observations on the ecological subdivision of the Patos Lagoon in southern Brazil´, Bol. I.C.N. 25. DNH - Diretoria de Hidrografia e Navegação (ed.) (1994), ³Roteiro Costa Sul´, Rio de janeiro, DHN FERNANDES, Elisa Helena Leão; DYER, Keith Richard; MOLLER JR, Osmar Olinto; NIENCHESKI, Luis Felipe Hax. (2002), ³The Patos Lagoon Hydrodynamics during an El Niño event (1998)´. No prelo. Continental Shelf Research, England. KANTIN, R. (1983), ³Hydrologie et qualité des eaux de la region sud de la Lagune dos Patos (Brasil) et de la plataforme continental adjacente´. These de Doctorat d'Etat et Sciences, Université de Bordeaux I, France. MARTINS LIVREIRO (ed). (1983), ³História Popular do Rio Grande do Sul´, 3.ed., Porto Alegre, Martins Livreiro . QUEVEDO, Júlio e TAMANQUEVIS, José C. (1990), ³RIO GRANDE DO SUL: aspetos da História. 2.ed.´, Porto Alegre, Martins Livreiro. SPALDING, Walter. (1967), ³Pequena História de Porto Alegre´, Porto Alegre, Sulina .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->