Você está na página 1de 1

Como tornar-se maníaco-depressivo – J.L.

Pio Abreu

(…) Se for para começar com uma depressão, aconselho o fim da


primavera, quando todas as outras pessoas começam a renascer com o sol, a
olhar para si próprios e para os outros. Nessa altura, e contra a corrente, é a
ocasião de você se declarar inimigo do sol.Tranque-se em casa e feche todas
as janelas e persianas. Se tiver de se levantar de manhã, faça o mais
tardiamente possível essa tentativa derradeira, mas reconhecendo que a sua
disposição para se levantar não é grande. Para isso arranje qualquer pretexto
menor, alguém que não o tratou como merecia, que não o cumprimentou,
qualquer contratempo assim (…) Além de evitar os encontros banais, comece a
faltar aos compromissos importantes. Esteja-se nas tintas para tudo, que
alguém cuidará de si.

(…) Ao sentir-se assim, já se encontra tão dessincronizado que o seu


organismo reage com a hibernação. (…) O seu relógio corporal está agora
caótico e você merece o diagnóstico de depressão major com melancolia. Para
acrescentar o máximo da graduação (com componente psicótico), basta sair
um pouco da realidade e supor, por exemplo, que apodreceu, que está mesmo
morto e esperando pelo enterro (os especialistas chamam a isto delírio de
Cotard)

(…) Toma as decisões mais temerárias no que respeita ao amor, profissão ou


aos negócios. Até é natural que as coisas lhe corram bem. Se correrem mal,
você nem tem tempo para pensar nisso, uma vez que está sempre a passar de
uma iniciativa para outra. Fala sem parar, de tal modo que, apesar de uma boa
memória, já não se consegue lembrar do que disse antes. Tudo isto sem dormir
(…) a sua energia, que esteve adormecida na depressão, é agora cada vez
maior (…) A sexualidade, também em roda livre, não conhece quaisquer freios.
È a altura das grandes realizações, de pôr em acção as mais escondidas
fantasias. Pode fazer discursos às massas atónitas debaixo da sua janela,
exibir-se como espontâneo num espectáculo de ópera ou tentar roubar um
submarino da Marinha.

(…) O resto da sua carreira depende do modo como vai lidar com estes
medicamentos. Imagine que existem pessoas que, tratadas adequadamente e
aceitando o tratamento, apenas têm uma destas fases durante toda a vida que,
em todos os aspectos, se torna normal ou bem sucedida. Não foi certamente
para isso que leu este livro e, portanto, vamos ao resto.