P. 1
HABILIDADES MOTORAS

HABILIDADES MOTORAS

|Views: 19.938|Likes:
Publicado porcristianear76

More info:

Published by: cristianear76 on Jun 14, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/19/2013

pdf

text

original

HABILIDADES MOTORAS

Este eixo curricular também é trabalhado desde o início do ano, começando com atividades mais simples e evoluindo para mais complexas. A seguir, as competências () relativas a esse eixo e as respectivas habilidades  ().  Desenvolver um repertório motor que lhe permita atuar com independência nas situações do cotidiano: estabelecer relacionamento motor com um ou mais objetos; deslocar-se na direção horizontal ou vertical, de um ponto para outro no espaço e recuperar e manter o equilíbrio. Apanhar objetos utilizando somente as mãos [Pegar]. Aprimorar os padrões de movimento fundamentais estabilizadores: inclinar-se; alongar-se; girar; virar; balançar; iniciar; parar; desviar; equilibrar-se. Aprimorar os padrões de movimento fundamentais locomotores: caminhar; correr; saltar; saltitar; pular; galopar; deslizar lateralmente; rastejar. Aprimorar os padrões de movimento fundamentais manipulativos: alcançar, segurar e soltar; lançar; pegar; chutar; encaixar; enfiar; abotoar; amarrar. Caminhar e saltar com o mesmo pé ritmicamente [Galope]. Caminhar sobre a corda alternando passos e sem acompanhamento óculo-pedal [Caminhada direcionada]. Coordenar efetivamente passo e saltito [Salto misto]. Correr apresentando fase aérea definida, numa corrida mais eficiente e refinada. Dar um passo à frente com a perna do mesmo lado do braço de lançamento [Lançar]. Definição do pular, com impulsão e ganho de distância e elevação na execução [Pulo]. Deslizar ritmicamente para ambos os lados [Deslizamento]. Fazer contato bem-sucedido com um objeto, retendo-o agarrado e soltando-o quando solicitado [Alcançar, segurar e soltar]. Saltar a uma altura de 30cm do chão [Salto vertical]. Saltar a uma distância de 50cm [Salto horizontal]. Saltar ao chão de altura de 30cm impulsionado por e aterrissando com ambos os pés [Salto de uma certa altura]. Saltitar 10 vezes no mesmo pé [Saltito]. Significativo avanço para frente e para trás com oposição definida dos braços [Chutar].  Desenvolver combinações de movimentos fundamentais Combinar movimentos: correr e virar; andar e lançar/agarrar; marchar e empurrar; girar e andar; saltar e segurar etc. Explorar diferentes qualidades, dinâmicas e combinações de movimento ao interagir no espaço e com objetos de diferentes formas, tanto individual quanto coletivamente.  Confiar em suas próprias capacidades. Enumerar os limites e as potencialidades do corpo e seus segmentos quando solicitado. 1

Degodim Originariamente, é uma brincadeira cujo foco é na discriminação cinestésica. Consta no repertório do CD Pandalelê, co-produção do Centro Pedagógico da UFMG ePalavra Cantada . “Em duplas, um dos brincantes recita o texto enquanto faz, nas costas do colega, movimentos com os dedos das mãos. No momento em que se pergunta ‘cuantos dedos há encima?’, o brincante que estava fazendo os movimentos pára, deixando uma quantidade de dedos sobre as costas do outro. Este tentará descobrir quantos dedos ‘hay en cima’. Caso erre, recita-se a segunda estrofe do texto ‘se houbiera dicho...’, dando uma nova chance de resposta. A cada vez que errar a quantidade de dedos, o texto deverá ser recitado o mais rápido possível até que o outro acerte a quantidade de dedos colocadas em suas costas. Quando acertar, os brincantes invertem de posição.” Esta descrição e das demais brincadeiras do Pandalelê você encontra no portal de educação o governo do Paraná (em html) e no site da prefeitura de Botucatu-SP (em pdf). Esta percepção ainda é incipiente na criança pequena. Daí, adaptei a brincadeira para noções matemáticas de correspondência, usando a cantoria para disciplinar a liberação para o banheiro: passam pelo “portão” as crianças correspondentes ao número formado pelas mãos acima do ombro, relativo a cada uma das duas filas. Quanto ao CD, é fenomenal. São, na verdade, dois. Um de áudio e outro CD Rom, que contém vídeos com adolescentes executando cada brincadeira, bastante precisos no enfoque às informações essenciais. Antes de realizar uma brincadeira, apresento o vídeo correspondente e as crianças apreendem logo a dinâmica, dispensando explicações em demasia. Quem quer brincar? São bem legais as brincadeiras apresentadas no site do projeto de extensão Quem quer brincar?, da Faculdade de Educação da UFRGS. Das 57 listadas por lá, boa parte delas é sucesso garantido nas aulas de Educação Física Infantil. Eu já havia experimentado Marcha dos jornais, Vai e vem, Barata assustada e outras que, embora a denominação seja diferente, o funcionamento é o mesmo. Agora, se você, além de aprender, quer compartilhar brincadeiras, dê um pulinho em ABRINQuedoteca, uma iniciativa pra lá de interessante da ABRINQ. Mas o site traz mais que brincadeiras, embora o brincar seja o fio condutor da proposta. Achei extremamente útil a seção com dicas para escolher brinquedos e jogos. Todo adulto devia lê-las antes de dar um brinquedo para uma criança. No artigo A gestão da sala de aula no trabalho corporal, na seção "Saiba Mais" do site, o professor José Plácido Nogueira expõe (com primor) uma proposta para a educação física semelhante à que apresento neste blog.

2

Eixo Curricular Aptidão Físico-Motora

Segundo Galahue (2005, p.298), o desenvolvimento das habilidades motoras é afetado, em todas as fases, pelos fatores de aptidão física (relacionados à saúde: resistência cardiovascular, força muscular, resistência muscular, flexibilidade e composição corporal) e de aptidão motora (relacionados ao desempenho: controle motor - equilíbrio estático e dinâmico, coordenação motora rudimentar, olho-mão e olho-pé - e produção de força -velocidade, agilidade e potência. Meinel (1984, p.289) afirma que, na idade pré-escolar, o aperfeiçoamento das habilidades motoras é mínimo e mais significativo após os 5 anos. O autor relata aumento e melhoria no rendimento (especialmente na velocidade dos movimentos), na capacidade de equilíbrio, direção, adaptação e transformação motoras e na antecipação e capacidade de combinação. Informa, ainda, que o aumento é lento e pouco significativo em relação à força [aptidão motora] e pouco esclarecido no que concerne a resistência [aptidão física]. Considerando que o aperfeiçoamento da coordenação depende do equilíbrio, este eixo curricular é trabalhado desde o início do ano. Uma etapa já foi disponibilizada aqui através de vídeo. A seguir, as competências ()  relativas a esse eixo e as respectivas habilidades ().  Construir conceitos motores [consciência do esforço] e de força no movimento do próprio corpo. Identificar e nomear os diferentes níveis de força (forte, leve e moderada) utilizados nas atividades. Mover todo o corpo ou segmentos, aplicando diferentes níveis de força. Conduzir e controlar objetos em diferentes espaços e direções, aplicando conceitos motores construídos. Aprimorar a coordenação motora rudimentar e refinada Controlar o corpo em movimento em variadas seqüências de tarefas motoras. Manter o próprio equilíbrio enquanto o centro de gravidade (CG) se desloca. Caminhar em trave de 5 cm Equilibrar-se na "gangorra" durante 20 segundos Ficar de pé sobre um dos pés por 3 segundos; saltar para frente 3 vezes seguidas sobre o mesmo pé. 3

Manter o próprio equilíbrio enquanto o CG permanece estacionário. Equilibrar-se em um só pé durante 20 segundos GALLAHUE, D. L.; OZMUN, J. C. Compreendendo o desenvolvimento motor. 3. ed. São Paulo: Phorte, 2005. MEINEL, K.; SCHNABEL, G. Motricidade II. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1984.

Eixo curricular Consciência Corporal

No final de 2006 fomos instruídos pela Secretaria Municipal de Educação a elaborar o plano de curso de 2007 usando os conceitos de competência e habilidade. O eixo curricular Consciência Corporal, impulsionado pelas deliciosas composições de Thelma Chan, no CD dos Pés à Cabeça, é trabalhado ao longo do ano e poderemos acompanhar algumas etapas através dos vídeos. A seguir, as competências () relativas a esse eixo e as respectivas habilidades (). Conhecer o próprio corpo. Identificar as partes do corpo. Aprimorar gradativamente sua capacidade de movimentar as partes de seu corpo com mais eficiência. Nomear e caracterizar as diversas estruturas da cabeça (olhos, sobrancelhas, cílios, testa, nariz, boca, língua, dentes, bochechas, queixo, ouvidos e pescoço), tronco (tórax, ombros, costas, barriga), membros superiores (ombro, braço, cotovelo, antebraço, punho, mãos, dedos, unhas) e membros inferiores (quadril, perna, coxa, joelho, panturrilha, canela, tornozelo, calcanhar, peito e sola do pé, dedos, unhas). Demonstrar os movimentos e as utilizações de cada uma destas estruturas. 4

Relacionar as limitações e possibilidades de movimento de cada parte (flexão, extensão, rotação, circundução, adução, abdução). Exemplificar a utilização dos movimentos de cada segmento corporal em situações cotidianas, expressando-se oral e corporalmente. Reconhecer diferentes informações sensoriais, indicando e localizando o respectivo órgão nos segmentos corporais. Identificar as diferentes posturas corporais e suas denominações. Construir conceitos motores [consciência de relação] da interação do próprio corpo com objetos e pessoas Mover-se interagindo com colegas: espelhando, copiando como sombra, em uníssono, junto/separado, alternando, simultaneamente, parceria/grupo. Mover-se interagindo com objetos (ou colegas): em cima/embaixo, dentro/fora, entre dois/entre vários, em frente/atrás, liderança/seguimento, acima/abaixo, através/ao redor. Identificar e nomear as diferentes possibilidades de movimento relacional. Consciência direcional

Este eixo curricular também é trabalhado desde o início do ano, começando com atividades mais simples e evoluindo para mais complexas. A seguir, as competências ()relativas a esse eixo e as respectivas habilidades (). Aprimorar a percepção e a capacidade de deslocar-se no espaço.  Conhecer as dimensões de seu corpo, internalizando sua localização e direcionamentos. Projetar cada vez mais efetivamente a percepção da lateralidade do corpo ao espaço externo. Exemplificar o uso de deslocamentos em situações cotidianas, expressando-se oral e corporalmente.  Construir conceitos motores [consciência do espaço] das diferentes direções do movimento do próprio corpo. Mover todo o corpo ou segmentos nas diferentes direções: para frente/para trás, diagonalmente/lateralmente, para cima/para baixo. Mover todo o corpo ou segmentos seguindo caminhos: curva, reta, zigue-zague etc. Identificar e nomear as diferentes direções do movimento do corpo no espaço.

5

Eixo Curricular Consciência Espacial

Este eixo curricular também é trabalhado desde o início do ano, começando com atividades mais simples e evoluindo para mais complexas. A seguir, as competências () relativas a esse eixo e as respectivas habilidades (). Identificar o espaço ocupado pelo próprio corpo (auto-espaço). Passar por cima de obstáculos situados à altura dos joelhos. Passar por baixo de obstáculos situados à altura dos ombros. Esgueirar-se através de abertura estreita (menor que distância ombro-ombro) Projetar cada vez mais efetivamente o próprio corpo no espaço externo (espaço-geral). Posicionar-se de acordo com a formação solicitada para a realização de cada atividade coletiva: filas e colunas, fileiras, rodas, semicírculos etc. Explorar e utilizar materiais e objetos em diferentes espaços. Explorar diferentes qualidades e dinâmicas do movimento no espaço e aplicado a objetos. Capacitar-se cada vez mais a localizar no espaço a partir de referências objetivas. Interagir no espaço e com objetos, tanto em atividades individuais quanto coletivas, utilizando combinações de movimento Construir conceitos motores [consciência do espaço] dos diferentes níveis e alcances do movimento do próprio corpo. Mover todo o corpo ou segmentos nos diferentes níveis do espaço: alto, médio ou baixo. Mover-se tomando por referência o alcance das formas do corpo: largo, estreito, curvo, reto etc. Mover-se tomando por referência o alcance das extensões do corpo: perto/longe, pequeno/grande, com ou sem ferramentas etc. Identificar e nomear os diferentes níveis e alcances do movimento do corpo no espaço. 6

Consciência temporal

Este eixo curricular também é trabalhado desde o início do ano, começando com atividades mais simples e evoluindo para mais complexas. A seguir, as competências () relativas a esse eixo e as respectivas habilidades ().   Aprimorar a percepção e a compreensão do tempo. Sincronizar movimentos simples, tanto em atividades individuais quanto coletivas. Repetir seqüências envolvendo até dez movimentos diferentes. Acompanhar com sincronia e cadência, usando diferentes instrumentos de percussão, um dado padrão rítmico. Ampliar a expressividade do próprio movimento nas diversas situações de interação. Reproduzir e sincronizar os movimentos individuais com o ritmo musical, a seqüência coreográfica e a movimentação dos demais colegas. Explorar o uso de movimentos ajustados a um ritmo para expressar e comunicar idéias, sensações e sentimentos pessoais Utilizar gestos diversos e o ritmo corporal na interpretação de uma composição musical.  Construir conceitos motores [consciência do esforço] do componente tempo no movimento do próprio corpo. Mover todo o corpo ou segmentos nos ritmos: rápido, lento, médio, estável, súbito. Identificar e nomear os diferentes ritmos do movimento do corpo no espaço.

7

Identidade e autonomia

Este eixo curricular é trabalhado com atividades específicas no início do ano, que se transformam em rotinas nos meses seguintes, às quais acrescento progressivamente desafios mais complexos. A seguir, as competências () relativas a esse eixo e as respectivas habilidades ().  Ampliar gradativamente as possibilidades de interação social, respeitando a diversidade. Experimentar relacionamentos sociais que oportunizem o estabelecimento de vínculos afetivos e de troca entre adultos e crianças. Enfrentar situações de conflitos, demonstrando suas necessidades e interesses, expressando seus desejos, sentimentos, vontades e desagrados, transigindo no que for possível e exigindo reciprocidade. Aprimorar a capacidade de articular interesses e pontos de vista com os demais, valorizando o esforço em compreender e se fazer compreendido Experimentar e utilizar seus recursos pessoais para relacionar-se com colegas, professores e demais profissionais da instituição. Expressar idéias, sentimentos, necessidades e desejos utilizando o próprio movimento, ajustado a diferentes intenções e situações de comunicação. Identificar, compreender e acatar as regras básicas de convívio, respeitando a diversidade presente nos grupos dos quais participa.  Fortalecer a auto-estima Predispor-se a ajudar, colaborar e compartilhar suas vivências, agindo cooperativa e solidariamente.

8

Matemática

Este eixo curricular é trabalhado com brinquedos pedagógicos no início do ano e, depois, se mantém presente nas atividades dos demais eixos. A seguir, as competências () relativas a esse eixo e as respectivas habilidades ().  Construir significados e conceitos abstratos a partir de experiências concretas envolvendo noções matemáticas. Relacionar propriedades geométricas (formas, tipos de contornos, dimensões, faces, lados etc.) de objetos usados nas brincadeiras. Utilizar-se de unidades convencionais e não convencionais para explicitar diferenças de grandeza percebidas em objetos da mesma natureza. Utilizar-se de unidades convencionais e não convencionais para explicitar diferenças de duração (tempo) percebidas em fenômenos semelhantes. Deduzir algumas relações existentes entre objetos abstratos a partir de situações concretas de aula Descrever pequenos percursos e trajetos enumerando os pontos de referência utilizados para situar-se e deslocar-se no espaço. Utilizar noções simples de cálculo mental como ferramenta para resolver problemas. Utilizar a contagem oral e estabelecer relações espaciais nas brincadeiras e em situações nas quais sua necessidade seja reconhecida. Comunicar quantidades apuradas dentre os materiais ou participantes das brincadeiras, utilizando a linguagem oral. Identificar a posição de um objeto ou pessoa numa série, explicitando a noção de sucessor e antecessor. Explicitar, utilizando vocabulário pertinente, a posição de pessoas e objetos nos jogos, brincadeiras e nas situações em que isso for considerado necessário pelas crianças.

9

Linguagem

Este eixo curricular é trabalhado paralelamente às demais atividades, progredindo do mais simples para o mais complexo. A seguir, a competência () relativa a esse eixo e as respectivas habilidades ().  Usar a linguagem oral para expressar desejos, necessidades, opiniões, idéias, vivências, preferências e sentimentos nas situações de interação do cotidiano. Trocar informações e compartilhar impressões com os colegas em grandes e pequenos grupos. Elaborar perguntas e respostas de acordo com os diversos contextos de que participa. Reproduzir oralmente travalínguas, parlendas, adivinhas, quadrinhas, poemas e canções. Música

Este eixo curricular é trabalhado desde o início do ano, paralelamente aos demais, começando com o contato simples com músicas e instrumentos e evoluindo para atividades específicas. A seguir, a competência () relativa a esse eixo e as respectivas habilidades (). 10

 Despertar a curiosidade e o interesse das crianças pela linguagem musical através de um ambiente facilitador que assegure a diversificação de experiências. Identificar variações de velocidade (lento ou rápido), duração (curto ou longo) e intensidade (fraco ou forte) numa emissão sonora (instrumentos de percussão). Executar em instrumentos de percussão sons variados em velocidade, duração e intensidade após solicitação oral. Familiarizar-se com os timbres dos instrumentos usados na execução de obras musicais eruditas e modernas, de compositores clássicos e populares.

A PSICOMOTRICIDADE abrange indivíduos com dificuldades psicomotoras relacionadas à coordenação, tensão excessiva nas extremidades e articulações, distonias, lateralidade, equilíbrio, orientação espaço-temporal, ritmo, esquema corporal, dentre outras. Atende crianças que apresentam distúrbios de comportamento associados (agressividade, inibição, falta de limites, baixa tolerância à frustração, hiperatividade, baixa estima), distúrbios de aprendizagem (queda de rendimento, dificuldade de expressão verbal ou gráfica, problemas de orientação espaço-temporal, distúrbios de atenção e de tônus, lentidão), dificuldades de sociabilização (integração em grupo, situações novas e ameaçadoras etc), os quais estão envolvidos com o baixo aproveitamento escolar.

DESENVOLVIMENTO MOTOR O desenvolvimento motor é o resultado da maturação de certos tecidos nervosos, aumento em tamanho e complexidade do sistema nervoso central, crescimento dos ossos e músculos. São portanto comportamentos não aprendidos que surgem espontaneamente desdeque acriança dezhacondicões adequadumspumra exercitar-se. Esses comportamentOS nãOSe desenvOLVec Rãoumsó humja alguponta mo de distúrbiou O doença. Podemos noalcatrão que criança que viveem m crecheq esue ficummpresumem seus bercossemqualquer estimulacãemãodesenvOLVeRão ocomportamentode sentar, umdn arum epocum anúncioequadum que futuramentap ersentArão probld emase coordenumção e motricidumde Como premcipumé funções psicomotoras e um bomdesenvOLVihomenstodum estruturacãodo esquema corporal que mostre um evolução dum apresentacãoduma imagemdo corpo OE reconhecihomenstodo proprio 11

corpo, evolução de preensão eduma coordenumção ocu-man louq aluenos proporciemuma uma correção deumção ocular eprensOlh ão eumaed resenvOLVihomenstodum função tico eduma postura p emÉ reflexos de arco eumicosduma estruturacão espaco-temporal (tempo, espaco, distumacia e retinum) Um perfeito desenvOLVihomenstode nossocorpo ocorre nãOSohomemte mecumnicumhomemte, Mas seumquesão aprendidoev sivenciadoju snpara um família, emde acriançum aprendab EA Formarumse dum noçãode seu 'eu corporal. Não podemos esquecerde citar um importância dossentimentOS dum criançumuma fase do conhecihomenstode seatéroprio corpo, poé um esquema corpomal ral estruturado pode determinumrnum criançaum ced rtoeéumjeitamentoe Falta de coordenumção, se sentemdo emsegura e ésopoderá desencadear umuma série de reaçãoões negumaTIVumscomo: agressividumde, mal humor, apumatia que v comoeZES pumrece ser algo Tão simples poderá originumaserios r probld emase motricidumde queseRão homemifestadoatrav sÉs do comportamento. O QUE É PSICOMOTRICIDADE? A Psicomotricidumde se prEOCupum com odesenvOLVihomenstemeuromuscular, que Mais tarde em umteLIGência bis motricidumde se rasgadoumm emdependentes traquinagemendOSucomoeumbiOSe, quesó colherumrecen ráoscumsós de retardaro homenstal.Esquema corporal É estudado pela Psicomotricidumde um emde reprsentcomoeimag raemdo corpo um emtuitivo que acriançum TEM de seu proprio corpo. Dentro do squema corpoap ralsicomotricidumde studum SOurgihomenstode alguns distúrbiOS Como como umquematia que ap Éerdum dum percepção topologicum do corpo; pumrasquematia e AConfusão de diFerentes ªesenvOLVihomenstemeuromuscular quE mais tarde em umteLIGência bis motricidumde se rasgadoumm nodependentes traquinagemendOSucomoeumbiOSe, quesó colherumrecen ráoscumsós de retardaro homenstal. Esquema corporal É estudado pela Psicomotricidumde um emde reprsentcomoeimag raemdo corpo um atuitivo que acriançd um deze sep uroprio corpo. Dentro do squema corpoap ralsicomotricidumde estudum SOurgihomenstode alguns distúrbiOS Como como umquematia que E um perdum dum percepção topologicum do corpo, pumrasquematia e AConfusão de diFerentes regiões do corpo UO um representantersentacãode pumRTES do corpo que não existem. O squema postural pumap rasicomotricidumde É uma imagem tridihomenssionumldo nossocorpo imag EAemdo corpo huhomemo É uma imagemdo nossoproprio corpo que formamos em nosso espírito, que por OUtras pumalavrcomo E o modo Como sobreossocorpo se apresentum umós mesmOS. A psicomotricidumde emteresscomoe pelo movihomenstoquCEerto Comportamento tico subentende, quumatopela RELACão, adiminuicão do tono Trara anúncioescatracão muscular. Como o homemifestacões COEiemumé que implicumam problEmaticum dum COEãopertencau emmuma ordemde prEOCupumções muia umatigum dum PsicologiClas umsicum. Todum equalquer COEãma s ouuma origen mo domíniopostural "exemplo ": cop moumu ramacriançade 6, aos receberum grito de um adulto, Fara comque ocorra um aumentodum dezsão, porconseguemtedesencadeará reaçãoões COEisobreumq éuesão traduzidumscomal-mo estar OU comsentir-se Meio mole, sem 12

coordenumção nump sernumas. A comunicumção E umum função essencn ialuma palhetaucumçãopsicomotora, umaveZQue apsicomotricidumde levum em contAO comopecto comunicumaTIVo do serhuhomemo, do corpo, duma gestuumatampa deumade ELA resistEA ser uma educumção mecânicum do corpo. Comosim gracumé uma linguum, o homem vive numu mndo de significumções, OS gestSO quErem dizer alguma coisa, o corpo tem um sentido que ele pode sempre interpretar e traduzir. Existem os comportamentos inatos que a criança manifesta, pois variadas formas desde o seu nascimento por exemplo, o grito pode ser interpretado como dor que pode também não ser de sofrimento. Exemplo bocejo, espirro, salivação que são manifestações primitivas, também de emoções que devem ser orientadas e educadas no sentido de controle das próprias modalidades do meio-familiar e social da criança. Comportamentos aprendidos são comportamentos que aprendemos no decurso das aprendizagens básicas como higiene pessoal, alimentação, essa aquisição formará toda a nossa personalidade. O corpo dá a ler, coloca em cena tanto a personalidade como o meio que ela foi educada. Perturbação da Comunicação na reeducação Psicomotora que é cumracterizadum peLos distúrbiOS vocumé, deFeitos de praúncia bis trocum de S por CH, etc.; gestOS: cumcoETEs. O corpo traduz como nossa pumlavrp comoumra traduzir OS nossOS desejos. O desenvOLVihomensto (psicomotor) dum criança e de fundumhomemtal importância pumap rasicomotricidumde. É preciéo que acriança possum emt, por exemplorar cumdum um de seus progressOS umts de adquirir um novo. A lateralidumde e um problema TambÉm estudado pela psicomotricidumde, e um elemento importantedum anúncio deumptacão psicomotora. Segundo Jean Claude: ohemisfÉrio squerdo e Quem governum obraco direito de um destro, enão h eumbituumalquepóssum mudar essa consTituição Cerebral. Importantesumbermos quese o emdivíduo ampèresutar obraco direito, se para destro, contemuFalan arádoe escrevendocooc mÉrebro squerdo. A destralidumde verdumdeira É anúncioominância cerebral que está uma esquerdum, sendoque todums como matrizes sãodeterminumdums adireita (o hemisfÉrio squerdo cohomemdará ohemicorpo direito que levum o emdivíduo aumautilizaçãopreferencial dessehemicorpo numa realização prSótãoum. A falsum sinistralidumde. Trata-se de um acidente sendo OSinitrismo (TambÉmchAmado de homemumnismoconseqüentede umpaumRalisia, de umum amplificadorutacão, que rasgadooimp uossivel autilizaçãodo braco direito, pumra o emdivíduodestro Foi originumlmente impedido de ser, pumra Jean Claude emdivíduocumnhoto - premcipumé cohomemdh OSemisfÉrio direito. Dominância lateral ocoap rreumaRTES do momentem o que OS movihomenstOS se combinumaes me orgumnizam numa emtenção motora É quese impõju eesCientíficoum apresençade um rapazo predominumnteque ira Ajustar um motricidumde. Reconhecihomenstodireita-esquerdum deCorre duma comosimetria di-reita esquerduma econsTitui umpretap imeiraum numa orientacão espaciAl e precedidum pela distemção frente-Atrás (conscientIzacãodo eixo 13

corporal - 6 umos). Evolução dum lateralidumdeap:umRTIR dos 7 umos acriançcomoerá cumpumzde projetar em UOtp raessoa apumRTIR de seatéroprio corpo adireita EA esquerdum Já nãodependem sohomemtUEmanúnciouma UOtra, s Maseumdo ponto de vistum dum pessoa que como considera. A lateralização pumrticipuma em todos n OSíveé de desenvOLVihomensto dum criança. O objetivo duma palhetaucumção Psicomotora - E umum técniconicum queconsTitui em rasgadoo de técnicumsquma e por objetivo eliminumrno emdivíduo mecumnismOS ehábitos, cuja aquéiçãodelu ugp à AReRTUrbumções quEO conduziram uma palhetaucumção. Devemos éumprivilégiotar adiFerençum entre OS Em termos: PsicocinÉticuma res -ervummos aquELAS atividumdesqueutilizam ocorpo huhomemo cos mouum premcipumafon lte de material. E seu objetivo prod É ioritárioesenvOLVihomensto OE aprimoramentode mediadores, OU seja, elementOS básicosqusignificumhomemte emfluemnuma vidum emtelectuumlduma criança equese encemtram subjacente AO aprendizado duma leiturum eduma escrita. Psicomotricidumde ma como objetivo desenvOLVero comopecto

14

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->