P. 1
caatinga

caatinga

5.0

|Views: 3.522|Likes:
Publicado porBernardo Walker

More info:

Published by: Bernardo Walker on Jun 14, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/01/2013

pdf

text

original

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE ECOLOGIA 7º/9º ECOSSISTEMAS TERRESTRES

‡ A palavra caatinga, é indígena, de origem tupi, e quer dizer "mata

branca", "mata rala" ou "mata espinhenta". Recebeu esse nome dos índios que habitavam a região porque durante o período de seca a vegetação fica esbranquiçada, quase sem folhas. os demais podem ser encontrados nos países vizinhos

‡ Considerado como o único bioma exclusivamente brasileiro, já que todos

‡ 28 de abril, é comemorado o dia da Caatinga. ‡ representa 75% da região nordeste ‡ área geográfica de 800.000 km2. ‡ formado por vegetais endêmico ‡ Plantas xerófilas e caducifólias
-

arbóreas/arbustivas galhos retorcidos espinhosa

- Abrange os estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuc o, Sergipe, Alagoas, Bahia, sul e leste do Piauí e norte de Minas Gerais.

y Geologicamente, a região é composta de vários tipos

diferentes de rochas. Nas áreas de planície as rochas prevalecentes têm origem na era Cenozóica (do fim do período Terciário e início do período Quaternário), as quais se encontram cobertas por uma camada de solo bastante profunda, com afloramentos rochosos ocasionais, principalmente nas áreas mais altas que bordejam a Serra do Tombador; tais solos (latossolos) são solos argilosos (embora a camada superficial possa ser arenosa ou às vezes pedregosa) e minerais, com boa porosidade e rico em nutrientes.

‡ O solo da caatinga é raso, pedregoso e alcalino e não ‡ ‡

‡ ‡

armazena a chuva que cai. As altas temperaturas causam uma evaporação intensa e a salinização do solo. Apesar de pouco profundos e às vezes salinos, os solos da caatinga contêm boa quantidade dos minerais básicos para as plantas (diferente do Cerrado). Na estação seca a temperatura do solo pode chegar a 60o C. Existem algumas manchas de solo que podem ser aproveitadas pela agricultura, e hoje em dia, com uma forte irrigação e correção do solo (pois este em geral é ácido) planta-se café, manga e outras frutas com grande sucesso.

‡ Uma formação de relevo característica na

depressão nordestina é o "inselberg", bloco rochoso sobrevivente ao desgaste natural. ‡ O relevo é muito desgastado pelos habitantes desse ecossitema ao longo do tempo, formação de grandes planícies e cumes. ‡ O relevo não é muito alto pelo motivos de ter se desgastando com diferentes tipos de intemperismo.

‡ Os rios que fazem parte da caatinga brasileira são, em maioria,

intermitentes ou temporários. Isto quer dizer que estes rios secam em períodos em que não chove. No caso deste bioma, onde há escassez de chuva durante maior parte do ano, os rios que nascem na região ficam secos por longos períodos. ‡ Rios que nascem em outros lugares, como o São Francisco e o Parnaíba, são fundamentais para a vida na caatinga, pois atravessam os terrenos quentes e secos em seu caminho para o mar. Estes rios são tão importantes que deram nome a duas bacias hidrográficas que banham o território: a Bacia do Rio São Francisco e a Bacia do Rio Parnaíba. A Bacia Costeira do Nordeste Oriental também está localizada nesta região. ‡ Para enfrentar a falta de água nas estações secas, os moradores da caatinga constroem poços, cacimbas e açudes. Mesmo com estes mecanismos, na maior parte das vezes, só conseguem obter água salobra, imprópria para consumo.

‡ O clima da caatinga é chamado de semiárido. São

características desse tipo de clima a baixa umidade e o pouco volume pluviométrico, ou seja, uma quantidade reduzida de chuvas. ‡ São longos os períodos de ausência de chuvas, podendo chegar a oito ou nove meses de seca por ano. ‡ Este clima irregular influencia o curso dos rios, que secam em determinadas épocas; diminui a disponibilidade de água para plantas, animais e para os homens; aumenta a aridez do ambiente. ‡ O clima é então um fator determinante na caatinga: ele acaba definindo a paisagem e os hábitos dos moradores deste bioma.

‡

Quando falamos em caatinga sempre vem às nossas cabeças a imagem de um ambiente árido, seco, com árvores quase sem folhas e esbranquiçadas. Bom, realmente é assim que a vegetação da caatinga se apresenta em grande parte do ano. Entretanto, em época de chuvas, a caatinga muda seu aspecto: a paisagem fica verde e aparecem até flores. A vegetação da caatinga é composta por plantas xerófitas. Isto porque ela é formada por espécies que acabaram desenvolvendo mecanismos para sobreviverem em um ambiente com poucas chuvas e baixa umidade. No bioma são comuns árvores baixas e arbustos. Espinhos estão presentes em muitas espécies vegetais. Nos cactos, por exemplo, eles são folhas que se modificaram ao longo da evolução, fazendo com que a perda de água pela transpiração seja menor. Ainda para evitar a perda de água, algumas plantas simplesmente perdem suas folhas na estação seca. Por isso, parece que toda a vegetação está morta, sem folhas, sem verde, só caules e troncos secos e retorcidos. Mas não está. Na verdade, as plantas permanecem vivas, utilizando, por exemplo, suas raízes bem desenvolvidas para obter água armazenada no solo. Outras espécies desenvolvem raízes na superfície, o que lhes permite, no período das chuvas, absorver o máximo possível da água que cai sobre os terrenos. Existem espécies que apresentam outra solução para o problema: elas mesmas armazenam água. É o caso dos cactos. Os cactos são muito representativos da vegetação da caatinga. Mas não são os únicos representantes. Mesmo com o curto período de chuvas, existe uma variedade de espécies vegetais. Entre elas estão o mandacaru, a coroa-de-frade, o xique-xique, o juazeiro, o umbuzeiro e a aroeira.

‡

‡

‡

y A caatinga apresenta três estratos: arbóreo

(8 a 12 metros), arbustivo (2 a 5 metros) e o herbáceo (abaixo de 2 metros). A vegetação adaptou-se ao clima seco para se proteger. As folhas, por exemplo, são finas ou inexistentes. Algumas plantas armazenam água, como os cactos, outras se caracterizam por terem raízes praticamente na superfície do solo para absorver o máximo de chuva.

‡ A maioria dos animais da caatinga tem hábitos noturnos, o que

evita que se movimentem em horas mais quentes. Os lagartos são muito comuns na região: 47 espécies deles já foram catalogadas. Entre elas estão o calango verde e o calanguinho. Ainda entre os répteis também se destacam as serpentes. Até agora foram encontradas 45 espécies de serpentes. A cascavel é uma das cobras mais vistas na caatinga. ‡ Os anfíbios são animais numerosos na caatinga. Para falar dos mais conhecidos, podemos citar o sapo cururu e a jia de parede. ‡ Algumas aves são moradoras típicas da caatinga. É o caso do carcará, da asa-branca e da gralha-canção. Neste bioma, vivia a ararinha azul, vista pela última vez na natureza em 2000 e considerada extinta pelo Ibama. ‡ Também existem muitos mamíferos na caatinga. Entre as árvores secas e em terrenos pedregosos, vivem onças, gatos selvagens, capivaras, gambás, preás, macacos-prego, e o veado catingueiro, também ameaçado de extinção como a ararinha azul.

y Sertanejo y Conforme estudos arqueológicos, a ocupação nessa região iniciou-se há

cerca de 11 mil anos e transcorreu até o começo do século XX. Caçadores e coletores tiravam sustento dos campos, cerrados e matas. Os povos Macro-Jê, herdeiros desses traços culturais, receberam os Tupi- Guarani que fugiam dos colonizadores europeus. O colonizador escravizou africanos para a lavra do ouro. O sertanejo nasce, então, da miscigenação de europeus, índios e negros.

y Deram origem aos tipos populares que compõem o sertão: o beato, o

cangaceiro e o jagunço. Ali estão todos, com suas vestes características, seu apego às tradições mais remotas, o sentimento religioso levado até o fanatismo e o seu exagerado senso de honra.

y Beato y Simples, timido, resabiado preserva fortemente sua vida pacata em um seio familiar tradicional. y Jagunço y Tanto o cangaceiro quanto o jagunço são guerreiros. Homens de armas. O jagunço muitas vezes age sozinho. Protege alguém, que tanto pode ser um coronel como uma pessoa com quem tem uma dívida de honra y Cangaceiro y O cangaceiro age em bando e por conta própria, vive como andarilho pelo deserto, obedecendo às leis do chefe do bando.

Impactos socioeconômico da caatinga
‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Desmantelamento da produção agrícola Fome Miséria Êxodo rural Migrações

y Desertificação é o processo de "degradação da terra

nas regiões áridas, semi-áridas e subúmidas, resultante de diferentes fatores, entre eles as variações climáticas, e as atividades humanas". y No Brasil, 980 mil quilômetros estão sujeitos à desertificação. Existem diferentes causas para este fenômeno, quase todas associadas ao manejo inadequado da terra. Desmatamento, queimadas, irrigação mal conduzida, pastoreio excessivo, mineração e cultivo dependentes são algumas das práticas que proporcionam perda de recursos e redução da capacidade produtiva das terras. y Nos últimos 18 anos, 40mil km2 da área de caatinga se transformaram em deserto

Novas soluções para a caatinga
‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Irrigação bem planejada Sistema de Mandalas Cisternas cobertas Investimento em fruticultura Caprinocultura e ovinocultura Apicultura Turismo
A ação do homem já alterou 80% da cobertura original da caatinga, que atualmente tem menos de 1% de sua área protegida em 36 unidades de conservação, que não permitem a exploração de recursos naturais.

y Os ecossistemas do bioma Caatinga encontram-se

bastante alterados, com a substituição de espécies vegetais nativas por cultivos e pastagens. O desmatamento e as queimadas são ainda práticas comuns no preparo da terra para a agropecuária que, além de destruir a cobertura vegetal, prejudica a manutenção de populações da fauna silvestre, a qualidade da água, e o equilíbrio do clima e do solo. Aproximadamente 80% dos ecossistemas originais já foram antropizados.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->