Você está na página 1de 3

UNOPAR – UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ

POLÍTICA ECONOMICA
PROFESSORA: WILSON SALVALAGIO

TRABALHO DE PORTFOLIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL


MÓDULO III
PRODUÇÃO TEXTUAL

LONDRINA
2010

É preciso fazer uma distinção entre os vários tipos de crescimento económico ou


econômico forma mais clássica e tradicional de se medir o crescimento econômico de um
país é medir o crescimento de seu Produto Interno Bruto - PIB.

Em economia se demonstra que há uma relação direta entre o nível de investimentos


(formação bruta de capital fixo - FBKF) de um país e o ritmo de crescimento de seu PIB.

Pode-se entender essa relação matemática de forma intuitiva: é só com o aumento da


capacidade produtiva (mais fábricas, mais geração de energia, mais empregos) que se
consegue obter um aumento sustentável na renda de um país.

Quando a capacidade produtiva de um país está sendo subutilizada, pode-se obter -


mediante medidas governamentais de estímulo - por curtos períodos de tempo, um
crescimento causado por uma melhor utilização da capacidade produtiva já existente.
Mas esse crescimento de curto prazo, apelidado de vôo de galinha, não se sustenta se não
for acompanhado, simultaneamente, por novos investimentos na produção.

Um dos países que mais tem crescido nas últimas décadas, de forma sustentada e é sempre
olhado com inveja pelos demais, é a China, que manteve uma taxa de crescimento médio
de seu PIB de 11,45% a.a. entre 1991 e 2003. No mesmo período o Mundo cresceu, em
média, 4,41% a.a. e o Brasil apenas 1,98% a.a.

Uma rápida análise dos dados macroeconomicos na China nos explica o por quê desse
forte e contínuo crescimento: a taxa de investimento (FBKF- formação bruta de capital
fixo) na China foi acima de 28%, em média, nos anos 80 - e desde então tem aumentado
ainda mais, atingindo patamares acima dos 40% nos anos 2002 e 2003.

A comparação com o Brasil deixa evidente o por quê do Brasil não crescer como a China:
Em 2007 IBGE recalculou as seguintes taxas de investimento no Brasil: em 2005 foi de
16,3% do PIB. Em 2004, 16,1%. Em 2003, 15,3%. Em 2002, 16,4%. Em 2001, 17% e em
2000 16,8%, quase e metade das taxas chinesas.[1]

O comportamento da taxa de poupança da China revela comportamento similar à da taxa


de investimento (FBKF) no período de 1980 a 2003, saindo de uma média de 35% nos
anos 80 para um patamar acima dos 40% na década de 90 e início do novo século.[2]

Portanto, aumentar o ritmo de crescimento do PIB brasileiro - que já foi dos maiores do
Mundo, até 1980, e desde então é dos menores - devemos tomar medidas para aumentar
sua taxa de investimento (FBKF).[3]

A citacao

Bibliografia

2
1. A