Você está na página 1de 3

Relatório de Anatomia do Sistema Reprodutor

Introdução

Começamos a dissecação das peças pelo sistema urinário. Nesse momento, a


intenção do grupo foi retirar a gordura e expor as estruturas desse sistema. Assim,
primeiramente, trabalhamos nos rins, retirando a gordura perirrenal. Para fazermos
uma adequada dissecação desse órgão, iniciamos o processo pelo hilo renal. Em
seguida, caminhando pelos ureteres e dissecando-os, chegamos até a bexiga urinária.
Este órgão do sistema urinário foi terminado junto com as estruturas do sistema
reprodutor (que teve inicio no final do semestre) da peça masculina: próstata, vesícula
seminal, ducto deferente; e, no feminino: útero e ovários. Além disso, na peça feminina
e masculina mantivemos as glândulas supra-renais e, na peça masculina, está
conservada a porção abdominal da artéria aorta e da veia cava inferior.

Peça 1 – Aparelho Geniturinário Feminino

O slide 3 mostra a peça feminina no momento em que a recebemos, com a


gordura e o peritônio parietal posterior. O slide 4 é uma visão mais próxima do rim
esquerdo, sendo este o primeiro órgão a ser dissecado, juntamente com o rim direito,
mostrado no slide 5. O slide 6 e o slide 3 mostram o peritônio parietal posterior; nosso
objetivo ao mostrar essa estrutura é lembrar que o rim é um órgão retroperitoneal,
logo ele está situado, posteriomente, ao peritônio. O slide 7 mostra alguns dos
integrantes participando da dissecação dessa peça. O slide 8 exibe a retirada da
gordura perirrenal; nesse momento, tomamos cuidado para não retirarmos por
engano a glândula supra-renal. O procedimento mais avançado é visto no slide 9,
sendo possível visualizar a cápsula fibrosa renal. O slide 10 exibe estruturas que serão
visualizadas mais claramente nos slides seguintes, porém é importante ressaltar a
presença de uma veia renal acessória nessa peça. No slide seguinte (11), vemos as
veias renais direita e esquerda drenando para a veia cava inferior, além de uma veia
renal acessória que partindo do rim drena, diretamente, para a veia cava inferior.
Nesse slide pode ser visto a drenagem da veia ovárica direita. Slide 12 mostra um
achado interessante da peça: a parede lateral da aorta abdominal e a abertura da
artéria renal esquerda, até a entrada dessa no hilo renal. Uma visão geral da peça
feminina, após a dissecação completa (slide 13), mostra estruturas importantes e que
serviram de guias para a dissecação, como o hilo renal e os ureteres. Enquanto
trabalhávamos, no hilo renal (slide 14), identificamos estruturas que nos ajudaram a
determinar os antímeros dos rins. Assim identificamos a veia ovárica drenando para a
veia renal, com isso determinamos que esse lado se tratava do antímero esquerdo e
junto, com isso, percebemos que, no outro antímero, a drenagem da veia ovárica
ocorria para a veia cava inferior, comprovando que esse era o lado direito e, logo, ali
estava o rim direito. Além disso, expomos a veia renal direita e a veia supra-renal
esquerda. À medida que continuávamos a trabalhar nessa peça, notamos algo bem
interessante que demoramos a identificar. Quando essa peça foi retirada do corpo
humano, também foi removida a artéria aorta; porém, o corte que foi feito, manteve o
óstio da artéria renal esquerda na parede lateral da aorta abdominal (slide 15). No
slide 16, conseguimos mostrar a artéria supra-renal, e o ureter direito, uma estrutura
muito importante para a dissecação, pois, como já dissemos, ela nos serviu como guia
para realizarmos uma dissecação adequada da bexiga urinária. O slide 17 mostra com
clareza o trajeto das veias ováricas, bem como suas origens e inserções, que foram
essenciais para definir o antímero de maneira correta. O slide 18 nos mostra o ureter
direito e sua origem no rim direito e sua inserção na bexiga urinária, sendo esse o
trajeto que seguimos para realizar a dissecação e também a veia cava inferior.
Prosseguindo, notamos, no slide 19, a relação entre útero e a bexiga urinária e a
escavação vésico-uterina. Também notamos um importante elemento da estática do
útero que é o ligamento redondo do útero, que foi originado do gubernáculo. O slide
20 nos mostra elementos importantes do sistema reprodutor feminino; vemos ali os
ovários, as fímbrias que auxiliam na captação do ovócito II liberado na ovulação, as
porções da tuba uterina (infundíbulo, ampola e istmo) e o fundo do útero que é local
adequado para a nidação do blastocisto. Também está visível o ligamento útero-
ovárico direito, que participa da estática do útero e do ovário. Além disso, também
evidenciamos o óstio da vagina, como visto no slide 21. Com o objetivo de mostrar o
trígono da bexiga, fizemos um corte transversal na parede anterior da bexiga, sendo
possível identificarmos os óstios internos dos ureteres (com a prega interuretérica) e o
óstio interno da uretra, que delimitam o trígono (slide 22).

Peça 2 – Aparelho Geniturinário Masculino

No primeiro slide dessa peça (24), mostramos como recebemos a peça


masculina, evidenciando a gordura e o peritônio parietal posterior. Os slides seguintes
(25, 26 e 27) exibem os rins com a gordura e peritônio parietal posterior, sendo estes
os locais onde iniciamos a dissecação. O slide 28 mostra o momento em que achamos
um cisto no rim esquerdo, antes do término da dissecação deste órgão. O slide 29
mostra uma característica importante da drenagem dessas estruturas, sendo que veia
a supra-renal drena para a veia renal esquerda e esta, por sua vez, para a veia cava
inferior. O slide 30 mostra a inserção do ureter, sendo este o ponto que nos conduziu
para a dissecação da bexiga. O slide 31 nos fornece uma visão geral da peça masculina
que recebemos, após o fim da dissecação. Nela além das estruturas do sistema
reprodutor (como a próstata que está visível nessa foto) e das estruturas do sistema
urinário (rins direito e esquerdo, ureteres direito e esquerdo, bexiga urinária), também
estão conservadas a porção da aorta abdominal com a sua ramificação em artéria
mesentérica superior, tronco celíaco e artérias ilíacas comuns, sendo observada
também parte da veia cava inferior (também já estava seccionada quando recebemos
a peça). Analisando melhor a parte da vascularização presente nessa peça,
encontramos além das estruturas já citadas, as artérias renais e a artéria mesentérica
inferior, ambas saindo da artéria aorta, e a veia testicular direita drenando para a veia
cava inferior, assim como a veia renal esquerda e as veias renais direitas (uma
alteração anatômica que pode ocorrer, pois nessa peça existem duas veias renais,
sendo mais comum a presença de apenas uma); esses detalhes são vistos no slide 32.
O slide 33 evidencia, novamente, o cisto que encontramos, porém num momento
posterior ao término da dissecação. Analisando a próstata, conseguimos ver seus lobos
laterais e a uretra prostática (slide 34). A vista posterior da próstata (slide 35) nos
permitiu identificar estruturas importantes do sistema reprodutor masculino, os
ductos deferentes (que participam através da bomba aspirante-premente-interfase do
mecanismo da ejaculação) e as glândulas seminais, as quais secretam frutose que
serve como substrato energético para os espermatozóides (eles produzem ATP a partir
da frutose) e um líquido alcalino que serve como tampão, para neutralizar a acidez
uretral proveniente da urina. Além disso, o slide 35 também nos mostra os ureteres.
Assim como na peça feminina, cortamos a parede anterior da bexiga urinária e
evidenciamos a prega interuretérica (entre os óstios internos dos ureteres) e o óstio
interno da uretra delimitando o trígono da bexiga (slide 36). Usando a drenagem
venosa dos testículos, definimos os antímeros renais, sendo mostradas no slide 37 a
drenagem da veia testicular esquerda para a veia renal esquerda e também a veia
supra-renal esquerda drenando para a veia renal esquerda. Além disso, foi possível
também dissecarmos a artéria supra-renal direita (slide 38).

Peça 3 – Aparelho Reprodutor Feminino

Os slides 40 e 41 mostram como estava a peça quando a recebemos, sendo que


algumas partes do aparelho reprodutor já estavam destruídas. O slide 42 mostra o
processo de dissecação da peça e, em seguida, no slide 43, já começam a serem vistas
algumas estruturas, aqui a artéria uterina. E quanto mais a dissecação avançava
revelamos outras estruturas: fímbrias da tuba uterina e a tuba uterina (slide 44). O
slide 45 mostra algumas partes do útero: fundo e o corpo. Mostra também uma
porção do ligamento largo do útero (essa estrutura participa da estática desse órgão),
sendo visível também o peritônio, os ureteres e a bexiga. E, nessa peça, também
cortamos a bexiga urinária para expor o trígono vesical, um espaço delimitado pelos
óstios uretéricos direito e esquerdo e óstio interno da uretra (slide 46).

Por fim, o slide 47 proporciona uma visão geral das três peças, após o término
de suas dissecações.