P. 1
seg trabalho 2

seg trabalho 2

|Views: 169|Likes:
Publicado porsamespindola

More info:

Published by: samespindola on Jul 03, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/11/2014

pdf

text

original

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Profª. MSc. Marta C. Wachowicz marta@facinter.com.br

PÓS GRADUAÇÃO EM

Aspectos Físicos Ambientais da Ergonomia
(2º. Encontro)

ASPECTOS ERGONÔMICOS FÍSICOS AMBIENTAIS
O local de trabalho constitui a área de ação da higiene do trabalho, envolvendo aspectos ligados à exposição do organismo humano a agentes externos como o ruído, a temperatura, a umidade, a luminosidade e os equipamentos de trabalho.

RUÍDO
É caracterizado como sendo um som desagradável. É um dos itens mais importantes da saúde ocupacional porque quando inadequado pode levar a lesões do aparelho auditivo, fadiga auditiva e estresse psíquico (perturbação da atenção, do sono, taquicardia e aumento da tensão muscular). A unidade de nível sonoro é o decibel (dB).

Limite de exposição e permanência no posto: 85 dB = nível máximo permitido legalmente 80 dB = dificulta a comunicação 90 dB = 4 horas de trabalho ou exposição 95 dB = 2 horas de trabalho ou exposição 100 dB = 1 hora de trabalho ou exposição A ergonomia busca limites inferiores a 80 bB, já que acima deste valor é possível ocorrer perdas auditivas em algumas pessoas após exposição prolongada sem o uso de protetores auriculares.

Efeitos do ruído sobre as pessoas: Efeitos Audiológicos: perdas auditivas, temporárias ou permanentes, relacionado à intensidade de ruído que as pessoas podem se submeter em relação ao tempo de exposição. Efeitos Fisiológicos: alterações de temperatura, batimentos cardíacos, sudorese, atenção, concentração. Moléstias e alterações do comportamento: estresse.

É sempre melhor eliminar o ruído na fonte. Protetores auriculares acabam sendo caixas conservadoras de calor, tornando-se insuportáveis em climas quentes o que leva os operadores a retirá-los. A Norma Brasileira (NBR 10.152) trata dos níveis de ruído para o conforto acústico.

VIBRAÇÕES
Podem ser consideradas como sendo ondas que se propagam através de movimentos de compressões e dilatações sucessivas de propagação. Um corpo está em vibração se ele estiver animado de um movimento oscilatório em volta de uma posição de equilíbrio. As vibrações podem correr com todo o corpo ou somente uma parte dele.

Tipos de vibrações: VIBRAÇÃO CORPO-TOTAL: transmitidas ao conjunto do corpo do trabalhador pelos veículos de transporte (caminhões, tratores, pontes rolantes...) VIBRAÇÃO MANUBRAQUIAIS: mais localizadas nas mãos e nos braços em contato com a máquina (britadeira, furadora, lixadeira...)

Efeitos da exposição diária das vibrações sobre o organismo humano: - interferência na respiração. - dor no corpo; ranger dos dentes. - dor de cabeça, oculares, garganta; perturbação da fala; irritação dos intestinos e rins; descolamento de estruturas internas. - lesões neurológicas; hemorróidas. - diminuição da audição, da destreza manual, da força muscular e da sensibilidade térmica.

TEMPERATURA
O efeito do clima sobre o organismo é muito importante. As condições climáticas necessárias estão dispostas na NR-15 (atividades e operações insalubres). As condições ambientais que afetam o conforto térmico são a temperatura, a velocidade do ar e a umidade, sendo que estes fatores devem ser considerados simultaneamente. O tipo de vestimenta utilizada pode tornar o trabalho mais agradável ou não.

A sensação térmica varia consideravelmente em função da pessoa e de suas roupas. Usa-se o valor clo, onde um clo é o isolamento fornecido por uma vestimenta em condições ambientais interiores de inverno. Quanto maior a quantidade de roupas maior o isolamento em torno do corpo e menores as perdas de calor. A aclimatação térmica está relacionada à idade, sexo, alimentação, metabolismo, peso e atividade física.

Sendo a temperatura uma questão muito pessoal, é importante estabelecer o conforto térmico do indivíduo a partir das seguintes medidas: - deixar que as próprias pessoas controlem a ambiência térmica. - ajustar a temperatura do ar de acordo com o esforço físico. - evitar umidades do ar extremas. - evitar superfícies muito frias ou muito quentes.

ILUMINAÇÃO
O correto planejamento da iluminação e da utilização das cores contribui para aumentar a satisfação no trabalho, melhorar a produtividade e reduzir a fadiga e os acidentes. Nos postos de trabalho é importante considerar: a quantidade de luz, o tempo de exposição e o contraste entre figura e fundo.

A unidade de medida é o “lúmen” emitido por um watt de potência radiante (lm/W). A luminância é a quantidade de fluxo luminoso uniformemente distribuído sobre a superfície, dividido pela área da superfície. A unidade de luminância é o “lux” que representa a iluminação produzida sobre 1m² de superfície. A quantidade de luz necessária em um espaço de trabalho depende do tipo de trabalho que será realizado no local e da precisão do trabalho.

Corredor 100 lux Depósitos, escadas 120 lux Cozinha, lavatório 150 lux Quarto, refeitório, recepção 150 lux Portaria, central telefônica 200 lux Sala de aula 250 lux Arquivo 300 lux Sala de leitura, escritório 500 lux Biblioteca,bilheteria,sala de digitação 500 lux Ferramentaria 1000 lux Trabalhos detalhados 3000 lux

O ofuscamento é o principal fator para o condicionamento de iluminação natural ou artificial. A distribuição da luz no espaço deve ser tal que as diferenças excessivas de luz e sombras sejam evitadas. Porém, o contraste é necessário para a diferenciação dos objetos no espaço. O ofuscamento é causado pela introdução de uma fonte luminosa intensa dentro do campo visual , produzindo no ocupante do ambiente uma sensação de desconforto e fadiga.

A má iluminação causa fadiga à vista, prejudica o sistema nervoso, concorre para a má qualidade do trabalho e é responsável por razoável parcela de acidentes. Via de regra a iluminação deve ser constante e uniforme distribuída de forma indireta aos olhos. Devemos usar cores claras nas grandes superfícies e as brilhantes nas superfícies menores.

Peças grandes não devem ser pintadas de cores puras ou em tinta fluorescente para evitar sobrecarga na retina. As cores preta e amarela sã muito usadas, pois são contrastes extremos em cromaticidade e luminância. O princípio oposto é o da camuflagem. A luz natural proporciona ambientes mais agradáveis; cria melhores condições de trabalho porque promove a percepção dos objetos pela cor e contrastes naturais; oferecem descanso para a vista; conserva o calor e traz saúde ao ambiente.

A luz artificial busca a uniformidade do fluxo luminoso sobre o plano horizontal de forma homogênea; garante o trabalho contínuo; gasta energia elétrica. Pode ser de dois grupos: Incandescentes: baixo rendimento luminoso; vida útil menor; geram calor; ressaltam as cores quentes como vermelho, amarelo e laranja. Fluorescentes: maior durabilidade; não geram calor (luz fria).

MÚSICA E COR NOS AMBIENTES
Atuam no campo subjetivo das pessoas no sentido de gerar conforto e bem-estar. Criam uma atmosfera amistosa estimulando as pessoas pois quebram a monotonia. A música aumenta o entusiasmo e o relaxamento, reduzindo a fadiga e o nervosismo. A música deve ser discreta (pouco perceptível – música ambiente) criando um clima acústico agradável.

As cores têm função de ordenação, orientação, símbolos de segurança, de facilitar o trabalho, como também, efeitos psicológicos. Simbologia das cores: Vermelho: perigo, proibido, aviso de incêndio. Amarelo com preto: perigo de colisão, risco de tropeçar, placas de trânsito. Verde: ajuda, fuga. Azul: serve de cor de ordenação ou organização para orientar avisos e direções.

Botões importantes, alavancas, comandos, cabos devem ter cores atrativas visualmente. Salas de aula, hospedarias, casas residenciais exigem cores discretas. Um ambiente de trabalho monótono pode utilizar cores estimulantes (laranja, vermelho, amarelo) para alguns detalhes do ambiente físico (coluna, porta, divisória, friso). Se a atividade exige concentração cores tranqüilizantes (tons pastéis do azul, verde, creme).

De maneira geral: CORES ESCURAS são abafantes, sufocantes e pouco estimulantes, dificultam a limpeza e absorvem muita luz. CORES CLARAS são amistosas, estimulantes, difundem mais a luz, clareiam o ambiente, obrigam a uma limpeza maior e seguida.

AGENTES QUÍMICOS E BIOLÓGICOS
Segundo a NR 09, Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA, os agentes químicos, ou genericamente conhecidos como aerodispersóides, são substâncias que podem penetrar no organismo pelas vias respiratórias na forma de poeira, fumos, névoas, neblinas, gases ou vapores, ou que pela natureza da atividade e exposição possam ter contato ou ser absorvidos pelo organismo através da pele ou por ingestão.

Alguns dos principais agentes químicos freqüentemente encontrados em ambientes de trabalho, e que segundo Iida (2005), podem causar danos à saúde do trabalhador são o monóxido de carbono (presente em locais com fornos e aquecedores); metais pesados (chumbo, mercúrio, cádmio, presentes nos produtos industriais); solventes (benzeno, tolueno); sílica (extremamente prejudicial aos pulmões); fumaças, gases e vapores tóxicos (produzidos por fábricas e automóveis); agrotóxicos; e radiações ionizantes (energia nuclear e materiais radioativos).

Os agentes biológicos são representados pelas bactérias, os fungos, bacilos, parasitas, protozoários, vírus e outros. Estes microorganismos podem ser encontrados em hospitais, laboratórios, estábulos, gabinetes de autópsias, coleta de lixo, como também, em uma sala comum de escritório.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->