Você está na página 1de 9

1

GESIANE FERREIRA

RELATÓRIO DE FARMACOTÉCNICA I
SOLUÇÃO DE LUGOL FRACA

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC


IPATINGA
2010
2

GESIANE FERREIRA

SOLUÇÃO DE LUGOL FRACA

Relatório de conclusão de Aula Prática


realizada no Laboratório de
Farmacotécnica, no dia 17 março de
2010, sob a orientação da professora
Andressa Delziovo, apresentado como
exigência do Curso de graduação em
Farmácia, à Universidade Presidente
Antônio Carlos – UNIPAC Ipatinga.

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC


IPATINGA
2010
3

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO..........................................................................................................................3
Soluções...................................................................................................................................3
Solução de Lugol Fraca............................................................................................................3
OBJETIVO................................................................................................................................4
PARTE EXPERIMENTAL.........................................................................................................5
Material e Matérias-primas.......................................................................................................5
Procedimento...........................................................................................................................5
CONCLUSÃO...........................................................................................................................7
BIBLIOGRAFIA.........................................................................................................................8
4

INTRODUÇÃO

Soluções

Uma solução é um sistema homogêneo e, por essa razão, o fármaco está


uniformemente distribuído em tidas as partes da preparação.
As soluções podem ser classificadas de acordo com os estados físicos de agregação
(gás, sólido ou liquido) do(s) soluto(s) e do solvente. Embora possa existir uma variedade de
tipos, virtualmente todas as soluções de interesse farmacêutico possuem solventes líquidos.
Além disso, os solutos são predominantemente substâncias sólidas.
Para a maioria das soluções de uso farmacêutico, é mais provável que o sistema de
solventes seja liquido, podendo ser o soluto um líquido ou um sólido. Nesses casos, o soluto
encontra-se na forma de uma dispersão molecular, apresentando, por essa razão, uma área
superficial muito grande, a qual propicia uma velocidade de dissolução rápida. Além disso,
como as partículas já se encontram em um estado desagregado e molhado, haverá pouco
ar adsorvido nas suas superfícies que iniba a dissolução e, pelo contrario, pode haver um
leve aumento na solubilidade real.
A água é o solvente mais usado como veiculo em especialidades farmacêuticas, uma
vez que é fisiologicamente compatível e desprovida de toxicidade. Além disso, possui uma
dissolução de uma ampla variedade de substancias ionizáveis. Em muitos casos, essa
propriedade pode ser vantajosa, mas a falta de seletividade pode ser responsável pela
presença de substâncias indesejáveis, tais como sais inorgânicos e impurezas orgânicas. [1]

Solução de Lugol Fraca

As principais indicaões terapûticas para a solução de lugol fraca são:


- Como antisséptico local com aplicação nas áreas afetadas, quando necessário.
- Na profilaxia e tratamento ocasionados pela deficiência de iodo e hipotirexinemia
materna: para mulheres grávidas e lactantes. [2]
5

OBJETIVO

Manipulação de solução de Lugol Fraca.


6

PARTE EXPERIMENTAL

Material e Matérias-primas

Foram utilizados Iodo Metalóide, Iodeto de potássio, Gral de vidro, Álcool 70%, EDTA,
Glicerina, Funil de vidro, Vidro relógio, Espátula, Suporte para funil, Cálice de vidro
graduado, Bastão de vidro, Frasco âmbar 30 mL, Papel barreira, Balança analítica e Papel
de filtro.

Procedimento

Foram realizados os cálculos farmacotécnicos para uma solução de lugol fraca


contendo:

Iodo Metalóide.........................................1%
Iodeto de potássio...................................2%
Glicerina...................................................5%
EDTA.......................................................0,05%
Álcool 70% ....................................q.s.p. 30mL

Para a determinação da quantidade em gramas do Iodo Metalóide utilizou-se a


fórmula:

Iodo metalóide (%) x volume total da solução (ml) = iodo metalóide (g)
100%

Segue-se:
1 x 30 = 0,3 g de iodo metalóide.
100%

Para a determinação da quantidade em gramas do iodeto de potássio utilizou-se da


mesma fórmula:

Iodeto de potássio (%) x volume total da solução (ml) = iodeto de potássio(g)


100%

Segue-se:
2 x 30 = 0,6 g de iodeto de potássio.
100%

Determinação da quantidade em gramas da glicerina:

glicerina (%) x volume total da solução (ml) = glicerina (g)


100%

Segue-se:
5 x 30 = 1,5 g de glicerina.
100%
7

Determinação da quantidade em gramas do EDTA:

EDTA (%) x volume total da solução (ml) = EDTA (g)


100%

Segue-se:
0,05 x 30 = 0,015 g de EDTA.
100%

Para o procedimento de manipulação foi imprescindível a utilização da paramentação


adequada como:
Avental, luvas, touca e máscara descartáveis, conforme as orientações concedidas
pelo professor.
Após os cálculos, realizou-se a assepsia de bancada com papel toalha e álcool 70% e
a utilização do papel barreira sobre a bancada.
Os constituintes foram pesados separadamente na balança analítica, cada substância
em seu respectivo vidro relógio.
No gral de vidro adicionou-se e triturou-se bem o iodo.
No mesmo gral, foi adicionado o iodeto de potássio, triturado e misturado juntamente
com o iodo.
Adicionou-se o EDTA previamente solubilizado com a glicerina em q.s.p. e depois
homogeneizar, adicionou-se o álcool 70% aos poucos até completar a dissolução.
A solução obtida foi vertida em um cálice graduado, com devida lavagem do gral com
a solução veículo, neste caso o álcool 70%, para a retirada da solução retida no recipiente
e logo, o volume foi completado com álcool 70% em q.s.p. 30mL.
A solução foi homogeneizada com o auxílio do bastão de vidro.
Em seguida, a solução foi filtrada, o volume foi verificado, embalada em frasco de
vidro âmbar e rotulada com a composição da fórmula, data de validade e o nome da
farmácia do grupo, por quem a solução fora manipulada.
8

CONCLUSÃO

O armazenamento e a conservação da solução de lugol fraca devem ser feitos em


recipientes adequados, de vidro âmbar bem fechados, ao abrigo da luz e à temperatura
ambiente.
Não utilizar durante o período de gestação e amamentação.
Suspender o uso se houver mudança de coloração ou odor da solução.
Manter fora do alcance de crianças. [2]
O iodeto de potássio é acrescentado à mistura da solução para uma melhor
solubilização do Iodo, desta forma, o iodeto de potássio é um coadjuvante para esta
formulação.
Dever-se preparar qualquer solução a base de Iodo em recipientes de vidro, pois
recipientes de outros materiais como porcelana e plástico, contaminam-se pelo Iodo. [2,3]
9

BIBLIOGRAFIA

[1] AULTON, Michael. Delineamento de formas farmacêuticas. 2ª ed. Porto Alegre:


Artmed, 2005.

[2] AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Formulário Nacional.


Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

[3] Roteiro de aula prática fornecido pela professora em sala de aula.