P. 1
Aplicacão da Ética no Meio Empresarial

Aplicacão da Ética no Meio Empresarial

4.57

|Views: 5.328|Likes:
Publicado porWillians
...este ensaio tem a intenção de mostrar a importância e necessidade da ética no trabalho e no exercício profissional.
...este ensaio tem a intenção de mostrar a importância e necessidade da ética no trabalho e no exercício profissional.

More info:

Published by: Willians on Jun 15, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/02/2013

pdf

text

original

FACULDADE IMPACTA TECNOLOGIA

APLICAÇÃO DA ÉTICA NO MEIO EMPRESARIAL

ANDERSON CARLOS DE LIMA BRUNO KUNIOSHI LUIZ FELIPE MAUL ALCOFORADO RAFAEL DE OLIVEIRA LIMA WILLIANS OLIVEIRA CERQUEIRA

SÃO PAULO 2007

FACULDADE IMPACTA TECNOLOGIA

APLICAÇÃO DA ÉTICA NO MEIO EMPRESARIAL

ANDERSON CARLOS DE LIMA BRUNO KUNIOSHI LUIZ FELIPE MAUL ALCOFORADO RAFAEL DE OLIVEIRA LIMA WILLIANS OLIVEIRA CERQUEIRA

Trabalho apresentado como requisito à Aprovação da disciplina de Filosofia do Curso de Graduação em Administração Com ênfase Em TI da FIT – Faculdade Impacta Tecnologia. Profª. Michelle Comar. Área de concentração: Administração de Empresas.

SÃO PAULO 2007

DE LIMA, Anderson Carlos; KUNIOSHI, Bruno; ALCOFORADO, Luiz Felipe Maul ; LIMA, Rafael de Oliveira; CERQUEIRA, Willians Oliveira. Aplicação da ética no meio empresarial DE LIMA, Anderson Carlos, et al. / Orientação Profª. Michelle Comar. São Paulo, 2007. Trabalho apresentado como requisito à aprovação da disciplina de Filosofia do Curso de Graduação em Administração com ênfase em TI da FIT – Faculdade Impacta Tecnologia. 1. Administração – Filosofia. 2. Administração – Teorias e Prática

SUMÁRIO
1. 2. 3. INTRODUÇÃO CONCEITOS E HISTÓRIA ESTUDO DE CASO 3.1. 3.2. 3.4. 3.5. EMPRESA ORGANOGRAMA PRINCÍPIOS POLÍTICAS E PRÁTICAS os funcionários; os clientes; os fornecedores; os concorrentes; a comunidade e/ ou a sociedade de uma maneira geral; a imprensa; os órgãos públicos; 4 5 6 6 7 8 9 9 9 10 10 10 10 11 11 12

3.5.1. 3.5.2. 3.5.3. 3.5.4. 3.5.5. 3.5.6. 3.5.7. 4. 5.

CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA

4

1. INTRODUÇÃO
Com base na proposta da ementa do curso de Filosofia e da orientação docente, este ensaio tem a intenção de mostrar a importância e necessidade da ética no trabalho e no exercício profissional. Para isso, será elaborado um código de ética de uma empresa fictícia no sentido da interação entre empreendedorismo e responsabilidade no desenvolvimento sustentável da sociedade. E como futuros gestores o conhecimento dos conceitos e tendências do mercado para o crescimento dos aspectos éticos possuem fundamental importância na ascensão e reconhecimento profissional, levando em conta a idéia de integração entre empresas e sociedade. Seguindo o plano orientado apresentaremos inicialmente alguns conceitos sobre ética e um histórico da sua aplicação no ambiente empresarial. Em seguida teremos um estudo de caso descrevendo a empresa criada e a sua organização, o propósito, os princípios e as políticas e práticas do código de ética elaborado. E finalmente a conclusão demonstrando a aplicabilidade e utilidade do código de ética.

5

2. CONCEITOS E HISTÓRIA
Para o melhor entendimento deste ensaio é necessária a apresentação de alguns conceitos sobre a Ética e o seu desenvolvimento ao longo do tempo. A Ética já era discutida no período dos filósofos gregos e hoje em dia é o foco das discussões dentro das empresas. Conceitualmente Ética é o estudo geral do que é certo ou errado sem se preocupar em propor regras, mas na busca de justificativas destas. Sendo então uma reflexão da ação humana. Então, a Ética “é uma reflexão teórica que analisa e critica os fundamentos e princípios que regem um determinado sistema moral.”1 Durante a década de 60, debates sobre preocupações éticas no âmbito empresarial, ocorridos especialmente nos países alemães, pretendiam elevar o trabalhador à condição de participante dos conselhos. Com contribuição dos filósofos, principalmente nos Estados Unidos, toma impulso o ensino da ética nas faculdades de administração. Na década de 70, ocorreu a expansão das multinacionais oriundas dos Estados Unidos e Europa nos novos países, ocorrendo choques culturais e conflitos na forma de se negociar, faltou incentivo para criação de códigos de ética corporativos. Através de esforços de professores universitários na década de 80, surge a primeira revista científica voltada a ética, “Journal of Business Ethics”. Ocorreu a ampliação do escopo de Ética Empresarial, e a formação do fórum ISBEE2 com contribuição internacional. No final do milênio, criam-se as ONG3 desempenhando importante papel no desenvolvimento econômico, social e cultural. A abordagem Aristotélica vem sendo recuperada, de que a empresa tem que oferecer um ambiente moral gratificante para que as pessoas possam desenvolver seus conhecimentos e virtudes. No século XXI, depois dos escândalos com a empresa norte americana Eron, os debates sobre a ética e transparência nos negócios levaram a criação da lei Sarbanes & Oxley que marca e regulamenta a evolução da ética nos negócios.
1 2

Mario Alencastro (1997, p.5). ISBEE – International Society for Business, Economics, and Ethics 3 ONG – Organização Não Governamental

6

3. ESTUDO DE CASO
3.1. EMPRESA Fundada em 2007, a WeGO!, é uma empresa provedora de soluções e serviços na área de TI, voltada para todos os segmentos da economia e para os principais mercados verticais. de liderança no setor de tecnologia. Com sede em São Paulo, e com centros de desenvolvimento e atendimento no Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Bahia, a WeGO! consegue atender seus clientes com altíssima qualidade e agilidade. Atendendo cerca de 200 clientes, é sem dúvida a maior empresa de aplicativos de gestão empresarial e a maior desenvolvedora de software. Atualmente, a WeGO! emprega mais de 150 profissionais especializados, nas mais diferentes áreas, e nos diferentes tipos de tecnologia. Trabalhando, nossos profissionais se integram a equipe do cliente, assim tendo melhor comunicação e agilidade na implantação dos projetos. Perfil Institucional • • • • Número de Profissionais - 150 Clientes - cerca 200 Crescimento médio anual - 25% Operações – São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Bahia • • • • • • • • Centros de Desenvolvimento de Aplicações Centros de Atendimento Técnico Atuação principal nos Setores: Finanças Telecomunicações Indústria, Comércio e Serviços Governo Vantagens Competitivas: Sua história é marcada por sucessivas vitórias em matéria de inovação e crescimento, culminando com sua posição

7 • • One-stop-shop Competitividade e escala para atendimento do mercado global de serviços de TI • • • • • Conhecimento das necessidades de negócio Relacionamento de longo prazo com clientes Profissionais certificados nas mais reconhecidas academias Equipe altamente qualificada Proposta de valor diferenciada

3.2. ORGANOGRAMA

Ilustração 1 – Organograma Geral

8 3.3. PROPÓSITO O objetivo do código de ética da empresa é reunir um conjunto de diretrizes que apontam um horizonte para o qual todos nós queremos caminhar em nossas ações, e assim atingirmos os padrões de conduta éticos adequados ao exercício de nossa atividade profissional e social. É importante o desenvolvimento do código como compromisso de uma atuação transparente, confiável e de respeito mútuo, tendo o intuito de conquistar a credibilidade do mercado. Refletimos neste documento não apenas os padrões de conduta pessoal e profissional, mas também corporativa. Logo de inicio, constatamos que os administradores, na tentativa de ampliar as chances de sobrevivência no atual modelo econômico, estão revendo posturas e adotando praticas mais éticas na condução de seus negócios. Posturas essas demonstradas na aplicação da lei Sarbanes e Oxley, na qual um dos principais fundamentos está a transparecia nas operações de negócios. Por fim constituído, todos os colaboradores terão a responsabilidade de conhecer e cumprir as diretrizes e normas estabelecidas, além de incentivar uns aos outros na aplicação destas práticas, em favor da reputação e viabilidade da WeGO!.

3.4. PRINCÍPIOS A WeGO! está firmada na orientação por valores éticos como a transparência nos negócios, responsabilidade social e o respeito às diversas culturas e sociedades, que nos levará a obter um negócio lucrativo e possibilitará atingir os objetivos estabelecidos com um crescimento sustentável. Desta forma, as normas de conduta a seguir visam conscientizar todos os profissionais e colaboradores acerca destes princípios e garantir sua aplicação em todas as relações estabelecidas.

9 3.5. POLÍTICAS E PRÁTICAS 3.5.1. os funcionários; Todos os funcionários, com suas individualidades, constituem o sucesso ou fracasso de qualquer empresa. Importantes fatores precisam ser levados em consideração, consolidando a qualidade do relacionamento interpessoal, através de direitos e obrigações. Assim ressaltamos: • • • O respeito ao próximo. Honestidade, lealdade e espírito de cooperação. Cultivo do espírito de equipe e confiança no relacionamento entre as pessoas. • • • O Cuidado com o patrimônio da empresa como se fosse seu. Respeito às leis e normas nacionais e internacionais. Responsabilidade pelos processos e controle do que é executado, para garantir que sejam sólidos, eficientes e eficazes. • • Uso de informações privilegiadas em benefício próprio. Utilização de softwares não licenciados ou não previamente autorizados pela empresa. • Oferecer, receber presentes, doações e favores de clientes ou fornecedores não se aplicam a conduta da WeGO!. (Ver item 3.5.8. as exceções) Como conseqüência do cumprimento destes deveres, obteremos um ambiente de trabalho saudável e equilibrado para todos. 3.5.2. os clientes; Nossa empresa possui como obrigação dar total atenção e respeito a nossos clientes, oferecendo sempre os melhores produtos e soluções de TI, suprindo suas necessidades e expectativas. Prezamos também o relacionamento de confiança, integridade, transparência e respeito a todos os nossos clientes.

10

3.5.3. os fornecedores; Nossa meta é sempre - seja com fornecedores, prestadores de serviços e parceiros - trabalhar com base em critérios técnicos e imparciais. Todos devem pautar seu comportamento através dos princípios expressos neste código e ética. 3.5.4. os concorrentes; Temos o objetivo da superação apresentando diferenciais em nossos projetos, propostas e produtos. Contudo, manter valores como lealdade e integridade em nossas ações demonstram o respeito e possibilitam um ambiente saudável e propício à concorrência. 3.5.5. a comunidade e/ ou a sociedade de uma maneira geral; A WeGO! reconhece sua responsabilidade social baseada nos princípios dos direitos humanos, na negação: do trabalho forçado, da exploração do trabalho infantil, da discriminação ou preconceito, pois defendemos a igualdade de oportunidades, salários iguais por trabalhos de iguais valores. Concomitantemente, investimos no crescimento dos nossos profissionais e colaboradores, fornecendo as melhores condições de trabalho, proteção à saúde, treinamentos e desenvolvimento cultural assim como na promoção da educação ambiental, respeitando-a na condução de nossos negócios e investimentos. 3.5.6. a imprensa; Todo o empregado tem direito de expressar sua opinião. Porém, os empregados devem ter certeza de que a ocasião e o conteúdo de qualquer entrevista, palestra ou artigo estejam de acordo com os objetivos e interesses da empresa, aprovados por sua respectiva chefia e, qualquer exceção deve ser submetida a previa autorização.

11

3.5.7. os órgãos públicos; Todas as relações com autoridades governamentais, devem ser cautelosamente analisadas. Pagamentos, presentes, empréstimos e serviços ou subsídios de qualquer partido político dão margem à especulações degradantes à instituição. Por este motivo somente serão permitidos se estiverem em concordância com a legislação vigente no país4, além da submissão a prévia aprovação do corpo diretivo. 3.5.8. as exceções; Dada a impossibilidade de prever todas as situações em que seremos confrontados com questões éticas, fica então, disseminada a responsabilidade de cada profissional e colaborador em agir sempre com bom senso e de modo pró ativo e integro. Dúvidas e exceções devem ser previamente submetidas à respectiva chefia.

4. CONCLUSÃO
Formado o código de ética já podemos apresentar sua importância e utilidade no dia-a-dia empresarial. Com este estabelecemos um padrão de conduta entre todos os envolvidos em nossas atividades. Geramos e compartilhamos nossa identidade e objetivos, criando um ambiente agradável e funcionários conscientes das suas responsabilidades. Como efeito desta aplicação alcançaremos uma imagem de credibilidade e seus benefícios junto ao mercado.

4

Ver site: http://www.presidencia.gov.br/estrutura_presidencia/cepub/legislacao/etica9/

12

5. BIBLIOGRAFIA
Jordan Augusto - O mestre é tudo? http://www.bugei.com.br/ensaios/index.asp?show=ensaio&id=49 Mario Alencastro - A Importância da Ética na Formação de Recursos Humanos www.alencastro.pro.br/textos/texto_etica_rh.htm Código de Ética Daimer Chrysler, Novembro de 2003. Código de Ética e Conduta Profissional Unibanco, Dezembro de 2006

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->