Você está na página 1de 3

QUANTAS LÍNGUAS SE FALAM NO BRASIL?

“Essa é fácil! Uma, ora essa!” Bom, o número é, na verdade, bem maior!
O Brasil apresenta uma diversidade lingüística muito grande. Se contarmos
somente as línguas indígenas, estão catalogadas 180! Isso não quer dizer que
existam 180 povos indígenas. Existem, na verdade, cerca de 220; mais de vinte
deles, porém, falam português.

Os estudos das línguas indígenas brasileiras é algo relativamente recente


mas tem contribuído muito com a lingüística mundial. Até nos anos 70, por
exemplo, acreditava-se que em todas as línguas para se formar a negativa,
acrescentava-se um elemento de negação (morfema). Assim, em português,
acrescentamos o não e em inglês, o not. Entretanto, ao se estudar uma língua
indígena em Rondônia (Karitiána), descobriu-se que eles fazem exatamente o
contrário: a negativa é feita pela retirada de um elemento lingüístico da frase,
caindo por terra o princípio universal.

“Peraí! Se tem tanto língua no Brasil, quantas será que tem no mundo?”
Saber quantas línguas existem em um país ou no mundo não é tarefa fácil. Em
geral, considera-se que existam mais de 6.000 línguas no mundo. O
“Ethnologue”, um livro que traz todas a línguas faladas no mundo, é uma
referência aos estudiosos e ao público em geral sobre o assunto. Através dos
estudos que eles desenvolvem, eles afirmam que existem exatamente 6.912
línguas espalhadas pelo mundo. E que no Brasil, há 188 línguas, incluindo aí, a
língua de sinais dos surdos-mudos (as línguas de sinais têm os elementos
língüístico pertinentes a qualquer outra língua, como gramática).

“Tá certo que existem muitas línguas no Brasil, mas a única língua oficial
é o português! Você não vai discordar de mim agora, né?” É verdade que, de
acordo com a constituição, o português é a língua oficial do Brasil. Porém, em
2002, numa cidade do estado do Amazonas, chamada São Gabriel da
Cachoeira, onde 95% da população é de origem indígena, foi aprovado na
câmara municipal uma proposta de um vereador de origem indígena: junto com
o português, três línguas indígenas passaram a ser oficiais no município. Duas
línguas locais e uma outra chamada ‘Língua Geral’ ou ‘Nheengatú’. A língua
geral foi criada na época da colonização pelo padres Jesuítas. Como a
comunicação entre os padres e os índios era muito difícil, criou-se uma mistura
entre o português, língua indígena (Tupi) e africana. O resultado foi a língua
geral. Língua geral não é falado apenas na região de São Gabriel da Cachoeira,
mas em uma vasta extensão do Amazonas.

Em 2005, o jornal americano The New York Times publicou um artigo de


página inteira sobre o nheengatú ou língua geral. Neste artigo, falantes da língua
geral contam como, no passado, eles eram reprimidos na escola quando
falavam a língua geral, muitas vezes com palmatória e castigos severos.
Aceitava-se apenas o português. Agora, eles têm orgulho de ver a língua geral
como oficial em seu município.

“Num tô entendendo uma coisa! O que é que muda com a oficialização


das línguas?” A oficialização das línguas indígenas garante a essas línguas a
sua sobrevivência. Também dá aos seus falantes um novo status pois essas
línguas ganham prestígio com o reconhecimento oficial do idioma. Já se fala até
em abrir na cidade uma universidade indígena, com cursos ensinados em língua
geral! Não seria incrível?
“Bacana!”

Denise Osborne é mestranda em Lingüística Aplicada no Teachers College

Columbia University (Nova York) e professora de português como língua

estrangeira.
Artigo originalmente publicado pelo Jornal Clarim (Minas Gerais, Brasil):

Osborne, D. (2007, December 17). Quantas línguas se falam no Brasil? Clarim,


Ano 12. n. 597. p. A2.