P. 1
Matemática - Apostila Álgebra - Funções

Matemática - Apostila Álgebra - Funções

4.75

|Views: 23.984|Likes:

More info:

Published by: Matemática Mathclassy on Jun 16, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/01/2014

pdf

text

original

Funções 1

Funções
O que é uma função?
O próprio nome já diz. Função é uma relação entre duas grandezas na qual uma depende (está
em função) da outra. Por exemplo, a quantidade de água que sai de uma torneira vai depender
do tempo que ela permanecer aberta. Portanto a quantidade de água está em função do tempo.
Uma função pode ser representada através de uma fórmula. Ainda no mesmo exemplo, se da
torneira vaza 20mL de água em um segundo, teremos a fórmula t Q ⋅ = 20 (onde Q é a
quantidade de água em mL e t o tempo de vazão em segundos) regendo a vazão de água. Basta
substituirmos o tempo que a torneira permaneceu aberta em t e descobriremos a quantidade de
água que saiu.
Outra forma de representar uma função é através de gráfico. Veja para o nosso exemplo da
torneira:
Vazão de uma torneira Q=20.t
0
20
40
60
80
100
120
140
0 1 2 3 4 5 6
Tempo t em segundos
Q
u
a
n
t
i
d
a
d
e

d
e

á
g
u
a

Q

e
m
m
L

Pelo gráfico rapidamente vemos que para 2 segundos vazou 40mL de água, para 3 segundos
60mL, e assim por diante.
Domínio e Imagem
Os valores que nós variamos para encontrarmos seus correspondentes em uma função são
chamados de conjunto domínio (no nosso exemplo, o tempo). Do mesmo modo, os valores que
encontramos são chamados conjunto imagem (no nosso exemplo, a quantidade de água). Para
cada domínio da função há somente um valor imagem. Em Matemática geralmente
representamos o conjunto domínio pela letra x e o conjunto imagem por f(x) (nota-se que f(x) é
representado pela variável dependente, y=f(x)), representando-os através da fórmula e no plano
cartesiano:
x y
x x f
=
= ou ) (


Funções 2
As dimensões dos conjuntos domínio e imagem dependem da função que está sendo analisada.
Por exemplo:
• 3 2 ) ( + = x x f (f: R→R – domínio real e imagem real);

2
1
) (


=
x
x
x f (f: R – {2}→R – {1} – domínio real menos o número 2 e imagem real
menos o número 1).
Para criar um gráfico de uma função basta construir uma tabela com os valores do domínio (x) e
seus respectivos valores imagens (y). Com esses valores estabelece-se pares ordenados (x,y) –
o primeiro valor é sempre do domínio – e marcá-los no plano cartesiano.
Ex.:
x f(x)=x+3
Par
ordenado
Gráfico no plano cartesiano
-4 -1 (-4,-1)
-3 0 (-3,0)
-2 1 (-2,1)
-1 2 (-1,2)
0 3 (0,3)
1 4 (1,4)
2 5 (2,5)
3 6 (3,6)
4 7 (4,7) -2
-1
0
1
2
3
4
5
6
7
8
-4 -3 -2 -1 0 1 2 3 4


Função do primeiro grau (função afim)
É toda função que pode ser reduzida à forma:
b ax x f + = ) (
onde a e b são números reais e a ≠ 0. O número a é chamado coeficiente de x e b é chamado
termo independente.
Gráficos
O gráfico gerado por uma função do primeiro grau é sempre uma reta. Para construí-lo basta
determinarmos dois pares ordenados e traçar uma reta cruzando os pontos determinados.

1 ) ( + = x x f
O coeficiente de x também é chamado coeficiente angular da reta e o termo independente é
chamado coeficiente linear da reta, que é a ordenada onde a reta corta o eixo das ordenadas.
Zero ou Raiz da equação
Chama-se zero ou raiz da equação o valor de x na função b ax x f + = ) ( quando f(x)=0. Para
determinarmos basta substituirmos f(x) (ou y) por zero e resolvermos a equação. Para a função
de primeiro grau encontramos uma equação de primeiro grau, como era de se esperar. A raiz da
função é o ponto onde o gráfico corta o eixo das abscissas.
Crescimento, decrescimento e sinal de uma função do primeiro grau
Seja a função b ax x f y + = = ) ( :
Funções 3
• Se ao aumentarmos o valor de x e seus correspondentes valores de y também
aumentarem teremos uma função crescente. Neste caso, 0 > a .
• Se ao aumentarmos o valor de x e seus correspondentes valores de Y diminuírem
teremos uma função decrescente. Neste caso, 0 < a .
Com isso podemos determinar os sinais da função, ou seja, os valores de x onde y > 0, y < 0 e y
= 0.
Para determinarmos y = 0 temos:
a
b
x

=
− =
+ =
+ =
b ax
b ax
b ax y
0

Note que isso independe do valor de a.
Agora,
se 0 > a se 0 < a
a
b
x

>
> 0 y

a
b -
x <
> 0 y

a
b
x

<
< 0 y

a
b
x

>
< + −
<
0
0
b ax
y

Se a é maior que zero, os valores de y
aumentam conforme aumenta x (função
crescente)
Se a é menor que zero, os valores de y
diminuem conforme aumenta x (função
decrescente).
Atenção! Estude! Caso você deixou de compreender alguma coisa vista até agora, releia e
pesquise em livros. Os próximos assuntos dependem dos conceitos já abordados.
Inequações
O estudo dos sinais da função são de enorme utilidade na resolução de inequações. Acompanhe
os exemplos:
1º:
{ } 6 | R S
6 12 2 12 2 9 3 2 3 9 2
− < ∈ =
− < ⇒ − < ⇒ > − ⇒ + > − ⇒ > − −
x x
x x x x x

2º:
4
3
3 4 7 10 4 10 7 4 : II
2
7
7 2 7 2
7 4 2 7 4 2 : I
10 7 4 2
< ⇒ < ⇒ − < ⇒ < +
− ≥ ⇒ − ≥ ⇒ ≤ −
≤ − ⇒ + ≤
< + ≤
x x x x
x x x
x x x x
x x
)
`
¹
¹
´
¦
< ≤ − ∈ =
4
3
2
7
| R S x x

3º: Para resolução de inequações compostas por multiplicação e/ou divisão de expressões com
incógnita nos dois fatores e/ou numerador e denominador:
• Isole todos os termos no primeiro membro:
Funções 4
0
5
33 5
0
5
) 5 ( 6 3
0 6
5
3
6
5
3


+ −
⇒ ≥

− − +
⇒ ≥ −

+
⇒ ≥

+
x
x
x
x x
x
x
x
x

• Divide a inequação em duas funções que componham a multiplicação ou divisão e
estude o sinal delas:
33 5 1 + − = x y 5 2 − = x y
5
33
raiz
e) decrescent
(função 0 5
= − =
< − =
a
b
a

5 raiz
crescente)
(função 0 1
= − =
> =
a
b
a

5
33
0
5
33
0
> ⇒ <
< ⇒ >
x y
x y

5 0
5 0
< ⇒ <
> ⇒ >
x y
x y

• Efetue a multiplicação ou divisão através do estudo dos sinais e satisfaça a condição da
inequação (pede valores maiores ou iguais a zero ou menores ou iguais a zero?):

)
`
¹
¹
´
¦
≤ < ∈ =
5
33
5 | R S x x
Função do segundo grau (função quadrática)
É toda função que pode ser reduzida à forma:
c bx ax x f + + =
2
) (
onde a, b e c são reais e a ≠ 0.
Gráficos
A função de segundo grau gera um gráfico em forma de parábola, de acordo com o valor de a:

Raízes
Da mesma forma que na função afim, para encontrarmos as raízes de uma função quadrática
fazemos f(x) = 0. Depois basta resolver a equação de segundo grau resultante através da fórmula
de Bháskara:
a
ac b b
x
2
4
2
− ± −
=
Obs: a parte ac b 4
2
− = ∆ é chamado discriminante da função, a apresenta algumas
propriedades:
• Se 0 > ∆ a função possui duas raízes reais e distintas;
Funções 5
• Se 0 = ∆ a função possui uma raiz real (chamada de raiz dupla, pois na realidade são
duas raízes iguais);
• Se 0 < ∆ a função não possui raízes reais.
Construção da parábola
Para construir a parábola primeiramente deve-se determinar o par ordenado que localizam o
ponto V do vértice da parábola (veja a figura na seção Gráficos) através das fórmulas:
|
.
|

\
| ∆ − −
a a
b
4
,
2
V
(lembre-se que o primeiro valor corresponde à coordenada x e o segundo à coordenada y!)
Depois determine as raízes (ou a raiz para funções 0 = ∆ ) e mais dois pontos, substituindo y
por qualquer valor conveniente e encontrando suas coordenadas x. Trace uma parábola
passando pelos pontos encontrados (assim como na figura da seção Gráficos). Se 0 < ∆ não
haverá raízes, portanto basta substituir y por um valor qualquer que seja conveniente, encontrar
suas coordenadas x e depois traçar o gráfico da mesma forma.
Sinal
O estudo dos sinais de uma função de segundo grau se faz de forma semelhante à função
afim.Veja:

0 > ∆

2 1
2 1
0
) ou ( 0 y
0 quando
x x x y
x x x x
a
< < ⇔ <
> < ⇔ >
>

) ou ( 0 y
0
0 quando
2 1
2 1
x x x x
x x x y
a
> < ⇔ <
< < ⇔ >
<

0 = ∆

0 que tal existe não
0 y
0 quando
1
<
≠ ∀ ⇔ >
>
y x
x x
a

0 que tal existe não
0 y
0 quando
1
>
≠ ∀ ⇔ <
<
y x
x x
a

0 < ∆
Funções 6

0 que tal existe não
0 y
0 quando
<
∀ ⇔ >
>
y x
x
a

0 que tal existe não
0 y
0 quando
>
∀ ⇔ <
<
y x
x
a

Inequações
Assim como na função afim, o estudo dos sinais auxilia na resolução de inequações do segundo
grau:

2
10 1
,
2
10 1
4 2
160 ) 4 (
2
: raizes
reais) raízes
(duas 0 160 ) 9 ( 4 4 ) 4 ( 4
cima) para de (concavida 0 4
9 4 4
0 9 4 4
9 5 3
) 1 ( 9 5 3
2 1
2 2
2
2
2 2
2

=
+
=

± − −
=
∆ ± −
=
> = − ⋅ ⋅ − − = − = ∆
> =
− − =
≥ − −
− ≥ − +
− ≥ − +
x x
a
b
x
ac b
a
x x y
x x
x x x x
x x x x

)
`
¹
¹
´
¦
+


≤ ∈ =
2
10 1
ou
2
10 1
| R S x x x
Funções 7
2º: 4 1
2
≤ < x
1 ou 1 0 1 : raízes
reais) raízes
(duas 0 4 1 ) 1 ( 4 0
baixo) para de (concavida 0 1
1
0 1 1 : I
2 1
2
2
2
2 2
− = = ⇒ = + −
> = ⋅ − ⋅ − = ∆
< − =
+ − =
< − ⇒ <
x x x
a
x y
x x


2 ou 2 0 4 : raízes
reais) raízes
(duas 0 16 ) 4 ( 1 4 0
cima) para de (concavida 0 4
4
0 4 4 : II
2 1
2
2
2
2 2
− = = ⇒ = −
> = − ⋅ ⋅ − = ∆
> =
− =
≤ − ⇒ ≤
x x x
a
x y
x x



{ } 2 1 ou 1 2 | R S ≤ < − < ≤ − ∈ = x x x
3º: 0 ) 9 6 ( ) 8 2 (
2 2
≥ + − ⋅ − − x x x x
4 e 2 : raizes
36
0 1
8 2
2
1
− −
= ∆
> =
− − =
a
x x y


3 : raiz
0
0 1
9 6
2
2
= ∆
> =
+ − =
a
x x y



{ } 4 ou 2 | R S ≥ − ≤ ∈ = x x x


Funções 8
Função Modular
Função definida por mais de uma expressão
Há determinados problemas da vida cotidiana em que utilizamos um tipo de função definida por
mais de uma expressão matemática. Como exemplo podemos citar o modo como é cobrado o
imposto de renda. Caso uma pessoa ganhe abaixo de uma certa quantia, por exemplo R$
5.000,00, ela estará isenta da cobrança. Caso ela ganhe acima dessa quantia, uma expressão
matemática definirá o valor a ser pago, por exemplo valor do imposto igual a 0,1 vezes a
quantia a ser ganha mais R$ 50,00. Matematicamente ficaria assim:
¹
´
¦
> +

=
5.000,00 R$ se 50,00, R$ 0,01
5.000,00 R$ se , 0
) ( I
x x
x
x
A Matemática é uma ciência que só se aprende exercendo o raciocínio. Portanto, estude e
principalmente exercite a matéria, pois do contrário é praticamente impossível aprende-la.
Comece a exercitar seu raciocínio agora! Como ficaria o gráfico de uma função definida por
mais de uma expressão?
Módulo de um número
Chama-se módulo ou valor absoluto o valor definido pela distância de um número até a origem
no eixo real. Assim sendo, defini-se matematicamente:
0 se ,
ou
0 se ,
< − =
≥ =
x x x
x x x

Portanto,
R 0 ∈ ∀ ≥ x x
Exemplos:
( )
¹
´
¦
< ⇒ < − − −
≥ ⇒ ≥ − −
= − =
|
|
.
|

\
|
− − = − = − − = =
1 0 1 se , 1
1 0 1 se , 1
1
3
2
3
2
3
2
9 ) 9 ( 9 - 5 5
x x x
x x x
x

Função Modular
É a função caracterizada por:
x x f = ) (
o que resulta, pela definição de módulo, em:
¹
´
¦
< −

=
0 se ,
0 se ,
) (
x x
x x
x f
Assim sendo, a função modular possui como conjunto imagem valores reais não negativos.
Portanto, devemos analisar uma função modular de acordo com suas duas possibilidades, ou
seja, quando a função é maior ou igual a zero e quando a função é menor que zero.
Para construir o gráfico de uma função modular basta construir os gráficos referentes às duas
expressões definidas pela função e eliminar as partes negativas. Por exemplo:
¹
´
¦
< + − = − −
≥ −
= ⇒ − =
2 se , 2 ) 2 (
2 se , 2
) ( 2 ) (
x x x
x x
x f x x f
Funções 9

Equações Modulares
Analisando as funções modulares poderemos notar uma coisa:
+
∈ ∀
− = = ⇒ =
R
ou
k
k x k x k x

Com isso solucionamos as equações modulares, como no exemplo:
3 2 5 + = − x x
Da definição de módulo, temos que 0 2 5 ≥ − x . Portanto, 3 0 3 − ≥ ⇒ ≥ + x x
( ) ¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
− = ⇒ − = ⇒ − − = + ⇒ + − = +
= ⇒ = ⇒ + = +
⇒ + = −
6
5
5 6 3 2 5 3 2 5
ou
4
1
1 4 3 2 5
3 2 5
x x x x x x
x x x x
x x
Como as duas raízes encontradas satisfazem a condição de serem maiores ou iguais à –3,
)
`
¹
¹
´
¦
− =
4
1
,
6
5
S
Inequações Modulares
Derivado do conceito de módulo, temos essa propriedade:
+
∈ ∀
< < − ⇒ <
> − < ⇒ >
R
ou
k
k x k k x
k x k x k x

Assim como nas equações, é com essa propriedade que resolvemos inequações modulares:

{ } 7 ou 3 | R S
7 5 2
ou
3 5 2
5 2
> − < ∈ =
¦
¹
¦
´
¦
> ⇒ > −
− < ⇒ − < −
⇒ > −
x x x
x x
x x
x


{
{ } 9 5 | R S
9 5 9 4 9 9 4 9 9 4
< < − ∈ =
< < − ⇒ < < + − ⇒ < − < − ⇒ < −
x x
x x x x

3º (Retirado de IEZZI, Gelson. Matemática, Volume Único p. 85)
Funções 10
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
< + −
≥ −
= −
+ ≥ −
2
1
se , 1 2
2
1
se , 1 2
1 2
1 1 2
x x
x x
x
x x

Nota-se que há duas possibilidades a serem analisadas de tal forma a garantir a verdade da
inequação:
• Se
2
1
≥ x , a inequação assume a forma 2 1 1 2 ≥ ⇒ + ≤ − x x x . Aqui se nota que x
deve ser maior ou igual a
2
1
e também maior ou igual 2. Efetuando a interseção desses
dois conjuntos, vem que:
{ } 2 | R S
1
≥ ∈ = x x
• Se
2
1
< x , a inequação assume a forma 0 15 1 2 ≤ ⇒ + ≤ + − x x x . Assim, 2 < x e
3
1
− ≥ x . Intercedendo os dois conjuntos:
{ } 0 | R S
1
≤ ∈ = x x
A solução vem da união dos conjuntos soluções encontrados nos dois casos:
{ } 2 ou 0 | R S S S
2 1
≥ ≤ ∈ = ∪ = x x x

Pesquise e estude. Faça exercícios. Apenas com empenho se aprende Matemática!
Função exponencial
Potência
Chama-se potência ao produto de um número por ele mesmo, independente do número de vezes
que esse produto ocorra. Matematicamente, seja a um número real e n um número natural:
(n vezes) ... a a a a a a
n
⋅ ⋅ ⋅ ⋅ ⋅ =
Assim, tem-se:
( ) 10 100 10 10 10 125 5 5 5 5
2
3 4
= = ⋅ = = ⋅ ⋅ = ⋅ ⋅ ⋅ = a a a a a
Convencionou-se:
• Qualquer número não nulo elevado a 1 é igual a ele mesmo:
3
1
3
1
3
1
128 128
1
1
1
1 1
= = |
.
|

\
|
= = a a
• Qualquer número não nulo elevado a 0 é igual a 1:
1 1 3 1 46 1
0 0 0
= = = = a
Expoentes não naturais
• Se o expoente for negativo, o número é o inverso da potência caso fosse positiva:
n
n
a
a
1
=


Ex:
64
1
64
1
64
1
1
4
1
1
4
1

25
1
5
1
5
3
3
2
2
= ⋅ = =
|
.
|

\
|
= |
.
|

\
|
= =



Funções 11
• Se o expoente for racional, o denominador se torna o índice de um radical e o
numerador a potência do radicando:
q
p q
p
a a =
Ex:
3 3 2
3
2
2 1
2
1
9 3 3 5 5 5 = = = =
Lembre-se que:
*
N ∈ = ⇔ = n a b b a
n n

Ex:
( ) 27 3 3 27 16 2 2 16
3
3 4 4
− = − ⇔ − = − = ⇔ =
Propriedades
1.
n m n m
a a a
+
= ⋅
2. 0 ≠ =

a a
a
a
n m
n
m

3. ( )
n n n
b a b a ⋅ = ⋅
4. 0 ≠ = |
.
|

\
|
b
b
a
b
a
n
n
n

5. ( )
n m
n
m
a a

=
Devido às potências de expoente fracionário, temos as seguintes propriedades:
1.
p n
p m n m
a a


=
2.
n n n
b a b a ⋅ = ⋅
3.
n
n
n
b
a
b
a
=
4. ( )
n m
m
n
a a =
5.
n m m n
a a

=
Função exponencial
É toda função que a incógnita se encontra como expoente de um termo.
1 e 0
) (
≠ > ∀
=
a a
a x f
x

Gráficos
Construiremos os gráficos das funções
x
x f 2 ) ( = e
x
x g |
.
|

\
|
=
2
1
) ( . As outras funções
exponenciais possuirão gráficos semelhantes.
x
x
x f 2 ) ( =
x
x g |
.
|

\
|
=
2
1
) (
-2
4
1
4
-1
2
1
2
0 1 1
Funções 12
1 2
2
1

2 4
4
1


Desses gráficos extraímos algumas propriedades:
1. O gráfico sempre cortará o eixo das ordenadas no ponto (0,1) pois:
1 ) ( 0
0
= = ⇒ = a x f x
2. Se x > 1, a função será crescente.
3. Se 0 < x < 1, a função será decrescente.
4.
2 1
2 1
x x a a
x x
= ⇔ =
5. O conjunto imagem será sempre positivo, pois a >0, e nunca chegará a 0, pois a ≠ 0.
Equações exponenciais
São equações que apresentam a incógnita como expoente de uma potência. Para resolve-la
reduzimos, quando possível, a equação a membros de potência de mesma base e aplicarmos a
quarta propriedade das funções exponenciais (
2 1
2 1
x x a a
x x
= ⇔ = ). Veja os exemplos:
{ } 1 S
1 3 3
3
3
3 3 3 3 27 3
2
3
3 2 2
=
= ⇒ = ⇒ = ⇒ = ⋅ ⇒ =
+
x
x x x x

( )
( ) ( )
{ } 1 S
existe não 1 2 1 2
1 2 2 2 2
1 ou 2
1 2
2 1 4 1 1
0 2
) 2 se - (faz 0 2 - 2 - 2 0 2 2 2 0 2 2 4
2
2
x x
2
2
=
− = ⇒ − = ⇒ =
= ⇒ = ⇒ = ⇒ =
− = = ⇒

− ⋅ ⋅ − − ±
=
= − −
= = ⇒ = − − ⇒ = − −
x y y
x y y
y y y
y y
y
x x
x x
x x x x x

Inequações exponenciais
Resolve-se inequações exponenciais de forma semelhante às equações. Entretanto aplica-se as
seguintes propriedades, decorrentes das segunda e terceira propriedades das funções
exponenciais:
e) decrescent função - 1 0 (se
crescente) função - 1 (se
2 1
2 1
2 1
2 1
< < > ⇒ <
> < ⇒ <
a x x a a
a x x a a
x x
x x

Exemplos:
{ } 1 | R S
1 2 1 2 2 4 2
2 1 1
> ∈ =
> ⇒ > + ⇒ > ⇒ >
+ +
x x
x x
x x

Funções 13
( )
)
`
¹
¹
´
¦
− < ∈ =
− < ⇒ < − ⇒ > ⇒ > ⇒ > |
.
|

\
|
− −
2
1
|
2
1
1 2 3 3 3 3 3
3
1
2
2
1
2
x R x S
x x
x
x
x

Função Logarítmica
Definição
O conceito de logaritmo surgiu para solucionar o maior problema das funções exponenciais:
resolver equações que não sejam possíveis reduzir as potências a bases iguais. Mais adiante
veremos isso. Por enquanto, veja a definição:
• Chama-se logaritmo de b na base a, sendo a e b reais e positivos e a ≠ 1, o número tal
que seja o índice (x) de uma potência de base a que tenha como resultado o número b.
Ou seja,
b a x b
x
a
= ⇔ = log
• a é a base do logaritmo, b o logaritmando e x o logaritmo.
Por exemplo:
( ) 10 10 2 10 log 125 5 3 125 log 9 3 2 9 log
2
10
3
5
2
3
= ⇒ = = ⇒ = = ⇒ =
Dessa forma, temos as seguintes conseqüências do logaritmo:
1. 1 0 1 log
0
= ⇒ = a
a

2. a a a
a
= ⇒ =
1
1 log
3. . termos para base na colocar deve se que expoente o é log
log
b a b b a
a
b
a
⇒ =
4. c b c b
a a
= ⇒ = log log
Há dois logaritmos especiais, usados principalmente na área da Engenharia:
• Sistema de logaritmos decimais: são os logaritmos cuja base é 10. Neste caso pode-se
omitir a base na escrita:
b b
10
log log =
• Sistema de logaritmos neperianos: são os logaritmos cuja base é e, um número
irracional próximo de 2,71828... (como o π!). Neste caso pode-se substituir o símbolo
e
log por n :
x n x
e
log =
Propriedades operativas dos logaritmos
1. ( ) n d c b n d c b
a a a a a
log log log log log + + + + = ⋅ ⋅ ⋅ ⋅ … …
2. c b
c
b
a a a
log log log − = |
.
|

\
|

3. b r b
a
r
a
log log ⋅ =
Essas propriedades são extremamente importantes para a determinação de logaritmos, exemplo:
( ) 301 , 2 2 301 , 0 100 log 2 log 100 2 log 200 log
? 200 log vale quanto 301 , 0 2 log que Sabendo
≅ + ≅ + = ⋅ =


Mudança de base
Pode-se mudar a base de um logaritmo através da fórmula:
a
b
b
c
c
a
log
log
log =
Exemplo:
Funções 14
322 , 2
301 , 0
301 , 0 1
2 log
2 log 10 log
2 log
2
10
log
2 log
5 log
5 log
? 5 log vale quanto 301 , 0 2 log que se - Sabendo
2
2


=

=
|
.
|

\
|
= =


Nota: nos livros em que uso como bibliografia neste ponto há o tópico funções inversíveis, que
não estará nesta apostila. Aconselho que estude-o por livros.
Função logarítmica
São funções que tem a incógnita definida em um logaritmo:
( )
1 0
log
≠ <
=
a
x x f
a

Essas funções são amplamente utilizadas na Engenharia e na Economia.
Os gráficos das funções logarítmicas são construídos de forma análoga ao das outras funções.
São similares a esse:

• Como 0 log > x
a
, o conjunto domínio será sempre real, positivo e não nulo.
• Se 0 log 1 = ⇒ = x x
a
. Portanto o gráfico cortará a abscissa no ponto (1,0).
• O gráfico de ( ) x x f
a
log é simétrico e inverso ao gráfico ( )
x
a x f = ' .
Propriedades:
1. Se 1 > a a função é crescente:
2 1 2 1
log log x x x x
a a
< ⇔ <
2. Se 1 0 < < a a função é decrescente:
2 1 2 1
log log x x x x
a a
> ⇔ <
3. Se 1 > a os números entre 0 e 1 tem valores negativos e os maiores que 1 tem valores
positivos:
0 log log log 1
0 log 1 log log 1 0
> ⇒ > ⇒ >
< ⇒ < ⇒ < <
a a a
a a a
x x
x x x

4. Se 1 0 < < a os números entre 0 e 1 tem valores positivos e os maiores que 1 tem
valores negativos:
0 log log log 1
0 log 1 log log 1 0
< ⇒ < ⇒ >
> ⇒ > ⇒ < <
a a a
a a a
x x
x x x

Equações exponenciais
Com todo o estudo já realizado sobre funções, agora podemos resolver equações do tipo 2
x
= 5.
Se raciocinarmos, veremos que 2² = 4 e 2³ = 8. Portanto 2 < x < 3, o que não resolve nosso
problema. Para resolve-la utilizamos a definição de logaritmo:
b a x b
x
a
= ⇔ = log
Veja:
x
x
= ⇒ = 5 log 5 2
2

Funções 15
Consultando uma tabela de logaritmos descobrimos o valor de 5 log
2
e encontramos o valor de
x.
Equações logarítmicas
Resolvem-se as equações logarítmicas de diversos modos, dependendo da equação. Na maioria
dos casos usam-se as propriedades ou a definição de logaritmo:
1.
{ } 3 S
positivo)
ser deve do logaritman o pois positivas, são
expressões as ambas se verificar se - (deve 0 4 3 2 3 3 0 4 2 3
3 6 2 4 2 3 ) 4 ( log ) 2 3 ( log
3 3
=
> + = − ⋅ ⇒ > + = −
= ⇒ = ⇒ + = − ⇒ + = −
x x
x x x x x x

2.
{ } 1000 S
1000 10 3 log
3
=
= ⇒ = ⇒ = x x x

3.
( )
)
`
¹
¹
´
¦
=
= ⇒ − = ⇒ − = ⇒ =
= ⇒ = ⇒ = ⇒ =
− = = = − −
= = ⋅ −
27 ,
3
1
3
1
1 log 1 log
27 3 log 3 log
1 ou 3 0 3 2
) log (fazendo 3 log 2 log
3 3
3 3
2
3 3
2
3
S
x x y y x
x x y y x
y y y y
y x x x

Utilize as propriedades para desenvolver a equação de modo a chegar em um desses três
métodos.
Inequações exponenciais
A resolução das inequações exponenciais que não podem ser reduzidas a mesma base utiliza os
logaritmos, assim como nas equações exponenciais. Resolva-as através dessas expressões:
) 1 0 (se log log log log log
) 1 (se log log log log log
) 1 0 (se log log log log log
) 1 (se log log log log log
< < > ⇔ > ⇔ > ⇔ <
> < ⇔ < ⇔ < ⇔ <
< < < ⇔ < ⇔ < ⇔ >
> > ⇔ > ⇔ > ⇔ >
a b x b a x b a b a
a b x b a x b a b a
a b x b a x b a b a
a b x b a x b a b a
a a a a
x
a
x
a a a a
x
a
x
a a a a
x
a
x
a a a a
x
a
x

Inequações logarítmicas
Há dois casos a considerar:
• A inequação pode ser reduzida a logaritmos de mesma base
( ) ( ) ( )
) 1 0 (se 0 ) ( ) ( ) ( log ) ( log
) 1 (se 0 ) ( log log
< < > > ⇒ >
> < < ⇒ <
a x g x f x g x f
a x g x f x g x f
a a
ax a

• A inequação é reduzida a um logaritmo e um número real
r
a a a
a x f r x f log ) ( log ) ( log > ⇒ >
Assim como nas equações, utilize as propriedades dos logaritmos para resolver as inequações
logarítmicas (logaritmo de produto, de quociente, mudança de base etc).
Neste ponto há o tópico Logaritmos decimais. Aos que prestarão exame na área de exatas,
estude-os.
Bibliografia
IEZZI, Gelson. Matemática: 1ª série, 2º grau. São Paulo. Atual, 1981.
IEZZI, Gelson e DOLCE, Oswaldo e DEGENSZAJN, David Mauro e PÉRIGO, Roberto.
Matemática: volume único. São Paulo. Atual, 1997.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->