Você está na página 1de 3

Aula 4: Propagação de calor

Propagação de calor

Existem basicamente três métodos de propagação de calor: condução, convecção e


radiação.

Condução – Na condução existe a passagem de agitação das moléculas de uma para a outra
diretamente. Uma molécula está a uma determinada temperatura e se agita, passando esta
agitação para a molécula vizinha que está menos agitada e esta para as outras. Não há
movimentação de matéria. Bons condutores térmicos são aqueles que não oferecem muita
resistência à passagem de calor e isolantes térmicos são aqueles que dificultam esta
passagem.

Convecção – Na convecção existe a movimentação de matéria para a transmissão de calor.


O exemplo clássico de convecção é o ar condicionado:

Ar quente
Ar frio

O ar frio é mais denso que o ar quente. Sendo assim, o ar frio “afunda” no ar quente assim
como uma moeda afunda em um copo d’água, ocupando a parte inferior. Porém, na parte
inferior estará pessoas, animais ou equipamentos que trocarão calor com o ambiente,
esfriando-se e aquecendo o ar para chegar a uma temperatura de equilíbrio. O ar agora
aquecido sobe por que passou a ficar menos denso. Este fluxo de ar quente e frio é chamado
de convecção do ar.
Analogamente, temos as correntes marítimas estudadas em geografia. A idéia é a mesma,
porém o estudo é feito com água ao invés de ar.
É devido a este fluxo que aquecedores de todos os tipos devem ficar na parte inferior dos
ambientes e os aparelhos que esfriem devem ficar na parte superior. Perceba que nas
geladeiras, por exemplo, o congelador é sempre colocado na parte superior, para que o ar se
resfrie na sua presença e desça, dando lugar ao ar mais quente que sobe. É pela necessidade
desta convecção que as prateleiras na verdade são “grades”.
A convecção ocorre apenas nos fluidos (líquidos, gases e vapores), não podendo ocorrer
nos sólidos e no vácuo.
Radiação – Na radiação, a energia emitida por um corpo se propaga até o outro, através do
espaço que os separa por ondas eletromagnéticas. Por não exigir um meio material para
ocorrer a radiação pode ocorrer no vácuo. O exemplo clássico é o calor transmitido pelo
Sol.

Um exemplo prático das aplicações destes conhecimentos é a garrafa térmica. Ela foi
projetada para evitar qualquer tipo de fluxo de calor do seu conteúdo com o ambiente. Para
evitar a troca de calor por condução, existe um vácuo entre a parede da garrafa e a do
recipiente que possui o líquido. Para evitar por convecção, a garrafa é fechada com uma
tampa e a radiação é evitada pelas paredes prateadas internamente e externamente.

Aplicações

Vaso de Dewar – Garrafa térmica


A garrafa térmica é conhecida por todos como sendo um objeto que mantém a temperatura
de líquidos que estejam em seu interior pelo máximo de tempo possível. E para que isto
aconteça, é preciso que ele evite todo o tipo de troca de calor com o ambiente. Ou seja, ele
deve evitar que aconteça troca de calor por radiação, condução e convecção.
A condução é evitada pela existência de vácuo entre o líquido e as paredes externas da
garrafa. As paredes são feitas de vidro, que é um péssimo condutor térmico.
A convecção é evitada simplesmente tendo-se uma tampa que vede bem a garrafa.
E por último, a radiação é evitada com o uso de paredes espelhadas.

Estufas
As famosas estufas, que mantém a temperatura em seu interior maior do a que está do lado
de fora funcionam mais ou menos da seguinte maneira: Elas são feitas de vidro, material
que deixa passar praticamente toda luz visível que incide sobre ele mas não deixa passar as
ondas de calor (raios infravermelhos).
Apenas uma pequena parte destas ondas de calor consegue passar, que é absorvida pelas
plantas, animais ou objetos em seu interior. Estas ondas são absorvidas e emitidas
novamente em uma forma mais ampla de raios infravermelhos. Destes, apenas uma
pequena parte poderão sair. O restante volta a ser absorvido pelas plantas.

Brisas litorâneas
Para entendermos as brisas litorâneas, precisamos entender primeiro o seguinte: o ar é um
fluido e então a propagação de calor é dada por convecção, ou seja, o ar se movimenta do
lugar mais frio para o mais quente. Segundo, o calor específico sensível da areia da praia é
muito menor que o da água. Isto significa que a areia esquenta mais rápido durante o dia e
resfria mais rápido durante a noite do que água.
Entendendo isto, vamos para o que acontece. De dia, o sol consegue aquecer a areia mais
rápido do que a água. Sendo assim, o ar por cima da areia está mais quente do que o que
está por cima da água. O vento vai fluir do mais frio para o mais quente, neste caso da
água para a areia.
De noite, sem o sol, a areia resfria-se mais rápido que a água. O ar que está sobre a areia
também fica mais frio que o ar que está sobre a água. O vento vai fluir do mais frio para o
mais quente, ou seja, da areia para a água.
Fluxo de calor ( φ )
Quantidade de calor que consegue atravessar um condutor em um certo intervalo de tempo:

Q
φ=
∆t

Em uma chapa:

T1
A

T2 L

C.A.∆θ
φ=
L

Onde:
C – coeficiente de condutividade térmica
A – área de secção da chapa
L – espessura da chapa
∆θ – diferença de temperatura entre as faces

Obs: Valores altos de C são para condutores térmicos. Isolantes térmicos têm C de valor
baixo.

Você também pode gostar