Você está na página 1de 12

• História –

Amazônia pré-histórica pg. 02

• História – As grandes navegações


Espécie ameaçada de inç e a conquista do Brasil
cor-de-rosa (Iniageofreext
nsis)
ão, o boto- pg. 04
aos 2,5 metros. pode chegar
• Geografia – A transição
demográfica pg. 06
• Geografia – Aspectos da
população mundial pg. 08

• Português –
Regência verbal 1 pg. 10

o
A chamento d
de ha
ho da Carta az de Camin
Trec de Pero V
Brasil, )
(1500
História
b) Arcaica (7.500–1000 a.C.):

Midiateca oferece Nesse período, ocorre o desenvolvimento da


produção agrícola, especialmente na várzea,
depois em terra firme, propiciando a

acervo de artes
Professor Francisco MELO de Souza
sedentarização do homem amazônico. Segundo
Antônio Porro, a agricultura surgiu a partir do
feijão, da abóbora e do milho.

visuais
Amazônia pré-histórica
Os arqueólogos descobriram diversos
1. Uma discussão teórica sobre a Amazônia sambaquis (sítios arqueológicos recobertos por
Há uma questão sempre posta quando se camadas de conchas e de vegetação fluvial) que
busca explicar a Amazônia durante a pré-história comprovam esse período nas regiões do delta,
(utilizaremos esse termo para significar o do baixo Amazonas, da Guiana e do Orenoco.
período anterior à escrita), período mais longo e
menos estudado da Amazônia: como se pode
Um acervo de DVDs e de imagens
comprovar a veracidade do que se diz sobre a
especializado em artes visuais já está à
economia, a organização social e a divisão do
disposição de professores do Ensino
trabalho na Região (DOS SANTOS, Francisco
Fundamental e Médio do Amazonas. Jorge. História do Amazonas. Amazonas: Editora
Lançada na última semana de setembro, Novo Tempo, 2000, p. 19.) Quando teria iniciado
a Midiateca Arte na Escola, do Pólo da o processo de ocupação da Amazônia?
Universidade do Estado do Amazonas Os estudos sobre a pré-história da Amazônia
(UEA), é voltada à qualificação e ao vêm sendo feitos por vários pesquisadores
apoio de docentes de arte. (arqueólogos, etno-historiadores, historiadores e Fig.2 – Agricultura na fase paleoindígena
A Dvdteca é constituída de exemplares cientistas sociais) desde o século XIX. Mais
com qualidade e informação atualizada, recentemente, importantes pesquisadores 2. Periodo Formativo ou Pré-história Tardia
abrangendo os principais elementos da desenvolveram trabalhos sobre a pré-história da (1.000 a. C.-1540):
história da arte, da linguagem visual e da Amazônia com o apoio institucional da Surgiram, nessa época, em determinadas
leitura da obra, bem como do fazer Universidade Federal do Amazonas e de outras regiões amazônicas, os chamados Cacicacos
artístico, da natureza da arte e da sua instituições acadêmicas. Entre esses estudiosos Complexos. Uma cultura com um grau de
relação com o meio social. Fonte de do tema, podemos citar: Bety Meggers, Anna complexidade significativo em vários campos,
referência em se tratando de arte brasileira, Roosevelt, André Proust, Pedro Ignácio Smith, tais como a produção de alimentos, a
o acervo tem como foco a arte contempo- Eduardo Góes Neves, Charles Hart entre outros. organização social do trabalho, a jornada de
rânea, contemplando, em parte, a Os primeiros trabalhos amazônicos afirmavam trabalho reduzida, o sistema de organização
pluralidade e a diversidade das raízes que o processo de ocupação pré-histórica da religiosa, as organizações festivas, etc.
Amazônia ocorreu dos Andes até o Atlântico. A Os Cacicados Complexos
existentes no País.
justificativa para essa afirmativa era que a Organização econômica – A principal atividade
De acordo com a coordenadora do Pólo
Amazônia possuía um meio ambiente pobre e econômica era a agricultura em grande
Arte na Escola da UEA, Ítala Clay, o
incapaz de produzir uma cultura complexa e quantidade, pois havia técnica de plantio a partir
catálogo do projeto Arte na Escola está
densa devido ao solo ácido pouco fértil. Por outro da coivara (a derrubada das árvores, seguida de
estruturado em temáticas como lado, os Andes possuíam um ambiente propício
conexões transdisciplinares, formação do queimada em uma área de terra firme onde era
para o desenvolvimento de uma densa feito o plantio; na várzea, a plantação ocorria
educador, forma-conteúdo, linguagens população e uma complexa cultura. As logo após a vazante). Praticavam-se também
artísticas, materialidade, mediação descobertas feitas por Roosevelt em Monte técnicas de terraplenagem para a construção de
cultural, patrimônio cultural, processo de Alegre, no Pará, vêm mostrar que na Amazônia viveiros para a criação de quelônios. Em deter-
criação e saberes estéticos e culturais. desenvolveram-se culturas complexas há muito minados lugares, o milho era o alimento
A Midiateca também é constituída por mais tempo do que se supunha, os chamados principal, seguido da mandioca, do peixe e de
uma coleção de materiais de apoio aos Cacicados Complexos, na parte oriental da animais silvestres. A jornada de trabalho girava
Dvds e por um Banco de Imagens Fixas. região. em torno de 4 horas diárias. O trabalho para a
A proposta é subsidiar o Projeto de 2. Fases de ocupação da Amazônia subsistência era desenvolvido por todos os
Educação Continuada, que tem por membros de uma comunidade.
Os arqueólogos e cientistas sociais apresentam
objetivo apoiar o professor e qualificar o uma periodização específica para o processo de Os produtos manufaturados, como tecidos,
ensino da arte. A previsão é que, com ocupação da Amazônia: cerâmicas, armas, etc., eram comercializados
esse material de apoio, os professores num movimento intertribal feito a longa distância
a) Paleoindígena (11.200 – 8.500 a.C.):
possam organizar ciclos e mostras ao e realizado periodicamente.
Nesse período, os povos paleoindígenas viviam
público em geral. Organização social e política – Havia estratifi-
da coleta de moluscos, de plantas e da caça de
A inauguração da Midiateca aconteceu cações sociais que determinavam também a
animais de pequeno porte (SANTOS, Francisco
durante o II Encontro Regional Norte Arte organização política dos Cacicados Complexos:
Jorge. História do Amazonas. Manaus: Editora
na Escola, no fim de setembro, no no topo, estava o grande chefe, que tinha seu
Novo Tempo, 2000, p. 19). As descobertas da
auditório da Reitoria da UEA. Na oportuni- poder justificado a partir de uma origem divina.
arqueóloga Anna Rooselvelt, em Monte Alegre,
dade, Gisa Picosque, doutora em artes Havia um estrato subordinado ao grande chefe,
Pará, levam-nos a acreditar que havia a prática
cênicas, ministrou curso sobre o uso da a quem se pagavam tributos, e os escravos
da pesca e da caça de animais, pois era comum
Dvdteca, que estará disponível aos profes- conquistados em guerra.
o uso de pontas de lanças feitas de pedra. Não
sores cadastrados no Pólo da UEA. há registros dessa época de habitações mais 3. Os povos das águas do século XVI
Aberto a professores de artes das escolas elaboradas, o que nos sugere que esse povo A seguir, apresentaremos alguns povos a partir
públicas e particulares, além de habitava grutas e cavernas. de suas localizações geográficas e das
estudantes de licenciatura, o II Encontro respectivas províncias (categoria utilizada para
Regional Norte da Rede Arte na Escola, situar os domínios territoriais de cada um
com o tema Diversidade na Amazônia, desses povos).
reuniu representantes de pólos do Acre, Província de Aparia – Localizava-se na região
Amazonas, Amapá, Pará e de Roraima. do baixo Napo, estendendo-se até o atual
Para efetuar o cadastro de utilização da município de São Paulo de Olivença. Nessa
midiateca, os interessados devem procurar Província, havia vinte povoados compostos de
a Escola de Artes e Turismo, na Rua até cinqüenta grandes casas. O destaque era a
Leonardo Malcher, 1728, Praça 14 de grande plantação de milho. Aparia Grande ou
Aparia, o Grande, consistia na sede provincial,
Janeiro.
na região da boca do rio Javari.
Fig. 1 – Ponta de lança feita de pedra lascada. Província dos Omáguas – Seus domínios
Pesquisa Fapesp: Revista Ciência e Tecnologia no
Brasil. Outubro, 2003. começavam a partir de 120km acima da foz do

2
Javari, estendendo-se até o Mamoria, entre o Maranhão e baixo Amazonas. Sua presença é

Desafio
Jutaí e o Juruá. Os omáguas apresentavam dois assinalada na Ilha Tupinambarana. Os omáguas,
traços importantes que chamavam a atenção: a cocamas e cocamilas são desse tronco tribal.
deformação artificial do crânio e o fato de Caribe – Centralizava-se no extremo norte, nas
possuírem técnicas de produção de roupas Guianas.

Histórico
tecidas com algodão e em cores. Tucano – Estava a noroeste da Amazônia.
Pano – Localizava-se nas cabeceiras dos rios
Purus, Juruá e Uayali.
Catuquina – Localizava-se a sudoeste, entre o
rio Purus e o Juruá.
Jê – Estava na região sul do atual Estado do
Pará e norte de Mato Grosso.
Tucuna – A oeste do Negro, pelo Içá e pelo
Japurá. 01. (UFAM) “Havia nesse povoado uma
Tucano – A noroeste do Uaupés. casa de diversões, dentro da qual
Xiriâna – No extremo norte, em Roraima. encontramos louças das mais
5. Demografia variadas: havia vasos e cântaros
enormes, de mais de vinte e cinco
Fig. 3 a)Índio Omágua com cabeça em forma de mitra. O etno-historiador William Denevan,
b) Busto de um índio Cambeba. Fonte: Expedição de arrobas, e outras vasilhas pequenas
reconhecendo a importância histórica do
Alexandre Rodrigues Ferreira à Amazônia.
processo de despovoamento, fez um levanta- como pratos, tigelas e castiçais, de
Província de Machifaro – Localizava-se na mento demográfico da Amazônia pré-histórica uma louça de melhor que já se viu no
margem direita do Solimões, entre os rios Tefé e levando em consideração a distinção entre os mundo, mesmo a de Málagua não se
Coari. Recebeu vários nomes, tais como: dois maiores ecossistemas: terra firme e várzea. compara a ela, porque é toda
Curuzirari, Carapuna e Aisuari. Essa província Estabeleceu, para terra firme, 98% do território vitrificada e esmaltada com todas as
ficou conhecida como “Aldeia do Ouro”, pelo amazônico, 0,2 hab/km², o que corresponde à cores, tão vivas que espantavam,
fato de que indivíduos dessa população usavam cifra de um milhão de habitantes. Para a várzea, apresentando além disso, desenhos
pingentes de ouro, trocados em comércio reconheceu a alta concentração de recursos e figuras tão compassadas que
intertribal. naturais explorados pela tecnologia indígena: 14 naturalmente eles trabalhavam e
Província de Yoriman – Dominava cerca de hab/km², correspondendo a 950 mil habitantes.
250km, a partir das proximidades de Coari, desenhavam como os romanos”.
estendendo-se até o Purus, na margem direita Frei Gaspar de Carvajal, cronista da expedição
do Solimões. Ficou conhecida como “Aldeia da de Francisco de Orellana, 1542.
Exercícios
Louça” devido à belíssima cerâmica policrômica O relato acima refere-se à:
produzida por eles. Era conhecida ainda como 01. (Positivo) Niède Guidon foi a primeira a) Aldeia que os membros da expedição
Solimões. Tida como uma nação guerreira, pesquisadora a afirmar que no Brasil de Orellana batizaram de “Aldeia da
atemorizava os portugueses. estão os mais antigos restos Louça”, localizada na região de
Província de Paguana – Localizava-se do arqueológicos a registrarem a Codajás e pertencente à Província de
Purus, na margem direita, até o encontro das presença humana no: Yoriman.
águas. Havia dois povoados: o dos Bobos e o
dos Viciosos. a) Sítio Arqueológico da Pedra Furada, na b) Província de Solimões, localizada na
Província dos Tarumãs – Iniciava seus Serra da Capivara, interior do Piauí. região que compreendia “um pouco
domínios na Barra e estendia-se até o rio Urubu. b) Sítio Arqueológico da Pedra Lascada na acima do rio Coari estendendo-se até
Os tarumãs eram povo do tronco lingüista Amazônia. quase a foz do rio Purus”.
Aruaque. c) Estado do Acre, no sítio arqueológico de
c) Missão de Nuestra Senhora de las
Província dos Tapajós – Situava-se da região Pedra Furada.
Neves de los Yurimáguas, que os
do Nhamundá até a foz do rio Tapajós. O d) Planalto Goiano, nas proximidades de
membros da expedição de Orellana
cronista da expedição de Francisco de Orellana, de Brasília.
e) Rio Grande do Sul, à beira da Lagoa batizaram de “Aldeia do Ouro”.
frei Gaspar de Carvajal, batizou as várias aldeias
dos Patos. d) Província de Conduris, na região que
de “grandes cidades”. Outro cronista, Cristóbal
medeia os rios Nhamundá e Tapajós,
de Acuña, da expedição de Pedro Teixeira, 02. (UFAM) O trabalho desenvolvido pela
afirmou que se tratava de uma nação belicosa e onde os espanhóis no século XVI
arqueóloga franco-brasileira Niède
temida pelas demais nações vizinhas, pois teriam se defrontado com as lendárias
Guidon no sítio arqueológico da Pedra
usavam em suas flechas venenos que vitimavam Amazonas.
Furada, no Piauí, reacendeu as
os inimigos atingidos. e) Aldeia de Aissuari, que os membros da
discussões sobre a origem do homem
americano. Sobre os achados expedição de Pedro Teixeira
arqueológicos e suas respectivas apelidaram de “Aldeia do Ouro”,
conclusões pode-se afirmar que: localizado na Província de Machifaro.
a) foram encontradas, em sambaquis, 02. (UFAM–PSC–III) A pesquisa
centenas de pinturas rupestres, que arqueológica na Amazônia ainda
permitem identificar nossos primeiros carece de muitos estudos. Entretanto
habitantes;
já existe uma periodização provisória
b) foi encontrado o crânio de “Luzia” com a
para o estudo da região amazônica,
datação de 9.000 anos, acreditando-se
tratar dos restos humanos mais antigos diferente daquela empregada nos
das Américas; países europeus, e que vem sendo
c) foram encontrados artefatos líticos, em utilizada pelos arqueólogos. Essa
sambaquis, que comprovam a periodização compreende as fases
Fig. 5 – Território Cambeba nos séc. XVI e XVII.
tradicional hipótese de penetração denominadas de:
4 – Grupos Lingüísticos e Tribais terrestre do Estreito de Behring; a) Paleolítico, Cacicados Simples e
d) foram encontrados restos de fogueira e
A lingüística classificou cerca de 1492 línguas Cacicados Complexos.
faladas em toda a América do Sul. Na fósseis com datação aproximada de
b) Paleolítico, Mesolítico e Neolítico.
Amazônia, cerca de 718 línguas procediam dos 50.000 anos, que contrariam a teoria das
c) Idade da Pedra Lascada, Idade da
troncos lingüísticos dos seguintes povos: correntes australiana e malaio-polinésio;
e) foram encontrados restos de fogueira Pedra Polida e Idade dos Metais.
Aruaque – Dominava a bacia do Alto Amazonas
com datação aproximada de 50.000 d) Paleozóico, Cenozóico e Mesozóico.
e a região do baixo Negro. Habitava também os
anos, que indicam que o homem pode e) Paleoindígena, Arcaica, Pré-História
rios Uatumã, Jatapu e Urubu.
Tupi – Dominava a costa atlântica do Pará, ter chegado à América, a esse tempo, Tardia.
via oceano Pacífico.

3
Desafio História
As Grandes Navegações (XV)
Vários fatores econômicos, políticos e culturais
impulsionaram as Grandes Navegações.

Histórico
Professor DILTON Lima Vejamos alguns desses fatores.
O monopólio italiano sobre as especiarias fazia
que os comerciantes impusessem preços altos,
e isso prejudicava os interesses comerciais de
As Grandes Navegações e quem comprava dos italianos, pois para
a conquista do Brasil revender iriam cobrar mais caro ainda.
A ação do Estado (monarquia) que desejava a
A Europa na época das Grandes Navegações já consagração do poder político abre um
era capitalista na fase comercial (XV-XVIII). processo de centralização que começa nos fins
Nessa fase, já havia relações assalariadas de do século XIV, com Portugal. Esse Estado se
01. (FGV) O metalismo, a doutrina da
balança comercial favorável, o produção, e a atividade comercial constituía-se aliou à camada mercantil, a quem garantiu
industrialismo, o protecionismo e o na princípal fonte de acumulação de capital. monopólio do comércio sobre as áreas
colonialismo constituem as A economia da Europa era conduzida por um conquistadas. A burguesia mercantil viu a
características básicas do: conjunto de práticas econômicas conhecido possibilidades de aumentar muito seus lucros se
como mercantilismo, que ficou marcado pelas eles conquistassem o Oriente. Nesse caso, o
a) Neoliberalismo.
seguintes características: acordo entre o Estado e a burguesia mercantil
b) Intervencionismo.
• Acumulação de ouro e prata determinando o foi importante para garantir o sucesso na
c) Socialismo.
poder de uma nação. conquista do além-mar e tornar Portugal senhor
d) Liberalismo
• Desenvolvimento do comércio como principal dos domínios orientais.
e) Mercantilismo.
atividade. As inovações tecnológicas foram importantes no
02. (UFSM) O ano de 1998 marcou os • Balança comercial superavitária. domínio das navegações. O aperfeiçoamento da
quinhentos anos do Descobrimento • Protecionismo alfandegário. bússola e do astrolábio e a invenção da
do Brasil, pois, “Em 1498, D. Manuel • Intervenção estatal na economia. caravela garantiram o sucesso para a expansão
ordenava que Duarte Pacheco Pereira • Monopólio comercial. marítima. O domínio do canhão, da pólvora e
navegasse pelo Mar Oceano, a partir • Exploração colonial. de outras armas fez que os europeus se
das ilhas de Cabo Verde até o limite O que se costuma chamar usualmente de impusessem sobre os povos do Oriente e, com
de 370 léguas [estipuladas pelo “descobrimento” na verdade representa um isso, vantagens econômicas e políticas foram
Tratado de Tordesilhas]. É esta a processo de conquista de novas áreas que garantidas aos europeus.
primeira viagem, efetivamente viessem atender à expansão do capitalismo. Era A primazia de iniciar as Grandes Navegações
conhecida pelos portugueses, às preciso acumular metais preciosos, já que havia coube aos ibéricos, primeiro Portugal e depois a
costas do litoral norte do Brasil” uma escassez desses metais na Europa. Era Espanha. Você imagina por que Portugal foi o
(FRANZEN, Beatriz. A presença preciso conquistar novas regiões que pudessem pioneiro nas Grandes Navegações? Veja que
portuguesa no Brasil antes de 1500. In: ser, ao mesmo tempo, exportadoras de matérias- razões o fizeram iniciar esse processo de
ESTUDOS LEOPOLDENSES. São primas e produtos agrícolas e consumidoras dos conquista de além-mar.
Leopoldo: Unisinos, 1997. p. 95.). produtos manufaturados europeus. A chegada • Apoio financeiro da burguesia mercantil
Esse fato fez parte: dos portugueses ao Brasil, no fim do século XV, interessadíssima em conquistar o Oriente para
a) da expansão marítimo-comercial e sua permanência nos séculos seguintes, ter seus lucros quadruplicados.
européia, que deslocou o eixo devem ser entendidas tanto sob o aspecto • Boa localização geográfica.
econômico do Mediterrâneo para o político como o econômico de uma Europa que • Domínio sobre o mar.
Atlântico;
estava em expansão capitalista e necessitava de • Conhecimentos náuticos.
b) da expansão capitalista portuguesa,
novos mercados que atendessem à sua política • Paz interna e externa.
em sua fase mercantil-colonial
mercantilista. • Centralização do poder nas mãos do rei.
plenamente consolidada no Brasil;
c) do avanço marítimo português, tendo A Europa antes das Grandes Navegações Para que Portugal fosse o destaque era preciso
Duarte Pacheco Pereira papel (XIII e XIV) exercer um poder centralizado. E como se deu
relevante na espionagem e pirataria Nessa época, o Mar Mediterrâneo constituía um esse processo de centralização política? Em
no Atlântico; eixo econômico por meio de rotas marítimas Portugal, ocorreu por meio de lutas. A
d) do processo de instalação de feitorias pelas quais chegavam à Europa produtos vindos Revolução de Avis (1383-85) trouxe ao poder D.
no Brasil, pois Duarte Pacheco Pereira do Oriente – perfumes, tapetes, seda e principal- João I, que se aliou aos interesses burgueses
instalou a primeira feitoria, ou seja, mente as especiarias (pimenta, gengibre, noz- para fortalecer o Estado moderno.
São Luiz do Maranhão; moscada, cravo, etc.) –, que eram utilizados na O início das Grandes Navegações deu-se em
e) das expedições exploradas do litoral preparação e conservação de alimentos. 1415, quando os portugueses conquistaram
brasileiro, cujo papel de reconheci- Esses produtos oriundos do Oriente (Índia, Ceuta, no norte da África. Isso nos leva a refletir
mento econômico e geográfico coube Pérsia, China e Japão) vinham por rotas sobre o plano de navegação portuguesa para
a Duarte Pacheco Pereira. monopolizadas pelos árabes, que realizavam alcançar o Oriente. Os portugueses, senhores
03. (Mackenzie) As razões do comércio no principal centro, Constantinopla dos mares, pretendem viajar contornando as
pioneirismo português na Expansão (atualmente Istambul, Turquia). Os produtos costas africanas e atingir o Oriente.
Marítima dos séculos XV e XVI foram: comercializados em Constantinopla eram Na luta para alcançar seus objetivos, os
transportados por comerciantes e mercadores portugueses conquistam as Ilhas do Atlântico:
a) A invasão da Península Ibérica pelos
italianos, principalmente genoveses e venezianos. Madeira, em 1419; Açores, em 1431 e Cabo
árabes e a conquista de Calicute pelos
Podemos dizer que os comerciantes detinham o Verde, em 1456. Nessa região, os portugueses
turcos.
monopólio da revenda das especiarias e de desenvolveram o cultivo da cana-de-açúcar,
b) A assinatura do Tratado de Tordesilhas
outros produtos na Europa. Por isso, era preciso que, no século XVI, será a principal economia
por Portugal e pelos demais países
buscar um novo caminho para conseguir os do Brasil.
europeus.
produtos orientais que não fosse via Mediter- Por volta de 1488, o conquistador português
c) Um Estado Liberal centralizado,
râneo, e assim quebrar o monopólio italiano. Aí Bartolomeu Dias chega ao extremo-sul da
voltado para a acumulação de novos
começa uma nova etapa na vida dos comercian- África. Devido às condições do local, ele o
mercados consumidores.
d) As guerras religiosas, a descentrali- tes da Europa, enfrentando o “Mar Tenebroso” batiza de Cabo das Tormentas. O Estado muda
zação política do Estado e o para chegar diretamente à fonte de riquezas, o nome para Cabo da Boa Esperança, pois
fortalecimento dos laços servis. mudando o eixo econômico da Europa. Seria o certamente tinha esperança de concretizar seus
e) Uma monarquia centralizada, adeus ao domínio italiano. Mas quem reuniria as sonhos navegadores de conquistar o Oriente.
interessada no comércio de especiarias. condições para desbancar os italianos? Com essa conquista ao extremo-sul da África,
os portugueses já se julgavam donos do

4
Atlântico, e não admitiriam concorrência pelo volta para Portugal trazia boas perspectivas para

Desafio
controle do novo eixo econômico. o Estado e para a classe mercantil. A expedição
A Espanha foi o segundo país a se lançar em levou para Portugal um carregamento de
busca do caminho para as Índias orientais. Sua especiarias maior do que se vendia anualmente
centralização monárquica ocorreu com o em Gênova. Essas especiarias vendidas na

Histórico
casamento de Fernando de Aragão com Isabel Europa geraram um lucro aos comerciantes
de Castela. Resolvida essa situação, a Espanha
portugueses de aproximadamente 6.000%.
contratou os serviços do italiano Cristóvão
Nessa mesma época, uma expedição
Colombo para garantir sucesso nas navegações.
comandada por Duarte Pacheco veio investigar
Mas Colombo adotou um plano diferente
terras no Atlântico Sul (futuras terras brasileiras) e
daqueles projetados pelos portugueses: ele
pretendia navegar pelo Ocidente (oeste) para retornou a Portugal dizendo da existência de tais
atingir o Oriente (leste). Convicto de que a Terra terras. Era preciso que o Estado mandasse uma
01. (FATEC) Sobre o Tratado de
era redonda, fundamentado nos postulados de nova expedição para tomar posse das terras
Tordesilhas, assinado em 1494,
Ptolomeu, cujos cálculos reduziam as medidas “descobertas”.
podemos dizer que:
de circunferência do Planeta, Colombo partiu Para alcançar os objetivos sobre o comércio
a) foi de imediato desrespeitado por
com três caravelas: Santa Maria, Pinta e Nina. No oriental e as terras no Atlântico sul, o Estado
Portugal, que ultrapassou os limites
dia 12 de outubro de 1492, chegaram à ilha de mandou a expedição de Pedro Álvares Cabral,
estipulados por ele;
Guanaani (hoje República Dominicana). Colombo que partiu de Lisboa em 9 de março de 1500
b) Portugal e Espanha eram os únicos
pensou ter alcançado as Índias orientais, e com duas metas:
donos das terras da América, fato não
chamou os nativos de índios, erro que se comete • Tomar posse das terras no Atlântico Sul
até hoje. Cristóvão Colombo ainda realizou outras contestado pelos demais povos da
(futuras terras brasileiras). Europa, pois esses países eram
viagens no que seria chamado de Novo Mundo.
• Consolidar o comércio das especiarias considerados superiores;
Mais tarde, outro navegador italiano, Américo
orientais garantindo monopólio para Portugal. c) foi totalmente aceito por todas as
Vespúcio, no século XVI, a serviço da Espanha,
As Grandes Navegações apresentaram como nações européias;
retorna às terras “descobertas” por Colombo e
conseqüências: d) não foi bem recebido pela França,
faz novas conclusões: Cristóvão Colombo não
teria realmente chegado ao Oriente, havia • Hegemonia dos países ibéricos. Inglaterra e Holanda, que o acharam
chegado a novas terras. Em homenagem a esse • Novo eixo econômico: oceano Atlântico. risível e não concordavam com a
conquistador, colocou-se o nome de América no • Formação das áreas coloniais. divisão do mundo entre Portugal e
novo continente. E A AMAZÔNIA? Espanha;
A chegada de Cristóvão Colombo à América, em e) foi desrespeitado pela Espanha, que se
Pelo Tratado de Tordesilhas, assinado entre
1492, gerou divergências entre as nações associou à França e invadiu o Brasil.
Portugal e Espanha, em 1494, grande parte do
ibéricas (Portugal e Espanha), pois a Espanha 02. (PUC)
que hoje é a Amazônia pertenceria à Espanha.
metera-se numa região da qual Portugal se
No fim do século XV, Vicente Yañez Pinzon “Quem quer passar além do Bojador,
considerava dono: Atlântico. Na visão dos
chega à foz do rio Amazonas. No século XVI, Tem que passar além da dor.
portugueses, ou a Espanha se retira do Atlântico
duas expedições financiadas pela Espanha Deus ao mar o perigo e o abismo
ou será expulsa pela força das armas. Será que
conseguem descer por completo o rio
deu,
Portugal e Espanha entraram em guerra? O papa
Mas nele é que espelhou o céu.”
da época, Alexandre VI, em 1493, propôs um Amazonas, chegando até o Oceano Atlântico. A
Fernando Pessoa, Mar Português, in
acordo para impedir o conflito armado. Este primeira, por volta de 1542, foi a expedição de
(“Obra poética”. Rio de Janeiro, Editora
acordo ficou conhecido como Bula InterCoetera. Francisco Orellana, que na verdade representou
José Aguilar, 1960, p.19.)
Ficou decidido que seria traçada uma linha um desdobramento da expedição de Gonçalo
O trecho do poema fala da expansão
imaginária a 100 léguas a oeste das ilhas de Pizarro, governador da província de Quito. A
marítima portuguesa. Para entendê-
Cabo Verde. As terras que fossem conquistadas segunda, por volta de 1561, foi a expedição de lo, devemos saber que
a oeste seriam da Espanha, e a leste seriam de Pedro de Ursua e Lopo de Aguirre.
Portugal. O Estado português não aceitou esse a) “Bojador” é o ponto ao extremo sul da
A expedição de Orellana desbravou a região em
acordo, ainda mais porque o papa era espanhol. África e que atravessá-lo significava
busca do El Dorado e do País da Canela. Os
Somente em 1494, foi assinado o acordo que encontrar o caminho para o Oriente;
acontecimentos foram registrados pelo frei
acalmou os ânimos belicosos entre os ibéricos: o b) a “dor” representa as doenças,
Gaspar de Carvajal. A expedição de Ursua- desconhecidas dos europeus, mas
Tratado de Tordesilhas, que estabeleceu um novo
Aguirre, quase vinte anos depois, desbrava a existentes nas terras a serem
meridiano, 370 léguas a oeste de Cabo Verde.
Este tratado já atendia aos interesses região em busca do El Dorado e do Lago Paititi. conquistadas pelas expedições;
portugueses no oceano Atlântico. Essa expedição desceu o Marañon e todo o c) o “abismo” refere-se à crença, então
Dez anos após chegar ao Cabo da Boa Espe- Amazonas até o Atlântico. Os relatos dessa generalizada, de que a Terra era plana
rança, a expedição portuguesa comandada por aventura foram registrados pelo capitão e que, num determinado ponto,
Vasco da Gama, em 1498, chega ao Oriente. Altamirano, por Francisco Vasquez e Pedrarias acabaria, fazendo caírem os navios;
Conquista a cidade de Calicute, na Índia. A sua de Almesto. d) a menção a “Deus” indica a suposição,
à época, de que o Criador era contrário
ao desbravamento dos mares e que
puniria os navegadores;
e) o “mar” citado é o Oceano Índico,
onde estão localizadas as Índias,
objetivo principal dos navegadores.

03. Dentre os fatores determinantes das


Grandes Navegações, o que
apresentou característica principal foi:
a) domínio sobre o mar;
b) conhecimentos náuticos;
c) ascensão da burguesia;
d) formação do Estado Moderno;
e) posição geográfica privilegiada.

5
Desafio Geografia do Brasil Pirâmide etária da população (em 1970 e 2000)

Professor Paulo BRITO

Geográfico A transição demográfica


Nas décadas de 1950 e 1960, a maior parte dos
países subdesenvolvidos registrou taxas elevadas
de incremento populacional. No mundo inteiro, a
expressão “explosão demográfica” passou a fazer
01. (UFSM–RS) A cara do Brasil é feita com parte do vocabulário corrente dos especialistas e
da opinião pública. No Brasil, as taxas de cresci-
todas as cores. A riquíssima fotografia mento populacional batiam recordes históricos,
étnica vem sendo revelada no decorrer projetando a duplicação da população a cada 25
do processo histórico que formou nosso anos. Muitos analistas acreditavam estar diante de
povo. Quanto à composição étnica da uma verdadeira bomba demográfica
população brasileira, pode-se afirmar: Mortalidade e expectativa de vida
O saneamento da periferia das grandes cidades,
I. Em números absolutos houve uma principalmente a construção de sistemas de
diminuição da população indígena, abastecimento de água, a expansão da rede
Figura 01. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil
desde o descobrimento até hoje, pública e conveniada de hospitais e outros 2002. Rio de Janeiro, IBGE. 2003.
provocada pela morte em conflitos e serviços públicos de saúde contribuíram para a
queda das taxas de mortalidade no Brasil: em As modificações da estrutura etária confirmam
pelas epidemias. 1940, registravam-se 20,6 óbitos anuais para as mudanças no comportamento reprodutivo da
cada mil habitantes do país; em 2002, a mortali- população brasileira que acabamos de estudar
II. Os brancos que compõem a
dade era de aproximadamente 6,3%, menor do e revelam uma tendência demográfica para as
população brasileira possuem, em próximas décadas: o Brasil terá deixado
que na maioria dos países desenvolvidos.
sua maioria, origem européia; nesse Isso não significa que as condições de saúde da definitivamente de ser um país jovem em 2025.
conjunto, italianos e alemães população brasileira sejam melhores que as dos Em breve, quando a transição demográfica dos
países desenvolvidos. É provável, até, que as países subdesenvolvidos tiver terminado, as
formam os grupos mais numerosos pirâmides etárias de base estreita deixarão de
taxas de mortalidade voltem a subir no Brasil,
na formação étnica do Brasil. ser privilégio dos países ricos (fig. 2).
mesmo se as condições de saúde e de sanea-
III. A população brasileira passa por um mento do país apresentarem melhora significa- Pirâmide etária da população (Projeção para
tiva e se a mortalidade infantil continuar caindo. 2025)
processo de "embranquecimento"
A taxa de mortalidade infantil vem sendo siste-
motivado pelos cruzamentos entre maticamente reduzida no Brasil nos últimos
brancos e outras etnias, diminuindo decênios: 115% em 1970; 82% em 1980; 41%
progressivamente o número de em 1990 e 27,8% em 2002. Porém ela continua
negros e mestiços. bastante elevada em relação aos padrões
mundiais: no conjunto dos países desenvolvidos,
Está(ão) correta(s): a cada mil crianças que nascem, apenas 9
morrem antes de completar um ano.
a) apenas I;
Natalidade em declínio
b) apenas II;
Entre 1940 e 1970, enquanto as taxas de morta-
c) apenas III;
lidade declinavam, as taxas de natalidade perma-
e) apenas I e III. Figura 02. Fonte: IBGE.Tendências demográficas: Uma
neciam em patamares bastante elevados. Como análise dos resultados da sinopse preliminar do senso
d) apenas I e II; vimos, a maior parte da população vivia na zona demográfico 2000. Rio de Janeiro, IBGE. 2001.
rural, em pequenas propriedades familiares. As A transição demográfica completa-se em ritmos
02. (UFSM–RS) Sobre o contingente da crianças participavam desde cedo dos trabalhos desiguais entre as populações urbana e rural. A
população indígena brasileira a partir na lavoura. Uma família numerosa dispunha de diminuição da natalidade é menor no campo que
do século XX, pode-se afirmar que: mais trabalhadores e, portanto, podia produzir na cidade. Assim, a pirâmide etária da popu-
mais. lação rural brasileira revela uma significativa
I. se verifica uma tendência de O resultado da discrepância crescente entre a preponderância de crianças e jovens, enquanto
aumento desse contingente, mortalidade e a natalidade foi o aumento das a pirâmide etária da população urbana já mostra
taxas de crescimento vegetativo da população
principalmente em função da os resultados da queda da fecundidade (fig. 3).
brasileira. Em 1940, a população total do país
delimitação de reservas indígenas; Pirâmide etária da população rural e urbana
era de 41,2 milhões; em 1970, de 93,1 milhões –
II. essa população, hoje muito reduzida um crescimento de cerca de 130% em apenas
(menos de 0,5%), está concentrada, trinta anos.
principalmente, nas regiões Norte e A ESTRUTURA ETÁRIA DA POPULAÇÃO
Centro-Oeste; A estrutura etária da população é, de modo
III. a superfície total das terras geral, retratada por meio de gráficos em forma
de pirâmides. Na ordenada, são colocados os
indígenas equivale a um percentual grupos de idade; na abscissa, o contingente
pouco significativo da área do Brasil; populacional (em números absolutos ou
IV. Ocorre um etnocídio no modo de percentuais) é enquadrado em cada um dos
grupos de idade.
vida, nos hábitos, nas crenças, na
A forma da pirâmide etária de um país é
língua, na tecnologia e nos constantemente associada ao seu grau de
costumes. desenvolvimento. As pirâmides etárias
Estão corretas: referentes a países subdesenvolvidos costumam
apresentar base larga (resultado das altas taxas
a) apenas I e II. de natalidade) e topo estreito (conseqüência da
b) apenas II e III. baixa expectativa de vida da população).
c) apenas I e IV. Em 1970, a pirâmide etária brasileira exibia
forma típica de um país subdesenvolvido. Os jo-
d) apenas III e IV. vens (0-19 anos) constituíam 41,9% da
e) I, II, III e IV. população. No ano 2000, porém, a base havia-
se estreitado e o topo se alargado (fig. 1).
Figura 03. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil
2002. Rio de Janeiro, IBGE. 2003.

6
As diferenças regionais também são marcantes: A política demográfica dos governos militares

Desafio
enquanto nos estados das regiões Sul, Sudeste pós-1964 foi marcada por atos contraditórios. A
e Centro-Oeste a taxa de fecundidade situa-se Constituição de 1967 instituiu o salário-família:
entre 1,9 e 2,2 filhos por mulher, nas regiões um adicional de 5% no salário dos pais para
Norte e Nordeste, marcadas pela disseminação cada filho menor; já o presidente Médici
da pobreza rural, essa taxa varia entre 2,4 e 3,3

Geográfico
costumava-se referir ao peso dos grandes
filhos por mulher. investimentos demográficos a que o país se
OS INVESTIMENTOS DEMOGRÁFICOS obrigava em razão do alto incremento vegetativo
A estrutura etária da população tem reflexos da população. Nenhuma política estatal de
importantes na economia de um país. Uma controle da natalidade foi adotada, mas o
grande porcentagem de crianças e jovens na Estado apoiava os programas de redução da
população total gera uma grande demanda por natalidade patrocinados por entidades civis.
investimentos estatais em educação e em A Sociedade Brasileira de Bem-Estar Familiar
programas de saúde voltados para a população (Bemfam), fundada em 1965, é a mais importante
infantil. No extremo oposto, a existência de um dessas entidades. Ela é uma espécie de matriz 01. (UFES) É correto afimar que “transição
número relativamente alto de idosos na brasileira da Federação Internacional de Planeja- demográfica” refere-se ao período de:
população também gera demandas financeiras mento Familiar (IPPF), um organismo destinado a a) alto crescimento natural, devido à
ao Estado, principalmente em aposentadorias e promover programas de controle da natalidade elevação das taxas de natalidade e de
programas específicos de saúde e assistência em todo o mundo subdesenvolvido. As mortalidade;
social. fundações Ford e Rockefeller, a United States b) baixo crescimento natural, situado entre
Como vimos, a estrutura etária da população dois períodos de grande crescimento
Agency for International Development (Usaid),
brasileira está em rápida mutação. Em 1980, 38% demográfico;
ligada ao Departamento de Estado dos EUA, e o
da população brasileira tinha entre 0 e 14 anos c) baixo crescimento populacional, devido a
Banco Mundial são os principais agentes
de idade; em 2000, esse percentual já havia de- baixas taxas de natalidade e de
caído para 29% e, de acordo com as projeções financiadores da IPPF.
A distribuição de pílulas anticoncepcionais, a mortalidade;
do IBGE, em 2020 as crianças e os jovens
esterilização em massa de mulheres em idade d) elevado crescimento demográfico, devido
menores de 14 anos serão apenas 23% da po-
reprodutiva (muitas vezes sem o consentimento à alta das taxas de natalidade e de
pulação do país. Em paralelo, a participação
delas) e a introdução de dispositivos intra- mortalidade;
relativa dos idosos na população total vem
uterinos (DIUs) fazem parte do programa dessas e) elevado crescimento natural, situado
aumentando significativamente: em 1980, as
entre dois estágios de pequeno
pessoas com mais de 60 anos de idade entidades no Brasil. Laboratórios farmacêuticos,
crescimento demográfico.
representavam apenas 6% da população interessados em popularizar o uso de métodos
brasileira, em 2000 já eram 7,1% e, em 2020, anticoncepcionais, oferecem a elas polpudos 02. (Enem) O quadro a seguir mostra a
serão 13% (fig. 4). donativos. Em muitos casos, os métodos são taxa de crescimento natural da
Mudanças na estrutura etária da população aplicados sem o acompanhamento médico população brasileira no século XX.
necessário, acarretando graves problemas de
saúde às mulheres que participam do programa.
A contraditória política demográfica dos governos
militares revela a existência de interesses diver-
gentes no aparelho de Estado, fruto das
diferenças de opiniões entre forças poderosas na
sociedade. A aliança dos militares com o capital
multinacional explica o incentivo aos programas
de redução da natalidade promovidos por
entidades civis (subsidiadas por organismos
internacionais). Assumir uma posição oficial
Figura 04. Fonte: IBGE.Tendências demográficas: Uma
análise dos resultados da sinopse preliminar do senso antinatalista e difundir, por meio do sistema
demográfico 2000. Rio de Janeiro, IBGE. 2001. público de saúde, métodos anticoncepcionais
De acordo com as estatísticas oficiais, 97% da tais como a pílula e o DIU significava romper com Fonte: IBGE, Anuários Estatísticos do Brasil.
população entre 7 e 14 anos freqüentavam a os dogmas da Igreja Católica.
A Constituição de 1988, em vigor, refere-se ao Analisando os dados, podemos
escola em 2002. Como a população nessa faixa
planejamento familiar (determinação do número caracterizar o período entre:
etária tende a diminuir em termos relativos e a
permanecer estável em termos absolutos, não de filhos por casal) como “uma livre decisão do a) 1920 e 1960, como de crescimento do
será necessário ampliar o número de vagas já próprio casal”. Entretanto determina que planejamento familiar;
existentes nas escolas de ensino fundamental “compete ao Estado propiciar recursos b) 1950 e 1970, como de nítida explosão
do país. Agora, o problema reside na melhoria educacionais e científicos para o exercício desse demográfica;
da universalização do ensino médio e na direito de livre decisão sobre o planejamento c) 1960 e 1980, como de crescimento da
melhoria da qualidade das escolas, em todos os familiar”. Pelo menos na letra da lei, o Brasil taxa de fertilidade;
níveis. adotou o caminho correto: a família tem o direito d) 1970 e 1990, como de decréscimo da
A POLÍTICA DEMOGRÁFICA de decidir, mas o Estado tem o dever de densidade demográfica;
fornecer os meios necessários para que esse e) 1980 e 2000, como de estabilização do
Historicamente, o estado brasileiro estimulou o
direito seja exercido. crescimento demográfico.
crescimento demográfico. A Constituição de 1934
afirmava o dever do Estado de “socorrer as 03. (Enem) Ao longo do século XX, as
famílias de prole numerosa”; a Constituição de características da população brasileira
1937 assegurava às famílias numerosas compen- Exercício mudaram muito. Dentre os fatores que
sações na proporção de seus encargos”. Em contribuiram para essa mudança
1941, Getúlio Vargas assinava um decreto-lei 01. (UFV–MG) Em 2003, o governo destacam-se:
obrigando solteiros e viúvos maiores de 25 anos, brasileiro propôs mudanças no a) o aumento relativo da população rural é
de ambos os sexos, a pagar um adicional de 10% sistema da Previdência Social que acompanhado pela redução da taxa de
sobre o imposto de renda, certamente inspirado culminaram numa ampliação do tempo fecundidade;
pela política natalista italiana. O “amparo às de contribuição do trabalhador b) quando predominava a população rural,
famílias de prole numerosa” manteve-se como brasileiro para a Previdência Social. as mulheres tinham em média três vezes
uma obrigação legal na Constituição de 1946, que Assinale a mudança na dinâmica menos filhos do que hoje;
garantia um abono especial aos pais de mais de populacional brasileira que foi utilizada c) a diminuição relativa da população rural
seis filhos. como argumento pelo governo para coincide com o aumento do número de
Nessa época, o governo acreditava que o alto justificar o aumento do tempo de filhos por mulher;
crescimento vegetativo era um fator de progresso. contribuição do trabalhador. d) quanto mais aumenta o número de
Começavam o desenvolvimento industrial e a pessoas morando em cidades, maior
urbanização, e acreditava-se que a alta natalidade a) Crescimento da população jovem.
b) Crescimento da população infantil. passa a ser a taxa de fecundidade;
geraria um fluxo contínuo de mão-de-obra e) com a intensificação do processo de
abundante e barata. Com a “marcha para o c) Aumento na expectativa de vida.
urbanização, o número de filhos por
Oeste”, a ocupação dos vazios demográficos d) Queda das taxas de fecundidade.
mulher tende a ser menor.
interiores constituía um objetivo nacional de e) Diminuição da taxa de crescimento
ordem geopolítica. vegetativo.

7
Desafio
Geografia Geral TABELA: 02

Professor HABDEL

Geográfico Aspectos da População


Mundial
Uma evolução irregular Fonte: L’état du monde, 2001 e Calendário Atlante De
Agostini, 2000. La Découverte, 1999.
“O crescimento da população mundial não foi
regular e uniforme. O equilíbrio entre a produção DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA POPULAÇÃO
01. (PUC–PR) “O governo francês irá pagar econômica e a população tornou-se precário e Áreas anecúmenas
uma licença de 750 euros (cerca de R$ frágil em muitos locais por causa de terríveis e A distribuição da população mundial ocorreu de
2.050,00) por mês, durante um ano, a repentinas hecatombes [...]”. (Poursin, J.-M.. forma desigual no tempo e no espaço. Vários
famílias que decidirem ter um terceiro L’Homme stable, Gallimard, Paris, 1989). fatores concorrem para este fato. Um ambiente
filho, anunciou ontem o primeiro- ASPECTOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL desfavorável pode ser o motivo de uma
ministro do país, Dominique de Villepin.” ocupação rarefeita. Altas montanhas, as regiões
(Folha de S. Paulo, 23/09/2005). No estudo sobre a população, é necessário ter
polares e os desertos são exemplos desses
atenção a alguns conceitos. Quando nos
A reportagem acima ilustra uma lugares. Essas são áreas conhecidas como
referimos à população de um país, estado ou
política cada vez mais comum entre os anecúmenas, pois dificultam a fixação do
cidade, estamos referindo-nos ao conceito de
países europeus. As alternativas homem. A disponibilidade de capital e
população absoluta (número total de tecnologia podem reverter esse quadro.
abaixo contém possíveis causas que
habitantes). Entretanto igualmente importante é Técnicas como a irrigação ou a drenagem de
motivam a adoção de tais medidas,
o conceito de população relativa (número de solos pantanosos, por exemplo, podem tornar
EXCETO:
habitantes por quilômetro quadrado). Assim, estas áreas menos inóspitas.
a) as baixas taxas de natalidade de muitos podemos perceber que alguns países são mais Áreas ecúmenas
países europeus; populosos ou mais povoados do que outros. Outros espaços apresentam características que
b) as altas taxas de mortalidade européias, Ásia, América e Europa são muito mais facilitam a fixação de populações. Áreas planas,
que resultam na diminuição da PEA – populosos do que a África e a Oceania. solos férteis ou climas amenos são, entre
população economicamente ativa; TABELA: 01 outros, os grandes atrativos da população.
c) a tentativa de evitar que num futuro, em Essas áreas são chamadas de ecúmenas.
médio prazo, a população nativa possa Antiguidade do povoamento, decisões políticas,
tornar-se minoritária diante da população perseguições religiosas, étnicas ou ideológicas
imigrante – cujas taxas de crescimento podem se constituir em fatores históricos que
vegetativo são bem mais altas; determinaram este ou aquele povoamento. Uma
d) o impacto que a diminuição da mão-de- maior taxa de natalidade associada ou não a um
obra ativa está causando ao sistema saldo migratório positivo podem desencadear
um processo de ocupação ou esvaziamento de
previdenciário europeu;
um local. A modernização de uma economia, a
e) a difícil tarefa dos dirigentes da União
exemplo das revoluções industriais,
Européia em administrar a necessidade Fonte: L’état du monde, 2001 e Calendário Atlante De
possibilitaram a evasão do campo e o inchaço
de manutenção de um fluxo controlado Agostini, 2000.
das cidades. Assim, cada lugar do Planeta
de movimentos populacionais “A densidade demográfica varia segundo as vivenciou a conjunção de um ou mais fatores
horizontais, ao mesmo tempo em que condições ambientais, o desenvolvimento que vão caracterizar a atual distribuição de suas
tenta reprimir o aumento da xenofobia. tecnológico e a organização social, sendo, ao populações.
mesmo tempo, efeito e causa” (Madagascar, ile O crescimento demográfico
02. (Unifor–CE) Após a Segunda Guerra, entre toutes. In Géographie universelle,
houve um grande crescimento “Com o surgimento das sociedades modernas
Belin/Reclus, 1994). Se por um lado esse (caracterizadas por forte urbanização,
demográfico mundial que ocorreu, conceito é essencial, quando estudamos a industrialização, produção sistemática de
dentre outros fatores, devido: distribuição da população pelo espaço mercadorias, consumo, globalização das
a) Ao acentuado aumento das taxas de geográfico, por outro, é preciso ter bom senso relações, etc.), a velocidade do crescimento
natalidade e mortalidade nos países da para perceber que estamos lidando com dados populacional tornou-se o centro de
América Latina. numéricos que escondem as diferenças entre preocupações. Esse novo modo de vida passa a
b) À queda das taxas de mortalidade e à regiões, o nível de vida, as necessidades e a transformar ou eliminar as formas naturais de
manutenção das altas taxas de cultura de cada povo e de cada lugar. sobrevivência dos povos, fundamentalmente
natalidade nos países Para calcular a densidade de um lugar, é das ligadas à terra.
preciso dividir a população pela área disponível A partir desse marco, grandes massas
subdesenvolvidos.
(em quilômetros quadrados). populacionais terão sua sobrevivência
c) Ao grande aumento do crescimento
subordinada à compra e venda de mercadorias
vegetativo verificado nos Estados Fórmula: 01
em uma economia monetária (uso do dinheiro),
Unidos e Europa. População ou seja, ao mercado. É nesse contexto que o
d) Ao acentuado aumento das taxas de Densidade absoluta tamanho maior ou menor de uma população
natalidade e queda da mortalidade nos demográfica = ––––––––––––– = N.º hab/km² passa a ser entendido como uma variável
países desenvolvidos. Área (em km²) econômica”, (OLIVA, Jaime e GIANSANTI,
e) À queda das taxas de natalidade e Por ordem decrescente em densidade demo- Roberto. Espaço e Modernidade: temas da
mortalidade na Europa e Ásia. gráfica ou população relativa, temos os continen- Geografia Mundial. São Paulo: Atual. p. 184,
tes Ásia, Europa, África, América e Oceania. Pode- 2001).
03. Trata-se da diferença entre as taxas de se perceber que a densidade mundial esconde O homem foi, provavelmente, o animal que mais
natalidade e de mortalidade. Seu grandes contrastes. A Ásia apresenta mais que o se propagou no Planeta. Sua capacidade de
resultado pode ser: positivo (N>M), dobro da densidade mundial e concentra cerca adaptação aos lugares e de desenvolvimento de
nulo (N=M) ou negativo (N<M): de 60% da população do Planeta. Países- outras técnicas proporcionaram um formidável
a) Explosão demográfica. continentes (grande extensão territorial) crescimento populacional. Esse crescimento
apresentam baixa densidade populacional. também se deu de forma diferenciada no tempo
b) Crescimento vegetativo.
Enquanto que outros de dimensões reduzidas e no espaço. “Durante todo o Paleolítico
c) Teorias demográficas.
estampam altas densidades demográficas. manteve-se relativamente estável. Com a
d) Tempo necessário para uma população Revolução Neolítica ocorre um crescimento
duplicar. acentuado, que se mantém praticamente até os
e) Desaceleração demográfica. dias atuais (com algumas quedas pouco
significativas). É importante salientar que, com o

8
Desafio
crescimento vertiginoso ocorrido nos últimos Segunda: a “revolução médico-sanitária”
trezentos anos (de 1650 a 1950), a população provocou a queda das taxas de mortalidade.
mundial cresceu de 500 milhões para 2,5 Enquanto isso, a natalidade manteve-se elevada,
bilhões e que nos últimos quarenta anos resultando numa aceleração do crescimento.

Geográfico
duplicou, ou seja, de 1950 a 1990 passou de 2,5 Isso ocorreu devido aos avanços na agricultura e
bilhões para mais de 5 bilhões”. (PITTE, Jean- na pecuária proporcionando uma melhoria
Robert (coord). Geografia: a natureza quantitativa e qualitativa na alimentação. Desde a
humanizada. São Paulo: FTD, p. 42, 2000). Hoje modernidade, o desenvolvimento das ciências,
somos mais de 6 bilhões. entre elas a biologia, a medicina e a farmácia,
O crescimento de uma população envolve três proporcionaram um melhor conhecimento do
componentes fundamentais: as taxas de corpo humano, das doenças e dos tratamentos.
natalidade (e a fecundidade), de mortalidade e A urbanização da população desencadeou uma
as diversas modalidades de migração (que série de reformas nas cidades com a instalação
serão abordadas na Apostila n.° 6). A diferença de esgotos, coleta de lixo, tratamento da água,
entre as taxas de natalidade e de mortalidade entre outros. Um ambiente mais saudável reduz 01. (Unesp) Em 1990, as maiores taxas de
mostra o crescimento vegetativo. Este por sua a proliferação de doenças e pragas. crescimento natural da população
vez pode ser analisado do ponto de vista de três Em 1900, a Europa era o segundo continente ocorriam no oeste e leste da África
fases. mais populoso (em primeiro lugar estava a Ásia), (3,0%) e na América Latina (2,1%). De
A taxa de natalidade é obtida pela relação entre e no ano 2000 já era o penúltimo em população.
acordo com a tendência geral
o número de nascimentos ocorridos em um ano Os países da Europa ocidental, os chamados
apresentada pelos diversos países, é
verdadeiro afirmar que:
e o número de habitantes. “desenvolvidos velhos”, foram os primeiros a
atingir essa fase, principalmente durante o a) as taxas de crescimento natural da
Formula: 02
século XIX. Nos países “desenvolvidos novos” população independem do nível de
Nascimentos X 1000
N = ––––––––––––––––––– (EUA, Canadá, Rússia, Japão) ela ocorreu na desenvolvimento econômico do país.
Habitantes b) quanto maior o nível de desenvolvimento
primeira metade do século XX. Nos subdesenvol-
A taxa de mortalidade é a relação entre o de um país, maior é a taxa de
vidos, a partir da segunda metade do século XX
número de óbitos ocorridos em um ano e o crescimento natural de sua população.
e, segundo a ONU, perdurará até 2050.
número de habitantes. c) quanto maior o nível de desenvolvimento
Os países menos desenvolvidos, os mais pobres
Fórmula: 03 da África (região do Sahel), da Ásia (sudeste e de um país, mais elevada é a taxa de
Mortes X 1000 natalidade de sua população.
M = ––––––––––––––––––– leste), da América Latina e da Oceania, ainda
Habitantes d) a taxa de crescimento natural da
estão na segunda fase. Apresentam, ainda,
população tende a diminuir com o
O crescimento demográfico ou vegetativo é a grande crescimento populacional, pois a
desenvolvimento econômico.
diferença entre as taxas de natalidade e a de melhoria de suas condições de vida só ocorreu
e) quanto maior o nível de desenvolvimento
mortalidade. E pode ser obtida da seguinte depois da Segunda Guerra Mundial, período em
de um país, maior a tendência de
forma: que o mundo assistiu à mais espetacular
aumento do número de filhos por família.
Fórmula: 04 explosão demográfica de todos os tempos.
Terceira: caracterizada pela ocorrência de 02. Por crescimento vegetativo ou natural
CV = Natalidade – Mortalidade
baixas taxas de natalidade e mortalidade, e um entende-se:
A diferença entre as taxas de natalidade e de baixíssimo crescimento populacional, a a) Um fluxo migratório de entrada de pessoas
mortalidade indica o quanto uma população transição demográfica encontra-se concluída. em um país qualquer.
cresceu no período observado. Quando Atualmente, estão nessa fase os países b) Saída de pessoas de um país.
comparamos esse crescimento com o tempo desenvolvidos, a maior parte deles com taxas c) A diferença entre as taxas de natalidade
que uma população precisa para duplicar, de crescimento muito baixas (geralmente e mortalidade.
estabelecemos a velocidade do seu inferiores a 1%), nula e até negativas. d) Relação entre o número de óbitos e cada
crescimento. Dependendo da população e do Nos países desenvolvidos, tem ocorrido uma grupo de mil habitantes.
contexto histórico, econômico e social um transformação na estrutura familiar. A taxa de e) Relação entre a emigração e a mortalidade
volume maior ou menor pode-se configurar ou fecundidade é baixa, permanecendo em torno infantil.
não em um problema. de 1,5 filho por mulher. Muitos países
apresentam taxas inferiores a 2,1 filhos por
03. Esta fase se caracteriza por apresentar
TABELA: 03
elevadas taxas de natalidade e taxas de
mulher, mantendo, assim, estabilizado o
mortalidade em rápido declínio, o que
tamanho de sua população. Diversos fatores,
resulta em grande crescimento da
como a urbanização, o aumento da
população. Atualmente, a maioria dos
escolarização e a incorporação das mulheres ao
países subdesenvolvidos encontra-se
Fonte: GEORGE, Pierre. Geografia da População. 2. ed.
mercado de trabalho (dupla jornada de nessa fase. Estamos nos referindo a:
Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984, p. 84. trabalho), contribuem para que as mulheres
tenham menos filhos. a) Etapa inicial ou do crescimento lento.
Segundo a ONU (Organização das Nações b) Transição demográfica concluída.
Unidas), a população mundial reduzirá bastante c) Aceleração demográfica.
o crescimento a partir de 2050. “Este conceito, d) Terceira fase do crescimento vegetativo.
transição demográfica, é parte de uma teoria
Exercícios
e) Primeira fase do crescimento
elaborada para explicar a tendência da 01. Assinale a alternativa que apresenta o demográfico.
população a se equilibrar, na medida em que motivo que pode ser considerado
diminuem as taxas de natalidade e de 04. (PUC-MG) Observe atentamente a
como responsável pela redução do
mortalidade”. (Marcos A. Coelho e Lygia Terra. situação a seguir:
crescimento vegetativo nos países
Geografia geral: O espaço natural e sócio- desenvolvidos:
econômico. 4ª ed. São Paulo. Moderna, 2001.). a) Um rígido controle de natalidade.
Fases do crescimento demográfico b) A distribuição gratuita de pílulas
Primeira: abrange os primórdios da anticoncepcionais e incentivos às
humanidade até o fim do século XVIII. famílias para terem menos filhos.
Apresentou elevadas taxas de natalidade e de c) As multas aplicadas às famílias com Analisando os quadros demográficos
mortalidade resultando, por isso, em baixas mais de três filhos. dados, assinale a opção INCORRETA:
taxas de crescimento vegetativo. A expectativa d) A melhoria dos padrões de vida da a) O país A caracteriza-se por reduzidas
de vida era muito baixa. Neste período, a população em geral. taxas de natalidade e mortalidade.
população estava totalmente submetida às e) A Primeira Revolução Industrial. b) O país B caracteriza-se por apresentar
influências das forças da natureza. Aconteciam significativo crescimento demográfico.
elevadas taxas de mortalidade. A falta de 02. Atualmente, a maioria dos países c) A e B representam reflexos da Revolução
alimentos, as doenças (não havia medicamentos subdesenvolvidos encontra-se nessa Médico-Sanitária, que reduziu os índices
ou tratamentos eficientes e, até mesmo, a fase. Estamos nos referindo a: de mortalidade.
compreensão sobre o ciclo evolutivo da doença) a) Transição demográfica concluída. d) O Quadro B é típico dos países mais
e as guerras eram seus mecanismos mais b) Terceira fase do crescimento vegetativo. desenvolvidos e com controle
eficazes. Os países desenvolvidos superaram c) Primeira fase do crescimento demográfico rigoroso.
esta fase antes dos subdesenvolvidos. Podemos demográfico. e) O quadro B é característico dos países
apontar a Revolução Industrial (século XVII) d) Etapa inicial ou do crescimento lento. subdesenvolvidos e tem perspectiva de
como marco desse período. e) Aceleração demográfica.

9
Desafio Português
c) De repente não há mais saco.
Função de “saco”: objeto direto.
Observe que não há preposição intermedi-

Gramatical
Professor João BATISTA Gomes ando os verbos e seus respectivos comple-
mentos. Diz-se, então, que os complemen-
tos ligam-se aos verbos diretamente, ou se-
ja, sem auxílio de preposição. São, por isso,
verbos transitivos diretos.
Texto 4. Objeto direto preposicionado
De repente Se o verbo transitivo direto vier preposicio-
nado, com certeza a preposição não é exi-
Intérprete: Lulu Santos
gida pelo verbo. O complemento recebe,
01. Assinale a alternativa em que a cons- Autores: Lulu Santos e Nelson Mota
então, o nome de objeto direto preposicio-
trução NÃO está de acordo com a De repente a gente sente nado.
norma culta da língua escrita. Que já não sente o que já sentiu a) Ela só ouve a mim.
a) Não parece, mas eu a amo muito. De repente, naturalmente, Regência de ouvir: transitivo direto.
b) Não parece, mas eu amo-a muito. O que era novo envelheceu, de novo Função sintática da expressão “a mim”:
c) Não parece, mas eu lhe amo muito. objeto direto preposicionado.
De repente não há mais saco
d) Não parece, mas eu te amo muito. Pra tanto papo que já se ouviu b) Venceu ao pai o filho.
e) Não parece, mas eu amo muito você. De repente a moda muda Regência de vencer: transitivo direto.
O mundo roda e você mudou mais uma vez Função sintática da expressão “ao pai”:
02. Em que item o conjunto verbo + lhe
objeto direto preposicionado.
está de acordo com a norma culta da Não há nada a perder
língua? c) Em casa, ele não respeitava a ninguém.
Não há nada a ganhar
Regência de respeitar: transitivo direto.
a) Pode esperar-me; vou visitar-lhe A não ser o prazer de ser o mesmo mas
Função sintática da expressão “a nin-
amanhã. mudar
guém”: objeto direto preposicionado.
b) Há muito tempo, não lhe visito a casa. Não há nada só bom
c) Acredite em mim: não lhe odeio. Nem ninguém é só mau 5. Objeto direto X pronomes átonos
d) Você nem notou, mas eu lhe vi no Se o início e o final de nós todos é um só Ao lado de verbos transitivos diretos, na fun-
cinema. Eu digo: só! ção de complemento, só podem aparecer os
e) Porque lhe conheço muito bem, sei De repente a gente saca seguintes pronomes átonos:
que você está mentindo. Que só não passa o que já passou a) o, a, os, as – Só podem ser objeto dire-
Sem vergonha e sem orgulho to. Podem aparecer antes (próclise), no
Nós somos feitos do mesmo pó meio (mesóclise) ou depois (ênclise) do
Arapuca verbo, representando pessoas ou coisas.
Exemplos:
03. Assinale a alternativa em que há Regência Verbal 1 1. Sempre a ouço.
equívoco quanto ao emprego dos
2. Convivendo com ela, eu a mudei.
pronomes o e lhe? 3. Convivendo com ela, eu mudei-a.
1. Classificação dos verbos quanto à
a) Minha avó, visitei-a na semana 4. O dinheiro, passei-o a você.
predicação
passada. b) lo, la, los, las – Variantes de o, a, os, as
b) Visitei-lhe a avó na semana passada. Quanto à regência (relação entre o verbo e
os termos ou expressões que lhe comple- quando enclíticos (depois do verbo) ou
c) Você é simples; eu a admiro muito. mesoclíticos (no meio do verbo); só po-
tam o sentido ou a ele atribuem uma circuns-
d) Admiro-lhe muito a simplicidade. dem ser objeto direto. Devem ser acres-
tância), podemos dividir todos os verbos da
e) Lembro-me bem do dia em que lhe centados a verbos transitivos diretos que
língua portuguesa em três categorias:
conheci. terminem por r, s ou z.
a) transitivos;
04. Há uma construção errada quanto à Exemplos:
b) intransitivos;
regência verbal; identifique-a. c) de ligação. 1. Vou ouvi-la sempre.
a) Na rua, todos lhe chamavam de 2. As testemunhas? Ouvimo-las ontem.
Os transitivos podem ser:
cabeção. 3. As planilhas de custo? Refi-las à noite.
a) diretos;
b) Na rua, todos o chamavam de c) no, na, nos, nas – Variantes de o, a, os,
b) indiretos;
cabeção. as quando enclíticos (depois do verbo);
c) diretos e indiretos.
c) Na rua, todos lhe chamavam cabeção. só podem ser objeto direto. Devem ser
d) Na rua, todos o chamavam cabeção. 2. Vocabulário técnico acrescentados a verbos transitivos dire-
e) Todos lhe chamaram, mas ele não a) Transitivo – Que requer um ou mais com- tos que terminem por ão, õe ou m.
quis participar. plemento; complemento. Exemplos:
b) Intransitivo – Que não aceita comple- 1. Com relação ao dinheiro, ele repõe-no
Caiu no vestibular mento; sem complemento. ainda hoje.
c) Direto – Que se liga ao verbo sem pre- 2. Lições de esperança? Eles dão-nas
05. (FGV) Leia a frase: “A lei de lucros extraor- todos os dias.
posição; complemento direto.
dinários foi detida no Congresso”. 3. Obstáculos da vida? Transpõe-nos
Assinale a alternativa que corresponde d) Indireto – Que se liga ao verbo por meio
naturalmente.
exatamente a essa frase. de preposição; complemento indireto.
e) De ligação – Que liga o predicativo ao 6. Verbo transitivo direto x lhe
a) O Congresso deteve a lei de lucros
sujeito. Antônimo: verbo significativo. Se o pronome lhe estiver ao lado de verbo
extraordinários.
transitivo direto, com certeza estará no pa-
b) Deteu-se no Congresso a lei de lucros 3. Verbo transitivo direto pel de pronome possessivo: pode ser tro-
extraordinários.
Entende-se por transitivo o verbo que pre- cado por seu (dele), sua (dela), seus (deles),
c) O Congresso deteu a lei de lucros cisa de complemento. Vamos observar as suas (delas). A função sintática, nesse caso,
extraordinários. seguintes construções: é de adjunto adnominal.
d) Deteve-se no Congresso a lei de lucros
a) De repente, a gente sente isso. Exemplos:
extraordinários.
Função de “isso”: objeto direto. 1. Ouço-lhe muito as opiniões.
e) A lei de lucros extraordinários era
detida no Congresso. b) A gente já não sente aquilo. = Ouço muito as suas opiniões.
Função de “aquilo”: objeto direto. Pronome lhe = adjunto adnominal.

10
Dificuldades
2. Conheço-lhe a família há muitos anos. 5. CHAMAR
= Conheço a sua família há muitos anos. Os moleques chamavam-na de galinha
Pronome lhe = adjunto adnominal. garnisé.
3. Doíam-lhe todas as partes do corpo.

da língua
6. CONSIDERAR
= Doíam todas as partes do seu corpo. Sempre a considerei infiel.
Pronome lhe = adjunto adnominal. 7. CONSTITUIR
4. Admiro-lhe muito as atitudes. No jornal, constituíram-no revisor-chefe.
= Admiro muito as suas atitudes. 8. COROAR
Pronome lhe = adjunto adnominal. Coroaram-na rainha caipira.
7. Verbo transitivo direto e voz passiva 9. CRER
Os verbos transitivos diretos aceitam mudan- Na infância, todos me criam um santo.
ça da voz ativa para a passiva e vice-versa. 10. DAR PRINCIPAIS VERBOS TRANSITIVOS
Confira: Apesar das evidências, ele não se dava DIRETOS
por vencido. Os verbos seguintes, quando empregados em
a) Da ativa para a passiva analítica:
11. DECLARAR sentido normal, são transitivos diretos: não
1. Ela ouviu todos os conselhos.
Depois dos testes, declararam-me admitem complemento com preposição nem
Todos os conselhos foram ouvidos
habilitado. aceitam o pronome lhe para a função de ob-
por ela.
jeto direto.
2. Ele perdeu dinheiro no jogo. 12. DEIXAR
O dinheiro foi perdido por ele no jogo. Usaram o livro e deixaram-no rasgado. 1. ABENÇOAR
b) Da passiva analítica para a ativa: 13. ELEGER Eu o abençôo, meu filho.
1. A crise está sendo sentida por todos. O povo elegeu-o senador pelo Amazo- 2. ABORRECER
Todos estão sentindo a crise. nas. Os bêbados aborreciam-no, mas ele não
2. A decisão foi mudada pelo diretoria. se zangava.
14. ENCONTRAR
A diretoria mudou a decisão.
Para minha decepção, fui encontrá-la 3. ABRAÇAR
c) Da passiva sintética para a ativa: muito feliz. Em toda a vida, abracei-o poucas vezes.
1. Ouviram-se muitos conselhos.
15. FAZER 4. ACHAR
Ouviram muitos conselhos.
A minha intenção era fazê-la secretária. Achei-a meio gorda, mas bem interessante.
2. Reconstruíram-se os prédios.
Reconstruíram os prédios. 16. IMAGINAR 5. AMAR
Eu a imaginava menos gorda. Amo-a muito.
8. VTD e oração subordinada Eu sempre a amei, mas em segredo.
17. INTITULAR
substantiva objetiva direta 6. CONTRARIAR
Os ribeirinhos intitularam-no herói.
O complemento do verbo transitivo direto Por causa do derrame, evite contrariá-la.
18. JULGAR
pode ser uma oração inteira: é a oração su-
Todos o julgavam culpado. 7. CONVIDAR
bordinada substantiva objetiva direta.
19. NOMEAR Vim convidá-la para um passeio de barco.
1. Sinto que ela me ama.
Nomearam meu primo inspetor-chefe. 8. DESCULPAR
Objeto direto de sinto: “que ela me ama”.
20. SABER Eu já a desculpei.
2. Saquei que nada é eterno.
Ali, ninguém o sabia bandido. 9. ESTIMAR
Objeto direto de saquei: “que nada é
21. SUPOR Estimo-a muito, Cristina.
eterno”.
A família supunha-o íntegro. 10. ESPERAR
9. Verbos transobjetivos Espero-a na igreja, na parte de trás, é claro.
22. TACHAR
Os verbos transitivos diretos que formam o Por causa da briga, tacharam-no de 11. ELOGIAR
predicado verbo-nominal com predicativo do louco. Eu já o elogiei mais do que devia.
objeto merecem atenção especial. São co- 12. ENCONTRAR
23. TER
nhecidos como transobjetivos. O comple- Encontrá-la-ei na esquina, pode esperar.
mento verbal (objeto direto) vem acompa- Todos o tinham como doido.
nhado de predicativo. 13. FERIR
Jamais quis feri-la; foi um acidente.
1. Julgamos Teotônio incapaz dessa atitude.
Função de incapaz: predicativo do objeto. Dificuldades da língua 14. IMITAR
Classificação do predicado: verbo-nomi- Quanado comecei a atuar, eu o imitava.
CACHORRO-QUENTE e CACHORRO QUENTE
nal. 15. LEVAR
a) Cachorro-quente (com hífen) é sanduíche Se viajar, eu a levarei comigo.
2. Elegeram-na vereadora.
feito com um pão pequeno e salsicha quente.
Função de vereadora: predicativo do ob- 16. MATAR
jeto. Formação: composição por justaposição. A polícia matou-o equivocadamente.
Classificação do predicado: verbo-nomi- Plural: cachorros-quentes. 17. PERSEGUIR
nal. Exemplos: Prometo: não vou mais persegui-la.
Principais verbos transobjetivos 1. Boa parte dos jovens de hoje alimenta-se 18. PRENDER
Os verbos seguintes, quando empregados de cachorro-quente. Além de prendê-la, torturaram-na.
em sentido especial, são transobjetivos: 2. Ela ganha dinheiro explorando uma ban- 19. PREJUDICAR
transitivos diretos (raramente indiretos) + ca de cachorro-quente na feira livre. Jamais o prejudicaria.
predicativo. Vêm acompanhados de predica- b) Cachorro quente (sem hífen) é cachorro 20. SAUDAR
tivo do objeto, formando o predicado verbo- cuja temperatura, por alguma razão, está Saúdo-a pela coragem.
nominal. elevada. Cachorro voluptuoso, ardente. 21. SOCORRER
1. ACHAR Plural: cachorros quentes. Instintivamente, eu a socorri.
Eu sempre a achei atraente. 22. TER
Exemplos:
2. ACLAMAR Eu tive-a em meus braços várias vezes.
1. Cachorro quente esse seu. Não pode
Os funcionários aclamaram-no líder. 23. Ver
farejar uma cadela que fica querendo re-
3. ACUSAR bendar a coleira. Eu a vi ontem, no cinema.
O povo acusava-o de corrupto. 2. Cachorro quente, aqui na clínica, toma 24. Visitar
4. CALCULAR logo um banho frio para baixar a tempe- Costumava visitá-la nos fins de semana.
Os familiares calculavam-na casada. ratura; depois, é medicado.

11
Encarte referente ao curso pré-vestibular
Aprovar da Universidade do Estado do PERSCRUTANDO O TEXTO (p. 2)
Amazonas. Não pode ser vendido. 01. A
02. E
03. B
Governador
04. E
Eduardo Braga ACUÑA, Cristóbal de. Informes de jesuítas em el
05. C
Vice-Governador amazonas: 1660-1684. Iquitos - Peru, 1986.
06. A
Omar Aziz ADALBERTO Prado e Silva et al. Dicionário
brasileiro da língua portuguesa. São Paulo: 07. B
Reitor Melhoramentos, 1975. 08. D
Lourenço dos Santos Pereira Braga ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Dicionário de 09. D
Vice-Reitor questões vernáculas. 3. ed. São Paulo: Ática, 1996. 10. C
Carlos Eduardo Gonçalves ARRUDA, José Jobson de A. et ali. Toda a 11. E
História: História geral e História do Brasil, 8ª 12. E
Pró-Reitor de Planejamento e Administração
edição. São Paulo: Editora Ática, 2000. 13. B
Antônio Dias Couto
BECHARA, Evanildo. Gramática portuguesa. 31. 14. C
Pró-Reitor de Extensão e ed. São Paulo: Nacional, 1987
Assuntos Comunitários CARVAJAL, Gaspar de. Descobrimento do rio de DESAFIO GRAMATICAL (p. 3)
Ademar R. M. Teixeira Orellana. São Paulo: Nacional, 1941. 01. C
COELHO, Marcos A. ; TERRA, Lygia. Geografia
Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa CAIU NO VESTIBULAR (p. 5)
Geral. O espaço natural e socioeconômico.
Walmir Albuquerque 01. C
Moderna, 2001.
Coordenadora Geral COELHO, Marcos de Amorim. Geografia do Brasil 02. A
Munira Zacarias / Marcos Amorim Coelho, Lígia Terra Soares - 5ª 03. A
Coordenador de Professores ed. Reforme e Atual - São Paulo. Moderna 2003 DESAFIO GRAMATICAL (p. 5)
(Série Sinopse)
João Batista Gomes 01. B
HOORNAERT, Eduardo (Coord.). Comissão de
Coordenador de Ensino Estudos da Igreja na América Latina. História da 02. C
Carlos Jennings Igreja na Amazônia. Petrópolis-RJ: Vozes, 1992. 03. A
Coordenadora de Comunicação MAGNOLI, Demétrio; ARAÚJO, Regina. Sociedade 04. B
Liliane Maia e Espaço: Geografia geral e do Brasil. Ed. Ática - ARAPUCA (p.5)
São Paulo, 2000.
Coordenador de Logística e Distribuição 01. E
MOREIRA, Igor. Construindo o espaço brasileiro.
Raymundo Wanderley Lasmar
Ed: Ática. 2004. 2ª Edição - 1ª impressão. PERSCRUTANDO O TEXTO (p. 6)
Produção MOREIRA, Igor. O espaço geográfico: Geografia
01. B; 02. B; 03. D; 04. C; 05. E; 06. A;
Aline Susana Canto Pantoja geral e do Brasil. Ed. Ática, 2002.
07. B; 08. D; 09. E; 10. E; 11. A; 12. E;
Renato Moraes MOTA, Myryam Becho e BRAICK, Patrícia Ramos.
História das Cavernas ao Terceiro Milênio, 2ª edição. 13. A; 14. D; 15. B; 16. A
Projeto Gráfico – Jobast
São Paulo: Editora Moderna, 2002. ARAPUCA (p.7)
Alberto Ribeiro
SHMIDT, Mario. Nova História Crítica do Brasil: 500
Antônio Carlos 01. B
anos de História malcontada. São Paulo: Editora
Aurelino Bentes Nova Geração, 2003. DESAFIO GRAMATICAL (p. 7)
Heimar de Oliveira SILVA, Francisco de Assis. História do Brasil, 1ª 01. B;
Mateus Borja edição. São Paulo: Editora Moderna, 2000.
DESAFIO LITERÁRIO (p. 9)
Paulo Alexandre VESENTINI, José William - 1950. Geografia Crítica: A
Rafael Degelo Sociedade Brasileira. São Paulo - Ática 2004. - O 01. C; 02. B; 03. C; 04. B ; 05. E; 06. C;
Tony Otani espaço Amazônico e o espaço Brasileiro. DESAFIO LITERÁRIO (p. 11)
01. E
Editoração Eletrônica
Horácio Martins

Este material didático, que será distribuído nos Postos de Atendimento (PAC) na capital e Escolas da Rede Estadual de Ensino, é
base para as aulas transmitidas diariamente (horário de Manaus), de segunda a sábado, nos seguintes meios de comunicação:
• TV Cultura (7h às 7h30 e 23h40 às 00h15) Postos de distribuição:
• Amazon Sat (15h10 às 15h40)
• RBN (13h às 13h30) • PAC São José – Alameda Cosme Ferreira – Shopping São José
• Rádio Rio Mar (19h às 19h30) • PAC Cidade Nova – Rua Noel Nutles, 1350 – Cidade Nova I
• Rádio Seis Irmãos do São Raimundo • PAC Compensa – Av. Brasil, 1325 – Compensa
(7h às 8h e 16h às 16h30) • PAC Porto – Rua Marquês de Santa Cruz, s/n.°
• Rádio Panorama de Itacoatiara (23h às 23h30) armazém 10 do Porto de Manaus – Centro
• Rádio Difusora de Itacoatiara (23h às 23h30) • PAC Alvorada – Rua desembargador João
• Rádio Comunitária Pedra Pintada de Itacoatiara Machado, 4922 – Planalto
(22h00 às 22h30) • PAC Educandos – Av. Beira Mar, s/nº – Educandos
• Rádio Santo Antônio de Borba (18h30 às 19h)
• Rádio Estação Rural de Tefé (19h às 19h30) – horário local
• Rádio Independência de Maués (6h às 6h30)
• Rádio Cultura (6h às 6h30 e 12h às 12h30)
• Centros e Núcleos da UEA (12h15 às 12h45)

www.uea.edu.br e www.linguativa.com.br
Endereço para correspondência: Projeto Aprovar - Reitoria da UEA - Av. Djalma Batista,
3578 - Flores. CEP 69050-010. Manaus-AM