P. 1
Modelo de gestão estratégica para uma instituição confessional de ensino superior fundamentado no Balanced Scorecard

Modelo de gestão estratégica para uma instituição confessional de ensino superior fundamentado no Balanced Scorecard

|Views: 479|Likes:
As Instituições Confessionais de Ensino Superior – ICES – enfrentam dificuldades na sua administração, pois o atual sistema, baseado em medidas tradicionais, é insuficiente para lidar com toda a complexidade organizacional de mercado e serviço. Face as dificuldades, apresenta-se um novo modelo gerencial que lhes proporcione inovação e competitividade para criar valor futuro em suas atividades. O presente estudo tem como objetivo sistematizar um modelo de gestão para as Instituições Confessionais de Ensino Superior fundamentado no Balanced Scorecard, sistema gerencial capaz de canalizar os mais diversos setores da organização na busca da realização de metas estratégicas de longo prazo. Para ilustrar a funcionalidade desse modelo, foi feito estudo de caso em uma unidade de Instituição Confessional de Ensino Superior – ICES, evidenciando-se as possíveis dificuldades e limitações no que se refere a sua implementação. Durante a implantação desse modelo, observou-se melhoria no gerenciamento da ICES estudada, a começar pelo comportamento de seus diretores que, atuando de forma integrada, demonstraram preocupação na identificação das atividades que não agregam valores e na identificação de melhor direcionamento das ações da ICES em visão estratégica.
Verificou-se também que, ao identificar alguns pontos fracos, tomaram-se as iniciativas de corrigi-los buscando-se a eficácia no sistema. Constatou-se que, apesar das dificuldades na implementação de alguns dos passos estabelecidos na arquitetura do modelo proposto, sua aplicação é possível e viável.
As Instituições Confessionais de Ensino Superior – ICES – enfrentam dificuldades na sua administração, pois o atual sistema, baseado em medidas tradicionais, é insuficiente para lidar com toda a complexidade organizacional de mercado e serviço. Face as dificuldades, apresenta-se um novo modelo gerencial que lhes proporcione inovação e competitividade para criar valor futuro em suas atividades. O presente estudo tem como objetivo sistematizar um modelo de gestão para as Instituições Confessionais de Ensino Superior fundamentado no Balanced Scorecard, sistema gerencial capaz de canalizar os mais diversos setores da organização na busca da realização de metas estratégicas de longo prazo. Para ilustrar a funcionalidade desse modelo, foi feito estudo de caso em uma unidade de Instituição Confessional de Ensino Superior – ICES, evidenciando-se as possíveis dificuldades e limitações no que se refere a sua implementação. Durante a implantação desse modelo, observou-se melhoria no gerenciamento da ICES estudada, a começar pelo comportamento de seus diretores que, atuando de forma integrada, demonstraram preocupação na identificação das atividades que não agregam valores e na identificação de melhor direcionamento das ações da ICES em visão estratégica.
Verificou-se também que, ao identificar alguns pontos fracos, tomaram-se as iniciativas de corrigi-los buscando-se a eficácia no sistema. Constatou-se que, apesar das dificuldades na implementação de alguns dos passos estabelecidos na arquitetura do modelo proposto, sua aplicação é possível e viável.

More info:

Published by: Keimelion - revisão de textos on Jul 26, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/25/2012

pdf

text

original

Universidade Federal de Santa Catarina

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Argemiro Edson Ribeiro

Modelo de gestão estratégica para uma instituição confessional de ensino superior fundamentado no Balanced Scorecard

Florianópolis 2002

Universidade Federal de Santa Catarina
Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Argemiro Edson Ribeiro

Modelo de gestão estratégica para uma instituição confessional de ensino superior fundamentado no Balanced Scorecard
Dissertação apresentada ao Programa de PósGraduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Engenharia de Produção. Área: Gestão de Negócios Orientador: Paulo Maurício Selig Tutora: Ângela Cristina Corrêa

Florianópolis 2002

i

Argemiro Edson Ribeiro

Modelo de gestão estratégica para uma instituição confessional de ensino superior fundamentado no Balanced Scorecard

Esta Dissertação foi julgada e aprovada para obtenção do título de Mestre em Engenharia de Produção em sua forma final pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina. ___________________________________ Professor Dr Edson Pacheco Paladini Coordenador Banca Examinadora: ___________________________________ Professor Dr Paulo Maurício Selig Orientador

___________________________________ Professora Dra Xxxxxx __________________________________ Professora Dra Xxxxxx ___________________________________ Prof. Ângela Cristina Corrêa Tutora

ii

Ficha catalográfica

iii

À minha esposa, Ana, e aos queridos filhos: Nathalia, Danilo e Henrique.

iv

Agradecimentos
A Deus, por me conceder a oportunidade de realização dos meus ideais. Ao Professor Paulo Maurício Selig, pela orientação no desenvolvimento deste trabalho. À Professora Ângela Cristina Corrêa, por disponibilizar seu tempo para sanar as minhas dúvidas, tornando possível a finalização deste trabalho. Ao Professor Crisoston Terto Vilas Boas, pela contribuição no projeto deste trabalho. Ao Professor Antônio Diomário Queiroz, pelos esclarecimentos e paciência que muito contribuíram para meu entendimento da Contabilidade de Gestão. Aos Professores José Francisco Salm e Maria Ester Menegasso, por incentivar a publicação das minhas idéias. Ao Professor Idone Bringhenti, por ser inovador e por incentivar e valorizar o potencial criativo de todas as pessoas que o rodeiam. Ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina, pela oportunidade de realização do mestrado. Ao Instituto Izabela Hendrix, pela visão em firmar o convênio com a UFSC de modo a reduzir a distância entre Florianópolis e Belo Horizonte, por meio de vídeo-conferência. Aos Diretores do Sistema Batista Mineiro de Educação e aos colegas Daniel Caldeira Portugal e Humberto Elias Garcia Lopes pelo apoio na realização deste trabalho. Aos meus pais, Argemiro José Ribeiro e Neusa dos Santos Ribeiro, que me ensinaram o caminho da verdade. Ao amigo Amilson Carlos Zanetti, pelo tempo em que estudamos juntos. Finalmente, a todos aqueles que, de maneira direta ou indireta, contribuíram para a realização deste trabalho.

v

Existe hoje consenso sobre o valor da disseminação da educação de terceiro grau como condição fundamental para o desenvolvimento sustentável de qualquer nação. As Instituições Confessionais de Ensino Superior, em virtude da concorrência cada vez mais acirrada, com a abertura de mais Faculdades e conseqüentemente novos cursos, necessitam repensar o modelo gerencial que lhes proporcione inovação e competitividade, por meio de adoção de estratégias eficazes.

vi

Sumário
Lista de figuras ............................................................................................................. viii Lista de quadros ........................................................................................................... viii Lista de abreviaturas e siglas ........................................................................................ ix Resumo ............................................................................................................................. x Abstract........................................................................................................................... xi 1 1.1 1.2 1.2.1 1.2.2 1.3 1.3.1 1.3.2 1.3.3 1.4 2 2.1 2.1.1 2.1.2 2.2 2.2.1 2.2.2 2.2.3 2.3 2.3.1 2.3.2 2.3.3 2.4 3 3.1 3.2 3.2.1 3.2.2 4 4.1 4.1.1 4.1.2 4.1.3 4.2 Introdução ............................................................................................................... 1 Problema ........................................................................................................... 4 Objetivos ........................................................................................................... 4 Geral.................................................................................................................. 4 Específicos ........................................................................................................ 4 Materiais e métodos .......................................................................................... 4 Natureza da pesquisa ........................................................................................ 4 Natureza dos dados ........................................................................................... 5 Método utilizado ............................................................................................... 6 Estrutura ............................................................................................................ 6 Revisão da literatura e fundamentos teóricos ...................................................... 7 Sistemas de gestão e avaliação no ensino superior ........................................... 7 Gerenciamento pela qualidade total .................................................................. 7 A avaliação nas universidades ........................................................................ 17 Estratégias organizacionais ............................................................................. 18 Organizações ................................................................................................... 19 Serviços ........................................................................................................... 20 Estratégia ........................................................................................................ 21 Balanced scorecard – BSC ............................................................................. 27 O Balanced scorecard como sistema estratégico de gestão ........................... 28 O método BSC e suas perspectivas................................................................. 30 O processo de construção do balanced scorecard .......................................... 38 O BSC em organizações sem fins lucrativos .................................................. 40 Proposta de modelo de gestão estratégica fundamentada no Balanced Scorecard ................................................................................................................ 42 Bases do modelo proposto .............................................................................. 42 Construção das etapas do modelo proposto .................................................... 42 Análise ambiental ........................................................................................... 42 Estrutura do BSC ............................................................................................ 43 Estudo de caso da ICES-Batista .......................................................................... 46 Conceito de instituições confessionais de ensino superior ............................. 46 Princípios e valores das ICES evangélicas. .................................................... 46 O projeto educacional das ICES ..................................................................... 47 As ICES e suas entidades mantenedoras ........................................................ 49 Estrutura acadêmica ........................................................................................ 52

vii

4.2.1 4.2.2 4.2.3 4.2.4 4.2.5 4.2.6 4.2.7 4.2.8 4.2.9 4.3 4.3.1 4.3.2 4.3.3 4.3.4 4.3.5 4.3.6 4.3.7 4.3.8 4.3.9 5 5.1 5.2 5.3 6 7

Projeto pedagógico / currículo do curso ......................................................... 52 Corpo docente por titulação ............................................................................ 53 Dedicação e regime de trabalho do corpo docente ......................................... 53 Coordenação dos cursos da Instituição ........................................................... 54 Biblioteca da ICES -Batista. ........................................................................... 54 Processo seletivo candidato x vagas no vestibular ......................................... 55 Situação dos alunos da instituição .................................................................. 55 Grau de satisfação dos alunos, professores e funcionários ............................. 56 Grau de conhecimento da missão e visão por parte dos funcionários ............ 57 Aplicação do modelo proposto ....................................................................... 57 Fase de preparação .......................................................................................... 59 Fase de definição das perspectivas ................................................................. 59 Fase de definição dos objetivos estratégicos – Mapa Estratégico .................. 61 Fase da definição dos fatores-chave de sucesso ............................................. 62 Fase de definição dos indicadores de desempenho ......................................... 65 Relação de causa e efeito da ICES – Batista .................................................. 70 Implementação e feedback do plano ............................................................... 72 Prazo para implementação .............................................................................. 72 Resultados observados .................................................................................... 72 Conclusões e sugestões para trabalhos futuros .................................................. 74 Conclusões ...................................................................................................... 74 Potencialidades ............................................................................................... 75 Sugestões para trabalhos futuros..................................................................... 75 Referências bibliográficas .................................................................................... 77 Anexo...................................................................................................................... 81

viii

Lista de figuras
Figura 2.1 – Elementos de um sistema. .......................................................................... 19 Figura 2.2 – O Balanced Scorecard como Sistema Gerencial........................................ 29 Figura 2.3 – Traduzindo a missão em resultados almejados. ......................................... 30 Figura 2.4 – A perspectiva dos processos internos – o modelo da cadeia de valores..... 36 Figura 2.5 – Arquitetura do Balanced Scorecard. .......................................................... 39 Figura 2.6 – Motivos para uma organização elaborar BSC. ........................................... 40 Figura 3.1 – Estrutura do BSC para uma Instituição Confessional de Ensino Superior. 45 Figura 4.1 – Organograma da ICES – Batista ................................................................ 51 Figura 4.2 – Modelo de articulação para a tradução da visão em cada perspectiva. ...... 60 Figura 4.3 – Relação de Causa e Efeito da ICES – Batista. ........................................... 71

Lista de quadros
Quadro 2.1 – Definição restrita e ampla do negócio. ..................................................... 25 Quadro 2.2 – A perspectiva do cliente – medidas essenciais ......................................... 34 Quadro 4.1 – Resumo do corpo docente, por titulação:.................................................. 53 Quadro 4.2 – Padrões de qualidade do MEC – titulação do corpo docente. .................. 53 Quadro 4.3 – Resumo do corpo docente, por regime de trabalho semanal: ................... 54 Quadro 4.4 – Padrões de qualidade do MEC – regime de trabalho. ............................... 54 Quadro 4.5 – do Processo seletivo – relação candidato/vaga: ........................................ 55 Quadro 4.6 – Situação dos alunos. .................................................................................. 55 Quadro 4.7 – Definição dos objetivos estratégicos – (Mapa estratégico)....................... 61 Quadro 4.8 – Fatores-chave de sucesso da ICES Batista ............................................... 62 Quadro 4.9 – Indicadores da Perspectiva da Sociedade. ................................................ 66 Quadro 4.10 – Indicadores da Perspectiva dos Alunos. ................................................. 67 Quadro 4.11 – Indicadores da Perspectiva da Responsabilidade financeira................... 68 Quadro 4.12 – Indicadores da Perspectiva dos Processos Internos. ............................... 69 Quadro 4.13 – Indicadores da Perspectiva do Aprendizado e Crescimento. .................. 70

ix

Lista de abreviaturas e siglas
ABC – Custeio Baseado em Atividades ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas ANDES – Associação Nacional de Docentes ANEB – Associação Nacional de Educandários Batistas BNDS – Banco Nacional do Desenvolvimento Social BSC – Balanced Scorecard CEM – Central de Encaminhamento para o Mercado CNAS – Conselho Nacional de Assistência Social FAMIH – Faculdades Metodistas Integradas Izabela Hendrix FCS – Fatores-Chave-de-Sucesso GERES – Grupo Executivo para a Reformulação do Ensino Superior ICES – Instituição Confessional de Ensino Superior IFES – Instituições Federais de Ensino Superior IES – Instituição de Ensino Superior IMIH – Instituto Metodista Izabela Hendrix JECBM – Junta de Educação da Convenção Batista Mineira LDB – Leis de Diretrizes e Bases MEC – Ministério da Educação PAIUB – Programa de Avaliação das Universidades Brasileiras PARU – Programa de Avaliação da Reforma Universitária PBQP – Programa Brasileiro da Qualidade e Produção PGQ – Plano de Gestão da Qualidade SBME – Sistema Batista Mineiro da Educação SESu – Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação SIG – Sistema de Informação Gerencial UEN – Unidade Estratégica de Negócio UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina

x

Resumo
As Instituições Confessionais de Ensino Superior – ICES – enfrentam dificuldades na sua administração, pois o atual sistema, baseado em medidas tradicionais, é insuficiente para lidar com toda a complexidade organizacional de mercado e serviço. Face as dificuldades, apresenta-se um novo modelo gerencial que lhes proporcione inovação e competitividade para criar valor futuro em suas atividades. O presente estudo tem como objetivo sistematizar um modelo de gestão para as Instituições Confessionais de Ensino Superior fundamentado no Balanced Scorecard, sistema gerencial capaz de canalizar os mais diversos setores da organização na busca da realização de metas estratégicas de longo prazo. Para ilustrar a funcionalidade desse modelo, foi feito estudo de caso em uma unidade de Instituição Confessional de Ensino Superior – ICES, evidenciando-se as possíveis dificuldades e limitações no que se refere a sua implementação. Durante a implantação desse modelo, observou-se melhoria no gerenciamento da ICES estudada, a começar pelo comportamento de seus diretores que, atuando de forma integrada, demonstraram preocupação na identificação das atividades que não agregam valores e na identificação de melhor direcionamento das ações da ICES em visão estratégica. Verificou-se também que, ao identificar alguns pontos fracos, tomaram-se as iniciativas de corrigi-los buscando-se a eficácia no sistema. Constatou-se que, apesar das dificuldades na implementação de alguns dos passos estabelecidos na arquitetura do modelo proposto, sua aplicação é possível e viável. Palavras-chave: Balanced Scorecard, estratégia, gestão, indicadores de desempenho.

xi

Abstract
The Confessional Institutions of Higher Education face difficulties in the administration, the system based on traditional measures is insufficient to work with all the organizational complexity of market and service. It come a new managerial model that it provides innovation and competitiveness to create future value in the activities. This study has the objective of systematizing an administration model for the Confessional Institutions of Higher Education based in Balanced Scorecard, managerial system capable to channel the most several sections of the organization in the search of the accomplishment of strategic goals of long period. To illustrate the functionality of that model, it was made case study in a unit of Confessional Institution of Higher Education, being evidenced the possible difficulties and limitations in the implementation. During the implantation of this model, improvement was observed in the administration, to begin for the directors‟ behavior that, acting in an integrated way, they demonstrated concern in the identification of the activities that they don‟t join values and in the identification of better direction of the actions with strategic vision. It was also verified that, when identifying some weak points, the initiatives were taken of correcting them being looked for the effectiveness in the system. It was verified that the application is possible and viable, in spite of the difficulties in the implementation of some of the established steps in the architecture of the proposed model. Key-words: Balanced Scorecard, strategy, administration, acting indicators.

1

Introdução

Este capítulo apresenta as informações iniciais sobre a importância de definir um modelo de gestão para os negócios, fundamentados no modelo básicos proposto por KAPLAN e NORTON (1997) e especifica os objetivos da pesquisa e suas limitações. De acordo com ALPERSTEDT (2001:5) a competitividade nos negócios não é conseqüência exclusiva da tecnologia da informação, mas também da globalização e do novo papel dos governos, que têm favorecido as privatizações e as desregulamentações, modificando sua postura frente aos negócios. Vive-se hoje nas organizações ciclo de mudanças cada vez mais rápido, em que a disseminação da informação em tempo real, facilitada pelos avanços tecnológicos na área da informática, tem provocado elevadas pressões competitivas, exigindo-se conhecimentos de mercado, agilidade e perspicácia nas tomadas de decisões (ARAÚJO, 2001:1). Os gestores das organizações não tinham grandes demandas de informações sobre custos de produtos, processos e clientes, devido à falta de pressões competitivas. Porém, no atual ambiente de competitividade, até os serviços públicos que tradicionalmente serviram a mercados cativos protegidos, passaram a sofrer pressões no sentido de obter melhorias de produtividade e desempenho que resultem em maior valor para seus clientes (PESSOA, 2000:160). Assim sendo, à medida que o mundo integra seus mercados e que a competição avança em todos os seguimentos, as organizações necessitam observar quais fatores devem ser levados em conta para maximizar suas chances de sucesso e sobrevivência, não só no curto prazo, mas principalmente em horizonte mais distante, verificando-se os conceitos e práticas de planejamento empresarial para que seja possível a construção do futuro. Nesse contexto, as organizações devem utilizar ferramentas inovadoras que as tornem competitivas. Os modelos tradicionais de gestão, que priorizam os dados financeiros baseados em análise retrospectiva, não permitem conhecer dados oriundos dos clientes, do mercado, da estratégia organizacional; variáveis fundamentais a serem consideradas no design e implementação das estratégias organizacionais. Cada vez mais se faz necessário gerenciar melhor essas variáveis, considerando-se a importância dos dados financeiros. Assim, como o processo de gestão empresarial faz

Modelo de gestão estratégica para uma instituição confessional de ensino superior fundamentado no Balanced Scorecard

77

6

Referências bibliográficas

ABELL, Derek F. Administrando com dupla estratégia. São Paulo: Pioneira, 1995. ACKOFF, Russel L. Planejamento empresarial. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1976. ALPERSTEDT, Cristiane. As universidades corporativas no contexto do ensino superior. Tese de doutorado. São Paulo: FEA/USP, 2001. AMORIM, Ami Ribeiro, et al. Anais da 76a Assembléia da Convenção Batista Mineira. Juiz de Fora: Jul., 2002. ANDRADE, Rui Otávio Bernardes e AMBONI, Nério. Cursos de administração: manual de orientação para verificação in loco das condições de reconhecimento. Brasília: MEC, abr., 1999. ANSOFF, H. Igor. Administração estratégica. São Paulo: Atlas, 1993. ARAÚJO, Antônio Emílio A. de. A universidade possível. Belo Horizonte. Jornal O Estado de Minas, Caderno Pensar, 17 mar., 2001. AZEVEDO, Fernando de. A cultura brasileira. São Paulo: Melhoramentos, 1963. BARÇANTE, Luiz César. Qualidade total: uma visão brasileira – o impacto estratégico na universidade e na empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1998. BETHLEM, Agrícola de Souza. Estratégia empresarial: conceitos, processo e administração estratégica. São Paulo: Atlas, 1998. BORNHOLDT, Werner. Orquestrando empresas vencedoras: guia prático da administração de estratégias e mudanças. Rio de Janeiro: Campus, 1997. CAMPOS, Vicente Falconi. Controle da qualidade total – no estilo japonês. Fundação Christiano Ottoni – Escola de Engenharia da UFMG. Rio de Janeiro: Bloch Editora, 1992. CERTO, Samuel C. e PETER. J Paul. Administração estratégica: planejamento e implantação da estratégia. São Paulo: Makron Books, 1993. COLENGHI, Vitor Mature. O & M e qualidade total: uma integração perfeita. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1997. CORRÊA, Angela Cristina. A divulgação da produção científica como um item de controle de qualidade da pesquisa. Dissertação de mestrado. Santa Maria: PPGEP/UFSC, dez., 1998. DEMO, Pedro. Avaliação qualitativa. 5ª ed. Campinas: Autores associados, 1995.
RIBEIRO, Argemiro Edson

Modelo de gestão estratégica para uma instituição confessional de ensino superior fundamentado no Balanced Scorecard

78

DEMO, Pedro. Pesquisa: princípio científico e educativo. 6ª ed. São Paulo: Cortez, 1999. DRUCKER, Peter F. Administração de organizações sem fins lucrativos. São Paulo: Pioneira, 1999. GRACIOSO, Francisco. Planejamento estratégico orientado para o mercado. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 1996. HACK, Osvaldo Henrique. Protestantismo e educação brasileira, presbiterianismo e seu relacionamento com o sistema pedagógico. São Paulo: Casa Ed. Presbiteriana, 1985. HENDERSON, Bruce D. As Origens da Estratégia. In: MONTGOMERY, Cynthia A., PORTER, Michael E. Estratégia: a busca da vantagem competitiva. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus,1998. IMPARATO, Nicholas e HARARI, Oren. A grande Virada: inovação e escolha estratégica em uma era de transição. Rio de Janeiro: Campus, 1997. JURAN, J.M. Juran na liderança pela qualidade. Pioneira. 2. ed: São Paulo, 1993. KAPLAN, Robert S. e COOPER, Robin. Custo e desempenho – administre seus custos para ser mais competitivo. São Paulo: Futura, 1998. KAPLAN, Robert S. e NORTON, David P. A estratégia em ação: balanced scorecard. Rio de Janeiro: Campus, 1997. KAPLAN, Robert S. e NORTON, David P. Implementando o balanced scorecard. Harvard Business Review – Reprint nº 93.505-set/out. 1993. Belo Horizonte: MindQuest, 1999. KAPLAN, Robert S. e NORTON, David P. Organização orientada para a estratégia: como as empresas que adotam o balanced scorecard prosperam no novo ambiente de negócios. Rio de Janeiro: Campus, 2000. KAPLAN, Robert S. O balanced scorecard: gerenciando a performance futura. Harvard Business Review – Belo Horizonte: MindQuest, 1999. KOTLER, Philip. Marketing para serviços profissionais. São Paulo: Atlas. 1988. KRAUSE, Donald G. A arte da guerra para os executivos. Makron Books: São Paulo. 1996. LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Marketing de serviços. São Paulo: Atlas, 1991. LDB – Lei de Diretrizes e Bases – Lei.º 9.394/96 – Brasília, 2000. MACHADO, José Nemésio. A contribuição batista para a educação brasileira. Rio de Janeiro: Juerp, 1994.
RIBEIRO, Argemiro Edson

Modelo de gestão estratégica para uma instituição confessional de ensino superior fundamentado no Balanced Scorecard

79

MACHADO, José Nemésio. Educação batista no Brasil: uma análise complexa. Perdizes: Cortez, 1999. MARCONI, Marina de Andrade e LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa: planejamento e execuções de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração e interpretação de dados. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1996. MAXIMIANO, Antônio César Amaru. Introdução à administração. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1995. MEYER JR, V. Gestão para a qualidade e qualidade na gestão: o caso das universidades. In: Seminário Internacional de Gestão pela Qualidade em Universidades. UDESC: Florianópolis, 1997. MINTZBERG, Henry. Criando organizações eficazes: estruturas configurações. São Paulo: Atlas, 1995. em cinco

MINTZBERG, Henry, A criação artesanal da estratégia, 1987. In: MONTGOMERY, Cynthia A., PORTER, Michael E. Estratégia. São Paulo: Campus, 4. ed., 1998. MONTGOMERY, Cynthia A., PORTER, Michael E. Estratégia: a busca da vantagem competitiva. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998. OAKLAND, John. Gerenciamento da qualidade total. São Paulo: Nobel, 1994. OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Estratégia empresarial uma abordagem empreendedora. São Paulo: Atlas, 1991. OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Planejamento estratégico: conceitos, metodologias e práticas. 13. ed. São Paulo: Atlas, 1999. OLIVEIRA, Edvar Gimenes de. Colégios confessionais versus colégios comerciais. Rio de Janeiro. O Jornal Batista, Ano CI, ed. 18, p. 7, Caderno Examinai Tudo, 30/0406/05/2001. OLVE, Nils-Göram, ROY, Jan e WETTER, Magnus. Condutores da performance: um guia prático para o uso do balanced scorecard. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2001. PESSOA, Maria Naiula Monteiro. Gestão e controle das universidades federais brasileiras – um modelo modificado do balanced scorecard. Tese de Doutorado. Florianópolis: PPGEP/UFSC, jan., 2000. PORTER, Michael E. Estratégia competitiva. Rio de Janeiro: Campus, 1986. PORTER, Michael E. What is strategy? Harvard Business Review. Nov/Dec. 1996 ROCHA, Douglas José Alexandria. Desenvolvimento do balanced scorecard para instituição de ensino superior privada – estudo de caso da unidade de negócio 4 da universidade gama. Dissertação de Mestrado. Florianópolis: PPGEP-UFSC, mai., 2000.
RIBEIRO, Argemiro Edson

Modelo de gestão estratégica para uma instituição confessional de ensino superior fundamentado no Balanced Scorecard

80

SASHKIN, Marshall. Gestão da qualidade total na prática. Rio de Janeiro: Campus, 1994. SCHMIDT, Adir Otto. Uma contribuição ao estudo da evolução dos modelos gerenciais frente aos desafios impostos pela globalização. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSC, Florianópolis, 2001. SHANK, J.K. e GOVINDARAJAN, V. A revolução dos custos. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997. STONER, James. A. F. e FREEMAN, R. Edward. Administração. 5. ed. Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil, 2000. TAVARES, Mauro Calixta. Planejamento Estratégico: a opção entre sucesso e fracasso empresarial. São Paulo: Harbra, 1991. TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987. VIEIRA, David Gueiros. O protestantismo, a maçonaria e a questão religiosa no Brasil. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1980. WALTER, Fábio; GASPERTETTO, Valdirene; KLIEMANN NETO, Fracisco José. O processo preparatório para a elaboração do balanced scorecard: estudo de caso em uma cátedra acadêmica. In: XXI Encontro nacional de engenharia de produção. Anais. Salvador, 2001. <www.eps.ufsc.br/~fwalter> disponível em 02 de setembro de 2002. WATSON, Gregory H. Benchmarking estratégico. São Paulo: Makron Books, 1994.

RIBEIRO, Argemiro Edson

Modelo de gestão estratégica para uma instituição confessional de ensino superior fundamentado no Balanced Scorecard

81

7

Anexo

Estas questões serviram apenas como roteiro para as entrevistas feita aos diretores da Instituição de Ensino. Durante as entrevistas outros temas foram abordados pelos diretores que contribuíram para o desenvolvimento deste trabalho. 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 11. 12. 13. 14. 15. 16. 17. 18. 19. 20. 21. Na sua opinião quais são os pontos fortes da Instituição? Quais são os pontos fracos da Instituição? Na sua opinião qual é a principal causa da inadimplência? Qual o motivo da evasão, no seu ponto de vista? O atual modelo de gestão tem atendido suas expectativas? Como é medido o desempenho da Instituição? Qual a missão da Instituição? Qual é a visão da Instituição? A empresa possui estratégias de longo prazo? Se a Instituição possui estratégias, no seu ponto de vista, são claras? Participaste da sua elaboração? A Instituição possui metas? Possui objetivo estratégico? A instituição investe no capital humano? A Instituição está preocupada com a qualidade do ensino? A Instituição está preocupada com o aprendizado do aluno? No seu ponto de vista os processos internos podem ser melhorados? E os concorrentes não o assustam, por quê? Sente-se motivado trabalhando na Instituição? Acredita que os demais funcionários e professores estão motivados? Tem-se avaliado o grau de satisfação dos alunos?

RIBEIRO, Argemiro Edson

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->